FULL

TEXT



família

1949900 matching pages

Results 1-100

https://ca.wikipedia.org/wiki/Passeriformes
  Passeriformes - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Passeriformes De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca Passeriformes Mascle de pinsà ( Fringilla coelebs ) Període Eocè inferior fins a l'actualitat Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Animalia Subregne Bilateria Fílum Chordata Classe Aves Superordre Neoaves Ordre Passeriformes Linnaeus , 1758 Tipus taxonòmic Fringilla domestica Subordres Acanthisitti ... 3.3, 2013) contenen 123 famílies amb 6315 espècies: Subordre Acanthisitti , amb una família i 4 espècies: Família Acanthisittidae , amb i 4 espècies. Subordre Tyranni (Suboscines), amb 13 famílies i 1305 espècies, una d’elles de difícil classificació (Incertae sedis). Família Eurylaimidae , amb 20 espècies. Família Pittidae , amb 33 espècies. Família Furnariidae , amb 307 espècies. Família Thamnophilidae , amb 228 espècies. Família Formicariidae , amb 12 espècies. Família Grallariidae , amb 51 CACHE

Passeriformes - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Passeriformes De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca Passeriformes Mascle de pinsà ( Fringilla coelebs ) Període Eocè inferior fins a l'actualitat Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Animalia Subregne Bilateria Fílum Chordata Classe Aves Superordre Neoaves Ordre Passeriformes Linnaeus , 1758 Tipus taxonòmic Fringilla domestica Subordres Acanthisitti Tyranni Passeri L' ordre dels passeriformes és el més extens dels ocells . Agrupa un gran nombre de famílies i, en conjunt, reben el nom d' ocells o moixons . El nom deriva de Passer , que és el nom científic del gènere que entre d'altres inclou els pardals. Solen ésser de mida petita, malgrat que hi ha moltes excepcions, com els còrvids , que arriben a fer més de 60 cm de longitud i més d'un kg de pes. Les diferents famílies són molt variables i per això és més fàcil definir aquestes que no pas el conjunt de l' ordre . Una característica comuna a tots els representants és l'anisodactília, o sia, presentar tres dits dirigits endavant i un cap enrere, l' ungla del qual ultrapassa en longitud les dels altres dits. Molts representants tenen la siringe molt desenvolupada i canten molt bé. Els polls dels passeriformes són nidícoles. Contingut 1 Taxonomia 2 Referències 3 Bibliografia 4 Vegeu també 5 Enllaços externs Taxonomia [ modifica ] Pardal comú ( Passer domesticus ) Protonotaria citrea Oreneta vulgar ( Hirundo rustica ) Espizella arborea L'ordre dels passeriformes està format per tres subordres [1] que segons la classificació del Congrés Ornitològic Internacional (versió 3.3, 2013) contenen 123 famílies amb 6315 espècies: Subordre Acanthisitti , amb una família i 4 espècies: Família Acanthisittidae , amb i 4 espècies. Subordre Tyranni (Suboscines), amb 13 famílies i 1305 espècies, una d’elles de difícil classificació (Incertae sedis). Família Eurylaimidae , amb 20 espècies. Família Pittidae , amb 33 espècies. Família Furnariidae , amb 307 espècies. Família Thamnophilidae , amb 228 espècies. Família Formicariidae , amb 12 espècies. Família Grallariidae , amb 51 espècies. Família Conopophagidae , amb 11 espècies. Família Rhinocryptidae , amb 56 espècies. Família Melanopareiidae , amb 4 espècies. Família Tyrannidae , amb 421 espècies. Família Cotingidae , amb 64 espècies. Família Pipridae , amb 52 espècies. Família Tityridae , amb 45 espècies. Subordre Passeri (Oscines), amb 109 famílies i 5006 espècies, 16 d’elles de difícil classificació (Incertae sedis). Família Menuridae , amb 2 espècies. Família Atrichornithidae , amb 2 espècies. Família Ptilonorhynchidae , amb 20 espècies. Família Climacteridae , amb 7 espècies. Família Maluridae , amb 29 espècies. Família Meliphagidae , amb 184 espècies. Família Dasyornithidae , amb 3 espècies. Família Pardalotidae , amb 4 espècies. Família Acanthizidae , amb 65 espècies. Família Pomatostomidae , amb 5 espècies. Família Orthonychidae , amb 3 espècies. Família Cnemophilidae , amb 3 espècies. Família Melanocharitidae , amb 10 espècies. Família Paramythiidae , amb 2 espècies. Família Callaeidae , amb 5 espècies. Família Notiomystidae , amb 1 espècies. Família Psophodidae , amb 16 espècies. Família Platysteiridae , amb 33 espècies. Família Tephrodornithidae , amb 8 espècies. Família Prionopidae , amb 8 espècies. Família Malaconotidae , amb 50 espècies. Família Machaerirhynchidae , amb 2 espècies. Família Vangidae , amb 21 espècies. Família Cracticidae , amb 12 espècies. Família Pityriaseidae , amb 1 espècies. Família Artamidae , amb 11 espècies. Família Aegithinidae , amb 4 espècies. Família Campephagidae , amb 92 espècies. Família Neosittidae , amb 3 espècies. Família Pachycephalidae , amb 58 espècies. Família Laniidae , amb 33 espècies. Família Vireonidae , amb 63 espècies. Família Oriolidae , amb 34 espècies. Família Dicruridae , amb 26 espècies. Família Rhipiduridae , amb 49 espècies. Família Monarchidae , amb 98 espècies. Família Corvidae , amb 130 espècies. Família Corcoracidae , amb 2 espècies. Família Paradisaeidae , amb 41 espècies. Família Petroicidae , amb 46 espècies. Família Picathartidae , amb 2 espècies. Família Chaetopidae , amb 2 espècies. Família Eupetidae , amb 1 espècies. Família Bombycillidae , amb 3 espècies. Família Ptilogonatidae , amb 4 espècies. Família Hypocoliidae , amb 1 espècies. Família Dulidae , amb 1 espècies. Família Mohoidae , amb 5 espècies. Família Hylocitreidae , amb 1 espècies. Família Stenostiridae , amb 9 espècies. Família Paridae , amb 59 espècies. Família Remizidae , amb 12 espècies. Família Panuridae , amb 1 espècies. Família Nicatoridae , amb 3 espècies. Família Alaudidae , amb 98 espècies. Família Pycnonotidae , amb 151 espècies. Família Hirundinidae , amb 88 espècies. Família Pnoepygidae , amb 4 espècies. Família Macrosphenidae , amb 18 espècies. Família Cettiidae , amb 32 espècies. Família Scotocercidae , amb 1 espècies. Família Erythrocercidae , amb 3 espècies. Família Aegithalidae , amb 13 espècies. Família Phylloscopidae , amb 77 espècies. Família Acrocephalidae , amb 61 espècies. Família Locustellidae , amb 57 espècies. Família Donacobiidae , amb 1 espècies. Família Bernieridae , amb 11 espècies. Família Cisticolidae , amb 160 espècies. Família Timaliidae , amb 56 espècies. Família Pellorneidae , amb 71 espècies. Família Leiothrichidae , amb 133 espècies. Família Sylviidae , amb 70 espècies. Família Zosteropidae , amb 128 espècies. Família Arcanatoridae , amb 3 espècies. Família Promeropidae , amb 2 espècies. Família Irenidae , amb 2 espècies. Família Regulidae , amb 6 espècies. Família Hyliotidae , amb 4 espècies. Família Troglodytidae , amb 83 espècies. Família Polioptilidae , amb 17 espècies. Família Sittidae , amb 28 espècies. Família Tichodromidae , amb 1 espècies. Família Certhiidae , amb 11 espècies. Família Mimidae , amb 34 espècies. Família Sturnidae , amb 123 espècies. Família Buphagidae , amb 2 espècies. Família Turdidae , amb 185 espècies. Família Muscicapidae , amb 298 espècies. Família Cinclidae , amb 5 espècies. Família Chloropseidae , amb 11 espècies. Família Dicaeidae , amb 48 espècies. Família Nectariniidae , amb 139 espècies. Família Passeridae , amb 50 espècies. Família Ploceidae , amb 109 espècies. Família Estrildidae , amb 143 espècies. Família Viduidae , amb 20 espècies. Família Peucedramidae , amb 1 espècies. Família Prunellidae , amb 13 espècies. Família Motacillidae , amb 67 espècies. Família Urocynchramidae , amb 1 espècies. Família Fringillidae , amb 218 espècies. Família Parulidae , amb 115 espècies. Família Icteridae , amb 108 espècies. Família Coerebidae , amb 1 espècies. Família Emberizidae , amb 173 espècies. Família Thraupidae , amb 372 espècies. Família Calcariidae , amb 6 espècies. Família Cardinalidae , amb 68 espècies. Referències [ modifica ] ↑ Scott V. Edwards and John Harshman. Passeriformes. Tree of Life web Project Rev. 03/03/2013 (anglès) Bibliografia [ modifica ] Llorente, Gustavo: Els vertebrats de les zones humides dels Països Catalans . Editorial Pòrtic, S.A. Col·lecció Conèixer La Natura, núm. 6, plana 128. Desembre del 1988 , Barcelona . ISBN 84-7306-354-6 . Dickinson, E.C. (ed.) ( 2003 ): The Howard and Moore complete checklist of the birds of the World (3a edició). Christopher Helm, Londres . ISBN 0-7136-6536-X . del Hoyo, J.. Elliot, A. & Christie, D. (editors) ( 2004 ): Handbook of the Birds of the World (Vol. 9: Cotingas to Pipits and Wagtails. Lynx Edicions). ISBN 84-87334-69-5 . del Hoyo, J.. Elliot, A. & Christie, D. (editors) ( 2005 ): Handbook of the Birds of the World (Vol. 10: Cuckoo-Shrikes to Thrushes. Lynx Edicions). ISBN 84-87334-72-5 . del Hoyo, J.. Elliot, A. & Christie, D. (editors) (2006): Handbook of the Birds of the World (Vol. 11: Old World Flycatchers to Old World Warblers). Lynx Edicions. ISBN 84-96553-06-X del Hoyo, J.. Elliot, A. & Christie, D. (editors) ( 2007 ): Handbook of the Birds of the World (Vol. 12: Picathartes to Tits and Chickadees). Lynx Edicions. ISBN 978-84-96553-42-2 . Vegeu també [ modifica ] Mohoua . Enllaços externs [ modifica ] En altres projectes de Wikimedia : Commons Viquiespècies Article sobre la filogènia de l'ordre dels passeriformes. (anglès) Animal Diversity Web (anglès) Bases de dades taxonòmiques Dyntaxa EOL Fauna Europaea GBIF ITIS NCBI Paleodb WoRMS Registres d'autoritat GND : 4182191-9 NDL : 00571794 Obtingut de « https://ca.wikipedia.org/w/index.php?title=Passeriformes&oldid=19162604 » Categoria : Passeriformes Categories ocultes : Articles amb infotaules sense dades en local Pàgines amb enllaç commonscat des de Wikidata Control de bases de dades taxonòmiques Control d'autoritats Pàgines que usen enllaços màgics d'ISBN Menú de navegació Eines personals Sense sessió iniciada Discussió per aquest IP Contribucions Crea un compte Inicia la sessió Espais de noms Pàgina Discussió Variants Vistes Mostra Modifica Mostra l’historial Més Cerca Navegació Portada Article a l'atzar Articles de qualitat Comunitat Portal viquipedista Canvis recents La taverna Contacte Xat Donatius Ajuda Eines Què hi enllaça Canvis relacionats Pàgines especials Enllaç permanent Informació de la pàgina Element a Wikidata Citau aquest article Imprimeix/exporta Crear un llibre Baixa com a PDF Versió per a impressora En altres projectes Commons Viquiespècies En altres idiomes Afrikaans Alemannisch Aragonés العربية Asturianu Azərbaycanca Башҡортса Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български भोजपुरी বাংলা Brezhoneg Cebuano Čeština Чӑвашла Cymraeg Dansk Deutsch Ελληνικά English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Français Nordfriisk Frysk Gaeilge Galego עברית हिन्दी Hrvatski Magyar Հայերեն Interlingua Bahasa Indonesia Ido Íslenska Italiano 日本語 Basa Jawa ქართული Taqbaylit Адыгэбзэ Қазақша 한국어 Kurdî Кыргызча Latina Lëtzebuergesch Limburgs Lietuvių Latgaļu Latviešu Македонски മലയാളം Кырык мары Bahasa Melayu Napulitano Nederlands Norsk nynorsk Norsk Occitan Livvinkarjala ਪੰਜਾਬੀ Polski پنجابی پښتو Português Română Русский Русиньскый Sicilianu Scots Davvisámegiella Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenčina Slovenščina Српски / srpski Svenska தமிழ் ไทย Tagalog Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Tiếng Việt West-Vlams Walon Winaray მარგალური Zeêuws 中文 Bân-lâm-gú 粵語 Modifica els enllaços La pàgina va ser modificada per darrera vegada el 11 nov 2017 a les 00:04. El text està disponible sota la Llicència de Creative Commons Reconeixement i Compartir-Igual . es poden aplicar termes addicionals. Vegeu les Condicions d'ús . Wikipedia® (Viquipèdia™) és una marca registrada de Wikimedia Foundation, Inc . Política de privadesa Quant al projecte Viquipèdia Renúncies Desenvolupadors Declaració de cookies Versió per a mòbils



http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_APG
  Sistema APG – Wikipédia, a enciclopédia livre Sistema APG Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Um moderno sistema de taxonomia vegetal , o sistema APG de classificação botânica, foi publicado em 1998 pelo Grupo de Filogenia de Angiospérmicas . O sistema não é usual, por estar baseado, não em total evidência, mas na análise cladística das sequências do ADN de três ... ) no sistema APG II (2003) Famílias sem ordem definida: família Abolbodaceae família Bromeliaceae família Dasypogonaceae família Hanguanaceae família Mayacaceae família Rapateaceae ordem Arecales família Arecaceae (= Palmae ) ordem Commelinales família Commelinaceae família Haemodoraceae família Philydraceae família Pontederiaceae ordem Poales família Anarthriaceae família Centrolepidaceae família Cyperaceae família Ecdeiocoleaceae família Eriocaulaceae família Flagellariaceae família Hydatellaceae CACHE

Sistema APG – Wikipédia, a enciclopédia livre Sistema APG Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Um moderno sistema de taxonomia vegetal , o sistema APG de classificação botânica, foi publicado em 1998 pelo Grupo de Filogenia de Angiospérmicas . O sistema não é usual, por estar baseado, não em total evidência, mas na análise cladística das sequências do ADN de três genes, dois dos cloroplastos e um que codifica os ribossomas . Ainda que baseado somente na evidência molecular , os grupos constituintes dão suporte a outra evidência. Por exemplo, a morfologia do pólen suporta a separação entre as eudicotiledôneas ( eudicots ) e o resto das dicotiledóneas . O sistema é algo controverso nas suas decisões ao nível das famílias, separando um certo número de famílias há muito estabelecidas e submergindo outras famílias. Também não é usual porque não usa nomes botânicos acima do nível da ordem, isto é, a ordem é a classificação mais elevada que leva um nome botânico formal. Grupos superiores são definidos unicamente como clados, através da utilização de nomes como monocotiledônea , eudicotiledônea , rosídea e asterídea . Este sistema foi sucedido, em 2003 , pelo sistema APG II . A organização em clados (e não em taxa ) é a seguinte : angiospermas : monocotiledôneas comelinóides eudicotiledôneas Núcleo eudicotiledôneas rosídeas eurosídeas I eurosídeas II asterídeas euasterídeas I euasterídeas II Índice 1 Clado angiospermas 1.1 Clado monocotiledôneas (inglês: monocots) 1.1.1 Clado comelinóides (inglês: commelinoids) 1.1.2 monocotiledôneas não-comelinóides 1.2 Clado eudicotiledôneas ou dicotiledôneas verdadeiras (inglês: eudicots) 1.2.1 Clado Núcleo eudicotiledôneas (inglês: core eudicots) 1.2.1.1 Clado rosídeas (inglês rosids) 1.2.1.2 Clado eurosídeas I (inglês: eurosids I) 1.2.1.3 Clado eurosídeas II (inglês: eurosids II) 1.2.2 Clado asterídeas (inglês: asterids) 1.2.2.1 Clado euasterídeas I (inglês: euasterids I) 1.2.2.2 Clado euasterídeas II (inglês: euasterids II) 1.3 Angiospermas não-monocotiledôneas e não-eudicotiledôneas 1.4 Famílias com posições incertas (Provavelmente eudicotiledôneas) 2 Ver também 3 Ligações externas Clado angiospermas [ editar | editar código-fonte ] Clado monocotiledôneas (inglês: monocots ) [ editar | editar código-fonte ] Clado comelinóides (inglês: commelinoids ) [ editar | editar código-fonte ] NB: Comelinóides ( commelinoids ) no sistema APG (1998), mas denominadas comelinídeas ( commelinids ) no sistema APG II (2003) Famílias sem ordem definida: família Abolbodaceae família Bromeliaceae família Dasypogonaceae família Hanguanaceae família Mayacaceae família Rapateaceae ordem Arecales família Arecaceae (= Palmae ) ordem Commelinales família Commelinaceae família Haemodoraceae família Philydraceae família Pontederiaceae ordem Poales família Anarthriaceae família Centrolepidaceae família Cyperaceae família Ecdeiocoleaceae família Eriocaulaceae família Flagellariaceae família Hydatellaceae família Joinvilleaceae família Juncaceae família Poaceae (= Gramineae ) família Prioniaceae família Restionaceae família Sparganiaceae família Thurniaceae família Typhaceae família Xyridaceae ordem Zingiberales família Cannaceae família Costaceae família Heliconiaceae família Lowiaceae família Marantaceae família Musaceae família Strelitziaceae família Zingiberaceae monocotiledôneas não- comelinóides [ editar | editar código-fonte ] Famílias sem ordem definida: família Corsiaceae família Japonoliriaceae família Nartheciaceae família Petrosaviaceae família Triuridaceae ordem Acorales família Acoraceae ordem Alismatales família Alismataceae família Aponogetonaceae família Araceae (incl. Lemnaceae ) família Butomaceae família Cymodoceaceae família Hydrocharitaceae família Juncaginaceae família Limnocharitaceae família Posidoniaceae família Potamogetonaceae família Ruppiaceae família Scheuchzeriaceae família Tofieldiaceae família Zosteraceae ordem Asparagales família Agapanthaceae família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anemarrhenaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae (incl Aloaceae ) família Asteliaceae família Behniaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Convallariaceae família Doryanthaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hesperocallidaceae família Hyacinthaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae família Ixioliriaceae família Lanariaceae família Laxmanniaceae (incl. Lomandraceae ) família Orchidaceae família Tecophilaeaceae (incl. Cyanastraceae ) família Themidaceae família Xanthorrhoeaceae família Xeronemataceae ordem Dioscoreales família Burmanniaceae família Dioscoreaceae família Taccaceae família Thismiaceae família Trichopodaceae ordem Liliales família Alstroemeriaceae família Campynemataceae família Colchicaceae família Liliaceae família Luzuriagaceae família Melanthiaceae (incl. Trilliaceae ) família Philesiaceae família Ripogonaceae família Smilacaceae ordem Pandanales família Cyclanthaceae família Pandanaceae família Stemonaceae família Velloziaceae Clado eudicotiledôneas ou dicotiledôneas verdadeiras (inglês: eudicots ) [ editar | editar código-fonte ] Famílias sem ordem definida família Buxaceae família Didymelaceae família Sabiaceae família Trochodendraceae [+ família Tetracentraceae ] ordem Proteales família Nelumbonaceae família Platanaceae família Proteaceae ordem Ranunculales família Berberidaceae família Circaeasteraceae família Kingdoniaceae [+ família Eupteleaceae ] família Lardizabalaceae família Menispermaceae família Papaveraceae [+ família Fumariaceae ] [+ família Pteridophyllaceae ] família Ranunculaceae Clado Núcleo eudicotiledôneas (inglês: core eudicots ) [ editar | editar código-fonte ] Famílias sem ordem definida família Aextoxicaceae família Berberidopsidaceae família Dilleniaceae família Gunneraceae família Myrothamnaceae família Vitaceae ordem Caryophyllales família Achatocarpaceae família Aizoaceae família Amaranthaceae (incl. Chenopodiaceae ) família Ancistrocladaceae família Asteropeiaceae família Basellaceae família Cactaceae família Caryophyllaceae família Didiereaceae família Dioncophyllaceae família Droseraceae família Drosophyllaceae família Frankeniaceae família Molluginaceae família Nepenthaceae família Nyctaginaceae família Physenaceae família Phytolaccaceae família Plumbaginaceae família Polygonaceae família Portulacaceae família Rhabdodendraceae família Sarcobataceae família Simmondsiaceae família Stegnospermataceae família Tamaricaceae ordem Santalales família Loranthaceae família Misodendraceae família Olacaceae família Opiliaceae família Santalaceae (incl. Viscaceae ) ordem Saxifragales família Altingiaceae família Cercidiphyllaceae família Crassulaceae família Daphniphyllaceae família Grossulariaceae família Haloragaceae família Hamamelidaceae família Iteaceae família Paeoniaceae família Penthoraceae família Pterostemonaceae família Saxifragaceae família Tetracarpaeaceae Clado rosídeas (inglês rosids ) [ editar | editar código-fonte ] Famílias sem ordem definida família Aphloiaceae família Crossosomataceae família Ixerbaceae família Krameriaceae família Picramniaceae família Podostemaceae família Stachyuraceae família Staphyleaceae família Tristichaceae família Zygophyllaceae ordem Geraniales família Francoaceae família Geraniaceae [+ família Hypseocharitaceae ] família Ledocarpaceae família Greyiaceae ) família Melianthaceae família Vivianiaceae Clado eurosídeas I (inglês: eurosids I ) [ editar | editar código-fonte ] Famílias sem ordem definida família Celastraceae família Huaceae família Parnassiaceae [+ família Lepuropetalaceae ] família Stackhousiaceae ordem Cucurbitales família Anisophylleaceae família Begoniaceae família Coriariaceae família Corynocarpaceae família Cucurbitaceae família Datiscaceae família Tetramelaceae ordem Fabales família Fabaceae (= Leguminosae . incl. Caesalpiniaceae , Mimosaceae ) família Polygalaceae família Quillajaceae família Surianaceae ordem Fagales família Betulaceae família Casuarinaceae família Fagaceae família Juglandaceae família Myricaceae família Nothofagaceae família Rhoipteleaceae família Ticodendraceae ordem Malpighiales família Achariaceae família Balanopaceae família Caryocaraceae família Chrysobalanaceae família Clusiaceae (= Guttiferae , incl. Hypericaceae ) família Dichapetalaceae família Erythroxylaceae família Euphorbiaceae família Euphroniaceae família Flacourtiaceae família Goupiaceae família Hugoniaceae família Humiriaceae família Irvingiaceae família Ixonanthaceae família Lacistemataceae família Linaceae família Malesherbiaceae família Malpighiaceae família Medusagynaceae família Ochnaceae família Pandaceae família Passifloraceae família Putranjivaceae família Quiinaceae família Rhizophoraceae família Salicaceae família Scyphostegiaceae família Trigoniaceae família Turneraceae família Violaceae ordem Oxalidales família Cephalotaceae família Connaraceae família Cunoniaceae família Elaeocarpaceae família Oxalidaceae família Tremandraceae ordem Rosales (incl. Urticales ) família Barbeyaceae família Cannabaceae (incl. Celtidaceae ) família Cecropiaceae família Celtidaceae família Dirachmaceae família Elaeagnaceae família Moraceae família Rhamnaceae família Rosaceae família Ulmaceae família Urticaceae Clado eurosídeas II (inglês: eurosids II ) [ editar | editar código-fonte ] Família sem ordem definida família Tapisciaceae ordem Brassicales família Akaniaceae [+ família Bretschneideraceae ] família Bataceae família Brassicaceae (= Cruciferae . incl. Capparaceae ) família Caricaceae família Emblingiaceae família Gyrostemonaceae família Koeberliniaceae família Limnanthaceae família Moringaceae família Pentadiplandraceae família Resedaceae família Salvadoraceae família Setchellanthaceae família Tovariaceae família Tropaeolaceae ordem Malvales família Bixaceae [+ família Diegodendraceae ] família Cistaceae família Cochlospermaceae família Dipterocarpaceae família Malvaceae (incl. Bombacaceae , Sterculiaceae , Tiliaceae ) família Muntingiaceae família Neuradaceae família Sarcolaenaceae família Sphaerosepalaceae família Thymelaeaceae ordem Myrtales família Alzateaceae família Combretaceae família Crypteroniaceae família Heteropyxidaceae família Lythraceae (incl. Sonneratiaceae , Trapaceae ) família Melastomataceae família Memecylaceae família Myrtaceae família Oliniaceae família Onagraceae família Penaeaceae família Psiloxylaceae família Rhynchocalycaceae família Vochysiaceae ordem Sapindales família Anacardiaceae família Biebersteiniaceae família Burseraceae família Kirkiaceae família Meliaceae família Nitrariaceae [+ família Peganaceae ] família Rutaceae família Sapindaceae (incl. Aceraceae , Hippocastanaceae ) família Simaroubaceae Clado asterídeas (inglês: asterids ) [ editar | editar código-fonte ] ordem Cornales família Cornaceae [+ família Nyssaceae ] família Grubbiaceae família Hydrangeaceae família Hydrostachyaceae família Loasaceae ordem Ericales família Actinidiaceae família Balsaminaceae família Clethraceae família Cyrillaceae família Diapensiaceae família Ebenaceae família Ericaceae (incl. família Empetraceae , Epacridaceae , Monotropaceae , Pyrolaceae ) família Fouquieriaceae família Halesiaceae família Lecythidaceae família Marcgraviaceae família Myrsinaceae família Pellicieraceae família Polemoniaceae família Primulaceae família Roridulaceae família Sapotaceae família Sarraceniaceae família Styracaceae (incl. Halesiaceae ) família Symplocaceae família Ternstroemiaceae família Tetrameristaceae família Theaceae família Theophrastaceae Clado euasterídeas I (inglês: euasterids I ) [ editar | editar código-fonte ] Famílias sem ordem definida família Boraginaceae (inc Lennoaceae , Hydrophyllaceae ) família Plocospermataceae família Vahliaceae ordem Garryales família Aucubaceae família Eucommiaceae família Garryaceae família Oncothecaceae ordem Gentianales família Apocynaceae (incl. família Asclepiadaceae ) família Gelsemiaceae família Gentianaceae família Loganiaceae família Rubiaceae ordem Lamiales família Acanthaceae família Avicenniaceae família Bignoniaceae família Buddlejaceae família Byblidaceae família Cyclocheilaceae família Gesneriaceae família Lamiaceae (= Labiatae ) família Lentibulariaceae família Myoporaceae família Oleaceae família Orobanchaceae família Paulowniaceae família Pedaliaceae [+ família Martyniaceae ] família Phrymaceae família Plantaginaceae (incl. Globulariaceae ) família Schlegeliaceae família Scrophulariaceae família Stilbaceae família Tetrachondraceae família Verbenaceae ordem Solanales família Convolvulaceae família Hydroleaceae família Montiniaceae família Solanaceae família Sphenocleaceae Clado euasterídeas II (inglês: euasterids II ) [ editar | editar código-fonte ] Famílias sem ordem definida família Adoxaceae família Bruniaceae (incl. Berzeliaceae ) família Carlemanniaceae família Columelliaceae [+família Desfontainiaceae ] família Eremosynaceae família Escalloniaceae família Icacinaceae família Polyosmaceae família Sphenostemonaceae família Tribelaceae ordem Apiales família Apiaceae (= Umbelliferae ) família Araliaceae família Aralidiaceae família Griseliniaceae família Melanophyllaceae família Pittosporaceae família Torricelliaceae ordem Aquifoliales família Aquifoliaceae família Helwingiaceae família Phyllonomaceae ordem Asterales família Alseuosmiaceae família Argophyllaceae família Asteraceae (= Compositae ) família Calyceraceae família Campanulaceae [+ família Lobeliaceae ] família Carpodetaceae família Donatiaceae família Goodeniaceae família Menyanthaceae família Pentaphragmataceae família Phellinaceae família Rousseaceae família Stylidiaceae ordem Dipsacales família Caprifoliaceae família Diervillaceae família Dipsacaceae família Linnaeaceae família Morinaceae família Valerianaceae Angiospermas não- monocotiledôneas e não- eudicotiledôneas [ editar | editar código-fonte ] Famílias sem ordem definida família Amborellaceae família Austrobaileyaceae família Canellaceae família Chloranthaceae família Hydnoraceae família Illiciaceae família Nymphaeaceae [+ família Cabombaceae ] família Rafflesiaceae família Schisandraceae família Trimeniaceae família Winteraceae ordem Ceratophyllales família Ceratophyllaceae ordem Laurales família Atherospermataceae família Calycanthaceae família Gomortegaceae família Hernandiaceae família Lauraceae família Monimiaceae família Siparunaceae ordem Magnoliales família Annonaceae família Degeneriaceae família Eupomatiaceae família Himantandraceae família Magnoliaceae família Myristicaceae ordem Piperales família Aristolochiaceae família Lactoridaceae família Piperaceae família Saururaceae NB. '[ + ...]' = família opcional Famílias com posições incertas (Provavelmente eudicotiledôneas) [ editar | editar código-fonte ] família Balanophoraceae família Bonnetiaceae família Cardiopteridaceae família Ctenolophonaceae família Cynomoriaceae família Cytinaceae família Dipentodontaceae família Elatinaceae família Geissolomataceae família Hoplestigmataceae família Kaliphoraceae família Lepidobotryaceae família Lissocarpaceae família Lophopyxidaceae família Medusandraceae família Metteniusaceae família Mitrastemonaceae família Paracryphiaceae família Pentaphylacaceae família Peridiscaceae família Plagiopteraceae família Pottingeriaceae família Sladeniaceae família Strasburgeriaceae família Tepuianthaceae Ver também [ editar | editar código-fonte ] Classificação clássica Sistema APG II Sistema APG III Flora Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] APG - CSDL, Texas APwebsite e a sua árvore completa das Angiospérmicas . NB. este website não é o APG (1998), mas uma posição contemporânea (Versão 8, 2007). Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Sistema_APG&oldid=37667798 ' Categoria : Sistemas de taxonomia vegetal Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Català Čeština Dansk English Español Français Galego Magyar 日本語 Basa Jawa 한국어 Bahasa Melayu Nederlands Polski Русский Српски / srpski Türkçe Українська Vèneto West-Vlams 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 12h31min de 18 de dezembro de 2013. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://ca.wikipedia.org/wiki/Sistema_APG
  Sistema APG - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Sistema APG De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca El sistema APG (en anglès : APG system , sigles derivades d' Angiosperm Phylogeny Group system ) és un sistema de classificació de les plantes que actualment es considera obsolet. És la primera versió d'un sistema modern basat principalment en la filogenètica molecular . Va ser publicat el 1998 per ... in color El sistema APG reconeix 462 famílies i 40 ordres: clade angiospermes família Amborellaceae família Austrobaileyaceae família Canellaceae família Chloranthaceae família Hydnoraceae Família Illiciaceae família Nymphaeaceae [+ família Cabombaceae ] família Rafflesiaceae família Schisandraceae família Trimeniaceae família Winteraceae ordre Ceratophyllales família Ceratophyllaceae ordre Laurales Família Atherospermataceae Família Calycanthaceae Família Gomortegaceae Família Hernandiaceae Família CACHE

Sistema APG - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Sistema APG De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca El sistema APG (en anglès : APG system , sigles derivades d' Angiosperm Phylogeny Group system ) és un sistema de classificació de les plantes que actualment es considera obsolet. És la primera versió d'un sistema modern basat principalment en la filogenètica molecular . Va ser publicat el 1998 per l' Angiosperm Phylogeny Group . El 2003 es va fer la seva revisió pel sistema APG II , seguida el 2009 per una altra revisió ( APG III ). El sistema original APG era diferent a altres sistemes, ja que no es basava no en les proves totals sinó en l'anàlisi cladística de la seqüència d' ADN de tres gens , dos gens del cloroplast i un gen que codifica els ribosomes . Aquest sistema és bastant controvertit i provoca que algunes ben establertes famílies de plantes passin a ser altres famílies. Els grups superiors es defineixen només com a clades , amb noms com monocots , eudicots , rosids , Asteridae . Els principals grups d'aquest sistema són: angiospermes : monocots commelinoids eudicots core eudicots rosids eurosids I eurosids II Asteridae euasterids I euasterids II Representation in color El sistema APG reconeix 462 famílies i 40 ordres: clade angiospermes família Amborellaceae família Austrobaileyaceae família Canellaceae família Chloranthaceae família Hydnoraceae Família Illiciaceae família Nymphaeaceae [+ família Cabombaceae ] família Rafflesiaceae família Schisandraceae família Trimeniaceae família Winteraceae ordre Ceratophyllales família Ceratophyllaceae ordre Laurales Família Atherospermataceae Família Calycanthaceae Família Gomortegaceae Família Hernandiaceae Família Lauraceae Família Monimiaceae Família Siparunaceae ordre Magnoliales Família Annonaceae Família Degeneriaceae Família Eupomatiaceae Família Himantandraceae Família Magnoliaceae Família Myristicaceae ordre Piperales Família Aristolochiaceae Família Lactoridaceae Família Piperaceae Família Saururaceae clade monocots Família Corsiaceae Família Japonoliriaceae Família Nartheciaceae Família Petrosaviaceae Família Triuridaceae ordre Acorales Família Acoraceae ordre Alismatales Família Alismataceae Família Aponogetonaceae Família Araceae Família Butomaceae Família Cymodoceaceae Família Hydrocharitaceae Família Juncaginaceae Família Limnocharitaceae Família Posidoniaceae Família Potamogetonaceae Família Ruppiaceae Família Scheuchzeriaceae Família Tofieldiaceae Família Zosteraceae ordre Asparagales Família Agapanthaceae Família Agavaceae Família Alliaceae Família Amaryllidaceae Família Anemarrhenaceae Família Anthericaceae Família Aphyllanthaceae Família Asparagaceae Família Asphodelaceae Família Asteliaceae Família Behniaceae Família Blandfordiaceae Família Boryaceae Família Convallariaceae Família Doryanthaceae Família Hemerocallidaceae Família Herreriaceae Família Hyacinthaceae Família Hypoxidaceae Família Iridaceae Família Ixioliriaceae Família Lanariaceae Família Laxmanniaceae Família Orchidaceae Família Tecophilaeaceae Família Themidaceae Família Xanthorrhoeaceae Família Xeronemataceae ordre Dioscoreales Família Burmanniaceae Família Dioscoreaceae Família Taccaceae Família Thismiaceae Família Trichopodaceae ordre Liliales Família Alstroemeriaceae Família Campynemataceae Família Colchicaceae Família Liliaceae Família Luzuriagaceae Família Melanthiaceae Família Philesiaceae Família Ripogonaceae Família Smilacaceae ordre Pandanales Família Cyclanthaceae Família Pandanaceae Família Stemonaceae Família Velloziaceae clade commelinoids Família Abolbodaceae Família Bromeliaceae Família Dasypogonaceae Família Hanguanaceae Família Mayacaceae Família Rapateaceae ordre Arecales Família Arecaceae ordre Commelinales Família Commelinaceae Família Haemodoraceae Família Philydraceae Família Pontederiaceae ordre Poales Família Anarthriaceae Família Centrolepidaceae Família Cyperaceae Família Ecdeiocoleaceae Família Eriocaulaceae Família Flagellariaceae Família Hydatellaceae Família Joinvilleaceae Família Juncaceae Família Poaceae Família Prioniaceae Família Restionaceae Família Sparganiaceae Família Thurniaceae Família Typhaceae Família Xyridaceae ordre Zingiberales Família Cannaceae Família Costaceae Família Heliconiaceae Família Lowiaceae Família Marantaceae Família Musaceae Família Strelitziaceae Família Zingiberaceae clade eudicots Família Buxaceae Família Didymelaceae Família Sabiaceae Família Trochodendraceae [+ família Tetracentraceae ] ordre Proteales Família Nelumbonaceae Família Platanaceae Família Proteaceae ordre Ranunculales Família Berberidaceae Família Circaeasteraceae [+ família Kingdoniaceae ] Família Eupteleaceae Família Lardizabalaceae Família Menispermaceae Família Papaveraceae [+ família Fumariaceae i família Pteridophyllaceae ] Família Ranunculaceae clade core eudicots Família Aextoxicaceae Família Berberidopsidaceae Família Dilleniaceae Família Gunneraceae Família Myrothamnaceae Família Vitaceae ordre Caryophyllales Família Achatocarpaceae Família Aizoaceae Família Amaranthaceae Família Ancistrocladaceae Família Asteropeiaceae Família Basellaceae Família Cactaceae Família Caryophyllaceae Família Didiereaceae Família Dioncophyllaceae Família Droseraceae Família Drosophyllaceae Família Frankeniaceae Família Molluginaceae Família Nepenthaceae Família Nyctaginaceae Família Physenaceae Família Phytolaccaceae Família Plumbaginaceae Família Polygonaceae Família Portulacaceae Família Rhabdodendraceae Família Sarcobataceae Família Simmondsiaceae Família Stegnospermataceae Família Tamaricaceae ordre Santalales Família Olacaceae Família Opiliaceae Família Loranthaceae Família Misodendraceae Família Santalaceae ordre Saxifragales Família Altingiaceae Família Cercidiphyllaceae Família Crassulaceae Família Daphniphyllaceae Família Grossulariaceae Família Haloragaceae Família Hamamelidaceae Família Iteaceae Família Paeoniaceae Família Penthoraceae Família Pterostemonaceae Família Saxifragaceae Família Tetracarpaeaceae clade rosids Família Aphloiaceae Família Crossosomataceae Família Ixerbaceae Família Krameriaceae Família Picramniaceae Família Podostemaceae Família Stachyuraceae Família Staphyleaceae Família Tristichaceae Família Zygophyllaceae ordre Geraniales Família Francoaceae Família Geraniaceae [+ família Hypseocharitaceae ] Família Greyiaceae Família Ledocarpaceae Família Melianthaceae Família Vivianiaceae clade eurosids I Família Celastraceae Família Huaceae Família Parnassiaceae [+ família Lepuropetalaceae ] Família Stackhousiaceae ordre Cucurbitales Família Anisophylleaceae Família Begoniaceae Família Coriariaceae Família Corynocarpaceae Família Cucurbitaceae Família Datiscaceae Família Tetramelaceae ordre Fabales Família Fabaceae Família Polygalaceae Família Quillajaceae Família Surianaceae ordre Fagales Família Betulaceae Família Casuarinaceae Família Fagaceae Família Juglandaceae Família Myricaceae Família Nothofagaceae Família Rhoipteleaceae Família Ticodendraceae ordre Malpighiales Família Achariaceae Família Balanopaceae Família Caryocaraceae Família Chrysobalanaceae Família Clusiaceae Família Dichapetalaceae Família Erythroxylaceae Família Euphorbiaceae Família Euphroniaceae Família Flacourtiaceae Família Goupiaceae Família Hugoniaceae Família Humiriaceae Família Hypericaceae Família Irvingiaceae Família Ixonanthaceae Família Lacistemaceae Família Linaceae Família Malesherbiaceae Família Malpighiaceae Família Medusagynaceae Família Ochnaceae Família Pandaceae Família Passifloraceae Família Putranjivaceae Família Quiinaceae Família Rhizophoraceae Família Salicaceae Família Scyphostegiaceae Família Trigoniaceae Família Turneraceae Família Violaceae ordre Oxalidales Família Cephalotaceae Família Connaraceae Família Cunoniaceae Família Elaeocarpaceae Família Oxalidaceae Família Tremandraceae ordre Rosales Família Barbeyaceae Família Cannabaceae Família Cecropiaceae Família Celtidaceae Família Dirachmaceae Família Elaeagnaceae Família Moraceae Família Rhamnaceae Família Rosaceae Família Ulmaceae Família Urticaceae clade eurosids II Família Tapisciaceae ordre Brassicales Família Akaniaceae [+ família Bretschneideriaceae ] Família Bataceae Família Brassicaceae Família Caricaceae Família Emblingiaceae Família Gyrostemonaceae Família Koeberliniaceae Família Limnanthaceae Família Moringaceae Família Pentadiplandraceae Família Resedaceae Família Salvadoraceae Família Setchellanthaceae Família Tovariaceae Família Tropaeolaceae ordre Malvales Família Bixaceae [+ família Diegodendraceae ] Família Cistaceae Família Cochlospermaceae Família Dipterocarpaceae Família Malvaceae Família Muntingiaceae Família Neuradaceae Família Sarcolaenaceae Família Sphaerosepalaceae Família Thymelaeaceae ordre Myrtales Família Alzateaceae Família Combretaceae Família Crypteroniaceae Família Heteropyxidaceae Família Lythraceae Família Melastomataceae Família Memecylaceae Família Myrtaceae Família Oliniaceae Família Onagraceae Família Penaeaceae Família Psiloxylaceae Família Rhynchocalycaceae Família Vochysiaceae ordre Sapindales Família Anacardiaceae Família Biebersteiniaceae Família Burseraceae Família Kirkiaceae Família Meliaceae Família Nitrariaceae [+ família Peganaceae ] Família Rutaceae Família Sapindaceae Família Simaroubaceae clade Asteridae ordre Cornales Família Cornaceae [+ família Nyssaceae ] Família Grubbiaceae Família Hydrangeaceae Família Hydrostachyaceae Família Loasaceae ordre Ericales Família Actinidiaceae Família Balsaminaceae Família Clethraceae Família Cyrillaceae Família Diapensiaceae Família Ebenaceae Família Ericaceae Família Fouquieriaceae Família Halesiaceae Família Lecythidaceae Família Marcgraviaceae Família Myrsinaceae Família Pellicieraceae Família Polemoniaceae Família Primulaceae Família Roridulaceae Família Sapotaceae Família Sarraceniaceae Família Styracaceae Família Symplocaceae Família Ternstroemiaceae Família Tetrameristaceae Família Theaceae Família Theophrastaceae clade euasterids I Família Boraginaceae Família Plocospermataceae Família Vahliaceae ordre Garryales Família Aucubaceae Família Eucommiaceae Família Garryaceae Família Oncothecaceae ordre Gentianales Família Apocynaceae Família Gelsemiaceae Família Gentianaceae Família Loganiaceae Família Rubiaceae ordre Lamiales Família Acanthaceae Família Avicenniaceae Família Bignoniaceae Família Buddlejaceae Família Byblidaceae Família Cyclocheilaceae Família Gesneriaceae Família Lamiaceae Família Lentibulariaceae Família Myoporaceae Família Oleaceae Família Paulowniaceae Família Pedaliaceae [+ família Martyniaceae ] Família Phrymaceae Família Plantaginaceae Família Schlegeliaceae Família Scrophulariaceae Família Stilbaceae Família Tetrachondraceae Família Verbenaceae ordre Solanales Família Convolvulaceae Família Hydroleaceae Família Montiniaceae Família Solanaceae Família Spenocleaceae clade euasterids II Família Adoxaceae Família Bruniaceae Família Carlemanniaceae Família Columelliaceae [+ família Desfontainiaceae ] Família Eremosynaceae Família Escalloniaceae Família Icacinaceae Família Polyosmaceae Família Sphenostemonaceae Família Tribelaceae ordre Apiales Família Apiaceae Família Araliaceae Família Aralidiaceae Família Griseliniaceae Família Melanophyllaceae Família Pittosporaceae Família Torricelliaceae ordre Aquifoliales Família Aquifoliaceae Família Helwingiaceae Família Phyllonomaceae ordre Asterales Família Alseuosmiaceae Família Argyrophyllaceae Família Asteraceae Família Calyceraceae Família Campanulaceae [+ família Lobeliaceae ] Família Carpodetaceae Família Donatiaceae Família Goodeniaceae Família Menyanthaceae Família Pentaphragmataceae Família Phellinaceae Família Rousseaceae Família Stylidiaceae ordre Dipsacales Família Caprifoliaceae Família Diervillaceae Família Dipsacaceae Família Linnaeaceae Família Morinaceae Família Valerianaceae Nota: '+ ...' = família segragada opcional, que es pot separar de la dam´lia precedent. Famílies de posició incerta Balanophoraceae Bonnetiaceae Cardiopteridaceae Ctenolophonaceae Cynomoriaceae Cytinaceae Dipentodontaceae Elatinaceae Geissolomataceae Hoplestigmataceae Kaliphoraceae Lepidobotryaceae Lissocarpaceae Lophopyxidaceae Medusandraceae Mettenusiaceae Mitrastemonaceae Paracryphiaceae Pentaphylacaceae Peridiscaceae Plagiopteraceae Pottingeriaceae Sladeniaceae Strasburgeriaceae Tepuianthaceae Vegeu també [ modifica ] Sistema APG II Sistema APG III Referències [ modifica ] The Angiosperm Phylogeny Group « An ordinal classification for the families of flowering plants ». Annals of the Missouri Botanical Garden , 85, 4, 1998, pàg. 531–553. DOI : 10.2307/2992015 . (Available online: (PDF) ) Enllaços externs [ modifica ] Comparison with other systems at CSDL, Texas APG on the Hamburg server Obtingut de « https://ca.wikipedia.org/w/index.php?title=Sistema_APG&oldid=19139435 » Categoria : Taxonomia Menú de navegació Eines personals Sense sessió iniciada Discussió per aquest IP Contribucions Crea un compte Inicia la sessió Espais de noms Pàgina Discussió Variants Vistes Mostra Modifica Mostra l’historial Més Cerca Navegació Portada Article a l'atzar Articles de qualitat Comunitat Portal viquipedista Canvis recents La taverna Contacte Xat Donatius Ajuda Eines Què hi enllaça Canvis relacionats Pàgines especials Enllaç permanent Informació de la pàgina Element a Wikidata Citau aquest article Imprimeix/exporta Crear un llibre Baixa com a PDF Versió per a impressora En altres idiomes Čeština Dansk English Español Français Galego Magyar 日本語 Basa Jawa 한국어 Bahasa Melayu Nederlands Polski Português Русский Српски / srpski Türkçe Українська Vèneto West-Vlams 中文 Modifica els enllaços La pàgina va ser modificada per darrera vegada el 6 nov 2017 a les 20:19. El text està disponible sota la Llicència de Creative Commons Reconeixement i Compartir-Igual . es poden aplicar termes addicionals. Vegeu les Condicions d'ús . Wikipedia® (Viquipèdia™) és una marca registrada de Wikimedia Foundation, Inc . Política de privadesa Quant al projecte Viquipèdia Renúncies Desenvolupadors Declaració de cookies Versió per a mòbils



https://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_de_classifica%C3%A7%C3%A3o_de_Cronquist
  Sistema de Cronquist – Wikipédia, a enciclopédia livre Sistema de Cronquist Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de Sistema de classificação de Cronquist ) Ir para: navegação , pesquisa O sistema de Cronquist é um esquema de classificação para as plantas com flor ( angiospermas ). Este sistema foi desenvolvido por Arthur Cronquist (1919-1992) nos seus textos: An Integrated System ... (= dicotiledóneas ) subclasse I. Magnoliidae ordem 1. Magnoliales família 1. Winteraceae família 2. Degeneriaceae família 3. Himantandraceae família 4. Eupomatiaceae família 5. Austrobaileyaceae família 6. Magnoliaceae (família da magnólia) família 7. Lactoridaceae família 8. Annonaceae família 9. Myristicaceae família 10. Canellaceae ordem 2. Laurales família 1. Amborellaceae família 2. Trimeniaceae família 3. Monimiaceae família 4. Gomortegaceae família 5. Calycanthaceae família 6. Idiospermaceae CACHE

Sistema de Cronquist – Wikipédia, a enciclopédia livre Sistema de Cronquist Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de Sistema de classificação de Cronquist ) Ir para: navegação , pesquisa O sistema de Cronquist é um esquema de classificação para as plantas com flor ( angiospermas ). Este sistema foi desenvolvido por Arthur Cronquist (1919-1992) nos seus textos: An Integrated System of Classification of Flowering Plants (1981) e The Evolution and Classification of Flowering Plants (1968. segunda edição, 1988). O sistema de Cronquist coloca as plantas com flor em duas classes amplas, monocotiledóneas e dicotiledóneas . As ordens relacionadas estão colocadas em subclasses. O esquema ainda é bastante utilizado, tanto na sua forma original ou em versões adaptadas, mas muitos botânicos estão a adoptar a classificação Angiosperm Phylogeny Group para as ordens e famílias das plantas com flor: APG II . Índice 1 Classificação 2 Referências 3 Ver também 4 Ligações externas Classificação [ editar | editar código-fonte ] 1. O sistema como descrito em An Integrated System of Classification of Flowering Plants (1981): Magnoliophyta (plantas com flor) classe Magnoliopsida (= dicotiledóneas ) subclasse I. Magnoliidae ordem 1. Magnoliales família 1. Winteraceae família 2. Degeneriaceae família 3. Himantandraceae família 4. Eupomatiaceae família 5. Austrobaileyaceae família 6. Magnoliaceae (família da magnólia) família 7. Lactoridaceae família 8. Annonaceae família 9. Myristicaceae família 10. Canellaceae ordem 2. Laurales família 1. Amborellaceae família 2. Trimeniaceae família 3. Monimiaceae família 4. Gomortegaceae família 5. Calycanthaceae família 6. Idiospermaceae família 7. Lauraceae (família do loureiro) família 8. Hernandiaceae ordem 3. Piperales família 1. Chloranthaceae família 2. Saururaceae família 3. Piperaceae (família do piper) ordem 4. Aristolochiales família 1. Aristolochiaceae ordem 5. Illiciales família 1. Illiciaceae família 2. Schisandraceae ordem 6. Nymphaeales família 1. Nelumbonaceae família 2. Nymphaeaceae família 3. Barclayaceae família 4. Cabombaceae família 5. Ceratophyllaceae ordem 7. Ranunculales família 1. Ranunculaceae família 2. Circaeasteraceae família 3. Berberidaceae família 4. Sargentodoxaceae família 5. Lardizabalaceae família 6. Menispermaceae família 7. Coriariaceae família 8. Sabiaceae ordem 8. Papaverales família 1. Papaveraceae família 2. Fumariaceae subclasse II. Hamamelidae [ Hamamelididae ] ordem 1. Trochodendrales família 1. Tetracentraceae família 2. Trochodendraceae ordem 2. Hamamelidales família 1. Cercidiphyllaceae família 2. Eupteleaceae família 3. Platanaceae família 4. Hamamelidaceae família 5. Myrothamnaceae ordem 3. Daphniphyllales família 1. Daphniphyllaceae ordem 4. Didymelales família 1. Didymelaceae ordem 5. Eucommiales família 1. Eucommiaceae ordem 6. Urticales família 1. Barbeyaceae família 2. Ulmaceae família 3. Cannabaceae família 4. Moraceae família 5. Cecropiaceae família 6. Urticaceae família 7. ................. ordem 7. Leitneriales família 1. Leitneriaceae ordem 8. Juglandales família 1. Rhoipteleaceae família 2. Juglandaceae ordem 9. Myricales família 1. Myricaceae ordem 10. Fagales família 1. Balanopaceae família 2. Fagaceae família 3. Betulaceae família 4. ................ família 5. ................ ordem 11. Casuarinales família 1. Casuarinaceae subclasse III. Caryophyllidae ordem 1. Caryophyllales família 1. Phytolaccaceae família 2. Achatocarpaceae família 3. Nyctaginaceae família 4. Aizoaceae família 5. Didiereaceae família 6. Cactaceae (família dos cactos) família 7. Chenopodiaceae família 8. Amaranthaceae família 9. Portulacaceae família 10. Basellaceae família 11. Molluginaceae família 12. Caryophyllaceae ordem 2. Polygonales família 1. Polygonaceae ordem 3. Plumbaginales família 1. Plumbaginaceae subclasse IV. Dilleniidae ordem 1. Dilleniales família 1. Dilleniaceae família 2. Paeoniaceae ordem 2. Theales família 1. Ochnaceae família 2. Sphaerosepalaceae família 3. Sarcolaenaceae família 4. Dipterocarpaceae família 5. Caryocaraceae família 6. Theaceae (família da planta do chá) família 7. Actinidiaceae família 8. Scytopetalaceae família 9. Pentaphylacaceae família 10. Tetrameristaceae família 11. Pellicieraceae família 12. Oncothecaceae família 13. Marcgraviaceae família 14. Quiinaceae família 15. Elatinaceae família 16. Paracryphiaceae família 17. Medusagynaceae família 18. Clusiaceae ordem 3. Malvales família 1. Elaeocarpaceae família 2. Tiliaceae família 3. Sterculiaceae família 4. Bombacaceae família 5. Malvaceae ordem 4. Lecythidales família 1. Lecythidaceae ordem 5. Nepenthales família 1. Sarraceniaceae família 2. Nepenthaceae família 3. Droseraceae ordem 6. Violales família 1. Flacourtiaceae família 2. Peridiscaceae família 3. Bixaceae família 4. Cistaceae família 5. Huaceae família 6. Lacistemataceae família 7. Scyphostegiaceae família 8. Stachyuraceae família 9. Violaceae (família das violetas) família 10. Tamaricaceae (fam. do tamarindo) família 11. Frankeniaceae família 12. Dioncophyllaceae família 13. Ancistrocladaceae família 14. Turneraceae família 15. Malesherbiaceae família 16. Passifloraceae família 17. Achariaceae família 18. Caricaceae família 19. Fouquieriaceae família 20. Hoplestigmataceae família 21. Cucurbitaceae família 22. Datiscaceae família 23. Begoniaceae família 24. Loasaceae ordem 7. Salicales família 1. Salicaceae ordem 8. Capparales família 1. Tovariaceae família 2. Capparaceae família 3. Brassicaceae família 4. Moringaceae família 5. Resedaceae ordem 9. Batales família 1. Gyrostemonaceae família 2. Bataceae ordem 10. Ericales família 1. Cyrillaceae família 2. Clethraceae família 3. Grubbiaceae família 4. Empetraceae família 5. Epacridaceae família 6. Ericaceae família 7. Pyrolaceae família 8. Monotropaceae ordem 11. Diapensiales família 1. Diapensiaceae ordem 12. Ebenales família 1. Sapotaceae família 2. Ebenaceae família 3. Styracaceae família 4. Lissocarpaceae família 5. Symplocaceae ordem 13. Primulales família 1. Theophrastaceae família 2. Myrsinaceae família 3. Primulaceae subclasse V. Rosidae ordem 1. Rosales família 1. Brunelliaceae família 2. Connaraceae família 3. Eucryphiaceae família 4. Cunoniaceae família 5. Davidsoniaceae família 6. Dialypetalanthaceae família 7. Pittosporaceae família 8. Byblidaceae família 9. Hydrangeaceae família 10. Columelliaceae família 11. Grossulariaceae família 12. Greyiaceae família 13. Bruniaceae família 14. Anisophylleaceae família 15. Alseuosmiaceae família 16. Crassulaceae família 17. Cephalotaceae família 18. Saxifragaceae família 19. Rosaceae (famílias das rosas) família 20. Neuradaceae família 21. Crossosomataceae família 22. Chrysobalanaceae família 23. Surianaceae família 24. Rhabdodendraceae ordem 2. Fabales família 1. Mimosaceae (família da mimosa) família 2. Caesalpiniaceae família 3. Fabaceae ordem 3. Proteales família 1. Elaeagnaceae família 2. Proteaceae ordem 4. Podostemales família 1. Podostemaceae ordem 5. Haloragales família 1. Haloragaceae família 2. Gunneraceae ordem 6. Myrtales família 1. Sonneratiaceae família 2. Lythraceae família 3. Penaeaceae família 4. Crypteroniaceae família 5. Thymelaeaceae família 6. Trapaceae família 7. Myrtaceae família 8. Punicaceae família 9. Onagraceae família 10. Oliniaceae família 11. Melastomataceae família 12. Combretaceae família 13. ................ família 14. ................ ordem 7. Rhizophorales família 1. Rhizophoraceae ordem 8. Cornales família 1. Alangiaceae família 2. Nyssaceae família 3. Cornaceae família 4. Garryaceae ordem 9. Santalales família 1. Medusandraceae família 2. Dipentodontaceae família 3. Olacaceae família 4. Opiliaceae família 5. Santalaceae família 6. Misodendraceae família 7. Loranthaceae família 8. Viscaceae família 9. Eremolepidaceae família 10. Balanophoraceae ordem 10. Rafflesiales família 1. Hydnoraceae família 2. Mitrastemonaceae família 3. Rafflesiaceae ordem 11. Celastrales família 1. Geissolomataceae família 2. Celastraceae família 3. Hippocrateaceae família 4. Stackhousiaceae família 5. Salvadoraceae família 6. Aquifoliaceae família 7. Icacinaceae família 8. Aextoxicaceae família 9. Cardiopteridaceae família 10. Corynocarpaceae família 11. Dichapetalaceae família 12. ................... ordem 12. Euphorbiales família 1. Buxaceae família 2. Simmondsiaceae família 3. Pandaceae família 4. Euphorbiaceae ordem 13. Rhamnales família 1. Rhamnaceae família 2. Leeaceae família 3. Vitaceae ordem 14. Linales família 1. Erythroxylaceae família 2. Humiriaceae família 3. Ixonanthaceae família 4. Hugoniaceae família 5. Linaceae ordem 15. Polygalales família 1. Malpighiaceae família 2. Vochysiaceae família 3. Trigoniaceae família 4. Tremandraceae família 5. Polygalaceae família 6. Xanthophyllaceae família 7. Krameriaceae ordem 16. Sapindales família 1. Staphyleaceae família 2. Melianthaceae família 3. Bretschneideraceae família 4. Akaniaceae família 5. Sapindaceae família 6. Hippocastanaceae família 7. Aceraceae família 8. Burseraceae família 9. Anacardiaceae família 10. Julianiaceae família 11. Simaroubaceae família 12. Cneoraceae família 13. Meliaceae família 14. Rutaceae família 15. Zygophyllaceae ordem 17. Geraniales família 1. Oxalidaceae família 2. Geraniaceae família 3. Limnanthaceae família 4. Tropaeolaceae família 5. Balsaminaceae ordem 18. Apiales família 1. Araliaceae família 2. Apiaceae subclasse VI. Asteridae ordem 1. Gentianales família 1. Loganiaceae família 2. Retziaceae família 3. Gentianaceae família 4. Saccifoliaceae família 5. Apocynaceae família 6. Asclepiadaceae ordem 2. Solanales família 1. Duckeodendraceae família 2. Nolanaceae família 3. Solanaceae família 4. Convolvulaceae família 5. Cuscutaceae família 6. Menyanthaceae família 7. Polemoniaceae família 8. Hydrophyllaceae família 9. ................... ordem 3. Lamiales família 1. Lennoaceae família 2. Boraginaceae família 3. Verbenaceae família 4. Lamiaceae ordem 4. Callitrichales família 1. Hippuridaceae família 2. Callitrichaceae família 3. Hydrostachyaceae ordem 5. Plantaginales família 1. Plantaginaceae ordem 6. Scrophulariales família 1. Buddlejaceae família 2. Oleaceae (família da oliveira) família 3. Scrophulariaceae família 4. Globulariaceae família 5. Myoporaceae família 6. Orobanchaceae família 7. Gesneriaceae família 8. Acanthaceae família 9. Pedaliaceae família 10. Bignoniaceae família 11. Mendonciaceae família 12. Lentibulariaceae ordem 7. Campanulales família 1. Pentaphragmataceae família 2. Sphenocleaceae família 3. Campanulaceae família 4. Stylidiaceae família 5. Donatiaceae família 6. Brunoniaceae família 7. Goodeniaceae ordem 8. Rubiales família 1. Rubiaceae família 2. Theligonaceae ordem 9. Dipsacales família 1. Caprifoliaceae família 2. Adoxaceae família 3. Valerianaceae família 4. Dipsacaceae ordem 10. Calycerales família 1. Calyceraceae ordem 11. Asterales família 1. Asteraceae classe Liliopsida (= monocotiledóneas ) subclasse I. Alismatidae ordem 1. Alismatales família 1. Butomaceae família 2. Limnocharitaceae família 3. Alismataceae ordem 2. Hydrocharitales família 1. Hydrocharitaceae ordem 3. Najadales família 1. Aponogetonaceae família 2. Scheuchzeriaceae família 3. Juncaginaceae família 4. Potamogetonaceae família 5. Ruppiaceae família 6. Najadaceae família 7. Zannichelliaceae família 8. Posidoniaceae família 9. Cymodoceaceae família 10. Zosteraceae ordem 4. Triuridales família 1. Petrosaviaceae família 2. Triuridaceae subclasse II. Arecidae ordem 1. Arecales família 1. Arecaceae (família da palmeira) ordem 2. Cyclanthales família 1. Cyclanthaceae ordem 3. Pandanales família 1. Pandanaceae (família do pandan) ordem 4. Arales família 1. Araceae família 2. Lemnaceae família 3. ................ subclasse III. Commelinidae ordem 1. Commelinales família 1. Rapateaceae família 2. Xyridaceae família 3. Mayacaceae família 4. Commelinaceae ordem 2. Eriocaulales família 1. Eriocaulaceae ordem 3. Restionales família 1. Flagellariaceae família 2. Joinvilleaceae família 3. Restionaceae família 4. Centrolepidaceae ordem 4. Juncales família 1. Juncaceae família 2. Thurniaceae ordem 5. Cyperales família 1. Cyperaceae família 2. Poaceae (família da relva) ordem 6. Hydatellales família 1. Hydatellaceae ordem 7. Typhales família 1. Sparganiaceae família 2. Typhaceae subclasse IV. Zingiberidae ordem 1. Bromeliales família 1. Bromeliaceae ordem 2. Zingiberales família 1. Strelitziaceae família 2. Heliconiaceae família 3. Musaceae família 4. Lowiaceae família 5. Zingiberaceae (família do gengibre) família 6. Costaceae família 7. Cannaceae família 8. Marantaceae subclasse V. Liliidae ordem 1. Liliales família 1. Philydraceae família 2. Pontederiaceae família 3. Haemodoraceae família 4. Cyanastraceae família 5. Liliaceae (família dos lírios) família 6. Iridaceae (família dos iris) família 7. Velloziaceae família 8. Aloeaceae (família do aloe) família 9. Agavaceae família 10. Xanthorrhoeaceae família 11. Hanguanaceae família 12. Taccaceae família 13. Stemonaceae família 14. Smilacaceae família 15. Dioscoreaceae ordem 2. Orchidales família 1. Geosiridaceae família 2. Burmanniaceae família 3. Corsiaceae família 4. Orchidaceae (família das orquídeas) 2. O sistema como descrito em The Evolution and Classification of Flowering Plants (1968. segunda edição, 1988). Magnoliophyta (plantas com flor) classe Magnoliopsida (= dicotiledóneas ) subclasse I. Magnoliidae ordem 1. Magnoliales família 1. Winteraceae família 2. Degeneriaceae família 3. Himantandraceae família 4. Eupomatiaceae família 5. Austrobaileyaceae família 6. Magnoliaceae família 7. Lactoridaceae família 8. Annonaceae família 9. Myristicaceae família 10. Canellaceae ordem 2. Laurales família 1. Amborellaceae família 2. Trimeniaceae família 3. Monimiaceae família 4. Gomortegaceae família 5. Calycanthaceae família 6. Idiospermaceae família 7. Lauraceae família 8. Hernandiaceae ordem 3. Piperales família 1. Chloranthaceae família 2. Saururaceae família 3. Piperaceae ordem 4. Aristolochiales família 1. Aristolochiaceae ordem 5. Illiciales família 1. Illiciaceae família 2. Schisandraceae ordem 6. Nymphaeales família 1. Nelumbonaceae família 2. Nymphaeaceae família 3. Barclayaceae família 4. Cabombaceae família 5. Ceratophyllaceae ordem 7. Ranunculales família 1. Ranunculaceae família 2. Circaeasteraceae família 3. Berberidaceae família 4. Sargentodoxaceae família 5. Lardizabalaceae família 6. Menispermaceae família 7. Coriariaceae família 8. Sabiaceae ordem 8. Papaverales família 1. Papaveraceae família 2. Fumariaceae subclasse II. Hamamelidae ordem 1. Trochodendrales família 1. Tetracentraceae família 2. Trochodendraceae ordem 2. Hamamelidales família 1. Cercidiphyllaceae família 2. Eupteleaceae família 3. Platanaceae família 4. Hamamelidaceae família 5. Myrothamnaceae ordem 3. Daphniphyllales família 1. Daphniphyllaceae ordem 4. Didymelales família 1. Didymelaceae ordem 5. Eucommiales família 1. Eucommiaceae ordem 6. Urticales família 1. Barbeyaceae família 2. Ulmaceae família 3. Cannabaceae família 4. Moraceae família 5. Cecropiaceae família 6. Urticaceae família 7. Physenaceae ordem 7. Leitneriales família 1. Leitneriaceae ordem 8. Juglandales família 1. Rhoipteleaceae família 2. Juglandaceae ordem 9. Myricales família 1. Myricaceae ordem 10. Fagales família 1. Balanopaceae família 2. Fagaceae família 3. Betulaceae família 4. Ticodendraceae família 5. Nothofagaceae ordem 11. Casuarinales família 1. Casuarinaceae subclasse III. Caryophyllidae ordem 1. Caryophyllales família 1. Phytolaccaceae família 2. Achatocarpaceae família 3. Nyctaginaceae família 4. Aizoaceae família 5. Didiereaceae família 6. Cactaceae família 7. Chenopodiaceae família 8. Amaranthaceae família 9. Portulacaceae família 10. Basellaceae família 11. Molluginaceae família 12. Caryophyllaceae ordem 2. Polygonales família 1. Polygonaceae ordem 3. Plumbaginales família 1. Plumbaginaceae subclasse IV. Dilleniidae ordem 1. Dilleniales família 1. Dilleniaceae família 2. Paeoniaceae ordem 2. Theales família 1. Ochnaceae família 2. Sphaerosepalaceae família 3. Sarcolaenaceae família 4. Dipterocarpaceae família 5. Caryocaraceae família 6. Theaceae família 7. Actinidiaceae família 8. Scytopetalaceae família 9. Pentaphylacaceae família 10. Tetrameristaceae família 11. Pellicieraceae família 12. Oncothecaceae família 13. Marcgraviaceae família 14. Quiinaceae família 15. Elatinaceae família 16. Paracryphiaceae família 17. Medusagynaceae família 18. Clusiaceae ordem 3. Malvales família 1. Elaeocarpaceae família 2. Tiliaceae família 3. Sterculiaceae família 4. Bombacaceae família 5. Malvaceae ordem 4. Lecythidales família 1. Lecythidaceae ordem 5. Nepenthales família 1. Sarraceniaceae família 2. Nepenthaceae família 3. Droseraceae ordem 6. Violales família 1. Flacourtiaceae família 2. Peridiscaceae família 3. Bixaceae família 4. Cistaceae família 5. Huaceae família 6. Lacistemataceae família 7. Scyphostegiaceae família 8. Stachyuraceae família 9. Violaceae família 10. Tamaricaceae família 11. Frankeniaceae família 12. Dioncophyllaceae família 13. Ancistrocladaceae família 14. Turneraceae família 15. Malesherbiaceae família 16. Passifloraceae família 17. Achariaceae família 18. Caricaceae família 19. Fouquieriaceae família 20. Hoplestigmataceae família 21. Cucurbitaceae família 22. Datiscaceae família 23. Begoniaceae família 24. Loasaceae ordem 7. Salicales família 1. Salicaceae ordem 8. Capparales família 1. Tovariaceae família 2. Capparaceae família 3. Brassicaceae família 4. Moringaceae família 5. Resedaceae ordem 9. Batales família 1. Gyrostemonaceae família 2. Bataceae ordem 10. Ericales família 1. Cyrillaceae família 2. Clethraceae família 3. Grubbiaceae família 4. Empetraceae família 5. Epacridaceae família 6. Ericaceae família 7. Pyrolaceae família 8. Monotropaceae ordem 11. Diapensiales família 1. Diapensiaceae ordem 12. Ebenales família 1. Sapotaceae família 2. Ebenaceae família 3. Styracaceae família 4. Lissocarpaceae família 5. Symplocaceae ordem 13. Primulales família 1. Theophrastaceae família 2. Myrsinaceae família 3. Primulaceae subclasse V. Rosidae ordem 1. Rosales família 1. Brunelliaceae família 2. Connaraceae família 3. Eucryphiaceae família 4. Cunoniaceae família 5. Davidsoniaceae família 6. Dialypetalanthaceae família 7. Pittosporaceae família 8. Byblidaceae família 9. Hydrangeaceae família 10. Columelliaceae família 11. Grossulariaceae família 12. Greyiaceae família 13. Bruniaceae família 14. Anisophylleaceae família 15. Alseuosmiaceae família 16. Crassulaceae família 17. Cephalotaceae família 18. Saxifragaceae família 19. Rosaceae família 20. Neuradaceae família 21. Crossosomataceae família 22. Chrysobalanaceae família 23. Surianaceae família 24. Rhabdodendraceae ordem 2. Fabales família 1. Mimosaceae família 2. Caesalpiniaceae família 3. Fabaceae ordem 3. Proteales família 1. Elaeagnaceae família 2. Proteaceae ordem 4. Podostemales família 1. Podostemaceae ordem 5. Haloragales família 1. Haloragaceae família 2. Gunneraceae ordem 6. Myrtales família 1. Sonneratiaceae família 2. Lythraceae família 3. Penaeaceae família 4. Crypteroniaceae família 5. Thymelaeaceae família 6. Trapaceae família 7. Myrtaceae família 8. Punicaceae família 9. Onagraceae família 10. Oliniaceae família 11. Melastomataceae família 12. Combretaceae família 13. Rhynchocalycaceae família 14. Alzateaceae ordem 7. Rhizophorales família 1. Rhizophoraceae ordem 8. Cornales família 1. Alangiaceae família 2. ................ família 3. Cornaceae família 4. Garryaceae ordem 9. Santalales família 1. Medusandraceae família 2. Dipentodontaceae família 3. Olacaceae família 4. Opiliaceae família 5. Santalaceae família 6. Misodendraceae família 7. Loranthaceae família 8. Viscaceae família 9. Eremolepidaceae família 10. Balanophoraceae ordem 10. Rafflesiales família 1. Hydnoraceae família 2. Mitrastemonaceae família 3. Rafflesiaceae ordem 11. Celastrales família 1. Geissolomataceae família 2. Celastraceae família 3. Hippocrateaceae família 4. Stackhousiaceae família 5. Salvadoraceae família 6. Aquifoliaceae família 7. Icacinaceae família 8. Aextoxicaceae família 9. Cardiopteridaceae família 10. Corynocarpaceae família 11. Dichapetalaceae família 12. Tepuianthaceae ordem 12. Euphorbiales família 1. Buxaceae família 2. Simmondsiaceae família 3. Pandaceae família 4. Euphorbiaceae ordem 13. Rhamnales família 1. Rhamnaceae família 2. Leeaceae família 3. Vitaceae ordem 14. Linales família 1. Erythroxylaceae família 2. Humiriaceae família 3. Ixonanthaceae família 4. Hugoniaceae família 5. Linaceae ordem 15. Polygalales família 1. Malpighiaceae família 2. Vochysiaceae família 3. Trigoniaceae família 4. Tremandraceae família 5. Polygalaceae família 6. Xanthophyllaceae família 7. Krameriaceae ordem 16. Sapindales família 1. Staphyleaceae família 2. Melianthaceae família 3. Bretschneideraceae família 4. Akaniaceae família 5. Sapindaceae família 6. Hippocastanaceae família 7. Aceraceae família 8. Burseraceae família 9. Anacardiaceae família 10. Julianiaceae família 11. Simaroubaceae família 12. Cneoraceae família 13. Meliaceae família 14. Rutaceae família 15. Zygophyllaceae ordem 17. Geraniales família 1. Oxalidaceae família 2. Geraniaceae família 3. Limnanthaceae família 4. Tropaeolaceae família 5. Balsaminaceae ordem 18. Apiales família 1. Araliaceae família 2. Apiaceae subclasse VI. Asteridae ordem 1. Gentianales família 1. Loganiaceae família 2. ................ família 3. Gentianaceae família 4. Saccifoliaceae família 5. Apocynaceae família 6. Asclepiadaceae ordem 2. Solanales família 1. Duckeodendraceae família 2. Nolanaceae família 3. Solanaceae família 4. Convolvulaceae família 5. Cuscutaceae família 6. Menyanthaceae família 7. Polemoniaceae família 8. Hydrophyllaceae família 9. Retziaceae ordem 3. Lamiales família 1. Lennoaceae família 2. Boraginaceae família 3. Verbenaceae família 4. Lamiaceae ordem 4. Callitrichales família 1. Hippuridaceae família 2. Callitrichaceae família 3. Hydrostachyaceae ordem 5. Plantaginales família 1. Plantaginaceae ordem 6. Scrophulariales família 1. Buddlejaceae família 2. Oleaceae família 3. Scrophulariaceae família 4. Globulariaceae família 5. Myoporaceae família 6. Orobanchaceae família 7. Gesneriaceae família 8. Acanthaceae família 9. Pedaliaceae família 10. Bignoniaceae família 11. Mendonciaceae família 12. Lentibulariaceae ordem 7. Campanulales família 1. Pentaphragmataceae família 2. Sphenocleaceae família 3. Campanulaceae família 4. Stylidiaceae família 5. Donatiaceae família 6. Brunoniaceae família 7. Goodeniaceae ordem 8. Rubiales família 1. Rubiaceae família 2. Theligonaceae ordem 9. Dipsacales família 1. Caprifoliaceae família 2. Adoxaceae família 3. Valerianaceae família 4. Dipsacaceae ordem 10. Calycerales família 1. Calyceraceae ordem 11. Asterales família 1. Asteraceae classe Liliopsida (= monocotiledóneas ) subclasse I. Alismatidae ordem 1. Alismatales família 1. Butomaceae família 2. Limnocharitaceae família 3. Alismataceae ordem 2. Hydrocharitales família 1. Hydrocharitaceae ordem 3. Najadales família 1. Aponogetonaceae família 2. Scheuchzeriaceae família 3. Juncaginaceae família 4. Potamogetonaceae família 5. Ruppiaceae família 6. Najadaceae família 7. Zannichelliaceae família 8. Posidoniaceae família 9. Cymodoceaceae família 10. Zosteraceae ordem 4. Triuridales família 1. Petrosaviaceae família 2. Triuridaceae subclasse II. Arecidae ordem 1. Arecales família 1. Arecaceae ordem 2. Cyclanthales família 1. Cyclanthaceae ordem 3. Pandanales família 1. Pandanaceae ordem 4. Arales família 1. Araceae família 2. Lemnaceae família 3. Acoraceae subclasse III. Commelinidae ordem 1. Commelinales família 1. Rapateaceae família 2. Xyridaceae família 3. Mayacaceae família 4. Commelinaceae ordem 2. Eriocaulales família 1. Eriocaulaceae ordem 3. Restionales família 1. Flagellariaceae família 2. Joinvilleaceae família 3. Restionaceae família 4. Centrolepidaceae ordem 4. Juncales família 1. Juncaceae família 2. Thurniaceae ordem 5. Cyperales família 1. Cyperaceae família 2. Poaceae ordem 6. Hydatellales família 1. Hydatellaceae ordem 7. Typhales família 1. Sparganiaceae família 2. Typhaceae subclasse IV. Zingiberidae ordem 1. Bromeliales família 1. Bromeliaceae ordem 2. Zingiberales família 1. Strelitziaceae família 2. Heliconiaceae família 3. Musaceae família 4. Lowiaceae família 5. Zingiberaceae família 6. Costaceae família 7. Cannaceae família 8. Marantaceae subclasse V. Liliidae ordem 1. Liliales família 1. Philydraceae família 2. Pontederiaceae família 3. Haemodoraceae família 4. Cyanastraceae família 5. Liliaceae família 6. Iridaceae família 7. Velloziaceae família 8. Aloeaceae família 9. Agavaceae família 10. Xanthorrhoeaceae família 11. Hanguanaceae família 12. Taccaceae família 13. Stemonaceae família 14. Smilacaceae família 15. Dioscoreaceae ordem 2. Orchidales família 1. Geosiridaceae família 2. Burmanniaceae família 3. Corsiaceae família 4. Orchidaceae Referências Cronquist, A. 1981. An integrated system of classification of flowering plants. Columbia University Press, New York. Cronquist, A. 1988. The evolution and classification of flowering plants. 2 nd edition. New York Botanical Garden, Bronx. Ver também [ editar | editar código-fonte ] Sistema Thorne Sistema Takhtajan Sistema APG Sistema APG II Sistema APG III Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] Cronquist Family Names and Synonymy em Plant Taxonomy, University of Maryland Cronquist System em Herbarium - Texas A&M University - Department of Biology Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Sistema_de_Cronquist&oldid=44563769 ' Categoria : Sistemas de taxonomia vegetal Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas العربية Azərbaycanca Беларуская Bosanski Català Čeština Dansk Deutsch English Español Eesti Suomi Français Galego Hrvatski Magyar Bahasa Indonesia Italiano 日本語 Basa Jawa 한국어 Македонски Bahasa Melayu Nederlands Norsk Occitan Polski Română Русский Srpskohrvatski / српскохрватски Slovenčina Српски / srpski Svenska తెలుగు Türkçe Tiếng Việt 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 22h47min de 22 de janeiro de 2016. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Usu%C3%A1rio%3AJackson_Cordeiro_Brilhador/Coleoptera/Taxonomia
  Usuário:Jackson Cordeiro Brilhador/Coleoptera/Taxonomia – Wikipédia, a enciclopédia livre Usuário:Jackson Cordeiro Brilhador/Coleoptera/Taxonomia Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. < Usuário:Jackson Cordeiro Brilhador ‎ | Coleoptera Ir para: navegação , pesquisa A taxonomia dos coléopteros é baseada na obra Family-group names in Coleoptera (Insecta) , por Patrice Bouchard et al. (2011). [ ... † [ editar | editar código-fonte ] Família Tshekardocoleidae † Família Labradorocoleidae † Família Oborocoleidae † Superfamília Permocupedoidea † [ editar | editar código-fonte ] Família Permocupedidae † Família Taldycupedidae † Superfamília Permosynoidea † [ editar | editar código-fonte ] Família Ademosynidae † Família Permosynidae † Subordem Archostemata [ editar | editar código-fonte ] Família Crowsoniellidae Família Cupedidae Família Micromalthidae Família Ommatidae Família Jurodidae Família CACHE

Usuário:Jackson Cordeiro Brilhador/Coleoptera/Taxonomia – Wikipédia, a enciclopédia livre Usuário:Jackson Cordeiro Brilhador/Coleoptera/Taxonomia Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. < Usuário:Jackson Cordeiro Brilhador ‎ | Coleoptera Ir para: navegação , pesquisa A taxonomia dos coléopteros é baseada na obra Family-group names in Coleoptera (Insecta) , por Patrice Bouchard et al. (2011). [ 1 ] Índice 1 Subordem Protocoleoptera † 1.1 Superfamília Tshekardocoleoidea † 1.2 Superfamília Permocupedoidea † 1.3 Superfamília Permosynoidea † 2 Subordem Archostemata 3 Subordem Myxophaga 3.1 Superfamília Asiocoleoidea † 3.2 Superfamília Rhombocoleoidea † 3.3 Superfamília Schizophoroidea † 3.4 Superfamília Lepiceroidea 3.5 Superfamília Sphaeriusoidea 4 Subordem Adephaga 5 Polyphaga 5.1 Infraordem Staphyliniformia 5.1.1 Superfamília Hydrophiloidea 5.1.2 Superfamília Staphylinoidea 5.2 Infraordem Scarabaeiformia 5.2.1 Superfamília Scarabaeoidea 5.3 Infraordem Elateriformia 5.3.1 Superfamília Scirtoidea 5.3.2 Superfamília Dascilloidea 5.3.3 Superfamília Buprestoidea 5.3.4 Superfamília Byrrhoidea 5.3.5 Superfamília Elateroidea 5.4 Infraordem Derodontiformia 5.4.1 Superfamília Derondontoidea 5.5 Infraordem Bostrichiformia 5.5.1 Superfamília Bostrichoidea 5.6 Infraordem Cucujiformia 5.6.1 Superfamília Lymexyloidea 5.6.2 Superfamília Cleroidea 5.6.3 Superfamília Cucujoidea 5.6.4 Superfamília Tenebrionoidea 5.6.5 Superfamília Chrysomeloidea 5.6.6 Superfamília Curculionoidea 5.7 Referências Subordem Protocoleoptera † [ editar | editar código-fonte ] Superfamília Tshekardocoleoidea † [ editar | editar código-fonte ] Família Tshekardocoleidae † Família Labradorocoleidae † Família Oborocoleidae † Superfamília Permocupedoidea † [ editar | editar código-fonte ] Família Permocupedidae † Família Taldycupedidae † Superfamília Permosynoidea † [ editar | editar código-fonte ] Família Ademosynidae † Família Permosynidae † Subordem Archostemata [ editar | editar código-fonte ] Família Crowsoniellidae Família Cupedidae Família Micromalthidae Família Ommatidae Família Jurodidae Família Triadocupedidae † Família Magnocoleidae † Família Obrieniidae † Subordem Myxophaga [ editar | editar código-fonte ] Superfamília Asiocoleoidea † [ editar | editar código-fonte ] Família Asiocoleidae † Família Tricoleidae † Superfamília Rhombocoleoidea † [ editar | editar código-fonte ] Família Rhombocoleidae † Superfamília Schizophoroidea † [ editar | editar código-fonte ] Família Schizophoridae † Família Catiniidae † Família Schizocoleidae † Superfamília Lepiceroidea [ editar | editar código-fonte ] Família Lepiceridae Superfamília Sphaeriusoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Torridincolidae Família Hydroscaphidae Família Sphaeriusidae Subordem Adephaga [ editar | editar código-fonte ] Família Tritarsidae † Família Gyrinidae Família Trachypachidae Família Rhysodidae Família Carabidae Família Haliplidae Família Triaplidae † Família Colymbotethidae † Família Parahygrobiidae † Família Coptoclavidae † Família Liadytidae † Família Meruidae Família Noteridae Família Amphizoidae Família Aspidytidae Família Hygrobiidae Família Dytiscidae Polyphaga [ editar | editar código-fonte ] Infraordem Staphyliniformia [ editar | editar código-fonte ] Superfamília Hydrophiloidea [ editar | editar código-fonte ] Família Hydrophilidae Família Sphaeritidae Família Synteliidae Família Histeridae Superfamília Staphylinoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Hydraenidae Família Ptiliidae Família Agyrtidae Família Leiodidae Família Silphidae Família Staphylinidae Infraordem Scarabaeiformia [ editar | editar código-fonte ] Superfamília Scarabaeoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Plecomidae Família Geotrupidae Família Belohinidae Família Passalidae Família Trogidae Família Glaresidae Família Diphyllostomatidae Família Lucanidae Família Ochodaeidae Família Hybosoridae Família Glaphyridae Família Scarabaeidae Família Coprinisphaeridae † Família Pallichnidae † Infraordem Elateriformia [ editar | editar código-fonte ] Superfamília Scirtoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Decliniidae Família Eucinetidae Família Clambidae Família Scirtidae Família Elodophthalmidae † Família Mesocinetidae † Superfamília Dascilloidea [ editar | editar código-fonte ] Família Dascillidae Família Rhipiceridae Superfamília Buprestoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Schizopodidae Família Buprestidae Superfamília Byrrhoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Byrrhidae Família Elmidae Família Dryopidae Família Lutrochidae Família Limnichidae Família Heteroceridae Família Psephenidae Família Cneoglossidae Família Ptilodactylidae Família Podabrocephalidae Família Chelonariidae Família Eulichadidae Família Callirhipidae Superfamília Elateroidea [ editar | editar código-fonte ] Família Rhinorhipidae Família Artematopodidae Família Brachypsectridae Família Cerophytidae Família Eucnemidae Família Throscidae Família Praelateriidae † Família Elateridae Família Plastoceridae Família Drilidae Família Omalisidae Família Berendtimiridae † Família Lycidae Família Telegeusidae Família Phengodidae Família Rhagophthalmidae Família Lampyridae Família Omethidae Família Cantharidae Infraordem Derodontiformia [ editar | editar código-fonte ] Superfamília Derondontoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Derodontidae Família Nosodendridae Família Jacobsoniidae Infraordem Bostrichiformia [ editar | editar código-fonte ] Superfamília Bostrichoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Dermestidae Família Endecatomidae Família Bostrichidae Família Ptinidae Infraordem Cucujiformia [ editar | editar código-fonte ] Superfamília Lymexyloidea [ editar | editar código-fonte ] Família Lymexylidae Superfamília Cleroidea [ editar | editar código-fonte ] Família Phloiophilidae Família Trogossitidae Família Chaetosomatidae Família Metaxinidae Família Thanerocleridae Família Cleridae Família Acanthocnemidae Família Phycosecidae Família Prionoceridae Família Mauroniscidae Família Melyridae Superfamília Cucujoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Parandrexidae † Família Sinisilvanidae † Família Boganiidae Família Byturidae Família Helotidae Família Protocucujidae Família Sphindidae Família Biphyllidae Família Erotylidae Família Monotomidae Família Hobartiidae Família Cryptophagidae Família Agapythidae Família Priasilphidae Família Phloeostichidae Família Silvanidae Família Cucujidae Família Myraboliidae Família Cavognathidae Família Lamingtoniidae Família Passandridae Família Phalacridae Família Propalticidae Família Laemophloeidae Família Tasmosalpingidae Família Cyclaxyridae Família Kateretidae Família Nitidulidae Família Smicripidae Família Bothrideridae Família Cerylonidae Família Alexiidae Família Discolomatidae Família Endomychidae Família Coccinellidae Família Corylophidae Família Akalyptoischiidae Família Latridiidae Superfamília Tenebrionoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Mycetophagidae Família Archeocrypticidae Família Pterogeniidae Família Ciidae Família Tetratomidae Família Melandryidae Família Mordellidae Família Ripiphoridae Família Zopheridae Família Ulodidae Família Promecheilidae Família Chalcodryidae Família Trachelostenidae Família Tenebrionidae Família Prostomidae Família Synchroidae Família Stenotrachelidae Família Oedemeridae Família Meloidae Família Mycteridae Família Boridae Família Trictenotomidae Família Pythidae Família Pyrochroidae Família Salpingidae Família Anthicidae Família Aderidae Família Scraptiidae Superfamília Chrysomeloidea [ editar | editar código-fonte ] Família Oxypeltidae Família Vesperidae Família Disteniidae Família Cerambycidae Família Megalopodidae Família Orsodacnidae Família Chrysomelidae Superfamília Curculionoidea [ editar | editar código-fonte ] Família Nemonychidae Família Anthribidae Família Ulyanidae † Família Belidae Família Caridae Família Attelabidae Família Brentidae Família Dryophthoridae Família Brachyceridae Família Curculionidae Referências ↑ Bouchard, Patrice. et al. (2011). «Family-group names in Coleoptera (Insecta)» . Zookeys (em inglês). 88 : 18-93 . Consultado em 11 de março de 2016 !CS1 manut: Uso explícito de et al. ( link ) Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Usuário:Jackson_Cordeiro_Brilhador/Coleoptera/Taxonomia&oldid=50971056 ' Categoria : !Jackson Cordeiro Brilhador Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Página do usuário Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Contribuições do usuário Registos Ver grupos do utilizador Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Noutros idiomas Esta página foi editada pela última vez à(s) 04h11min de 9 de janeiro de 2018. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://gloriadaidademedia.blogspot.com/search/label/fam%C3%ADlia
  Idade Média * Glória da Idade Média: família skip to main | skip to sidebar Idade Média * Glória da Idade Média INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA A CAVALARIA Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia ... Idade Média * Glória da Idade Média: família skip to main | skip to sidebar Idade Média * Glória ... Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra História IGREJA Igreja ... marcador família . Mostrar todas as postagens Mostrando postagens com marcador família . Mostrar ... : abadia , família , França , Igreja Católica , moral domingo, 3 de setembro de 2017 Nobilitação do estado ... | Marcadores: casamento , educação , família domingo, 23 de julho de 2017 A Igreja medieval CACHE

Idade Média * Glória da Idade Média: família skip to main | skip to sidebar Idade Média * Glória da Idade Média INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA A CAVALARIA Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções, ciência, técnica Progresso Técnica CLASSES SOCIAIS Classes sociais Clero Papas Reis Nobreza Feudalismo Escravidão Trabalho Vassalagem CULTURA Arte Cultura Literatura Simbolismo Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra História IGREJA Igreja Educação Universidade Hospital Inquisição Mosteiros Nossa Senhora Paz União Igreja-Estado A CAVALARIA APRESENTAÇÕES AULAS CODEX (diversos) GREGORIANO GREGORIANO (MP3) MÚSICA NATAL VIDEOS 360º Blog Idade Média CASTELOS CERIMÔNIAS MUSICA POWERPOINTS VIDEOS VIDEOS da França 360º CATEDRAIS ABADIAS MÚSICA ÓRGÃO POWERPOINTS SINOS VIDEOS (só França) VIDEOS (menos França) VITRAIS 360º 360º só França CIDADE VIDEOS MÚSICAS 360º CONTOS CANTIGAS VIDEOS CRUZADAS APOLOGIA O ISLÃ segundo Papas e santos Balduíno IV CANÇÃO DE ROLAND GESTA DEI PER FRANCOS MUSICA VIDEOS 360º PAPAS Beato URBANO II Carta de Instrução 'Popolo dei Franchi' Sermão em Clermont-Ferrand Outro testemunho São Gregório VII São Pio V Beato Eugênio III Celestino III Inocêncio III João VIII Pascoal II PIO II SANTOS São Bernardo A franceses e bávaros Sermão Elogio dos Templários São Francisco de Assis Mansidão e força Diante do Sultão Exemplo pessoal O Direito de Cruzada São Luís IX Retrato pelo príncipe de Joinville São Luís e o mameluco Morte na IX Cruzada Santa Teresinha Beato Marco d'Aviano HERÓIS Balduíno IV Carlos Magno Godofredo de Bouillon Santa Joana d'Arc Santa Clotilde Ricardo Coração de Leão São Luís IX, rei São Nuno Álvares Pereira VIDEOS ORAÇÕES CANTICOS NATAL Semana Santa e Páscoa VIA SACRA VIDEOS Nossa Senhora Milagres Corpus Christi São Bernardo São Fernando SIMBOLOS VIDEOS BALDUINO IV, rei leproso de Jerusalém Balduíno IV: o rei de Jerusalém herói, santo e leproso Guerreiro providencial O rei de fábula cheia de luz sobrenatural O rei católico que venceu Saladino e o Islã Montgisard: Balduíno de maca e 500 templários desfazem o exército de Saladino O jovem rei doente que se fazia temer e respeitar pelos muçulmanos O rei cruzado e leproso de Jerusalém: um amado de Deus Quase cego e imobilizado, vence a Saladino e a inépcia dos vassalos Balduíno IV é enterrado ao pé do Gólgota, junto ao Santo Sepulcro “Possamos venerar Balduíno IV nos altares!” Missa de réquiem em Paris, 830 anos depois Balduíno IV, modelo perfeito de monarca francês, espelho do próprio Cristo Cluny: encarnação da Jerusalém celeste A música deve obedecer a regras divinas imutáveis: “ A música conduz a Deus da mesma maneira que a aritmética, pois segundo Santo Agostinho, os números e as proporções sensíveis levam a Deus. “‘Porque possuem regras imutáveis de modo algum instituídas pelos homens que trasbordam de sagaz engenho’. “Ora, de onde vêm estas leis imutáveis? “Não do ser humano que cambia e morre, mas de um Espírito superior eterno e imóvel que é Deus. “ A música humana imita os coros angélicos e constitui uma homenagem agradável a Deus. David está ali para prová-lo. Eliseu procura na música um estímulo para a inspiração profética. o Apocalipse nos abre os Céus e para mostrá-los cheios de cânticos e de música”. (Fonte: Edgar de Bruyne, “L’esthétique musicale”, Albin Michel, Paris, 1998). Abade Suger: não poupar arte nem riqueza no culto sagrado “Nada será suficientemente precioso, belo e esplêndido para conter as Sagradas Espécies. “Os cristãos no poderiam ornar com pedras preciosas os cálices de ouro que contêm o sangue de Cristo? “A beleza da casa de Deus deve dar aos fiéis um antegosto da beleza do Céu. “Por meio do deleite da beleza material, nós podemos ser levados à fruição espiritual da beleza suprema”. Mais A CAVALARIA A CAVALARIA O que foi a Cavalaria medieval? O título de ‘cavaleiro’ e o de membro da Cavalaria A Cavalaria: ideal das almas propulsoras na Idade Média O que era o cavaleiro medieval: um ideal de honra, uma espécie de sacerdocio militar Hierarquia e símbolos na Cavalaria Como se entrava na Cavalaria? Como começou a Cavalaria medieval? O ideal da Cavalaria em ação nas Cruzadas Cavalaria e Cruzadas: defesa da Igreja e da justiça O cavaleiro, braço armado da Santa Igreja A Igreja modelando o ideal do cavaleiro Fidelidade ao senhor feudal, fidelidade a Deus A Cavalaria se estruturou orgánicamente Quem podia entrar na Cavalaria? Como era a cerimônia de entrada na Cavalaria? O cerimonial litúrgico da investidura do cavaleiro A degradação do cavaleiro Os dez mandamentos, ou código, da Cavalaria O quê significavam os “dez mandamentos” da Cavalaria – 1 O quê significavam os “dez mandamentos” da Cavalaria – 2 O quê significavam os “dez mandamentos” da Cavalaria – 3 São Vast: bispo do fogo divino Segundo o bem-aventurado Jacques de Voragine o nome Vast viria de ‘voeh distans’, ou ‘desgraça eterna’. Pois, os precitos gemem sem cessar: “Desgraça para nós porque ofendemos a Deus! Desgraça porque obedecemos ao demônio! Desgraça porque não podemos mais morrer! Desgraça por sermos tão terrivelmente atormentados! Desgraça porque não sairemos mais do inferno! » São Vast foi sagrado bispo de Arras por São Remígio. Quando ele chegou à porta da cidade, encontrou dois pobres que pediam esmola. Um era cego e o outro mancava. Então lhes disse: “eu não tenho nem ouro nem prata, mas aquilo que eu tenho eu vos dou”. A continuação ele elevou uma oração e curou-os, a um e outro. Um lobo tinha montado sua toca numa igreja abandonada e invadida pelo mato. Vast ordenou-lhe que saísse e não ousasse mais voltar. E assim aconteceu. (na imagem aos pés do santo) No fim de sua vida, após converter um grande número de pessoas com suas palavras e com suas obras, no quadragésimo ano de seu episcopado, ele viu uma coluna de fogo que descia do céu até sua casa. Ele compreendeu então que seu fim aproximava-se. Pouco tempo depois, ele morreu em paz, no ano do Senhor 550. Hugo de São Vítor: a fé é o navio seguro em meio ao naufrágio do mundo “Todo este mundo é como um dilúvio, porque todas as coisas, à semelhança das águas, correm flutuando por eventos incertos. “A verdadeira fé não promete coisas transitórias, mas eternas, e levanta a alma por cima das ondas, tirando-a da cobiça deste mundo às coisas do alto. “Ela pode então ser levada pelas águas, mas não pode ser inteiramente submergida. “Quem não acredita nas coisas eternas, e só apetece as transitórias, debate-se entre ondas como um náufrago que o ímpeto das águas vai engolindo. “Quem acredita nas coisas eternas, mas ama as coisas transitórias, afunda perto de um navio. “Quem crê nos bens eternos e os ama fica dentro do navio e atravessa seguro as ondas do mar revolto. “Quem, pelo desejo da fé não abandona o navio, ainda que no meio das ondas, imita a estabilidade da terra”. (Autor: Hugo de São Vitor , “A substância do amor”, Inst. in Decalogum Legis Dominicae ) Carta de Alcuíno (730-804) abade de York, ao imperador Carlos Magno: “Uma nova Atenas será criada por nós na França. “Uma Atenas mais bela do que a antiga, enobrecida pelos ensinamentos de Cristo superará a sabedoria da Academia. “Os antigos só têm as disciplinas de Platão como mestre e eles ainda resplandecem inspirados pelas sete artes liberais. “Mas os nossos serão mais do que enriquecidos sete vezes com a plenitude do Espírito Santo e deixarão na sombra toda a dignidade da sabedoria mundana dos antigos” . (Fonte: Thomas Woods, “How the Catholic Church built Western Civilization”, Washington, 2005). São Boaventura (1221-1274), Doutor da Igreja 'Calar-se face aos maus não é mansidão. 'A mansidão vai contra a ira e as fúrias, não para que o homem nunca se encolerize, mas para que o faça onde e quando deve. 'Por isso tem cara de homem e cara de leão. 'Algumas vezes se considera manso o homem que cala enquanto outro peca. Isso não é mansidão! 'Escuta: diz-se de Jesus que 'conturbou-se e fez um chicote de cordas'. 'Lê-se no Livro Primeiro dos Macabeus: 'Infeliz de mim! Por que nasci para ver a ruína de minha pátria e de meus santos?' 'Por onde se vê que Cristo é cordeiro e leão. São Boaventura (1221-1274), Doutor da Igreja, em Comentários sobre o Hexaemeron - Quinto Comentário, nº 8). Fonte: CATOLICISMO Beato Urbano II: do sermão da Cruzada (27 -11-1095) “Ó irmãos amadíssimos, hoje em nós manifestou-se o que o Senhor diz no Evangelho: “Onde dois ou três estarão reunidos em meu nome, Eu estarei no meio deles”. “Se o Senhor Deus não tivesse inspirado vossos pensamentos, vossa voz não teria sido unânime. foi Deus que inspirou vossos corações. “Seja, pois, esta vossa voz, o vosso grito de guerra, posto que vem de Deus. Quando fores ao ataque dos belicosos inimigos, seja este o grito unânime de todos os soldados de Deus: “Deus o quer! Deus o quer!” Texto completo São Remígio, arcebispo de Reims O nome Remígio significa “pastor que combate” e apaziguador da terra. São Remígio lutou contra o diabo com o escudo da fé, a espada da palavra de Deus e a armadura da esperança. Sua nascença foi predita por um ermitão cego. Desde cedo, Remígio abandonou o mundo e encerrou-se num claustro. Sua reputação crescia, e quando tinha 22 anos, foi aclamado pelo povo para ser arcebispo de Reims. Naqueles tempos, Clóvis era rei da França. Ele era pagão. Porém, quando viu vir contra ele um exército incontável de alamanos, ele prometeu que adotaria a fé de Jesus Cristo se obtinha a vitória. Ele venceu milagrosamente e pediu o batismo a São Remígio. Tendo-se aproximado todos da pia batismal, uma pomba trouxe no bico uma ampola com o óleo para ungir o rei. Esse óleo fica guardado na igreja de Reims até hoje. São Remígio resplandecente de virtudes, repousou em paz no ano 500 do Senhor. Santo Agostinho: a beleza das coisas fala da beleza suprema de Deus Criador “Interroga a beleza da terra, “interroga a beleza do mar, “interroga a beleza do ar difundida e diluída. “Interroga a beleza do céu, “interroga a ordem das estrelas, “interroga o sol, que com o seu esplendor ilumina o dia. “interroga a lua, que com o seu clarão modera as trevas da noite. “Interroga os animais que se movem na água, que caminham na terra, que voam pelos ares: “almas que se escondem, corpos que se mostram. “visível que se faz guiar, invisível que guia. “Interroga-os! “Todos te responderão: “Olha-nos, somos belos! “A sua beleza fá-los conhecer. “Quem foi que criou esta beleza mutável, a não ser a Beleza Imutável?” ( Santo Agostinho , Sermo CCXLI, 2: pl 38, 1134). Maomé e o Corão segundo Santo Tomás de Aquino: “Maomé seduziu os povos prometendo-lhes deleites carnais. .... “Introduziu entre as poucas coisas verdadeiras que ensinou muitas fábulas e falsíssimas doutrinas . Não aduziu prodígios sobrenaturais, único testemunho adequado da inspiração divina. .... “Afirmou que era enviado pelas armas, sinais estes que não faltam a ladrões e tiranos. Desde o início, não acreditaram nele os homens sábios nas coisas divinas e experimentados nestas e nas humanas, mas pessoas incultas, habitantes do deserto, ignorantes de toda doutrina divina. E só mediante a multidão destes, obrigou os demais, pela violência das armas, a aceitar a sua lei. “Nenhum oráculo divino dos profetas que o precederam dá testemunho dele. ao contrário, ele desfigura totalmente o Antigo e Novo Testamento, tornando-os um relato fantasioso, como o pode confirmar quem examina seus escritos. “Por isso, proibiu astutamente a seus sequazes a leitura do Antigo e Novo Testamento, para que não percebessem a falsidade dele”. “Summa contra Gentiles”, L. I, c. 6. Godofredo de Bouillon Os infiéis, tomados de espanto (devido às vitórias dos francos) nada melhor acharam para fazer do que mandar uma embaixada de Ascalom, de Cesareia e de Tolemaida, a Godofredo, para saudá-lo da parte daquelas cidades. A mensagem estava assim redigida: “O Emir de Ascalom, o Emir de Cesareia e o Emir de Tolemaida ao Duque Godofredo e a todos os outros, saudação. Nós te suplicamos, mui glorioso duque e muito magnífico, que, por tua vontade, nossos cidadãos possam sair para seus negócios em paz e segurança. Nós te mandamos dez bons cavalos e três boas mulas, e todos os meses te oferecemos, a título de tributo, cinco mil bizantinos”. O Rei de Jerusalém levou suas armas vitoriosas além do Líbano, até os muros de Damasco. ele fez ao mesmo tempo várias outras incursões na Arábia, de onde voltava sempre com um grande número de escravos, cavalos e camelos. Sua fama estendia-se cada vez mais: comparavam-no a Judas Macabeu pelo valor. a Sansão pela força de seu braço, e a Salomão pela sabedoria de seus conselhos. Os francos que haviam ficado com ele abençoavam seu reinado e sob sua dominação paterna eles esqueciam até sua antiga pátria. Godofredo exalou seu último suspiro a 17 de julho, um ano depois da tomada de Jerusalém. Alguns historiadores deram-lhe o título de rei, outros chamaram-no de duque cristianíssimo. No reino que tinha fundado, ele era freqüentemente proposto como modelo aos príncipes e aos guerreiros. Seu nome lembra ainda hoje as virtudes de tempos heróicos e deve viver entre os homens tanto quanto a lembrança das cruzadas. Foi sepultado ao pé do Calvário. Fonte: Joseph-François Michaud – “História das Cruzadas” Digite seu email: Como São Francisco domesticou as rolas selvagens Um jovem havia apanhado um dia muitas rolas e levava-as a vender. Encontrando-o São Francisco, o qual sempre sentia singular piedade pelos animais mansos, olhando com os olhos piedosos aquelas rolas, disse ao jovem: “Ó bom moço, peço-te que mas dês, para que passarinhos tão inocentes, os quais são comparados na santa Escritura às almas castas e humildes e fiéis, não caiam nas mãos de cruéis que os matem”. De repente aquele, inspirado por Deus, deu-as todas a São Francisco. e ele recebendo-as no regaço, começou a falar-lhes docemente: “Ó irmãs minhas, rolas simples e inocentes e castas, por que vos deixastes apanhar? Agora quero livrar-vos da morte e fazer-vos ninhos, para que deis frutos e vos multipliqueis, conforme o mandamento do vosso Criador”. E vai São Francisco e para todas fez ninhos. E elas, usando-os, começaram a pôr ovos e criar os filhos diante dos frades: e assim domesticamente viviam e tratavam com São Francisco e com os outros frades, como se fossem galinhas sempre criadas por eles. E dali não se foram enquanto São Francisco com sua bênção não lhes deu licença de partir. E ao moço que lhas havia dado, disse São Francisco: “Filho, ainda serás frade nesta Ordem e servirás graciosamente a Jesus Cristo”. E assim foi. porque o dito jovem se fez frade e viveu na Ordem com grande santidade. Em louvor de Cristo. Amém. Um ardil de Filipe Augusto Um bailio de Filipe Augusto, Rei de França, cobiçava a terra deixada por um cavaleiro morto. Uma noite, em presença de dois carregadores que ele tinha pago, fez com que o morto fosse desenterrado, perguntou se queria vender sua terra e propôs-lhe um preço. Naturalmente, o defunto nem se mexeu. Quem cala, consente. Em seguida, algumas moedas foram postas em suas mãos, e o defunto recolocado em seu caixão. Com grande espanto, a viúva viu seus domínios usurpados e se dirigiu ao rei. Convocado, o bailio compareceu ladeado por suas duas testemunhas, que atestavam a realidade da venda. Filipe Augusto percebeu que era trapaça. Levou para um canto um dos carregadores e lhe disse em voz baixa: — Recita-me no ouvido o Padre-nosso. Concluída a oração, o rei exclamou em alta voz: — Muito bem! O segundo carregador foi também convocado. Convencido de que seu companheiro denunciara a tramóia, apressou-se a dizer o que sabia. O bailio foi condenado. (Funck-Brentano, 'Ce qu’était un Roi de France') Santo Anselmo de Cantuária: Deus castiga com justiça e com justiça também perdoa É justo, também, que tu castigues os maus. Haverá, pois, algo mais justo do que os bons receberem o bem e os maus o castigo? Como, então, pode ser justo ao mesmo tempo que tu castigues os maus e lhes perdoes? Ou será que, sob certo aspecto, tu castigas os maus com justiça e, sob outro, lhes perdoas, igualmente, com justiça? Com efeito, é justo que tu castigues os maus, pois o mereceram. mas é, também, justo que lhes perdoes, não em virtude dos méritos que eles não têm, e sim porque isso condiz com a tua bondade. Ao perdoares aos maus, tu és justo em relação a ti mesmo, não a nós, assim como és misericordioso em relação a nós, e não a ti. (Fonte: Santo Anselmo (1033-1109), “Proslogio”, Abril, São Paulo, 1973.) São João Damasceno, Doutor da Igreja, sobre os muçulmanos: “Até o momento a superstição dos ismaelitas, arautos do Anticristo , continua a enganar os povos. “São descendentes de Ismael, filho de Abraão e de Agar. os ismaelitas são também chamados comumente de agarianos. “Eram idólatras, adoravam a estrela Lúcifer e Vênus, que chamavam, Chabar ou grande, até o tempo de Heráclio. “Então levantou-se entre eles um falso profeta, chamado Maomé , que havendo encontrado os livros dos Antigo e Novo Testamentos, e tido contato com um monge ariano, formulou uma heresia nova . “Conseguido o favor de seu povo por uma aparência de piedade, difundiu o rumor que os escritos lhe vinham do céu . “Escreveu um livro eriçado de coisas ridículas , onde expõe a sua religião. “Estabelece um Deus do universo, que não foi engendrado, nem engendrou nada. “Diz que Cristo é o Verbo de Deus e seu Espírito, mas criado e servidor que nasceu sem cooperação humana, de Maria, irmã de Moisés e de Aarão, por operação do Verbo de Deus, que nela entrou. que os judeus, havendo querido, por um crime detestável, pregá-lo numa cruz, apoderaram-se dele, mas não crucificaram senão sua sombra: de sorte que Jesus Cristo não sofreu nem a cruz nem a morte, tendo Deus, a quem era todo querido, arrebatado o Verbo aos céus”. (Fonte: “Fount of Knowledge, part two entitled Heresies in Epitome: How They Began and Whence They Drew Their Origin”, The Fathers of the Church, vol. 37 (Washington, DC: Catholic University of America Press, 1958), pp. 153-160). Santa Hildegarda de Bingen e as classes sociais Interrogada por que só admitia em seu convento damas de alta linhagem, quando o Senhor se rodeara de gente humilde, escreveu Santa Hildegarda: “Deus vela junto de cada homem para que as classes baixas nunca se elevem sobre as altas, como fizeram outrora Satanás e o primeiro homem, que quiseram exaltar-se acima de seu próprio estado. “Quem há que guarde num só estábulo todo o seu rebanho, bois e jumentos, ovelhas e carneiros? Por isso devemos velar para que o povo não se apresente todo misturado num só rebanho. De outro modo produzir-se-ia horrorosa depravação dos costumes, e todos se dilacerariam mutuamente, levados pelo ódio recíproco ao ver como as classes altas se rebaixariam ao nível das classes baixas, e estas se alçariam até a altura daquelas. “Deus divide seu povo sobre a terra em diferentes classes, como no Céu classifica seus anjos em diferentes grupos. Porém Deus ama a todos igualmente”. (Fonte: Migne, t. 197, col. 336) Conselhos de São Bernardo aos Templários São Bernardo abade de Claraval, falou sobre a vida que devem levar aqueles que combatem por Jesus Cristo, com estas palavras: “Quando se aproxima a hora do combate, armam-se de fé os cavaleiros, abrem-se a Deus em sua alma e cobrem-se, por fora, de ferro, não de ouro, a fim de que assim sejam bem apercebidos de armas, não adornados com jóias, infundam medo e pavor aos seus inimigos, sem excitar sua cobiça. “É preciso ter cavalos fortes e velozes, não formosos e bem ajaezados pois o verdadeiro cavaleiro pensa mais em vencer do que em fazer proezas e os cavaleiros mundanos precisamente o que desejam é causar admiração e pasmo e não causar medo. “Mostrando-se em tudo verdadeiros israelitas, que se adiantam ao combate pacífica e sossegadamente. mas apenas o clarim dá o sinal do ataque, deixando subitamente sua natural benignidade, parecem gritar com o salmista: Não temos odiado, Senhor, aos que te aborrecem? Não temos consumido de dor, ao ver a conduta de teus inimigos?” Direto em seu email Digite seu email: São Tomás de Aquino e a pena de morte para os hereges 'É muito mais grave corromper a Fé, pela qual a alma vive, do que falsificar o dinheiro, por meio do qual se conserva a vida temporal. 'De onde, se os falsários ou outros malfeitores são sem demora e justamente condenados à morte pelos príncipes seculares, com muito maior razão os heréticos, tão logo convencidos de heresia, podem não apenas ser excomungados, mas também e com justiça, mortos. 'Da parte da Igreja, porém, há misericórdia para a conversão dos que erram. 'E por isso Ela não condena imediatamente, mas só após uma primeira e segunda correção, como ensina o Apóstolo (Tit. 3, 10). 'Depois, todavia, se o herege ainda se mostra pertinaz, a Igreja, já não tendo esperança de sua conversão, provê a salvação dos outros, separando-o da Igreja por sentença de excomunhão, e em seguida abandona-o ao juiz secular, para ser morto.' (Fonte: S. Tomás de Aquino, Suma Teológica - IIa.IIae,q.11,a.3,c) São Bento ressuscita um morto “Certa ocasião, chegou ao mosteiro um rude camponês levando nos braços o corpo de seu filho morto, chorando amargamente e perguntando pelo venerável Bento. Nem bem o avistou, o infeliz pai começou a gritar: ‘Ele morreu. vem e ressuscita-o’. “Ouvindo isso, o servo de Deus entristeceu-se muito, mas disse: ‘coisas dessas não cabem a nós, antes são próprias de santos Apóstolos.’ Mas o infeliz, persistia em seu pedido, jurando que não iria embora enquanto ele não lhe ressuscitasse o filho. “Então o servo de Deus inclinou-se sobre o menino, ergueu as mãos ao Céu e disse: ‘Senhor, não olhes os meus pecados, mas a fé deste homem que pede que se lhe ressuscite o filho, e faz voltar a este corpinho a alma que dele quisestes levar’. Mal havia acabado de orar e voltou a alma ao corpo do menino. Bento, então, o devolveu vivo e incólume ao pai.” (Pe. Bruno Avila OSB, “Vida de San Benito”, Ed S.Benito, Buenos Aires, 1956). Oração a São Luiz Rei, do condestável Bertrand du Guesclin: “Conservai-me puro como o lírio de vosso brasão! Vós que mantínheis vossa palavra mesmo dada ao infiel, fazei que jamais mentira passe por minha boca, ainda que a franqueza devesse me custar a vida. Óh! homem de proezas, incapaz de recuos, cortai as pontes para os meus fingimentos e que eu caminhe sempre para o ponto mais duro do combate”. Amém. Foto: Bertrand du Guesclin, estátua em Châteauneuf de Randon. Hugo de São Vitor (1096-1141) “Embora a beleza se torne realidade perfeitamente nas criaturas de vários e múltiplos modos, a beleza delas consiste principalmente em quatro: na posição, no movimento, no aspecto e na qualide. E se uma pessoa estivesse em condições de observá-los profundamente, descobririra neles a admirável luz da sabedoria divina. “Pudesse eu ser capaz de considerá-los tão finamente e descrevê-los com tanta competência, como me é possível amá-los ardentemente! “Enche-me de alegria tratar freqüentemente de estas cosas, porque é doce e deleitável: deste modo é possível ir atingindo a perfeição também com a sensibilidade, e então o espírito se regozija juntamente e se suscitam atos de caridade sempre mais fervorosos. “Por isso acontece que ficamos admirados e exclamamos cheios de maravilhamento junto com o salmista: “Oh quão grandes são tuas obras, Senhor Deus! Fizeste toda coisa com sabedoria!”” Fonte: livro “Os três dias da invisível luz. A união do corpo e do espírito” São Tomás de Aquino defende a necessidade da desigualdade e da hierarquia social A sociedade não nasceu para ser uma massa em que todos sejam iguais. Afirmar que o máximo bem da sociedade consiste no máximo nivelamento é destruir a sociedade (Livro II, lição 1). É necessário que existam desigualdades entre os membros da sociedade. É necessário que uns governem e outros lhes estejam sujeitos (Livro I, lição 1). A sociedade humana não somente deve ser composta de muitos homens, mas é preciso que estes sejam de diversas categorias, isto é, que pertençam a diversas classes sociais. Pois com homens que são totalmente iguais do ponto de vista social não se constrói uma sociedade, dado que a sociedade é uma coisa totalmente diversa de uma multidão congregada para fazer a guerra. Esta última vale somente pela quantidade numérica, não importando se todos são da mesma classe, pois foram reunidos para somar suas forças, como sucede quando se quer movimentar um grande peso: quanto maior é o número dos homens, maior é o peso que conseguem arrastar. Verificamos que as coisas perfeitas que existem na natureza estão constituídas por partes de espécies diversas. Por exemplo, o homem está feito de carne, ossos e nervos. Por isso mesmo é evidente que, dado que a sociedade é um todo perfeito, é necessário que esteja composta por partes de espécies desiguais. Se se elimina a desigualdade dos cidadãos, deixará de existir a sociedade . A sociedade atenderá mais satisfatoriamente as necessidades dos seus membros quanto mais variadas forem as desigualdades entre os homens que a compõem (Livro II, lição 1). Onde foi permitido que qualquer um vendesse inconsideradamente o apanágio familiar, aconteceu que muitos inferiores que deviam obedecer se enriqueceram e subiram aos postos mais altos, enquanto os que deviam dirigir a sociedade decaíram. Daí adveio a confusão entre as classes sociais, que foi a causa de os governantes não serem escolhidos entre os cidadãos mais dignos para isso (Livro II, lição VII). (S. Tomás de Aquino, “In Libros Politicorum Aristotelis Expositio” - Marietti, Turim, 1951) Receba em seu email Digite seu email: Nosso Senhor a Santa Catarina de Siena, sobre as práticas homossexuais 'Esses infelizes .... caem no vício contra a natureza. 'São cegos e estúpidos, cuja inteligência obnubilada não percebe a baixeza em que vivem. 'Desagrada-me esse último pecado, pois sou a pureza eterna. 'Ele me é tão abominável que somente por sua causa fiz desaparecer cinco cidades (cfr. Sab. 10, 6). 'Minha justiça não mais consegue suportá-lo. 'Esse pecado, aliás, não desagrada somente a mim. É insuportável aos próprios demônios, que são tidos como patrões por aqueles infelizes ministros. Os demônios não toleram esse pecado. Não porque desejam a virtude. por sua origem angélica, recusam-se a ver tão hediondo vício. 'Eles atiram as flechas envenenadas de concupiscência, mas voltam-se no momento em que o pecado é cometido. (Fonte: “O Diálogo”: Edições Paulinas, 1984, pp. 259-260).' Fonte: 'Catolicismo' . Mostrando postagens com marcador família . Mostrar todas as postagens Mostrando postagens com marcador família . Mostrar todas as postagens domingo, 3 de dezembro de 2017 A Igreja enxotou os costumes depravados e criminosos Abadia de Royaumont, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Os padrões de moralidade foram modelados pela Igreja Católica. A moral entre os pagãos atingiu um fundo de poço. O grande filósofo grego Platão, por exemplo, ensinava a conduta monstruosa de que um doente, ou um incapacitado de trabalhar, devia ser morto. Na Roma antiga havia 30% a mais de homens do que de mulheres. As meninas e os varões deformados eram simplesmente abandonados. Os estóicos, seguidores de famosa escola filosófica de Atenas, propugnaram o suicídio para fugir da dor ou de frustrações emocionais. Algo parecido com as formas mais extremas de eutanásia que estão retornando hoje. Os romanos afundaram tanto na sensualidade, que até perderam o culto da deusa Castidade. As sacerdotisas vestais deviam manter aceso um fogo sagrado, porque eles acreditavam que quando esse fogo fosse extinto viria o fim de Roma. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Partilhar | Marcadores: abadia , família , França , Igreja Católica , moral domingo, 3 de setembro de 2017 Nobilitação do estado matrimonial e proteção da mulher e das crianças: outros legados medievais Cerimônia de casamento nos séculos XII e XIII Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Os bispos carolíngios do século IX tentaram regulamentar o casamento cristão, redigindo uma série de tratados (espelhos). Neles, o casamento era valorizado, a mulher reconhecida como pessoa com pleno direito familiar e em pé de igualdade com o marido e a violência sexual denunciada como crime grave e do âmbito da justiça pública . As crianças também foram objeto de reflexão nesses espelhos: a maternidade foi considerada um valor ( charitas ) e o casal tinha a obrigação de aceitar e reconhecer os filhos. Assim, a ação da ordem clerical foi dupla: de um lado, os bispos lutaram contra a prática do infanticídio, de outro, os monges revalorizaram a criança, que passou por um processo de educação direcionada, de cunho integral e totalmente igualitária. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Partilhar | Marcadores: casamento , educação , família domingo, 23 de julho de 2017 A Igreja medieval glorificou a santidade da família, a caridade, a vida e a Moral Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs As religiões pagãs demonstraram - e demonstram ainda - um espantoso menosprezo pela vida. O prof. Thomas Woods da alguns exemplos no vídeo embaixo. A Igreja Católica recolocou a santidade da família - fonte da vida -, da vida e da Moral no ponto central rodeado de respeito e veneração. W. E. H. Lecky, citado por Woods, destaca que nem na prática nem na teoria a caridade ocupou na Antiguidade uma posição comparável à que teve no Cristianismo. O historiador da medicina Fielding Garrison mostra que antes de Cristo 'a atitude face à doença e à desgraça não era de compaixão. O crédito de cuidar dos seres humanos enfermos em grande escala deve ser atribuído à Igreja” . Os cristãos causavam admiração pela coragem com que atendiam os agonizantes e enterravam os mortos. Os pagãos abandonavam em ruas e estradas os parentes e melhores amigos doentes, semi-mortos, ou mortos sem enterrar. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Partilhar | Marcadores: caridade , família , hospital , moral , vida domingo, 9 de outubro de 2016 O amor às crianças é um fruto abençoado da Cristandade medieval Frederico de Sonneburg e seus filhos. Codex Manesse, fol. 407r. Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs A primeira herança da Antiguidade não é nada boa: a vida da criança no mundo romano dependia totalmente do desejo do pai. O poder do pater famílias era absoluto: um cidadão não tinha um filho, o tomava. Caso recusasse a criança – e o fato era bastante comum – ela era enjeitada. E o que acontecia à maioria dos enjeitados? A morte. A segunda herança que a Idade Média herda da Antiguidade, a cultura bárbara, foi-nos passada especialmente por Tácito. Ele nos conta que a tradição germânica em relação às crianças era um pouco melhor que a romana. Os germanos não praticavam o infanticídio, as próprias mães amamentavam seus filhos e as crianças eram educadas sem distinção de posição social. Dessas duas tradições culturais que se mesclaram e fizeram emergir a Idade Média, concluo que o status da criança naquelas sociedades antigas era praticamente nulo. Até o final da Antiguidade as crianças pobres eram abandonadas ou vendidas. as ricas enjeitadas – por causa de disputas de herança – eram entregues à própria sorte. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Partilhar | Marcadores: criança , família , impostos domingo, 18 de setembro de 2016 O pai e a família toda rodeados de imenso respeito na sociedade medieval Museu de Arte Popular dos Pirineus, Lourdes, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Nos camponeses de certa região da Espanha, o pai de família presidia a refeição numa poltrona. a esposa ao lado direito dele também numa poltrona. Poltrona de camponês, de madeira, feita até com bonito trabalho por eles nas noites de inverno. Depois, cadeiras com encosto para os filhos mais velhos, sem encosto para a criançada. E sobre a mesa um pão enorme que a dona de casa tinha mandado cozinhar entre outras coisas para o almoço. Quando o pai chegava à cabeceira da mesa ele fazia o nome do padre. Todos seguiam, e ele dizia uma oração: “Que o Menino Jesus que nasceu em Belém bendiga esse alimento e nós também”. Bom, daí todos diziam “Amém”. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 1 comentários Partilhar | Marcadores: classes sociais , escolástica , família , povo domingo, 10 de julho de 2016 A herança: transmissão da posse ditada só pela natureza Parada histórica na Bélgica. A continuidade familiar razão de ser da transmissão natural dos bens sem intervenção da lei ou outro fator. Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O que é notável no sistema medieval de transmissão de bens é que passam para um único herdeiro , sendo este designado pelo sangue. “Não existe herdeiro por testamento”, diz-se em direito consuetudinário. Na transmissão do patrimônio de família, a vontade do testamenteiro não intervém. Pela morte de um pai de família, o seu sucessor natural entra de pleno direito em posse do patrimônio. “O morto agarra o vivo”, dizia-se ainda nessa linguagem medieval, que tinha o segredo das expressões surpreendentes. É a morte do ascendente que confere ao sucessor o título de posse, e o coloca de fato na posse da terra. O homem de lei não tem de intervir nisso, como nos nossos dias. Embora os costumes variem de acordo com as províncias e conforme o lugar, fazendo do mais velho ou do mais novo o herdeiro natural, e embora varie a maneira como sobrinhos e sobrinhas possam pretender à sucessão na falta de herdeiros diretos, pelo menos uma regra é constante: só se recebe uma herança em virtude dos laços naturais que unem uma pessoa a um defunto. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 1 comentários Partilhar | Marcadores: direito de propriedade , família , leis domingo, 15 de junho de 2014 O caráter familiar da sociedade e da estrutura da Igreja medievais Casimiro III, o Grande, rei da Polônia. Uniu o país e amou seu povo como um pai ama seu filho. Todas as relações que constituem a vida da nação – sociais, políticas, culturais, profissionais, trabalhistas, etc. – na Idade Média estavam impregnadas de caráter familiar. As relações do senhor com o vassalo, ou as relações entre o mestre (patrão) e o aprendiz nas corporações de ofícios, por exemplo, uma nota característica da sociedade medieval foi a existência dos imponderáveis próprios da vida familiar. Compreendendo o caráter familiar da sociedade medieval é fácil o mais rico da vida de toda aquela época. O mais pobre, primeiro e elementar dos observadores ou dos sociólogos reconhece que as relações familiares se compõem de relações entre esposo e esposa, de pais com filhos, de irmãos e irmãos. Não há outro conteúdo nas relações familiares. Ora, na vida medieval, essas relações de esposo e esposa, pai e filho, irmão e irmão, na Idade Média eram também usadas correntemente para descrever o modo de viver de todas as relações medievais. Isto é completamente diferente do modo que acontecia nas sociedades pagãs, anteriores, e do que acontece nas sociedades modernas. Por exemplo, o bispo se dizia e agia como esposo de sua diocese, e a diocese era a esposa mística do bispo. De onde muitos bispos antigos tinham a ideia de que não podiam ser transferidos de sua diocese. O motivo era que uma vez que o esposo casa com a esposa, deve ser um marido fiel e não se compreende o divórcio. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Partilhar | Marcadores: classes sociais , clero , espírito familiar , família , nobreza , povo , privilégios domingo, 8 de junho de 2014 Privilégios e dignidades em todas as classes sociais medievais Catedral de York: imponderáveis que as palavras não conseguem definir Muitas vezes, tratando da sociedade medieval, os fatos e as coisas dão uma impressão maior do que está dito nas palavras que os descrevem. Tudo quanto é instituição, situação, escolas de arte, etc., da Idade Média está envolto numa atmosfera de imponderáveis extremamente difícil de tornar explícita. Nas sociedades da Antiguidade, como nas sociedades “post-medievais”, todas as relações têm um ar mecânico. E a única sociedade verdadeiramente orgânica – quer dizer que tem uma vida própria que resulta da boa harmonia de seus órgãos – que houve na História foi a sociedade medieval. É muito mais fácil entender um mecanismo como o motor de um carro, do que entender a complexidade de um organismo vivo, com seu DNA, por exemplo. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 1 comentários Partilhar | Marcadores: classes sociais , clero , espírito familiar , família , nobreza , povo , privilégios domingo, 1 de junho de 2014 O pai de família medieval: guardião, protetor, mestre, chefe, imagem de Deus e custódio da tradição Frederico de Sonneburg com seus filhos. Codex Manesse, fol 407r Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs A solidariedade familiar, exprimindo-se se necessário pelo recurso às armas, resolvia então o difícil problema da segurança pessoal e a do domínio. Em certas províncias, particularmente no norte da França, a habitação traduz esse sentimento da solidariedade. O principal compartimento da casa é a sala, que congrega diante da sua vasta lareira a família. Nela se juntam para comer, para festejar os casamentos e os aniversários e para velar os mortos. Corresponde ao hall dos costumes anglo-saxões, pois a Inglaterra teve na Idade Média costumes semelhantes aos nossos, aos quais permaneceu fiel em muitos pontos. A esta comunidade de bens e de afeição é necessário um administrador, e naturalmente o pai de família desempenha este papel. Mas a autoridade que ele desfruta é antes a de um gerente, em lugar de ser a de um chefe, absoluta e pessoal como no direito romano. Trata-se de um gerente responsável, diretamente interessado na prosperidade da casa, mas que cumpre um dever mais do que exerce um direito. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Partilhar | Marcadores: Antiguidade , Direito , direito de propriedade , família , hereditariedade , pai de família , propriedade domingo, 25 de maio de 2014 A família: a chave para compreender a sociedade medieval – 2 Conceito medieval da família: árvore genealógica continuação do post anterior: A família: a chave para compreender a sociedade medieval – 1 Ao se abordar a Idade Média, uma mudança de método impõe-se: a história da unidade francesa é a da linhagem capetiana. a conquista da Sicília é a história dos descendentes de uma família normanda, demasiado numerosa para o seu patrimônio. Para compreender bem a Idade Média, é preciso vê-la na sua continuidade, no seu conjunto. Talvez por isso ela é muito menos conhecida e muito mais difícil de estudar do que o período antigo, porque é necessário apreendê-la na sua complexidade, segui-la na continuidade do tempo, através dessas cortes que são a sua trama. E é preciso fazê-lo não apenas em relação às que deixaram um nome pelo brilho dos seus feitos ou pela importância do seu domínio, mas também nas gentes mais humildes das cidades e dos campos, que é preciso conhecer na sua vida familiar se quisermos dar conta do que foi a sociedade medieval. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Partilhar | Marcadores: classes sociais , família , França , Itália , sociedade domingo, 18 de maio de 2014 A família: a chave para compreender a sociedade medieval – 1 Bitetto, Itália, grupo de familias na catedral, roupas do século XIV É frequente na Europa, a população de certas cidades vestir roupas medievais, ou históricas, para rememorar fatos do passado, ou simplesmente reviver a alegria da era medieval. Fotos de encenações dessas na Itália, ilustram este post. Para compreender bem a sociedade medieval, é necessário estudar a sua organização familiar. Aí se encontra a “chave” da Idade Média, e também a sua originalidade. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Partilhar | Marcadores: classes sociais , família , França , Itália , sociedade domingo, 13 de novembro de 2011 Direito de propriedade: grande e sagrado fundamento da família A noção da família assim compreendida repousa sobre uma base material — a herança de família, bem fundiário em geral — porque desde os começos da Idade Média a terra constitui a única fonte de riqueza, e permanece conseqüentemente o bem estável por excelência. Dizia-se então: Héritage ne peut mauvoir Mais meubles est chose volage. Uma herança não pode movimentar-se Mas os móveis são coisa instável. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 03:48 4 comentários Partilhar | Marcadores: direito de propriedade , família domingo, 6 de novembro de 2011 Solidariedade familiar: garantia da segurança pessoal e da propriedade A solidariedade familiar, exprimindo-se se necessário pelo recurso às armas, resolvia então o difícil problema da segurança pessoal e a do domínio. Em certas províncias, particularmente no norte da França, a habitação traduz esse sentimento da solidariedade. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 03:41 0 comentários Partilhar | Marcadores: direito de propriedade , família , leis domingo, 30 de outubro de 2011 A vida familiar dominava a vida pública e não o inverso como hoje Colonização da Islândia e da Groenlândia Esta importância dada à família traduz-se por uma preponderância, muito marcada na Idade Média, da vida privada sobre a vida pública. Em Roma, um homem só tem valor enquanto exerce os seus direitos de cidadão, enquanto vota, delibera e participa nos negócios do Estado. As lutas da plebe para obter o direito de ser representada por um tribuno são, a este nível, bastante significativas. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 03:45 0 comentários Partilhar | Marcadores: direito de propriedade , família domingo, 23 de outubro de 2011 Superioridade da família na Idade Média em relação à Antiguidade Não poderíamos apreender melhor a importância desta base familiar do que, por exemplo, comparando a sociedade medieval, composta de famílias, com a sociedade antiga, composta de indivíduos. Na Antiguidade Nesta, o varão detém a primazia em tudo: na vida pública ele é o civis, o cidadão que vota, que faz as leis e toma parte nos negócios de Estado. na vida privada, é o pater familias, o proprietário de um bem que lhe pertence pessoalmente, do qual é o único responsável, e sobre o qual as suas atribuições são quase ilimitadas. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 03:37 0 comentários Partilhar | Marcadores: direito de propriedade , família domingo, 16 de outubro de 2011 Linhagens familiares: verdadeira estrutura da sociedade medieval A história da feudalidade não é outra senão a das principais linhagens. E que será, no fim de contas, a história do poder real do século X ao século XIV? A de uma linhagem, que se estabelece graças à sua fama de coragem, ao valor de que os seus antepassados tinham feito prova. Muito mais que um homem, é uma família que os barões colocaram na sua liderança. Na pessoa de Hugo Capeto viam o descendente de Roberto, o Forte, que tinha defendido a região contra os invasores normandos. ou de Hugo, o Grande, que tinha já usado a coroa. De fato, é o que transparece no famoso discurso de Adalbéron de Reims: “Tomai por chefe o duque dos francos, glorioso pelas suas ações, pela sua família e pelos seus homens, o duque em quem encontrareis um tutor não só dos negócios públicos, mas dos vossos negócios privados”. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 03:35 0 comentários Partilhar | Marcadores: direito de propriedade , família domingo, 9 de outubro de 2011 A família: “chave” para compreender a sociedade medieval Para compreender bem a sociedade medieval, é necessário estudar a sua organização familiar. Aí se encontra a “chave” da Idade Média, e também a sua originalidade. Todas as relações nessa época — tanto as de senhor-vassalo como as de mestre-aprendiz — se estabelecem sobre a estrutura familiar. A vida rural, a história do nosso solo, só se explicam pelo regime das famílias que aí viveram. Quando se queria avaliar a importância de uma aldeia, contava-se o número de “fogos”, e não o número de indivíduos que a compunham. Na legislação, nos costumes, todas as disposições tomadas dizem respeito aos bens de família, ao interesse da linhagem, ou então estendendo esta noção familiar a um círculo mais importante — ao interesse do grupo, do corpo de ofício, que não é senão uma vasta família fundada sobre o mesmo modelo que a célula familiar propriamente dita. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur às 02:33 0 comentários Partilhar | Marcadores: direito de propriedade , família , hereditariedade domingo, 3 de agosto de 2008 Papel da família na gestação da Cristandade “Por toda parte a civilização começou pela família. Aqui e ali nascem homens nos quais se desenvolvem e atuam mais poderosamente o amor paterno e o desejo de se perpetuar nos seus descendentes. “Eles se dedicam ao trabalho com mais ardor, impõem aos seus apetites um freio mais contínuo e mais sólido, governam sua família com mais autoridade, inspiram-lhe costumes mais severos, que eles imprimem nos hábitos que a fazem contrair. “Esses hábitos se transmitem pela educação, e se tornam tradições que mantêm as novas gerações na via aberta pelos ancestrais. “A marcha nessa via conduz a família a uma situação cada vez mais alta. Ao mesmo tempo, a união que conservam entre si todos os ramos do tronco primitivo lhes dá uma pujança que cresce dia a dia, com o número que se multiplica e as riquezas que se acumulam pelo trabalho de todos. “Nessa situação eminente, esta família torna-se o centro de atenção daquelas que a circundam. Estas lhe pedem abrigo e proteção, e em contrapartida prometem assistência. 'Entre eles há os que se sentem estimulados pela prosperidade que presenciam, e a ambicionam para si mesmos, deixando-se governar e instruir, esforçando-se por praticar as virtudes cujos exemplos e resultados eles têm diante dos olhos.... “No caso da França, em meio às ruínas acumuladas pelas invasões dos bárbaros [principalmente dos normandos e magiares a partir do século X], não havia mais ordem, porque não havia mais autoridade. “Sob a ação dos santos, várias famílias se ergueram, animadas pelos sentimentos que o cristianismo começava a difundir no mundo: sentimentos de devotamento pelos pequenos e os fracos, sentimentos de concórdia e amor entre todos, sentimentos de reconhecimento e de fidelidade para com os protegidos. “A hagiografia dessa época nos faz assistir por todo lado a esse espetáculo de famílias que se erguem desse modo acima das outras, pela força das suas virtudes. “Acima de todas se ergueu, no século X, a família de Hugo Capeto, que edificou a França pela paciência do seu espírito, pela perseverança do seu devotamento, pela continuidade dos seus serviços. “É necessário acrescentar: `E pela vontade e a graça de Deus'. Quando o Conde de Maistre ressaltou a frase da Sagrada Escritura `Sou Eu que faço os reis', ele não deixou de acrescentar: `Isto não é uma metáfora, mas uma lei do mundo político. Ao pé da letra, Deus faz os reis. Ele prepara as raças reais, e as amadurece em meio a uma nuvem que esconde as suas origens. Assim elas aparecem coroadas de glória e honra'”. (Fonte: Mgr. Henri Delassus, L'Esprit Familial dans la Maison, dans la Cité et dans l'État, Société Saint-Augustin, Desclée, De Brouwer, Lille, 1910, pp. 11-21). Desejaria receber atualizações gratuitas de 'Glória da Idade Média' em meu email Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Santiago Fernandez às 10:38 0 comentários Partilhar | Marcadores: Cristandade , família , França , História , Hugo Capeto Postagens mais antigas Página inicial Assinar: Postagens (Atom) Outras formas de visualizar o blog: Receba gratis em seu email Digite seu email: Os falsos mitos sobre a Idade Média refutados um a um Primeiro mito: Uma sociedade concebida segundo os princípios católicos é utopia . Veja a refutação. Segundo mito: Na Idade Média o regime era de opressão . Veja a refutação. Terceiro mito: A Igreja é o ópio do povo . Ela manteve o regime feudal para fruir de vantagens mesquinhas. Veja a refutação. Quarto mito: Na Idade Média havia regime de escravidão . Veja a refutação. Quinto mito: A Idade Média foi a “noite de mil anos”, em que a cultura desapareceu . Veja a refutação . Sexto mito: Na Idade Média a ciência ficou estagnada, e não houve progresso técnico. Veja a refutação. Pesquisar este blog Seguidores Leão XIII: na Idade Média a filosofia do Evangelho governava os Estados “Tempo houve em que a filosofia do Evangelho governava os Estados . “Nessa época, a influência da sabedoria cristã e a sua virtude divina penetravam as leis, as instituições, os costumes dos povos, todas as categorias e todas as relações da sociedade civil. “ Então a Religião instituída por Jesus Cristo, solidamente estabelecida no grau de dignidade que lhe é devido, em toda parte era florescente, graças ao favor dos Príncipes e à proteção legítima dos Magistrados . “Então o Sacerdócio e o Império estavam ligados entre si por uma feliz concórdia e pela permuta amistosa de bons ofícios. “Organizada assim, a sociedade civil deu frutos superiores a toda a expectativa, cuja memória subsiste e subsistirá, consignada como está em inúmeros documentos que artifício algum dos adversários poderá corromper ou obscurecer ”. (Fonte: S.S. Leão XIII, Encíclica “Immortale Dei”, de 1º-XI-1885, 'Bonne Presse', Paris, vol. II, p. 39). Leão XIII: a Civilização Cristã realizou o ideal de perfeição social Operada a Redenção e fundada a Igreja, “como que despertando de antiga, longa e mortal letargia, o homem percebeu a luz da verdade, que tinha procurado e desejado em vão durante tantos séculos. reconheceu sobretudo que tinha nascido para bens muito mais altos e muito mais magníficos do que os bens frágeis e perecíveis que são atingidos pelos sentidos, e em torno dos quais tinha até então circunscrito seus pensamentos e suas preocupações. “Compreendeu ele que toda a constituição da vida humana, a lei suprema, o fim a que tudo se deve sujeitar, é que, vindos de Deus, um dia devamos retornar a Ele. “Desta fonte, sobre este fundamento, viu-se renascer a consciência da dignidade humana. o sentimento de que a fraternidade social é necessária fez então pulsar os corações. em conseqüência, os direitos e deveres atingiram sua perfeição, ou se fixaram integralmente, e, ao mesmo tempo, em diversos pontos, se expandiram virtudes tais, como a filosofia dos antigos sequer pôde jamais imaginar. “Por isto, os desígnios dos homens, a conduta da vida, os costumes tomaram outro rumo. E, quando o conhecimento do Redentor se espalhou ao longe, quando sua virtude penetrou até os veios íntimos da sociedade, dissipando as trevas e os vícios da antigüidade, então se operou aquela transformação que, na era da Civilização Cristã, mudou inteiramente a face da terra”. Leão XIII Encíclica “Tametsi futura prospiscientibus”, I-XI-1900. Invenções, progresso, ciência e técnicas medievais Alguns grandes nomes da ciência medieval Na Idade Média nasceu a ciência logicamente sistematizada Sem a Igreja Católica não teria havido ciência e progresso autênticos Na Idade Média, a Europa encheu-se de escritores, artistas, monumentos e invenções Os hospitais: frutos da caridade desconhecidos antes da Idade Média Universidades e catedrais francesas: farois da cultura medieval Invenção “sui generis” de um monge e Papa: o zero Idade Média: era de grandes descobertas geográficas Historiadores recusam os mitos anti-católicos e anti-medievais Os mosteiros levaram a agricultura a patamar nunca visto Descobertas grandes e surpreendentes Castelos, abadias e aldeias medievais integradas com a natureza. Exemplo dos queijos e cervejas de Chimay Melhores vinhos modernos: herança das abadias medievais Monges trapistas fazem a melhor cerveja do mundo Ordenadas pela lógica floresceram ciências como a mecânica, as matemáticas, a física e a astronomia Nascimento e triunfo dos altos estudos A minúscula carolíngia mudou o rumo da cultura e da alfabetização Convite aos fiéis a aprofundar racionalmente as verdades da fé Sob a doce luz de Cristo, a Idade Média foi uma explosão de liberdade, criatividade e progresso, diz catedrático de Lisboa A revolução industrial da Idade Média: os surpreendentes planos de Villard de Honnecourt A movimentada vida dos engenheiros medievais A Idade Média à procura do Movimento Perpétuo para resolver o problema da energia Energia industrial para invenções e “gadgets” em plena era medieval A geometria a serviço do arquiteto medieval Conhecimentos industriais e científicos da Antiguidade cuidadosamente aproveitados Os mestres medievais autores de inventos atribuídos a Leonardo da Vinci O relógio astronômico do Ocidente nasceu na Idade Média Um abade na ponta da tecnologia: Dom Richard Wallingford Uma vocação familiar para relógios nunca antes sonhados: os Dondi Monges inventores de tecnologias logo comunicadas a todos Idade Média: ingenuidade ou entendimento superior das coisas? O monasticismo católico e a restauração da fé, da cultura e das ciências A Idade Média achava que a Terra era plana? Idade das Trevas? Ou Idade da Luz da Fé e da razão irmanadas? O sistema universitário medieval: o oposto do conhecimento fragmentário hodierno 'Caso Galileu': manipulação revolucionária para abalar a hierarquia medieval das ciências Sob o Catolicismo as ciências progrediram mais que em qualquer outra civilização Invenções e instituições criadas na época medieval A revolução industrial medieval: os começos da engenharia moderna Mito errado: Na Idade Média a ciência ficou estagnada, e não houve progresso técnico São Pio X: a Civilização é tanto mais fecunda, quanto mais cristã “A civilização do mundo é a Civilização Cristã, tanto mais verdadeira, mais duradoura, mais fecunda em frutos preciosos, quanto é mais autenticamente cristã”. Encíclica “Il fermo proposito”, ASS, vol. 37 (1905) p. 745. Pio XII: a Idade Média foi uma era de admirável devoção a Nossa Senhora “A Idade Média, que, notadamente com São Bernardo, cantou a glória de Maria e lhe celebrou os mistérios, viu a admirável eflorescência das vossas catedrais dedicadas a Nossa Senhora: Le Puy, Reims, Amiens, Paris e tantas outras... “Essa glória da Imaculada anunciam-na elas de longe pelas suas flechas esbeltas, fazem-na resplandecer na pura luz dos seus vitrais e na harmoniosa beleza das suas estátuas. atestam elas sobretudo a fé de um povo a se alçar acima de si mesmo num surto magnífico, para erguer no céu da França a homenagem permanente da sua piedade mariana. “Nas cidades e nos campos, no topo das colinas ou dominando o mar, os santuários consagrados a Maria humildes capelas ou esplêndidas basílicas cobriram pouco a pouco o país com a sua sombra tutelar. “Neles, príncipes, pastores e fiéis inúmeros afluíram, ao longo dos séculos, para a Virgem santa, a quem saudaram com os títulos mais expressivos da sua confiança ou da sua gratidão. “Admirável ladainha de invocações, cuja enumeração jamais acabada narra, de província em província, os benefícios que a Mãe de Deus tem derramado, no correr dos tempos, sobre a terra da França.” Carta Encíclica “Le Pelèrinage de Lourdes”, 2 de julho de 1957 João Paulo II: a civilização européia é filha da Idade Média “Nós somos ainda os herdeiros de longos séculos nos quais se formou na Europa uma Civilização inspirada pelo cristianismo. (...) Na Idade Média, com certa coesão do continente inteiro, a Europa constrói uma Civilização luminosa da qual permanecem muitos testemunhos” (Discurso à CEE, Bruxelas, 21-5-1985) Bento XVI: Idade Média, idade de fé profunda que inspirou as mais altas obras de arte e civilização “A fé cristã, profundamente arraigada nos homens e nas mulheres destes séculos, não deu origem somente a obras-primas da literatura teológica, do pensamento e da fé. Ela inspirou também uma das criações artísticas mais elevadas da civilização universal: as catedrais, verdadeira glória da Idade Média cristã. Com efeito, durante cerca de três séculos, a partir do início do século XI, assistiu-se na Europa a um ardor artístico extraordinário. Vários fatores contribuíram para este renascimento da arquitetura religiosa. Em primeiro lugar, condições históricas mais favoráveis, como uma maior segurança política, acompanhada por um aumento constante da população e pelo progressivo desenvolvimento das cidades, dos intercâmbios e da riqueza. Porém, foi principalmente graças ao ardor e ao zelo espiritual do monaquismo em plena expansão que foram construídas igrejas abaciais, onde a liturgia podia ser celebrada com dignidade e solenidade, e os fiéis podiam deter-se em oração, atraídos pela veneração das relíquias dos santos, meta de peregrinações incessantes. (S.S. Bento XVI, Audiência Geral de 18.11. 2009). São Pio X: trata-se de restaurar incessantemente a Civilização Cristã “Não se deve inventar a Civilização, nem se deve construir nas nuvens a nova sociedade. Ela existiu e existe: é a Civilização Cristã, é a sociedade católica. Não se trata senão de a instaurar e restaurar incessantemente nas suas bases naturais e divinas, contra os ataques sempre renascentes da utopia malsã, da revolta e da impiedade: Omnia instaurare in Christo (Ef. I, 10)”. Carta Apostólica “Notre Charge Apostolique”, 25-8-1910, p. 612. Receba em seu email Digite seu email: Jacques Heers, prof. da Sorbonne: lenda revolucionária denigra Idade Média “Na visão da Idade Média divulgada pelos historiadores e escritores de dois séculos para cá, medieval, feudal, senhorial constituem, ainda mesmo em nossos dias, insultos ou injúrias, como resultado de uma legenda urdida a partir do século XVIII e sabiamente orquestrada pelos revolucionários franceses de 1789, pelos bonzos da História e, sobretudo pelos mestres do ensino público ”. Jacques Heers, diretor do Departamento de Estudos Medievais da Universidade de Paris-Sorbonne IV, “Le Moyen Age, une Imposture - Vérités et Légendes” , Perrin, Paris, 1993. Prof. Roberto de Mattei: a “lenda negra” sobre a Idade Média ruiu definitivamente “A ‘lenda negra’ sobre a Idade Média, que a historiografia marxista relançara, ruiu definitivamente e nenhum historiador sério aceitaria hoje considerar a Idade Média como um parênteses de barbárie negra. “A expressão Idade Média perdeu qualquer caracterização semântica de sinal negativo, para indicar simplesmente a época histórica em que toda a sociedade, nas suas instituições, leis e costumes, se deixou plasmar pela Igreja Católica. “Por isso, Bento XV define a Europa medieval como uma Civilização homogénea, dirigida pela Igreja, e Pio XII afirma que ‘é justo reconhecer à Idade Média e à sua mentalidade uma nota de autêntica catolicidade: a certeza indiscutível de que a religião e a vida formam, na unidade, um todo indissolúvel’”. “O Cruzado do Século XX”, editora Civilização, 1996, cap. IV, nº2. Prof. Rodney Stark: o mito da “Idade Média ‒ Era das Trevas” não resiste mais à crítica “A idéia de que a Europa caiu na Era das Trevas é um boato espalhado por intelectuais anti-religiosos, amarguradamente anti-católicos do século XVIII que estavam decididos a afirmar a superioridade cultural do seu próprio tempo, e que engrossavam sua pretensão denegrindo os séculos passados como — nas palavras de Voltaire — uma época em que a 'barbárie, a superstição e a ignorância cobriram a face do mundo.' “Afirmações como essas foram repetidas tão freqüentemente e tão unanimemente que, até muito recentemente, dicionários e enciclopédias aceitaram a 'Era das Trevas' como um fato histórico. “Alguns escritores até pareciam sugerir que o povo vivendo, digamos, no século IX, descrevia seu próprio tempo como sendo de atraso e superstição. “Afortunadamente, nos últimos anos estes pontos de vista ficaram tão completamente desacreditados que até alguns dicionários e enciclopédias começaram a se referir à noção de 'Era das Trevas' como sendo um mito .” (Fonte: Rodney Stark, “A Vitória da Razão”, Random House, New York, 2005). Plinio Corrêa de Oliveira e a cavalaria A cavalaria é uma fraternidade de almas cheias de lealdade e de honra. (29/5/74). A cavalaria era uma grande fraternidade universal de homens que queriam a luta pela Igreja Católica. Eles queriam realizar um certo tipo humano, e eram movidos por um certo espírito comum. (8/4/73). Cavaleiro é o homem que passa pelo caminho terrível do sacrifício por um fim superior. A história das Ordens de Cavalaria foi a síntese da História da Idade Média. Vitorioso no auge da catástrofe: nessa definição a palavra cavaleiro toma seu significado. No Brasil, “néscios” ainda reptem “tolices” como a “Idade Média tempo de ignorância e barbárie' “No Brasil, a Idade Média ainda é citada por muitos néscios como um tempo de ignorância e barbárie, um tempo vazio, um tempo em que a Igreja escondeu os conhecimentos que naufragaram com o fim do Império Romano para dominar o “povo”. “Nesse movimento consciente e ideológico em direção às trevas, o clero teve como aliado principal a nobreza feudal. “Juntos, nobreza e clero governaram com coturnos sinistros e malévolos todo o ocidente medieval, que permaneceu assim envolto em uma escuridão de mil anos, soterrado, amedrontado e preso a terra num trabalho servil humilhante. “Quem ainda acredita piamente nesse amontoado de tolices ...” (Fonte: Ricardo da Costa, Prof. Adjunto de História Medieval da Universidade Federal do Espírito Santo). De Mattei: espírito anti-católico forjou a falsa “lenda negra” sobre a Idade Média A origem da expressão Idade Média e do respectivo conceito liga-se a uma visão historiográfica que pretendia caracterizar todo um milénio de História ocidental como uma longa 'noite', tenebroso parênteses entre a 'luz' do mundo pagão e o 'renascimento' da idade moderna. tal concepção, já presente em Petrarca e no humanismo italiano, seria adpotada pelos iluministas no século XVIII. Desta forma, como observa Eugénio Garin, 'O contraste entre idade escura e renascimento iluminante alimentaria uma polémica de quase quatro centúrias, do século XIV ao XVIII, ligando de forma ideal o Humanismo ao Iluminismo'. Toda a sociedade medieval se conformava harmonicamente com a ordem natural estabelecida pelo próprio Deus ao criar o universo e com a ordem sobrenatural inaugurada com a Redenção e inspirada pela Igreja. Esta foi a grande civilização que emergiu lenta mas vigorosamente do caos da era bárbara, sob o influxo das energias naturais e sobrenaturais dos povos baptizados e ordenados a Cristo. “A conversão dos povos ocidentais –escreveu Plínio Corrêa de Oliveira– não foi um fenómeno de superfície. O germen da vida sobrenatural penetrou no proprio âmago da sua alma, e foi paulatinamente configurando à semelhança de Nosso Senhor Jesus Cristo o espírito outrora rude, lascivo e supersticioso das tribos bárbaras. A sociedade sobrenatural –a Igreja– estendeu assim sobre toda a Europa a sua contextura hierárquica, e desde as brumas da Escócia até às encostas do Vesúvio foram florindo as dioceses, os mosteiros, as igrejas catedrais, conventuais ou paroquiais, e, em torno delas, os rebanhos de Cristo. (...) Nasceram por essas energias humanas vitalizadas pela graça, os reinos e as estirpes fidalgas, os costumes corteses e as leis justas, as corporações e a cavalaria, a escolástica e as universidades, o estilo gótico e o canto dos menestreis”. “O Cruzado do Século XX”, editora Civilização, 1996, cap. IV, nº2. Causas da crise medieval e da decadência do mundo segundo os Papas Quais foram as causas da decadência da civilização medieval? Leão XIII na Encíclica Immortale Dei escreve que 'o funesto e deplorável espírito de novidade suscitado no século XVI, começou por convulsionar a religião, passou depois naturalmente desta ao campo filosófico, e em seguida a todas as ordens do Estado'. O âmbito religioso, juntamente com o intelectual e o político-social, são os três campos atingidos pelo processo de dissolução que o Papa denomina 'Direito novo'. Trata-se de um 'inimigo' declarado da Igreja e da Cristandade, o qual por sua vez foi descrito por Pio XII nos seguintes termos: “Ele encontra-se em toda a parte e no meio de todos: sabe ser violento e astuto. Nestes últimos séculos tentou realizar a desagregação intelectual, moral e social da unidade no organismo misterioso de Cristo. Ele quis a natureza sem a graça, a razão sem a fé. a liberdade sem a autoridade. às vezes a autoridade sem a liberdade. É um 'inimigo' que se tornou cada vez mais concreto, com uma ausência de escrúpulos que ainda surpreende: Cristo sim, a Igreja não! Depois: Deus sim, Cristo não! Finalmente o grito ímpio: Deus está morto. e, até, Deus jamais existiu. E eis, agora, a tentativa de edificar a estrutura do mundo sobre bases que não hesitamos em indicar como principais responsáveis pela ameaça que pesa sobre a humanidade: uma economia sem Deus, um direito sem Deus, uma política sem Deus”. (Pio XII, Discurso “Nel contemplare”, 12-10-1952, Discorsi e Radiomessaggi, vol. XIV, p. 359.) Links GPS do Agronegócio E ainda há gente culpando os produtores rurais! Há 4 horas Contos e lendas da Era Medieval A Ponte do Diabo de Thueyts Há 16 horas Nobility and Analogous Traditional Elites Here We Go Again Há 3 dias Catedrais Medievais O ódio ao gótico é ódio à Igreja Católica Há 4 dias Ciência confirma a Igreja Os nomes do Zodíaco: indício da união inicial dos homens e de sua posterior dispersão? Há 6 dias Orações e milagres medievais O que falavam a mula e o boi há dois mil anos – Conto de Natal Há uma semana Blog da Família A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Há uma semana Heróis medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas As Cruzadas Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Pesadelo chinês Feliz Natal e bom Ano Novo 2018! Há 2 semanas Devotos de la Santísima Virgen de El Buen Suceso Há 2 semanas Jóias e símbolos medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Gloria de la Edad Media Feliz Navidad y próspero Año Nuevo 2018! Há 2 semanas Idade Média Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas O que está acontecendo na América Latina? Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas A cidade medieval Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Verde: a cor nova do comunismo Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Valores inegociáveis Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Luz de Cristo x trevas da irracionalidade Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Flagelo russo Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas A Aparição de La Salette e suas Profecias Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Luzes de Esperança Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Lourdes e suas aparições Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Castelos medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas IPCO - Instituto Plinio Corrêa de Oliveira Que estado de espírito ter diante de catástrofes? Há 3 meses Radar da mídia “Pray for Barcelona!” Há 4 meses Ação Jovem Pela Terra de Santa Cruz Heroísmo e Honra é o que a Juventude tanto sente falta Há 6 meses Sou conservador sim, e daí? Ideologia de Gênero na prática: saia para homens Há 2 anos Arquivo do blog ▼ 2017 (51) ▼ Dezembro (4) Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Como um medieval via a liturgia da Missa A revolução industrial medieval: os começos da eng... A Igreja enxotou os costumes depravados e criminos... ► Novembro (4) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (4) ► Julho (5) ► Junho (4) ► Maio (4) ► Abril (5) ► Março (5) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (4) ► 2016 (25) ► Dezembro (3) ► Novembro (4) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (4) ► Julho (5) ► 2015 (32) ► Dezembro (2) ► Novembro (2) ► Agosto (1) ► Julho (2) ► Junho (4) ► Maio (5) ► Abril (4) ► Março (5) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (3) ► 2014 (49) ► Dezembro (3) ► Novembro (5) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (5) ► Julho (4) ► Junho (5) ► Maio (4) ► Abril (3) ► Março (4) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (3) ► 2013 (45) ► Dezembro (1) ► Novembro (3) ► Outubro (4) ► Setembro (5) ► Agosto (4) ► Julho (4) ► Junho (5) ► Maio (4) ► Abril (4) ► Março (5) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (3) ► 2012 (43) ► Dezembro (3) ► Novembro (4) ► Outubro (3) ► Setembro (5) ► Agosto (4) ► Julho (2) ► Junho (3) ► Maio (4) ► Abril (3) ► Março (4) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (5) ► 2011 (36) ► Dezembro (3) ► Novembro (3) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (3) ► Julho (3) ► Junho (4) ► Maio (5) ► Abril (3) ► Março (2) ► Fevereiro (1) ► 2010 (13) ► Dezembro (2) ► Novembro (3) ► Outubro (2) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Março (1) ► 2009 (8) ► Dezembro (1) ► Novembro (1) ► Agosto (1) ► Julho (1) ► Junho (1) ► Abril (1) ► Fevereiro (1) ► Janeiro (1) ► 2008 (28) ► Novembro (1) ► Outubro (2) ► Agosto (2) ► Julho (10) ► Junho (4) ► Maio (5) ► Abril (1) ► Janeiro (3) ► 2007 (35) ► Dezembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (1) ► Agosto (8) ► Julho (4) ► Junho (18) Visualize os assuntos preferidos: 1200º aniversário (14) Aachen (3) abadia (7) agricultura (9) Albi (1) Alcuíno (1) alegria (1) Alemanha (4) alimentação (6) Amboise (1) Amiens (1) Antiguidade (4) árabes (1) armas (1) arquitetura (21) arte (22) Assis (1) astronomia (4) Ávila (1) bárbaros (1) Battle of the Nations (2) Beato Urbano II (2) Beauvais (1) beleza (1) Bélgica (1) Biblia (2) bispo (2) Bonifácio VIII (2) Brasil (5) Bretanha (1) bruxaria (1) Burgos (3) burguês (5) Busto de São Gregório VII em ouro e prata (1) caça (2) Canção de Cruzada (1) canção de gesta (4) caos (2) caridade (2) Carlos Magno (33) casamento (2) castelos (4) catacumbas (2) catedrais (10) catolicismo (3) cavalaria (13) cerveja (3) Chanson de Roland (3) Chartres (3) chaves de Pedro (1) Cid (1) ciência (24) Civilização Cristã (31) classes sociais (23) clero (9) Clóvis (2) Cluny (2) cofradias (1) Coimbra (1) Colônia (2) Combate Medieval (2) Constantino (3) Constantinopla (1) coroação (5) Corporações (1) criança (1) Cristandade (22) Cruzadas (39) culinária (3) culto (1) cultura (18) decadência (1) descobertas (2) devoção (4) Direito (6) direito de propriedade (8) Donoso Cortés (1) Drachenburg (1) economia (13) ecumenismo (1) educação (22) equilíbrio (1) escola (9) escolástica (2) escravidão (4) Espanha (4) espírito familiar (2) espiritualidade (2) Estrasburgo (2) Evangelho (1) falsos mitos (7) família (18) Fé (3) feiras (1) feudalismo (20) fidelidade (1) filosofia (4) Foulques de Neuilly (1) Fountains abbey (1) França (37) Galileu Galilei (2) gastronomia (8) Gesta Dei per Francos (5) gótico (3) governo (3) Grã-Bretanha (5) grandeza (1) gregoriano (1) guarda suiça (1) Guédelon (1) guerra (9) Hastings (2) hereditariedade (2) heresias (2) hierarquia (9) higiene (1) História (11) honra (2) hospital (8) Hugo Capeto (1) Humanismo (2) idade media (10) idade média (4) igreja (37) Igreja Católica (2) imperador (4) império (2) impostos (6) indústria (4) Inglaterra (12) Inquisição (5) invasões (1) invenções (18) Islã (6) Itália (3) Jerusalém (8) Jesus Cristo (9) joia (1) Judas Iscariote (1) juíz (1) justa (1) justiça (2) Laon (1) Leão XIII (3) leis (3) Lepanto (4) liberdade (2) literatura (4) liturgia (4) Lumen Christi (2) mártires (2) milagres (4) Milão (1) monarquia (2) Mont Saint Michel (4) moral (3) mosteiro (37) muçulmanos (1) mulher (5) música (3) na catedral de Salerno (1) Natal (13) natureza (1) nobreza (17) Nossa Senhora (6) Nossa Senhora Cluny (1) Nosso Senhor (4) Notre Dame (2) Notre Dame de Paris (3) ofícios (2) Olivier (1) ordem (7) ordem cavalaria (8) pai de família (1) Papas (38) Paris (4) paz (7) perseguição religiosa (2) Pio XII (2) povo (4) privilégios (2) progresso (20) propriedade (2) querela das investiduras (1) reciprocidade (1) regionalismo (2) Reims (3) reis (25) Reis Magos (2) religião (1) relíquias (2) Renascença (4) Renascimento Carolíngio (1) Ricardo Coração de Leão (1) Ricardo III (1) Roland (4) Roma (4) sacralidade (7) Sacro Império (11) Saint-Denis (1) Sainte Chapelle (11) Salisbury (1) Santa Joana d'Arc (14) Santo Tomás de Aquino (1) São Bento (10) São Bernardo (9) São Domingos de Gusmão (1) São Fernando (1) São Gregório Magno (2) São Gregório VII (5) São Leão III (2) São Luiz (16) Sao Mateus (1) São Miguel Arcanjo (6) São Pio X (2) São Remígio (2) São Silvestre (2) São Tomás de Aquino (5) saúde (5) Semana Santa (1) servo da gleba (1) Siegburg (1) Siena (1) simbolismo (31) sino (2) sociedade (2) Soissons (1) Subiaco (1) Suger (1) técnica (12) tecnologia (1) Templários (5) teologia (5) Terra Santa (16) tiara (1) títulos (1) torneio (1) trabalho (6) tradição (2) tribunal (1) união Igreja-Estado (7) Universidade (17) vassalagem (14) Vaticano (2) Velho da Montanha (2) Veneza (1) Via Sacra (1) vida (2) Viena (1) vitrais (4) Windsor (1) York (1) CLUNY CLUNY a “alma da Idade Média” Cluny: a “alma da Idade Média” Como se vivia num mosteiro medieval, o exemplo de Cluny” A Ordem de Cluny na História: quando os homens pareciam anjos O grande papel de Cluny na formação da Idade Média Cluny e a formação do espírito da Cavalaria Elogio de São Gregório VII aos religiosos de Cluny – 1 Elogio de São Gregório VII aos religiosos de Cluny – 2 Santo Odon e as origens do mosteiro de Cluny Abades santos governam Cluny quase 200 anos A decadência de Cluny Zelo pela tradição na arquitetura de Cluny Em Cluny, história como alimento para as almas A Sabedoria pondo ordem nos aspectos materiais da existência Cluny na voz de um Papa contemporâneo Vídeo: Cluny completou 1100 anos Cluny e a origem da arte gótica Cluny comemorou 1.100 anos envolto numa aura de veneração Cluny, a Jerusalém celeste encarnada Os mosteiros na Idade Média Cluny: o “exército do Senhor” Cluny: o “fasto” e a “hierarquia angélica” Cluny, monges-guerreiros e “anjos do Apocalipse” Cluny, como viviam os monges São Bernardo: reação para segurar a queda de Cluny A decadência de Cluny e o ocaso da Cristandade medieval Santo Odon: resplandecente abade de Cluny Santo Odilon, modelo das virtudes cluniacenses Post mais lidos em todos os tempos Alguns grandes nomes da ciência medieval Santo Alberto Magno, St Dominic, Londres Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPC... De escravos antigos a servos da gleba: transição para o homem livre Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs U... O Clero, primeira classe da sociedade medieval A via da Verdade. Via Veritatis, Andrea da Firenze. Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, s... Abadia de Cluny: “alma da Idade Média” Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs A ... Invenções e instituições criadas na época medieval Mestre relogeiro. Jean Suso, 'L'horloge de la Sapience', século XV. BnF, français 455, folio 4 Luis Dufaur Escritor,... Distinção entre o homem renascentista e o homem medieval Francisco I, Jean Clouet, Museu do Louvre Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IP... Torneio para comemorar a reedificação do castelo de Windsor Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Cluny: 'alma da Idade Média' ‒ III. Contribuições para o progresso temporal: celeiro, moinho e outras invenções Antigo celeiro de Cluny, andar superior. Hoje é museu Sobre os prédios de Cluny ( celeiro, torres, fachada, etc.) ver também: Abadia... Nobreza: segunda classe da epoca medieval A nobreza era a classe militar Na época medieval, a nobreza era a classe militar, obrigada a lutar em tempo de guerra. Formava por iss... A Cristandade medieval instaurou a paz de Cristo na Europa A sagração dos reis da França: um dos pontos altos da suavização dos costumes na Idade Média Luis Dufaur Escritor, jornalista, co... Papas, santos e doutores mostram o que é o Islã, Maomé e o Corão Papas, santos e doutores: o que é o Islã, Maomé e o Corão? São Tomás de Aquino: no islamismo acreditaram homens animalizados, ignorantes da doutrina divina, que obrigaram os outros pela violência das armas São João Bosco: Quem foi Maomé? São João Bosco: O que ensinam o islamismo, Maomé e o Corão? Santo Afonso Maria de Ligório: O islamismo não pode ser verdadeiro São Francisco Xavier: peste grosseira e escravizadora que vive na ignorância de seus dogmas São João Damasceno, Doutor da Igreja: Maomé, falso profeta, excogitou nova heresia eriçada de coisas ridículas São Francisco de Assis: é de acordo com a Justiça combater os muçulmanos Santa Teresinha do Menino Jesus: “Com que alegria teria partido para combater os hereges nas Cruzadas” Abismais incompatibilidades entre Maomé e Jesus Papa São Gregório VII, alma inspiradora das Cruzadas Bem-aventurado Papa Urbano II: Sermão da Cruzada, Clermont-Ferrand, 27.11.1095 (versão mais completa) Papa Pascoal II comemora a conquista de Jerusalém e exorta a reforçar a Cruzada Beato Eugênio III Papa: Convocação da II Cruzada - Bula “Quantum predecessores” Papa Gregório VIII: “A misericórdia celeste pode trocar os dias da vitória muçulmana em dias de humilhação” Papa São Pio V: cartas incitando os Reis católicos a combater contra os muçulmanos Papa Bento XIV: “muçulmanos, os piores entre os celerados” Mais lidas nesta semana O Clero, primeira classe da sociedade medieval A via da Verdade. Via Veritatis, Andrea da Firenze. Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, s... De escravos antigos a servos da gleba: transição para o homem livre Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs U... A revolução industrial medieval: os começos da engenharia moderna Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Uma... Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... O “Bolo dos Reis” Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs No... Armaduras ainda surpreendem Armadura de cerimônia de Luis XIV O uso de armadura em combate na Idade Média requeria raras condições de força e destreza – concluíram ... Como um medieval via a liturgia da Missa Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... A Igreja enxotou os costumes depravados e criminosos Abadia de Royaumont, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster... A herança: transmissão da posse ditada só pela natureza Parada histórica na Bélgica. A continuidade familiar razão de ser da transmissão natural dos bens sem intervenção da lei ou outro fator.... Nobreza: privilégios honoríficos e práticos. ônus pesados e custosos A nobreza é uma classe privilegiada. Seus privilégios são, antes de mais nada, honoríficos: direitos de precedência, etc. Alguns decorrem de... Santa Joana d'Arc: o julgamento iníquo e a epopeia da heroina santa Santa Joana d’Arc Epopeia que entra no século XXI A epopeia gloriosa de Santa Joana d’Arc Tribunal tenta enganar a heroína Missão profética da Donzela de Orleans Uma donzela que desfez o melhor exército da época Sagração do rei em Reims Juízes venais, filosoficamente igualitários, condenam a santa A virgem guerreira na fogueira O grande retorno da heroína santa Santa Joana d’Arc, Guerreira do Altíssimo (1) Santa Joana d’Arc, Guerreira do Altíssimo (2) O modo de estudar, segundo Santo Tomás de Aquino “Já que me pediste, frei João ‒ irmão, para mim, caríssimo em Cristo ‒, que te indicasse o modo como se deve proceder para ir adquirindo o tesouro do conhecimento, devo dar-te a seguinte indicação: deves optar pelos riachos e não por entrar imediatamente no mar, pois o difícil deve ser atingido a partir do fácil. E, assim, eis o que te aconselho sobre como deve ser tua vida: “1. Exorto-te a ser tardo para falar e lento para ir ao locutório. “2. Abraça a pureza de consciência. “3. Não deixes de aplicar-te à oração. “4. Ama freqüentar tua cela, se queres ser conduzido à adega do vinho da sabedoria. “5. Mostra-te amável com todos, ou, pelo menos, esforça-te nesse sentido. mas, com ninguém permitas excesso de familiaridades, pois a excessiva familiaridade produz o desprezo e suscita ocasiões de atraso no estudo. “6. Não te metas em questões e ditos mundanos. “7. Evita, sobretudo, a dispersão intelectual. “8. Não descuides do seguimento do exemplo dos homens santos e honrados. “9. Não atentes a quem disse, mas ao que é dito com razão e isto, confia-o à memória. “10. Faz por entender o que lês e por certificar-te do que for duvidoso. “11. Esforça-te por abastecer o depósito de tua mente, como quem anseia por encher o máximo possível um cântaro. “12. Não busques o que está acima de teu alcance. “13. Segue as pegadas daquele santo Domingos que, enquanto teve vida, produziu folhas, flores e frutos na vinha do Senhor dos exércitos. “Se seguires estes conselhos, poderás atingir o que queres.”



http://blogdafamiliacatolica.blogspot.com/
  Blog da Família Blog da Família 26 de dezembro de 2017 A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Santiago Fernandez (*) N os países católicos há uma imensa variedade de pratos e bolos que se preparam somente para o Natal. Nesse ponto os italianos acabaram passando na frente de todos os outros ao criarem o universalmente conhecido e cobiçado “panettone”. De onde ele vem? ... Blog da Família Blog da Família 26 de dezembro de 2017 A multiforme inspiração do Espírito Santo ... família devem dar uma mexida em sua massa durante a preparação, um de cada vez, de leste a oeste, a fim de ... a “bûche de Noël”. A família aquecida por esse fogo se reunia para a Ceia de Natal entoando canções. Com o ... avidamente procurada pelos espíritos amantes da família, da tradição e da Cristandade. Na Córsega ela é ... no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Cristianismo , Família , Menino CACHE

Blog da Família Blog da Família 26 de dezembro de 2017 A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Santiago Fernandez (*) N os países católicos há uma imensa variedade de pratos e bolos que se preparam somente para o Natal. Nesse ponto os italianos acabaram passando na frente de todos os outros ao criarem o universalmente conhecido e cobiçado “panettone”. De onde ele vem? Discute-se fortemente na Itália sobre a sua origem. Todos concordam que nasceu na região de Milão. Segundo uma versão, o panettone apareceu pelo fim do século XV num banquete oferecido pelo tempestuoso duque Ludovico Sforza, dito “o Mouro”. O ajudante de cozinha, de nome Toni, encarregado de vigiar o forno durante a preparação da sobremesa, teria dormido. E quando acordou ela estava queimada! Para se salvar da ira do colérico duque, ele apanhou então tudo o que sobrara na cozinha e misturou, para produzir um pão “enriquecido” que fez as delícias de todos. Essa obra-prima passou para a posteridade como o “pão de Toni”, que acabou dando em “panettone”. Mas há outra versão: o jovem nobre Ughetto degli Atellani, que desejava casar-se com Algisa, filha do padeiro Toni, teria conseguido ser contratado pela padaria, onde concebeu o famoso pão de Natal para conquistar a moça. Outra versão ainda é aquela segundo a qual Sóror Ughetta — cujo nome significa passa — teria comprado com suas últimas moedas algumas passas e frutas cristalizadas para acrescentar a seu pão de Natal, levando assim um sorriso às irmãs de seu convento. O fato histórico incontestável é que, entre outras coisas, na Idade Média nasceu o costume de comemorar o Natal com um pão que fosse melhor do que o quotidiano. Até 1395 os fornos de Milão só podiam assar esse pão no período natalino, e ele era marcado com frequência com uma cruz. 'Pandoro' de Verona Mas há o “panettone” glacê e com amêndoas de Turim. E também o “pandoro”, de Verona, que é muito alto, pesa cerca de um quilo, tem sabor de baunilha, uma miga muito leve e é servido num pacote feito com açúcar cristalizado que também se come. 'Panforte' de Siena Em Veneza, o “panettone” vem acompanhado de um creme de frutas cristalizadas. Há ainda o “pandolce” de Gênova, um pouco mais compacto, bem como o “panforte” de Siena, feito com especiarias e sem farinha, com a massa consolidada com mel, pimenta e canela. O sul da Itália aplicou sua inspiração ao “panettone”, que vinha do Norte, acrescentando-lhe delícias que são inéditas nas regiões frias: laranja, limão, pistache, bergamota e o licor limoncello. O “panettone” de Nápoles é feito com laranjas cristalizadas de Amalfi e limoncello. Em Siracusa, ele vem com chocolate, pistaches, laranjas cristalizadas da Sicília e passas de Pantelleria. Todos eles em geral têm preços acessíveis. 'Christmas pudding' inglês Deixando agora a Itália e passando a outros países, os britânicos preparam o tradicional “pudding”, oriundo da Idade Média. Segundo instrução da Igreja Católica, ele “deve ser feito no domingo após a festa da Santíssima Trindade, que neste ano de 2017 foi celebrado em 18 de junho. É preparado com 13 ingredientes para representar Cristo e os 12 Apóstolos, e todos os membros da família devem dar uma mexida em sua massa durante a preparação, um de cada vez, de leste a oeste, a fim de homenagear os Reis Magos e sua suposta jornada nessa direção”. Por sua vez, os belgas degustam os chamados “cougnoles” ou “cougnous”, pães do tipo brioche cujo tamanho varia entre 15 e 80 cm, com a forma de um presépio que acolhe uma imagenzinha do Menino Jesus. 'Christstollen' alemão Os alemães preparam o “Christstollen”, bolo muito denso perfumado com especiarias e recheado com frutos cristalizados e passas, assado numa forma especial. Os espanhóis no Natal preferem o “turrón”, uma massa feita com amêndoas e mel. Ele tem muitas variantes: com chocolate, nozes, frutas secas etc. Os franceses comemoram com a “bûche”, literalmente pedaço de lenha, que suscita todo ano um verdadeiro concurso para ver quem é o “pâtissier” que concebe a variante mais criativa. 'Büche de Noël' Durante séculos, as famílias francesas acendiam na noite de Natal um pedaço de lenha de árvores frutíferas como cerejeira, ameixeira, macieira ou oliveira, ou de madeiras nobres ou comuns. Ficou conhecida como a “bûche de Noël”. A família aquecida por esse fogo se reunia para a Ceia de Natal entoando canções. Com o tempo entraram novos sistemas de aquecimento e as velhas lareiras foram se apagando. Mas eis que a “bûche de Noël” se transformou em uma obra-prima da pâtisserie francesa, a sobremesa indispensável nos lares da França nos dias abençoados do Natal. É difícil conhecer o autor do prodígio, embora talvez tenham sido muitos, guiados em diversas partes pelo instinto católico, pela tradição e pelo bom gosto. Fala-se que um aprendiz de Paris, que trabalhava numa chocolataria do aristocrático bairro de Saint Germain des Prés, teria sido o autor da ideia. Os palacetes do bairro eram habitados por nobres ligados a seus castelos, erigidos muitas vezes em bosques e em contínuo contato com a agricultura e as tradições locais. Como esses nobres não encontravam suas rústicas, mas abençoadas “bûches de Noël” na refinada Paris, então o aprendiz concebeu um doce em forma de lenha para lhes aplacar a saudade inspirada pela fé. Segundo outros, o famoso bolo foi inventado em Lyon por volta de 1860. Há os que defendem que Pierre Lacam, pasteleiro e sorveteiro do príncipe Carlos III de Mônaco, teria concebido a primeira requintada “bûche” em 1898. Quem quer que seja o seu inventor, nas proximidades do Natal a “bûche de Noël” aparece nas pâtisseries da França em forma de sorvete ou bolo, sendo avidamente procurada pelos espíritos amantes da família, da tradição e da Cristandade. Na Córsega ela é forçosamente feita à base de castanhas, embora as fórmulas e apresentações sejam inumeráveis, de acordo com a preferência das famílias, dos padeiros, dos confeiteiros de cada região, cidade, rua ou loja. 'Galettes des rois' da França Já no início de janeiro as vitrines das pâtisseries de Paris se enchem de “galettes des rois”, conta “Le Petit Journal”. O nome — como o de tantos produtos culinários franceses — não tem tradução, mas alguns tentaram “bolo dos reis”. Ele é vendido com uma coroa especial. Em 2014, entre 85% e 97% dos franceses diziam comê-lo na festa da Epifania, ou Reis. As receitas, acompanhamentos e formas são incontáveis, em geral redondas. Quando o “bolo dos reis” contém o apreciado marzipã, é chamado de “parisiense”. com frutas abrilhantadas é o bordalês. 'Bolo rei' de Portugal Em Portugal, ele é feito de um modo especial e recebe o nome de “Bolo Rei”, designação que sublevou sem sucesso muitos revolucionários igualitários e republicanos. Existem receitas semelhantes na cidade norte-americana de Nova Orleans, na Bélgica, no México (“rosca”), na Grécia (“vassilopita”) e na Bulgária (“pitka”), para só citar algumas. Voltando à França, o mais típico é que a criança mais nova sentada à mesa se encarregue de cortar a “galette des rois” e distribua um pedaço para cada um. Em alguma parte do bolo há uma fava, também chamada “rei”, que faz a alegria da mesa. A fava respeita a forma de sua humilde semente original, mas depois passa a ser substituída por pequenos objetos simbólicos imaginosos, como lâmpadas douradas e outros. O fato é que quem recebe o pedaço com a “fava” é chamado de “rei”, ganha a coroa que veio com o bolo e deve beber em uma taça especial, enquanto os demais cantam “o rei bebe, o rei bebe”, em meio ao gáudio geral. Aliás, nos bons tempos partia-se a “galette” de acordo com o número dos presentes mais um. Esse pedaço excedente era chamado “a parte do Bom Deus”, ou “a parte da Virgem”, ou “a parte do pobre”, e era destinado ao primeiro pobre que fosse bater à porta do lar. O costume comemora a festa da Adoração do Menino Jesus pelos Reis Magos, ou Epifania, celebrada em 6 de janeiro. A Epifania comemora precisamente a chegada de Melchior, Gaspar e Balthazar, conduzidos pela milagrosa estrela. Na Espanha, os Reis Magos são muito mais importantes para as crianças do que Papai Noel. São eles que trazem os presentes na noite de 5 para 6 do janeiro, depositando-os sobre os sapatinhos infantis deixados na sacada ou na lareira. 'Roscón de Reyes' da Espanha É normal que o fato seja comemorado com um bolo. É o denominado “Roscón de Reyes” em forma de coroa, o qual introduz uma variedade grande em relação à “galette des rois” francesa. Foi só no mundo católico que a ação multiforme da graça do Espírito Santo inspirou uma tão larga variedade de pães simples, mas deliciosos, próprios a elevar os espíritos e a fortalecer o corpo nos gaudiosos dias do nascimento do Redentor. Procure-se entre os protestantes ou nos decaídos países pagãos e veja se eles criaram uma variedade análoga de uma iguaria saborosa e inocente, tão de acordo com o espírito sobrenatural do Natal católico. ____________ Fonte: Revista Catolicismo, Nº 804, Dezembro/2017. Postado por Paulo Roberto Campos 0 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Cristianismo , Família , Menino Jesus , Natal , Tradições 23 de dezembro de 2017 A noite entre todas sagrada Nas pompas festivas da Missa do Galo, as famílias, os povos, as nações se sentiam ungidos pelo júbilo sacral descido do mais alto dos céus Plinio Corrêa de Oliveira (*) O Advento, período que no ano litúrgico compreende as quatro semanas antecedentes ao Natal, constituía para a Cristandade uma parte do ano especialmente voltada para o recolhimento, para uma discreta compunção e para a esperança palpitante do grande júbilo que o nascimento do Messias trará. Todos se preparavam assim para acolher o Menino-Deus que, no virginal sacrário materno, se acercava, dia a dia mais, do momento bendito em que iniciaria sua convivência salvífica com os homens. Nessa atmosfera densa e vividamente religiosa, a tônica se ia gradualmente deslocando. À medida que se aproximava a noite entre todas sagrada, a compunção ia cedendo lugar à alegria. Até o momento em que, nas pompas festivas da Missa do Galo, as famílias, os povos, as nações se sentiam ungidos pelo júbilo sacral descido do mais alto dos céus. e em cada cidade, em cada lar, no interior de cada alma se difundia, como um bálsamo de celeste odor, a impressão de que o Príncipe da Paz, o Deus Forte, o Leão de Judá, o Emanuel, mais uma vez acabava de nascer. Stille Nacht, Heilige Nacht . .. a canção célebre que se transpôs para nosso vernáculo, de modo menos expressivo, como Noite Feliz. De toda essa preparação, o que restou? Do Advento, quem hoje cogita senão uma minoria ínfima? E dentro dessa minoria ínfima, quantos o fazem sob a influência da verdadeira teologia católica e tradicional, e não das teologias ambíguas e desvairadas que sacodem hoje em dia o mundo cristão, como se fossem convulsões de febre? ____________ Excertos do artigo de Plinio Corrêa de Oliveira, “No crepúsculo do sol de justiça”, publicado na “Folha de S. Paulo” em 1º-1-1979. Postado por Paulo Roberto Campos 0 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Família , Feliz Natal , Igreja Católica , Plinio Corrêa de Oliveira 18 de dezembro de 2017 “Minha mulher não trabalha” Plinio Maria Solimeo Q uanto trabalha uma dona de casa hoje em dia? É preciso considerar que as atuais leis trabalhistas transformaram a maioria das empregadas domésticas em reivindicadoras sindicalizadas que só pensam em seus direitos e muito pouco em seus deveres. Contratá-las atualmente é expor-se ao risco de muitos problemas trabalhistas. Já foi o tempo em que uma boa empregada doméstica acabava sendo quase que uma extensão da família, em que o trato entre patroa e empregada era pautado pelo entendimento, pela cordialidade e, em muitos casos, também pelo afeto mútuo. Mas, voltando ao caso, para muitos o trabalho de uma dona de casa é leve, cheio de remansos, dando-lhe tempo livre para leituras, repouso etc. Mas a coisa não é assim. Uma matéria colocada por um habitante da Flórida no seu perfil de Facebook em março de 2016 chamou tanto a atenção por sua realidade, que foi compartilhada mais de 400 mil vezes, gerando mais de 700 mil reações e cerca de 500 comentários. Ela imagina a conversa de um executivo com seu psicólogo, e diz assim: Conversa entre um executivo (H) com seu psicólogo (P). P. – O que o senhor faz para ganhar a vida, Sr. Rogers? H. – Trabalho como contador em um banco. P. – E sua esposa? H. – Não trabalha. Ela é dona de casa. P. – Quem prepara o café da manhã para sua família? H. – Minha mulher, porque ela não trabalha. P. – A que horas se levanta sua mulher? H. – Ela se levanta cedo para organizar tudo. Prepara o lanche para as crianças, assegura-se de que estão todos bem vestidos e penteados, que tomem o café da manhã, que escovem os dentes, e que levem todas as coisas para a escola. Desperta o bebê, troca-lhe as fraldas e a roupa, e também o amamenta. P. – Como seus filhos vão à escola? H. – Minha mulher os leva, porque ela não trabalha. P. – Depois de levar seus filhos à escola, o que ela faz? H. – Normalmente, para não ter que tirar e pôr a cadeirinha do bebê no carro muitas vezes, pensa em algo que possa fazer para aproveitar que está fora, como pagar contas ou fazer compra. Às vezes, se se esquece de algo, tem que fazer a viagem outra vez com o bebê nas costas. Quando volta para casa, tem que alimentar o bebê de novo, trocar-lhe as fraldas, e prepará-lo para sua sesta. Ordena a cozinha, e logo se encarrega da limpeza da casa, pois ela não trabalha. P. – À noite, depois de voltar do escritório, o que o senhor faz? H. – Descanso, é claro, pois estou cansado depois de trabalhar o dia todo no banco. P. – O que faz sua esposa à noite? H. – Prepara o jantar e o serve a mim e às crianças, lava os pratos, ordena mais uma vez a casa, assegura-se de que nosso cachorro está em casa, e guarda os restos do jantar. Depois de ajudar as crianças com os deveres de escola, veste-lhes o pijama, dá-lhes um copo de leite, assegura-se de que escovem os dentes, e muda as fraldas do bebê. Uma vez na cama, ela se desperta várias vezes para dar de mamar ao bebê, e mudar-lhe as fraldas se é necessário, enquanto descansamos. Porque ela não tem que levantar-se cedo para ir trabalhar... Embora esse relato esteja escrito de um modo um tanto jocoso, essa é a pura realidade. E eu, sendo de família numerosa, posso afirmar que ainda está um pouco longe da realidade. Pois não fala de outras coisas, como ter de remendar, lavar e passar a roupa, encerar o assoalho, atender a um filho que está doente e precisa de cuidados etc. Acontece então uma coisa curiosa: uma dona de casa assim ocupada não tinha tempo para devaneios, para romantismos, para sonhos de olhos abertos. Por isso, aceitava a vida como ela era, e não se fazia ilusões. O que tinha como conseqüência que o convívio familiar era muito mais intenso e muito mais caloroso, e praticamente não havia divórcios. Ainda hoje, não são em geral as donas de casa que se divorciam por “me dá cá aquela palha”, mas aquelas que têm emprego fora e vivem de um modo tal que a vida de família pesa muito pouco em suas decisões. ____________ Fonte: https://www.actuall.com/familia/la-factura-en-la-sombra-del-ama-de-casa-en-espana-supera-los-2-500-euros-mensuales/ Postado por Paulo Roberto Campos 1 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Deveres dos Pais , Família , Feminismo , Filhos , Mãe 16 de dezembro de 2017 1967 – 2017: meio século de uma graça extraordinária Leo Daniele “S erá que meus amigos não percebem que estou muito doente?” Foi o que pensou em 1967 o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, sentindo-se debilitado e vendo sua figura, muito abatida, num filme documentário. De fato não percebiam, porque ele, sempre muito apostólico e desejoso de animar seus discípulos, disfarçava e não reclamava dos sofrimentos que a Providência lhe pedia. Dias depois revelou-se a enfermidade: uma terrível crise de diabete, com ameaça de gangrena, que o fez internar num hospital às pressas. O prognóstico mais provável era ter de submeter-se a algumas cirurgias, que seriam cada vez mais radicais e de eficácia duvidosa. Uma primeira intervenção, com amputação de alguns artelhos do pé, foi executada. No dia 16 de dezembro de 1967, há exatamente 50 anos, um de seus amigos, visitando-o, trouxe uma reprodução italiana, em grande formato [acima e ao lado, que se encontra no quarto de Plinio Corrêa de Oliveira] , de Nossa Senhora do Bom Conselho de Genazzano. O Prof. Plinio olhou para a estampa longamente. Depois seu estado de ânimo mudou, mostrando-se mais bem disposto. Algo de sublime se passou naquele momento, pelo qual ele se ligou estreitamente a Nossa Senhora de Genazzano até o fim de sua vida. A partir daí ele começa a recuperar-se, até retomar suas atividades habituais, sem necessidade de novas intervenções cirúrgicas. Postado por Paulo Roberto Campos 2 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Genazzano , Nossa Senhora , Plinio Corrêa de Oliveira 10 de dezembro de 2017 Uma solução para Jerusalém: a internacionalização da Cidade Santa Paulo Roberto Campos prccampos@terra.com.br A respeito do post de ontem, intitulado A QUEM PERTENCE JERUSALÉM? , recebi hoje de um colega — tarimbado, brilhante e arguto analista político — este e-mail: “Li seu substancioso artigo. Talvez valesse a pena um adendo. ‘Rebus sic stantibus’, creio seria ainda hoje a posição de Dr. Plinio Corrêa de Oliveira”. Em vista do recente reconhecimento, por parte dos Estados Unidos, de Jerusalém como capital oficial de Israel, vem muito a propósito o referido adendo, que é uma matéria da TFP publicada na revista Catolicismo (Nº 200 - Agosto de 1967). Ei-la: CHANCELER INFORMA À TFP: BRASIL APÓIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DE JERUSALÉM Com data de 11 de junho (de 1967), a Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade enviou telegrama ao Presidente Costa e Silva e ao Chanceler Magalhães Pinto, pedindo que o Brasil propusesse urgentemente, a todos os países latino-americanos, dar apoio conjunto à internacionalização de Jerusalém, segundo o desejo de Sua Santidade o Papa Paulo VI. É o seguinte o texto do despacho: 'Peço a Vossa Excelência que o Brasil proponha urgentemente a todas as nações da América Latina darem apoio conjunto à internacionalização de Jerusalém, desejada pelo Santo Padre Paulo VI. Essa medida, já múltiplas vezes pedida em solenes Documentos do inolvidável Pio XII, constitui merecida homenagem à Cidade Sagrada, que ficará assim resguardada de futuros riscos. Corresponde às tradições cristãs brasileiras, bem como a nossos foros de mais populosa das nações católicas, assumir essa simpática iniciativa, a qual será entusiasticamente aplaudida por todos os brasileiros. Na antecipada certeza da favorável acolhida de Vossa Excelência, apresento cordiais e respeitosos cumprimentos. Plinio Corrêa de Oliveira Presidente do Conselho Nacional da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade'. Em resposta, o Ministro do Exterior telegrafou nestes termos, em data de 7 de julho (de 1967), ao Prof. Plinio Corrêa de Oliveira: 'O Senhor Presidente da República encaminhou-me o telegrama pelo qual Vossa Senhoria solicita o apoio do Brasil à internacionalização de Jerusalém. Apraz-me informar a Vossa Senhoria que o Governo brasileiro tem defendido a tese de que Jerusalém deve ser colocada sob regime internacional permanente que propicie garantias especiais aos Lugares Santos, e nesse sentido expressei-me no discurso que pronunciei perante a Assembleia Geral de emergência das Nações Unidas. Por outro lado, a Delegação brasileira patrocinou, juntamente com outros países latino-americanos, um projeto de resolução que, entre outros pontos, propõe a internacionalização da Cidade Santa, apoiando a posição da Santa Sé. Atenciosos cumprimentos. José de Magalhães Pinto'. ____________ (Fonte: http://catolicismo.com.br/Acervo/Num/0200/P08.html Postado por Paulo Roberto Campos 1 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Catolicismo , Cristianismo , Estados Unidos , Nosso Senhor , Plinio Corrêa de Oliveira A QUEM PERTENCE JERUSALÉM? Paulo Roberto Campos prccampos@terra.com.br N ão é de hoje os conflitos envolvendo árabes e judeus pela disputa de Jerusalém. Nos presentes dias eles acirraram-se e ocupam grande parte do noticiário nacional e internacional devido ao recente reconhecimento, por parte do Presidente dos Estados Unidos, daquela Cidade Santa como capital de Israel. Já na década de 1940 Plinio Corrêa de Oliveira tratou dessa problemática. A questão Palestina/Israel e as guerras intérminas lá desencadeadas parecem sem perspectiva de solução e a disputa entre árabes e judeus pela posse da Terra Santa vem se agravando dia-a-dia. Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém Desde o término da Segunda Guerra Mundial, tal disputa afligia o mundo. Já naquela época, em numerosos artigos o Prof. Plinio chamava a atenção para a gravidade do problema. Ele insistia especialmente num ponto: Os Lugares Santos foram percorridos e santificados por Nosso Senhor Jesus Cristo, que ali nasceu, viveu e morreu. E os católicos não podem ficar insensíveis, não se importando com o que acontece naquele território, uma vez que à Cristandade pertence Jerusalém e os Lugares Santos. Caso não se importassem, sua atitude seria semelhante à dos Apóstolos no Horto das Oliveiras que se entregaram ao sono e não acompanharam o Redentor em Sua Sacrossanta agonia. A título de exemplo, segue trecho de um artigo de Plinio Corrêa de Oliveira, publicado em 7-12-47 no semanário 'Legionário'. Mas antes convém relembrar que, por 'Cristandade', o Autor entendia a 'Civilização Católica Apostólica Romana, totalmente tal, absolutamente tal, minuciosamente tal'. Representação da cidade de Jerusalém no séc. XIII “Vamos agora à questão da Terra Santa. O mundo inteiro está cheio do rumor levantado por ela. Os povos islâmicos se estão movimentando. Os elementos radicais do judaísmo, descontentes, reivindicam a própria posse dos Lugares Sagrados. O problema de saber a quem deve pertencer a Palestina parece insolúvel. Aos árabes? Aos judeus? Ninguém sabe. E como são poucos, neste mundo revolto, os que têm a coragem de enunciar a verdadeira decisão! Quem tem a coragem de afirmar o princípio verdadeiro de que Jerusalém e os Lugares Santos, por terem sido consagrados pela Vida, Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, são patrimônio da Cristandade, e portanto não podem estar sob domínio exclusivo nem de árabes nem dos judeus?” Postado por Paulo Roberto Campos 1 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Estados Unidos , Islamismo , Nosso Senhor , Plinio Corrêa de Oliveira 3 de dezembro de 2017 Estampa do “Senhor dos Milagres” permanece intacta após 10 dias sob a água Plinio Solimeo N o dia 27 de março deste ano, em consequência das chuvas torrenciais que caíram sobre o Peru, o Rio Piura transbordou e inundou parte da cidade do mesmo nome. Entre os edifícios afetados, estava a agência local do Banco de Crédito do Peru (BCP). A água atingiu 50 cm de altura no andar térreo, inundando o seu porão. Nele se encontrava emoldurada uma estampa em cartão do Senhor dos Milagres, piedosa invocação muito venerada no país andino, que ficou durante dez dias sob a água e o lodo, e foi depois encontrada intacta. O sucedido em Piura Carlos Miano Plaza, gerente regional do BCP em Piura, afirma que o porão do banco se encontra a mais de quatro metros sob o andar térreo, pelo que ficou totalmente inundado de água e de lodo do rio. [ Na foto ao lado, à esquerda o BCP inundado ] Atesta ele que, durante cinco dias, procuraram evacuar a água das áreas inundadas. Depois tiveram de remover os escombros e os móveis que haviam se deslocado com a água, juntamente com uma grande quantidade de documentação, artigos de escritório etc., “que, pelo tempo decorrido, estavam em sua grande maioria destruídos ou seriamente danificados” . “Sucedeu então que, duas semanas depois, na terça feira, 11 de abril, véspera da Semana Santa deste ano, os trabalhadores do banco desceram ao porão e encontraram o quadro do Senhor dos Milagres ‘molhado e com barro’” . Diz ele que, “depois de limpar a imagem, que é de papelão, esta se encontrava intacta, apesar de ter estado tantos dias debaixo da água e do lodo, e não estar protegida nem sequer por um vidro, embora em sua moldura de madeira se possa evidenciar o desgaste produzido pelo sucedido” . [ foto ao lado ] Diante desse fato tão singular, a gerente do banco pediu ao setor de Imagem e Cultura do BCP que “nos conceda uma verba para confeccionar uma urna de vidro, para preservar a imagem com sua moldura original, tal qual ficou depois do desastre”. Acrescenta que a estampa “fora comprada em 2014, com a finalidade de iniciar uma peregrinação pelas diferentes agências do Banco de Crédito de Piura, peregrinação essa que se tem mantido constante desde essa data e que, ano a ano, culmina com uma grande homenagem ao Senhor dos Milagres, que passa em procissão em frente de nossa sucursal de Piura” . Isso mostra a fé do povo peruano. Já imaginaram um banco aqui no Brasil organizar uma peregrinação de alguma imagem religiosa por todas suas agências, a qual culminasse com uma procissão? Como era natural, também se pronunciou sobre tão portentoso sucesso o arcebispo da cidade, que expressou seu empenho para que “todos os que estiveram envolvidos neste fato prodigioso documentem o seu testemunho para a posteridade, porque no final passarão as gerações, passaremos todos, o banco seguirá, mas ficará esta crônica” . Origem da invocação do Senhor dos Milagres O “Senhor dos Milagres” é uma devoção de tal modo popular no Peru, que sua procissão em 28 de outubro pelas ruas de Lima uma das maiores do mundo. [ foto acima ] Segundo a tradição, trata-se de uma representação de Jesus Crucificado pintada numa parede de adobe por um escravo vindo da Angola e que se encontra atualmente no santuário das “Nazarenas” em Lima. [ foto ao lado ] Essa pintura se tornou muito venerada depois de um terremoto ocorrido no dia 20 de outubro de 1687, o qual, segundo cronistas da época, durou quinze minutos e arrasou Lima e a vizinha cidade de Callao. O tremor se repetiu duas horas depois, danificando a ermida onde a pintura se encontrava. Entretanto, para surpresa geral, a parede onde ela estava, que havia ruído, se recompôs milagrosamente. Testemunhando o milagre, um devoto do piedoso quadro, Sebastião de Antuñano, mandou fazer uma réplica do mesmo, a qual saiu então pela primeira vez em procissão pelas ruas da cidade [ foto ao lado ]. O fato se repetiu outras vezes, quase sempre depois de algum tremor de terra. Em reconhecimento pela constante proteção do Senhor dos Milagres durante esses terremotos na capital e na região, o Cabido de Lima, por sugestão de Antuñano e de outros devotos, declarou o venerando Cristo “ Patrono jurado pela Cidade dos Reis [antigo nome de Lima] contra os tremores que assolam a Terra” , oficializando assim esse culto também entre os habitantes de Lima. Mais tarde, junto à capela onde se venerava o Senhor dos Milagres, foi fundado o convento das “Nazarenas”, as quais se vestiam de roxo por devoção a Cristo Nazareno. A instituição da festa recebeu em 1727 a devida aprovação do Papa Bento XIII do Rei da Espanha, Felipe V, estendendo-se também para a transformação do convento em mosteiro de clausura agregado à Ordem das Carmelitas Descalças. Lima sofreu em 1746 o mais destruidor terremodo de sua história. No entanto, a parede em que estava o Senhor dos Milagres permaneceu em pé. Quando uma réplica de sua veneranda imagem saiu em procissão pelas ruas da cidade, a terra parou de tremer. Isso fez crescer sua devoção e levou à construção de uma igreja no local da capela original. ____________ Fontes consultadas: https://www.aciprensa.com/noticias/imagen-de-carton-del-senor-de-los-milagros-resistio-intacta-10-dias-bajo-el-agua-59025?utm_source=boletin&utm_medium=email&utm_campaign=noticias_del_dia https://es.wikipedia.org/wiki/Se%C3%B1or_de_los_Milagros_(Lima) Postado por Paulo Roberto Campos 0 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Igreja Católica , Nosso Senhor , Peru , Tradições 28 de novembro de 2017 LIÇÕES IMPRESTÁVEIS Péricles Capanema A migos ficaram impressionados com temas do meu último artigo “Exemplos inúteis”, análise de aspectos do discurso de Xi Jinping ao 19º Congresso do PCC (Partido Comunista Chinês) realizado em Pequim entre 18 e 24 de outubro. Vou continuar hoje no mesmo caminho, a trilha das lições imprestáveis. O líder chinês indica como políticas do PCC para a China a aplicação desinibida de teses odiadas pela esquerda no Ocidente (sempre defendidas por economistas partidários da economia de mercado): “Continuaremos a encorajar as pessoas a ganhar dinheiro por meio do trabalho duro. [...] Aumentaremos o tamanho da classe média”. Em 2013, sob aplausos delirantes de claque petista, Marilena Chauí [ foto ], uma das ideólogas do PT, deblaterou contra o papel exercido pela classe média para o harmônico progresso social: “Eu odeio a classe média. A classe média é o atraso de vida, a classe média é a estupidez. É o que tem de reacionário, conservador, ignorante, petulante, arrogante, terrorista. A classe média é uma abominação política, porque ela é fascista. Ela é uma abominação ética porque ela é violenta, e ela é uma abominação cognitiva porque ela é ignorante.” Continua o dirigente comunista chinês: “Trabalharemos para que a renda individual cresça em harmonia com o desenvolvimento econômico e para que os aumentos de salário sejam proporcionais aos aumentos da produtividade no trabalho”. Algum partido esquerdista patrocina tal tese? Algum sindicato? Contudo, qualquer economista pró-mercado assinaria o que anuncia Xi Jinping: aumento de salários sem aumento de produtividade gera inflação. Para resolver o problema habitacional na China, o dirigente recorre à política da casa própria e ao estímulo dos aluguéis. Isso mesmo, comprar para alugar. No combate à pobreza, os partidários do mercado livre associam os programas assistenciais ao estímulo da autonomia pessoal mediante a capacitação, o que deixaria o Estado no papel subsidiário, para desespero das correntes coletivistas. Atentem para o que diz Xi Jinping, é o que ele faz: “Colocaremos ênfase especial em ajudar a pessoas a aumentar a confiança em suas próprias capacidades para sair da pobreza e propiciaremos a educação de que tenham necessidade para tal” . É o elogio ao papel supletivo do Estado. “Apoiaremos o desenvolvimento na área privada, de hospitais e de setores ligados à saúde”. Claro estímulo à medicina privada. Na área da segurança: “Aceleraremos o desenvolvimento dos sistemas de controle e prevenção ao crime [...] contra quaisquer atividades ilegais e criminosas como pornografia, jogo, consumo de drogas, violência de gangues, sequestro, fraude. Protegeremos os direitos pessoais, o direito de propriedade privada e o direito à dignidade” . Aqui no Brasil seria ponto destacado de plataforma de candidato da direita, alvo certo dos ataques da imprensa engajada. O Partido Comunista Chinês precisa criar um país rico. Aplica receitas do estilo Ronald Reagan ou Margaret Thatcher. Por que digo que são lições imprestáveis? Nenhum partido de esquerda, por causa do exemplo chinês, modificará um til seu programa gerador de pobreza e sofrimento popular. Até aqui a cara da moeda. Agora, a coroa. Outro ponto são os objetivos últimos de tal política. Em artigo recente, “Pasmaceira e Festança Suicidas”, falei de parte deles. Não vou aqui voltar a eles. PS: Observação final. Xi Jinping tem uma filha, Xi Mingze [ foto ] , nascida em 1992. Estudou francês na Hangzhou Foreign Language School . A partir de 2010, vigiada por seguranças chineses, foi aluna de Harvard. Formou-se em 2014, vive em Pequim. Dispensa comentários. Postado por Paulo Roberto Campos 0 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Comunismo , Lula , PT 26 de novembro de 2017 Notas de perplexidade acerca da Mensagem do Papa Francisco sobre o final da vida Federico Catani A mensagem enviada pelo Papa Francisco aos participantes do Encontro Regional Europeu da Associação Médica Mundial [ ao lado a mensagem no site do Vaticano ] sobre questões relacionadas com o final da vida, realizado no Vaticano de 16 a 17 de novembro, teve grande eco midiático. Em particular, a mídia secular destacou uma guinada considerável da Igreja sobre a eutanásia: de uma clara censura se teria passado a uma abertura prudente, mas clara. A resposta no campo católico foi geralmente a de que o Papa reiterou a doutrina de sempre, e que, a admitir-se uma mudança, ela diz respeito apenas à maneira de abordar a questão e ao idioma usado, percebido como mais dialogante. Se é verdade que a mídia laicista obviamente se serviu da Mensagem papal para seus próprios interesses e, portanto, para promover, em particular na Itália, uma lei sobre o chamado “testamento biológico” (ou seja, a legalização da eutanásia), é igualmente inegável que as palavras de Francisco contêm alguns pontos em relação aos quais se fica pelo menos perplexo. 1. Em primeiro lugar, o Papa põe o foco de sua atenção na chamada “obstinação terapêutica” — que é o tema central da Mensagem —, como se este fosse o principal problema hoje no mundo hospitalar. Mas fatos que foram objeto de crônicas muito recentes, como o do pequeno Charlie Gard, mostram que esse não é o caso. A doutrina moral da Igreja certamente sempre condenou a obstinação terapêutica e, nesse sentido, o Papa Francisco de fato não diz nada de novo. Deve-se, contudo, notar que os grupos que favorecem a legalização da eutanásia fazem deliberadamente confusão em torno dos conceitos de “obstinação terapêutica” e de “eutanásia”, apoiando-se na emoção da opinião pública e apresentando à atenção da mídia casos humanos extremos e devastadores. Apresenta-se amiúde como desproporcional uma terapia ou um tratamento que não o é realmente. Confundir e deturpar as palavras faz parte da estratégia da Revolução, neste caso denominada “cultura da morte”. 2. Mas o ponto mais preocupante do discurso é aquele no qual o Papa Francisco acena para um acordo entre as várias correntes em luta, e até mesmo para a aprovação de uma eventual legislação em matéria de fim de vida: 'No seio das sociedades democráticas, tópicos delicados como esses devem ser confrontados com calma: de modo sério e reflexivo, e bem dispostos a encontrar soluções — mesmo normativas — tanto quanto possível compartilhadas. Por um lado, de fato, deve-se ter em conta a diversidade de visões do mundo, as convicções éticas as afiliações religiosas, em um clima de recíproca escuta e aceitação.” Na prática, a doutrina sobre os princípios não negociáveis é pela enésima vez esquecida. A impossibilidade de se chegar a um compromisso nesses temas fundamentais — cujo enunciado por Bento XVI lhe atraiu as críticas e os dardos do mundo — já não é considerada como tal por Francisco. O Papa de fato reconhece que pode haver uma lei para reger o chamado fim de vida. E até mesmo declara que isso deve acontecer tirando uma linha média entre as diferentes posições e visões, com o que se chegaria inevitavelmente a um resultado contrário à doutrina moral católica. A contradição com o n° 73 da Evangelium vitae também é evidente. No caso da Itália, ainda não existe uma lei sobre o chamado “testamento biológico” e o mundo católico deve impedir que isso aconteça. Se de fato se ceder nesse ponto, acontecerá com a eutanásia o mesmo que aconteceu com o aborto, com o divórcio e com o “casamento” homossexual: abrir-se-á uma brecha no dique e será dificílimo fechá-la, pela técnica hoje bem conhecida do slippery slope , ou ladeira escorregadia. Aprovar hoje uma lei sobre o assunto só serve para isso. 3. Além disso, o Papa Francisco afirma que “para determinar se uma intervenção médica clinicamente apropriada é realmente proporcionada não é suficiente aplicar mecanicamente uma regra geral. É preciso um discernimento cuidadoso, que considere o objeto moral, as circunstâncias e as intenções das pessoas envolvidas” . A mesma linguagem usada para os divorciadas recasados em Amoris laetitia ... No entanto, os médicos normalmente já fazem isso: cada paciente e cada doença é um caso à parte, sem prejuízo, entretanto, da verdade moral, que não muda. Aqui, pelo contrário, o Papa escolhe uma linguagem que favorece o relativismo, já amplamente em uso nesses casos. Bem diversa foi a resposta que a Congregação para a Doutrina da Fé deu, em 2007, aos dubia da Conferência Episcopal dos Estados Unidos ao afirmar claramente que, por exemplo, a hidratação e a alimentação artificiais, exceto obviamente nos casos em que o corpo não pode absorver mais nada, nunca devem ser consideradas como obstinação terapêutica. Isso não transparece nas palavras de Francisco, as quais, na verdade, inclusive podem confundir: “As intervenções no corpo humano estão se tornando cada vez mais eficazes, mas nem sempre são decisivas: podem sustentar funções biológicas que se tornaram insuficientes, ou mesmo substituí-las, mas isso não equivale a promover a saúde” . Conforme observou Tommaso Scandoglio em La Nuova Bussola quotidiana , para evitar interpretações enganosas bastaria adicionar o advérbio “sempre” diante da expressão “a promover a saúde” . Como conclusão, além de qualquer interpretação destinada a minimizar ou acentuar a pretensa novidade da Mensagem papal, sem todas as observações técnicas possíveis e independentemente das intenções reais ou não, um resultado é evidente: as palavras do Papa Francisco, pelo menos na Itália, ofereceram ajuda e publicidade àqueles que vêm lutando para introduzir a eutanásia no sistema legal. ____________ Fonte: https://www.atfp.it/ Tradução: Hélio Dias Viana Postado por Paulo Roberto Campos 2 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Bancada da Morte , Doutrina Católica , Eutanasia , Família , Papa Francisco , Vaticano 25 de novembro de 2017 CÍRIO DE NAZARÉ A maior festa religiosa católica do Brasil e uma das maiores do mundo Carlos Sodré Lanna N o segundo domingo de outubro realiza-se anualmente em Belém do Pará uma grande procissão do Círio de Nazaré. Na realidade, as celebrações começam uma semana antes e terminam uma semana depois. Círio tem sua origem na palavra latina cereus , que significa vela grande, tendo sua festa no Pará sido declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO em dezembro de 2013. Segundo uma antiga tradição, a imagem original de Nossa Senhora de Nazaré, venerada na cidade portuguesa do mesmo nome, teria saído no ano 361 de Nazaré da Galileia, onde a esculpira o próprio São José, na casa onde morava a Sagrada Família. Entalhada em madeira escura, a Virgem Maria aparece sentada, com o Menino Jesus ao colo. Identificada como original desde os primeiros séculos do cristianismo, a histórica imagem percorreu a Cristandade a partir de Israel, indo parar nas mãos de São Jerônimo que, temeroso por sua segurança devido aos ataques dos inimigos da fé católica, enviou-a a Santo Agostinho no Norte da África. Mais tarde ela foi ter nas mãos dos monges agostinianos, que a levaram para Mérida, na Espanha. Por ocasião das invasões muçulmanas em terras hispânicas, ela foi escondida em um local de difícil acesso, ficando ali esquecida durante muito tempo. Posteriormente, devido a uma batalha, no ano 711 a imagem foi retirada de seu esconderijo e levada para Nazaré, em Portugal, onde também permaneceu escondida por um longo período no Pico de São Bartolomeu. Em 1182, o nobre português Dom Fuas Roupinho participava de uma caçada naquele pico. Ao perseguir um cervo, seu cavalo esteve a ponto de cair em um precipício, quando ele invocou Nossa Senhora e foi salvo [ quadro ao lado ]. Em ação de graças, mandou edificar no local a Capela da Memória, onde os operários encarregados da construção descobriram a imagem. A notícia se espalhou, atraindo muitas pessoas, que passaram a acorrer ao local para venerá-la, operando-se muitos milagres. Este episódio está imortalizado em um dos vitrais da Basílica do Belém do Pará, onde um cavaleiro aparece perseguindo um cervo que cai em um precipício. Em 1377, Dom Fernando (1367-1383), Rei de Portugal, construiu um templo maior na cidade de Nazaré, o Santuário de Nossa Senhora de Nazaré [ foto acima ] , para onde a imagem foi transferida. Desde então, na data no dia 8 de setembro de cada ano, os portugueses se reúnem no local para celebrar o Círio de Nazaré. A devoção à imagem cresceu com os milagres e graças alcançadas por seu intermédio. Diante dela rezou São Francisco Xavier antes de partir para o Oriente, e foram os padres jesuítas, seus irmãos de hábito, que trouxeram sua devoção para o Brasil em 1653. Nossa Senhora de Nazaré no Brasil A imagem de Nossa Senhora de Nazaré venerada em Belém do Pará [ foto ao lado ] é semelhante àquela celebrada no Círio português. Segundo antiga tradição, transcorria o ano 1700 quando o jovem Plácido José de Souza, andando pelas margens do igarapé de Utinga, onde se ergue hoje a Basílica Santuário em Belém do Pará , encontrou entre pedras e entulhos a pequena imagem de Nossa Senhora de Nazaré. Esculpida em madeira e com 28 cm de altura, Plácido a levou para casa, limpou-a e colocou-a em um altar improvisado. Conforme as narrativas da época, a imagem retornou várias vezes, sem explicação, ao local onde fora encontrada. Percebendo Plácido que se tratava de um desígnio sobrenatural de Nossa Senhora, promoveu então a construção ali de uma capela para abrigá-la. A divulgação deste milagre chamou a atenção não só dos habitantes da região, que frequentavam a capela para rezar, mas também do governador da capitania, Francisco Coutinho, que ordenou a remoção da imagem para a capela do palácio da cidade. Como sucedera com Plácido, a imagem também desapareceu mais de uma vez do palácio do governador para voltar ao nicho de sua capela. Desta maneira a devoção adquiriu um caráter oficial, tendo sido construída no mesmo local uma igreja, que se tornou hoje a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré de Belém. Em 1773, o Bispo do Pará colocou a cidade de Belém sob a proteção de Nossa Senhora de Nazaré. Mandada a Portugal no início de 1774 para ser submetida a uma restauração, por ocasião de sua volta, ocorrida no mês de outubro do mesmo ano, a imagem foi levada em romaria pelos fiéis do porto até o santuário, com a participação do governador, do bispo e de autoridades civis e eclesiásticas, sob a escolta de tropas militares. Este foi considerado o primeiro Círio de Nazaré. As festividades do Círio em Belém As comemorações anuais do Círio em Belém compõem-se de várias etapas, que se estendem por quinze dias, perfazendo um total de 12 procissões oficiais. O principal evento ocorre no segundo domingo de outubro com a grande procissão do Círio, que tem reunido mais de dois milhões de pessoas na capital do Pará, hoje com um milhão e meio de habitantes. Conforme a tradição, ela sai bem cedo da Catedral de Belém e percorre cerca de cinco quilômetros até a Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, percurso que pode durar até nove horas, como já ocorreu devido ao enorme número de participantes, ficando ali exposta para veneração pública durante quinze dias, na chamada Quadra Nazarena . Nesta procissão aparece um número enorme de pagadores de promessas oriundos de lugares distantes do Brasil, sobretudo do Norte e do Nordeste, que em sinal de agradecimento pelas graças e curas recebidas levam casas em miniatura, partes do corpo humano feitas com cera, sinais de milagres e miniaturas de barcos, sendo os círios e as velas os mais comuns. Durante todo o percurso a imagem de Nossa Senhora de Nazaré é objeto de grandes homenagens de todos os presentes, como chuvas de papéis picados, foguetes e fogos de artifícios, flores variadas, palmas vibrantes, diversos cânticos, executados até por corais e orquestras. Existe também o costume de preparar comidas típicas da Amazônia e região para os participantes das celebrações, as quais são postas em barracas próximas das maiores concentrações de público. As diversas romarias do Círio de Nazaré São 12 as procissões oficiais das celebrações do Círio de Nazaré: 1) Translado em carro aberto da Basílica de Nazaré para Ananindeua-Marituba. 2) Romaria rodoviária em direção à Vila de Icoaraci, distrito de Belém. 3) Romaria fluvial [ foto ao lado ] durante a qual a imagem é levada de barco pela baía de Guajará em direção a Belém. 4) Moto-romaria do cais de Belém, na qual a imagem, em carro aberto, é seguida por motoqueiros até um colégio no centro de Belém, onde é celebrada uma missa. 5) Transladação à noite, antes do Círio, à luz de velas, na Berlinda, carro da imagem de Nossa Senhora. 6) Procissão do Círio, auge dos festejos, que tem reunido mais de dois milhões de participantes nos últimos 12 anos. 7) Ciclo-romaria, a mais nova das procissões, que acontece desde 2004, a pedido da Federação dos Ciclistas do Pará. 8) Romaria da juventude, comunidades de jovens das paróquias que veneram a Rainha da Amazônia. 9) Romaria das crianças, para fortalecer a devoção mariana e nas quais elas vão acompanhadas dos pais. 10) Romaria dos corredores, procissão em forma de corrida lenta, para acompanhar a imagem de perto. 11) Procissão da festa, organizada pela diretoria das festividades de Nazaré e comunidades da Basílica Santuário. 12) Recírio, procissão de despedida realizada duas semanas após o Círio. Os símbolos do Círio de Nazaré As celebrações do Círio apresentam vários objetos simbólicos, os quais podem ser vistos durante todas as procissões. A Berlinda [ foto ao lado ], que transporta a imagem de Nossa Senhora, é por causa disto o centro de todas as atenções no decurso dos 15 dias de festejos. A conhecida corda de sisal torcido [ foto abaixo ], com duas polegadas de diâmetro e 400 metros de comprimento, ligada à berlinda e puxada pelos fiéis durante a procissão, passou a ser o elo entre Nossa Senhora de Nazaré e os fiéis. O manto da imagem de Nazaré é considerado um dos mais importantes símbolos do Círio. Anualmente é apresentado dele um novo modelo, confeccionado com material importado da melhor qualidade, fruto de doações anônimas. Outro símbolo são os carros dos milagres e de promessas , que vão recolhendo dos devotos relatos e demonstrativos dos milagres e graças alcançados pelos fiéis da Virgem de Nazaré. Chamam muito a atenção, de um lado as inúmeras crianças vestidas de anjos nas procissões, e de outro os foguetes e fogos de artifícios que são usados durante o percurso pelas ruas e avenidas da cidade de Belém. Outra tradição são os cartazes espalhados pela cidade anunciando as festas e os almoços, as reuniões de famílias e os pratos típicos da culinária da região, além das barraquinhas existentes na praça em frente à Basílica de Nossa Senhora de Nazaré. Em 2005 participaram do Círio dois milhões de pessoas, número que desde então só tem aumentado, chegando em 2017, quando de sua 225ª procissão, a um total de 2,5 milhões de participantes. Postado por Paulo Roberto Campos 1 comentários Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: História , Igreja Católica , Nossa Senhora , Vocação do Brasil Postagens mais antigas Página inicial Assinar: Postagens (Atom) http://blogdafamiliacatolica.blogspot.com.br/ Paulo Roberto Campos Criar seu atalho Cadastre seu email para receber atualizações do blog: Apresentação ao Blog Da Família Diletos Amigos, Este Blog da Família tem como objetivo auxiliar os pais e mães a vencer as dificuldades que encontram em nossos dias, orientando-os sobre o modo de neutralizar as terríveis investidas de forças revolucionárias que visam desagregar a instituição familiar. Com efeito, Plinio Corrêa de Oliveira denuncia, em seu famoso livro Revolução e Contra-Revolução: “Entre os grupos intermediários a serem abolidos, ocupa o primeiro lugar a família. Enquanto não consegue extingui-la, a Revolução procura reduzi-la, mutilá-la e vilipendiá-la de todos os modos”. Assim, pretendemos oferecer a cada dia alguma notícia e/ou comentários que sirvam de amparo nas eventuais crises que venha a atravessar a família, “célula mater da sociedade”. Esperamos que os Amigos também participem enviando colaborações para o Blog da Família , especialmente comentários que possam ser úteis a outros pais e mães. Cada um, agindo isoladamente, não conseguirá vencer as investidas que visam à dissolução da família. Mas todos nós unidos poderemos levantar uma barreira de proteção às nossas famílias e transmitir uma sólida formação aos filhos — as principais vítimas, nos ambientes que freqüentam, da corrupção moral promovida pela revolução sexual. Um abraço Paulo Roberto Campos prccampos@terra.com.br Arquivo do Blog da Família ▼ 2017 (60) ▼ Dezembro (7) A multiforme inspiração do Espírito Santo nos pane... A noite entre todas sagrada “Minha mulher não trabalha” 1967 – 2017: meio século de uma graça extraordinár... Uma solução para Jerusalém: a internacionalização ... A QUEM PERTENCE JERUSALÉM? Estampa do “Senhor dos Milagres” permanece intacta... ► Novembro (6) ► Outubro (7) ► Setembro (1) ► Agosto (5) ► Julho (4) ► Junho (3) ► Maio (5) ► Abril (7) ► Março (3) ► Fevereiro (6) ► Janeiro (6) ► 2016 (72) ► Dezembro (6) ► Novembro (9) ► Outubro (9) ► Setembro (3) ► Agosto (7) ► Julho (6) ► Junho (3) ► Maio (3) ► Abril (7) ► Março (9) ► Fevereiro (6) ► Janeiro (4) ► 2015 (68) ► Dezembro (7) ► Novembro (5) ► Outubro (8) ► Setembro (7) ► Agosto (6) ► Julho (6) ► Junho (3) ► Maio (8) ► Abril (5) ► Março (5) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (4) ► 2014 (79) ► Dezembro (6) ► Novembro (6) ► Outubro (4) ► Setembro (8) ► Agosto (3) ► Julho (7) ► Junho (6) ► Maio (12) ► Abril (9) ► Março (6) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (8) ► 2013 (98) ► Dezembro (11) ► Novembro (10) ► Outubro (11) ► Setembro (10) ► Agosto (9) ► Julho (10) ► Junho (1) ► Maio (4) ► Abril (9) ► Março (7) ► Fevereiro (7) ► Janeiro (9) ► 2012 (87) ► Dezembro (5) ► Novembro (6) ► Outubro (7) ► Setembro (8) ► Agosto (3) ► Julho (11) ► Junho (5) ► Maio (6) ► Abril (8) ► Março (10) ► Fevereiro (11) ► Janeiro (7) ► 2011 (64) ► Dezembro (6) ► Novembro (5) ► Outubro (7) ► Setembro (5) ► Agosto (5) ► Julho (6) ► Junho (4) ► Maio (11) ► Abril (5) ► Março (4) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (3) ► 2010 (52) ► Dezembro (2) ► Novembro (8) ► Outubro (6) ► Setembro (6) ► Agosto (7) ► Julho (6) ► Junho (4) ► Maio (5) ► Abril (3) ► Março (3) ► Fevereiro (1) ► Janeiro (1) ► 2009 (34) ► Dezembro (2) ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (2) ► Agosto (3) ► Julho (1) ► Junho (3) ► Maio (8) ► Abril (3) ► Março (2) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (2) ► 2008 (42) ► Dezembro (3) ► Novembro (2) ► Outubro (5) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (4) ► Junho (4) ► Maio (6) ► Abril (4) ► Março (2) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (4) ► 2007 (11) ► Dezembro (3) ► Novembro (5) ► Outubro (3) O autor Paulo Roberto Campos São Paulo, SP, Brazil Jornalista (MTB 83.371/SP), colabora com a Revista 'CATOLICISMO' (mensário de Cultura e Atualidades) e com a 'ABIM' (Agência Boa Imprensa). Visualizar meu perfil completo FRASES ESCOLHIDAS “Com efeito, imagine-se um projeto de lei dotando os pais do direito de matar seus filhos nas primeiras 24 horas de vida deste. O projeto naufragaria em meio a um clamor geral de indignação. Falar-se-ia da matança dos inocentes etc., e a justo título. Que crime cometeu o nascituro para que se lhe possa tirar o direito à vida até o momento em que tenha nascido, tratando-o em certos casos, como um delinqüente, de maneira que, só depois de nascer é cercado do carinho geral, aclamado como um bebê encantador e amparado pela proteção legal, em todo e qualquer caso?” (Plinio Corrêa de Oliveira) “O Criador uniu o primeiro casal humano pelos laços da família. Esta é, portanto, a associação mais antiga, a mais fundamental da humanidade, mais importante que qualquer outra associação ou instituição posterior. Mas se o centro de gravidade de toda humanidade repousa sobre a família, compreende-se, então, a solicitude, cheia de responsabilidade, com que o cristianismo sempre velou pela integridade da família”. (Mons. Tihamer Toth) “Santa Maria Goretti foi o fruto de lar cristão onde se reza, se educam cristãmente os filhos no santo amor de Deus, na obediência aos pais, no amor à verdade, na honestidade e na pureza”. (Pio XII) “Impedir de nascer é matar antecipadamente'. (Tertuliano) “Ser mãe quer dizer receber um filho das mãos de Deus. quer dizer entregar a vida inteira, aniquilar-se até à fraqueza e à humildade”. (Lovich Ilona) “Felizes aquelas crianças que encontram na mãe junto do berço um segundo anjo da guarda para a inspiração e o caminho do bem!” ((Pio XII) “Quem encontrará a mulher forte? Ela é mais preciosa que as pérolas que vêem das extremidades do mundo. O coração do seu marido põe nela inteira confiança e não terá necessidade de riquezas estranhas. Ela dar-lhe-á o bem e não o mal durante os dias da sua vida”. (Prov., XXXI, 10-12) “Os que praticam o aborto cometem homicídio e irão prestar contas a Deus, do aborto. Por que razão haveríamos de matar? Não se pode conciliar o pensamento de que a mulher carrega no ventre um ser vivo, e, portanto objeto da Providência Divina, com o de matar cedo o que já iniciou a vida” (Atenágoras) “Não matarás, não cometerás adultério… Não matarás criança por aborto nem criança já nascida” (2,2). “O caminho da morte é… dos assassinos de crianças” (5,2). (Primeiro Catecismo Cristão) “Declaramos estar sujeitos a excomunhão latae sententiae (anexa diretamente ao crime) os que praticam aborto com a eliminação do concebido” (Pio IX) “Quem reprova o matrimônio deslustra, por isso mesmo, a glória da virgindade. e o que o louva, torna-a mais augusta e admirável. O que é bom em comparação com o pior, não tem por certo grande bondade. porém, o que é certamente melhor que as coisas boas, isso sim é excelente. Sucede tal com a virgindade, como dizemos. [....] Consideramos formosos não os corpos que sobressaem entre os mutilados, senão entre os sãos e isentos de todo defeito. Bom é o matrimônio. mas, precisamente por isso, é mais digna de admiração a virgindade, por ser melhor do que o bom e excedê-lo tanto quanto excede o piloto aos remadores e o general aos soldados. Como no mar, se tiras os remadores, afundas o navio, e na guerra, se tirar os soldados entregas o comandante manietado ao poder dos inimigos, assim, se destituis de sua alta posição o matrimonio, pelo mesmo fato rebaixas a gloria da virgindade e a reduzes ao ultimo dos males” (São João Crisostomo) “Quando Deus tem o seu altar no coração de uma mãe, a casa toda se torna seu templo”. (Gertrud Von Le Fort) “Precisamente porque a família é o elemento orgânico da sociedade, todo atentado perpetrado contra ela é um atentado contra a humanidade. Deus pôs no coração do homem e da mulher, como instinto inato, o amor conjugal, o amor paterno e materno, o amor filial. Por conseguinte, querer arrancar e paralisar este tríplice amor é uma profanação que por si mesma horroriza e leva à ruína a pátria e a humanidade”. (Pio XII) “Os homens são o que suas mães os fizeram”. (Ralph Waldo Emerson) “De que vale a alma de uma mulher, se dentro dela não há a alma de mãe? (Jacinto Benavente) “A boa mãe vale por cem excelentes mestres”. (G. Herbert) “Qual é a mãe, seja ela mulher, ave ou chaca, que não enfrenta todas as contingências, todos os perigos, inclusive a própria morte, para dar vida aos seus filhos?” (Antonio Pousada) “Persuadam-se todos bem que, para a boa educação dos meninos, tem a máxima importância a educação doméstica. Se a juventude encontra no lar doméstico as regras da vida virtuosa e uma como escola prática das virtudes cristãs, segura está em grande parte a salvação da sociedade”. (Leão XIII) “A pessoa mais importante na Terra é uma mãe. Ela não pode reivindicar para si a honra de ter construído uma Catedral como Notre Dame. Ela não precisa. Ela construiu algo muito mais magnífico que qualquer catedral — a morada para uma alma imortal, a pequena perfeição que é o corpo de seu filho. Nem sequer os anjos foram dotados de tamanha graça. Eles não podem partilhar do milagre criador de Deus, nem levar novos santos ao Paraíso. Só uma mãe humana pode. As mães estão mais perto de Deus Criador do que qualquer outra criatura. Deus une esforços com as mães para executar esse ato da criação. O que nesta boa Terra de Deus é mais glorioso do que isso: ser uma mãe? (Cardeal Mindszenty) “O que une os membros da família antiga é algo mais poderoso que o nascimento, que o sentimento, que a força física: é a religião do fogo sagrado e dos antepassados. Essa religião faz com que a família forme um só corpo nesta e na outra vida. A família antiga é mais uma associação religiosa que uma associação natural”. (Fustel de Coulanges) “A família gera de per si a tradição e a hierarquia social. Para abolir a tradição e a hierarquia, é mister depauperar, estiolar, reduzir e frangalhar a família. É o que muitos não sabem ou não querem ver...” (Plinio Corrêa de Oliveira) “Antes de te formar no ventre materno, Eu te escolhi: antes que saísses do seio da tua mãe, Eu te consagrei”. (Jr 1, 5) “Vós conhecíeis já a minha alma e nada do meu ser Vos era oculto, quando secretamente era formado, modelado nas profundidades da terra”. (Sl 139, 15) “O Sacramento do matrimônio — que simboliza a união de Cristo com a Igreja será atacado e profanado em toda a extensão da palavra. Impor-se-ão leis iníquas, com o objetivo de extinguir esse Sacramento, facilitando a todos viverem mal, propagando-se a geração de filhos mal-nascidos, sem a bênção da Igreja. Irá decaindo rapidamente o espírito cristão”. (Revelação de Na. Sra. do Bom Sucesso a Madre Mariana de Jesus Torres) “Aos que vivem no mundo e têm família cumpre o dever de aperfeiçoá-la, e de elevar nos seus filhos o decoro e a consideração social da família, cristãmente entendidos. Contanto que se viva sob o influxo da caridade cristã, os pais devem procurar, que, na medida do possível, em ciência, em arte, em técnica, em cultura, em tudo, os seus filhos sejam melhores do que eles. Não para educar vaidosos, mas para oferecer à sociedade, em benefício do povo, gerações mais perfeitas”. (Cardeal Angel Herrera Oria) “A família é o mais admirável dos governos”. (Lacordaire) “Não é lícito jamais provocar o aborto, ainda que seja para salvar a vida da mãe ou a reputação de uma jovem vítima de estupro”. (Denziger) “Nunca é lícito matar o outro: ainda que ele o quisesse, mesmo se ele o pedisse, porque, suspenso entre a vida e a morte, suplica ser ajudado a libertar a alma que luta contra os laços do corpo e deseja desprender-se. nem é lícito sequer quando o doente já não estivesse em condições de sobreviver”. (Santo Agostinho) “Suprimam o casamento, a noção de fidelidade conjugal, a ordem, a decência, a castidade em seus aspectos representativos [...] então tudo se dispersa, se degrada, se aniquila, torna-se totalmente amorfo”. (Pierre Klossowski) “Uma das obras-primas de Deus é o coração de uma mãe”. (Provérbio francês) “O aborto só é defendido pelas pessoas que nasceram...” (Edgar Bergen) “A virtude passa facilmente do coração das mães ao coração dos filhos”. (Cônego François Trochu) “Esse triângulo de verdades evidentes, de pai, mãe e filhos, não pode ser destruído. ele destrói apenas aquelas civilizações que o desprezam”. (G.K.Chesterton) “O homem sem critério se casa com a mulher de quem gosta. O homem criterioso gosta da mulher com quem casa”. (Adágio popular) “Toda doutrina social que visa destruir a família é má e inaplicável. Quando se decompõe uma sociedade, o que se encontra como resíduo final não é o indivíduo, mas sim a família”. ( Victor Hugo) “A autoridade é exigência da ordem moral e promana de Deus. Por isso, se os governantes legislarem ou prescreverem algo contra essa ordem, e portanto contra a vontade de Deus, essas leis e essas prescrições não podem obrigar a consciência dos cidadãos. [...] Neste caso, a própria autoridade deixa de existir, degenerando em abuso de poder”. (João XXIII — Encíclica Pacem in Terris) “Cada aborto constitui um assassinato. À medida que a impunidade legal venha a favorecer no Brasil que o aborto se introduza em nossos costumes, ocorrerá um número infinitamente crescente de assassinatos. Tudo isso abre como que um rio de pecados a bradarem aos Céus clamando por vingança. Esta expressão enérgica está até nos catecismos. No plano social, os efeitos do aborto são claros. De um lado, a ausência de frutos nas chamadas uniões livres só pode concorrer para multiplicá-las. De outro lado, os vínculos do matrimônio são debilitados pelo aborto. Com efeito, quanto mais numerosos os filhos, tanto mais se robustecem os vínculos afetivos e morais entre os pais. Tudo isso redunda em mais um fator de debilitação do matrimônio e da família, e portanto de toda a sociedade brasileira”. (Plinio Corrêa de Oliveira) “No governo Lula, a causa pró-aborto — que ataca diretamente a vida humana — anda de mãos dadas com a causa pró-homossexualismo — que ataca frontalmente a virtude da castidade, sobre a qual se funda a família. Desde o início de 2003, o governo vem fazendo todo o possível, seja internamente, seja perante a comunidade internacional (ONU e OEA), para glorificar o homossexualismo e tratar como criminosos (“homofóbicos”) os que se opõem à conduta homossexual'. (Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz) “Para os efeitos desta Convenção [Convenção Americana sobre Direitos Humanos], pessoa é todo ser humano (Art. 1º, nº 2) Toda pessoa tem direito ao reconhecimento de sua personalidade jurídica (Art. 3º) Toda pessoa tem o direito de que se respeite sua vida. Esse direito deve ser protegido pela lei e, em geral, desde o momento da concepção. Ninguém pode ser privado da vida arbitrariamente (Art. 4º, nº 1)”. (Pacto de São José da Costa Rica, 22-11-1969) SUMÁRIO Abortista (2) Aborto (252) Ação Contra casamento homossexual (25) ACI (1) Adoção (6) Aecio Neves (1) Aécio Neves (1) AIDS (5) Alagoinha (1) Alejandro Ordónez (1) Alemanha (3) Alma (1) Ambientalismo (4) Amor Paternal (1) Ámoris Laetitia (1) Amy Winehouse (1) Anchieta (4) Ancien Régime (5) Andrea Bocelli (2) Anencefalia (18) Animais (2) Anticoncepcionais (5) Arvore de Natal (4) Associação Cristo Rei (1) Austrália (1) Bancada da Morte (3) Bandeirantes (1) Bélgica (3) Belle Époque (5) Bento XVI (3) Bioética (1) Bispo (2) Blasfemia (7) Boff (1) Bolívia (2) Boulenger (2) Brasília (5) Bruxelas (1) Câmara dos Deputados (5) Camões (2) Canção Nova (3) Canonização (4) Capitalismo (1) Cardeal Burke (7) Cardeal Kasper (1) Cardeal Mindszenty (1) Cardeal Von Galen (1) Carnaval (7) Castidade (3) Catecismo (4) Catequese (1) Católicas pelo Direito de (2) Catolicismo (32) Células Tronco (10) Cerejeiras (1) Cerveja (1) Cezar Peluso (1) CFM (1) Che Guevara (2) Chile (1) Cibernética (5) Cicero Harada (3) Clínica de aborto (3) Clinton (1) Clonagem (1) CNBB (20) Código Civil (1) Código Penal (18) Colombia (9) Comissão da Verdade (1) Computador (1) Comunismo (35) Conclave (1) Confiança (1) Congresso Nacional (13) Conselhos Tutelares (1) Conservadorismo (9) Constituição (4) Controle de Natalidade (10) Corpus Christi (2) Cortesia (9) Costumes (3) Crianças (22) Crise do Mundo Moderno (8) Cristianismo (7) Cristianofobia (6) Cristo Redentor (3) Croácia (1) Cruz (4) Cruzada Pela Família (3) Cuba (12) Curetagem (1) Curitiba (1) Dalton Luiz (1) Daniel Serrão (2) Decreto Presidencial (2) Democracia (3) Demografia (1) Descristianização (2) Desigualdades (3) Deveres dos Filhos (5) Deveres dos Pais (15) Dia das Mães (3) Dilma (49) Direitos Humanos (3) Divórcio (25) Dom Bergonzini (5) Dom Bertrand (2) Dom Cardoso (4) Dom Gil Hillín (1) Dom Helder (2) Dom Keller (2) Dom Mathias (1) Dom Roque (2) Doutrina Católica (22) Droga (9) Ecologia (5) Eduardo Cunha (1) Educação (35) Educação Sexual (19) Eleições (9) Eleonora Menicucci (2) Elizabeth Kpman (3) Embrião (7) Ensino (2) Ensino Estatal (2) Ensino público (3) Escolas (10) Espanha (4) Esquerda Católica (16) Estado Laico (1) Estados Unidos (20) Estatuto da Família (1) Estatuto do Nascituro (7) Estudantes (1) Eu não mereço ser abortado (1) Eucaristia (9) Eugenia (3) Europride (1) Eutanasia (17) Excomunhão (10) Exército (1) Facebook (2) Família (138) Família Imperial (2) Família Patriarcal (4) Familiafobia (6) Famílias numerosas (4) Fátima (7) Fecund. In Virto (1) Feliz Natal (3) Feminismo (12) Feministas (6) Feto (4) Filhos (17) Finados (1) FIOCRUZ (1) França (10) Francisco I (6) Frei Betto (4) Genazzano (2) Genoíno (1) Gentileza (4) Globo (1) Guzzo (1) Halloween (1) História (4) Holanda (3) homossexualismo (53) Honra (2) Honrar Pai e Mãe (2) Hugo Chávez (7) Human Life International (1) Hungria (2) Idade Média (3) Ideologia de gênero (35) Igreja Católica (30) Igualitarismo (12) Imoralidade (16) Impureza (2) In Memoriam (1) India (1) Indigenismo (2) Infalibilidade (1) Infância (10) Infanticídio (5) Início da Vida (2) Inocência (6) Instituição Familiar (25) Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (34) Internet (13) Invenções (1) IPCO (14) IPPF (1) Irmãos (1) Isabella (2) Islamismo (8) Itália (6) Ives Gandra (5) Izabella (1) Jacinta (3) Jacinto Flecha (1) Japão (2) Jesuítas (1) Jornal do Brasil (1) José Dirceu (1) Kit Aborto (1) La Fontaine (1) Lael Varella (1) Leão XIII (1) Lei da Homofobia (38) Lei da Palmada (3) Lei de Bio-Segurança (2) Lei Natural (6) Lenise Garcia (1) Lenotre (1) Lepanto (2) Lewandowki (1) Liberdade (2) Liberdade de Expressão (4) Lituânia (1) Livros Didáticos (4) Lobby homossexual (1) Lobby Pró-Aborto (7) Lorena Leandro (1) Lula (24) Lutero (11) Luxemburgo (1) Maconha (4) Mãe (20) Manifestações (14) Maniqueísmo (1) Mao Tse-tung (1) Maravilhoso (1) Marcela (2) Marcha anti-aborto (9) Marcha da Maconha (4) Marcha Pela Vida (21) Marina Silva (1) Marta Suplicy (2) Marxismo (6) Massacre dos Inocentes (5) Material Escolar (1) Maternalidade (8) Mathiote (1) Matrimônio (27) MEC (11) Medicina (3) Médicos (1) Médicos Cubanos (1) Menino Jesus (11) Mensagem da Dilma (1) Mensalão (1) Microcefalia (1) Midia (3) Mídia (5) Milagre de Bolsena (1) Milão (1) Ministério da Educação (14) Ministério da Saúde (11) Misericórdia e Justiça (3) Moda (7) Modernismo (2) Moloch (1) Mónica Roa (1) Mons. José Luiz Villac (5) Mons. Sanahuja (1) Moral (1) Moral Católica (26) Moralidade (4) MST (5) Nascer é um Direito (2) Natal (20) NIgéria (1) Nilcéa Freire (4) Nóbrega (2) Nobreza (3) Noite Feliz (1) Norman Weslin (1) Noruega (1) Nossa Senhora (34) Nosso Senhor (15) Nova Ordem Mundial (1) Novelas (1) Novo Ano (2) Nulidade (1) Obama (8) Ogeni Dal Cin (1) Onu (4) Orgulho (1) Orvieto (3) Pacto de São José (1) Padre David Francisquini (5) Padre Jose Augusto (1) Padre Lodi (25) Padre Pio (1) Pádua (1) Paes de Lira (20) Pais de Família (6) Palermo (1) Papa Francisco (35) Papado (16) Papai Noel (2) Papdo (1) Parada (4) Parto Anônimo (1) Patrulha Ideológica (3) Paz (1) Pe. Anderson (1) Pe. Paulo Ricardo (2) Pedagogia (2) Pena de excomunhão (3) Pena de Morte (2) Percival Puggina (1) Perseguição Religiosa (12) Peru (2) Pílula do Dia Seguinte (1) Pio IX (1) Pio XII (3) PL 1135/91 (7) PL 122 (3) PL 122/2006 (4) Planejamento familiar (2) Plano Nacional de Educação (5) PLC 3/2013 (7) Plinio Corrêa de Oliveira (29) PNDH-3 (16) PNE (2) Pobreza (4) Polidez (5) Politicamente Incorreto (2) Polonia (2) Polônia (1) Praça da Sé (2) Presépio (4) Primeira Guerra Mundial (2) Pro Vida (2) Pró-Vida (2) Prof. David Magalhães (1) Prof. Hermes Nery (19) Professores (2) Progressismo (23) Progresso (1) Projeto Tamar (1) Provações (2) Pseudo casamento homossexual (14) PT (81) Rachel Sheherazade (1) Raquel Sheherazade (1) Reação Católica (1) Reacionário (1) Realizações (1) Recassados (2) Relativismo (2) Resistência (2) Revolução Cultural (9) Revolução Francesa (6) Rio de Janeiro (4) Roberto de Mattei (7) Roda dos Expostos (1) Roe vs. Wade (1) Roma (10) Rosário (1) Rússia (4) Sagrada Família (7) Sagradas Escrituras (1) Sans-culotte (1) Santa Casa de Misericórdia (1) Santa Teresinha (3) Santíssimo Sacramento (1) Santos (6) Santos Inocentes (3) São Bento (1) São Boaventura (1) São Nicolau (1) São Paulo (10) São Paulo Pela Vida (2) São Pedro (1) São Pio X (4) Sarah Palin (2) Sarney (1) Século X{IX (1) Século XIX (1) Semana Santa (8) Senado (8) Serra (2) Sevilha (1) Sínodo da Família (14) Socialismo (1) Sodoma (1) Sonhos (1) Sta Gianna Beretta Molla (1) Stalin (1) STF (40) Televisão (1) Teologia da Libertação (6) Terrorismo Islâmico (5) TFP (11) TFP amerciana (1) TFP americana (1) Todos os Santos (1) Toffoli (3) Tortura (1) Totalitarismo (1) Tradição (4) Tradições (8) Tráfico de Drogas (3) Trajes (7) Trauma pós-aborto (5) Tsunami (2) TV estatal (1) Ucrania (2) União Europeia (8) Vaticano (43) Veneza (1) Venezuela (9) Verona (1) Vícios (2) Videogames (1) Videos (5) Viena (1) Violência (3) Vocação do Brasil (9) WEB (1) Zica Vírus (3) Zumbis (2) Subscreva-se ao meu feed No quadrinho, no topo da coluna da direita, digite seu e-mail para receber novidades deste Blog Recomendo: Revista Catolicismo “A palavra família indica uma pluralidade de pessoas. Mas há uma pala ra que indica uma pessoa só, uma palavra de especial significado: mãe. Mãe é a quintessência da família, porque é a quintessência do amor e do afeto, e nessas condições a quintessência da bondade e da misericórdia. Desta maneira, a alma em contato com a mãe começa a compreender o que é a bondade que não se cansa, o que é a graça, o favor, o amor que não se exaure, o que é aquela forma de afeto materno que faz com que a mãe nunca ache que é tedioso estar com o filho, nunca ache que é monótono estar com ele. Ter seu filho nos braços, brincar com ele, soltá-lo no chão, vê-lo correr de um lado para outro, ser importunada por ele incontáveis vezes durante o dia com perguntinhas, com brinquedinhos, para a boa mãe é a alegria da vida. Se alguém, na entrada desta vida, percebe o que é a alegria de uma boa mãe, compreende que a vida na Terra pode ser muito difícil, mas que enquanto conservar a recordação de sua mãe, conservará a recordação paradisíaca da sua infância. Conservando esta recordação, conserva a esperança do Paraíso celeste, onde a boa mãe vai-nos receber, e nós compreendemos através disso tudo quanto é Nossa Senhora Auxiliadora para nós”. Plinio Corrêa de Oliveira Paulo Roberto Campos : prccampos@terra.com.br /. Tecnologia do Blogger .



https://ca.wikipedia.org/wiki/Elateriformes
  Elateriformes - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Elateriformes De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca Elateriformes Elateriformia Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Animalia Fílum Arthropoda Classe Insecta Ordre Coleoptera Subordre Polyphaga Series i infraordre Elateriformia Superfamílies Scirtoidea Dascilloidea Buprestoidea Byrrhoidea Elateroidea Els elateriformes (Elateriformia) són un infraordre ... subfamílies: [1] Superfamília Scirtoidea Fleming, 1821 Família Decliniidae Nikitsky, Lawrence, Kirejtshuk and Gratshev, 1994 Família Eucinetidae Lacordaire, 1857 Família Clambidae Fischer von Waldheim ... Clambinae Fischer von Waldheim, 1821 Família Scirtidae Fleming, 1821 Subfamília Scirtinae Fleming, 1821 ... and Yoshitomi, 2007 Família Elodophthalmidae † Kirejtshuk and Azar, 2008 Família Mesocinetidae † Kirejtshuk and Ponomarenko, 2010 Superfamília Dascilloidea Guérin-Méneville, 1843 (1834) Família Dascillidae CACHE

Elateriformes - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Elateriformes De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca Elateriformes Elateriformia Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Animalia Fílum Arthropoda Classe Insecta Ordre Coleoptera Subordre Polyphaga Series i infraordre Elateriformia Superfamílies Scirtoidea Dascilloidea Buprestoidea Byrrhoidea Elateroidea Els elateriformes (Elateriformia) són un infraordre de coleòpters polífags . Les dues famílies més grans d'aquest grup són els buprèstids , dels quals n'hi ha unes 15.000 espècies descrites, i els Elateroidea , amb unes 10.000 descrites. Taxonomia [ modifica ] Els elateriformes es subdivideixen en les següents superfamílies, famílies i subfamílies: [1] Superfamília Scirtoidea Fleming, 1821 Família Decliniidae Nikitsky, Lawrence, Kirejtshuk and Gratshev, 1994 Família Eucinetidae Lacordaire, 1857 Família Clambidae Fischer von Waldheim, 1821 Subfamília Calyptomerinae Crowson, 1955 Subfamília Acalyptomerinae Crowson, 1979 Subfamília Clambinae Fischer von Waldheim, 1821 Família Scirtidae Fleming, 1821 Subfamília Scirtinae Fleming, 1821 Subfamília Nipponocyphoninae Lawrence and Yoshitomi, 2007 Subfamília Stenocyphoninae Lawrence and Yoshitomi, 2007 Família Elodophthalmidae † Kirejtshuk and Azar, 2008 Família Mesocinetidae † Kirejtshuk and Ponomarenko, 2010 Superfamília Dascilloidea Guérin-Méneville, 1843 (1834) Família Dascillidae Guérin-Méneville, 1843 (1834) Subfamília Dascillinae Guérin-Méneville, 1843 (1834) Subfamília Karumiinae Escalera, 1913 Família Rhipiceridae Latreille, 1834 Superfamília Buprestoidea Leach, 1815 Família Schizopodidae LeConte, 1859 Subfamília Schizopodinae LeConte, 1859 Família Buprestidae Leach, 1815 Subfamília Julodinae Lacordaire, 1857 Subfamília Polycestinae Lacordaire, 1857 Subfamília Galbellinae Reitter, 1911 Subfamília Chrysochroinae Laporte, 1835 Subfamília Buprestinae Leach, 1815 Subfamília Agrilinae Laporte, 1835 Subfamília Parathyreinae † Alexeev, 1994 Superfamília Byrrhoidea Latreille, 1804 Família Byrrhidae Latreille, 1804 Subfamília Byrrhinae Latreille, 1804 Subfamília Syncalyptinae Mulsant and Rey, 1869 Subfamília Amphicyrtinae LeConte, 1861 Família Elmidae Curtis, 1830 Subfamília Larainae LeConte, 1861 Subfamília Elminae Curtis, 1830 Família Dryopidae Billberg, 1820 (1817) Família Lutrochidae Kasap and Crowson, 1975 Família Limnichidae Erichson, 1846 Subfamília Hyphalinae Britton, 1971 Subfamília Limnichinae Erichson, 1846 Subfamília Cephalobyrrhinae Champion, 1925 Subfamília Thaumastodinae Champion, 1924 Família Heteroceridae MacLeay, 1825 Subfamília Elythomerinae Pacheco, 1964 Subfamília Heterocerinae MacLeay, 1825 Família Psephenidae Lacordaire, 1854 Subfamília Afroeubriinae Lee, Satô, Shepard and Jäch, 2007 Subfamília Eubriinae Lacordaire, 1857 Subfamília Eubrianacinae Jakobson, 1913 Subfamília Psephenoidinae Bollow, 1938 Subfamília Psepheninae Lacordaire, 1854 Família Cneoglossidae Champion, 1897 Família Ptilodactylidae Laporte, 1836 Subfamília Anchytarsinae Champion, 1897 Subfamília Cladotominae Pic, 1914 Subfamília Aploglossinae Champion, 1897 Subfamília Araeopidiinae Lawrence, 1991 Subfamília Ptilodactylinae Laporte, 1836 Família Podabrocephalidae Pic, 1930 Família Chelonariidae Blanchard, 1845 Família Eulichadidae Crowson, 1973 Família Callirhipidae Emden, 1924 Superfamília Elateroidea Leach, 1815 Família Rhinorhipidae Lawrence, 1988 Família Artematopodidae Lacordaire, 1857 Subfamília Electribiinae Crowson, 1975 Subfamília Allopogoniinae Crowson, 1973 Subfamília Artematopodinae Lacordaire, 1857 Família Brachypsectridae LeConte and Horn, 1883 Família Cerophytidae Latreille, 1834 Família Eucnemidae Eschscholtz, 1829 Subfamília Perothopinae Lacordaire, 1857 Subfamília Phyllocerinae Reitter, 1905 Subfamília Pseudomeninae Muona, 1993 Subfamília Palaeoxeninae Muona, 1993 Subfamília Phlegoninae Muona, 1993 Subfamília Anischiinae Fleutiaux, 1936 Subfamília Melasinae Fleming, 1821 Subfamília Eucneminae Eschscholtz, 1829 Subfamília Macraulacinae Fleutiaux, 1923 Família Throscidae Laporte, 1840 nomen protectum Família Praelateriidae † Dolin, 1973 Família Elateridae Leach, 1815 Subfamília Cebrioninae Latreille, 1802 Subfamília Agrypninae Candèze, 1857 nomen protectum Subfamília Thylacosterninae Fleutiaux, 1920 Subfamília Lissominae Laporte, 1835 Subfamília Semiotinae Jakobson, 1913 Subfamília Campyloxeninae Costa, 1975 Subfamília Pityobiinae Hyslop, 1917 Subfamília Oxynopterinae Candèze, 1857 Subfamília Dendrometrinae Gistel, 1848 Subfamília Negastriinae Nakane and Kishii, 1956 Subfamília Elaterinae Leach, 1815 Subfamília Cardiophorinae Candèze, 1859 Subfamília Hemiopinae Fleutiaux, 1941 Subfamília Physodactylinae Lacordaire, 1857 Subfamília Eudicronychinae Girard, 1971 Subfamília Subprotelaterinae Fleutiaux, 1920 Subfamília Morostomatinae Dolin, 2000 Subfamília † Protagrypninae Dolin, 1973 Família Plastoceridae Crowson, 1972 Família Drilidae Blanchard, 1845 Subfamília Drilinae Blanchard, 1845 Subfamília Thilmaninae Kazantsev, 2004 Família Omalisidae Lacordaire, 1857 Família Berendtimiridae † Winkler, 1987 Família Lycidae Laporte, 1836 Subfamília Libnetinae Bocák and Bocáková, 1990 Subfamília Dictyopterinae Houlbert, 1922 Subfamília Lyropaeinae Bocák and Bocáková, 1989 Subfamília Ateliinae Kleine, 1929 Subfamília Lycinae Laporte, 1836 Subfamília Dexorinae Bocák and Bocáková, 1989 Família Telegeusidae Leng, 1920 Família Phengodidae LeConte, 1861 Subfamília Phengodinae LeConte, 1861 Subfamília Mastinocerinae LeConte, 1881 Subfamília Penicillophorinae Paulus, 1975 Família Rhagophthalmidae Olivier, 1907 Família Lampyridae Rafinesque, 1815 Subfamília Psilocladinae McDermott, 1964 Subfamília Amydetinae Olivier, 1907 Subfamília Lampyrinae Rafinesque, 1815 Subfamília Luciolinae Lacordaire, 1857 Subfamília Photurinae Lacordaire, 1857 Família Omethidae LeConte, 1861 Subfamília Omethinae LeConte, 1861 Subfamília Matheteinae LeConte, 1881 Subfamília Driloniinae Crowson, 1972 Família Cantharidae Imhoff, 1856 (1815) Subfamília Cantharinae Imhoff, 1856 (1815) Subfamília Silinae Mulsant, 1862 Subfamília Dysmorphocerinae Brancucci, 1980 Subfamília Malthininae Kiesenwetter, 1852 Subfamília Chauliognathinae LeConte, 1861 Subfamília Cydistinae Paulus, 1972 Subfamília Pterotinae LeConte, 1861 Subfamília Ototretinae McDermott, 1964 Subfamília Ototretadrilinae Crowson, 1972 Subfamília Lasiosynidae † Kirejtshuk, Chang, Ren and Kun, 2010 Referències [ modifica ] ↑ Bouchard, P. et al.2011. Family-group names in Coleoptera (Insecta). ZooKeys 88: 1. Bases de dades taxonòmiques EOL Fauna Europaea ITIS NCBI Obtingut de « https://ca.wikipedia.org/w/index.php?title=Elateriformes&oldid=19032440 » Categoria : Elateriformes Categories ocultes : Articles amb infotaules sense dades en local Control de bases de dades taxonòmiques Menú de navegació Eines personals Sense sessió iniciada Discussió per aquest IP Contribucions Crea un compte Inicia la sessió Espais de noms Pàgina Discussió Variants Vistes Mostra Modifica Mostra l’historial Més Cerca Navegació Portada Article a l'atzar Articles de qualitat Comunitat Portal viquipedista Canvis recents La taverna Contacte Xat Donatius Ajuda Eines Què hi enllaça Canvis relacionats Pàgines especials Enllaç permanent Informació de la pàgina Element a Wikidata Citau aquest article Imprimeix/exporta Crear un llibre Baixa com a PDF Versió per a impressora En altres projectes Viquiespècies En altres idiomes Asturianu Čeština English Español Euskara Suomi Français Magyar Italiano 한국어 Latina Latviešu Nederlands Norsk Polski Português Română Русский Svenska Українська Tiếng Việt Modifica els enllaços La pàgina va ser modificada per darrera vegada el 22 oct 2017 a les 03:45. El text està disponible sota la Llicència de Creative Commons Reconeixement i Compartir-Igual . es poden aplicar termes addicionals. Vegeu les Condicions d'ús . Wikipedia® (Viquipèdia™) és una marca registrada de Wikimedia Foundation, Inc . Política de privadesa Quant al projecte Viquipèdia Renúncies Desenvolupadors Declaració de cookies Versió per a mòbils



http://conservadoredai.blogspot.com/
  Blog Sou conservador sim, e daí? skip to main | skip to sidebar Início Links interessantes Nosso Patrono Editora Petrus Quem somos Home Multimídia Charges Vídeos Música Canto Gregoriano Música Erudita Notícias Nacionais Internacionais Religião Igreja no Brasil Igreja no Mundo Perseguição Religiosa Outros temas Aborto Revolução Cultural Revolução Homossexual Sobre o blog Frase 'A Revolução Francesa ... Gênero na Educação Autor: Edson Oliveira | 10:42 Seja o primeiro a comentar A família brasileira está em ... filhos Autor: Paulo Roberto Campos | 20:57 Seja o primeiro a comentar Blog da Família: ITÁLIA — Pais e mães indignados contra o ensinamen... : Monumental manifestação em prol da família tradicional ... no palácio Anchieta, Câmara Municipal de São Paulo, para reafirmar a vitória da família cristã ... mais uma vez unir-se aos vários grupos pró-família para combater essa ideologia contrária aos CACHE

Blog Sou conservador sim, e daí? skip to main | skip to sidebar Início Links interessantes Nosso Patrono Editora Petrus Quem somos Home Multimídia Charges Vídeos Música Canto Gregoriano Música Erudita Notícias Nacionais Internacionais Religião Igreja no Brasil Igreja no Mundo Perseguição Religiosa Outros temas Aborto Revolução Cultural Revolução Homossexual Sobre o blog Frase 'A Revolução Francesa começou com a declaração dos direitos do homem, e só terminará com a declaração dos direitos de Deus.' (de Bonald). ( Frases antigas ) São Paulo, terça-feira, 15 de setembro de 2015 Ideologia de Gênero na prática: saia para homens Autor: Edson Oliveira | 19:22 3 comentários ​Prezados, Salve Maria! Vejam até onde está chegando a Ideologia de Gênero quando aplicada na vida comum. Agora está em 'moda' uma espécie de 'feminismo masculino' que pretende que os homens devem se livrar da 'ditadura da calça' e usar saias femininas como o normal de um vestuário para homens. Recomendo a leitura atenta do artigo no link abaixo e saibam que isto não é apenas um movimento na Europa, mas que algumas escolas de ensino infantil, no Brasil, já estão doutrinando as crianças para aderirem a tal moda: http://ipco.org.br/ipco/noticias/saias-para-homens Não adianta apenas rir do ridículo que há nessa 'moda', é preciso nos preocuparmos com o futuro moral de nossas crianças. Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: São Paulo, sexta-feira, 21 de agosto de 2015 Ideologia de Gênero na Educação Autor: Edson Oliveira | 10:42 Seja o primeiro a comentar A família brasileira está em pé de guerra contra a implantação da Ideologia de Gênero nas escolas. Cabe destacar aqui todo o empenho promovido por diversos movimentos que pressionaram ou estão pressionando seus Vereadores e Deputados Estaduais para remover o vírus dessa ideologia dos programas que apontam as metas a serem atingidas nos próximos 10 anos na educação brasileira. Entre as instituições presentes nos protestos, é digno de nota a atuação dos jovens voluntários do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira em Curitiba , Brasília e São Paulo e de diversos amigos e simpatizantes da instituição em várias outras cidades brasileiras que colaboraram para que 98% dos municípios até agora rejeitassem a introdução da nefasta Ideologia de Gênero no ensino educacional. Como a batalha em São Paulo não acabou, o IPCO está promovendo uma campanha de e-mails tanto aos Vereadores quanto aos Deputados Estaduais. Participe: Mande uma mensagem aos Vereadores para evitar a Ideologia de Gênero no Plano Municipal de Educação. Mande uma mensagem aos Deputados Estaduais para evitar a Ideologia de Gênero no Plano Estadual de Educação. Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: São Paulo, sexta-feira, 26 de junho de 2015 ITÁLIA — Pais e mães indignados contra o ensinamento da “Teoria de Gênero” a seus filhos Autor: Paulo Roberto Campos | 20:57 Seja o primeiro a comentar Blog da Família: ITÁLIA — Pais e mães indignados contra o ensinamen... : Monumental manifestação em prol da família tradicional, belo exemplo para o Brasil de recusa ao ensinamento da Ideologia de Gênero nas ... Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: São Paulo, quinta-feira, 25 de junho de 2015 Vitória parcial: Guerra contra a Ideologia de Gênero, muita luta ainda pela frente em São Paulo Autor: Edson Oliveira | 14:44 Seja o primeiro a comentar As famílias terão muito que lutar agora no Plenário para não permitir manobras que camuflem a Ideologia de Gênero e nos façam pensar que vencemos. Relatório das sessões do dia 17 e 19 de junho. Na manhã do dia 17/6, católicos se reuniram novamente no palácio Anchieta, Câmara Municipal de São Paulo, para reafirmar a vitória da família cristã brasileira, e levar ao vácuo a segunda tentativa de alguns ativistas feministas e homossexuais. O campo em questão: o futuro de todas as crianças do município, mas também de todo o País, uma vez que se trata da maior Câmara sul-americana. A alternativa é simples, mas sinistra: As escolas serão ambientes de formação escolar ou de futuros agitadores sociais? Em frente ao crucifixo e aos parlamentares, estavam os brados dos católicos de todas as idades que abafavam as ofensas dos militantes pró-gênero, que dessa vez compareceram número maior do que das vezes anteriores, embora bastante minoritários frente aos católicos. Nove caravanistas do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira estiveram nessa frente para mais uma vez unir-se aos vários grupos pró-família para combater essa ideologia contrária aos interesses do verdadeiro povo, e principalmente, aos de Deus. Quando chegamos no Palácio Anchieta às 8h37, já encontramos os portões de entrada da Câmara abarrotados de pessoas pró-família de todas as idades. Dentro do plenário 1º de maio, havia cerca de 200 católicos e 15 ativistas com bandeiras homossexuais que começaram provocando com brados como este: “Cuidado, fascista, a América latina vai ser toda feminista!”. Um ativista de aproximadamente 40 anos berrava isolado, sem parar: Fascistas! Fascistas! Fariseus!”. Os católicos puxavam brados em favor da família, “Viva a castidade!” e recitaram duas vezes em voz alta a Ave-Maria. O Vereador Adilson Amadeu afirmou que “a gente tem que realmente proteger de verdade, amar as crianças e a família. O ‘gênero’ vai ficar aguardando na fila, porque nós vamos continuar sustentando o que foi relatado pelo nosso querido relator Ricardo Nunes”. Sem argumentação criativa, a militância apenas berrava: “Demagogo! Demagogo!”. E as famílias respondiam: “Direito da família, educação que gera vida! Direito da família, educação que gera vida!”. O Ver. Paulo Fiorilo (PT), que teve seu substitutivo derrotado na semana passada, ameaçou com normas regimentais questionar sua derrota em outras instâncias se houvesse nesse dia a votação do novo texto, pois o presidente da sessão havia cometido um equívoco de nomear um relator cujo regimento da Câmara tornava impedido. Ainda afirmou: “O meu substitutivo foi derrotado! E alguns aqui comparam com a derrota do Brasil por 7 a 1... É uma comparação esdrúxula! esdrúxula!”. De fato, seria esdrúxula se comparassem a derrota da “Ideologia de Gênero” com o fracasso do Brasil na Copa do Mundo. Mas a comparação era apenas para dizer que o Brasil teve uma revanche satisfatória, uma vez que a família é muitíssimo mais importante do que 22 pessoas correndo atrás de uma bola. Com bom humor, os cristãos responderam ao vereador - “Gol do Brasil!”. No final, a votação foi postergada para a sexta-feira seguinte (19), para continuar o debate. Para os católicos presentes, ficou uma mostra de como ficaria (ou pode ficar) nosso País sob a dominação dos militantes anti-família. Cabe às famílias professar sua Fé. E por professar a Fé não se entende apenas fazê-lo na paz das paróquias e catedrais, mas também energicamente e com fervor em público, nesses tempos críticos em que passamos. Nossa inércia é o certificado da vitória dos “ímpios, ébrios e libertinos”, como cita o apóstolo São Paulo (I Cor. 6:9-10). No dia 19, sexta-feira última, foi feita uma convocação geral para a militância LGBT estar presente na votação. Mas as famílias paulistanas chegaram antes e lotaram o plenário. Contrariamente ao regimento interno, desta vez foi permitido que algumas pessoas ficassem de pé, uma manobra para permitir a entrada dos ativistas LGBT que chegavam atrasados. Os guardas levaram os mais agitadores do movimento LGBT para o lado direito do plenário e, quando a sessão acabou, tiraram eles por outra saída. Havia 5 guardas do lado LGBT e apenas um para “controlar” as famílias. A militância bradava: “O Estado é laico!” e, logo em seguida, “Deus é amor” e puxaram um Pai-Nosso (sic!). A ironia e contradição deles, super-defensores da laicidade do Estado, foi respondida com uma Ave-Maria – a qual eles não tiveram a ousadia de rezar juntos – e três vezes a jaculatória “São Miguel, rogai por nós”. Houve um silêncio inesperado da parte LGBT e uma pessoa ouviu um deles dizer: “exorcismo também é discriminação”. A pergunta que se faz é: “Discriminação contra quem?”. O IPCO distribuiu entre as famílias um manifesto contra a Ideologia de Gênero e um cartão vermelho – ideia que já foi utilizada com sucesso por nossos correspondentes em Jundiaí – contendo no verso o desenho de uma família e a afirmação de que a educação moral é um dever da família. A votação terminou com o resultado de 9 X 0 a favor do novo substitutivo que, apesar de ter representado uma vitória parcial a favor da família, por ter tirado os termos de gênero, deixou aberto um rombo que ameaça a educação e o futuro moral de nossos filhos e netos. Se não fosse a necessidade do representante do PT justificar seu voto aparentemente contraditório, não saberíamos o teor e a manobra feita (ver abaixo). De fato, o Ver. Paulo Fiorilo (PT), que antes havia apresentado um parecer que mantinha a questão de “gênero” e que agora votou favorável ao substitutivo, disse que o tema ainda pode ser resgatado no Plenário: 'Conseguimos incluir um artigo da lei orgânica na meta 1 que fala em: ‘educação igualitária, desenvolver um espírito crítico em relação a estereótipos sexuais , sociais e raciais das aulas, cursos, livros didáticos, materiais escolares e literatura .’ Possibilita manter esse debate vivo, e no plenário', disse. As famílias terão muito que lutar agora no Plenário para não permitir tais manobras que camuflem a Ideologia de Gênero e nos façam pensar que vencemos. A votação no Plenário será feita somente em agosto. Isso dará tempo para muitas manobras sombrias, mas também tempo para nos mobilizarmos. Saiba como fazer sua parte! Clique aqui e junte-se a nós nesta luta em defesa da família! Você receberá alertas sobre as datas e situação dos projetos em tramitação que visam destruir a família! Envie este artigo para seus amigos e familiares e nos ajude nesta luta em defesa da família! Quanto mais pessoas souberem do fato, mais dificilmente eles conseguirão aplicar este tipo de leis! A força deles está em agir na surdina! Veja como foi a última votação! Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: São Paulo, terça-feira, 16 de junho de 2015 Em dois cliques, envie seu protesto contra a Ideologia de Gênero aos vereadores de São Paulo Autor: Edson Oliveira | 14:13 1 comentário Uma vitória contra a Ideologia de Gênero! Conforme já publicamos em nosso site, a Comissão de Finanças da Câmara Municipal de São Paulo aprovou o texto do Plano Municipal de Educação sem a menção à nefasta e absurda “Ideologia de Gênero”! Vigilância! Agora a votação segue no plenário com a presença dos 55 vereadores . Mande agora mesmo, em apenas dois cliques, sua mensagem para que o plenário não permita o ensino da Ideologia de Gênero nas escolas municipais de São Paulo. Se você não é da cidade de São Paulo, não receie em participar , uma vez que as decisões da Câmara Municipal da capital paulista influenciam as demais. Na votação ocorrida na Comissão de Finanças da Câmara Municipal de São Paulo havia representantes de câmaras de outras cidades para acompanhar o debate. Ainda assim, o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira preparou uma mensagem padrão para que você possa enviar para seus vereadores . Fonte: IPCO Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: São Paulo, quinta-feira, 11 de junho de 2015 Vídeo – Filial Súplica ao Papa Francisco sobre o futuro da família Autor: Edson Oliveira | 10:33 Seja o primeiro a comentar Uma aliança de organizações poderosas, forças políticas e os meios de comunicação – que sempre trabalham contra a própria existência da família – estão trabalhando febrilmente para desmantelar o ensinamento da Igreja sobre o casamento e a família no próximo Sínodo de Outubro de 2015, em Roma. Na verdade, eles estão bombardeando o Santo Padre e os Padres Sinodais com mensagens de revolta contra os valores morais tradicionais clamando por “mudança, mudança, mudança” no interior da Igreja. Neste momento crítico, devemos defender a verdade e pedir ao Santo Padre para proteger o futuro da família. O Instituto Plinio Corrëa de Oliveira está unindo forças com mais de 20 grupos pró-família ao redor do mundo para recolher o maior número possível de assinaturas antes do início do próximo Sínodo. Todos estão convidados a assinar. Como participar? Pela internet: 1) Clique aqui e assine você também! Através do abaixo-assinado: 1) Faça o download e imprima o arquivo em PDF (*). 2) Assine e colete o apoio de seus familiares e amigos. e 3) Envie por correio as assinaturas para o endereço que consta no documento. (*) OBS: Se preferir o arquivo PDF sem o logotipo do IPCO, clique aqui . Sua ajuda será preciosa, pois o lobby anticristão já está trabalhando para arrastar o próximo Sínodo sob os ventos malsãos de estilos de vida hedonista que não só não resolvem o problema moral do mundo moderno, como o agrava de forma acentuada. Que a Sagrada Família ajude a todos nós nesta iniciativa em prol dos ensinamentos milenares de Nosso Senhor Jesus Cristo. Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: São Paulo, segunda-feira, 8 de junho de 2015 Cardeal e bispos brasileiros alertam contra a implantação da Ideologia de Gênero nos Planos Municipais de Educação Autor: Edson Oliveira | 15:28 Seja o primeiro a comentar Dom Orani Tempesta. Este blog publicou recentemente uma matéria sobre a nota do bispo de Amparo (SP) contra a inserção da Ideologia de Gênero no Plano Municipal de Educação (PME), a ele já se somam diversos outros bispos e o cardeal Dom Orani Tempesta. No ano passado, o Governo Dilma fracassou ao tentar impor o termo “gênero” no Plano Nacional de Educação (PNE). A Lei 13.005/2014 estabeleceu que até o fim de junho de 2015 os municípios, coordenados pelo Fórum Nacional de Educação, deveriam entregar seus planos. Protestos no Congresso contra a Ideologia de Gênero no PNE, em 2014. Desrespeitando o Congresso Nacional, que retirou toda a referência ao “gênero” no PNE, o Governo Federal, através do mencionado Fórum Nacional de Educação, órgão do Ministério da Educação, publicou um documento no qual impõe aos quase 6.000 municípios brasileiros a Ideologia de Gênero como uma diretriz da educação escolar. Os bispos do Paraná, Tocantins e Goiás, Dom Keller e o cardeal do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, protestaram, em pronunciamentos, particulares ou em conjunto com suas respectivas Regionais, contra a introdução da nefasta ideologia de Gênero nas escolas brasileiras. Os bispos do Paraná rejeitam a implantação e divulgação da referida ideologia e reafirmaram a “prioridade da família, fundada no sacramento do matrimônio entre um homem e uma mulher, como escola de valores”. Para os bispos de Tocantins e norte de Goiás “essa ideologia, de maneira oculta e à revelia da população brasileira, pretende acabar com as bases da nossa cultura e fundar uma nova ordem em que cada um pode decidir autonomamente e de maneira não definitiva a própria orientação sexual ou livre opção sexual”. Denunciam também que há “organizações nacionais e internacionais muito ocupadas em destruir a família natural, constituída por um pai, uma mãe e seus filhos. Hoje um dos recursos mais perigosos para atentar contra a família se chama ‘ideologia de gênero’”. Esta, uma vez aplicada “destrói o ser humano em sua integralidade e, por conseguinte, a sociedade, cuja célula-mãe é a família”. E conclamam “aos fiéis católicos do Estado a acompanhar com responsabilidade as discussões e decisões dos gestores do Estado e dos Municípios, a formação escolar dos próprios filhos e as decisões tomadas em cada estabelecimento de ensino, dando o próprio testemunho cristão, e posicionando-se corajosamente contra a ideologia de gênero em todos os ambientes que frequentam. Expressamos veementemente o nosso desejo de que todas as forças vivas do Estado se unam em defesa da vida, da família e da sociedade em geral. Que as futuras gerações possam ter a certeza de que não fomos omissos e de que lutamos, dentro da lei e da ordem, contra os prejuízos de uma ideologia perigosamente revolucionária.” Dom Keller. Dom Keller, bispos da Diocese de Frederico Westphalen (RS), explica em nota para seus diocesanos os aspectos antropológicos e teológicos da rejeitável Ideologia de Gênero e também conclama para que os fiéis católicos e as pessoas de boa vontade façam oposição “à ideologia de gênero – tão contrária aos planos de Deus – a ameaçar as crianças e adolescentes de nossas escolas”. E afirma que “tentar distorcer os planos divinos nunca leva o ser humano à maior felicidade. ao contrário, o conduz a não poucos e nem pequenos desatinos, conforme os que vemos hoje em quaisquer noticiários, frutos amargos da rejeição de Deus em seus santos desígnios de amor para conosco”. Em Nota Pastoral , o cardeal Dom José Orani Tempesta, faz um histórico da origem marxista, feminista, freudista e relativista da Ideologia de Gênero, especialmente difundida pela escola de Frankfurt, pelo construtivismo e pelo existencialismo de Simone de Beauvoir que afirma que “não se nasce mulher, mas você se torna uma mulher. não se nasce um homem, mas você se torna um homem”. Dom Orani comenta que, na perspectiva de Simone de Beauvoir, “o gênero seria uma construção sociocultural sustentada pela experiência. Ora, se a experiência da mulher foi a de ser dominada pelo homem ao longo da história, na visão de Beauvoir, toda hierarquia deveria ser eliminada da vida pública e privada para dar lugar a relações de igualitarismo marxista.” Dom Orani conclui dizendo que “a ideologia do gênero tornou-se um instrumento utilizado para atacar a dignidade da pessoa e também a família, pois esta representa para eles um tipo de 'dominação'. Ao contrário, nós dizemos que é pela família que conseguiremos restaurar tal dignidade. pois é por ela que somos educados e formamos verdadeiros valores e ideais”. E pergunta se “uma sociedade com indivíduos que cultivam ódio a Deus e tentam destruir valores intrinsecamente sagrados como a vida e a família poderão ter um futuro promissor?” Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: São Paulo, quarta-feira, 3 de junho de 2015 Bispo de Amparo publica nota contra a Ideologia do Gênero Autor: Edson Oliveira | 13:05 1 comentário O Administrador Diocesano de Amparo, Dom Pedro Carlos Cipolini (foto acima), publicou, no dia 29 de maio último, uma nota contra a implantação da Ideologia de Gênero nas escolas municipais de São Paulo através do Plano Municipal de Educação (PME). Dom Cipolini afirma que com a inserção Ideologia de Gênero “o plano do Criador estaria subvertido pela criatura a partir de nossas escolas, repetindo o episódio bíblico da torre de Babel no qual os homens querem desafiar a Deus colocando-se no seu lugar (cf. Gn 11,1-9)”. O prelado exorta para que tenhamos empenho em manifestar a nossos vereadores “de modo respeitoso e firme” a nossa oposição “a essa perigosíssima ideologia”. “A Igreja tem o direito e o dever de fazer ouvir a sua voz quando a sociedade se afasta da reta ordem natural”, diz Dom Cipolini e que não permitamos que esta mesma ordem natural “seja subvertida por meio de conteúdos antinaturais ministrados em nossas escolas”. Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: São Paulo, domingo, 31 de maio de 2015 Urgente: Audiência Pública sobre a Ideologia de Gênero na Câmara de São Paulo Autor: Edson Oliveira | 14:31 Seja o primeiro a comentar Ideologia de Gênero será tema na Audiência Pública desta terça-feira, 2 de junho, às 12 horas, na Câmara de São Paulo. Dia 2/6 – Audiência Pública sobre gênero no PME na Comissão de Finanças Horário : 12:00 horas Local : Câmara de São Paulo – Sala Prestes Maia – 1° Andar Compareça para protestar contra a inclusão da Ideologia de Gênero no Plano de Educação da Cidade de São Paulo. Clique aqui e receba as atualizações deste blog em seu Email Reações: Postagens mais antigas Livro 'Psicose Ambientalista' Repercussão 'O blog Sou Conservador Sim, e daí? cumpre com extrema clareza (...) a postura [de se assumir como conservador]. Os membros do blog não realizam uma separação entre a defesa de valores familiares e aquilo que deve circular no ambiente institucional'. (Jornal do Commercio, 3/7/2011) Pesquise no blog Translator Receba as atualizações por e-mail Cadastre seu e-mail: Top 5 da Semana Tags Arquivo 'Noivo da Morte' - Hino da Legião Espanhola 'Buscar sempre diminuir a distância com o inimigo para lutar à baioneta' (Credo Legionário). Criada em 1920 pelo Rei Alfon... CARNAVAL: A verdade sobre a mentira da folia imoral e pagã Numa linguagem cada vez mais rara de se ouvir, a repórter paraibana Raquel Sheherazade [foto] , sem receio da “censura”, diz o que pensa a ... “Se queres a paz natalina, prepara-te para a guerra” Com meus votos de um Feliz e Abençoado Natal e um Novo Ano repleto das mais escolhidas graças da Sagrada Família — Jesus, Maria e José — p... MARCHA PELA FAMÍLIA — imensa manifestação de rejeição à “Lei da Homofobia” Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / ABr Ocorrida no dia 1 de junho último, na capital federal, a Marcha Pela Família contou com a partic... Ideologia de Gênero na prática: saia para homens ​Prezados, Salve Maria! Vejam até onde está chegando a Ideologia de Gênero quando aplicada na vida comum. Agora está em 'moda&quo... Labels Brasil (169) aborto (149) Vídeo (94) Comunismo (91) Mundo (81) Plinio Corrêa de Oliveira (59) Perseguição Religiosa (58) Revolução Homossexual (57) Catolicismo (56) Lula (45) PT (45) Revolução Cultural (44) Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (43) Dilma (41) França (38) Família (33) EUA (31) Esquerda (30) TFP (30) Nobreza (28) Fotos (27) Charge (26) Casamento Homossexual (25) PNDH (24) ReligiosaInternacional (24) Cristofobia (23) Educação (23) Eleições Brasil (23) Feministas (23) Dom Bertrand (22) Ecologismo (22) Cultura (21) Polônia (21) China (20) Conservadorismo (19) Cuba (19) IPCO (19) STF (19) blasfêmia (19) Igreja Católica (18) ReligiosaNacional (18) Indigenismo (17) Música Erudita (17) Censura (16) Monarquia (16) Papa (16) Bento XVI (15) Filmes (15) História (15) Inglaterra (15) Lei da Homofobia (14) Lei da Palmada (14) Rússia (14) Socialismo (14) Enquete (13) ditadura (13) CNBB (12) Cruzada pela Família (12) Direita (12) Ideologia do gênero (12) Igualitarismo (12) Ivan Rafael de Oliveira (12) Marxismo (12) PL 7.672 (12) Palestra (12) Perseguição Política (12) Progressismo Católico (12) União Européia (12) MST (11) ONU (11) PLC 122/2006 (11) Venezuela (11) Cháves (10) Colômbia (10) Itália (10) MEC (10) Paes de Lira (10) Revolução Francesa (10) Crise Familiar (9) Células-tronco (9) Código Penal (9) Droga (9) Islamismo (9) Liberalismo (9) Livro (9) Militar (9) Música MP3 (9) Quiti Inguinoranssa (9) Terrorismo (9) reserva indígena Raposa Serra do Sol (9) Ambientalismo (8) Casamento Tradicional (8) Exército (8) FARC (8) Laicismo (8) Livraria Petrus (8) Nazismo (8) Nossa Senhora (8) Psicose Ambientalista (8) Quem está na foto (8) Senado (8) Subsidiariedade (8) Teologia da Libertação (8) Top Blog 2011 (8) URSS (8) Canto Gregoriano (7) Chavez (7) Cortesia (7) Direitos Humanos (7) Eco-terrorismo (7) Espanha (7) Família Real Inglesa (7) Fidel Castro (7) Internet (7) Marx (7) PSDB (7) Chant grégorien (6) Chorał gregoriański (6) Dom Luiz de Orleans e Bragança (6) Eleições EUA (6) Evo Morales (6) Família Real Brasileira (6) Gregorian chant (6) Gregorianischer Choral (6) Maconha (6) Muçulmanos (6) Papa Francisco (6) Raúl Castro (6) 'casamento' homossexual (5) Agronegócio (5) Alemanha (5) Ancien Régime (5) Aquecimento Global (5) Dom Luiz Bergonzini (5) Eutanásia (5) FUNAI (5) Hitler (5) Marcha contra o aborto (5) Moral (5) México (5) Putin (5) Revolução (5) Roberto De Mattei (5) Serra (5) natal (5) Amazônia (4) Anarquismo (4) Anencefalia (4) Bolivarianismo (4) CIMI (4) Criminalidade (4) Crucifixos (4) Curitiba (4) Desarmamento (4) Ditadura da Tolerância (4) Europa (4) FHC (4) Idade Média (4) Imprensa (4) Infanticídio (4) Mozart (4) Obama (4) Padre Lodi (4) Paquistão (4) Paulo Vannuchi (4) Por uma vida melhor (4) Portugal (4) Princesa Isabel (4) Profanação (4) Reforma Agrária (4) SBT (4) Tráfico de Drogas (4) Uribe (4) Vaticano II (4) Walesa (4) Zelaya (4) ACI (3) Adoção de crianças por homossexuais (3) Autogestão (3) Band (3) Bolívia (3) CPI do aborto (3) Cesare Battisti (3) Comunismo e a Igreja (3) Conclave (3) Cruzada (3) DEM (3) Diverso (3) Documentário (3) Doutrina Católica (3) Embrapa (3) Engels (3) Esquerda-Católica (3) Estados Unidos (3) Guerra (3) Homeschooling (3) Honduras (3) Inquisição (3) Irlanda (3) Japão (3) KGB (3) Katyn (3) March For Life (3) Moda (3) Modernismo (3) Mãe (3) Métodos de aborto (3) Mídia (3) OEA (3) PMDB (3) Relativismo (3) Repercussão (3) Revolução e Contra-Revolução (3) STJ (3) Segunda Guerra Mundial (3) Socialistas (3) Top Blog 2012 (3) UnB (3) Vietnã (3) eugenia (3) promiscuidade (3) ALN (2) Afeganistão (2) Alvaro Dias (2) Argentina (2) Asia Bibi Noreen (2) Ateísmo (2) Avenir de la Culture (2) Bach (2) Belle Époque (2) Boccherini (2) Brics (2) CQC (2) Campanha da Fraternidade (2) Chavismo (2) Chile (2) Comissão da Verdade (2) Controle Estatal (2) Criacionismo (2) Crise Econômica (2) Cristo Redentor (2) Código Florestal (2) Demagogia (2) Democracia (2) Denise Dias (2) Desconstrução da heteronormatividade (2) Download (2) Dr. Evaristo Eduardo de Miranda (2) Entrevista ao Jornal do Commercio (2) Equador (2) Eslováquia (2) Evolucionismo (2) Frases antigas (2) Frei Betto (2) Genocídio (2) Gorbachev (2) Gripe Suína (2) Havaianas (2) Haydn (2) Human Life International (2) Hungria (2) Igreja (2) Impostos (2) Iraque (2) José Serra (2) Leonardo Boff (2) Liberdade de Expressão (2) Liechtenstein (2) Lituânia (2) Marcha da Maconha (2) Mario Vargas Llosa (2) Matrimônio (2) Ministério Público Federal (2) Ministério da Saúde (2) Nossa Senhora de Fátima (2) Nosso Senhor (2) Parada Homossexual (2) Paz no Campo (2) Pe David Francisquini (2) Peru (2) Polidez (2) Politicamente correto (2) Polícia Federal (2) Polícia Militar (2) Preconceito Linguístico (2) Prof. Hermes Nery (2) Prof. Ives Gandra Martins (2) Prêmio (2) Rafael Bastos (2) Reação (2) Revolução semântica (2) Sorbonne (2) São Paulo (2) São Pio X (2) TJRS (2) TV (2) The Washington Times (2) Tribunal de Justiça da União Europeia (2) Twitter (2) Unesp (2) Videogame (2) Xadrez (2) ebook (2) mitos (2) Áustria (2) 11 de Setembro (1) APPs (1) Ahmadinejad (1) Aleijadinho (1) Aleksandr Dugin (1) Alexandre del Valle (1) Amor materno (1) Androgenismo (1) Annette Kirk (1) Armando Valladares (1) ArtPress (1) Arte Moderna (1) Artigos de São José (1) Auto-ajuda (1) Aústria (1) Bachelet (1) Bancoop (1) Batalha de Waterloo (1) Beethoven (1) Behaviorismo (1) Bielo-Rússia (1) Bienal (1) Bolivia (1) Bordeaux (1) Bruxaria (1) Burocracia (1) Buxtehude (1) CFM (1) CNA (1) CO2 (1) CPMF (1) Caminhada em Defesa da Vida (1) Canadá (1) Canudos (1) Canção Nova (1) Caos (1) Capelão (1) Capitalismo (1) Cardeal Burke (1) Carnaval (1) Católicas pelo direito de decidir (1) Celibato eclesiástico (1) Che Guevara (1) Chesterton (1) Chico Anysio (1) Ciência (1) Computador (1) Concílio Vaticano II (1) Confiança (1) Confisco Estatal (1) Conversão (1) Cordão da Mentira (1) Coronel John Ripley (1) Coronel Plazas (1) Correio do Brasil (1) Coréia do Norte (1) Costa Rica (1) Cristiano Magdi Allam (1) Cristina Kirchner (1) Cruz Vermelha (1) Cultura da Morte (1) Câmara dos Lordes (1) Câmara dos Vereadores de São Paulo (1) Círio de Nazaré (1) Cúpula das Américas (1) Cúpula dos Eleitores pelos Valores Morais (1) DCE (1) Damas de Branco (1) Daniel Ortega (1) Debate (1) Deepak Chopra (1) Dependência eletrônia (1) Desvendando o Mistério da Vida (1) Deveres dos Pais (1) Dicionário da Esquerda (1) Dinamarca (1) Ditadura Militar (1) Ditadura Online (1) Dom Aldo Pagotto (1) Dom Bergonzini (1) Dom Helder Camara (1) Dom José Cardoso Sobrinho (1) Dom Keller (1) Dom Orani Tempesta (1) Dom Orione (1) Dom Pedro II (1) Dom Thaddeus Ma Daqin (1) Dr. John Money (1) Ecumenismo (1) Egito (1) Elaine Sanceau (1) Elba Ramalho (1) Eleonora Menicucci (1) Elizabeth II (1) Encontro Nacional de Mulheres (1) Encíclica (1) Entrevista (1) Estado (1) Europa Oriental (1) Eurábia (1) Eusarianismo (1) Excomunhão (1) Facebook (1) Fernando Gabeira (1) Fernando Haddad (1) Fernando Henrique Cardoso (1) Filial Súplica (1) Fra Angelico (1) Frederic Skinner (1) Freud (1) Fundamentalismo (1) Furação (1) Fórum Social de Porto Alegre (1) Geraldo Alckmin (1) Geração T (1) Gramsci (1) Greenpeace (1) Guerra Civil Espanhola (1) Handel (1) Henrique IV (1) História Soviética (1) Holanda (1) Hollywood (1) Honra (1) IG (1) Imoralidade (1) India (1) Indignados (1) Indíos (1) Infanticídio Indigêna (1) Intelligent Design (1) Invenções (1) Irmandade Mulçumana (1) Irã (1) Israel (1) Iwo Jima (1) JMJ (1) Jean Ormesson (1) Jesuítas (1) John Watson (1) Jorge Scala (1) Jornal da Massa (1) José Dirceu (1) Judiciário (1) Kadafi (1) La Fontaine (1) Lael Varela (1) Lavras (1) Leah Libresco (1) Legião Espanhola (1) Legião Extrangeira (1) Lenise Garcia (1) Leopold Mozart (1) Leão XIII (1) Liberdade (1) Life Site News (1) Lobby homossexual (1) Luiz Felipe Pondé (1) M-19 (1) MLP (1) Madame Nhu (1) Marcha dos Excluídos (1) Marco Civil da Internet (1) Marine Le Pen (1) Massacre dos Inocentes (1) Medicina (1) Menoridade penal (1) Mensalão (1) Michael Sata (1) Ministério Público Eleitoral (1) Ministério da Cultura (1) Moloch (1) Mons. Juan Claudio Sanahuja (1) Monsenhor Juan Claudio Sanahuja (1) Mulher no exército (1) Muro de Berlim (1) Myrian Rios (1) Mártires (1) Médicos Cubanos (1) Música (1) Navegações (1) Nepal (1) Nicolás Maduro (1) Nossa Senhora Aparecida (1) Nova Era (1) Novela (1) Offline (1) Operação K (1) Orquestra (1) PC do B (1) PSB (1) Padre Paulo Ricardo (1) Pais de Família (1) Palavra Talismã (1) Palestina (1) Palocci (1) Parlamento Europeu (1) Parto Anônimo (1) Pastoral da Juventude (1) Patrulha Virtual (1) Pe. Anderson Alves (1) Pe. Paulo Ricardo (1) Pedagogia (1) Peluso (1) Pensamentos (1) Pepinos Assassinos (1) Peter Fletscher (1) Platão (1) Policia Militar (1) Politologia (1) Política (1) Presépio (1) Profecia (1) Progresso (1) Prostituição (1) Psicanálise (1) Pílula do Dia Seguinte (1) Quatro Estações (1) Rachel Sheherazade (1) Rainha Sofia (1) Reacionário (1) Realidade Virtual (1) Regime comunista Tcheco (1) República (1) República Tcheca (1) República Universal (1) Revista Catolicismo (1) Rick Santorum (1) Rio +20 (1) Rock (1) Roda dos Expostos (1) Russell Kirk (1) Russomano (1) SUS (1) Sans-culotte (1) Santa Faustina (1) Santo Agostinho (1) Santuário de Kraliky (1) Segurança Pública (1) Semana Santa (1) Shahbaz Bhatti (1) Sharia (1) Sinfonia dos Brinquedos (1) Skinner-box (1) Sociologia (1) Soviet (1) Soviet Story (1) Stalin (1) Stauffenberg (1) Suiá Missú (1) Suécia (1) Svetlana (1) São Pedro (1) São Tomás de Aquino (1) TCU (1) Tchecoslováquia (1) Tecnologia (1) Teodoro Roosevelt (1) Terrorismo midiático (1) Tornado (1) Tradicionalismo (1) Tradição (1) Tsunami (1) Tulipas (1) Turquia (1) Tártaros (1) UNE (1) USP (1) Ucrânia (1) Vannuchi (1) Vasco da Gama (1) Veja (1) Vice-Almirante Luiz Guilherme Sá de Gusmão (1) Videogames (1) Vinho (1) Vivaldi (1) Vícios (1) Víde (1) Zubin Mehta (1) Zâmbia (1) alarmismo (1) apocalipse (1) conto (1) crucifixo (1) desmatamento (1) energias alternativas (1) fascismo (1) jousting (1) justa (1) mares (1) medieval (1) panteismo (1) petróleo (1) pornografia (1) psicologia (1) África (1) Arquivo do Blog ▼ 2015 (17) ▼ Setembro (1) Ideologia de Gênero na prática: saia para homens ► Agosto (1) ► Junho (6) ► Maio (4) ► Abril (2) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (1) ► 2014 (13) ► Dezembro (1) ► Outubro (1) ► Setembro (2) ► Agosto (2) ► Junho (2) ► Abril (1) ► Março (1) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (1) ► 2013 (87) ► Dezembro (2) ► Novembro (1) ► Outubro (2) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (8) ► Junho (13) ► Maio (8) ► Abril (15) ► Março (8) ► Fevereiro (11) ► Janeiro (14) ► 2012 (149) ► Dezembro (6) ► Novembro (13) ► Outubro (14) ► Setembro (21) ► Agosto (19) ► Julho (15) ► Junho (4) ► Maio (7) ► Abril (17) ► Março (21) ► Fevereiro (9) ► Janeiro (3) ► 2011 (244) ► Dezembro (20) ► Novembro (25) ► Outubro (37) ► Setembro (32) ► Agosto (25) ► Julho (17) ► Junho (25) ► Maio (45) ► Abril (7) ► Março (5) ► Fevereiro (5) ► Janeiro (1) ► 2010 (107) ► Dezembro (7) ► Novembro (16) ► Outubro (20) ► Setembro (3) ► Agosto (5) ► Julho (3) ► Junho (1) ► Maio (7) ► Abril (15) ► Março (22) ► Fevereiro (6) ► Janeiro (2) ► 2009 (45) ► Dezembro (1) ► Novembro (6) ► Outubro (2) ► Setembro (6) ► Agosto (5) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (5) ► Abril (3) ► Março (3) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (8) ► 2008 (110) ► Dezembro (1) ► Novembro (4) ► Outubro (5) ► Setembro (3) ► Agosto (17) ► Julho (6) ► Junho (24) ► Maio (50) ► 2007 (9) ► Dezembro (1) ► Agosto (1) ► Maio (1) ► Abril (3) ► Março (1) ► Fevereiro (1) ► Janeiro (1) ► 2006 (59) ► Dezembro (3) ► Novembro (17) ► Outubro (8) ► Agosto (3) ► Julho (13) ► Junho (3) ► Maio (6) ► Março (3) ► Fevereiro (3) Editores +Lidas +Comentadas Editores Edson Oliveira Visualizar meu perfil completo Postagens populares Maconha prejudica a memória e a inteligência especialmente em adolescentes, revela pesquisa Ouça As Quatro Estações de Vivaldi Maconha não pode ser considerada como “droga leve” Frases Antigas Luz sobre a Idade Média (Régine Pernoud) - Download ebook A história da imagem de Nossa Senhora da Luz e a fundação de Curitiba Leopold Mozart, Sinfonia dos Brinquedos (Primeiro movimento) Grupo homossexual agride jovens católicos em Curitiba Ideologia de Gênero: Revolução Semântica e a experiência, estilo Auschwitz, de John Money “Chega de igualdade! Mulher não dá para ser soldado!” – diz capitã dos Marines Mais comentadas Sobre Idade Média Contos e lendas da Era Medieval A Ponte do Diabo de Thueyts Há 3 dias Orações e milagres medievais O que falavam a mula e o boi há dois mil anos – Conto de Natal Há uma semana As Cruzadas Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Heróis medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Jóias e símbolos medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas A cidade medieval Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Idade Média * Glória da Idade Média Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Castelos medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Catolicismo Família e Cultura As chamas do lar católico Pré-venda – A Arte das Letras: Livro Há uma semana Blog da Família A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Há 2 semanas Valores inegociáveis Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Teus Vestidos Canal: Do Fundo do Armário (costurar as próprias roupas) Há 9 meses Esposa, Mãe e Dona do Lar Info Mesin Kita Berita Informasi Mesin Disekitar Kita Há um ano Maria Santíssima e Modéstia 日程調整 Há 3 anos Mãe Cristã O sacramento do Matrimônio — III Há 6 anos Maria Rosa Homens preferem mulheres com pouca maquiagem Há 7 anos Educação Cristã e Família Mulher Católica Blogs Políticos Blogs Interessantes GPS do Agronegócio Batalha de Porto Alegre - Acidente com cubanos sacode o continente/ Papa Francisco/ Mapuches... Há 24 minutos Las Españas - Una Corona - Varios Reinos Trump arrive à savoir qui est juif d’une manière impressionnante Há 22 horas A Aparição de La Salette e suas Profecias Como reconheceremos o enviado de Deus para nos salvar? Há 2 dias Ciência confirma a Igreja Os nomes do Zodíaco: indício da união inicial dos homens e de sua posterior dispersão? Há uma semana Wandererfahrungen São Paulo 11. Dezember Há uma semana Verde: a cor nova do comunismo Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Luz de Cristo x trevas da irracionalidade Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Luzes de Esperança Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Lourdes e suas aparições Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Monarquia Já Falece a Princesa Dona Isabel de Orleans e Bragança Há 2 meses O Pica-Pau Nossa Senhora e Buda no mesmo altar! Pastoral ou autodemolição? Há 2 meses Nadando contra a Maré... Vermelha A Revolução Alternativa e Revolução das Massas. Há 2 meses Radar da mídia “Pray for Barcelona!” Há 4 meses Pense nisso! Por que não se fala de Fátima? Há 6 meses O Combate Ordem de Malta e os cavaleiros de São João Há um ano Comenta-se por aí... Ação popular que dissolveu a URSS e seus satélites comunistas no século XX Há 2 anos Acarajé Conservador A ascensão do ISIL e a atual crise do Oriente Médio Há 3 anos AGÊNCIA BOA IMPRENSA COMUNICADO Há 4 anos Associação Cristo Rei de Cultura e Civismo Carta aberta aos Reverendíssimos Padres da Diocese de Toledo-PR. Há 4 anos BLOG 7 Dias em Revista O Espírito Santo e o Conclave Há 4 anos Contra Revolução casacompimentaloja Há 5 anos Leituras Católicas ALERTA GERAL! O PLC 122 pode ir para votação no dia 8 Há 6 anos visaoemcliques.blogspot.com Pela Legítima Defesa Frente Universitária e Estudantil Lepanto Paz no Campo Padre David Francisquini Catolicismo Inteligente Blog Sou Conservador Sim, e daí? Quem Somos Links Interessantes Nosso Patrono Powered by Blogger Prêmios Referências Instituto Plinio Corrêa de Oliveira TFP.org Fédération Pro Europa Christiana Talpa brusseliensis christiana Destaque Vídeos Músicas Eruditas Canto Gregoriano Documentários Design por Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | cna certification



https://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_de_classifica%C3%A7%C3%A3o_APG_II
  Sistema APG II – Wikipédia, a enciclopédia livre Sistema APG II Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de Sistema de classificação APG II ) Ir para: navegação , pesquisa O Sistema de classificação APG II , sucessor do Sistema APG de 1998 , foi um sistema para a classificação das angiospermas – segundo critérios filogenéticos -, publicado em 2003 por um vasto grupo de pesquisadores ... ordem da APG foi fundida ou fracionada, e nenhuma família foi transferida de uma ordem para outra. Exceto a família Oncothecaceae , que foi movida da ordem Garryales para euasterídeas I sem atribuir a uma ... rosídeas e asterídeas. Na categoria família, várias foram “sinonimializadas” ou recircunscritas ... as circunscrições. *=família nova (mudada após a classificação APG). =ordem nova (mudada após a classificação ... [ editar | editar código-fonte ] ordem Amborellales família Amborellaceae Pichon (1948) ordem CACHE

Sistema APG II – Wikipédia, a enciclopédia livre Sistema APG II Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de Sistema de classificação APG II ) Ir para: navegação , pesquisa O Sistema de classificação APG II , sucessor do Sistema APG de 1998 , foi um sistema para a classificação das angiospermas – segundo critérios filogenéticos -, publicado em 2003 por um vasto grupo de pesquisadores que se autodenominou ' APG II ' (do inglês Angiosperm Phylogeny Group , Grupo para a Filogenia das Angiospermas). [ 1 ] Este sistema de classificação das angiospermas é marcadamente diferente dos anteriores, 'tradicionais' e baseados em critérios morfológicos . O sistema ainda está em pleno desenvolvimento e evolução, sendo revisado constantemente, pois muitos nodos da filogenia são de conhecimento muito recente (por exemplo, que Amborella é uma angiosperma basal) e outros não apresentam ainda um posicionamento cladístico concreto. Como particularidade, este sistema só engloba categorias taxonômicas desde as espécies até as ordens , e não caracteriza táxons acima da ordem. Os grupos considerados 'categoricamente superiores' são denominados com nomes 'informais' (não sujeitos ao Código Internacional de Nomenclatura Botânica ), sendo mais apropriado denominá-los de clados em vez de 'taxons'. Os grupos principais de clados (não táxons) são os seguintes: angiospermas : magnoliídeas monocotiledôneas commelinídeas eudicotiledôneas Núcleo eudicotiledôneas rosídeas eurosídeas I eurosídeas II asterídeas euasterídeas I euasterídeas II Índice 1 Resumo 2 Clado Angiospermas 2.1 Angiospermas basais 2.1.1 Grado ANITA 2.1.2 Clado Magnoliídeas 2.1.3 Ordens adicionais de angiospermas basais 2.2 Monocotiledôneas 2.2.1 Monocotiledóneas basais 2.2.2 Clado Commelinídeas 3 Eudicotiledôneas (com pólen tricolpado) 3.1 Ordens e Famílias 3.2 Eudicotiledôneas Núcleo 3.2.1 Rosídeas 3.2.1.1 Ordens e Famílias 3.2.1.2 Eurosídeas I 3.2.1.3 Eurosídeas II 3.2.2 Asterídeas 3.2.2.1 Ordens e Famílias 3.2.2.2 Euasterídeas I 3.2.2.3 Euasterídeas II 4 Taxa com posições incertas (Eudicotiledôneas na maior parte) 5 Ligações externas 6 Cladograma 7 Referências Resumo [ editar | editar código-fonte ] O sistema APG II é uma versão atualizada do sistema APG de 1998 , atualização motividada pelos avanços ocorridos em 5 anos no conhecimento sobre a filogenia das angiospermas. Isto provocou várias mudanças na circunscrição familiar e na classificação, inclusive com a adição de algumas novas ordens. Em geral, o APG adotou uma aproximação conservadora e propôs somente mudanças no sistema APG 1998 quando havia uma evidência substancial que suportasse uma revisão da classificação. Assim: Se reconheceu cinco ordens adicionais: Austrobaileyales , Canellales , Celastrales , Crossosomatales e Gunnerales . Estes representam grupos monofiléticos bem sustentados de famílias não classificadas numa ordem no sistema APG'98. A circunscrição das ordens da APG somente foram mudadas para adicionar um número de famílias não classificadas numa ordem na APG’98, ou foram elevados para incluir grupos irmãos. Nenhuma ordem da APG foi fundida ou fracionada, e nenhuma família foi transferida de uma ordem para outra. Exceto a família Oncothecaceae , que foi movida da ordem Garryales para euasterídeas I sem atribuir a uma ordem. O sistema APG II mostra um melhor conhecimento das inter-relações entre as ordens e algumas das famílias não classificadas do que o sistema APG I, entretanto são incertas as relações entre as ordens maiores de monocotiledôneas e eudicotiledôneas nucleares, e parcialmente entre as ordens de rosídeas e asterídeas. Na categoria família, várias foram “sinonimializadas” ou recircunscritas (especialmente famílias das ordens Asparagales , Malpighiales e Lamiales ), porém somente quando foi necessário para preservar a monofilia e evitar redundâncias taxonômicas. Poucas famílias, segundo os conhecimentos disponíveis sobre as relações entre gêneros, as sinonímias foram restabelecidas. Em alguns casos, as famílias são listadas entre colchetes, indicando a possibilidade de alternar as circunscrições. *=família nova (mudada após a classificação APG). =ordem nova (mudada após a classificação APG). §=circunscrição nova As famílias em '[...]' são alternativas aceitáveis e monofiléticas . Podem ser utilizadas, opcionalmente, em lugar da definição lato sensu preferida aqui. Clado Angiospermas [ editar | editar código-fonte ] Angiospermas basais [ editar | editar código-fonte ] Grado ANITA [ editar | editar código-fonte ] ordem Amborellales família Amborellaceae Pichon (1948) ordem Nymphaeales família Nymphaeaceae Salisb. (1805) [+ família Cabombaceae Rich. ex. A.Rich. (1822)] ordem Austrobaileyales Takht. ex. Reveal (1992) família $ Schisandraceae Blume (1830) [+ família Illiciaceae A.C.Sm. (1947)] família Trimeniaceae L.S.Gibbs (1917) família Austrobaileyaceae (Croizat) Croizat (1943) Clado Magnoliídeas [ editar | editar código-fonte ] ordem Canellales Cronquist (1957) família Canellaceae Mart. (1832) família Winteraceae R.Br. ex Lindl. (1830) ordem Laurales Perleb (1826) família Atherospermataceae R.Br. (1814) família Calycanthaceae Lindl. (1819) família Gomortegaceae Reiche (1896) família Hernandiaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Lauraceae Juss. (1789) família Monimiaceae Juss. (1809) família Siparunaceae (A.DC.) Schodde 1970 ordem Magnoliales Bromhead (1838) família Annonaceae Juss. (1789) família Degeneriaceae I.W.Bailey & A.C.Sm. (1942) família Eupomatiaceae Endl. (1841) família Himantandraceae Diels (1917) família Magnoliaceae Juss. (1789) família Myristicaceae R.Br. (1810) ordem Piperales Dumort. (1829) família Aristolochiaceae Juss. (1789) família * Hydnoraceae C.Agardh (1821) família Lactoridaceae Engl. (1888) família Piperaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Saururaceae Martynov (1820) Ordens adicionais de angiospermas basais [ editar | editar código-fonte ] ordem Chloranthales família Chloranthaceae R.Br. ex. Sims (1820) ordem Ceratophyllales Bisch. (1839) família Ceratophyllaceae Gray (1821 Monocotiledôneas [ editar | editar código-fonte ] Monocotiledóneas basais [ editar | editar código-fonte ] ordem Petrosaviales família $ Petrosaviaceae Hutch. (1934) ordem Acorales Reveal (1996) família Acoraceae Martynov (1820) ordem Alismatales Dumort. (1829) família Alismataceae Vent. (1799) família Aponogetonaceae J.Agardh (1858) família Araceae Juss. (1789) família Butomaceae Mirb. (1804) família Cymodoceaceae N.Taylor (1909) família Hydrocharitaceae Juss. (1789) família Juncaginaceae Rich. (1808) família Limnocharitaceae Takht. ex Cronquist (1981) família Posidoniaceae Hutch. (1934) família Potamogetonaceae Rchb. (1828) família Ruppiaceae Horan. (1834) família Scheuchzeriaceae F.Rudolphi (1830) família Tofieldiaceae Takht. (1995) família Zosteraceae Dumort. (1829) ordem Asparagales Bromhead (1838) família $ Alliaceae Batsch ex. Borkh. (1797) [+ família Agapanthaceae F.Voigt (1850)] [+ família Amaryllidaceae J.St.-Hil. (1805)] família $ Asparagaceae Juss. (1789) [+ família Agavaceae Dumort. (1829)] [+ família Aphyllanthaceae Burnett (1835)] [+ família Hesperocallidaceae Traub (1972)] [+ família Hyacinthaceae Batsch ex. Borkh. (1797)] [+ família Laxmanniaceae Bubani (1901)] [+ família Ruscaceae Spreng. (1826)] [+ família Themidaceae Salisb. (1866)] família Asteliaceae Dumort. (1829) família Blandfordiaceae R.Dahlgren & Clifford (1985) família Boryaceae (Baker) M.W.Chase, Rudall & Conran (1997) família Doryanthaceae R.Dahlgren & Clifford (1985) família Hypoxidaceae R.Br. (1814) família Iridaceae Juss. (1789) família Ixioliriaceae Nakai (1943) família Lanariaceae H.Huber ex R.Dahlgren & A.E. van Wyk (1988) família Orchidaceae Juss. (1789) família Tecophilaeaceae Leyb. (1862) família $ Xanthorrhoeaceae Dumort. (1829) [+ família Asphodelaceae Juss. (1789)] [+ família Hemerocallidaceae R.Br. (1810)] família Xeronemataceae M.W.Chase, Rudall & M.F.Fay (2001) ordem Dioscoreales Hook.f. (1873) família $ Burmanniaceae Blume (1827) família $ Dioscoreaceae R.Br. (1810) família Nartheciaceae Fr. ex Bjurzon (1846) ordem Liliales Perleb (1826) família Alstroemeriaceae Dumort. (1829) família Campynemataceae Dumort. (1829) família Colchicaceae DC. (1804), nom.cons. família * Corsiaceae Becc. (1878) família Liliaceae Juss. (1789) família Luzuriagaceae Lotsy (1911) família Melanthiaceae Batsch ex Borkh. (1796) família Philesiaceae Dumort. (1829) família Rhipogonaceae Conran & Clifford (1985) família Smilacaceae Vent. (1799) ordem Pandanales Lindl. (1833) família Cyclanthaceae Poit. ex A.Rich. (1824) família Pandanaceae R.Br. (1810) família Stemonaceae Caruel (1878) família * Triuridaceae Gardner (1843) família Velloziaceae Hook. (1827) Clado Commelinídeas [ editar | editar código-fonte ] família Dasypogonaceae Dumort. (1829) ordem Arecales Bromhead (1840) família Arecaceae Schultz Sch. (1832) ordem Commelinales Dumort. (1829) família Commelinaceae Mirb. (1804) família Haemodoraceae R.Br. (1810) família * Hanguanaceae Airy Shaw (1964) família Philydraceae Link (1821) família Pontederiaceae Kunth (1816) ordem Poales Small (1903) família Anarthriaceae D.F.Cutler & Airy Shaw (1965) família * Bromeliaceae Juss. (1789) família Centrolepidaceae Endl. (1836) família Cyperaceae Juss. (1789) família Ecdeiocoleaceae D.F.Cutler & Airy Shaw (1965) família Eriocaulaceae Martynov (1820) família Flagellariaceae Dumort. (1829) família Hydatellaceae U.Hamann (1976) família Joinvilleaceae Toml. & A.C. Sm. (1970) família Juncaceae Juss. (1789) família * Mayacaceae Kunth (1842) família Poaceae (R.Br.)Barnh.1895 família * Rapateaceae Dumort. (1829) família Restionaceae R.Br. (1810) família Sparganiaceae Hanin (1811) família $ Thurniaceae Engl. (1907) família Typhaceae Juss. (1789) família $ Xyridaceae C.Agardh (1823) ordem Zingiberales Griseb. (1854) família Cannaceae Juss. (1789) família Costaceae Nakai (1941) família Heliconiaceae Nakai (1941) família Lowiaceae Ridl. (1924) família Marantaceae R.Br. (1814) família Musaceae Juss. (1789) família Strelitziaceae Hutch. (1934) família Zingiberaceae Martynov (1820) Eudicotiledôneas (com pólen tricolpado) [ editar | editar código-fonte ] Ordens e Famílias [ editar | editar código-fonte ] família $ Buxaceae Dumort. (1822) [+ família Didymelaceae Leandri (1937)] família Sabiaceae Blume (1851) família Trochodendraceae Eichler (1865) [+ família Tetracentraceae A.C.Sm. (1945)] order Proteales Dumort. (1829) família Nelumbonaceae Bercht. & J.Presl (1820) família $ Proteaceae Juss. (1789) [+ família Platanaceae T.Lestib. (1826)] ordem Ranunculales Dumort. (1829) família Berberidaceae Juss. (1789) família Circaeasteraceae Hutch. (1926) [+ família Kingdoniaceae A.S.Foster ex Airy Shaw (1964)] família Eupteleaceae K.Wilh. (1910) família Lardizabalaceae R.Br. (1821) família Menispermaceae Juss. (1789) família Papaveraceae Juss. (1789) [+ família Fumariaceae Bercht. & J.Presl (1820)] [+ família Pteridophyllaceae (Murb.)Nakai ex Reveal & Hoogland (1991)] família Ranunculaceae Juss. (1789) Eudicotiledôneas Núcleo [ editar | editar código-fonte ] São dicotiledôneas com flores tetracíclicas (em geral: 4-5 sépalas, 4-5 pétalas, 4-10 estames, 2-5 carpelos) família Aextoxicaceae Engl. & Gilg (1920) família Berberidopsidaceae Takht. (1985) família Dilleniaceae Salisb. (1807) ordem Gunnerales Takht. ex Reveal (1992) família $ Gunneraceae Meisn. (1842) [+ família Myrothamnaceae Nied. (1891)] ordem Caryophyllales Perleb (1826) família Achatocarpaceae Heimerl. (1934) família Aizoaceae Martynov (1820) família Amaranthaceae Juss. (1789) família Ancistrocladaceae Planch. ex Walp. (1851) família Asteropeiaceae (Szyszyl.) Takht. ex Reveal & Hoogland (1990) família * Barbeuiaceae Nakai (1942) família Basellaceae Raf. (1837) família Cactaceae Juss. (1789) família Caryophyllaceae Juss. (1789) família Didiereaceae Radlk. (1896) família Dioncophyllaceae Airy Shaw (1952) família Droseraceae Salisb. (1808) família Drosophyllaceae Chrtek, Slavíková & Studnicka (1989) família Frankeniaceae Desv. (1817) família * Gisekiaceae Nakai (1942) família Halophytaceae A.Soriano (1984) família Molluginaceae Bartl. (1825) família Nepenthaceae Bercht.&J.Presl (1820) família Nyctaginaceae Juss. (1789) família Physenaceae Takht. (1985) família Phytolaccaceae R.Br. (1818) família Plumbaginaceae Juss. (1789) família Polygonaceae Juss. (1789) família Portulacaceae Juss. (1789) família Rhabdodendraceae Prance (1968) família Sarcobataceae Behnke (1997) família Simmondsiaceae Tiegh. (1899) família Stegnospermataceae Nakai (1942) família Tamaricaceae Bercht. & J.Presl (1820) ordem Santalales Dumort. (1829) família Olacaceae R.Br. (1818) família Opiliaceae Valeton (1886) família Loranthaceae Juss. (1808) família Misodendraceae J.Agardh (1858) família Santalaceae R.Br. (1810) ordem Saxifragales Dumort. (1829) família Altingiaceae Horan. (1843) família Aphanopetalaceae Doweld (2001) família Cercidiphyllaceae Engl. (1907) família Crassulaceae J.St.-Hil. (1805) família Daphniphyllaceae Müll.-Arg. (1869) família Grossulariaceae DC. (1805) família $ Haloragaceae R.Br. (1814) [+ família Penthoraceae Rydb. ex Britt. (1901)] [+ família Tetracarpaeaceae Nakai (1943)] família Hamamelidaceae R.Br. (1818) família $ Iteaceae J.Agardh (1858) [+ família Pterostemonaceae Small (1905)] família Paeoniaceae Raf. (1815) família Saxifragaceae Juss. (1789) Rosídeas [ editar | editar código-fonte ] Ordens e Famílias [ editar | editar código-fonte ] família Aphloiaceae Takht. (1985) família * Geissolomataceae Endl. (1841) família Ixerbaceae Griseb. (1854) família Picramniaceae Fernando & Quinn (1995) família * Strasburgeriaceae Soler. (1908) família * Vitaceae Juss. (1789) ordem Crossosomatales Takht. ex. Reveal (1993) família Crossosomataceae Engl. (1897) família Stachyuraceae J.Agardh (1858) família Staphyleaceae Martynov (1820) ordem Geraniales Dumort. (1829) família Geraniaceae Juss. (1789) [+ família Hypseocharitaceae Wedd. (1861)] família Ledocarpaceae Meyen (1834) família $ Melianthaceae Bercht. & J.Presl (1820) [+ família Francoaceae A.Juss. (1832)] família Vivianiaceae Klotzsch (1836) ordem Myrtales Rchb. (1828) família Alzateaceae S.A.Graham (1985) família Combretaceae R.Br. (1810) família Crypteroniaceae A.DC. (1868) família Heteropyxidaceae Engl. & Gilg (1920) família Lythraceae J.St.-Hil. (1805) família $ Melastomataceae Juss. (1789) [+ família Memecylaceae DC. (1827)] família Myrtaceae Juss. (1789) família Oliniaceae Arn. (1839) família Onagraceae Juss. (1789) família Penaeaceae Sweet ex. Guill. (1828) família Psiloxylaceae Croizat (1960) família Rhynchocalycaceae L.A.S.Johnson & B.G.Briggs (1985) família Vochysiaceae A.St.-Hil. (1820) Eurosídeas I [ editar | editar código-fonte ] família §* Zygophyllaceae R.Br. (1814) [+ família Krameriaceae Dumort. (1829)] família Huaceae A.Chev. (1947) ordem Celastrales Baskerville (1839) família $ Celastraceae R.Br. (1814) família Lepidobotryaceae J.Léonard (1950) família Parnassiaceae Martynov (1820) [+ família Lepuropetalaceae Nakai (1943)] ordem Cucurbitales Dumort. (1829) família Anisophylleaceae Ridl. (1922) família Begoniaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Coriariaceae DC. (1824) família Corynocarpaceae Engl. (1897) família Cucurbitaceae Juss. (1789) família Datiscaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Tetramelaceae Airy Shaw (1964) ordem Fabales Bromhead (1838) família Fabaceae Lindl. (1836) família Polygalaceae Hoffmanns. & Link (1809) família Quillajaceae D.Don (1831) família Surianaceae Arn. (1834) ordem Fagales Engl. (1892) família Betulaceae Gray (1821) família Casuarinaceae R.Br. (1814) família Fagaceae Dumort. (1829) família $ Juglandaceae DC. ex. Perleb (1818) [+ família Rhoipteleaceae Hand.-Mazz. (1932)] família Myricaceae A.Rich. ex. Kunth (1817) família Nothofagaceae Kuprian. (1962) família Ticodendraceae Gómez-Laur. & L.D.Gómez (1991) ordem Malpighiales Mart. (1835) família $ Achariaceae Harms (1897) família Balanopaceae Benth. & Hook.f. (1880) família * Bonnetiaceae (Bartl.) L. Beauv. ex. Nakai (1948) família Caryocaraceae Voigt (1845) família $ Chrysobalanaceae R.Br. (1818) [+ família Dichapetalaceae Baill. (1886)] [+ família Euphroniaceae Marc.-Berti (1989)] [+ família Trigoniaceae Endl. (1841)] família $ Clusiaceae Lindl. (1836) família * Ctenolophonaceae (H.Winkl.) Exell & Mendonça (1951) família * Elatinaceae Dumort. (1829) família $ Euphorbiaceae Juss. (1789) família Goupiaceae Miers (1862) família Humiriaceae A.Juss. (1829) família $ Hypericaceae Juss. (1789) família Irvingiaceae (Engl.) Exell & Mendonça (1951) família * Ixonanthaceae Planch. ex. Miq. (1858) família Lacistemataceae Mart. (1826) família $ Linaceae DC. ex. Perleb (1818) família * Lophopyxidaceae (Engl.) H.Pfeiff. (1951) família Malpighiaceae Juss. (1789) família $ Ochnaceae DC. (1811) [+ família Medusagynaceae Engl. & Gilg (1924)] [+ família Quiinaceae Choisy ex Engl. (1888)] família Pandaceae Engl. & Gilg (1912-13) família § Passifloraceae Juss. ex Roussel (1806) [+ família Malesherbiaceae D.Don (1827)] [+ família Turneraceae Kunth ex DC. (1828)] família * Peridiscaceae Kuhlm. (1950) família $ Phyllanthaceae Martynov (1820) família $ Picrodendraceae Small (1917) família* Podostemaceae Rich. ex. C. Agardh (1822) família Putranjivaceae Endl. (1841) família $ Rhizophoraceae Pers. (1807) [+ família Erythroxylaceae Kunth (1822)] família $ Salicaceae Mirb. (1815) família Violaceae Batsch (1802) ordem Oxalidales Heintze (1927) família $ Brunelliaceae Engl. (1897) família Cephalotaceae Dumort. (1829) família Connaraceae R.Br. (1818) família Cunoniaceae R.Br. (1814) família $ Elaeocarpaceae Juss. ex. DC. (1816) família Oxalidaceae R.Br. (1818) ordem Rosales Perleb (1826) família Barbeyaceae Rendle (1916) família $ Cannabaceae Martynov (1820) família Dirachmaceae Hutch. (1959) família Elaeagnaceae Juss. (1789) família Moraceae Link (1831) família Rhamnaceae Juss. (1789) família Rosaceae Juss. (1789) família Ulmaceae Mirb. (1815) família $ Urticaceae Juss. (1789) Eurosídeas II [ editar | editar código-fonte ] família Tapisciaceae (Pax) Takht. (1987) ordem Brassicales Bromhead (1838) família Akaniaceae Stapf (1912) [+ família Bretschneideraceae Engl. & Gilg (1924)] família Bataceae Perleb. (1838) família Brassicaceae Burnett (1835) família Caricaceae Dumort. (1829) família Emblingiaceae Airy Shaw (1964) família Gyrostemonaceae Endl. (1841) família Koeberliniaceae Engl. (1895) família Limnanthaceae R.Br. (1833) família Moringaceae Martynov (1820) família Pentadiplandraceae Hutch. & Dalziel (1928) família Resedaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Salvadoraceae Lindl. (1836) família Setchellanthaceae Iltis (1999) família Tovariaceae Pax (1891) família Tropaeolaceae Bercht. & J.Presl (1820) ordem Malvales Dumort. (1829) família $ Bixaceae Kunth (1822) [+ família Diegodendraceae Capuron (1964)] [+ família Cochlospermaceae Planch. (1847)] família Cistaceae Juss. (1789), nom.cons. família Dipterocarpaceae Blume (1825) família Malvaceae Juss. (1789) família Muntingiaceae C.Bayer, M.W.Chase & M.F.Fay (1998) família Neuradaceae Link (1831) família Sarcolaenaceae Caruel (1881) família Sphaerosepalaceae (Warb.) Tiegh. ex Bullock (1959) família $ Thymelaeaceae Juss. (1789) ordem Sapindales Dumort. (1829) família Anacardiaceae R.Br. (1818) família Biebersteiniaceae Endl. (1841) família Burseraceae Kunth (1824) família Kirkiaceae (Engl.) Takht. (1967) família Meliaceae Juss. (1789) família $ Nitrariaceae Bercht. & J.Presl (1820) [+ família Peganaceae (Engl.) Tieghm. ex Takht. (1987)] [+ família Tetradiclidaceae (Engl.) Takht. (1986)] família Rutaceae Juss. (1789) família Sapindaceae Juss. (1789) família Simaroubaceae DC. (1811) Asterídeas [ editar | editar código-fonte ] Ordens e Famílias [ editar | editar código-fonte ] ordem Cornales Dumort. (1829) família Cornaceae Dumort. (1829) [+ família Nyssaceae Juss. ex Dumort. (1829)] família Curtisiaceae (Engl.) Takht. (1987) família Grubbiaceae Endl. (1839) família Hydrangeaceae Dumort. (1829) família Hydrostachyaceae (Tul.) Engl. (1894) família Loasaceae Juss. (1804) ordem Ericales Dumort. (1829) família Actinidiaceae Gilg & Werderm. (1825) família Balsaminaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Clethraceae Klotzsch (1851) família Cyrillaceae Endl. (1841) família Diapensiaceae Lindl. (1836) família $ Ebenaceae Gürke (1891) família Ericaceae Juss. (1789) família Fouquieriaceae DC. (1828) família Lecythidaceae A.Rich. (1825) família Maesaceae (A.DC.) Anderb., B.Ståhl & Källersjö (2000) família Marcgraviaceae Juss. ex DC. (1816) família $ Myrsinaceae R.Br. (1810) família Pentaphylacaceae Engl. (1897) [+ família Ternstroemiaceae Mirb.ex.DC. (1816)] [+ família Sladeniaceae Airy Shaw (1964)] família Polemoniaceae Juss. (1789) família $ Primulaceae Batsch ex Borkh. (1797) família Roridulaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Sapotaceae Juss. (1789), nom.cons. família Sarraceniaceae Dumort. (1829) família $ Styracaceae DC. & Spreng. (1821) família Symplocaceae Desf. (1820) família $ Tetrameristaceae Hutch. (1959) [+ família Pellicieraceae (Triana & Planch.) L.Beauvis. ex Bullock (1959)] família Theaceae Mirb. ex Ker Gawl. (1816) família $ Theophrastaceae Link (1829) Euasterídeas I [ editar | editar código-fonte ] família Boraginaceae Juss. (1789) família §* Icacinaceae (Benth.)Miers (1851) família * Oncothecaceae Kobuski ex Airy Shaw (1964) família Vahliaceae Dandy (1959) ordem Garryales Lindl. (1846) família Eucommiaceae Engl. (1909) família $ Garryaceae Lindl. (1834) [+ família Aucubaceae J.Agardh (1858)] ordem Gentianales Lindl. (1833) família Apocynaceae Juss. (1789) família Gelsemiaceae (G.Don) Struwe & V.Albert (1995) família Gentianaceae Juss. (1789) família Loganiaceae R.Br. (1814) família Rubiaceae Juss. (1789) ordem Lamiales Bromhead (1838) família $ Acanthaceae Juss. (1789) família Bignoniaceae Juss. (1789) família Byblidaceae (Engl. & Gilg) Domin (1922) família Calceolariaceae (D.Don) Olmstead (2001) família * Carlemanniaceae Airy Shaw (1964) família Gesneriaceae Rich. & Juss. ex DC. (1816) família Lamiaceae Martynov (1820) família Lentibulariaceae Rich. (1808) família * Martyniaceae Horan. (1847) família Oleaceae Hoffmanns. & Link (1809) família Orobanchaceae Vent. (1799) família Paulowniaceae Nakai (1949) família Pedaliaceae R.Br. (1810) família $ Phrymaceae Schauer (1847) família $ Plantaginaceae Juss. (1789) família * Plocospermataceae Hutch. (1973) família Schlegeliaceae (A.H.Gentry) Reveal (1996) família $ Scrophulariaceae Juss. (1789) família Stilbaceae Kunth (1831) família Tetrachondraceae Wettst. (1924) família Verbenaceae J.St.-Hil. (1805) ordem Solanales Dumort. (1829) família Convolvulaceae Juss. (1789) família Hydroleaceae Bercht. & J.Presl (1820) família $ Montiniaceae Nakai (1943) família Solanaceae Juss. (1789) família Sphenocleaceae (Lindl.) Baskerville (1839) Euasterídeas II [ editar | editar código-fonte ] família Bruniaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Columelliaceae D.Don (1828) [+ família Desfontainiaceae Endl. (1841)] família Eremosynaceae Dandy (1959) família Escalloniaceae R.Br. ex Dumort. (1829) família Paracryphiaceae Airy Shaw (1964) família Polyosmaceae Blume (1851) família Sphenostemonaceae P.Royen & Airy Shaw (1972) família Tribelaceae Airy Shaw (1964) ordem Apiales Nakai (1930) família Apiaceae Lindl. (1836) família Araliaceae Juss. (1789) família Aralidiaceae Philipson & B.C.Stone (1980) família Griseliniaceae J.R.Forst. & G.Forst. ex A.Cunn. (1839) família Mackinlayaceae Doweld (2001) família Melanophyllaceae Takht. ex Airy Shaw (1972) família Myodocarpaceae Doweld (2001) família Pennantiaceae J.Agardh (1858) família Pittosporaceae R.Br. (1814) família Torricelliaceae Hu 1934) ordem Aquifoliales Senft (1856) família Aquifoliaceae DC. ex A.Rich. (1828) família Aquifoliaceae DC. ex A.Rich. (1828) *§ Cardiopteridaceae Blume (1847) família Helwingiaceae Decne. (1836) família Phyllonomaceae Small (1905) família $ Stemonuraceae (M.Roem.) Kårehed (2001) ordem Asterales Lindl. (1833) família Alseuosmiaceae Airy Shaw (1964) família Argophyllaceae (Engl.) Takht.1987 família Asteraceae Martynov (1820) família Calyceraceae R.Br. ex Rich. (1820) família $ Campanulaceae Juss. (1789) [+ família Lobeliaceae Juss. ex Bonpl. (1813)] família Goodeniaceae R.Br. (1810) família Menyanthaceae Bercht. & J.Presl (1820) família Pentaphragmataceae J.Agardh (1858) família Phellinaceae (Loes.) Takht. (1967) família $ Rousseaceae DC. (1839) família Stylidiaceae R.Br. (1810) [+ família Donatiaceae B.Chandler (1911)] ordem Dipsacales Dumort. (1829) família * Adoxaceae E.Mey. (1839) família $ Caprifoliaceae Juss. (1789) [+ família Diervillaceae (Raf.) Pyck (1998)] [+ família Dipsacaceae Juss. (1789)] [+ família Linnaeaceae (Raf.) Backlund (1998)] [+ família Morinaceae Raf. (1820)] [+ família Valerianaceae Batsch (1802)] Taxa com posições incertas (Eudicotiledôneas na maior parte) [ editar | editar código-fonte ] [Quand un genre est le genre type d'un nom de une famille, cette nom de famille est donné ici.] Aneulophus Benth. família Apodanthaceae van Tieghem ex Takhtajan in Takhtajan (1997) [trois genres] Bdallophyton Eichl. família Balanophoraceae Rich. (1822) Centroplacus Pierre Cynomorium L. [ Cynomoriaceae Lindl. (1833)] Cytinus L. [ Cytinaceae A.Rich. (1824)] Dipentodon Dunn [ Dipentodontaceae Merr. (1941)] Gumillea Ruiz & Pav. Hoplestigma Pierre [ Hoplestigmataceae Engl. & Gilg (1924)] Leptaulus Benth. Medusandra Brenan [ Medusandraceae Brenan (1952)] Metteniusa H.Karst. [ Metteniusaceae H.Karst. ex Schnizl. (1860-1870)] Mitrastema Makino [ Mitrastemonaceae Makino (1911)] Pottingeria Prain [ Pottingeriaceae (Engl.) Takht. (1987)] família Rafflesiaceae Dumort. (1829) [trois genres] Soyauxia Oliv. Trichostephanus Gilg Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] Site Oficial: http://www.mobot.org/MOBOT/Research/APweb/ Cladograma [ editar | editar código-fonte ] O cladograma mostra as relações, mas excluí os taxa não atribuídos a uma ordem angiospérmicas magnoliídeas monocotiledóneas comelinídeas eudicotiledóneas eudicotiledóneas nucleares rosídeas eurosídeas I eurosídeas II asterídeas euasterídeas I euasterídeas II Austrobaileyales Canellales Laurales Magnoliales Piperales Acorales Alismatales Asparagales Dioscoreales Liliales Pandanales Arecales Poales Commelinales Zingiberales Ranunculales Proteales Gunnerales Caryophyllales Santalales Saxifragales Crossosomatales Geraniales Celastrales Malpighiales Oxalidales Fabales Rosales Cucurbitales Fagales Myrtales Brassicales Malvales Sapindales Cornales Ericales Garryales Gentianales Lamiales Solanales Aquifoliales Apiales Asterales Dipsacales Referências ↑ Angiosperm Phylogeny Group (2003). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society 141(4): 399-436. doi: 10.1046/j.1095-8339.2003.t01-1-00158.x v • e Botânica Subdisciplinas da Botânica Etnobotânica Paleobotânica Palinologia Anatomia vegetal Ecologia vegetal Morfologia vegetal Fisiologia vegetal Dendrologia Dendrometria Plantas História evolutiva das plantas Algae Bryophyta Pteridophyta Gimnospermae Angiospermae Partes da planta Caule Estômato ou estoma Floema Flor Fruto Folha Madeira Meristema Raiz Xilema Biologia celular Célula vegetal Clorofila Cloroplasto Fitormônio ou hormona vegetal Fotossíntese Parede celular Plastídeo Transpiração Ciclo da vida Alternância de gerações Dioico Esporo Esporófito Gametófito Pólen Polinização Semente Taxonomia Nome botânico Nomenclatura botânica Herbário IAPT ICBN APG II APG III APG IV Species Plantarum Ecologia Defesa contra herbivoria Carnivoria Protocarnivoria Fitossociologia Fitocenose Síndrome floral Dispersão de sementes Categoria · Portal Botânica O Commons possui imagens e outras mídias sobre Sistema APG II Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Sistema_APG_II&oldid=47493033 ' Categoria : Sistemas de taxonomia vegetal Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Azərbaycanca Български Català Čeština Dansk English Español Suomi Français Galego עברית Hornjoserbsce Magyar Bahasa Indonesia Italiano 日本語 Basa Jawa 한국어 Македонски മലയാളം Bahasa Melayu Nederlands Norsk nynorsk Norsk Polski Русский Simple English Српски / srpski Svenska Türkçe Tiếng Việt 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 11h22min de 17 de dezembro de 2016. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Wikip%C3%A9dia%3AProjetos%2FPlantas%2FMagnoliopsida&action=edit
  A editar Wikipédia:Projetos/Plantas/Magnoliopsida – Wikipédia, a enciclopédia livre A editar Wikipédia:Projetos/Plantas/Magnoliopsida Ir para: navegação , pesquisa Você não está autenticado(a). Embora sua edição seja bem-vinda, o seu endereço IP será registado no histórico desta página. Pode ocultar o seu IP criando uma conta , com a qual passará a dispor de muitos outros benefícios . Verificação ... (dicotiledôneas com pólen monossulcado)== *: família ''[[Amborellaceae]]'' Pichon (1948) *: família ''[[Chloranthaceae]]'' R.Br. ex. Sims (1820) *: família ''[[Nymphaeaceae]]'' Salisb. (1805) *:: [+ família ''[[Cabombaceae]]'' Rich. ex. A.Rich. (1822)] * ordem ''[[Austrobaileyales]]'' Takht. ex. Reveal (1992) *: família ''[[Austrobaileyaceae]]'' (Croizat) Croizat (1943) *: família $''[[Schisandraceae]]'' Blume (1830) *:: [+ família ''[[Illiciaceae]]'' A.C.Sm. (1947)] *: família ''[[Trimeniaceae CACHE

A editar Wikipédia:Projetos/Plantas/Magnoliopsida – Wikipédia, a enciclopédia livre A editar Wikipédia:Projetos/Plantas/Magnoliopsida Ir para: navegação , pesquisa Você não está autenticado(a). Embora sua edição seja bem-vinda, o seu endereço IP será registado no histórico desta página. Pode ocultar o seu IP criando uma conta , com a qual passará a dispor de muitos outros benefícios . Verificação contra spam. Não preencha isto! ___NOTOC___ '''Sistema - APG II ---- '''Sistema APG II''' (2003) [publicado por] [[Angiosperm Philogeny Group]] em: :Angiosperm Phylogeny Group (2003). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. ''Botanical Journal of the Linnean Society'' '''141''': 399-436. (en ligne: [http://www.blackwell-synergy.com/links/doi/10.1046/j.1095-8339.2003.t01-1-00158.x/abstract Abstract] | [http://www.blackwell-synergy.com/links/doi/10.1046/j.1095-8339.2003.t01-1-00158.x/full/ (HTML)] | [http://www.blackwell-synergy.com/links/doi/10.1046/j.1095-8339.2003.t01-1-00158.x/pdf (PDF)]) [Os grupos principais (clades) são os seguintes:] *'''[[Angiospermas]] :''' *:'''Magnoliídeas''' *:'''Monocotiledôneas''' *::'''Commelinídeas''' *:'''Eudicotiledôneas''' *::'''Eudicotiledôneas Núcleo''' *:::'''Rosídeas''' *::::'''Eurosídeas I''' *::::'''Eurosídeas II''' *:::'''Asterídeas''' *::::'''Euasterídeas I''' *::::'''Euasterídeas II''' ---- .Legenda: ['''<nowiki>*</nowiki> = placement de cette famille nouveau''' (changé depuis la classification APG). ''' = ordem nouveau''' (changé depuis la classification APG). '''§ = circonscription nouveau''' (voir texte de APG II). Les familles en '[+ ...]' sont des alternatives acceptables et monophyletiques. Elles peuvent être utilizé, optionellement, au lieu de la circonscription lato sensu preferé ici.] ---- ==Ordens e Famílias de ancestrais divergentes (dicotiledôneas com pólen monossulcado)== *: família ''[[Amborellaceae]]'' Pichon (1948) *: família ''[[Chloranthaceae]]'' R.Br. ex. Sims (1820) *: família ''[[Nymphaeaceae]]'' Salisb. (1805) *:: [+ família ''[[Cabombaceae]]'' Rich. ex. A.Rich. (1822)] * ordem ''[[Austrobaileyales]]'' Takht. ex. Reveal (1992) *: família ''[[Austrobaileyaceae]]'' (Croizat) Croizat (1943) *: família $''[[Schisandraceae]]'' Blume (1830) *:: [+ família ''[[Illiciaceae]]'' A.C.Sm. (1947)] *: família ''[[Trimeniaceae]]'' L.S.Gibbs (1917) * ordem ''[[Ceratophyllales]]'' Bisch. (1839) *: família ''[[Ceratophyllaceae]]'' Gray (1821) [L' ordre ''Ceratophyllales'' est rattaché près à le base de dicotyledones vraies mais ce n'est pas part de dicotylédones vraies] ===Magnoliídeas=== * ordem ''[[Canellales]]'' Cronquist (1957) *: família ''[[Canellaceae]]'' Mart. (1832) *: família ''[[Winteraceae]]'' R.Br. ex Lindl. (1830) * ordem ''[[Laurales]]'' Perleb (1826) *: família ''[[Atherospermataceae]]'' R.Br. (1814) *: família ''[[Calycanthaceae]]'' Lindl. (1819) *: família ''[[Gomortegaceae]]'' Reiche (1896) *: família ''[[Hernandiaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Lauraceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Monimiaceae]]'' Juss. (1809) *: família ''[[Siparunaceae]]'' (A.DC.) Schodde 1970 * ordem ''[[Magnoliales]]'' Bromhead (1838) *: família ''[[Annonaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Degeneriaceae]]'' I.W.Bailey & A.C.Sm. (1942) *: família ''[[Eupomatiaceae]]'' Endl. (1841) *: família ''[[Himantandraceae]]'' Diels (1917) *: família ''[[Magnoliaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Myristicaceae]]'' R.Br. (1810) * ordem ''[[Piperales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Aristolochiaceae]]'' Juss. (1789) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Hydnoraceae]]'' C.Agardh (1821) *: família ''[[Lactoridaceae]]'' Engl. (1888) *: família ''[[Piperaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Saururaceae]]'' Martynov (1820) ==[[Monocotiledônea]]s== ===Ordens e Famílias=== *: família $''[[Petrosaviaceae]]'' Hutch. (1934) * ordem ''[[Acorales]]'' Reveal (1996) *: família ''[[Acoraceae]]'' Martynov (1820) * ordem ''[[Alismatales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Alismataceae]]'' Vent. (1799) *: família ''[[Aponogetonaceae]]'' J.Agardh (1858) *: família ''[[Araceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Butomaceae]]'' Mirb. (1804) *: família ''[[Cymodoceaceae]]'' N.Taylor (1909) *: família ''[[Hydrocharitaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Juncaginaceae]]'' Rich. (1808) *: família ''[[Limnocharitaceae]]'' Takht. ex Cronquist (1981) *: família ''[[Posidoniaceae]]'' Hutch. (1934) *: família ''[[Potamogetonaceae]]'' Rchb. (1828) *: família ''[[Ruppiaceae]]'' Horan. (1834) *: família ''[[Scheuchzeriaceae]]'' F.Rudolphi (1830) *: família ''[[Tofieldiaceae]]'' Takht. (1995) *: família ''[[Zosteraceae]]'' Dumort. (1829) * ordem ''[[Asparagales]]'' Bromhead (1838) *: família $''[[Alliaceae]]'' Batsch ex. Borkh. (1797) *:: [+ família ''[[Agapanthaceae]]'' F.Voigt (1850)] *:: [+ família ''[[Amaryllidaceae]]'' J.St.-Hil. (1805)] *: família $''[[Asparagaceae]]'' Juss. (1789) *:: [+ família ''[[Agavaceae]]'' Dumort. (1829)] *:: [+ família ''[[Aphyllanthaceae]]'' Burnett (1835)] *:: [+ família ''[[Hesperocallidaceae]]'' Traub (1972)] *:: [+ família ''[[Hyacinthaceae]]'' Batsch ex. Borkh. (1797)] *:: [+ família ''[[Laxmanniaceae]]'' Bubani (1901)] *:: [+ família ''[[Ruscaceae]]'' Spreng. (1826)] *:: [+ família ''[[Themidaceae]]'' Salisb. (1866)] *: família ''[[Asteliaceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Blandfordiaceae]]'' R.Dahlgren & Clifford (1985) *: família ''[[Boryaceae]]'' (Baker) M.W.Chase, Rudall & Conran (1997) *: família ''[[Doryanthaceae]]'' R.Dahlgren & Clifford (1985) *: família ''[[Hypoxidaceae]]'' R.Br. (1814) *: família ''[[Iridaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Ixioliriaceae]]'' Nakai (1943) *: família ''[[Lanariaceae]]'' H.Huber ex R.Dahlgren & A.E. van Wyk (1988) *: família ''[[Orchidaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Tecophilaeaceae]]'' Leyb. (1862) *: família $''[[Xanthorrhoeaceae]]'' Dumort. (1829) *:: [+ família ''[[Asphodelaceae]]'' Juss. (1789)] *:: [+ família ''[[Hemerocallidaceae]]'' R.Br. (1810)] *: família ''[[Xeronemataceae]]'' M.W.Chase, Rudall & M.F.Fay (2001) * ordem ''[[Dioscoreales]]'' Hook.f. (1873) *: família $''[[Burmanniaceae]]'' Blume (1827) *: família $''[[Dioscoreaceae]]'' R.Br. (1810) *: família ''[[Nartheciaceae]]'' Fr. ex Bjurzon (1846) * ordem ''[[Liliales]]'' Perleb (1826) *: família ''[[Alstroemeriaceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Campynemataceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Colchicaceae]]'' DC. (1804), nom.cons. *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Corsiaceae]]'' Becc. (1878) *: família ''[[Liliaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Luzuriagaceae]]'' Lotsy (1911) *: família ''[[Melanthiaceae]]'' Batsch ex Borkh. (1796) *: família ''[[Philesiaceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Ripogonaceae|Rhipogonaceae]]'' Conran & Clifford (1985) *: família ''[[Smilacaceae]]'' Vent. (1799) * ordem ''[[Pandanales]]'' Lindl. (1833) *: família ''[[Cyclanthaceae]]'' Poit. ex A.Rich. (1824) *: família ''[[Pandanaceae]]'' R.Br. (1810) *: família ''[[Stemonaceae]]'' Caruel (1878) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Triuridaceae]]'' Gardner (1843) *: família ''[[Velloziaceae]]'' Hook. (1827) ===<font id='Commelinids'>Commelinídeas</font>=== *: família ''[[Dasypogonaceae]]'' Dumort. (1829) * ordem ''[[Arecales]]'' Bromhead (1840) *: família ''[[Arecaceae]]'' Schultz Sch. (1832) * ordem ''[[Commelinales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Commelinaceae]]'' Mirb. (1804) *: família ''[[Haemodoraceae]]'' R.Br. (1810) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Hanguanaceae]]'' Airy Shaw (1964) *: família ''[[Philydraceae]]'' Link (1821) *: família ''[[Pontederiaceae]]'' Kunth (1816) * ordem ''[[Poales]]'' Small (1903) *: família ''[[Anarthriaceae]]'' D.F.Cutler & Airy Shaw (1965) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Bromeliaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Centrolepidaceae]]'' Endl. (1836) *: família ''[[Cyperaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Ecdeiocoleaceae]]'' D.F.Cutler & Airy Shaw (1965) *: família ''[[Eriocaulaceae]]'' Martynov (1820) *: família ''[[Flagellariaceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Hydatellaceae]]'' U.Hamann (1976) *: família ''[[Joinvilleaceae]]'' Toml. & A.C. Sm. (1970) *: família ''[[Juncaceae]]'' Juss. (1789) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Mayacaceae]]'' Kunth (1842) *: família ''[[Poaceae]]'' (R.Br.)Barnh.1895 *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Rapateaceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Restionaceae]]'' R.Br. (1810) *: família ''[[Sparganiaceae]]'' Hanin (1811) *: família $''[[Thurniaceae]]'' Engl. (1907) *: família ''[[Typhaceae]]'' Juss. (1789) *: família $''[[Xyridaceae]]'' C.Agardh (1823) * ordem ''[[Zingiberales]]'' Griseb. (1854) *: família ''[[Cannaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Costaceae]]'' Nakai (1941) *: família ''[[Heliconiaceae]]'' Nakai (1941) *: família ''[[Lowiaceae]]'' Ridl. (1924) *: família ''[[Marantaceae]]'' R.Br. (1814) *: família ''[[Musaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Strelitziaceae]]'' Hutch. (1934) *: família ''[[Zingiberaceae]]'' Martynov (1820) == [[Dicotiledônea|Eudicotiledôneas]]s (com [[pólen]] tricolpado) == ===Ordens e Famílias=== *: família $''[[Buxaceae]]'' Dumort. (1822) *:: [+ família ''[[Didymelaceae]]'' Leandri (1937)] *: família ''[[Sabiaceae]]'' Blume (1851) *: família ''[[Trochodendraceae]]'' Eichler (1865) *:: [+ família ''[[Tetracentraceae]]'' A.C.Sm. (1945)] * order ''[[Proteales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Nelumbonaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família $''[[Proteaceae]]'' Juss. (1789) *:: [+ família ''[[Platanaceae]]'' T.Lestib. (1826)] * ordem ''[[Ranunculales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Berberidaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Circaeasteraceae]]'' Hutch. (1926) *:: [+ família ''[[Kingdoniaceae]]'' A.S.Foster ex Airy Shaw (1964)] *: família ''[[Eupteleaceae]]'' K.Wilh. (1910) *: família ''[[Lardizabalaceae]]'' R.Br. (1821) *: família ''[[Menispermaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Papaveraceae]]'' Juss. (1789) *:: [+ família ''[[Fumariaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820)] *:: [+ família ''[[Pteridophyllaceae]]'' (Murb.)Nakai ex Reveal & Hoogland (1991)] *: família ''[[Ranunculaceae]]'' Juss. (1789) ===<font id='Core_Eudicots'>Eudicotiledôneas Núcleo</font>=== São dicotiledôneas com flores tetracíclicas (em geral : 4-5 sépalas, 4-5 pétalas, 4-10 estames, 2-5 carpelos) *: família ''[[Aextoxicaceae]]'' Engl. & Gilg (1920) *: família ''[[Berberidopsidaceae]]'' Takht. (1985) *: família ''[[Dilleniaceae]]'' Salisb. (1807) * orde ''[[Gunnerales]]'' Takht. ex Reveal (1992) *: família $''[[Gunneraceae]]'' Meisn. (1842) *:: [+ família ''[[Myrothamnaceae]]'' Nied. (1891)] * ordem ''[[Caryophyllales]]'' Perleb (1826) *: família ''[[Achatocarpaceae]]'' Heimerl. (1934) *: família ''[[Aizoaceae]]'' Martynov (1820) *: família ''[[Amaranthaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Ancistrocladaceae]]'' Planch. ex Walp. (1851) *: família ''[[Asteropeiaceae]]'' (Szyszyl.) Takht. ex Reveal & Hoogland (1990) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Barbeuiaceae]]'' Nakai (1942) *: família ''[[Basellaceae]]'' Raf. (1837) *: família ''[[Cactaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Caryophyllaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Didiereaceae]]'' Radlk. (1896) *: família ''[[Dioncophyllaceae]]'' Airy Shaw (1952) *: família ''[[Droseraceae]]'' Salisb. (1808) *: família ''[[Drosophyllaceae]]'' Chrtek, Slavíková & Studnicka (1989) *: família ''[[Frankeniaceae]]'' Desv. (1817) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Gisekiaceae]]'' Nakai (1942) *: família ''[[Halophytaceae]]'' A.Soriano (1984) *: família ''[[Molluginaceae]]'' Bartl. (1825) *: família ''[[Nepenthaceae]]'' Bercht.&J.Presl (1820) *: família ''[[Nyctaginaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Physenaceae]]'' Takht. (1985) *: família ''[[Phytolaccaceae]]'' R.Br. (1818) *: família ''[[Plumbaginaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Polygonaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Portulacaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Rhabdodendraceae]]'' Prance (1968) *: família ''[[Sarcobataceae]]'' Behnke (1997) *: família ''[[Simmondsiaceae]]'' Tiegh. (1899) *: família ''[[Stegnospermataceae]]'' Nakai (1942) *: família ''[[Tamaricaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) * ordem ''[[Santalales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Olacaceae]]'' R.Br. (1818) *: família ''[[Opiliaceae]]'' Valeton (1886) *: família ''[[Loranthaceae]]'' Juss. (1808) *: família ''[[Misodendraceae]]'' J.Agardh (1858) *: família ''[[Santalaceae]]'' R.Br. (1810) * ordem ''[[Saxifragales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Altingiaceae]]'' Horan. (1843) *: família ''[[Aphanopetalaceae]]'' Doweld (2001) *: família ''[[Cercidiphyllaceae]]'' Engl. (1907) *: família ''[[Crassulaceae]]'' J.St.-Hil. (1805) *: família ''[[Daphniphyllaceae]]'' Müll.-Arg. (1869) *: família ''[[Grossulariaceae]]'' DC. (1805) *: família $''[[Haloragaceae]]'' R.Br. (1814) *:: [+ família ''[[Penthoraceae]]'' Rydb. ex Britt. (1901)] *:: [+ família ''[[Tetracarpae]]'' aceae Nakai (1943)] *: família ''[[Hamamelidaceae]]'' R.Br. (1818) *: família $''[[Iteaceae]]'' J.Agardh (1858) *:: [+ família ''[[Pterostemonaceae]]'' Small (1905)] *: família ''[[Paeoniaceae]]'' Raf. (1815) *: família ''[[Saxifragaceae]]'' Juss. (1789) ====<font id='Rosids'>Rosídeas</font>==== =====Ordens e Famílias===== *: família ''[[Aphloiaceae]]'' Takht. (1985) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Geissolomataceae]]'' Endl. (1841) *: família ''[[Ixerbaceae]]'' Griseb. (1854) *: família ''[[Picramniaceae]]'' Fernando & Quinn (1995) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Strasburgeriaceae]]'' Soler. (1908) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Vitaceae]]'' Juss. (1789) * ordem ''[[Crossosomatales]]'' Takht. ex. Reveal (1993) *: família ''[[Crossosomataceae]]'' Engl. (1897) *: família ''[[Stachyuraceae]]'' J.Agardh (1858) *: família ''[[Staphyleaceae]]'' Martynov (1820) * ordem ''[[Geraniales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Geraniaceae]]'' Juss. (1789) *:: [+ família ''[[Hypseocharitaceae]]'' Wedd. (1861)] *: família ''[[Ledocarpaceae]]'' Meyen (1834) *: família $''[[Melianthaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *:: [+ família ''[[Francoaceae]]'' A.Juss. (1832)] *: família ''[[Vivianiaceae]]'' Klotzsch (1836) * ordem ''[[Myrtales]]'' Rchb. (1828) *: família ''[[Alzateaceae]]'' S.A.Graham (1985) *: família ''[[Combretaceae]]'' R.Br. (1810) *: família ''[[Crypteroniaceae]]'' A.DC. (1868) *: família ''[[Heteropyxidaceae]]'' Engl. & Gilg (1920) *: família ''[[Lythraceae]]'' J.St.-Hil. (1805) *: família $''[[Melastomataceae]]'' Juss. (1789) *:: [+ família ''[[Memecylaceae]]'' DC. (1827)] *: família ''[[Myrtaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Oliniaceae]]'' Arn. (1839) *: família ''[[Onagraceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Penaeaceae]]'' Sweet ex. Guill. (1828) *: família ''[[Psiloxylaceae]]'' Croizat (1960) *: família ''[[Rhynchocalycaceae]]'' L.A.S.Johnson & B.G.Briggs (1985) *: família ''[[Vochysiaceae]]'' A.St.-Hil. (1820) =====<font id='Eurosids_I'>Eurosídeas I</font>===== *: família §<nowiki>*</nowiki>''[[Zygophyllaceae]]'' R.Br. (1814) *:: [+ família ''[[Krameriaceae]]'' Dumort. (1829)] *: família ''[[Huaceae]]'' A.Chev. (1947) * ordem ''[[Celastrales]]'' Baskerville (1839) *: família $''[[Celastraceae]]'' R.Br. (1814) *: família ''[[Lepidobotryaceae]]'' J.Léonard (1950) *: família ''[[Parnassiaceae]]'' Martynov (1820) *:: [+ família ''[[Lepuropetalaceae]]'' Nakai (1943)] * ordem ''[[Cucurbitales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Anisophylleaceae]]'' Ridl. (1922) *: família ''[[Begoniaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Coriariaceae]]'' DC. (1824) *: família ''[[Corynocarpaceae]]'' Engl. (1897) *: família ''[[Cucurbitaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Datiscaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Tetramelaceae]]'' Airy Shaw (1964) * ordem ''[[Fabales]]'' Bromhead (1838) *: família ''[[Fabaceae]]'' Lindl. (1836) *: família ''[[Polygalaceae]]'' Hoffmanns. & Link (1809) *: família ''[[Quillajaceae]]'' D.Don (1831) *: família ''[[Surianaceae]]'' Arn. (1834) * ordem ''[[Fagales]]'' Engl. (1892) *: família ''[[Betulaceae]]'' Gray (1821) *: família ''[[Casuarinaceae]]'' R.Br. (1814) *: família ''[[Fagaceae]]'' Dumort. (1829) *: família $''[[Juglandaceae]]'' DC. ex. Perleb (1818) *:: [+ família ''[[Rhoipteleaceae]]'' Hand.-Mazz. (1932)] *: família ''[[Myricaceae]]'' A.Rich. ex. Kunth (1817) *: família ''[[Nothofagaceae]]'' Kuprian (1962) *: família ''[[Ticodendraceae]]'' Gómez-Laur. & L.D.Gómez (1991) * ordem ''[[Malpighiales]]'' Mart. (1835) *: família $''[[Achariaceae]]'' Harms (1897) *: família ''[[Balanopaceae]]'' Benth. & Hook.f. (1880) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Bonnetiaceae]]'' (Bartl.) L. Beauv. ex. Nakai (1948) *: família ''[[Caryocaraceae]]'' Voigt (1845) *: família $''[[Chrysobalanaceae]]'' R.Br. (1818) *:: [+ família ''[[Dichapetalaceae]]'' Baill. (1886)] *:: [+ família ''[[Euphroniaceae]]'' Marc.-Berti (1989)] *:: [+ família ''[[Trigoniaceae]]'' Endl. (1841)] *: família $''[[Clusiaceae]]'' Lindl. (1836) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Ctenolophonaceae]]'' (H.Winkl.) Exell & Mendonça (1951) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Elatinaceae]]'' Dumort. (1829) *: família $''[[Euphorbiaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Goupiaceae]]'' Miers (1862) *: família ''[[Humiriaceae]]'' A.Juss. (1829) *: família $''[[Hypericaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Irvingiaceae]]'' (Engl.) Exell & Mendonça (1951) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Ixonanthaceae]]'' Planch. ex. Miq. (1858) *: família ''[[Lacistemataceae]]'' Mart. (1826) *: família $''[[Linaceae]]'' DC. ex. Perleb (1818) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Lophopyxidaceae]]'' (Engl.) H.Pfeiff. (1951) *: família ''[[Malpighiaceae]]'' Juss. (1789) *: família $''[[Ochnaceae]]'' DC. (1811) *:: [+ família ''[[Medusagynaceae]]'' Engl. & Gilg (1924)] *:: [+ família ''[[Quiinaceae]]'' Choisy ex Engl. (1888)] *: família ''[[Pandaceae]]'' Engl. & Gilg (1912-13) *: família §''[[Passifloraceae]]'' Juss. ex Roussel (1806) *:: [+ família ''[[Malesherbiaceae]]'' D.Don (1827)] *:: [+ família ''[[Turneraceae]]'' Kunth ex DC. (1828)] *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Peridiscaceae]]'' Kuhlm. (1950) *: família $''[[Phyllanthaceae]]'' Martynov (1820) *: família $''[[Picrodendraceae]]'' Small (1917) *: família<nowiki>*</nowiki>''[[Podostemaceae]]'' Rich. ex. C. Agardh (1822) *: família ''[[Putranjivaceae]]'' Endl. (1841) *: família $''[[Rhizophoraceae]]'' Pers. (1807) *:: [+ família ''[[Erythroxylaceae]]'' Kunth (1822)] *: família $''[[Salicaceae]]'' Mirb. (1815) *: família ''[[Violaceae]]'' Batsch (1802) * ordem ''[[Oxalidales]]'' Heintze (1927) *: família $''[[Brunelliaceae]]'' Engl. (1897) *: família ''[[Cephalotaceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Connaraceae]]'' R.Br. (1818) *: família ''[[Cunoniaceae]]'' R.Br. (1814) *: família $''[[Elaeocarpaceae]]'' Juss. ex. DC. (1816) *: família ''[[Oxalidaceae]]'' R.Br. (1818) * ordem ''[[Rosales]]'' Perleb (1826) *: família ''[[Barbeyaceae]]'' Rendle (1916) *: família $''[[Cannabaceae]]'' Martynov (1820) *: família ''[[Dirachmaceae]]'' Hutch. (1959) *: família ''[[Elaeagnaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Moraceae]]'' Link (1831) *: família ''[[Rhamnaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Rosaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Ulmaceae]]'' Mirb. (1815) *: família $''[[Urticaceae]]'' Juss. (1789) =====<font id='Eurosids_II'>Eurosídeas II</font>===== *: família ''[[Tapisciaceae]]'' (Pax) Takht. (1987) * ordem ''[[Brassicales]]'' Bromhead (1838) *: família ''[[Akaniaceae]]'' Stapf (1912) *:: [+ família ''[[Bretschneideraceae]]'' Engl. & Gilg (1924)] *: família ''[[Bataceae]]'' Perleb. (1838) *: família ''[[Brassicaceae]]'' Burnett (1835) *: família ''[[Caricaceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Emblingiaceae]]'' Airy Shaw (1964) *: família ''[[Gyrostemonaceae]]'' Endl. (1841) *: família ''[[Koeberliniaceae]]'' Engl. (1895) *: família ''[[Limnanthaceae]]'' R.Br. (1833) *: família ''[[Moringaceae]]'' Martynov (1820) *: família ''[[Pentadiplandraceae]]'' Hutch. & Dalziel (1928) *: família ''[[Resedaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Salvadoraceae]]'' Lindl. (1836) *: família ''[[Setchellanthaceae]]'' Iltis (1999) *: família ''[[Tovariaceae]]'' Pax (1891) *: família ''[[Tropaeolaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) * ordem ''[[Malvales]]'' Dumort. (1829) *: família $''[[Bixaceae]]'' Kunth (1822) *:: [+ família ''[[Diegodendraceae]]'' Capuron (1964)] *:: [+ família ''[[Cochlospermaceae]]'' Planch. (1847)] *: família ''[[Cistaceae]]'' Juss. (1789), nom.cons. *: família ''[[Dipterocarpaceae]]'' Blume (1825) *: família ''[[Malvaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Muntingiaceae]]'' C.Bayer, M.W.Chase & M.F.Fay (1998) *: família ''[[Neuradaceae]]'' Link (1831) *: família ''[[Sarcolaenaceae]]'' Caruel (1881) *: família ''[[Sphaerosepalaceae]]'' (Warb.) Tiegh. ex Bullock (1959) *: família $''[[Thymelaeaceae]]'' Juss. (1789) * ordem ''[[Sapindales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Anacardiaceae]]'' R.Br. (1818) *: família ''[[Biebersteiniaceae]]'' Endl. (1841) *: família ''[[Burseraceae]]'' Kunth (1824) *: família ''[[Kirkiaceae]]'' (Engl.) Takht. (1967) *: família ''[[Meliaceae]]'' Juss. (1789) *: família $''[[Nitrariaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *:: [+ família ''[[Peganaceae]]'' (Engl.) Tieghm. ex Takht. (1987)] *:: [+ família ''[[Tetradiclidaceae]]'' (Engl.) Takht. (1986)] *: família ''[[Rutaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Sapindaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Simaroubaceae]]'' DC. (1811) ====<font id='Asterids'>Asterídeas</font>==== =====Ordens e Famílias===== * ordem ''[[Cornales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Cornaceae]]'' Dumort. (1829) *:: [+ família ''[[Nyssaceae]]'' Juss. ex Dumort. (1829)] *: família ''[[Curtisiaceae]]'' (Engl.) Takht. (1987) *: família ''[[Grubbiaceae]]'' Endl. (1839) *: família ''[[Hydrangeaceae]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Hydrostachyaceae]]'' (Tul.) Engl. (1894) *: família ''[[Loasaceae]]'' Juss. (1804) * ordem ''[[Ericales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Actinidiaceae]]'' Gilg & Werderm. (1825) *: família ''[[Balsaminaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Clethraceae]]'' Klotzsch (1851) *: família ''[[Cyrillaceae]]'' Endl. (1841) *: família ''[[Diapensiaceae]]'' Lindl. (1836) *: família $''[[Ebenaceae]]'' Gürke (1891) *: família ''[[Ericaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Fouquieriaceae]]'' DC. (1828) *: família ''[[Lecythidaceae]]'' A.Rich. (1825) *: família ''[[Maesaceae]]'' (A.DC.) Anderb., B.Ståhl & Källersjö (2000) *: família ''[[Marcgraviaceae]]'' Juss. ex DC. (1816) *: família $''[[Myrsinaceae]]'' R.Br. (1810) *: família ''[[Pentaphylacaceae]]'' Engl. (1897) *:: [+ família ''[[Ternstroemiaceae]]'' Mirb.ex.DC. (1816)] *:: [+ família ''[[Sladeniaceae]]'' Airy Shaw (1964)] *: família ''[[Polemoniaceae]]'' Juss. (1789) *: família $''[[Primulaceae]]'' Batsch ex Borkh. (1797) *: família ''[[Roridulaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Sapotaceae]]'' Juss. (1789), nom.cons. *: família ''[[Sarraceniaceae]]'' Dumort. (1829) *: família $''[[Styracaceae]]'' DC. & Spreng. (1821) *: família ''[[Symplocaceae]]'' Desf. (1820) *: família $''[[Tetrameristaceae]]'' Hutch. (1959) *:: [+ família ''[[Pellicieraceae]]'' (Triana & Planch.) L.Beauvis. ex Bullock (1959)] *: família ''[[Theaceae]]'' Mirb. ex Ker Gawl. (1816) *: família $''[[Theophrastaceae]]'' Link (1829) =====<font id='Euasterids_I'>Euasterídeas I</font>===== *: família ''[[Boraginaceae]]'' Juss. (1789) *: família §*''[[Icacinaceae]]'' (Benth.)Miers (1851) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Oncothecaceae]]'' Kobuski ex Airy Shaw (1964) *: família ''[[Vahliaceae]]'' Dandy (1959) * ordem ''[[Garryales]]'' Lindl. (1846) *: família ''[[Eucommiaceae]]'' Engl. (1909) *: família $''[[Garryaceae]]'' Lindl. (1834) *:: [+ família ''[[Aucubaceae]]'' J.Agardh (1858)] * ordem ''[[Gentianales]]'' Lindl. (1833) *: família ''[[Apocynaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Gelsemiaceae]]'' (G.Don) Struwe & V.Albert (1995) *: família ''[[Gentianaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Loganiaceae]]'' R.Br. (1814) *: família ''[[Rubiaceae]]'' Juss. (1789) * ordem ''[[Lamiales]]'' Bromhead (1838) *: família $''[[Acanthaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Bignoniaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Byblidaceae]]'' (Engl. & Gilg) Domin (1922) *: família ''[[Calceolariaceae]]'' (D.Don) Olmstead (2001) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Carlemanniaceae]]'' Airy Shaw (1964) *: família ''[[Gesneriaceae]]'' Rich. & Juss. ex DC. (1816) *: família ''[[Lamiaceae]]'' Martynov (1820) *: família ''[[Lentibulariaceae]]'' Rich. (1808) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Martyniaceae]]'' Horan. (1847) *: família ''[[Oleaceae]]'' Hoffmanns. & Link (1809) *: família ''[[Orobanchaceae]]'' Vent. (1799) *: família ''[[Paulowniaceae]]'' Nakai (1949) *: família ''[[Pedaliaceae]]'' R.Br. (1810) *: família $''[[Phrymaceae]]'' Schauer (1847) *: família $''[[Plantaginaceae]]'' Juss. (1789) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Plocospermataceae]]'' Hutch. (1973) *: família ''[[Schlegeliaceae]]'' (A.H.Gentry) Reveal (1996) *: família $''[[Scrophulariaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Stilbaceae]]'' Kunth (1831) *: família ''[[Tetrachondraceae]]'' Wettst. (1924) *: família ''[[Verbenaceae]]'' J.St.-Hil. (1805) * ordem ''[[Solanales]]'' Dumort. (1829) *: família ''[[Convolvulaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Hydroleaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família $''[[Montiniaceae]]'' Nakai (1943) *: família ''[[Solanaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Sphenocleaceae]]'' (Lindl.) Baskerville (1839) =====<font id='Euasterids_II'>Euasterídeas II</font>===== *: família ''[[Bruniaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Columelliaceae]]'' D.Don (1828) *:: [+ família ''[[Desfontainiaceae]]'' Endl. (1841)] *: família ''[[Eremosynaceae]]'' Dandy (1959) *: família ''[[Escalloniaceae]]'' R.Br. ex Dumort. (1829) *: família ''[[Paracryphiaceae]]'' Airy Shaw (1964) *: família ''[[Polyosmaceae]]'' Blume (1851) *: família ''[[Sphenostemonaceae]]'' P.Royen & Airy Shaw (1972) *: família ''[[Tribelaceae]]'' Airy Shaw (1964) * ordem ''[[Apiales]]'' Nakai (1930) *: família ''[[Apiaceae]]'' Lindl. (1836) *: família ''[[Araliaceae]]'' Juss. (1789) *: família ''[[Aralidiaceae]]'' Philipson & B.C.Stone (1980) *: família ''[[Griseliniaceae]]'' J.R.Forst. & G.Forst. ex A.Cunn. (1839) *: família ''[[Mackinlayaceae]]'' Doweld (2001) *: família ''[[Melanophyllaceae]]'' Takht. ex Airy Shaw (1972) *: família ''[[Myodocarpaceae]]'' Doweld (2001) *: família ''[[Pennantiaceae]]'' J.Agardh (1858) *: família ''[[Pittosporaceae]]'' R.Br. (1814) *: família ''[[Torricelliaceae]]'' Hu 1934) * ordem ''[[Aquifoliales]]'' Senft (1856) *: família ''[[Aquifoliaceae]]'' DC. ex A.Rich. (1828) *: família ''[[Aquifoliaceae]]'' DC. ex A.Rich. (1828) *: <nowiki>*</nowiki>§''[[Cardiopteridaceae]]'' Blume (1847) *: família ''[[Helwingiaceae]]'' Decne. (1836) *: família ''[[Phyllonomaceae]]'' Small (1905) *: família $''[[Stemonuraceae]]'' (M.Roem.) Kårehed (2001) * ordem ''[[Asterales]]'' Lindl. (1833) *: família ''[[Alseuosmiaceae]]'' Airy Shaw (1964) *: família ''[[Argophyllaceae]]'' (Engl.) Takht.1987 *: família ''[[Asteraceae]]'' Martynov (1820) *: família ''[[Calyceraceae]]'' R.Br. ex Rich. (1820) *: família $''[[Campanulaceae]]'' Juss. (1789) *:: [+ família ''[[Lobeliaceae]]'' Juss. ex Bonpl. (1813)] *: família ''[[Goodeniaceae]]'' R.Br. (1810) *: família ''[[Menyanthaceae]]'' Bercht. & J.Presl (1820) *: família ''[[Pentaphragmataceae]]'' J.Agardh (1858) *: família ''[[Phellinaceae]]'' (Loes.) Takht. (1967) *: família $''[[Rousseaceae]]'' DC. (1839) *: família ''[[Stylidiaceae]]'' R.Br. (1810) *:: [+ família ''[[Donatiaceae]]'' B.Chandler (1911)] * ordem ''[[Dipsacales]]'' Dumort. (1829) *: família <nowiki>*</nowiki>''[[Adoxaceae]]'' E.Mey. (1839) *: família $''[[Caprifoliaceae]]'' Juss. (1789) *:: [+ família ''[[Diervillaceae]]'' (Raf.) Pyck (1998)] *:: [+ família ''[[Dipsacaceae]]'' Juss. (1789)] *:: [+ família ''[[Linnaeaceae]]'' (Raf.) Backlund (1998)] *:: [+ família ''[[Morinaceae]]'' Raf. (1820)] *:: [+ família ''[[Valerianaceae]]'' Batsch (1802)] == Taxa com posições incertas (Eudicotiledôneas na maior parte) == Quando um gênero é o gênero tipo de um nome de família, este nome é dado aqui. * ''[[Aneulophus]]'' Benth. * família ''[[Apodanthaceae]]'' van Tieghem ex Takhtajan in Takhtajan (1997) (3 gêneros) *''[[Bdallophyton]]'' Eichl. * família ''[[Balanophoraceae]]'' Rich. (1822) * ''[[Centroplacus]]'' Pierre * ''[[Cynomorium]]'' L. [''Cynomoriaceae'' Lindl. (1833)] * ''[[Cytinus]]'' L. [''Cytinaceae'' A.Rich. (1824)] * ''[[Dipentodon]]'' Dunn [''Dipentodontaceae'' Merr. (1941)] * ''[[Gumillea]]'' Ruiz & Pav. * ''[[Hoplestigma]]'' Pierre [''Hoplestigmataceae'' Engl. & Gilg (1924)] * ''[[Leptaulus]]'' Benth. * ''[[Medusandra]]'' Brenan [''Medusandraceae'' Brenan (1952)] * ''[[Metteniusa]]'' H.Karst. [''Metteniusaceae'' H.Karst. ex Schnizl. (1860-1870)] * ''[[Mitrastema]]'' Makino [''Mitrastemonaceae'' Makino (1911)] * ''[[Pottingeria]]'' Prain [''Pottingeriaceae'' (Engl.) Takht. (1987)] * família ''[[Rafflesiaceae]]'' Dumort. (1829) (três gêneros) * ''[[Soyauxia]]'' Oliv. * ''[[Trichostephanus]]'' Gilg ==[link]== *Site Oficial: http://www.mobot.org/MOBOT/Research/APweb/ Resumo: Ao salvar, você concorda irrevogavelmente em liberar as suas contribuições sob as licenças Creative Commons Attribution/Share-Alike License 3.0 e GFDL . Você concorda em ser creditado por reutilizadores, no mínimo, por meio de uma hiperligação ou URL para a página na qual está contribuindo. Veja as condições de uso para detalhes. Cancelar Ajuda de edição (abre numa janela nova) Copiar e colar: – — ‘ ’ “ ” ° ″ ′ ≈ ≠ ≤ ≥ ± − × ÷ ← → · § Para assinar em páginas de discussão: ~~~~ {{}} {{{}}} | [] [[]] [[Categoria:]] #Redirecionamento [[]]  . &ensp. &emsp. <s></s> <u></u> <sup></sup> <sub></sub> <code></code> <pre></pre> <blockquote></blockquote> <poem></poem> <br /> <ref></ref> <ref name='nome'></ref> <ref group='nota'></ref> {{Referências}} <references/> <references group='nota'/> <includeonly></includeonly> <noinclude></noinclude> <nowiki></nowiki> <!-- --> <pre></pre> <hiero></hiero> <timeline></timeline> <syntaxhighlight></syntaxhighlight> <div></div> <span></span> <small></small> <span class='plainlinks'></span> {{DEFAULTSORT:}} {{PAGENAME}} {{NAMESPACE}} {{fullurl:}} {{#if:texto|s|n}} {{#ifeq:1|2|s|n}} {{#switch:c|v1=r1|v2=r2|alt}} Símbolos: ~ | ¡ ¿ † ‡ ↔ ↑ ↓ • ¶ # ½ ⅓ ⅔ ¼ ¾ ⅛ ⅜ ⅝ ⅞ ∞ ‘ ’ “ ” «» ¤ ₳ ฿ ₵ ¢ ₡ ₢ $ ₫ ₯ € ₠ ₣ ƒ ₴ ₭ ₤ ℳ ₥ ₦ № ₧ ₰ £ ៛ ₨ ₪ ৳ ₮ ₩ ¥ ♠ ♣ ♥ ♦ m² m³ ♭ ♯ ♮ @ © ® ™ Caracteres: A Á À Â Ä Ǎ Ă Ā à ŠĄ Æ Ǣ a á à â ä ǎ ă ā ã å ą æ ǣ B b C Ć Ċ Ĉ Č Ç c ć ċ ĉ č ç D Ď Đ Ḍ Ð d ď đ ḍ ð E É È Ė Ê Ë Ě Ĕ Ē Ẽ Ę Ə e é è ė ê ë ě ĕ ē ẽ ę ə F f G Ġ Ĝ Ğ Ģ g ġ ĝ ğ ģ H Ĥ Ħ Ḥ h ĥ ħ ḥ I Í İ Î Ï Ǐ Ĭ Ī Ĩ Į i í ı ì î ï ǐ ĭ ī ĩ į J Ĵ j ĵ K Ķ k ķ L Ĺ Ŀ Ľ Ļ Ł Ḷ Ḹ ḹ l ĺ ŀ ľ ļ ł Ḷ Ḹ ḹ M Ṃ m ṃ N Ń Ň Ñ Ņ Ṇ n ń ň ñ ņ ṇ O Ó Ò Ô Ö Ǒ Ŏ Ō Õ Ǫ Ő Ø Œ o ó ò ô ö ǒ ŏ ō õ ǫ ő ø œ P p Q q R Ŕ Ř Ŗ Ṛ r ŕ ř ŗ ṛ ṝ S Ś Ŝ Š Ş Ṣ ß s ś ŝ š ş ṣ ß T Ť Ţ Ṭ Þ t ť ţ ṭ þ U Ú Ù Û Ü Ǔ Ŭ Ū Ũ Ů Ų Ű Ǘ Ǜ Ǚ Ǖ u ú ù û ü ǔ ŭ ū ũ ů ų ű ǘ ǜ ǚ ǖ V v W Ŵ w ŵ X x Y Ý Ŷ Ÿ Ỹ Ȳ y ý ŷ ÿ ỹ ȳ Z Ź Ż Ž z ź ż ž ß Ð ð Þ þ Ə ə {{Unicode|}} Grego: Ά ά Έ έ Ή ή Ί ί Ό ό Ύ ύ Ώ ώ Α α Β β Γ γ Δ δ Ε ε Ζ ζ Η η Θ θ Ι ι Κ κ Λ λ Μ μ Ν ν Ξ ξ Ο ο Π π Ρ ρ Σ σ ς Τ τ Υ υ Φ φ Χ χ Ψ ψ Ω ω Cirílico: А а Б б В в Г г Ґ ґ Ѓ ѓ Д д Ђ ђ Е е Ё ё Є є Ж ж З з Ѕ ѕ И и І і Ї ї Й й Ј ј К к Ќ ќ Л л Љ љ М м Н н Њ њ О о П п Р р С с Т т Ћ ћ У у Ў ў Ф ф Х х Ц ц Ч ч Џ џ Ш ш Щ щ Ъ ъ Ы ы Ь ь Э э Ю ю Я я ́ AFI: t̪ d̪ ʈ ɖ ɟ ɡ ɢ ʡ ʔ ɸ ʃ ʒ ɕ ʑ ʂ ʐ ʝ ɣ ʁ ʕ ʜ ʢ ɦ ɱ ɳ ɲ ŋ ɴ ʋ ɹ ɻ ɰ ʙ ʀ ɾ ɽ ɫ ɬ ɮ ɺ ɭ ʎ ʟ ɥ ʍ ɧ ɓ ɗ ʄ ɠ ʛ ʘ ǀ ǃ ǂ ǁ ɨ ʉ ɯ ɪ ʏ ʊ ɘ ɵ ɤ ə ɚ ɛ ɜ ɝ ɞ ʌ ɔ ɐ ɶ ɑ ɒ ʰ ʷ ʲ ˠ ˤ ⁿ ˡ ˈ ˌ ː ˑ ̪ {{AFI|}} Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikipédia:Projetos/Plantas/Magnoliopsida ' Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Página do projeto Discussão Variantes Vistas Ler Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Informações da página Noutros idiomas Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://blogdafamiliacatolica.blogspot.com/2017/12/a-multiforme-inspiracao-do-espirito.html
  Blog da Família: A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Blog da Família 26 de dezembro de 2017 A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Santiago Fernandez (*) N os países católicos há uma imensa variedade de pratos e bolos que se preparam somente para o Natal. Nesse ponto os italianos acabaram passando na frente de todos os outros ao ... Blog da Família: A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Blog da Família 26 de dezembro de 2017 A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de ... ingredientes para representar Cristo e os 12 Apóstolos, e todos os membros da família devem dar uma mexida em ... ou oliveira, ou de madeiras nobres ou comuns. Ficou conhecida como a “bûche de Noël”. A família ... espíritos amantes da família, da tradição e da Cristandade. Na Córsega ela é forçosamente feita à base de CACHE

Blog da Família: A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Blog da Família 26 de dezembro de 2017 A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Santiago Fernandez (*) N os países católicos há uma imensa variedade de pratos e bolos que se preparam somente para o Natal. Nesse ponto os italianos acabaram passando na frente de todos os outros ao criarem o universalmente conhecido e cobiçado “panettone”. De onde ele vem? Discute-se fortemente na Itália sobre a sua origem. Todos concordam que nasceu na região de Milão. Segundo uma versão, o panettone apareceu pelo fim do século XV num banquete oferecido pelo tempestuoso duque Ludovico Sforza, dito “o Mouro”. O ajudante de cozinha, de nome Toni, encarregado de vigiar o forno durante a preparação da sobremesa, teria dormido. E quando acordou ela estava queimada! Para se salvar da ira do colérico duque, ele apanhou então tudo o que sobrara na cozinha e misturou, para produzir um pão “enriquecido” que fez as delícias de todos. Essa obra-prima passou para a posteridade como o “pão de Toni”, que acabou dando em “panettone”. Mas há outra versão: o jovem nobre Ughetto degli Atellani, que desejava casar-se com Algisa, filha do padeiro Toni, teria conseguido ser contratado pela padaria, onde concebeu o famoso pão de Natal para conquistar a moça. Outra versão ainda é aquela segundo a qual Sóror Ughetta — cujo nome significa passa — teria comprado com suas últimas moedas algumas passas e frutas cristalizadas para acrescentar a seu pão de Natal, levando assim um sorriso às irmãs de seu convento. O fato histórico incontestável é que, entre outras coisas, na Idade Média nasceu o costume de comemorar o Natal com um pão que fosse melhor do que o quotidiano. Até 1395 os fornos de Milão só podiam assar esse pão no período natalino, e ele era marcado com frequência com uma cruz. 'Pandoro' de Verona Mas há o “panettone” glacê e com amêndoas de Turim. E também o “pandoro”, de Verona, que é muito alto, pesa cerca de um quilo, tem sabor de baunilha, uma miga muito leve e é servido num pacote feito com açúcar cristalizado que também se come. 'Panforte' de Siena Em Veneza, o “panettone” vem acompanhado de um creme de frutas cristalizadas. Há ainda o “pandolce” de Gênova, um pouco mais compacto, bem como o “panforte” de Siena, feito com especiarias e sem farinha, com a massa consolidada com mel, pimenta e canela. O sul da Itália aplicou sua inspiração ao “panettone”, que vinha do Norte, acrescentando-lhe delícias que são inéditas nas regiões frias: laranja, limão, pistache, bergamota e o licor limoncello. O “panettone” de Nápoles é feito com laranjas cristalizadas de Amalfi e limoncello. Em Siracusa, ele vem com chocolate, pistaches, laranjas cristalizadas da Sicília e passas de Pantelleria. Todos eles em geral têm preços acessíveis. 'Christmas pudding' inglês Deixando agora a Itália e passando a outros países, os britânicos preparam o tradicional “pudding”, oriundo da Idade Média. Segundo instrução da Igreja Católica, ele “deve ser feito no domingo após a festa da Santíssima Trindade, que neste ano de 2017 foi celebrado em 18 de junho. É preparado com 13 ingredientes para representar Cristo e os 12 Apóstolos, e todos os membros da família devem dar uma mexida em sua massa durante a preparação, um de cada vez, de leste a oeste, a fim de homenagear os Reis Magos e sua suposta jornada nessa direção”. Por sua vez, os belgas degustam os chamados “cougnoles” ou “cougnous”, pães do tipo brioche cujo tamanho varia entre 15 e 80 cm, com a forma de um presépio que acolhe uma imagenzinha do Menino Jesus. 'Christstollen' alemão Os alemães preparam o “Christstollen”, bolo muito denso perfumado com especiarias e recheado com frutos cristalizados e passas, assado numa forma especial. Os espanhóis no Natal preferem o “turrón”, uma massa feita com amêndoas e mel. Ele tem muitas variantes: com chocolate, nozes, frutas secas etc. Os franceses comemoram com a “bûche”, literalmente pedaço de lenha, que suscita todo ano um verdadeiro concurso para ver quem é o “pâtissier” que concebe a variante mais criativa. 'Büche de Noël' Durante séculos, as famílias francesas acendiam na noite de Natal um pedaço de lenha de árvores frutíferas como cerejeira, ameixeira, macieira ou oliveira, ou de madeiras nobres ou comuns. Ficou conhecida como a “bûche de Noël”. A família aquecida por esse fogo se reunia para a Ceia de Natal entoando canções. Com o tempo entraram novos sistemas de aquecimento e as velhas lareiras foram se apagando. Mas eis que a “bûche de Noël” se transformou em uma obra-prima da pâtisserie francesa, a sobremesa indispensável nos lares da França nos dias abençoados do Natal. É difícil conhecer o autor do prodígio, embora talvez tenham sido muitos, guiados em diversas partes pelo instinto católico, pela tradição e pelo bom gosto. Fala-se que um aprendiz de Paris, que trabalhava numa chocolataria do aristocrático bairro de Saint Germain des Prés, teria sido o autor da ideia. Os palacetes do bairro eram habitados por nobres ligados a seus castelos, erigidos muitas vezes em bosques e em contínuo contato com a agricultura e as tradições locais. Como esses nobres não encontravam suas rústicas, mas abençoadas “bûches de Noël” na refinada Paris, então o aprendiz concebeu um doce em forma de lenha para lhes aplacar a saudade inspirada pela fé. Segundo outros, o famoso bolo foi inventado em Lyon por volta de 1860. Há os que defendem que Pierre Lacam, pasteleiro e sorveteiro do príncipe Carlos III de Mônaco, teria concebido a primeira requintada “bûche” em 1898. Quem quer que seja o seu inventor, nas proximidades do Natal a “bûche de Noël” aparece nas pâtisseries da França em forma de sorvete ou bolo, sendo avidamente procurada pelos espíritos amantes da família, da tradição e da Cristandade. Na Córsega ela é forçosamente feita à base de castanhas, embora as fórmulas e apresentações sejam inumeráveis, de acordo com a preferência das famílias, dos padeiros, dos confeiteiros de cada região, cidade, rua ou loja. 'Galettes des rois' da França Já no início de janeiro as vitrines das pâtisseries de Paris se enchem de “galettes des rois”, conta “Le Petit Journal”. O nome — como o de tantos produtos culinários franceses — não tem tradução, mas alguns tentaram “bolo dos reis”. Ele é vendido com uma coroa especial. Em 2014, entre 85% e 97% dos franceses diziam comê-lo na festa da Epifania, ou Reis. As receitas, acompanhamentos e formas são incontáveis, em geral redondas. Quando o “bolo dos reis” contém o apreciado marzipã, é chamado de “parisiense”. com frutas abrilhantadas é o bordalês. 'Bolo rei' de Portugal Em Portugal, ele é feito de um modo especial e recebe o nome de “Bolo Rei”, designação que sublevou sem sucesso muitos revolucionários igualitários e republicanos. Existem receitas semelhantes na cidade norte-americana de Nova Orleans, na Bélgica, no México (“rosca”), na Grécia (“vassilopita”) e na Bulgária (“pitka”), para só citar algumas. Voltando à França, o mais típico é que a criança mais nova sentada à mesa se encarregue de cortar a “galette des rois” e distribua um pedaço para cada um. Em alguma parte do bolo há uma fava, também chamada “rei”, que faz a alegria da mesa. A fava respeita a forma de sua humilde semente original, mas depois passa a ser substituída por pequenos objetos simbólicos imaginosos, como lâmpadas douradas e outros. O fato é que quem recebe o pedaço com a “fava” é chamado de “rei”, ganha a coroa que veio com o bolo e deve beber em uma taça especial, enquanto os demais cantam “o rei bebe, o rei bebe”, em meio ao gáudio geral. Aliás, nos bons tempos partia-se a “galette” de acordo com o número dos presentes mais um. Esse pedaço excedente era chamado “a parte do Bom Deus”, ou “a parte da Virgem”, ou “a parte do pobre”, e era destinado ao primeiro pobre que fosse bater à porta do lar. O costume comemora a festa da Adoração do Menino Jesus pelos Reis Magos, ou Epifania, celebrada em 6 de janeiro. A Epifania comemora precisamente a chegada de Melchior, Gaspar e Balthazar, conduzidos pela milagrosa estrela. Na Espanha, os Reis Magos são muito mais importantes para as crianças do que Papai Noel. São eles que trazem os presentes na noite de 5 para 6 do janeiro, depositando-os sobre os sapatinhos infantis deixados na sacada ou na lareira. 'Roscón de Reyes' da Espanha É normal que o fato seja comemorado com um bolo. É o denominado “Roscón de Reyes” em forma de coroa, o qual introduz uma variedade grande em relação à “galette des rois” francesa. Foi só no mundo católico que a ação multiforme da graça do Espírito Santo inspirou uma tão larga variedade de pães simples, mas deliciosos, próprios a elevar os espíritos e a fortalecer o corpo nos gaudiosos dias do nascimento do Redentor. Procure-se entre os protestantes ou nos decaídos países pagãos e veja se eles criaram uma variedade análoga de uma iguaria saborosa e inocente, tão de acordo com o espírito sobrenatural do Natal católico. ____________ Fonte: Revista Catolicismo, Nº 804, Dezembro/2017. Postado por Paulo Roberto Campos Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar com o Pinterest Marcadores: Cristianismo , Família , Menino Jesus , Natal , Tradições Nenhum comentário: Postar um comentário Postagem mais antiga Página inicial Assinar: Postar comentários (Atom) http://blogdafamiliacatolica.blogspot.com.br/ Paulo Roberto Campos Criar seu atalho Cadastre seu email para receber atualizações do blog: Apresentação ao Blog Da Família Diletos Amigos, Este Blog da Família tem como objetivo auxiliar os pais e mães a vencer as dificuldades que encontram em nossos dias, orientando-os sobre o modo de neutralizar as terríveis investidas de forças revolucionárias que visam desagregar a instituição familiar. Com efeito, Plinio Corrêa de Oliveira denuncia, em seu famoso livro Revolução e Contra-Revolução: “Entre os grupos intermediários a serem abolidos, ocupa o primeiro lugar a família. Enquanto não consegue extingui-la, a Revolução procura reduzi-la, mutilá-la e vilipendiá-la de todos os modos”. Assim, pretendemos oferecer a cada dia alguma notícia e/ou comentários que sirvam de amparo nas eventuais crises que venha a atravessar a família, “célula mater da sociedade”. Esperamos que os Amigos também participem enviando colaborações para o Blog da Família , especialmente comentários que possam ser úteis a outros pais e mães. Cada um, agindo isoladamente, não conseguirá vencer as investidas que visam à dissolução da família. Mas todos nós unidos poderemos levantar uma barreira de proteção às nossas famílias e transmitir uma sólida formação aos filhos — as principais vítimas, nos ambientes que freqüentam, da corrupção moral promovida pela revolução sexual. Um abraço Paulo Roberto Campos prccampos@terra.com.br Arquivo do Blog da Família ▼ 2017 (60) ▼ Dezembro (7) A multiforme inspiração do Espírito Santo nos pane... A noite entre todas sagrada “Minha mulher não trabalha” 1967 – 2017: meio século de uma graça extraordinár... Uma solução para Jerusalém: a internacionalização ... A QUEM PERTENCE JERUSALÉM? Estampa do “Senhor dos Milagres” permanece intacta... ► Novembro (6) ► Outubro (7) ► Setembro (1) ► Agosto (5) ► Julho (4) ► Junho (3) ► Maio (5) ► Abril (7) ► Março (3) ► Fevereiro (6) ► Janeiro (6) ► 2016 (72) ► Dezembro (6) ► Novembro (9) ► Outubro (9) ► Setembro (3) ► Agosto (7) ► Julho (6) ► Junho (3) ► Maio (3) ► Abril (7) ► Março (9) ► Fevereiro (6) ► Janeiro (4) ► 2015 (68) ► Dezembro (7) ► Novembro (5) ► Outubro (8) ► Setembro (7) ► Agosto (6) ► Julho (6) ► Junho (3) ► Maio (8) ► Abril (5) ► Março (5) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (4) ► 2014 (79) ► Dezembro (6) ► Novembro (6) ► Outubro (4) ► Setembro (8) ► Agosto (3) ► Julho (7) ► Junho (6) ► Maio (12) ► Abril (9) ► Março (6) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (8) ► 2013 (98) ► Dezembro (11) ► Novembro (10) ► Outubro (11) ► Setembro (10) ► Agosto (9) ► Julho (10) ► Junho (1) ► Maio (4) ► Abril (9) ► Março (7) ► Fevereiro (7) ► Janeiro (9) ► 2012 (87) ► Dezembro (5) ► Novembro (6) ► Outubro (7) ► Setembro (8) ► Agosto (3) ► Julho (11) ► Junho (5) ► Maio (6) ► Abril (8) ► Março (10) ► Fevereiro (11) ► Janeiro (7) ► 2011 (64) ► Dezembro (6) ► Novembro (5) ► Outubro (7) ► Setembro (5) ► Agosto (5) ► Julho (6) ► Junho (4) ► Maio (11) ► Abril (5) ► Março (4) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (3) ► 2010 (52) ► Dezembro (2) ► Novembro (8) ► Outubro (6) ► Setembro (6) ► Agosto (7) ► Julho (6) ► Junho (4) ► Maio (5) ► Abril (3) ► Março (3) ► Fevereiro (1) ► Janeiro (1) ► 2009 (34) ► Dezembro (2) ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (2) ► Agosto (3) ► Julho (1) ► Junho (3) ► Maio (8) ► Abril (3) ► Março (2) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (2) ► 2008 (42) ► Dezembro (3) ► Novembro (2) ► Outubro (5) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (4) ► Junho (4) ► Maio (6) ► Abril (4) ► Março (2) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (4) ► 2007 (11) ► Dezembro (3) ► Novembro (5) ► Outubro (3) O autor Paulo Roberto Campos São Paulo, SP, Brazil Jornalista (MTB 83.371/SP), colabora com a Revista 'CATOLICISMO' (mensário de Cultura e Atualidades) e com a 'ABIM' (Agência Boa Imprensa). Visualizar meu perfil completo FRASES ESCOLHIDAS “Com efeito, imagine-se um projeto de lei dotando os pais do direito de matar seus filhos nas primeiras 24 horas de vida deste. O projeto naufragaria em meio a um clamor geral de indignação. Falar-se-ia da matança dos inocentes etc., e a justo título. Que crime cometeu o nascituro para que se lhe possa tirar o direito à vida até o momento em que tenha nascido, tratando-o em certos casos, como um delinqüente, de maneira que, só depois de nascer é cercado do carinho geral, aclamado como um bebê encantador e amparado pela proteção legal, em todo e qualquer caso?” (Plinio Corrêa de Oliveira) “O Criador uniu o primeiro casal humano pelos laços da família. Esta é, portanto, a associação mais antiga, a mais fundamental da humanidade, mais importante que qualquer outra associação ou instituição posterior. Mas se o centro de gravidade de toda humanidade repousa sobre a família, compreende-se, então, a solicitude, cheia de responsabilidade, com que o cristianismo sempre velou pela integridade da família”. (Mons. Tihamer Toth) “Santa Maria Goretti foi o fruto de lar cristão onde se reza, se educam cristãmente os filhos no santo amor de Deus, na obediência aos pais, no amor à verdade, na honestidade e na pureza”. (Pio XII) “Impedir de nascer é matar antecipadamente'. (Tertuliano) “Ser mãe quer dizer receber um filho das mãos de Deus. quer dizer entregar a vida inteira, aniquilar-se até à fraqueza e à humildade”. (Lovich Ilona) “Felizes aquelas crianças que encontram na mãe junto do berço um segundo anjo da guarda para a inspiração e o caminho do bem!” ((Pio XII) “Quem encontrará a mulher forte? Ela é mais preciosa que as pérolas que vêem das extremidades do mundo. O coração do seu marido põe nela inteira confiança e não terá necessidade de riquezas estranhas. Ela dar-lhe-á o bem e não o mal durante os dias da sua vida”. (Prov., XXXI, 10-12) “Os que praticam o aborto cometem homicídio e irão prestar contas a Deus, do aborto. Por que razão haveríamos de matar? Não se pode conciliar o pensamento de que a mulher carrega no ventre um ser vivo, e, portanto objeto da Providência Divina, com o de matar cedo o que já iniciou a vida” (Atenágoras) “Não matarás, não cometerás adultério… Não matarás criança por aborto nem criança já nascida” (2,2). “O caminho da morte é… dos assassinos de crianças” (5,2). (Primeiro Catecismo Cristão) “Declaramos estar sujeitos a excomunhão latae sententiae (anexa diretamente ao crime) os que praticam aborto com a eliminação do concebido” (Pio IX) “Quem reprova o matrimônio deslustra, por isso mesmo, a glória da virgindade. e o que o louva, torna-a mais augusta e admirável. O que é bom em comparação com o pior, não tem por certo grande bondade. porém, o que é certamente melhor que as coisas boas, isso sim é excelente. Sucede tal com a virgindade, como dizemos. [....] Consideramos formosos não os corpos que sobressaem entre os mutilados, senão entre os sãos e isentos de todo defeito. Bom é o matrimônio. mas, precisamente por isso, é mais digna de admiração a virgindade, por ser melhor do que o bom e excedê-lo tanto quanto excede o piloto aos remadores e o general aos soldados. Como no mar, se tiras os remadores, afundas o navio, e na guerra, se tirar os soldados entregas o comandante manietado ao poder dos inimigos, assim, se destituis de sua alta posição o matrimonio, pelo mesmo fato rebaixas a gloria da virgindade e a reduzes ao ultimo dos males” (São João Crisostomo) “Quando Deus tem o seu altar no coração de uma mãe, a casa toda se torna seu templo”. (Gertrud Von Le Fort) “Precisamente porque a família é o elemento orgânico da sociedade, todo atentado perpetrado contra ela é um atentado contra a humanidade. Deus pôs no coração do homem e da mulher, como instinto inato, o amor conjugal, o amor paterno e materno, o amor filial. Por conseguinte, querer arrancar e paralisar este tríplice amor é uma profanação que por si mesma horroriza e leva à ruína a pátria e a humanidade”. (Pio XII) “Os homens são o que suas mães os fizeram”. (Ralph Waldo Emerson) “De que vale a alma de uma mulher, se dentro dela não há a alma de mãe? (Jacinto Benavente) “A boa mãe vale por cem excelentes mestres”. (G. Herbert) “Qual é a mãe, seja ela mulher, ave ou chaca, que não enfrenta todas as contingências, todos os perigos, inclusive a própria morte, para dar vida aos seus filhos?” (Antonio Pousada) “Persuadam-se todos bem que, para a boa educação dos meninos, tem a máxima importância a educação doméstica. Se a juventude encontra no lar doméstico as regras da vida virtuosa e uma como escola prática das virtudes cristãs, segura está em grande parte a salvação da sociedade”. (Leão XIII) “A pessoa mais importante na Terra é uma mãe. Ela não pode reivindicar para si a honra de ter construído uma Catedral como Notre Dame. Ela não precisa. Ela construiu algo muito mais magnífico que qualquer catedral — a morada para uma alma imortal, a pequena perfeição que é o corpo de seu filho. Nem sequer os anjos foram dotados de tamanha graça. Eles não podem partilhar do milagre criador de Deus, nem levar novos santos ao Paraíso. Só uma mãe humana pode. As mães estão mais perto de Deus Criador do que qualquer outra criatura. Deus une esforços com as mães para executar esse ato da criação. O que nesta boa Terra de Deus é mais glorioso do que isso: ser uma mãe? (Cardeal Mindszenty) “O que une os membros da família antiga é algo mais poderoso que o nascimento, que o sentimento, que a força física: é a religião do fogo sagrado e dos antepassados. Essa religião faz com que a família forme um só corpo nesta e na outra vida. A família antiga é mais uma associação religiosa que uma associação natural”. (Fustel de Coulanges) “A família gera de per si a tradição e a hierarquia social. Para abolir a tradição e a hierarquia, é mister depauperar, estiolar, reduzir e frangalhar a família. É o que muitos não sabem ou não querem ver...” (Plinio Corrêa de Oliveira) “Antes de te formar no ventre materno, Eu te escolhi: antes que saísses do seio da tua mãe, Eu te consagrei”. (Jr 1, 5) “Vós conhecíeis já a minha alma e nada do meu ser Vos era oculto, quando secretamente era formado, modelado nas profundidades da terra”. (Sl 139, 15) “O Sacramento do matrimônio — que simboliza a união de Cristo com a Igreja será atacado e profanado em toda a extensão da palavra. Impor-se-ão leis iníquas, com o objetivo de extinguir esse Sacramento, facilitando a todos viverem mal, propagando-se a geração de filhos mal-nascidos, sem a bênção da Igreja. Irá decaindo rapidamente o espírito cristão”. (Revelação de Na. Sra. do Bom Sucesso a Madre Mariana de Jesus Torres) “Aos que vivem no mundo e têm família cumpre o dever de aperfeiçoá-la, e de elevar nos seus filhos o decoro e a consideração social da família, cristãmente entendidos. Contanto que se viva sob o influxo da caridade cristã, os pais devem procurar, que, na medida do possível, em ciência, em arte, em técnica, em cultura, em tudo, os seus filhos sejam melhores do que eles. Não para educar vaidosos, mas para oferecer à sociedade, em benefício do povo, gerações mais perfeitas”. (Cardeal Angel Herrera Oria) “A família é o mais admirável dos governos”. (Lacordaire) “Não é lícito jamais provocar o aborto, ainda que seja para salvar a vida da mãe ou a reputação de uma jovem vítima de estupro”. (Denziger) “Nunca é lícito matar o outro: ainda que ele o quisesse, mesmo se ele o pedisse, porque, suspenso entre a vida e a morte, suplica ser ajudado a libertar a alma que luta contra os laços do corpo e deseja desprender-se. nem é lícito sequer quando o doente já não estivesse em condições de sobreviver”. (Santo Agostinho) “Suprimam o casamento, a noção de fidelidade conjugal, a ordem, a decência, a castidade em seus aspectos representativos [...] então tudo se dispersa, se degrada, se aniquila, torna-se totalmente amorfo”. (Pierre Klossowski) “Uma das obras-primas de Deus é o coração de uma mãe”. (Provérbio francês) “O aborto só é defendido pelas pessoas que nasceram...” (Edgar Bergen) “A virtude passa facilmente do coração das mães ao coração dos filhos”. (Cônego François Trochu) “Esse triângulo de verdades evidentes, de pai, mãe e filhos, não pode ser destruído. ele destrói apenas aquelas civilizações que o desprezam”. (G.K.Chesterton) “O homem sem critério se casa com a mulher de quem gosta. O homem criterioso gosta da mulher com quem casa”. (Adágio popular) “Toda doutrina social que visa destruir a família é má e inaplicável. Quando se decompõe uma sociedade, o que se encontra como resíduo final não é o indivíduo, mas sim a família”. ( Victor Hugo) “A autoridade é exigência da ordem moral e promana de Deus. Por isso, se os governantes legislarem ou prescreverem algo contra essa ordem, e portanto contra a vontade de Deus, essas leis e essas prescrições não podem obrigar a consciência dos cidadãos. [...] Neste caso, a própria autoridade deixa de existir, degenerando em abuso de poder”. (João XXIII — Encíclica Pacem in Terris) “Cada aborto constitui um assassinato. À medida que a impunidade legal venha a favorecer no Brasil que o aborto se introduza em nossos costumes, ocorrerá um número infinitamente crescente de assassinatos. Tudo isso abre como que um rio de pecados a bradarem aos Céus clamando por vingança. Esta expressão enérgica está até nos catecismos. No plano social, os efeitos do aborto são claros. De um lado, a ausência de frutos nas chamadas uniões livres só pode concorrer para multiplicá-las. De outro lado, os vínculos do matrimônio são debilitados pelo aborto. Com efeito, quanto mais numerosos os filhos, tanto mais se robustecem os vínculos afetivos e morais entre os pais. Tudo isso redunda em mais um fator de debilitação do matrimônio e da família, e portanto de toda a sociedade brasileira”. (Plinio Corrêa de Oliveira) “No governo Lula, a causa pró-aborto — que ataca diretamente a vida humana — anda de mãos dadas com a causa pró-homossexualismo — que ataca frontalmente a virtude da castidade, sobre a qual se funda a família. Desde o início de 2003, o governo vem fazendo todo o possível, seja internamente, seja perante a comunidade internacional (ONU e OEA), para glorificar o homossexualismo e tratar como criminosos (“homofóbicos”) os que se opõem à conduta homossexual'. (Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz) “Para os efeitos desta Convenção [Convenção Americana sobre Direitos Humanos], pessoa é todo ser humano (Art. 1º, nº 2) Toda pessoa tem direito ao reconhecimento de sua personalidade jurídica (Art. 3º) Toda pessoa tem o direito de que se respeite sua vida. Esse direito deve ser protegido pela lei e, em geral, desde o momento da concepção. Ninguém pode ser privado da vida arbitrariamente (Art. 4º, nº 1)”. (Pacto de São José da Costa Rica, 22-11-1969) SUMÁRIO Abortista (2) Aborto (252) Ação Contra casamento homossexual (25) ACI (1) Adoção (6) Aecio Neves (1) Aécio Neves (1) AIDS (5) Alagoinha (1) Alejandro Ordónez (1) Alemanha (3) Alma (1) Ambientalismo (4) Amor Paternal (1) Ámoris Laetitia (1) Amy Winehouse (1) Anchieta (4) Ancien Régime (5) Andrea Bocelli (2) Anencefalia (18) Animais (2) Anticoncepcionais (5) Arvore de Natal (4) Associação Cristo Rei (1) Austrália (1) Bancada da Morte (3) Bandeirantes (1) Bélgica (3) Belle Époque (5) Bento XVI (3) Bioética (1) Bispo (2) Blasfemia (7) Boff (1) Bolívia (2) Boulenger (2) Brasília (5) Bruxelas (1) Câmara dos Deputados (5) Camões (2) Canção Nova (3) Canonização (4) Capitalismo (1) Cardeal Burke (7) Cardeal Kasper (1) Cardeal Mindszenty (1) Cardeal Von Galen (1) Carnaval (7) Castidade (3) Catecismo (4) Catequese (1) Católicas pelo Direito de (2) Catolicismo (32) Células Tronco (10) Cerejeiras (1) Cerveja (1) Cezar Peluso (1) CFM (1) Che Guevara (2) Chile (1) Cibernética (5) Cicero Harada (3) Clínica de aborto (3) Clinton (1) Clonagem (1) CNBB (20) Código Civil (1) Código Penal (18) Colombia (9) Comissão da Verdade (1) Computador (1) Comunismo (35) Conclave (1) Confiança (1) Congresso Nacional (13) Conselhos Tutelares (1) Conservadorismo (9) Constituição (4) Controle de Natalidade (10) Corpus Christi (2) Cortesia (9) Costumes (3) Crianças (22) Crise do Mundo Moderno (8) Cristianismo (7) Cristianofobia (6) Cristo Redentor (3) Croácia (1) Cruz (4) Cruzada Pela Família (3) Cuba (12) Curetagem (1) Curitiba (1) Dalton Luiz (1) Daniel Serrão (2) Decreto Presidencial (2) Democracia (3) Demografia (1) Descristianização (2) Desigualdades (3) Deveres dos Filhos (5) Deveres dos Pais (15) Dia das Mães (3) Dilma (49) Direitos Humanos (3) Divórcio (25) Dom Bergonzini (5) Dom Bertrand (2) Dom Cardoso (4) Dom Gil Hillín (1) Dom Helder (2) Dom Keller (2) Dom Mathias (1) Dom Roque (2) Doutrina Católica (22) Droga (9) Ecologia (5) Eduardo Cunha (1) Educação (35) Educação Sexual (19) Eleições (9) Eleonora Menicucci (2) Elizabeth Kpman (3) Embrião (7) Ensino (2) Ensino Estatal (2) Ensino público (3) Escolas (10) Espanha (4) Esquerda Católica (16) Estado Laico (1) Estados Unidos (20) Estatuto da Família (1) Estatuto do Nascituro (7) Estudantes (1) Eu não mereço ser abortado (1) Eucaristia (9) Eugenia (3) Europride (1) Eutanasia (17) Excomunhão (10) Exército (1) Facebook (2) Família (138) Família Imperial (2) Família Patriarcal (4) Familiafobia (6) Famílias numerosas (4) Fátima (7) Fecund. In Virto (1) Feliz Natal (3) Feminismo (12) Feministas (6) Feto (4) Filhos (17) Finados (1) FIOCRUZ (1) França (10) Francisco I (6) Frei Betto (4) Genazzano (2) Genoíno (1) Gentileza (4) Globo (1) Guzzo (1) Halloween (1) História (4) Holanda (3) homossexualismo (53) Honra (2) Honrar Pai e Mãe (2) Hugo Chávez (7) Human Life International (1) Hungria (2) Idade Média (3) Ideologia de gênero (35) Igreja Católica (30) Igualitarismo (12) Imoralidade (16) Impureza (2) In Memoriam (1) India (1) Indigenismo (2) Infalibilidade (1) Infância (10) Infanticídio (5) Início da Vida (2) Inocência (6) Instituição Familiar (25) Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (34) Internet (13) Invenções (1) IPCO (14) IPPF (1) Irmãos (1) Isabella (2) Islamismo (8) Itália (6) Ives Gandra (5) Izabella (1) Jacinta (3) Jacinto Flecha (1) Japão (2) Jesuítas (1) Jornal do Brasil (1) José Dirceu (1) Kit Aborto (1) La Fontaine (1) Lael Varella (1) Leão XIII (1) Lei da Homofobia (38) Lei da Palmada (3) Lei de Bio-Segurança (2) Lei Natural (6) Lenise Garcia (1) Lenotre (1) Lepanto (2) Lewandowki (1) Liberdade (2) Liberdade de Expressão (4) Lituânia (1) Livros Didáticos (4) Lobby homossexual (1) Lobby Pró-Aborto (7) Lorena Leandro (1) Lula (24) Lutero (11) Luxemburgo (1) Maconha (4) Mãe (20) Manifestações (14) Maniqueísmo (1) Mao Tse-tung (1) Maravilhoso (1) Marcela (2) Marcha anti-aborto (9) Marcha da Maconha (4) Marcha Pela Vida (21) Marina Silva (1) Marta Suplicy (2) Marxismo (6) Massacre dos Inocentes (5) Material Escolar (1) Maternalidade (8) Mathiote (1) Matrimônio (27) MEC (11) Medicina (3) Médicos (1) Médicos Cubanos (1) Menino Jesus (11) Mensagem da Dilma (1) Mensalão (1) Microcefalia (1) Midia (3) Mídia (5) Milagre de Bolsena (1) Milão (1) Ministério da Educação (14) Ministério da Saúde (11) Misericórdia e Justiça (3) Moda (7) Modernismo (2) Moloch (1) Mónica Roa (1) Mons. José Luiz Villac (5) Mons. Sanahuja (1) Moral (1) Moral Católica (26) Moralidade (4) MST (5) Nascer é um Direito (2) Natal (20) NIgéria (1) Nilcéa Freire (4) Nóbrega (2) Nobreza (3) Noite Feliz (1) Norman Weslin (1) Noruega (1) Nossa Senhora (34) Nosso Senhor (15) Nova Ordem Mundial (1) Novelas (1) Novo Ano (2) Nulidade (1) Obama (8) Ogeni Dal Cin (1) Onu (4) Orgulho (1) Orvieto (3) Pacto de São José (1) Padre David Francisquini (5) Padre Jose Augusto (1) Padre Lodi (25) Padre Pio (1) Pádua (1) Paes de Lira (20) Pais de Família (6) Palermo (1) Papa Francisco (35) Papado (16) Papai Noel (2) Papdo (1) Parada (4) Parto Anônimo (1) Patrulha Ideológica (3) Paz (1) Pe. Anderson (1) Pe. Paulo Ricardo (2) Pedagogia (2) Pena de excomunhão (3) Pena de Morte (2) Percival Puggina (1) Perseguição Religiosa (12) Peru (2) Pílula do Dia Seguinte (1) Pio IX (1) Pio XII (3) PL 1135/91 (7) PL 122 (3) PL 122/2006 (4) Planejamento familiar (2) Plano Nacional de Educação (5) PLC 3/2013 (7) Plinio Corrêa de Oliveira (29) PNDH-3 (16) PNE (2) Pobreza (4) Polidez (5) Politicamente Incorreto (2) Polonia (2) Polônia (1) Praça da Sé (2) Presépio (4) Primeira Guerra Mundial (2) Pro Vida (2) Pró-Vida (2) Prof. David Magalhães (1) Prof. Hermes Nery (19) Professores (2) Progressismo (23) Progresso (1) Projeto Tamar (1) Provações (2) Pseudo casamento homossexual (14) PT (81) Rachel Sheherazade (1) Raquel Sheherazade (1) Reação Católica (1) Reacionário (1) Realizações (1) Recassados (2) Relativismo (2) Resistência (2) Revolução Cultural (9) Revolução Francesa (6) Rio de Janeiro (4) Roberto de Mattei (7) Roda dos Expostos (1) Roe vs. Wade (1) Roma (10) Rosário (1) Rússia (4) Sagrada Família (7) Sagradas Escrituras (1) Sans-culotte (1) Santa Casa de Misericórdia (1) Santa Teresinha (3) Santíssimo Sacramento (1) Santos (6) Santos Inocentes (3) São Bento (1) São Boaventura (1) São Nicolau (1) São Paulo (10) São Paulo Pela Vida (2) São Pedro (1) São Pio X (4) Sarah Palin (2) Sarney (1) Século X{IX (1) Século XIX (1) Semana Santa (8) Senado (8) Serra (2) Sevilha (1) Sínodo da Família (14) Socialismo (1) Sodoma (1) Sonhos (1) Sta Gianna Beretta Molla (1) Stalin (1) STF (40) Televisão (1) Teologia da Libertação (6) Terrorismo Islâmico (5) TFP (11) TFP amerciana (1) TFP americana (1) Todos os Santos (1) Toffoli (3) Tortura (1) Totalitarismo (1) Tradição (4) Tradições (8) Tráfico de Drogas (3) Trajes (7) Trauma pós-aborto (5) Tsunami (2) TV estatal (1) Ucrania (2) União Europeia (8) Vaticano (43) Veneza (1) Venezuela (9) Verona (1) Vícios (2) Videogames (1) Videos (5) Viena (1) Violência (3) Vocação do Brasil (9) WEB (1) Zica Vírus (3) Zumbis (2) Subscreva-se ao meu feed No quadrinho, no topo da coluna da direita, digite seu e-mail para receber novidades deste Blog Recomendo: Revista Catolicismo “A palavra família indica uma pluralidade de pessoas. Mas há uma pala ra que indica uma pessoa só, uma palavra de especial significado: mãe. Mãe é a quintessência da família, porque é a quintessência do amor e do afeto, e nessas condições a quintessência da bondade e da misericórdia. Desta maneira, a alma em contato com a mãe começa a compreender o que é a bondade que não se cansa, o que é a graça, o favor, o amor que não se exaure, o que é aquela forma de afeto materno que faz com que a mãe nunca ache que é tedioso estar com o filho, nunca ache que é monótono estar com ele. Ter seu filho nos braços, brincar com ele, soltá-lo no chão, vê-lo correr de um lado para outro, ser importunada por ele incontáveis vezes durante o dia com perguntinhas, com brinquedinhos, para a boa mãe é a alegria da vida. Se alguém, na entrada desta vida, percebe o que é a alegria de uma boa mãe, compreende que a vida na Terra pode ser muito difícil, mas que enquanto conservar a recordação de sua mãe, conservará a recordação paradisíaca da sua infância. Conservando esta recordação, conserva a esperança do Paraíso celeste, onde a boa mãe vai-nos receber, e nós compreendemos através disso tudo quanto é Nossa Senhora Auxiliadora para nós”. Plinio Corrêa de Oliveira Paulo Roberto Campos : prccampos@terra.com.br /. Tecnologia do Blogger .



https://pt.wikipedia.org/wiki/Roedores
  Roedores – Wikipédia, a enciclopédia livre Roedores Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto , mas que não são citadas no corpo do artigo , o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2014) Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário. Roedores Ocorrência: ... famílias - baseado em Wilson e Reeder (2005) Ordem RODENTIA Subordem Sciuromorpha Família Aplodontiidae - castor-das-montanhas Família Sciuridae - esquilo , marmota Família Gliridae - arganaz Família Geomyidae - rato-de-bolso Subordem Castorimorpha Família Castoridae - castor Família Heteromyidae - rato-canguru Subordem Myomorpha Superfamília Dipodoidea Família Dipodidae Superfamília Muroidea Família Nesomyidae Família Cricetidae Família Muridae Família Platacanthomyidae Família Spalacidae Família CACHE

Roedores – Wikipédia, a enciclopédia livre Roedores Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto , mas que não são citadas no corpo do artigo , o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2014) Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário. Roedores Ocorrência: 56–0 Ma PreЄ Є O S D C P T J K Pg N Paleoceno – Holoceno Acima, da esquerda pra direita: capivara , Pedetes , Callospermophilus lateralis . Abaixo, da esquerda pra direita: castor , camundongo . Representam as subordens Hystricomorpha, Anomaluromorpha, Sciuromorpha, Myomorpha, e Castorimorpha, respectivamente. Classificação científica Reino : Animalia Filo : Chordata Subfilo : Vertebrata Classe : Mammalia Infraclasse : Placentalia Superordem : Euarchontoglires Ordem : Rodentia Bowdich , 1821 Distribuição geográfica Subordens Anomaluromorpha Castorimorpha Hystricomorpha (inc. Caviomorpha ) Myomorpha Sciuromorpha Os roedores (do latim científico Rodentia ) constituem a mais numerosa ordem de mamíferos com placenta contendo mais de 2000 espécies, o que corresponde a cerca de 40% das espécies da classe dos mamíferos . A maior parte são de pequenas proporções, o camundongo-pigmeu Africano tem 6 cm de comprimento e pesa 7 g. Por outro lado, o maior deles, a capivara , pode pesar até 80 kg. Acredita-se que o extinto Phoberomys pattersoni teria pesado 700 kg. Roedores são encontrados em grande número em todos os continentes, exceto a Antártida , na maioria das ilhas e em todos os habitats , com exceção dos oceanos. Juntamente com os morcegos ( Chiroptera ), foram os únicos mamíferos placentários a colonizar a Austrália independentemente da introdução humana. Ecologicamente são muito diversos. Algumas espécies passam a vida inteira no dossel florestal , outras raramente deixam o chão. Algumas espécies apresentam um hábito marcadamente aquático, enquanto outras são altamente especializadas para o ambiente desértico . Muitas são em certa medida onívoras , assim como outras têm uma dieta bem específica, comendo, por exemplo, algumas espécies de fungos ou invertebrados . No entanto, todos compartilham uma característica: uma dentição altamente especializada para roer. Todos os roedores possuem um par de incisivos na arcada dentária superior e inferior seguidos por um espaço, o diastema, e por um ou mais molares e pré-molares. Nenhum roedor possui mais de quatro incisivos e nenhum roedor possui caninos. Seus incisivos não têm raiz e crescem continuamente. As superfícies anterior e laterais são cobertas de esmalte, enquanto a posterior tem a dentina exposta. No ato de roer, os incisivos se atritam, desgastando a dentina, o que mantém os dentes bastante afiados. Esse sistema de 'afiamento' é muito eficiente e é uma das chaves do enorme sucesso dos roedores. Dentição dos roedores Roedores são importantes em muitos ecossistemas porque se reproduzem rapidamente, servindo de alimento para predadores, são dispersores de sementes e vetores de doenças. Humanos usam roedores para testes laboratoriais, na alimentação e para obtenção de sua pele. Pesquisas recentes sugerem que os roedores podem ser biologicamente polifiléticos ou seja, teriam evoluídos mais de uma vez, neste caso este grupo teria que ser redividido. Grupos comumente confundidos com roedores e erroneamente inclusos entre eles: Chiroptera ( morcegos ), Insectivora ( ouriços , toupeiras ), Lagomorpha ( coelhos , lebres ), Scandentia ( tupaias ) e Carnivora ( Visons ). No grandioso grupo de roedores também estão: Ratos, Esquilos, Castores, Cutias e as Pacas. Índice 1 História Natural 2 Características dos Roedores 3 Classificação 4 Referências 5 Ligações externas História Natural [ editar | editar código-fonte ] O registro fóssil dos roedores começou há cerca de 65 milhões de anos, com a extinção dos dinossauros . Os primeiros roedores lembravam esquilos, a partir deles se diversificaram. Sua origem foi na Laurásia, supercontinente que incluía a Ásia , Europa e América do Norte . Algumas espécies colonizaram a África , originando os primeiros Hystrichognathi. De lá, alcançaram a América do Sul , que se encontrava isolada durante o Oligoceno e Mioceno . No Mioceno, África e Ásia colidiram, o que permitiu que roedores como o porco-espinho adentrassem a Eurásia. Durante o Plioceno , fósseis de roedores apareceram na Austrália. Apesar de os marsupiais serem os primeiros residentes da Austrália, os roedores dominam sua fauna, correspondendo a cerca de 25% dos mamíferos do continente. Enquanto isso, as Américas colidiram e, com o estabelecimento do istmo do Panamá , camundongos colonizaram o sul e porcos-espinho, o Norte. Características dos Roedores [ editar | editar código-fonte ] Estes mamíferos possuem dois pares de dentes incisivos (dentes da frente) bem desenvolvidos. Um par situa-se no maxilar superior e o outro no maxilar inferior. Estes pares de dentes crescem continuamente, pois são desgastados à medida que o animal vai roendo as cascas dos ramos das plantas. Os roedores não possuem dentes caninos (presas), mas têm molares para a trituração do alimento. Como exemplos, temos o rato, o camundongo, a capivara (o maior roedor do mundo), o esquilo, a marmota e o castor. Estes animais servem de alimento para muitas aves, répteis e mamíferos carnívoros. Classificação [ editar | editar código-fonte ] Distribuição dos roedores atuais e recentemente extintos pelas famílias - baseado em Wilson e Reeder (2005) Ordem RODENTIA Subordem Sciuromorpha Família Aplodontiidae - castor-das-montanhas Família Sciuridae - esquilo , marmota Família Gliridae - arganaz Família Geomyidae - rato-de-bolso Subordem Castorimorpha Família Castoridae - castor Família Heteromyidae - rato-canguru Subordem Myomorpha Superfamília Dipodoidea Família Dipodidae Superfamília Muroidea Família Nesomyidae Família Cricetidae Família Muridae Família Platacanthomyidae Família Spalacidae Família Calomyscidae Subordem Anomaluromorpha Família Anomaluridae - esquilos-de-cauda-escamosa Família Pedetidae Subordem Hystricomorpha Família Diatomyidae Incertae sedis - rato-da-pedra-laociano Infraordem Ctenodactylomorphi Família Ctenodactylidae - gundis Infraordem Hystricognathi Família Bathyergidae Família Hystricidae - porcos-espinhos do Velho Mundo Família Petromuridae Família Ctenomyidae - tuco-tucos Família Echimyidae - ratos-de-espinho Família Thryonomyidae Família Erethizontidae - porcos-espinhos do Novo Mundo Família Chinchillidae - chinchilas e viscachas Família Dinomyidae - pacarana Família Caviidae - porquinhos-da-Índia Família Dasyproctidae - cutias Família Cuniculidae - pacas Família Octodontidae - octodontes Família Abrocomidae - ratos-chinchila Família Myocastoridae - ratão-do-banhado Família Capromyidae Família Heptaxodontidae Referências [ editar | editar código-fonte ] CARLETON, M. D., MUSSER, G. G. (2005). Order Rodentia in Wilson, D. E., Reeder, D. M. (eds). Mammal Species of the World a Taxonomic and Geographic Reference . 3ª edição. Johns Hopkins University Press, Baltimore, vol. 2, pp. 745–752. Ciências-Os Serres Vivos. Editora Ática. Autor:Carlos Barros e Wilson Paulino. MYERS, P. (2000). 'Rodentia' (On-line). Animal Diversity Web . Acessado em 15 de março de 2008. (em inglês ) Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] Rodentia - Mikko's Haaramo Phylogeny (em inglês ) - Alternative view African Rodentia website (em inglês ) Rodentia - Paleos (em inglês ) v • e Ordens viventes de mamíferos por infraclasse Reino Animalia Filo Chordata Subfilo Vertebrata (não categorizado) Amniota Prototheria / Australosphenida Monotremata Metatheria (Inclui Marsupialia ) Ameridelphia Paucituberculata Didelphimorphia Australidelphia Microbiotheria Notoryctemorphia Dasyuromorphia Peramelemorphia Diprotodontia Eutheria (Inclui Placentalia ) Xenarthra Cingulata Pilosa Afrotheria Afrosoricida Macroscelidea Tubulidentata Hyracoidea Proboscidea Sirenia Laurasiatheria Soricomorpha Erinaceomorpha Chiroptera Pholidota Carnivora Perissodactyla Artiodactyla Cetacea Euarchontoglires Rodentia Lagomorpha Scandentia Dermoptera Primates v • e Famílias viventes de Roedores Reino: Animalia Filo: Chordata Classe: Mammalia Infraclasse: Eutheria Superordem: Euarchontoglires Sciuromorpha Aplodontiidae Gliridae Sciuridae (Esquilos, marmotas, cães-da-pradaria) Castorimorpha Castoroidea Castoridae (Castores) Geomyoidea Geomyidae Heteromyidae Myomorpha Dipodoidea Dipodidae (Gerbils) Muroidea Platacanthomyidae Spalacidae (Ratos-toupeiras) Calomyscidae Nesomyidae Cricetidae (Hamsters) Muridae (Ratos e camundongos) Anomaluromorpha Anomaluridae Pedetidae Hystricomorpha Ctenodactylidae Diatomyidae Hystricidae (Porcos-espinhos do Velho Mundo) Phiomorpha Bathyergidae Petromuridae Thryonomyidae Caviomorpha (histricognatas do Novo Mundo) Erethizontidae (Porcos-espinhos do Novo Mundo) Caviidae Cuniculidae (Pacas) Dasyproctidae (Cutias) Dinomyidae (Pacarana) Capromyidae Ctenomyidae Echimyidae Myocastoridae (Ratão-do-banhado) Octodontidae Abrocomidae Chinchillidae (Chinchillas e viscachas) Portal dos mamíferos Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Roedores&oldid=50489169 ' Categorias : Euarchontoglires Roedores Categorias ocultas: !Artigos que carecem de notas de rodapé desde setembro de 2014 !Imagem local diferente da no Wikidata Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikispecies Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Afrikaans Alemannisch አማርኛ Aragonés العربية Asturianu Azərbaycanca تۆرکجه Башҡортса Boarisch Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български Brezhoneg Bosanski Буряад Català Cebuano کوردی Čeština Чӑвашла Cymraeg Dansk Deutsch Dolnoserbski Ελληνικά English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Føroyskt Français Nordfriisk Frysk Gaeilge Gàidhlig Galego עברית हिन्दी Hrvatski Hornjoserbsce Magyar Հայերեն Interlingua Bahasa Indonesia Ido Íslenska Italiano 日本語 Basa Jawa ქართული Қазақша 한국어 Перем Коми Kurdî Кыргызча Latina Lëtzebuergesch Limburgs Ligure Lingála Lietuvių Latviešu Македонски മലയാളം Монгол मराठी Кырык мары Bahasa Melayu Napulitano Plattdüütsch Nederlands Norsk nynorsk Norsk Novial Nouormand Diné bizaad Occitan ਪੰਜਾਬੀ Polski پنجابی Runa Simi Română Русский Саха тыла Scots Davvisámegiella Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenčina Slovenščina Shqip Српски / srpski Seeltersk Svenska Kiswahili தமிழ் Тоҷикӣ ไทย Tagalog Türkçe Татарча/tatarça Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Tiếng Việt Walon Winaray ייִדיש 中文 粵語 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 23h18min de 15 de novembro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Diatom%C3%A1cea
  Diatomácea – Wikipédia, a enciclopédia livre Diatomácea Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2011). Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior . Diatomácea Diatomáceas marinhas Classificação científica Domínio : Eukaryota Reino : Chromalveolata ... THALASSIOSIRALES Glezer & Makarova 1986. Família Thalassiosiraceae Lebour 1930 Thalassiosira, Planktoniella, Porosira, Minidiscus, Bacteriosira. Família Skeletonemataceae Lebour 1930, Sketletonema, Detonula Família Stephanodiscaceae Glezer & Makarova 1986 Dyscostella, Cyclotella, Cyclostephanos, Stephanodiscus, Mesodictyon, Pleurocyclos, Stephanocostis. Família Lauderiaceae ( Schütt) Lemmermann 1899, Lauderia Subclasse COSCINODISCOPHYCIDAE Ordem CHRYSANTHEMODISCALES Round, 1990. Família Chrysanthemodiscaceae CACHE

Diatomácea – Wikipédia, a enciclopédia livre Diatomácea Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2011). Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior . Diatomácea Diatomáceas marinhas Classificação científica Domínio : Eukaryota Reino : Chromalveolata Divisão : Bacillariophyta Classes Coscinodiscophyceae Fragillariophyceae * Bacillariophyceae Diatomáceas são organismos unicelulares que chegam a atingir 2 milímetros. A maioria delas vive em mares de águas frias, mas há espécies de agua doce. As células das Diatomáceas são recobertas por uma carapaça, a frústola, constituída por dióxido de silício (SiO2), ou sílica, o mesmo material empregado na produção de vidro. Em muitas espécies, a frústola é formada por duas partes encaixadas como uma caixa redonda com tampa e dotadas de saliências, depressões e poros que permitem contato da membrana plástica com o meio. Isso confere a muitas espécies de diatomáceas um aspecto iridescente e brilhante. A iridescência das carapaças silicosas, associada aos pigmentos presentes, dá a essas algas diferentes colorações, que vão do dourado ao marrom-esverdeado. As principais substâncias de reserva das diatomáceas são óleos, que em certas espécies contribuem para facilitar a flutuação. Muitas diatomáceas flutuam nos mares e lagos, representando parcela importante do fitoplâncton. Outras produzem um muco aderente e vivem presas à superfície de organismos marinhos, como outras algas, moluscos, crustáceos, tartarugas, baleias, etc. Em certas regiões do funfo marinho as carapaças de diatomáceas acumularam-se ao longo de milhares de anos, formando camadas rochosas compactas conhecidas como terras de diatomáceas (ou diatomito). As terras de diatomáceas são utilizadas desde a Antiguidade como material de construção, geralmente misturadas à cal. Alguns exemplos de obras construídas com terras de diatomáceas e que ainda se conservam são os aquedutos de Roma, os portos de Alexandria e o canal de Suez. Por ser constituído de carapaças vitrificadas muito pequenas, o diatomito tem granulosidade finíssima, sendo por isso empregado como matéria-prima de polidores e também na confecção de filtros e isolantes. Índice 1 Caracterização biológica 2 Composição da parede celular 3 Excreção de mucilagem 4 Multiplicação e reprodução 5 Classificação biológica 6 História geológica 7 Importância econômica Caracterização biológica [ editar | editar código-fonte ] O grupo apresenta enorme biodiversidade de espécies atuais e formas conhecidas, do registro fóssil . As suas paredes celulares de sílica apresentam uma diversidade de formas intrincadas e ornamentadas que as tornam um dos seres vivos microscópicos que mais atenção despertam. Existem em mais de 250 gêneros, não extintos, estimando-se que atualmente existam mais de 100 000 espécies diferentes de diatomáceas (Round & Crawford, 1990 ). Constituem um grupo biológico bastante comum por todo o planeta, podendo encontrar-se nos oceanos , em água doce , no solo e em demais superfícies úmidas. Muitas são pelágicas , vivendo livremente na água oceânica, enquanto que outras são bentônicas , ocupando a superfície de interface entre o substrato sedimentar e a água no fundo oceânico. Sobrevivem também em locais com umidade atmosférica elevada. São especialmente importantes nos oceanos, onde se estima que contribuam para mais de 25% da produção primária da Terra [ 1 ] e 45% da produção primária oceânica (Mann, 1999). Mais diatomáceas desenhadas por Haeckel. Pertencem a um grande grupo de algas designadas como Straminopiles , que inclui espécies autotróficas (como as laminárias ) e heterotróficas (como os fungos aquáticos ou oomicetos ). As diatomáceas podem, elas mesmas, serem autótrofas , heterótrofas e mixotróficas . Os autótrofos possuem clorofila a e c, além de poderem conter os plastídios como fucoxantina e outras xantofilas por exemplo, neofucoxantina, diadinoxantina e diatoxantina [ 2 ] , e têm como material de reserva a crisolaminarina e gotas de lipídio , que auxiliam na flutuação. Os seus cloroplastos são, de fato, típicos dos heterocontófitos , com quatro membranas. São simbiotas e de extrema importância nos recifes de corais . Algumas espécies podem apresentar bioluminescência e produzir toxinas . Podem reproduzir-se sexuada ou assexuadamente . Os seus espécimes carecem, usualmente, de flagelos , ainda que estes estejam presentes nos gâmetas , apresentando a estrutura típica dos heterocontófitos , exceto pela ausência dos pelos ( mastigonemas ) presentes nos outros grupos. Composição da parede celular [ editar | editar código-fonte ] As paredes celulares das diatomáceas são compostas por 95% de sílica e 5% de compostos orgânicos, consistindo de duas metades que se sobrepõe que se encaixam como uma placa de Petri , sendo elas denominadas epiteca (maior) e hipoteca (menor), e a região de encontro entre as duas valvas é chamada de pleura. A frústula pode possuir ornamentações, como poros, que estão arranjados em padrões diferentes entre as espécies, não contendo sílica nessas regiões. De acordo com a simetria corporal, podem ser definidos dois grupos: as diatomáceas penadas (simetria bilateral) e as diatomáceas cêntricas (simetria radial). Excreção de mucilagem [ editar | editar código-fonte ] Devido a ausência de flagelos , tal filo apresenta uma movimentação produzida pela excreção de mucilagem , que é produzida no citoplasma e liberada através das ornamentações corporais. Sendo que na Ordem Pennales, devido a existência de uma rafe (fenda longitudinal, de onde também é liberado mucilagem ), a movimentação ocorre devido à adesão do substrato, causada pela mucilagem . Já na Ordem Centrales o deslizamento é proporcionado por canais de sílica, chamados de pórtulas, que secretam mucilagem através de uma abertura que se estende do citoplasma até a face externa da valva [ 1 ] [ 2 ] . Multiplicação e reprodução [ editar | editar código-fonte ] As células vegetativas são diploides e a produção de gametas ocorre na meiose . As diatomáceas se reproduzem essencialmente por multiplicação celular vegetativa: as duas valvas da frústula se separam, a célula se divide, e cada uma das valvas que a constituem se comporta como epivalva (valva maior), reconstituindo uma hipovalva (valva menor). Como consequência desse tipo de multiplicação, tem-se uma diminuição progressiva no tamanho das células-filhas que recebem a hipovalva , para fazerem dessa sua epivalva . Quando um tamanho mínimo é atingido, a reprodução sexuada surge para restabelecer o tamanho normal da espécie, por meio de um zigoto que é chamado auxósporo [ 2 ] . Em alguns casos, a reprodução sexuada é desencadeada por mudanças nas características físicas do ambiente [ 1 ] . Classificação biológica [ editar | editar código-fonte ] Baseando-se em características estruturais e ultraestruturais, tanto quanto na fisiologia desses organismos (i.e., mecanismos de reprodução assexuada e sexuada), Round et al. (1990) desenvolveram um sistema de classificação (o qual se encontra descrito logo abaixo). Entretanto, desde então, alguns gêneros foram criados e/ou ressuscitados. Alguns desses gêneros encontram-se posicionados na classificação abaixo, o que pode diferir do sistema, Ipsis literis , de Round e colaboradores. Divisão BACILLARIOPHYTA Classe COSCINODISCOPHYCEAE Subclasse THALASSIOSIROPHYCIDAE Ordem THALASSIOSIRALES Glezer & Makarova 1986. Família Thalassiosiraceae Lebour 1930 Thalassiosira, Planktoniella, Porosira, Minidiscus, Bacteriosira. Família Skeletonemataceae Lebour 1930, Sketletonema, Detonula Família Stephanodiscaceae Glezer & Makarova 1986 Dyscostella, Cyclotella, Cyclostephanos, Stephanodiscus, Mesodictyon, Pleurocyclos, Stephanocostis. Família Lauderiaceae ( Schütt) Lemmermann 1899, Lauderia Subclasse COSCINODISCOPHYCIDAE Ordem CHRYSANTHEMODISCALES Round, 1990. Família Chrysanthemodiscaceae Round 1978 Chrysanthemodiscus Ordem MELOSIRALES Crawford, 1990. Família Melosiraceae Kützing 1844, Melosira, Druridgea Família Stephanopyxidaceae Nikolaev Stephanopyxis Família Endictyaceae Crawford, 1990. Endictya Família Hyalodiscaceae Crawford, 1990. Hyalodiscus, Podosira Ordem PARALIALES Crawford, 1990. Família Paraliaceae Crawford 1988 Paralia, Ellerbeckia Ordem AULACOSEIRALES Crawford, 1990. Família Aulacoseiraceae Crawford, 1990. Aulacoseira, Strangulonena Ordem ORTHOSEIRALES Crawford, 1990. Família Orthoseiraceae Crawford, 1990. Orthoseira Ordem COSCINODISCALES Round & Crawford, 1990. Família Coscinodiscaceae Kützing 1844 Coscinodiscus, Palmeria, Stellarima, Brughtwellia, Craspedodiscus Família Rocellaceae Round & Crawford, 1990. Rocella Família Aulacodiscaceae (Schütt) Lemmermann 1903 Aulacodiscus Família Gossleriellaceae Round, 1990. Gossleriella Família Hemidiscaceae Hendey 1937 emend Simonsen 1975 Hemidiscus, Actinocyclus, Azpeitia, Roperia Família Heliopeltaceae H. L. Smith 1872 Actinoptychus, Glorioptyschus, Lepidodiscus Ordem ETHMODISCALES Round, 1990. Família Ethmodiscaceae Round 1990. Ethmodiscus Ordem STICTOCYCLALES Round, 1990. Família Stictocyclaceae Round 1978 Stictocyclus Ordem ASTEROLAMPRALES Round & Crawford, 1990. Família Asterolampraceae H L. Smith 1872 Asterolampra, Asteromphalus Ordem ARACHNOIDISCALES Round, 1990. Família Arachnoidiscaceae Round, 1990. Arachnoidiscus Ordem STICTODISCALES Round & Crawford, 1990. Família Stictodiscaceae (Schütt) Lemmermann 1899 Stictodiscus Subclasse BIDDULPHIOPHYCIDAE Ordem TRICERATIALES Round & Crawford, 1990. Família Triceratiaceae (Schütt) Lemmermann 1899 Triceratium, Odontella, Lampriscus, Sheshukovia, Pseudoauliscus, Eupodiscus, Pleurosira, Amphitetras, Cerataulus, Auliscus Família Plagiogrammaceae De Toni 1890 Pladiogramma, Glyphodesmis, Dimeregramma, Dimerogrammopsis Ordem BIDDULPHIALES Krieger 1954. Família Biddulphiaceae Kützing 1844 Biddulphia, Biddulphiopsis, Hydrosera, Isthmia, Trigonium, Terpsinoë, Pseudotriceratium Ordem HEMIAULALES Round & Crawford, 1990. Família Hemiaulaceae Heiberg 1863 Hemiaulus, Eucampia, Climacodium, Cerataulina, Trinacria, Abas, Briggera, Pseudorutilaria, Keratophora, Kittonia, Strelnikovia, Riedelia, Baxteriopsis, Sphyntolethus, Ailuretta Família Bellerocheaceae Crawford, 1990. Bellerochea, Subsilicea Família Streptothecaceae Crawford, 1990. Streptotheca, Neostreptheca Ordem ANUALES Round & Crawford, 1990. Família Anaulaceae (Schütt) Lemmermann 1899 Anaulus, Eunotogramma, Porpeia Subclasse LITHODESMIOPHYCIDAE Ordem LITHODESMIALES Round & Crawford, 1990. Família Lithodesmiaceae Round, 1990. Lithodesmium, Lethodesmioides, Ditylum Subclasse CORETHROPHYCIDAE Ordem CORETHRALES Round & Crawford, 1990. Família Corethraceae Lebour 1930 Corethron Subclasse CYMATOSIROPHYCIDAE Ordem CYMATOSIRALES Round & Crawford, 1990. Família Cymatosiraceae Hasle, von Stosch & Syvertsen 1983 Cymatosira, Campylosira, Plagiogrammopsis, Brockmanniela, Minutocellus, Leyanella, Arcocellulus,Papiliocellulus, Extubocellulus Família Rutilariaceae De Toni 1894 Rutilaria, Syndetocystis Subclasse RHIZOSOLENIOPHYCIDAE Ordem RHIZOSOLENIALES Silva 1962. Família Rhizosoleniaceae De Toni 1890 Rhizosolenia, Proboscia, Pseudosolenia, Urosolenia, Guinardia, Dactiliosolen Família Pyxillaceae (Schütt) Simonsen 1972 Pyxilla, Gladius, Gyrodiscus, Mastogonia, Pyrgupyxis Subclasse CHAETOCEROTOPHYCIDAE Ordem CHAETOCEROTALES Round & Crawford, 1990. Família Chaetocerotaceae Ralfs in Pritchard 1861 Chaetoceros, Gonioceros, Bacteriastrum Família Acanthocerataceae Crawford, 1990. Acanthoceros Família Atteyaceae Round & Crawford, 1990. Attheya Ordem LEPTOCYLINDRALES Round & Crawford, 1990. Família Lepocylindraceae Lebour 1930 Leptocylindrus Classe FRAGILARIOPHYCEAE Subclasse FRAGILARIOPHYCIDAE Ordem FRAGILARIALES Silva 1962 . Família Fragilariaceae Greville 1833 Fragilaria, Centronella, Asterionella, Staurosirella, Staurosirella, Staurosira, Pseudostaurosira, Punctastriata, Fragilariaforma, Martyana, Diatoma, Synedra, Ctenophora, Neosynedra, Tabularia, Catacombas, Hyalosynedra, Opephora, Trachysphenia, Thalassioneis, Falcula, Pteroncola, Asterionellopsis, Bleakeleya, Podocystis, Meridion Ordem TABELLARIALES Round, 1990. Família Tabellariaceae Kützing 1844 Tabellaria, Tetracyclus, Oxyoneis Ordem LICMOPHORALES Round, 1990. Família Licmophoraceae Kützing 1844 Licmorpha, Licmosphenia Ordem RHAPHONEIDALES Round, 1990. Família Rhaphoneidaceae Forti 1912 Rhaphoneis, Diplomenora, Delphineis, Neodelphineis, Perissonoë, Sceptroneis Família Psammodiscaceae Round & Mann, 1990. Psammodiscus Ordem ARDISSONIALES Round, 1990. Família Ardissoneaceae Round, 1990. Ardissonea Ordem TOXARIALES Round, 1990. Família Toxariaceae Round, 1990. Toxarium Ordem THALASSIONEMATALES Round, 1990. Família Thalassionemataceae Round, 1990. Thalassionema, Thalassiothrix, Trichotoxon Ordem RABDONEMATALES Round & Crawford, 1990. Família Rhabdonemataceae Round, 1990. Rhabdonema Ordem STRIATELLALES Round, 1990. Família Striatellaceae Kützing 1844 Striatella, Microtabella, Grammatophora Ordem CYCLOPHORALES Round & Crawford, 1990. Família Cyclophoraceae Round & Crawford, 1990. Cyclophora Família Entopylaceae Grunow 1862 Entopyla, Genphyria Ordem CLIMACOSPHENIALES Round, 1990. Família Climacospheniaceae Round, 1990. Climacosphenia, Synedrosphenia Ordem PROTORAPHIDALES Round, 1990. Família Protoraphidaceae Simonsen 1970 Protoraphis, Pseudohimantidium Classe BACILLARIOPHYCEAE Subclasse EUNOTIOPHYCIDAE Ordem EUNOTIALES. Família Eunotiaceae Kützing 1844 Euniotia, Actinella, Semiorbis, Desmogonium Família Periniaceae (Karsten) Topachevs’kyj & Oksiuk 1960 Peronia Subclasse BACILLARIOPHYCIDAE Ordem LYRELLALES D.G.Mann, 1990 Família Lyrellaceae D. G. Mann, 1990. Lyrella, Petroneis Ordem MASTOGLOIALES D.G.Mann, 1990 Família Mastogloiaceae Mereschkowsky 1903 Aneumastus, Mastogloia Ordem DICTIONEIDALES D.G.Mann, 1990 Família Dictyoneidaceae D. G. Mann, 1990. Dictyoneis Ordem CYMBELLALES D.G.Mann, 1990 Família Rhoicospheniaceae Chen & Zhu 1983 Rhoicosphenia, Campilopyxis, Cuneolus, Gomphoseptatum, Gomphonemopsis Família Anomoeoneidaceae D. G. Mann, 1990. Anomoeoneis, Staurophora Família Cymbellaceae Greville 1833 Placoneis, Cymbella, Brebissonia, Encyonema, Gomphocymbella, Encyonopsis, Pseudoencyonema, Navicymbulla, Afrocymbella, Gomphocymbellopsis, Delicata, Cymbellopsis, Cymbopleura Família Gomphonemataceae Kützing 1844 Gomphonema, Didymosphenia, Gomphoneis, Reimeria, Gomphopleura Ordem ACHNANTHALES Silva 1962. Família Achnanthaceae Kützing 1844 Achnanthes Família Cocconeidaceae Kützing 1844 Cocconeis, Campyloneis, Anorthoneis, Bennetella, Epipellis Família Achnanthidiaceae D. G. Mann, 1990. Achnanthidium, Eucocconeis, Planothidium Ordem NAVICULALES Bessey 1907 Sub-ordem Neiidineae D. G. Mann, 1990. Família Berkeleyaceae D. G. Mann. 1990. Parlibellus, Berkeleya, Climaconeis, Stenoneis Família Cavinulaceae D. G. Mann. 1990. Cavinula Família Cosmioneidaceae D. G. Mann. 1990. Cosmioneis Família Scholioneidaceae D. G. Mann. 1990. Scolioneis Família Diadesmidaceae D. G. Mann, 1990. Diadesmis, Luticola Família Amphipleuraceae Grunow 1862 Frickea, Amphipleura, Frustulia, Cistula Família Brachysiraceae D. G. Mann, 1990. Brachysira Família Neidiaceae Mereschkowsky 1903 Neidium Família Scoliotropidaceae Mereschkowsky 1903 Scoliopleura, Scoliotropis, Biremis, Progonoia, Diadema Sub-ordem Sellphorineae D. G. Mann, 1990. Família Sellaphoraceae Mereschkowsky 1902 Sellaphora, Fallacia, Rossia, Caponea Família Pinnulariaceae D. G. Mann, 1990. Pinnularia, Diatomella, Oestrupia, Dimidiata Sub-ordem Phaeodactilineae J. Lewin 1958 Família Phaeodactylaceae Silva 1962 Phaeodactylum Sub-ordem Diploneidineae D. G. Mann, 1990. Família Diploneidaceae D. G. Mann, 1990. Diploneis, Raphidodiscus Sub-ordem Naviculineae Hendey 1937 Família Naviculaceae Kützing 1844 Navicula, Trachyneis, Pseudogomphonema, Seminavis, Rhoikoneis, Haslea, Cymatoneis Família Pleurosigmataceae Mereschkowsky 1903 Pleurosigma, Toxonidea, Donkinia, Gyrosigma, Rhoicosigma Família Plagiotropidaceae D. G. Mann, 1990. Plagiotropis, Stauropsis, Pachyneis Família Stauroneidaceae D. G. Mann, 1990. Stauroneis, Craticula Família Proschkiniaceae D. G. Mann, 1990. Proschkinia Ordem THALASSIOPHYSALES D.G.Mann, 1990 Família Catenulaceae Mereschkowsky 1902 Catenula, Amphora, Undatella Família Thalassiophysaceae D. G. Mann, 1990. Thalassiophysa Ordem BACCILARIALES Hendey 1937. Família Bacillariaceae Ehremberg 1831 Bacillaria, Hantzschia, Psammodictyon, Tryblionella, Cymbellonitzschia, Gomphonitzschia, Gomphotheca, Nitzschia, Denticula, Denticulopsis, Fragilariopsis, , Cylindrotheca, Simonsenia, Cymatonitzschia, Perrya Ordem RHOPALODIALES D.G.Mann, 1990 Família Rhopalodiaceae (Karsten) Topachevs’kyj & Oksiyuk 1960 Epithemia, Rhopalodia, Protokeelia Ordem SURIRELLALES D.G.Mann, 1990 Família Entomoneidaceae Reimer in Patrick & Reimer 1975 Entomoneis Família Auriculaceae Hendey 1964 Auricula Família Surirellaceae Kützing 1844 Hydrosilicon, Petrodictyon, Plagiodiscus, Stenopterobia, Surirella, Campylodiscus, Cymatopleura História geológica [ editar | editar código-fonte ] As diatomáceas surgiram provavelmente no início do Triássico , como resposta à libertação de diversos nichos ecológicos após a Extinção Permo-Triássica . Os primeiros fósseis de diatomáceas, que correspondem às primeiras formas silicificadas, surgem no Jurássico e diversificaram-se bastante a partir de então. No Cretácico a flora de diatomáceas é muito abundante e há exemplos de formações rochosas - os diatomitos - constituídas quase inteiramente de carapaças de diatomáceas. Também conhecidas por algas douradas , porque possuem uma carapaça rígida de tom dourado, as diatomáceas são muito comuns em oceanos e mares. Algumas regiões do Nordeste brasileiro possuem depósitos naturais de suas carapaças, chamados de diatomitos , material utilizado, por exemplo, na fabricação de produtos para polimento, cosméticos e tijolos. Importância econômica [ editar | editar código-fonte ] As frústulas de sílica das diatomáceas vêm se acumulando ao longo de milhões de anos nos sedimentos oceânicos, formando uma substância fina e porosa que é conhecida como diatomito . Essa substância é usada como abrasivo para polir prata, como material isolante e filtro. Nos campos de petróleo de Santa Maria da Califórnia existe um depósito subterrâneo de diatomito com cerca de 900 m de espessura e, próximo a Lompoc , Califórnia , mais de 270.000 t de diatomito são retiradas anualmente para o uso industrial [ 1 ] . ↑ a b c d RAVEN, PETER (2007). Biologia Vegetal . RJ: Guanabara Koogan |acessodata= requer |url= ( ajuda ) ↑ a b c REVIERS, BRUNO (2006). Biologia e filogenia das algas . Porto Alegre: Artmed. 160 páginas |acessodata= requer |url= ( ajuda ) Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Diatomácea&oldid=50384332 ' Categoria : Diatomáceas Categorias ocultas: !Páginas a reciclar desde março de 2011 !Imagem local diferente da no Wikidata !Páginas com referências sem URL e com acessodata Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Afrikaans العربية Asturianu Azərbaycanca Беларуская Български Bosanski Català Čeština Dansk Deutsch Ελληνικά English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Français Gaeilge Galego עברית हिन्दी Hrvatski Magyar Հայերեն Interlingua Bahasa Indonesia Ido Íslenska Italiano 日本語 ქართული Қазақша ಕನ್ನಡ 한국어 Кыргызча Latina Lietuvių Latviešu Македонски മലയാളം Nederlands Norsk nynorsk Norsk Polski Română Русский Srpskohrvatski / српскохрватски සිංහල Simple English Slovenčina Српски / srpski Svenska தமிழ் ไทย Türkçe Українська Oʻzbekcha/ўзбекча Tiếng Việt 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 14h54min de 5 de novembro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://ca.wikipedia.org/wiki/Nudibranqui
  Nudibranqui - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Nudibranqui De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca Nudibranqui Nudibranchia Janolus fuscus Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Animalia Subregne Bilateria Fílum Mollusca Classe Gastropoda Superordre Heterobranchia Ordre Nudibranchia Blainv. , 1814 Clades Euctenidiacea Gnathodoridacea Doridacea Dexiarchia Pseudoeuctenidiacea Cladobranchia La ballarina ... Família Bathydorididae Subclade Doridacea Superfamília Doridoidea Família Dorididae Família Actinocyclidae Família Chromodorididae Família Discodorididae Superfamília Phyllidioidea Família Phyllidiidae Família Dendrodorididae Família Mandeliidae Superfamília Onchidoridoidea (=Phanerobranchiata Suctoria) Família Onchidorididae Família Corambidae Família Goniodorididae Superfamília Polyceroidea (=Phanerobranchiata no Suctoria) Família Polyceridae Família Aegiretidae Família Gymnodorididae Família CACHE

Nudibranqui - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Nudibranqui De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca Nudibranqui Nudibranchia Janolus fuscus Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Animalia Subregne Bilateria Fílum Mollusca Classe Gastropoda Superordre Heterobranchia Ordre Nudibranchia Blainv. , 1814 Clades Euctenidiacea Gnathodoridacea Doridacea Dexiarchia Pseudoeuctenidiacea Cladobranchia La ballarina espanyola ( Hexabranchus sanguineus ), coneguda així pel seu colorit, plecs i moviment. [1] Berghia coerulescens . Cerberilla ambonensis . Tritonia . Cuthona flavovulta . Nembrotha megalocera . Diaphorodoris olakhalafi . Els nudibranquis ( Nudibranchia ) són un subordre de mol·luscs gastròpodes de l' ordre dels opistobranquis . El seu nom significa 'amb les brànquies nues'. Contingut 1 Taxonomia 2 Referències 3 Articles relacionats 4 Enllaços externs Taxonomia [ modifica ] D'acord amb la taxonomia dels Gastròpodes de Bouchet & Rocroi (2005), [2] els nudibranquis es divideixen en dos clades : Clade Euctenidiacea (=Holohepatica) Subclade Gnathodoridacea Superfamília Bathydoridoidea Família Bathydorididae Subclade Doridacea Superfamília Doridoidea Família Dorididae Família Actinocyclidae Família Chromodorididae Família Discodorididae Superfamília Phyllidioidea Família Phyllidiidae Família Dendrodorididae Família Mandeliidae Superfamília Onchidoridoidea (=Phanerobranchiata Suctoria) Família Onchidorididae Família Corambidae Família Goniodorididae Superfamília Polyceroidea (=Phanerobranchiata no Suctoria) Família Polyceridae Família Aegiretidae Família Gymnodorididae Família Hexabranchidae Família Okadaiidae Clade Dexiarchia (=Actenidiacea) Subclade Pseudoeuctenidiacea (=Doridoxida) Superfamília Doridoxoidea Família Doridoxidae Subclade Cladobranchia (=Cladohepatica) Famílies basals Família Charcotiidae Família Dironidae Família Dotidae Família Embletoniidae Família Goniaeolididae Família Heroidae Família Madrellidae Família Pinufiidae Família Proctonotidae Superfamília Arminoidea Família Arminidae Família Doridomorphidae Superfamília Tritonioidea Família Tritoniidae Família Aranucidae Família Bornellidae Família Dendronotidae Família Hancockiidae Família Lomanoridae Família Phylliroidae Família Scyllaeidae Família Tethydidae Superfamília Flabellinoidea (=Pleuroprocta) Família Flabellinidae Família Notaeolidiidae Superfamília Fionoidea Família Fionidae Família Calmidae Família Eubranchidae Família Pseudovermidae Família Tergipedidae Superfamília Aeolidioidea Família Aeolidiidae Família Facelinidae Família Glaucidae Família Piseinotecidae Referències [ modifica ] ↑ National Geographic en castellà . ↑ Bouchet P. & Rocroi J.-P. (Ed.). Frýda J., Hausdorf B., Ponder W., Valdés Á. & Warén A. (2005). 'Classification and nomenclator of gastropod families'. Malacologia, International Journal of Malacology , 47 (1-2). ConchBooks: Hackenheim, Germany. ISBN 3-925919-72-4 . Issn = 0076-2997. 397 pp. http://www.vliz.be/Vmdcdata/imis2/ref.php?refid=78278 Articles relacionats [ modifica ] Flabellina cooperi Enllaços externs [ modifica ] En altres projectes de Wikimedia : Commons Viquiespècies Descripció de moltes espècies de nudibranquis: Opistobranquis.info Seaslugforum (en anglès) Bases de dades taxonòmiques Dyntaxa EOL GBIF ITIS NCBI Paleodb WoRMS Obtingut de « https://ca.wikipedia.org/w/index.php?title=Nudibranqui&oldid=19108965 » Categoria : Nudibranquis Categories ocultes : Pàgines que usen enllaços màgics d'ISBN Articles amb infotaules sense dades en local Pàgines amb enllaç commonscat des de Wikidata Control de bases de dades taxonòmiques Control d'autoritats Menú de navegació Eines personals Sense sessió iniciada Discussió per aquest IP Contribucions Crea un compte Inicia la sessió Espais de noms Pàgina Discussió Variants Vistes Mostra Modifica Mostra l’historial Més Cerca Navegació Portada Article a l'atzar Articles de qualitat Comunitat Portal viquipedista Canvis recents La taverna Contacte Xat Donatius Ajuda Eines Què hi enllaça Canvis relacionats Pàgines especials Enllaç permanent Informació de la pàgina Element a Wikidata Citau aquest article Imprimeix/exporta Crear un llibre Baixa com a PDF Versió per a impressora En altres projectes Commons Viquiespècies En altres idiomes العربية تۆرکجه Български Cebuano Čeština Dansk Deutsch English Esperanto Español Euskara فارسی Suomi Français עברית Magyar Bahasa Indonesia Íslenska Italiano 日本語 ქართული 한국어 Кыргызча Latviešu Nederlands Norsk Diné bizaad Português Русский Simple English Svenska ไทย Українська Winaray 中文 Modifica els enllaços La pàgina va ser modificada per darrera vegada el 1 nov 2017 a les 19:53. El text està disponible sota la Llicència de Creative Commons Reconeixement i Compartir-Igual . es poden aplicar termes addicionals. Vegeu les Condicions d'ús . Wikipedia® (Viquipèdia™) és una marca registrada de Wikimedia Foundation, Inc . Política de privadesa Quant al projecte Viquipèdia Renúncies Desenvolupadors Declaració de cookies Versió per a mòbils



http://piratahq.com.br/
  Pirata HQ - Seu site brasileiro de hentai. HQ traduzidos com exclusi, fotos de cosplay com gostosas peladas, fotos hentais dos simpsons, dragon ball, tem muito Hentai, porno comics, quadrinhos adultos, paródias, simpsons, flintstones e muitos outros Skip to content Pesquisar por: The Porn Dude Terceiro Z cartoon pornô Família Caipira Família Favela Família Jurássica Família Sacana hentai hq 3d incesto ... Terceiro Z cartoon pornô Família Caipira Família Favela Família Jurássica Família Sacana hentai hq 3d ... Recent Posts Família Indescente Posted on 23 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Família Sacana: A Filhinha do Papai Posted on 23 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Família Jurássica: Tigre Dentes de Sabre Posted on 23 de Janeiro de 2018 22 de ... de trepar com ele.... Read More Família Favela: Fla x Flu no Maracanã Posted on 16 de Janeiro de CACHE

Pirata HQ - Seu site brasileiro de hentai. HQ traduzidos com exclusi, fotos de cosplay com gostosas peladas, fotos hentais dos simpsons, dragon ball, tem muito Hentai, porno comics, quadrinhos adultos, paródias, simpsons, flintstones e muitos outros Skip to content Pesquisar por: The Porn Dude Terceiro Z cartoon pornô Família Caipira Família Favela Família Jurássica Família Sacana hentai hq 3d incesto interracial Simpsons Pornô TZ Comix Vídeos Pirata HQ Seu site brasileiro de hentai. HQ traduzidos com exclusi, fotos de cosplay com gostosas peladas, fotos hentais dos simpsons, dragon ball, tem muito Hentai, porno comics, quadrinhos adultos, paródias, simpsons, flintstones e muitos outros Recent Posts Família Indescente Posted on 23 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Família Sacana: A Filhinha do Papai Posted on 23 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Família Jurássica: Tigre Dentes de Sabre Posted on 23 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More O Castigo de Hermione Posted on 22 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More A Garota Rebelde Posted on 22 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Titia Bunduda e Gostosa Posted on 22 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Titia Bunduda e Gostosa – TZ Comix: sobrinho sempre foi tarado com a sua tia e com o passar do tempo ela tem a chance de finalmente comer essa titia deliciosa, tudo o que ele sempre quis, está ... Read More Papai Fuder meu Cuzinho Posted on 22 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Katy Perry Posted on 22 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Beach Hunter Posted on 22 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More A Cor do Pecado Posted on 22 de Janeiro de 2018 22 de Janeiro de 2018 by piratahq A Cor do Pecado: Uma mulher muito safada que é completamente adúltera recebe o entregador na sua casa e já dá um jeito de trepar com ele.... Read More Família Favela: Fla x Flu no Maracanã Posted on 16 de Janeiro de 2018 15 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Família Caipira: Plantando na Roça Posted on 16 de Janeiro de 2018 15 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Tratamento Surpresa Posted on 15 de Janeiro de 2018 15 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More A Rainha do Club Posted on 15 de Janeiro de 2018 15 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More O Planeta dos Macacos Posted on 15 de Janeiro de 2018 15 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More O Jardim de Bambo Posted on 15 de Janeiro de 2018 15 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Ninfomaníaca Posted on 15 de Janeiro de 2018 15 de Janeiro de 2018 by piratahq Pensa em uma loirinha linda, novinha, ninfetinha com cara de princesa da Disney, que adora trepar. Pois é, essa é a garota dessa hq.... Read More Milky Posted on 9 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Família Sacana: Tarde Quente de Estudo Posted on 9 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Família Jurássica: Ovo de Dinossauro Posted on 9 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More A Aposta Posted on 8 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Spellbinder 8 Posted on 8 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Acervo 17 Anos Terceiro Z Posted on 8 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq Acervo 16 Anos Terceiro Z: Quer ter todo o acervo do Terceiro Z ao longo desse 16 anos e ainda 01 ano de acesso ao site TZ Comix? É muito fácil, basta assinar o TZ Comix por um ano que vc ganha um p... Read More Entramos na Tribos dos Negros Posted on 8 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Ensinando a Filha Posted on 8 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More A Turma Jovem 2 Posted on 8 de Janeiro de 2018 8 de Janeiro de 2018 by piratahq O Cebolão não cansa de trair a Monique, mas uma hora ele vai cair do cavalo com suas aventuras sexuais.... Read More Família Favela: Dividindo o Banheiro Posted on 8 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More Família Caipira em: Biquíni sem vergonha Posted on 8 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by tufos Neste episódio da Família Caipira: Biquíni sem vergonha, vemos um briga feia entre Pedrinho e Raimunda em razão do minúsculo biquíni da garota. Raimunda deixa Pedrinho falando sozinho e parte pa... Read More Educação Física Posted on 7 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq Educação Física – cartoon pornô: Rainbow procura a sua amiga Sunset para que ela a ajude na matéria que ela está com muita dificuldade, que é justamente a educação física, sua amiga ac... Read More Jessica Rabbit Posted on 7 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq Jessica Rabbit – Hq 3d: Jessica é uma cantora em uma boate e sempre depois dos shows ela atende alguns clientes, principalmente aqueles que pagarem mais, e sempre foi assim ela atende a todos, ... Read More Um Tesão de Madrasta Posted on 7 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq Um Tesão de Madrasta – TZ Comix: Garoto gordinho pega seu pai no quarto transando com sua madrasta e desde então fica completamente fissurado por ela e vai fazer o que for possível e o imposs... Read More Cora e Micaela Posted on 7 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq Cora e Micaela – hq 3d: Micaela está no metrô indo pra balada depois de um dia cansativo de trabalho quando uma moça chamada Cora se aproxima, e começa a tocar na garota, ela até gosta porq... Read More Padrinhos Mágicos Posted on 7 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq Padrinhos Mágicos – Paródia Pornô: Uma história em quadrinhos bem curtinha e breve de um dos desenhos mais engraçados que a nick já lançou, bem, espero que não, mas este post tem grande ... Read More Milftoons Posted on 7 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq Milftoons – cartoon pornô: Milftoons é a típica família americana, e é justamente por isso que a dona de casa Mary está meio que perdida, o seu marido é tarado pela empregada morena e g... Read More Família Suruba: O Pecado Mora ao Lado Posted on 7 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq O vizinho fica louco de tesão quando vê as gostosas da sua vizinhas tomando banho de piscina com seus mini biquínis... Read More Família Jurássica: A Descoberta da Roda Posted on 7 de Janeiro de 2018 7 de Janeiro de 2018 by piratahq Read More O Negão da Picona Posted on 10 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq O meme mais famoso da internet sai das redes sociais pra comer umas novinhas colegiais, sem dó nem piedade.... Read More Família Caipira: Carrapato no Bumbum Posted on 10 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More O Cuzinho da minha filha Posted on 9 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by tufos Família Sacana em: A filhinha do papai: A filhinha do papai está acordando e louca para ajuda-lo. O velho pai está trabalhando e ela resolve servir café. Ela está vestida apenas de calcinha e dei... Read More Família Jurássica: Capturada pelos Feras Posted on 9 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More Os Simpsexys 2 Posted on 8 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Os Simpsexys 2 – TZ Comix: Marge está ferrada, Homer chegou em casa bêbado e ainda devendo dinheiro ao Moe, então a polícia vai lá na casa dos Simpsons pra resolver essa situação, e Marge... Read More Tara Posted on 8 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Tara -TZ Comix: casal está voltando pra casa quando o tesão começa a bater bem forte, veja todos os relatos reais dessa gostosa com exclusividade aqui, ela existe sim é real e tem até algumas fot... Read More Família Favela: Pedágio do Tráfico Posted on 8 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More Família Caipira: Mijando na Madrugada Posted on 8 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More Batman vs. Mulher Maravilha Posted on 7 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More Gotham é… Posted on 7 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Gotham é…: Gotham esconde muitos mistérios, ela é de tudo um pouco, é a cidade do sexo, do crime, da corrupção, do Coringa, mas acima de tudo, Gotham é a cidade do Batman.... Read More Família Sacana: Queridinho da Mamãe Posted on 7 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More Família Jurássica: Fugindo do Tiranossauro Posted on 7 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More A Ninfeta da Pensão 3 Posted on 6 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More Noite Feliz Posted on 6 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Noite Feliz – TZ Comix: O porteiro Josias não toma jeito mesmo quer a Patricinha Fernanda todos os dias e toda hora, pra você ter uma ideia, nem na noite de natal ele abre mão dela, não quer... Read More Família Favela em: Dança da cadeira Posted on 6 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by tufos Neste episódio da Família Favela, Seu Benê estranha o comportamento de sua filha, Ludmila. Ele aproveita que ela deu suas escapadas e decidi seguir a filha para ver aonde ela vai todas as noites. S... Read More Tirando Leite da Mimosa Posted on 6 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More A Patricinha e o Porteiro 3 Posted on 5 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq A Patricinha e o Porteiro 3 – TZ Comix: Depois de na primeira parte o porteiro Josias colocar a Fernandinha pra chupar, agora ele quer mais, o cara não tá aguentando mais de tesão, quer com... Read More Turma Titã Posted on 5 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Turma Titã – TZ Comix: Raven sempre foi muito amiga da Estelar, já salvaram o mundo, inúmeras vezes, mas no fundo Raven sempre teve uma inveja da Estelar, e tudo isso porque ela é louca pelo... Read More Família Sacana em: Vovô sabe das coisas Posted on 5 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Neste episódio da Família Sacana: Vovô sabe das coisas, Seu Didi presencia sua neta deliciosa, Aninha, depilando sua bucetinha jovial. O velho relembra o passado glorioso e acaba com o pau duro. Co... Read More Família Jurássica em: Cogumelos alucinógenos Posted on 5 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by tufos Em mais um episódio da Família Jurássica: Cogumelos alucinógenos, a mãe Booga e seu filho, Babuí, saem para colher alguns frutos para comer. Mas mãe Booga acaba comendo cogumelos alucinógenos ... Read More O Resgate da Princesa Marco Posted on 4 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More Seis Irmãs e um Portal Posted on 4 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More Os Guerreiros do Zodíaco 2 Posted on 4 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Os Guerreiros do Zodíaco 2 – TZ Comix: Enquanto se tem o início da batalha entre o cavaleiro do gelo contra o cavaleiro de dragão, um outro tipo de batalha vai se iniciar no quarto da princes... Read More A Visita Posted on 4 de dezembro de 2017 4 de dezembro de 2017 by piratahq Read More 1 of 27 1 2 3 … 27 Próximo » Quadrinhos Pornô Super HQ de Sexo Parceiros Top Parceiros Categorias Amadoras (6) Baú Terceiro Z (7) cartoon pornô (234) Contos Eróticos (6) Cosplay (10) Família Caipira (7) Família Favela (7) Família Jurássica (6) Família Sacana (8) furry (16) Futanari (22) galeria (85) hentai (196) História em Quadrinhos (105) hq 3d (113) HQ sem Tradução (17) incesto (80) interracial (85) Liga Hentai (4) mexicanas (3) parceiros (195) Proibidão (31) Sem categoria (71) Sem Falas (8) Simpsons Pornô (18) Site Rip (55) Super Heróis (54) Super HQ de Sexo (19) TZ Comix (39) Vídeos (86) Buscas Populares mother The Los Kolos milf age jab pinups Sumo omega Os incriveis Sister Irmã 3d Vovo sabe das coisas The poker game sabotage after time milftoon Naruto kolos sleepover The Last of Our Desires party time Família Riqueza velho jefferson old familia sacana tufos Milfton Mãe Chapeuzinho Vermelho The Porn Dude Terceiro Z cartoon pornô Família Caipira Família Favela Família Jurássica Família Sacana hentai hq 3d incesto interracial Simpsons Pornô TZ Comix Vídeos O Sogro Safado Hanna Barbera XXX Theme Designed by InkHive.com . © 2018 Pirata HQ. All Rights Reserved.



https://pt.wikipedia.org/wiki/Usu%C3%A1rio%28a%29%3AMuriel_Gottrop/%C3%81rvore/Cordados/Penas_e_pelos
  Usuário(a):Muriel Gottrop/Árvore/Cordados/Penas e pelos – Wikipédia, a enciclopédia livre Usuário(a):Muriel Gottrop/Árvore/Cordados/Penas e pelos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. < Usuário(a):Muriel Gottrop ‎ | Árvore ‎ | Cordados Ir para: navegação , pesquisa de = dead end. min = minimum. rev, revision --> Filo CHORDATA (vertebrados) --> Filo ARTHROPODA Classe Mammalia [ editar | ... | editar código-fonte ] Outros Sub-classe Prototheria - completo Ordem Monotremata Família Ornithorhynchidae Gênero Ornithorhynchus - Ornitorrinco Gênero Obdurodon Família Steropodontidae (†) Gênero Steropodon Gênero Teinolophos Família Tachyglossidae Gênero Tachyglossus Gênero Zaglossus Sub-classe ... código-fonte ] Ordem Didelphimorphia Família Didelphidae Sub-família Caluromyinae Género Caluromys Género Caluromysiops Género Glironia Sub-família Didelphinae Género Chironectes Género Didelphis CACHE

Usuário(a):Muriel Gottrop/Árvore/Cordados/Penas e pelos – Wikipédia, a enciclopédia livre Usuário(a):Muriel Gottrop/Árvore/Cordados/Penas e pelos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. < Usuário(a):Muriel Gottrop ‎ | Árvore ‎ | Cordados Ir para: navegação , pesquisa de = dead end. min = minimum. rev, revision --> Filo CHORDATA (vertebrados) --> Filo ARTHROPODA Classe Mammalia [ editar | editar código-fonte ] Outros Sub-classe Prototheria - completo Ordem Monotremata Família Ornithorhynchidae Gênero Ornithorhynchus - Ornitorrinco Gênero Obdurodon Família Steropodontidae (†) Gênero Steropodon Gênero Teinolophos Família Tachyglossidae Gênero Tachyglossus Gênero Zaglossus Sub-classe Theriiformes Ordem Multituberculata de Sub-classe Theria Infra-classe Marsupialia [ editar | editar código-fonte ] Ordem Didelphimorphia Família Didelphidae Sub-família Caluromyinae Género Caluromys Género Caluromysiops Género Glironia Sub-família Didelphinae Género Chironectes Género Didelphis Género Gracilinanus Género Lestodelphys Género Lutreolina Género Marmosa Género Marmosops Género Metachirus Género Micoureus Género Monodelphis Género Philander Género Thylamys Ordem Paucituberculata Família Caenolestidae Género Caenolestes Género Lestoros Género Rhyncholestes Ordem Microbiotheria Ordem Dasyuromorphia Família Thylacinidae Género Thylacinus - tigre da Tasmânia Família Dasyuridae Sub-família Dasyiurinae Género Dasyurus Género Dasycerus Género Sarcophilus Género Dasykaluta Género Parantechinus Género Pseudantechinus Sub-família Phascogalinae Género Antechinus Género Phascogale Sub-família Planigalinae Género Planigale Género Ningaua Sub-família Sminthopsinae Género Sminthopsis Família Myrmecobiidae Género Myrmecobius Ordem Peramelemorphia Família Peramelidae Género Perameles Género Isoodon Género Chaeropus (extinto) Género Macrotis Família Peroryctidae Género Peroryctes Género Microperoryctes Género Echymipera Género Rhynchomles Ordem Notoryctemorphia Família Notoryctidae Género Notoryctes Ordem Diprotodontia Sub-ordem Vombatiformes Família Phascolarctidae - completo Género Phascolarctos - coala Família Vombatidae - completo Género Vombatus Género Lasiorhinus Família Thylacoleonidae - completo Género Priscileo Género Wakaleo Género Thylacoleo Subordem Phalangeriformes Família Phalangeridae Família Burramyidae Família Tarsipedidae Família Petauridae Família Pseudocheiridae Família Acrobatidae - completo Género Acrobates Género Distoechurus Subordem Macropodiformes Família Macropodidae Outros géneros Macropus - cangurus e wallabees Família Potoridae Família Hypsiprymnodontidae Infraclasse Placentalia [ editar | editar código-fonte ] Ordem Xenarthra Família Myrmecophagidae Género Myrmecophaga Género Tamandua Género Cyclopes Família Megalonychidae Género Choloepus Família Bradypodidae Género Bradypus Família Dasypodidae Género Chlamyphorus Género Cabassous Género Chaetophractus Género Dasypus Género Euphractus Género Priodontes Género Tolypeutes Género Zaedyus Família Megatheriidae - preguiça gigante (extinta) Família Glyptodontidae Outros géneros Género Glyptodon Ordem Pholidota ( pangolim ) Família Manidae Género Manis Ordem Chiroptera Sub-ordem Megachiroptera Família Pteropodidae Sub-ordem Microchiroptera Super-família Emballonuroidea Família Emballonuridae Super-família Rhinopomatoidea Família Rhinopomatidae Família Craseonycteridae Super-família Rhinolophoidea Família Rhinolophidae Família Nycteridae Família Megadermatidae Super-família Vespertilionoidea Família Vespertilionidae Super-família Molossoidea Família Molossidae Géneros: * Mormopterus * Sauromys * Platymops * Molossops * Neoplatymops * Myopterus * Tadarida * Chaerephon * Mops * Otomops * Nyctinomops * Eumops * Promops * Molossus * Cheiromeles Família Antrozoidae Super-família Nataloidea Família Natalidae Família Myzopodidae Família Thyropteridae Família Furipteridae Super-família Noctilionoidea Família Noctilionidae Género Noctilio Família Mystacinidae Família Mormoopidae Família Phyllostomidae de Ordem Dermoptera - completo Família Cynocephalidae Género Cynocephalus Ordem Primatas Sub-ordem Strepsirrhini Infra-ordem Lemuriformes Super-família Cheirogaleoidea Família Cheirogaleidae Super-família Lemuroidea Família Lemuridae Família Megaladapidae Família Indridae Infra-ordem Chiromyiformes Família Daubentoniidae Infra-ordem Loriformes Família Loridae Família Galagonidae Sub-ordem Haplorrhini Infra-ordem Tarsiiformes Família Tarsiidae Infra-ordem Simiiformes Clade Platyrrhini Família Cebidae Género Cebus Género Saimiri Família Nyctipithecidae Família Pitheciidae Outros géneros Género Chiropotes Género Cacajao Família Atelidae Outros géneros Género Alouatta Género Lagothrix Género Brachiteles Família Callitrichidae Género Callimico Género Callithrix Género Leontopithecus Género Saguinus Clade Catarrhini Super-família Cercopithecoidea Família Cercopithecidae Outros géneros Género Macaca Género Papio Super-família Hominoidea Família Hylobatidae Género Hylobates Género Bunopithecus Género Nomascus Género Symphalangus Família Hominidae Subfamília Ponginae Género Pongo Género Gigantopithecus Género Sivapithecus Subfamília Homininae Géneros: Gorilla - Pan - Ardipithecus - Australopithecus - Pierolapithecus - Sahelanthropus - Paranthropus - Kenyanthropus - Orrorin - Homo Ordem Scandentia Família Tupaiidae Géneros: Tupaia - Anathana - Urogale - Dendrogale - Lyonogale - Ptilocercus Ordem Macroscelidea Família Macroscelidae Géneros: Rhynchocyon - Petrodromus - Macroscelides - Elephantulus Ordem Rodentia Sub-ordem Sciurognathi Infra-ordem Sciurida Família Sciuridae Sub-família Petauristinae Géneros: Aeretes , Aeromys , Belomys , Eupetaurus , Glaucomys , Hylopetes , Iomys , Petaurillus , Petaurista , Petinomys , Pteromys , Pteromyscus , Trogopterus Sub-família Sciurinae Família Aplodontidae Infra-ordem Castorimorpha Família Castoridae Infra-ordem Anomaluromorpha Família Anomaluridae Família Pedetidae Infra-ordem Ctenodactylomorpha Família Ctenodactylidae Infra-ordem Glirimorpha Família Gliridae Infra-ordem Geomorpha Família Geomyidae Família Heteromyidae Infra-ordem Myodonta Super-família Dipodoidea Família Zapodidae Família Dipodidae Super-família Muroidea Família Platacanthomyidae Família Spalacidae Família Calomyscidae Família Nesomyidae Família Cricetidae Sub-família Cricetinae Géneros: Cricetus - Mesocricetus - Cricetulus - Phodopus Família Muridae Sub-ordem Hystricognathi Família Laonastidae Género Laonestes Infra-ordem Hystricomorpha Família Hystricidae Infra-ordem Phiomorpha Família Erethizontidae Família Thryonomyidae Família Bathyergidae Infra-ordem Caviomorpha Família Octodontidae Família Echimyidae Família Capromyidae Família Dasyproctidae Outros géneros Género Dasyprocta Género Agouti Família Dinomyidae Família Caviidae Outros géneros Género Cavia Família Hydrochoeridae Outros géneros Género Hydrochoerus Família Chinchillidae Géneros: Chinchilla - Lagidium - Lagostomus Família Abrocomidae Ordem Lagomorpha ( lebre , coelho , pika ) Ordem Insectivora ( musaranho , toupeira , ouriço ) Ordem Creodonta - extinta Ordem Carnivora ( cão , lobo , gato , urso , doninha , foca , morsa ) Ordem Condylarthra - extinta Ordem Artiodactyla ( porco , veado , boi , bode , ovelha , camelo ) Ordem Cetacea ( baleia , golfinho ) Ordem Tubulidentata ( aardvark ) Ordem Perissodactyla ( cavalo , anta (mamífero) , rinoceronte ) Ordem Hyracoidea ( dassie ) Ordem Proboscidea ( elefante ) Ordem Embrythopoda - extinta Ordem Demostylia - extinta Ordem Sirenia ( manatim , dugongo , peixe-boi ) Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Usuário(a):Muriel_Gottrop/Árvore/Cordados/Penas_e_pelos&oldid=892677 ' Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Página de usuário(a) Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Contribuições Registos Ver grupos do utilizador Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Noutros idiomas Esta página foi editada pela última vez à(s) 10h20min de 18 de outubro de 2005. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Asparagales
  Asparagales – Wikipédia, a enciclopédia livre Asparagales Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Aspargales Asparagus officinalis Classificação científica Reino : Plantae Divisão : Magnoliophyta Classe : Liliopsida Ordem : Asparagales Famílias Ver texto O Commons possui imagens e outras mídias sobre Asparagales O Wikispecies tem informações sobre: Asparagales Aspargales ... das monocotiledóneas, segundo a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Alliaceae - alhos e cebolas [+ família Agapanthaceae ] [+ família Amaryllidaceae ] família Asparagaceae - espargos [+ família Agavaceae ] - sisal [+ família Aphyllanthaceae ] [+ família Hesperocallidaceae ] [+ família Hyacinthaceae ] - jacintos [+ família Laxmanniaceae ] [+ família Ruscaceae ] [+ família Themidaceae ] família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Doryanthaceae família CACHE

Asparagales – Wikipédia, a enciclopédia livre Asparagales Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Aspargales Asparagus officinalis Classificação científica Reino : Plantae Divisão : Magnoliophyta Classe : Liliopsida Ordem : Asparagales Famílias Ver texto O Commons possui imagens e outras mídias sobre Asparagales O Wikispecies tem informações sobre: Asparagales Aspargales é uma ordem das monocotiledôneas . O grupo inclui os espargos e as cebolas . Taxonomia [ editar | editar código-fonte ] A ordem Asparagales insere-se nas Monocots da seguinte forma: [ 1 ] [ 2 ] Monocots Commelinids Commelinales Zingiberales Poales Arecales Asparagales Liliales Dioscoreales Pandanales Petrosaviales Alismatales Acorales O sistema APG II, de 2003, colocou esta ordem no clade das monocotiledóneas, segundo a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Alliaceae - alhos e cebolas [+ família Agapanthaceae ] [+ família Amaryllidaceae ] família Asparagaceae - espargos [+ família Agavaceae ] - sisal [+ família Aphyllanthaceae ] [+ família Hesperocallidaceae ] [+ família Hyacinthaceae ] - jacintos [+ família Laxmanniaceae ] [+ família Ruscaceae ] [+ família Themidaceae ] família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Doryanthaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae - Açafrão família Ixiolirionaceae família Lanariaceae família Orchidaceae - orquídeas família Tecophilaeaceae família Xanthorrhoeaceae [+ família Asphodelaceae ] - aloés [+ família Hemerocallidaceae ] família Xeronemataceae Nota: '+ ...' = família segregada - opcional, que poderá ser separada da família precedente. O sistema APG II consolidou algumas das famílias no seu sistema anterior, embora reconhecendo uma alternativa que permite que pequenas famílias sejam separadas, seguindo na mesma o sistema em causa. O sistema APG de 1998, também colocava esta ordem nas monocotiledóneas, mas usando a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Agapanthaceae família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anemarrhenaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Behniaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Convallariaceae família Doryanthaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hyacinthaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae família Ixioliriaceae família Lanariaceae família Laxmanniaceae família Orchidaceae família Tecophilaeaceae família Themidaceae família Xanthorrhoeaceae família Xeronemataceae O volume de 1998 do sistema de Kubitzki, da série de livros de referência sobre plantas vasculares, usava esta circunscrição: ordem Asparagales família Agapanthaceae família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anemarrhenaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Behniaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Convallariaceae família Doryanthaceae família Dracaenaceae família Eriospermaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hyacinthaceae família Hostaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae família Ixioliriaceae família Johnsoniaceae família Lanariaceae família Lomandraceae família Nolinaceae família Orchidaceae família Ruscaceae família Tecophilaeaceae família Themidaceae família Xanthorrhoeaceae O sistema de Dahlgreen colocava esta ordem na super-ordem Lilianae subclasse Liliidae , classe Magnoliopsida , usando a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Calectasiaceae família Convallariaceae família Cyanastraceae família Dasypogonaceae família Doryanthaceae família Dracaenaceae família Eriospermaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hostaceae família Hyacinthaceae família Hypoxidaceae família Ixioliriaceae família Lanariaceae família Luzuriagaceae família Nolinaceae família Philesiaceae família Phormiaceae família Ruscaceae família Tecophilaeaceae família Xanthorrhoeaceae O sistema de Cronquist não reconhecia esta ordem, colocando a maioria das plantas envolvidas na ordem Liliales . Alguns dos géneros eram inclusive incluídos na família Liliaceae . Notas ↑ Angiosperm Phylogeny Group (2016). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV» (PDF) . Botanical Journal of the Linnean Society . 181 (1): 1–20. doi : 10.1111/boj.12385 . Consultado em 10 de abril de 2016 ↑ Main Tree . In Stevens, P. F. (2001 onwards). Angiosperm Phylogeny Website. Version 9, June 2008 [and more or less continuously updated since]. Referências [ editar | editar código-fonte ] Kubitzki, K.:Conspectus of Families treated in this Volume (1998). In: Kubitzki, K.(Editor): The Families and Genera of Vascular Plants , Vol.3. Springer-Verlag. Berlin, Germany. ISBN 3-540-64060-6 v • e Bases de dados taxonómicos Bases de dados taxonómicos Dyntaxa EOL GBIF ITIS NCBI Paleodb Vascan WoRMS Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Asparagales&oldid=50229510 ' Categoria : Asparagales Categorias ocultas: !Imagem local diferente da no Wikidata Controlo de bases de dados taxonómicos !Páginas que usam links mágicos ISBN Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikispecies Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas العربية Asturianu Azərbaycanca Беларуская Български Català Cebuano Corsu Čeština Dansk Deutsch English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Français Nordfriisk Gaeilge Galego עברית Hrvatski Magyar Bahasa Indonesia Íslenska Italiano 日本語 한국어 Kurdî Latina Lëtzebuergesch Lietuvių Македонски Nederlands Norsk nynorsk Norsk Polski پنجابی Русский Sicilianu Scots Simple English Svenska ไทย Українська اردو Tiếng Việt West-Vlams Winaray 中文 Editar ligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 15h52min de 23 de outubro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Asparagales&veaction=edit
  Asparagales – Wikipédia, a enciclopédia livre Asparagales Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Aspargales Asparagus officinalis Classificação científica Reino : Plantae Divisão : Magnoliophyta Classe : Liliopsida Ordem : Asparagales Famílias Ver texto O Commons possui imagens e outras mídias sobre Asparagales O Wikispecies tem informações sobre: Asparagales Aspargales ... das monocotiledóneas, segundo a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Alliaceae - alhos e cebolas [+ família Agapanthaceae ] [+ família Amaryllidaceae ] família Asparagaceae - espargos [+ família Agavaceae ] - sisal [+ família Aphyllanthaceae ] [+ família Hesperocallidaceae ] [+ família Hyacinthaceae ] - jacintos [+ família Laxmanniaceae ] [+ família Ruscaceae ] [+ família Themidaceae ] família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Doryanthaceae família CACHE

Asparagales – Wikipédia, a enciclopédia livre Asparagales Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Aspargales Asparagus officinalis Classificação científica Reino : Plantae Divisão : Magnoliophyta Classe : Liliopsida Ordem : Asparagales Famílias Ver texto O Commons possui imagens e outras mídias sobre Asparagales O Wikispecies tem informações sobre: Asparagales Aspargales é uma ordem das monocotiledôneas . O grupo inclui os espargos e as cebolas . Taxonomia [ editar | editar código-fonte ] A ordem Asparagales insere-se nas Monocots da seguinte forma: [ 1 ] [ 2 ] Monocots Commelinids Commelinales Zingiberales Poales Arecales Asparagales Liliales Dioscoreales Pandanales Petrosaviales Alismatales Acorales O sistema APG II, de 2003, colocou esta ordem no clade das monocotiledóneas, segundo a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Alliaceae - alhos e cebolas [+ família Agapanthaceae ] [+ família Amaryllidaceae ] família Asparagaceae - espargos [+ família Agavaceae ] - sisal [+ família Aphyllanthaceae ] [+ família Hesperocallidaceae ] [+ família Hyacinthaceae ] - jacintos [+ família Laxmanniaceae ] [+ família Ruscaceae ] [+ família Themidaceae ] família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Doryanthaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae - Açafrão família Ixiolirionaceae família Lanariaceae família Orchidaceae - orquídeas família Tecophilaeaceae família Xanthorrhoeaceae [+ família Asphodelaceae ] - aloés [+ família Hemerocallidaceae ] família Xeronemataceae Nota: '+ ...' = família segregada - opcional, que poderá ser separada da família precedente. O sistema APG II consolidou algumas das famílias no seu sistema anterior, embora reconhecendo uma alternativa que permite que pequenas famílias sejam separadas, seguindo na mesma o sistema em causa. O sistema APG de 1998, também colocava esta ordem nas monocotiledóneas, mas usando a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Agapanthaceae família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anemarrhenaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Behniaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Convallariaceae família Doryanthaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hyacinthaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae família Ixioliriaceae família Lanariaceae família Laxmanniaceae família Orchidaceae família Tecophilaeaceae família Themidaceae família Xanthorrhoeaceae família Xeronemataceae O volume de 1998 do sistema de Kubitzki, da série de livros de referência sobre plantas vasculares, usava esta circunscrição: ordem Asparagales família Agapanthaceae família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anemarrhenaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Behniaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Convallariaceae família Doryanthaceae família Dracaenaceae família Eriospermaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hyacinthaceae família Hostaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae família Ixioliriaceae família Johnsoniaceae família Lanariaceae família Lomandraceae família Nolinaceae família Orchidaceae família Ruscaceae família Tecophilaeaceae família Themidaceae família Xanthorrhoeaceae O sistema de Dahlgreen colocava esta ordem na super-ordem Lilianae subclasse Liliidae , classe Magnoliopsida , usando a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Calectasiaceae família Convallariaceae família Cyanastraceae família Dasypogonaceae família Doryanthaceae família Dracaenaceae família Eriospermaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hostaceae família Hyacinthaceae família Hypoxidaceae família Ixioliriaceae família Lanariaceae família Luzuriagaceae família Nolinaceae família Philesiaceae família Phormiaceae família Ruscaceae família Tecophilaeaceae família Xanthorrhoeaceae O sistema de Cronquist não reconhecia esta ordem, colocando a maioria das plantas envolvidas na ordem Liliales . Alguns dos géneros eram inclusive incluídos na família Liliaceae . Notas ↑ Angiosperm Phylogeny Group (2016). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV» (PDF) . Botanical Journal of the Linnean Society . 181 (1): 1–20. doi : 10.1111/boj.12385 . Consultado em 10 de abril de 2016 ↑ Main Tree . In Stevens, P. F. (2001 onwards). Angiosperm Phylogeny Website. Version 9, June 2008 [and more or less continuously updated since]. Referências [ editar | editar código-fonte ] Kubitzki, K.:Conspectus of Families treated in this Volume (1998). In: Kubitzki, K.(Editor): The Families and Genera of Vascular Plants , Vol.3. Springer-Verlag. Berlin, Germany. ISBN 3-540-64060-6 Controle de autoridade : Q26229 AAT : 300343599 EBID : ID GND : 4672387-0 Identificadores taxonómicos Dyntaxa: 3000450 EOL : 4175 EPPO : 1ASGO Fossilworks : 54968 GBIF : 1169 ITIS : 897479 NBN : NHMSYS0020824581 NCBI : 73496 Soortenregister: 119027 VASCAN: 6 WoRMS : 414699 Identificadores MeSH : D000070381 Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Asparagales&oldid=50229510 ' Categoria : Asparagales Categorias ocultas: !Imagem local diferente da no Wikidata !Páginas que usam hiperligações mágicas ISBN Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikispecies Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas العربية Asturianu Azərbaycanca Беларуская Български Català Cebuano Corsu Čeština Dansk Deutsch English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Français Nordfriisk Gaeilge Galego עברית Hrvatski Magyar Bahasa Indonesia Íslenska Italiano 日本語 한국어 Kurdî Latina Lëtzebuergesch Lietuvių Македонски Nederlands Norsk nynorsk Norsk Polski پنجابی Русский Sicilianu Scots Simple English Svenska ไทย Українська اردو Tiếng Việt West-Vlams Winaray 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 15h52min de 23 de outubro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://pt.wikipedia.org/wiki/Asparagales
  Asparagales – Wikipédia, a enciclopédia livre Asparagales Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Aspargales Asparagus officinalis Classificação científica Reino : Plantae Divisão : Magnoliophyta Classe : Liliopsida Ordem : Asparagales Famílias Ver texto O Commons possui imagens e outras mídias sobre Asparagales O Wikispecies tem informações sobre: Asparagales Aspargales ... das monocotiledóneas, segundo a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Alliaceae - alhos e cebolas [+ família Agapanthaceae ] [+ família Amaryllidaceae ] família Asparagaceae - espargos [+ família Agavaceae ] - sisal [+ família Aphyllanthaceae ] [+ família Hesperocallidaceae ] [+ família Hyacinthaceae ] - jacintos [+ família Laxmanniaceae ] [+ família Ruscaceae ] [+ família Themidaceae ] família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Doryanthaceae família CACHE

Asparagales – Wikipédia, a enciclopédia livre Asparagales Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Aspargales Asparagus officinalis Classificação científica Reino : Plantae Divisão : Magnoliophyta Classe : Liliopsida Ordem : Asparagales Famílias Ver texto O Commons possui imagens e outras mídias sobre Asparagales O Wikispecies tem informações sobre: Asparagales Aspargales é uma ordem das monocotiledôneas . O grupo inclui os espargos e as cebolas . Taxonomia [ editar | editar código-fonte ] A ordem Asparagales insere-se nas Monocots da seguinte forma: [ 1 ] [ 2 ] Monocots Commelinids Commelinales Zingiberales Poales Arecales Asparagales Liliales Dioscoreales Pandanales Petrosaviales Alismatales Acorales O sistema APG II, de 2003, colocou esta ordem no clade das monocotiledóneas, segundo a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Alliaceae - alhos e cebolas [+ família Agapanthaceae ] [+ família Amaryllidaceae ] família Asparagaceae - espargos [+ família Agavaceae ] - sisal [+ família Aphyllanthaceae ] [+ família Hesperocallidaceae ] [+ família Hyacinthaceae ] - jacintos [+ família Laxmanniaceae ] [+ família Ruscaceae ] [+ família Themidaceae ] família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Doryanthaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae - Açafrão família Ixiolirionaceae família Lanariaceae família Orchidaceae - orquídeas família Tecophilaeaceae família Xanthorrhoeaceae [+ família Asphodelaceae ] - aloés [+ família Hemerocallidaceae ] família Xeronemataceae Nota: '+ ...' = família segregada - opcional, que poderá ser separada da família precedente. O sistema APG II consolidou algumas das famílias no seu sistema anterior, embora reconhecendo uma alternativa que permite que pequenas famílias sejam separadas, seguindo na mesma o sistema em causa. O sistema APG de 1998, também colocava esta ordem nas monocotiledóneas, mas usando a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Agapanthaceae família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anemarrhenaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Behniaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Convallariaceae família Doryanthaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hyacinthaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae família Ixioliriaceae família Lanariaceae família Laxmanniaceae família Orchidaceae família Tecophilaeaceae família Themidaceae família Xanthorrhoeaceae família Xeronemataceae O volume de 1998 do sistema de Kubitzki, da série de livros de referência sobre plantas vasculares, usava esta circunscrição: ordem Asparagales família Agapanthaceae família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anemarrhenaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Behniaceae família Blandfordiaceae família Boryaceae família Convallariaceae família Doryanthaceae família Dracaenaceae família Eriospermaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hyacinthaceae família Hostaceae família Hypoxidaceae família Iridaceae família Ixioliriaceae família Johnsoniaceae família Lanariaceae família Lomandraceae família Nolinaceae família Orchidaceae família Ruscaceae família Tecophilaeaceae família Themidaceae família Xanthorrhoeaceae O sistema de Dahlgreen colocava esta ordem na super-ordem Lilianae subclasse Liliidae , classe Magnoliopsida , usando a seguinte circunscrição: ordem Asparagales família Agavaceae família Alliaceae família Amaryllidaceae família Anthericaceae família Aphyllanthaceae família Asparagaceae família Asphodelaceae família Asteliaceae família Blandfordiaceae família Calectasiaceae família Convallariaceae família Cyanastraceae família Dasypogonaceae família Doryanthaceae família Dracaenaceae família Eriospermaceae família Hemerocallidaceae família Herreriaceae família Hostaceae família Hyacinthaceae família Hypoxidaceae família Ixioliriaceae família Lanariaceae família Luzuriagaceae família Nolinaceae família Philesiaceae família Phormiaceae família Ruscaceae família Tecophilaeaceae família Xanthorrhoeaceae O sistema de Cronquist não reconhecia esta ordem, colocando a maioria das plantas envolvidas na ordem Liliales . Alguns dos géneros eram inclusive incluídos na família Liliaceae . Notas ↑ Angiosperm Phylogeny Group (2016). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV» (PDF) . Botanical Journal of the Linnean Society . 181 (1): 1–20. doi : 10.1111/boj.12385 . Consultado em 10 de abril de 2016 ↑ Main Tree . In Stevens, P. F. (2001 onwards). Angiosperm Phylogeny Website. Version 9, June 2008 [and more or less continuously updated since]. Referências [ editar | editar código-fonte ] Kubitzki, K.:Conspectus of Families treated in this Volume (1998). In: Kubitzki, K.(Editor): The Families and Genera of Vascular Plants , Vol.3. Springer-Verlag. Berlin, Germany. ISBN 3-540-64060-6 Controle de autoridade : Q26229 AAT : 300343599 EBID : ID GND : 4672387-0 Identificadores taxonómicos Dyntaxa: 3000450 EOL : 4175 EPPO : 1ASGO Fossilworks : 54968 GBIF : 1169 ITIS : 897479 NBN : NHMSYS0020824581 NCBI : 73496 Soortenregister: 119027 VASCAN: 6 WoRMS : 414699 Identificadores MeSH : D000070381 Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Asparagales&oldid=50229510 ' Categoria : Asparagales Categorias ocultas: !Imagem local diferente da no Wikidata !Páginas que usam hiperligações mágicas ISBN Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikispecies Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas العربية Asturianu Azərbaycanca Беларуская Български Català Cebuano Corsu Čeština Dansk Deutsch English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Français Nordfriisk Gaeilge Galego עברית Hrvatski Magyar Bahasa Indonesia Íslenska Italiano 日本語 한국어 Kurdî Latina Lëtzebuergesch Lietuvių Македонски Nederlands Norsk nynorsk Norsk Polski پنجابی Русский Sicilianu Scots Simple English Svenska ไทย Українська اردو Tiếng Việt West-Vlams Winaray 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 15h52min de 23 de outubro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Polychaeta
  Polychaeta – Wikipédia, a enciclopédia livre Polychaeta Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde dezembro de 2016) . Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas. Polychaeta Phyllodoce rosea Classificação científica Reino : Animalia Filo : Annelida Classe : Polychaeta Ordens Ver texto ... . O cordão nervoso ventral pode ser paralelo e estar em forma de escada de mão - como na família ... Palpata Ordem se lasca Subordem uncertain Família Aberrantidae Família Nerillidae Família Spintheridae Suborder Eunicida Família Amphinomidae Família Diurodrilidae Família Dorvilleidae Família Eunicidae Família Euphrosinidae Família Hartmaniellidae Família Histriobdellidae Família Lumbrineridae Família Oenonidae Família Onuphidae Subordem Phyllodocida Família Acoetidae Família Alciopidae Família CACHE

Polychaeta – Wikipédia, a enciclopédia livre Polychaeta Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde dezembro de 2016) . Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas. Polychaeta Phyllodoce rosea Classificação científica Reino : Animalia Filo : Annelida Classe : Polychaeta Ordens Ver texto O Wikispecies tem informações sobre: Polychaeta Polychaeta ou poliqueta é uma classe de anelídeo que inclui cerca de 8.000 espécies de vermes aquáticos. O nome deriva do grego ( poly + chaeta que significa muitas cerdas ), numa referência às cerdas que lhes cobrem o corpo. A grande maioria das espécies é típica de ambiente marinho, mas algumas formas ocupam ambientes de água doce ou salobra. Podem ser de vida livre (rastejadores ou pelágicos) ou sedentários (cavadores, tubícolas ou perfuradores). porém, nem sempre é possível distinguir o hábito de vida. Muitas espécies de poliquetas são coloridas e algumas são iridescentes. De maneira geral, são indivíduos segmentados, de forma cilíndrica, com leve achatamento dorso-ventral, com um par de parapódios em cada segmento. São dotados de prostômio bem desenvolvido com palpos ou cirros (órgãos sensoriais) na extremidade anterior, mas não é considerado como o primeiro segmento, sendo este o peristômio. A boca localiza-se ventralmente entre o prostômio e o peristômio. já o pigídio é um segmento não-celomado terminal, onde fica o ânus. Os poliquetas distribuem-se na coluna de água desde a zona intertidal até profundidades de 5.000 metros. Porém, já foi encontrado um poliqueto no ponto mais profundo do planeta Terra, na fossa das Marianas, também conhecido como Challenger deep, há 10.500 metros da superfície do mar. Os poliquetas medem de 5 a 10cm de comprimento, em média, mas há espécies com apenas 2 milímetros e outras que atingem 3 metros. Detalhe do parapódio de um Polychaeta Índice 1 Musculatura e locomoção 2 Sistema nervoso 3 Nutrição e Sistema digestivo 4 Sistema respiratório 5 Sistema circulatório 6 Sistema excretor 7 Hábitos de vida em tubos 8 Reprodução e desenvolvimento 9 Filogenia 10 Taxonomia 11 Referências Bibliográficas Musculatura e locomoção [ editar | editar código-fonte ] Em geral, poliquetas cavadores apresentam uma musculatura circular bem desenvolvida e septos completos, onde o fluido celomático (que funciona como esqueleto hidrostático ou hidroesqueleto) é restringido a cada segmento. A escavação se dá por peristalse, como nas minhocas, as quais são bastante semelhantes. São representados pelas famílias Arenicolidae, Capitellidae e Orbiniidae. Muitos poliquetas apresentam parapódios e cerdas bem desenvolvidas, permitindo-lhes rastejar sobre superfícies ou mesmo nadar. Estes são representados pelas famílias Nereididae, Phyllodocidae, Polynoydae, Alciopidae e Tomopteridae. Seu movimento é resultado da combinação de parapódios, musculatura da parede do corpo e hidroesqueleto, sendo que nesses casos sua musculatura longitudinal é mais desenvolvida que a circular e os septos são geralmente incompletos. No movimento de rastejar estão envolvidos além dos parapódios, ondulações laterais do corpo produzidas pela contração da musculatura longitudinal. Alguns poliquetas habitantes de sedimentos, como os pertencentes às famílias Dinophilidae e Diurodrilidae utilizam ainda cílios em sua locomoção. Sistema nervoso [ editar | editar código-fonte ] O cérebro e as cordas nervosas em escada de mão de poliquetas são semelhantes dos anelídeos em geral. O cérebro deles, entretanto, pode ser grande e lobado, se a cabeça possuir órgãos sensoriais. Possuem gânglios adicionais, denominados gânglios pedais, estão ligados com às cordas nervosas segmentares nas bases dos parapódios. Esses gânglios, só pertencem aos poliquetas, desepenham o papel de centros de controles dos movimentos parapodiais. O cordão nervoso ventral pode ser paralelo e estar em forma de escada de mão - como na família Sabellidae - ou os dois cordões se encontram fundidos em grau variável, na linha mediana do corpo, como por exemplo no tubícola Owenia . Um cordão nervoso ímpar e sem gânglios ocorre na epiderme. Nutrição e Sistema digestivo [ editar | editar código-fonte ] A nutrição dos poliquetas está diretamente relacionada ao seu hábito de vida. Os poliquetas sedentários (cavadores e tubícolas) alimentam-se de depósitos, utilizando como alimento a matéria orgânica presente no sedimento. Ou podem ainda capturar partículas em suspensão – no caso dos sabelídeos, que possuem apêndices ciliados com superfície ampla (coroa branquial) para aprisionar partículas. Os poliquetas carnívoros, herbívoros ou detritívoros são essencialmente os móveis (com algumas exceções que podem ser tubícolas ou cavadores ativos). Os carnívoros, em geral, apresentam faringe muscular eversível bem desenvolvida (comum em Phyllodocidae) ou mandíbulas com dentes para agarrar as presas (presentes nas famílias Nereididae, Eunicidae e Lumbrineridae). Phyllodoce lineata - Detalhe faringe eversível Outros podem ainda ser parasitas, como alguns representantes das famílias Oenonidae (parasitas de outros poliquetas), Ichthyotomidae (hematófagos de enguias marinhas) e Cirratulidae (endoparasita de estrela-do-mar). O sistema digestório nos poliquetas trata-se de um tubo reto que se inicia na boca, na extremidade anterior, até ao ânus (pigídio), ele diferencia dos anelídeos em possuir faringe (ou cavidade bucal caso a faringe esteja ausente), esôfago curto, estômago – em algumas espécies - intestino e reto. A faringe pode ser protraível, em forma de língua, bulbo muscular (localizado na parede mediana ventral do intestino anterior) ou um órgão eversível. Os dentes podem ser de formas e funções diferenciadas, em alguns casos formam mandíbulas como garras. Em Nereis, dois grandes cecos glandulares se abrem no esôfago, este por sua vez secreta enzimas digestivas. A forma de defecação é bem diversificada, sendo que, nos rastejantes e cavadores, as fezes são excretadas e abandonadas. Muitos poliquetas tubícola, como Chaetopterus , que bombeiam águam unidirecionalmente através de seus tubos, defecam na corrente exalante. Nesse caso, alguns poliquetas evitam a contaminação fecal vivendo de cabeça para baixo (com o ânus para cima) em seus tubos verticais, como fazem os maldanídeos, enquanto muitos outros se viram temporariamente para defecar na superfície. Há ainda outros poliquetas que vivem com a cabeça para cima em seus tubos em fundo cego, como os sabelídeos e os sabelariídeos, que eliminam as suas fezes sem se virar de cabeça para baixo. Muitas espécies consolidam as fezes em pelotas fecais ou fitas muito densas, que tendem a não ser re-suspensas e entrar novamente nos tubos. Sistema respiratório [ editar | editar código-fonte ] A respiração é predominantemente cutânea e pode ser complementada pela respiração branquial. As brânquias variam muito em estrutura e localização. podem estar associadas aos parapódios, aos radíolos ou presentes nas extremidades anteriores próximas à abertura dos tubos ou buracos em que habitam. Estão ausentes nos poliquetas muito pequenos e nos que possuem longos corpos cordoniformes. Os poliquetas possuem três pigmentos respiratórios, sendo o mais frequente a hemoglobina. Há também a clorocruorina, que é um tipo de hemoglobina verde, e alguns poliquetas portam um pigmento protéico, a hemeritrina. O fluido celômico pode ser incolor ou ser constituído de uma hemoglobina corpuscular. Ele circula basicamente através de contrações musculares da parede do corpo. Anatomia de um anelídeo Polychaeta Sistema circulatório [ editar | editar código-fonte ] O sistema circulatório é fechado na maioria dos poliquetas e compõe-se de um vaso sanguíneo dorsal, situado sobre o tubo digestivo. um vaso sanguíneo ventral. e uma rede de vasos laterais que os conectam. O sangue é impulsionado por ondas de contração dos vasos, especialmente pelo vaso dorsal. Existem bombas acessórias similares a corações no sistema sanguíneo-vascular de algumas espécies. Os parapódios provocam mudanças no sistema circulatório, onde o vaso ventral origina em cada segmento um par de vasos parapodiais ventrais, responsáveis pela circulação nos parapódios, na parede corporal e nos nefrídios. O vaso sanguíneo ventral também dá origem a vários vasos intestinais ventrais, que levam o sangue ao intestino. O vaso dorsal recebe um par de vasos parapodiais e um vaso intestinal dorsal. Em outras espécies, a circulação pode ser aberta ou até mesmo não existir sistema circulatório, como é o caso das que possuem os septos reduzidos, onde o transporte interno é feito pelo celoma. Sistema excretor [ editar | editar código-fonte ] O sistema excretor é igualmente variável de acordo com a espécie, podendo ser constituído por um único par de tubos excretores ou um par por segmento. sendo que o par de nefrídios começa em um segmento, atravessa o septo e termina no próximo segmento onde o nefridióporo se abre. Os poliquetas, de acordo com a forma corporal, possuem protonefrídios ou metanefrídios. podendo também existir os dois tipos combinados. Nos poliquetas que possuem vasos sanguíneos, acredita-se que a ultrafiltração do sangue ocorre através da parede do vaso, posteriormente ocorre mudança no ultrafiltrado que é levado ao exterior pelo metanefrídio (ducto ciliado). Já naqueles que não possuem vasos sanguíneos, crê-se que a ultrafiltração acontece de acordo com o deslocamento do fluido celômico através das paredes das células terminais protonefrídicas e a reabsorção ocorre nos solenócitos, que são as células terminais protonefrídicas, similares a um metanefrídio. Estruturas como a parede intestinal, os celomócitos e o tecido cloragógeno podem ser coadjuvantes no processo de excreção. Hábitos de vida em tubos [ editar | editar código-fonte ] Owenia fusiformis - Polychaeta tubícola Os poliquetas são os únicos entre os anelídeos que secretam e vivem dentro de um tubo. O tubo pode ser aberto em uma ou ambas as extremidades e parcialmente enterradas no substrato ou aderidas a superfícies, podendo viver permanentemente em seu tubo ou ele pode abandonar, caminhar para outro lugar e secretar um novo tubo. O material dos tubos é uma proteína fibrosa que tem aparência e a textura de celofane, pergaminho ou seda. Os tubos são protetores, mas também podem possuir outras funções. Para alguns poliquetas, o tubo é uma toca a partir da qual o animal emerge e captura presas que passam pelo local. Como um snorkel que se projeta acima da superfície do sedimento, o tubo proporciona acesso à água limpa e oxigenada para seu ocupante subterrâneo. A adesão do tubo permite que o animal ocupe superfícies duras e expostas. Alguns poliquetas incubam seus ovos e juvenis dentro do tubo, outros bombeiam água através de seu tubo para trocas gasosas e alimentação por filtração. Reprodução e desenvolvimento [ editar | editar código-fonte ] Os poliquetas são animais dióicos ) e a reprodução é geralmente sexuada. As gônadas de poliquetas são órgãos pareados e segmentares. Na maioria dos poliquetas as gônadas estão presentes na maioria dos segmentos, enquanto que, em algumas espécies as gônadas estão presentes apenas em certos segmentos (segmentos genitais). As células germinativas são liberadas no celoma, onde passam por diferenciação e amadurecem, sendo os gametas posteriormente liberados na água através dos metanefrídeos ou pela simples ruptura da parede do corpo. A fecundação é externa e o desenvolvimento indireto. Nereis succinea - na forma epítoca Em diversos poliquetas é comum a ocorrência do fenômeno reprodutivo de epitoquia, onde um indivíduo não reprodutor bentônico (denominado átoco) dá origem a um indivíduo reprodutor pelágico (denominado epítoco). A epitoquia se assemelha a uma metamorfose e envolve mudanças no animal para a natação e reconhecimento do parceiro sexual, além da produção de gametas e maturação sexual. Os epítocos então nadam para a superfície simultaneamente e liberam seus óvulos e espermatozóides. Este comportamento sincronizado é conhecido como enxameamento e tem grande importância na garantia da variabilidade genética e no sucesso da fecundação. O estímulo luminoso é um fator importante na sincronização do enxameamento, desta forma certas espécies são impelidas a subir à superfície para a reprodução durante a aurora ou crepúsculo ou ainda estimuladas pela lua, como os vermes palolo . Em geral, após a fertilização rapidamente formam-se larvas planctônicas, as larvas trocóforas. Em seguida ocorre a metamorfose que transforma a trocófora em corpo juvenil e é caacterizada pelo alongamento gradual da zona de crescimento, sendo os novos segmentos acrescentados na região do pigídio. Certas espécies, entretanto, apresentam sua fase trocófora ainda dentro do ovo, eclodindo assim um indivíduo já na fase juvenil. Existem ainda poliquetas que retém seus ovos dentro de tubos ou galerias, ou ainda, aqueles que os depositam em massas gelatinosas que são aderidas aos tubos ou outras superfícies. Filogenia [ editar | editar código-fonte ] A filogenia indica os dois maiores clados de poliquetas: Scolecida e Palpata. Os escolécidos são escavadores comedores de depósitos sem apêndices cefálicos, muito semelhantes ao suposto ancestral de anelídeos, e os poliquetas palpados possuem apêndices cefálicos e uma grande variedade de modos alimentares e estilos de vida. Pode-se imaginar, dessa forma, o progenitor de poliquetas emergindo do lodo e irradiando em formas rastejantes, nadadores e tubícolas. Uma alternativa ainda não testada é a de que os anelídeos ancestrais possuíssem parapódios e que estes foram perdidos em minhocas e sanguessugas e reduzidos independentemente em diversos táxons de poliquetas. Taxonomia [ editar | editar código-fonte ] Grande parte da classificação abaixo segue o sistema de Rouse & Fauchald, 1998. Subclasse Palpata Ordem se lasca Subordem uncertain Família Aberrantidae Família Nerillidae Família Spintheridae Suborder Eunicida Família Amphinomidae Família Diurodrilidae Família Dorvilleidae Família Eunicidae Família Euphrosinidae Família Hartmaniellidae Família Histriobdellidae Família Lumbrineridae Família Oenonidae Família Onuphidae Subordem Phyllodocida Família Acoetidae Família Alciopidae Família Aphroditidae Família Chrysopetalidae Família Eulepethidae Família Glyceridae Família Goniadidae Família Hesionidae Família Ichthyotomidae Família Iospilidae Família Lacydoniidae Família Lopadorhynchidae Família Myzostomatidae Família Nautillienellidae Família Nephtyidae Família Nereididae Família Paralacydoniidae Família Pholoidae Família Phyllodocidae Família Pilargidae Família Pisionidae Família Polynoidae Família Pontodoridae Família Sigalionidae Família Sphaeodoridae Família Syllidae Família Typhloscolecidae Família Tomopteridae Ordem Canalipalpata Subordem incerta Família Polygordiidae Família Protodrilidae Família Protodriloididae Família Saccocirridae Subordem Sabellida Família Oweniidae Família Siboglinidae Família Serpulidae Família Sabellidae Família Sabellariidae Família Spirorbidae Subordem Spionida Família Apistobranchidae Família Chaetopteridae Família Longosomatidae Família Magelonidae Família Poecilochaetidae Família Spionidae Família Trochochaetidae Família Uncispionidae Subordem Terebellida Família Acrocirridae Família Alvinellidae Família Ampharetidae Família Cirratulidae Família Ctenodrilidae Família Fauveliopsidae Família Flabelligeridae Família Flotidae Família Pectinariidae Família Poeobiidae Família Sternaspidae Família Terebellidae Família Trichobranchidae Subclasse Scolecida Família Aeolosomatidae Família Arenicolidae Família Capitellidae Família Cossunidae Família Maldanidae Família Ophelidae Família Orbiniidae Família Paraonidae Família Parergodrilidae Família Potamodrilidae Família Psammodrilidae Família Questidae Família Scalibregmatidae Referências Bibliográficas [ editar | editar código-fonte ] 1. BRUSCA, R.C.. BRUSCA, G.J. Invertebrates. Second edition. Massachusets: Sinauer Associates, 2002. 2. RUPPERT, E.E.. BARNES, R.D. Zoologia dos Invertebrados. 6ª. Edição. São Paulo: Editora Roca, 1996. 3. RUPPERT, E.E.. FOX, R.S.. BARNES, R.D. Zoologia dos Invertebrados. Uma abordagem funcional-evolutiva. 7ª. Edição. São Paulo: Editora Roca, 2005. 4. MOORE, J. Uma Introdução aos Invertebrados. 1ª. Edição. São Paulo: Editora Santos, 2003. WIKIPEDIA Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Polychaeta&oldid=49946342 ' Categoria : Polychaeta Categorias ocultas: !Artigos precisando de wikificação desde dezembro de 2016 !Imagem local diferente da no Wikidata Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikispecies Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas العربية Azərbaycanca Беларуская Български Català Cebuano Čeština Deutsch English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Français Gaeilge Galego עברית Hrvatski Magyar Հայերեն Interlingua Bahasa Indonesia Íslenska Italiano 日本語 Basa Jawa ქართული Қазақша 한국어 Кыргызча Lietuvių Македонски Nederlands Norsk Diné bizaad Polski Română Русский Scots Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenčina Slovenščina Српски / srpski Svenska ไทย Türkçe Українська Winaray 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 13h28min de 25 de setembro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://ca.wikipedia.org/wiki/Cariofil%C2%B7lals
  Cariofil·lals - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Cariofil·lals De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca Cariofil·lals Caryophyllales Clavell Dianthus caryophyllus Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Plantae Subregne Embryophyta Ordre Caryophyllales Takht. , 1967 Les cariofil·lals ( Caryophyllales ) són un ordre de plantes amb flor . El nom d'aquest ordre pren el nom d'una espècie de clavell Dianthus ... ), l'ordre de les caryofil·lals compta amb les següents famílies: ordre Caryophyllales família Achatocarpaceae família Aizoaceae família Amaranthaceae família Ancistrocladaceae família Asteropeiaceae família Barbeuiaceae família Basellaceae família Cactaceae família Caryophyllaceae família Didiereaceae família Dioncophyllaceae família Droseraceae família Drosophyllaceae família Frankeniaceae famíliai Gisekiaceae família Halophytaceae família Molluginaceae família Nepenthaceae família Nyctaginaceae CACHE

Cariofil·lals - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Cariofil·lals De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca Cariofil·lals Caryophyllales Clavell Dianthus caryophyllus Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Plantae Subregne Embryophyta Ordre Caryophyllales Takht. , 1967 Les cariofil·lals ( Caryophyllales ) són un ordre de plantes amb flor . El nom d'aquest ordre pren el nom d'una espècie de clavell Dianthus caryophyllus Sistema de classificació APG II [ modifica ] Segons el sistema APG II (2003), l'ordre de les caryofil·lals compta amb les següents famílies: ordre Caryophyllales família Achatocarpaceae família Aizoaceae família Amaranthaceae família Ancistrocladaceae família Asteropeiaceae família Barbeuiaceae família Basellaceae família Cactaceae família Caryophyllaceae família Didiereaceae família Dioncophyllaceae família Droseraceae família Drosophyllaceae família Frankeniaceae famíliai Gisekiaceae família Halophytaceae família Molluginaceae família Nepenthaceae família Nyctaginaceae família Physenaceae família Phytolaccaceae família Plumbaginaceae família Polygonaceae família Portulacaceae família Rhabdodendraceae família Sarcobataceae família Simmondsiaceae família Stegnospermataceae família Tamaricaceae Sistema Cronquist [ modifica ] Blet blanc Chenopodium album Segons el Sistema Cronquist (1981) l'ordre de les Caryophyllals comptava amb les següents famílies: ordre Caryophyllales família Achatocarpaceae família Aizoaceae família Amaranthaceae família Basellaceae família Cactaceae família Caryophyllaceae família Chenopodiaceae família Didiereaceae família Nyctaginaceae família Phytolaccaceae família Portulacaceae família Molluginaceae A Wikimedia Commons hi ha contingut multimèdia relatiu a: Cariofil·lals Bases de dades taxonòmiques Dyntaxa EOL GBIF ITIS NCBI Vascan WoRMS Obtingut de « https://ca.wikipedia.org/w/index.php?title=Cariofil·lals&oldid=19119550 » Categoria : Cariofil·lals Categories ocultes : Articles amb infotaules sense dades en local Pàgines amb enllaç commonscat des de Wikidata Control de bases de dades taxonòmiques Menú de navegació Eines personals Sense sessió iniciada Discussió per aquest IP Contribucions Crea un compte Inicia la sessió Espais de noms Pàgina Discussió Variants Vistes Mostra Modifica Mostra l’historial Més Cerca Navegació Portada Article a l'atzar Articles de qualitat Comunitat Portal viquipedista Canvis recents La taverna Contacte Xat Donatius Ajuda Eines Què hi enllaça Canvis relacionats Pàgines especials Enllaç permanent Informació de la pàgina Element a Wikidata Citau aquest article Imprimeix/exporta Crear un llibre Baixa com a PDF Versió per a impressora En altres projectes Commons Viquiespècies En altres idiomes Afrikaans العربية Asturianu Azərbaycanca Беларуская Български Cebuano Corsu Čeština Dansk Deutsch English Español Eesti Euskara فارسی Suomi Français Nordfriisk Gaeilge Galego עברית हिन्दी Hrvatski Magyar Bahasa Indonesia Italiano 日本語 Basa Jawa 한국어 Kurdî Latina Lietuvių Latviešu Македонски മലയാളം Bahasa Melayu Nederlands Norsk Occitan Polski Português Română Русский Sicilianu Scots Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Svenska ไทย Tagalog Türkçe Українська Tiếng Việt West-Vlams Winaray 中文 Modifica els enllaços La pàgina va ser modificada per darrera vegada el 4 nov 2017 a les 00:58. El text està disponible sota la Llicència de Creative Commons Reconeixement i Compartir-Igual . es poden aplicar termes addicionals. Vegeu les Condicions d'ús . Wikipedia® (Viquipèdia™) és una marca registrada de Wikimedia Foundation, Inc . Política de privadesa Quant al projecte Viquipèdia Renúncies Desenvolupadors Declaració de cookies Versió per a mòbils



https://pt.dreamstime.com/free-photos-images/family.html
  Family Fotos De Stock Gratuitas & Imagens, Family Royalty-Free e Domínio Público Imagens - Dreamstime Fotos Editorial Ilustrações Vídeos Áudio Fotos Gratuitas Registe-se GRATUITAMENTE or Entre Entre Registe-se GRATUITAMENTE Preços e planos de download Fotos Editorial Ilustrações Vídeos Áudio Fotos Gratuitas Entre Registe-se GRATUITAMENTE Preços e planos de download Fotos gratuitas Todos os Conteúdos ... imagens, fotos de stock e domínio público imagens 443 items Família Família Família Família Família e casa Família Família Família feliz Divertimento da família do verão Família com filho Família em uma praia Família nova Família em linha A família Mentira da família no assoalho Família no parque Família no sofá 2 Tiro da família Família feliz Família feliz Família na ponte Família feliz Família Família feliz Família feliz Família feliz Família Família feliz A família senta-se no sofá Resto da CACHE

Family Fotos De Stock Gratuitas & Imagens, Family Royalty-Free e Domínio Público Imagens - Dreamstime Fotos Editorial Ilustrações Vídeos Áudio Fotos Gratuitas Registe-se GRATUITAMENTE or Entre Entre Registe-se GRATUITAMENTE Preços e planos de download Fotos Editorial Ilustrações Vídeos Áudio Fotos Gratuitas Entre Registe-se GRATUITAMENTE Preços e planos de download Fotos gratuitas Todos os Conteúdos Fotos Ilustrações Vídeos Áudios vectores/RAW Fotos gratuitas Domínio público Grátis family imagens, fotos de stock e domínio público imagens 443 items Família Família Família Família Família e casa Família Família Família feliz Divertimento da família do verão Família com filho Família em uma praia Família nova Família em linha A família Mentira da família no assoalho Família no parque Família no sofá 2 Tiro da família Família feliz Família feliz Família na ponte Família feliz Família Família feliz Família feliz Família feliz Família Família feliz A família senta-se no sofá Resto da família na sala Família na grama Família feliz Família do retrato cinco Família feliz Tempo feliz da família Família feliz A família de quatro pessoas senta-se na grama Família de cinco exteriores Tempo feliz da família Família feliz Família com uma criança Família com suporte do bebê Família na lua Tempo feliz da família Família feliz Caminhada da praia da família Caminhada da família do outono Família no sol Família de sorriso Clipart simples 3 do grupo da família Riso novo da família Família na floresta do outono Família que olha o por do sol A família senta-se no assoalho no descanso Família de sorriso Discussão da família Família feliz em férias Família no fundo amarelo Retrato da família A família de quatro pessoas relaxa na cama Linhas de família Família de três gerações A celebração de família Salto novo da família Pares da árvore de pés da família feliz na cama Foto da família com duas crianças Retrato da família asiática feliz Suporte feliz da família na grama verde sob o céu Suporte da família exterior na cidade na mola Mulheres gravidas da família Retrato da família isolado no vertical branco Família feliz que encontra-se na grama - vertical Família que encontra-se junto na grama - horizontal Família Família Família Família Família Tempo da família Família pequena Necessita de ajuda? Informação da licença Termos de utilização Contacte-nos FAQ Mapa do site Política de privacidade Dreamstime Imagens mais recentes Sobre nós Carreiras Merchandise About our images Comunidade Venda as suas imagens App dos Fotógrafos Blogues Fóruns Redes sociais Enviar imagem API Programa de afiliação Contest Play Stock Rank Ferramentas Contas empresariais Máquinas Mapa de fotos Imagens gratuitas Imagens Gratuitas e Public Domain Os nossos fotógrafos Colecções Language Português English Deutsch Español Français Italiano Português Nederlands Pусский ελληνικά 汉语 Polski Svenskt Copyright © 2000-2018 Dreamstime. Todos os Direitos Reservados. Imagens Public Domain Licenciadas sob a Licença Creative Commons Zero (CC0) Dreamstime Google+ Dreamstime Facebook Dreamstime Twitter Dreamstime Pinterest Dreamstime Instagram Linkedin Instagram



http://castelosmedievais.blogspot.com/
  Castelos medievais skip to main | skip to sidebar INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA Cavalaria Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções Progresso Técnica CLASSES SOCIAIS Classes sociais ... Literatura Simbolismo Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra História ... era cúmplice de vários ideólogos anti-cristãos. A família Menier, famosa pelos seus chocolates ... retratos da família e alguns objetos da Marquesa. Roquetaillade Palácio em Mazères, na Gironda. É formado ... mesma família desde há 700 anos. A primeira menção a uma fortificação em Roquetaillade é de 778 ... o vinho. Os sem-vergonhas revolucionários acabaram desistindo. Cerca de 1850 a família proprietária CACHE

Castelos medievais skip to main | skip to sidebar INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA Cavalaria Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções Progresso Técnica CLASSES SOCIAIS Classes sociais Clero Papas Reis Nobreza Feudalismo Escravidão Trabalho Vassalagem CULTURA Arte Cultura Literatura Simbolismo Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra História IGREJA Igreja Educação Universidade Hospital Inquisição Mosteiros Nossa Senhora Paz União Igreja-Estado APRESENTAÇÕES AULAS CODEX (diversos) GREGORIANO GREGORIANO (MP3) MÚSICA NATAL VIDEOS 360º Blog Idade Média CASTELOS CERIMÔNIAS MUSICA POWERPOINTS VIDEOS VIDEOS da França 360º CATEDRAIS ABADIAS MÚSICA ÓRGÃO SINOS VIDEOS (só França) VIDEOS (menos França) VITRAIS 360º 360º só França CIDADE VIDEOS MÚSICAS 360º CONTOS CANTIGAS VIDEOS CRUZADAS APOLOGIA O ISLÃ segundo Papas e santos Balduíno IV CANÇÃO DE ROLAND GESTA DEI PER FRANCOS MUSICA VIDEOS 360º PAPAS Beato URBANO II Carta de Instrução 'Popolo dei Franchi' Sermão em Clermont-Ferrand Outro testemunho PIO II Pascoal II São Gregório VII São Pio V João VIII Inocêncio III SANTOS São Bernardo A franceses e bávaros Sermão Elogio dos Templários São Francisco de Assis Mansidão e força Diante do Sultão Exemplo pessoal O Direito de Cruzada São Luís IX Retrato pelo príncipe de Joinville São Luís e o mameluco Morte na IX Cruzada Santa Teresinha Beato Marco d'Aviano HERÓIS Balduíno IV Carlos Magno Godofredo de Bouillon Santa Joana d'Arc Santa Clotilde Ricardo Coração de Leão São Luís IX, rei São Nuno Álvares Pereira VIDEOS ORAÇÕES CANTICOS NATAL Semana Santa e Páscoa VIA SACRA VIDEOS Nossa Senhora Milagres Corpus Christi São Bernardo São Fernando SIMBOLOS RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Chenonceaux O castelo também é conhecido como Castelo das Sete Damas e fica na região do rio Loire, a sul de Chambord. O primeiro castelo foi construído no local de um antigo moinho sobre o rio Cher no século XI. O edifício original foi incendiado em 1411. Thomas Bohier, Camareiro do Rei Carlos VIII de França, só conservou a torre de menagem quando fez uma residência inteiramente nova entre 1515 e 1521. Chenonceaux hospedou a nobreza francesa, incluindo o rei Francisco I de França. Mas o filho entregou-o em pagamento de dívidas ao mesmo. Diane de Poitiers, favorita do rei Henrique II, mandou construir a ponte arcada, juntando o palácio à margem oposta. Em 1560, as primeiras exibições de fogo de artifício alguma vez vistas em França tiveram lugar em Chenonceaux, na celebração da ascensão de Francisco II ao trono. O castelo só não foi destruído pela Revolução Francesa porque era essencial enquanto ponte e a proprietária era cúmplice de vários ideólogos anti-cristãos. A família Menier, famosa pelos seus chocolates, comprou o palácio no século XX, restaurando-o e mantendo a posse. MAIS Carcassonne Suas origens remotas vêm dos tempos dos Celtas, Galo-romanos e Visigodos. Na Idade Média foi construído o imponente conjunto de fortificações, com dupla linha de muralhas, que representa o ápice da engenharia militar do século XIII. O traçado irregular das ruas estreitas contrasta com a magnificência das muralhas. O atual castelo foi construído por ordem de São Luís IX e é guarnecido por 59 torres e barbacãs, poternas e portas. Foi restaurado no século XIX por Violet-le-Duc. Rochers-Sévigné Antiga residência bretã da Madame de Sévigné, é um palácio rural gótico do século XV, nas proximidades de Vitré. Possui uma capela octogonal, construída pela Marquesa em 1671, cavalariças e uma ala de serviço acrescentada no século XVIII. O jardim à francesa foi criado em 1689 e restaurado em 1982. Madame de Sévigné, possuidora de vários domínios, permaneceu por longos periodos no Château des Rochers. Nesta propriedade escreveu um grande número das famosas cartas endereçadas à sua filha. A propriedade ainda pertence aos descendentes distantes dos Sévigné. Pode visitar-se a capela e um parte do palácio, onde há retratos da família e alguns objetos da Marquesa. Roquetaillade Palácio em Mazères, na Gironda. É formado por duas fortificações, uma do século XI e outra do século XIV. O castelo encontra-se na posse da mesma família desde há 700 anos. A primeira menção a uma fortificação em Roquetaillade é de 778. Carlos Magno, a caminho dos Pirinéus reagrupou seu exército em Roquetaillade e construiu o primeiro monte castrejo fortificado, em madeira. Em 1306, o Cardeal de la Mothe, sobrinho do Papa Clemente V, construiu uma segunda fortaleza: o Château “Neuf” de Roquetaillade, de planta quadrada com cinco torres e uma torre de menagem central. O castelo nada sofreu durante a Guerra dos Cem Anos e nas guerras de religião. Só na Revolução Francesa torpes bandos vindos de Bordéus tentaram demoli-lo. O Marquês de Lansac acolheu-os no lugar, dobrou o seu soldo e convidou-os a descer à cave do palácio para provar o vinho. Os sem-vergonhas revolucionários acabaram desistindo. Cerca de 1850 a família proprietária recorreu ao mais célebre arquiteto francês, Viollet-le-Duc que passou 20 anos para restaurar o palácio e a decoração interior, única na França. Suze-la-Rousse Castelo forte feudal do século XI e residência senhorial renascentista do século XVI, no Drôme. Actualmente abriga uma “Universidade do Vinho”, entidade privada dedicada ao ensino da enologia. O lugar foi ocupado desde a época galo-romana. Em 793, o Imperador Carlos Magno doou as terras a seu primo Guillaume de Gellone (Guillaume au court nez). Bertrand I des Baux mandou contruir um castelo forte militar incrustado na rocha ocre, dotado de gigantescas muralhas, profundos fossos, ponte levadiça, ameias e de um poço de 34 metros. Em 1551, o Bispo de Orange mandou construir um notável pátio de honra renascentista. Nos séculos XVI, XVII e XVIII, a família de Baume-Suze embelezou o castelo de forma sumptuosa. Porém, durante a Revolução Francesa o castelo foi torpemente saqueado. Os nobres herdeiros legaram o castelo a uma associação caritativa, a Fundação dos Orphelins Apprentis d’Auteuil. Talcy No Vale do Loire, foi encomendado em 1520 por Bernardo Salviati, banqueiro florentino ligado com a família Médici. No castelo existe a “chambre de la Médicis”, onde Catarina de Medici e o seu filho Carlos IX planearam o Massacre do dia de São Bartolomeu, a 28 e 29 de Junho de 1572, que significou um forte freio ao incêndio huguenote. Langeais Ergue-se sobre um promontório na abertura do Vale do Loire. Foi uma fortaleza do século X obra de Foulques Nerra de Anjou. O castelo foi expandido por Ricardo I de Inglaterra. Filipe II da França recuperou o castelo em 1206 até que na Guerra dos Cem Anos foi destruído. Luís XI reconstruiu um dos melhores exemplos da arquitetura medieval tardia com suas monumentais e altamente decoradas chaminés. No interior as salas são ricamente decoradas. No grande salão do castelo celebrou-se o casamento de Ana da Bretanha com Carlos VIII em 6 de dezembro de 1491 que fez a união permanente da Bretanha e da França. Em 1886 iniciou-se sua restauração. O castelo pertence ao Instituto de França. MAIS Beaumaris Castle Em País de Gales, foi construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra para conquistar o norte de Gales. Começado em 1295 nunca foi concluído. O castelo tem uma doca de maré, permitindo-lhe ser abastecido diretamente pelo mar e é rodeado por um fosso cheio de água. As defesas incluem numerosas seteiras engenhosamente situadas e as entradas são protegidas por “buracos assassinos”, a partir dos quais podiam ser derramadas substâncias como óleo quente sobre as forças inimigas. Os atacantes do Beaumaris Castle teriam encontrado 14 obstáculos separados e quatro linhas de fortificação resultantes de “paredes dentro de paredes”. No século XIV as muralhas exteriores foram ameadas. Beaumaris não sofreu uma destruição deliberada durante a Guerra Civil Inglesa. Chantilly No Norte da França, Chantilly compreende dois edifícios principais: o Grand Château e o Petit Château. Louis-Sébastien Mercier escreveu: “Nunca encontrei nada comparável a Chantilly nos arredores da capital. (...) Trinta viagens neste lugar encantado não diminuíram a minha admiração. É o melhor casamento feito entre a arte e a natureza”. O atual palácio ocupa o lugar de um feérico castelo medieval. As grandes cavalariças são uma obra prima e abrigam o Museu vivo do cavalo . Os jardins são uma das mais notáveis criações de André Le Nôtre. O palácio foi destruído durante a criminosa Revolução Francesa e reconstruído a partir de 1870. MAIS Ele emprestou seu nome ao famoso creme chantilly nele inventado. Glamis Palácio em Angus, leste da Escócia. Pertencente à família Bowes-Lyon, um dos mais antigos clãs da nobreza escocesa, é a residência desde 1372 do Conde e da Condessa de Strathmore. A Rainha Mãe nasceu neste castelo e passou ali a sua infância. A sua segunda filha, a Princesa Margarida, também nasceu em Glamis. Uma imagem do castelo está estampada no reverso da nota de dez libras esterlinas. O castelo aparece freqüentemente associado a lendas. De acordo com a tradição local, possui mais segredos obscuros que qualquer outro castelo na Escócia. Nele o rei Malcolm II da Escócia foi assassinado. Na famosa peça de teatro de William Shakespeare, Macbeth residia no castelo. Eu O condado de Eu foi criado em 996 por Ricardo, neto de Rolando, para defender a Normandia. Em 1180, São Laurent O'Toole, arcebispo de Dublin e legado do Papa, ali faleceu. Em 1430, durante a Guerra dos Cem Anos, Joana d'Arc, aprisionada em Compiègne pelos ingleses e conduzida a Ruão, passou por Eu, onde passou a noite. No final do século XVI, o duque Henrique I de Guise iniciou a construção de um novo e vasto castelo. No século XVII, foi residência da famosa Grande Mademoiselle, duquesa de Montpensier e prima de Luís XIV. A Grande Mademoiselle enriqueceu-o e decorou-o. No século XIX, passou aos duques de Orléans que o restauraram. Foi residência da Família Imperial Brasileira no exílio. Gastão de Orleans, Conde d'Eu, residiu em Eu com a princesa Isabel do Brasil, e três filhos. Os seus descendentes residiram no castelo até 1945. Na década de 1940, os Orleans e Bragança venderam o castelo a Assis Chateaubriand. Em 1961 foi adquirido pelo governo francês. Abriga o Museu Luís Filipe que guarda também peças da Família Imperial Brasileira. Loches No Vale do Loire em França, construído no século IX cerca de 500 metros acima do rio Indre. Concebido por Henrique II de Inglaterra e o seu filho, Ricardo Coração de Leão durante o século XII, foi capturado pelo Rei Filipe II em 1205 que o transformou numa grande fortaleza militar. Foi residência favorita de Carlos VII de França. Durante a Revolução Americana, a França que lutou contra a Inglaterra utilizou o castelo como prisão para os ingleses. O tufão do ódio anti-monárquico da Revolução Francesa saqueou-o e danificou-o severamente. Ainda hoje há partes visíveis apenas como ruínas malgrado as restaurações. Ussé Palácio do Loire em posição dominante sobre o rio Indre, foi erguido em 1642 como fortaleza. Ele inspirou Charles Perrault (1628-1703) a escrever o famoso conto A Bela Adormecida . A primeira edificação remonta ao século XI, quando o senhor normando de Ussé, Gueldin de Saumur, fez construir uma fortificação. No século XV, foi adquirido por Jean V de Bueil, capitão-geral de Carlos VII de França que começou a reconstrução na década de 1460. Após trocar muitas vezes de dono, o palácio passou para os Rohan. Chateaubriand trabalhou aqui nas suas Mémoires d'Outre-Tombe . Deve-se à condessa de la Rochejacquelin os últimos grandes acrescentos ao conjunto. Pertence aos descendentes do Conde de Blacas, sobrinho da condessa. Quéribus Na região de Languedoc-Roussillon, na França. Último baluarte cátaro conquistado pelos cruzados em 1255. Queribus é um do “cinco filhos de Carcassonne”, junto com Aguilar, Peyrepertuse, Termes e Puilaurens: cinco fortes estrategicamente erguidos para defender a fronteira francesa contra a Espanha. Guimarães Na freguesia de Oliveira do Castelo, Distrito de Braga, Portugal. O castelo está ligado à fundação do Condado Portucalense e à independência de Portugal, sendo berço da nacionalidade. Na Reconquista, os domínios de Vimaranes foram outorgados, em fins do século IX, ao cavaleiro Diogo Fernandes. Uma de suas filhas, Mumadona Dias, fundou um mosteiro. Para protegê-lo dos muçulmanos e normandos a benfeitora principiou um castelo no topo do Monte Largo em dezembro de 958. O conde D. Henrique (1095-1112) fez do castelo sua residência erguendo a Torre de Menagem e ampliando o recinto defensivo. Ali D. Afonso Henriques (1112-1185), resistiu em 1127, ao assédio do rei Afonso VII de Leão e Castela. No vizinho campo de São Mamede, D. Afonso Henriques livrou a célebre batalha onde nasceu a nacionalidade portuguesa (24 de Junho de 1128). Entre os séculos XII e XIV o castelo foi aperfeiçoado, sendo testemunha de memoráveis fatos históricos. Os séculos XVI e XVII, insensíveis ao simbolismo do castelo, fizeram dele uma cadeia municipal e um palheiro, caindo em ruínas. Em 1836, foi salvo da demolição que usaria suas pedras para ladrilhar as ruas de Guimarães. A partir de 1937 é objeto de restaurações. Bem conservado, está aberto à visitação. MAIS . MAIS . e MAIS ainda Peyrepertuse Impressionante “ninho de águia”, na região de Languedoc-Roussillon, na França, vigiava os vales circundantes e controlava os desfiladeiros podendo se comunicar-se por sinais com o castelo de Quéribus, um pouco mais ao Sul. O local foi ocupado pelos Romanos no século I a.C. As primeiras referências medievais são do ano de 806, quando ele pertencia à Catalunha. O castelo integrou o condado de Barcelona, e depois o viscondado de Narbona. Pelo Tratado de Corbeil em 1258 o Languedoc ficou com a França. Na época da Cruzada contra os heréticos albigenses pertenceu a Guillaume de Peyrepertuse, excomungado em 1224. Ele se submeteu após o cerco de Carcassonne. São Luís reforçou o castelo em 1242, acrescentando-lhe o “torreão de San-Jordy”. O conjunto era uma das fortalezas reais ‒ os “cinco filhos de Carcassonne” ‒ que defendiam a fronteira francesa. Na época da Revolução Francesa foi abandonado, caindo em ruínas. Lourdes Na região do Midi-Pyrénées, na cidade de Lourdes, Sudoeste da França. Ocupa posição estratégica à entrada dos sete vales do Lavedan, perto da atual fronteira com a Espanha. O conjunto é anterior a 778, quando foi tomado por Carlos Magno. Tornou-se a residência dos condes de Bigorre nos séculos XI e XII. No século XIII passou para os condes de Champagne e, depois para a Coroa Francesa durante o reinado de Filipe, o Belo. Foi cedido à Inglaterra em 1360, mas voltou aos domínios da França no século XV. No século XVII, virou prisão real e, após os crimes da Revolução Francesa, prisão do Estado. Abriga o Musée Pyrénéen, o maior e mais importante da região, que apresenta aspectos da arte e da vida cotidiana popular, desde a culinária local à indumentária. Amboise Construído num promontório com vista para o Loire, substituído na Idade Média por uma ponte, no século XI, Fulques III o Negro, Conde de Anjou, reconstruíu a fortaleza. Em 1434, o edifício foi adicionado por Carlos VII aos bens da Coroa, depois do seu proprietário, Louis d'Amboise, ter sido acusado de conspiração e executado em 1431. O castelo foi um dos favoritos dos reis franceses. Carlos VIII, que aqui nasceu e faleceu, fez extensas reconstruções no estilo do gótico flamboyant francês tardio. Depois de 1495 empregou mestres pedreiros italianos, Domenico da Cortona e Fra Giocondo, que aplicaram alguns dos primeiros motivos decorativos renascentistas. Montségur Na região do Midi-Pyrénées na França. A 1.207 metros acima do nível do mar ficou célebre pois na montanha houve uma aldeia fortificada onde foi esmagada a fanática heresia cátara em 1244. Em 1215, o Quarto Concílio de Latrão denunciou a fortificação cátara como reduto de heréticos. Entre 1243 e 1244, Hugues d’Arcis, senescal de Carcassonne e o arcebispo de Narbonne, conduziram a cruzada, e após audaciosa escalada noturna puseram fim ao ninho de subversão e imoralidade. Os cátaros que não abjuraram seus erros pereceram na fogueira. O castelo atual é obra do Marechal da Fé Guy II duque de Lévis que desejava a nunca mais os heréticos abusassem do local. No século XVII, perdida a sua função estratégica, mergulhou em ruínas. Mas nos séculos XIX e XX procedeu-se à sua restauração. Montsoreau Construído em 1455 por Jean de Chambes, conselheiro de Carlos VII na margem do rio Loire, controlava o tráfego entre os rios Chinon e Saumur. No século XIX o castelo estava abandonado e em ruínas, sendo hoje objeto de extensas obras de renovação. Vitré Em Vitré, Bretanha, o primeiro castelo em pedra foi construído pelo Barão Robert I de Vitré no final do século XI substituindo um castelo em madeira de cerca do ano 1000. No século XIII, o Barão André III deu-lhe a sua forma atual. Nos séculos XV e XVI prevaleceu a procura do conforto e reformas em estilo renascentista. O Parlamento da Bretanha refugiou-se no edifício em três ocasiões (1564, 1582 e 1583) por ocasião de epidemias de peste. Entre 1547 e 1605, Vitré tornou-se bastião huguenote. Em 1605, o castelo passou para a família católica de La Trémoille. Ficou abandonado no século XVII. Após a barbárie da Revolução Francesa, a residência senhorial virou prisão e, depois, quartel. Em 1875 iniciou-se a restauração. Atualmente, a câmara municipal de Vitré funciona no recinto e a praça do castelo tornou-se republicano estacionamento. MAIS Trécesson Palácio fortificado que conservou seu aspecto medieval. É um dos mais impressionantes da Bretanha. Seus admiráveis muros em argila avermelhada refletem-se nas águas do fosso. É uma propriedade privada. Acede-se por uma ponte. A entrada é comandada por importante casteleto flanqueado por duas torres estreitas com sacadas reunidas por uma antiga galeria. A origem remonta à noite dos tempos. Era mencionado como domicílio dos senhores de Ploërmel e Campénéac desde o século VIII. A família de Trécesson existe desde o século XIII. A tradição atribui a construção ao final do século XIV. O castelo foi herdado pela condessa de Prunelé que habita atualmente nele. Castelos em seu email RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Troussay É um dos menores castelos do Vale do Loire. A primeira pedra da mansão foi colocada por volta de 1450, quando Robert de Bugy, escudeiro do rei Francisco I da França, era o senhor feudal. No século XVII, o domínio foi equipado com áreas comuns e duas alas, enquanto um magnífico jardim formal foi estabelecido. O castelo pertence à família dos proprietários do castelo de Cheverny. Caernarfon Castle Construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra em 1283, em posição dominante sobre as margens do rio Seiont. Tinha sido o sítio dum forte romano e, mais tarde, dum castelo do tipo madera construido cerca de 1090 por Hugh d'Avranches. Eduardo II de Inglaterra nasceu aqui em 1284. Em 1646, durante a Guerra Civil Inglesa, a sua guarnição Realista rendeu-se às forças protestantes republicanas. A tradição de investir o herdeiro do monarca britânico no castelo com o título de Príncipe de Gales começou em 1301 e foi repetido em 1969, com a investidura de Carlos, Príncipe de Gales. Hoje aloja o Museu dos Fuzileiros Reais Galeses. Conway Castle Na costa norte do País de Gales, Reino Unido. Foi construído entre 1283 e 1289, durante a segunda campanha do rei Eduardo I de Inglaterra no Norte de Gales. Conway assemelha-se a um castelo concêntrico, mas é uma fortificação linear construída num promontório rochoso. Isto destinava-se a prevenir uma minagem subterrânea e guardar a entrada para o Rio Conway. O acesso ao castelo era feito, originalmente, por uma rampa com degraus através duma ponte levadiça, por uma portaria com grade e pela barbacã. Então, quem entrava virava à esquerda, através da portaria principal, para o pátio interior. Este continha os principais aposentos habitacionais para a guarnição e a torre prisão. Uma muralha e portaria com uma enfiada de seteiras defendia o pátio interior. Esta parte continha o aquecido Apartamento Real e o Grande Hall. Na parte de trás do castelo existia outra barbacã guardando o lado do rio. No século XIII, foi construída uma torre de vigia. Em 1403, forças galesas capturaram o castelo e a guarnição inglesa mas foram resgatados pelo rei Henrique IV de Inglaterra. No início do século XVII, o, em tempos, grande Castelo Real estava degradado. Em 1646 foi destruído deliberadamente pelo exército Parlamentarista e deixado como uma concha vazia. Vaux-le-Vicomte Foi construído em estilo Barroco entre 1658 e 1661, próximo de Melun, pelo superintendente das Finanças de Luís XIV, Nicolas Fouquet. Nele trabalharam os grandes artistas que depois fizeram Versailles Em 17 de Agosto de 1661, Fouquet recebeu o Rei e toda a Corte para uma festa grandiosa de 3 000 pessoas. Luis XIV considerou-o demasiado poderoso e ambicioso e por isso fez D'Artagnan prendê-lo algumas semanas depois desta festa. Fouquet foi condenado a 15 anos de prisão na fortaleza de Pinerolo, na Itália, onde morreu em 1680. Atualmente é a maior propriedade privada com o título de Monumento Histórico na França. MAIS Rochester Castle Na margem Rio Medway, em Rochester, Kent. É um dos mais bem preservados castelos no Reino Unido. Houve uma praça forte nos tempos romanos (cerca do ano 43). A torre de menagem e o castelo normando atual remontam ao ano 1127. O primeiro castelo normando de Rochester foi provavelmente uma torre de madeira com paliçadas. O Bispo Gundulf construiu o castelo de pedra. Gundulf fez a Catedral Normanda de Rochester em 1080, e a Torre Branca da Torre de Londres. O arcebispo da Cantuária, Guilherme de Corbeil começou a construir a grande torre de menagem de pedra em 1127. É a mais alta da Inglaterra e dominou a travessia do rio nos últimos 800 anos. Teatro de muitos enfrentamentos medievais. No século XV foi poupado pela Guerra das Rosas. Hoje Rochester está ligado ao vizinho estaleiro naval de Chatham que fabrica submarinos. Angers Houve uma primeira fortaleza de Angers sobre o rio Maine construída pelos Romanos. No século IX, passou para o Conde de Anjou, tornando-se parte dos feudos dos reis de Inglaterra no século XII. No século XIII, um novo e enorme castelo foi construído pelo rei São Luís IX. A cerca de 600 metros de altura, e protegida por dezassete maciças torres, as muralhas do castelo englobam 25.000 m². Luís II e Iolanda de Aragão adicionaram uma Capela (1405-12) e apartamentos reais. A capela é consagrada a uma lasca da Vera Cruz. VER No início do século XV, o infeliz delfim que depois tornar-se-ia Carlos VII com a ajuda de Joana d'Arc, fugiu de Paris se refugiando em Angers. FOTOS interior Em 1562, Catarina de Medici tinha restaurado a poderosa fortaleza, mas, o seu filho, Henrique III, reduziu a altura das torres e despiu os muros dos seus reforços. Barroux Remonta a um castelo erguido, no século XII, em posição dominante sobre um pico rochoso, vizinha ao qual se desenvolveu a povoação. No século XIV, o castelo foi transformado em uma magnífica fortaleza. No século XVIII, foi abandonado, caindo em ruínas. No início do século XX, uma família adquiriu as ruínas e promoveu a restauração às suas próprias expensas. Na Segunda Guerra Mundial foi incendiado por tropas alemãs. Mas a mesma família restaurou-o na década de 1960. Bayard Originalmente foi uma fortificação. Na era feudal, somente os Cavaleiros podiam possuir um castelo. Pierre Terrail, bisavô do famoso cavaleiro Bayard, foi o vice-senhor do senhorio de Avallon e empreendeu a construção em 1404. Os membros da família Bayard passaram uma boa parte da sua vida a combater ao serviço do Rei de França. Pierre III Terrail, o célebre cavaleiro Bayard ali nasceu e foi criado. MAIS Por matrimônio, o castelo ficou com a família de Noinvilles (1735). Louis-Alphonse de Noinville, emigrante sob a Revolução Francesa, foi o último Senhor de Bayard. Os seus bens foram ilicitamente apreendidos e vendidos em 1795 pelos revolucionários “democráticos”. O castelo ficou em ruínas por longo tempo. As pedras chegaram a ser usadas como material de construção. As ruínas causadas pela Revolução Francesa foram restauradas por famílias proprietárias. Beynes Junto ao Rio Mauldre, na região da Île-de-France, o primeiro castelo, com fosso e muralha, foi construído no século XI. O rio servia como linha de defesa ocidental do domínio Real, contra a Normandia. Foi tomado pelos ingleses na Guerra dos Cem Anos. Cerca de 1450, Robert d'Estouteville transformou-o numa residência confortável, desmantelando a torre de menagem e adaptando as fortificações para a artilharia incipiente. Beynes foi totalmente abandonado durante o bárbaro “século das Luzes” (XVIII) e foi usado como um filão de pedra para construções na aldeia. Blois No Vale do rio Loire, Blois foi residência de vários Reis da França. Também nele o arcebispo de Reims abençoou Joana d'Arc, em 1429, antes de esta partir combater os ingleses. Erguido no centro da cidade, compreende vários edifícios construídos entre o século XIII e o século XVII. A sua mais famosa peça de arquitectura é a magnífica escadaria em espiral, na ala de Francisco I. O castelo medieval foi capital política durante o reinado de Luís XII. No início do século XVI, o soberano iniciou a criação de um jardim Renascentista. Uma ala, feita em tijolo encarnado e pedra cinzenta, constitui a entrada principal do palácio. Seu estilo é essencialmente gótico, mas existem elementos Renascentistas. Francisco I fê-lo mobilar e iniciou uma nova ala. Criou no palácio uma das mais importantes bibliotecas da época que foi a semente da “Bibliothèque Nationale”. MAIS . e MAIS Bonaguil Na fronteira entre o Périgord e o Quercy, na Idade Média, Bonaguil foi sede de uma das quatro baronias do Périgord. Ele é um dos últimos exemplares de castelos-fortes no país. A sua construção foi iniciada no século XIII, sendo inteiramente reformado no final do século XV pelo barão Bérenger de Roquefeuil. Tem uma superfície de 7.500 m², e é um verdadeiro catálogo das técnicas de fortificação medievais inclusive para resistir à artilharia. No Renascimento, as grandes famílias seguindo o exemplo do Rei começaram a construir palácios agradáveis e deixaram as fortificações medievais para a pequena e média aristocracia. Bonaguil encontra-se num notável estado de conservação. Nunca sofreu ataques e foi habitado até a Revolução Francesa. Brie-comte-Robert O castelo de Brie-Comte-Robert, na Île-de-France, foi erigido no final do século XII, quando Robert I de Dreux, era senhor de Brie. Em 1254 passou para a família de Châtillon. O castelo tornou-se uma residência de prestígio. Aqui teve lugar, em 1349, o casamento de Filipe VI de França com Branca d'Évreux-Navarre. Ao final do século XIV, o castelo e seus domínios retornaram à Casa d'Orleães. A partir de Francisco I e Catarina de Médicis, o castelo e seus domínios foram confiados pelo soberano a alguns dos seus validos, muitos dos quais senhores italianos que deixaram o imóvel degradar-se. Em 1750, Germain-Louis de Chauvelin, senhor do castelo, cheio do espírito das Luzes demoliu as torres e as cortinas. O duque de Penthièvre e sua filha, duquesa d'Orléans, foram os seus últimos senhores. Na Revolução francesa, o edifício foi prisão. Caen Construído cerca de 1060 por Guilherme o Conquistador rei da Inglaterra. Num célebre Natal em 1182 reuniram-se no castelo Henrique II de Inglaterra e os seus filhos, Ricardo Coração de Leão e João Sem Terra, e mais de mil cavaleiros. O castelo, juntamente com toda a Normandia, foi integrado na Coroa Francesa em 1204. O castelo assistiu a vários episódios da Guerra dos Cem Anos. O feroz ódio contra a história católica da Revolução Francesa demoliu a torre de menagem em 1793, como símbolo do passado hierárquico. O castelo foi bombardeado em 1944 e seriamente danificado. quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS Postado por Luis Dufaur 11 comentários Share | Marcadores: Natal terça-feira, 5 de dezembro de 2017 Castelo de Suscinio: afirmatividade, personalidade e combatividade Castelo de Suscinio: fortaleza 'de verão' Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Próximo de uma praia na localidade de Sarzeau (Morbihan, França), o castelo de Suscinio projeta sua imponente figura. Ele foi construído na segunda metade do século XIV para servir de residência de verão aos Duques da Bretanha. Seu nome deriva da palavra bretã Ziskennoù, que significa “local de repouso para os viajantes”, ou “local onde se desce”. A Bretanha está rodeada de mares, recifes e falésias perigosíssimas. O perpetuo rumor do mar é sua música de fundo. Os seus múltiplos portos são um refúgio necessário. Iniciado pelo duque de Bretanha, Pierre de Dreux, em 1218, Suscinio serviu de início como residência para os períodos de caça. Seus descendentes, João I o Vermelho, João IV e João V aumentaram muito o castelo, construindo no século XV até casamatas para peças de artilharia. A Bretanha era um ducado virtualmente independente ligado ao Reino da França por laços bastante genéricos. Castelo de Suscinio: símbolo da alteridade bretã Até que a última herdeira dos Duques, Ana de Bretanha (1477–1514), casou com o Rei da França Luis XII no castelo de Langeais, após inúmeras peripécias políticas, guerras, tentativas de casamento fracassadas, viuvezes e intrigas. Ana tornou-se rainha da França e a Bretanha passou a ser feudo da casa real francesa. A rainha Ana, entretanto, passou para a posteridade a imagem de uma princesa bretã muito ciumenta dos direitos de sua terra natal. E os bretões de fato foram sempre muito feros em defender sua história, direitos e cultura própria. Suscinio é um exemplo patente disso. Quem, vendo suas imponentes torres e sólidas casamatas, teria dito que se trata de um “castelo para se passar as férias de verão”? A preocupação militar é patente. Uma preocupação mais do que tudo defensiva de seus vizinhos: a França e, do outro lado da Mancha, a Inglaterra. Suscinio: força, lógica, coerência, beleza austera e sublime Precisou chegar a barbárie igualitária da Revolução Francesa para que em 1798 o castelo fosse vendido por preço vil a um mercador que o explorou como canteiro de pedras para construção. Isto é, fez-se tudo para fazê-lo desaparecer. Por isso é que partes importantes dele não existem mais. Mas, do que sobrou: que força, que lógica, que coerência, que beleza austera e sublime! As partes preservadas mostram quase intactas suas características de fortaleza medieval. E constituem um símbolo da alteridade bretã. A Revolução Francesa empenhou-se em derrubar todos os direitos adquiridos historicamente pelos antigos feudos e regiões. E desconheceu o contrato passado entre Ana de Bretanha e Luís XII, pelo qual o ducado enfeudado à coroa francesa conservaria seus privilégios, usos e costumes. O que faz a nobreza da Bretanha? Reuniu-se e mandou dizer aos revolucionários: “Se vocês continuarem nesse caminho, nós proclamamos a independência da Bretanha. Porque nós tínhamos um contrato e vocês violaram esse contrato. Acabou-se” . Suscinio: símbolo de uma região ufana de sua originalidade E eclodiu uma guerra civil. Do ponto de vista político e jurídico, a França antiga era uma soma de contratos amadurecidos e provados historicamente. Quando a Revolução Francesa decapitou o Rei Luís XVI, três quartos dos departamentos franceses pegaram em armas, porque os contratos haviam sido violados e a França se sentia desfeita. Os castelos eram como que os monumentos asseguradores da alteridade local e da noção contratual autêntica. Por mais essa razão, a Revolução Francesa, consumida pelo fanatismo igualitário, quis apagá-los da superfície do país. Esses contratos nasceram do fundo da realidade e não tinham nada a ver com o cerebrino “Contrato Social” de Rousseau que, comparado com os autênticos contratos, se assemelha a uma bobagem de salão. Suscinio está ali lembrando essas verdades. GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS Postado por Luis Dufaur 1 comentários Share | Marcadores: Bretanha , França , Langeais , Revolução Francesa , Suscinio quarta-feira, 22 de novembro de 2017 Vaux-le-Vicomte e sua inesquecível festa Vaux-le-Vicomte Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Nicolas Fouquet (Paris, 27 de janeiro de 1615 Pignerol, 03 de abril de 1683) foi visconde de Melun, Visconde de Vaux, marquês de Belle-Île, e todo-poderoso Superintendente de Finanças do rei Luis XIV. Também foi protetor e padroeiro dos escritores e artistas. Em 1653, ordenou a construção de um magnífico castelo em Vaux-le-Vicomte. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 0 comentários Share | Marcadores: França , Ile de France , Vaux-le-Vicomte terça-feira, 7 de novembro de 2017 Um castelo medieval na Califórnia, no século XXI? Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Século XXI: um vinicultor apaixonado pela Idade Média construiu um castelo seguindo estritamente modelos históricos da Itália e Áustria. O Castello di Amorosa fica em Napa Valley, Califórnia, é não é uma mera fantasia. Ele é bem funcional. Nele, Dario Sattui, o proprietário, produz vinhos, algo muito frequente nos castelos na Idade Média. Aliás, parece estar atraindo muitos admiradores dos tempos medievais, e ele não esconde ser por isso mesmo um bom negócio. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 4 comentários Share | Marcadores: Amorosa , Califórnia terça-feira, 24 de outubro de 2017 Chenonceaux: esplendor régio e conforto popular Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Realidade ou conto de fadas? Ter-se-ia o direito de hesitar, considerando a harmonia, a leveza, a suprema distinção deste castelo, construído sobre águas de uma serenidade e de uma profundidade dignas de lhe servirem de espelho. Dir-se-ia até que esta inimaginável fachada foi feita para ser vista principalmente em seu reflexo nas águas límpidas sobre que paira. Trata-se de uma realidade, sim, mas de uma realidade feérica, nascida do gênio francês. É o castelo de Chenonceaux, construído no século XVI. Distingue-o uma harmoniosa interpenetração de força e de graça, de simetria e fantasia, bem típica da alma francesa. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 0 comentários Share | Marcadores: Chenonceaux , França , Loire terça-feira, 10 de outubro de 2017 Castelo: residência por excelência do nobre, símbolo e orgulho da comunidade feudal Hoje se tenta reviver a vida do castelo em eventos medievalizantes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O castelo é a residência por excelência do nobre. A classe nobre bem entendida tem algo de intermediário. Por um lado, ela participa da glória e do poder real, se bem que em proporções muito diversas, inferiores e subordinadas ao poder régio. Por outro lado, ela participa e, a bem dizer, está imersa na vida do povo. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 3 comentários Share | Marcadores: Allègre-les-fumades , Brissac , Chaumont , Chenonceaux , Hunedoara , Montbazillac , Trakai terça-feira, 26 de setembro de 2017 Castelos ante-salas da vida eterna Vaux-le-Vicomte, mesa dos nobres Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs A influência apaziguadora da Igreja foi moderando os primitivos impulsos bélicos dos povos bárbaros batizados. O Direito Romano cristianizado e posteriormente desenvolvido na Idade Média foi instalando o império da Lei pela Europa medieval. Uma das conseqüências desse progresso foi a diminuição das guerras tribais primeiro, feudais depois. Nas fronteiras os inimigos tinham sido cristianizados: os Normandos no Norte, os Saxões e outras tribos germânicas e eslavas no Leste, os muçulmanos estavam sendo postos laboriosamente fora da península ibérica. A finalidade dos castelos foi então se modificando. Sua razão de ser principal ‒ a puramente militar ‒ foi sendo substituída por outra que, de início não era tão evidente. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 5 comentários Share | Marcadores: França , Vaux-le-Vicomte terça-feira, 12 de setembro de 2017 Pierrefonds: o triunfo do verdadeiro progresso sobre a esclerose arqueológica Uma restauração que foi um progresso na linha medieval Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O Castelo de Pierrefonds é um imponente palácio fortificado, situado no bordo sudeste da Floresta de Compiègne, a norte de Paris, no departamento de Oise. Ele apresenta a maior parte das características defensivas da Idade Média. No século XII, já se elevava um castelo no lugar dito de ' le Rocher' de Pierrefonds ( O Rochedo de Pierrefonds ). Em 1392, o Rei Carlos VI dá-lo a seu irmão Luís de Valois, Duque de Orléans. Este último oferece o castelo original às Irmãs do Santo Suplício e, de 1393 à sua morte em 1407, faz construir um novo edifício pelo arquiteto da Corte, Jean le Noir, na localização atual. No reinado de Luis XIII, o castelo ficou na propriedade de François-Annibal d'Estrées que se engajou numa rebelião do 'Partido dos Descontentes' . O palácio acabou sendo invadido pelas tropas do Cardeal Richelieu, Secretário de Estado da Guerra. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 5 comentários Share | Marcadores: França , Pierrefonds , Viollet-le-Duc terça-feira, 29 de agosto de 2017 Roquetaillade: 700 anos na posse de uma mesma família Entre guerras e reformas o castelo ficou sempre com uma mesma continuidade familiar Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O castelo de Roquetaillade fica em Mazères, na região da Gironda França. É constituído por duas fortificações, uma do século XI e outra do século XIV, uma perto da outra num mesmo recinto. O palácio foi salvo no século XIX pela restauração de Viollet-le-Duc, que empreendeu igualmente importantes trabalhos de decoração e criação de mobiliário. Roquetaillade encontra-se há 700 anos na posse de uma mesma família e foi aberto ao público em 1956. O lugar foi habitado desde a pré-história. Grutas naturais e um pico rochoso eram favoráveis a uma instalação humana. Os numerosos “S” talhados, encontrados no lugar, testemunham essa presença. No entanto, a menção a uma fortificação em Roquetaillade só surge pela primeira vez em 778. Nessa data, Carlos Magno, a caminho dos Pirenéus com o seu sobrinho Rolando (o qual inspiraria a célebre La chanson de Roland, poema épico do século XI), reagrupou o seu exército em Roquetaillade. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 1 comentários Share | Marcadores: França , Roquetaillade , Viollet-le-Duc terça-feira, 15 de agosto de 2017 Admirar Saumur é entrar na alma de São Luís Agulha de Saumur (épis de faîtage em francês) foi criada com base na iluminura Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs continuação do post anterior: Da terra ao Céu: do Saumur da pedra ao Saumur do sonho O castelo de Saumur não é um sonho de toxicômanos. O castelo tem uma harmonia e um equilíbrio que, ao mesmo tempo em que parece flutuar no ar, não dá a impressão de que vai cair. Por causa disso ele se divide em duas partes bem nítidas: a parte superior ligeira, leve, graciosa. e a parte inferior, fortíssima. O castelo tem como que garras postas no chão. são subterrâneos, masmorras, cofres, arquivos, salas de armas na parte fortíssima. Esta segura o castelo e o equilibra no que ele poderia ter de demais aéreo. Se o castelo fosse todo como a parte de baixo, seria um pesadelo. Se fosse tudo como é em cima, seria uma brincadeira. Mas ele não é nem um pesadelo, nem uma brincadeira. É uma obra-prima de equilíbrio de espírito, em que cada coisa tem seu papel. O que toca na terra é sólido, sério, vigoroso, guerreiro. São muralhas de uma fortaleza. De quando em quando há uma seteira. Não há janela. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 0 comentários Share | Marcadores: França , Loire , São Luís , Saumur terça-feira, 1 de agosto de 2017 Da terra ao Céu: do Saumur da pedra ao Saumur do sonho Um belo castelo inspirou um sonho. Hoje os restauradores querem consertar Saumur segundo o sonho Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O castelo Saumur como está representado nas “Très Riches Heures du duc de Berry” nunca existiu como é representado na maravilhosa iluminura. O castelo histórico, embora muito belo, foi abandonado nos tempos modernos, período que medeia entre a Idade Média e a Revolução Francesa. Pode-se entrementes indagar se a iluminura das “Très Riches Heures du duc de Berry” é “autêntica”, ou seja, se ela reproduz o que foi o castelo. E aqui o julgamento deve ser cuidadoso. Houve o castelo de pedra historicamente existente e houve também na alma dos homens um sonho construído a partir desse mesmo castelo. Saumur foi um dos mais belos castelos da Idade Média e um daqueles em que melhor se exprimiu o sonho para o qual tendia a Idade Média. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 1 comentários Share | Marcadores: França , Loire , Saumur terça-feira, 18 de julho de 2017 O novo cisne de pedra: Neuschwanstein Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Há certamente um pouco de má vontade vontade em qualificar o rei Luís II da Baviera (1845-1886) apenas de demente. Pois ele foi apelidado também de “Rei Cisne” ou “Rei de Conto de Fadas”, tendo escrito o seguinte belo texto: “É minha intenção reconstruir a ruína do velho castelo em Hohenschwangau, próximo do Desfiladeiro de Pollat, no verdadeiro espírito dos velhos castelos dos cavaleiros alemães […] “ a localização é a mais bela que alguém pode encontrar, sagrada e inacessível, um templo digno para o divino amigo que trouxe a salvação e a verdadeira bênção ao mundo”. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 0 comentários Share | Marcadores: Alemanha , Baviera , Neuschwanstein terça-feira, 4 de julho de 2017 Castelo medieval europeu ou castelo japonês? Diferenças e afinidades Castelo de La Rochefoucauld, Poitou, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Do Japão geralmente só se ouve hoje falar em termos de bips , chips , business . Mas isto não é objetivo, pois, para quem sabe ver, trata-se de um apreciável país. Durante o período Nara — 545 a 794 — havia muitos senhores feudais que passaram a se envolver em combates. Foi desde então que começaram a erguer estruturas e construções cercadas por fossos, que ganharam o nome de Kinowa e Kinowasaku . Essas construções eram usadas para a própria defesa dos Daimyo , como eram chamados os senhores feudais da história japonesa. Em que sentido um castelo japonês é diferente do castelo do ocidente medieval? “Do castelo europeu, tem-se a impressão de que deita as garras no rochedo. É constituído de torres fortes, prontas para desafiar o vento e o clima hostil. “No castelo medieval, os muros são guarnecidos de ameias e barbacãs para os guardas circularem, a fim de proteger a muralha contra o adversário. “Em volta das torres há o fosso com água e a ponte levadiça. […] “O castelo japonês é um edifício delicado, nobre, próprio a um povo voltado para o sonho. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 3 comentários Share | Marcadores: Himeji , Japão , La Rochefoucauld , Matsumoto , Osaka terça-feira, 20 de junho de 2017 O castelo na guerra medieval Castelo de Foix, nos Pirineus franceses. Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs A medida que os costumes se suavizavam por obra da Igreja, a guerra medieval acabou ficando estritamente localizada. Reduzia-se frequentemente a um simples passeio militar, à tomada de uma cidade ou de um castelo. Os meios de defesa são então muito superiores aos de ataque. As muralhas, os fossos de uma fortaleza garantem a segurança dos sitiados. Uma corrente estendida ao longo da entrada de um porto constitui uma salvaguarda, pelo menos provisória. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 2 comentários Share | Marcadores: Foix , guerra , La Couvertoirade , moral , Papado , pólvora , Stirling , suavização dos costumes terça-feira, 6 de junho de 2017 Chambord recupera o esplêndido manto de seus jardins Chambord e seus jardins restaurados. Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O castelo de Chambord voltou a exibir seus esplendorosos jardins à francesa, mercê de um mecenas estrangeiro, noticiou Francetvinfo. Esses jardins eram considerados no século XVIII um modelo de perfeição, até que a Revolução Francesa e seus sucessores os relegaram à morte. O ódio igualitário se abateu contra as flores aristocráticas, os desenhos superiores, os panoramas evocadores do Céu Empíreo. Um mundo de amadores de todas as classes sociais ali se deliciava com um reflexo da beleza divina do Supremo monarca e Criador do universo. A Revolução do democratismo chulo condenou esses jardins a um lento e desgastante abandono. No fim, só ficou um gramado gigante onde todas as folhas são iguais. Mas no século XXI, cientes da feiura do crime e da torpeza praticada, estudiosos saíram à procura dos planos do passado e os exumaram conscienciosamente. E assim refizeram o mapa das belezas vegetais dos tempos reais. “Graças às pesquisas arqueológicas, levantando o gramado pudemos encontrar os canteiros das plantações. Encontramos todos os blocos de terra que estavam plantados”, explicou Pascal Thévard, engenheiro-chefe do canteiro de obras para restaurar o maravilhoso. É um dos maiores canteiros da Europa nos presentes dias. Custou 3,5 milhões de euros e foi financiado por um mecenas americano mais sensível à beleza que os herdeiros do prosaísmo revolucionário. Foram necessários cinco meses de trabalhos com grandes equipamentos, num exercício de alta precisão e com margem de erro de quase um centímetro. Leia mais... Veja artigo e fotos completas ... » Postado por Luis Dufaur 0 comentários Share | Marcadores: Chambord , França , Loire Postagens mais antigas Página inicial Assinar: Postagens (Atom) Outras formas de visualizar o blog: Eu gosto de Castelos Medievais Pesquisar este blog Carregando... Pierrefonds, Ile-de-France LINKS Exeter Catedral de Exeter Carregando... Carregando... Receba gratuitamente RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Lichtenstein Também conhecido como “Castelo do Conto de Fadas”, localiza-se próximo de Honau, em Baden-Württemberg, Alemanha. Remonta a cerca de 1200. A fortificação medieval dos senhores de Lichtenstein foi por duas vezes destruída durante a Guerra do Império. Em 1802 as ruínas passaram para o rei Friedrich I de Württemberg que fez erguir um pavilhão de caça. O atual castelo surgiu entre os anos de 1840 e 1842 obra de Wilhelm I, duque de Urach, conde de Württemberg. O estilo é neo-gótico. Os duques de Urach conservam sempre a propriedade. Hohenzollern Palácio fortificado da Alemanha entre as cidades de Hechingen e Bisingen. Foi residência dos Condes suabos a partir do século XI. O primeiro castelo do século XI em 15 de Maio de 1423 foi completamente destruído pela pela União das Cidades Imperiais. O segundo castelo iniciado pelo Conde Jos Niklas de Zollern foi concluído em 1461. Na Guerra dos Trinta Anos, serviu de refúgio à família Hohenzollern. No século XVIII foi ocupado por tropas francesas e austríacas. No início do século XIX estava em ruínas. só ficando hoje a Capela de São Miguel. O terceiro castelo é o atual.O futuro Rei Frederico Guilherme IV, iniciou a construção em 1842 em estilo neogótico com uma alta ideia do castelo medieval. Em 3 de Outubro de 1867 foi inaugurado pelo rei Guilherme I. Ela pertence aos príncipes Hohenzollern, está aberto ao público e conserva excelente decoração neogótica. Marksburg Junto ao rio Reno, é o único castelo medieval do Médio Reno que nunca foi destruído. Foi construído para proteger a cidade de Braubach e reforçar as facilidades aduaneiras. Por volta de 1117-1231 foi mencionada pela primeira vez. Em 1283 o Conde Eberhard de Katzenelnbogen comprou o castelo. MAIS Katz Burg Katz localiza-se na cidade de Sankt Goarshausen, sobre o Reno. Em posição dominante, foi erguido por volta de 1371, pelo conde Wilhelm II de Katzenelnbogen. O castelo foi bombardeado em 1806 e reconstruído entre 1896 e 1898. Atualmente é propriedade privada. Marienberg No ano 704, foi construída a “igreja de Maria” no cimo de um antigo abrigo celta. A igreja ficou rodeada pela primeira fortaleza no século XIII. Em maio de 1525, durante a “guerra dos camponeses”, 8.000 protestantes enlouquecidos que assediavam o castelo foram massacrados ou cegados pelo Bispo. Os nazis lembraram do fato para se afastar da Igreja Católica. Em 1600, Julius Echter reconstruiu um palácio renascentista depredado pelo calvinista Gustavo II Adolfo da Suécia, na Guerra dos Trinta Anos. Após a Guerra foi erguida uma fortificação barroca ainda mais formidável. Marienberg foi sede aos Príncipes-Bispos de Würzburg até ao início do século XVIII. Neuschwanstein O “Castelo do Cavaleiro Cisne” é uma tentativa de fazer um castelo medieval no século XIX com espírito romântico. A concepção foi de Luís II da Baviera. E a primeira pedra foi colocada em 5 de setembro de 1869. Nas origens, no local estava o castelo de Schwanstein, sede dos cavaleiros de Schwangau, cujo emblema era o cisne. Neuschwanstein têm ngenhos a vapor e eléctricos, ventilação moderna e canalizações de aquecimento. Luís II nunca chegou a morar nele. Hoje é propriedade do estado da Baviera. MAIS e MAIS Hohenschwangau Construído sobre os restos da fortaleza Schwanstein do século XII por obra de uma família de cavaleiros. No século XVI, a fortaleza mudou de mãos várias vezes até que caiu em ruínas no século XIX. Em 1832, o Rei Maximiliano II da Baviera entusiasmado pela beleza da área, adquiriu a propriedade e iniciou a construção do atual palácio em estilo neogótico. Hohenschwangau foi a residência oficial de veraneio e de caça dos Rei da Baviera. Em 1869, Luís II iniciou a construção de Neuschwanstein depositando uma pedra de Hohenschwangau. Hoje, ele pertence a Franz, Duque da Baviera. Ussé Alcázar de Segovia O Alcázar de Segovia é um palácio fortificado em pedra, na cidade velha de Segovia, Espanha. É um dos mais distintos castelos-palácios da Espanha e tem forma de proa de um navio. Nas origens houve uma fortificação romana e depois uma islâmica. A primeira referência remonta a 1120, 32 anos depois de a cidade de Segóvia regressar a mãos cristãs. Era um forte de madeira construído sobre velhas fundações romanas. Afonso VIII ergueu o início da fortificação de pedra. Ao longo da Idade Média foi uma das residências favoritas dos monarcas de Castela e fortaleza chave na defesa do reino. A maior contribuição individual para o alcázar foi do rei João II de Castela, o qual construiu a “Torre Nova”. Em 1474 nele foi coroada Isabel como Rainha de Castela e Leão e aí casou com Fernando II de Aragão. Filipe II de Espanha adicionou os afiados pináculos de lousa para refletir os castelos da Europa Central. Quando a Corte Real mudou-se para Madrid, o alcázar teve vários destinos até ser danificado severamente por um incêndio. Em 1882 começou a ser restaurado. Em 1896, o rei Afonso XIII cedeu-o para colégio militar. Almodóvar del Rio Na província de Córdoba, Andaluzia, no caminho medieval para Sevilha. A primitiva ocupação do sítio remonta a um castro dos Iberos, posteriormente fortificado pelos romanos. A estrutura atual remonta à ocupação muçulmana, quando integrava o Emirado de Córdoba. Na época da Reconquista cristã foi tomado por São Fernando III de Leão e Castela, em 1240. Pertenceu à Ordem de Calatrava. Em 1629, Felipe IV vendeu-o a D. Francisco De Corral y Guzmán, cavaleiro da Ordem de Santiago. Entre 1903 e 1911, o seu proprietário, conde de Torralva, iniciou vasta reconstrução. Sofreu danos na Guerra Civil Espanhola. É propriedade privada aberto ao público. Barco de Ávila Palácio fortificado sobre o Rio Tormes, construído sobre um castro vetão foi destruído pelos romanos. Foi edificado no século XII e reconstruído no século XIV. Com uma superfície de 1.700 m2, a porta principal é gótica emoldurada. Das ameias e torreões domina-se todo o vale e as serras circundantes. No interior do castelo existia um pátio de armas com um bebedouro ao centro e uma galeria de arcadas e colunas românicas adornada com uma belíssima balaustrada gótica. Era habitado pelos Senhores de Valdecorneja, Condes e Duques de Alba. Para o século XVI pareceu apertado e incômodo, foi reformado e criaram-se aposentos para as damas. Os dos cavaleiros tinham vista para o Puerto de Tornavacas e estavam situados no segundo piso. Restaurado várias vezes, respeitando o seu perímetro original, devido às incontáveis batalhas que sofreu, tentativas de incêndio e bombardeamento. Belmonte No morro de San Cristóbal, na província de Cuenca. Foi mandado construir pelo marquês de Vilhena em 1456. No século XIX, Eugenia de Montijo executou grande reforma. No século XX, pertenceu às juventudes falangistas que fizeram instalações insensatas destruindo os telhados. Hoje pertence à Casa Ducal de Peñaranda, descendentes da Duquesa de Alba e se encontra em fase de reabilitação. Calatrava la Vieja Na margem esquerda do rio Guadiana, Castilla-La Mancha, Espanha. Erguido pelos muçulmanos, em plena Reconquista foi tomado por forças cristãs dos reis Afonso VIII de Castela, Pedro II de Aragão e Sancho VII de Navarra, no início do século XIII. O castelo foi doado à Ordem dos Templários. Mais tarde foi guarnecido pelos cavaleiros da Ordem de Calatrava. Coria Na província de Cáceres, Estremadura, Espanha. A primitiva ocupação do sítio remonta a uma fortificação romana. A atual estrutura é do ano 1472, e foi iniciativa do duque de Alba. Consiste em uma torre de menagem de planta pentagonal, e o chamado “castelejo”, torre menor de planta semi-circular. O conjunto é rematado por ameias e por guaritas semicirculares. Todo o perímetro é decorado com arcos e bolas. O brasão de armas do duque encontra-se nas guaritas e sobre o portão de armas. Estilo gótico tardio. É particular. Javier Em Navarra, Espanha, cerca de 52 quilômetros a leste de Pamplona. Nele nasceu e viveu São Francisco Xavier, filho dos senhores Javier. Por isso é o destino de uma concorrida peregrinação anual, em homenagem do santo padroeiro de Navarra, chamada “Javierada”. O castelo remonta a uma fortificação muçulmana do século X. Após a Reconquista cristã da região, em 1236 o castelo foi entregue por Teobaldo I de Navarra a D. Adán de Sada. Após sucessivas heranças, o castelo passou ao domínio da Casa de Villahermosa. Ao final do século XIX, seus proprietários iniciaram a restauração. Toda a família participou com fundos próprios para restaurá-lo, edificar uma Basílica e moradias para sacerdotes e casas de exercícios. Manzanares el Real A Diego Hurtado de Mendoza, almirante maior de Castela, se atribui a construção duma primeira fortaleza, embora o edifício tenha origem anterior. No século XV, Íñigo López de Mendoza finalizou as obras. Em 1566, deixou de ser habitado. Em 1914, o Ducado do Infantado procedeu a um primeiro restauro. Alguns elementos foram completamente reconstruídos, caso das salas e corredores do interior do corpo principal. Marcadores Acre (1) agricultura (1) Alemanha (17) Allègre-les-fumades (1) Almansa (2) Almourol (1) Alsácia (1) Amboise (3) Amorosa (2) André Le Notre (1) Anjou (1) Aquitania (3) Arundel (1) Aunqueospese (1) Áustria (1) Auzers (1) Avila (1) Avrilly (1) Azay-le-Rideau (2) Bannes (1) Baviera (2) Beja (1) Belgica (1) Bélgica (5) Belvís de Monroy (1) Berg (2) Berlanga del Duero (1) Blain (1) Bled (1) Blenheim Palace (1) Blois (2) Bonnétable (2) Bonneval (1) Borgonha (1) Brasil (2) Bretanha (4) Breteuil (2) Brihuega (1) Brissac (1) Bruxelas (1) Buckingham (2) Burg Eltz (2) Burg Zwingenberg (2) Burgos (1) Calatañazor (1) Califórnia (1) camponeses (1) Cantal (1) caos feudal (1) Carcassonne (2) Cardiff (2) caridade (1) Carlos Magno (1) Casa do Rei (1) Castel Valer (1) Castela (4) castelo (1) catedral (1) cavalaria (1) Challain (1) Chambord (7) Chantilly (3) Chateaubriand (1) Chaumont (3) Chaumont-sur-Loire (1) Chenonceaux (8) Cheverny (5) Chillon (2) Chimay (1) Chinon (1) classes sociais (1) Clerans (1) Coca (3) Cochem (2) Combourg (1) Compostela (1) Conciergerie (4) Consuegra (1) Cristandade (3) Crupet (1) Cruzadas (1) d'Ormesson (1) de la Brède (2) Der Haar (1) Drachenburg (1) Drumlanrig (1) Duart (1) Dunrobin (1) Edimburgo (1) Eilean Donan (1) Elisabeth II (1) Esclimont (1) Escócia (6) Escorial (1) Eslovênia (1) Espanha (16) família (1) Felipe II (1) Fenis (1) Florença (1) Foix (2) Fontaine-Henry (2) Fontainebleau (5) Foulques Nerra (1) França (57) Gales (2) Glamis (1) Grã-Bretanha (14) Guédelon (1) guerra (2) Guimarães (2) Guise (1) Gutenfels (1) Hargimont (1) Haut-Koenisburg (1) Himeji (2) Hohenschangau (1) Holanda (1) Hunedoara (1) Igreja Católica (6) Ile de France (4) invasões (1) Islã (1) Itália (10) Japão (1) jardins (1) Jehay (1) Jonzac (1) Josselin (1) Karlstejn (1) Kilchurn (1) Krasiczyn (2) La Couvertoirade (1) La Mota (1) La Rochefoucauld (3) Langeais (3) Le Lude (2) Le Nôtre (2) Les Milandes (2) Loarre (1) Loches (1) Loire (25) Londres (2) Lorena (1) Lourdes (1) Luís XIV (2) Lumen Christi (1) Luynes (1) Luz de Cristo (1) Madri (1) Maillebois (1) Maintenon (4) Malbork (1) Manzanares el Real (1) Marçay (1) Maria Antonieta (2) Maria Stuart (2) Marksbourg (1) Matsumoto (1) Mauseturm (1) Mayenne (1) Mespelbrunn (1) Milandes (1) Milão (3) Missillac (2) Mont Saint-Michel (3) Montalegre (1) Montbazillac (2) Montbrun (1) Montemor-o-Velho (1) Montfort (1) Montirésor (1) Montizón (1) Montrésor (1) Montreuil-Bellay (3) Montsoreau (1) moral (1) Mosela (1) Mota (1) Motte (1) Natal (3) Neuschwanstein (4) nobreza (3) Norfolk (1) Normandia (2) Nossa Senhora (1) Nozet (1) Olite (1) Olvera (1) Ormesson (1) Osaka (1) Ourém (1) Palácio dos Doges (2) Papado (1) Paris (5) Peñafiel (1) Pesteil (1) Pfalz (2) Pichon-Lalande (1) Pierrefonds (1) Poitou-Charentes (1) Polônia (3) pólvora (1) Pont Neuf (1) Porto de Mós (1) Portugal (14) povo (1) Puertomingalbo (1) Reno (3) República Checa (1) Revolução Francesa (4) Rocamadour (1) Rodillas (1) Rohan (2) Roma (1) Ronneburg (1) Roquetaillade (1) ruínas (1) Sacro Império (1) Saint-Fargeau (3) Sant'Angelo (1) Santa Joana d'Arc (1) Santa Teresa (1) São Domingos de Gusmão (1) São Luís (5) São Miguel Arcanjo (4) saúde (1) Saumur (5) Sax (1) Sceaux (1) Scone (1) Segovia (4) Septmonts (1) Sepúlveda (1) Sforzesco (4) Soubise (1) Stalker (1) Stirling (2) suavização dos costumes (1) Suíça (3) Suscinio (1) templários (3) Teutônicos (1) Toledo (1) Tomar (2) Torija (1) Torre de Belém (4) Torre do Templo (1) Torrelodones (1) Trakai (1) Trujillo (1) Turégano (2) Utrecht (2) Val (2) Valençay (2) Valladolid (1) Vaux-le-Vicomte (7) Veneza (2) Versailles (2) Vez (1) Villandry (2) Vincennes (1) Viollet-le-Duc (3) Vitré (2) Warwick (7) Wernigerode (1) Westminster (1) Wijnendael (1) Windsor (2) Wissekerke (1) Yvoire (1) Receba castelos sem custo RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Sully-sur-Loire Sobre o rio Loire, foi mencionado por vez primeira em 1102. Ao longo dos séculos só pertenceu a três famílias : a dos senhores de Sully, a de la Trémouille, e a de Béthune. En 1218, Philippe Augusto fez construir a torre principal. Em 1396, Guy de la Trémouille iniciou o castelo atual. Em 1602 foi adquirido por Maximilien de Béthune, o grande Sully, primeiro duque desse nome. Louis XIV refugiou-se nele em março de 1652 durante a Fronde. Em 1715, acolheu Voltaire procurado em Paris por atos delitivos múltiplos. O castelo ficou com a família dos duques de Sully ate 1962. O governo comprou-o e iniciou restauros. Fougères-sur-Bièvre A senhoria de Fougères-sur-Bièvre foi mencionada pela primeira vez em 1030. Em 1358, durante a Guerra dos Cem Anos, o castelo foi quase arrasado por Eduardo, o Príncipe Negro. Em 1438, por casamento, o castelo passou para o Duque Jean de Refuge. Esta família manteve a posse até ao século XVII. Após as devastações da Revolução Francesa (1789) foi transformado em tecelagem e alojamento para os trabalhadores agrícolas. Em 1932, o governo comprou-o, restaurando-o completamente. Durante a II Guerra Mundial foram salvos no edifício vitrais da Catedral de Chartres e obras de arte do Museu do Louvre. É considerado como um dos castelos da Loire. Chateaudun O Castelo de Châteaudun foi construído entre os séculos XII e XVI iniciado pelo Conde de Blois Teobaldo V, por volta de 1170. A Sainte-Chapelle foi construída entre 1451 e 1493. Francisco I de Orléans-Longueville começou a construção da ala norte entre 1469 e 1491. Durante o Renascimento foi convertido numa confortável residência cujo corpo principal é coberto pelo estilo gótico. Couches No antigo ducado soberano da Borgonha, o castelo protegia a estrada que ligava a Paris. Gaudry, Senhor de Couches iniciou a construção da fortaleza no século XI, que foi ampliada pelos sucessores. No início do século XVI o domínio passou para a Família de Rochechouart. Em 1590, a guarnição foi exterminada e a fortaleza desmantelada. No século XIX iniciou-se a reconstrução em estilo neo-gótico. Novas obras aconteceram no século XX por conta da família proprietária. Chambord Maior palácio do vale do rio Loire, foi apenas um pavilhão de caça para Francisco I. Leonardo da Vinci teria sido responsável pelo desenho original. Entre 1725 e 1733, Stanislas Leszczynski, rei deposto da Polónia e sogro de Luis XV, viveu em Chambord. Em 1745, como reconhecimento pelo seu valor de combate, o rei deu o palácio a Maurice de Saxe, Marechal da França. Em 1792, o governo revolucionário procedeu a um verdadeiro saque: ordenou a venda das mobílias. os painéis das paredes e mesmo os soalhos foram removidos e vendidos pelo valor da sua madeira, as portas apaineladas foram queimadas como lenha. No século XIX o palácio foi comprado por meio de uma subscrição nacional para o infante Conde de Chambord, legítimo herdeiro da coroa francesa no exílio. MAIS e MAIS Os mais visitados em todos os tempos O castelo de Saumur: fortíssimo e delicado, tendendo para o Céu Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Castelos medievais: exemplos de uma Terra que prepara as almas para o Céu Castelo de Bonnétable, Loire, França A Europa medieval foi um mito que se realizou. A Religião Católica transformou um continente povo... Castelo feudal: residência de um pequeno “rei” local Les Milandes, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de di... Langeais: perguntas que nos faz um castelo de conto de fadas Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O ... Castelo: residência por excelência do nobre, símbolo e orgulho da comunidade feudal Hoje se tenta reviver a vida do castelo em eventos medievalizantes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política in... Chambord: a harmonia da variedade na unidade Veja o que é a arte! Quem construiu esse castelo não tinha idéia de que ele pudesse ser visto desde o ar. Maior palácio do vale do rio ... Se os homens tivessem continuado construindo castelos, até que patamares de beleza e elevação não teriam chegado? Castelo de Clerans, França A Idade Média gerou grandes castelos de fábula, por exemplo o de Chenonceaux ou o de São Luís. Mas também ... A feliz junção da Europa medieval com a Igreja e a Religião Na Europa medieval, as vidas dos conventos e dos castelos, dos santos e dos heróis se entrecruzaram indissoluvelmente. Por exemplo, o mo... Importância do castelo ou palácio real para a vida de um povo Castelo do rei São Luís IX em Paris, conhecido como Conciergerie Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política inte... Desde seu grande castelo, o nobre vela por todo seu povo Castelo de Chillon, sobre o lago Léman, Suíça Luis Dufaur Na última fase do progresso medieval, deixou de existir o perigo ... Mais vistos no último mês Arundel: castelo dos duques que recusaram o protestantismo inglês Arundel: casa de referência da família dos duques de Norfolk, Inglaterra. Luis Dufaur No dia de Natal de 1067, há perto de um milê... Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... O castelo real de Stirling, na Escócia: relíquia e consciência do velho reino O castelo de Stirling: uma posição quase inacessível, símbolo da altaneria escocesa Luis Dufaur O castelo-fortaleza de Stirling... Alcácer de Segovia: castelo do heroísmo altaneiro Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Vaux-le-Vicomte e sua inesquecível festa Vaux-le-Vicomte Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diverso... ALMOUROL: história épica, mistério e lenda Almourol: castelo de heroísmos e mistérios Luis Dufaur O castelo de Almourol, no distrito de Santarém, em Portugal, foi ergui... Castelo de Guédelon: uma experiência inédita, mas muito séria No fundo de uma floresta do centro da França um inusual experiência arquitetônica já antevê a terminação de um castelo construído com técn... Castelo de Suscinio: afirmatividade, personalidade e combatividade Castelo de Suscinio: fortaleza 'de verão' Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, s... Castelo feudal: residência de um pequeno “rei” local Les Milandes, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de di... Castelo: residência por excelência do nobre, símbolo e orgulho da comunidade feudal Hoje se tenta reviver a vida do castelo em eventos medievalizantes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política in... Arquivo do blog ▼ 2017 (20) ▼ Dezembro (2) Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Castelo de Suscinio: afirmatividade, personalidade... ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (2) ► Agosto (3) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (1) ► Abril (1) ► Março (2) ► Fevereiro (1) ► 2016 (24) ► Dezembro (1) ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (2) ► Agosto (3) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (3) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (1) ► 2015 (20) ► Dezembro (1) ► Novembro (2) ► Outubro (1) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (1) ► Junho (1) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (2) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (1) ► 2014 (26) ► Dezembro (2) ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (3) ► Março (2) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (2) ► 2013 (38) ► Dezembro (1) ► Novembro (3) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (4) ► Julho (3) ► Junho (4) ► Maio (3) ► Abril (3) ► Março (3) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (2) ► 2012 (34) ► Novembro (3) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (3) ► Julho (3) ► Junho (2) ► Maio (3) ► Abril (2) ► Março (2) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (4) ► 2011 (20) ► Dezembro (1) ► Novembro (1) ► Outubro (2) ► Setembro (1) ► Agosto (2) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (3) ► Abril (3) ► Março (1) ► Janeiro (2) ► 2010 (1) ► Novembro (1) ► 2008 (4) ► Novembro (1) ► Outubro (1) ► Junho (1) ► Abril (1)



http://castelosmedievais.blogspot.com/2017/12/santo-natal-e-feliz-ano-novo-2018.html
  Castelos medievais: Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! skip to main | skip to sidebar INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA Cavalaria Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções Progresso ... Economia Impostos Família Guerra História IGREJA Igreja Educação Universidade Hospital Inquisição ... essencial enquanto ponte e a proprietária era cúmplice de vários ideólogos anti-cristãos. A família ... um parte do palácio, onde há retratos da família e alguns objetos da Marquesa. Roquetaillade ... . O castelo encontra-se na posse da mesma família desde há 700 anos. A primeira menção a uma ... . Cerca de 1850 a família proprietária recorreu ao mais célebre arquiteto francês, Viollet-le-Duc que CACHE

Castelos medievais: Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! skip to main | skip to sidebar INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA Cavalaria Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções Progresso Técnica CLASSES SOCIAIS Classes sociais Clero Papas Reis Nobreza Feudalismo Escravidão Trabalho Vassalagem CULTURA Arte Cultura Literatura Simbolismo Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra História IGREJA Igreja Educação Universidade Hospital Inquisição Mosteiros Nossa Senhora Paz União Igreja-Estado APRESENTAÇÕES AULAS CODEX (diversos) GREGORIANO GREGORIANO (MP3) MÚSICA NATAL VIDEOS 360º Blog Idade Média CASTELOS CERIMÔNIAS MUSICA POWERPOINTS VIDEOS VIDEOS da França 360º CATEDRAIS ABADIAS MÚSICA ÓRGÃO SINOS VIDEOS (só França) VIDEOS (menos França) VITRAIS 360º 360º só França CIDADE VIDEOS MÚSICAS 360º CONTOS CANTIGAS VIDEOS CRUZADAS APOLOGIA O ISLÃ segundo Papas e santos Balduíno IV CANÇÃO DE ROLAND GESTA DEI PER FRANCOS MUSICA VIDEOS 360º PAPAS Beato URBANO II Carta de Instrução 'Popolo dei Franchi' Sermão em Clermont-Ferrand Outro testemunho PIO II Pascoal II São Gregório VII São Pio V João VIII Inocêncio III SANTOS São Bernardo A franceses e bávaros Sermão Elogio dos Templários São Francisco de Assis Mansidão e força Diante do Sultão Exemplo pessoal O Direito de Cruzada São Luís IX Retrato pelo príncipe de Joinville São Luís e o mameluco Morte na IX Cruzada Santa Teresinha Beato Marco d'Aviano HERÓIS Balduíno IV Carlos Magno Godofredo de Bouillon Santa Joana d'Arc Santa Clotilde Ricardo Coração de Leão São Luís IX, rei São Nuno Álvares Pereira VIDEOS ORAÇÕES CANTICOS NATAL Semana Santa e Páscoa VIA SACRA VIDEOS Nossa Senhora Milagres Corpus Christi São Bernardo São Fernando SIMBOLOS RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Chenonceaux O castelo também é conhecido como Castelo das Sete Damas e fica na região do rio Loire, a sul de Chambord. O primeiro castelo foi construído no local de um antigo moinho sobre o rio Cher no século XI. O edifício original foi incendiado em 1411. Thomas Bohier, Camareiro do Rei Carlos VIII de França, só conservou a torre de menagem quando fez uma residência inteiramente nova entre 1515 e 1521. Chenonceaux hospedou a nobreza francesa, incluindo o rei Francisco I de França. Mas o filho entregou-o em pagamento de dívidas ao mesmo. Diane de Poitiers, favorita do rei Henrique II, mandou construir a ponte arcada, juntando o palácio à margem oposta. Em 1560, as primeiras exibições de fogo de artifício alguma vez vistas em França tiveram lugar em Chenonceaux, na celebração da ascensão de Francisco II ao trono. O castelo só não foi destruído pela Revolução Francesa porque era essencial enquanto ponte e a proprietária era cúmplice de vários ideólogos anti-cristãos. A família Menier, famosa pelos seus chocolates, comprou o palácio no século XX, restaurando-o e mantendo a posse. MAIS Carcassonne Suas origens remotas vêm dos tempos dos Celtas, Galo-romanos e Visigodos. Na Idade Média foi construído o imponente conjunto de fortificações, com dupla linha de muralhas, que representa o ápice da engenharia militar do século XIII. O traçado irregular das ruas estreitas contrasta com a magnificência das muralhas. O atual castelo foi construído por ordem de São Luís IX e é guarnecido por 59 torres e barbacãs, poternas e portas. Foi restaurado no século XIX por Violet-le-Duc. Rochers-Sévigné Antiga residência bretã da Madame de Sévigné, é um palácio rural gótico do século XV, nas proximidades de Vitré. Possui uma capela octogonal, construída pela Marquesa em 1671, cavalariças e uma ala de serviço acrescentada no século XVIII. O jardim à francesa foi criado em 1689 e restaurado em 1982. Madame de Sévigné, possuidora de vários domínios, permaneceu por longos periodos no Château des Rochers. Nesta propriedade escreveu um grande número das famosas cartas endereçadas à sua filha. A propriedade ainda pertence aos descendentes distantes dos Sévigné. Pode visitar-se a capela e um parte do palácio, onde há retratos da família e alguns objetos da Marquesa. Roquetaillade Palácio em Mazères, na Gironda. É formado por duas fortificações, uma do século XI e outra do século XIV. O castelo encontra-se na posse da mesma família desde há 700 anos. A primeira menção a uma fortificação em Roquetaillade é de 778. Carlos Magno, a caminho dos Pirinéus reagrupou seu exército em Roquetaillade e construiu o primeiro monte castrejo fortificado, em madeira. Em 1306, o Cardeal de la Mothe, sobrinho do Papa Clemente V, construiu uma segunda fortaleza: o Château “Neuf” de Roquetaillade, de planta quadrada com cinco torres e uma torre de menagem central. O castelo nada sofreu durante a Guerra dos Cem Anos e nas guerras de religião. Só na Revolução Francesa torpes bandos vindos de Bordéus tentaram demoli-lo. O Marquês de Lansac acolheu-os no lugar, dobrou o seu soldo e convidou-os a descer à cave do palácio para provar o vinho. Os sem-vergonhas revolucionários acabaram desistindo. Cerca de 1850 a família proprietária recorreu ao mais célebre arquiteto francês, Viollet-le-Duc que passou 20 anos para restaurar o palácio e a decoração interior, única na França. Suze-la-Rousse Castelo forte feudal do século XI e residência senhorial renascentista do século XVI, no Drôme. Actualmente abriga uma “Universidade do Vinho”, entidade privada dedicada ao ensino da enologia. O lugar foi ocupado desde a época galo-romana. Em 793, o Imperador Carlos Magno doou as terras a seu primo Guillaume de Gellone (Guillaume au court nez). Bertrand I des Baux mandou contruir um castelo forte militar incrustado na rocha ocre, dotado de gigantescas muralhas, profundos fossos, ponte levadiça, ameias e de um poço de 34 metros. Em 1551, o Bispo de Orange mandou construir um notável pátio de honra renascentista. Nos séculos XVI, XVII e XVIII, a família de Baume-Suze embelezou o castelo de forma sumptuosa. Porém, durante a Revolução Francesa o castelo foi torpemente saqueado. Os nobres herdeiros legaram o castelo a uma associação caritativa, a Fundação dos Orphelins Apprentis d’Auteuil. Talcy No Vale do Loire, foi encomendado em 1520 por Bernardo Salviati, banqueiro florentino ligado com a família Médici. No castelo existe a “chambre de la Médicis”, onde Catarina de Medici e o seu filho Carlos IX planearam o Massacre do dia de São Bartolomeu, a 28 e 29 de Junho de 1572, que significou um forte freio ao incêndio huguenote. Langeais Ergue-se sobre um promontório na abertura do Vale do Loire. Foi uma fortaleza do século X obra de Foulques Nerra de Anjou. O castelo foi expandido por Ricardo I de Inglaterra. Filipe II da França recuperou o castelo em 1206 até que na Guerra dos Cem Anos foi destruído. Luís XI reconstruiu um dos melhores exemplos da arquitetura medieval tardia com suas monumentais e altamente decoradas chaminés. No interior as salas são ricamente decoradas. No grande salão do castelo celebrou-se o casamento de Ana da Bretanha com Carlos VIII em 6 de dezembro de 1491 que fez a união permanente da Bretanha e da França. Em 1886 iniciou-se sua restauração. O castelo pertence ao Instituto de França. MAIS Beaumaris Castle Em País de Gales, foi construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra para conquistar o norte de Gales. Começado em 1295 nunca foi concluído. O castelo tem uma doca de maré, permitindo-lhe ser abastecido diretamente pelo mar e é rodeado por um fosso cheio de água. As defesas incluem numerosas seteiras engenhosamente situadas e as entradas são protegidas por “buracos assassinos”, a partir dos quais podiam ser derramadas substâncias como óleo quente sobre as forças inimigas. Os atacantes do Beaumaris Castle teriam encontrado 14 obstáculos separados e quatro linhas de fortificação resultantes de “paredes dentro de paredes”. No século XIV as muralhas exteriores foram ameadas. Beaumaris não sofreu uma destruição deliberada durante a Guerra Civil Inglesa. Chantilly No Norte da França, Chantilly compreende dois edifícios principais: o Grand Château e o Petit Château. Louis-Sébastien Mercier escreveu: “Nunca encontrei nada comparável a Chantilly nos arredores da capital. (...) Trinta viagens neste lugar encantado não diminuíram a minha admiração. É o melhor casamento feito entre a arte e a natureza”. O atual palácio ocupa o lugar de um feérico castelo medieval. As grandes cavalariças são uma obra prima e abrigam o Museu vivo do cavalo . Os jardins são uma das mais notáveis criações de André Le Nôtre. O palácio foi destruído durante a criminosa Revolução Francesa e reconstruído a partir de 1870. MAIS Ele emprestou seu nome ao famoso creme chantilly nele inventado. Glamis Palácio em Angus, leste da Escócia. Pertencente à família Bowes-Lyon, um dos mais antigos clãs da nobreza escocesa, é a residência desde 1372 do Conde e da Condessa de Strathmore. A Rainha Mãe nasceu neste castelo e passou ali a sua infância. A sua segunda filha, a Princesa Margarida, também nasceu em Glamis. Uma imagem do castelo está estampada no reverso da nota de dez libras esterlinas. O castelo aparece freqüentemente associado a lendas. De acordo com a tradição local, possui mais segredos obscuros que qualquer outro castelo na Escócia. Nele o rei Malcolm II da Escócia foi assassinado. Na famosa peça de teatro de William Shakespeare, Macbeth residia no castelo. Eu O condado de Eu foi criado em 996 por Ricardo, neto de Rolando, para defender a Normandia. Em 1180, São Laurent O'Toole, arcebispo de Dublin e legado do Papa, ali faleceu. Em 1430, durante a Guerra dos Cem Anos, Joana d'Arc, aprisionada em Compiègne pelos ingleses e conduzida a Ruão, passou por Eu, onde passou a noite. No final do século XVI, o duque Henrique I de Guise iniciou a construção de um novo e vasto castelo. No século XVII, foi residência da famosa Grande Mademoiselle, duquesa de Montpensier e prima de Luís XIV. A Grande Mademoiselle enriqueceu-o e decorou-o. No século XIX, passou aos duques de Orléans que o restauraram. Foi residência da Família Imperial Brasileira no exílio. Gastão de Orleans, Conde d'Eu, residiu em Eu com a princesa Isabel do Brasil, e três filhos. Os seus descendentes residiram no castelo até 1945. Na década de 1940, os Orleans e Bragança venderam o castelo a Assis Chateaubriand. Em 1961 foi adquirido pelo governo francês. Abriga o Museu Luís Filipe que guarda também peças da Família Imperial Brasileira. Loches No Vale do Loire em França, construído no século IX cerca de 500 metros acima do rio Indre. Concebido por Henrique II de Inglaterra e o seu filho, Ricardo Coração de Leão durante o século XII, foi capturado pelo Rei Filipe II em 1205 que o transformou numa grande fortaleza militar. Foi residência favorita de Carlos VII de França. Durante a Revolução Americana, a França que lutou contra a Inglaterra utilizou o castelo como prisão para os ingleses. O tufão do ódio anti-monárquico da Revolução Francesa saqueou-o e danificou-o severamente. Ainda hoje há partes visíveis apenas como ruínas malgrado as restaurações. Ussé Palácio do Loire em posição dominante sobre o rio Indre, foi erguido em 1642 como fortaleza. Ele inspirou Charles Perrault (1628-1703) a escrever o famoso conto A Bela Adormecida . A primeira edificação remonta ao século XI, quando o senhor normando de Ussé, Gueldin de Saumur, fez construir uma fortificação. No século XV, foi adquirido por Jean V de Bueil, capitão-geral de Carlos VII de França que começou a reconstrução na década de 1460. Após trocar muitas vezes de dono, o palácio passou para os Rohan. Chateaubriand trabalhou aqui nas suas Mémoires d'Outre-Tombe . Deve-se à condessa de la Rochejacquelin os últimos grandes acrescentos ao conjunto. Pertence aos descendentes do Conde de Blacas, sobrinho da condessa. Quéribus Na região de Languedoc-Roussillon, na França. Último baluarte cátaro conquistado pelos cruzados em 1255. Queribus é um do “cinco filhos de Carcassonne”, junto com Aguilar, Peyrepertuse, Termes e Puilaurens: cinco fortes estrategicamente erguidos para defender a fronteira francesa contra a Espanha. Guimarães Na freguesia de Oliveira do Castelo, Distrito de Braga, Portugal. O castelo está ligado à fundação do Condado Portucalense e à independência de Portugal, sendo berço da nacionalidade. Na Reconquista, os domínios de Vimaranes foram outorgados, em fins do século IX, ao cavaleiro Diogo Fernandes. Uma de suas filhas, Mumadona Dias, fundou um mosteiro. Para protegê-lo dos muçulmanos e normandos a benfeitora principiou um castelo no topo do Monte Largo em dezembro de 958. O conde D. Henrique (1095-1112) fez do castelo sua residência erguendo a Torre de Menagem e ampliando o recinto defensivo. Ali D. Afonso Henriques (1112-1185), resistiu em 1127, ao assédio do rei Afonso VII de Leão e Castela. No vizinho campo de São Mamede, D. Afonso Henriques livrou a célebre batalha onde nasceu a nacionalidade portuguesa (24 de Junho de 1128). Entre os séculos XII e XIV o castelo foi aperfeiçoado, sendo testemunha de memoráveis fatos históricos. Os séculos XVI e XVII, insensíveis ao simbolismo do castelo, fizeram dele uma cadeia municipal e um palheiro, caindo em ruínas. Em 1836, foi salvo da demolição que usaria suas pedras para ladrilhar as ruas de Guimarães. A partir de 1937 é objeto de restaurações. Bem conservado, está aberto à visitação. MAIS . MAIS . e MAIS ainda Peyrepertuse Impressionante “ninho de águia”, na região de Languedoc-Roussillon, na França, vigiava os vales circundantes e controlava os desfiladeiros podendo se comunicar-se por sinais com o castelo de Quéribus, um pouco mais ao Sul. O local foi ocupado pelos Romanos no século I a.C. As primeiras referências medievais são do ano de 806, quando ele pertencia à Catalunha. O castelo integrou o condado de Barcelona, e depois o viscondado de Narbona. Pelo Tratado de Corbeil em 1258 o Languedoc ficou com a França. Na época da Cruzada contra os heréticos albigenses pertenceu a Guillaume de Peyrepertuse, excomungado em 1224. Ele se submeteu após o cerco de Carcassonne. São Luís reforçou o castelo em 1242, acrescentando-lhe o “torreão de San-Jordy”. O conjunto era uma das fortalezas reais ‒ os “cinco filhos de Carcassonne” ‒ que defendiam a fronteira francesa. Na época da Revolução Francesa foi abandonado, caindo em ruínas. Lourdes Na região do Midi-Pyrénées, na cidade de Lourdes, Sudoeste da França. Ocupa posição estratégica à entrada dos sete vales do Lavedan, perto da atual fronteira com a Espanha. O conjunto é anterior a 778, quando foi tomado por Carlos Magno. Tornou-se a residência dos condes de Bigorre nos séculos XI e XII. No século XIII passou para os condes de Champagne e, depois para a Coroa Francesa durante o reinado de Filipe, o Belo. Foi cedido à Inglaterra em 1360, mas voltou aos domínios da França no século XV. No século XVII, virou prisão real e, após os crimes da Revolução Francesa, prisão do Estado. Abriga o Musée Pyrénéen, o maior e mais importante da região, que apresenta aspectos da arte e da vida cotidiana popular, desde a culinária local à indumentária. Amboise Construído num promontório com vista para o Loire, substituído na Idade Média por uma ponte, no século XI, Fulques III o Negro, Conde de Anjou, reconstruíu a fortaleza. Em 1434, o edifício foi adicionado por Carlos VII aos bens da Coroa, depois do seu proprietário, Louis d'Amboise, ter sido acusado de conspiração e executado em 1431. O castelo foi um dos favoritos dos reis franceses. Carlos VIII, que aqui nasceu e faleceu, fez extensas reconstruções no estilo do gótico flamboyant francês tardio. Depois de 1495 empregou mestres pedreiros italianos, Domenico da Cortona e Fra Giocondo, que aplicaram alguns dos primeiros motivos decorativos renascentistas. Montségur Na região do Midi-Pyrénées na França. A 1.207 metros acima do nível do mar ficou célebre pois na montanha houve uma aldeia fortificada onde foi esmagada a fanática heresia cátara em 1244. Em 1215, o Quarto Concílio de Latrão denunciou a fortificação cátara como reduto de heréticos. Entre 1243 e 1244, Hugues d’Arcis, senescal de Carcassonne e o arcebispo de Narbonne, conduziram a cruzada, e após audaciosa escalada noturna puseram fim ao ninho de subversão e imoralidade. Os cátaros que não abjuraram seus erros pereceram na fogueira. O castelo atual é obra do Marechal da Fé Guy II duque de Lévis que desejava a nunca mais os heréticos abusassem do local. No século XVII, perdida a sua função estratégica, mergulhou em ruínas. Mas nos séculos XIX e XX procedeu-se à sua restauração. Montsoreau Construído em 1455 por Jean de Chambes, conselheiro de Carlos VII na margem do rio Loire, controlava o tráfego entre os rios Chinon e Saumur. No século XIX o castelo estava abandonado e em ruínas, sendo hoje objeto de extensas obras de renovação. Vitré Em Vitré, Bretanha, o primeiro castelo em pedra foi construído pelo Barão Robert I de Vitré no final do século XI substituindo um castelo em madeira de cerca do ano 1000. No século XIII, o Barão André III deu-lhe a sua forma atual. Nos séculos XV e XVI prevaleceu a procura do conforto e reformas em estilo renascentista. O Parlamento da Bretanha refugiou-se no edifício em três ocasiões (1564, 1582 e 1583) por ocasião de epidemias de peste. Entre 1547 e 1605, Vitré tornou-se bastião huguenote. Em 1605, o castelo passou para a família católica de La Trémoille. Ficou abandonado no século XVII. Após a barbárie da Revolução Francesa, a residência senhorial virou prisão e, depois, quartel. Em 1875 iniciou-se a restauração. Atualmente, a câmara municipal de Vitré funciona no recinto e a praça do castelo tornou-se republicano estacionamento. MAIS Trécesson Palácio fortificado que conservou seu aspecto medieval. É um dos mais impressionantes da Bretanha. Seus admiráveis muros em argila avermelhada refletem-se nas águas do fosso. É uma propriedade privada. Acede-se por uma ponte. A entrada é comandada por importante casteleto flanqueado por duas torres estreitas com sacadas reunidas por uma antiga galeria. A origem remonta à noite dos tempos. Era mencionado como domicílio dos senhores de Ploërmel e Campénéac desde o século VIII. A família de Trécesson existe desde o século XIII. A tradição atribui a construção ao final do século XIV. O castelo foi herdado pela condessa de Prunelé que habita atualmente nele. Castelos em seu email RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Troussay É um dos menores castelos do Vale do Loire. A primeira pedra da mansão foi colocada por volta de 1450, quando Robert de Bugy, escudeiro do rei Francisco I da França, era o senhor feudal. No século XVII, o domínio foi equipado com áreas comuns e duas alas, enquanto um magnífico jardim formal foi estabelecido. O castelo pertence à família dos proprietários do castelo de Cheverny. Caernarfon Castle Construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra em 1283, em posição dominante sobre as margens do rio Seiont. Tinha sido o sítio dum forte romano e, mais tarde, dum castelo do tipo madera construido cerca de 1090 por Hugh d'Avranches. Eduardo II de Inglaterra nasceu aqui em 1284. Em 1646, durante a Guerra Civil Inglesa, a sua guarnição Realista rendeu-se às forças protestantes republicanas. A tradição de investir o herdeiro do monarca britânico no castelo com o título de Príncipe de Gales começou em 1301 e foi repetido em 1969, com a investidura de Carlos, Príncipe de Gales. Hoje aloja o Museu dos Fuzileiros Reais Galeses. Conway Castle Na costa norte do País de Gales, Reino Unido. Foi construído entre 1283 e 1289, durante a segunda campanha do rei Eduardo I de Inglaterra no Norte de Gales. Conway assemelha-se a um castelo concêntrico, mas é uma fortificação linear construída num promontório rochoso. Isto destinava-se a prevenir uma minagem subterrânea e guardar a entrada para o Rio Conway. O acesso ao castelo era feito, originalmente, por uma rampa com degraus através duma ponte levadiça, por uma portaria com grade e pela barbacã. Então, quem entrava virava à esquerda, através da portaria principal, para o pátio interior. Este continha os principais aposentos habitacionais para a guarnição e a torre prisão. Uma muralha e portaria com uma enfiada de seteiras defendia o pátio interior. Esta parte continha o aquecido Apartamento Real e o Grande Hall. Na parte de trás do castelo existia outra barbacã guardando o lado do rio. No século XIII, foi construída uma torre de vigia. Em 1403, forças galesas capturaram o castelo e a guarnição inglesa mas foram resgatados pelo rei Henrique IV de Inglaterra. No início do século XVII, o, em tempos, grande Castelo Real estava degradado. Em 1646 foi destruído deliberadamente pelo exército Parlamentarista e deixado como uma concha vazia. Vaux-le-Vicomte Foi construído em estilo Barroco entre 1658 e 1661, próximo de Melun, pelo superintendente das Finanças de Luís XIV, Nicolas Fouquet. Nele trabalharam os grandes artistas que depois fizeram Versailles Em 17 de Agosto de 1661, Fouquet recebeu o Rei e toda a Corte para uma festa grandiosa de 3 000 pessoas. Luis XIV considerou-o demasiado poderoso e ambicioso e por isso fez D'Artagnan prendê-lo algumas semanas depois desta festa. Fouquet foi condenado a 15 anos de prisão na fortaleza de Pinerolo, na Itália, onde morreu em 1680. Atualmente é a maior propriedade privada com o título de Monumento Histórico na França. MAIS Rochester Castle Na margem Rio Medway, em Rochester, Kent. É um dos mais bem preservados castelos no Reino Unido. Houve uma praça forte nos tempos romanos (cerca do ano 43). A torre de menagem e o castelo normando atual remontam ao ano 1127. O primeiro castelo normando de Rochester foi provavelmente uma torre de madeira com paliçadas. O Bispo Gundulf construiu o castelo de pedra. Gundulf fez a Catedral Normanda de Rochester em 1080, e a Torre Branca da Torre de Londres. O arcebispo da Cantuária, Guilherme de Corbeil começou a construir a grande torre de menagem de pedra em 1127. É a mais alta da Inglaterra e dominou a travessia do rio nos últimos 800 anos. Teatro de muitos enfrentamentos medievais. No século XV foi poupado pela Guerra das Rosas. Hoje Rochester está ligado ao vizinho estaleiro naval de Chatham que fabrica submarinos. Angers Houve uma primeira fortaleza de Angers sobre o rio Maine construída pelos Romanos. No século IX, passou para o Conde de Anjou, tornando-se parte dos feudos dos reis de Inglaterra no século XII. No século XIII, um novo e enorme castelo foi construído pelo rei São Luís IX. A cerca de 600 metros de altura, e protegida por dezassete maciças torres, as muralhas do castelo englobam 25.000 m². Luís II e Iolanda de Aragão adicionaram uma Capela (1405-12) e apartamentos reais. A capela é consagrada a uma lasca da Vera Cruz. VER No início do século XV, o infeliz delfim que depois tornar-se-ia Carlos VII com a ajuda de Joana d'Arc, fugiu de Paris se refugiando em Angers. FOTOS interior Em 1562, Catarina de Medici tinha restaurado a poderosa fortaleza, mas, o seu filho, Henrique III, reduziu a altura das torres e despiu os muros dos seus reforços. Barroux Remonta a um castelo erguido, no século XII, em posição dominante sobre um pico rochoso, vizinha ao qual se desenvolveu a povoação. No século XIV, o castelo foi transformado em uma magnífica fortaleza. No século XVIII, foi abandonado, caindo em ruínas. No início do século XX, uma família adquiriu as ruínas e promoveu a restauração às suas próprias expensas. Na Segunda Guerra Mundial foi incendiado por tropas alemãs. Mas a mesma família restaurou-o na década de 1960. Bayard Originalmente foi uma fortificação. Na era feudal, somente os Cavaleiros podiam possuir um castelo. Pierre Terrail, bisavô do famoso cavaleiro Bayard, foi o vice-senhor do senhorio de Avallon e empreendeu a construção em 1404. Os membros da família Bayard passaram uma boa parte da sua vida a combater ao serviço do Rei de França. Pierre III Terrail, o célebre cavaleiro Bayard ali nasceu e foi criado. MAIS Por matrimônio, o castelo ficou com a família de Noinvilles (1735). Louis-Alphonse de Noinville, emigrante sob a Revolução Francesa, foi o último Senhor de Bayard. Os seus bens foram ilicitamente apreendidos e vendidos em 1795 pelos revolucionários “democráticos”. O castelo ficou em ruínas por longo tempo. As pedras chegaram a ser usadas como material de construção. As ruínas causadas pela Revolução Francesa foram restauradas por famílias proprietárias. Beynes Junto ao Rio Mauldre, na região da Île-de-France, o primeiro castelo, com fosso e muralha, foi construído no século XI. O rio servia como linha de defesa ocidental do domínio Real, contra a Normandia. Foi tomado pelos ingleses na Guerra dos Cem Anos. Cerca de 1450, Robert d'Estouteville transformou-o numa residência confortável, desmantelando a torre de menagem e adaptando as fortificações para a artilharia incipiente. Beynes foi totalmente abandonado durante o bárbaro “século das Luzes” (XVIII) e foi usado como um filão de pedra para construções na aldeia. Blois No Vale do rio Loire, Blois foi residência de vários Reis da França. Também nele o arcebispo de Reims abençoou Joana d'Arc, em 1429, antes de esta partir combater os ingleses. Erguido no centro da cidade, compreende vários edifícios construídos entre o século XIII e o século XVII. A sua mais famosa peça de arquitectura é a magnífica escadaria em espiral, na ala de Francisco I. O castelo medieval foi capital política durante o reinado de Luís XII. No início do século XVI, o soberano iniciou a criação de um jardim Renascentista. Uma ala, feita em tijolo encarnado e pedra cinzenta, constitui a entrada principal do palácio. Seu estilo é essencialmente gótico, mas existem elementos Renascentistas. Francisco I fê-lo mobilar e iniciou uma nova ala. Criou no palácio uma das mais importantes bibliotecas da época que foi a semente da “Bibliothèque Nationale”. MAIS . e MAIS Bonaguil Na fronteira entre o Périgord e o Quercy, na Idade Média, Bonaguil foi sede de uma das quatro baronias do Périgord. Ele é um dos últimos exemplares de castelos-fortes no país. A sua construção foi iniciada no século XIII, sendo inteiramente reformado no final do século XV pelo barão Bérenger de Roquefeuil. Tem uma superfície de 7.500 m², e é um verdadeiro catálogo das técnicas de fortificação medievais inclusive para resistir à artilharia. No Renascimento, as grandes famílias seguindo o exemplo do Rei começaram a construir palácios agradáveis e deixaram as fortificações medievais para a pequena e média aristocracia. Bonaguil encontra-se num notável estado de conservação. Nunca sofreu ataques e foi habitado até a Revolução Francesa. Brie-comte-Robert O castelo de Brie-Comte-Robert, na Île-de-France, foi erigido no final do século XII, quando Robert I de Dreux, era senhor de Brie. Em 1254 passou para a família de Châtillon. O castelo tornou-se uma residência de prestígio. Aqui teve lugar, em 1349, o casamento de Filipe VI de França com Branca d'Évreux-Navarre. Ao final do século XIV, o castelo e seus domínios retornaram à Casa d'Orleães. A partir de Francisco I e Catarina de Médicis, o castelo e seus domínios foram confiados pelo soberano a alguns dos seus validos, muitos dos quais senhores italianos que deixaram o imóvel degradar-se. Em 1750, Germain-Louis de Chauvelin, senhor do castelo, cheio do espírito das Luzes demoliu as torres e as cortinas. O duque de Penthièvre e sua filha, duquesa d'Orléans, foram os seus últimos senhores. Na Revolução francesa, o edifício foi prisão. Caen Construído cerca de 1060 por Guilherme o Conquistador rei da Inglaterra. Num célebre Natal em 1182 reuniram-se no castelo Henrique II de Inglaterra e os seus filhos, Ricardo Coração de Leão e João Sem Terra, e mais de mil cavaleiros. O castelo, juntamente com toda a Normandia, foi integrado na Coroa Francesa em 1204. O castelo assistiu a vários episódios da Guerra dos Cem Anos. O feroz ódio contra a história católica da Revolução Francesa demoliu a torre de menagem em 1793, como símbolo do passado hierárquico. O castelo foi bombardeado em 1944 e seriamente danificado. quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS Postado por Luis Dufaur Share | Marcadores: Natal 11 comentários: Evelina 21 de dezembro de 2017 08:53 Agradecendo e retribuindo: Boas Festas, também. Responder Excluir Reis 21 de dezembro de 2017 09:39 Agradeço e retribuo os votos formulados. Responder Excluir Carlos Simoes 21 de dezembro de 2017 11:21 Queridos amigos Um abençoado Natal e um Feliz Ano Novo,obrigado pelas mensagens recebidas durante o ano. Grande abraço. Responder Excluir Maria das Graças 21 de dezembro de 2017 13:35 Ao autor e aos leitores do blog desejo um Santo e Feliz Natal com as bênçãos da Sagrada Família. Responder Excluir João Batista de Moraes Ferreira 21 de dezembro de 2017 17:05 Obrigado, feliz Natal e prospéro ano novo. Responder Excluir Evaldo José de Oliveira 21 de dezembro de 2017 17:06 agradeço os votos e os retribuo, desejando continuado sucesso na sua atividade. Responder Excluir Heloisa Maia 21 de dezembro de 2017 19:32 Desejo que o seu Natal seja muito feliz assim como o Ano Novo. Obrigada !!!! Responder Excluir ISABEL JARDIM DE CAMPOS 22 de dezembro de 2017 09:04 AGRADEÇO E RETRIBUO COM VOTOS DE PAZ E BEM Responder Excluir Yvone Pessoa 22 de dezembro de 2017 13:58 Je vous remercie! Meilleurs voëux! Responder Excluir Rocha 23 de dezembro de 2017 10:00 take very good my friend Muito obrigado meu amigo amo castelos demais Deus abençoe Responder Excluir EDILEIDE 3 de janeiro de 2018 17:01 MUITO OBRIGADA!. DESEJO-LHE UM NOVO ANO DE ABUNDANTE SAÚDE, PAZ, AMOR E MUITAS ALEGRIAS!!! FORTE ABRAÇO. Responder Excluir Adicionar comentário Carregar mais... Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa. Postagem mais antiga Página inicial Assinar: Postar comentários (Atom) Outras formas de visualizar o blog: Eu gosto de Castelos Medievais Pesquisar este blog Carregando... Pierrefonds, Ile-de-France LINKS Exeter Catedral de Exeter Carregando... Carregando... Receba gratuitamente RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Lichtenstein Também conhecido como “Castelo do Conto de Fadas”, localiza-se próximo de Honau, em Baden-Württemberg, Alemanha. Remonta a cerca de 1200. A fortificação medieval dos senhores de Lichtenstein foi por duas vezes destruída durante a Guerra do Império. Em 1802 as ruínas passaram para o rei Friedrich I de Württemberg que fez erguir um pavilhão de caça. O atual castelo surgiu entre os anos de 1840 e 1842 obra de Wilhelm I, duque de Urach, conde de Württemberg. O estilo é neo-gótico. Os duques de Urach conservam sempre a propriedade. Hohenzollern Palácio fortificado da Alemanha entre as cidades de Hechingen e Bisingen. Foi residência dos Condes suabos a partir do século XI. O primeiro castelo do século XI em 15 de Maio de 1423 foi completamente destruído pela pela União das Cidades Imperiais. O segundo castelo iniciado pelo Conde Jos Niklas de Zollern foi concluído em 1461. Na Guerra dos Trinta Anos, serviu de refúgio à família Hohenzollern. No século XVIII foi ocupado por tropas francesas e austríacas. No início do século XIX estava em ruínas. só ficando hoje a Capela de São Miguel. O terceiro castelo é o atual.O futuro Rei Frederico Guilherme IV, iniciou a construção em 1842 em estilo neogótico com uma alta ideia do castelo medieval. Em 3 de Outubro de 1867 foi inaugurado pelo rei Guilherme I. Ela pertence aos príncipes Hohenzollern, está aberto ao público e conserva excelente decoração neogótica. Marksburg Junto ao rio Reno, é o único castelo medieval do Médio Reno que nunca foi destruído. Foi construído para proteger a cidade de Braubach e reforçar as facilidades aduaneiras. Por volta de 1117-1231 foi mencionada pela primeira vez. Em 1283 o Conde Eberhard de Katzenelnbogen comprou o castelo. MAIS Katz Burg Katz localiza-se na cidade de Sankt Goarshausen, sobre o Reno. Em posição dominante, foi erguido por volta de 1371, pelo conde Wilhelm II de Katzenelnbogen. O castelo foi bombardeado em 1806 e reconstruído entre 1896 e 1898. Atualmente é propriedade privada. Marienberg No ano 704, foi construída a “igreja de Maria” no cimo de um antigo abrigo celta. A igreja ficou rodeada pela primeira fortaleza no século XIII. Em maio de 1525, durante a “guerra dos camponeses”, 8.000 protestantes enlouquecidos que assediavam o castelo foram massacrados ou cegados pelo Bispo. Os nazis lembraram do fato para se afastar da Igreja Católica. Em 1600, Julius Echter reconstruiu um palácio renascentista depredado pelo calvinista Gustavo II Adolfo da Suécia, na Guerra dos Trinta Anos. Após a Guerra foi erguida uma fortificação barroca ainda mais formidável. Marienberg foi sede aos Príncipes-Bispos de Würzburg até ao início do século XVIII. Neuschwanstein O “Castelo do Cavaleiro Cisne” é uma tentativa de fazer um castelo medieval no século XIX com espírito romântico. A concepção foi de Luís II da Baviera. E a primeira pedra foi colocada em 5 de setembro de 1869. Nas origens, no local estava o castelo de Schwanstein, sede dos cavaleiros de Schwangau, cujo emblema era o cisne. Neuschwanstein têm ngenhos a vapor e eléctricos, ventilação moderna e canalizações de aquecimento. Luís II nunca chegou a morar nele. Hoje é propriedade do estado da Baviera. MAIS e MAIS Hohenschwangau Construído sobre os restos da fortaleza Schwanstein do século XII por obra de uma família de cavaleiros. No século XVI, a fortaleza mudou de mãos várias vezes até que caiu em ruínas no século XIX. Em 1832, o Rei Maximiliano II da Baviera entusiasmado pela beleza da área, adquiriu a propriedade e iniciou a construção do atual palácio em estilo neogótico. Hohenschwangau foi a residência oficial de veraneio e de caça dos Rei da Baviera. Em 1869, Luís II iniciou a construção de Neuschwanstein depositando uma pedra de Hohenschwangau. Hoje, ele pertence a Franz, Duque da Baviera. Ussé Alcázar de Segovia O Alcázar de Segovia é um palácio fortificado em pedra, na cidade velha de Segovia, Espanha. É um dos mais distintos castelos-palácios da Espanha e tem forma de proa de um navio. Nas origens houve uma fortificação romana e depois uma islâmica. A primeira referência remonta a 1120, 32 anos depois de a cidade de Segóvia regressar a mãos cristãs. Era um forte de madeira construído sobre velhas fundações romanas. Afonso VIII ergueu o início da fortificação de pedra. Ao longo da Idade Média foi uma das residências favoritas dos monarcas de Castela e fortaleza chave na defesa do reino. A maior contribuição individual para o alcázar foi do rei João II de Castela, o qual construiu a “Torre Nova”. Em 1474 nele foi coroada Isabel como Rainha de Castela e Leão e aí casou com Fernando II de Aragão. Filipe II de Espanha adicionou os afiados pináculos de lousa para refletir os castelos da Europa Central. Quando a Corte Real mudou-se para Madrid, o alcázar teve vários destinos até ser danificado severamente por um incêndio. Em 1882 começou a ser restaurado. Em 1896, o rei Afonso XIII cedeu-o para colégio militar. Almodóvar del Rio Na província de Córdoba, Andaluzia, no caminho medieval para Sevilha. A primitiva ocupação do sítio remonta a um castro dos Iberos, posteriormente fortificado pelos romanos. A estrutura atual remonta à ocupação muçulmana, quando integrava o Emirado de Córdoba. Na época da Reconquista cristã foi tomado por São Fernando III de Leão e Castela, em 1240. Pertenceu à Ordem de Calatrava. Em 1629, Felipe IV vendeu-o a D. Francisco De Corral y Guzmán, cavaleiro da Ordem de Santiago. Entre 1903 e 1911, o seu proprietário, conde de Torralva, iniciou vasta reconstrução. Sofreu danos na Guerra Civil Espanhola. É propriedade privada aberto ao público. Barco de Ávila Palácio fortificado sobre o Rio Tormes, construído sobre um castro vetão foi destruído pelos romanos. Foi edificado no século XII e reconstruído no século XIV. Com uma superfície de 1.700 m2, a porta principal é gótica emoldurada. Das ameias e torreões domina-se todo o vale e as serras circundantes. No interior do castelo existia um pátio de armas com um bebedouro ao centro e uma galeria de arcadas e colunas românicas adornada com uma belíssima balaustrada gótica. Era habitado pelos Senhores de Valdecorneja, Condes e Duques de Alba. Para o século XVI pareceu apertado e incômodo, foi reformado e criaram-se aposentos para as damas. Os dos cavaleiros tinham vista para o Puerto de Tornavacas e estavam situados no segundo piso. Restaurado várias vezes, respeitando o seu perímetro original, devido às incontáveis batalhas que sofreu, tentativas de incêndio e bombardeamento. Belmonte No morro de San Cristóbal, na província de Cuenca. Foi mandado construir pelo marquês de Vilhena em 1456. No século XIX, Eugenia de Montijo executou grande reforma. No século XX, pertenceu às juventudes falangistas que fizeram instalações insensatas destruindo os telhados. Hoje pertence à Casa Ducal de Peñaranda, descendentes da Duquesa de Alba e se encontra em fase de reabilitação. Calatrava la Vieja Na margem esquerda do rio Guadiana, Castilla-La Mancha, Espanha. Erguido pelos muçulmanos, em plena Reconquista foi tomado por forças cristãs dos reis Afonso VIII de Castela, Pedro II de Aragão e Sancho VII de Navarra, no início do século XIII. O castelo foi doado à Ordem dos Templários. Mais tarde foi guarnecido pelos cavaleiros da Ordem de Calatrava. Coria Na província de Cáceres, Estremadura, Espanha. A primitiva ocupação do sítio remonta a uma fortificação romana. A atual estrutura é do ano 1472, e foi iniciativa do duque de Alba. Consiste em uma torre de menagem de planta pentagonal, e o chamado “castelejo”, torre menor de planta semi-circular. O conjunto é rematado por ameias e por guaritas semicirculares. Todo o perímetro é decorado com arcos e bolas. O brasão de armas do duque encontra-se nas guaritas e sobre o portão de armas. Estilo gótico tardio. É particular. Javier Em Navarra, Espanha, cerca de 52 quilômetros a leste de Pamplona. Nele nasceu e viveu São Francisco Xavier, filho dos senhores Javier. Por isso é o destino de uma concorrida peregrinação anual, em homenagem do santo padroeiro de Navarra, chamada “Javierada”. O castelo remonta a uma fortificação muçulmana do século X. Após a Reconquista cristã da região, em 1236 o castelo foi entregue por Teobaldo I de Navarra a D. Adán de Sada. Após sucessivas heranças, o castelo passou ao domínio da Casa de Villahermosa. Ao final do século XIX, seus proprietários iniciaram a restauração. Toda a família participou com fundos próprios para restaurá-lo, edificar uma Basílica e moradias para sacerdotes e casas de exercícios. Manzanares el Real A Diego Hurtado de Mendoza, almirante maior de Castela, se atribui a construção duma primeira fortaleza, embora o edifício tenha origem anterior. No século XV, Íñigo López de Mendoza finalizou as obras. Em 1566, deixou de ser habitado. Em 1914, o Ducado do Infantado procedeu a um primeiro restauro. Alguns elementos foram completamente reconstruídos, caso das salas e corredores do interior do corpo principal. Marcadores Acre (1) agricultura (1) Alemanha (17) Allègre-les-fumades (1) Almansa (2) Almourol (1) Alsácia (1) Amboise (3) Amorosa (2) André Le Notre (1) Anjou (1) Aquitania (3) Arundel (1) Aunqueospese (1) Áustria (1) Auzers (1) Avila (1) Avrilly (1) Azay-le-Rideau (2) Bannes (1) Baviera (2) Beja (1) Belgica (1) Bélgica (5) Belvís de Monroy (1) Berg (2) Berlanga del Duero (1) Blain (1) Bled (1) Blenheim Palace (1) Blois (2) Bonnétable (2) Bonneval (1) Borgonha (1) Brasil (2) Bretanha (4) Breteuil (2) Brihuega (1) Brissac (1) Bruxelas (1) Buckingham (2) Burg Eltz (2) Burg Zwingenberg (2) Burgos (1) Calatañazor (1) Califórnia (1) camponeses (1) Cantal (1) caos feudal (1) Carcassonne (2) Cardiff (2) caridade (1) Carlos Magno (1) Casa do Rei (1) Castel Valer (1) Castela (4) castelo (1) catedral (1) cavalaria (1) Challain (1) Chambord (7) Chantilly (3) Chateaubriand (1) Chaumont (3) Chaumont-sur-Loire (1) Chenonceaux (8) Cheverny (5) Chillon (2) Chimay (1) Chinon (1) classes sociais (1) Clerans (1) Coca (3) Cochem (2) Combourg (1) Compostela (1) Conciergerie (4) Consuegra (1) Cristandade (3) Crupet (1) Cruzadas (1) d'Ormesson (1) de la Brède (2) Der Haar (1) Drachenburg (1) Drumlanrig (1) Duart (1) Dunrobin (1) Edimburgo (1) Eilean Donan (1) Elisabeth II (1) Esclimont (1) Escócia (6) Escorial (1) Eslovênia (1) Espanha (16) família (1) Felipe II (1) Fenis (1) Florença (1) Foix (2) Fontaine-Henry (2) Fontainebleau (5) Foulques Nerra (1) França (57) Gales (2) Glamis (1) Grã-Bretanha (14) Guédelon (1) guerra (2) Guimarães (2) Guise (1) Gutenfels (1) Hargimont (1) Haut-Koenisburg (1) Himeji (2) Hohenschangau (1) Holanda (1) Hunedoara (1) Igreja Católica (6) Ile de France (4) invasões (1) Islã (1) Itália (10) Japão (1) jardins (1) Jehay (1) Jonzac (1) Josselin (1) Karlstejn (1) Kilchurn (1) Krasiczyn (2) La Couvertoirade (1) La Mota (1) La Rochefoucauld (3) Langeais (3) Le Lude (2) Le Nôtre (2) Les Milandes (2) Loarre (1) Loches (1) Loire (25) Londres (2) Lorena (1) Lourdes (1) Luís XIV (2) Lumen Christi (1) Luynes (1) Luz de Cristo (1) Madri (1) Maillebois (1) Maintenon (4) Malbork (1) Manzanares el Real (1) Marçay (1) Maria Antonieta (2) Maria Stuart (2) Marksbourg (1) Matsumoto (1) Mauseturm (1) Mayenne (1) Mespelbrunn (1) Milandes (1) Milão (3) Missillac (2) Mont Saint-Michel (3) Montalegre (1) Montbazillac (2) Montbrun (1) Montemor-o-Velho (1) Montfort (1) Montirésor (1) Montizón (1) Montrésor (1) Montreuil-Bellay (3) Montsoreau (1) moral (1) Mosela (1) Mota (1) Motte (1) Natal (3) Neuschwanstein (4) nobreza (3) Norfolk (1) Normandia (2) Nossa Senhora (1) Nozet (1) Olite (1) Olvera (1) Ormesson (1) Osaka (1) Ourém (1) Palácio dos Doges (2) Papado (1) Paris (5) Peñafiel (1) Pesteil (1) Pfalz (2) Pichon-Lalande (1) Pierrefonds (1) Poitou-Charentes (1) Polônia (3) pólvora (1) Pont Neuf (1) Porto de Mós (1) Portugal (14) povo (1) Puertomingalbo (1) Reno (3) República Checa (1) Revolução Francesa (4) Rocamadour (1) Rodillas (1) Rohan (2) Roma (1) Ronneburg (1) Roquetaillade (1) ruínas (1) Sacro Império (1) Saint-Fargeau (3) Sant'Angelo (1) Santa Joana d'Arc (1) Santa Teresa (1) São Domingos de Gusmão (1) São Luís (5) São Miguel Arcanjo (4) saúde (1) Saumur (5) Sax (1) Sceaux (1) Scone (1) Segovia (4) Septmonts (1) Sepúlveda (1) Sforzesco (4) Soubise (1) Stalker (1) Stirling (2) suavização dos costumes (1) Suíça (3) Suscinio (1) templários (3) Teutônicos (1) Toledo (1) Tomar (2) Torija (1) Torre de Belém (4) Torre do Templo (1) Torrelodones (1) Trakai (1) Trujillo (1) Turégano (2) Utrecht (2) Val (2) Valençay (2) Valladolid (1) Vaux-le-Vicomte (7) Veneza (2) Versailles (2) Vez (1) Villandry (2) Vincennes (1) Viollet-le-Duc (3) Vitré (2) Warwick (7) Wernigerode (1) Westminster (1) Wijnendael (1) Windsor (2) Wissekerke (1) Yvoire (1) Receba castelos sem custo RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Sully-sur-Loire Sobre o rio Loire, foi mencionado por vez primeira em 1102. Ao longo dos séculos só pertenceu a três famílias : a dos senhores de Sully, a de la Trémouille, e a de Béthune. En 1218, Philippe Augusto fez construir a torre principal. Em 1396, Guy de la Trémouille iniciou o castelo atual. Em 1602 foi adquirido por Maximilien de Béthune, o grande Sully, primeiro duque desse nome. Louis XIV refugiou-se nele em março de 1652 durante a Fronde. Em 1715, acolheu Voltaire procurado em Paris por atos delitivos múltiplos. O castelo ficou com a família dos duques de Sully ate 1962. O governo comprou-o e iniciou restauros. Fougères-sur-Bièvre A senhoria de Fougères-sur-Bièvre foi mencionada pela primeira vez em 1030. Em 1358, durante a Guerra dos Cem Anos, o castelo foi quase arrasado por Eduardo, o Príncipe Negro. Em 1438, por casamento, o castelo passou para o Duque Jean de Refuge. Esta família manteve a posse até ao século XVII. Após as devastações da Revolução Francesa (1789) foi transformado em tecelagem e alojamento para os trabalhadores agrícolas. Em 1932, o governo comprou-o, restaurando-o completamente. Durante a II Guerra Mundial foram salvos no edifício vitrais da Catedral de Chartres e obras de arte do Museu do Louvre. É considerado como um dos castelos da Loire. Chateaudun O Castelo de Châteaudun foi construído entre os séculos XII e XVI iniciado pelo Conde de Blois Teobaldo V, por volta de 1170. A Sainte-Chapelle foi construída entre 1451 e 1493. Francisco I de Orléans-Longueville começou a construção da ala norte entre 1469 e 1491. Durante o Renascimento foi convertido numa confortável residência cujo corpo principal é coberto pelo estilo gótico. Couches No antigo ducado soberano da Borgonha, o castelo protegia a estrada que ligava a Paris. Gaudry, Senhor de Couches iniciou a construção da fortaleza no século XI, que foi ampliada pelos sucessores. No início do século XVI o domínio passou para a Família de Rochechouart. Em 1590, a guarnição foi exterminada e a fortaleza desmantelada. No século XIX iniciou-se a reconstrução em estilo neo-gótico. Novas obras aconteceram no século XX por conta da família proprietária. Chambord Maior palácio do vale do rio Loire, foi apenas um pavilhão de caça para Francisco I. Leonardo da Vinci teria sido responsável pelo desenho original. Entre 1725 e 1733, Stanislas Leszczynski, rei deposto da Polónia e sogro de Luis XV, viveu em Chambord. Em 1745, como reconhecimento pelo seu valor de combate, o rei deu o palácio a Maurice de Saxe, Marechal da França. Em 1792, o governo revolucionário procedeu a um verdadeiro saque: ordenou a venda das mobílias. os painéis das paredes e mesmo os soalhos foram removidos e vendidos pelo valor da sua madeira, as portas apaineladas foram queimadas como lenha. No século XIX o palácio foi comprado por meio de uma subscrição nacional para o infante Conde de Chambord, legítimo herdeiro da coroa francesa no exílio. MAIS e MAIS Os mais visitados em todos os tempos O castelo de Saumur: fortíssimo e delicado, tendendo para o Céu Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Castelos medievais: exemplos de uma Terra que prepara as almas para o Céu Castelo de Bonnétable, Loire, França A Europa medieval foi um mito que se realizou. A Religião Católica transformou um continente povo... Castelo feudal: residência de um pequeno “rei” local Les Milandes, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de di... Langeais: perguntas que nos faz um castelo de conto de fadas Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O ... Castelo: residência por excelência do nobre, símbolo e orgulho da comunidade feudal Hoje se tenta reviver a vida do castelo em eventos medievalizantes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política in... Chambord: a harmonia da variedade na unidade Veja o que é a arte! Quem construiu esse castelo não tinha idéia de que ele pudesse ser visto desde o ar. Maior palácio do vale do rio ... Se os homens tivessem continuado construindo castelos, até que patamares de beleza e elevação não teriam chegado? Castelo de Clerans, França A Idade Média gerou grandes castelos de fábula, por exemplo o de Chenonceaux ou o de São Luís. Mas também ... A feliz junção da Europa medieval com a Igreja e a Religião Na Europa medieval, as vidas dos conventos e dos castelos, dos santos e dos heróis se entrecruzaram indissoluvelmente. Por exemplo, o mo... Importância do castelo ou palácio real para a vida de um povo Castelo do rei São Luís IX em Paris, conhecido como Conciergerie Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política inte... Desde seu grande castelo, o nobre vela por todo seu povo Castelo de Chillon, sobre o lago Léman, Suíça Luis Dufaur Na última fase do progresso medieval, deixou de existir o perigo ... Mais vistos no último mês Arundel: castelo dos duques que recusaram o protestantismo inglês Arundel: casa de referência da família dos duques de Norfolk, Inglaterra. Luis Dufaur No dia de Natal de 1067, há perto de um milê... Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Alcácer de Segovia: castelo do heroísmo altaneiro Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... O castelo real de Stirling, na Escócia: relíquia e consciência do velho reino O castelo de Stirling: uma posição quase inacessível, símbolo da altaneria escocesa Luis Dufaur O castelo-fortaleza de Stirling... Vaux-le-Vicomte e sua inesquecível festa Vaux-le-Vicomte Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diverso... ALMOUROL: história épica, mistério e lenda Almourol: castelo de heroísmos e mistérios Luis Dufaur O castelo de Almourol, no distrito de Santarém, em Portugal, foi ergui... Castelo de Suscinio: afirmatividade, personalidade e combatividade Castelo de Suscinio: fortaleza 'de verão' Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, s... Castelo de Guédelon: uma experiência inédita, mas muito séria No fundo de uma floresta do centro da França um inusual experiência arquitetônica já antevê a terminação de um castelo construído com técn... Castelo feudal: residência de um pequeno “rei” local Les Milandes, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de di... Castelo: residência por excelência do nobre, símbolo e orgulho da comunidade feudal Hoje se tenta reviver a vida do castelo em eventos medievalizantes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política in... Arquivo do blog ▼ 2017 (20) ▼ Dezembro (2) Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Castelo de Suscinio: afirmatividade, personalidade... ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (2) ► Agosto (3) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (1) ► Abril (1) ► Março (2) ► Fevereiro (1) ► 2016 (24) ► Dezembro (1) ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (2) ► Agosto (3) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (3) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (1) ► 2015 (20) ► Dezembro (1) ► Novembro (2) ► Outubro (1) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (1) ► Junho (1) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (2) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (1) ► 2014 (26) ► Dezembro (2) ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (3) ► Março (2) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (2) ► 2013 (38) ► Dezembro (1) ► Novembro (3) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (4) ► Julho (3) ► Junho (4) ► Maio (3) ► Abril (3) ► Março (3) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (2) ► 2012 (34) ► Novembro (3) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (3) ► Julho (3) ► Junho (2) ► Maio (3) ► Abril (2) ► Março (2) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (4) ► 2011 (20) ► Dezembro (1) ► Novembro (1) ► Outubro (2) ► Setembro (1) ► Agosto (2) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (3) ► Abril (3) ► Março (1) ► Janeiro (2) ► 2010 (1) ► Novembro (1) ► 2008 (4) ► Novembro (1) ► Outubro (1) ► Junho (1) ► Abril (1)



http://castelosmedievais.blogspot.com/p/videos.html
  Castelos medievais: VIDEOS skip to main | skip to sidebar INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA Cavalaria Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções Progresso Técnica CLASSES SOCIAIS Classes ... Cultura Literatura Simbolismo Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra ... a proprietária era cúmplice de vários ideólogos anti-cristãos. A família Menier, famosa pelos seus ... há retratos da família e alguns objetos da Marquesa. Roquetaillade Palácio em Mazères, na Gironda. É ... posse da mesma família desde há 700 anos. A primeira menção a uma fortificação em Roquetaillade é de ... para provar o vinho. Os sem-vergonhas revolucionários acabaram desistindo. Cerca de 1850 a família CACHE

Castelos medievais: VIDEOS skip to main | skip to sidebar INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA Cavalaria Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções Progresso Técnica CLASSES SOCIAIS Classes sociais Clero Papas Reis Nobreza Feudalismo Escravidão Trabalho Vassalagem CULTURA Arte Cultura Literatura Simbolismo Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra História IGREJA Igreja Educação Universidade Hospital Inquisição Mosteiros Nossa Senhora Paz União Igreja-Estado APRESENTAÇÕES AULAS CODEX (diversos) GREGORIANO GREGORIANO (MP3) MÚSICA NATAL VIDEOS 360º Blog Idade Média CASTELOS CERIMÔNIAS MUSICA POWERPOINTS VIDEOS VIDEOS da França 360º CATEDRAIS ABADIAS MÚSICA ÓRGÃO SINOS VIDEOS (só França) VIDEOS (menos França) VITRAIS 360º 360º só França CIDADE VIDEOS MÚSICAS 360º CONTOS CANTIGAS VIDEOS CRUZADAS APOLOGIA O ISLÃ segundo Papas e santos Balduíno IV CANÇÃO DE ROLAND GESTA DEI PER FRANCOS MUSICA VIDEOS 360º PAPAS Beato URBANO II Carta de Instrução 'Popolo dei Franchi' Sermão em Clermont-Ferrand Outro testemunho PIO II Pascoal II São Gregório VII São Pio V João VIII Inocêncio III SANTOS São Bernardo A franceses e bávaros Sermão Elogio dos Templários São Francisco de Assis Mansidão e força Diante do Sultão Exemplo pessoal O Direito de Cruzada São Luís IX Retrato pelo príncipe de Joinville São Luís e o mameluco Morte na IX Cruzada Santa Teresinha Beato Marco d'Aviano HERÓIS Balduíno IV Carlos Magno Godofredo de Bouillon Santa Joana d'Arc Santa Clotilde Ricardo Coração de Leão São Luís IX, rei São Nuno Álvares Pereira VIDEOS ORAÇÕES CANTICOS NATAL Semana Santa e Páscoa VIA SACRA VIDEOS Nossa Senhora Milagres Corpus Christi São Bernardo São Fernando SIMBOLOS RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Chenonceaux O castelo também é conhecido como Castelo das Sete Damas e fica na região do rio Loire, a sul de Chambord. O primeiro castelo foi construído no local de um antigo moinho sobre o rio Cher no século XI. O edifício original foi incendiado em 1411. Thomas Bohier, Camareiro do Rei Carlos VIII de França, só conservou a torre de menagem quando fez uma residência inteiramente nova entre 1515 e 1521. Chenonceaux hospedou a nobreza francesa, incluindo o rei Francisco I de França. Mas o filho entregou-o em pagamento de dívidas ao mesmo. Diane de Poitiers, favorita do rei Henrique II, mandou construir a ponte arcada, juntando o palácio à margem oposta. Em 1560, as primeiras exibições de fogo de artifício alguma vez vistas em França tiveram lugar em Chenonceaux, na celebração da ascensão de Francisco II ao trono. O castelo só não foi destruído pela Revolução Francesa porque era essencial enquanto ponte e a proprietária era cúmplice de vários ideólogos anti-cristãos. A família Menier, famosa pelos seus chocolates, comprou o palácio no século XX, restaurando-o e mantendo a posse. MAIS Carcassonne Suas origens remotas vêm dos tempos dos Celtas, Galo-romanos e Visigodos. Na Idade Média foi construído o imponente conjunto de fortificações, com dupla linha de muralhas, que representa o ápice da engenharia militar do século XIII. O traçado irregular das ruas estreitas contrasta com a magnificência das muralhas. O atual castelo foi construído por ordem de São Luís IX e é guarnecido por 59 torres e barbacãs, poternas e portas. Foi restaurado no século XIX por Violet-le-Duc. Rochers-Sévigné Antiga residência bretã da Madame de Sévigné, é um palácio rural gótico do século XV, nas proximidades de Vitré. Possui uma capela octogonal, construída pela Marquesa em 1671, cavalariças e uma ala de serviço acrescentada no século XVIII. O jardim à francesa foi criado em 1689 e restaurado em 1982. Madame de Sévigné, possuidora de vários domínios, permaneceu por longos periodos no Château des Rochers. Nesta propriedade escreveu um grande número das famosas cartas endereçadas à sua filha. A propriedade ainda pertence aos descendentes distantes dos Sévigné. Pode visitar-se a capela e um parte do palácio, onde há retratos da família e alguns objetos da Marquesa. Roquetaillade Palácio em Mazères, na Gironda. É formado por duas fortificações, uma do século XI e outra do século XIV. O castelo encontra-se na posse da mesma família desde há 700 anos. A primeira menção a uma fortificação em Roquetaillade é de 778. Carlos Magno, a caminho dos Pirinéus reagrupou seu exército em Roquetaillade e construiu o primeiro monte castrejo fortificado, em madeira. Em 1306, o Cardeal de la Mothe, sobrinho do Papa Clemente V, construiu uma segunda fortaleza: o Château “Neuf” de Roquetaillade, de planta quadrada com cinco torres e uma torre de menagem central. O castelo nada sofreu durante a Guerra dos Cem Anos e nas guerras de religião. Só na Revolução Francesa torpes bandos vindos de Bordéus tentaram demoli-lo. O Marquês de Lansac acolheu-os no lugar, dobrou o seu soldo e convidou-os a descer à cave do palácio para provar o vinho. Os sem-vergonhas revolucionários acabaram desistindo. Cerca de 1850 a família proprietária recorreu ao mais célebre arquiteto francês, Viollet-le-Duc que passou 20 anos para restaurar o palácio e a decoração interior, única na França. Suze-la-Rousse Castelo forte feudal do século XI e residência senhorial renascentista do século XVI, no Drôme. Actualmente abriga uma “Universidade do Vinho”, entidade privada dedicada ao ensino da enologia. O lugar foi ocupado desde a época galo-romana. Em 793, o Imperador Carlos Magno doou as terras a seu primo Guillaume de Gellone (Guillaume au court nez). Bertrand I des Baux mandou contruir um castelo forte militar incrustado na rocha ocre, dotado de gigantescas muralhas, profundos fossos, ponte levadiça, ameias e de um poço de 34 metros. Em 1551, o Bispo de Orange mandou construir um notável pátio de honra renascentista. Nos séculos XVI, XVII e XVIII, a família de Baume-Suze embelezou o castelo de forma sumptuosa. Porém, durante a Revolução Francesa o castelo foi torpemente saqueado. Os nobres herdeiros legaram o castelo a uma associação caritativa, a Fundação dos Orphelins Apprentis d’Auteuil. Talcy No Vale do Loire, foi encomendado em 1520 por Bernardo Salviati, banqueiro florentino ligado com a família Médici. No castelo existe a “chambre de la Médicis”, onde Catarina de Medici e o seu filho Carlos IX planearam o Massacre do dia de São Bartolomeu, a 28 e 29 de Junho de 1572, que significou um forte freio ao incêndio huguenote. Langeais Ergue-se sobre um promontório na abertura do Vale do Loire. Foi uma fortaleza do século X obra de Foulques Nerra de Anjou. O castelo foi expandido por Ricardo I de Inglaterra. Filipe II da França recuperou o castelo em 1206 até que na Guerra dos Cem Anos foi destruído. Luís XI reconstruiu um dos melhores exemplos da arquitetura medieval tardia com suas monumentais e altamente decoradas chaminés. No interior as salas são ricamente decoradas. No grande salão do castelo celebrou-se o casamento de Ana da Bretanha com Carlos VIII em 6 de dezembro de 1491 que fez a união permanente da Bretanha e da França. Em 1886 iniciou-se sua restauração. O castelo pertence ao Instituto de França. MAIS Beaumaris Castle Em País de Gales, foi construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra para conquistar o norte de Gales. Começado em 1295 nunca foi concluído. O castelo tem uma doca de maré, permitindo-lhe ser abastecido diretamente pelo mar e é rodeado por um fosso cheio de água. As defesas incluem numerosas seteiras engenhosamente situadas e as entradas são protegidas por “buracos assassinos”, a partir dos quais podiam ser derramadas substâncias como óleo quente sobre as forças inimigas. Os atacantes do Beaumaris Castle teriam encontrado 14 obstáculos separados e quatro linhas de fortificação resultantes de “paredes dentro de paredes”. No século XIV as muralhas exteriores foram ameadas. Beaumaris não sofreu uma destruição deliberada durante a Guerra Civil Inglesa. Chantilly No Norte da França, Chantilly compreende dois edifícios principais: o Grand Château e o Petit Château. Louis-Sébastien Mercier escreveu: “Nunca encontrei nada comparável a Chantilly nos arredores da capital. (...) Trinta viagens neste lugar encantado não diminuíram a minha admiração. É o melhor casamento feito entre a arte e a natureza”. O atual palácio ocupa o lugar de um feérico castelo medieval. As grandes cavalariças são uma obra prima e abrigam o Museu vivo do cavalo . Os jardins são uma das mais notáveis criações de André Le Nôtre. O palácio foi destruído durante a criminosa Revolução Francesa e reconstruído a partir de 1870. MAIS Ele emprestou seu nome ao famoso creme chantilly nele inventado. Glamis Palácio em Angus, leste da Escócia. Pertencente à família Bowes-Lyon, um dos mais antigos clãs da nobreza escocesa, é a residência desde 1372 do Conde e da Condessa de Strathmore. A Rainha Mãe nasceu neste castelo e passou ali a sua infância. A sua segunda filha, a Princesa Margarida, também nasceu em Glamis. Uma imagem do castelo está estampada no reverso da nota de dez libras esterlinas. O castelo aparece freqüentemente associado a lendas. De acordo com a tradição local, possui mais segredos obscuros que qualquer outro castelo na Escócia. Nele o rei Malcolm II da Escócia foi assassinado. Na famosa peça de teatro de William Shakespeare, Macbeth residia no castelo. Eu O condado de Eu foi criado em 996 por Ricardo, neto de Rolando, para defender a Normandia. Em 1180, São Laurent O'Toole, arcebispo de Dublin e legado do Papa, ali faleceu. Em 1430, durante a Guerra dos Cem Anos, Joana d'Arc, aprisionada em Compiègne pelos ingleses e conduzida a Ruão, passou por Eu, onde passou a noite. No final do século XVI, o duque Henrique I de Guise iniciou a construção de um novo e vasto castelo. No século XVII, foi residência da famosa Grande Mademoiselle, duquesa de Montpensier e prima de Luís XIV. A Grande Mademoiselle enriqueceu-o e decorou-o. No século XIX, passou aos duques de Orléans que o restauraram. Foi residência da Família Imperial Brasileira no exílio. Gastão de Orleans, Conde d'Eu, residiu em Eu com a princesa Isabel do Brasil, e três filhos. Os seus descendentes residiram no castelo até 1945. Na década de 1940, os Orleans e Bragança venderam o castelo a Assis Chateaubriand. Em 1961 foi adquirido pelo governo francês. Abriga o Museu Luís Filipe que guarda também peças da Família Imperial Brasileira. Loches No Vale do Loire em França, construído no século IX cerca de 500 metros acima do rio Indre. Concebido por Henrique II de Inglaterra e o seu filho, Ricardo Coração de Leão durante o século XII, foi capturado pelo Rei Filipe II em 1205 que o transformou numa grande fortaleza militar. Foi residência favorita de Carlos VII de França. Durante a Revolução Americana, a França que lutou contra a Inglaterra utilizou o castelo como prisão para os ingleses. O tufão do ódio anti-monárquico da Revolução Francesa saqueou-o e danificou-o severamente. Ainda hoje há partes visíveis apenas como ruínas malgrado as restaurações. Ussé Palácio do Loire em posição dominante sobre o rio Indre, foi erguido em 1642 como fortaleza. Ele inspirou Charles Perrault (1628-1703) a escrever o famoso conto A Bela Adormecida . A primeira edificação remonta ao século XI, quando o senhor normando de Ussé, Gueldin de Saumur, fez construir uma fortificação. No século XV, foi adquirido por Jean V de Bueil, capitão-geral de Carlos VII de França que começou a reconstrução na década de 1460. Após trocar muitas vezes de dono, o palácio passou para os Rohan. Chateaubriand trabalhou aqui nas suas Mémoires d'Outre-Tombe . Deve-se à condessa de la Rochejacquelin os últimos grandes acrescentos ao conjunto. Pertence aos descendentes do Conde de Blacas, sobrinho da condessa. Quéribus Na região de Languedoc-Roussillon, na França. Último baluarte cátaro conquistado pelos cruzados em 1255. Queribus é um do “cinco filhos de Carcassonne”, junto com Aguilar, Peyrepertuse, Termes e Puilaurens: cinco fortes estrategicamente erguidos para defender a fronteira francesa contra a Espanha. Guimarães Na freguesia de Oliveira do Castelo, Distrito de Braga, Portugal. O castelo está ligado à fundação do Condado Portucalense e à independência de Portugal, sendo berço da nacionalidade. Na Reconquista, os domínios de Vimaranes foram outorgados, em fins do século IX, ao cavaleiro Diogo Fernandes. Uma de suas filhas, Mumadona Dias, fundou um mosteiro. Para protegê-lo dos muçulmanos e normandos a benfeitora principiou um castelo no topo do Monte Largo em dezembro de 958. O conde D. Henrique (1095-1112) fez do castelo sua residência erguendo a Torre de Menagem e ampliando o recinto defensivo. Ali D. Afonso Henriques (1112-1185), resistiu em 1127, ao assédio do rei Afonso VII de Leão e Castela. No vizinho campo de São Mamede, D. Afonso Henriques livrou a célebre batalha onde nasceu a nacionalidade portuguesa (24 de Junho de 1128). Entre os séculos XII e XIV o castelo foi aperfeiçoado, sendo testemunha de memoráveis fatos históricos. Os séculos XVI e XVII, insensíveis ao simbolismo do castelo, fizeram dele uma cadeia municipal e um palheiro, caindo em ruínas. Em 1836, foi salvo da demolição que usaria suas pedras para ladrilhar as ruas de Guimarães. A partir de 1937 é objeto de restaurações. Bem conservado, está aberto à visitação. MAIS . MAIS . e MAIS ainda Peyrepertuse Impressionante “ninho de águia”, na região de Languedoc-Roussillon, na França, vigiava os vales circundantes e controlava os desfiladeiros podendo se comunicar-se por sinais com o castelo de Quéribus, um pouco mais ao Sul. O local foi ocupado pelos Romanos no século I a.C. As primeiras referências medievais são do ano de 806, quando ele pertencia à Catalunha. O castelo integrou o condado de Barcelona, e depois o viscondado de Narbona. Pelo Tratado de Corbeil em 1258 o Languedoc ficou com a França. Na época da Cruzada contra os heréticos albigenses pertenceu a Guillaume de Peyrepertuse, excomungado em 1224. Ele se submeteu após o cerco de Carcassonne. São Luís reforçou o castelo em 1242, acrescentando-lhe o “torreão de San-Jordy”. O conjunto era uma das fortalezas reais ‒ os “cinco filhos de Carcassonne” ‒ que defendiam a fronteira francesa. Na época da Revolução Francesa foi abandonado, caindo em ruínas. Lourdes Na região do Midi-Pyrénées, na cidade de Lourdes, Sudoeste da França. Ocupa posição estratégica à entrada dos sete vales do Lavedan, perto da atual fronteira com a Espanha. O conjunto é anterior a 778, quando foi tomado por Carlos Magno. Tornou-se a residência dos condes de Bigorre nos séculos XI e XII. No século XIII passou para os condes de Champagne e, depois para a Coroa Francesa durante o reinado de Filipe, o Belo. Foi cedido à Inglaterra em 1360, mas voltou aos domínios da França no século XV. No século XVII, virou prisão real e, após os crimes da Revolução Francesa, prisão do Estado. Abriga o Musée Pyrénéen, o maior e mais importante da região, que apresenta aspectos da arte e da vida cotidiana popular, desde a culinária local à indumentária. Amboise Construído num promontório com vista para o Loire, substituído na Idade Média por uma ponte, no século XI, Fulques III o Negro, Conde de Anjou, reconstruíu a fortaleza. Em 1434, o edifício foi adicionado por Carlos VII aos bens da Coroa, depois do seu proprietário, Louis d'Amboise, ter sido acusado de conspiração e executado em 1431. O castelo foi um dos favoritos dos reis franceses. Carlos VIII, que aqui nasceu e faleceu, fez extensas reconstruções no estilo do gótico flamboyant francês tardio. Depois de 1495 empregou mestres pedreiros italianos, Domenico da Cortona e Fra Giocondo, que aplicaram alguns dos primeiros motivos decorativos renascentistas. Montségur Na região do Midi-Pyrénées na França. A 1.207 metros acima do nível do mar ficou célebre pois na montanha houve uma aldeia fortificada onde foi esmagada a fanática heresia cátara em 1244. Em 1215, o Quarto Concílio de Latrão denunciou a fortificação cátara como reduto de heréticos. Entre 1243 e 1244, Hugues d’Arcis, senescal de Carcassonne e o arcebispo de Narbonne, conduziram a cruzada, e após audaciosa escalada noturna puseram fim ao ninho de subversão e imoralidade. Os cátaros que não abjuraram seus erros pereceram na fogueira. O castelo atual é obra do Marechal da Fé Guy II duque de Lévis que desejava a nunca mais os heréticos abusassem do local. No século XVII, perdida a sua função estratégica, mergulhou em ruínas. Mas nos séculos XIX e XX procedeu-se à sua restauração. Montsoreau Construído em 1455 por Jean de Chambes, conselheiro de Carlos VII na margem do rio Loire, controlava o tráfego entre os rios Chinon e Saumur. No século XIX o castelo estava abandonado e em ruínas, sendo hoje objeto de extensas obras de renovação. Vitré Em Vitré, Bretanha, o primeiro castelo em pedra foi construído pelo Barão Robert I de Vitré no final do século XI substituindo um castelo em madeira de cerca do ano 1000. No século XIII, o Barão André III deu-lhe a sua forma atual. Nos séculos XV e XVI prevaleceu a procura do conforto e reformas em estilo renascentista. O Parlamento da Bretanha refugiou-se no edifício em três ocasiões (1564, 1582 e 1583) por ocasião de epidemias de peste. Entre 1547 e 1605, Vitré tornou-se bastião huguenote. Em 1605, o castelo passou para a família católica de La Trémoille. Ficou abandonado no século XVII. Após a barbárie da Revolução Francesa, a residência senhorial virou prisão e, depois, quartel. Em 1875 iniciou-se a restauração. Atualmente, a câmara municipal de Vitré funciona no recinto e a praça do castelo tornou-se republicano estacionamento. MAIS Trécesson Palácio fortificado que conservou seu aspecto medieval. É um dos mais impressionantes da Bretanha. Seus admiráveis muros em argila avermelhada refletem-se nas águas do fosso. É uma propriedade privada. Acede-se por uma ponte. A entrada é comandada por importante casteleto flanqueado por duas torres estreitas com sacadas reunidas por uma antiga galeria. A origem remonta à noite dos tempos. Era mencionado como domicílio dos senhores de Ploërmel e Campénéac desde o século VIII. A família de Trécesson existe desde o século XIII. A tradição atribui a construção ao final do século XIV. O castelo foi herdado pela condessa de Prunelé que habita atualmente nele. Castelos em seu email RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Troussay É um dos menores castelos do Vale do Loire. A primeira pedra da mansão foi colocada por volta de 1450, quando Robert de Bugy, escudeiro do rei Francisco I da França, era o senhor feudal. No século XVII, o domínio foi equipado com áreas comuns e duas alas, enquanto um magnífico jardim formal foi estabelecido. O castelo pertence à família dos proprietários do castelo de Cheverny. Caernarfon Castle Construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra em 1283, em posição dominante sobre as margens do rio Seiont. Tinha sido o sítio dum forte romano e, mais tarde, dum castelo do tipo madera construido cerca de 1090 por Hugh d'Avranches. Eduardo II de Inglaterra nasceu aqui em 1284. Em 1646, durante a Guerra Civil Inglesa, a sua guarnição Realista rendeu-se às forças protestantes republicanas. A tradição de investir o herdeiro do monarca britânico no castelo com o título de Príncipe de Gales começou em 1301 e foi repetido em 1969, com a investidura de Carlos, Príncipe de Gales. Hoje aloja o Museu dos Fuzileiros Reais Galeses. Conway Castle Na costa norte do País de Gales, Reino Unido. Foi construído entre 1283 e 1289, durante a segunda campanha do rei Eduardo I de Inglaterra no Norte de Gales. Conway assemelha-se a um castelo concêntrico, mas é uma fortificação linear construída num promontório rochoso. Isto destinava-se a prevenir uma minagem subterrânea e guardar a entrada para o Rio Conway. O acesso ao castelo era feito, originalmente, por uma rampa com degraus através duma ponte levadiça, por uma portaria com grade e pela barbacã. Então, quem entrava virava à esquerda, através da portaria principal, para o pátio interior. Este continha os principais aposentos habitacionais para a guarnição e a torre prisão. Uma muralha e portaria com uma enfiada de seteiras defendia o pátio interior. Esta parte continha o aquecido Apartamento Real e o Grande Hall. Na parte de trás do castelo existia outra barbacã guardando o lado do rio. No século XIII, foi construída uma torre de vigia. Em 1403, forças galesas capturaram o castelo e a guarnição inglesa mas foram resgatados pelo rei Henrique IV de Inglaterra. No início do século XVII, o, em tempos, grande Castelo Real estava degradado. Em 1646 foi destruído deliberadamente pelo exército Parlamentarista e deixado como uma concha vazia. Vaux-le-Vicomte Foi construído em estilo Barroco entre 1658 e 1661, próximo de Melun, pelo superintendente das Finanças de Luís XIV, Nicolas Fouquet. Nele trabalharam os grandes artistas que depois fizeram Versailles Em 17 de Agosto de 1661, Fouquet recebeu o Rei e toda a Corte para uma festa grandiosa de 3 000 pessoas. Luis XIV considerou-o demasiado poderoso e ambicioso e por isso fez D'Artagnan prendê-lo algumas semanas depois desta festa. Fouquet foi condenado a 15 anos de prisão na fortaleza de Pinerolo, na Itália, onde morreu em 1680. Atualmente é a maior propriedade privada com o título de Monumento Histórico na França. MAIS Rochester Castle Na margem Rio Medway, em Rochester, Kent. É um dos mais bem preservados castelos no Reino Unido. Houve uma praça forte nos tempos romanos (cerca do ano 43). A torre de menagem e o castelo normando atual remontam ao ano 1127. O primeiro castelo normando de Rochester foi provavelmente uma torre de madeira com paliçadas. O Bispo Gundulf construiu o castelo de pedra. Gundulf fez a Catedral Normanda de Rochester em 1080, e a Torre Branca da Torre de Londres. O arcebispo da Cantuária, Guilherme de Corbeil começou a construir a grande torre de menagem de pedra em 1127. É a mais alta da Inglaterra e dominou a travessia do rio nos últimos 800 anos. Teatro de muitos enfrentamentos medievais. No século XV foi poupado pela Guerra das Rosas. Hoje Rochester está ligado ao vizinho estaleiro naval de Chatham que fabrica submarinos. Angers Houve uma primeira fortaleza de Angers sobre o rio Maine construída pelos Romanos. No século IX, passou para o Conde de Anjou, tornando-se parte dos feudos dos reis de Inglaterra no século XII. No século XIII, um novo e enorme castelo foi construído pelo rei São Luís IX. A cerca de 600 metros de altura, e protegida por dezassete maciças torres, as muralhas do castelo englobam 25.000 m². Luís II e Iolanda de Aragão adicionaram uma Capela (1405-12) e apartamentos reais. A capela é consagrada a uma lasca da Vera Cruz. VER No início do século XV, o infeliz delfim que depois tornar-se-ia Carlos VII com a ajuda de Joana d'Arc, fugiu de Paris se refugiando em Angers. FOTOS interior Em 1562, Catarina de Medici tinha restaurado a poderosa fortaleza, mas, o seu filho, Henrique III, reduziu a altura das torres e despiu os muros dos seus reforços. Barroux Remonta a um castelo erguido, no século XII, em posição dominante sobre um pico rochoso, vizinha ao qual se desenvolveu a povoação. No século XIV, o castelo foi transformado em uma magnífica fortaleza. No século XVIII, foi abandonado, caindo em ruínas. No início do século XX, uma família adquiriu as ruínas e promoveu a restauração às suas próprias expensas. Na Segunda Guerra Mundial foi incendiado por tropas alemãs. Mas a mesma família restaurou-o na década de 1960. Bayard Originalmente foi uma fortificação. Na era feudal, somente os Cavaleiros podiam possuir um castelo. Pierre Terrail, bisavô do famoso cavaleiro Bayard, foi o vice-senhor do senhorio de Avallon e empreendeu a construção em 1404. Os membros da família Bayard passaram uma boa parte da sua vida a combater ao serviço do Rei de França. Pierre III Terrail, o célebre cavaleiro Bayard ali nasceu e foi criado. MAIS Por matrimônio, o castelo ficou com a família de Noinvilles (1735). Louis-Alphonse de Noinville, emigrante sob a Revolução Francesa, foi o último Senhor de Bayard. Os seus bens foram ilicitamente apreendidos e vendidos em 1795 pelos revolucionários “democráticos”. O castelo ficou em ruínas por longo tempo. As pedras chegaram a ser usadas como material de construção. As ruínas causadas pela Revolução Francesa foram restauradas por famílias proprietárias. Beynes Junto ao Rio Mauldre, na região da Île-de-France, o primeiro castelo, com fosso e muralha, foi construído no século XI. O rio servia como linha de defesa ocidental do domínio Real, contra a Normandia. Foi tomado pelos ingleses na Guerra dos Cem Anos. Cerca de 1450, Robert d'Estouteville transformou-o numa residência confortável, desmantelando a torre de menagem e adaptando as fortificações para a artilharia incipiente. Beynes foi totalmente abandonado durante o bárbaro “século das Luzes” (XVIII) e foi usado como um filão de pedra para construções na aldeia. Blois No Vale do rio Loire, Blois foi residência de vários Reis da França. Também nele o arcebispo de Reims abençoou Joana d'Arc, em 1429, antes de esta partir combater os ingleses. Erguido no centro da cidade, compreende vários edifícios construídos entre o século XIII e o século XVII. A sua mais famosa peça de arquitectura é a magnífica escadaria em espiral, na ala de Francisco I. O castelo medieval foi capital política durante o reinado de Luís XII. No início do século XVI, o soberano iniciou a criação de um jardim Renascentista. Uma ala, feita em tijolo encarnado e pedra cinzenta, constitui a entrada principal do palácio. Seu estilo é essencialmente gótico, mas existem elementos Renascentistas. Francisco I fê-lo mobilar e iniciou uma nova ala. Criou no palácio uma das mais importantes bibliotecas da época que foi a semente da “Bibliothèque Nationale”. MAIS . e MAIS Bonaguil Na fronteira entre o Périgord e o Quercy, na Idade Média, Bonaguil foi sede de uma das quatro baronias do Périgord. Ele é um dos últimos exemplares de castelos-fortes no país. A sua construção foi iniciada no século XIII, sendo inteiramente reformado no final do século XV pelo barão Bérenger de Roquefeuil. Tem uma superfície de 7.500 m², e é um verdadeiro catálogo das técnicas de fortificação medievais inclusive para resistir à artilharia. No Renascimento, as grandes famílias seguindo o exemplo do Rei começaram a construir palácios agradáveis e deixaram as fortificações medievais para a pequena e média aristocracia. Bonaguil encontra-se num notável estado de conservação. Nunca sofreu ataques e foi habitado até a Revolução Francesa. Brie-comte-Robert O castelo de Brie-Comte-Robert, na Île-de-France, foi erigido no final do século XII, quando Robert I de Dreux, era senhor de Brie. Em 1254 passou para a família de Châtillon. O castelo tornou-se uma residência de prestígio. Aqui teve lugar, em 1349, o casamento de Filipe VI de França com Branca d'Évreux-Navarre. Ao final do século XIV, o castelo e seus domínios retornaram à Casa d'Orleães. A partir de Francisco I e Catarina de Médicis, o castelo e seus domínios foram confiados pelo soberano a alguns dos seus validos, muitos dos quais senhores italianos que deixaram o imóvel degradar-se. Em 1750, Germain-Louis de Chauvelin, senhor do castelo, cheio do espírito das Luzes demoliu as torres e as cortinas. O duque de Penthièvre e sua filha, duquesa d'Orléans, foram os seus últimos senhores. Na Revolução francesa, o edifício foi prisão. Caen Construído cerca de 1060 por Guilherme o Conquistador rei da Inglaterra. Num célebre Natal em 1182 reuniram-se no castelo Henrique II de Inglaterra e os seus filhos, Ricardo Coração de Leão e João Sem Terra, e mais de mil cavaleiros. O castelo, juntamente com toda a Normandia, foi integrado na Coroa Francesa em 1204. O castelo assistiu a vários episódios da Guerra dos Cem Anos. O feroz ódio contra a história católica da Revolução Francesa demoliu a torre de menagem em 1793, como símbolo do passado hierárquico. O castelo foi bombardeado em 1944 e seriamente danificado. VIDEOS Amorosa: um castelo medieval na Califórnia no século XXI? Almourol desde o céu Castelos ingleses desde o céu Tomar: bastião da Guerra Santa contra o Islã e da conquista do Brasil Malbork ou Marienburg: capital do Estado cruzado e religioso da Ordem Teutônica Peles: castelo real da Romênia Schwerin: castelo jóia da Pomerânia Alemanha Marnix Sainte-Aldegonde: castelo familiar. Bélgica Sete castelos simbólicos de Gales O Reno e seus castelos Num panorama montanhoso e heroico: Manzanares el Real Castelo de Bragança, Portugal Cochem: castelo nas beiras do rio Mosela Windsor: casa da rainha da Inglaterra Jehay: joia esculpida pelo sonho de uma estirpe nobre Castelo de Glamis: saudades de uma Escócia toda católica Castelo-palácio em Angus, leste da Escócia. Pertencente à família Bowes-Lyon, um dos mais antigos clãs da nobreza escocesa, é a residência desde 1372 do Conde e da Condessa de Strathmore. A Rainha Mãe habitou nele até seu falecimento em 2002. Ele é muito ligado a seus descendentes da família real inglesa. O fascínio de Neuschwanstein O “Castelo do Cavaleiro Cisne” é uma tentativa de fazer um castelo medieval no século XIX com espírito romântico. A concepção foi de Luís II da Baviera. E a primeira pedra foi colocada em 5 de setembro de 1869. Nas origens, no local estava o castelo de Schwanstein, sede dos cavaleiros de Schwangau, cujo emblema era o cisne. Neuschwanstein têm ngenhos a vapor e eléctricos, ventilação moderna e canalizações de aquecimento. Luís II nunca chegou a morar nele. Hoje é propriedade do estado da Baviera. MAIS em 'Castelos medievis' e MAIS em 'Castelos medievais' Os templários em Almourol Castelos portugueses Castelos que falam do Céu Música: 'La Justa', ensalada, Mateo Flecha 'El Viejo' (1481 - 1553). Castelo de Wittringen, Alemanha Castelo templário de Ponferrada, Espanha Castelo de Segovia Grandeza dos castelos da España Castelos da Espanha. Música: 'Cantiga de Santa Maria' 152 'Tantas nos mostra a Virgen' Cantigas de Santa María 152. Alfonso X el Sabio (1221 - 1284). Castelos alemães no vale do Reno. Música: Alte Kameraden Castelo de Neuschwanstein: o senso do combate e da dignidade afidalgada Neuschwanstein Castle: A sense of combat and aristocratic dignity (english version) Castillo de Neuschwanstein: el sentido del combate y de la dignidad hidalga (en español) Construir um castelo medieval nos EUA no século XXI? Castelos de Espanha (slideshow) Castelos espanhóis Castelos e ruínas na Espanha Castelo de Doune, Escócia 12 comentários Share | 12 comentários: Anônimo 13 de janeiro de 2011 15:27 amei!!!!!!!!! Responder Excluir Anônimo 2 de maio de 2011 21:30 adorei todos, sou apaixonada por historia medieval! Responder Excluir Anônimo 3 de março de 2012 19:05 eu adorei depois que minha professora ver ela vai me dar um 10!!!!!!!! Responder Excluir Anônimo 20 de julho de 2012 09:06 Lindo!É emocionante. agradeço a oportunidade de ver estas maravilhas. Responder Excluir Anônimo 29 de agosto de 2012 10:45 Sempre que posso,passeio por este mundo maravilhoso! Responder Excluir Anônimo 29 de outubro de 2012 19:04 Maravilhoso!Viajo geral nas histórias. Responder Excluir NSpada 20 de agosto de 2013 10:02 Lindo!! Nos faz voltar no tempo. Responder Excluir NSpada 20 de agosto de 2013 10:06 Maravilhoso!Nos faz viajar no tempo. Responder Excluir jose costa 27 de abril de 2014 10:16 EMOCIONANTE..... Responder Excluir Altair Aguilar 30 de setembro de 2014 19:43 Parabéns pelo trabalho e dedicação. Este blog é um referencia para aqueles que tem uma grande admiração pelo período medieval. Responder Excluir Chellot 1 de novembro de 2015 17:38 Fantástico. Estava procurando por ambientações medievais para uma nova história e encontrei preciosidades em seu blog. Parabéns! Responder Excluir A Casa Madeira 17 de abril de 2016 16:43 Maravilhoso! Prazer em conhecer mais da história. Responder Excluir Adicionar comentário Carregar mais... Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa. Página inicial Assinar: Postagens (Atom) Outras formas de visualizar o blog: Eu gosto de Castelos Medievais Pesquisar este blog Carregando... Pierrefonds, Ile-de-France LINKS Exeter Catedral de Exeter Carregando... Carregando... Receba gratuitamente RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Lichtenstein Também conhecido como “Castelo do Conto de Fadas”, localiza-se próximo de Honau, em Baden-Württemberg, Alemanha. Remonta a cerca de 1200. A fortificação medieval dos senhores de Lichtenstein foi por duas vezes destruída durante a Guerra do Império. Em 1802 as ruínas passaram para o rei Friedrich I de Württemberg que fez erguir um pavilhão de caça. O atual castelo surgiu entre os anos de 1840 e 1842 obra de Wilhelm I, duque de Urach, conde de Württemberg. O estilo é neo-gótico. Os duques de Urach conservam sempre a propriedade. Hohenzollern Palácio fortificado da Alemanha entre as cidades de Hechingen e Bisingen. Foi residência dos Condes suabos a partir do século XI. O primeiro castelo do século XI em 15 de Maio de 1423 foi completamente destruído pela pela União das Cidades Imperiais. O segundo castelo iniciado pelo Conde Jos Niklas de Zollern foi concluído em 1461. Na Guerra dos Trinta Anos, serviu de refúgio à família Hohenzollern. No século XVIII foi ocupado por tropas francesas e austríacas. No início do século XIX estava em ruínas. só ficando hoje a Capela de São Miguel. O terceiro castelo é o atual.O futuro Rei Frederico Guilherme IV, iniciou a construção em 1842 em estilo neogótico com uma alta ideia do castelo medieval. Em 3 de Outubro de 1867 foi inaugurado pelo rei Guilherme I. Ela pertence aos príncipes Hohenzollern, está aberto ao público e conserva excelente decoração neogótica. Marksburg Junto ao rio Reno, é o único castelo medieval do Médio Reno que nunca foi destruído. Foi construído para proteger a cidade de Braubach e reforçar as facilidades aduaneiras. Por volta de 1117-1231 foi mencionada pela primeira vez. Em 1283 o Conde Eberhard de Katzenelnbogen comprou o castelo. MAIS Katz Burg Katz localiza-se na cidade de Sankt Goarshausen, sobre o Reno. Em posição dominante, foi erguido por volta de 1371, pelo conde Wilhelm II de Katzenelnbogen. O castelo foi bombardeado em 1806 e reconstruído entre 1896 e 1898. Atualmente é propriedade privada. Marienberg No ano 704, foi construída a “igreja de Maria” no cimo de um antigo abrigo celta. A igreja ficou rodeada pela primeira fortaleza no século XIII. Em maio de 1525, durante a “guerra dos camponeses”, 8.000 protestantes enlouquecidos que assediavam o castelo foram massacrados ou cegados pelo Bispo. Os nazis lembraram do fato para se afastar da Igreja Católica. Em 1600, Julius Echter reconstruiu um palácio renascentista depredado pelo calvinista Gustavo II Adolfo da Suécia, na Guerra dos Trinta Anos. Após a Guerra foi erguida uma fortificação barroca ainda mais formidável. Marienberg foi sede aos Príncipes-Bispos de Würzburg até ao início do século XVIII. Neuschwanstein O “Castelo do Cavaleiro Cisne” é uma tentativa de fazer um castelo medieval no século XIX com espírito romântico. A concepção foi de Luís II da Baviera. E a primeira pedra foi colocada em 5 de setembro de 1869. Nas origens, no local estava o castelo de Schwanstein, sede dos cavaleiros de Schwangau, cujo emblema era o cisne. Neuschwanstein têm ngenhos a vapor e eléctricos, ventilação moderna e canalizações de aquecimento. Luís II nunca chegou a morar nele. Hoje é propriedade do estado da Baviera. MAIS e MAIS Hohenschwangau Construído sobre os restos da fortaleza Schwanstein do século XII por obra de uma família de cavaleiros. No século XVI, a fortaleza mudou de mãos várias vezes até que caiu em ruínas no século XIX. Em 1832, o Rei Maximiliano II da Baviera entusiasmado pela beleza da área, adquiriu a propriedade e iniciou a construção do atual palácio em estilo neogótico. Hohenschwangau foi a residência oficial de veraneio e de caça dos Rei da Baviera. Em 1869, Luís II iniciou a construção de Neuschwanstein depositando uma pedra de Hohenschwangau. Hoje, ele pertence a Franz, Duque da Baviera. Ussé Alcázar de Segovia O Alcázar de Segovia é um palácio fortificado em pedra, na cidade velha de Segovia, Espanha. É um dos mais distintos castelos-palácios da Espanha e tem forma de proa de um navio. Nas origens houve uma fortificação romana e depois uma islâmica. A primeira referência remonta a 1120, 32 anos depois de a cidade de Segóvia regressar a mãos cristãs. Era um forte de madeira construído sobre velhas fundações romanas. Afonso VIII ergueu o início da fortificação de pedra. Ao longo da Idade Média foi uma das residências favoritas dos monarcas de Castela e fortaleza chave na defesa do reino. A maior contribuição individual para o alcázar foi do rei João II de Castela, o qual construiu a “Torre Nova”. Em 1474 nele foi coroada Isabel como Rainha de Castela e Leão e aí casou com Fernando II de Aragão. Filipe II de Espanha adicionou os afiados pináculos de lousa para refletir os castelos da Europa Central. Quando a Corte Real mudou-se para Madrid, o alcázar teve vários destinos até ser danificado severamente por um incêndio. Em 1882 começou a ser restaurado. Em 1896, o rei Afonso XIII cedeu-o para colégio militar. Almodóvar del Rio Na província de Córdoba, Andaluzia, no caminho medieval para Sevilha. A primitiva ocupação do sítio remonta a um castro dos Iberos, posteriormente fortificado pelos romanos. A estrutura atual remonta à ocupação muçulmana, quando integrava o Emirado de Córdoba. Na época da Reconquista cristã foi tomado por São Fernando III de Leão e Castela, em 1240. Pertenceu à Ordem de Calatrava. Em 1629, Felipe IV vendeu-o a D. Francisco De Corral y Guzmán, cavaleiro da Ordem de Santiago. Entre 1903 e 1911, o seu proprietário, conde de Torralva, iniciou vasta reconstrução. Sofreu danos na Guerra Civil Espanhola. É propriedade privada aberto ao público. Barco de Ávila Palácio fortificado sobre o Rio Tormes, construído sobre um castro vetão foi destruído pelos romanos. Foi edificado no século XII e reconstruído no século XIV. Com uma superfície de 1.700 m2, a porta principal é gótica emoldurada. Das ameias e torreões domina-se todo o vale e as serras circundantes. No interior do castelo existia um pátio de armas com um bebedouro ao centro e uma galeria de arcadas e colunas românicas adornada com uma belíssima balaustrada gótica. Era habitado pelos Senhores de Valdecorneja, Condes e Duques de Alba. Para o século XVI pareceu apertado e incômodo, foi reformado e criaram-se aposentos para as damas. Os dos cavaleiros tinham vista para o Puerto de Tornavacas e estavam situados no segundo piso. Restaurado várias vezes, respeitando o seu perímetro original, devido às incontáveis batalhas que sofreu, tentativas de incêndio e bombardeamento. Belmonte No morro de San Cristóbal, na província de Cuenca. Foi mandado construir pelo marquês de Vilhena em 1456. No século XIX, Eugenia de Montijo executou grande reforma. No século XX, pertenceu às juventudes falangistas que fizeram instalações insensatas destruindo os telhados. Hoje pertence à Casa Ducal de Peñaranda, descendentes da Duquesa de Alba e se encontra em fase de reabilitação. Calatrava la Vieja Na margem esquerda do rio Guadiana, Castilla-La Mancha, Espanha. Erguido pelos muçulmanos, em plena Reconquista foi tomado por forças cristãs dos reis Afonso VIII de Castela, Pedro II de Aragão e Sancho VII de Navarra, no início do século XIII. O castelo foi doado à Ordem dos Templários. Mais tarde foi guarnecido pelos cavaleiros da Ordem de Calatrava. Coria Na província de Cáceres, Estremadura, Espanha. A primitiva ocupação do sítio remonta a uma fortificação romana. A atual estrutura é do ano 1472, e foi iniciativa do duque de Alba. Consiste em uma torre de menagem de planta pentagonal, e o chamado “castelejo”, torre menor de planta semi-circular. O conjunto é rematado por ameias e por guaritas semicirculares. Todo o perímetro é decorado com arcos e bolas. O brasão de armas do duque encontra-se nas guaritas e sobre o portão de armas. Estilo gótico tardio. É particular. Javier Em Navarra, Espanha, cerca de 52 quilômetros a leste de Pamplona. Nele nasceu e viveu São Francisco Xavier, filho dos senhores Javier. Por isso é o destino de uma concorrida peregrinação anual, em homenagem do santo padroeiro de Navarra, chamada “Javierada”. O castelo remonta a uma fortificação muçulmana do século X. Após a Reconquista cristã da região, em 1236 o castelo foi entregue por Teobaldo I de Navarra a D. Adán de Sada. Após sucessivas heranças, o castelo passou ao domínio da Casa de Villahermosa. Ao final do século XIX, seus proprietários iniciaram a restauração. Toda a família participou com fundos próprios para restaurá-lo, edificar uma Basílica e moradias para sacerdotes e casas de exercícios. Manzanares el Real A Diego Hurtado de Mendoza, almirante maior de Castela, se atribui a construção duma primeira fortaleza, embora o edifício tenha origem anterior. No século XV, Íñigo López de Mendoza finalizou as obras. Em 1566, deixou de ser habitado. Em 1914, o Ducado do Infantado procedeu a um primeiro restauro. Alguns elementos foram completamente reconstruídos, caso das salas e corredores do interior do corpo principal. Marcadores Acre (1) agricultura (1) Alemanha (17) Allègre-les-fumades (1) Almansa (2) Almourol (1) Alsácia (1) Amboise (3) Amorosa (2) André Le Notre (1) Anjou (1) Aquitania (3) Arundel (1) Aunqueospese (1) Áustria (1) Auzers (1) Avila (1) Avrilly (1) Azay-le-Rideau (2) Bannes (1) Baviera (2) Beja (1) Belgica (1) Bélgica (5) Belvís de Monroy (1) Berg (2) Berlanga del Duero (1) Blain (1) Bled (1) Blenheim Palace (1) Blois (2) Bonnétable (2) Bonneval (1) Borgonha (1) Brasil (2) Bretanha (4) Breteuil (2) Brihuega (1) Brissac (1) Bruxelas (1) Buckingham (2) Burg Eltz (2) Burg Zwingenberg (2) Burgos (1) Calatañazor (1) Califórnia (1) camponeses (1) Cantal (1) caos feudal (1) Carcassonne (2) Cardiff (2) caridade (1) Carlos Magno (1) Casa do Rei (1) Castel Valer (1) Castela (4) castelo (1) catedral (1) cavalaria (1) Challain (1) Chambord (7) Chantilly (3) Chateaubriand (1) Chaumont (3) Chaumont-sur-Loire (1) Chenonceaux (8) Cheverny (5) Chillon (2) Chimay (1) Chinon (1) classes sociais (1) Clerans (1) Coca (3) Cochem (2) Combourg (1) Compostela (1) Conciergerie (4) Consuegra (1) Cristandade (3) Crupet (1) Cruzadas (1) d'Ormesson (1) de la Brède (2) Der Haar (1) Drachenburg (1) Drumlanrig (1) Duart (1) Dunrobin (1) Edimburgo (1) Eilean Donan (1) Elisabeth II (1) Esclimont (1) Escócia (6) Escorial (1) Eslovênia (1) Espanha (16) família (1) Felipe II (1) Fenis (1) Florença (1) Foix (2) Fontaine-Henry (2) Fontainebleau (5) Foulques Nerra (1) França (57) Gales (2) Glamis (1) Grã-Bretanha (14) Guédelon (1) guerra (2) Guimarães (2) Guise (1) Gutenfels (1) Hargimont (1) Haut-Koenisburg (1) Himeji (2) Hohenschangau (1) Holanda (1) Hunedoara (1) Igreja Católica (6) Ile de France (4) invasões (1) Islã (1) Itália (10) Japão (1) jardins (1) Jehay (1) Jonzac (1) Josselin (1) Karlstejn (1) Kilchurn (1) Krasiczyn (2) La Couvertoirade (1) La Mota (1) La Rochefoucauld (3) Langeais (3) Le Lude (2) Le Nôtre (2) Les Milandes (2) Loarre (1) Loches (1) Loire (25) Londres (2) Lorena (1) Lourdes (1) Luís XIV (2) Lumen Christi (1) Luynes (1) Luz de Cristo (1) Madri (1) Maillebois (1) Maintenon (4) Malbork (1) Manzanares el Real (1) Marçay (1) Maria Antonieta (2) Maria Stuart (2) Marksbourg (1) Matsumoto (1) Mauseturm (1) Mayenne (1) Mespelbrunn (1) Milandes (1) Milão (3) Missillac (2) Mont Saint-Michel (3) Montalegre (1) Montbazillac (2) Montbrun (1) Montemor-o-Velho (1) Montfort (1) Montirésor (1) Montizón (1) Montrésor (1) Montreuil-Bellay (3) Montsoreau (1) moral (1) Mosela (1) Mota (1) Motte (1) Natal (3) Neuschwanstein (4) nobreza (3) Norfolk (1) Normandia (2) Nossa Senhora (1) Nozet (1) Olite (1) Olvera (1) Ormesson (1) Osaka (1) Ourém (1) Palácio dos Doges (2) Papado (1) Paris (5) Peñafiel (1) Pesteil (1) Pfalz (2) Pichon-Lalande (1) Pierrefonds (1) Poitou-Charentes (1) Polônia (3) pólvora (1) Pont Neuf (1) Porto de Mós (1) Portugal (14) povo (1) Puertomingalbo (1) Reno (3) República Checa (1) Revolução Francesa (4) Rocamadour (1) Rodillas (1) Rohan (2) Roma (1) Ronneburg (1) Roquetaillade (1) ruínas (1) Sacro Império (1) Saint-Fargeau (3) Sant'Angelo (1) Santa Joana d'Arc (1) Santa Teresa (1) São Domingos de Gusmão (1) São Luís (5) São Miguel Arcanjo (4) saúde (1) Saumur (5) Sax (1) Sceaux (1) Scone (1) Segovia (4) Septmonts (1) Sepúlveda (1) Sforzesco (4) Soubise (1) Stalker (1) Stirling (2) suavização dos costumes (1) Suíça (3) Suscinio (1) templários (3) Teutônicos (1) Toledo (1) Tomar (2) Torija (1) Torre de Belém (4) Torre do Templo (1) Torrelodones (1) Trakai (1) Trujillo (1) Turégano (2) Utrecht (2) Val (2) Valençay (2) Valladolid (1) Vaux-le-Vicomte (7) Veneza (2) Versailles (2) Vez (1) Villandry (2) Vincennes (1) Viollet-le-Duc (3) Vitré (2) Warwick (7) Wernigerode (1) Westminster (1) Wijnendael (1) Windsor (2) Wissekerke (1) Yvoire (1) Receba castelos sem custo RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Sully-sur-Loire Sobre o rio Loire, foi mencionado por vez primeira em 1102. Ao longo dos séculos só pertenceu a três famílias : a dos senhores de Sully, a de la Trémouille, e a de Béthune. En 1218, Philippe Augusto fez construir a torre principal. Em 1396, Guy de la Trémouille iniciou o castelo atual. Em 1602 foi adquirido por Maximilien de Béthune, o grande Sully, primeiro duque desse nome. Louis XIV refugiou-se nele em março de 1652 durante a Fronde. Em 1715, acolheu Voltaire procurado em Paris por atos delitivos múltiplos. O castelo ficou com a família dos duques de Sully ate 1962. O governo comprou-o e iniciou restauros. Fougères-sur-Bièvre A senhoria de Fougères-sur-Bièvre foi mencionada pela primeira vez em 1030. Em 1358, durante a Guerra dos Cem Anos, o castelo foi quase arrasado por Eduardo, o Príncipe Negro. Em 1438, por casamento, o castelo passou para o Duque Jean de Refuge. Esta família manteve a posse até ao século XVII. Após as devastações da Revolução Francesa (1789) foi transformado em tecelagem e alojamento para os trabalhadores agrícolas. Em 1932, o governo comprou-o, restaurando-o completamente. Durante a II Guerra Mundial foram salvos no edifício vitrais da Catedral de Chartres e obras de arte do Museu do Louvre. É considerado como um dos castelos da Loire. Chateaudun O Castelo de Châteaudun foi construído entre os séculos XII e XVI iniciado pelo Conde de Blois Teobaldo V, por volta de 1170. A Sainte-Chapelle foi construída entre 1451 e 1493. Francisco I de Orléans-Longueville começou a construção da ala norte entre 1469 e 1491. Durante o Renascimento foi convertido numa confortável residência cujo corpo principal é coberto pelo estilo gótico. Couches No antigo ducado soberano da Borgonha, o castelo protegia a estrada que ligava a Paris. Gaudry, Senhor de Couches iniciou a construção da fortaleza no século XI, que foi ampliada pelos sucessores. No início do século XVI o domínio passou para a Família de Rochechouart. Em 1590, a guarnição foi exterminada e a fortaleza desmantelada. No século XIX iniciou-se a reconstrução em estilo neo-gótico. Novas obras aconteceram no século XX por conta da família proprietária. Chambord Maior palácio do vale do rio Loire, foi apenas um pavilhão de caça para Francisco I. Leonardo da Vinci teria sido responsável pelo desenho original. Entre 1725 e 1733, Stanislas Leszczynski, rei deposto da Polónia e sogro de Luis XV, viveu em Chambord. Em 1745, como reconhecimento pelo seu valor de combate, o rei deu o palácio a Maurice de Saxe, Marechal da França. Em 1792, o governo revolucionário procedeu a um verdadeiro saque: ordenou a venda das mobílias. os painéis das paredes e mesmo os soalhos foram removidos e vendidos pelo valor da sua madeira, as portas apaineladas foram queimadas como lenha. No século XIX o palácio foi comprado por meio de uma subscrição nacional para o infante Conde de Chambord, legítimo herdeiro da coroa francesa no exílio. MAIS e MAIS Os mais visitados em todos os tempos O castelo de Saumur: fortíssimo e delicado, tendendo para o Céu Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Castelos medievais: exemplos de uma Terra que prepara as almas para o Céu Castelo de Bonnétable, Loire, França A Europa medieval foi um mito que se realizou. A Religião Católica transformou um continente povo... Castelo feudal: residência de um pequeno “rei” local Les Milandes, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de di... Langeais: perguntas que nos faz um castelo de conto de fadas Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs O ... Castelo: residência por excelência do nobre, símbolo e orgulho da comunidade feudal Hoje se tenta reviver a vida do castelo em eventos medievalizantes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política in... Chambord: a harmonia da variedade na unidade Veja o que é a arte! Quem construiu esse castelo não tinha idéia de que ele pudesse ser visto desde o ar. Maior palácio do vale do rio ... Se os homens tivessem continuado construindo castelos, até que patamares de beleza e elevação não teriam chegado? Castelo de Clerans, França A Idade Média gerou grandes castelos de fábula, por exemplo o de Chenonceaux ou o de São Luís. Mas também ... A feliz junção da Europa medieval com a Igreja e a Religião Na Europa medieval, as vidas dos conventos e dos castelos, dos santos e dos heróis se entrecruzaram indissoluvelmente. Por exemplo, o mo... Importância do castelo ou palácio real para a vida de um povo Castelo do rei São Luís IX em Paris, conhecido como Conciergerie Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política inte... Desde seu grande castelo, o nobre vela por todo seu povo Castelo de Chillon, sobre o lago Léman, Suíça Luis Dufaur Na última fase do progresso medieval, deixou de existir o perigo ... Mais vistos no último mês Arundel: castelo dos duques que recusaram o protestantismo inglês Arundel: casa de referência da família dos duques de Norfolk, Inglaterra. Luis Dufaur No dia de Natal de 1067, há perto de um milê... Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... O castelo real de Stirling, na Escócia: relíquia e consciência do velho reino O castelo de Stirling: uma posição quase inacessível, símbolo da altaneria escocesa Luis Dufaur O castelo-fortaleza de Stirling... Alcácer de Segovia: castelo do heroísmo altaneiro Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Vaux-le-Vicomte e sua inesquecível festa Vaux-le-Vicomte Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diverso... ALMOUROL: história épica, mistério e lenda Almourol: castelo de heroísmos e mistérios Luis Dufaur O castelo de Almourol, no distrito de Santarém, em Portugal, foi ergui... Castelo de Guédelon: uma experiência inédita, mas muito séria No fundo de uma floresta do centro da França um inusual experiência arquitetônica já antevê a terminação de um castelo construído com técn... Castelo de Suscinio: afirmatividade, personalidade e combatividade Castelo de Suscinio: fortaleza 'de verão' Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, s... Castelo feudal: residência de um pequeno “rei” local Les Milandes, França Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de di... Castelo: residência por excelência do nobre, símbolo e orgulho da comunidade feudal Hoje se tenta reviver a vida do castelo em eventos medievalizantes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política in... Arquivo do blog ▼ 2017 (20) ▼ Dezembro (2) Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Castelo de Suscinio: afirmatividade, personalidade... ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (2) ► Agosto (3) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (1) ► Abril (1) ► Março (2) ► Fevereiro (1) ► 2016 (24) ► Dezembro (1) ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (2) ► Agosto (3) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (3) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (1) ► 2015 (20) ► Dezembro (1) ► Novembro (2) ► Outubro (1) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (1) ► Junho (1) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (2) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (1) ► 2014 (26) ► Dezembro (2) ► Novembro (2) ► Outubro (2) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (3) ► Março (2) ► Fevereiro (2) ► Janeiro (2) ► 2013 (38) ► Dezembro (1) ► Novembro (3) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (4) ► Julho (3) ► Junho (4) ► Maio (3) ► Abril (3) ► Março (3) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (2) ► 2012 (34) ► Novembro (3) ► Outubro (5) ► Setembro (4) ► Agosto (3) ► Julho (3) ► Junho (2) ► Maio (3) ► Abril (2) ► Março (2) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (4) ► 2011 (20) ► Dezembro (1) ► Novembro (1) ► Outubro (2) ► Setembro (1) ► Agosto (2) ► Julho (2) ► Junho (2) ► Maio (3) ► Abril (3) ► Março (1) ► Janeiro (2) ► 2010 (1) ► Novembro (1) ► 2008 (4) ► Novembro (1) ► Outubro (1) ► Junho (1) ► Abril (1)



https://ca.wikipedia.org/wiki/Lacertilis
  Lacertilis - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Lacertilis De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca « llangardaix » redirigeix aquí. Vegeu-ne altres significats a « Constel·lació del Llangardaix ». Lacertilis Lacertilia Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Animalia Fílum Chordata Classe Reptilia Ordre Squamata Subordre Lacertilia Distribució Lacertilia són certs rèptils de l'orde dels escatosos , ... són capaces de donar a llum directament. Els fardatxos de la família Scincomorpha , sovint tenen ... ). Taxonomia [ modifica ] Subordre Lacertilia †Família Bavarisauridae †Família Eichstaettisauridae Infraordre Iguania †Família Arretosauridae †Família Euposauridae Família Corytophanidae Família Iguanidae Família Phrynosomatidae Família Polychrotidae Família Leiosauridae Família Tropiduridae Família Liolaemidae Família Leiocephalidae Família Crotaphytidae Família Opluridae Família Hoplocercidae CACHE

Lacertilis - Viquipèdia, l'enciclopèdia lliure Lacertilis De Viquipèdia Salta a: navegació , cerca « llangardaix » redirigeix aquí. Vegeu-ne altres significats a « Constel·lació del Llangardaix ». Lacertilis Lacertilia Taxonomia Super-regne Eukaryota Regne Animalia Fílum Chordata Classe Reptilia Ordre Squamata Subordre Lacertilia Distribució Lacertilia són certs rèptils de l'orde dels escatosos , orde que compartixen amb les serps i els fardatxos cuc del subordre Amphisbaenia . Inclouen les diverses espècies anomenades popularment llangardaixos o fardatxos en català (especialment de les famílies dels agàmids , annièl·lids , cordílids , iguànids i lacèrtids ) [1] com ara el llangardaix pirinenc ( Lacerta agilis ), el llangardaix ocel·lat ( Lacerta lepida ) i el lluert ( Lacerta viridis ). Normalment tenen quatre potes, obertures externes d'oïdes i parpelles mòbils. El rang de longituds van d'uns pocs centímetres d'alguns Gekkonidae del Carib fins als prop de 3 metres del dragó de Komodo . Algunes espècies de fardatxos anomenats serps de cristall o vidriols no tenen potes funcionals, a pesar de tindre vestigis de l'estructura de l'esquelet de les potes. Es distingixen de les verdaderes serps per la presència d'orelles i parpelles. Alguns fardatxos poden canviar de color en resposta al seu entorn o en moments de perill. L'exemple més típic és el camaleó , però també poden succeir canvis de color més subtils en altres espècies de fardatxos. Els fardatxos s'alimenten generalment d'insectes o rosegadors. Unes poques espècies són omnívores i també poden menjar plantes. Només un gènere és verinós: Heloderma , que inclou les espècies Heloderma suspectum (monstre de Gila) i Heloderma horridum . Aquestes espècies habiten en l'oest de Mèxic i sud de Texas , i posseïxen dos glàndules verinoses en la mandíbula. La majoria dels fardatxos ponen ous , encara que unes poques espècies són capaces de donar a llum directament. Els fardatxos de la família Scincomorpha , sovint tenen colors brillants i iridescents que pareixen humits. Però com la resta dels fardatxos, tenen la pell seca, preferint generalment evitar l'aigua (encara que tots els fardatxos poden nadar si és necessari). Taxonomia [ modifica ] Subordre Lacertilia †Família Bavarisauridae †Família Eichstaettisauridae Infraordre Iguania †Família Arretosauridae †Família Euposauridae Família Corytophanidae Família Iguanidae Família Phrynosomatidae Família Polychrotidae Família Leiosauridae Família Tropiduridae Família Liolaemidae Família Leiocephalidae Família Crotaphytidae Família Opluridae Família Hoplocercidae †Família Priscagamidae †Família Isodontosauridae Família Agamidae Família Chamaeleonidae : Brookesia micra Infraordre Gekkota Família Gekkonidae Família Pygopodidae Família Dibamidae Infraordre Scincomorpha †Família Paramacellodidae †Família Slavoiidae Família Scincidae Família Cordylidae Família Gerrhosauridae Família Xantusiidae Família Lacertidae †Família Mongolochamopidae †Família Adamisauridae Família Teiidae Família Gymnophthalmidae Infraordre Diploglossa Família Anguidae Família Anniellidae Família Xenosauridae Infraordre Platynota Família Varanidae Família Lanthanotidae Família Helodermatidae †Família Mosasauridae Referències [ modifica ] ↑ « llangardaix ». L'Enciclopèdia.cat . Barcelona: Grup Enciclopèdia Catalana . [Consulta: 5 febrer 2013]. Enllaços externs [ modifica ] A Wikimedia Commons hi ha contingut multimèdia relatiu a: Lacertilis The TIGR reptile database (anglès) Bases de dades taxonòmiques EOL Fauna Europaea ITIS NCBI Paleodb WoRMS Registres d'autoritat GND : 4013473-8 NDL : 00577367 Bases d'informació GEC : 0119802 Obtingut de « https://ca.wikipedia.org/w/index.php?title=Lacertilis&oldid=19112674 » Categoria : Llangardaixos Categories ocultes : Articles amb infotaules sense dades en local Pàgines amb enllaç commonscat des de Wikidata Control de bases de dades taxonòmiques Control d'autoritats Menú de navegació Eines personals Sense sessió iniciada Discussió per aquest IP Contribucions Crea un compte Inicia la sessió Espais de noms Pàgina Discussió Variants Vistes Mostra Modifica Mostra l’historial Més Cerca Navegació Portada Article a l'atzar Articles de qualitat Comunitat Portal viquipedista Canvis recents La taverna Contacte Xat Donatius Ajuda Eines Què hi enllaça Canvis relacionats Pàgines especials Enllaç permanent Informació de la pàgina Element a Wikidata Citau aquest article Imprimeix/exporta Crear un llibre Baixa com a PDF Versió per a impressora En altres projectes Commons Viquiespècies En altres idiomes Afrikaans አማርኛ العربية Asturianu Aymar aru تۆرکجه Башҡортса Žemaitėška Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български བོད་ཡིག Bosanski Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄ ᏣᎳᎩ کوردی Čeština Чӑвашла Cymraeg Dansk Deutsch Ελληνικά Emiliàn e rumagnòl English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Føroyskt Français Gaeilge Galego Avañe'ẽ 客家語/Hak-kâ-ngî עברית हिन्दी Hrvatski Kreyòl ayisyen Magyar Հայերեն Bahasa Indonesia Ido Íslenska Italiano 日本語 Basa Jawa ქართული Qaraqalpaqsha Қазақша ಕನ್ನಡ 한국어 Kurdî Кыргызча Latina Лезги Limburgs Lietuvių Latviešu Македонски മലയാളം मराठी Кырык мары Bahasa Melayu Эрзянь مازِرونی Nāhuatl Nedersaksies नेपाली नेपाल भाषा Nederlands Norsk nynorsk Norsk Diné bizaad Occitan Ирон ਪੰਜਾਬੀ Polski پنجابی پښتو Português Runa Simi Română Русский Sardu Sicilianu Scots Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenčina Slovenščina ChiShona Shqip Српски / srpski Svenska Kiswahili Ślůnski தமிழ் తెలుగు Тоҷикӣ ไทย Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Tiếng Việt West-Vlams Walon 中文 Bân-lâm-gú 粵語 Modifica els enllaços La pàgina va ser modificada per darrera vegada el 2 nov 2017 a les 20:56. El text està disponible sota la Llicència de Creative Commons Reconeixement i Compartir-Igual . es poden aplicar termes addicionals. Vegeu les Condicions d'ús . Wikipedia® (Viquipèdia™) és una marca registrada de Wikimedia Foundation, Inc . Política de privadesa Quant al projecte Viquipèdia Renúncies Desenvolupadors Declaració de cookies Versió per a mòbils



http://castelosmedievais.blogspot.com/p/360.html
  Castelos medievais: 360º skip to main | skip to sidebar INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA Cavalaria Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções Progresso Técnica CLASSES SOCIAIS Classes ... Literatura Simbolismo Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra ... a proprietária era cúmplice de vários ideólogos anti-cristãos. A família Menier, famosa pelos seus ... retratos da família e alguns objetos da Marquesa. Roquetaillade Palácio em Mazères, na Gironda. É ... da mesma família desde há 700 anos. A primeira menção a uma fortificação em Roquetaillade é de 778 ... provar o vinho. Os sem-vergonhas revolucionários acabaram desistindo. Cerca de 1850 a família CACHE

Castelos medievais: 360º skip to main | skip to sidebar INICIO GLÓRIA ESPAÑOL CLUNY SANTA JOANA D'ARC TEMAS CANÇÕES DE GESTA Canções de gesta Gesta Dei per francos CAVALARIA Cavalaria Ordens de Cavalaria Templários CIVILIZAÇÃO CRISTÃ Carlos Magno Civilização Cristã Cristandade Cruzadas Blog As Cruzadas França CIÊNCIA Arquitetura Astronomia Ciências Invenções Progresso Técnica CLASSES SOCIAIS Classes sociais Clero Papas Reis Nobreza Feudalismo Escravidão Trabalho Vassalagem CULTURA Arte Cultura Literatura Simbolismo Direito ECONOMIA Agricultura Agricultura Economia Impostos Família Guerra História IGREJA Igreja Educação Universidade Hospital Inquisição Mosteiros Nossa Senhora Paz União Igreja-Estado APRESENTAÇÕES AULAS CODEX (diversos) GREGORIANO GREGORIANO (MP3) MÚSICA NATAL VIDEOS 360º Blog Idade Média CASTELOS CERIMÔNIAS MUSICA POWERPOINTS VIDEOS VIDEOS da França 360º CATEDRAIS ABADIAS MÚSICA ÓRGÃO SINOS VIDEOS (só França) VIDEOS (menos França) VITRAIS 360º 360º só França CIDADE VIDEOS MÚSICAS 360º CONTOS CANTIGAS VIDEOS CRUZADAS APOLOGIA O ISLÃ segundo Papas e santos Balduíno IV CANÇÃO DE ROLAND GESTA DEI PER FRANCOS MUSICA VIDEOS 360º PAPAS Beato URBANO II Carta de Instrução 'Popolo dei Franchi' Sermão em Clermont-Ferrand Outro testemunho PIO II Pascoal II São Gregório VII São Pio V João VIII Inocêncio III SANTOS São Bernardo A franceses e bávaros Sermão Elogio dos Templários São Francisco de Assis Mansidão e força Diante do Sultão Exemplo pessoal O Direito de Cruzada São Luís IX Retrato pelo príncipe de Joinville São Luís e o mameluco Morte na IX Cruzada Santa Teresinha Beato Marco d'Aviano HERÓIS Balduíno IV Carlos Magno Godofredo de Bouillon Santa Joana d'Arc Santa Clotilde Ricardo Coração de Leão São Luís IX, rei São Nuno Álvares Pereira VIDEOS ORAÇÕES CANTICOS NATAL Semana Santa e Páscoa VIA SACRA VIDEOS Nossa Senhora Milagres Corpus Christi São Bernardo São Fernando SIMBOLOS RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Chenonceaux O castelo também é conhecido como Castelo das Sete Damas e fica na região do rio Loire, a sul de Chambord. O primeiro castelo foi construído no local de um antigo moinho sobre o rio Cher no século XI. O edifício original foi incendiado em 1411. Thomas Bohier, Camareiro do Rei Carlos VIII de França, só conservou a torre de menagem quando fez uma residência inteiramente nova entre 1515 e 1521. Chenonceaux hospedou a nobreza francesa, incluindo o rei Francisco I de França. Mas o filho entregou-o em pagamento de dívidas ao mesmo. Diane de Poitiers, favorita do rei Henrique II, mandou construir a ponte arcada, juntando o palácio à margem oposta. Em 1560, as primeiras exibições de fogo de artifício alguma vez vistas em França tiveram lugar em Chenonceaux, na celebração da ascensão de Francisco II ao trono. O castelo só não foi destruído pela Revolução Francesa porque era essencial enquanto ponte e a proprietária era cúmplice de vários ideólogos anti-cristãos. A família Menier, famosa pelos seus chocolates, comprou o palácio no século XX, restaurando-o e mantendo a posse. MAIS Carcassonne Suas origens remotas vêm dos tempos dos Celtas, Galo-romanos e Visigodos. Na Idade Média foi construído o imponente conjunto de fortificações, com dupla linha de muralhas, que representa o ápice da engenharia militar do século XIII. O traçado irregular das ruas estreitas contrasta com a magnificência das muralhas. O atual castelo foi construído por ordem de São Luís IX e é guarnecido por 59 torres e barbacãs, poternas e portas. Foi restaurado no século XIX por Violet-le-Duc. Rochers-Sévigné Antiga residência bretã da Madame de Sévigné, é um palácio rural gótico do século XV, nas proximidades de Vitré. Possui uma capela octogonal, construída pela Marquesa em 1671, cavalariças e uma ala de serviço acrescentada no século XVIII. O jardim à francesa foi criado em 1689 e restaurado em 1982. Madame de Sévigné, possuidora de vários domínios, permaneceu por longos periodos no Château des Rochers. Nesta propriedade escreveu um grande número das famosas cartas endereçadas à sua filha. A propriedade ainda pertence aos descendentes distantes dos Sévigné. Pode visitar-se a capela e um parte do palácio, onde há retratos da família e alguns objetos da Marquesa. Roquetaillade Palácio em Mazères, na Gironda. É formado por duas fortificações, uma do século XI e outra do século XIV. O castelo encontra-se na posse da mesma família desde há 700 anos. A primeira menção a uma fortificação em Roquetaillade é de 778. Carlos Magno, a caminho dos Pirinéus reagrupou seu exército em Roquetaillade e construiu o primeiro monte castrejo fortificado, em madeira. Em 1306, o Cardeal de la Mothe, sobrinho do Papa Clemente V, construiu uma segunda fortaleza: o Château “Neuf” de Roquetaillade, de planta quadrada com cinco torres e uma torre de menagem central. O castelo nada sofreu durante a Guerra dos Cem Anos e nas guerras de religião. Só na Revolução Francesa torpes bandos vindos de Bordéus tentaram demoli-lo. O Marquês de Lansac acolheu-os no lugar, dobrou o seu soldo e convidou-os a descer à cave do palácio para provar o vinho. Os sem-vergonhas revolucionários acabaram desistindo. Cerca de 1850 a família proprietária recorreu ao mais célebre arquiteto francês, Viollet-le-Duc que passou 20 anos para restaurar o palácio e a decoração interior, única na França. Suze-la-Rousse Castelo forte feudal do século XI e residência senhorial renascentista do século XVI, no Drôme. Actualmente abriga uma “Universidade do Vinho”, entidade privada dedicada ao ensino da enologia. O lugar foi ocupado desde a época galo-romana. Em 793, o Imperador Carlos Magno doou as terras a seu primo Guillaume de Gellone (Guillaume au court nez). Bertrand I des Baux mandou contruir um castelo forte militar incrustado na rocha ocre, dotado de gigantescas muralhas, profundos fossos, ponte levadiça, ameias e de um poço de 34 metros. Em 1551, o Bispo de Orange mandou construir um notável pátio de honra renascentista. Nos séculos XVI, XVII e XVIII, a família de Baume-Suze embelezou o castelo de forma sumptuosa. Porém, durante a Revolução Francesa o castelo foi torpemente saqueado. Os nobres herdeiros legaram o castelo a uma associação caritativa, a Fundação dos Orphelins Apprentis d’Auteuil. Talcy No Vale do Loire, foi encomendado em 1520 por Bernardo Salviati, banqueiro florentino ligado com a família Médici. No castelo existe a “chambre de la Médicis”, onde Catarina de Medici e o seu filho Carlos IX planearam o Massacre do dia de São Bartolomeu, a 28 e 29 de Junho de 1572, que significou um forte freio ao incêndio huguenote. Langeais Ergue-se sobre um promontório na abertura do Vale do Loire. Foi uma fortaleza do século X obra de Foulques Nerra de Anjou. O castelo foi expandido por Ricardo I de Inglaterra. Filipe II da França recuperou o castelo em 1206 até que na Guerra dos Cem Anos foi destruído. Luís XI reconstruiu um dos melhores exemplos da arquitetura medieval tardia com suas monumentais e altamente decoradas chaminés. No interior as salas são ricamente decoradas. No grande salão do castelo celebrou-se o casamento de Ana da Bretanha com Carlos VIII em 6 de dezembro de 1491 que fez a união permanente da Bretanha e da França. Em 1886 iniciou-se sua restauração. O castelo pertence ao Instituto de França. MAIS Beaumaris Castle Em País de Gales, foi construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra para conquistar o norte de Gales. Começado em 1295 nunca foi concluído. O castelo tem uma doca de maré, permitindo-lhe ser abastecido diretamente pelo mar e é rodeado por um fosso cheio de água. As defesas incluem numerosas seteiras engenhosamente situadas e as entradas são protegidas por “buracos assassinos”, a partir dos quais podiam ser derramadas substâncias como óleo quente sobre as forças inimigas. Os atacantes do Beaumaris Castle teriam encontrado 14 obstáculos separados e quatro linhas de fortificação resultantes de “paredes dentro de paredes”. No século XIV as muralhas exteriores foram ameadas. Beaumaris não sofreu uma destruição deliberada durante a Guerra Civil Inglesa. Chantilly No Norte da França, Chantilly compreende dois edifícios principais: o Grand Château e o Petit Château. Louis-Sébastien Mercier escreveu: “Nunca encontrei nada comparável a Chantilly nos arredores da capital. (...) Trinta viagens neste lugar encantado não diminuíram a minha admiração. É o melhor casamento feito entre a arte e a natureza”. O atual palácio ocupa o lugar de um feérico castelo medieval. As grandes cavalariças são uma obra prima e abrigam o Museu vivo do cavalo . Os jardins são uma das mais notáveis criações de André Le Nôtre. O palácio foi destruído durante a criminosa Revolução Francesa e reconstruído a partir de 1870. MAIS Ele emprestou seu nome ao famoso creme chantilly nele inventado. Glamis Palácio em Angus, leste da Escócia. Pertencente à família Bowes-Lyon, um dos mais antigos clãs da nobreza escocesa, é a residência desde 1372 do Conde e da Condessa de Strathmore. A Rainha Mãe nasceu neste castelo e passou ali a sua infância. A sua segunda filha, a Princesa Margarida, também nasceu em Glamis. Uma imagem do castelo está estampada no reverso da nota de dez libras esterlinas. O castelo aparece freqüentemente associado a lendas. De acordo com a tradição local, possui mais segredos obscuros que qualquer outro castelo na Escócia. Nele o rei Malcolm II da Escócia foi assassinado. Na famosa peça de teatro de William Shakespeare, Macbeth residia no castelo. Eu O condado de Eu foi criado em 996 por Ricardo, neto de Rolando, para defender a Normandia. Em 1180, São Laurent O'Toole, arcebispo de Dublin e legado do Papa, ali faleceu. Em 1430, durante a Guerra dos Cem Anos, Joana d'Arc, aprisionada em Compiègne pelos ingleses e conduzida a Ruão, passou por Eu, onde passou a noite. No final do século XVI, o duque Henrique I de Guise iniciou a construção de um novo e vasto castelo. No século XVII, foi residência da famosa Grande Mademoiselle, duquesa de Montpensier e prima de Luís XIV. A Grande Mademoiselle enriqueceu-o e decorou-o. No século XIX, passou aos duques de Orléans que o restauraram. Foi residência da Família Imperial Brasileira no exílio. Gastão de Orleans, Conde d'Eu, residiu em Eu com a princesa Isabel do Brasil, e três filhos. Os seus descendentes residiram no castelo até 1945. Na década de 1940, os Orleans e Bragança venderam o castelo a Assis Chateaubriand. Em 1961 foi adquirido pelo governo francês. Abriga o Museu Luís Filipe que guarda também peças da Família Imperial Brasileira. Loches No Vale do Loire em França, construído no século IX cerca de 500 metros acima do rio Indre. Concebido por Henrique II de Inglaterra e o seu filho, Ricardo Coração de Leão durante o século XII, foi capturado pelo Rei Filipe II em 1205 que o transformou numa grande fortaleza militar. Foi residência favorita de Carlos VII de França. Durante a Revolução Americana, a França que lutou contra a Inglaterra utilizou o castelo como prisão para os ingleses. O tufão do ódio anti-monárquico da Revolução Francesa saqueou-o e danificou-o severamente. Ainda hoje há partes visíveis apenas como ruínas malgrado as restaurações. Ussé Palácio do Loire em posição dominante sobre o rio Indre, foi erguido em 1642 como fortaleza. Ele inspirou Charles Perrault (1628-1703) a escrever o famoso conto A Bela Adormecida . A primeira edificação remonta ao século XI, quando o senhor normando de Ussé, Gueldin de Saumur, fez construir uma fortificação. No século XV, foi adquirido por Jean V de Bueil, capitão-geral de Carlos VII de França que começou a reconstrução na década de 1460. Após trocar muitas vezes de dono, o palácio passou para os Rohan. Chateaubriand trabalhou aqui nas suas Mémoires d'Outre-Tombe . Deve-se à condessa de la Rochejacquelin os últimos grandes acrescentos ao conjunto. Pertence aos descendentes do Conde de Blacas, sobrinho da condessa. Quéribus Na região de Languedoc-Roussillon, na França. Último baluarte cátaro conquistado pelos cruzados em 1255. Queribus é um do “cinco filhos de Carcassonne”, junto com Aguilar, Peyrepertuse, Termes e Puilaurens: cinco fortes estrategicamente erguidos para defender a fronteira francesa contra a Espanha. Guimarães Na freguesia de Oliveira do Castelo, Distrito de Braga, Portugal. O castelo está ligado à fundação do Condado Portucalense e à independência de Portugal, sendo berço da nacionalidade. Na Reconquista, os domínios de Vimaranes foram outorgados, em fins do século IX, ao cavaleiro Diogo Fernandes. Uma de suas filhas, Mumadona Dias, fundou um mosteiro. Para protegê-lo dos muçulmanos e normandos a benfeitora principiou um castelo no topo do Monte Largo em dezembro de 958. O conde D. Henrique (1095-1112) fez do castelo sua residência erguendo a Torre de Menagem e ampliando o recinto defensivo. Ali D. Afonso Henriques (1112-1185), resistiu em 1127, ao assédio do rei Afonso VII de Leão e Castela. No vizinho campo de São Mamede, D. Afonso Henriques livrou a célebre batalha onde nasceu a nacionalidade portuguesa (24 de Junho de 1128). Entre os séculos XII e XIV o castelo foi aperfeiçoado, sendo testemunha de memoráveis fatos históricos. Os séculos XVI e XVII, insensíveis ao simbolismo do castelo, fizeram dele uma cadeia municipal e um palheiro, caindo em ruínas. Em 1836, foi salvo da demolição que usaria suas pedras para ladrilhar as ruas de Guimarães. A partir de 1937 é objeto de restaurações. Bem conservado, está aberto à visitação. MAIS . MAIS . e MAIS ainda Peyrepertuse Impressionante “ninho de águia”, na região de Languedoc-Roussillon, na França, vigiava os vales circundantes e controlava os desfiladeiros podendo se comunicar-se por sinais com o castelo de Quéribus, um pouco mais ao Sul. O local foi ocupado pelos Romanos no século I a.C. As primeiras referências medievais são do ano de 806, quando ele pertencia à Catalunha. O castelo integrou o condado de Barcelona, e depois o viscondado de Narbona. Pelo Tratado de Corbeil em 1258 o Languedoc ficou com a França. Na época da Cruzada contra os heréticos albigenses pertenceu a Guillaume de Peyrepertuse, excomungado em 1224. Ele se submeteu após o cerco de Carcassonne. São Luís reforçou o castelo em 1242, acrescentando-lhe o “torreão de San-Jordy”. O conjunto era uma das fortalezas reais ‒ os “cinco filhos de Carcassonne” ‒ que defendiam a fronteira francesa. Na época da Revolução Francesa foi abandonado, caindo em ruínas. Lourdes Na região do Midi-Pyrénées, na cidade de Lourdes, Sudoeste da França. Ocupa posição estratégica à entrada dos sete vales do Lavedan, perto da atual fronteira com a Espanha. O conjunto é anterior a 778, quando foi tomado por Carlos Magno. Tornou-se a residência dos condes de Bigorre nos séculos XI e XII. No século XIII passou para os condes de Champagne e, depois para a Coroa Francesa durante o reinado de Filipe, o Belo. Foi cedido à Inglaterra em 1360, mas voltou aos domínios da França no século XV. No século XVII, virou prisão real e, após os crimes da Revolução Francesa, prisão do Estado. Abriga o Musée Pyrénéen, o maior e mais importante da região, que apresenta aspectos da arte e da vida cotidiana popular, desde a culinária local à indumentária. Amboise Construído num promontório com vista para o Loire, substituído na Idade Média por uma ponte, no século XI, Fulques III o Negro, Conde de Anjou, reconstruíu a fortaleza. Em 1434, o edifício foi adicionado por Carlos VII aos bens da Coroa, depois do seu proprietário, Louis d'Amboise, ter sido acusado de conspiração e executado em 1431. O castelo foi um dos favoritos dos reis franceses. Carlos VIII, que aqui nasceu e faleceu, fez extensas reconstruções no estilo do gótico flamboyant francês tardio. Depois de 1495 empregou mestres pedreiros italianos, Domenico da Cortona e Fra Giocondo, que aplicaram alguns dos primeiros motivos decorativos renascentistas. Montségur Na região do Midi-Pyrénées na França. A 1.207 metros acima do nível do mar ficou célebre pois na montanha houve uma aldeia fortificada onde foi esmagada a fanática heresia cátara em 1244. Em 1215, o Quarto Concílio de Latrão denunciou a fortificação cátara como reduto de heréticos. Entre 1243 e 1244, Hugues d’Arcis, senescal de Carcassonne e o arcebispo de Narbonne, conduziram a cruzada, e após audaciosa escalada noturna puseram fim ao ninho de subversão e imoralidade. Os cátaros que não abjuraram seus erros pereceram na fogueira. O castelo atual é obra do Marechal da Fé Guy II duque de Lévis que desejava a nunca mais os heréticos abusassem do local. No século XVII, perdida a sua função estratégica, mergulhou em ruínas. Mas nos séculos XIX e XX procedeu-se à sua restauração. Montsoreau Construído em 1455 por Jean de Chambes, conselheiro de Carlos VII na margem do rio Loire, controlava o tráfego entre os rios Chinon e Saumur. No século XIX o castelo estava abandonado e em ruínas, sendo hoje objeto de extensas obras de renovação. Vitré Em Vitré, Bretanha, o primeiro castelo em pedra foi construído pelo Barão Robert I de Vitré no final do século XI substituindo um castelo em madeira de cerca do ano 1000. No século XIII, o Barão André III deu-lhe a sua forma atual. Nos séculos XV e XVI prevaleceu a procura do conforto e reformas em estilo renascentista. O Parlamento da Bretanha refugiou-se no edifício em três ocasiões (1564, 1582 e 1583) por ocasião de epidemias de peste. Entre 1547 e 1605, Vitré tornou-se bastião huguenote. Em 1605, o castelo passou para a família católica de La Trémoille. Ficou abandonado no século XVII. Após a barbárie da Revolução Francesa, a residência senhorial virou prisão e, depois, quartel. Em 1875 iniciou-se a restauração. Atualmente, a câmara municipal de Vitré funciona no recinto e a praça do castelo tornou-se republicano estacionamento. MAIS Trécesson Palácio fortificado que conservou seu aspecto medieval. É um dos mais impressionantes da Bretanha. Seus admiráveis muros em argila avermelhada refletem-se nas águas do fosso. É uma propriedade privada. Acede-se por uma ponte. A entrada é comandada por importante casteleto flanqueado por duas torres estreitas com sacadas reunidas por uma antiga galeria. A origem remonta à noite dos tempos. Era mencionado como domicílio dos senhores de Ploërmel e Campénéac desde o século VIII. A família de Trécesson existe desde o século XIII. A tradição atribui a construção ao final do século XIV. O castelo foi herdado pela condessa de Prunelé que habita atualmente nele. Castelos em seu email RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Troussay É um dos menores castelos do Vale do Loire. A primeira pedra da mansão foi colocada por volta de 1450, quando Robert de Bugy, escudeiro do rei Francisco I da França, era o senhor feudal. No século XVII, o domínio foi equipado com áreas comuns e duas alas, enquanto um magnífico jardim formal foi estabelecido. O castelo pertence à família dos proprietários do castelo de Cheverny. Caernarfon Castle Construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra em 1283, em posição dominante sobre as margens do rio Seiont. Tinha sido o sítio dum forte romano e, mais tarde, dum castelo do tipo madera construido cerca de 1090 por Hugh d'Avranches. Eduardo II de Inglaterra nasceu aqui em 1284. Em 1646, durante a Guerra Civil Inglesa, a sua guarnição Realista rendeu-se às forças protestantes republicanas. A tradição de investir o herdeiro do monarca britânico no castelo com o título de Príncipe de Gales começou em 1301 e foi repetido em 1969, com a investidura de Carlos, Príncipe de Gales. Hoje aloja o Museu dos Fuzileiros Reais Galeses. Conway Castle Na costa norte do País de Gales, Reino Unido. Foi construído entre 1283 e 1289, durante a segunda campanha do rei Eduardo I de Inglaterra no Norte de Gales. Conway assemelha-se a um castelo concêntrico, mas é uma fortificação linear construída num promontório rochoso. Isto destinava-se a prevenir uma minagem subterrânea e guardar a entrada para o Rio Conway. O acesso ao castelo era feito, originalmente, por uma rampa com degraus através duma ponte levadiça, por uma portaria com grade e pela barbacã. Então, quem entrava virava à esquerda, através da portaria principal, para o pátio interior. Este continha os principais aposentos habitacionais para a guarnição e a torre prisão. Uma muralha e portaria com uma enfiada de seteiras defendia o pátio interior. Esta parte continha o aquecido Apartamento Real e o Grande Hall. Na parte de trás do castelo existia outra barbacã guardando o lado do rio. No século XIII, foi construída uma torre de vigia. Em 1403, forças galesas capturaram o castelo e a guarnição inglesa mas foram resgatados pelo rei Henrique IV de Inglaterra. No início do século XVII, o, em tempos, grande Castelo Real estava degradado. Em 1646 foi destruído deliberadamente pelo exército Parlamentarista e deixado como uma concha vazia. Vaux-le-Vicomte Foi construído em estilo Barroco entre 1658 e 1661, próximo de Melun, pelo superintendente das Finanças de Luís XIV, Nicolas Fouquet. Nele trabalharam os grandes artistas que depois fizeram Versailles Em 17 de Agosto de 1661, Fouquet recebeu o Rei e toda a Corte para uma festa grandiosa de 3 000 pessoas. Luis XIV considerou-o demasiado poderoso e ambicioso e por isso fez D'Artagnan prendê-lo algumas semanas depois desta festa. Fouquet foi condenado a 15 anos de prisão na fortaleza de Pinerolo, na Itália, onde morreu em 1680. Atualmente é a maior propriedade privada com o título de Monumento Histórico na França. MAIS Rochester Castle Na margem Rio Medway, em Rochester, Kent. É um dos mais bem preservados castelos no Reino Unido. Houve uma praça forte nos tempos romanos (cerca do ano 43). A torre de menagem e o castelo normando atual remontam ao ano 1127. O primeiro castelo normando de Rochester foi provavelmente uma torre de madeira com paliçadas. O Bispo Gundulf construiu o castelo de pedra. Gundulf fez a Catedral Normanda de Rochester em 1080, e a Torre Branca da Torre de Londres. O arcebispo da Cantuária, Guilherme de Corbeil começou a construir a grande torre de menagem de pedra em 1127. É a mais alta da Inglaterra e dominou a travessia do rio nos últimos 800 anos. Teatro de muitos enfrentamentos medievais. No século XV foi poupado pela Guerra das Rosas. Hoje Rochester está ligado ao vizinho estaleiro naval de Chatham que fabrica submarinos. Angers Houve uma primeira fortaleza de Angers sobre o rio Maine construída pelos Romanos. No século IX, passou para o Conde de Anjou, tornando-se parte dos feudos dos reis de Inglaterra no século XII. No século XIII, um novo e enorme castelo foi construído pelo rei São Luís IX. A cerca de 600 metros de altura, e protegida por dezassete maciças torres, as muralhas do castelo englobam 25.000 m². Luís II e Iolanda de Aragão adicionaram uma Capela (1405-12) e apartamentos reais. A capela é consagrada a uma lasca da Vera Cruz. VER No início do século XV, o infeliz delfim que depois tornar-se-ia Carlos VII com a ajuda de Joana d'Arc, fugiu de Paris se refugiando em Angers. FOTOS interior Em 1562, Catarina de Medici tinha restaurado a poderosa fortaleza, mas, o seu filho, Henrique III, reduziu a altura das torres e despiu os muros dos seus reforços. Barroux Remonta a um castelo erguido, no século XII, em posição dominante sobre um pico rochoso, vizinha ao qual se desenvolveu a povoação. No século XIV, o castelo foi transformado em uma magnífica fortaleza. No século XVIII, foi abandonado, caindo em ruínas. No início do século XX, uma família adquiriu as ruínas e promoveu a restauração às suas próprias expensas. Na Segunda Guerra Mundial foi incendiado por tropas alemãs. Mas a mesma família restaurou-o na década de 1960. Bayard Originalmente foi uma fortificação. Na era feudal, somente os Cavaleiros podiam possuir um castelo. Pierre Terrail, bisavô do famoso cavaleiro Bayard, foi o vice-senhor do senhorio de Avallon e empreendeu a construção em 1404. Os membros da família Bayard passaram uma boa parte da sua vida a combater ao serviço do Rei de França. Pierre III Terrail, o célebre cavaleiro Bayard ali nasceu e foi criado. MAIS Por matrimônio, o castelo ficou com a família de Noinvilles (1735). Louis-Alphonse de Noinville, emigrante sob a Revolução Francesa, foi o último Senhor de Bayard. Os seus bens foram ilicitamente apreendidos e vendidos em 1795 pelos revolucionários “democráticos”. O castelo ficou em ruínas por longo tempo. As pedras chegaram a ser usadas como material de construção. As ruínas causadas pela Revolução Francesa foram restauradas por famílias proprietárias. Beynes Junto ao Rio Mauldre, na região da Île-de-France, o primeiro castelo, com fosso e muralha, foi construído no século XI. O rio servia como linha de defesa ocidental do domínio Real, contra a Normandia. Foi tomado pelos ingleses na Guerra dos Cem Anos. Cerca de 1450, Robert d'Estouteville transformou-o numa residência confortável, desmantelando a torre de menagem e adaptando as fortificações para a artilharia incipiente. Beynes foi totalmente abandonado durante o bárbaro “século das Luzes” (XVIII) e foi usado como um filão de pedra para construções na aldeia. Blois No Vale do rio Loire, Blois foi residência de vários Reis da França. Também nele o arcebispo de Reims abençoou Joana d'Arc, em 1429, antes de esta partir combater os ingleses. Erguido no centro da cidade, compreende vários edifícios construídos entre o século XIII e o século XVII. A sua mais famosa peça de arquitectura é a magnífica escadaria em espiral, na ala de Francisco I. O castelo medieval foi capital política durante o reinado de Luís XII. No início do século XVI, o soberano iniciou a criação de um jardim Renascentista. Uma ala, feita em tijolo encarnado e pedra cinzenta, constitui a entrada principal do palácio. Seu estilo é essencialmente gótico, mas existem elementos Renascentistas. Francisco I fê-lo mobilar e iniciou uma nova ala. Criou no palácio uma das mais importantes bibliotecas da época que foi a semente da “Bibliothèque Nationale”. MAIS . e MAIS Bonaguil Na fronteira entre o Périgord e o Quercy, na Idade Média, Bonaguil foi sede de uma das quatro baronias do Périgord. Ele é um dos últimos exemplares de castelos-fortes no país. A sua construção foi iniciada no século XIII, sendo inteiramente reformado no final do século XV pelo barão Bérenger de Roquefeuil. Tem uma superfície de 7.500 m², e é um verdadeiro catálogo das técnicas de fortificação medievais inclusive para resistir à artilharia. No Renascimento, as grandes famílias seguindo o exemplo do Rei começaram a construir palácios agradáveis e deixaram as fortificações medievais para a pequena e média aristocracia. Bonaguil encontra-se num notável estado de conservação. Nunca sofreu ataques e foi habitado até a Revolução Francesa. Brie-comte-Robert O castelo de Brie-Comte-Robert, na Île-de-France, foi erigido no final do século XII, quando Robert I de Dreux, era senhor de Brie. Em 1254 passou para a família de Châtillon. O castelo tornou-se uma residência de prestígio. Aqui teve lugar, em 1349, o casamento de Filipe VI de França com Branca d'Évreux-Navarre. Ao final do século XIV, o castelo e seus domínios retornaram à Casa d'Orleães. A partir de Francisco I e Catarina de Médicis, o castelo e seus domínios foram confiados pelo soberano a alguns dos seus validos, muitos dos quais senhores italianos que deixaram o imóvel degradar-se. Em 1750, Germain-Louis de Chauvelin, senhor do castelo, cheio do espírito das Luzes demoliu as torres e as cortinas. O duque de Penthièvre e sua filha, duquesa d'Orléans, foram os seus últimos senhores. Na Revolução francesa, o edifício foi prisão. Caen Construído cerca de 1060 por Guilherme o Conquistador rei da Inglaterra. Num célebre Natal em 1182 reuniram-se no castelo Henrique II de Inglaterra e os seus filhos, Ricardo Coração de Leão e João Sem Terra, e mais de mil cavaleiros. O castelo, juntamente com toda a Normandia, foi integrado na Coroa Francesa em 1204. O castelo assistiu a vários episódios da Guerra dos Cem Anos. O feroz ódio contra a história católica da Revolução Francesa demoliu a torre de menagem em 1793, como símbolo do passado hierárquico. O castelo foi bombardeado em 1944 e seriamente danificado. 360º Nantes, castelo dos duques de Bretanha, França Carcassonne, Languedoc-Roussillon, França Carcassonne, pátio interior, Languedoc-Roussillon, França Carcassonne, noturna, Languedoc-Roussillon, França Brézé, Loire, França Château de Brézé Bouvet Ladubay, Loire, França Pierre-de-Bresse, Borgonha, França Monte Saint-Michel, Normandia, França Vincennes, Paris Vincennes, Paris Conciergerie, Palais de Justice, Paris Castelo de Lourdes, capela Merseburg, Alemanha Marienburg, Alemanha Marienburg, Alemanha Marienburg na neve, Alemanha Neuschwanstein, Baviera, Alemanha Neuschwanstein, Baviera, Alemanha Hellenstein, Baden-Wuerttemberg, Alemanha Mespelbrunn, Baviera, Alemanha Hohenschwangau, Alemanha Greillenstein, Áustria Hunyad, Transilvânia, Romênia Windsor, Inglaterra Capela do castelo de Sudley, Inglaterra Hunyad, Transilvânia, Romênia Las Aguzaderas, Espanha Castelo de Golubac, Sérbia Castelejo, Lisboa, Portugal Castelo dos duques de Pomerânia, Alemanha GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS 3 comentários Share | 3 comentários: Irene Caleffi, Amparo/S.P. 20 de setembro de 2012 22:50 Prezado Sr.Luiz Dufaur Estou adorando receber Castelos e Catedrais Medievais, ainda mais em 360°,que maravilha! Muito obrigado. Responder Excluir monica campos correa 22 de novembro de 2012 20:53 Ótimo!Estou mostrando para meus alunos durante a aula! Parabéns pela criatividade! Responder Excluir monica campos correa 22 de novembro de 2012 20:54 Parabéns!Estou mostrando para meus alunos! Responder Excluir Adicionar comentário Carregar mais... Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa. Página inicial Assinar: Postagens (Atom) Outras formas de visualizar o blog: Eu gosto de Castelos Medievais Pesquisar este blog Carregando... Pierrefonds, Ile-de-France LINKS Exeter Catedral de Exeter Carregando... Carregando... Receba gratuitamente RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Lichtenstein Também conhecido como “Castelo do Conto de Fadas”, localiza-se próximo de Honau, em Baden-Württemberg, Alemanha. Remonta a cerca de 1200. A fortificação medieval dos senhores de Lichtenstein foi por duas vezes destruída durante a Guerra do Império. Em 1802 as ruínas passaram para o rei Friedrich I de Württemberg que fez erguir um pavilhão de caça. O atual castelo surgiu entre os anos de 1840 e 1842 obra de Wilhelm I, duque de Urach, conde de Württemberg. O estilo é neo-gótico. Os duques de Urach conservam sempre a propriedade. Hohenzollern Palácio fortificado da Alemanha entre as cidades de Hechingen e Bisingen. Foi residência dos Condes suabos a partir do século XI. O primeiro castelo do século XI em 15 de Maio de 1423 foi completamente destruído pela pela União das Cidades Imperiais. O segundo castelo iniciado pelo Conde Jos Niklas de Zollern foi concluído em 1461. Na Guerra dos Trinta Anos, serviu de refúgio à família Hohenzollern. No século XVIII foi ocupado por tropas francesas e austríacas. No início do século XIX estava em ruínas. só ficando hoje a Capela de São Miguel. O terceiro castelo é o atual.O futuro Rei Frederico Guilherme IV, iniciou a construção em 1842 em estilo neogótico com uma alta ideia do castelo medieval. Em 3 de Outubro de 1867 foi inaugurado pelo rei Guilherme I. Ela pertence aos príncipes Hohenzollern, está aberto ao público e conserva excelente decoração neogótica. Marksburg Junto ao rio Reno, é o único castelo medieval do Médio Reno que nunca foi destruído. Foi construído para proteger a cidade de Braubach e reforçar as facilidades aduaneiras. Por volta de 1117-1231 foi mencionada pela primeira vez. Em 1283 o Conde Eberhard de Katzenelnbogen comprou o castelo. MAIS Katz Burg Katz localiza-se na cidade de Sankt Goarshausen, sobre o Reno. Em posição dominante, foi erguido por volta de 1371, pelo conde Wilhelm II de Katzenelnbogen. O castelo foi bombardeado em 1806 e reconstruído entre 1896 e 1898. Atualmente é propriedade privada. Marienberg No ano 704, foi construída a “igreja de Maria” no cimo de um antigo abrigo celta. A igreja ficou rodeada pela primeira fortaleza no século XIII. Em maio de 1525, durante a “guerra dos camponeses”, 8.000 protestantes enlouquecidos que assediavam o castelo foram massacrados ou cegados pelo Bispo. Os nazis lembraram do fato para se afastar da Igreja Católica. Em 1600, Julius Echter reconstruiu um palácio renascentista depredado pelo calvinista Gustavo II Adolfo da Suécia, na Guerra dos Trinta Anos. Após a Guerra foi erguida uma fortificação barroca ainda mais formidável. Marienberg foi sede aos Príncipes-Bispos de Würzburg até ao início do século XVIII. Neuschwanstein O “Castelo do Cavaleiro Cisne” é uma tentativa de fazer um castelo medieval no século XIX com espírito romântico. A concepção foi de Luís II da Baviera. E a primeira pedra foi colocada em 5 de setembro de 1869. Nas origens, no local estava o castelo de Schwanstein, sede dos cavaleiros de Schwangau, cujo emblema era o cisne. Neuschwanstein têm ngenhos a vapor e eléctricos, ventilação moderna e canalizações de aquecimento. Luís II nunca chegou a morar nele. Hoje é propriedade do estado da Baviera. MAIS e MAIS Hohenschwangau Construído sobre os restos da fortaleza Schwanstein do século XII por obra de uma família de cavaleiros. No século XVI, a fortaleza mudou de mãos várias vezes até que caiu em ruínas no século XIX. Em 1832, o Rei Maximiliano II da Baviera entusiasmado pela beleza da área, adquiriu a propriedade e iniciou a construção do atual palácio em estilo neogótico. Hohenschwangau foi a residência oficial de veraneio e de caça dos Rei da Baviera. Em 1869, Luís II iniciou a construção de Neuschwanstein depositando uma pedra de Hohenschwangau. Hoje, ele pertence a Franz, Duque da Baviera. Ussé Alcázar de Segovia O Alcázar de Segovia é um palácio fortificado em pedra, na cidade velha de Segovia, Espanha. É um dos mais distintos castelos-palácios da Espanha e tem forma de proa de um navio. Nas origens houve uma fortificação romana e depois uma islâmica. A primeira referência remonta a 1120, 32 anos depois de a cidade de Segóvia regressar a mãos cristãs. Era um forte de madeira construído sobre velhas fundações romanas. Afonso VIII ergueu o início da fortificação de pedra. Ao longo da Idade Média foi uma das residências favoritas dos monarcas de Castela e fortaleza chave na defesa do reino. A maior contribuição individual para o alcázar foi do rei João II de Castela, o qual construiu a “Torre Nova”. Em 1474 nele foi coroada Isabel como Rainha de Castela e Leão e aí casou com Fernando II de Aragão. Filipe II de Espanha adicionou os afiados pináculos de lousa para refletir os castelos da Europa Central. Quando a Corte Real mudou-se para Madrid, o alcázar teve vários destinos até ser danificado severamente por um incêndio. Em 1882 começou a ser restaurado. Em 1896, o rei Afonso XIII cedeu-o para colégio militar. Almodóvar del Rio Na província de Córdoba, Andaluzia, no caminho medieval para Sevilha. A primitiva ocupação do sítio remonta a um castro dos Iberos, posteriormente fortificado pelos romanos. A estrutura atual remonta à ocupação muçulmana, quando integrava o Emirado de Córdoba. Na época da Reconquista cristã foi tomado por São Fernando III de Leão e Castela, em 1240. Pertenceu à Ordem de Calatrava. Em 1629, Felipe IV vendeu-o a D. Francisco De Corral y Guzmán, cavaleiro da Ordem de Santiago. Entre 1903 e 1911, o seu proprietário, conde de Torralva, iniciou vasta reconstrução. Sofreu danos na Guerra Civil Espanhola. É propriedade privada aberto ao público. Barco de Ávila Palácio fortificado sobre o Rio Tormes, construído sobre um castro vetão foi destruído pelos romanos. Foi edificado no século XII e reconstruído no século XIV. Com uma superfície de 1.700 m2, a porta principal é gótica emoldurada. Das ameias e torreões domina-se todo o vale e as serras circundantes. No interior do castelo existia um pátio de armas com um bebedouro ao centro e uma galeria de arcadas e colunas românicas adornada com uma belíssima balaustrada gótica. Era habitado pelos Senhores de Valdecorneja, Condes e Duques de Alba. Para o século XVI pareceu apertado e incômodo, foi reformado e criaram-se aposentos para as damas. Os dos cavaleiros tinham vista para o Puerto de Tornavacas e estavam situados no segundo piso. Restaurado várias vezes, respeitando o seu perímetro original, devido às incontáveis batalhas que sofreu, tentativas de incêndio e bombardeamento. Belmonte No morro de San Cristóbal, na província de Cuenca. Foi mandado construir pelo marquês de Vilhena em 1456. No século XIX, Eugenia de Montijo executou grande reforma. No século XX, pertenceu às juventudes falangistas que fizeram instalações insensatas destruindo os telhados. Hoje pertence à Casa Ducal de Peñaranda, descendentes da Duquesa de Alba e se encontra em fase de reabilitação. Calatrava la Vieja Na margem esquerda do rio Guadiana, Castilla-La Mancha, Espanha. Erguido pelos muçulmanos, em plena Reconquista foi tomado por forças cristãs dos reis Afonso VIII de Castela, Pedro II de Aragão e Sancho VII de Navarra, no início do século XIII. O castelo foi doado à Ordem dos Templários. Mais tarde foi guarnecido pelos cavaleiros da Ordem de Calatrava. Coria Na província de Cáceres, Estremadura, Espanha. A primitiva ocupação do sítio remonta a uma fortificação romana. A atual estrutura é do ano 1472, e foi iniciativa do duque de Alba. Consiste em uma torre de menagem de planta pentagonal, e o chamado “castelejo”, torre menor de planta semi-circular. O conjunto é rematado por ameias e por guaritas semicirculares. Todo o perímetro é decorado com arcos e bolas. O brasão de armas do duque encontra-se nas guaritas e sobre o portão de armas. Estilo gótico tardio. É particular. Javier Em Navarra, Espanha, cerca de 52 quilômetros a leste de Pamplona. Nele nasceu e viveu São Francisco Xavier, filho dos senhores Javier. Por isso é o destino de uma concorrida peregrinação anual, em homenagem do santo padroeiro de Navarra, chamada “Javierada”. O castelo remonta a uma fortificação muçulmana do século X. Após a Reconquista cristã da região, em 1236 o castelo foi entregue por Teobaldo I de Navarra a D. Adán de Sada. Após sucessivas heranças, o castelo passou ao domínio da Casa de Villahermosa. Ao final do século XIX, seus proprietários iniciaram a restauração. Toda a família participou com fundos próprios para restaurá-lo, edificar uma Basílica e moradias para sacerdotes e casas de exercícios. Manzanares el Real A Diego Hurtado de Mendoza, almirante maior de Castela, se atribui a construção duma primeira fortaleza, embora o edifício tenha origem anterior. No século XV, Íñigo López de Mendoza finalizou as obras. Em 1566, deixou de ser habitado. Em 1914, o Ducado do Infantado procedeu a um primeiro restauro. Alguns elementos foram completamente reconstruídos, caso das salas e corredores do interior do corpo principal. Marcadores Acre (1) agricultura (1) Alemanha (17) Allègre-les-fumades (1) Almansa (2) Almourol (1) Alsácia (1) Amboise (3) Amorosa (2) André Le Notre (1) Anjou (1) Aquitania (3) Arundel (1) Aunqueospese (1) Áustria (1) Auzers (1) Avila (1) Avrilly (1) Azay-le-Rideau (2) Bannes (1) Baviera (2) Beja (1) Belgica (1) Bélgica (5) Belvís de Monroy (1) Berg (2) Berlanga del Duero (1) Blain (1) Bled (1) Blenheim Palace (1) Blois (2) Bonnétable (2) Bonneval (1) Borgonha (1) Brasil (2) Bretanha (4) Breteuil (2) Brihuega (1) Brissac (1) Bruxelas (1) Buckingham (2) Burg Eltz (2) Burg Zwingenberg (2) Burgos (1) Calatañazor (1) Califórnia (1) camponeses (1) Cantal (1) caos feudal (1) Carcassonne (2) Cardiff (2) caridade (1) Carlos Magno (1) Casa do Rei (1) Castel Valer (1) Castela (4) castelo (1) catedral (1) cavalaria (1) Challain (1) Chambord (7) Chantilly (3) Chateaubriand (1) Chaumont (3) Chaumont-sur-Loire (1) Chenonceaux (8) Cheverny (5) Chillon (2) Chimay (1) Chinon (1) classes sociais (1) Clerans (1) Coca (3) Cochem (2) Combourg (1) Compostela (1) Conciergerie (4) Consuegra (1) Cristandade (3) Crupet (1) Cruzadas (1) d'Ormesson (1) de la Brède (2) Der Haar (1) Drachenburg (1) Drumlanrig (1) Duart (1) Dunrobin (1) Edimburgo (1) Eilean Donan (1) Elisabeth II (1) Esclimont (1) Escócia (6) Escorial (1) Eslovênia (1) Espanha (16) família (1) Felipe II (1) Fenis (1) Florença (1) Foix (2) Fontaine-Henry (2) Fontainebleau (5) Foulques Nerra (1) França (57) Gales (2) Glamis (1) Grã-Bretanha (14) Guédelon (1) guerra (2) Guimarães (2) Guise (1) Gutenfels (1) Hargimont (1) Haut-Koenisburg (1) Himeji (2) Hohenschangau (1) Holanda (1) Hunedoara (1) Igreja Católica (6) Ile de France (4) invasões (1) Islã (1) Itália (10) Japão (1) jardins (1) Jehay (1) Jonzac (1) Josselin (1) Karlstejn (1) Kilchurn (1) Krasiczyn (2) La Couvertoirade (1) La Mota (1) La Rochefoucauld (3) Langeais (3) Le Lude (2) Le Nôtre (2) Les Milandes (2) Loarre (1) Loches (1) Loire (25) Londres (2) Lorena (1) Lourdes (1) Luís XIV (2) Lumen Christi (1) Luynes (1) Luz de Cristo (1) Madri (1) Maillebois (1) Maintenon (4) Malbork (1) Manzanares el Real (1) Marçay (1) Maria Antonieta (2) Maria Stuart (2) Marksbourg (1) Matsumoto (1) Mauseturm (1) Mayenne (1) Mespelbrunn (1) Milandes (1) Milão (3) Missillac (2) Mont Saint-Michel (3) Montalegre (1) Montbazillac (2) Montbrun (1) Montemor-o-Velho (1) Montfort (1) Montirésor (1) Montizón (1) Montrésor (1) Montreuil-Bellay (3) Montsoreau (1) moral (1) Mosela (1) Mota (1) Motte (1) Natal (3) Neuschwanstein (4) nobreza (3) Norfolk (1) Normandia (2) Nossa Senhora (1) Nozet (1) Olite (1) Olvera (1) Ormesson (1) Osaka (1) Ourém (1) Palácio dos Doges (2) Papado (1) Paris (5) Peñafiel (1) Pesteil (1) Pfalz (2) Pichon-Lalande (1) Pierrefonds (1) Poitou-Charentes (1) Polônia (3) pólvora (1) Pont Neuf (1) Porto de Mós (1) Portugal (14) povo (1) Puertomingalbo (1) Reno (3) República Checa (1) Revolução Francesa (4) Rocamadour (1) Rodillas (1) Rohan (2) Roma (1) Ronneburg (1) Roquetaillade (1) ruínas (1) Sacro Império (1) Saint-Fargeau (3) Sant'Angelo (1) Santa Joana d'Arc (1) Santa Teresa (1) São Domingos de Gusmão (1) São Luís (5) São Miguel Arcanjo (4) saúde (1) Saumur (5) Sax (1) Sceaux (1) Scone (1) Segovia (4) Septmonts (1) Sepúlveda (1) Sforzesco (4) Soubise (1) Stalker (1) Stirling (2) suavização dos costumes (1) Suíça (3) Suscinio (1) templários (3) Teutônicos (1) Toledo (1) Tomar (2) Torija (1) Torre de Belém (4) Torre do Templo (1) Torrelodones (1) Trakai (1) Trujillo (1) Turégano (2) Utrecht (2) Val (2) Valençay (2) Valladolid (1) Vaux-le-Vicomte (7) Veneza (2) Versailles (2) Vez (1) Villandry (2) Vincennes (1) Viollet-le-Duc (3) Vitré (2) Warwick (7) Wernigerode (1) Westminster (1) Wijnendael (1) Windsor (2) Wissekerke (1) Yvoire (1) Receba castelos sem custo RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Sully-sur-Loire Sobre o rio Loire, foi mencionado por vez primeira em 1102. Ao longo dos séculos só pertenceu a três famílias : a dos senhores de Sully, a de la Trémouille, e a de Béthune. En 1218, Philippe Augusto fez construir a torre principal. Em 1396, Guy de la Trémouille ini