FULL

TEXT



itália

2428288 matching pages

Results 1-100

https://pt.wikipedia.org/wiki/It%C3%A1lia
  Itália – Wikipédia, a enciclopédia livre Itália Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Coordenadas : 43° N 12° E Nota: Para outros significados, veja Itália (desambiguação) . Repubblica Italiana República Italiana Bandeira Brasão de Armas Hino nacional : Il canto degli Italiani ( italiano ) Também conhecido como Fratelli d'Italia ou Inno di Mameli . O canto dos italianos ... Itália – Wikipédia, a enciclopédia livre Itália Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Coordenadas : 43° N 12° E Nota: Para outros significados, veja Itália ... italianos Gentílico : Italiano Localização da Itália (em vermelho) No continente europeu (em cinza) Na ... outros Estados membros da União Europeia . Itália (em italiano : Italia [iˈtaːlja] ), oficialmente ... no interior de Itália, enquanto Campione d'Italia é um exclave italiano na Suíça. O território do país CACHE

Itália – Wikipédia, a enciclopédia livre Itália Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Coordenadas : 43° N 12° E Nota: Para outros significados, veja Itália (desambiguação) . Repubblica Italiana República Italiana Bandeira Brasão de Armas Hino nacional : Il canto degli Italiani ( italiano ) Também conhecido como Fratelli d'Italia ou Inno di Mameli . O canto dos italianos Gentílico : Italiano Localização da Itália (em vermelho) No continente europeu (em cinza) Na União Europeia (em branco) Capital Roma 41º51' N 12º29' E Cidade mais populosa Roma Língua oficial Italiano ¹ Governo República parlamentarista - Presidente Sergio Mattarella - Primeiro-ministro Paolo Gentiloni Formação - Unificação 17 de março de 1861 (156 anos) - República 2 de junho de 1946 (71 anos) Entrada na UE 25 de março de 1957 (membro co-fundador) Área - Total 301,338 km² ( 69.º ) - Água (%) 2,4 Fronteira França , Suíça , Áustria , Eslovénia , San Marino e Cidade do Vaticano População - Estimativa para 2015 60 802 085 [ 1 ] hab. ( 23.º ) - Censo 2013 59 831 093 [ 2 ] hab. - Densidade 201,32 hab./km² ( 42.º ) PIB (base PPC ) Estimativa de 2015 - Total US$ 2,170 trilhões * [ 3 ] ( 10.º ) - Per capita US$ 35 708 [ 3 ] ( 30.º ) PIB (nominal) Estimativa de 2015 - Total US$ 1,815 trilhões * [ 3 ] ( 8.º ) - Per capita US$ 29 866 [ 3 ] ( 24.º ) IDH (2015) 0,887 ( 26.º ) – muito elevado [ 4 ] Gini (2006) 32 [ 5 ] Moeda Euro ² ( EUR ) Fuso horário CET ( UTC +1) - Verão ( DST ) CEST ( UTC +2) Clima Mediterrânico , alpino e continental Org. internacionais ONU , OMC , OTAN , UE , CE , OCDE , G8 , G20 Cód. ISO ITA Cód. Internet .it ³ Cód. telef. +39 Website governamental http://www.governo.it ¹ Alemão e ladino , no Tirol do Sul . esloveno , no Friuli-Venezia Giulia . francês , no Vale de Aosta . ² Antes de 1999 : Lira italiana ³ o domínio .eu também é utilizado juntamente com os outros Estados membros da União Europeia . Itália (em italiano : Italia [iˈtaːlja] ), oficialmente República Italiana (em italiano : Repubblica Italiana ), é uma república parlamentar unitária localizada no centro-sul da Europa ( Europa meridional ). Ao norte, faz fronteira com França , Suíça , Áustria e Eslovênia ao longo dos Alpes . Ao sul, que consiste na totalidade da península Itálica , Sicília , Sardenha , as duas maiores ilhas no Mar Mediterrâneo, e muitas outras ilhas menores ficam no entorno do território italiano. Os Estados independentes de San Marino e do Vaticano são enclaves no interior de Itália, enquanto Campione d'Italia é um exclave italiano na Suíça. O território do país abrange cerca de 301 338 km² e é influenciado por um clima temperado sazonal. Com 60,6 milhões de habitantes, é a quinta nação mais populosa da Europa e a 23ª do mundo . Roma , a capital italiana, foi durante séculos o centro político e religioso da civilização ocidental como a capital do Império Romano e como sede da Santa Sé . Após o declínio dos romanos, a Itália sofreu inúmeras invasões de povos estrangeiros, desde tribos germânicas , como os lombardos e ostrogodos , aos bizantinos e, mais tarde, os normandos , entre outros. Séculos mais tarde, Itália tornou-se o berço das repúblicas marítimas e do Renascimento , [ 6 ] um movimento intelectual extremamente frutífero que viria a ser parte integrante na formação subsequente do pensamento europeu. Durante grande parte de sua história pós-romana, a Itália foi fragmentada em vários reinos (tais como o Reino da Sardenha . o Reino das Duas Sicílias e o Ducado de Milão ) e cidades-Estado , mas foi unificada em 1861, [ 7 ] após um período tumultuado da história conhecido como ' Il Risorgimento ' ('O Ressurgimento'). No final do século XIX, através da Primeira e Segunda Guerra Mundial , a Itália possuiu um império colonial que estendia seu domínio até a Líbia , Eritreia , Somália , Etiópia , Albânia , Dodecaneso e uma concessão em Tianjin , na China . [ 8 ] A Itália moderna é uma república democrática , classificada como o 24º país mais desenvolvido do mundo [ 4 ] e com índice de qualidade de vida entre os dez primeiros do planeta. [ 9 ] O país goza de um alto padrão de vida e tem um elevado PIB nominal per capita . [ 10 ] [ 11 ] É um membro fundador da União Europeia e parte da zona euro , além de ser membro do G8 , G20 , OTAN , OCDE , Organização Mundial do Comércio (OMC), Conselho da Europa , União da Europa Ocidental e as Nações Unidas . A Itália tem a quarta maior reserva de ouro , o oitavo maior PIB nominal , o décimo maior PIB (PPC) [ 10 ] e o sexto maior orçamento público do mundo. [ 12 ] A República Italiana tem o nono maior orçamento de defesa do mundo , acesso às armas nucleares da OTAN e um papel proeminente nos assuntos militares, culturais e diplomáticos europeus e mundiais, o que a torna uma das principais Potências Médias do mundo e uma Potência Regional de destaque na Europa. [ 13 ] [ 14 ] O país tem um elevado nível de escolaridade pública e é uma nação altamente globalizada . [ 15 ] Índice 1 Etimologia 2 História 2.1 Pré-história e Antiguidade 2.1.1 Roma antiga 2.2 Idade média 2.3 Era moderna 2.4 Unificação 2.5 Fascismo 2.6 República 3 Geografia 3.1 Clima 4 Demografia 4.1 Grupos étnicos 4.2 Emigração e imigração 4.3 Idioma 4.4 Religião 4.5 Cidades mais populosas 5 Política 5.1 Forças armadas 5.2 Relações exteriores 6 Divisões administrativas 7 Economia 8 Infraestrutura 8.1 Transportes 8.2 Educação 8.3 Saúde 9 Cultura 9.1 Arquitetura 9.2 Artes 9.3 Literatura 9.4 Música 9.5 Cinema 9.6 Desportos 9.7 Culinária 9.8 Feriados 10 Ver também 11 Referências 12 Ligações externas Etimologia Quando a hegemonia etrusca ia chegando a seu ocaso com a expansão dos latinos , os povos do Sul, em particular os oscos , úmbrios e outros povos do centro e Sul da península Itálica possuíam um numeroso rebanho bovino. Na língua dos oscos, o acusativo ‘ vitluf ’ (aos bezerros) deu lugar em latim a ‘ vitellus ’ (bezerrinho), palavra proveniente de vitulos (bezerro de entre um e dois anos). Estas palavras se derivaram do indo-europeu ‘ wet-olo ’ (de um ano cumprido), formada por sua vez a partir de ‘ wet- ‘ (ano), também presente nos vocábulos 'veterano' e 'veterinário'. [ 16 ] O gado era tão importante para esses povos que adotaram como emblema a imagem de um touro jovem, que aparece em algumas moedas da época, com o nome de vitalos , que em pouco tempo converteu-se em ‘ italos ’, nome com que se denominou as tribos do Sul e que com o tempo incluiu também os latinos. [ 17 ] Até meados do século I, 'Itália' era usado em latim para designar a península, e ‘ itali – orum ’ para seus habitantes. [ 17 ] História Ver artigo principal: História da Itália A história da Itália influenciou fortemente a cultura e o desenvolvimento social, tanto na Europa como no resto do mundo. Foi o berço da civilização etrusca , da Magna Grécia , da civilização romana , da Igreja Católica , das repúblicas marítimas do Humanismo , do Renascimento e do fascismo . Foi o lugar de nascimento de muitos artistas, cientistas, músicos, literatos, exploradores. [ 16 ] Pré-história e Antiguidade Ver artigos principais: Povos itálicos , Cultura Nuráguica , Etruscos e Magna Grécia Templo de Hera em Pesto , o maior e mais bem preservado templo dórico . As escavações em toda a Itália revelaram uma presença de neandertais que remonta ao período paleolítico , cerca de 200 mil anos atrás. [ 18 ] Os humanos modernos apareceram há cerca de 40 mil anos na região. Os sítios arqueológicos deste período incluem locais como Ceprano e Gravina in Puglia . [ 19 ] Civilizações importantes que desapareceram há milhares de anos nasceram na Itália, como a civilização de Nurago . Durante a Idade do Ferro existiram várias culturas que podem ser diferenciadas em três grandes núcleos geográficos, a do Lácio Antigo, a da Magna Grécia e a de Etrúria. Uma destas culturas, os lígures , foram um enigmático povo que habitava o norte de Itália, Suíça o sul de França . [ 20 ] Entre os diversos povos da Antiguidade destacam-se os lígures, os vênetos e os celtas no norte, os latinos e os etruscos samnitas no centro, enquanto no sul prosperaram colônias gregas ( Magna Grécia ), e na Sardenha desde o segundo milênio a.C. floresceu a antiga civilização dos sardos . [ 21 ] Roma antiga O Coliseu , construído ca. 70-80 dC. Império Romano em sua extensão máxima. Ver artigos principais: Fundação de Roma , Roma Antiga , Reino de Roma , República Romana , Império Romano e Queda de Roma Uma das mais importantes culturas antigas desenvolvidas em solo italiano foi a etrusca (a partir do século VIII a.C. ), que influenciou profundamente Roma e sua civilização, na qual muitas tradições importantes de origem Mediterrânea e Eurasiática encontraram a mais original e duradoura síntese política, econômica e cultural. [ 21 ] Nascida na península Itálica , desde sempre terra de origem e de encontro entre diversos povos e culturas, a civilização romana foi capaz de explorar as contribuições provenientes dos etruscos e de outros povos itálicos, da Grécia e de outras regiões do Mediterrâneo Oriental ( Palestina - o berço do cristianismo - Síria , Fenícia e Egito ). Graças ao seu império , Roma difundiu a cultura heleno-romana pela Europa e pelo Norte de África que foram os limites de sua civilização. [ 21 ] O Império Romano estava entre as forças econômicas, culturais, políticas e militares mais poderosas do mundo de seu tempo. Foi um dos maiores impérios da história mundial. Em seu auge, sob o governo de Trajano , cobriu 5 milhões de quilômetros quadrados. [ 22 ] [ 23 ] O legado romano influenciou profundamente a civilização ocidental , moldando a maior parte do mundo moderno . entre os muitos legados do domínio romano estão o uso generalizado das línguas românicas derivadas do latim , do sistema numérico , do alfabeto e do calendário do Ocidente e do surgimento do cristianismo como uma religião mundial importante. [ 24 ] Em um lento declínio desde o século III, o Império dividiu-se em dois no ano de 395. O Império Ocidental , sob a pressão das invasões bárbaras , entrou em colapso em 476, quando seu último imperador foi deposto pelo chefe germânico Odoacro , enquanto o Império Oriental ainda sobreviveria por mais mil anos. [ 21 ] Idade média Ver artigos principais: Reino Ostrogótico , Reino Lombardo , Ducado de Benevento , História do islã no sul da Itália , Conquista normanda do sul da Itália e Reino Itálico Bandeiras das repúblicas marítimas . Do topo, em sentido horário: Veneza , Gênova , Pisa e Amalfi . Após a queda do Império Romano do Ocidente , o território da península se dividiu em vários Estados, alguns independentes, alguns parte de estados maiores (inclusive fora da península Itálica). O mais duradouro entre eles foram os Estados Pontifícios , que resistiram até a tomada italiana de Roma em 1870 e que foi mais tarde reconstituído como o Vaticano , no coração da capital italiana. Depois da queda do último imperador romano do Ocidente, seguiu-se a o domínio dos hérulos e, em seguida, dos ostrogodos . A reanexação da Itália ao Império Romano do Oriente realizado por Justiniano I , em virtude das Guerras Góticas , na metade do século VI d.C. , foi curta, uma vez que, já entre 568 e 570, os lombardos , povos germânicos provenientes da Hungria , ocuparam parte do país, mas representaram uma formidável continuidade política e cultural e a garantia da prosperidade económica da península e de toda a Europa por muitos anos. [ 21 ] [ 25 ] Depois a área sob domínio romano-bizantino foi sujeita a fragmentações territoriais, mas conseguiu resistir até o final do século XI, enquanto os lombardos tiveram que se submeter aos francos comandados por Carlos Magno a partir da segunda metade do século VIII. No ano 800, a Itália central tornou-se parte do Sacro Império Romano-Germânico , embora pouco depois a Sicília tenha passado ao domínio árabe . O desenvolvimento de cidades-Estado (a partir do século XI) deu novo impulso à vida econômica e cultural do norte e centro da Itália, enquanto no Sul, com a invasão normanda , formou o Reino da Sicília um dos mais modernos, tolerantes e mais bem administrados da Europa naquela época. Dos municípios formaram-se as repúblicas marítimas e mais tarde, as signorias . [ 21 ] Era moderna A península itálica em 1494. Ver artigos principais: Renascença italiana , Renascimento , Guerras Italianas e Reino de Itália (1805-1814) Nos séculos XIV e XV, a o centro-norte da Itália foi dividida em várias cidades-Estados em guerra, sendo o restante da península ocupada pelos Estados Papais e pelo Reino da Sicília , referido aqui como Nápoles. Embora muitas dessas cidades tenham sido muitas vezes subordinadas formalmente a governantes estrangeiros, como no caso do Ducado de Milão , que era oficialmente um Estado constituinte do Sacro Império Romano-Germânico , elas geralmente conseguiram manter a independência que haviam conquistado em terras italianas após o colapso do Império Romano do Ocidente. A mais forte entre estas cidades-Estados absorveu gradualmente os territórios circundantes que dão à luz os estados regionais de signoria , muitas vezes liderados por famílias mercantes que fundaram dinastias locais. A guerra entre as cidades-estados era endêmica e principalmente lutada por exércitos de mercenários conhecidos como condottieri , grupos de soldados provenientes de toda a Europa, especialmente a Alemanha e a Suíça , liderados em grande parte por capitães italianos. [ 26 ] Décadas de luta finalmente viram Florença , Milão e Veneza emergiram como as potências dominantes que concordaram com o Tratado de Lodi em 1454, que trouxe calma relativa para a região pela primeira vez em séculos. Esta paz seria válida para os próximos quarenta anos. Florença , o berço do Renascimento . O Renascimento , um período de vigoroso renascimento das artes e da cultura, originou-se na Itália graças a uma série de fatores, como a grande riqueza acumulada pelas cidades mercantes, o patrocínio de suas famílias dominantes [ 27 ] e a migração de estudiosos e textos gregos para a Itália após a conquista de Constantinopla pelos turcos otomanos . [ 28 ] [ 29 ] [ 30 ] O Renascimento italiano atingiu o pico em meados do século XVI, enquanto as invasões estrangeiras mergulhavam a região na turbulência das Guerras Italianas . Os Médici se tornaram a principal família de Florença e fomentaram e inspiraram o nascimento do Renascimento italiano, [ 27 ] [ 31 ] juntamente com outras famílias da Itália, como os Visconti e Sforza de Milão , os Este de Ferrara e os Gonzaga de Mantua . Os melhores artistas, como Leonardo da Vinci , Brunelleschi , Botticelli , Michelangelo , Giotto , Donatello , Ticiano e Rafael produziram trabalhos inspirados - sua pintura era mais realista do que tinha sido criada por artistas medievais e suas estátuas de mármore rivalizavam e às vezes superavam as da Antiguidade Clássica . O historiador humanista Leonardo Bruni também dividiu a história na Antiguidade , na Idade Média e Idade Moderna . [ 32 ] As ideias e ideais do Renascimento logo se espalharam para França , Inglaterra e grande parte da Europa. Enquanto isso, no entanto, a descoberta da América , as novas rotas para a Ásia encontradas pelos portugueses e o surgimento do Império Otomano , foram todos fatores que corromperam com o tradicional domínio italiano no comércio com o Oriente e provocaram um longo declínio econômico na península. Cristóvão Colombo descobriu a América em 1492, abrindo uma nova era na história da humanidade. Após as Guerras Italianas (1494 a 1559), provocadas pela rivalidade entre a França e a Espanha, as cidades-estados gradualmente perderam sua independência e subiram a dominação estrangeira, primeiro pela Espanha (1559 a 1713) e depois pela Áustria (1713 a 1796). Em 1629-1631, uma nova explosão de praga afetou cerca de 14% da população da Itália. [ 33 ] Além disso, à medida que o Império Espanhol começou a declinar no século XVII, suas posses em Nápoles, Sicília, Sardenha e Milão também entraram em decadência. Em particular, o sul da Itália foi empobrecido e cortado da corrente principal de eventos na Europa. [ 34 ] No século XVIII, como resultado da Guerra da Sucessão Espanhola , a Áustria substituiu a Espanha por poder estrangeiro dominante, enquanto a Casa de Saboia surgiu como uma potência regional que se expandia para o Piemonte e a Sardenha . No mesmo século, o declínio de 200 anos foi interrompido pelas reformas econômicas e estatais prosseguidas em diversos estados pelas elites governantes. [ 35 ] Durante as Guerras Napoleônicas , o norte e o centro da Itália foram invadidos e reorganizados como um novo Reino da Itália , um Estado cliente do Império Francês , [ 36 ] enquanto a metade sul da península era administrada por Joachim Murat , o cunhado de Napoleão , que foi coroado como Rei de Nápoles. O Congresso de Viena de 1814 restaurou a situação no final do século XVIII, mas os ideais da Revolução Francesa não podiam ser erradicados e, em breve, ressurgiram durante os convulsões políticas que caracterizaram a primeira parte do século XIX. [ 21 ] Unificação Ver artigos principais: Risorgimento e Reino de Itália (1861–1946) Giuseppe Garibaldi , líder da Expedição dos Mil . A Itália contemporânea nasceu como um Estado unitário, quando em 17 de março de 1861, a maioria dos estados da península e as duas principais ilhas foram unidas sob o comando do rei da Sardenha Vitor Emanuel II da casa de Saboia . O arquiteto da unificação da Itália era o primeiro-ministro da Sardenha, conde Camillo Benso de Cavour , que apoiou (embora não reconhecendo diretamente) Giuseppe Garibaldi , permitindo a anexação do Reino das Duas Sicílias ao Reino da Sardenha-Piemonte . [ 21 ] O processo de unificação teve a ajuda da França, que - juntamente com o Reino Unido - tinha um interesse em criar um estado anti-Habsburgo comandado por uma dinastia amiga (Sabóia) e capaz de impedir o surgimento de um estado republicano e democrático na Itália (desejada por alguns 'patriotas', como Mazzini e como já tinha acontecido em parte, em Roma , Milão , Florença e Veneza durante o movimento revolucionário de 1848 ). [ 21 ] A primeira capital do reino foi Turim , a antiga capital do Reino de Sardenha e ponto de partida do processo de unificação da Itália. Depois da convenção de setembro de 1864, a capital foi transferida para Florença. [ 37 ] Altare della Patria ('Altar da Pátria'), em honra a Vítor Emanuel II , primeiro rei da Itália . Em 1866, a Itália adquiriu do Império Austríaco o Vêneto , após a guerra , na qual a Itália era aliada à Prússia de Bismarck . Na unificação, permaneceram excluídos a Córsega e a região de Nice , cidade natal de Garibaldi , assim como Roma e os territórios vizinhos que estavam sob o controle do Papa e protegido por Napoleão III . Graças à derrota da França pelos prussianos, após uma rápida ação militar em 20 de setembro de 1870, também fora anexada Roma e proclamada a capital do reino. Mais tarde, com o Tratado de Latrão em 1929, o Papa obteve a soberania da Cidade do Vaticano . Outra entidade autônoma dentro das fronteiras italianas é a República de San Marino . [ 21 ] Mas mesmo após a conquista de Roma em 1870, a Unificação da Itália ainda não estava completa, pois faltavam ainda as chamadas ' terras irredentas ': o Trentino , Trieste , a Ístria e a Dalmácia , que os nacionalistas clamavam como pertencentes à Itália. O Trentino, Trieste, a Ístria e Fiume foram anexados depois dos tratados de paz, após a Primeira Guerra Mundial , impostos pela França , Reino Unido e Estados Unidos aos Impérios Centrais , perdedores da guerra. [ 21 ] Fascismo Ver artigos principais: Fascismo , Itália fascista e Segunda Guerra Mundial Benito Mussolini A turbulência que se seguiu à devastação da Primeira Guerra Mundial , inspirado pela Revolução Russa de 1917 , levou à turbulência e anarquia. O governo liberal, temendo uma revolução socialista , começou a endossar o pequeno Partido Nacional Fascista , liderada por Benito Mussolini . Em outubro de 1922, os fascistas tentaram um golpe de Estado (a ' Marcha sobre Roma '), apoiado pelo rei Victor Emmanuel III . Nos anos seguintes, Mussolini proibiu todos os partidos políticos e liberdades pessoais, formando assim uma ditadura . [ 21 ] Em 1935, Mussolini invadiu a Etiópia , resultando em uma alienação internacional e levando à retirada da Itália da Liga das Nações . Consequentemente, a Itália aliada com a Alemanha nazista e o Império do Japão e dando forte apoio à Francisco Franco na Guerra Civil Espanhola . Em 1939, a Itália ocupou a Albânia , um protetorado de facto durante décadas, e entrou na Segunda Guerra Mundial em junho de 1940 ao lado das potências do Eixo . [ 21 ] [ 38 ] Mussolini, querendo uma vitória rápida como a blitzkriegs de Adolf Hitler na Polônia e na França , invadiu a Grécia em outubro de 1940, mas foi forçado a aceitar um empate humilhante depois de alguns meses. Ao mesmo tempo, a Itália, depois de inicialmente conquistar a Somalilândia Britânica e partes do Egito , sofreu um contra-ataque Aliado que acabou com todas as suas possessões no Corno de África e no Norte da África . [ 21 ] Itália foi então invadida pelos Aliados em julho de 1943, levando ao colapso do regime fascista e à queda de Mussolini. Em setembro de 1943, a Itália se rendeu . O país manteve-se em campo de batalha durante o resto da guerra, enquanto os aliados estavam se movendo a partir do sul e o norte era a base para italiano leais ao regime fascista e forças nazistas alemães, lutando também através do movimento de resistência italiano . [ 21 ] [ 39 ] As hostilidades terminaram em 2 de maio de 1945. Quase meio milhão de italianos (incluindo civis) morreram no conflito [ 21 ] e a economia italiana tinha sido completamente destruída. a renda per capita em 1944 estava em seu ponto mais baixo desde o início do século XX. [ 40 ] República A Constituição da Itália entrou em vigor em 1948. Ver artigo principal: Itália republicana A Itália se tornou uma república , após um referendo realizado em 2 de junho de 1946, um dia comemorado desde então como o Dia da República. Esta foi também a primeira vez que as mulheres italianas tiveram direito ao voto . [ 41 ] O filho de Vítor Emmanuel III , Humberto II , foi forçado a abdicar e foi exilado . A constituição republicana entrou em vigor em 1 de janeiro de 1948. Nos termos dos Tratados de Paz de Paris de 1947, a área da fronteira oriental foi perdida para a Iugoslávia e, mais tarde, o Território Livre de Trieste foi dividido entre os dois Estados. O medo no eleitorado italiano de uma possível tomada comunista provou ser crucial para o resultado da primeira eleição com sufrágio universal em 18 de abril de 1948, quando os democratas-cristãos , sob a liderança de Alcide De Gasperi , obtiveram uma vitória esmagadora. Consequentemente, em 1949, a Itália tornou-se membro da OTAN . O Plano Marshall ajudou a reavivar a economia italiana, que, até final dos anos 1960, desfrutou de um período de crescimento econômico sustentado, o que foi comumente chamado de ' Milagre Econômico '. Em 1957, a Itália foi um membro fundador da Comunidade Econômica Europeia (CEE), que posteriormente se tornou a União Europeia (UE) em 1993. [ 42 ] [ 43 ] Do final dos anos 1960 até o início dos anos 1980, o país experimentou os 'Anos de Chumbo', um período caracterizado pela crise econômica (especialmente após a crise do petróleo de 1973), generalizados conflitos sociais e massacres terroristas realizados por grupos extremistas opostos, com o suposto envolvimento da inteligência dos Estados Unidos . [ 44 ] [ 45 ] [ 46 ] A Itália é um dos membros fundadores da União Europeia . Os Anos de Chumbo culminaram com o assassinato do líder democrata-cristão Aldo Moro em 1978, um evento que afetou profundamente todo o país. Na década de 1980, pela primeira vez desde 1945, dois governos foram conduzidos por primeiros-ministros que não eram democratas-cristãos: um liberal ( Giovanni Spadolini ) e um socialista ( Bettino Craxi ), o Partido Democrata Cristão permaneceu, no entanto, como o principal partido do governo. Durante o governo Craxi, a economia se recuperou e a Itália se tornou a quinta maior nação industrial do mundo, ganhando ingresso no G7 . No entanto, como resultado de suas políticas de gastos, a dívida nacional italiana disparou durante a era Craxi, logo passando de 100% do Produto interno bruto (PIB). [ 47 ] No início de 1990, a Itália enfrentou desafios significativos, com eleitores - desencantados com a paralisia política, a dívida pública enorme e extensa corrupção do sistema (conhecida como Tangentopoli ) descoberto pela ' Operação Mãos Limpas ' - exigindo reformas radicais. Os escândalos envolveram todos os principais partidos, mas especialmente os da coalizão de governo: os democratas-cristãos, que governaram o país por quase 50 anos, sofreram uma grave crise e, eventualmente dissolvidos, dividiram-se em várias facções. Os comunistas reorganizam-se como uma força social-democrata . Durante os anos 1990 e 2000, a centro-direita (dominada pelo magnata da mídia Silvio Berlusconi ) e coalizões de centro-esquerda alternativamente governaram o país, que entrou em um período prolongado de estagnação econômica . [ 48 ] Geografia Mapa topográfico da Itália. Península itálica vista da Estação Espacial Internacional à noite Igreja em Stelvio , nos Alpes Levanzo , na Sicília , tem um clima mediterrâneo Ver artigo principal: Geografia da Itália A Itália está localizada no sul da Europa e compreende a península Itálica e uma série de ilhas, incluindo as duas maiores, Sicília e Sardenha . Situa-se entre as latitudes 35° e 47° N e longitude 6° e 19° E. Embora o país compreenda a totalidade península e a maior parte da bacia sul alpina , alguns do território da Itália se estendem além da bacia alpina e algumas ilhas estão localizadas fora da plataforma continental da Eurásia . Esses territórios são as comunas de Livigno , Sesto , Innichen , Dobbiaco (em parte), Chiusaforte , Tarvisio , Curon Venosta (em parte), que fazem parte da bacia do rio Danúbio , enquanto o Val di Lei constitui parte do bacia do Reno e as ilhas de Lampedusa e Lampione estão na plataforma continental africano . A área total do país é de 301 230 km², dos quais 294 020 km² são terra e 7 210 km² água. Incluindo as ilhas, a Itália tem um litoral e uma fronteira de 7.600 km nos mares Adriático , Jônico e Tirreno (740 km) e as fronteiras comuns com a França (488 km), Áustria (430 km), Eslovênia (232 km) e Suíça . San Marino (39 km) e Cidade do Vaticano (3,2 km), ambos enclaves , também entram como fronteiras. Os Apeninos formam a espinha dorsal da península e os Alpes formam a sua fronteira norte, onde está o ponto mais alto da Itália, o monte Branco (4.810 m). O Pó , maior rio da Itália (652 km), flui dos Alpes na fronteira oeste com a França e atravessa a planície da Padânia em seu caminho para o mar Adriático. Os cinco maiores lagos são (em ordem de tamanho decrescente): [ 49 ] Garda (367,94 km²), Maggiore (212,51 km²), Como (145,9 km²), Trasimeno (124,29 km²) e Bolsena (113,55 km²/44 sq mi). O país está situado no ponto de encontro da placas da eurasiática e africana , levando a uma atividade sísmica e vulcânica considerável. Existem 14 vulcões na Itália, três dos quais estão ativos: Etna (o tradicional local de forja de Vulcano ), Stromboli e Vesúvio . O Vesúvio é o único vulcão ativo da Europa continental e é o mais famoso pela destruição de Pompeia e Herculano . Várias ilhas e colinas foram criadas pela atividade vulcânica e ainda há uma grande caldeira ativa, os Campos Flégreos , no noroeste de Nápoles . Clima O clima da Itália varia de região para região. O norte da Itália ( Milão , Turim e Bolonha ) tem um clima continental , quando ao sul de Florença apresenta o clima mediterrânico , com verões tipicamente secos e ensolarados. O clima das áreas litorâneas da península é muito diferente do interior, particularmente nos meses de inverno. As áreas mais elevadas são frias, úmidas e frequentemente recebem a precipitação de neve . As regiões litorâneas têm um clima mediterrâneo típico com invernos amenos e verões quentes, geralmente secos. Há diferenças notáveis nas temperaturas, sobretudo durante o inverno: em certos dias em dezembro ou janeiro pode nevar em Milão a -2 °C, enquanto em Nápoles as temperaturas estão em +12 °C. Certas manhãs, Turim pode amanhecer com -12 °C, quando ao mesmo tempo Roma se encontra com +6 °C e Reggio Calabria +10 °C. No verão a diferença é mais clara, a costa leste não está tão úmida como a costa ocidental, mas no inverno está geralmente mais fria. Também a altitude influencia fortemente o clima e as temperaturas médias. Cidades meridionais como Potenza (na Basilicata), Campobasso (no Molise) ou Enna (na Sicília) têm invernos rigorosos e temperaturas médias bastante inferiores a outras localidades costeiras das mesmas regiões. Nos Apeninos , neva regularmente durante o inverno. Geralmente o mês mais quente é agosto no sul, e julho no norte. Nesses meses os termômetros podem marcar 42 °C no sul e 33 °C no norte. O mês mais frio é janeiro, com médias no vale do rio Pó de 0 °C, Florença 5 °C, Roma 8 °C. Mas as mínimas podem chegar a -14 °C no Vale do Rio Pó, -5 °C em Florença, -4 °C em Roma, -2° em Nápoles e em Palermo +1 °C. Demografia Ver artigo principal: Demografia da Itália Densidade demográfica na Itália Em janeiro de 2009, a população italiana passou de 60 milhões, [ 50 ] a quarta maior da União Europeia , e a 23ª maior do mundo. A densidade populacional é de 199,3 habitantes por km², o quinto maior da União Europeia, sendo o norte a parte mais densa. um terço do país contém quase a metade da população. Depois da Segunda Guerra Mundial , a Itália passou por um grande crescimento econômico que levou a população rural a mover-se para as cidades, e ao mesmo tempo passou de uma nação caracterizada por massiva emigração a um país receptor de imigrantes. A alta fertilidade persistiu até a década de 1970 , e depois passou para abaixo da taxa de reposição como em 2007, um em cada cinco italianos é aposentado. Apesar disso, graças principalmente a imigração das décadas de 80 e 90, nos anos 2000 a Itália viu um acréscimo populacional natural pela primeira vez em anos. [ 51 ] Grupos étnicos Ver artigo principal: Italianos Cerca de 95% da população italiana tem origem na península. Os italianos são descendentes de uma grande quantidade de povos que se estabeleceram na península Itálica durante os séculos. Os italianos são uma mistura de povos que já viviam na região, incluindo os povos latinos (a Oeste), os sabinos (no vale superior do Tibre ), os úmbrios (no centro), os samnitas (no Sul), oscanos, entre outros, com os etruscos que se estabeleceram no centro do país, os gregos no Sul e os celtas no Norte. Posteriormente, estabeleceram-se no Norte povos germânicos ( ostrogodos , visigodos , lombardos ) e, no Sul, os sarracenos (de origem árabe ) e os normandos (de origem escandinava ). Esses últimos deixaram uma menor influência na etnia italiana. Emigração e imigração Ver artigo principal: Emigração italiana Ver também: Imigração italiana no Brasil Little Italy , Lower East Side , Nova York , em 1900 Imigrantes italianos posando para fotografia no pátio central da Hospedaria dos Imigrantes , em São Paulo , ca. 1890. Depois da unificação italiana , o feudalismo que controlava por séculos as terras do país ruiu, e muitos italianos passaram por severas situações de pobreza. [ 52 ] O norte foi o primeiro afetado, e grandes levas de emigrantes saíram do país principalmente em direção ao Brasil e à Argentina , a partir da década de 1870. Anos depois, a região sul também sentiu os efeitos da mudança política na agricultura, e a emigração dobrou de número em 1900 e o destino principal agora era os Estados Unidos . O pico foi em 1913, quando 872.598 pessoas deixaram a Itália. [ 53 ] O fenômeno só diminuiu devido à eclosão da Primeira Guerra Mundial , quando a Itália precisou da população para reconstruir o país e a instalação do regime fascista, que restringiu a emigração na década de 1920. [ 53 ] O primeiro grande movimento migratório de italianos em direção ao Brasil ocorreu logo após a unificação, em 1875 , pioneiramente para o sul do país , embora a maior massa de imigrantes tenha se instalado em São Paulo , para trabalhar na colheita do café . A imigração italiana foi massiva até o começo do século XX, mas depois das constantes notícias de trabalho semi-escravo no Brasil, [ 54 ] a Itália decretou o 'decreto Prinetti' que proibia a imigração subsidiada em direção ao país, direcionando o fluxo imigratório italiano para os Estados Unidos e a Argentina. As maiores comunidades italianas se encontram em São Paulo , Paraná , Rio Grande do Sul , Santa Catarina e Espírito Santo , onde profundamente fazem parte da cultura local. Depois da Segunda Guerra Mundial , o país que era uma das maiores fontes de imigrantes do mundo, passou a receber imigrantes vindos do mundo todo, intensificado principalmente depois da década de 1970. No fim de 2006, estrangeiros compreendiam 5% da população ou quase 3 milhões de pessoas, [ 55 ] um aumento de 270.000 desde o ano antecedente. Em algumas cidades italianas, como Bréscia , Milão e Pádua , o total de imigrantes é maior que 10% da população. A mais recente onda de migração tem vindo principalmente das nações europeias (47,75%), particularmente da Europa oriental , substituindo o Norte da África (17,43%) como a maior fonte de imigrantes. Por volta de 500.000 romenos estão oficialmente registrados como habitantes da Itália, mas estimativas não-oficiais afirmam que o número atual pode ser duas vezes maior, ou ainda mais. [ 56 ] Em 2006, os outros imigrantes vinham da Ásia (17,43%) e América Latina (8,90%). Pequenos grupos vinham da África subsaariana e América do Norte . [ 55 ] Idioma Distribuição da língua italiana no mundo: língua nativa língua secundária minorias italófonas Ver artigo principal: Línguas da Itália O idioma oficial é o italiano , falado por quase toda a população. O italiano padrão é uma língua derivada do dialeto da Toscana , sobretudo aquele falado na região de Florença . Existem diversas línguas e dialetos falados no dia-a-dia pela população italiana, como o sardo (na Sardenha ), napolitano (em Campânia ), calabrês em duas variações (na Calábria ), vêneto (no Vêneto ), friulano (em Friuli-Venezia Giulia ), francês (no Vale d'Aosta ), alemão (na Província autónoma de Bolzano ), esloveno (em Trieste ), entre outras. A Itália, ainda hoje, pode ser considerada um país de bilíngues . Em muitas regiões do país a diglossia é predominante, pois o uso dos dialetos no cotidiano não foi eliminado, inclusive entre a população mais culta. [ 57 ] Religião Ver artigo principal: Religião na Itália Basílica de São Pedro , Vaticano . 87,8% da população italiana segue o Catolicismo Romano . O Catolicismo Romano é a maior religião do país, embora a Igreja Católica não seja mais a religião oficial do estado . 87,8% dos italianos identificam-se como católicos romanos, [ 58 ] contudo apenas um terço descrevem-se como membros ativos (36,8%). A sede mundial da Igreja Católica situa-se no Vaticano desde o terceiro século, quando o bispo de Roma passou a ser considerado bispo supremo e recebeu o título 'papa'. Historicamente, a Igreja exerceu grande influência na vida política e social dos italianos. Embora continue influente, nos últimos anos, com o aumento da secularização , a religião vem perdendo força na Itália e em outros países desenvolvidos. Em pesquisa de 2012, 73% dos italianos se disseram religiosos, 15% não religiosos, 8% ateus convictos e 4% não responderam. [ 59 ] Apenas 25% dos católicos italianos dizem que a religião 'é muito importante' e 31% dizem que rezam todos os dias, embora 95% da população em 2010 fosse batizada na igreja. [ 60 ] Apesar de cerca de 30% da população italiana afirmar que comparece à missa todos os domingos, uma pesquisa mostrou que o comparecimento real é de apenas 18,5%. [ 61 ] Religião na Itália Religião Percentagem Catolicismo   87,8% Sem religião   5,8% Outros cristãos   3,8% Islamismo   1,9% Outros   0,7% Outros grupos cristãos na Itália incluem mais de 700 000 cristãos ortodoxos , [ 62 ] [ não consta na fonte citada ] incluindo 470 000 imigrantes, [ 63 ] e por volta de 180 000 gregos ortodoxos , 550 000 pentecostais e evangélicos (0,8%) (dos quais 400 000 são membros da Assembleia de Deus da Itália ), 245 657 Testemunhas de Jeová (0,4%), [ 64 ] e 104 000 de outras religiões. [ 65 ] A minoria religiosa mais antiga do país é comunidade judaica , que compreende por volta de 28.400 pessoas, [ 66 ] mas não é mais o maior grupo não-cristão da Itália. Como resultado da significante imigração de outras partes do mundo, 825.000 muçulmanos (1,4% da população total) moram no país, [ 67 ] mas apenas 50 000 são cidadãos italianos . Ainda, tem 110 000 budistas (0,2%), [ 63 ] [ 68 ] [ 69 ] 70 000 sikhs , [ 70 ] e 70 000 hindus (0,1%) na Itália. Cidades mais populosas ver • editar Cidades mais populosas da Itália Estimativas do ISTAT para 31 de dezembro de 2010 Roma Milão Posição Localidade Região Pop. Posição Localidade Região Pop. Nápoles Turim 1 Roma Lácio 2 828 692 11 Veneza Vêneto 270 947 2 Milão Lombardia 1 331 210 12 Verona Vêneto 263 964 3 Nápoles Campânia 962 713 13 Messina Sicília 242 503 4 Turim Piemonte 907 663 14 Pádua Vêneto 214 198 5 Palermo Sicília 655 875 15 Trieste Friul-Veneza Júlia 205 535 6 Gênova Ligúria 608 006 16 Bréscia Lombardia 193 879 7 Bolonha Emília-Romanha 380 181 17 Taranto Apúlia 191 810 8 Florença Toscana 371 282 18 Prato Toscana 188 011 9 Bari Apúlia 320 475 19 Parma Emília-Romanha 186 690 10 Catânia Sicília 293 458 20 Régio da Calábria Calábria 186 697 Política Paolo Gentiloni , primeiro-ministro desde 2016. Sergio Mattarella , Presidente da República desde 2015. Ver artigo principal: Política da Itália A constituição italiana de 1948 [ 71 ] estabeleceu um parlamento bicameral, que é formado por uma câmara de deputados ( Camera dei Deputati ) e de um senado ( Senato della Repubblica ) além de um sistema judiciário. e um sistema executivo composto de um conselho de ministros ( Consiglio dei Ministri ), encabeçado pelo primeiro-ministro ( Presidente del consiglio dei ministri ). O presidente da república ( Presidente della Repubblica ) tem um mandato de sete anos. O presidente escolhe o primeiro-ministro, e este propõe os outros ministros, que são aprovados pelo presidente. O conselho de ministros precisa ter apoio ( fiducia - confiança) de ambas as casas do parlamento. Os deputados que são eleitos para o parlamento são eleitos diretamente pela população. De acordo com a legislação italiana de 1993, a Itália tem membros únicos de cada distrito do país, para 75% dos postos no parlamento. Os outros 25% dos postos parlamentares são distribuídos regularmente. A câmara de deputados possui oficialmente 630 membros (mas de fato, são apenas 619 depois das eleições italianas de 2001). Câmara dos Deputados da Itália O senado é composto por 315 senadores, eleitos pelo voto popular, bem como ex-presidentes e outras pessoas (não mais que cinco), indicadas pelo presidente da república, de acordo com provisões constitucionais especiais. Ambos, a câmara de deputados e o senado, são eleitos para um mandato de no máximo cinco anos de duração, mas eles podem ser dissolvidos antes do término do mandato. Leis podem ser criadas na câmara de deputados ou no Senado, e para serem aprovadas, precisam da maioria em ambas as câmaras. O sistema judiciário italiano é baseado nas leis romanas, modificadas pelo Código Napoleônico e outros estatutos adicionados posteriormente. Há também uma corte constitucional ( Corte Costituzionale ), uma inovação posterior à Segunda Guerra Mundial. Forças armadas Eurofighter Typhoon operado pela Força Aérea Italiana Ver artigo principal: Forças armadas da Itália O exército , marinha , força aérea e a Arma dos Carabineiros coletivamente formam as forças armadas italianas , sob o comando do Conselho Supremo de Defesa, presidido pelo Presidente da República Italiana . Desde 1999, o serviço militar é voluntário. [ 72 ] Em 2010, o exército italiano tinha 293.202 soldados ativos, [ 73 ] dos quais 114.778 na guarda nacional. [ 74 ] Os gastos militares italianos totais em 2010 foram os décimos maiores do mundo, situando-se em 35,8 bilhões dólares, equivalente a 1,7% do PIB nacional. Como parte da partilha estratégia de armas nucleares da OTAN , a Itália também abriga 90 bombas nucleares dos Estados Unidos , localizadas nas bases aéreas de Ghedi e Aviano. [ 75 ] Relações exteriores Ver também: Missões diplomáticas da Itália O Parlamento Europeu . A Itália é um dos 27 membros da União Europeia . A Itália foi um membro fundador da Comunidade Europeia - agora União Europeia (UE). A Itália foi aceita nas Nações Unidas em 1955 e é um membro e um forte braço da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio / Organização Mundial do Comércio (GATT/OMC), a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), e o Conselho da Europa . Sua última vez como Presidente rotativa de organizações internacionais incluem a CSCE (a precursora da OSCE) em 1994, a UE duas vezes, em 2001 e de julho a dezembro de 2003. A Itália apoia as Nações Unidas e as suas atividades internacionais de segurança. O país já forneceu tropas de apoio a missões de paz da ONU na Somália , Moçambique , e no Timor-Leste e dá suporte para operações da OTAN e da ONU na Bósnia , Kosovo e Albânia . A Itália mobilizou também mais de 2000 soldados para o Afeganistão , em apoio à Operação Liberdade Duradoura (OEF, do inglês Operation Enduring Freedom ) em fevereiro de 2003 e apoia ainda os esforços internacionais para reconstruir e estabilizar o Iraque , mas o país retirou o seu contingente militar de cerca de 3.200 soldados em novembro de 2006, mantendo apenas trabalhadores humanitários e pessoal civil. Em agosto de 2006, a Itália enviou cerca de 2.450 soldados para o Líbano a serviço das Nações Unidas em uma missão de paz , a FINUL . [ 76 ] Além disso, desde 2 de fevereiro de 2007 um italiano, Claudio Graziano é o comandante da força da ONU no país. Divisões administrativas Ver artigos principais: Regiões da Itália , Comunas da Itália e Lista de províncias da Itália As vinte regiões da Itália são a primeira subdivisão do país, tendo sido instituídas com a constituição de 1948 com o objetivo de reconhecer, proteger e promover a autonomia local. Cinco regiões possuem um estatuto especial ( Friuli-Venezia Giulia , Sardenha , Sicília , Trentino-Alto Ádige , e Vale de Aosta ), o que lhes garante mais ampla autonomia para legislar sobre diversas matérias independentes do governo central. Estas cinco regiões são autônomas por fatores culturais, linguísticos e geográficos. Cada região tem um conselho ( consiglio regionale , na Sicília assemblea regionale ) eleito e uma junta ( giunta regionale ) encabeçada por um presidente. As quinze regiões de estatuto ordinário foram estabelecidas nos anos 1970 e elas serviam prioritariamente para descentralizar a máquina de governo do Estado . Depois duma reforma da constituição em 2001, as competências legislativas das regiões de estatuto ordinário foram ampliadas e os controlos estatais foram significativamente reduzidos senão completamente apagados, como o comissário do governo central. Mas a autonomia financeira é ainda muito limitada. Além da capital, Roma , três outras cidades têm mais de um milhão de habitantes: Milão , a mais rica do país, Nápoles e Turim . Outras cidades importantes são Gênova , Veneza , Florença e Bolonha . Apúlia Basilicata Calábria Sicília Molise Campânia Abruzos Lácio Úmbria Marcas Toscana Sardenha Emília-Romanha Ligúria Piemonte Friul-Veneza Júlia Vale de Aosta Trentino Alto Ádige Vêneto Lombardia Mar adriático Mar Jônico Mar mediterrâneo Mar Tirreno Mar Lígure Bandeira Região Capital Área (km²) População Abruzos Áquila 10 794 1 324 000 Basilicata Potenza 9 992 591 000 Calábria Catanzaro 15 080 2 007 000 Campânia Nápoles 13 595 5 811 000 Emília-Romanha Bolonha 22 124 4 276 000 Friul-Veneza Júlia * Trieste 7 855 1 222 000 Lácio Roma 17 207 5 561 000 Ligúria Gênova 5 421 1 610 000 Lombardia Milão 23 861 9 642 000 Marcas Ancona 9 694 1 553 000 Molise Campobasso 4 438 320 000 Piemonte Turim 25 399 4 401 000 Apúlia Bari 19 362 4 076 000 Sardenha * Cagliari 24 090 1 666 000 Vale de Aosta * Aosta 3 263 126 000 Toscana Florença 22 997 3 677 000 Trentino-Alto Ádige * Trento 13 607 1 007 000 Úmbria Perúgia 8 456 884 000 Sicília * Palermo 25 708 5 030 000 Vêneto Veneza 18 391 4 832 000 Fonte: ISTAT - Censo Geral da população italiana ( 2001 ) Economia Ver artigo principal: Economia da Itália Ver também: Crise da dívida pública da Zona Euro Vista do centro financeiro de Milão , cidade onde está sediada a Borsa Italiana , a principal bolsa de valores do país. Vinhedos na área montanhosa de Langhe, Piemonte . A Itália é o maior produtor mundial de vinhos de alta qualidade. [ 77 ] A Itália tem uma economia de mercado caracterizada por um elevado PIB per capita e taxas de desemprego baixas. Em 2010, era a oitava maior economia do mundo e a quarta maior da Europa em termos de PIB nominal. [ 78 ] Por paridade do poder de compra (PPC), o país possui o décimo maior PIB do mundo e o quinto maior da Europa. [ 79 ] É um membro fundador do G8 , da Zona Euro e da OCDE . Após a Segunda Guerra Mundial , a Itália foi rapidamente transformada de uma economia baseada na agricultura para um dos países mais industrializados do mundo [ 80 ] e um país líder em comércio mundial e exportações . É um país desenvolvido , com a oitava melhor qualidade de vida do mundo [ 9 ] e o 23º melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). [ 4 ] Apesar da recente crise econômica global , o PIB per capita italiano em PPC mantém-se aproximadamente igual à média da União Europeia (UE), [ 81 ] enquanto a taxa de desemprego (8,5%) se destaca como uma das mais baixas da UE. [ 82 ] O país é bem conhecido por seu setor de negócios econômicos influente e inovador, [ 83 ] um setor trabalhista e agrícola competitivo [ 83 ] (a Itália é o maior produtor mundial de vinho) [ 77 ] e por seus automóveis, indústria, eletrodomésticos e design de moda de alta qualidade. [ 83 ] A Itália tem um número menor de empresas multinacionais globais quando comparada a outras economias de tamanho similar, mas há um grande número de pequenas e médias empresas, notoriamente agrupadas em vários distritos industriais, que são a espinha dorsal da indústria italiana. Isso produziu um setor industrial focado principalmente na exportação de nicho de mercado e produtos de luxo , que, se por um lado é menos capaz de competir em quantidade, do outro é mais capaz de enfrentar a concorrência da China e de outras economias emergentes da Ásia com base em custos laborais mais baixos e com produtos de maior qualidade. [ 84 ] Em 2009, o país era o sétimo maior exportador do mundo . [ 85 ] Existem fortes laços comerciais da Itália com outros países da União Europeia , com quem realiza cerca de 59% seu comércio total. Seus maiores parceiros comerciais da UE, a fim de quota de mercado , são a Alemanha (12,9%), França (11,4%) e Espanha (7,4%). [ 86 ] Finalmente, o turismo é um dos setores de maior crescimento e rentabilidade da economia nacional: com 43,6 milhões de chegadas de turistas internacionais e receitas totais estimadas em US$ 38,8 bilhões em 2010, a Itália é ao mesmo tempo o quinto país mais visitado e que mais lucra com o turismo no mundo. [ 87 ] Apesar dessas importantes conquistas, a economia italiana hoje sofre de muitos e relevantes problemas. Depois de um forte crescimento do PIB, entre 5 e 6% ao ano, da década de 1950 aos anos 1970 [ 88 ] e um abrandamento progressivo nas décadas de 1980 e 1990, as taxas médias de crescimento anual da Itália tiveram uma performance ruim, de 1,23%, em comparação com uma média taxa de crescimento anual de 2,28% em toda a UE. [ 89 ] Diante da estagnação econômica , os esforços do governo para reavivar a economia através de maciços gastos públicos a partir dos anos 1980, geraram um forte aumento da dívida pública . De acordo com estatísticas do Eurostat , a dívida pública italiana ficou em 116% do PIB em 2010 - a segunda maior relação dívida/PIB, somente superada pela Grécia , com 126,8%. [ 90 ] Um Ferrari 488 . A Itália tem uma indústria automotiva sofisticada e é o sétimo maior exportador de mercadorias do mundo. A Itália recebe 37 milhões de turistas anualmente. [ 91 ] Na imagem, Atrani , na Costa Amalfitana , perto de Nápoles . Patrimônio Mundial desde 1997. No entanto, a maior fatia da dívida pública italiana é de propriedade de temas nacionais, o que é uma grande diferença entre a Itália e a Grécia. [ 92 ] Além disso, os padrões de vida dos italianos também têm uma considerável desigualdade entre as regiões norte e sul do país . A média do PIB per capita no norte excede em muito a média da União Europeia, enquanto que muitas regiões do sul italiana têm uma renda dramaticamente baixa. [ 93 ] A Itália tem sido muitas vezes referida o ' homem doente da Europa ', [ 94 ] [ 95 ] caracterizado pela estagnação econômica, instabilidade política e problemas em realizar programas de reforma. Mais especificamente, a Itália sofre de deficiências estruturais, devido à sua conformação geográfica e a falta de matérias-primas e recursos energéticos: em 2006 o país importou mais de 86% do seu consumo total de energia (99,7% dos combustíveis sólidos, 92,5% de óleo, 91,2% de gás natural e 15% da electricidade). [ 96 ] [ 97 ] A economia italiana está enfraquecida pela falta de desenvolvimento da infraestrutura, reformas de mercado e investimento em pesquisa, além de um também elevado déficit público . [ 83 ] No Índice de Liberdade Econômica de 2008, o país ocupou o 64º lugar no mundo e o 29º na Europa , a classificação mais baixa da zona euro . A Itália ainda recebe a ajuda ao desenvolvimento da União Europeia a cada ano. Entre 2000 e 2006, a Itália recebeu 27,4 bilhões de euros da UE. [ 98 ] O país tem uma burocracia estatal ineficiente, baixa proteção aos direitos de propriedade e altos níveis de corrupção política , além de uma tributação pesada e gastos públicos que representam cerca da metade do PIB nacional. [ 99 ] Além disso, os dados mais recentes mostram que os gastos do país em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em 2006 foram equivalentes a 1,14% do PIB , abaixo da média da UE de 1,84% e o alvo Estratégia de Lisboa de dedicar 3% do PIB para atividades de P&D. [ 100 ] De acordo com os Confesercenti , uma associação empresarial importante na Itália, o crime organizado na Itália representou o 'maior segmento da economia italiana', respondendo por € 90 bilhões em receitas e 7% do PIB da Itália. [ 101 ] O turismo também é muito importante para a economia italiana: com mais de 37 milhões de turistas por ano, a Itália é classificada como o quinto principal destino turístico do mundo. [ 91 ] A Itália é o quinto país que recebe mais turistas no mundo e Roma é a terceira cidade mais visitada da União Europeia , [ 102 ] sendo constantemente considerada como uma das mais belas cidades antigas do mundo. [ 103 ] Veneza também é considerada a cidade mais bonita do mundo, segundo o New York Times , que descreve a cidade como 'sem dúvida a mais bela cidade construída pelo homem' . [ 104 ] O país também foi classificado com tendo a sexta melhor reputação internacional de 2009. [ 105 ] Infraestrutura Transportes O Frecciarossa 1000 da FS chega a 400 km/h e é o trem mais rápido da Europa As linhas férreas na Itália totalizam 16.627 km, a 17ª maior do mundo, e são operadas pela Ferrovie dello Stato . Trens de alta velocidade incluem os trens classe ETR , dos quais o ETR 500 viaja a 300 km/h. Em 1991, a Treno Alta Velocità SpA foi criada, uma sociedade de propósito específico pertencente à RFI (controlada pela Ferrovie dello Stato) para o planejamento e construção de linhas para trem de alta velocidade ao longo das linhas mais importantes e saturadas da Itália. O objetivo da construção do TAV é de melhorar a viagem ao longo das linhas ferroviárias mais saturadas da Itália e adicionar novos trilhos a estas linhas, notadamente Milão - Nápoles e Turim -Milão- Veneza . [ 106 ] Existem cerca de 654 676 km de rodovias utilizáveis na Itália, incluindo os 6 957 km de autoestradas. [ 107 ] Existem cerca de 133 aeroportos na Itália, incluindo os dois hubs de Malpensa Internacional (perto de Milão) e o Internacional Leonardo Da Vinci-Fiumicino (perto de Roma). [ 106 ] O país tem 27 grandes portos, sendo o maior em Gênova , que também é o segundo maior do mar Mediterrâneo , depois de Marselha . 2 400 km de hidrovias passam pela Itália. [ 106 ] Educação A Universidade de Bologna é a mais antiga instituição acadêmica do mundo, fundada em 1088. A educação na Itália é gratuita e obrigatória entre os 6 e 16 anos de idade [ 108 ] e consiste em cinco fases: ensino infantil ( dell'infanzia scuola ), escola primária ( scuola primaria ), ensino secundário de primeiro grau ( scuola secondaria di primo grado ), ensino secundário de segunda grau ( scuola secondaria di secondo grado ) e universidade ( Università ). [ 109 ] A educação primária dura oito anos. Os alunos recebem uma educação básica em inglês , matemática , ciências naturais , história , geografia , estudos sociais , educação física e artes visuais e musicais. O ensino secundário tem a duração de cinco anos e inclui três tipos tradicionais de escolas voltadas para diferentes níveis de ensino: o liceu prepara os alunos para os estudos universitários com um currículo clássico ou científico, enquanto o tecnico istituto e o professionale istituto preparam os alunos para o ensino profissional . Em 2012, o ensino secundário italiano foi classificado como ligeiramente abaixo da média da OCDE , com uma melhoria forte e constante nas notas de ciências e matemática desde 2003. [ 110 ] No entanto, existe uma grande diferença entre as escolas do Norte , que tiveram um desempenho significativamente melhor do que a média nacional (entre os melhores do mundo em alguns casos), e as escolas no Sul , que tiveram resultados muito mais pobres. [ 111 ] O ensino superior na Itália é dividido entre as universidades públicas, universidades privadas e as prestigiadas e seletivas escolas de graduação superior, como a Escola Normal Superior de Pisa . O sistema universitário na Itália é geralmente considerado como pobre para uma potência cultural mundial do nível do país, sem universidades classificado entre os 100 melhores do mundo e apenas 20 entre as 500 melhores. [ 112 ] No entanto, o atual governo tem agendado grandes reformas e investimentos a fim de melhorar a internacionalização e a qualidade global do sistema. [ 113 ] Saúde Hospital de San Raffaele em Milão O Estado italiano mantém um sistema de saúde pública universal desde 1978. [ 114 ] No entanto, ele é fornecido a todos os cidadãos e residentes através de um sistema misto público-privado. A parte pública é o Servizio Sanitario Nazionale , que é organizado no âmbito do Ministério da Saúde e administrado numa base regional desconcentrada. As despesas de saúde na Itália foram responsáveis por 9,2% do PIB nacional em 2012, muito próximo da média dos países da OCDE de 9,3%. [ 115 ] Em 2000, o sistema de saúde italiano foi classificado como o segundo melhor do mundo. [ 114 ] [ 116 ] A expectativa de vida na Itália é de 80 para os homens e 85 para as mulheres, colocando o sexto país do mundo em expectativa de vida. Em comparação com outros países ocidentais , a Itália tem uma taxa relativamente baixa de obesidade adulta (abaixo de 10% [ 117 ] ), provavelmente graças aos benefícios de saúde da dieta mediterrânica . A proporção de fumantes diários foi de 22% em 2012, abaixo dos 24,4% em 2000, mas ainda ligeiramente acima da média da OCDE. [ 115 ] Fumar em locais públicos, incluindo bares, restaurantes, discotecas e escritórios tem sido restrito a quartos especialmente ventilados desde 2005. [ 118 ] Em 2013, a UNESCO acrescentou a dieta mediterrânica à lista do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade de Itália (promotor), Marrocos , Espanha , Portugal , Grécia , Chipre e Croácia . [ 119 ] [ 120 ] Cultura Ver artigo principal: Cultura da Itália Veneza , construída sobre 117 ilhas A Itália é um dos países que mais influência teve e tem na cultura europeia e mundial, em todas as áreas da arte e cultura. Enquanto país, não existia antes da unificação das Cidades-Estado. A unificação só se concluiu em 1870 . Em função disto, muitas tradições culturais que hoje reconhecemos como italianas são mais associadas a regiões específicas do país. Os italianos podem vangloriar-se de uma longa tradição cultural das artes às ciências e tecnologia, e uma forte tradição de excelência em todas as artes, culturas, literatura e ciências,corroborado no facto de o país possuir o maior número de patrimônios da UNESCO , totalizando 44. São nomes italianos grandes polímatas , artistas e gênios, como Dante , Leonardo da Vinci , Michelangelo e Enrico Fermi . [ 121 ] [ 122 ] Arquitetura Ver também: Arquitetura do Renascimento A Torre Inclinada de Pisa e o Duomo di Pisa , na Piazza dei Miracoli . A Piazza é um Patrimônio Mundial pela UNESCO [ 123 ] e ambos os edifícios são exemplos de arquitetura românica . [ 124 ] A Itália tem um estilo muito amplo e diversificado de arquitetura, que não pode ser simplesmente classificado por período, mas também por região, devido à divisão da Itália em várias cidades-Estado até 1861. No entanto, isso criou uma gama muito diversificada e eclética em projetos arquitetônicos. O país é conhecido por suas consideráveis ​​realizações arquitetônicas, [ 125 ] como a construção de arcos , cúpulas e estruturas semelhantes durante a Roma antiga , e ser o fundador do movimento renascentista de arquitetura do final do século XIV ao século XVI e sendo a terra natal do Palladianismo , um estilo de construção que inspirou movimentos como o da arquitetura neoclássica e influenciou os desenhos que os nobres construíram suas casas de campo em todo o mundo, nomeadamente no Reino Unido , Austrália e Estados Unidos durante a o final do século XVII ao início do século XX. Várias das mais belas obras da arquitetura ocidental, como o Coliseu , a Catedral de Milão e a Catedral de Florença , a Torre de Pisa e os projetos de construção de Veneza , são encontradas na Itália. A arquitetura italiana também amplamente influenciou a arquitetura mundial. O arquiteto britânico Inigo Jones , inspirado pelos projetos de edifícios e cidades italianas, trouxe de volta as ideias de arquitetura renascentista italiana para a Inglaterra do século XVII, sendo inspirado por Andrea Palladio . [ 126 ] Além disso, a arquitetura italiana, popular no exterior desde o século XIX, foi usada para descrever a arquitetura externa que foi construída em estilo italiano, especialmente modelado na arquitetura renascentista. A primeira metade do século XVIII remonta ao exemplo mais significativo do barroco tardio e rococó : a Palazzina di caccia di Stupinigi , projetado por Filippo Juvarra . [ 127 ] Ao mesmo tempo, no Reino de Nápoles, Luigi Vanvitelli inicia, em 1752, a construção do Reggia di Caserta , a última grande criação do barroco italiano. [ 25 ] Após a segunda metade do ' século da arquitetura neoclássica italiana ', mesmo na sua variante do grego moderno , várias obras valiosas, tais como a grande Basílica de São Francisco de Paula , em Nápoles, foram erguidas. [ 25 ] Com a unificação da Itália, o que prevaleceu foi o estilo neorenascentista ou, mais comumente, o ecletismo . [ 25 ] Artes Ver artigo principal: Arte da Itália Ver artigo principal: Pintura da Itália A Última Ceia de Leonardo da Vinci : igualmente a Mona Lisa , é a mais famosa, reproduzida e parodiada pintura de todos os tempos. [ 128 ] A Itália é o local de nascimento de diversos movimentos artísticos e intelectuais que se espalharam pela Europa e pelo mundo, como o Renascimento e o Barroco . A contribuição italiana para a arte e cultura surge das obras de Michelangelo , Leonardo da Vinci , Donatello , Botticelli , Fra Angelico , Tintoretto , Caravaggio , Bernini , Ticiano e Rafael , entre outros. Além da pintura, escultura e arquitetura, as contribuições da Itália para a literatura , ciência e música são indiscutíveis. [ 129 ] Literatura A base da moderna língua italiana foi estabelecida pelo poeta florentino Dante Alighieri , cuja obra A Divina Comédia é considerada a mais importante do período medieval . Em italiano escreveram Boccaccio , Castiglione e Luigi Pirandello , além dos poetas Tasso , Ariosto , Leopardi , e Petrarca , cujo mais famoso estilo é o soneto , uma invenção italiana. Grandes filósofos são Bruno , Ficino , Maquiavel , Vico , Gentile , e Eco . Música Ver artigo principal: Música da Itália Luciano Pavarotti , um dos mais famosos tenores de todos os tempos. Da música popular à clássica , a expressão dos sons tem um papel importantíssimo na cultura italiana. A Itália é o local onde nasceu a ópera , por Claudio Monteverdi . Instrumentos inventados em Itália como o piano e violino permitem executar formas artísticas como a sinfonia , concerto , e sonata . Alguns dos compositores italianos mais célebres são Palestrina e Monteverdi, ambos da época da Renascença, os compositores do Barroco Corelli e Vivaldi , os clássicos Paganini e Rossini , os românticos Verdi e Puccini e os contemporâneos Berio e Nono . Cinema Ver artigo principal: Cinema da Itália O cinema italiano também exerceu decisiva influência com o movimento do neorealismo , movimento nascido no país e que revelou grandes diretores como Roberto Rossellini , Vittorio De Sica e Luchino Visconti . Outros diretores se incluem no panteão dos maiores mestres da sétima arte, como Michelangelo Antonioni , Federico Fellini , Sergio Leone , Pier Paolo Pasolini , Ettore Scola , Bernardo Bertolucci , Mario Monicelli , Giuseppe Tornatore , Dino Risi , Marco Bellocchio , e mais recentemente, Nanni Moretti . Todos eles, de estilos diversos e fascinantes, possuem ao menos um ponto em comum: são alguns dos mais polêmicos, criativos e mordazes investigadores e críticos da sociedade contemporânea, isso nas artes em geral. Atores como Sophia Loren , Gina Lollobrigida , Marcello Mastroianni , Vittorio Gassman , Anna Magnani , Monica Vitti , Roberto Benigni são alguns dos mais conhecidos de todos os tempos. Desportos Estádio Giuseppe Meazza em Milão , com uma capacidade de 80.000 pessoas, é um dos maiores da Europa. A Itália tem uma longa tradição esportiva. Em diversos esportes, tanto individuais quanto em equipe, a Itália tem uma boa representação e muitos sucessos. O esporte mais popular é de longe o futebol . Basquete e vôlei são os próximos mais populares, com a Itália com uma rica tradição em ambos. A Itália também tem fortes tradições no ciclismo , esgrima , tênis , atletismo , polo aquático , rugby , e esportes de inverno . A Itália já sediou os Jogos Olímpicos de Verão de 1960 na capital Roma, e até os Jogos Olímpicos de Verão de 2008 realizados em Pequim , China , havia ganho 191 medalhas de ouro - 45 na esgrima, 33 no ciclismo, 19 no atletismo, 14 no boxe e na ginástica , 10 no remo e no tiro , entre outras. Também já sediou os Jogos de Inverno em 1956 e 2006, e até os Jogos de Vancouver 2010 , a Itália obteve 37 medalhas de ouro. [ 130 ] [ 131 ] [ 132 ] No futebol masculino, a Itália ganhou a Copa do Mundo FIFA de 2006 , e atualmente é o segundo time de futebol mais bem sucedido do mundo, depois do Brasil , tendo vencido quatro Copas do Mundo FIFA . [ 133 ] No vôlei masculino, a Itália é detentora de 3 títulos do Campeonato Mundial e 8 títulos da Liga Mundial . [ 134 ] No automobilismo, a italiana Scuderia Ferrari é a mais antiga equipe dos Grandes Prêmios, tendo competido desde 1948 e, estatisticamente, a mais bem sucedida equipe de Fórmula Um na história com um recorde de campeonatos. Culinária Uma autêntica pizza napolitana. Ver artigo principal: Culinária da Itália A culinária italiana moderna evoluiu através de séculos de mudanças sociais e políticas, com suas raízes que remontam ao século IV a.C. Mudanças significativas ocorreram com a descoberta do Novo Mundo , quando alguns vegetais, tais como batatas , tomates , pimentões e milho , tornaram-se disponíveis. No entanto, estes ingredientes centrais da cozinha italiana moderna não foram introduzidos em escala antes do século XVIII . [ 135 ] Ingredientes e pratos variam conforme a região. No entanto, muitos pratos que antes eram regionais têm proliferado em diferentes variações em todo o país. Queijo e vinho são partes importantes da cozinha, desempenhando diferentes papéis tanto regionalmente quanto nacionalmente com suas muitas variações e leis Denominazione di origine controllata (denominação regulamentada). Café e, mais especificamente o café expresso , tornou-se muito importante para a cozinha cultural da Itália. Alguns pratos famosos e artigos incluem massas , pizzas , lasanhas , focaccia e gelato . Feriados Feriados Data Nome em português Nome local Observações 1 de janeiro Ano novo Capodanno 6 de janeiro Epifania Epifania Variável Páscoa Pasqua Variável Segunda-feira de Páscoa Lunedì dell'Angelo 25 de abril Dia da Libertação Festa della Liberazione Comemora a libertação da Itália da ocupação nazista. 1 de maio Dia do Trabalhador Festa del Lavoro 2 de junho Dia da República Festa della Repubblica Comemora a implantação da República 15 de agosto Assunção de Nossa Senhora Assunzione della B.V. Maria 1 de novembro Dia de Todos os Santos Ognissanti 8 de dezembro Imaculada Conceição Immacolata Concezione 25 de dezembro Natal Natale 26 de dezembro Santo Estêvão Santo Stefano Primeiro mártir cristão Ver também A Wikipédia possui o portal: Portal da Itália Comunas da Itália Províncias da Itália Regiões da Itália Referências ↑ «Banco Mundial» (em inglês) . Consultado em 20 de dezembro de 2016 ↑ «Banco Mundial» (em inglês) . Consultado em 11 de abril de 2015 ↑ a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI), ed. (Abril de 2016). «World Economic Outlook Database» . Consultado em 18 de abril de 2016 ↑ a b c «Human Development Report 2016 – 'Human Development for Everyone ' » (PDF) (em inglês). Human Development Report (Human Development Report Office) - United Nations Development Programme . Consultado em 22 de março de 2017 ↑ «Distribution of family income – Gini index» . CIA – The World Factbook . Consultado em 9 de julho de 2010 ↑ «Italy: Birthplace of the Renaisssance» (PDF) . European Renaissance and Reformation . Township of Washington, NJ: Immaculate Heart Academy . Consultado em 20 de dezembro de 2009 ↑ «Unification of Italy» . Library.thinkquest.org. 4 de abril de 2003 . Consultado em 19 de novembro de 2009 ↑ «The Italian Colonial Empire» . All Empires . Consultado em 30 de outubro de 2010 ↑ a b The Economist Intelligence Unit’s quality-of-life index , Economist, 2005 ↑ a b «Report for Selected Countries and Subjects» . Imf.org. 14 de setembro de 2006 . Consultado em 13 de maio de 2016 ↑ «DDP Quick Query» . Ddp-ext.worldbank.org. 20 de julho de 2004 . Consultado em 2 de agosto de 2010 ↑ «CIA World Factbook, Budget» . Cia.gov . Consultado em 26 de janeiro de 2011 ↑ M. De Leonardis, Il Mediterraneo nella politica estera italiana del secondo dopoguerra , Bologna, Il Mulino, 2003, p. 17 ↑ The Middle East and Europe . [S.l.]: Google Books. 24 de novembro de 1998 . Consultado em 30 de maio de 2011 ↑ «KOF – Pressemitteilung» (PDF) . Consultado em 27 de outubro de 2009 ↑ a b «Estratto dal libro sul nome Italia» (em italiano). Italian.on. 23 de agosto de 2004 . Consultado em 14 de outubro de 2016 ↑ a b «Storia della Calabria» . Preistoria (em italiano). Soverato Web. 23 de agosto de 2005 . Consultado em 14 de outubro de 2016 ↑ Kluwer Academic/Plenum Publishers 2001, ch. 2. ISBN 0-306-46463-2 . ↑ «Istituto Italiano di Preistoria e Protostoria» . IIPP. 29 de janeiro de 2010 ↑ La piccola Treccani vol. XII, p. 703 ↑ a b c d e f g h i j k l m n o p «Italy – Britannica Online Encyclopedia» . Britannica.com . Consultado em 2 de agosto de 2010 ↑ Taagepera, Rein (1979). «Size and Duration of Empires: Growth-Decline Curves, 600 B.C. to 600 A.D». Duke University Press. Social Science History . 3 (3/4): 125. JSTOR 1170959 . doi : 10.2307/1170959 ↑ Turchin, Peter. Adams, Jonathan M.. Hall, Thomas D (2006). «East-West Orientation of Historical Empires» (PDF) . Journal of world-systems research . 12 (2): 222. ISSN 1076-156X . Consultado em 6 de fevereiro de 2016 ↑ Richard, Carl J. (2010). Why we're all Romans : the Roman contribution to the western world 1st pbk. ed. Lanham, Md.: Rowman & Littlefield. pp. xi–xv. ISBN 0-7425-6779-6 ↑ a b c d Middleton, Watkin, p. 292. ↑ Jensen 1992, p. 64. ↑ a b Strathern, Paul The Medici: Godfathers of the Renaissance (2003) ↑ Encyclopædia Britannica, Renaissance , 2008, O.Ed. ↑ Har, Michael H. History of Libraries in the Western World , Scarecrow Press Incorporate, 1999, ISBN 0-8108-3724-2 ↑ Norwich, John Julius, A Short History of Byzantium , 1997, Knopf, ISBN 0-679-45088-2 ↑ Peter Barenboim, Sergey Shiyan, Michelangelo: Mysteries of Medici Chapel , SLOVO, Moscow, 2006 . ISBN 5-85050-825-2 ↑ Leonardo Bruni. James Hankins (October 9,9 de outubro de 2010). History of the Florentine People . 1 . Boston: Harvard University Press Verifique data em: |data= ( ajuda ) ↑ Karl Julius Beloch, Bevölkerungsgeschichte Italiens , volume 3, pp. 359–360. ↑ Thomas James Dandelet, John A. Marino (2007). Spain in Italy: Politics, Society, and Religion 1500–1700 . Leiden: Koninklijke Brill. ISBN 978-90-04-15429-2 ↑ Galasso, Giuseppe (1972). Storia d'Italia 1: I caratteri originali . Turin: Einaudi. pp. 509–10 ↑ Napoleon Bonaparte, 'The Economy of the Empire in Italy: Instructions from Napoleon to Eugène, Viceroy of Italy,' Exploring the European Past: Texts & Images , Second Edition, ed. Timothy E. Gregory (Mason: Thomson, 2007), 65–66. ↑ Anthony Parenti (9 de maio de 2010). «Turin's History: As portrayed by its commemorative plaques - Part 4 of 5: The 19th Century» (em inglês). Italianrus.com . Consultado em 14 de outubro de 2016 ↑ Smith, vol. III, p. 581. ↑ Mourre, p. 639. ↑ Adrian Lyttelton (editor), 'Liberal and fascist Italy, 1900–1945' , Oxford University Press, 2002. pp. 13 ↑ «Italia 1946: le donne al voto, dossier a cura di Mariachiara Fugazza e Silvia Cassamagnaghi» (PDF) . Consultado em 30 de maio de 2011 ↑ Mourre, p. 1193. ↑ Galli, p. 179. ↑ (em italiano ) «Commissione parlamentare d'inchiesta sul terrorismo in Italia e sulle cause della mancata individuazione dei responsabili delle stragi (Parliamentary investigative commission on terrorism in Italy and the failure to identify the perpetrators)» (PDF) . 1995 . Consultado em 2 de maio de 2006 . Cópia arquivada (PDF) em 19 de agosto de 2006 ↑ (em inglês )/(em italiano )/(em francês )/(em alemão ) «Secret Warfare: Operation Gladio and NATO's Stay-Behind Armies» . Swiss Federal Institute of Technology / International Relation and Security Network . Consultado em 2 de maio de 2006 . Cópia arquivada em 25 de abril de 2006 ↑ «Clarion: Philip Willan, Guardian, 24 June 2000, page 19» . Cambridgeclarion.org. 24 de junho de 2000 . Consultado em 24 de abril de 2010 ↑ Agostini, Bertoni, p. 95. ↑ Berlusconismo, in Treccani.it – Enciclopedie on line, Istituto dell'Enciclopedia Italiana, 15 marzo 2011. URL consultato il 24 febbraio 2012. ↑ «Morphometric and hydrological characteristics of some important Italian lakes» . Largo Tonolli 50, 28922 Verbania Pallanza: Istituto per lo Studio degli Ecosistemi . Consultado em 3 de março de 2010 ↑ «Statistiche demografiche ISTAT:» ↑ «Statistiche demografiche ISTAT:» ↑ (em inglês ) McDonald, J.S. (outubro de 1958). «Some Socio-Economic Emigration Differentials in Rural Italy, 1902-1913». Economic Development and Cultural Change . 7 . pp. 55–72. doi : 10.1086/449779 . ISSN 00130079 ↑ a b Monticelli, Giuseppe Lucrezio (verão de 1967). «Italian Emigration: Basic Characteristic and Trends with Special Reference to the Last Twenty Years.». International Migration Review . 1 (3, Special issue, The Italian Experience in Emigration). pp. 10–24. doi : 10.2307/3002737 . ISSN 01979183 ↑ Levy, Maria Stella Ferreira (junho de 1974). «O papel da migração internacional na evolução da população brasileira (1872 a 1972)» . Revista de Saúde Pública . 8 . São Paulo. ISSN 1518-8787 . doi : 10.1590/S0034-89101974000500003 . Consultado em 21 de março de 2017 ↑ a b «demo.istat.it/str2006/index.html» ↑ «www.birn.eu.com/en/111/15/5745/» ↑ JÉSSICA MARTINS MARACCINI O TALIAN: Os processos de transmissão e manutenção linguística da comunidade ítal-gaúcha-norte-mato-grossense ↑ «Italia, quasi l'88% si proclama cattolico» ↑ GLOBAL INDEX OF RELIGIOSITY AND ATHEISM . ↑ During Benedict’s Papacy, Religious Observance Among Catholics in Europe Remained Low but Stable . ↑ Pesquisa mostra como a Itália caminha para secularização . ↑ «Sacra Arcidiocesi Ortodossa d'Italia e Malta ed Esarcato per l'Europa Meridionale» (em italiano). Arquivado do original em 25 de maio de 2007 ↑ a b «Le religioni degli immigrati all'inizio del 2004:bgli effetti della regolarizzazione» (PDF) . p. 3. 5 páginas. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2009 ↑ «Le religioni in Italia: I Testimoni di Geova:» ↑ «Chiesa Evangelica Valdese - Unione delle chiese Metodiste e Valdesi:» ↑ [1] ↑ «Muslims in Europe: Country guide» . Europa (em inglês). BBC NEWS ↑ «Unione Buddhista Italiana: l'Ente» ↑ «SGI-ITALIA.ORG: L'Istituto Buddista Italiano Soka Gakkai:» ↑ «Etnomedia» ↑ «La Costituzione della Repubblica Italiana» (em italiano) . Consultado em 15 de março de 2008 ↑ «Lei n°6433 of 3 de setembro de 1999» . Difesa.it . Consultado em 30 de outubro de 2010 [ligação inativa] ↑ 'The Military Balance 2010', pp. 141–145. International Institute for Strategic Studies , 3 de fevereiro de 2010. ↑ Italian Ministry of Defence . «Nota aggiuntiva allo stato di previsione per la Difesa per l'anno 2009» (PDF) (em Italian) . Consultado em 27 de abril de 2009 [ligação inativa] !CS1 manut: Língua não reconhecida ( link ) ↑ Hans M. Kristensen / Natural Resources Defense Council (2005). «NRDC: U.S. Nuclear Weapons in Europe – part 1» (PDF) . Consultado em 30 de maio de 2011 ↑ ' Soldados italianos vão para o Líbano Corriere della Sera , 30 de agosto de 2006 ↑ a b Pisa, Nick (12 de junho de 2011). «Italy overtakes France to become world's largest wine producer» . The Telegraph . Consultado em 17 de agosto de 2011 ↑ Estatísticas . Banco Mundial . Acessado em 16 de fevereiro de 2012 ↑ Estatísticas PPC . Banco Mundial. Acessado em 16 de fevereiro de 2012 ↑ «Hobsons Careers in Europe | Country profiles» . Careersineurope.hobsons.com . Consultado em 2 de agosto de 2010 ↑ «GDP per capita in PPS» (PDF) . Eurostat . Consultado em 25 de junho de 2009 ↑ [2] Ocse, tasso di disoccupazione stabile nell'eurozona ↑ a b c d «Italy – Economics» . Dev.prenhall.com . Consultado em 2 de agosto de 2010 ↑ «Knowledge Economy Forum 2008: Innovative Small And Medium Enterprises Are Key To Europe & Central Asian Growth» . The World Bank. 19 de maio de 2005 . Consultado em 17 de junho de 2008 ↑ «2010 Press Releases – Trade to expand by 9.5% in 2010 after a dismal 2009, WTO reports – Press/598» . WTO . Consultado em 30 de maio de 2011 ↑ «CIA – The World Factbook» . CIA . Consultado em 26 de janeiro de 2011 ↑ Estimativas . Organização Mundial de Turismo . Acessado em 16 de fevereiro de 2012. ↑ Nicholas Crafts, Gianni Toniolo (1996). Economic growth in Europe since 1945 . [S.l.]: Cambridge University Press. p. 428. ISBN 0-521-49627-6 ↑ Eurostat . «Real GDP growth rate – Growth rate of GDP volume – percentage change on previous year» . Consultado em 10 de maio de 2009 ↑ «Europolitics» . Europolitics.info . Consultado em 26 de janeiro de 2011 ↑ a b «Recibos Internacionais de Turismo» (PDF) . UNWTO Destaques do Turismo, Edição 2005 . Organização Mundial do Turismo . 12 páginas . Consultado em 24 de maio de 2006 ↑ «Could Italy Be Better Off than its Peers?» . CNBC. 18 de maio de 2010 . Consultado em 30 de maio de 2011 ↑ «EUROPA – Press Releases – Regional GDP per inhabitant in the EU27, GDP per inhabitant in 2006 ranged from 25% of the EU27 average in Nord-Est in Romania to 336% in Inner London» . Europa. 19 de fevereiro de 2009 . Consultado em 30 de outubro de 2010 ↑ «The real sick man of Europe» . The Economist. 19 de maio de 2005 . Consultado em 10 de maio de 2009 ↑ «Italy: The sick man of Europe» . Londres: The Daily Telegraph. 29 de dezembro de 2008 . Consultado em 10 de maio de 2009 ↑ Eurostat . «Energy, transport and environment indicators» (PDF) . Consultado em 10 de maio de 2009 ↑ Eurostat . «Panorama of energy» (PDF) . Consultado em 10 de maio de 2009 ↑ «European Cohesion Policy in Italy» (PDF) . Consultado em 30 de outubro de 2010 ↑ «Índice de Liberdade Econômica» . Heritage Foundation . Consultado em 4 de novembro de 2008 . Cópia arquivada em 3 de maio de 2008 ↑ Eurostat . «R&D Expenditure and Personnel» (PDF) . Consultado em 10 de maio de 2009 ↑ Kiefer, Peter (22 de outubro de 2007). «Mafia crime is 7% of GDP in Italy, group reports» . New York Times ↑ «Top 150 City Destinations London Leads the Way > Euromonitor archive» . Euromonitor.com. 11 de outubro de 2007 . Consultado em 27 de outubro de 2009 ↑ «10 of the World's Most Beautiful Ancient Cities | WebEcoist | Green Living» . WebEcoist . Consultado em 27 de outubro de 2009 ↑ Barzini, Luigi (30 de maio de 1982). «The Most Beautiful City In The World - New York Times» . Nytimes.com . Consultado em 27 de outubro de 2009 ↑ Nation Branding » Nation Brands Index 2009 ↑ a b c Comissão Europeia . «Panorama of Transport» (PDF) . Consultado em 3 de maio de 2009 ↑ «Autostrade per l'Italia SpA» ↑ «Law 27 December 2007, n.296» . Italian Parliament . Consultado em 30 de setembro de 2012 ↑ «| Human Development Reports» (PDF) . Hdr.undp.org . Consultado em 18 de janeiro de 2014 ↑ «PISA 2012 Results» (PDF) . OECD . Consultado em 16 de novembro de 2015 ↑ «The literacy divide: territorial differences in the Italian education system» (PDF) . Parthenope University of Naples . Consultado em 16 de novembro de 2015 ↑ «Academic Ranking of World Universities 2015» . Shanghai Ranking Consultancy. 2015 . Consultado em 29 de outubro de 2015 ↑ «Italy's Budget/4: 500 new university 'chairs of excellence' open up to foreign professors and scholars» . Il Sole 24 Ore Digital Edition . Consultado em 16 de novembro de 2015 ↑ a b «Italy – Health» . Dev.prenhall.com . Consultado em 2 de agosto de 2010 . Arquivado do original em 1 de julho de 2009 ↑ a b «OECD Health Statistics 2014 How Does Italy Compare?» (PDF) . OECD. 2014 ↑ «The World Health Organization's ranking of the world's health systems» . ΦΩΤΗΣ ΚΟΥΤΣΟΥΚΗΣ (Photius Coutsoukis) . Consultado em 27 de outubro de 2009 ↑ «Global Prevalence of Adult Obesity» (PDF) . International Obesity Taskforce . Consultado em 29 de janeiro de 2008 . Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2009 ↑ «Smoking Ban Begins in Italy» . Deutsche Welle . 10 de janeiro de 2005 . Consultado em 1 de Agosto de 2010 ↑ «UNESCO Culture Sector, Eighth Session of the Intergovernmental Committee (8.COM) – from 2 to 7 December 2013» . Consultado em 3 de abril de 2014 ↑ «UNESCO - Culture - Intangible Heritage - Lists & Register - Inscribed Elements - Mediterranean Diet» . Consultado em 3 de abril de 2014 ↑ «www.kwintessential.co.uk» (em inglês) ↑ «Famous people from Italy» (em inglês). www.buzzle.com ↑ «Piazza del Duomo, Pisa – UNESCO World Heritage Centre» . Whc.unesco.org . Consultado em 7 de setembro de 2011 ↑ «Leaning Tower of Pisa – Pisa, Italy» . Pisa, Tuscany, Italy: Sacred-destinations.com . Consultado em 7 de setembro de 2011 ↑ Architecture in Italy , ItalyTravel.com ↑ [3] ↑ De Fusco , p. 446 ↑ Vitruvian Man is referred to as 'iconic' at the following websites and many others: Vitruvian Man , Fine Art Classics , Key Images in the History of Science . Curiosity and difference . The Guardian: The Real da Vinci Code ↑ Eyewitness Travel (2005), pg. 19 ↑ História das Olimpíadas ↑ Itália nos Jogos ↑ Itália nos jogos ↑ Site da FIFA ↑ Federação Internacional de Vôlei ↑ Del Conte, 11–21. Ligações externas Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema: Definições no Wikcionário Citações no Wikiquote Imagens e media no Commons Commons Wikiquote Wikcionário Governo Italiano (em italiano ) Presidência da República (em italiano ) v • e Itália História Civilização Etrusca · Roma Antiga ( Reino · República · Império ) · Idade Média · Renascença · Guerras Italianas · História da Itália (1559–1814) · Unificação · Monarquia e guerras mundiais · República Direito Constituição · Corte Constitucional · Suprema Corte · Nacionalidade · Criminalidade · Forças policiais Política Presidente · Parlamento · Senado · Primeiro-ministro · Câmara dos Deputados · Eleições · Partidos políticos Geografia Áreas Alpes · Apeninos · Norte / Central / Sul / Itália Insular Tópicos Maiores cidades · Ilhas · Parques nacionais · Plantas · Regiões · Províncias · Municípios Economia Bank of Italy · Companies · Stock exchange · Taxation · Transportation · Communications Forças Armadas História · Forças Armadas · Naval · Força Aérea · Carabinieri Demografia Imigração · Línguas · Religião · Educação · Saúde · Rankings internacionais Cultura Arquitetura · Arte · Cinema · Culinária · Dança folclórica · Feriados · Italianos · Literatura · Música · Jornais · Radio · Desporto · Televisão Símbolos Bandeira · Brasão · Hino Categoria · Commons · Portal Itália v • e União Europeia Estados-membros Plenos Alemanha Áustria Bélgica Bulgária Chipre Croácia Dinamarca Eslováquia Eslovénia Espanha Estónia Finlândia França Grécia Hungria Irlanda Itália Letónia Lituânia Luxemburgo Malta Países Baixos Polónia Portugal República Checa Roménia Suécia Em processo de saída Reino Unido Em negociação Montenegro Turquia Candidatos Albânia Macedónia Sérvia História Comunidade Europeia do Carvão e do Aço Comunidade Económica Europeia Comunidade Europeia da Energia Atómica Cronologia Governação Instituições Parlamento Comissão Europeia Conselho Europeu Conselho da União Europeia Tribunal de Justiça da União Europeia ( Tribunal Geral ) Banco Central Europeu Tribunal de Contas Europeu Agências Eurojust Europol Frontex Ambiente Espacial Reconstrução Prevenção e Controlo das Doenças Serviço Europeu de Ação Externa Política Eleições Circunscrição do Parlamento Europeu Partidos Grupos políticos Integração Euroceticismo Comités Relações internacionais Parlamentares Direito Acervo comunitário Jornal Oficial Lei da Concorrência Diretivas Direitos de Autor Quatro Liberdades Económicas Procedimentos Regulação Tratados Derrogações (opt-outs) Acordo de Schengen Geografia Fronteiras Pontos extremos Cidades Áreas urbanas por população Áreas metropolitanas por população Áreas urbanas Estados-membros Regiões ultraperiféricas Economia Moedas Política Agrícola Comum Orçamento Euro Banco Central Banco de Investimento Fundo de Investimento Zona Euro Energia Desenvolvimento regional Transportes ( Galileo ) Cultura Cidadania ( Passaporte ) Demografia Carta de condução Educação Instituto da Inovação e da Tecnologia Línguas Comunicação Social Religião Desporto Biblioteca Símbolos Estatísticas Outros tópicos Conselhos Diretivas Partidos políticos Presidência NUTS Placas de identificação de veículos Forças armadas Teoria Supranacionalismo Intergovernentalismo União supranacional Variável geométrica europeia Euroesfera Categoria Portal v • e Europa Países Albânia • Alemanha • Andorra • Arménia • Áustria • Azerbaijão • Bélgica • Bielorrússia • Bósnia e Herzegovina • Bulgária • Cazaquistão • República Checa • Chipre • Croácia • Dinamarca • Eslováquia • Eslovénia • Espanha • Estónia • Finlândia • França • Geórgia • Grécia • Hungria • Irlanda • Islândia • Itália • Kosovo 1 • Letónia • Listenstaine • Lituânia • Luxemburgo • República da Macedónia / FYROM • Malta • Moldávia • Mónaco • Montenegro • Noruega • Países Baixos • Polónia • Portugal • Reino Unido • Roménia • Rússia • San Marino • Sérvia • Suécia • Suíça • Turquia • Ucrânia • Vaticano Territórios Dependências da Coroa e Territórios Ultramarinos Britânicos : Acrotíri e Deceleia • Gibraltar • Guernsey • Jersey • Ilha de Man Nação do Reino da Dinamarca : Ilhas Faroé Região Autónoma da Finlândia : Åland Regiões Autónomas de Portugal : Açores e Madeira Estados não reconhecidos República Turca de Chipre do Norte • Transnístria • Abecásia • Ossétia do Sul • Alto Carabaque 1 Kosovo declarou independência da Sérvia dia 17 Fevereiro 2008, ver também Reacção internacional à declaração de independência do Kosovo de 2008 . v • e Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) Alemanha | Austrália | Áustria | Bélgica | Canadá | Chile | Coreia do Sul | Dinamarca | Eslováquia | Eslovénia | Espanha | Estados Unidos | Finlândia | França | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Israel | Itália | Japão | Luxemburgo | México | Noruega | Nova Zelândia | Países Baixos | Polónia | Portugal | Reino Unido | República Checa | Suécia | Suíça | Turquia v • e Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN/NATO) Países membros Albânia • Alemanha • Bélgica • Bulgária • Canadá • Croácia • Dinamarca • Eslováquia • Eslovénia • Espanha • Estados Unidos • Estónia • França • Grécia • Hungria • Islândia • Itália • Letónia • Lituânia • Luxemburgo • Montenegro • Noruega • Países Baixos • Polónia • Portugal • Reino Unido • República Checa • Roménia • Turquia v • e União Latina Membros Andorra • Angola • Bolívia • Brasil • Cabo Verde • Chile • Colômbia • Costa do Marfim • Costa Rica • Cuba • República Dominicana • Equador • Espanha • Filipinas • França • Guatemala • Guiné-Bissau • Haiti • Honduras • Itália • México • Moçambique • Moldávia • Mônaco • Nicarágua • Panamá • Paraguai • Peru • Portugal • Romênia • São Marinho • São Tomé e Príncipe • Senegal • Timor-Leste • Uruguai • Venezuela Observadores Argentina • Ordem Soberana e Militar de Malta • Vaticano v • e G20 Membros África do Sul • Alemanha • Arábia Saudita • Argentina • Austrália • Brasil • Canadá • China • Coreia do Sul • Estados Unidos • França • Índia • Indonésia • Itália • Japão • México • Reino Unido • Rússia • Turquia • União Europeia Cúpulas Washington 2008 • Londres 2009 • Pittsburgh 2009 • Toronto 2010 • Seul 2010 • Cannes 2011 • Los Cabos 2012 • São Petersburgo 2013 • Brisbane 2014 • Antália 2015 • Hangzhou 2016 • Hamburgo 2017 Outros Reuniões ministeriais • Presidência rotativa • Eleições presidenciais v • e Países desenvolvidos Alemanha | Andorra | Austrália | Áustria | Bélgica | Canadá | China (apenas as RAEs de Hong Kong e Macau ) | Coreia do Sul | Dinamarca | Espanha | Estados Unidos | Finlândia | França | Grécia | República da Irlanda | Islândia | Israel | Itália | Japão | Liechtenstein | Luxemburgo | Mónaco | Noruega | Nova Zelândia | Países Baixos | Portugal | Reino Unido | San Marino | Singapura | Suécia | Suíça | Taiwan | Vaticano v • e Comitê de Ajuda ao Desenvolvimento Membros Alemanha • Austrália • Áustria • Bélgica • Canadá • Coreia do Sul • Dinamarca • Espanha • Estados Unidos • Finlândia • França • Grécia • Países Baixos • Irlanda • Itália • Japão • Luxemburgo • Noruega • Nova Zelândia • Portugal • Suécia • Suíça • Reino Unido • Comissão Europeia Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Itália&oldid=50854385 ' Categoria : Itália Categorias ocultas: !CS1 inglês-fontes em língua (en) !CS1 italiano-fontes em língua (it) !Páginas com erros CS1: datas !Artigos com ligações inativas !Artigos com citações quebradas !CS1 manut: Língua não reconhecida !Páginas que usam links mágicos ISBN !Artigos com falha na verificação !Navecaixas órfãs Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Ver código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikiquote Wikivoyage Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Аҧсшәа Acèh Адыгабзэ Afrikaans Akan Alemannisch አማርኛ Aragonés Ænglisc العربية ܐܪܡܝܐ مصرى অসমীয়া Asturianu Авар Aymar aru Azərbaycanca تۆرکجه Башҡортса Boarisch Žemaitėška Bikol Central Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български भोजपुरी Bislama বাংলা བོད་ཡིག বিষ্ণুপ্রিয়া মণিপুরী Brezhoneg Bosanski ᨅᨔ ᨕᨘᨁᨗ Буряад Català Chavacano de Zamboanga Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄ Нохчийн Cebuano Chamoru ᏣᎳᎩ Tsetsêhestâhese کوردی Corsu Nēhiyawēwin / ᓀᐦᐃᔭᐍᐏᐣ Qırımtatarca Čeština Kaszëbsczi Словѣньскъ / ⰔⰎⰑⰂⰡⰐⰠⰔⰍⰟ Чӑвашла Cymraeg Dansk Deutsch Zazaki Dolnoserbski डोटेली ދިވެހިބަސް ཇོང་ཁ Eʋegbe Ελληνικά Emiliàn e rumagnòl English Esperanto Español Eesti Euskara Estremeñu فارسی Fulfulde Suomi Võro Na Vosa Vakaviti Føroyskt Français Arpetan Nordfriisk Furlan Frysk Gaeilge Gagauz 贛語 Gàidhlig Galego Avañe'ẽ गोंयची कोंकणी / Gõychi Konknni 𐌲𐌿𐍄𐌹𐍃𐌺 ગુજરાતી Gaelg Hausa 客家語/Hak-kâ-ngî Hawaiʻi עברית हिन्दी Fiji Hindi Hrvatski Hornjoserbsce Kreyòl ayisyen Magyar Հայերեն Interlingua Bahasa Indonesia Interlingue Igbo Ilokano Ido Íslenska Italiano ᐃᓄᒃᑎᑐᑦ/inuktitut 日本語 Patois La .lojban. Basa Jawa ქართული Qaraqalpaqsha Taqbaylit Адыгэбзэ Kabɩyɛ Kongo Gĩkũyũ Қазақша Kalaallisut ភាសាខ្មែរ ಕನ್ನಡ 한국어 Перем Коми Къарачай-малкъар Ripoarisch Kurdî Коми Kernowek Кыргызча Latina Ladino Lëtzebuergesch Лезги Luganda Limburgs Ligure Lumbaart Lingála ລາວ لۊری شومالی Lietuvių Latgaļu Latviešu मैथिली Basa Banyumasan Мокшень Malagasy Олык марий Māori Baso Minangkabau Македонски മലയാളം Монгол मराठी Bahasa Melayu Malti Mirandés မြန်မာဘာသာ Эрзянь مازِرونی Dorerin Naoero Nāhuatl Napulitano Plattdüütsch Nedersaksies नेपाली नेपाल भाषा Nederlands Norsk nynorsk Norsk Novial Nouormand Sesotho sa Leboa Diné bizaad Chi-Chewa Occitan Livvinkarjala Oromoo ଓଡ଼ିଆ Ирон ਪੰਜਾਬੀ Pangasinan Kapampangan Papiamentu Picard Deitsch Pälzisch पालि Norfuk / Pitkern Polski Piemontèis پنجابی Ποντιακά پښتو Runa Simi Rumantsch Romani Kirundi Română Armãneashti Tarandíne Русский Русиньскый Kinyarwanda संस्कृतम् Саха тыла Sardu Sicilianu Scots سنڌي Davvisámegiella Sängö Srpskohrvatski / српскохрватски සිංහල Simple English Slovenčina Slovenščina Gagana Samoa ChiShona Soomaaliga Shqip Српски / srpski Sranantongo SiSwati Sesotho Seeltersk Basa Sunda Svenska Kiswahili Ślůnski தமிழ் తెలుగు Tetun Тоҷикӣ ไทย ትግርኛ Türkmençe Tagalog Setswana Tok Pisin Türkçe Xitsonga Татарча/tatarça ChiTumbuka Twi Reo tahiti Тыва дыл Удмурт ئۇيغۇرچە / Uyghurche Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Tshivenda Vèneto Vepsän kel’ Tiếng Việt West-Vlams Volapük Walon Winaray Wolof 吴语 Хальмг IsiXhosa მარგალური ייִדיש Yorùbá Zeêuws 中文 文言 Bân-lâm-gú 粵語 IsiZulu Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 00h55min de 27 de dezembro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Risorgimento
  Risorgimento – Wikipédia, a enciclopédia livre Risorgimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes , mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde Março de 2011) . Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto . Material sem fontes poderá ser removido . — Encontre ... Itália Idade Antiga Itália na Pré-História Itália pré-romana Etrúria (sécs. XII a VI a.C.) Magna Grécia ... Domínio ostrogodo (sécs. V e VI d.C.) Idade Média Itália na Idade Média Reconquista bizantina de Itália (sécs. VI a VII d.C.) Domínio lombardo (sécs. VI a VIII d.C.) Reino Itálico Conquistas islâmicas e normandas no sul de Itália Repúblicas marítimas e Cidades-estado italianas Guelfos e Gibelinos ... Napoleónico (1559–1814) Unificação de Itália (1815–1861) Idade Contemporânea Monarquia (1861–1945) Fascismo CACHE

Risorgimento – Wikipédia, a enciclopédia livre Risorgimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes , mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde Março de 2011) . Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto . Material sem fontes poderá ser removido . — Encontre fontes: Google ( notícias , livros e acadêmico ) Parte de uma série sobre a História da Itália Idade Antiga Itália na Pré-História Itália pré-romana Etrúria (sécs. XII a VI a.C.) Magna Grécia (sécs. VIII a VII a.C.) Roma Antiga (séc. VIII a.c. - séc. V d.C.) Reino de Roma , República Romana Domínio ostrogodo (sécs. V e VI d.C.) Idade Média Itália na Idade Média Reconquista bizantina de Itália (sécs. VI a VII d.C.) Domínio lombardo (sécs. VI a VIII d.C.) Reino Itálico Conquistas islâmicas e normandas no sul de Itália Repúblicas marítimas e Cidades-estado italianas Guelfos e Gibelinos Idade Moderna Renascença italiana (sécs. XIV a XVI d.C.) Guerras Italianas (1494–1559) Domínio Napoleónico (1559–1814) Unificação de Itália (1815–1861) Idade Contemporânea Monarquia (1861–1945) Fascismo e Império colonial (1918–1945) República Social Italiana República (1945– atualidade ) Anos de chumbo (décadas de 1970 e 1980) Portal Itália v • e O Risorgimento (em português : Ressurgimento ) é o movimento na história italiana que buscou entre 1815 e 1870 unificar o país, que era uma coleção de pequenos Estados submetidos a potências estrangeiras. Na luta sobre a futura estrutura da Itália , a monarquia constitucional , encabeçada na pessoa do rei Vítor Emanuel II do Reino da Sardenha , apoiado pelos conservadores liberais , teve sucesso quando em 1859 - 1861 se formou a Nação-Estado , sobrepondo-se aos partidários da extrema-esquerda , maçons carbonários , jacobinos , republicanos e democráticos , que militavam sob Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi . A desejada unificação da Itália se deu assim sob a Casa de Saboia , com a anexação ao Reino de Sardenha , da Lombardia , do Vêneto , do Reino das Duas Sicílias , do Ducado de Módena e Reggio , do Grão-ducado da Toscana , do Ducado de Parma e dos Estados Pontifícios . Na primeira fase do Risorgimento ( 1848 - 1849 ), desenvolveram-se vários movimentos revolucionários e uma guerra nacionalista contra o Império Austríaco , mas concluiu-se sem modificação do statu quo . A segunda fase, em 1859 - 1860 , prosseguiu no processo de unificação e concluiu com a declaração da existência de um Reino de Itália . Completou-se com a anexação de Roma , antes a capital dos Estados Pontifícios , em 20 de setembro de 1870 . Índice 1 Antecedentes 2 As sociedades secretas e o movimento Jovem Itália 3 Revoltas contra a volta do antigo regime 4 A Revolução de 1848 e a tentativa de unificação de Carlos Alberto 5 Vitor Emanuel e Cavour 6 Guerras de Independência 7 A conquista da Sicília 8 A proclamação do Reino de Itália 9 Veneza e Roma 10 As províncias irredentas 11 Mapas do processo de unificação 12 Referências 13 Ver também 14 Ligações externas Antecedentes [ editar | editar código-fonte ] Mapa animado ilustrando o processo de unificação da península itálica. Napoleão Bonaparte criou diversos estados na península Itálica : Reino da Etrúria , Reino de Itália (1805-1814) e entregou o governo do Reino de Nápoles ao seu irmão José . Durante esse período, esses territórios passaram por reformas liberais e pela extinção dos privilégios feudais e eclesiásticos . Após o Congresso de Viena , com a conferência de paz que se seguiu à derrota de Napoleão, e a liquidação do sistema, a península Itálica ficou dividida e subjugada. A Áustria dominava a Lombardia , Vêneto (Venécia) e Istria . os ducados de Parma e Piacenza , Módena e Toscana eram regidos pelos arquiduques austríacos. o Piemonte , que integrava o Reino de Sardenha junto com o Ducado de Saboia e Gênova , era governado pela casa de Saboia . o Papa governava os Estados Pontifícios , estendendo sua autoridade às províncias do Adriático , e os Bourbons voltavam ao Reino das Duas Sicílias . Em todas essas regiões, foi estabelecido o absolutismo ou a monarquia tradicional , esta última baseada nas decisões das cortes . O único Estado que permaneceu mais ou menos liberal foi o Reino da Sardenha , na ocasião composto das atuais regiões de Piemonte e da Sardenha . Os governantes do antigo regime, impostos pelo Congresso de Viena, sem apoio popular, governavam com auxílio das forças austríacas. Entretanto, as ideias revolucionárias e nacionalistas continuavam propagando-se, incentivadas pelo progresso econômico e o amadurecimento das instituições. O incremento da produção têxtil do Reino da Sardenha exigia um vasto mercado global que somente poderia ser a Itália unificada. As ferrovias favoreceram as comunicações e, com elas, a unidade dos diversos Estados. Outro elemento aglutinador era a língua italiana . Os italianos podiam estar separados pelas fronteiras, com monarcas estrangeiros impostos pela Santa Aliança , mas ninguém podia despojá-los do idioma de Dante , Petrarca e Boccaccio . Por outro lado, o romantismo , que se identificou na Itália com o Risorgimento letterario , adquiriu um claro poder político. Assuntos aparentemente literários ou históricos encontravam-se cheios de alusões à escravidão e a tirania. Onde não se tolerava a crítica, empregava-se a sátira . As sociedades secretas e o movimento Jovem Itália [ editar | editar código-fonte ] As ideias revolucionárias também se propagaram através de sociedades secretas como os carbonários, os adelfos e os neo guelfos . Durante o domínio napoleônico, formou-se na Itália uma resistência que contou com membros de uma organização secreta – a Carbonária . A Carbonária, uma sociedade mais ou menos maçônica , surgiu em Nápoles , dominada pelo general francês Joaquim Murat , cunhado de Bonaparte. Seu objetivo, como o da maçonaria em geral, era combater a intolerância religiosa, o absolutismo e defender os ideais liberais. Lutava contra os franceses, porque as tropas de Napoleão haviam iniciado uma espoliação da Itália, embora defendessem os mesmos princípios de Bonaparte. Com a expulsão dos franceses, a Carbonária queria unificar a Itália e implantar uma república com os ideais liberais e anticlericais . Giuseppe Mazzini ( 1805 - 1872 ), fundador do movimento Jovem Itália . Os carbonários eram, principalmente, da média e da pequena burguesia e organizavam-se em vendas, cada uma contendo vinte membros, que desconheciam os grandes chefes. Todas as orientações eram transmitidas pelas vendas . Havia uma venda central, composta por sete membros, que chefiava o trabalho das demais. A Carbonária não tinha nenhuma ligação popular, pois como sociedade secreta, não propagandeava suas atividades. Além disso, a Itália era uma região agrícola e extremamente católica , com camponeses analfabetos e religiosos, que tradicionalmente se identificavam com ideias e chefes conservadores. Giuseppe Mazzini ( 1805 - 1872 ), político genovês , entrou para a sociedade dos Carbonários em 1830 . Ao ser preso em 1831 por advogar inflamadamente a rebelião, passou a criticar as sociedades secretas, seus ritos e a ineficiência militar. Afinal, elas não conseguiram realizar a unificação italiana e não tinham nenhuma representatividade popular. Da crítica às sociedades, Mazzini passou à ação. Fundou a Jovem Itália [ 1 ] ), organização paramilitar que pretendia libertar as regiões italianas do domínio austríaco e unificar o país, por meio da educação do povo e da fundação de uma república democrática. Suas palavras de ordem eram: direito dos homens, progresso , igualdade e fraternidade . A sociedade organizou células revolucionárias em toda a península. A esse movimento democrático opunham-se outras correntes que também pretendiam a unificação italiana. Eram os reformistas monarquistas, contrários à violência proposta por Mazzini e que acreditavam na realização da unidade política em torno do reino sardo-piemontês, sob um regime monárquico constitucional, e os neoguelfos , moderados liderados por Vincenzo Gioberti , que, por intermédio de acordos com a Áustria, queriam formar uma monarquia constitucional sob o controle do papado . O nome neoguelfos tem origem nos guelfos medievais que defendiam que os papas romanos deveriam ter também o poder temporal da Europa. Revoltas contra a volta do antigo regime [ editar | editar código-fonte ] Em 1820 , revoltam-se em Nápoles dois oficiais franceses, Morelli e Silvati , com as suas divisões de cavalaria , ao clamor do rei e ao pretexto da ausência de uma constituição , claramente incitados pela agitação que eclodira pouco antes na Espanha . A revolta começa vitoriosa, o exército agrupa-se quase completamente ao redor dos insurrectos, cujo comando é assumido por Guglielmo Pepe . O rei vê-se forçado a proclamar uma constituição e a formar um governo predominantemente constituído por antigos adeptos de Joaquim Murat . Os acontecimentos em Nápoles se propagam imediatamente à Sicília , onde a revolta assume um caráter autonomista . Um movimento de carbonários piemonteses , exige da mesma forma a promulgação de uma constituição, concedida pelo regente do rei Carlos Félix , Carlos Alberto . Mas tanto o movimento napolitano quanto o piemontês são reprimidos. Morelli e Silvati acabam na prisão e com eles muitos outros. No Piemonte, Laneri e Grelli são condenados. E assim quase todos os que tinham se comprometido com as insurreições dos carbonários se vêem forçados a ir para o exílio. O que caracteriza essas primeiras tentativas é o quase completo afastamento das massas populares e da burguesia. São movimentos conduzidos por oficiais e descendentes da nobreza, com ideais de liberdade, constituição e parlamento, muito distantes das preocupações da população, ligada à agricultura principalmente, tais como repartição de terras, contratos de arrendamento e a situação geral dos camponeses. As insurreições seguintes, de 1830 e 1831 , sobretudo nos Estados da Igreja, em Módena e em Parma , igualmente reprimidos em sangrentos combates, continuam a não mostrar modificações nesta esfera. A Revolução de 1848 e a tentativa de unificação de Carlos Alberto [ editar | editar código-fonte ] A península Itálica em 1843 , dividida em oito Estados . Carlos Alberto de Savoia-Carignano O movimento de unificação de Itália foi desencadeado pela revolução de 1848-1849 . Após a Revolução de Julho, na França, nacionalistas italianos começaram a apoiar Mazzini e o movimento Jovem Itália . Foram incentivados pelo liberal Carlos Alberto da Sardenha , que havia assumido o trono da Sardenha e que se tornara o governante de Piemonte em 1831 . O rei Carlos Alberto adotou uma forma de governo diferente dos demais: o parlamentarismo . Seguindo, inclusive, orientações do Papa Pio IX , que abolira o absolutismo nos Estados Pontifícios , dando anistia aos condenados políticos, promulgou uma Constituição liberal (o Estatuto Fundamental ). Administrador capaz, reformou o sistema financeiro e reforçou o exército. Em 1847 , Camilo Benso , o Conde de Cavour , começou a editar um jornal chamado Il Risorgimento , influenciando largamente o rei, que, convicto da necessidade de expulsar os austríacos da Lombardia e de Veneza , declarou guerra à Áustria em 1848 , contando unicamente com suas próprias forças (seu lema era ' L'Italia fará da sé '). Os sardo-piemonteses tiveram que lutar sozinhos, sendo derrotados em Custozza ( 1848 ) e Novara ( 1849 ). As condições de paz eram humilhantes para serem aceitas e, acreditando que sua utilidade para o país havia terminado, Carlos Alberto abdicou em 23 de março de 1849 em favor de seu filho Vitor Emanuel II ( 1849 - 1878 ) e se exilou em Portugal , vindo a morrer meses depois. Entre 1848 e 1849 , começam as tentativas de unificação do reino da Itália . Durante esse período, os revolucionários proclamam pelo menos três repúblicas, a de São Marcos , a Toscana e a República Romana . Essa última república foi proclamada quando, em 1849 , Giuseppe Mazzini comandou uma revolução em Roma. Os revoltosos cercaram o palácio do Quirinal , onde morava o Papa Pio IX , e o ameaçaram seriamente. Para salvar-se, o pontífice , dissimulado sob outros trajes, fugiu para Gaeta , fortaleza localizada no Reino das Duas Sicílias ( 24 de novembro de 1848 ). Em 9 de fevereiro de 1849 , uma assembleia constituinte em Roma proclamou a República Romana. Um dos primeiros atos da nova república foi a elaboração de uma constituição que pudesse ser utilizada por uma Itália unida. Pio IX apelou para as potências europeias, pois o Congresso de Viena tinha reconhecido e confirmado as fronteiras dos Estados da Igreja . Nações católicas como a Áustria , a França e a Espanha mandaram tropas para atacar Roma e a república foi abolida em julho de 1849. O Papa voltou à sua capital em 1850 . [ 2 ] Proclamação da República Romana (1849) O movimento de Mazzini, a Jovem Itália , apesar de outras tentativas de insurreição, em 1853 , enfraquecia. As forças que queriam construir uma Itália unida mais modernista e progressita foram vencidas. Depois da onda revolucionária, os partidos mais tradicionais cresceram, promovendo posteriormente a unidade italiana mais moderada, sob a égide do Reino da Sardenha . A derrota dos revolucionários provocou a restauração do monarquia tradicional e do absolutismo em quase todos os Estados italianos. O único reino que manteve uma constituição liberal foi o Piemonte-Sardenha. Quase todos os partidos empenhados na unificação depositaram aí suas esperanças. Vitor Emanuel e Cavour [ editar | editar código-fonte ] Vítor Emanuel II , nascido em Turim , no Piemonte . Ascendeu ao trono em 1849 com a abdicação do pai, Carlos Alberto de Saboia . Vitor Emanuel II subiu ao trono do Reino de Sardenha com 29 anos. Destemido na guerra, embora não tão bem dotado como governante, mostrou coragem ao rejeitar as imposições da Áustria para que revogasse a constituição de seu pai, embora esta atitude tenha lhe custado extensos territórios. Mas ao insistir em conceder anistia aos italianos que haviam se revoltado contra os austríacos, tornou-se um herói para seu povo, atraindo vários partidários de ideias unificadoras. Apesar da derrota de seu pai, seu reino crescia a cada dia em população e progresso, tornando-se o centro do movimento nacionalista. Camilo Benso, o Conde de Cavour . ( 1810 - 1861 ). Após a derrota frente à Áustria, em 1852 , Vítor Emanuel II nomeou como chefe de gabinete o Conde de Cavour ( 1810 - 1861 ), líder do Partido Moderado e descendente de ricos latifundiários . Este político queria dar à Itália uma constituição de tipo britânico e era partidário da unificação da Itália, acreditando que a Casa de Saboia deveria liderar o processo. Um dos principais obstáculos à unidade italiana era a Áustria, que possuía muitos territórios no Norte da Itália . Cavour atuou em duas frentes para derrotá-la: no reaparelhamento militar e econômico do Piemonte-Sardenha e na diplomacia internacional para conquistar aliados contra aquele país. Internamente, Cavour procurou desenvolver a indústria, o comércio , as ferrovias e o exército sardo-piemontês. Externamente, participou da Guerra da Crimeia ( 1854 - 1856 ) contra a Rússia , ao lado da França e da Inglaterra , para obter apoio contra a Áustria. Em 1855 , Napoleão III , que tinha simpatia pela causa italiana e era contrário aos tratados de Viena, perguntou a Vitor Emanuel II e ao seu primeiro-ministro, Cavour, qual a contribuição que a França poderia dar à Itália. Em 1856 , França e Inglaterra debatiam abertamente o problema do obscurantismo predominante nos Estados Pontifícios e no Reino das Duas Sicílias , chegando à conclusão de que as duas potências tinham a responsabilidade de modificar essa situação. Cavour utiliza-se da Conferência de Paris , após a guerra, para denunciar a Áustria e despertar o interesse das nações europeias para a causa italiana. Ele e Napoleão III se reuniram secretamente em Plombiers , no verão de 1858 . No final do encontro, a França se comprometeu a apoiar o Reino da Sardenha em caso de invasão austríaca. Confiando nessa promessa, Cavour logo iniciou uma política beligerante contra os austríacos, tentando envolvê-los numa guerra contra o Piemonte-Sardenha. Guerras de Independência [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Primeira Guerra de Independência Italiana , Segunda Guerra de Independência Italiana , Guerra Austro-prussiana Unificação de Itália com a invasão e anexação francesa de Nice e de Sabóia 1860 Giuseppe Garibaldi . Partidário do movimento Jovem Itália , teve de deixar o país em 1834 , regressando catorze anos depois. Entre 1848 e 1866 os exércitos do Reino de Sardenha e do Império Austríaco combateram três guerras que, com êxitos alternados, levaram à libertação da maior parte do Norte da península Itálica do domínio austríaco. A primeira guerra se desenvolveu em 1848 - 1849 e terminou com a derrota do exército sardo-piemontês. A segunda guerra se desenvolveu em 1859 , quando o Reino de Sardenha se aliou à França e terminou com a derrota da Áustria e a formação do núcleo que originaria o reino de Itália. A terceira guerra ocorreu em 1866 e o Reino de Itália aliou-se à Prússia contra a Áustria . Graças à vitória do exército prussiano contra a Áustria, o reino de Itália adquiriu o controle sobre o Vêneto . Os austríacos invadiram o Piemonte , parte do Reino da Sardenha , em 1859 , iniciando a Segunda Guerra de Independência Italiana que teve a França lutando ao lado da Sardenha. A partir do Sul, voluntários aderiram à guerra sob a liderança de Giuseppe Garibaldi , um dos próceres do movimento de unificação do país, chamado a intervir para conferir a este conflito um caráter mais popular. Os povos dos ducados de Módena e Parma , governados por duques ligados ao Império Austríaco , expulsaram seus governantes. A Toscânia , seguida por outros estados, revoltou-se e juntou-se ao Reino da Sardenha. Na frente de batalha ao norte, os austríacos sofreram retumbantes derrotas frente aos franceses e sardo-piemonteses nas batalhas de Montebello ( 20 de maio de 1859 ), Magenta ( 4 de julho de 1859 ) e Solferino ( 21 de Junho de 1859 ). Mapa que mostra Nice e a área do Reino da Sardenha invadido e anexado em 1860 à França (marrom-claro) e à Itália (amarelo) Se as hostilidades continuassem, é muito provável que os austríacos tivessem sido expulsos por completo da península Itálica . Apesar das vitórias, o governante francês, amedrontado pela possibilidade da guerra evoluir para uma revolução, pela violenta campanha dos católicos franceses (protestando contra o ataque aos Estados da Igreja) e pela possibilidade de a Prússia entrar no conflito em apoio ao imperador Francisco José I da Áustria (a Prússia concentrou poderoso exército nas fronteiras com a França), preferiu assinar um armistício em Villafranca . Em 10 de Novembro de 1859, foi firmado o Tratado de Zurique que confirmava o controle da Áustria sobre o Vêneto , cedia a Lombardia à França e estabelecia o retorno ao trono dos soberanos de Toscana, Parma e Módena. Este desrespeito de Paris para com a aliança franco-italiana foi denunciado por Karl Marx e Engels , em artigos publicados em jornais europeus e italianos. Ainda que Napoleão III repassasse, posteriormente, a Lombardia ao Piemonte-Sardenha, as condições do armistício provocaram indignação nos patriotas . Os ducados de Toscana , Parma e Módena não reempossaram seus soberanos. Esses ducados e parte dos Estados Pontifícios (as Marcas e a Úmbria ) optaram, mediante plebiscitos populares, pela união com o Piemonte-Sardenha. Napoleão III concordou, desde que a França recebesse o Ducado de Saboia e Nice . No mesmo ano, foi feito um plebiscito nessas duas regiões, que passaram à França, praticamente por unanimidade. Olhando com desconfiança para a política francesa na Itália, uma vez que ela visava aumentar a zona de influência de Paris , desequilibrando as forças no continente europeu, o governo inglês preferiu apoiar a criação de um Estado unificado na Itália, impedindo que a França assumisse o papel de árbitro na política peninsular. A conquista da Sicília [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Expedição dos Mil Garibaldi partindo para a conquista da Sicília. Em Abril de 1860 , iniciou-se uma insurreição camponesa na Sicília , para onde se dirigiu Garibaldi. Em Maio de 1860 , o lendário Giuseppe Garibaldi – líder da Sociedade Nacional , um movimento criado por ele e Pallavicino , com o apoio do Conde de Cavour e que tinha por finalidade unificar a Itália – partiu de Gênova e desembarcou em Marsala com um exército popular de 1070 homens conhecido como os ' mil de Garibaldi ' ou os ' mil camisas-vermelhas ', porque estes voluntários usavam camisas-vermelhas. Dentro de duas semanas, os revolucionários chegaram à cidade de Palermo , obtendo a capitulação de um exército regular de 20.000 homens. Em Setembro, Garibaldi entrou em Nápoles , sendo logo seguido pelo exército de Vítor Emanuel II , que havia conquistado os Estados Pontifícios . Garibaldi assumiu o poder em Nápoles, com o apoio incondicional de uma parte considerável da população, com exceção dos camponeses, que não constituíam uma forte oposição aos latifundiários. Republicano convicto, Garibaldi opunha-se à política da Casa de Saboia , pois ela daria ao país o regime monárquico. Apesar disso, Garibaldi voluntariamente reconheceu a autoridade de Vítor Emanuel quando esta foi exigida por Cavour e entregou o Reino das Duas Sicílias ao rei, pois preferia ver uma Itália monárquica unida a uma Itália desunida. Vítor Emanuel foi proclamado, em 17 de março de 1861 , rei da Itália , cuja capital passou de Turim para Florença em 1865 , já falecido Cavour. Em 1861 , a comunidade internacional , com exceção da Áustria , reconheceu o nascimento do novo Estado italiano. A proclamação do Reino de Itália [ editar | editar código-fonte ] Em 18 de fevereiro de 1861 , Vítor Emanuel II reuniu em Turim os deputados de todos os Estados que reconheciam sua autoridade e assumiu, em 17 de março , o título de Rei da Itália ' por graça de Deus e vontade da nação ', mantendo porém o número que lhe cabia como soberano do Reino da Sardenha . O Reino da Itália foi governado com base na constituição liberal adotada por seu pais no Reino da Sardenha em 1848 ( Estatuto Albertino ). Veneza e Roma [ editar | editar código-fonte ] Ainda permaneciam fora do Reino de Itália o Vêneto (em poder da Áustria ) e Roma (em poder do papa). Negociações diplomáticas, realizadas pelo governo italiano com a Áustria e com o Papa fracassaram. Em 1866 , o Reino da Prússia entrou em guerra com a Áustria , auxiliada pelo novo Estado italiano. Garibaldi e os seus homens sofreram muitas derrotas, mas as tropas da Prússia ditaram o resultado final deste conflito. Após a assinatura da Paz de Viena em 1868 , a Áustria foi coagida a renunciar ao Vêneto e a região foi integrada ao Reino de Itália . Em 1862 , Garibaldi tentara conquistar Roma, mas fora vencido. Em 1867 , tentou novamente, porém o imperador francês Napoleão III, pressionado pelos católicos de seu pais, invadiu Roma e recolocou o Papa no trono. Pela importância histórica da cidade, antiga capital do Império Romano e sede da cristandade ocidental, a Itália sem Roma era como um homem sem cabeça. Os partidários da unificação queriam transformá-la na capital do novo reino. Os obstáculos eram o exército francês, que ocupava a cidade e o papa, que controlava as amplas massas italianas, majoritariamente católicas. Papa Pio IX . O primeiro obstáculo foi removido com a Guerra Franco-Prussiana ( 1870 - 1871 ). Devido a essa guerra, as tropas francesas foram retiradas da ' Cidade Eterna ' para combater os prussianos , e os italianos invadiram a cidade, que foi ocupada pelas tropas de Vítor Emanuel em 20 de setembro de 1870 , sendo transformada na capital do reino que se formava. Em 13 de Março de 1871 , Vítor Emanuel ofereceu como compensação ao Papa uma indenização e o compromisso de mantê-lo como chefe do Estado do Vaticano , um bairro de Roma onde ficava a sede da Igreja (as leis de garantia ). O Papa Pio IX , consciente de sua influência sobre os católicos italianos e desejando conservar o poder da Igreja, recusou as duas ofertas e declarou-se prisioneiro voluntário do Estado italiano. Além disso, proibiu os católicos italianos de votar nas eleições do novo reino. Essa incómoda questão de disputas entre o Estado e a Igreja, chamada Questão Romana , só terminou em 1929 , quando o ditador fascista Benito Mussolini , necessitando de apoio da Igreja e dos católicos, assinou com o Papa Pio XI a Concordata de São João Latrão . Por esse tratado, firmou-se um acordo pelo qual se criava o Estado do Vaticano , o Sumo Pontífice recebia indenização monetária pelas perdas territoriais, o ensino religioso era obrigatório nas escolas italianas e se proibia a admissão em cargos públicos dos sacerdotes que abandonassem a batina . As províncias irredentas [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Irredentismo A unificação da Itália ainda não se havia completado. Algumas províncias como Trentino , Tirol Meridional , Trieste , e Ístria , continuavam sob domínio austríaco, sendo chamadas de províncias irredentas , isto é, não libertadas. Nessas regiões, irrompeu um movimento de caráter nacionalista: o Irredentismo . Ao final da Primeira Guerra Mundial , partes dessas regiões foram incorporadas à Itália. Mapas do processo de unificação [ editar | editar código-fonte ] Os Estados italianos em 1859 : em laranja o Reino de Sardenha ,em amarelo o Reino das Duas Sicílias , em vermelho os Estados Pontifícios , em azul o Reino Lombardo-Vêneto e em verde o Grão-ducado da Toscana e os Ducados de Parma e de Modena Reino de Sardenha (em laranja) em 1860 depois da anexação da Lombardia , do Grão-ducado da Toscana , dos Ducados emilianos e da Romanha pontifícia. O Reino de Sardenha depois da Expedição dos Mil , depois denominado Reino de Itália (1861) O Reino de Itália em 1866 depois da Terceira Guerra de Independência O Reino de Itália em 1870 depois da conquista de Roma O Reino de Itália em 1919 depois da Primeira Guerra Mundial Império italiano em 1940 República Italiana , em 1946 Referências ↑ JANNUZZI, Giovanni (2005). Breve historia de Italia . 1 1 ed. Buenos Aires: Letemendía. p. 80. ISBN 987-21732-7-3 ↑ PICK, Daniel (2009). Roma ou morte . as obsessões do general Garibaldi 1 ed. Rio de Janeiro: Record. p. 276. ISBN 978-85-01-07702-8 Ver também [ editar | editar código-fonte ] O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Risorgimento Reino de Sardenha Reino Lombardo-Vêneto Reino das Duas Sicílias Ducado de Módena e Reggio Ducado de Parma e Piacenza Estados Pontifícios Museo nazionale del Risorgimento italiano Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] A difícil trajetória da unificação italiana, por Luiz Marques, História Viva O Risorgimento e a Unidade da Itália Vídeo: 150 anni dell'Unità d'Italia Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Risorgimento&oldid=49060452 ' Categorias : Risorgimento Unificações nacionais Século XIX na Itália Categoria oculta: !Artigos que carecem de notas de rodapé desde março de 2011 Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Afrikaans Alemannisch العربية Asturianu Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български Català Čeština Dansk Deutsch Ελληνικά English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Võro Français Furlan Gaeilge Galego עברית हिन्दी Hrvatski Magyar Հայերեն Bahasa Indonesia Íslenska Italiano 日本語 ქართული 한국어 Кыргызча Latina Lietuvių Latviešu Македонски मराठी Bahasa Melayu Nederlands Norsk nynorsk Norsk Occitan Polski Română Русский Sicilianu Scots Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenčina Slovenščina Српски / srpski Svenska தமிழ் Türkçe Українська Vèneto Tiếng Việt Winaray 中文 Bân-lâm-gú Editar ligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 03h35min de 17 de junho de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://desciclopedia.ws/wiki/It%C3%A1lia
  Itália - Desciclopédia Itália Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo. Ir para: navegação , pesquisa ●REPVBBLICA ITALIANA ●República Mafiosa del Mezzogiorno ●Itália Bandeira Brasão Lema : Porco Dio !!! Hino : Tarantella Capital Roma Maior cidade Vaticano Língua Romeno , Marroquino (+ 93457 dialetos e afins)...e um pouco de Italiano . O Terranostrês é falado em áreas onde vivem brasilianos. ... Itália - Desciclopédia Itália Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo. Ir para: navegação , pesquisa ●REPVBBLICA ITALIANA ●República Mafiosa del Mezzogiorno ●Itália Bandeira Brasão ... Bom pra tomar um vinho Site do Governo [1] Só falta mais uma! Judas sobre Itália, ao encontrar uma das botas perdidas Meu avô era de lá, né meeeu?! Paulista sobre Itália tutto a domina na Máfia Itália. Desorganizal Italiana sobre Itália Você tem duas vacas. Uma delas é sua mãe, a outra é sua sogra CACHE

Itália - Desciclopédia Itália Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo. Ir para: navegação , pesquisa ●REPVBBLICA ITALIANA ●República Mafiosa del Mezzogiorno ●Itália Bandeira Brasão Lema : Porco Dio !!! Hino : Tarantella Capital Roma Maior cidade Vaticano Língua Romeno , Marroquino (+ 93457 dialetos e afins)...e um pouco de Italiano . O Terranostrês é falado em áreas onde vivem brasilianos. Tipo de Governo Imperialismo romano Imperador Cannavaro Heróis Nacionais Mário , Luigi , Ferrari , Giuseppe Garibaldi e Materazzi Independência Ainda é dependente da sua mãe Moeda Euro Religião Adoradores de massas, carros e moda População 10 milhões de pizzaiolos , 20 milhões de romenos e ciganos, 20 milhões de outros povos desenvolvidos e civilizados (albaneses, tunisinos, sudaneses e ibéricos) e 10 milhões de mafiosos Área A bota que o Judas perdeu (100% de água) Analfabetismo 0% PIB per Capita 999.777.666.999,00 USD/hab. IDH 0.999 Fuso Horário Meridiano do Gato de Botas Clima Bom pra tomar um vinho Site do Governo [1] Só falta mais uma! Judas sobre Itália, ao encontrar uma das botas perdidas Meu avô era de lá, né meeeu?! Paulista sobre Itália tutto a domina na Máfia Itália. Desorganizal Italiana sobre Itália Você tem duas vacas. Uma delas é sua mãe, a outra é sua sogra, maledetta!!! Capitalismo sobre Itália Bellissimo!!! Italianos sobre qualquer coisa É tetra!!! É tetra!!! Galvão Bueno sobre Itália na copa Tutti per Italia Viva! Don Vito sobre Itália Ma non è possibile...se io trovo quello che mi ha fatto innervosire dio can ghe do un pugno che ghe spacco la testa. Mosconi sobre italianos Spaguetti Niggers! KKK sobre Imigrantes Italianos nos EUA Porco Dio !!!! Don Corleone sobre Roberto Baggio A Itália é o país que eu amo, por isso a comprei Silvio Berlusconi sobre Itália A Itália é um país fundado sobre o trabalho...dos outros Constituição Italiana sobre Itália Na Itália, botas de couro vestem VOCÊ !! Reversal Russa sobre Itália Mamma Mia! Mario , familia caputo & Luigi sobre Itália Ma che cazzo, capisci? Italiano sobre Italia Itália? Ah, Materazzi , Totti, Zambrotta, Milan ! Aaaaaaaah, ITÁLIA! Fernando Vanucci sobre Itália Itália (também conhecida como Carcamânia , terra dos carcamanos) é quase uma Romênia da Europa , conhecida por suas mulheres que apesar de toda a culinária à base de massas, não engordam nem fudendo , quer dizer... só quando elas viram mães . Não é grande coisa, mas é melhor que Portugal e um pouco melhor que Bangladesh . Índice 1 História 1.1 Império Romano 1.2 Idade Média 1.3 Renascimento 1.4 Primeira Guerra Mundial 1.5 Itália fascista 1.6 República Italiana 2 População 3 Economia 4 Geografia 4.1 Subdivisões 5 Políticas 6 Cultura 7 Transporte História Império Romano O exército romano foi quem inventou a formação tática-militar Caixote Romano onde ninguém vê para onde está indo. Ver artigo principal: Império romano Esse povo era muito medieval! Minha mãe sobre a crueldade na Roma Antiga A Itália surge através de um conto de zoofilia , com um menino que mamou numa loba, e fundou a cidade de Roma . Depois, esse povo metido nascido em Roma passou a conquistar todos os povos ao redor, usando pizzas como armas, e depois prendendo os derrotados com tiras de tagliarini al dente . Derrotaram inclusive Cartago , potência que usava elefantes, orcs, e emos como armas de guerra. O problema foi que em Cartago o cozinheiro errou na mão e jogou sal de mais, por isso tiveram de jogar Cartago no lixo e nunca mais reapareceu. Eles conquistaram todo o Mar Mediterrâneo o qual chamaram de 'Privada nostrum'. Mas os romanos começaram a ficar insanos, e se perderam em orgias com mulheres, homens, pizzas , putas pagas , e todo tipo de desgraça. Até que a gente pela-saco de Hitler e gorda do norte, veio e pôs um fim a tudo aquilo. Idade Média Cidadezinha histórica e muito remota na Itália, Casa Del Caraglio mereceu seu lugar na História Universal O Império romano finalmente faliu após séculos, mas a Itália continuou lá, cada vez menor e mais subdividida quando a nobreza italiana virou uma putaria só. Era casar filha pra lá, casar filho pra cá, uma orgia total entre lombardos, gépidos, napolitanos, florentinos, venezianos, genoveses, sicilianos e milaneses. Renascimento Os anos sombrios da Idade Média foram combatidos e evitados pelas forças do bem lideradas pelas Tartarugas Ninjas Rafael , Michelangelo , Donatello e Leonardo . Destruidor que desejava um mundo onde todos temessem ir para o Inferno fazia terror psicológico com a população utilizando a figura do Papa e de Dante Alighieri , mas as tartarugas provaram que era possível construir uma catapulta sem precisar fazer um pacto com o diabo e o povo pode finalmente comprar seus iPodss . Primeira Guerra Mundial Os italianos ficaram na moita, divididos, sem se importar com o resto do mundo, até que Tiago Lacerda , saiu do elenco de ' Terra Nostra ' e veio unificar a Itália, junto com sua amante, a Ana Paulo Arósio , que veio a ser conhecida como Anita Garibaldi . Depois de unificada, veio a Primeira Guerra Mundial , onde a Itália deu uma de Judas e traiu a Alemanha, e passou para o lado dos franceses fedorentos e ingleses dos dentes estragados, mas pelo menos deixou os pedófilos da Áustria sem praia. Não receberam tudo o que os aliados prometeram (porque pouco fez) e por isso se revoltou. Itália fascista Ver artigo principal: República Social Italiana Mussolini , a namorada de Hitler, levou a Itália ao esplendor com a ideologia do fascismo , e ajudou Hitler a brincar de boneca (o que ficou conhecido como Segunda Guerra Mundial ). Mas a Itália se ferrou, e acabou atrapalhando Hitler . Entre as façanhas italianas estão a derrotada contra o pequeno, falido e fraco exército da Grécia , e a derrota humilhante para o precário exército brasileiro (os Pracinhas ) que nunca tinha pegado numa arma antes. Depois dessas patéticas participações, a Itália percebeu que ela era péssima em guerras de decidiu fazer o filme La Vita è Bella , e se voltou para a recuperar o país, matando Mussolini , colocando outro político no comando, logicamente voltou a reconstrução com massa de pizza. República Italiana No entanto, Mussolini ressuscitou, na forma de Berlusconi , o namorado de George W.C. Junior . Muitos italianos 'azarados' vieram para o Brasil e ganharam dinheiro, já que os brasileiros são meio lerdos. Os sicilianos foram espertos e se mudaram para os States , onde montaram a Máfia de Nova York e Boston . Os italianos do Norte se deram mal e acabaram na Terra das Bananas . População Ô delícia! Melhor que lasanha! . A Itália possui muitas mulheres gostosas que falam alto pra cacete, o que ainda não foi explicado pela ciência. A maior de todas é a Monica Bellucci , mulher mais gostosa do universo, sem contar o fato que todas elas se produzem e usam maquiagem para ir ao açougue como se estivessem indo para o Oscar. A cor de sombra que elas mais gostam são azul, azul bebê, azul Hebe, azul turquesa, roxo, roxo claro, roxo escuro, roxeado, lilás e bonina. Tudo intercalado com muito laquê. O mesmo serve para as descendentes de italianos no Brasil. A grande maioria dos homens vive com a mãe e recebe ordem das mesmas, a não ser quando saem de casa, aos 45 anos (fim da adolescência) para se casar com as italianas que enchem a cara de pasta, mas não engordam nem fudendo , diferente das mulheres brasileiras, que não passam dos 140 kg antes de terem filhos e de cabelo de chapinha. Além disso, os italianos são como todo bom europeu, odeiam 'estrangeiros', mas mesmo assim aturam e até fazem piadas no melhor estilo italiano pra sacanearem essa 'gente exótica'. A Itália é um país, como é conhecimento básico, onde os 'homens' se cuidam mais que as mulheres. De fato, a taxa de homossexualismo é mais alta que o PIB dos Estados Unidos da Microsoft . Os mendigos na Itália vivem por causa dos cachorros, por que os italianos tratam os cachorros como filhos, acham eles muito bonitinhos e sempre dão uma moedinha para os seus donos (os mendigos). Economia Caterina Murino , mais um típico monumento italiano. Sua economia se baseia na máfia, que corresponde a 80% de seu PIB e outros 19% pelos filmes da Cicciolina. O resto se divide em: macarrão , pizza e outras massas. Algo que ajudou o país a sair da recessão foi o casamento de Tom Cruise e Katie Holmes , que trouxe cerca de 1 milhão de paparazzi e 300 mil viados hollywoodianos para o país! Geografia No período jurássico, a Itália era uma ilha coberta de gelo, onde habitavam vários ursos polares comedores de Pizza de calabresa. Com os anos, as placas tectônicas cheias de gases levaram a Itália a ficar nos pés, ou nas botas , do Velho Continente. A Itália fica, geograficamente falando, logo abaixo do Círculo Polar Ártico . Na Itália é onde anualmente há o 'Giro d'Italia', assim como na França se tem o 'Tour de France', na Inglaterra o 'Madame Tussaud's', na Alemanha o 'Töhtdesjudeusplätzchenwurstbrotbierundmilch' (algo como 'caça aos judeus') e nos EUA o 'Fuck the Foreigners' (algo como... who cares?) Subdivisões v • d • e • h SUBDIVISÕES DA ITÁLIA mapa clicável Regiões Abruzos | Apúlia | Basilicata | Calábria | Campânia | Emília-Romanha | Friuli-Venezia Giulia | Lácio | Ligúria | Lombardia | Marcas | Molise | Piemonte | Sardenha | Sicília | Toscana | Trentino-Alto Ádige | Úmbria | Vale de Aosta | Vêneto Capital: (em vermelho): Roma Políticas Uma curiosidade, é que na Itália, para ser Presidente da República é necessário ser brocha ou pedófilo. Pois a Constituição manda que o cidadão tenha mais de 50 anos. (Mama mia, mio cazzo già non è duro più!). Mr. Berlusca, sendo bilionário e com o pé na cova, anda pegando as marroquinas na puberdade. Ao fazer o primeiro mapa geográfico do mundo (ou assim dizem os romanos), o romano Rocco Siffredi decidiu que todas as terras e meios de comunicação seriam doados a Silvio Berlusconi , quase tão querido quanto a mamma na Itália. Cultura Monumento dedicado a Rocco Siffredi e que leva milhões de brasileiros à Itália A primeira pizza margherita do mundo foi feita na Itália (especificamente em Nápoles ). Assim como todas as outras. A Itália possui cerca de 60 milhões de dialetos, sendo aproximadamente um por habitante, e mesmo assim é praticamente impossível encontrar alguém que fale italiano em Roma . A Itália é conhecida mundialmente por ser a terra em que 'si beve bene, si mangia bene, si veste bene, si vive bene, si scopa bene, si fa bene'. Transporte O trânsito italiano é um dos mais peculiares da Europa, com um estilo muito copiado pelos brasileiros pela ânsia em querer atropelar pedestres e falta de educação. Itália História • Política • Subdivisões Geografia • Economia Cultura • Turismo Europa v • d • e • h Países : Albânia | Alemanha | Andorra | Armênia | Áustria | Azerbaijão | Bélgica | Bielorrússia | Bósnia e Herzegovina | Bulgária | Cazaquistão | Chipre | Croácia | Dinamarca | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estônia | Finlândia | França | Geórgia | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Itália | Letônia | Liechtenstein | Lituânia | Luxemburgo | Macedônia | Malta | Moldávia | Mônaco | Montenegro | Noruega | Países Baixos | Polônia | Portugal | Reino Unido ( Escócia - Inglaterra - Irlanda do Norte - País de Gales ) | República Tcheca | Romênia | Rússia | San Marino | Sérvia | Suécia | Suíça | Turquia | Ucrânia | Vaticano Territórios: Abecásia | Açores | Akrotiri e Dhekelia | Åland | Chipre do Norte | Crimeia | Gibraltar | Ilha da Madeira | Ilha de Man | Ilhas Canárias | Ilhas do Canal | Ilhas Faroé | Jan Mayen | Kosovo | Nagorno-Karabakh | Ossétia do Sul | País Basco | Svalbard | Transnístria Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) v • d • e • h Países Membros: Alemanha | Bélgica | Bulgária | Canadá | Dinamarca | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estônia | Estados Unidos | França | Grécia | Hungria | Islândia | Itália | Letônia | Lituânia | Luxemburgo | Noruega | Países Baixos | Polônia | Portugal | República Tcheca | Romênia | Reino Unido | Suécia | Turquia Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico v • d • e • h Países membros: Alemanha | Austrália | Áustria | Bélgica | Canadá | Chile | Coreia do Sul | Dinamarca | Eslováquia | Espanha | Estados Unidos | Finlândia | França | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Itália | Japão | Luxemburgo | México | Noruega | Nova Zelândia | Países Baixos | Polônia | Portugal | Reino Unido | República Tcheca | Suécia | Suíça | Turquia Disponível em ' http://desciclopedia.org/index.php?title=Itália&oldid=3444892 ' Categorias : Países Europa OTAN OCDE Itália Menu de navegação Ferramentas pessoais Crie uma conta Entrar Ver e modificar namespaces Artigo Discussão Variantes Visualizações Ler Ver código-fonte Ver histórico Mais Pesquisar Navegação Página principal Todos os idiomas Página aleatória Colaboração Criar artigo Ajuda Página de testes Mudanças recentes Portal comunitário Ferro-velho Votações Direito a voto Melhores artigos Melhores imagens Usuário do mês Calouro Eliminação de páginas + votações (F)Utilidades Boteco A.A. (ajuda) Mesa de truco Regras Chat Blog Novidades Redes sociais Twitter Correlatos Desnotícias Descionário Deslivros Despoesias Descifras Desentrevistas Descitações Deslistas Desreceitas Desconversas Fatos UnCommons UnMeta Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Páginas especiais Versão para impressão Link permanente Informações da página Principais contribuidores Citar esta página Em outros idiomas العربية Boarisch Català Čeština Dansk Deutsch Ελληνικά English Esperanto Español Suomi Français עברית Hrvatski Bahasa Indonesia Italiano 日本語 한국어 Latina Lietuvių Македонски Монгол Plattdüütsch Nederlands Norsk bokmål Polski Română Русский Slovenčina Српски / srpski Svenska ไทย Türkçe Українська 汉语 正體中文 Esta página foi modificada pela última vez à(s) 03h29min de 26 de outubro de 2017. Conteúdo disponível sob Attribution-Noncommercial-Share Alike 2.5 . NENHUM artigo da Desciclopédia representa a verdade. TODOS servem apenas como sátira ou humor. Política de privacidade Sobre Exoneração de responsabilidade



https://pt.wikipedia.org/wiki/Giuseppe_Garibaldi
  Giuseppe Garibaldi – Wikipédia, a enciclopédia livre Giuseppe Garibaldi Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Giuseppe Garibaldi Giuseppe Garibaldi, em 1866 Nascimento 4 de julho de 1807 Nice , Condado de Nice Reino da Sardenha Morte 2 de junho de 1882 (74 anos) Caprera , La Maddalena Itália Nacionalidade Italiano Assinatura Giuseppe Garibaldi ( Nice , 4 de julho de ... ) Caprera , La Maddalena Itália Nacionalidade Italiano Assinatura Giuseppe Garibaldi ( Nice , 4 de julho ... organização republicana Jovem Itália da qual fazia parte ao lado de Giuseppe Mazzini e do Conde de ... marinheiro a exilado 2 Brasil 3 Uruguai 4 Retorno à Itália 5 Derrota em Roma e a morte de Anita ... Oneglia e entrou em contato com a sociedade secreta Jovem Itália , sendo seduzido pelas ideias socialistas de Henri Saint-Simon [ 3 ] e da Jovem Itália , fundada por Giuseppe Mazzini . Mazzini era CACHE

Giuseppe Garibaldi – Wikipédia, a enciclopédia livre Giuseppe Garibaldi Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Giuseppe Garibaldi Giuseppe Garibaldi, em 1866 Nascimento 4 de julho de 1807 Nice , Condado de Nice Reino da Sardenha Morte 2 de junho de 1882 (74 anos) Caprera , La Maddalena Itália Nacionalidade Italiano Assinatura Giuseppe Garibaldi ( Nice , 4 de julho de 1807 — Caprera , 2 de junho de 1882 ) foi um general , guerrilheiro , [ 1 ] condotiero e patriota italiano . Foi alcunhado de 'herói de dois mundos', devido à sua participação em conflitos na Europa e na América do Sul . Uma das mais notáveis figuras da unificação italiana , projectada pela organização republicana Jovem Itália da qual fazia parte ao lado de Giuseppe Mazzini e do Conde de Cavour . Nasceu em Nizza (hoje Nice , na França), então ocupada pelo Primeiro Império Francês e que retornaria ao reino de Sardenha-Piemonte , com a queda de Napoleão Bonaparte , para ser depois cedida à França por Cavour, [ 2 ] pelo tratado de Turim (24 de março de 1860). [ 3 ] Índice 1 Biografia 1.1 De marinheiro a exilado 2 Brasil 3 Uruguai 4 Retorno à Itália 5 Derrota em Roma e a morte de Anita Garibaldi 6 O segundo exílio 7 A segunda Guerra da Independência 8 A conquista do sul 9 Guerra de Secessão Americana 10 Tentativa de libertar Roma 11 A Terceira Guerra da Independência Italiana 12 Nova tentativa de tomar Roma 13 Em defesa da França 14 Últimos anos 15 Legado 15.1 Monumentos italianos 15.2 Monumentos pelo mundo 16 Representações na cultura 17 Referências 18 Bibliografia 19 Ver também Biografia [ editar | editar código-fonte ] De marinheiro a exilado [ editar | editar código-fonte ] Garibaldi nasceu em Nice , que na época era parte do departamento francês dos Alpes Marítimos . Isto antes que este departamento fosse devolvido para a Casa de Saboia , governantes do Reino da Sardenha , depois da derrota de Napoleão Bonaparte , nos termos do Congresso de Viena (1815). Após 1860, retornou ao domínio francês. Desta forma, Garibaldi foi batizado em 29 de julho de 1807, na igreja de San Martino di Acri [ 4 ] e registrado como cidadão francês , com o nome de Joseph Marie Garibaldi. [ 5 ] A sua família tinha se transferido para Nice na década de 1770. O pai, Domenico Garibaldi (1766-1841), nascido em Chiavari , [ 6 ] era proprietário de uma tartana chamada Santa Reparata , [ 7 ] de 29 toneladas, [ 2 ] a mãe, Rosa Raimondi (1776-1852), era originária de Loano , naquela época parte da República Liguriana . Giuseppe era o segundo de seis filhos: Angelo, seu irmão mais velho, foi cônsul nos Estados Unidos . Michele foi capitão na marinha. Felice representante de uma companhia de navegação. Elisabetta e Maria Teresa morreram ainda crianças: a primeira em um incêndio na enfermaria em que se encontrava, [ 8 ] a segunda de doença. [ 7 ] Giuseppe Garibaldi Ilustração do livro do século XIX: Lelbuch der Weltgefchichete oder Die Gelchichete der Menlchheit , de William Rednbacher, 1890 Não se conhece muito da infância de Garibaldi: aos oito anos teria salvo do afogamento uma lavadeira, [ 9 ] o primeiro salvamento de uma série constante na sua vida, de pelo menos doze. [ 10 ] Em 1814, a casa dos Garibaldi foi demolida como parte da expansão do porto e a família se mudou. Seus pais queriam que fosse advogado, médico ou sacerdote, mas Garibaldi não gostava dos estudos, preferindo os exercícios físicos e a vida no mar, ele mesmo contava que era mais amigo da diversão que do estudo. [ 11 ] Com o pai se opondo a sua vocação marinheira, durante as férias tentou fugir por mar para Gênova , com três amigos: Cesare Parodi, Celestino Bernord e Raffaello de Andre. [ 12 ] Foi porém descoberto por um padre que avisou a família sobre a fuga, [ 13 ] sendo descoberto à altura de Mônaco e reconduzido à casa. [ 14 ] Giuseppe Garibaldi passou dez anos de sua vida a bordo de navios mercantes e com o tempo chegou a obter licença de capitão. Mas seus desejos de aventura não permitiram que permanecesse na carreira dos mares. Em abril de 1833, em Taganrog , na Rússia , enquanto comandava a escuna Clorinda , levando um carregamento de laranjas, conheceu Giovanni Battista Cuneo de Oneglia e entrou em contato com a sociedade secreta Jovem Itália , sendo seduzido pelas ideias socialistas de Henri Saint-Simon [ 3 ] e da Jovem Itália , fundada por Giuseppe Mazzini . Mazzini era republicano e ardoroso defensor da unidade italiana , que esperava alcançar por meio de um levantamento popular. Garibaldi se uniu à sociedade secreta, jurando dedicar sua vida à libertação da sua terra natal do jugo estrangeiro. Em novembro de 1833, encontrou-se com Mazzini, iniciando um relacionamento que mais tarde se tornaria problemático. Juntou-se à Carbonária e em fevereiro de 1834 tomou parte da fracassada insurreição de Gênova, sendo condenado à morte por uma corte genovesa. Refugiou-se em Marselha e, em 1835, fugiu para a Tunísia , chegando depois ao Rio de Janeiro . Com 28 anos iniciava seu primeiro exílio. Brasil [ editar | editar código-fonte ] Garibaldi liderando a expedição a Laguna Por Lucílio de Albuquerque Residiu algum tempo no Rio de Janeiro , onde foi membro da Congrega della Giovine Itália , fundada por Giuseppe Stefano Grondona . [ 15 ] Foi também no Rio de Janeiro que conheceu Luigi Rossetti , com quem se juntou à Revolução Farroupilha . [ 15 ] Também conheceu Bento Gonçalves da Silva ainda em sua prisão, no Rio de Janeiro , e obteve dele uma carta de corso para aprisionar embarcações imperiais. [ 16 ] Em 1 de setembro de 1838, Garibaldi foi nomeado capitão-tenente, comandante da marinha farroupilha [ 17 ] . Rossetti e Garibaldi transformaram seu pequeno barco comercial Mazzini em corsário a serviço da República Rio-Grandense . [ 15 ] No caminho para o sul, atacaram um navio austríaco , com uma carga de café e trocaram de navio com seus ocupantes, rebatizando a nova embarcação de Farroupilha . [ 15 ] Enquanto Rossetti desembarcou no porto de Maldonado , Garibaldi foi capturado pela polícia marítima uruguaia, acabando preso na Argentina . [ 15 ] Depois de algum tempo preso, tendo inclusive sido torturado, conseguiu fugir e chegar ao Rio Grande do Sul. Junto dos republicanos foi encarregado de criar um estaleiro , o que foi feito junto a uma fábrica de armas e munições em Camaquã , na estância de Ana Gonçalves, irmã de Bento Gonçalves. [ 17 ] Lá Garibaldi coordenou a construção e o armamento de dois lanchões de guerra. Para participar da empreitada marinheiros vieram de Montevidéu e outros foram recrutados pelas redondezas. [ 16 ] [ 17 ] O Seival Terminada a construção dos barcos, foram lançados à água os lanchões Seival e Farroupilha. Porém, acossados pela armada de John Pascoe Grenfell , não tiveram muito sucesso: capturaram alguns barcos de comércio desprevenidos, em lagoas ou rios longe da Armada Imperial . [ 18 ] Surgiu, então, o plano de levar os barcos pela lagoa dos Patos até o rio Capivari e, dali, por terra, sobre rodados especialmente construídos para isso, até a barra do Tramandaí , onde os barcos tomariam o mar. Os farrapos, despistaram a armada imperial e conseguiram enveredar pelo estreito do rio Capivari e passaram os barcos a terra em 5 de julho de 1839. [ 17 ] Puxados sobre rodados, os dois lanchões artilhados, com cem juntas de bois, [ 19 ] atravessaram ásperos caminhos, pelos campos úmidos - em alguns trechos completamente submersos, pois era inverno, com tempo feio, chuvas e ventos, que tornavam o chão um grande lodaçal. Cada barco tinha dois eixos e quatro grandes rodas, revestidas de couro cru. [ 19 ] Piquetes corriam os campos entulhando atoleiros, enquanto outros cuidavam da boiada. [ 19 ] Levaram seis dias até a lagoa Tomás José, [ 17 ] vencendo 90 km [ 20 ] e chegando a 11 de julho. [ 19 ] No dia 13, seguiram da lagoa Tomás José à barra do rio Tramandaí , no oceano Atlântico e no dia 15, lançaram-se ao mar com uma tripulação mista de 70 homens. O Seival , de 12 toneladas, era comandado pelo norte-americano John Griggs , conhecido como 'João Grandão', e o Farroupilha de 18 toneladas, comandado por Garibaldi - ambos armados com quatro canhões de doze polegadas, de molde 'escuna'. [ 19 ] Por fim, a 14 de julho de 1839, os lanchões rumaram a Laguna para atacar a província vizinha. Na costa de Santa Catarina , próximo ao rio Araranguá , uma tempestade pôs a pique o Farroupilha , salvando-se milagrosamente uns poucos farrapos, entre eles o próprio Garibaldi. Bandeira da República Juliana Com a chegada da marinha farroupilha a Santa Catarina, unindo-se às tropas do exército, sob o comando geral de David Canabarro , foi possível preparar o ataque a Laguna por terra e pela água. A marinha farroupilha entrou através da lagoa de Garopaba do Sul , passando pelo rio Tubarão e atacou Laguna por trás, surpreendendo os imperiais que esperavam um ataque de Garibaldi pela barra de Laguna e não pela lagoa. Garibaldi tomou um brigue e dois lanchões, enquanto somente o brigue-escuna Cometa conseguiu escapar para o mar. [ 18 ] O império então impôs um bloqueio naval que buscava estrangular a república economicamente. Garibaldi ainda conseguiu furar o bloqueio com três barcos, capturou dois navios de comércio, trocou tiros com o brigue-escuna Andorinha e tomou o porto de Imbituba . [ 18 ] Alguns dias mais tarde retornou a Laguna, em 5 de novembro. [ 18 ] Pouco tempo depois, o império reagiu com força total, comandado pelo general Francisco José de Sousa Soares de Andrea , comandante de armas de Santa Catarina, [ 21 ] com mais de três mil homens atacando por terra. Enquanto isto, por mar, o almirante imperial Frederico Mariath , com uma frota de 13 navios, melhor equipados e experientes, iniciou a batalha naval de Laguna. Garibaldi fundeou convenientemente seus cinco navios, que se bateram contra os imperiais valentemente, mas sem chances de vitória. [ 18 ] Nos navios farroupilhas nenhum comandante ou oficial escapou com vida. [ 18 ] O próprio Garibaldi, vendo a derrota iminente, queimou seu navio, a escuna Libertadora , e se juntou à tropa de Canabarro, [ 18 ] que preparou a retirada de Laguna. [ 19 ] Era o fim da marinha farroupilha. Em Laguna, Garibaldi ainda conheceu Ana Maria de Jesus Ribeiro, conhecida depois como Anita Garibaldi , com quem se casaria e que se tornaria sua companheira de lutas na América do Sul e depois na Itália. “ Eu vi corpos de tropas mais numerosas, batalhas mais disputadas, mas nunca vi, em nenhuma parte, homens mais valentes, nem cavaleiros mais brilhantes que os da bela cavalaria rio-grandense, em cujas fileiras aprendi a desprezar o perigo e combater dignamente pela causa sagrada das nações. Quantas vezes fui tentado a patentear ao mundo os feitos assombrosos que vi realizar por essa viril e destemida gente, que sustentou, por mais de nove anos contra um poderoso império, a mais encarniçada e gloriosa luta! ” Depois das queda de Laguna, as tropas farroupilhas tomaram o caminho de Lages para retornar ao Rio Grande do Sul. Enquanto isso, o governo imperial havia decidido enviar um contingente de tropas ao sul pelo interior, com a missão de retomar Lages e depois auxiliar contra o cerco de Porto Alegre pelos farrapos. [ 23 ] Travando pequenos combates com piquetes farroupilhas em novembro, através dos Campos dos Curitibanos e Campos Novos, as tropas imperiais chegaram a Lages, onde retomaram a vila. Os farroupilhas ainda retomaram Lages brevemente, mas as tropas legalistas foram reforçadas por uma divisão vinda de Cruz Alta , sob o comando do coronel Antônio de Melo Albuquerque , o 'Melo Manso'. Garibaldi e Teixeira Nunes, pressentindo um ataque, dividiram suas tropas, uma partindo para o norte, onde, perto do rio Marombas encontrou uma tropa legalista superior em 12 de janeiro de 1840. Os republicanos foram dizimados e dos 500 iniciais, menos de 50 conseguiram retornar a Lages e depois voltar ao Rio Grande do Sul. [ 23 ] Garibaldi ainda participou com Bento Gonçalves, Domingos Crescêncio de Carvalho e 1200 homens da campanha pela conquista de São José do Norte , onde, depois de uma longa marcha a cavalo, se travou uma duríssima batalha de quase nove horas, tendo os farrapos tomado a cidade por pouco tempo - a reação vinda de Rio Grande logo expulsou os farrapos embriagados. [ 24 ] A pedido, o presidente Bento Gonçalves dispensou Garibaldi de suas funções e ele então mudou-se para Montevidéu, no Uruguai , com Anita e seu filho Menotti Garibaldi , nascido em Mostardas , no litoral sul do estado do Rio Grande do Sul . Recebeu um rebanho de 900 cabeças de gado, das quais, depois de 600 quilômetros de marcha, 300 chegaram a Montevidéu, em junho de 1841. [ 25 ] Uruguai [ editar | editar código-fonte ] No Uruguai, casou-se em 26 de março de 1842 , na Igreja de São Francisco de Assis com Anita Garibaldi , ali nasceram os outros filhos do casal: Rosa, Teresa e Ricciotti . Rosa faleceu aos dois anos de idade por asfixia, por causa de uma infecção na garganta. Museu Garibaldi na Casa Garibaldi, em Montevidéu Não se conhece com precisão quando Garibaldi entrou para a marinha uruguaia. Na época, para sustentar a família, trabalhava como professor de matemática numa escola, além de corretor. [ 26 ] Foi recebido no posto de coronel , com uma missão: partir de Montevidéu por mar, subir o rio Paraná e ali saquear os navios ancorados em Corrientes , numa missão suicida. [ 27 ] Sua esquadra tinha três barcos: a nau capitânea Constitución (de 256 toneladas e 18 canhões), o brigantino Pereyra , comandado por Manuel Araña Urioste, e a escuna Procida , comandada por Luigi De Agostini. Partiram em 23 de junho de 1842. [ 28 ] Durante o percurso o 'Constitución' encalhou, era socorrido pela 'Procida' quando foram surpreendidos pela esquadra do almirante William Brown (1777 - 1857), o pai da Armada Argentina , ao comando de sete embarcações. Uma destas, o 'Belgrano' encalhou, graças ao nevoeiro Garibaldi conseguiu fugir com sua esquadra. Brown seguiu em perseguição, mas se perdeu momentaneamente. Garibaldi chegou a Bajada em 18 de julho. [ 27 ] Em 16 de agosto, Brown alcançou a esquadra garibaldina e começou a bombardeá-la. Depois de três dias de combate, [ 29 ] todas as embarcações tinham sido incendiadas, porém alguns marinheiros conseguiram escapar para terra junto com Garibaldi. Buscaram abrigo primeiro em Goya e depois, em 19 de novembro, em Paysandú . Ali recebeu ordens do general Felix Edmundo Aguyar de empreender algumas ações militares. Foi depois chamado de volta a Montevidéu, porém incumbido de incendiar novamente a esquadra que comandava. No começo de dezembro já estava encarregado de reconstruir a frota perdida. Afundou em um ataque, em 2 de fevereiro de 1843 um brigue da frota de Brown. Poucos dias depois, ocorreu a primeira tentativa do general Manuel Oribe de invadir a cidade, em 16 de fevereiro, quando iniciou o cerco. [ 30 ] Bandeira calabresa usada contra Napoleão , insígnia da Legião Italiana sob comando de Garibaldi durante o cerco de Montevidéu . Em 29 de abril de 1843 , depois de haver reforçado a defesa da ilha das Ratas , frente a Montevidéu, encontra novamente Brown, que tinha dois brigues e duas escunas, enquanto Garibaldi somente duas embarcações com um canhão cada uma. Consegue se salvar graças à intervenção inglesa. No final do ano ganha o comando da Legião Italiana e escolhe a cor vermelha para os uniformes e uma bandeira negra com o Vesúvio em erupção. [ 31 ] [ 32 ] Após um série de pequenas vitórias, recusou em uma carta de 23 de março de 1845 a proposta feita em janeiro pelo general Rivera de dar terras para a Legião Italiana, como se havia feito anteriormente com a Legião Francesa. [ 33 ] Buscando acabar com o assédio de Montevidéu, Ingliefeld e Garibaldi começaram a abrir um brecha, com a intenção de conquistar alguns portos inimigos, em agosto de 1845. [ 34 ] Garibaldi comandava dois brigues, o Cagancha , com 64 homens, [ 35 ] e o 28 de marzo com 36 tripulantes, além de outras embarcações. Depois de tomar as ilhas Viscaíno e Gualeguaychú , a nau francesa Eclair , no comando de Hippolite Morier, une-se frente a Salto , ocupada pelos homens de Manuel Lavalleja, irmão de Juan Antonio Lavalleja . Após ser derrotado por Francesco Anzani , Lavalleja abandonou a cidade, que em 3 de novembro foi ocupada por Garibaldi. Justo José de Urquiza começou o assédio à cidade em 6 de dezembro , [ 36 ] depois de dezoito dias de combate, deixou uma parte de seus homens, por volta de 700, abandonando a empresa. Em 9 de janeiro , Garibaldi obteve sua primeira vitória contra os atacantes, à noite. O general Anacleto Medina vinha reforçar a cidade com 50 cavaleiros, quando Garibaldi lhe atacou com 186 legionários e 100 homens comandados pelo coronel Bernardino Baez , [ 37 ] porém são surpreendidos pelo general Servando Gómez perto de San Antonio , por volta das onze da manhã. [ 38 ] Os homens encontraram abrigo nas ruínas de uma charqueada , onde se organizaram, disparando somente à queima-roupa e depois atacando a baioneta , conseguindo assim resistir ao ataque. Depois de oito horas de combate, Garibaldi ordenou a retirada. [ 39 ] Os mortos forem recolhidos e enterrados em uma vala comum sobre a qual foi fincada uma bandeira em sua homenagem, em 8 de fevereiro de 1846 . Garibaldi permaneceu vários meses em Salto, repelindo cada ataque. Em 20 de maio , atacou à noite Gregório Vergara e, na volta, decide atacar os soldados que o perseguiam comandados por Andrés Lamas, ambos oficiais de Servando Gómez . [ 40 ] As façanhas de Garibaldi no ultramar ficaram famosas na Itália graças ao seu compatriota Angelo Raffaele Lacerenza , que distribuiu, por sua própria conta, em toda Itália, seis mil cópias do 'Decreto de Graça e Honra' concedido pelo Governo de Montevidéu aos legionários italianos. [ 41 ] Garibaldi tentou enviar Anita e as crianças para longe, para Nice para ficarem com sua mãe, mas obteve um parecer negativo do Ministério dos Negócios Estrangeiros do rei Carlos Alberto , Solaro della Margarita , em junho de 1846. [ 42 ] Com os legionários planejando voltar para casa, e graças ao recolhimento de fundos organizado, entre outros por Stefano Antonini, Anita, com seus três filhos e outros familiares dos legionários partem finalmente em janeiro de 1848 , em um barco com destino a Nice , onde foram confiados por um tempo aos cuidados da família de Garibaldi. Retorno à Itália [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: República Romana em 1849 Garibaldi regressou à Itália em 1848 para lutar na Lombardia contra o exército austríaco e iniciar a luta pela unificação italiana . Formou a Legião Italiana , com muitos recrutas provenientes do Piemonte e dos territórios da Lombardia e Vêneto , sob domínio austríaco , e teve até uma estação na cidade de Rieti , na fronteira com o Reino das Duas Sicílias . Garibaldi durante o assédio de Roma (1849) , com Nino Bixio (a pé) e André Aguiar (a cavalo) Por George Housman Thomas e William Luson Thomas A legião aumentou para cerca de 1000 homens e ganhou disciplina e organização. O papa Pio IX pediu ajuda militar aos países católicos. Aurelio Saliceti e Montecchi deixaram o triunvirato. Seus lugares foram preenchidos em 29 de março por Aurelio Saffi e Giuseppe Mazzini , o fundador do movimento Jovem Itália , que tinha sido o espírito orientador da república desde o início. Ao final de 1848, o Papa, temendo as forças liberais, abandonou Roma , para onde foi Garibaldi junto com um grupo de voluntários. Em fevereiro de 1849 , foi eleito deputado republicano na assembleia constituinte da recém-proclamada República Romana . Em 25 de abril , de oito a dez mil soldados franceses sob comando do general Charles Oudinot desembarcaram em Civitavecchia , na costa noroeste de Roma , enquanto a Espanha enviou quatro mil homens sob Fernando Fernández de Córdova para Gaeta , onde o papa tinha encontrado refúgio. O francês enviou uma equipe oficial para no dia seguinte encontrar-se com Giuseppe Mazzini com uma mensagem de que o papa seria restabelecido ao poder. A Assembleia Revolucionária Romana, em meio a grandiosos gritos de 'Guerra! Guerra!', autorizou Mazzini a resistir aos franceses pela força das armas. Os franceses esperavam pouca resistência por parte dos 'usurpadores'. Mas a solução republicana foi dada na figura do carismático Garibaldi. Em 29 de abril , desembarcam no porto de Anzio 600 homens do batalhão lombardo Bersaglieri , comandado por Luciano Manara . Precipitadas defesas foram erguidas sobre os muros de Janículo , e as moradias da periferia da cidade foram protegidas. Os legionários e os cidadãos-soldados de Garibaldi conseguiram mandar as tropas inimigas de volta ao mar. Mas, apesar da exortação das tropas de Garibaldi, Mazzini resistiu a acompanhar as suas vantagens, já que ele não tinha esperado um ataque francês e esperava que a República Romana pudesse se aliar à República Francesa. Os prisioneiros franceses eram tratados como ospiti della guerra e enviados de volta com folhetos republicanos . Como resultado, Oudinot foi capaz de reagrupar seu exército e aguardar reforços. Uma carta do imperador francês Napoleão III incentivou Oudinot e garantiu-lhe reforços franceses. O governo francês enviou Ferdinand de Lesseps para negociar um cessar-fogo. Tropas napolitanas simpáticas ao papado entraram em território romano, e De Lesseps sugeriu que as forças de Oudinot na sua atual posição poderiam proteger a cidade a partir da abordagem convergente de um exército austríaco com o vigor napolitano. Muitos italianos de fora dos Estados Pontifícios deslocaram-se a Roma para a luta pela república. Derrota em Roma e a morte de Anita Garibaldi [ editar | editar código-fonte ] Garibaldi e Anita buscam refúgio em San Marino . Ainda que não tivesse opção alguma para evitar a queda de Roma, sua luta se converteu em uma das mais épicas passagens do Risorgimento . O cerco começou a sério no dia 1 de junho e, depois de um assédio de um mês, apesar de muitos episódios de valor por parte do exército republicano e dos voluntários de Garibaldi, entre os quais a defesa do Janículo, o exército francês prevaleceu em 29 de junho . Em 30 de junho , a Assembleia Romana reuniu-se e foram debatidas três opções: render-se. continuar lutando nas ruas de Roma. ou retirar-se de Roma e continuar a resistência nos Apeninos . Garibaldi fez um discurso em que ele favoreceu a terceira opção e, depois, disse: “ Dovunque saremo, colà sarà Roma . (Onde estivermos, lá será Roma). ” Declarou ainda Garibaldi ao parlamento romano: “ A sorte, que hoje nos traiu, sorrirá para nós amanhã. Estou saindo de Roma. Aqueles que quiserem continuar a guerra contra o estrangeiro, venham comigo. Não ofereço pagamento, quartel ou comida. Ofereço somente fome, sede, marchas forçadas, batalhas e morte. Os que amam este país com seu coração, e não com seus lábios apenas, sigam-me. ” Garibaldi e Anita, ferida, fogem de San Marino , 1849 Quadro de anônimo, século XIX A trégua foi negociada em 1 de julho e em 2 de julho . Garibaldi, retirou-se de Roma. Na sua fuga em direção a Veneza , seguiram com ele 3900 soldados (800 deles a cavalo). À sua caça, três exércitos (franceses, espanhóis e napolitanos ) com 40 mil soldados. A norte esperava-o o exército austríaco com quinze mil soldados. O destino final, embora não claro desde o início, era a costa adriática . [ 2 ] A república foi suprimida em 3 de julho de 1849 , não antes de promulgar a sua constituição. Na neutra e independente república de San Marino , Garibaldi recusou o salvo-conduto oferecido a ele e sua família pelo embaixador americano. Na fuga, sua esposa Anita Garibaldi faleceu em 4 de agosto de 1849 , em Mandriole , próximo a Ravena . Anita está atualmente enterrada no Janículo em Roma , onde há um monumento em sua homenagem. Garibaldi refugiou-se primeiro na Suíça e depois em Nice . O segundo exílio [ editar | editar código-fonte ] Condenado pela segunda vez ao exílio, em 1849 . Depois de uma estada em Tânger , Garibaldi mudou para Staten Island , [ 44 ] onde chegou em 30 de julho de 1850, permanecendo exilado na tentativa de evitar publicidade. Foi hospedado pelo inventor Antonio Meucci e passou o tempo como fabricante de velas na fábrica deste em Staten Island , mas insatisfeito. Mais tarde, como capitão de navio, fez diversas viagens pelo Pacífico , a mais longa delas de dois anos, a partir de abril de 1851. [ 44 ] Durante esta viagem visitou a heroína revolucionária andina Manuela Sáenz no Peru . Também esteve na Nicarágua e El Salvador . Em 1852, viajou pelo Pacífico , tendo aportado na Three Hummock Island , na Austrália , como capitão do navio mercante Carmen . [ 45 ] [ 46 ] Garibaldi deixou Nova Iorque pela última vez em novembro de 1853, [ 44 ] a cabana onde residiu em Staten Island, entre 1851 e 1853 está listada na Registro Nacional de Lugares Históricos dos Estados Unidos e é mantida como Garibaldi Memorial . Em 21 de março de 1854, Garibaldi chegou a desembocadura do rio Tyne , no nordeste da Inglaterra, como capitão do barco Commonwealth , vindo de Baltimore . Garibaldi, uma figura célebre em Tyneside , foi recebido com entusiasmo pelos trabalhadores locais. Como lembrança de sua estada no local, foi presenteado com uma espada, comprada com o dinheiro recolhido entre a população. Seu neto Giuseppe Garibaldi II lutou com esta espada na África do Sul , quase um século depois, ao lado do Exército Britânico , como voluntário na Segunda Guerra dos Bôeres . Garibaldi permaneceu em Tyneside mais de um mês, partindo no final de abril de 1854. [ 47 ] A segunda Guerra da Independência [ editar | editar código-fonte ] Estampas de Garibaldi com as divisas das campanhas de 1848, 1859 e 1860 Garibaldi voltou à Itália em 1854 , depois de encontrar Mazzini, em Londres, e chegou a Gênova em 6 de maio , seguindo para Nice. Comprou em 29 de dezembro uma parte dos terrenos de Caprera , uma ilha do arquipélago de La Maddalena que viria a ser sua residência. [ 48 ] A partir da casa de um pastor, construiu, juntamente com 30 amigos, uma fábrica. Logo em seguida, a ilha passou a ser totalmente sua. [ 49 ] Em agosto de 1855, recebeu a patente de capitão de primeira classe, navega com o 'Salvatore' a hélice, em seguida comprou um cutter inglês o Anglo French , que renomeou com o nome de seu novo amor, Emma . O navio encalhou e Garibaldi encerrou sua atividade de marinheiro para dedicar-se à agricultura, chegando a ter um olival com cerca de 100 oliveiras , um parreiral para produção de vinho, 150 cabeças de gado, 400 frangos, 200 cabras, 50 porcos e mais de 60 mulas. [ 50 ] Em 4 de agosto, publicou em diversos jornais um carta com suas ideias, distanciando-se das posições de Mazzini. Em 20 de dezembro de 1858, encontrou-se com Cavour , primeiro-ministro do Reino da Sardenha . Eleito vice-presidente da Società Nazionale , fundada em 1º de agosto de 1857, sob direção de Giorgio Pallavicino Trivulzio . [ 51 ] Em 17 de março de 1859, foram criados, por decreto real, os Caçadores dos Alpes ( Cacciatori delle Alpi ), com Garibaldi na patente de major-general, com 3200 soldados e uniforme do exército sardo . Foram formados três grupos, os outros dois sob o comando de Enrico Cosenz e Giacomo Medici (que havia combatido com Garibaldi no Uruguai). [ 52 ] [ 53 ] Empreendeu uma marcha para Arona , onde seus homens esperavam pernoitar. Garibaldi comunicou a Turim a intenção de alcançá-la. [ 54 ] Ordenando um absoluto silêncio, alcançou Castelletto , onde deixou dois regimentos e continuou o avanço com o terceiro. Em 23 de maio, tendo deixado o Ticino para trás, atacou com barcos Sesto Calende , derrotando os austríacos e entrando na Lombardia . Após ocupar Varese , entrou em combate em 26 de maio com o barão Karl von Urban , [ 55 ] enviado pelo general Ferencz Gyulai . Ali, na batalha de Varese, Garibaldi ordenou disparar somente quando o inimigo estivesse a uma distância de 50 passos. Ao final, as baixas, entre os caçadores são de 22 homens, contra 105 austríacos mortos e mais 30 prisioneiros. [ 56 ] No dia seguinte, depois de ter atacado frontalmente e vencido os austríacos, apesar da inferioridade numérica, na batalha de San Fermo , ocupou a cidade de Como [ 57 ] . No dia 29, recomeçou a operação, desejando conquistar o fortim de Laveno , que alcança em 31 de maio [ 58 ] . Não obteve êxito no ataque, e no meio tempo, com o retorno de Urban a Varese, voltou a Como para guardar a cidade, retomando depois a Varese, depois da vitória dos franceses na Batalha de Magenta . [ 59 ] Em 15 de junho, seguindo as ordens do general Della Rocca que o enviou a Lonato perto do lago de Garda , deslocou-se para oeste. Em Rezzato , na província de Bréscia , deveria se unir com as tropas de Sambuy, o que não ocorreu pois a operação tinha sido cancelada. Garibaldi não tendo sido informado, continuou a aproximar-se do inimigo em retirada. Enrico Cosenz, depois de impedir um ataque inimigo, parou o avanço de suas tropas. O coronel Stefano Turr continuou o ataque, em seguida, alcançado pelo mesmo Cosenz, Garibaldi percebendo a situação desfavorável enviou Médici em seu apoio, e reorganizou a tropa, limitando as perdas: 154 entre os caçadores, 105 entre os austríacos, [ 60 ] na chamada batalha de Treponti. Em seguida, recebeu ordens para ir para um teatro de guerra secundário, em Valtellina , para empurrar algumas tropas austríacas em direção ao Passo dello Stelvio , encerrando a Segunda Guerra de Independência , com o armistício de Villafranca , sendo a Lombardia então anexada ao Reino da Sardenha . Ao longo desta campanha o número de voluntários que seguiam Garibaldi cresceu bastante, de cerca de 3000 até por volta de 10000. [ 57 ] [ 61 ] Manfredo Fanti recebeu então o comando, enquanto Garibaldi foi despromovido ao segundo lugar, recebendo o comando de um dos três exércitos, os outros dois ficando sob a liderança de Pietro Roselli e Luigi Mezzacapo . Após estas disputas, ele renunciou. A conquista do sul [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Expedição dos Mil A conquista do sul Placa em memória da Expedição dos Mil em Porto Santo Estêvão, 9 de maio de 1860 Manifesto em língua napolitana celebrando o aniversário da entrada de Garibaldi em Nápoles Conseguida a unificação do norte do país, Garibaldi voltou sua atenção à Itália central. Vítor Emanuel II , rei da Sardenha , em princípio deu o apoio a um ataque contra os territórios papais , mas à última hora o obrigou a abandonar o projeto. Garibaldi aceitou a decisão e se manteve fiel, porém a cessão de Nice e Saboia à França por parte de Cavour e Vítor Emanuel [ 3 ] lhe pareceu um ato de traição e decidiu atuar por sua conta. A 4 de abril, a tentativa de protesto em Palermo de Francesco Riso foi prontamente reprimida, mas deu início a uma série de manifestações e insurreições, tendo como desfecho a famosa marcha a Messina , entre 10 e 20 de abril de 1860, por Rosalino Pilo . A quem encontrava pelo caminho, anunciava prontamente: 'Garibaldi virá!' Quando a notícia da sublevação foi confirmada no continente, Garibaldi julgou ser aquele o momento propício para agir. Com os Caçadores dos Alpes , Garibaldi havia demonstrado sua própria capacidade de chefe militar, com um ligeiro exército de voluntários e contra um exército regular. A Itália estava cheia de voluntários, desejosos por unir-se aos veteranos 'Caçadores' e por combater ao lado de Garibaldi: o recrutamento da tropa não seria um obstáculo. O armamento e os uniformes, se não obtidos junto aos Caçadores dos Alpes, seriam obtidos junto ao exército sardo . O financiamento também. Em todo caso, poderia recorrer-se à campanha da 'Subscrição nacional por um milhão de rifles', iniciada ainda a 18 de dezembro de 1859. Garibaldi era de fé republicana mas, já se havia passado doze anos desde que concordara em colaborar com a Casa de Saboia . Porém, os tempos eram tais que até mesmo Mazzini podia escrever que: 'não se trata mais de república ou monarquia: se trata da unidade nacional' - 'de ser ou não ser'. Além disso Garibaldi gozava de uma ilimitada estima da opinião pública italiana e da liberal, no mundo. Numa conversa, Cavour havia julgado justo que Garibaldi fosse enviado para tentar a famosa sublevação do interior, buscando que incomodasse o Reino de Nápoles e reduzisse Francisco II a ações moderadas, e ainda que 'constrangisse' o Reino da Sardenha a garantir a ordem pública, intervindo no conflito. Porém a realidade mostrou superar todas as previsões. A conquista do sul A partida da Expedição dos Mil , Museo nazionale del Risorgimento italiano , Turim Desembarque dos Mil em Marsala . Desenho de um oficial observador, a bordo de um navio inglês Entrada de Garibaldi em Nápoles, em 7 de setembro de 1860 Batalha de Volturno - combate da Porta Romana, atrás da igreja de Santa Maria Maggiore Encontro de Garibaldi e Vítor Emanuel II em Teano , por Sebastiano De Albertis (cerca de 1870) Em 4 de maio de 1860, foi acertada em Turim , a compra do armador Rubbatino e dois vapores ( Piemonte e Lombardo ). Para o pagamento havia sido contratado um empréstimo secretamente garantido pelo Reino da Sardenha . Na tarde de 5 de maio, a expedição embarcava na praia rochosa de Quarto , perto de Gênova . Entre eles contavam-se 250 advogados, 100 médicos, 50 engenheiros [ 62 ] e uma mulher, Rosalia Montmasson, esposa de Crispi. Os cerca de 1089 voluntários estavam armados de velhos fuzis e privados de munição e pólvora para disparo. Estas foram comprar (junto com três armas velhas e cem carabinas ) a 7 de maio perto da guarnição do exército do Reino da Sardenha, estacionado no forte de Talamone. Uma segunda compra foi efetuada em 9 de maio no Porto Santo Estêvão, desta feita em cargas de carvão. Na manhã de 11 de maio, os dois vapores passavam entre Favignana e Marettimo e informados da temporária ausência da marinha bourbônica, rumaram para o porto de Marsala . Os navios ancoraram em Marsala a 11 de maio. Duas naves de guerra bourbônicas , que ali estavam, tardaram a bombardear os invasores, talvez inseguras acerca das intenções de dois navios britânicos presentes no porto. A 14 de maio em Salemi , Garibaldi declarou assumir a ditadura da Sicília, em nome de Vítor Emanuel II . Os Mil venceram, embora com bastante trabalho, um primeiro encontro na Batalha de Calatafimi a 15 de maio , contra cerca de dois mil soldados bourbônicos. Naquele momento os Mil somavam cerca de 1200 com as adesões da população local. Ajudado por uma insurreição popular em Palermo, entre 27 e 30 de maio, Garibaldi conquistou a cidade. A 20 de julho, as tropas bourbônicas foram derrotadas na Batalha de Milazzo . Nos dias seguintes, Giácomo Médici obteve do general bourbônico Clay a neutralização da fortíssima cidadela de Messina e do seu numeroso exército com, ainda por cima, a conquista da cidade. Em 1º de agosto Siracusa e Augusta foram liberadas. [ 63 ] Com a neutralização de Messina , Garibaldi iniciou os preparativos para a passagem ao continente. O Conde de Cavour exercia fortíssima pressão para realizar imediatamente um plebiscito na Sicília, preocupado que a benévola neutralidade da França e da Inglaterra pudesse ser revertida, impedindo a conquista completa. Mais agressivo demonstrava-se Vítor Emanuel II , que encorajava o general no passo decisivo. A 19 de agosto, Garibaldi desembarcou em Melito di Porto Salvo , na Calábria . Dispunha, então, de cerca de vinte mil voluntários. Na Calábria, os bourbônicos não conseguiram oferecer uma boa resistência: enquanto divisões inteiras do seu exército se dispersavam, outras aderiam ao inimigo. A 30 de agosto, o exército dos Bourbons, comandado pelo general Ghio, foi desarmado em Soveria Mannelli . O rei Francisco II abandonou Nápoles em 5 de setembro, indo juntar-se a seu exército, postado entre as fortalezas de Gaeta e de Cápua , com o centro no rio Volturno , razão pela qual pôde Garibaldi, em 7 de setembro, praticamente sem escolta, entrar na cidade. [ 64 ] [ 65 ] Foi recebido como libertador. As tropas bourbônicas, ainda presentes em abundância nos quartéis e nos palácios, não ofereceram qualquer resistência e renderam-se imediatamente. Em seguida, ocorreu a decisiva Batalha de Volturno , onde Garibaldi rechaçou um grande avanço do exército inimigo (cerca de 50 mil soldados ), terminada em 1 de outubro. [ 66 ] No dia imediato à batalha, chegou o corpo da expedição sarda , depois de atravessar Marcas e Úmbria (onde tinha derrotado o exército pontifício na Batalha de Castelfidardo), e Abruzos e Molise (dos bourbônicos). Logo depois, em 21 de outubro, foi feito um referendo pela anexação do Reino das Duas Sicílias ao Reino da Sardenha , obtendo-se um fragoroso resultado a favor desta proposta. A Expedição dos Mil pode ser considerada terminada com o encontro de Teano entre o rei Vítor Emanuel II e Garibaldi, a 26 de outubro de 1860. Entre 4 e 5 de novembro foram realizados, com resultados favoráveis, os plebiscitos pela anexação de Marcas e de Úmbria . A 6 de novembro, Garibaldi desfilou com 14 mil homens, 39 peças de artilharia e 300 cavaleiros, diante do Palácio de Caserta . Insistiram para que o rei Vítor Emanuel os passasse em revista, em vão. No dia 7 de novembro Garibaldi e o rei entraram cavalgando lado a lado em Nápoles. Garibaldi retirou-se no dia 9 para a ilha de Caprera , a bordo do navio americano Washington , sem aceitar qualquer prêmio pelos seus trabalhos. Guerra de Secessão Americana [ editar | editar código-fonte ] Garibaldi fotografado em Palermo , em julho de 1860 Garibaldi então recusou o título de nobreza e a pensão vitalícia que o rei lhe ofereceu e retirou-se para sua pequena casa na ilha de Caprera . Ele, porém, não considerava terminada sua missão, pois Roma continuava fora do Reino de Itália . Ao estourar a Guerra Civil Americana , em 1861 , Garibaldi voluntariou seus serviços ao presidente Abraham Lincoln , através de uma carta ao jornal New York Daily Tribune . O cônsul americano em Antuérpia , James William Quiggle , [ 67 ] escreve a 8 de junho, oferecendo-lhe um posto de comando no exército do norte. Numa carta datada de 17 de julho de 1861, do Secretário de Estado William H. Seward para H. S. Sanford, ministro plenipotenciário americano em Bruxelas , foi oferecido a Garibaldi o posto de general maior. [ 68 ] Em 18 de setembro Sanford respondeu ao congresso que Garibaldi só poderia servir no posto de comandante-em-chefe, com a condição que fosse declarada a abolição da escravidão . explicava que seria de pouco uso sem a primeira condição e sem a segunda, pareceria uma guerra civil , na qual o mundo teria pouco interesse ou simpatia. [ 69 ] Porém naquela época Lincoln não estava disposto a declarar a abolição, preocupado em piorar a crise na agricultura. [ 70 ] Em 6 de agosto de 1863, após o anúncio da Proclamação de Emancipação , Garibaldi escreveu a Lincoln: 'A posteridade vai chamá-lo de grande emancipador, um título mais invejável que qualquer coroa e maior que qualquer tesouro mundano'. [ 71 ] Tentativa de libertar Roma [ editar | editar código-fonte ] A bota e o local do ferimento de Giuseppe Garibaldi Durante toda sua vida Garibaldi buscou liberar Roma do poder papal a cada oportunidade. Graças ao sucesso de sua empresa recente, em 1862 organizou uma nova expedição. Durante um encontro comemorativo da expedição dos mil , se convence a marchar sobre Roma, no seu discurso proclamado do balcão do palácio do conde Mario Grignani, declara 'Sim, Roma é nossa', ao que o povo declara 'Roma ou morte' [ 72 ] [ 73 ] . Encontrou 3000 homens em Palermo prontos a segui-lo. Em 19 de agosto, encontrou o povo de Catânia, em Misterbianco . Embarcaram em dois navios, o Dispaccio e o Generale Abbatucci , desembarcando na Calábria, entre Melito di Porto Salvo e capo dell'Armi em 25 de agosto [ 74 ] com dois mil homens e continuaram a marcha. Na tarde de 28 de agosto, encontraram o exército de Emilio Pallavicino , às ordens do governo de Turim , comandando 3500 homens. Os bersaglieri abriram fogo, Garibaldi ordenou aos seus homens que não respondessem, porém alguns desobedeceram. Ao se levantar, para fazer que o fogo cessasse, foi ferido duas vezes. Garibaldi ferido em Aspromonte Depois de aproximadamente quinze minutos de luta, quando caiu Garibaldi, o combate cessou, com sete mortos e entre 14 e 24 feridos no exército real, e cinco mortos e vinte feridos nos seguidores de Garibaldi [ 75 ] [ 76 ] [ 77 ] Garibaldi foi preso e enviado a La Spezia , onde chegou em 2 de setembro, sendo aprisionado em Varignano . Na realidade ficou alojado numa parte do palacete destinado ao comandante da prisão, contando com outros cinco aposentos para familiares e oficiais que o acompanhavam. [ 78 ] Vittorio Emanuele concedeu anistia aos revoltosos em 5 de outubro. No dia 22, foi transportado ao hotel Milan e foi visitado por Auguste Nélaton [ 79 ] . Em 23 de novembro o cirurgião fiorentino Ferdinando Zanetti [ 80 ] lhe opera para extrair a bala de fuzil alojada em seu calcanhar. Foi transportado para Caprera e e em seguida parte para a Inglaterra , onde permaneceu aproximadamente um mês. [ 81 ] A Terceira Guerra da Independência Italiana [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Guerra Austro-prussiana Em 1866, Garibaldi voltou à luta, para libertar Veneza , ainda sob domínio do Império Austríaco . Em 6 de maio, foi reorganizado o corpo voluntário denominado Corpo Voluntário Italiano, também desta vez sob comando de Garibaldi. Em vez dos 15 mil voluntários previstos, apresentaram-se 30 mil pessoas. ao fim se juntam 38 mil homens, 200 cavaleiros, mas destes utilizou somente 10 mil, com os quais partiu no Piemonte , em 10 de junho. [ 82 ] Contra ele, o general Kuhn von Kuhnenfeld possuía 17 mil. [ 83 ] A missão era similar àquela conduzida entre os lagos lombardos em 1848 e 1859: agir em uma zona de operações secundária, os pré- Alpes entre Bréscia e o Tirol Meridional (região do Trentino ), a oeste do lago de Garda , com o importante objetivo estratégico de cortar a via entre o Tirol e a fortaleza austríaca de Verona . Isto teria deixado aos austríacos a única via do Tarvisio para suas próprias forças, entre Mântua e Údine . A ação estratégica principal era, em vez disso, dada aos grandes exércitos da planície, liderados pelos generais Alfonso La Marmora e Enrico Cialdini . O telegrama de Garibaldi: 'Obedeço'. Garibaldi operou inicialmente em cobertura de Bréscia, para depois passar decisivamente à ofensiva em Ponte Caffaro em 25 de junho. Em 3 de julho em Monte Suello obrigou os austríacos à retirada, mas teve uma ferida na coxa por um golpe errado de um de seus voluntários, deixando o comando com Clemente Corte [ 84 ] Foi aberta, com a vitória na Batalha de Bezzecca e Cimego em 21 de julho, a estrada a Riva del Garda que possibilitou uma iminente ocupação da cidade de Trento . Com as baixas das tropas italianas nos vales, Garibaldi foi obrigado a recuar e por muito pouco, não foi capturado. Anos mais tarde, dir-se-ia sobre a assinatura do Armistício de Cormons que teria feito com que Garibaldi parasse, pois teria recebido a notícia do armistício e a ordem de abandonar o território já ocupado. Respondeu telegraficamente 'Obbedisco' ('Obedeço'), palavra que depois tornou-se motto do Risorgimento italiano e símbolo da disciplina e dedicação de Garibaldi. O Tirol Meridional (incluindo as cidades de Trento e Bolzano ) tornou-se parte integrante do Reino de Itália após a Primeira Guerra Mundial , mais de sessenta anos depois. Nova tentativa de tomar Roma [ editar | editar código-fonte ] Os acontecimentos de 1867 provaram que a tentativa de tomar Roma era mesmo uma ilusão. Garibaldi promoveu uma coleção chamada 'Óbolo da Liberdade', em oposição ao 'Óbolo de São Pedro', interessada no centro de insurreição romano, formando um centro de migração, com base em Florença. [ 85 ] Participou do Congresso Internacional da Paz, em 9 de setembro de 1867 em Genebra , onde foi eleito presidente honorário. Preparou um ataque contando com a revolta interna em Roma, após uma série de referências, sem o apoio do Estado, em 23 de setembro deixou Florença, no dia seguinte, 24 de setembro de 1867 foi preso em Sinalunga e levado à fortaleza de Alexandria . Vinte e cinco deputados protestaram contra o incidente, já que Garibaldi sendo eleito, tinha direito a imunidade parlamentar . [ 86 ] Foi levado em 27 de setembro primeiro a Gênova, depois à ilha de Caprera, que estava em quarentena contra cólera , [ 87 ] como prisioneiro vigiado constantemente. Organizou sua fuga usando Luigi Gusmaroli como sósia. Enquanto era substituído, Garibaldi deixou a ilha em 14 de outubro em segredo em um velho veleiro, comprado anos atrás. Chegou à ilha de Giardinelli, depois a La Maddalena onde foi hospedado pela senhora Collins. Com Pietro Susini e Giuseppe Cuneo chegou à Sardenha, atingindo Florença em 20 de outubro. Partindo de Terni chegou a Passo Corese no 23, contava entre seus homens, cerca de 8.000 voluntários, [ 88 ] na conhecida como 'Campanha do Agro Romano para a libertação de Roma'. Depois de um primeiro ataque a Monterotondo em 25 de outubro, conquistou em 26 de outubro de 1867 a fortaleza papal, depois de ter incinerado a porta da fortaleza, usando um carro em chamas, permitindo a entrada de seus homens. Garibaldi e Giacomo Medici com Vítor Emanuel II , c. 1870. Atingiu, no dia 29, Castel Giubileo e depois Casal de Pazzi. Antes do amanhecer do dia 31, tinha Roma à vista, mas como não tinha havido na cidade a revolta que esperava, resolveu retirar suas tropas [ 89 ] , apesar do sacrifício dos irmãos Cairoli (Villa Glori) e do sacrifício em Roma de Tavani Arquati e Monti e Tognetti, decapitados em 1868. Garibaldi não sabia da proclamação do rei que tinha amainado os espíritos rebeldes, ao ameaçá-los e declarar que não estava de acordo com a revolta. [ 90 ] Decidiu ir a Tivoli e partir no dia 3 de novembro. Antecipou sua partida para o dia 2 e com seus 4700 homens [ 91 ] encontrou 3500 guardas pontífices comandados por Hermann Kanzler , [ 91 ] que o fizeram retroceder. Logo em seguida, encontrou 3000 soldados franceses comandados por Charles De Failly [ 91 ] dotados de fuzis Chassepot de carregamento pela culatra , na Batalha de Mentana . Vendo que não poderia vencer, decidiu retirar suas tropas. [ 92 ] Partiu em trem de Orte, perto de Livorno , mas perto da estação de Figline Valdarno foi novamente preso, encarcerado em Varignano em 5 de novembro, ali permaneceu até 25 de novembro, quando retornou a Caprera. Demitiu-se do cargo de deputado em agosto de 1868. [ 93 ] Em defesa da França [ editar | editar código-fonte ] Garibaldi em 1870 Fotografado por Félix Nadar Garibaldi, chegou a Marselha em 7 de outubro de 1870 [ 84 ] indo para a capital provisória francesa, Tours . As primeiras ordens de Léon Gambetta foram de comandar algumas centenas de voluntários. Garibaldi recusou [ 94 ] , obtendo o comando das tropas do chamado Exército dos Vosges . Decidiu dividir seus homens em quatro brigadas: 1500 homens sob comando de Joseph Bossack-Hauke, 2000 com Menotti Garibaldi , outras duas, constituídas em seguida, sob comando de Ricciotti Garibaldi e Cristiano Lobbia . O efetivo combatente totalizou cerca de 8.000, [ 95 ] , partindo de um efetivo inicial de 4.500, que chegou a 18.000 no final de 1870 e depois cerca de 19.500. [ 96 ] Estabeleceu seu Quartel General em Dôle e depois em 11 de novembro em Autun . [ 97 ] No mesmo mês, conduziu uma expedição vitoriosa, chefiada por Ricciotti. Seu filho, com 800 homens, atacou de supresa o inimigo na noite de 18 de novembro a Châtillon-sur-Saône provocando graves danos aos prussianos . [ 98 ] Dijon ao mesmo tempo, caía em mãos prussianas, comandadas por August von Werder , e depois abandonada pelo avanço das tropas francesas. Sentenciou com pena de morte o coronel Chenet por haver abandonado seu posto durante o combate, porém a sentença não foi cumprida pelos franceses. [ 99 ] Cenotáfio de Garibaldi em Nice Garibaldi ocupou a cidade e a defendeu de um ataque em 21 de janeiro. Depois de três dias de combate, os alemães se retiram, sendo naquele dia capturada a única bandeira alemã perdida na guerra, a do 61° regimento da Pomerânia, evento recordado na Neue Freie Presse quando de sua morte. [ 100 ] . A bandeira foi encontrada embaixo de uma massa de cadáveres. [ 101 ] Entre os 4000-6000 soldados prussianos, houve cerca de 700 baixas. Em 1870, lutou em sua última campanha, dando apoio à recém criada Terceira República Francesa , na Guerra Franco-Prussiana , (1870-1871). Em 29 de janeiro, foi estipulado um armistício de algumas semanas, que não levou em conta a zona sudoeste e portanto o Exército do Vosges. Em 31 de janeiro, a tropa de Garibaldi foi atacada. O general, evitando o ataque, dirigiu a defesa de uma zona sujeita ao armistício. Quando terminou a guerra, o seu Exército dos Vosges , foi o único que permaneceu substancialmente intacto, com mínimas perdas, sem nunca ter sido derrotado na guerra. [ 102 ] [ 103 ] Após a derrota francesa no conflito, em 1871, Garibaldi foi eleito deputado à nova Assembleia Nacional Francesa na lista dos republicanos radicais, como deputado da Côte-d'Or , Paris , Argel e naturalmente, sua cidade natal Nice . Esta quádrupla eleição foi, porém, invalidada pela assembleia. Oficialmente o motivo foi sua posição contrária aos interesses franceses ao opor-se à anexação de Nice, realisticamente foi por medo da popularidade do herói 'socialista': a mesma assembleia, por outro lado, estaria logo ocupada da repressão à Comuna de Paris . A oposição da Assembleia contra Garibaldi levou à demissão outro deputado ilustre, Victor Hugo que havia declarado que Garibaldi havia intervindo em defesa da França, ao contrário de nações ou reis. [ 104 ] [ 105 ] [ 106 ] Últimos anos [ editar | editar código-fonte ] A família Garibaldi em 1878. Apesar de eleito para o parlamento italiano, Garibaldi passou a maior parte dos seus derradeiros anos em Caprera . Também deu apoio ao projeto de aterramento das áreas ao sul do Lácio [ 2 ] . Em 1879, fundou a 'Liga da Democracia', propondo o sufrágio universal , a abolição da propriedade eclesiástica e a emancipação feminina. Doente e de cama por causa de artrite , fez viagens à Calábria e à Sicília . Em 1880, casou com Francesca Armosino, com quem tinha tido previamente três filhos. Em 2 de junho de 1882, aos 74 anos, Giuseppe Garibaldi morreu em sua casinha na ilha de Caprera . Embora tenha deixado instruções detalhadas para sua cremação, seu corpo foi enterrado na ilha de Caprera, onde repousa com sua última esposa e alguns de seus filhos. [ 2 ] [ 107 ] Em 2012, foi decidido que o corpo de Giuseppe Garibaldi seria exumado para pôr fim às dúvidas acerca da verdadeira localização do cadáver. O objetivo é dar descanso aos rumores levantados pelos próprios descendentes de Garibaldi, que afirmam que a tumba que supostamente contém os restos mortais do antepassado terá sido remexida. Se as posteriores análises de DNA concluírem que se trata realmente do corpo de Garibaldi, talvez isso possa abrir o debate acerca de uma melhor preservação do cadáver, que terá sido embalsamado em vez de cremado, contrariando o pedido do próprio antes de morrer. [ 108 ] Legado [ editar | editar código-fonte ] A vida de Garibaldi, dedicada à luta pela libertação de seu país do domínio estrangeiro, levou seu nome ao reconhecimento na Itália e no mundo. Cinco navios da marinha italiana receberam seu nome, entre eles um cruzador na Segunda Guerra Mundial e o porta-aviões Giuseppe Garibaldi. Estátuas com sua figura existem em muitas praças na Itália e em outros países ao redor do mundo. Na Itália, seu nome foi dado a praças e ruas em mais de 5000 comunas . No Brasil , o município de Garibaldi tem esse nome em homenagem ao herói italiano. Na cidade de Tramandaí , no litoral norte do Rio Grande do Sul , a Ponte Giuseppe Garibaldi passa sobre um dos rios que o herói italiano utilizou para chegar até Laguna , onde proclamou a República Juliana . Monumentos italianos [ editar | editar código-fonte ] Monumentos em homenagem a Giuseppe Garibaldi, nas diversas regiões da Itália . Ravena Emília-Romanha La Spezia Ligúria Tricesimo Friul-Veneza Júlia Civitavecchia Lácio Carrara Toscana Praça Garibaldi, Nápoles Campânia Praça dos Mil, Mântua Lombardia Marsala Sicília Rovigo Vêneto Turim Piemonte Cesenatico Emília-Romanha Praça Garibaldi Régio da Calábria Calábria Monumentos pelo mundo [ editar | editar código-fonte ] Monumentos em homenagem a Giuseppe Garibaldi em países onde viveu ou esteve em campanha ( França , Estados Unidos , San Marino , Brasil , Argentina ) e também em outros países ( Rússia , Hungria ). República de San Marino : Primeiro monumento no mundo dedicado a Garibaldi, por Stefano Galletti , 1882 Nice , França , cidade natal de Garibaldi Anita e Giuseppe Garibaldi, Porto Alegre , Brasil São José do Norte , Brasil . Praça Itália, Parque da Independência, Rosário , por Alessandro Biggi , 1885 . Vila Garibaldi, La Plata , Argentina Parque Washington, Manhattan , Nova Iorque , Estados Unidos Budapeste - Hungria Taganrog , Rússia Representações na cultura [ editar | editar código-fonte ] Giuseppe Garibaldi já foi retratado como personagem no cinema e na televisão, interpretado por Osvaldo Valenti no filme ' Antonio Meucci ' (1940), Raf Vallone no filme ' Camicie rosse ' (1952), Renzo Ricci no filme ' Viva l'Italia! ' (1961), Guram Pirtskhalava no filme ' Tainstvennyy uznik ' (1986) e Thiago Lacerda na minissérie ' A Casa das Sete Mulheres ' (2003), Referências ↑ History Makers . the greatest and the most notorious figures 1 ed. Bath: Parragon. 2005. 319 páginas. ISBN 1-4054-4764-8 Parâmetro desconhecido |Volumes= ignorado ( |volume= ) sugerido ( ajuda ). A referência emprega parâmetros obsoletos |Subtítulo= ( ajuda ) ↑ a b c d e PICK, Daniel (2009). Roma ou morte . as obsessões do general Garibaldi 1 ed. Rio de Janeiro: Record. 276 páginas. ISBN 978-85-01-07702-8 Parâmetro desconhecido |Volumes= ignorado ( |volume= ) sugerido ( ajuda ). A referência emprega parâmetros obsoletos |Subtítulo= ( ajuda ) ↑ a b c DUMAS, Alexandre (2000). Memórias de Garibaldi 1 ed. Porto Alegre: L&PM. 354 páginas. ISBN 85-254-1071-3 Parâmetro desconhecido |Volumes= ignorado ( |volume= ) sugerido ( ajuda ). A referência emprega parâmetros obsoletos |Edição= ( ajuda ) !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) ↑ CARCASSI, Ugo (2001). Giuseppe Garibaldi: profilo di un rivoluzionario, pag 11 (em italiano). [S.l.]: C. Delfino. ISBN 978-88-7138-248-7 ↑ POSSIERI. [S.l.: s.n.] Texto 'p. 53' ignorado ( ajuda ). Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ PAPPALARDO, Francesco (2002). Il mito di Garibaldi: vita, morte e miracoli dell'uomo che conquistò l'Italia, pag 31 (em italiano). [S.l.]: Piemme. ISBN 978-88-384-6494-2 ↑ a b SCIROCCO. [S.l.: s.n.] Texto 'p. 4' ignorado ( ajuda ). Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MILANI, Mino (1982). Giuseppe Garibaldi (2 edizione), pag 15 (em italiano). [S.l.]: Mursia ↑ DUMAS, p. 14. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SMITH, p. 7. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ «Essendo io più disposto a giuocare ed a vagabondare che a lavorare», veja DUMAS,p. 15. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ DUMAS, p. 5. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) . ↑ POSSIERI, p. 48. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ DUMAS, p. 15. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ a b c d e DORNELES, Laura de Leão. Risorgimento e Revolução: Luigi Rossetti e os ideais de Giuseppe Mazzini no movimento farroupilha. PUCRS, Porto Alegre, janeiro de 2010.190pp. ↑ a b SPALDING, Walter. A revolução farroupilha in: Enciclopédia Rio-grandense, Editora Regional, Canoas, 1956. ↑ a b c d e SANT'ANA, Elma, 'Garibaldi e as Repúblicas do Sul'. Edição Eletrônica (17 Mb). Cadernos de História, Memorial do Rio Grande do Sul ↑ a b c d e f g SILVA, Theotonio Meirelles Da. História Naval Brazileira,B. L. Garnier, 1884, 376 pp. ↑ a b c d e f SANT'ANA, Elma, 'Bento e Garibaldi na Revolução Farroupilha', Caderno de História, nº 18, Memorial do Rio Grande do Sul. Edição Eletrônica. ↑ HARTMAN, Ivar : Aspectos da Guerra dos Farrapos .Feevale, Novo Hamburgo, 2002, ISBN 85-86661-24-4, 148 pp. Edição eletrônica ↑ SILVA, Alfredo P.M. Os Generais do Exército Brasileiro, 1822 a 1889 , M. Orosco & Co., Rio de Janeiro, 1906, vol. 1, 949 pp. ↑ FACCIONI, Victor José (1 de julho de 2007). «Bicentenário de Um Herói» . TCE Notícias/Correio do Povo . Consultado em 13 de março de 2008 ↑ a b THOMÉ, Nilson. Farroupilhas nas Terras Contestadas.In: Revista Espaço Acadêmico, Ano II, n. 22, março de 2003. Edição Eletrônica. ↑ FLORES, Moacyr, 'Dicionário de história do Brasil', 2.ª Ed., EDIPUCRS, 2001, ISBN 8574302090 , ISBN 9788574302096 , 637 pp. ↑ SCIROCCO,p. 73. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ DUMAS, pp. 149-150. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ a b SALVATORE, Candido (1972). Giuseppe Garibaldi nel Rio della Plata, 1841-1848 . Firenze: Valmartina ↑ POSSIERI, p. 101. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ DUMAS, p. 154. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ POSSIERI,p. 102. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ Winnington-Ingram, H.F. (1889). Hearts of Oak . Londres: Allen ↑ POSSIERI, pp. 103-104. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ PRIEST, p. 285. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ POSSIERI, p. 105. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ BORIS, Ivan (1970). Gli anni di Garibaldi in Sud America: 1836-1848, pag 248 . [S.l.]: Longanesi ↑ SACERDOTE,p. 298. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 114. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ DUMAS,p. 180. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ Do relato da batalha há diversas versões detalhadas, todas descritas por testemunhas do episódio, em particular, existem três relatadas pelo próprio Garibaldi. Para uma discussão adicional veja GODWIN, Jasper, Garibaldi, pp. 235-242, MONDADORI, 1975. ↑ GUERZONI, Joseph (2010). Garibaldi, p. 87 . [S.l.]: BiblioLife Texto ' ISBN 978-1-149-38210-3 ' ignorado ( ajuda ) ↑ DE NINNO, G. Biography , Lacerenza Angelo Raffaele, Pansini, Bari, 1913. ↑ SCIROCCO, p. 122. ↑ TREVELYAN, George Macaulay. Garibaldi’s defence of the Roman Republic . Nova York: Longmans/Green, 1907. ↑ a b c JACKSON, Kenneth T. (1995). The Encyclopedia of New York City . [S.l.]: The New York Historical Society and Yale University Press. 451 páginas ↑ 1852-53 - As a 'citizen of Peru,' he captains a clipper to the far east, returning to Lima via Australia and New Zealand. - Life and Times of Giuseppe Garibaldi - The Reformation Online ↑ Texto completo da 'Autobiography of Giuseppe Garibaldi' 'we parsed through Bass's Strait, between Australia and Van Diemen's Land. Touching at one of the Hunter Islands, to take in water, we found small farm, lately deserted by an Englishman and hia wife, on the death of his partner. Thus information we obtained from a board erected on the settler's grave, which set forth in brief the history of the little colony. ' The husband and wifis,' said the inscription, ' unable to bear the loneliness of the desert island, left it, and returned to Van Diemen.' - The Internet Archive ↑ BELL, David, Ships, Strikes and Keelmen: Glimpses of North-Eastern Social History , 2001 ISBN 1-901237-26-5 ↑ Utilizou fundos recebidos em herança. Sua mãe havia falecido em 20 de março de 1852. ↑ Em 1865, graças a doações de admiradores compra a ilha toda.(Scirocco, p. 199) ↑ Leggendo qua e là , « La Settimana Enigmistica », 2007, 3924, ISSN 1125-5226 ↑ RICCIARDI,Giuseppe (1860). Vita di G. Garibaldi, pag 25 . [S.l.]: G. Barbèra ↑ Biografia dos generais de Garibaldi, em italiano. ↑ POSSIERI,p. 148. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ CARRANO, Francesco (1860). I cacciatori delle alpi comandati dal generale Garibaldi nella guerra del 1859 in Italia: Racconto popolare, pag 235 . [S.l.]: Unione tipogr.-ed ↑ GUERZONI, Giuseppe (1882). Garibaldi (Vol 1), p. 463 . [S.l.]: Barbera ↑ MINO,p. 255. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ a b Riall, L, p. 171,2007. ↑ MINO,p. 257. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ VIOLA, Herman J..VIOLA, Susan P. (1988). Garibaldi . os grandes líderes 1 ed. São Paulo: Nova Cultural. 88 páginas Parâmetro desconhecido |Volumes= ignorado ( |volume= ) sugerido ( ajuda ). A referência emprega parâmetros obsoletos |Subtítulo= ( ajuda ) !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) ↑ MINO,p. 262. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ O número varia segundo o autor: 12000 segundo George Macaulay Trevelyan , ou 9500, de acordo com Riall que baseia-se nos escritos do próprio Garibaldi. ↑ SCIROCCO, op. cit., p.241. ↑ SCIROCCO, p. 271. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ POSSIERI,p. 178. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ DE CESARE, Raffaele (1969). La fine di un regno, pag 928 . [S.l.]: Longanesi ↑ PIERI, Piero (1962). Storia militare del Risorgimento, seconda edizione, pp 711-726 . [S.l.]: Einaudi ↑ DE DONNO, Alfredo (1945). L'Italia dal 1870 al 1944: cronistoria commentata (Volume 1) pag 127 . [S.l.]: Libreria politica moderna ↑ SMITH, Mack, p. 69–70 ↑ SMITH, Mack, p. 70 ↑ CARROL, Rory (8 de fevereiro de 2000). «Garibaldi asked by Lincoln to run army» . Guardian News and Media Limited Parâmetro desconhecido |accessado= ignorado ( ajuda ) ↑ SMITH, Mack, p. 72 ↑ GUERZONI, Giuseppe con Campanella Collection (1912). Garibaldi: libro di lettura per il popolo italiano, pag 324 . [S.l.]: G. Barbèra ↑ MILANI,Mino (1982). Giuseppe Garibaldi,seconda edizione pag 389 . [S.l.]: Mursia ↑ MONTANELLI,p. 456. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 323. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MINO,pp. 397 e 588. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ DUMAS, Alexandre (1862). La verità sui fatti dell'Aspromonte per un testimonio oculare, pag 58 . [S.l.]: Scorza Texto ' ISBN 978-88-425-2997-2 ' ignorado ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 324. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 326. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MINO, p. 400. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, pp. 330-333. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MINO, pp. 412-413. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MINO, p. 414. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ a b GARIBALDI, Giuseppe, RUSSO, Franco (1968). Memorie.. (Volume 2 di Memorie) pag 464 . [S.l.]: Avanzini e Torraca !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) Erro de citação: Código <ref> inválido. o nome 'garib_russo' é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes ↑ SCIROCCO,p. 341. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 344. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SMITH, p. 193. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 346. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MINO, p. 444. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ PIERO, Pieri (1962). Storia militare del Risorgimento, seconda edizione pag 778 . [S.l.]: Einaudi ↑ a b c MINO, p. 448. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ BARRILI, Anton Giulio (2007). Con Garibaldi alle porte di Roma, p. 523 . [S.l.]: Gammarò Texto ' ISBN 978-88-95010-15-1 ' ignorado ( ajuda ) ↑ Itinerário garibaldino na Toscana ↑ SCIROCCO, p. 351. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MINO, p. 463. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 352. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MINO, p. 464. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ DE SAINT-CYR, Charles (1907). Garibaldi. pag 245 . [S.l.]: F. Juven ↑ MINO, p. 467. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 358. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ GUERZONI, p. 575. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ SCIROCCO, p. 354. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ MINO, p. 473. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ «Un seul homme a fait exception : Garibaldi» ↑ SCIROCCO, p. 357. [S.l.: s.n.] Em falta ou vazio |título= ( ajuda ) ↑ von Fischer Poturzyn Krück,Maria Josepha. Garibaldi pag 323 . [S.l.: s.n.] ↑ Giuseppe Garibaldi (em inglês ) no Find a Grave ↑ «Corpo de Giuseppe Garibaldi vai ser exumado» Bibliografia [ editar | editar código-fonte ] CARCASSI, Ugo (2001). Giuseppe Garibaldi: profilo di un rivoluzionario . Sassari: Carlo Delfino Editore. ISBN 887138248X Parâmetro desconhecido |cid= ignorado ( ajuda ) (em italiano ) DUMAS, Alexandre, tradução ao italiano de Mino Milani (2005). Le memorie di Garibaldi (4 ristampa) . [S.l.]: Mursia. ISBN 978-88-425-2996-5 !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) (em italiano ) GARIBALDI, Giuseppe. Autobiography (1807-1849), Walther Smith & Innes, Londres, 1889. (em inglês ) GUERZONI, Giuseppe (1882). Garibaldi, di Giuseppe Guerzoni... (Volume II) (seconda edizione) . [S.l.]: G. Barbèra (em italiano ) ISNENGHI, Mario (2010). Garibaldi fu ferito. Il mito, le favole . [S.l.]: Donzelli editore. ISBN 978-88-6036-503-3 (em italiano ) MACK SMITH (2009). Garibaldi (ristampa) . [S.l.]: Mondadori. ISBN 978-88-04-45797-8 Parâmetro desconhecido |cid= ignorado ( ajuda ) (em italiano ) MILANI, Mino. Giuseppe Garibaldi (Storia, biografie, diari) . [S.l.]: Mursia. ISBN 978-88-425-2997-2 Parâmetro desconhecido |anp= ignorado ( ajuda ) (em italiano ) MONTANELLI, Indro. NOZZA, Marco (2007). Giuseppe Garibaldi (Seconda edizione) . [S.l.]: BUR. ISBN 978-88-17-01509-7 !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) (em italiano ) POSSIERI, Andrea (2010). Garibaldi . [S.l.]: Il mulino. ISBN 978-88-15-13975-7 (em italiano ) RIALL, Lucy (2011). Garibaldi. L'invenzione di un eroe . [S.l.]: Mondadori editore (sob licença da Ed. Laterza) (em italiano ) SCIROCCO, Alfonso (2009). Garibaldi. Battaglie, amori, ideali di un cittadino del mondo . [S.l.]: Editori Laterza. ISBN 978-88-420-8408-2 (em italiano ) WHITE MARIO, Jessie - Garibaldi e i suoi tempi (Milano, Treves, 1884). Ver também [ editar | editar código-fonte ] O Commons possui imagens e outras mídias sobre Giuseppe Garibaldi O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Giuseppe Garibaldi Porta-aviões Giuseppe Garibaldi (551) Alexandre Dumas Anita Garibaldi Guerra dos Farrapos Manuela de Paula Ferreira Menotti Garibaldi República Rio-Grandense República Juliana Ricciotti Garibaldi Controle de autoridade WorldCat Identities VIAF : 100192194 LCCN : n79021124 ISNI : 0000 0001 2145 1298 GND : 118689592 SELIBR : 232048 SUDOC : 026881950 BNF : cb11904146d (data) BIBSYS : 12037708 HDS : 24614 NLA : 35113312 NDL : 00620709 NKC : jn20000700591 ICCU : IT\ICCU\CFIV\001869 PTBNP : 925208 NTA: 068678282 BAV : ADV10271715 NLI : 000051342 NUKAT: n99041423 Project Gutenberg : 2358 NLR : RUNLRAUTH7788863 Sycomore : 13930 Biblioteca Nacional da Espanha : XX1150475 Portal da Itália Portal de biografias Portal da história Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Giuseppe_Garibaldi&oldid=50306828 ' Categorias : Nascidos em 1807 Mortos em 1882 Giuseppe Garibaldi Políticos da Itália Risorgimento História da Itália Guerra Grande Pessoas da Revolução Farroupilha Maçons de Itália Carbonários da Itália Ateus da Itália Naturais de Nice Pessoas das Revoluções de 1848 Categorias ocultas: !Páginas com erros em referências !Páginas com referências com parâmetros sugeridos !Páginas que usam referências com parâmetros depreciadas !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores !CS1 italiano-fontes em língua (it) !Páginas com referências com parâmetros indefinidos !Páginas com citações sem titulo !Páginas com citações usando parâmetros sem suporte !Páginas que usam links mágicos ISBN !Imagem local idêntica à do Wikidata !CA com 22 elementos !Artigos enciclopédicos com identificadores VIAF !Artigos enciclopédicos com identificadores LCCN !Artigos enciclopédicos com identificadores ISNI !Artigos enciclopédicos com identificadores GND !Artigos enciclopédicos com identificadores SELIBR !Artigos enciclopédicos com identificadores BNF !Artigos enciclopédicos com identificadores BIBSYS !Artigos enciclopédicos com identificadores NLA !Artigos enciclopédicos com identificadores SBN !Artigos enciclopédicos com identificadores PTBNP !Artigos enciclopédicos com identificadores NTA !Artigos enciclopédicos com identificadores BAV !Artigos enciclopédicos com identificadores NLI !Artigos enciclopédicos com identificadores NUKAT !Artigos enciclopédicos com identificadores Gutenberg !Artigos enciclopédicos com identificadores NLR !Artigos enciclopédicos com identificadores Sycomore !Artigos enciclopédicos com identificadores BNE Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Alemannisch Aragonés العربية Asturianu Aymar aru Azərbaycanca Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български Brezhoneg Bosanski Català کوردی Čeština Cymraeg Dansk Deutsch Ελληνικά English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Français Furlan Frysk Gaeilge Galego עברית हिन्दी Hrvatski Magyar Հայերեն Bahasa Indonesia Ido Íslenska Italiano 日本語 ქართული Қазақша 한국어 Кыргызча Latina Lëtzebuergesch Ligure Lumbaart Lietuvių Latviešu Malagasy Македонски മലയാളം मराठी Bahasa Melayu မြန်မာဘာသာ Napulitano Nederlands Norsk nynorsk Norsk Occitan Ирон ਪੰਜਾਬੀ Polski Piemontèis Runa Simi Română Русский Sardu Sicilianu Scots Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenčina Slovenščina Shqip Српски / srpski Svenska தமிழ் తెలుగు Türkmençe Tagalog Türkçe Татарча/tatarça Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Vèneto Tiếng Việt Winaray მარგალური 中文 粵語 Editar ligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 13h36min de 29 de outubro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Benito_Mussolini
  Benito Mussolini – Wikipédia, a enciclopédia livre Benito Mussolini Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016). Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior . Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes , mas que não cobrem ... ) . Benito Mussolini OSMM • GCTE Il Duce , Benito Mussolini 40º primeiro-ministro da Itália Período ... Social da Itália Período 23 de setembro de 1943 a 25 de abril de 1945 Dados pessoais Nome completo Benito Amilcare Andrea Mussolini Nascimento 29 de julho de 1883 Predappio , Forli , Itália Morte 28 de abril de 1945 (61 anos) Mezzegra , Itália Nacionalidade Italiana Progenitores Mãe: Rosa Maltoni ... Itália Serviço/ramo Exército italiano Anos de serviço 1914 – 1918 1922 – 1945 Graduação Primeiro CACHE

Benito Mussolini – Wikipédia, a enciclopédia livre Benito Mussolini Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016). Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior . Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes , mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2012) . Por favor, insira mais referências no texto . Material sem fontes poderá ser removido . — Encontre fontes: Google ( notícias , livros e acadêmico ) Nota: Para outros significados de Mussolini, veja Mussolini (desambiguação) . Benito Mussolini OSMM • GCTE Il Duce , Benito Mussolini 40º primeiro-ministro da Itália Período 31 de outubro de 1922 a 25 de julho de 1943 Antecessor(a) Luigi Facta Sucessor(a) Pietro Badoglio Primeiro Marechal do Império Período 30 de março de 1938 a 25 de julho de 1943 Il Duce da República Social da Itália Período 23 de setembro de 1943 a 25 de abril de 1945 Dados pessoais Nome completo Benito Amilcare Andrea Mussolini Nascimento 29 de julho de 1883 Predappio , Forli , Itália Morte 28 de abril de 1945 (61 anos) Mezzegra , Itália Nacionalidade Italiana Progenitores Mãe: Rosa Maltoni ( 1858 – 1905 ) Pai: Alessandro Mussolini ( 1854 – 1910 ) Casamento dos progenitores 25 de janeiro de 1882 Primeira-dama Rachele Mussolini Esposa Rachele Mussolini Partido Partido Socialista Italiano (1901 – 1914) Partido Nacional Fascista (1921 – 1943) Partido Republicano Fascista (1943 – 1945) Religião Nenhuma ( Ateu ) Profissão Político , jornalista Assinatura Serviço militar Lealdade Reino de Itália Serviço/ramo Exército italiano Anos de serviço 1914 – 1918 1922 – 1945 Graduação Primeiro Marechal do Império Condecorações OSMM , GCTE Benito Amilcare Andrea Mussolini ( Predappio , 29 de julho de 1883 — Mezzegra , 28 de abril de 1945 ) foi um político italiano que liderou o Partido Nacional Fascista e é creditado como sendo uma das figuras-chave na criação do fascismo . Tornou-se o primeiro-ministro da Itália em 1922 e começou a usar o título Il Duce desde 1925. Após 1936, seu título oficial era ' Sua Excelência Benito Mussolini, Chefe de Governo, Duce do Fascismo e Fundador do Império '. [ 1 ] Mussolini também criou e sustentou a patente militar suprema de Primeiro Marechal do Império , junto com o rei Vítor Emanuel III da Itália , quem deu-lhe o título, tendo controle supremo sobre as forças armadas da Itália. Mussolini permaneceu no poder até ser substituído em 1943. por um curto período, até a sua morte, ele foi o líder da República Social Italiana . Mussolini foi um dos fundadores do fascismo, que incluía elementos de nacionalismo , corporativismo , sindicalismo nacional , expansionismo , progresso social e anticomunismo , combinado com a censura de subversivos e propaganda do Estado. Nos anos seguintes à criação da ideologia fascista, Mussolini conquistou a admiração de uma grande variedade de figuras políticas. [ 2 ] Entre suas realizações nacionais de 1924 a 1939 destacam-se os seus programas de obras públicas como a drenagem das áreas pantanosas da região do Agro Pontino [ 3 ] e o melhoramento das oportunidades de trabalho e transporte público. Mussolini também resolveu a Questão Romana ao concluir o Tratado de Latrão entre o Reino de Itália e a Santa Sé . Ele também é creditado por garantir o sucesso econômico nas colônias italianas e dependências comerciais . [ 4 ] Embora inicialmente tenha favorecido o lado da França contra a Alemanha no início da década de 1930, Mussolini tornou-se uma das figuras principais das potências do Eixo e, em 10 de junho de 1940, inseriu a Itália na Segunda Guerra Mundial ao lado dos alemães. Três anos depois, foi deposto pelo Grande Conselho do Fascismo , motivado pela invasão aliada . Logo depois de preso, Mussolini foi resgatado da prisão no Gran Sasso por forças especiais alemãs. Após seu resgate, Mussolini chefiou a República Social Italiana nas partes da Itália que não haviam sido ocupadas por forças aliadas . Ao final de abril de 1945, com a derrota total aparente, tentou fugir para a Suíça , porém, foi rapidamente capturado e sumariamente executado próximo ao lago de Como por guerrilheiros italianos. Seu corpo foi então trazido para Milão onde foi pendurado de cabeça para baixo em uma estação petrolífera para exibição pública e a confirmação de sua morte. Índice 1 Origens 1.1 Infância 1.2 Emigração para a Suíça 1.3 Jornalista político e socialista 1.4 Ruptura com os socialistas 1.5 Serviço na Primeira Guerra Mundial 2 Carreira política e ditadura 3 Invasão de outros países e Segunda Guerra 4 Morte 5 Investigação sobre sua morte 6 Vida pessoal 7 Legado 8 Cronologia 9 Ver também 10 Referências 11 Ligações externas Origens Mussolini viveu os seus primeiros anos de vida numa pequena vila na província, numa família humilde. Seu pai, Alessandro Mussolini , era um ferreiro e um fervoroso socialista, e sua mãe, Rosa Maltoni , uma humilde professora primária, era a principal provedora da família. Foi-lhe dado o nome de Benito em honra do revolucionário mexicano Benito Juárez . Tal como o seu pai, Benito tornou-se um socialista . As primeiras opiniões políticas foram fortemente influenciados por seu pai, um revolucionário socialista que idolatrava figuras de nacionalistas italianos com tendências humanistas do século XIX, como Carlo Pisacane , Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi . [ 5 ] e de anarquistas como Carlo Cafiero e Mikhail Bakunin . [ 6 ] Em 1902, no aniversário da morte de Garibaldi, Benito Mussolini fez um discurso público em louvor do republicano nacionalista. [ 6 ] Foi influenciado por aquilo que leu de Friedrich Nietzsche . Outra doutrina muito corrente da época e que o influenciou foi a do 'sindicalismo revolucionário', sustentada pelo escritor francês Georges Sorel (1847 - 1922). Mussolini era rebelde e foi logo expulso após uma série de incidentes relacionados com o comportamento, inclusive atirando pedras contra a congregação, e por participar de uma luta em que feriu um seu colega de classe sênior com uma faca. [ 7 ] Apesar disso continuou os estudos e teve mesmo boas notas, conseguindo qualificar-se como professor da escola primária em 1901 . Sua Excelência Benito Mussolini, Chefe de Governo, Duce do Fascismo, e Fundador do Império. Mussolini, em cartaz de propaganda Em 1902, emigrou para a Suíça para fugir ao serviço militar , mas, incapaz de encontrar um emprego permanente, tendo sido até mesmo preso por vagabundagem , ele foi expulso . Foi deportado para a Itália, onde foi forçado a cumprir o serviço militar. Depois de novos problemas com a polícia, ele conseguiu um emprego num jornal na cidade de Trento (à época sob domínio austro-húngaro ) em 1908. Foi nesta altura que escreveu um romance, chamado A amante do cardeal . Em 1909, Mussolini conheceu Ida Dalser em Trento ou em Milão (não há informação correta sobre o local). Os dois começaram um relacionamento e, posteriormente ela empenhou suas jóias e vendeu seu salão de beleza para ajudar Mussolini, que era então um jornalista de esquerda, estabelecer seu próprio jornal. Há relatos que eles teriam se casado em 1914, fato jamais comprovado, e em 1915 nasceu seu primeiro filho, Benito Albino Mussolini . A insistência de Ida em ver seu casamento e seu filho reconhecidos por Mussolini fez com que eles fossem mandados para o hospício, onde viriam a morrer. [ 8 ] Mussolini tinha um irmão, Arnaldo , que se tornou um conhecido teórico do fascismo . Uniu-se informalmente com Rachele Guidi e em 1910 nasceu a primeira filha, Edda . Contraiu matrimônio civil somente cinco anos mais tarde. Em 1916, nasce Vittorio , Bruno em 1918, Romano em 1927 e Anna Maria em 1929. Infância Local de nascimento de Mussolini, em Dovia de Predappio , Forlì em Emília-Romanha , Itália . Hoje em dia, a casa é utilizada como um museu. Mussolini nasceu em Dovia di Predappio , uma pequena cidade na província de Forlì em Emilia-Romagna em 1883. Na era fascista, Predappio viria a ser chamada de 'município do Duce ', e Forlì de 'cidade do Duce '. Alguns peregrinos ainda vão até Predappio e Forlì para ver o local de nascimento de Mussolini. Seu pai, Alessandro Mussolini, era um ferreiro e ativista anarquista [ 9 ] , enquanto sua mãe Rosa Mussolini (nascida Maltoni) era uma professora de escola e uma devota católica . [ 10 ] Devido à orientação política de seu pai, Mussolini foi nomeado Benito em homenagem ao presidente reformista mexicano Benito Juárez , enquanto seus sobrenomes Andrea e Amilcare vieram dos socialistas italianos Andrea Costa e Amilcare Cipriani . [ 11 ] Benito era o mais velho de seus dois irmãos, seguido por Arnaldo e depois, Edvige. Quando criança, Mussolini teria passado um tempo ajudando seu pai na ferraria. [ 7 ] Foi lá que ele foi exposto às crenças políticas de seu pai. Alessandro era um socialista e republicano, mas também sustentava algumas visões nacionalistas, especialmente no que diz respeito aos italianos que viviam sob o governo do Império Austro-Húngaro [ 7 ] , o que não era consistente com o socialismo internacionalista da época. O conflito entre seus pais sobre religião fez com que, diferente da maioria dos italianos, Mussolini não fosse batizado no nascimento. No entanto, em compromisso com sua mãe, ele foi enviado para uma escola interna regida por monges salesianos . Mussolini era rebelde e foi rapidamente expulso após uma série de incidentes relacionados ao seu comportamento, incluindo atirar pedras na congregação após uma missa, e por participar de uma luta em que feriu seu colega de classe sênior com uma faca. [ 7 ] Após ingressar em uma nova escola, alcançou boas notas, e se qualificou como um professor de escola primária em 1901. [ 10 ] [ 11 ] Emigração para a Suíça Fotografias da prisão de Mussolini pela polícia suíça, no Cantão de Berna , 19 de junho de 1903. Em 1902, Mussolini emigrou para a Suíça , com o objetivo de evitar o serviço militar. [ 9 ] Ele trabalhou brevemente em Genebra como um pedreiro, no entanto, foi incapaz de encontrar um emprego profissional permanente no país. Na Suíça, adquiriu um conhecimento prático de francês e alemão . Durante este tempo, estudou as ideias do filósofo Friedrich Nietzsche , o sociólogo Vilfredo Pareto , e o sindicalista Georges Sorel . Mussolini, mais tarde, viria a creditar o marxista Charles Péguy e o sindicalista Hubert Lagardelle como algumas de suas influências. [ 12 ] A ênfase de Sorel sobre a necessidade de derrubar a democracia liberal e o capitalismo pelo uso da violência, ação direta , greve geral, e o uso do neo-maquiavelismo apelando à emoção impressionou Mussolini profundamente. [ 9 ] Ainda na Suíça, também conheceu alguns políticos russos vivendo no exílio, incluindo os marxistas Angelica Balabanoff e Vladimir Lenin . [ 13 ] Durante este período, uniu-se ao movimento socialista marxista. Mussolini tornou-se ativo no movimento socialista italiano na Suíça, trabalhando para o jornal L'Avvenire del Lavoratore , organizando encontros, discursando para trabalhadores e servindo como secretário da união dos trabalhadores italianos em Lausanne .[14] Em 1903, foi preso pela polícia bernense pela sua defesa de uma greve geral violenta. passou duas semanas preso, foi deportado à Itália, liberto lá, e retornou à Suíça. Em 1904, após ter sido encarceirado novamente em Lausanne, por falsificação de documentos, retornou à Itália, tirando proveito de uma anistia por deserção a qual ele havia sido condenado in absentia . [ 14 ] Posteriormente, voluntariou-se ao serviço militar no Exército Italiano . Após servir por dois anos nas forças armadas (de janeiro de 1905 até setembro de 1906), voltou a lecionar. [ 15 ] Jornalista político e socialista Em fevereiro de 1908, Mussolini deixou a Itália mais uma vez, desta vez para assumir o cargo de secretário do partido trabalhista da cidade de Trento , que na época estava sob o controle do Império Austro-Húngaro , mas onde o idioma predominante era o italiano. Também trabalhou para o partido socialista local, e editou seu jornal L'Avvenire del Lavoratore ( O Futuro do Trabalhador , em tradução livre). Ao retornar à Itália, passou um breve período na cidade italiana de Milão e, então, em 1910, retornou à sua cidade natal, onde editava o jornal semanal Lotta di classe ( A Luta de Classes , em tradução livre). Durante este período, publicou Il Trentino veduto da un Socialista ( O Trentino visto por um Socialista , em tradução livre) no periódico radical La Voce . [ 16 ] Também escreveu vários ensaios sobre a literatura alemã , algumas histórias, e um romance: L'amante del Cardinale: Claudia Particella, romanzo storico ( A Amante do Cardeal , tradução livre). Este romance foi co-escrito com Santi Corvaja, e publicado como um livro de série no jornal de Trento Il Popolo . Ele foi lançado de 20 de janeiro a 11 de maio de 1910. [ 17 ] O romance foi amargamente anticlerical, e anos depois, foi retirado de circulação, somente após Mussolini dar trégua ao Vaticano . [ 9 ] Até os dias atuais, Mussolini é considerado um dos socialistas mais proeminentes da Itália. Em setembro de 1911, participou de uma manifestação, liderada pelos socialistas, contra a Guerra Ítalo-Turca na Líbia . Ele amargamente denunciou a estratégia, que classificou como 'guerra imperialista', da Itália de capturar a capital da Líbia, Tripoli , uma ação que lhe valeu um período de cinco meses na prisão. [ 18 ] Após sua libertação, ajudou a expulsar do partido socialista dois 'revisionistas' que apoiaram a guerra, Ivanoe Bonomi , e Leonida Bissolati . Como resultado, foi promovido à editoria do jornal do Partido Socialista Avanti! . Sob sua liderança, a circulação do jornal passou rapidamente de 20 000 para 100 000. [ 19 ] Em 1913, publicou Giovanni Hus, il veridico ( Jan Hus, verdadeiro profeta , em tradução livre), uma biografia política e histórica sobre a vida e missão do reformista eclesiástico tcheco Jan Hus , e seus seguidores militantes, os hussitas. Durante este período socialista de sua vida, Mussolini, algumas vezes, utilizou o pseudônimo Vero Eretico ( Herege Sincero ). Durante esta época, tornou-se importante o suficiente para a polícia italiana preparar um relatório. os seguintes excertos são de um relatório policial preparado pelo inspetor geral de Segurança Pública em Milão, G. Gasti. Ruptura com os socialistas O inspetor geral escreveu: “ A respeito de Mussolini Professor Benito Mussolini,...38, socialista revolucionário, tem um registro policial. professor de escola primária qualificado a ensinar em escolas secundárias. ex-primeiro-secretário das Câmaras em Cesena, Forli, e Ravenna. após 1912, editor do jornal Avanti! pelo qual deu uma orientação violenta, sugestiva e intransigente. Em outubro de 1914, encontrando-se em oposição à direção do partido Socialista Italiano, porque advogou um tipo de neutralidade ativa por parte da Itália na Guerra das Nações contra a tendência absoluta de neutralidade do partido, retirou-se no vigésimo mês na diretoria do Avanti! Então, dia quinze de novembro [1914], iniciou a publicação do jornal Il Popolo d'Italia , onde apoiou - em contraste com o Avanti! e em meio a amargas polêmicas contra o jornal e seus partidários-chefes - a tese da intervenção italiana na guerra contra o militarismo dos Impérios Centrais. Por esta razão, foi acusado de indignidade moral e política e o partido então decidiu expulsá-lo. Posteriormente, ele... encarregou-se de uma campanha muito ativa em favor da intervenção italiana, participando de demonstrações em praças e escrevendo artigos bastante violentos em Popolo d'Italia .... [ 19 ] ” Em seu resumo, o inspetor também observa: “ Ela era o editor ideal para o Avanti! para os socialistas. Neste trabalho, foi muito apreciado e amado. Alguns de seus antigos companheiros e admiradores ainda confessam que não havia ninguém que compreendesse melhor a forma de interpretar o espírito do proletariado e não havia ninguém que não tivesse observado sua apostasia com tristeza. Isto não ocorreu por razões de interesse pessoal ou dinheiro. Ele foi um defensor sincero e apaixonado, o primeiro de neutralidade circunspeta e armada, e depois, da guerra. e ele não acreditava que era comprometido com sua honestidade pessoal e política fazendo uso de todos os meios - não importando de onde vieram ou onde poderia obtê-los - para pagar pelo seu jornal, seu programa e seu curso de ação. Este foi seu curso inicial. É difícil dizer até que ponto suas convicções socialistas (que ele nunca abjurou aberta ou privadamente) poderiam ser sacrificadas no curso dos negócios financeiros indispensáveis, que foram necessários para a continuação da luta que foi comprometido... Porém, supondo que estas modificações não tenham lugar... ele sempre quis dar a aparência de ainda ser um socialista, e se enganou ao pensar que este era o caso. [ 20 ] ” Serviço na Primeira Guerra Mundial Mussolini em seus trajes militares, quando, em 1917, serviu em nome da Itália, na Primeira Guerra Mundial . Mussolini tornou-se aliado do político irredentista e jornalista Cesare Battisti , e assim como ele, entrou no exército e serviu na guerra. 'Ele foi enviado à zona de operações onde foi seriamente ferido pela explosão de uma granada.' [ 19 ] O inspetor continua: “ Foi promovido ao posto de cabo 'por mérito em guerra'. A promoção foi recomendada por causa de sua conduta exemplar e qualidade de combate, sua calma mental e falta de preocupação com o desconforto, seu zelo e regularidade na realização das suas atribuições, onde foi sempre primeiro em todas as tarefas que envolviam trabalho e coragem. [ 19 ] ” A experiência militar de Mussolini é narrada em sua obra Diario Di Guerra [ 19 ] . No total, narrou cerca de nove meses na ativa. Durante este período, ele contraiu febre paratifoide . [ 21 ] Suas façanhas militares terminaram em 1917, quando foi ferido acidentalmente pela explosão de um morteiro em seu alojamento. Ele foi levado ao hospital com pelo menos 40 pedaços de metal no corpo. [ 21 ] Recebeu alta em agosto de 1917 e retomou ao seu cargo de editor-chefe do seu jornal, Il Popolo d'Italia . Escreveu artigos positivos sobre as Legiões Checoslovacas na Itália. Em 25 de dezembro de 1915, em Treviglio , casou-se com sua compatriota Rachele Guidi, dando-lhe uma filha, Edda, em Forli, 1910. Em 1915, teve um filho com Ida Dalser, uma mulher nascida em Sopramonte, uma vila próxima a Trento. [ 10 ] [ 11 ] [ 22 ] Ele reconheceu legalmente seu filho em 11 de janeiro de 1916. Carreira política e ditadura Ver artigos principais: Grande Itália , Itália fascista e República Social Italiana Retrato de Benito Mussolini Fotografado por George Grantham Bain, Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos No início da sua carreira de jornalista e político foi um tenaz propagandista do socialismo italiano, em defesa do qual escreveu vários artigos no jornal esquerdista Avanti , de que era redator-chefe. Em 1914, dirigiu o jornal Popolo d'Itália , onde defendeu a intervenção italiana em favor dos aliados e contra a Alemanha . Expulso do Partido Socialista Italiano, alistou-se no exército - quando a Itália entrou na Primeira Guerra Mundial , aliando-se à Grã-Bretanha e à França - e alcançou a patente de sargento , vindo a ser ferido em combate por uma granada . Segundo o historiador Peter Martland, de Cambridge , nessa época, o jornal de Mussolini era pago pela inteligência britânica para fazer propaganda favorável à guerra, de modo que a Itália permanecesse engajada no conflito. Há evidências de pagamentos semanais no valor de 100 libras feitos pelo MI5 a Mussolini, em 1917. [ 23 ] Em 1919, fundou os Fasci Italiani di Combatimento , organização que originaria, mais tarde, o Partido Fascista. Baseando-se numa filosofia política teoricamente socialista, conseguiu a adesão dos militares descontentes e de grande parte da população, alargou os quadros e a dimensão do partido. Sua oratória era tão notável – possuía uma bela voz digna de um barítono – quanto seu uso eficaz de propaganda política . Após um período de grandes perturbações políticas e sociais, durante o qual alcançou grande popularidade, guindou-se a chefe do partido ( Duce ). Em 1922 organizou, juntamente com Bianchi, De Vecchi, De Bono e Italo Balbo , a famosa marcha sobre Roma [ 24 ] , um golpe de propaganda. O próprio Mussolini sequer esteve presente, tendo chegado de comboio . Mussolini discursando Usando as suas milícias chamadas de camicie nere ('camisas negras') para instigar o terror e combater abertamente os socialistas, conseguiu que os poderes investidos o nomeassem para formar governo. Foi nomeado primeiro-ministro pelo rei Vítor Manuel III , alcançando a maioria parlamentar e, consequentemente, poderes absolutos no governo do país. Logo após a sua subida ao poder, iniciou uma campanha de fanatização que culminaria com o aumento do seu poder, devido à interdição dos restantes partidos políticos e sindicatos. Nessa campanha foi apoiado pela burguesia e pela Igreja . Em 1929, necessitando de apoio desta e dos católicos, pôs fim à Questão Romana (conflito entre os papas e o Estado italiano) assinando a Concordata de São João Latrão com o cardeal Pietro Gasparri . Por esse tratado, firmou-se um acordo pelo qual se criava o Estado do Vaticano , o Sumo Pontífice recebia indemnização monetária pelas perdas territoriais, o ensino religioso era obrigatório nas escolas italianas, o catolicismo virava a religião oficial da Itália e se proibia a admissão em cargos públicos dos sacerdotes que abandonassem a batina. A 19 de abril daquele ano foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito de Portugal . [ 25 ] Benito Mussolini e Adolf Hitler . Edda Mussolini , filha do líder fascista, é recebida pelo político paulista Adhemar de Barros , durante a sua visita a São Paulo , em 1939. No início, o Estado Novo aproximou-se do regime fascista . Mussolini em visita à Alemanha Internamente, Mussolini buscou retirar a Itália da recessão econômica e modernizar a nação. Era um período turbulento na Europa pós- primeira grande guerra , com o medo do comunismo por parte das elites políticas e os desejos das classes trabalhadoras, resultando em um caos social. [ 26 ] Uma vez firme no poder, Mussolini iniciou seu projeto da Itália Fascista , concentrando todos os poderes administrativos em suas mãos. Primeiro, buscou silenciar a oposição, indo atrás de sindicalistas, socialistas, intelectuais e qualquer voz dissidente. Entre 1925 e 1927 desmantelou todas as proteções constitucionais que garantiam, entre outras coisas, liberdade de expressão e de associação , instituindo um Estado policial . Ao mesmo tempo implementou um extensivo programa de culto à personalidade , colocando ele, o Duce ('Líder') como a figura central da nação. Partidos políticos foram suspensos nesse período e uma nova lei eleitoral aboliu as eleições parlamentares. Para lidar com a Máfia no sul, apontou Cesare Mori para o senado e deu a ele controle da cidade de Palermo . Por meio de tortura e intimidação, conseguiu reduzir a criminalidade, mas teve que fazer acordos com líderes mafiosos e logo a corrupção garantiu a paz entre o regime fascista e a máfia siciliana . [ 27 ] Na área econômica iniciou um programa de construção de obras públicas, investimentos em educação de base, propaganda fascista nas escolas, e introdução de novas técnicas de agricultura. Ao contrário do que se viu na Alemanha Nazista na década de trinta, onde houve um óbvio crescimento econômico e avanços, o governo italiano fascista de Mussolini teve que apelar para a propaganda por parte dos meios de comunicação (agora controlados pelo Estado) para dar uma ideia de modernidade e progresso, que para a população não era tão aparente assim. Em 1935, tomou cerca de três-quartos dos negócios industriais e de serviços da Itália, tirando poder da iniciativa privada. No ano seguinte instituiu controle de preços para tentar combater a inflação. Seu projeto visava transformar o país auto-suficiente, através de medidas como protecionismo comercial. No âmbito externo, tentou cultivar boas relações com os vizinhos europeus, mas as desavenças eram crescentes com o Reino Unido e com a França , especialmente quando o assunto era as possessões coloniais na África . Assim, buscou se aproximar mais e mais da Alemanha de Adolf Hitler . [ 27 ] Invasão de outros países e Segunda Guerra Ver artigos principais: Campanha da Itália , Campanha Norte-Africana , Guerra Greco-Italiana e Invasão Aliada da Itália Mais informações: Mare Nostrum e Protetorado da Albânia Benito Mussolini, a cavalo, falando com soldados do exército italiano . Em 1935, invadiu a Abissínia - atual Etiópia ( Segunda Guerra Ítalo-Etíope ), perdendo assim o apoio da França e da Inglaterra , até então seus aliados políticos. Esta campanha militar fez mais de meio milhão de mortos entre os africanos , face a cerca de 5.000 baixas do lado italiano. Foram usadas armas químicas contra a população local, um facto que não foi noticiado na imprensa italiana, controlada por Mussolini. Somente então aliou-se de fato a Adolf Hitler , com quem firmaria vários tratados (Hitler chegou a enviar 10 mil rifles Mauser para a Abíssinia e 10 milhões de cartuchos). [ 28 ] Em 1936, assinou com o Führer e com o Japão o Pacto Tripartite , pelo qual Alemanha nazista , Itália e Japão formavam uma aliança político-militar que levaria o mundo à Segunda Guerra Mundial . Em 1938, ocupou a Albânia e enviou vários destacamentos que lutaram ao lado dos falangistas de Franco durante a Guerra Civil de Espanha . Em seguida, fez os exércitos italianos atacarem a Grécia – apenas para serem expulsos em oito dias. Com o início da Segunda Guerra Mundial combateu os aliados e, após várias e quase consecutivas derrotas, apesar do apoio militar alemão e sobretudo depois do desembarque aliado na Sicília , caiu em desgraça, vindo a ser derrubado e preso em 1943. Foi libertado pelos pára-quedistas SS alemães do hotel/prisão de Gran Sasso em 12 de setembro de 1943 em ação de resgate chamada de Operação Carvalho liderada por Otto Skorzeny , conhecida como Operação Eiche (Carvalho). [ 29 ] Operação Carvalho em 1943: pára-quedistas alemães que libertaram Mussolini e ao fundo um avião Fieseler Fi 156 Storch que foi usado na sua libertação. Mussolini (de preto) logo após sua libertação na operação carvalho liderada por Otto Skorzeny (centro). Morte Ver artigo principal: Morte de Benito Mussolini Fundou a República Social Italiana (conhecida como República de Salò ), no Norte do país, mas pouco depois viria a ser novamente preso por guerrilheiros da Resistência italiana , que o mataram a 28 de abril de 1945, juntamente com a sua companheira, Clara Petacci – que embora pudesse fugir, preferiu permanecer ao lado do Duce até o fim. As últimas palavras de Mussolini – em óbvia deferência à sua personalidade egocêntrica – foram: “ Atirem aqui (disse ele apontando para o peito) Não destruam meu perfil. ” O seu corpo e o de Clara Petacci ficaram expostos à execração pública durante vários dias, pendurados pelos pés, na Piazza Loreto em Milão . Encontra-se sepultado no Túmulo da Família Mussolini em Predappio , na Emília-Romanha , localidade onde nasceu. [ 30 ] : o seu mausoléu é visitado pelos turistas, e é local de peregrinação dos neo-fascistas italianos. Em abril de 2009, o município baniu a venda de recordações fascistas. [ 31 ] A partir da esquerda, os corpos de Nicola Bombacci , Mussolini, Clara Petacci, Alessandro Pavolini e Achille Starace expostos na Piazzale Loreto ( Milão , 29 de abril de 1945). Corpos de Mussolini e Clara Petacci no necrotério de Milão, 29 de abril de 1945. Investigação sobre sua morte As últimas horas de vida de Mussolini foram vasculhadas por um tribunal do júri de Pádua, em maio de 1957. Mas o processo não esclareceu as circunstâncias da morte. Até hoje não se sabe, de fato, quem disparou os tiros mortais. O pesquisador Renzo de Felice suspeita que o serviço secreto britânico tenha tramado a captura junto com os partigiani . Michele Moretti, último sobrevivente do grupo de guerrilheiros antifascistas que matou o ditador , morreu em 1995, aos 86 anos em Como (norte da Itália). Moretti, que na época da guerrilha usava o codinome 'Pietro', levou para o túmulo o segredo sobre quem realmente disparou contra Mussolini e sua amante. Alguns historiadores italianos afirmam que o próprio Moretti matou os dois. Para outros, o autor dos disparos, feitos com a metralhadora de 'Pietro', foi outro partigiano , chamado Walter Audisio. É certo, porém, que a ação foi obra da Resistência italiana . Reproduzir conteúdo Filme sobre a morte de Mussolini Vida pessoal Mussolini foi casado primeiramente com Ida Dalser em Trento em 1914. O casal teve um filho um ano depois e o nomeou Benito Albino Mussolini . Em dezembro de 1915, Mussolini se casou com Rachele Guidi , sua amante desde 1910, e com a sua posterior ascensão política a informação sobre seu primeiro casamento foi suprimida, e tanto sua primeira esposa como seu filho foram posteriormente perseguidos. [ 22 ] Com Rachele, Mussolini teve duas filhas, Edda (1910-1995) e Anna Maria (1929-1968). e três filhos Vittorio (1916–1997), Bruno (1918–1941), e Romano (1927–2006). Mussolini teve uma série de amantes, entre elas: Margherita Sarfatti e sua companheira final, Clara Petacci . Além disso, Mussolini teve inúmeros casos breves com partidárias femininas como relatado por seu biógrafo Nicholas Farrell. [ 32 ] Legado Sobreviveram a Mussolini: sua esposa, Rachele Mussolini, dois filhos, Vittorio e Romano Mussolini, e as filhas Edda, a viúva do Conde Ciano , e Anna Maria. Um terceiro filho, Bruno, faleceu em um acidente aéreo enquanto voava em um bombardeiro P108 em uma missão de teste, em 7 de agosto de 1941. [ 33 ] Seu filho mais velho, Benito Albino Mussolini, de seu casamento com Ida Dalser, recebeu ordens para que parasse de declarar que Mussolini era seu pai e em 1935 foi internado à força em um asilo, em Milão , onde foi assassinado em 26 de agosto de 1942, após repetidos coma induzidos por injeções. [ 22 ] A irmã da atriz Sophia Loren , Anna Maria Scicolone , foi casada com Romano Mussolini, filho de Mussolini. A neta de Mussolini, Alessandra Mussolini , era membro do Parlamento Europeu pelo partido de extrema-direita Alternativa Sociale , e atualmente atua na Câmara dos Deputados como membro do O Povo da Liberdade . Cronologia 1883 - 29 de julho : Em Dovia, distrito de Predappio , na Romanha , nasce Benito Mussolini , filho de Alessandro e Rosa Maltoni . 1892 - Matrícula na escola elementar dos salesianos de Faenza . 1901 - 8 de julho : Forma-se professor . 1902 - leciona, por breve período, nas escolas elementares. Em seguida, transfere-se para a Suíça . Inicia a carreira jornalística, colaborando no semanário “L’Avennire del Lavoratore” (O Futuro do Trabalhador). 1903 - Preso por motivos políticos, é expulso do Cantão de Berna . Volta a Lausana e freqüenta o mundo dos exilados políticos. 1904 - Profere ciclos de conferências, freqüenta a Universidade de Lausanne onde assiste, ao que parece, a algumas lições do economista Pareto. Em dezembro, regressa à Itália. 1905 - Presta serviço militar no regimento dos bersaglieri. 19 de fevereiro : morte da mãe. 1908 - Condenado a três meses de detenção por ameaça, tem sua pena reduzida para 15 dias. 1909 - É nomeado dirigente da Câmara do Trabalho de Forli . Transferindo-se a Trento , assume o cargo de secretário da Câmara do Trabalho. Colabora no jornal “Il Popolo” (O Povo), dirigido por Cesare Battisti. Outubro: detido e expulso de Trento, seus companheiros socialistas convocam uma greve contra sua expulsão. Retorna a Forli, onde dirige o núcleo local do partido socialista. Conhece Rachele Guidi , sua futura esposa. 1910 - Nasce a filha Edda. 1911 - Preso e processado por causa de sua propaganda contra a guerra da Líbia , é condenado a 12 meses de cárcere. 1912 - Julho: participa do congresso nacional do partido socialista, em Reggio Emilia . Entra na direção do partido e é nomeado diretor do “Avanti!”(Avante!). 1914 - Participa do congresso nacional do partido socialista, em Ancona. 20 de outubro: deixa a direção do “Avanti!”. Novembro: funda o jornal cotidiano “Il Popolo d’Itália” (O Povo da Itália). 24 de novembro: é expulso do partido socialista. 1915 - 24 de maio: a Itália entra na guerra. Mussolini parte para a frente de batalha. 11 de novembro: fruto de uma aventura amorosa com Ida Dalser , nasce Benito Albino Dalser-Mussolini , que só será reconhecido informalmente como filho legítimo em 11 de janeiro do ano seguinte. Em 16 de dezembro, Mussolini casa-se no civil com Rachele Guidi, mãe de sua filha Edda. Mais tarde Ida Dalser, que provocou a ira de Mussolini ao insitir ser ela a verdadeira sua esposa (fato jamais provado), será internada à força num hospício na cidade de Pergine Valsugana e depois transferida para outro na Ilha de São Clemente , em Veneza onde morreu de hemorragia cerebral em 1937 . Seu filho, da mesma forma que a mãe, insistia ser o filho de Mussolini e também foi internado num hospício na cidade de Mombello , onde viria a morrer em 1942 . 1916 - 1° de março: promovido a cabo , por dedicação e audácia. Agosto: promovido a cabo sênior. Neste ano, nasce Vittorio. 1917 - Fevereiro: promovido a sargento de esquadra . Logo em seguida, é ferido em batalha. 1918 - Nasce Bruno, filho de Mussolini e Rachele. 1919 - 23 de março: com centenas de camaradas, realiza o juramento na Praça San Sepolcro, fundando o Fascio Milanese di Combattimento (Esquadrão Milanês de Combate). 16 de novembro: é derrotado nas eleições para o colégio de Milão. 1921 - Transformação dos Esquadrões de Combate em partido fascista. Em maio, Mussolini é eleito deputado. 21 de junho: primeiro discurso reacionário na Câmara. 1922 - 28 de outubro: Marcha sobre Roma . Dezenas de milhares de fascistas ocupam a capital. 30 de outubro: chamado pelo Rei Vítor Emanuel III , Mussolini recebe o encargo de formar o novo governo. 1923 - 12 de janeiro: constituição do Grande Conselho do Fascismo. 1925 - 3 de janeiro: discurso de Mussolini na Câmara. Os fascistas reassumem o controle da situação. 1926 - Abril: fundação da Opera Nazionale Balilla (ONB), destinada à assistência e educação moral e física da juventude. Outubro: após o terceiro atentado contra o Duce, em Bolonha , o Parlamento emana uma série de leis visando à defesa do estado. Supressão dos partidos e dos jornais da oposição. 28 de dezembro: casamento religioso com Rachele. 1929 - 11 de fevereiro: assinatura da Concordata com a Santa Sé ( Pacto de Latrão ), que reconhece o Vaticano com Estado soberano. 1933 - Assinatura do Pacto dos Quatro ( França , Inglaterra , Alemanha e Itália ) para assegurar a paz na Europa . Setembro: primeiro encontro do Duce com Claretta Petacci, com quem terá um enlace amoroso até os últimos dias de vida. 1934 - Durante o verão, o Duce se opõe à iniciativa de Hitler que pretende anexar a Áustria à Alemanha, enviando algumas divisões ao passo de Brenner. 1935 - O ministro francês Laval visita Roma. 11-14 de abril: Conferência de Stressa entre Inglaterra, França e Itália. 3 de outubro: início da guerra da Abissínia . Como voluntários, partem os filhos do Duce e Rachele, Vittorio e Bruno, enquanto Edda se inscreve na Cruz Vermelha. 1936 - 9 de maio: Mussolini proclama a fundação do Império. 18 de julho: assinatura de um tratado de aliança com o general espanhol Franco . 1937 - Mussolini solicita uma aliança com Hitler . 25 de setembro: primeira visita oficial de Mussolini à Alemanha. A Itália ameaça desligar-se da Sociedade das Nações . 1938 - 15 de julho: lançamento do manifesto proclamando diferenças raciais entre italianos e judeus , com repercussões na vida política. 1940 - 18 de março: encontro em Brenner entre Hitler e Mussolini. 10 de junho: a Itália declara guerra à França . 24 de junho: armistício ítalo-francês. Agosto-setembro: ocupação da Somália Britânica e de Djibuti pelas tropas Itália . 27 de setembro: assinatura do Pacto Tripartite , de colaboração entre Itália - Alemanha - Japão . 28 de outubro : a Itália ataca a Grécia . 9 de dezembro : contra-ofensiva inglesa na Líbia. A Itália é forçada a pedir ajuda à Alemanha. 1941 - 22 de janeiro a 7 de fevereiro: perda da Cirenaica Italiana. 5 de abril: os ingleses tomam Addis Abeba . 12 de abril: contra-ofensiva das tropas do Eixo na Líbia. 15 de maio: capitulação italiana na África Oriental. Junho: o Duce envia um Corpo Expedicionário Italiano para a Rússia (CSIR). 7 de agosto: o jovem capitão Bruno, filho do Duce, morre testando um novo avião. Dezembro: a Itália declara guerra aos Estados Unidos . 1942 - Junho: última ofensiva ítalo-germânica na Cirenaica. 3 de novembro: inicia-se a retirada das tropas do Eixo . 7 de novembro: as tropas anglo-americanas desembarcam em Marrocos e na Argélia . 1943 - 9 de julho: desembarque dos anglo-americanos na Sicília . 19 de julho: Mussolini encontra Hitler perto de Feltre. 24 de julho: reunião do Grande Conselho do Fascismo que vota a ordem do dia Grandi, com a qual se declara a queda do governo Mussolini e se convida Vittorio Emanuele III a assumir plenos poderes. 25 de julho: Mussolini apresenta sua demissão ao rei e é preso. Será deportado primeiro para a Ilha de Ponza e depois para Gran Sasso . 12 de setembro: um comando alemão chega à Ilha Gran Sasso e liberta Mussolini, levando-o de avião para a Alemanha. 18 de setembro: Mussolini anuncia a constituição da República Social Italiana no norte da Itália. 1944 - 10 de janeiro: em Verona , um tribunal especial condena à morte os membros do Grande Conselho do Fascismo que votaram a favor da ordem do dia Grandi, inclusive o genro do Duce, Galeazzo Ciano, marido de Edda. 16 de dezembro: último discurso do Duce, no teatro lírico de Milão. 1945 - Abril: Mussolini se transfere de Gargnano , às margens do Lago Garda , onde estava a sede do governo da República Social, para Milão. 27 de abril: unindo-se a uma coluna alemã em retirada para Valtellina , Mussolini é reconhecido em Dongo por alguns guerrilheiros e preso. 27-28 de abril: Mussolini e Claretta Petacci são assassinados por partisans , no exterior duma vila nas proximidades de Giulino di Mezzegra , às margens do Lago de Como . Apenas no dia seguinte será expedida a sentença de morte oficial, emanada pelos guerrilheiros socialistas. 29 de abril: vilipendiação pública do cadáver de Mussolini, juntamente com o de Claretta Petacci e outros líderes fascistas, em Milão. Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema: Citações no Wikiquote Imagens e media no Commons Commons Wikiquote Ver também Alberto De Stefani Carta do Trabalho Colaboração de classes Coluna Capitolina Referências ↑ Image Description: Propaganda poster of Benito Mussolini, with caption 'His Excellency Benito Mussolini, Head of Government, Leader of Fascism, and Founder of the Empire...'. ↑ Hakim, Joy (1995). A History of Us: War, Peace and all that Jazz . New York: Oxford University Press . ISBN 0-19-509514-6 ↑ Cf. La storia della bonifica pontina ↑ Warwick Palmer, Alan (1996). Who's Who in World Politics: From 1860 to the Present Day . [S.l.]: Routledge. ISBN 0415131618 ↑ Gregor, Anthony James. Young Mussolini and the intellectual origins of fascism . Berkeley and Los Angeles, California, US. London, England, UK: University of California Press, 1979. Pp. 29 ↑ a b Gregor, Anthony James. Young Mussolini and the intellectual origins of fascism . Berkeley and Los Angeles, California, US. London, England, UK: University of California Press, 1979. p. 31. ↑ a b c d «Benito Mussolini» . HistoryLearningSite.co.uk. 8 de janeiro de 2008 ↑ «Tragic story of Mussolini's wife made into film» . The Guardian . 17 de março de 2007 ↑ a b c d Mediterranean Fascism 1919-1945 Edited by Charles F. Delzel, Harper Rowe 1970, page 3 ↑ a b c «Benito Mussolini» . Grolier.com. 8 de janeiro de 2008 ↑ a b c Living History 2. Chapter 2: Italy under Fascism - ISBN 1-84536-028-1 ↑ Mediterranean Fascism by Charles F. Delzel page 96 ↑ « ' Modern Leftism as Recycled Fascism ' » . FrontPageMag.com. 24 de outubro de 2009 ↑ Haugen, Brenda (2007). Benito Mussolini . [S.l.]: Compass Point Books. ISBN 9780756518929 ↑ « ' Mussolini: il duce ' » . ThinkQuest.org. 24 de outubro de 2009 ↑ 'The Life of Benito Mussolini' by Margherita G. Sarfatti, p. 156 ↑ Taken from WorldCat's entry for this book's title. ↑ Mediterranean Fascism 1919-1945 Edited by Charles F. Delzel, Harper Rowe 1970, bottom of page 3 ↑ a b c d e Mediterranean Fascism 1919-1945 Edited by Charles F. Delzel, Harper Rowe 1970, page 4 ↑ Mediterranean Fascism 1919-1945 Edited by Charles F. Delzel, Harper Rowe 1970, page 6 ↑ a b Mussolini: A Study In Power, Ivone Kirkpatrick, Hawthorne Books, 1964. ISBN 0-837-18400-2 ↑ a b c Owen, Richard (13 de janeiro de 2005). «Power-mad Mussolini sacrificed wife and son» . Times Online . Consultado em 14 de maio de 2009 ↑ Documentos revelam que Mussolini espionou para a Grã-Bretanha , por Georgina Cooper. O Globo , 14 de outubro de 2009. ↑ SASSOON, Donald (2009). Mussolini e a ascensão do fascismo . Rio de Janeiro: Agir. 200 páginas. ISBN 978-85-220-0806-3 ↑ «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas» . Resultado da busca de 'Benito Mussolini'. Presidência da República Portuguesa . Consultado em 16 de abril de 2015 ↑ Konrad Jarausch, Out of Ashes: A new history of Europe in the 20th century (2015) ↑ a b Haugen, Brenda (2007). Benito Mussolini: Fascist Italian Dictator . Minneapolis , Minnesota : Compass Point Books. ISBN 0-7565-1988-8 ↑ A History of Early Twentieth Century Etiópia. ↑ Milavicorner - Operação Oak: O resgate de Mussolini ↑ Benito Mussolini (em inglês ) no Find a Grave ↑ [1] ↑ Peter York. Dictator Style . [S.l.]: Chronicle Books, San Francisco (2006), ISBN 0-8118-5314-4 . pp. 17–18 ↑ Jim Heddlesten. «Comando Supremo: Events of 1941» . Comandosupremo.com Ligações externas Discursos da Revolução Precedido por Luigi Facta Primeiro-ministro da Itália 1922 - 1943 Sucedido por General Pietro Badoglio v • e Benito Mussolini Chefe do Governo e Duce do Fascismo (1922–1943) Morte Políticas Duce Manifesto Fascista Itália fascista Spazio vitale Políticas econômicas Políticas racistas Propaganda Fascista Modelo de masculinidade Eixo Roma-Berlim Pacto de Aço Eventos Marcha sobre Roma Segunda Guerra Ítalo-Etíope Fundação do Império Invasão da Albânia Segunda Guerra Mundial Guerra Civil Italiana Eleições Eleições gerais de 1924 Eleições gerais de 1929 Eleições gerais de 1934 Partidos políticos Partido Socialista Italiano (1901–1914) Fasci de Combate Italiana (1919–1921) Partido Nacional Fascista (1921–1943) Partido Republicano Fascista (1943–1945) Família Rachele Mussolini (esposa) Clara Petacci (amante) Ida Dalser (amante) Margherita Sarfatti (amante) Benito Albino Mussolini (filho) Edda Mussolini (filha) Vittorio Mussolini (filho) Bruno Mussolini (filho) Romano Mussolini (filho) Alessandra Mussolini (neta) Cultura popular Livros: Mussolini diaries Mussolini: His Part in My Downfall Filmes: Benito Mussolini and I Mussolini: The Last Four Days Mussolini Speaks Mussolini: The Untold Story Vincere Portal de biografias Portal da política Portal da Itália Portal da história Portal da Segunda Guerra Mundial Controle de autoridade : Q23559 VIAF : 90162262 AlloCiné : 26574 BIBSYS : 11055366 BMT : 39779 BNA : 000023670 BNE : XX842752 BNF : 11917297h BRE : 2239506 BVMC : 83237 CANTIC : a10128426 Discogs : 329835 EBID : ID FAST : 29092 Filmportal: ID GEC : 0045120 GND : 118585967 HDS : 27903 ICCU : IT\ICCU\CFIV\092078 IMDb : nm0615907 Isidore: mussolini_benito_auteur_du_texte ISNI : 0001 2143 1748 0000 0001 2143 1748 LCCN : n78095482 LibriVox : 1303 MusicBrainz : ID Munzinger: 00000000187 NDL : 00450900 NKC : jn20000701282 NLA : 35370842 NLI : 000605529 NNDB : 000045333 NPG : mp82546 NTA : 068883331 OBP: Benito, 1883-1945 ID OL : OL115575A openMLOL: 2721 SELIBR : 206997 SNAC: w66d5sm9 SUDOC : 027043401 Theatricalia: nd6 ULAN : 500219109 WikiTree : Mussolini-1 Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Benito_Mussolini&oldid=51201978 ' Categorias : Nascidos em 1883 Mortos em 1945 Fascistas Políticos da Itália Jornalistas da Itália Primeiros-ministros da Itália Políticos assassinados Ateus da Itália Anticomunistas da Itália Grã-Cruzes da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito Governantes depostos por golpe de Estado Italianos assassinados Pessoas assassinadas na Itália Categorias ocultas: !Páginas que usam hiperligações mágicas ISBN !Páginas a reciclar desde setembro de 2016 !Artigos que carecem de notas de rodapé desde maio de 2012 !Artigos de sociedade que carecem de notas de rodapé Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Ver código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikiquote Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Afrikaans Alemannisch አማርኛ Aragonés Ænglisc العربية مصرى Asturianu Azərbaycanca Žemaitėška Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български বাংলা Brezhoneg Bosanski Català Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄ کوردی Čeština Cymraeg Dansk Deutsch Zazaki Ελληνικά Emiliàn e rumagnòl English Esperanto Español Eesti Euskara Estremeñu فارسی Suomi Võro Français Nordfriisk Furlan Frysk Gaeilge Gàidhlig Galego Gaelg עברית हिन्दी Hrvatski Magyar Հայերեն Bahasa Indonesia Ido Íslenska Italiano 日本語 Basa Jawa ქართული Қазақша ಕನ್ನಡ 한국어 Kurdî Kernowek Latina Lëtzebuergesch Лезги Limburgs Lumbaart لۊری شومالی Lietuvių Latviešu मैथिली Malagasy Македонски മലയാളം Монгол मराठी Bahasa Melayu Malti Mirandés မြန်မာဘာသာ مازِرونی नेपाली नेपाल भाषा Nederlands Norsk nynorsk Norsk Occitan Ирон ਪੰਜਾਬੀ Papiamentu Polski Piemontèis پنجابی Runa Simi Română Русский संस्कृतम् Sicilianu Scots Srpskohrvatski / српскохрватски සිංහල Simple English Slovenčina Slovenščina Soomaaliga Shqip Српски / srpski Basa Sunda Svenska Kiswahili Ślůnski தமிழ் తెలుగు ไทย Tagalog Türkçe Татарча/tatarça Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Vèneto Tiếng Việt Volapük Winaray 吴语 მარგალური ייִדיש Yorùbá 中文 文言 Bân-lâm-gú 粵語 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 13h54min de 5 de fevereiro de 2018. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://cunardline.com.br/DetalheDestino.aspx?Cod=5
  Mediterrâneo Busca: A mais famosa frota no mundo Novidades Cunard Pesquisa Promoção Solicitação de reserva Cruzeiros Queen Elizabeth Queen Mary 2 Queen Victoria Frota Canadá e Nova Inglaterra Caribe Cruzeiro Mundial Ilhas Canárias Mediterrâneo Norte da Europa Travessia Transatlântica Destinos Fale conosco Formulários Links Mini Dicionário Cunard Perguntas frequentes Telefones e Fax Vídeos Central ... brilhante Mônaco, e nas deslumbrantes Costas da Croácia e da Itália. Itinerários Istanbul, Ephesus and Rome ... ), Grécia Nápoles, Itália Roma, Itália (Civitavecchia) Italian Serenade.. 7 noites Atenas (Piraeus), Grécia Valletta, Malta Tunis (Goulette), Tunísia Palermo, Sicília Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Adriatic and Aegean Gems.. 14 noites Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Grécia Rhodes, Grécia CACHE

Mediterrâneo Busca: A mais famosa frota no mundo Novidades Cunard Pesquisa Promoção Solicitação de reserva Cruzeiros Queen Elizabeth Queen Mary 2 Queen Victoria Frota Canadá e Nova Inglaterra Caribe Cruzeiro Mundial Ilhas Canárias Mediterrâneo Norte da Europa Travessia Transatlântica Destinos Fale conosco Formulários Links Mini Dicionário Cunard Perguntas frequentes Telefones e Fax Vídeos Central de Informações Login Cadastro Agentes de Viagem Mediterrâneo Visite o melhor do Mediterrâneo incluindo magníficas cidades como Barcelona, Roma e Veneza. Experiências sedutoras em Córsega, na brilhante Mônaco, e nas deslumbrantes Costas da Croácia e da Itália. Itinerários Istanbul, Ephesus and Rome.. 7 noites Istambul, Turquia Éfeso, Turquia (Kusadasi) Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Nápoles, Itália Roma, Itália (Civitavecchia) Italian Serenade.. 7 noites Atenas (Piraeus), Grécia Valletta, Malta Tunis (Goulette), Tunísia Palermo, Sicília Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Adriatic and Aegean Gems.. 14 noites Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Grécia Rhodes, Grécia Ephesus (Kusadasi), Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Aegean Adventure.. 14 noites Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Grécia Rhodes, Grécia Kusadasi, Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Dardanelles, Turquia Istambul, Turquia Istambul, Turquia Dardanelles, Turquia Volos, Grécia Mykonos, Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Aegean Interlude.. 7 noites Atenas, Grécia (de Piraeus) Istambul, Turquia Istambul, Turquia Volos, Grécia Mykonos, Grécia Atenas, Grécia (de Piraeus) Aegean Jewels.. 7 noites Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Grécia Rhodes, Grécia Kusadasi, Tirquia Atenas (Piraeus), Grécia Atlantic Isles Discovery. 14 noites Southampton, Inglaterra Vigo, Espanha Lisboa, Portugal Lanzarote, Espanha Santa Cruz, Tenerife La Palma, Espanha Funchal, Madeira Southampton, Inglaterra Barcelona, Rome and Venice.. 14 noites Roma (Civitavecchia), Itália La Spezia, Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Barcelona, Espanha Ajaccio, França Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Veneza, Itália Veneza, Itália Trieste, Itália Belgian Escape. 3 noites Londres (Southampton), Inglaterra Bruxelas/ Bruges (Zeebrugge), Bélgica Londres (Southampton), Inglaterra Black Sea and Russia.. 7 noites Istambul, Turquia Istambul/ Bósforo, Turquia Odessa, Ucrânia Yalta, Ucrânia Sochi Bósforo Istambul, Turquia Black Sea and Turkish Splendours. 24 noites Londres (Southampton), Inglaterra Lisboa, Portugal Valletta, Malta Ephesus (Kusadasi), Turquia Dardanelos, Turquia Istambul, Turquia Istambul / Bósforo, Turquia Yalta, Ucrânia Odesa, Ucrânia Bósforo / Dardanelos, Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Maiorca (Palma), Espanha Vigo, Espanha Londres (Southampton), Inglaterra Croatia, Istanbul and the Black Sea.. 14 noites Trieste, Itália Zadar, Croácia Dubrovnik, Croácia Mykonos, Grécia Rhodes, Grécia Izmir, Turquia Dardanelos/ Istambul, Turquia Istambul/ Bósforo, Turquia Odessa, Ucrânia Yalta, Ucrânia Sochi, Rússia Bósforo, Turquia Istambul, Turquia Dubrovnik, Venice and Greek Isles.. 14 noites Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Grécia Rhodes, Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Dubrovnik, Venice and Istanbul.. 14 noites Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Veneza, Itália Veneza, Itália Trieste, Itália Zadar, Croácia Dubrovnik, Croácia Mykonos, Grécia Rhodes, Grécia Izmir, Turquia Dardanelos/ Istambul, Turquia Eastern Mediterranean Escapade.. 14 noites Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Olympia (Katakolon), Grécia Messina, Itália Nápoles (Salerno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália French Riviera and Adriatic Wonders.. 14 noites Roma (Civitavecchia), Itália Florença / Pisa (Livorno), Itália Monte Carlo, Mônaco Toulon, França Barcelona, Espanha Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Grand Mediterranean Idyll. 22 noites Londres (Southampton), Inglaterra Lisboa, Portugal Gibraltar, Grã-Bretanha Cartagena, Espanha Barcelona, Espanha Marselha, França Monte Carlo, Mônaco Florença/Pisa (Livorno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Salerno, Itália Messina, Itália Santorini, Grécia Rhodes, Grécia Ephesus (Kusadasi), Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Corfu, Grécia Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Grand Mediterranean Odyssey. 22 noites Roma (Civitavecchia), Itália Olympia (Katakolon), Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Mykonos, Grécia Ephesus (Kusadasi), Turquia Rhodes, Grécia Heraklion, Grécia Messina, Itália Capri/Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Florença/Pisa (Livorno), Itália Monte Carlo, Mônaco Marselha, França Barcelona, Espanha Cartagena, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha Lisboa, Portugal Londres (Southampton), Inglaterra Greece and Italy.. 7 noites Atenas (Piraeus), Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Greece, Italy and Barcelona.. 14 noites Atenas (Piraeus), Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Barcelona, Espanha Ajaccio, França Roma (Civitavecchia), Itália Greek Isles and Ancient Wonders. 12 noites Atenas (Piraeus), Grécia Mykonos, Grécia Ephesus (Kusadasi), Turquia Rhodes, Grécia Santorini, Grécia Heraklion, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Corfu, Grécia Messina, Itália Capri/Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia) Itália Greek Isles and French Riviera.. 14 noites Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Nápoles (Salerno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Florença / Pisa (Livorno), Itália Monte Carlo, Mônaco Toulon, França Barcelona, Espanha Greek Isles and Holy Land Explorer. 12 noites Roma (Civitavecchia), Itália Olympia (Katakolon), Grécia Santorini, Grécia Haifa, Israel Haifa, Israel Limassol, Chipre Rhodes, Grécia Heraklion, Grécia Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Greek Isles and Italian Idyll.. 14 noites Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Grécia Rhodes, Grécia Kusadasi, Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Olympia (Katakolon), Grécia Messina, Itália Nápoles (Salerno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Greek Isles and Mediterranean Treasures. 12 noites Roma (Civitavecchia), Itália Salerno, Itália Messina, Itália Santorini, Grécia Rhodes, Grécia Kusadasi, Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Corfu, Grécia Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Greek Isles and Turkish Splendours.. 12 noites Veneza, Itália Veneza, Itália Dubrovnik, Croácia Corfu, Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Ephesus (Kusadasi), Turquia Rhodes, Grécia Santorini, Grécia Messina, Itália Salerno, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Greek Isles and Turkish Splendours.. 14 noites Atenas (Piraeus), Grécia Dardanelles, Turquia Istambul, Turquia Istambul, Turquia Dardanelles, Turquia Volos, Grécia Mykonos, Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Capri/ Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Greek Isles Interlude. 7 noites Atenas (Piraeus), Grécia Dardanelles, Turquia Istambul, Turquia Istambul, Turquia Dardanelles, Turquia Volos, Grécia Mykonos, Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Iberian Highlights.. 12 noites Londres (Southampton), Inglaterra Lisboa, Portugal Gibraltar, Grã-Bretanha Barcelona, Espanha Valência, Espanha Málaga, Espanha Cádiz, Espanha Londres (Southampton), Inglaterra Istanbul and Greek Isles.. 7 noites Atenas, Grécia (Piraeus) Anzac Cove Istambul, Turquia Istambul, Turquia Volos, Grécia Mykonos, Grécia Atenas, Grécia (Piraeus) Istanbul and the Black Sea.. 7 noites Istambul, Turquia Istambul/ Bósforo, Turquia Nessebur, Bulgária Odessa, Ucrânia Yalta, Ucrânia Istambul, Turquia Istanbul, Greek Isles and Rome.. 14 noites Atenas (Piraeus), Grécia Anzac Cove/ Dardanelos, Turquia Istambul, Turquia Istambul, Turquia Dardanelos, Turquia Volos, Grécia Mykonos, Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Istanbul, Monte Carlo and Rome.. 14 noites Istambul, Turquia Dardanelos, Turquia Éfeso (Kusadasi), Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Messina, Itália Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália La Spezia, Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Barcelona, Espanha Ajaccio, França Roma (Civitavecchia), Itália Istanbul, the Black Sea and Ephesus.. 14 noites Istambul, Turquia Istambul/ Bósforo, Turquia Odessa, Ucrânia Yalta, Ucrânia Sochi, Rússia Bósforo, Turquia Istambul, Turquia Dardanelos, Turquia Éfeso (Kusadasi), Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Messina, Itália Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Istanbul, the Black Sea, and Italy.. 14 noites Istambul, Turquia Istambul, Turquia Bósforo, Turquia Odessa, Ucrânia Yalta, Ucrânia Bósforo, Turquia Istambul, Turquia Dardanelos, Turquia Éfeso (Kusadasi), Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Messina, Itália Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Italian Sojourn.. 7 noites Veneza, Itália Korcula, Croácia Valletta, Malta Messina, Itália Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Itally and Corfu.. 7 noites Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Trieste, Itália Veneza, Itália Veneza, Itália Italy and Spain.. 10 noites Roma (Civitavecchia), Itália Florença / Pisa (Livorno), Itália Rapallo, Itália Monte Carlo, Mônaco Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Valência, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha Southampton, Inglaterra Italy and Spain... 17 noites Roma (Civitavecchia), Itália La Spezia, Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Barcelona, Espanha Ajaccio, França Roma (Civitavecchia), Itália Florença / Pisa (Livorno), Itália Rapallo, Itália Monte Carlo, Mônaco Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Valência, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha Southampton, Inglaterra Italy, Dubrovnik and Istanbul.. 7 noites Trieste, Itália Zadar, Croácia Dubrovnik, Croácia Mykonos, Grécia Rhodes, Grécia Izmir, Turquia Istambul, Turquia Mediterranean Adventure.. 14 noites Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Grécia Rhodes, Grécia Kusadasi, Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Valletta, Malta Carthage/Tunis (La Goulette), Tunísia Nápoles (Salerno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Mediterranean Adventures. 12 noites Londres (Southampton), Inglaterra Lisboa, Portugal Cartagena, Espanha Barcelona, Espanha Valência, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha Sevilha (Cádiz), Espanha Londres (Southampton), Inglaterra Mediterranean Celebration. 14 noites Londres (Southampton), Inglaterra Cartagena, Espanha Barcelona, Espanha Monte Carlo, Mônaco Roma (Civitavecchia), Itália Ajaccio, França Gibraltar, Grã-Bretanha La Coruña, Espanha Londres (Southampton), Inglaterra Mediterranean Delights. 13 noites Londres (Southampton), Inglaterra Cartagena, Espanha Barcelona, Espanha Cannes, França Florença/Pisa (Livorno), Itália Alghero, Itália Gibraltar, Grã-Bretanha Londres (Southampton), Inglaterra Mediterranean Delights.. 7 noites Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Olympia (Katakolon), Grécia Messina, Itália Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Mediterranean Discovery. 12 noites Londres (Southampton), Inglaterra Sevilha (Cádiz), Espanha Málaga, Espanha Valência, Espanha Barcelona, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha La Coruña, Espanha Londres (Southampton), Inglaterra Mediterranean Discovery.. 7 noites Roma (Civitavecchia), Itália Florença (Livorno), Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Roma (Civitavecchia), Itália Mediterranean Explorer.. 14 noites Londres (Southampton), Inglaterra Cartagena, Espanha Barcelona, Espanha St Tropez, França Florença/Pisa (Livorno), Itália Alghero, Itália Gibraltar, Grã-Bretanha La Coruña, Espanha Londres (Southampton), Inglaterra Mediterranean Explorer... 14 noites Londres (Southampton), Inglaterra Cartagena, Espanha Barcelona, Espanha Toulon, França Florença/Pisa (Livorno), Itália Ajaccio, França Gibraltar, Grã-Bretanha La Coruña, Espanha Londres (Southampton), Inglaterra Mediterranean Gems. 10 noites Roma (Civitavecchia), Itália Florença/Pisa (Livorno), Itália Monte Carlo, Mônaco Marselha, França Barcelona, Espanha Cartagena, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha Lisboa, Portugal Londres (Southampton), Inglaterra Mediterranean Highlights.. 14 noites Southampton, Inglaterra Vigo, Espanha Lisboa, Portugal Gibraltar, Grã-Bretanha St Raphael, França La Spezia, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Ajaccio, França Sevilha (Cádiz), Espanha Southampton, Inglaterra Mediterranean Highlights... 16 noites Southampton, Inglaterra Vigo, Espanha Lisboa, Portugal Gibraltar, Grã-Bretanha St Raphael, França La Spezia, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Ajaccio, França Sevilha (Cádiz), Espanha Southampton, Inglaterra Hamburgo, Alemanha Mediterranean Idyll. 10 noites Londres (Southampton), Inglaterra Lisboa, Portugal Gibraltar, Grã-Bretanha Cartagena, Espanha Barcelona, Espanha Marselha, França Monte Carlo, Mônaco Florença/Pisa (Livorno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Mediterranean Idyll.- 12 noites Londres (Southampton), Inglaterra Lisboa, Portugal Gibraltar, Grã-Bretanha Barcelona, Espanha Monte Carlo, Mônaco Florença/ Pisa (Livorno), Itália Elba, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Mediterranean Medley. 14 noites Londres (Southampton), Inglaterra La Coruña, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha Alghero, Itália Florença/Pisa (Livorno), Itália Cannes, França Barcelona, Espanha Cartagena, Espanha Londres (Southampton), Inglaterra Mediterranean Moments.. 7 noites Atenas (Piraeus), Grécia Bodrum, Turquia Santorini, Grécia Olympia (Katakolon), Grécia Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Mediterranean Mosaic.. 18 noites Veneza, Itália Korcula, Croácia Messina, Itália Capri / Nápoles, Itália Florença / Pisa (Livorno), Itália Toulon, França Barcelona, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha Oporto, Portugal Southampton, Inglaterra Mediterranean Odyssey. 12 noites Roma (Civitavecchia), Itália Olympia (Katakolon), Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Mykonos, Grécia Ephesus (Kusadasi), Turquia Rhodes, Grécia Heraklion, Grécia Messina, Itália Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Mediterranean Revelations.. 14 noites Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Korcula, Croácia Valletta, Malta Messina, Itália Nápoles (Salerno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Mediterranean Serenade. 17 noites Londres (Southampton), Inglaterra Sevilha (Cádiz), Espanha Valletta, Malta Veneza, Itália Dubrovnik, Croácia Corfu, Grécia Messina, Itália Gibraltar, Grã-Bretanha Londres (Southampton), Inglaterra Monte Carlo and Barcelona.. 7 noites Roma, Itália (Civitavecchia) Spezia, Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Barcelona, Espanha Ajaccio, Córsega Roma, Itália (Civitavecchia) Pearls of the Adriatic.. 7 noites Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Rome, Dubrovnik and Venice.. 7 noites Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Rome, Dubrovnik and Venice... 14 noites Roma (Civitavecchia), Itália La Spezia, Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Barcelona, Espanha Ajaccio, França Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália Roundtrip Transatlantic Crossing.. 14 noites Southampton, Inglaterra ova Iorque, Estados Unidos Spain and Italy.. 9 noites Londres (Southampton), Inglaterra Gibraltar Valência, Espanha Barcelona, Espanha Monte Carlo, Mônaco Rapallo, Itália Florença & Pisa (Livorno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Spain and Italy... 14 noites Southampton, Inglaterra Gibraltar, Grã-Bretanha Cagliari, Itália Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Sevilha (Cádiz), Espanha Southampton, Inglaterra Spain and Italy.... 16 noites Southampton, Inglaterra Gibraltar, Grã-Bretanha Cagliari, Itália Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Monte Carlo, Mônaco Barcelona, Espanha Sevilha (Cádiz), Espanha Southampton, Inglaterra Hamburgo, Alemanha Spain and Morocco.. 10 noites Southampton, Inglaterra La Coruna, Espanha Sevilha (Cádiz), Espanha Málaga, Espanha Tangiers, Marrocos Lisboa, Portugal Southampton, Inglaterra Spain, Rome and Venice.. 16 noites Southampton, Inglaterra Gibraltar, Grã-Bretanha Valência, Espanha Barcelona, Espanha Monte Carlo, Mônaco Rapallo, Itália Florença / Pisa (Livorno), Itália Roma (Civitavecchia), Itália Corfu, Grécia Kotor, Montenegro Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Veneza, Itália The Canaries and Madeira.. 12 noites Southampton, Inglaterra Vigo, Espanha Lisboa, Portugal Lanzarote, Espanha Gran Canaria Tenerife, Ilhas Canárias Madeira, Portugal La Coruna, Espanha Southampton, Inglaterra Venice and Ephesus.. 7 noites Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Creta Rhodes, Grécia Éfeso (Kusadasi), Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Venice and The Adriatic.. 17 noites Southampton, Inglaterra Sevilha (Cádiz), Espanha Messina, Itália Corfu, Grécia Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Korcula, Croácia Gibraltar, Grã-Bretanha Southampton, Inglaterra Venice and The Adriatic... 17 noites Southampton, Inglaterra Oporto, Portugal Messina, Itália Cefalônia, Grécia Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Split, Croácia Corfu, Grécia Gibraltar, Grã-Bretanha Southampton, Inglaterra Venice, Greek Isles and Istanbul.. 14 noites Veneza, Itália Korcula, Croácia Heraklion, Creta Rhodes, Grécia Éfeso (Kusadasi), Turquia Atenas (Piraeus), Grécia Anzac Cove/ Dardanelos, Turquia Istambul, Turquia Istambul, Turquia Dardanelos, Turquia Volos, Grécia Mykonos, Grécia Atenas (Piraeus), Grécia Western Mediterranean Discovery.. 11 noites Roma (Civitavecchia), Itália Florença/Pisa (Livorno), Itália Toulon, França Barcelona, Espanha Málaga, Espanha Gibraltar, Grã-Bretanha Lisboa, Portugal Oporto, Portugal Londres (Southampton), Inglaterra Western Mediterranean Wonders.. 14 noites Atenas (Piraeus), Grécia Valletta, Malta Cartago / Túnis (La Goulette), Tunísia Palermo, Itália Capri / Nápoles, Itália Roma (Civitavecchia), Itália Florença / Pisa (Livorno), Itália Monte Carlo, Mônaco Toulon, França Barcelona, Espanha Roma (Civitavecchia), Itália Wonders of the Mediterranean.. 17 noites Southampton, Inglaterra Sevilha (Cádiz), Espanha Catania, Itália Corfu, Grécia Dubrovnik, Croácia Veneza, Itália Korcula, Croácia Gibraltar, Grã-Bretanha Southampton, Inglaterra ver todas as fotos deste destino Dubrovnik, Croácia Gibraltar Cannes, França Mapa do site Perguntas frequentes Fale conosco Novidades © 2008, Cunard Cruises All Rights Reserved Informações: (21) 3410 1062 / 0800 70 74 015 | Outras localidades: (21) 2487 4618 px | E-mail: cunard@cunardcruises.com.br



https://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria%3AFilmes_da_It%C3%A1lia_por_ano
  Categoria:Filmes da Itália por ano – Wikipédia, a enciclopédia livre Ajuda Categoria:Filmes da Itália por ano Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta categoria reúne filmes da Italia por ano . Subcategorias Esta categoria contém as seguintes 87 subcategorias (de um total de 87). 0–9 ► Filmes da Itália de 1901 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1911 ‎ (2 P) ► Filmes da ... Categoria:Filmes da Itália por ano – Wikipédia, a enciclopédia livre Ajuda Categoria:Filmes da Itália por ano Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta categoria ... um total de 87). 0–9 ► Filmes da Itália de 1901 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1911 ‎ (2 P) ► Filmes da Itália de 1912 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1913 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1917 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1918 ‎ (2 P) ► Filmes da Itália de 1922 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1923 ‎ (1 P CACHE

Categoria:Filmes da Itália por ano – Wikipédia, a enciclopédia livre Ajuda Categoria:Filmes da Itália por ano Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta categoria reúne filmes da Italia por ano . Subcategorias Esta categoria contém as seguintes 87 subcategorias (de um total de 87). 0–9 ► Filmes da Itália de 1901 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1911 ‎ (2 P) ► Filmes da Itália de 1912 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1913 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1917 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1918 ‎ (2 P) ► Filmes da Itália de 1922 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1923 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1925 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1933 ‎ (2 P) ► Filmes da Itália de 1934 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1936 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1938 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1941 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1942 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1943 ‎ (1 P) ► Filmes da Itália de 1948 ‎ (4 P) ► Filmes da Itália de 1949 ‎ (6 P) ► Filmes da Itália de 1950 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 1951 ‎ (8 P) ► Filmes da Itália de 1952 ‎ (7 P) ► Filmes da Itália de 1953 ‎ (11 P) ► Filmes da Itália de 1954 ‎ (20 P) ► Filmes da Itália de 1955 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 1956 ‎ (6 P) ► Filmes da Itália de 1957 ‎ (4 P) ► Filmes da Itália de 1958 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 1959 ‎ (14 P) ► Filmes da Itália de 1960 ‎ (1 C, 26 P) ► Filmes da Itália de 1961 ‎ (26 P) ► Filmes da Itália de 1962 ‎ (25 P) ► Filmes da Itália de 1963 ‎ (28 P) ► Filmes da Itália de 1964 ‎ (14 P) ► Filmes da Itália de 1965 ‎ (24 P) ► Filmes da Itália de 1966 ‎ (14 P) ► Filmes da Itália de 1967 ‎ (26 P) ► Filmes da Itália de 1968 ‎ (20 P) ► Filmes da Itália de 1969 ‎ (22 P) ► Filmes da Itália de 1970 ‎ (26 P) ► Filmes da Itália de 1971 ‎ (23 P) ► Filmes da Itália de 1972 ‎ (23 P) ► Filmes da Itália de 1973 ‎ (17 P) ► Filmes da Itália de 1974 ‎ (14 P) ► Filmes da Itália de 1975 ‎ (20 P) ► Filmes da Itália de 1976 ‎ (14 P) ► Filmes da Itália de 1977 ‎ (17 P) ► Filmes da Itália de 1978 ‎ (9 P) ► Filmes da Itália de 1979 ‎ (15 P) ► Filmes da Itália de 1980 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 1981 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 1982 ‎ (12 P) ► Filmes da Itália de 1983 ‎ (7 P) ► Filmes da Itália de 1984 ‎ (5 P) ► Filmes da Itália de 1985 ‎ (8 P) ► Filmes da Itália de 1986 ‎ (5 P) ► Filmes da Itália de 1987 ‎ (11 P) ► Filmes da Itália de 1988 ‎ (4 P) ► Filmes da Itália de 1989 ‎ (3 P) ► Filmes da Itália de 1990 ‎ (7 P) ► Filmes da Itália de 1991 ‎ (9 P) ► Filmes da Itália de 1992 ‎ (5 P) ► Filmes da Itália de 1993 ‎ (4 P) ► Filmes da Itália de 1994 ‎ (9 P) ► Filmes da Itália de 1995 ‎ (1 C, 9 P) ► Filmes da Itália de 1996 ‎ (5 P) ► Filmes da Itália de 1997 ‎ (4 P) ► Filmes da Itália de 1998 ‎ (8 P) ► Filmes da Itália de 1999 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 2000 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 2001 ‎ (7 P) ► Filmes da Itália de 2002 ‎ (7 P) ► Filmes da Itália de 2003 ‎ (11 P) ► Filmes da Itália de 2004 ‎ (16 P) ► Filmes da Itália de 2005 ‎ (9 P) ► Filmes da Itália de 2006 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 2007 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 2008 ‎ (1 C, 7 P) ► Filmes da Itália de 2009 ‎ (10 P) ► Filmes da Itália de 2010 ‎ (7 P) ► Filmes da Itália de 2011 ‎ (5 P) ► Filmes da Itália de 2012 ‎ (1 C, 7 P) ► Filmes da Itália de 2013 ‎ (9 P) ► Filmes da Itália de 2014 ‎ (8 P) ► Filmes da Itália de 2015 ‎ (7 P) ► Filmes da Itália de 2016 ‎ (6 P) ► Filmes da Itália de 2017 ‎ (2 P) ► Filmes da Itália de 2018 ‎ (2 P) Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Categoria:Filmes_da_Itália_por_ano&oldid=41303266 ' Categorias : Filmes por país e ano Filmes da Itália Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Categoria Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Noutros idiomas Български Español Français Italiano Polski Русский Українська Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 20h54min de 10 de fevereiro de 2015. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Loja_P2%2C_Propaganda_Dois
  Loja P2, Propaganda Dois – Wikipédia, a enciclopédia livre Loja P2, Propaganda Dois Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Parte de uma série de artigos sobre Maçonaria Artigos principais Maçonaria · Loja Maçônica · Templo maçônico · Grande Loja · Grande Oriente · Venerável Mestre · Graus maçônicos · Loja de Perfeição História História da Maçonaria · Manuscritos Maçônicos ... Dois ou P2 , era uma loja maçônica operando sob a jurisdição do Grande Oriente da Itália entre 1945 ... ' funcionando ilegalmente (em violação do artigo 18 da Constituição da Itália que proíbe associações ... crimes na Itália , incluindo o colapso do Banco do Vaticano - afiliado do Banco Ambrosiano , os ... da Itália. A Loja P2 também esteve envolvida na Operação Gladio ( Gladio era o nome das organizações ... Berlusconi , que mais tarde se tornou primeiro-ministro da Itália , o pretendente da Casa de Savoia ao CACHE

Loja P2, Propaganda Dois – Wikipédia, a enciclopédia livre Loja P2, Propaganda Dois Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Parte de uma série de artigos sobre Maçonaria Artigos principais Maçonaria · Loja Maçônica · Templo maçônico · Grande Loja · Grande Oriente · Venerável Mestre · Graus maçônicos · Loja de Perfeição História História da Maçonaria · Manuscritos Maçônicos · Constituição de Anderson · Ritos Maçônicos Escocês Antigo e Aceito · York · Moderno · Schröder · Escocês Retificado · Adonhiramita · Emulation · Brasileiro · Memphis-Misraim Organizações Obediências Maçônicas · Supremo Conselho · Le Droit Humain · Cavaleiros Templários Cavaleiros Kadosh · Shriners Mulheres e maçonaria Mulheres e maçonaria · Loja de Adoção · Ordem da Estrela do Oriente · Ordem Internacional das Filhas de Jó · Centro de Ligação Internacional das Maçonarias Femininas Juventude e Maçonaria Ordem DeMolay · Filhas de Jó Internacional · Ordem Internacional do Arco-Íris para Meninas · A.J.E.F. • Açao Paramaçonica Juvenil - APJ Visões da Maçonaria Antimaçonaria · Catolicismo e Maçonaria · Teorias conspiratórias maçônicas · Fraude de Taxil Pessoas e Lugares James Anderson · Albert Mackey · Albert Pike · Prince Hall · João Evangelista · João Batista · William Schaw · Elizabeth Aldworth · Templo de Salomão Relacionados Grande Arquiteto do Universo · Esquadro e Compasso · Cifra maçónica · Olho da Providência · Hiram Abiff · Símbolos maçônicos · Landmarks · Moral e Dogma · Propaganda Dois · Lenda de Hiram Abiff · Calendário maçónico · Salmo Maçom · Jahbulon · Livro da Lei · Oriente eterno · Cavaleiros Templários · Maçonaria Prince Hall · Lowtons CLIPSAS · SIMPA · União Maçónica Internacional CATENA · C.I.MA.S. Esta caixa: ver • editar Propaganda Due , Propaganda Dois ou P2 , era uma loja maçônica operando sob a jurisdição do Grande Oriente da Itália entre 1945 a 1976 (quando a constituição foi reformada), e uma loja pseudo-maçônica 'negra' ou 'encoberta' funcionando ilegalmente (em violação do artigo 18 da Constituição da Itália que proíbe associações secretas ) de 1976 a 1981 . Durante os anos em que foi liderada por Licio Gelli , além de conspirar politicamente para assumir o controle dos aparelhos do Estado italiano, a P2 esteve implicada em inúmeros crimes na Itália , incluindo o colapso do Banco do Vaticano - afiliado do Banco Ambrosiano , os assassinatos do jornalista Mino Pecorelli e do banqueiro Roberto Calvi , a manipulação do inquérito relativo ao sequestro de Aldo Moro , o atentado ao Italicus Express , o massacre de Bolonha , o hipotético assassinato de Albino Luciani (o Papa João Paulo I ), além de casos de corrupção nacional no escândalo Tangentopoli . As atividades ilícitas da P2 vieram à tona através das investigações sobre o colapso do império financeiro de Michele Sindona . [ 1 ] Entre 1965 e 1981 , a loja influiu sobre o processo político italiano através da penetração de indivíduos da sua confiança no Poder Judiciário , no Parlamento , no exército e na imprensa. No período da gestão de Gelli, a P2 conseguiu congregar em segredo pelo menos mil personalidades de primeiro plano, principalmente do mundo político e da administração do Estado italiano, [ 2 ] suscitando um dos mais graves escândalos políticos da história da Itália. A Loja P2 também esteve envolvida na Operação Gladio ( Gladio era o nome das organizações paramilitares que operavam nos bastidores da OTAN ). [ 3 ] A P2 foi por vezes referida como um 'Estado dentro do Estado' [ 4 ] ou um ' governo sombra '. [ 5 ] A loja tinha entre os seus membros proeminentes jornalistas, membros do parlamento, empresários e líderes militares, incluindo Silvio Berlusconi , que mais tarde se tornou primeiro-ministro da Itália , o pretendente da Casa de Savoia ao trono italiano, Victor Emmanuel , e os chefes dos três serviços secretos italianos. Ao investigar Licio Gelli, a polícia encontrou um documento chamado 'Plano para o Renascimento Democrático', que apelava para a consolidação dos meios de comunicação , a supressão dos sindicatos , e a reescrição da Constituição Italiana. [ 6 ] Fora da Itália, a P2 também foi muito ativa na Suécia , no Uruguai , no Brasil e na Argentina , tendo Raúl Alberto Lastiri , presidente interino da Argentina (entre 13 de julho de 1973 a 12 de outubro de 1973) durante o auge da ' guerra suja ', entre os seus membros. Emilio Massera , que fazia parte da junta militar liderada por Jorge Rafael Videla entre 1976 a 1978 , José López Rega , ministro da Previdência Social no governo de Juan Perón e fundador da Aliança Anticomunista Argentina ('Triple A'), e o general Guillermo Suárez Mason também eram membros da loja maçônica. [ 7 ] A complexidade e a amplitude das implicações do 'caso P2' foram tais que provocaram a promulgação de leis especiais com a finalidade de impedir a formação de associações secretas, com a aplicação do artigo 18 da Constituição da República Italiana . Uma lei especial de 17 de 25 de janeiro de 1982 dissolveu definitivamente a P2 e tornou ilegal o funcionamento de associações secretas com objetivos semelhantes, implementando o segundo parágrafo do artigo 18 da Constituição italiana. [ 8 ] Índice 1 Fundação 1.1 Expulsão 2 Descoberta 3 Organização criminosa 3.1 Comissão Parlamentar dirigida por Tina Anselmi 3.2 Nova lei Italiana a proibir “Lojas Secretas” 3.3 Escândalo do Banco Ambrosiano 3.4 Aldo Moro e a estratégia de tensão 3.5 Irão-Contras e o assassinato do Primeiro-Ministro Sueco Olof Palme 4 Lista de Licio Gelli de membros do P2 encontrada em 1981 4.1 Pessoas notáveis na lista de Gelli 5 Ver também 6 Referências 7 Bibliografia 8 Ligações externas Fundação [ editar | editar código-fonte ] A ' Propaganda ' foi originalmente fundada em 1877 , em Turim , como 'Propaganda Massonica' sob o Grande Oriente d’Italia (Grande Oriente de Italia). Esta loja foi frequentada por políticos e funcionários governamentais de toda a Itália, que não puderam comparecer em suas próprias lojas e incluía membros importantes da nobreza de Piemonte . O nome foi alterado para 'Propaganda Due' após a Segunda Guerra Mundial . Na década de 1960 , no entanto, a loja entrou em decadência, mantendo poucas reuniões. Esta loja original, no entanto, teve pouca relação com a que Licio Gelli criou em 1966 , dois anos depois de se tornar um maçom . [ 9 ] A Maçonaria na Itália tinha sido proibida pelo regime fascista de Benito Mussolini , mas renasceu após a Segunda Guerra Mundial, sob o incentivo dos EUA. No entanto, suas tradições de pensamento livre sob o Risorgimento se transformou em um fervoroso anticomunismo . A crescente influência da esquerda no final da década de 1960 deixou os maçons da Itália profundamente preocupados. Em 1971 , Grão-Mestre Lino Salvini do Grande Oriente da Itália e um das maiores lojas maçônicas da Itália, atribuiu a Gelli a tarefa de reorganizar a loja. [ 10 ] Gelli tomou uma lista de 'membros adormecidos' - deputados que não foram convidados a tomar parte em rituais maçônicos, já que a maçonaria italiana estava sob controle rigoroso pelos democratas cristãos . A partir dessas conexões iniciais, Gelli conseguiu expandir sua rede em todos os escalões do establishment italiano. [ 11 ] Na década de sessenta, tinha apenas 14 membros permanentes mas quando Licio Gelli passou a administrar na década de sessenta e setenta, passou a mais de 1000 membros no espaço de um ano (na maior parte provenientes da elite italiana). A expansão era certamente ilegal, pois os funcionários públicos são geralmente proibidos de fazer parte de sociedades secretas. Expulsão [ editar | editar código-fonte ] O Grande Oriente da Itália expulsou oficialmente Gelli e a Loja P2 em 1976 . [ 12 ] Em 1974 , foi proposto que a P2 fosse excluída da lista de lojas do Grande Oriente da Itália, e o movimento foi realizado esmagadoramente. No ano seguinte, no entanto, foi emitido um mandado pelo Grão-Mestre de uma nova Loja P2. Parece que o Grande Oriente em 1976 tinha apenas suspenso, e não realmente expulso, a loja a pedido de Gelli. Gelli foi considerado ativo nos assuntos do Grande Oriente dois anos depois, financiando a eleição de um novo Grão-Mestre. Em 1981 , um tribunal maçônico decidiu que a votação de 1974 significou qu a loja tinha de facto deixado de existir e que se a P2 de Gelli tinha sido, portanto, ilegal desde aquela época. [ 9 ] Descoberta [ editar | editar código-fonte ] As atividades da loja P2 foram descobertas pelo Ministério Público ao investigar o banqueiro Michele Sindona , o colapso de seu banco e suas ligações com a máfia . [ 13 ] Em março de 1981 , a polícia encontrou uma lista de supostos membros na casa de Gelli em Arezzo . Continha 962 nomes, entre os quais funcionários públicos importantes, políticos importantes (quatro ministros ou ex-ministros e 44 deputados), e uma série de oficiais militares, incluindo os chefes dos três serviços secretos italianos. [ 10 ] O futuro primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi estava na lista, embora ele ainda não estava ingressado na política na época. Outro membro famoso era Victor Emanuel, Príncipe de Nápoles , o filho do último rei italiano. O primeiro-ministro Arnaldo Forlani (cujo chefe de gabinete era um membro do P2 também) [ 10 ] constituiu uma Comissão Parlamentar de Inquérito, liderada pela democrata-cristã independente Tina Anselmi . No entanto, em maio de 1981, Forlani foi forçado a renunciar devido ao escândalo P2, provocando a queda do governo italiano. [ 4 ] [ 14 ] Giovanni Spadolini do Partido Republicano (PRI) foi então nomeado, liderando uma coligação centro-esquerda . Spadolini foi o primeiro Primeiro-Ministro Italiano não pertencente à Democracia Cristã . Todos os cabecilhas dos serviços secretos, entre os quais Vito Miceli, tiveram que se demitir. Em julho de 1982, novos documentos foram encontrados escondidos no fundo falso de uma mala pertencente à filha de Gelli no aeroporto Fiumicino, em Roma . Os documentos foram intitulado 'Memorandum sulla situazione italiana ' (Memorando sobre a situação italiana) 'Piano di rinascita democratica' (Plano de Renascimento Democrático) e são vistos como o programa político do P2. De acordo com esses documentos, os principais inimigos da Itália eram o Partido Comunista Italiano (PCI) e os sindicatos. Estes teriam de ser isolados e em cooperação com os comunistas (o segundo maior partido da Itália e o maior da Europa Ocidental), foi proposto que o compromisso histórico com Aldo Moro precisava ser interrompido. [ 10 ] O objetivo Gelli era para formar uma nova elite política e econômica para levar a Itália para uma democracia de extrema-direita de forma autoritária , e com uma perspectiva anticomunista. [ 15 ] A P2 defendeu um programa de corrupção política ampla:. 'Os partidos políticos, jornais e os sindicatos podem ser os objetos de possíveis solicitações que poderão assumir a forma de manobras econômico-financeiras. A disponibilidade das verbas que não excedam 30 a 40 bilhões de liras parece suficiente para permitir que os homens cuidadosamente escolhidos, agindo de boa fé, conquistem posições-chave necessárias para o controle geral.' [ 10 ] Organização criminosa [ editar | editar código-fonte ] Comissão Parlamentar dirigida por Tina Anselmi [ editar | editar código-fonte ] A Loja foi examinada por uma comissão especial do Parlamento Italiano, dirigida por Tina Anselmi, da Democrazia Cristiana . A conclusão da comissão foi que se tratava de uma organização criminosa secreta, mesmo não sendo encontradas provas específicas sobre os crimes cometidos. Alegações acerca de relações subreptícias internacionais, sobretudo com a Argentina (Gelli sugeriu repetidamente que era um amigo próximo de Juan Peron) e com algumas pessoas suspeitas de pertencerem à CIA foram também parcialmente confirmadas, mas rapidamente um debate político ultrapassou o nível legal da análise. Nova lei Italiana a proibir “Lojas Secretas” [ editar | editar código-fonte ] Apesar de terem sido banidas por Mussolini em 1925 , as instituições maçónicas foram toleradas em Itália, mas desde logo uma lei especial foi emanada, proibindo Lojas Secretas. O Grande Oriente d'Italia, depois de ter tomado acções disciplinares contra membros com ligações ao P2, afastou-se da Loja de Gelli e declarou ter respeito apenas pelos Maçons honestos. Outras leis introduziram a proibição ou adesão em tais organizações para algumas categorias da função pública (especialmente oficiais do exército). Essas leis foram recentemente questionadas pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Escândalo do Banco Ambrosiano [ editar | editar código-fonte ] A P2 tornou-se alvo das atenções na questão do colapso do Banco Ambrosiano (um dos principais bancos de Milão cuja maior parte era propriedade do Vaticano ), e a morte suspeita em 1982 de seu presidente Roberto Calvi em Londres , de início tida com um suicídio mas mais tarde considerada como assassinato. Levantou-se a suspeição que muitos dos fundos desviados desse banco foram para a P2 e respectivos membros. Aldo Moro e a estratégia de tensão [ editar | editar código-fonte ] Foi alegado por diversas vezes que a P2 esteve envolvida no assassinato do primeiro-ministro Aldo Moro , morto pelas Brigadas Vermelhas , depois dos Serviços Secretos Italianos terem recusado a fazer um acordo com os raptores, contudo nunca se encontraram provas concretas. Também se suspeitou que a P2 esteve envolvida no Massacre de Bolonha , em 1980 , como parte da estratégia da tensão seguida pela Operação Gladio e executada nos bastidores da OTAN , o que levou à abertura de investigações, nos anos 1990 , pela Câmara dos Deputados da Itália. [ 16 ] Irão-Contras e o assassinato do Primeiro-Ministro Sueco Olof Palme [ editar | editar código-fonte ] De acordo com uma entrevista dada pelo ex-agente da CIA , Richard Brenneke e Ibrahim Razin ao jornalista da RAI , Ennio Remondino, a P2 recebeu efectivamente fundos da CIA e esteve envolvida igualmente no caso Irão-Contras tal como na estratégia de tensão. aparentemente a CIA suportou a ideia pela sua determinação em fabricar um golpe de Estado caso o Partido Comunista subisse ao poder. Devido à importância destes assuntos, esta entrevista deu azo a uma carta escrita por o presidente italiano Francesco Cossiga ao primeiro-ministro Giulio Andreotti . 'P: Peço perdão, mas a sua declaração é muito séria. Você diz que a P2 foi uma criação, o braço financeiro e organizacional da CIA para destabilizar, para realizar operações especiais na Europa ?” Richard Brenneke : Não há dúvidas. A P2 desde o início da década de setenta foi usada para o tráfico de armamento, para a destabilização de forma encoberta. Foi feito em secretismo para manter as pessoas longe do envolvimento do governo dos EUA . Em muitos casos foi feito directamente através de escritórios da CIA em Roma e outros casos através de centros operacionais da CIA noutros países.” Richard Brenneke : “A P2 esteve envolvida na operação pela qual eu próprio acabei em tribunal, isso foi o adiar na autorização das hostilidades americanas ao Irão em 1980” (conhecidas como “Surpresa de Outubro”)' Richard Brenneke afirma ter conhecido Licio Gelli em Paris em Outubro de 1980, numa relação com a “Surpresa de Outubro”. De acordo com ele, William Casey , que mais tarde seria o chefe da CIA, mas nesse tempo era um dos responsáveis pela campanha de Reagan - Bush , estava presente, tal como Donald Gregg , que se tornou embaixador da Coreia do Sul mas que nessa altura trabalhava para a CIA e para o Conselho de Segurança Nacional . Ibrahim Razin, também entrevistado, afirmou que três dias antes do assassinato de Olof Palme em 1986 , Philip Guarino , membro do círculo Republicano, em torno de George H. W. Bush , recebeu um telegrama assinado por Licio Gelli e enviado por um dos seus homens, Umberto Ortolani , de “uma das regiões mais a Sul do Brasil”. O telegrama dizia: “Diz ao nosso amigo que a palmeira sueca vai ser arrancada.” Até hoje o assassinato de Olof Palme não foi resolvido. De acordo com Ibrahim Razin: “A P2 estava no cerne, era um os principais intervenientes no tráfico ilegal de armamento que estava ligado ao tráfico de estupefacientes desde o início. A P2 também teve uma contribuição substancial no branqueamento de capitais provenientes destas actividades de país para país.“ Respondendo à questão das relações CIA-P2 Razin diz: “Suficiente para constatar como a P2 estava envolvida na questão do Banco Ambrosiano e com Michele Sindona, e de como a CIA esteve envolta em diversas manipulações financeiras. Por exemplo, nos Estados Unidos o grande escândalo envolvendo os bancos S&L são por demais conhecidos. O procurador do Estado do Texas encontrou provas do envolvimento da CIA com a falência de muitos desses bancos que usaram fundos ilegais nas suas operações. O homem que sabe muito sobre isto é Richard Brenneke, um ex-agente da CIA do Oregon ..' [ 17 ] Lista de Licio Gelli de membros do P2 encontrada em 1981 [ editar | editar código-fonte ] A lista contém 962 nomes (incluindo Gelli). Alegou-se que pelo menos mil nomes ainda são mantidos em segredo, já que os números de adesão começam com o número 1.600, o que sugere que a lista completa ainda não foi encontrada. [ 10 ] A lista inclui todos os chefes dos serviços secretos, 195 diferentes oficiais das forças armadas (12 generais da Carabinieri , 5 da polícia financeira Guardia di Finanza , 22 do exército, 4 da força aérea e 8 almirantes), bem como 44 membros do parlamento, 3 ministros e um secretário de um partido político, os principais magistrados, alguns prefeitos e chefes de polícia, banqueiros e empresários, funcionários públicos, jornalistas e radialistas. [ 10 ] Também estam incluídos um alto funcionário da Banca di Roma , o terceiro maior banco da Itália na época, e um ex-diretor-geral da Banca Nazionale del Lavoro (BNL), o maior do país. [ 14 ] Pessoas notáveis na lista de Gelli [ editar | editar código-fonte ] Recepção para a adesão de Silvio Berlusconi à Loja Maçônica P2. Alguns indivíduos importantes incluem: Silvio Berlusconi , empresário, futuro fundador do partido político Forza Italia e primeiro-ministro da Itália . [ 18 ] [ 19 ] Michele Sindona , banqueiro ligado à Máfia . [ 20 ] Roberto Calvi , o chamado 'banqueiro de Deus', supostamente morto pela Máfia . [ 20 ] [ 21 ] Umberto Ortolani , principal membro da P2. [ 22 ] Franco Di Bella , diretor do Corriere della Sera . [ 23 ] [ 19 ] Di Bella havia encomendado uma longa entrevista com Gelli, que falou abertamente de seus planos para um 'renascimento democrático' na Itália, incluindo o controle sobre os meios de comunicação. A entrevista foi realizada pelo apresentador de televisão Maurizio Costanzo , que também seria exposto como um membro do P2. [ 24 ] Angelo Rizzoli Jr. , proprietário do Corriere della Sera , atualmente produtor de cinema. [ 19 ] Bruno Tassan Din , diretor-geral do Corriere della Sera . [ 19 ] General Vito Miceli , chefe da SIOS ( Servizio Informazioni ), Serviço de Inteligência do Exército italiano de 1969 e chefe da SID de 18 de outubro de 1970 a 1974 . Preso em 1975 sob a acusação de 'conspiração contra o Estado', relativo aos inquéritos sobre Rosa dei Venti , um grupo infiltrado do Estado envolvido na estratégia de tensão, mais tarde ele se tornou um membro do Movimento Social Italiano (MSI). [ 25 ] [ 26 ] Federico Umberto D'Amato , líder de uma célula de inteligência ( Ufficio affari riservati ) no ministério do Interior italiano. [ 27 ] [ 28 ] Federico Carlos Barttfeld (Argentina), embaixador na Iugoslávia de 1991 a 1995 , [ 7 ] sub-secretário de Estado no governo de Néstor Kirchner , aliviado de suas funções em 2003 após alegações de participação na Guerra Suja . [ 29 ] Emilio Massera (Argentina), um membro da junta militar liderada por Jorge Rafael Videla em Buenos Aires de 1976 a 1978. [ 7 ] José López Rega (Argentina), Ministro argentino da Previdência Social no governo Perón , fundador da Aliança Anticomunista Argentina ('Triple A'). [ 7 ] General Giuseppe Santovito , chefe do serviço de inteligência militar SISMI (1978–1981). [ 14 ] [ 25 ] Admiral Giovanni Torrisi , Chefe do Estado Maior Geral do Exército. [ 14 ] [ 25 ] General Giulio Grassini , chefe do serviço de inteligência SISDE (1977–1981). [ 14 ] [ 25 ] General Pietro Musumeci , vice-diretor do serviço de inteligência militar da Itália, SISMI. [ 25 ] General Franco Picchiotti . [ 25 ] General Giovambattista Palumbo . [ 25 ] General Raffaele Giudice , comandante da Guardia di Finanza (1974–1978). [ 25 ] Nomeado por Giulio Andreotti, Giudice conspirou com magnata do petróleo Bruno Musselli e outros em uma lucrativa fraude fiscal de no máximo $2.2 bilhões. [ 14 ] [ 30 ] General Orazio Giannini , comandante da Guardia di Finanza (1980–1981). [ 25 ] No dia em que a lista foi descoberta, Giannini telefonou para o oficial encarregado da operação, e disse-lhe (segundo o depoimento do agente para a comissão parlamentar): 'É melhor você saber que encontrou algumas listas. Eu estou nessas listas - tenha cuidado, porque assim também estão todos dos mais altos escalões (eu entendi 'do Estado') ... cuidado, a Força vai ser esmagada por estes'. [ 10 ] Carmine Pecorelli , um jornalista polêmico, assassinado em 20 de março de 1979 . Ele tinha desenhado conexões em um artigo de maio de 1978 entre o sequestro de Aldo Moro e a Operação Gladio [ 31 ] Maurizio Costanzo , apresentador de programa popular de televisão da Mediaset (Mediaset é a rede comercial de televisão de Berlusconi). [ 24 ] Pietro Longo , secretário do Partido Democrático Socialista Italiano (PSDI). [ 32 ] Fabrizio Cicchitto , membro do Partido Socialista Italiano , que mais tarde aderiu ao partido de centro-direita de Berlusconi, Forza Italia. [ 14 ] Ver também [ editar | editar código-fonte ] Banco Ambrosiano Licio Gelli , Grão-Mestre da P2 Irão-Contras Estratégia de tensão Gladio Guerra suja na Argentina Referências ↑ «Masonic lodge affair leaves Italy shocked». The Times . 23 de maio de 1981 ↑ Commissione parlamentare d'inchiesta sulla loggia massonica P2, Relazione di maggioranza. Licio Gelli, la loggia propaganda due e la massoneria. Conclusioni ↑ Secret agents, freemasons, fascists... and a top-level campaign of political 'destabilisation' ↑ a b BBC On This Day: May 26, 1981 ↑ Jones, The Dark Heart of Italy , p. 187 ↑ Jones, The Dark Heart of Italy , p. 186 ↑ a b c d (em espanhol ) En el mismo barco , Pagina 12, December 14, 1998. ↑ Constituição, art. 18, §2º: São proibidas as associações secretas e as que visam, mesmo que indiretamente, objetivos políticos mediante organizações de caráter militar . ↑ a b What was the P2 Lodge? , Anti-masonry Frequently Asked Questions, Grand Lodge of British Columbia and Yukon ↑ a b c d e f g h Ginsborg, Italy and Its Discontent , pp. 144–48 ↑ «How Licio Gelli took over Italy's secret power centre». The Times . 30 de maio de 1981 ↑ Decree No. 444 L.S. of June, 1976 quoted by masonicinfo.com ↑ Stille, Excellent Cadavers , pp. 39–40 ↑ a b c d e f g A Grand Master's Conspiracy , Time, June 8, 1981 ↑ (em italiano ) La loggia massonica P2 (Loggia Propaganda Due) , Associazione tra i familiari delle vittime della strage alla stazione di Bologna del 2 agosto 1980. The list of P2 members is in the final report of the Italian Parliamentary commission of inquiry: Relazione di Maggioranza (Anselmi) , Commissione parlamentare d’inchiesta sulla Loggia massonica P2, July 12, 1984. ↑ Four Get Life in Prison In Bombing in Bologna ↑ Documentation President Cossiga's letter {What follows is a translation of the letter sent ↑ An Italian story , The Economist, April 26, 2001. ↑ a b c d Ginsborg, Silvio Berlusconi , p. 31. ↑ a b Stille, Excellent Cadavers , p. 41. ↑ Calvi murder: The mystery of God's banker , The Independent, June 7, 2007. ↑ Mason indicted over murder of 'God's banker' , The Independent, July 20, 2005. ↑ Obituary: Franco Di Bella , The Independent, December 23, 1997. ↑ a b Obituary: Alberto Cavallari , The Independent, July 23, 1998. ↑ a b c d e f g h i (em italiano ) Gli apparati militari. Conclusioni , in Relazione di Maggioranza (Anselmi), Commissione parlamentare d’inchiesta sulla Loggia massonica P2, July 12, 1984. ↑ Willan, Puppetmasters , p. 59. ↑ La Loggia la P.A. e la magistratura – I rapporti con la Pubblica Amministrazione , in Relazione di Maggioranza (Anselmi), Commissione parlamentare d’inchiesta sulla Loggia massonica P2, July 12, 1984. ↑ Willan, Puppetmasters , p. 73. ↑ (em espanhol ) Un dinosaurio camino a casa , Pagina 12, May 9, 2004. ↑ Italy: Terror on the Right , The New York Review of Books, January 22, 1981. ↑ Moro's ghost haunts political life , The Guardian , May 9, 2003. ↑ Ginsborg, Silvio Berlusconi , p. 30. Bibliografia [ editar | editar código-fonte ] Ginsborg, Paul (2003). Italy and Its Discontents , London: Palgrave Macmillan ISBN 1-4039-6152-2 ( Review Institute of Historical Research | Review New York Times ) Ginsborg, Paul (2005). Silvio Berlusconi: television, power and patrimony , London: Verso, 2005 ISBN 1-84467-541-6 Jones, Tobias (2003). The Dark Heart of Italy. New York: North Point Press. Stille, Alexander (1995). Excellent Cadavers. The Mafia and the Death of the First Italian Republic , New York: Vintage ISBN 0-09-959491-9 Willan Philip P. (2002). Puppetmasters: The Political Use of Terrorism in Italy , iUniverse, ISBN 0-595-24697-4 Normand, P.G. 'The Italian Dilemma'. American Masonic Review, Vol. 3, No. 2. (Publ. by St. Alban's Research Society, College Station, Texas. Spring 1994.) DeHoyos, Art & S. Brent Morris (1997). The methods of anti-Masons , Masonic Information Center. Unger, Craig. The war they wanted, the lies they needed , Vanity Fair, July 2006. Willan, Philip. The Last Supper: the Mafia, the Masons and the Killing of Roberto Calvi , Constable & Robinson, 2007( ISBN 978-1-84529-296-6 ) Dickie, John. Cosa Nostra: A History of the Sicilian Mafia , Palgrave Macmillan, 2004 ( ISBN 1403966966 ) Sterling, Claire, The Mafia: The Long Reach of the International Sicilian Mafia ( ISBN 0586212345 ) Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] Lista de membros da P2 Lista de membros da P2 Texto do Piano di Rinascita Democratica (em italiano ) Texto da carta do Presidente Cossiga a Giulio Andreotti após a entrevista da RAI com Richard Brenneke e Ibrahim Razin sobre o Irangate (em inglês ) 'La P2 ieri. La sua vittoria oggi' , por Gianni Barbacetto. Portal da política A Wikipédia possui o Portal da Maçonaria . v • e Maçonaria Escritores Brasil José Castellani · Kurt Prober · Nicola Aslan · Rizzardo da Camino · Zé Rodrix Mundo Albert Mackey · Albert Pike · A. E. Waite · James Anderson · Jean-Marie Ragon · Jorge Adoum · R. F. Gould · William Preston História Constituições de Anderson · Manuscritos Maçônicos Mulheres e maçonaria Centro de Ligação Internacional das Maçonarias Femininas · Loja de Adoção · Ordem da Estrela do Oriente · Ordem Internacional das Filhas de Jó Organizações juvenis A.J.E.F. · Ação Paramaçônica Juvenil · Ordem DeMolay · Ordem Internacional das Filhas de Jó · Ordem Internacional do Arco-Íris para Meninas Obediências Maçônicas Brasil CMSB · COMAB · Grande Oriente do Brasil · Le Droit Humain Portugal Grande Loja Legal de Portugal · Grande Loja Regular de Portugal · Grande Oriente Lusitano · Le Droit Humain Mundo Grande Loja Unida da Inglaterra · Grande Oriente de França · Le Droit Humain · Maçonaria Prince Hall Personalidades Lendárias Hiram Abiff · Jacques DeMolay · Salomão · São João Batista · São João Evangelista Brasil Alberto Mansur · José Bonifácio · D. Pedro I · Mário Behring · Lauro Sodré · Nilo Peçanha · Quintino Bocaiúva · Saldanha Marinho · Souza Marques · Visconde de Jequitinhonha · Visconde do Rio Branco Mundo Albert Pike · Elizabeth Aldworth · Frank Sherman Land · Frederico II da Prússia · George IV do Reino Unido · George Washington · Prince Hall · William Schaw · Wolfgang Amadeus Mozart Ritos Brasil Rito Adonhiramita · Rito Brasileiro · Rito de York · Rito Escocês Antigo e Aceito · Rito Escocês Retificado · Rito Moderno · Rito Schröder · Ritual de Emulação Portugal Rito Adonhiramita · Rito Escocês Antigo e Aceito · Rito Francês Outros Rito de Memphis-Misraim · Rito Sueco · Ritual de Bristol Visão Antimaçonaria · Baphomet · Catolicismo e Maçonaria · Cristianismo e Maçonaria · Fraude de Taxil · Repressão da Maçonaria · Teorias conspiratórias maçônicas Miscelânea Calendário maçónico · Cavaleiros Templários · Cifra maçónica · Esquadro e Compasso · Grande Arquiteto do Universo · Grande Loja · Graus maçônicos · Jahbulon · Landmarks · Lenda de Hiram Abiff · Livro da Lei · Loja de Perfeição · Loja Maçônica · Moral e Dogma · Olho da Providência · Propaganda Dois · Salmo Maçom · Símbolos maçônicos · Templo de Salomão · Venerável Mestre Portal da Maçonaria Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loja_P2,_Propaganda_Dois&oldid=49112669 ' Categorias : Propaganda Due Lojas maçónicas Sociedades secretas Política da Itália Terrorismo na Itália Teorias da conspiração Anticomunismo Anos de chumbo (Itália) Categoria oculta: !Páginas que usam links mágicos ISBN Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Dansk Deutsch English Esperanto Español Suomi Français Magyar Bahasa Indonesia Italiano 日本語 한국어 Nederlands Norsk Polski Română Русский Sardu Slovenčina Svenska Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 03h05min de 23 de junho de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://mariosuarez.net
  Mario Suarez Área Reservada Áreas de ATUAÇÃO [Serviços] Translate Serviços [Todos] I C [Branding] Publicacoes Institucionais D Promocional D Editorial D de Conteudo D Digital [web Interativo] D de Embalagens D Infraestrutura [Ambiental] 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Hotel Carlina Turin. ITÁLIA. Luz Na Cidade Rio de Janeiro. BRASIL. Pulso Iraniano Exposicao Belo Horizonte. BRASIL. ABpiu Turin. ITÁLIA. ... Embalagens D Infraestrutura [Ambiental] 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Hotel Carlina Turin. ITÁLIA. Luz Na Cidade Rio de Janeiro. BRASIL. Pulso Iraniano Exposicao Belo Horizonte. BRASIL. ABpiu Turin. ITÁLIA ... - MG. BRASIL. Luz Na Cidade Rio de Janeiro. BRASIL. IRAC | Limited Edition Turin. ITÁLIA. A Experiencia Pulso Iraniano Belo Horizonte. BRASIL. ABpiu Turin. ITÁLIA. Cluster SrL Turim. ITÁLIA. Alchimie Magazine Turin. ITÁLIA. DAPES Turin. ITÁLIA Bonaparte48 Milão. ITÁLIA. MBR | FabrikaComunicacao Belo CACHE

Mario Suarez Área Reservada Áreas de ATUAÇÃO [Serviços] Translate Serviços [Todos] I C [Branding] Publicacoes Institucionais D Promocional D Editorial D de Conteudo D Digital [web Interativo] D de Embalagens D Infraestrutura [Ambiental] 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Hotel Carlina Turin. ITÁLIA. Luz Na Cidade Rio de Janeiro. BRASIL. Pulso Iraniano Exposicao Belo Horizonte. BRASIL. ABpiu Turin. ITÁLIA. Projeto Cluster Brasil Belo Horizonte. BRASIL. BHTRANS Belo Horioznte. BRASIL. Abrace Brumadinho - MG. BRASIL. Luz Na Cidade Rio de Janeiro. BRASIL. IRAC | Limited Edition Turin. ITÁLIA. A Experiencia Pulso Iraniano Belo Horizonte. BRASIL. ABpiu Turin. ITÁLIA. Cluster SrL Turim. ITÁLIA. Alchimie Magazine Turin. ITÁLIA. DAPES Turin. ITÁLIA Bonaparte48 Milão. ITÁLIA. MBR | FabrikaComunicacao Belo Horizonte. BRASIL. OFF Paraty em Foco Paraty. R.J. BRASIL. Ventiquattrore TV Milão. ITÁLIA. Cluster Magazine | T A Turim. ITÁLIA. COMAU Belo Horizonte. BRASIL. ABpiu Turin. ITÁLIA. TO SHARE Turim. ITÁLIA. AkzoNobel CORAL Tintas Belo Horizonte. BRASIL. Alchimie Magazine Turin. ITÁLIA. Palazzo Guasco Alessandria. ITÁLIA. Nicolao Profumiere Reale Turin. ITÁLIA. 15Minutes exhibition Rio de Janeiro. BRASIL. Zambom Group Bresso. ITÁLIA. InfoReuma ITÁLIA. DMT Digital Multimedia Tech Milão. ITÁLIA. ABpiu Turin. ITÁLIA. IRAC Turin. ITÁLIA. Nicolao Profumiere Reale Turin. ITÁLIA. ABpiu Cluster Label | CD 02 Turin. ITÁLIA. IMDC Belo Horizonte. BRASIL. AEDES SpA Milão. ITÁLIA. Cluster Magazine | Interaction D Turim. ITÁLIA. INTERACTORS V1 Belo Horizonte. BRASIL. Vecchio Sogno Ristorante Belo Horizonte. BRASIL. Palazzo Guasco Alessandria. ITÁLIA. Carlina Immobiliare Turin. ITÁLIA. Emanuelle Cisi Turin. ITÁLIA. Zambom G | Fine Chemicals Bresso. ITÁLIA. USIMINAS Ipatinga. BRASIL. Livolsi and Partners Milão. ITÁLIA. Cluster SrL Turim. ITÁLIA. Volta Rossa Turin. ITÁLIA. Casa del Pingone Turin. ITÁLIA. Fabbrica Tappeti Paracchi Turin. ITÁLIA OFF Paraty em Foco Paraty. Rio de Janeiro. BRASIL. ATHENA EDIZIONI LU. ITÁLIA. MassCreativos La Mancha. ESPAÑA. IRAC Turin. ITÁLIA. Cluster SrL Turim. ITÁLIA. Projeto BABEL São Paulo. Belo Hte. BRASIL. Dorapal Partecipazioni Turin. ITÁLIA inTheBag Turin. ITÁLIA. Instituto Alfa e Beto Brasília. BRASIL. IRAC Turin. ITÁLIA. DMT Digital Multimedia Tech Milão. ITÁLIA. ABpiu Cluster Label | CD 01 Turin. ITÁLIA. Instituto Alfa e Beto Brasília. BRASIL. IAB Instituto Alfa e Beto Brasilia. BRASIL. BSB T I Trade Zurich. SUIZA. Media Mundi Brasil Rio de Janeiro. BRASIL. Cluster Magazine | Biotech Turim. ITÁLIA. IL CERCHIO DEL TEMPO ITÁLIA. Espaco Cultural del Rey São João Del Rei. BRASIL. ABpiu Cluster Label | CD 03 Turin. ITÁLIA. IL CERCHIO DEL TEMPO Milão. ITÁLIA. Dorapal Partecipazioni Turin. ITÁLIA. Cluster Magazine | Wireless Turim. ITÁLIA. Livolsi and Partners Milão. ITÁLIA. Agrofarma ITÁLIA. Immobiliare Galileo SrL Turin. ITÁLIA. Cluster Magazine | Folds Turim. ITÁLIA. ABpiu Luxury Home Turin. ITÁLIA. Olho Brasil Belo Horizonte. BRASIL Cluster Magazine Turim. ITÁLIA. INTERACTORS V2 Ipatinga. BRASIL. EVENTSMEDIA Turin. ITÁLIA. Volta Rossa Turin. ITÁLIA. Casa del Pingone Website Turin. ITÁLIA. Fabbrica Tappeti Paracchi Turin. ITÁLIA. O QUE ACONTECE Belo Horizonte. BRASIL. Instituto Alfa e Beto Brasília. BRASIL. Nuova Merchant Milão. ITÁLIA. Zambom Group Bresso. ITÁLIA. Nuova Merchant Milão. ITÁLIA. Foco e Arte Belo Horizonte. BRASIL. DDE Records Turin. ITÁLIA. UK. IL CERCHIO DEL TEMPO Milão. ITÁLIA. ABASE emRevista Brasilia. BRASIL. FUTEBOL Sonho e Paixao Belo Horizonte. BRASIL. mario suarez | PERFIL ...entende o design como sinônimo de projeto, e como tal ... Portfólio MS_D Apresentação MS_D mario suarez | LAB Espaço destinado à publicação de projetos, iniciativas e ideias ... mario suarez | ARTES ... Arte é Arte, Design é Design. Catálogo_Obra Bio_Press



https://pt.wikipedia.org/wiki/Europa
  Europa – Wikipédia, a enciclopédia livre Europa Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Nota: Para outros significados, veja Europa (desambiguação) . Europa Localização da Europa no globo terrestre . Vizinhos Ásia, África e América do Norte Divisões - Países 50 ( lista ) - Dependências 8 Área - Total 10 180 000 km² - Maior país Rússia - Menor país Vaticano Extremos de ... cristianizada , e as regiões alpinas do norte e no centro da Itália . [ 12 ] Esta divisão, tanto ... Geórgia Grécia Gronelândia (Din.) Hungria Islândia Irlanda Itália S. Mar. Cazaquistão Kos. Letónia Liec ... no Neolítico, tem-se a civilização dos Camunos no Val Camonica , Itália , que deixou mais de 350 000 ... , pouco depois os indo-europeus consolidam claramente suas posições na Itália e na Península Ibérica ... Antiga , Roma Antiga e Império Romano O templo grego de Apolo, em Pesto , Itália Os gregos e romanos CACHE

Europa – Wikipédia, a enciclopédia livre Europa Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Nota: Para outros significados, veja Europa (desambiguação) . Europa Localização da Europa no globo terrestre . Vizinhos Ásia, África e América do Norte Divisões - Países 50 ( lista ) - Dependências 8 Área - Total 10 180 000 km² - Maior país Rússia - Menor país Vaticano Extremos de elevação - Ponto mais alto Monte Elbrus (5 642 m), Rússia. - Ponto mais baixo Mar Cáspio (-28 m), Rússia População - Total 738 200 000 habitantes - Densidade 72,5 hab./km² Idiomas Línguas europeias Ouça o artigo ( info ) Este áudio foi criado a partir da revisão datada de 2013-01-20 e pode não refletir mudanças posteriores ao artigo ( ajuda com áudio ). Mais artigos audíveis A Europa é, por convenção, um dos seis continentes do mundo. Compreendendo a península ocidental da Eurásia , a Europa geralmente divide-se da Ásia a leste pela divisória de águas dos montes Urais , o rio Ural , o mar Cáspio , o Cáucaso , [ 1 ] e o mar Negro a sudeste. [ 2 ] A Europa é limitada pelo oceano Glacial Ártico e outros corpos de água no norte, pelo oceano Atlântico a oeste, pelo mar Mediterrâneo ao sul, e pelo mar Negro e por vias navegáveis interligadas ao sudeste. No entanto, as fronteiras para a Europa, um conceito que remonta à Antiguidade clássica , são um tanto arbitrárias, visto que o termo 'Europa' pode referir-se a uma distinção cultural e política ou geográfica. A Europa é o segundo menor continente em superfície do mundo, cobrindo cerca de 10 180 000 km² ou 2% da superfície da Terra e cerca de 6,8% da área acima do nível do mar. Dos cerca de 50 países da Europa, a Rússia é o maior tanto em área quanto em população (sendo que a Rússia se estende por dois continentes, a Europa e a Ásia) e o Vaticano é o menor. A Europa é o quarto continente mais populoso do mundo, após a Ásia , a África e a(s) América (s), com 740 milhões de habitantes em 2015, cerca de 11% da população mundial naquele ano , [ 3 ] isto é, a cada 100 pessoas no mundo neste período, 11 viviam no continente. No entanto, de acordo com a Organização das Nações Unidas (estimativa média), o peso europeu pode cair para cerca de 7% em 2050. [ 4 ] Em 1900, por exemplo, a população europeia representava 25% da população mundial (ou seja, a cada 4 habitantes do mundo naquele ano, 1 vivia dentro dos limites do continente). [ 5 ] A Europa, nomeadamente a Grécia Antiga , é considerada o berço da cultura ocidental . [ 6 ] Tendo desempenhado um papel preponderante na cena mundial a partir do século XVI , especialmente após o início do colonialismo . Entre os séculos XVI e XX, as nações europeias controlaram em vários momentos as Américas , a maior parte da África, a Oceânia e grande parte da Ásia. Ambas as guerras mundiais foram em grande parte centradas na Europa, sendo considerado como o principal fator para um declínio do domínio da Europa Ocidental na política e economia mundial a partir de meados do século XX , com os Estados Unidos e a União Soviética ganhando maior protagonismo. [ 7 ] Durante a Guerra Fria , a Europa estava dividida politicamente ao longo da Cortina de Ferro entre a Organização do Tratado do Atlântico Norte , a oeste, e o Pacto de Varsóvia , a leste. A vontade de evitar outra guerra acelerou o processo de integração europeia e levou à formação do Conselho Europeu e da União Europeia na Europa Ocidental, os quais, desde a queda do Muro de Berlim e do fim da União Soviética em 1991, têm vindo a expandir-se para o leste . A moeda da maior parte dos países da União Europeia, o euro , é mais comumente usada por europeus. O Acordo de Schengen aboliu controles de imigração fortes nas fronteiras de países membros da União Europeia. O hino à Alegria é o hino do Conselho Europeu e da União Europeia. Índice 1 Definição 2 Etimologia 3 História 3.1 Pré-história 3.2 Antiguidade clássica 3.3 Idade Média 3.4 Idade Moderna 3.4.1 Renascimento e Reforma 3.4.2 A Era dos Descobrimentos 3.4.3 Iluminismo 3.5 Idade Contemporânea 3.5.1 Revoluções políticas 3.5.2 A formação das nações e dos impérios 3.5.3 Revolução Industrial 3.5.4 Guerras mundiais 3.5.5 Guerra Fria 3.5.6 Reunificação e integração 4 Geografia 4.1 Relevo 4.2 Hidrografia 4.3 Clima 5 Demografia 5.1 Línguas 5.2 Religião 6 Política 6.1 União Europeia 6.2 Outras organizações 7 Subdivisões 7.1 Regiões 8 Economia 8.1 Pré-1945: crescimento industrial 8.2 1945-1990: A Guerra Fria 8.3 1991-2013: O crescimento da UE 8.4 2008-2009: Recessão 9 Cultura 9.1 Desporto 10 Ver também 11 Referências 12 Bibliografia 13 Ligações externas Definição [ editar | editar código-fonte ] O mapa medieval T e O , de 1472, mostrando a divisão do mundo em 3 continentes, atribuídos aos três filhos de Noé O uso do termo 'Europa' desenvolveu-se gradualmente ao longo da história. [ 8 ] [ 9 ] Na antiguidade , o historiador grego Heródoto provavelmente em referência a mapas de Hecateu de Mileto embora sem o nomear explicitamente, descreve o mundo como tendo sido dividido em três continentes, sendo eles a Europa, a Ásia e a Líbia (África), com o Nilo e o rio Fásis formando de suas fronteiras, embora também afirme que alguns consideravam o rio Don , em vez do Fásis, como a fronteira entre Europa e Ásia. [ 10 ] Flávio Josefo e o Livro dos Jubileus descrevem os continentes como as terras dadas por Noé aos seus três filhos, sendo a Europa definida entre as Colunas de Hércules no Estreito de Gibraltar , separando-a da África, e o rio Don, separando-o da Ásia. [ 11 ] A definição cultural da Europa como terras da cristandade latina consolidou-se no século VIII , significando um novo local cultural criado através da confluência de tradições germânicas e da cultura cristã-latina, definidas em parte, em contraste com o Islão e Império Bizantino , e limitado a norte pela Ibéria (no Cáucaso ), Ilhas Britânicas , França , Alemanha ocidental cristianizada , e as regiões alpinas do norte e no centro da Itália . [ 12 ] Esta divisão, tanto geográfica como cultural, foi utilizada até a Baixa Idade Média , quando foi desafiada pela Era dos descobrimentos . [ 13 ] [ 14 ] O problema da redefinição da Europa, finalmente foi resolvido em 1730 quando, em vez de canais, o geógrafo e cartógrafo sueco von Strahlenberg propôs os Montes Urais como a fronteira mais importante do leste, uma sugestão que foi aceita na Rússia e em toda a Europa. [ 15 ] A Europa está agora em geral, definida pelos geógrafos, como a península ocidental da Eurásia , com seus limites marcados por grandes massas de água para o norte, oeste e sul. limites da Europa para o Extremo Oriente são normalmente tomadas para os Urais , o rio Ural , e o Mar Cáspio , a sudeste, as montanhas do Cáucaso , o Mar Negro e nas vias que ligam o Mar Negro ao Mar Mediterrâneo . [ 16 ] Às vezes, a palavra 'Europa' é utilizada de forma geopoliticamente limitada [ 17 ] para se referir apenas à União Europeia ou, ainda mais exclusiva, a um núcleo cultural definido. Por outro lado, o Conselho da Europa tem 47 países membros, e apenas 28 estados-membros estão na UE. [ 18 ] Além disso, pessoas que vivem em áreas insulares, como a Irlanda , o Reino Unido , no Atlântico Norte e Mediterrâneo e ilhas também na Escandinávia podem rotineiramente se referir a parte 'continental' ou ao 'continente' da Europa ou simplesmente como 'o continente'. [ 19 ] Mapa da Europa, mostrando as fronteiras geográficas mais utilizadas [ 20 ] (legenda: azul = países transcontinentais • verde = países historicamente europeus, mas fora das fronteiras europeias). Alb. And. Áustria Arménia Azer. Bielorrússia Bélgica Bósnia Bulgária Croácia Chipre Rep. Checa Dinamarca Estónia Finlândia França Alemanha Geórgia Grécia Gronelândia (Din.) Hungria Islândia Irlanda Itália S. Mar. Cazaquistão Kos. Letónia Liec. Lituânia Lux. Mac. Malta Moldávia Mon. Mont. P. Baixos Noruega Svalbard (Nor.) Polónia Portugal Roménia Rússia Sérvia Eslováquia Eslovénia Espanha Suécia Suíça Turquia Ucrânia Reino Unido Faroé (Din.) Vat. Mar Adri ático Oceano Ártico Mar Egeu Mar de Barents Golfo de Biscaia Mar Negro Mar de Azov Mar Cáspio Mar Celta Mar da Gronelândia Baía de Baffin Golfo de Cádis Mar Lígure Mar Mediterrâneo Oceano Atlântico Norte Mar do Norte Mar da Noruega Estreito de Gibraltar Etimologia [ editar | editar código-fonte ] Enlèvement d'Europe de Nöel-Nicolas Coypel , c. 1726 Na mitologia grega , Europa era uma princesa fenícia que Zeus sequestrou depois de assumir a forma de um touro branco deslumbrante. Ele a levou para a ilha de Creta , onde ela deu à luz Minos , Radamanto e Sarpedão . Para Homero , Europa (em grego : Εὐρώπη , Eurṓpē ) era uma rainha mitológica de Creta e não uma designação geográfica. Mais tarde, o termo Europa foi usado para se referir ao centro-norte da Grécia , e em 500 a.C. , seu significado foi estendido para as terras ao norte. O nome Europa é de etimologia incerta. [ 21 ] Uma teoria sugere que a palavra é derivada do grego εὐρύς ( eurus ), que significa 'largo, amplo' [ 22 ] e ὤψ/ὠπ-/ὀπτ- ( ōps / ōp -/ opt- ) significa 'olho, rosto, semblante', [ 23 ] portanto Eurṓpē seria algo como 'ampla contemplação'. Amplo era um epíteto da própria Terra na religião protoindo-europeia . [ 24 ] Outra teoria sugere que o termo é baseado em uma palavra semita como o mesmo significado do acadiano erebu , algo como 'para ir para baixo, pôr-se' (cf. Ocidente ), [ 25 ] um cognato do fenício ereb 'noite. oeste' e do árabe do Magreb , do hebraico ma'ariv (ver Érebo , PIE *h 1 regʷos , 'escuridão'). No entanto, M. L. West afirma que 'fonologicamente, a correspondência entre o nome de Europa e qualquer forma da palavra semítica é muito pobre'. [ 26 ] As principais línguas do mundo mais usam palavras derivadas de 'Europa' para se referir ao 'continente' (península). O chinês , por exemplo, usa a palavra Ōuzhōu (歐洲). este termo também é usado para se referir à União Europeia nas relações diplomáticas em língua japonesa , apesar do termo katakana ( ヨーロッパ , Yōroppa ? ) ser mais comumente usado. No entanto, em algumas línguas turcas, o nome originalmente persa Frangistan (terra dos francos ) é usado casualmente para se referir à grande parte da Europa, além de nomes oficiais, como Avrupa ou Evropa . [ 27 ] História [ editar | editar código-fonte ] Esta seção cita fontes fiáveis e independentes , mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2015) . Por favor, insira mais referências no texto . Material sem fontes poderá ser removido . — Encontre fontes: Google ( notícias , livros e acadêmico ) Ver artigo principal: História da Europa Pré-história [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Pré-História , Idade da Pedra e Idade do Ferro Sol sobre o Stonehenge , no Reino Unido , durante o solstício de inverno Os Homo erectus e os Neanderthalis habitavam a Europa bem antes do surgimento dos humanos modernos, os Homo sapiens . [ 28 ] Os ossos dos primeiros europeus foram achados em Dmanisi , Geórgia , e datados de 1,8 milhões de anos. [ 29 ] O primeiro aparecimento do povo anatomicamente moderno na Europa é datado de 35 000 a.C. [ 30 ] Evidências de assentamentos permanentes datam do 7º milénio a.C. na Bulgária , Roménia e Grécia . [ 30 ] O período neolítico chegou na Europa central no 6º milénio a.C. e em partes da Europa Setentrional no 5º e 4º milénio a.C. A civilização Tripiliana (5 508- 2 750 a.C. ) foi a primeira grande civilização da Europa e uma das primeiras do mundo. era localizada na Ucrânia moderna e também na Moldávia e Roménia . Foi provavelmente mais antiga que os Sumérios no Oriente Próximo , e tinha cidades com 15 000 habitantes que cobriam 450 hectares. [ 31 ] Começando no Neolítico, tem-se a civilização dos Camunos no Val Camonica , Itália , que deixou mais de 350 000 petróglifos , o maior sítio arqueológico da Europa. Também conhecido como Idade do Cobre , o Calcolítico europeu foi um tempo de mudanças e confusão. O fato mais relevante foi a infiltração e invasão de imensas partes do território por povos originários da Ásia Central , considerado pelos principais historiadores como sendo os originais indo-europeus , mas há ainda diversas teorias em debate. Outro fenómeno foi a expansão do Megalitismo e o aparecimento da primeira significante estratificação económica e, relacionado a isso, as primeiras monarquias conhecidas da região dos Balcãs . [ 28 ] A primeira civilização bem conhecida da Europa foi as dos Minoicos da ilha de Creta e depois os Micenas em adjacentes partes da Grécia , no começo do 2º milénio a.C. [ 28 ] Embora o uso do ferro fosse de conhecimento dos povos egeus por volta de 1 100 a.C. , não chegou à Europa Central antes de 800 a.C. , levando ao início da Cultura de Hallstatt , uma evolução da Idade do Ferro (que até então se encontrava na Cultura dos Campos de Urnas ). Provavelmente como subproduto desta superioridade tecnológica, pouco depois os indo-europeus consolidam claramente suas posições na Itália e na Península Ibérica , penetrando profundamente naquelas penínsulas (Roma foi fundada em 753 a.C. Antiguidade clássica [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Idade Antiga , Antiguidade clássica , Grécia Antiga , Roma Antiga e Império Romano O templo grego de Apolo, em Pesto , Itália Os gregos e romanos deixaram um legado na Europa que é evidente nos pensamentos, leis, mentes e línguas actuais. A Grécia Antiga foi uma união de cidades-estado , na qual uma primitiva forma de democracia se desenvolveu. Atenas foi sua cidade mais poderosa e desenvolvida, e um berço de ensinamento nos tempos de Péricles . Fóruns de cidadãos aconteciam e o policiamento do estado deu ordem ao aparecimento dos mais notáveis filósofos clássicos, como Sócrates , Platão e Aristóteles . Como rei do Reino Grego da Macedónia , as campanhas militares de Alexandre o Grande espalharam a cultura helénica até às nascentes do rio Indo . Império Romano na sua extensão máxima Mas a República Romana , alicerçada pela vitória sobre Cartago nas Guerras Púnicas , estava crescendo na região. A sabedoria grega passada às instituições romanas, assim como a própria Atenas foi absorvida sob a bandeira do senado e do povo de Roma. Os romanos expandiram seu império desde a Arábia até a Bretanha . Em 44 a.C. quando atingiu o seu ápice, seu líder, Júlio César foi morto sob suspeitas de estar corrompendo a república para se tornar um ditador . Na sucessão, Otaviano usurpou as raízes do poder e dissolveu o senado romano . Quando proclamou o renascimento da república ele, de facto, transferiu o poder do senado romano quando república para um império, o Império Romano . Idade Média [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Migrações dos povos bárbaros e Idade Média Fronteiras da Europa em 450 Quando o Imperador Constantino reconquistou Roma sob a bandeira da Cruz em 312, ele rapidamente editou o Édito de Milão em 313, declarando legal o cristianismo no Império Romano . Além disso, Constantino mudou oficialmente a capital do império, Roma , para a colónia grega de Bizâncio , que ele renomeou para Constantinopla ('Cidade de Constantino'). Em 395, Teodósio , que tornou o cristianismo religião oficial do Império Romano, iria ser o último imperador a comandar o Império Romano em toda a sua unidade, sendo depois o império dividido em duas partes: O Império Romano do Ocidente , centrado em Ravena , e o Império Romano do Oriente (depois referido como Império Bizantino ) centrado em Constantinopla. A parte ocidental foi seguidamente atacada por tribos nómadas germânicas , e em 476 finalmente caiu sob a invasão dos Hérulos comandados por Odoacro . Papa Adriano I pede ajuda a Carlos Magno , rei dos Francos , contra a invasão de 772 A autoridade romana no Oeste entrou em colapso e as províncias ocidentais logo tornaram-se pedaços de reinos germânicos. Entretanto, a cidade de Roma, sob o comando da Igreja Católica Romana permaneceu como um centro de ensino, e fez muito para preservar o pensamento clássico romano na Europa Ocidental . [ 28 ] Nesse meio-tempo, o imperador romano em Constantinopla , Justiniano I , conseguiu com sucesso, montar toda a lei romana no Corpo do Direito Civil (529–534) . Por todo o século VI , o Império Romano do Oriente esteve envolvido numa série de conflitos sangrentos, primeiro contra o Império Sassânida , depois contra o Califado Ortodoxo . Em 650, as províncias do Egito , Palestina e Síria foram perdidas para forças muçulmanas . Na Europa Ocidental , uma estrutura política surgia: no vácuo do poder deixado pelo colapso de Roma, hierarquias locais foram construídas sob a união das pessoas nas terras que eram trabalhadas. Dízimos eram pagos ao senhor da terra e este senhor devia tributos ao príncipe regional. Os dízimos eram usados para financiar o estado e as guerras . Esse foi o sistema feudal , no qual novos príncipes e reis apareceram, no qual o maior deles foi o líder Franco Carlos Magno . Em 800, Carlos Magno, após as suas grandes conquistas territoriais, foi coroado Imperador dos Romanos ('Imperator Romanorum') pelo Papa Leão III , afirmando efectivamente o seu poder na Europa Ocidental. O reinado de Carlos Magno marcou o começo dum novo império germânico no oeste, o Sacro Império Romano . Para além das suas fronteiras novas forças estavam crescendo. O Principado de Kiev estava delimitando o seu território, a Grande Morávia estava crescendo, enquanto os anglos e os saxões estavam confirmando as suas fronteiras. Idade Moderna [ editar | editar código-fonte ] Ver também: Idade Moderna Renascimento e Reforma [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Renascimento e Reforma Protestante A Escola de Atenas por Rafael Sanzio . os contemporâneos, como Michelangelo e Leonardo da Vinci (centro) são retratados como eruditos clássicos O Renascimento foi um movimento cultural que afectou profundamente a vida intelectual europeia no seu período pré-moderno. Começando em Itália , e espalhando-se de norte a oeste, o renascimento durou aproximadamente 250 anos e a sua influência afectou a literatura , filosofia , arte , política , ciência , história , religião entre outros aspectos de indagação intelectual. [ 28 ] O italiano Francesco Petrarca ( Francesco di Petracco ), suposto primeiro legítimo humanista , escreveu na década de 1330 : 'Estou vivo agora, ainda que eu prefira ter nascido noutro tempo' . Ele era um entusiasta da antiguidade romana e grega . Nos séculos XV e XVI, o contínuo entusiasmo pela antiguidade clássica foi reforçado pela ideia de que a cultura herdada estava se dissipando e de que havia um conjunto de ideias e atitudes com que seria possível reconstruí-la. Matteo Palmieri escreveu em 1430: 'Agora, com certeza, todo espírito pensante deve agradecer a Deus, porque a ele foi permitido nascer numa nova era' . O Renascimento fez nascer uma nova era em que aprender era muito importante. Importantes precedentes políticos aconteceram neste período. O político Nicolau Maquiavel escreveu 'O Príncipe' que influenciou o posterior absolutismo e a política pragmática. Também foram importantes os diversos líderes que governaram estados e usaram a arte da Renascença como sinal de seus poderes. As 95 Teses do monge alemão Martinho Lutero que quebraram a autocracia papal Durante esse período, a corrupção da Igreja Católica levou a uma dura reação, na Reforma Protestante . [ 28 ] E ela ganhou muitos seguidores, especialmente entre príncipes e reis buscando um estado forte para acabar com a influência da igreja católica . Figuras como Martinho Lutero começaram a surgir, assim também como João Calvino com o seu Calvinismo que teve influência em muitos países e o rei Henrique VIII da Inglaterra que rompeu com a igreja católica e fundou a Igreja Anglicana . Essas divisões religiosas trouxeram uma onda de guerras inspiradas e conduzidas religiosamente, mas também pela ambição dos monarcas na Europa Ocidental que se tornavam cada vez mais centralizadas e poderosas. A reforma protestante também levou a um forte movimento reformista na igreja católica chamado Contra-Reforma , que tinha como objectivo reduzir a corrupção, assim como aumentar e fortalecer o dogma católico. Um importante grupo da igreja católica que surgiu nessa época foram os Jesuítas , que ajudaram a manter a Europa Oriental na linha católica de pensamento. Mesmo assim, a igreja católica foi fortemente enfraquecida pela reforma e, grande parte do continente não estava mais sob sua influência e os reis nos países que continuaram no catolicismo começaram a anexar as terras da igreja para os seus próprios domínios. A Era dos Descobrimentos [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Era dos Descobrimentos e Mercantilismo Réplica de caravela , utilizada a partir de meados do século XV na exploração oceânica As numerosas guerras não impediram que os novos estados explorassem e conquistassem largas porções do mundo, particularmente na Ásia ( Sibéria ) [ 32 ] e a recém-descoberta América . [ 33 ] No século XV , Portugal liderou a exploração geográfica, seguido pela Espanha no começo no século XVI . Eles foram os primeiros estados a fundar colónias/colônias na América e estações de troca nas costas da África e da Ásia, porém logo foram seguidos pela França , Inglaterra e Holanda . Em 1552 , o czar Russo Ivan, o Terrível conquistou os dois maiores canatos tártaros , Cazã e Astracã , e a viagem de Yermak em 1580 , que levou a anexação da Sibéria pela Rússia. A expansão colonial prosseguiu-se nos anos seguintes (mesmo com alguns empecilhos, como a Revolução Americana e as guerras pela independência em muitas colónias americanas). A Espanha controlou parte da América do Norte e grande parte da América Central e do Sul , as Caraíbas/o Caribe e Filipinas .. [ 34 ] Portugal teve em suas mãos o Brasil e a maior parte dos territórios costeiros em África e na Ásia ( Índia e pequenos territórios na China etc). [ 35 ] Os britânicos comandavam a Austrália , Nova Zelândia , maior parte da Índia e grande parte da África e América do Norte . [ 36 ] a França comandou partes do Canadá e da Índia (porém quase tudo foi perdido para os britânicos em 1763 ), a Indochina , grandes terras na África e Caribe . a Holanda ganhou as Índias Orientais (hoje Indonésia ) e algumas ilhas nas Caraíbas/no Caribe. países como Alemanha , Bélgica , Itália e Rússia conquistaram colónias posteriormente. Essa expansão ajudou a economia dos países que a fizeram. O comércio prosperou, por causa da menor estabilidade entre os impérios. No final do século XVI , a prata americana era responsável por 1/5 de todo o comércio da Espanha . [ 37 ] Os países europeus travaram guerras que foram pagas através do dinheiro conseguido com a exploração das colónias/colônias. No entanto, os lucros com o tráfico de escravos e as plantações das Índias Ocidentais , a mais rentável das colônias britânicas naquele momento, representavam apenas 5% de toda a economia do Império Britânico no final do século XVIII , tempo da Revolução Industrial . Iluminismo [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Iluminismo e Revolução científica A batalha de Nördlingen na Guerra dos Trinta Anos A partir do início deste período, o capitalismo substituía o feudalismo como principal forma de organização económica, ao menos no oeste da Europa. A expansão das fronteiras coloniais resultou numa Revolução Comercial . Nota-se no período o crescimento da ciência moderna e a aplicação de suas descobertas em melhorias tecnológicas, que culminaram com a revolução Industrial . Descobertas ibéricas do Novo Mundo , que começaram com a jornada de Cristóvão Colombo ao oeste com a busca de uma rota fácil para as Índias Orientais em 1492 , foram logo adaptadas por explorações inglesas e francesas na América do Norte . Novas formas de comércio e a expansão dos horizontes fizeram necessária uma mudança no direito internacional . A reforma protestante produziu efeitos profundos na unidade europeia. Não apenas dividindo as nações uma das outras pela sua orientação religiosa, mas alguns estados foram afectados internamente por lutas religiosas, fortemente encorajadas por seus inimigos externos. A França viveu essa situação no século XVI com uma série de conflitos, como as guerras religiosas na França , que culminaram no triunfo da Dinastia Bourbon . A Inglaterra preveniu-se desse facto/fato com a consolidação sob a Rainha Elizabeth do moderado Anglicanismo . Quase toda a parte da atual Alemanha estava dividida em inúmeros estados sob o comando teórico do Sacro Império Romano Germânico , que também estava dividido dentro do próprio governo. A única exceção a isso era a Comunidade Polaco-Lituana , uma união criada pela União de Lublin , expressando uma grande tolerância religiosa . Esse embate religioso aconteceu até à Guerra dos Trinta Anos quando o nacionalismo substituiu a religião como principal motor dos conflitos na europa. [ 38 ] Mapa da Europa em 1648 após o Tratado de Vestfália . A área em cinza representa os estados alemães do Sacro Império A Guerra dos Trinta Anos aconteceu entre 1618 e 1648, [ 39 ] principalmente no território da atual Alemanha, e envolveu as principais potências europeias. Começou como um conflito religioso entre Protestantes e Católicos no Sacro Império Romano Germânico, e gradualmente desenvolveu-se numa guerra geral, envolvendo boa parte da europa, por razões não necessariamente ligadas à religião. [ 40 ] O maior impacto da guerra, na qual exércitos de mercenários foram largamente utilizados, foi a devastação de regiões inteiras na busca do exército inimigo. Episódios como a disseminação da fome e das doenças devastaram a população dos estados germânicos e, em menor grau, dos Países Baixos e da Itália , onde levaram à falência muito dos poderes regionais envolvidos. Entre um quarto e um terço da população alemã pereceu por causas diretamente ligadas à guerra ou ainda de doenças e miséria causadas pelo conflito armado. [ 41 ] A guerra durou trinta anos, mas os conflitos que ela deu início ainda continuaram sem solução por muito tempo. Depois da Paz de Vestfália , que permitiu aos países que eles escolhessem a sua orientação religiosa, o Absolutismo tornou-se o padrão do continente, enquanto a Inglaterra caminhava rumo ao liberalismo com a Guerra Civil Inglesa e a Revolução Gloriosa . [ 42 ] Os conflitos militares na europa não acabaram, mas tiveram menos impacto na vida dos seus cidadãos. No noroeste, o Iluminismo deu a base filosófica para um novo ponto de vista na sociedade , e a contínua difusão da literatura foi possível com a invenção da prensa , criando novas formas de avanço do pensamento humano. Ainda, nesse segmento, a Comunidade Polaco-Lituana foi uma exceção, com a sua quase democrática ' liberdade dourada '. A Europa Oriental era uma arena de conflito disputada pela Suécia , Comunidade Polaco-Lituana e Império Otomano . Nesse período observou-se um gradual declínio destes três poderes que foram eventualmente substituídos pelas novas monarquias absolutistas, Rússia, Prússia e Áustria . [ 43 ] Na virada para o século XIX , eles tornaram-se as novas potências, dividindo a Polónia entre si, com Suécia e Turquia perdendo territórios substanciais para a Rússia e a Áustria respetivamente/respectivamente. Uma grande parte de judeus polacos/poloneses emigrou para a Europa Ocidental , fundando comunidades judaicas em lugares de onde foram expulsos durante a Idade Média . Idade Contemporânea [ editar | editar código-fonte ] Ver também: Idade Contemporânea Revoluções políticas [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Revolução Americana , Revolução Francesa e Guerras Napoleónicas A Tomada da Bastilha , durante a Revolução Francesa em 1789 A intervenção francesa na Guerra de Independência dos EUA levou o estado francês à falência. [ 44 ] Depois de diversas tentativas falhas de uma reforma financeira, Luis XVI foi forçado a reavivar a Assembleia dos Estados Gerais , um corpo representativo do país feito pelas três classes do estado: o clero , os nobres e o povo . Os membros dos Estados-Gerais reuniram-se no Palácio de Versalhes em maio de 1789, mas o debate e a forma de votação que seria usada criaram um impasse. Veio junho, e o terceiro estado, associado a membros dos dois outros estados, declarou-se uma Assembleia Nacional e prometeu não se dissolver até que França tivesse uma constituição e criasse, em julho, uma Assembleia Nacional Constituinte . [ desambiguação necessária ] No mesmo tempo, os parisienses revoltaram-se, celebremente derrubando a prisão da Bastilha em 14 de julho de 1789. [ 44 ] Nesse tempo, a assembleia criou uma monarquia constitucional , e nos dois anos que se passaram várias leis foram criadas como a Declaração dos direitos do Homem e do Cidadão , a abolição do feudalismo e uma mudança fundamental das relações entre a França e Roma. [ 44 ] No início, o rei continuou no trono ao longo dessas mudanças e gozou de uma popularidade razoável com o povo, mas a anti-realeza crescia com o perigo de uma invasão estrangeira. Então o rei, sem poderes, decidiu fugir com a sua família, mas ele foi reconhecido de volta a Paris. Em 12 de janeiro de 1793, sendo condenada a sua traição, ele foi executado. Em 20 de setembro de 1792, a convenção nacional aboliu a monarquia e declarou a França uma república . [ 44 ] Devido à iminência das guerras, a convenção nacional criou o Comitê de Salvação Pública controlado por Maximilien Robespierre do Partido dos Jacobinos , para atuar como executivo do país. Sob Robespierre o comitê iniciava o Reino do terror , no qual cerca de 40 000 pessoas foram executadas em Paris, na maioria nobres, apesar de, frequentemente, faltarem evidências. Por todo o país, insurreições contra-revolução foram brutalmente reprimidas. O regime foi posto abaixo no golpe de 9 Termidor (27 de Julho de 1794) e Robespierre foi executado. O regime que se seguiu acabou com o Terror e afrouxou a maioria das regras extremas de Robespierre. [ 44 ] A batalha de Waterloo , onde Napoleão foi derrotado pelo Duque de Wellington em 1815 Napoleão Bonaparte foi o general francês que mais obteve sucesso nas guerras da Revolução, tendo conquistado grandes porções da península Itálica e forçado os austríacos à paz. Em 1799, retornou do Egito e em 18 de Brumário (9 de Novembro) subjugou o governo, substituindo-o pelo seu Consulado , do qual tornou-se o primeiro Cônsul. [ 45 ] Em 2 de Dezembro de 1804, depois duma tentativa de assassinato, ele coroou-se imperador . Em 1805, Napoleão planeou invadir a Grã-Bretanha , mas a recém-criada aliança entre britânicos, russos e austríacos ( Terceira Coalizão ) forçou-o a direcionar a atenção para o continente, quando ao mesmo tempo ele tinha falhado em desviar a Armada Superior Britânica para longe do Canal da Mancha , ocasionando uma decisiva derrota francesa na batalha de Trafalgar em 21 de outubro, e colocando um fim às suas esperanças de invadir a Grã-Bretanha. Em 2 de dezembro de 1805, Napoleão derrotou o exército austro-russo, numericamente superior, em Austerlitz , forçando a Áustria desistir da coalizão e levando à fragmentação do Sacro Império Romano Germânico . [ 45 ] Em 1806, a Quarta coalizão foi formada. em 14 de Outubro Napoleão derrotou os prussianos na Batalha de Jena-Auerstedt , marchando através da Alemanha e derrotando os russos em 14 de junho de 1807 em Friedland . Os Tratados de Tilsit dividiram a Europa entre França e Rússia e criaram o Ducado de Varsóvia . [ 45 ] Em 12 de junho de 1812, Napoleão invadiu a Rússia com a sua Grande Armée de aproximadamente 700 000 soldados. [ 45 ] Após as vitórias em Smolensk e Borodino , Napoleão ocupou Moscovo , apenas para encontrá-la queimada pelo exército russo em retirada. Assim, ele foi forçado a bater com seu exército em retirada. Na volta o seu exército foi arrasado pelos cossacos e sofreu de doenças, fome e com o rigoroso inverno russo. Apenas 20 000 soldados sobreviveram a essa campanha. [ 45 ] Em 1813 , começou o declínio de Napoleão, sendo derrotado pelo Exército das Sete Nações na Batalha de Leipzig em outubro de 1813. Ele foi forçado a abdicar depois da Campanha dos Seis Dias e a ocupação de Paris. Sob o Tratado de Fontainebleau ele foi exilado na Ilha de Elba . Retornou à França em 1 de março de 1815 e convocou um exército leal, mas foi compreensivelmente derrotado por forças britânicas e prussianas na Batalha de Waterloo em 18 de junho de 1815. [ 45 ] A formação das nações e dos impérios [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Unificação italiana , Unificação Alemã , Guerra franco-prussiana , Guerra da Crimeia , Revoluções de 1848 , Império colonial e Neocolonialismo Populares apoiando a Revolução de 1848 em Berlim Depois da derrota da revolucionária França , outras grandes forças tentaram restaurar a situação existente antes de 1789. Em 1815, no Congresso de Viena , as maiores forças da Europa organizaram-se para produzir um pacífico equilíbrio de poder entre os impérios depois das Guerrras Napoleónicas (embora estivessem ocorrendo movimentos internos revolucionários) sob o sistema de Matternich . [ 46 ] Entretanto, os seus esforços foram incapazes de parar a propagação de movimentos revolucionários: a classe média foi profundamente influenciada pelos ideais de democracia da Revolução Francesa, a revolução Industrial trouxe importantes mudanças sócio-económicas/econômicas, as classes baixas começaram a ser influenciadas pelas ideias socialistas , comunistas e anarquistas (especialmente unidas por Karl Marx no Manifesto Comunista ), [ 47 ] e a preferência dos novos capitalistas era o liberalismo . Em 1815, as fronteiras da Europa foram refeitas, quando as suas raízes já haviam sido sacudidas pelos exércitos de Napoleão Uma nova onda de instabilidade veio da formação de diversos movimentos nacionalistas (na Alemanha, Itália , Polônia , etc.), buscando uma unidade nacional e/ou liberação do domínio estrangeiro. Como resultado, o período entre 1815 e 1871 foi palco de um grande número de conflitos e guerras de independência. Napoleão III , sobrinho de Napoleão I, retornou do exílio na Inglaterra em 1848 para ser eleito pelo parlamento francês, como o então 'Presidente-Príncipe' e num golpe de estado eleger-se imperador, aprovado depois pela grande maioria do eleitorado francês. Ele ajudou na unificação da Itália lutando contra o Império Austríaco [ 48 ] e lutou a Guerra da Crimeia com a Inglaterra e o Império Otomano contra a Rússia. Seu império ruiu depois duma infame derrota para a Prússia, na qual ele foi capturado. A França então se tornou uma fraca república que recusava-se a negociar e foi derrotada pela Prússia em poucos meses. Em Versalhes , o Rei Guilherme I da Prússia foi proclamado Imperador da Alemanha e a Alemanha moderna nasceu. [ 49 ] Mesmo que a maioria dos revolucionários tenha sido derrotada, muitos estados europeus tornaram-se monarquias constitucionais , e em 1871 Alemanha e Itália se desenvolveram em estados-nação. Foi no século XIX também que se observou o Império Britânico emergir como o primeiro poder global do mundo devido, em grande parte, à Revolução Industrial e a vitória nas Guerras Napoleónicas . [ 50 ] A paz iria apenas durar até que o Império Otomano declinasse suficientemente para se tornar alvo de outros. [ 51 ] Isso incitou a Guerra da Crimeia em 1854, [ 52 ] e começou um tenso período de pequenos conflitos entre as nações dominantes da Europa que deram o primeiro passo para a posterior Primeira Guerra Mundial . Isso mudou uma terceira vez com o fim de várias guerras que transformaram o Reino da Sardenha e o Reino da Prússia nas nações da Itália e da Alemanha, mudando significativamente o balanço do poder na Europa. A partir de 1870, a hegemonia Bismarquiana na Europa pôs a França em uma situação crítica. [ 53 ] Ela devagar reconstruiu suas relações internacionais, buscando alianças com a Grã-Bretanha e Rússia, para controlar o crescente poder da Alemanha sobre a Europa. Desse modo, dois lados opostos se formaram na Europa, incrementando suas forças militares e suas alianças ano a ano. [ 54 ] Revolução Industrial [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Revolução Industrial A Revolução Industrial iniciou-se na Grã-Bretanha A Revolução Industrial foi um período compreendido entre o fim do século XVIII e o começo do século XIX , no qual ocorreram grandes mudanças na agricultura , manufatura e transporte e foi produzido um profundo efeito socioeconómico/socioeconômico e cultural na Grã-Bretanha , que posteriormente se espalhou por toda a Europa, América do Norte , e depois para todo o mundo, num processo que ainda continua: a Industrialização . Na parte final dos anos de 1700 a economia baseada na força manual no Reino da Grã-Bretanha começou a ser substituída por outra dominada pela indústria e pelas máquinas . Começou com a mecanização das indústrias têxteis , o desenvolvimento de técnicas avançadas de produção de ferro e o aumento do uso de carvão refinado. A expansão do comércio foi possibilitada com a introdução de canais , rodovias e auto-estradas . A introdução das máquinas a vapor (abastecidas primeiramente com carvão) e maquinaria bruta (principalmente na manufatura têxtil) deram a base para grandes aumentos na capacidade produtiva inglesa. [ 55 ] O desenvolvimento de máquinas de ferramentas nas duas primeiras décadas do século XIX facilitou a produção de mais máquinas para serem utilizadas noutras indústrias. Durante o século XIX , a industrialização se alastrou pelo resto da Europa Ocidental e América do Norte , afetando posteriormente grande parte do mundo. Guerras mundiais [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Primeira Guerra Mundial , Revolução Russa de 1917 , Tratado de Versalhes (1919) , Período entreguerras , Grande Depressão e Segunda Guerra Mundial Sistema de alianças na Europa antes da Primeira Guerra Mundial : Tríplice Entente Tríplice Aliança Países neutros Depois da relativa paz na maior parte do século XIX , a rivalidade entre as potências europeias explodiu em 1914, quando a Primeira Guerra Mundial começou. Mais de 60 milhões de soldados europeus foram mobilizados entre 1914 e 1918. [ 56 ] De um lado estavam Alemanha , Áustria-Hungria , o Império Otomano e a Bulgária ( Poderes Centrais / Tríplice Aliança ), enquanto que no outro lado estavam a Sérvia e a Tríplice Entente – a elástica coligação entre França , Reino Unido e Rússia, que ganhou a participação da Itália em 1915 e dos Estados Unidos em 1917. Embora a Rússia tenha sido derrotada em 1917 (a guerra foi uma das maiores causas da Revolução Russa, levando à formação da comunista União Soviética ), a Entente finalmente prevaleceu no outono de 1918. No Tratado de Versalhes (1919) os vencedores impuseram severas condições à Alemanha e aos novos estados reconhecidos (tais como Polónia , Checoslováquia , Hungria , Áustria , Jugoslávia , Finlândia , Estónia , Letónia , Lituânia ) criados na Europa Central a partir dos extintos impérios Alemão , Austro-Húngaro e Russo , supostamente na base da auto-definição. A maioria desses países entraria em guerras locais, sendo a maior delas a Guerra Polaco-Soviética (1919–1921) . Nas décadas seguintes, o medo do comunismo e a Grande Depressão (1929–1943) levaram grupos extremistas nacionalistas — sob a categoria do fascismo — na Itália (1922), Alemanha (1933), Espanha (depois da guerra civil , terminada em 1939) e em outros países como a Hungria. Hitler e Mussolini formaram o Pacto do Eixo e dominaram a maior parte da Europa na fase inicial da Segunda Guerra Mundial Depois de aliar-se com a Itália de Mussolini no Pacto de Aço e assinar o pacto de não-agressão com a União Soviética , o ditador alemão Adolf Hitler começou a Segunda Guerra Mundial em 1 de Setembro de 1939 invadindo a Polónia , depois de uma expansão militar ocorrida no final da década de 1930 . Após sucessos iniciais (principalmente a conquista do oeste da Polónia/Polônia, grande parte da Escandinávia , França e os Balcãs antes de 1941 ), as forças do Eixo começaram a enfraquecer-se em 1941. Os principais oponentes ideológicos de Hitler eram os comunistas da União Soviética, mas por causa da falha alemã em derrotar o Reino Unido e das falhas italianas no norte da África e no Mediterrâneo , as forças do Eixo se resumiram à Europa Ocidental , Escandinávia, além de ataques a África. O ataque feito posteriormente à União Soviética (que junto com a Alemanha dividiu a Europa central em 1939- 1940 ) não foi feito com a força necessária. Apesar de um sucesso inicial, o exército alemão foi parado perto de Moscovo em dezembro de 1941. Apenas no ano seguinte é que o avanço alemão seria parado e eles começariam a sofrer uma série de derrotas, como por exemplo, nas batalhas de Stalingrado e Kursk . Nesse ínterim, o Japão (aliado de Alemanha e Itália desde setembro de 1940) atacou os britânicos no Sudeste Asiático e os Estados Unidos no Havaí em 7 de Dezembro de 1941. a Alemanha e a Itália declararam guerra aos Estados Unidos em união com seu aliado. A guerra aumentou a tensão entre o Eixo (Alemanha, Itália e Japão) e os Aliados (Reino Unido, União Soviética e os Estados Unidos). As forças Aliadas venceram no norte da África e invadiram a Itália em 1943 , e a ocupada França em 1944 . Na primavera de 1945 , a Alemanha foi invadida pelo leste pela União Soviética e pelo oeste pelos Aliados. Hitler cometeu suicídio e a Alemanha se rendeu no começo de maio acabando com a guerra na Europa. O período foi marcado também por um industrializado e planeado genocídio de mais de 11 milhões de pessoas, incluindo a maioria dos judeus da Europa e ciganos , assim como milhões de polacos e eslavos soviéticos . O sistema soviético de trabalho forçado , as expulsões da população da União Soviética e a grande fome da Ucrânia tiveram semelhante carga de mortes. Durante e depois da guerra, milhões de civis foram afetados pelas forçadas transferências da população. Guerra Fria [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Guerra Fria , OTAN , Plano Marshall e Comunidade Europeia Alemães em pé em cima do Muro de Berlim em 1989. O muro começaria a ser destruído no dia seguinte A Primeira e especialmente a Segunda Guerra Mundial acabaram com a preponderante posição da Europa Ocidental . O mapa do continente foi redesenhado na Conferência de Yalta [ 57 ] e dividido se tornou a principal zona de contenção na Guerra Fria entre dois blocos, os países ocidentais e o bloco Oriental . Os Estados Unidos e a Europa Ocidental ( Reino Unido , França , Itália , Portugal , Países Baixos , Alemanha Ocidental , Noruega , etc.) estabeleceram a aliança da OTAN como proteção contra uma possível invasão soviética. [ 58 ] Depois, a União Soviética e o Leste Europeu ( Polónia , Checoslováquia , Hungria , Roménia , Bulgária e Alemanha Oriental ) estabeleceram o Pacto de Varsóvia como proteção contra uma possível invasão dos Estados Unidos . [ 59 ] Na mesma época, a Europa Ocidental lentamente começou um processo de integração política e económica/econômica, [ 60 ] desejando um continente unido e integrado para prevenir outra guerra. Esse processo resultou naturalmente no desenvolvimento de organizações como a União Europeia [ 60 ] e o Conselho da Europa . [ 61 ] O movimento Solidarność que aconteceu na década de 1980 enfraqueceu o governo comunista na Polônia , foi o começo do fim do domínio comunista na Europa Oriental e o declínio da União Soviética . [ 62 ] O líder soviético Mikhail Gorbachev instituiu a Perestroika e a Glasnost , que enfraqueceram oficialmente a influência soviética na Europa Oriental . [ 62 ] Os governos que davam suporte aos soviéticos entraram em colapso e a Alemanha Ocidental anexou a Oriental em 1990. Em 1991, a própria União Soviética ruiu, dividindo-se em 15 estados, com a Rússia tomando o lugar da União Soviética no Conselho de Segurança da ONU . Entretanto, a separação mais violenta aconteceu na Jugoslávia , nos Bálcãs . Quatro ( Eslovénia , Croácia , Bósnia e Herzegóvina e Macedónia/Macedônia ) das seis repúblicas jugoslavas declararam independência e para a maioria delas uma violenta guerra se seguiu, em algumas partes até 1995 . Em 2006 , Montenegro se separou e declarou independência, seguido por Kosovo , formalmente uma província autónoma/autônoma da Sérvia , em 2008 , e descaracterizando completamente o antigo mapa da Jugoslávia/Iugoslávia. Na era pós-guerra fria, OTAN e a União Europeia foram gradualmente admitindo a maioria dos antigos estados membros do Pacto de Varsóvia . [ 60 ] Reunificação e integração [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: História da União Europeia Bandeira europeia , símbolo da reunificação do continente e de organizações como a União Europeia e o Conselho da Europa Em 1992, o Tratado de Maastricht foi assinado pelos então membros da União Europeia . Isso transformou o 'Projeto Europeu' de ser uma comunidade económica/econômica com certos aspectos políticos, numa união com uma intensa cooperação e prosperidade baseada numa união de soberanias nacionais. [ 60 ] Em 1985, o Acordo de Schengen criou uma área sem fronteiras e sem controle de passaporte entre os estados que o assinaram. [ 63 ] Uma moeda comum para a maioria dos estados membros da União Europeia , o euro, foi estabelecida eletronicamente em 1999 , [ 64 ] oficialmente partilhando todas as moedas de cada participante com os outros. A nova moeda foi posta em circulação em 2002 e as velhas foram retiradas dos mercados. [ 64 ] Apenas três países dos quinze estados membros decidiram não aderir ao euro ( Reino Unido , Dinamarca e Suécia ). Em 2004, a UE deu ordem à sua maior expansão, admitindo 10 novos membros (oito dos quais antigos estados comunistas ). Outros dois ingressaram no grupo em 2007 , num total de 27 nações. Um tratado estabelecendo uma constituição para a UE foi assinado em Roma em 2004, com a intenção de substituir todos os antigos tratados com apenas um só documento. Entretanto, a sua ratificação nunca foi feita devido à rejeição de franceses e holandeses , via referendo . Em 2007, concordou-se em substituir aquela proposta com um novo tratado reformado, o Tratado de Lisboa , que iria entrar como uma emenda em vez de substituir os tratados existentes . [ 65 ] Esse tratado foi assinado em 13 de dezembro de 2007 e entraria em vigor em janeiro de 2009 , se ratificado até essa data. Isso daria à União Europeia seu primeiro presidente e ministro de relações exteriores. [ 65 ] Os Bálcãs são a parte da Europa que mais deseja aderir à União Europeia , com a Croácia a ser o último país até à data a ser aceite no bloco em 2013. [ 66 ] [ 67 ] Geografia [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Geografia da Europa Imagem de satélite do continente europeu Fisiograficamente , a Europa é o componente noroeste da maior massa de terra do planeta, conhecida como a Eurásia , ou Eurafrásia : a Ásia ocupa a maior parte leste dessa porção de terra contínua e todos partilham uma plataforma continental comum. A fronteira oriental da Europa agora é comumente definida pelos montes Urais , na Rússia. [ 16 ] O geógrafo do século I d.C. Estrabão , considerava o rio Don 'Tanais' como o limite para o mar Negro , [ 68 ] como diziam as primeiras fontes judaicas . A fronteira sudeste com a Ásia não é universalmente definida, sendo que o rio Ural , ou, alternativamente, o rio Emba servem mais comummente como limites possíveis. O limite continua até ao mar Cáspio , a crista das montanhas do Cáucaso , ou, alternativamente, o rio Cura no Cáucaso, e o mar Negro, Bósforo , o mar de Mármara , o estreito de Dardanelos , o mar Egeu concluem o limite com a Ásia. O mar Mediterrâneo ao sul separa a Europa da África. A fronteira ocidental é o oceano Atlântico , a Islândia , embora mais perto da Gronelândia ( América do Norte ) do que da Europa continental, são geralmente incluídos na Europa. Por causa das diferenças sócio-políticas e culturais, existem várias descrições de fronteira da Europa, sendo que em algumas fontes alguns territórios não estão incluídos na Europa, enquanto outras fontes incluem-nos. Por exemplo, os geógrafos da Rússia e de outros países pós-soviéticos geralmente incluem os Urais na Europa, incluindo o Cáucaso na Ásia. Da mesma forma, o Chipre é mais próximo da Anatólia (ou Ásia Menor ), mas é muitas vezes considerado parte da Europa e atualmente é um estado membro da UE . Além disso, Malta já foi considerado uma ilha da África ao longo de vários séculos. [ 69 ] Relevo [ editar | editar código-fonte ] Monte Elbrus , na Rússia , o ponto mais alto do país e de toda a Europa O relevo europeu mostra grande variação dentro de áreas relativamente pequenas. As regiões do sul são mais montanhosas, e enquanto se move a norte o terreno desce dos altos Alpes , Pirenéus e Cárpatos , através de planaltos montanhosos e baixas planícies do norte, que são vastas a leste. [ 70 ] Esta planície estendida é conhecida como a Grande Planície Europeia , e em seu coração encontra-se a Planície do Norte da Alemanha . [ 71 ] Um arco de terras altas, também existe ao longo da costa norte-ocidental, que começa na parte ocidental da ilha da Grã-Bretanha e da Irlanda , e continua ao longo da montanhosa coluna, com fiordes cortados, da Noruega . [ 72 ] Esta descrição é simplificada. Sub-regiões como a Península Ibérica e a península Itálica contêm suas próprias características complexas, como faz a própria Europa Central continental, onde o relevo contém muitos planaltos , vales de rios e bacias que complicam a tendência geral. Sub-regiões como a Islândia , a Grã-Bretanha e a Irlanda são casos especiais. A primeira é uma terra independente no oceano do norte, que é considerada como parte da Europa, enquanto as outras duas são zonas de montanha que outrora foram parte do continente até o nível do mar cortá-las da massa de terra principal. Hidrografia [ editar | editar código-fonte ] Rio Oder , Estetino , Polónia Ver artigo principal: Hidrografia da Europa O continente apresenta uma complexa rede hidrográfica, com grandes rios como o Volga , na Rússia, e o Danúbio , que atravessa territórios (ou delimita fronteiras) da Alemanha, Áustria , República Checa , Croácia , Hungria , Sérvia , Romênia , Bulgária e Ucrânia . O rio Volga é o maior rio da Europa. Começa no Lago Ládoga e atravessa no sentido norte-sul a região oeste da Rússia até desaguar no mar Cáspio . [ 73 ] Entre os lagos europeus destacam-se o mar Cáspio , localizado na divisa com a Ásia e que possui 371 mil km². e o lago Ládoga , na Federação Russa , este último o maior localizado totalmente no continente, com 17 700 km² de área. Outros lagos extensos são o Onega , o Vänern , o Saimaa , o Vättern , entre outros. [ 74 ] Clima [ editar | editar código-fonte ] Mapa climático da Europa de acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger A Europa encontra-se principalmente nas zonas de clima temperado , sendo submetido a correntes de ventos do oeste . O clima é mais ameno em comparação com outras áreas da mesma latitude de todo o mundo devido à influência da Corrente do Golfo . [ 75 ] A Corrente do Golfo é o apelido de 'aquecimento central da Europa', porque torna o clima da Europa mais quente e mais húmido do que seria de outra maneira. A Corrente do Golfo não só leva água quente à costa da Europa, mas também aquece os ventos que sopram de oeste em todo o continente do Oceano Atlântico . Portanto, a temperatura média durante todo o ano de Nápoles , é de 16 °C (60,8 °F ), enquanto ela fica a apenas 12 °C (53,6 °F), em Nova York , que é quase na mesma latitude . Berlim , na Alemanha . Calgary , no Canadá , e Irkutsk , na parte asiática da Rússia, estão em torno da mesma latitude, as temperaturas de janeiro, em Berlim, são em média em torno de 8 °C (15 °F), mais elevadas do que aquelas registradas em Calgary, e são quase 22 °C (40 °F) mais elevadas do que as temperaturas médias em Irkutsk. [ 75 ] Demografia [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Demografia da Europa Ver também: Lista de países europeus por população Crescimento populacional e declínio por toda a Europa. [ 76 ] Imagem de satélite da Europa à noite Desde o Renascimento , a Europa teve uma grande influência na cultura , economia e movimentos sociais no mundo. As invenções mais significativas tiveram origem no mundo ocidental , principalmente na Europa e nos Estados Unidos . [ 77 ] Algumas questões atuais e passadas na demografia europeia incluíram emigração religiosa , relações raciais, imigração econômica , a taxa de natalidade decrescente e o envelhecimento da população . Em alguns países, como a Irlanda e a Polónia , o acesso ao aborto é atualmente limitado. No passado, tais restrições e também as restrições sobre o controle artificial da natalidade eram comuns em toda a Europa. O aborto continua sendo ilegal na ilha de Malta , onde o catolicismo é a religião do Estado . Além disso, três países europeus ( Países Baixos , Bélgica e Suíça ) e a Comunidade Autónoma da Andaluzia ( Espanha ) [ 78 ] [ 79 ] têm permitido uma forma limitada de eutanásia voluntária para doentes terminais. Em 2005, a população da Europa era estimada em 731 milhões de acordo com as Nações Unidas , [ 4 ] que é um pouco mais do que um nono da população mundial . Um século antes, a Europa tinha quase um quarto da população mundial. A população da Europa cresceu no século XX passado, mas nas outras regiões do mundo (especialmente na África e na Ásia), a população tem crescido muito mais rapidamente. [ 4 ] Dentre os continentes , a Europa tem uma densidade populacional relativamente alta, perdendo apenas para a Ásia. O país mais densamente povoado da Europa são os Países Baixos , terceiro no ranking mundial após a Coreia do Sul e Bangladesh . Pan e Pfeil (2004) contam 87 distintos 'povos da Europa', dos quais 33 formam a maioria da população em pelo menos um Estado soberano, enquanto os 54 restantes constituem minorias étnicas . [ 80 ] Segundo a projeção de população da ONU, a população da Europa pode cair para cerca de 7% da população mundial até 2050, ou 653 milhões de pessoas (variante média, 556 a 777 milhões em baixa e alta variante, respetivamente/respectivamente). [ 4 ] Neste contexto, existem disparidades significativas entre regiões em relação às taxas de fertilidade . O número médio de filhos por mulher em idade reprodutiva é de 1,52. [ 81 ] De acordo com algumas fontes, [ 82 ] essa taxa é maior entre os europeus muçulmanos . A ONU prevê que o declínio contínuo da população de vastas áreas da Europa Oriental . [ 83 ] A população da Rússia está diminuindo em pelo menos 700 mil pessoas a cada ano. [ 84 ] O país tem hoje 13 mil aldeias desabitadas. [ 85 ] A Europa é o lar do maior número de migrantes de todas as regiões do mundo, em 70,6 milhões de pessoas, segundo um relatório da OIM . [ 86 ] Em 2005 , a UE teve um ganho líquido global de imigração de 1,8 milhão de pessoas, apesar de ter uma das maiores densidades populacionais do mundo. Isso representou quase 85% do crescimento populacional total da Europa. [ 87 ] A União Europeia pretende abrir centros de emprego para trabalhadores migrantes legais da África. [ 88 ] [ 89 ] Emigração da Europa começou com os colonos espanhóis e portugueses no século XVI , e com colonos franceses e ingleses no século XVII . [ 90 ] Mas os números mantiveram-se relativamente pequenas até ondas de emigração em massa no século XIX , quando milhões de famílias pobres, deixaram a Europa. [ 91 ] Hoje, uma grande população de ascendência europeia é encontrada em todos os continentes. A ascendência europeia predomina na América do Norte e, em menor grau, na América do Sul (principalmente na Argentina , Chile , Uruguai e Centro-Sul do Brasil ). Além disso, a Austrália e a Nova Zelândia têm grandes populações de descendentes europeus. A África não tem países de maioria de descendentes de europeus, mas há minorias significativas, como a dos brancos sul-africanos . Na Ásia, as populações descendentes de europeus (mais especificamente russos ) predominam no Ásia Setentrional . Línguas [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Línguas da Europa As línguas europeias pertencem principalmente a três grupos de Línguas indo-europeias : as línguas românicas , derivadas do latim do Império Romano , as línguas germânicas , cujos ancestrais vieram de língua do sul da Escandinávia , e as línguas eslavas . [ 92 ] Apesar de ter a maioria de seu vocabulário descendente de línguas românicas, o idioma Inglês é classificado como uma língua germânica. As línguas românicas são faladas principalmente no sudoeste da Europa, bem como na Roménia e na Moldávia . As línguas germânicas são faladas no noroeste da Europa e algumas partes da Europa Central . As línguas eslavas são faladas na Europa Central, Oriental e sudeste da Europa. [ 92 ] Muitas outras línguas fora dos três grupos principais grupos existem na Europa. Outras línguas indo-europeias incluem o grupo do Báltico (ie, Letã e Lituana ), o grupo Céltico (ie, Irlandês , Gaélico Escocês , Manês , Galês , Córnico e Bretão ), [ 92 ] Grego , Albanês , e Arménio . Um grupo diferente de línguas urálicas são o Estónio , Finlandês e Húngaro , falado nos respetivos/respectivos países, bem como em partes da Roménia , Rússia, Sérvia e Eslováquia . Outras línguas não indo-europeias são o maltês (a única língua oficial semita da UE ), o Basco , Geórgio , Azerbaijão , Turco no leste da Trácia Oriental e as línguas das nações minoritárias na Rússia. O multilinguismo e a proteção das línguas regionais e minoritárias são objetivos políticos reconhecidos na Europa de hoje. A Convenção para a Proteção das Minorias Nacionais e a Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias do Conselho da Europa estabelecem um quadro jurídico para os direitos linguísticos na Europa. Mapa linguístico simplificado com as nações do Conselho Europeu Mapa cronológico que mostra o desenvolvimento das línguas do sudoeste da Europa Línguas europeias não pertencentes ao grupo indo-europeu: Basco ( língua isolada ) Estoniano Finlandês Húngaro Turco Religião [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Religião na Europa Historicamente, a religião na Europa tem tido uma grande influência na arte , cultura , filosofia e direito europeu . A religião maioritária na Europa é o cristianismo praticado por católicos , ortodoxos orientais e protestantes . Na sequência, é o Islão , concentrado principalmente no sudeste ( Bósnia e Herzegovina , Albânia , Kosovo , Cazaquistão , Chipre do Norte , Turquia e Azerbaijão ), e o Budismo Tibetano encontrado em Kalmykia . As outras religiões, incluindo o Judaísmo e o Hinduísmo , são religiões minoritárias. A Europa é um continente relativamente secular e tem o maior número e proporção de pessoas sem religião , agnósticas e ateias no mundo ocidental , com um número particularmente elevado de pessoas que se autodescrevem como não-religiosas na República Checa , Estónia , Suécia , Alemanha (Oeste) e França . [ 93 ] Política [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Política europeia União Europeia [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: União Europeia O território continental dos Estados-membros da União Europeia (Comunidades Europeias pré-1993), animados por ordem de adesão. Albânia Áustria Bielorrússia Bélgica Bos. & Herz. Bulgária Croácia Chipre Rep. Checa Dinamarca Estónia Finlândia França Alemanha Grécia Hungria Islândia Irlanda Itália Letónia Lituânia Luxemburgo Mac. Malta → Moldávia Mont. Países Baixos Noruega Polónia Portugal Roménia Rússia Sérvia Eslováquia Eslovénia Espanha Suécia Suíça Turquia Ucrânia Reino Unido Uma união constituída por mais de uma dezena de países , que fazem transações comerciais utilizando uma moeda única - Euro - e cujos interesses são representados por instituições comuns. Essa nova Europa começou a ganhar corpo em dezembro de 1991, quando os 12 países-membros da União Europeia concluíram o Tratado de Maastricht , que objetivava a união política, económica/econômica e monetária dos participantes, sem fechar espaço para novas adesões. [ 94 ] Através desse acordo, Alemanha , Bélgica , Dinamarca , Espanha , França , Grécia , Irlanda , Itália , Luxemburgo , Países Baixos , Portugal e Reino Unido iniciaram a caminhada da integração europeia. Áustria , Finlândia e Suécia são uns dos mais novos membros e vários outros países já entraram com seu pedido de adesão. [ 94 ] A reunião na cidade neerlandensa de Maastricht - que, em dezembro de 1991, consolidou a formação da União Europeia - representou um capítulo de várias etapas, cujas iniciativas pioneiras surgiram logo após a Segunda Guerra Mundial . [ 95 ] Benelux ( Be lgië/ Be lgique, Ne derland e Lux embourg) - Países -membros: Bélgica , Países Baixos e Luxemburgo . Foi a primeira organização (1948) e tornou-se modelo e estímulo para as demais. Visava ao desenvolvimento econômico dos três países-membros e à ampliação do comércio entre eles. [ 95 ] CECA ( Comunidade Europeia do Carvão e do Aço ) - Países-membros: os integrantes do Benelux e mais Alemanha , Dinamarca , França , Reino Unido e Itália . [ 95 ] Primeira entidade que, já em 1951, reunia vencedores e vencidos da Segunda Guerra Mundial , a CECA tinha como objetivo principais a livre circulação de ferro , carvão , aço e outros minerais no interior da comunidade. Através da redução dos gastos com transportes e das tarifas alfandegárias, facilitava-se o escoamento daqueles produtos, essenciais à industrialização . [ 95 ] AELC ( Associação Europeia de Livre Comércio ) - Países-membros: Islândia , Liechtenstein , Noruega e Suíça (países da Europa Ocidental ). [ 95 ] Criada em 1960 , a AELC objetivava a eliminação de tarifas internacionais sobre produtos industrializados e negociação de acordos bilaterais sobre produtos agrícolas . Era prevista a unificação da AELC com a União Europeia a partir de 1995 , mas a Islândia, a Noruega e a Suíça decidiram ficar de fora. A união dos dois blocos receberia o nome de Espaço Econômico Europeu ou Área Econômica Europeia. [ 95 ] A Comunidade Económica Europeia (CEE) ou Mercado Comum Europeu (MCE) foi o embrião da atual União Europeia (UE). Seus países membros são: Alemanha , Áustria , Bélgica , Dinamarca , Espanha , Finlândia , França , Grécia , Irlanda , Itália , Luxemburgo , Países Baixos , Portugal, Reino Unido e Suécia . [ 95 ] Quando de sua formação, em 1957, a entidade era constituída apenas por Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e Países Baixos. Em 1973, ingressaram a Dinamarca, a Irlanda e o Reino Unido. em 1981, a Grécia, e em 1986, Espanha e Portugal. Em 1995, a chamada Europa dos Doze cresceu ainda mais, ganhando a adesão de Áustria, Finlândia e Suécia. [ 96 ] A partir de 1994, os países-membros da Comunidade Económica Europeia , que adotou então o nome de União Europeia, se integrariam para formar um mercado único, em que seriam abolidos os sistemas alfandegários e as diferentes taxas de impostos , além das restrições ao comércio , serviços e à circulação de capitais . Isso significaria, entre outras coisas, que os habitantes da União Europeia teriam trânsito livre em todos os países-membros, inclusive para trabalho . os impostos seriam aos poucos unificados e haveria livre acesso às mercadorias e serviços de todos os países-membros dentro da comunidade . [ 96 ] Desde 1995, para facilitar a circulação de pessoas por alguns países da União Europeia, entrou em vigor um acordo entre Portugal, Espanha, França, Bélgica, Países Baixos, Luxemburgo e Alemanha para eliminar as barreiras alfandegárias e a obrigação da apresentação do passaporte entre esses países . Essa área recebeu o nome de Espaço Schengen , tirado da cidade luxemburguesa onde o acordo foi assinado. [ 96 ] No sentido da integração económica/econômica, outro passo importante seria a utilização de uma moeda comum. O ECU (European Currency Unity ou Unidade Monetária Europeia) circula, desde 1993, como padrão em operações financeiras e, apesar da discordância de alguns membros, pretendeu-se que, gradualmente, ele fosse adotado nas operações cotidianas até 1999, quando o euro entrou em vigor como moeda escritural e como moeda oficial desde 2002. [ 96 ] Todos os países que integram a União Europeia apresentam economia desenvolvida, ainda que existam diferenças extraordinárias entre eles, como entre Irlanda e Alemanha , por exemplo, ou Grécia e Dinamarca . A meta, no entanto, é reduzir esses contrastes, tornando a comunidade cada vez mais homogénea/homógena/homogênea. [ 97 ] Apesar das metas em comum, há divergências entre os países-membros da União Europeia e são frequentes os atritos e necessários os ajustes para garantir a execução de tais metas. O ano de 1994 foi de provas para a integridade da União Europeia, já que ocorreram, nos países, plebiscitos para ratificar seus objetivos e confirmar ou não a adesão à União. Na Dinamarca e no Reino Unido , as opiniões estavam muito divididas, mas o apoio à comunidade prevaleceu. Na Noruega , entretanto, sua população decidiu não ingressar na União Europeia, apesar da solicitação de adesão feita anteriormente. [ 97 ] Outras organizações [ editar | editar código-fonte ] Os países europeus ocidentais estão vinculados a importantes organizações que agregam países de outros continentes, como a OTAN e a OCDE . [ 98 ] A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), criada em 1949, tem caráter militar. Além de países europeus, inclui outros dois banhados pelo oceano Atlântico Norte : Canadá e Estados Unidos . Seu objetivo fundamental é a cooperação militar e a defesa de seus membros, no caso de agressâo internacional. [ 98 ] Com o fim da Guerra Fria , o papel da OTAN tem estado em segundo plano. A aliança assumiu um caráter preponderantemente político em 1990, desenvolvendo o papel de resolver crises localizadas. Vários países do Leste Europeu solicitaram o ingresso à OTAN. [ 98 ] A OCDE ( Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico ) foi estabelecida em 1961 para promover bem-estar econômico e social entre seus membros e harmonizar a qualidade de vida nos países em desenvolvimento . Além de 18 países europeus, engloba também Austrália , Canadá, Japão , Nova Zelândia e Estados Unidos. [ 98 ] Subdivisões [ editar | editar código-fonte ] Ver também: Lista de Estados soberanos e territórios dependentes da Europa A Europa, de acordo com a definição mais aceita, é mostrada em verde (países, por vezes associados com a cultura europeia, em azul escuro, partes de estados asiáticos e europeus em azul claro) Divisão política da Europa Divisão contemporânea da Europa por regiões de acordo com as Nações Unidas (a definição da ONU para Europa Ocidental estão marcadas em azul claro):. Europa setentrional Europa ocidental Leste Europeu Europa meridional Grupos regionais de acordo com o The World Factbook União Europeia e seus países candidatos Nações do Conselho da Europa Mapa mostrandos os países membros da União Europeia e da OTAN De acordo com definições diferentes, os territórios podem ser sujeitos a várias categorizações. Os 27 Estados Membros da União Europeia são altamente integrados economicamente e politicamente, a própria União Europeia faz parte da geografia política da Europa. A tabela abaixo mostra o esquema de sub-regiões geográficas utilizado pela Organização das Nações Unidas , [ 99 ] ao lado do grupo regional publicado no CIA World Factbook . Nome do país, com a bandeira Área (km²) População (1 de Julho de 2002 est.) Densidade populacional (per km²) Capital Albânia 28 748 3 600 523 125,2 Tirana Alemanha 357 021 83 251 851 233,2 Berlim Andorra 468 68 403 146,2 Andorra-a-Velha Armênia 29 800 3 229 900 101 Erevan Áustria 83 858 8 169 929 97,4 Viena Azerbaijão 86 600 8 621 000 97 Baku Bélgica 30 510 10 274 595 336,8 Bruxelas Bielorrússia 207 600 10 335 382 49,8 Minsk Bósnia e Herzegovina 51 129 4 448 500 77,5 Sarajevo Bulgária 110 910 7 621 337 68,7 Sófia Cazaquistão 2 724 900 15 217 711 5,6 Astana Chipre 9 251 788 457 85 Nicósia Croácia 56 542 4 437 460 77,7 Zagreb Dinamarca 43 094 5 368 854 124,6 Copenhague Eslováquia 48 845 5 422 366 111,0 Bratislava Eslovênia 20 273 1 932 917 95,3 Ljubljana Espanha 504 851 45 061 274 89,3 Madrid Estónia 45 226 1 415 681 31,3 Tallinn Finlândia 336 593 5 157 537 15,3 Helsinque França 547 030 59 765 983 109,3 Paris Geórgia 69 700 4 661 473 64 Tbilisi Grécia 131 940 10 645 343 80,7 Atenas Hungria 93 030 10 075 034 108,3 Budapeste Irlanda 70 280 4 234 925 60,3 Dublin Islândia 103 000 307 261 2,7 Reykjavík Itália 301 230 58 751 711 191,6 Roma Letônia 64 589 2 366 515 36,6 Riga Liechtenstein 160 32 842 205,3 Vaduz Lituânia 65 200 3 601 138 55,2 Vilnius Luxemburgo 2 586 448 569 173,5 Luxemburgo Macedônia 25 333 2 054 800 81,1 Skopje Malta 316 397 499 1 257,9 Valletta Moldávia 33 843 4 434 547 131,0 Chişinău Mónaco 1,95 31 987 16 403,6 Mônaco Montenegro 13 812 616 258 44,6 Podgorica Noruega 324 220 4 525 116 14,0 Oslo Países Baixos 41 526 16 318 199 393,0 Amsterdã Polónia 312 685 38 625 478 123,5 Varsóvia Portugal 91 568 10 409 995 110,1 Lisboa Reino Unido 244 820 61 100 835 244,2 Londres República Checa 78 866 10 256 760 130,1 Praga Roménia 238 391 21 698 181 91,0 Bucareste Rússia 17 075 400 142 200 000 26,8 Moscou San Marino 61 27 730 454,6 San Marino Sérvia [ 100 ] (2002Census) 88 361 7 495 742 89,4 Belgrado Suécia 449 964 9 090 113 19,7 Estocolmo Suíça 41 290 7 507 000 176,8 Berna Turquia 783 562 71 517 100 93 Ancara Ucrânia 603 700 48 396 470 80,2 Kiev Vaticano 0,44 900 2 045,5 Cidade do Vaticano Total 10 180 000 731 000 000 70 Dentro dos referidos Estados existem várias regiões, desfrutando de ampla autonomia, bem como de vários países independentes de facto com reconhecimento internacional limitado ou reconhecido, nenhum deles é membro da ONU : Nome do país, com a bandeira Área (km²) População (1 de Julho de 2002 est.) Densidade populacional (per km²) Capital Abecásia 8 432 216 000 29 Sukhumi Ilhas Åland ( Finlândia ) 1 552 26 008 16,8 Mariehamn Ilhas Feroé ( Dinamarca ) 1 399 46 011 32,9 Tórshavn Gibraltar ( UK ) 5,9 27 714 4 697,3 Gibraltar Guernsey (UK) 78 64 587 828,0 St. Peter Port Ilha de Man (UK) 572 73 873 129,1 Douglas Jersey (UK) 116 89 775 773,9 Saint Helier Kosovo 10 887 2 126 708 220 Pristina Alto Carabaque 11 458 138 800 12 Stepanakert Chipre do Norte 3 355 265 100 78 Nicósia Ossétia do Sul 3 900 70 000 18 Tskhinvali Svalbard e Jan Mayen ( Noruega ) 62 049 2 868 0,046 Longyearbyen Transnístria 4 163 537 000 133 Tiraspol Regiões [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Regiões da Europa Grupos regionais de Europa De acordo com os pontos de vista espacial e económico, podemos dividir o continente em: Europa Ocidental , Europa Setentrional , Europa Centro-Oriental e Europa Meridional . Sendo: Europa Ocidental : região que abrange alguns dos chamados países atlânticos, ou seja, banhados pelo oceano Atlântico ( Reino Unido , Irlanda e França ). os que mantêm relação direta com o Atlântico através do mar do Norte : Países Baixos , Bélgica e Alemanha . e os países sem saída para o mar, mas que estão direta ou indiretamente vinculados ao Ocidente ( Áustria , Suíça , Luxemburgo e Liechtenstein ). Europa Setentrional : região que engloba a Noruega e a Suécia , localizadas na península Escandinava , além da Finlândia , Islândia e Dinamarca . abrange também a Estônia , Letônia e Lituânia , que a partir de 1990 se tornaram independentes da então União Soviética . A inclusão desses países na região justifica-se por motivos económicos e pela sua proximidade étnica e cultural com os finlandeses. Europa Centro-Oriental : É formada pelo conjunto dos antigos países socialistas do Leste - Polónia , República Checa , Eslováquia , Hungria , Roménia , Bulgária , Albânia , Sérvia , Montenegro , Kosovo , Eslovénia , Croácia , Bósnia e Herzegovina e Macedónia - e pelas repúblicas que constituíam a antiga União Soviética , em sua parte europeia: Bielorrússia , Ucrânia , Moldávia , Geórgia , Arménia , Azerbaijão e a Rússia Europeia . Europa Meridional : região que, também chamada de mediterrânea, compreende os países situados no sul do continente, quase todos banhados pelo mar Mediterrâneo: Portugal , Espanha , Itália , Grécia e Turquia europeia, além de vários micro-estados - Vaticano , San Marino , Mónaco , Malta e Andorra . Economia [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Economia da Europa As nações europeias segundo o seu PIB (nominal) per capita em 2002 Como um continente, a economia da Europa é atualmente a maior do planeta e é a região mais rica como medido por ativos sob gestão, com mais de 32,7 trilhões de dólares em relação ao 27,1 trilhões de dólares da América do Norte. [ 101 ] Tal como acontece com outros continentes, a Europa tem uma grande variação da riqueza entre os seus países. Os países mais ricos tendem a estar no Ocidente , enquanto algumas das economias do Leste ainda estão emergindo do colapso da União Soviética e da Iugoslávia . A União Europeia , um organismo intergovernamental composto por 27 estados europeus, compreende o maior espaço económico/econômico único no mundo. Atualmente, para 16 países da UE , o euro é a moeda comum. Cinco países europeus classificam-se entre as dez maiores economias nacionais do mundo por PIB (PPC) . Isso inclui (classificação de acordo com a CIA ): Alemanha (5), Reino Unido (6), Rússia (7), França (8) e Itália (10). [ 102 ] Pré-1945: crescimento industrial [ editar | editar código-fonte ] O capitalismo tem sido dominante no mundo ocidental desde o fim do feudalismo . [ 103 ] Da Grã-Bretanha, que gradualmente se espalhou pela Europa. [ 104 ] A Revolução Industrial começou na Europa, mais concretamente ao Reino Unido no final do século XVIII , [ 105 ] e no século XIX impulsionou a industrialização da Europa ocidental . Economias foram interrompidas pela Primeira Guerra Mundial , mas até o início da Segunda Guerra Mundial já tinham se recuperado e estavam tendo que competir com a crescente força económica dos Estados Unidos . A Segunda Guerra Mundial, novamente, danificados muito as indústrias europeias. 1945-1990: A Guerra Fria [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Guerra Fria Queda do Muro de Berlim em 1989 Após a Segunda Guerra Mundial , a economia do Reino Unido estava em estado de ruína, [ 106 ] e continuou a sofrer um relativo declínio econômico nas décadas seguintes. [ 107 ] A Itália também estava em má condição económica/econômica, mas recuperou um elevado nível de crescimento na década de 1950 . A Alemanha Ocidental recuperou-se rapidamente e dobrou a produção de níveis pré-guerra na década de 1950. [ 108 ] A França também organizou um retorno notável a um crescimento rápido e a modernização e, mais tarde a Espanha , sob a liderança de Franco , também recuperou-se, e a nação obteve um enorme crescimento econômico sem precedentes no início da década de 1960 , em que é chamado de milagre espanhol . [ 109 ] A maioria dos estados da Europa Oriental ficou sob o controle da URSS e, portanto, eram membros do Conselho para Assistência Econômica Mútua (COMECON). [ 110 ] Os estados que mantiveram um sistema de livre mercado foram agraciados com uma grande quantidade de ajuda dos Estados Unidos ao abrigo do Plano Marshall . [ 111 ] Os Estados ocidentais mudaram para ligar as suas economias em conjunto, fornecendo a base para a UE e o aumento do comércio transfronteiriço. Isso ajudou-os a desfrutar de uma rápida melhora de suas economias, enquanto os estados da COMECON estavam lutando em grande parte devido ao custo da Guerra Fria . Até 1990, a Comunidade Europeia foi ampliado de 6 para 12 membros fundadores. A ênfase na ressurreição da economia da Alemanha Ocidental levou a ultrapassagem do Reino Unido como a maior economia da Europa. 1991-2013: O crescimento da UE [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: União Europeia Notas do euro , a moeda da Zona Euro Com a queda do comunismo na Europa Oriental , em 1991, os estados do Leste tiveram de se adaptar a um sistema de mercado livre . Havia vários graus de sucesso com os países centro-europeus, como Polónia , Hungria e Eslovénia , que se adaptaram razoavelmente rápido, enquanto estados do Leste como a Ucrânia e a Rússia, estão levando muito mais tempo. A Europa Ocidental ajudou a Europa Oriental, formando laços ao nível da economia. Após o Leste e o Oeste da Alemanha se reunirem em 1990, a economia da Alemanha Ocidental, apoiou a reconstrução da infra-estrutura da Alemanha Oriental. A Jugoslávia mostrou um atraso maior, sendo devastada pela guerra e em 2003 ainda havia muitas tropas de paz da e da OTAN no Kosovo , na República da Macedónia , na Bósnia e Herzegovina , sendo apenas a Eslovénia que conseguiu fazer algum progresso real. Na mudança do milênio, a União Europeia dominou a economia da Europa, que inclui os cinco maiores economias europeias da época a Alemanha, Reino Unido , França , Itália e Espanha . Em 1999, 12 dos 15 membros da UE aderiram à Zona Euro substituindo suas antigas moedas nacionais pelo euro comum. Os três que optaram por permanecer fora da zona euro foram Reino Unido Dinamarca e Suécia. 2008-2009: Recessão [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Grande Recessão , PIIGS e Crise da dívida pública da Zona Euro A Zona Euro entrou em sua primeira recessão oficial no terceiro trimestre de 2008, os números oficiais confirmados em janeiro de 2009. [ 112 ] A crise econômica do final dos anos 2000 , que teve início nos Estados Unidos , propagou-se de forma rápida para a Europa e afetou grande parte da região. [ 113 ] A taxa de desemprego oficial nos 16 países que usam o euro subiu para 9,5% em maio de 2009. [ 114 ] Os jovens trabalhadores da Europa têm sido especialmente atingidos. [ 115 ] No primeiro trimestre de 2009 , a taxa de desemprego na UE-27 para pessoas entre 15-24 anos foi de 18,3%. [ 116 ] Cultura [ editar | editar código-fonte ] Camp Nou , o maior estádio de futebol do continente, em Barcelona , Espanha Ver artigo principal: Cultura europeia A cultura europeia pode ser melhor descrita como uma série de culturas sobrepostas e que envolve questões de Ocidente contra Oriente e Cristianismo contra Islão . Existem várias linhas de ruptura culturais através do continente e movimentos culturais inovadores discordam uns dos outros. De acordo com Andreas Kaplan, o continente Europeu pode ser definido como 'diversidade cultural máxima a uma distância geográfica mínima'. [ 117 ] Assim, uma 'cultura comum europeia' ou 'valores comuns europeus', é algo cuja definição é mais complexa do que parece. Desporto [ editar | editar código-fonte ] Na Europa pratica-se uma considerável quantidade de modalidades desportivas. O desporto mais popular é o futebol , representado pela UEFA . O torneio mais importante de seleções é o Campeonato Europeu de Futebol , enquanto que o de clubes é a Liga dos Campeões da UEFA . Em relação ao Campeonato do Mundo de Futebol , em dez edições países europeus sediaram o evento e cinco seleções europeias já venceram o torneio. Ver também [ editar | editar código-fonte ] Lista de países europeus por Índice de Desenvolvimento Humano Lista de países europeus por população Século Europeu Euroesfera Geopolítica da Europa Referências ↑ Encyclopædia Britannica Online Encyclopaedia 2009. « ' Europe ' » . Consultado em 21 de agosto de 2009 ↑ National Geographic Atlas of the World 7th ed. Washington, DC: National Geographic . 1999. ISBN 0-7922-7528-4 'Europe' (pp. 68-9). 'Asia' (pp. 90-1): 'A commonly accepted division between Asia and Europe ... is formed by the Ural Mountains, Ural River, Caspian Sea, Caucasus Mountains, and the Black Sea with its outlets, the Bosporus and Dardanelles.' ↑ [1] ↑ a b c d «World Population Prospects: The 2006 Revision Population Database» . UN — Department of Economic and Social Affairs . Consultado em 10 de junho de 2008 ↑ World Population Growth, 1950–2050 . Population Reference Bureau. ↑ Lewis & Wigen 1997 ↑ National Geographic, 534. ↑ Lewis, Martin W.. Wigen, Kären (1997). «The myth of continents: a critique of metageography». University of California Press. ISBN 0-520-20743-2 ↑ Jordan-Bychkov, Terry G.. Jordan, Bella Bychkova (2001). The European culture area: a systematic geography . [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 0742516288 ↑ Herodotus, 4:45 ↑ Franxman, Thomas W. (1979). Genesis and the Jewish antiquities of Flavius Josephus . [S.l.]: Pontificium Institutum Biblicum. pp. 101–102. ISBN 8876533354 ↑ Norman F. Cantor , The Civilization of the Middle Ages , 1993, ''Culture and Society in the First Europe', pp185ff. ↑ Lewis & Wigen 1997 , p. 23–25 ↑ Europe: A History, by Norman Davies, p. 8 ↑ Lewis & Wigen 1997 , p. 27–28 ↑ a b Microsoft Encarta Online Encyclopaedia 2007. « ' Europe ' » . Consultado em 27 de dezembro de 2007 . Arquivado do original em 31 de outubro de 2009 ↑ See, e.g., Merje Kuus, 'Europe's eastern expansion and the reinscription of otherness in East-Central Europe' Progress in Human Geography , Vol. 28, No. 4, 472–489 (2004), József Böröcz, 'Goodness Is Elsewhere: The Rule of European Difference' , Comparative Studies in Society and History , 110–36, 2006, or Attila Melegh, On the East-West Slope: Globalisation, nationalism, racism and discourses on Central and Eastern Europe , Budapest: Central European University Press, 2006. ↑ «About the Council of Europe» . Council of Europe . Consultado em 9 de junho de 2008 ↑ «Europe — Noun» . Princeton University . Consultado em 9 de junho de 2008 ↑ The map shows one of the most commonly accepted delineations of the geographical boundaries of Europe, as used by National Geographic and Encyclopedia Britannica . Whether countries are considered in Europe or Asia can vary in sources, for example in the classification of the World Factbook or that of the BBC . ↑ Teorias menores, tais como a de que Europa é decorrente de εὐρώς ( gen :Εὐρῶτος), ou 'molde', não são discutidas na seção ↑ εὐρύς , Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-English Lexicon , on Perseus ↑ ὤψ , Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-English Lexicon , on Perseus ↑ M. L. West (2007). Indo-European poetry and myth . Oxford [Oxfordshire]: Oxford University Press . pp. 178–179. ISBN 0-19-928075-4 ↑ «Etymonline: European» . Consultado em 10 de setembro de 2006 ↑ M. L. West (1997). The east face of Helicon: west Asiatic elements in Greek poetry and myth . Oxford: Clarendon Press. p. 451. ISBN 0-19-815221-3 ↑ Davidson, Roderic H. (1960). «Where is the Middle East?». Foreign Affairs . 38 (4): 665–675. JSTOR 20029452 . doi : 10.2307/20029452 ↑ a b c d e f Gilberto Cotrim (2007). História Global . Brasil e Geral 8ª ed. São Paulo, SP: Saraiva. 605 páginas. ISBN 978-85-02-5256-7 Verifique |isbn= ( ajuda ) ↑ «New Fossils Offer Glimpse of Human Ancestors» (em inglês). 19 de Setembro de 2008 . Consultado em 21 de outubro de 2008 ↑ a b Jaime Pinsky (1994). As primeiras civilizações . São Paulo: Atual. 98 páginas. ISBN 85-7056-532-1 ↑ «The cucuteni culture» . Consultado em 21 de outubro de 2008 ↑ «Projeto Sibéria» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «A Conquista do Novo Mundo» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «História do Império Espanhol — FCSH» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «Império Colonial Português» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «Império Inglês - História do Império Inglês» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «A Conquista das Américas» ↑ LESSA, 2005, p. 19. ↑ LESSA, 2005, p. 20. ↑ [2] ↑ «Alemanha – A Guerra dos Trinta Anos – A Paz de Vestfália» ↑ LESSA, 2005, p. 30. ↑ LESSA, 2001, p. 21. ↑ a b c d e «Revolução Francesa» (PDF) . Consultado em 21 de outubro de 2008 ↑ a b c d e f «Napoleão Bonaparte - Biografia, história, etc» . Consultado em 21 de outubro de 2008 ↑ «Ordem e desordem no mundo» . 19 de outubro de 2008 ↑ «Socialismo e Sistema Socialista» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «Unificação italiana» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «Guerra franco-prussiana» ↑ Ellen Meiksins Wood. «Imperialismo dos EUA: Hegemonia econômica e militar» (PDF) . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «O Império Otomano» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «Guerra da Crimeia» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ « século XIX » . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ «Primeira Guerra Mundial - Antecedentes» . Consultado em 19 de outubro de 2008 ↑ Business and Economics. Leading Issues in Economic Development, Oxford University Press US. ISBN 0-19-511589-9 (em inglês ) ↑ «O tratado de Versalhes e as suas consequências» ↑ «A Conferência de Yalta» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ «OTAN» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ «Pacto de Varsóvia» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ a b c d «União Europeia - O que é, países membros, mapa, etc» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ «Europa - O Conselho Europeu» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ a b «Ascensão e declínio de Superpotências» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ «Uma Europa sem fronteiras» ↑ a b «Euro - definição, saiba o que é Euro, imagem, etc» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ a b «Tratado de Lisboa» (PDF) . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ «Croácia ganha apoio para entrar na União Europeia em 2010» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ «Croácia mais perto da União Europeia» . Consultado em 25 de outubro de 2008 ↑ Strabo Geography 11.1 ↑ Falconer, William. Falconer, Thomas. Dissertation on St. Paul's Voyage , BiblioLife (BiblioBazaar), 1872. (1817.), p 50, ISBN 1-113-68809-2 “ These islands Pliny, as well as Strabo and Ptolemy, included in the African sea: ” ↑ «Relevo da Europa» . Núcleo UE Minerva . Consultado em 25 de julho de 2010 ↑ «Relevo da Europa» . Passei Web . Consultado em 25 de julho de 2010 ↑ «Fiordes da Noruega» . Destinos & Viagens . Consultado em 25 de julho de 2010 ↑ «The Volga River» (em inglês). Volga-Writer © . Consultado em 25 de julho de 2010 ↑ «Quais são os maiores lagos da Europa?» . Oragoo.net . Consultado em 25 de julho de 2010 ↑ a b «European Climate» . World Book . World Book, Inc . Consultado em 16 de junho de 2008 ↑ [3] CIA population growth rankings, CIA World Factbook ↑ Encyclopædia Britannica's Great Inventions , Encyclopædia Britannica ↑ 'Andalucía permitirá por ley la eutanasia pasiva para enfermos incurables' , 20 Minutos . 31 May 2008 ↑ 'Andalusia euthanasia law unnecessary, expert warns' , Catholic News Agency. 26 Jun 2008 ↑ Christoph Pan, Beate Sibylle Pfeil, Minderheitenrechte in Europa. Handbuch der europäischen Volksgruppen (2002). [4] , English translation 2004. ↑ «White Europeans: An endangered species?» . Yale Daily News . Consultado em 10 de junho de 2008 ↑ «Brookings Institute Report» See also: «Muslims in Europe: Country guide» . BBC news. 23 de dezembro de 2005 . Consultado em 4 de janeiro de 2010 ↑ UN predicts huge migration to rich countries . Telegraph. 15 March 2007. ↑ Russia faces demographic disaster . BBC News. 7 June 2006. ↑ No country for old men . The Guardian. 11 February 2008. ↑ ' Rich world needs more foreign workers: report ', FOXNews.com. 2 December 2008. ↑ «Europe: Population and Migration in 2005» . Migration Information Source . Consultado em 10 de junho de 2008 ↑ ' EU job centres to target Africans '. BBC News, 8 February 2007. ↑ ' 50 million invited to Europe '. Daily Express, 3 January 2009. ↑ Axtell, James (setembro–outubro de 1991), «The Columbian Mosaic in Colonial America» , Humanities , 12 (5): 12–18 , consultado em 8 de outubro de 2008 ↑ ' Indirect passage from Europe '. Journal for Maritime Research. ↑ a b c «Europe» . Encyclopædia Britannica . 2007 . Consultado em 10 de junho de 2008 ↑ Dogan, Mattei (1998). «The Decline of Traditional Values in Western Europe». Sage. International Journal of Comparative Sociology . 39 : 77–90. doi : 10.1177/002071529803900106 ↑ a b ANTUNES, Celso (1996). Geografia e participação: Europa, Ásia, África e Oceania . São Paulo: Scipione. p. 47 ↑ a b c d e f g ANTUNES, Celso (1996). Geografia e participação: Europa, Ásia, África e Oceania . São Paulo: Scipione. p. 48 ↑ a b c d ANTUNES, Celso (1996). Geografia e participação: Europa, Ásia, África e Oceania . São Paulo: Scipione. p. 49 ↑ a b ANTUNES, Celso (1996). Geografia e participação: Europa, Ásia, África e Oceania . São Paulo: Scipione. p. 50 ↑ a b c d ANTUNES, Celso (1996). Geografia e participação: Europa, Ásia, África e Oceania . São Paulo: Scipione. p. 51 ↑ «United Nations Statistics Division — Countries of Europe» . Consultado em 10 de junho de 2008 ↑ [5] ↑ [6] ↑ « The CIA World Factbook – GDP (PPP)» 🔗 . CIA . 15 de julho de 2008 . Consultado em 19 de julho de 2008 ↑ Capitalism . Encyclopædia Britannica. ↑ Scott, John (2005). Industrialism: A Dictionary of Sociology . [S.l.]: Oxford University Press ↑ Steven Kreis (11 de outubro de 2006). «The Origins of the Industrial Revolution in England» . The History Guide . Consultado em 1 de janeiro de 2007 ↑ Dornbusch, Rudiger. Nölling, Wilhelm P.. Layard, Richard G. Postwar Economic Reconstruction and Lessons for the East Today , pg. 117 ↑ Emadi-Coffin, Barbara (2002). Rethinking International Organisation: Deregulation and Global Governance . [S.l.]: Routledge. 64 páginas. ISBN 0415195403 ↑ Dornbusch, Rudiger. Nölling, Wilhelm P.. Layard, Richard G. Postwar Economic Reconstruction and Lessons for the East Today , pg. 29 ↑ Harrop, Martin. Power and Policy in Liberal Democracies , pg. 23 ↑ 'Germany (East)', Library of Congress Country Study, Appendix B: The Council for Mutual Economic Assistance ↑ «Marshall Plan» . US Department of State . Consultado em 10 de junho de 2008 ↑ EU data confirms eurozone's first recession . EUbusiness.com. 8 January 2009. ↑ Thanks to the Bank it's a crisis. in the eurozone it's a total catastrophe . Telegraph. 8 March 2009. ↑ Euro zone unemployment reaches 15 million . CBCNews.ca. 2 July 2009. ↑ Europe's New Lost Generation . Foreign Policy. 13 July 2009. ↑ Youth unemployment . Eurostat . 23-7-2009. ↑ European Management Journal, ed. (2014). «Andreas Kaplan: European Management and European Business Schools: Insights from the History of Business Schools» . Consultado em 31 de maio de 2015 Bibliografia [ editar | editar código-fonte ] ANTUNES, Celso (1991). Geografia e participação . Europa, Ásia, África e Oceania 3ª ed. São Paulo: Scipione. 160 páginas. ISBN 8526227459 AUTORES DIVERSOS (2007). Almanaque Abril 2007 33ª ed. São Paulo: Abril. 730 páginas Williams, Glyndwr (1968). The Expansion of Europe in the Eighteenth Century . Blandford Press . Londres: [s.n.] ISBN 9780713732726 Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema: Definições no Wikcionário Citações no Wikiquote Imagens e media no Commons Categoria no Commons Categoria no Wikinotícias Guia turístico no Wikivoyage Base de dados no Wikidata Commons Commons Wikiquote Wikinotícias Wikcionário Wikivoyage Conselho Europeu União Europeia Europa no The World Factbook The Columbia Gazetteer of the World Online Columbia University Press Europa v • e Europa Países Albânia • Alemanha • Andorra • Arménia • Áustria • Azerbaijão • Bélgica • Bielorrússia • Bósnia e Herzegovina • Bulgária • Cazaquistão • República Checa • Chipre • Croácia • Dinamarca • Eslováquia • Eslovénia • Espanha • Estónia • Finlândia • França • Geórgia • Grécia • Hungria • Irlanda • Islândia • Itália • Kosovo 1 • Letónia • Listenstaine • Lituânia • Luxemburgo • República da Macedónia / FYROM • Malta • Moldávia • Mónaco • Montenegro • Noruega • Países Baixos • Polónia • Portugal • Reino Unido • Roménia • Rússia • San Marino • Sérvia • Suécia • Suíça • Turquia • Ucrânia • Vaticano Territórios Dependências da Coroa e Territórios Ultramarinos Britânicos : Acrotíri e Deceleia • Gibraltar • Guernsey • Jersey • Ilha de Man Nação do Reino da Dinamarca : Ilhas Faroé Região Autónoma da Finlândia : Åland Regiões Autónomas de Portugal : Açores e Madeira Estados não reconhecidos República Turca de Chipre do Norte • Transnístria • Abecásia • Ossétia do Sul • Alto Carabaque 1 Kosovo declarou independência da Sérvia dia 17 Fevereiro 2008, ver também Reacção internacional à declaração de independência do Kosovo de 2008 . v • e Continentes do mundo África América Antártida Ásia Europa Oceania América Central América do Norte América do Sul Austrália Eurafrásia Eurásia Supercontinentes geológicos Gonduana Laurásia Pangeia Panótia Rodínia Colúmbia Kenorland Nena Sclavia Ur Vaalbara Continentes históricos Amazônia Ártica Asiamérica Atlântica Avalónia Báltica Ciméria Congo Euramérica Kalahari Cazaquistânia Laurência Norte da China Sibéria Sul China Antártica Oriental Subcontinente indiano Mauritia Continente submersos Planalto de Kerguelen Zelândia Supercontinentes hipotéticos futuros Pangeia Última Amásia Novopangaea Continentes míticos e hipotéticos do passado Atlântida Kumari Kandam Lemúria Meropis Mu Terra Australis Ver também Regiões do mundo Fragmento continental Regiões do mundo África Magrebe · Norte · Centro · Sul · Ocidente · Oriente · Subsaariana América Norte · Central ( Caribe ) · Sul ( Cone Sul ) ( Latina · Anglo ) Ásia Central · Oriente ( Extremo Oriente ) · Norte ( Sibéria ) · Sul ( Subcontinente indiano ) · Sudeste · Ocidente Europa Ocidente · Centro · Oriente · Norte · Sul Oriente Médio Península Arábica · Cáucaso · Levante · Oceania Australásia · Melanésia · Micronésia · Polinésia Polar Ártico · Antártida Oceanos Oceano global · Ártico · Atlântico · Índico · Pacífico · Antártico Veja também Continentes do Planeta v • e União Europeia Estados-membros Plenos Alemanha Áustria Bélgica Bulgária Chipre Croácia Dinamarca Eslováquia Eslovénia Espanha Estónia Finlândia França Grécia Hungria Irlanda Itália Letónia Lituânia Luxemburgo Malta Países Baixos Polónia Portugal República Checa Roménia Suécia Em processo de saída Reino Unido Em negociação Montenegro Turquia Candidatos Albânia Macedónia Sérvia História Comunidade Europeia do Carvão e do Aço Comunidade Económica Europeia Comunidade Europeia da Energia Atómica Cronologia Governação Instituições Parlamento Comissão Europeia Conselho Europeu Conselho da União Europeia Tribunal de Justiça da União Europeia ( Tribunal Geral ) Banco Central Europeu Tribunal de Contas Europeu Agências Eurojust Europol Frontex Ambiente Espacial Reconstrução Prevenção e Controlo das Doenças Serviço Europeu de Ação Externa Política Eleições Circunscrição do Parlamento Europeu Partidos Grupos políticos Integração Euroceticismo Comités Relações internacionais Parlamentares Direito Acervo comunitário Jornal Oficial Lei da Concorrência Diretivas Direitos de Autor Quatro Liberdades Económicas Procedimentos Regulação Tratados Derrogações (opt-outs) Acordo de Schengen Geografia Fronteiras Pontos extremos Cidades Áreas urbanas por população Áreas metropolitanas por população Áreas urbanas Estados-membros Regiões ultraperiféricas Economia Moedas Política Agrícola Comum Orçamento Euro Banco Central Banco de Investimento Fundo de Investimento Zona Euro Energia Desenvolvimento regional Transportes ( Galileo ) Cultura Cidadania ( Passaporte ) Demografia Carta de condução Educação Instituto da Inovação e da Tecnologia Línguas Comunicação Social Religião Desporto Biblioteca Símbolos Estatísticas Outros tópicos Conselhos Diretivas Partidos políticos Presidência NUTS Placas de identificação de veículos Forças armadas Teoria Supranacionalismo Intergovernentalismo União supranacional Variável geométrica europeia Euroesfera Categoria Portal v • e Demografia da Europa Países : Albânia • Alemanha • Andorra • Armênia • Áustria • Azerbaijão • Bélgica • Bielorrússia • Bósnia e Herzegovina • Bulgária • Cazaquistão • República Checa • Chipre • Croácia • Dinamarca • Eslováquia • Eslovênia • Espanha • Estônia • Finlândia • França • Geórgia • Grécia • Hungria • Irlanda • Islândia • Itália • Kosovo • Letônia • Liechtenstein • Lituânia • Luxemburgo • Macedônia • Malta • Moldávia • Mónaco • Montenegro • Noruega • Países Baixos • Polônia • Portugal • Reino Unido ( Escócia • Inglaterra • Irlanda do Norte • País de Gales ) • Romênia • Rússia • São Marinho • Sérvia • Suécia • Suíça • Turquia • Ucrânia • Vaticano Dependências : Åland ( Finlândia ) • Açores (exceto Flores e Corvo ) ( Portugal ) • Gibraltar ( Reino Unido ) • Gronelândia ( Dinamarca ) • Guernsey ( Reino Unido ) • Jersey ( Reino Unido ) • Ilha de Man ( Reino Unido ) • Ilhas Feroé ( Dinamarca ) v • e Missões diplomáticas da Europa Países Albânia • Alemanha • Andorra • Armênia 2 • Áustria • Azerbaijão 2 • Bélgica • Bielorrússia • Bósnia e Herzegovina • Bulgária • Cazaquistão 2 • Chipre • Croácia • Dinamarca • Eslováquia • Eslovênia • Espanha • Estônia • Finlândia • França • Geórgia 2 • Grécia • Hungria • Irlanda • Islândia • Itália • Kosovo 1 • Letônia • Liechtenstein • Lituânia • Luxemburgo • Macedônia • Malta • Moldávia • Mônaco • Montenegro • Noruega • Países Baixos • Polônia • Portugal • Reino Unido • República Checa • Romênia • Rússia 2 • San Marino • Santa Sé • Sérvia • Suécia • Suíça • Turquia • Ucrânia 1 Kosovo declarou independência da Sérvia no dia 17 de fevereiro de 2008 . 2 Nação transcontinental . Portal da Europa Portal da União Europeia oceânia: oceania Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Europa&oldid=51223007 ' Categoria : Europa Categorias ocultas: !Páginas com erros ISBN !CS1 inglês-fontes em língua (en) !Páginas que usam hiperligações mágicas ISBN !Artigos com áudio !Artigos que carecem de notas de rodapé desde janeiro de 2015 !Artigos com ligações precisando de desambiguação !Navecaixas órfãs Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikinotícias Wikiquote Wikivoyage Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Аҧсшәа Acèh Адыгабзэ Afrikaans Akan Alemannisch አማርኛ Aragonés Ænglisc العربية ܐܪܡܝܐ مصرى অসমীয়া Asturianu Авар Aymar aru Azərbaycanca تۆرکجه Башҡортса Boarisch Žemaitėška Bikol Central Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български भोजपुरी Bislama Bahasa Banjar Bamanankan বাংলা བོད་ཡིག Brezhoneg Bosanski Буряад Català Chavacano de Zamboanga Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄ Нохчийн Cebuano ᏣᎳᎩ Tsetsêhestâhese کوردی Corsu Qırımtatarca Čeština Kaszëbsczi Словѣньскъ / ⰔⰎⰑⰂⰡⰐⰠⰔⰍⰟ Чӑвашла Cymraeg Dansk Deutsch Zazaki Dolnoserbski डोटेली Eʋegbe Ελληνικά Emiliàn e rumagnòl English Esperanto Español Eesti Euskara Estremeñu فارسی Fulfulde Suomi Võro Na Vosa Vakaviti Føroyskt Français Arpetan Nordfriisk Furlan Frysk Gaeilge Gagauz 贛語 Gàidhlig Galego گیلکی Avañe'ẽ गोंयची कोंकणी / Gõychi Konknni 𐌲𐌿𐍄𐌹𐍃𐌺 ગુજરાતી Gaelg Hausa 客家語/Hak-kâ-ngî Hawaiʻi עברית हिन्दी Fiji Hindi Hrvatski Hornjoserbsce Kreyòl ayisyen Magyar Հայերեն Interlingua Bahasa Indonesia Interlingue Igbo Ilokano Ido Íslenska Italiano ᐃᓄᒃᑎᑐᑦ/inuktitut 日本語 Patois La .lojban. Basa Jawa ქართული Qaraqalpaqsha Taqbaylit Адыгэбзэ Kabɩyɛ Kongo Қазақша Kalaallisut ភាសាខ្មែរ ಕನ್ನಡ 한국어 Перем Коми Къарачай-малкъар Ripoarisch Kurdî Коми Kernowek Кыргызча Latina Ladino Lëtzebuergesch Лакку Лезги Luganda Limburgs Ligure Lumbaart Lingála ລາວ لۊری شومالی Lietuvių Latgaļu Latviešu मैथिली Basa Banyumasan Malagasy Олык марий Māori Македонски മലയാളം Монгол Молдовеняскэ मराठी Кырык мары Bahasa Melayu Malti Mirandés မြန်မာဘာသာ Эрзянь مازِرونی Dorerin Naoero Nāhuatl Napulitano Plattdüütsch Nedersaksies नेपाली नेपाल भाषा Nederlands Norsk nynorsk Norsk Novial Nouormand Sesotho sa Leboa Diné bizaad Chi-Chewa Occitan Livvinkarjala Oromoo ଓଡ଼ିଆ Ирон ਪੰਜਾਬੀ Pangasinan Kapampangan Papiamentu Picard Deitsch Pälzisch Norfuk / Pitkern Polski Piemontèis پنجابی Ποντιακά پښتو Runa Simi Rumantsch Romani Română Armãneashti Tarandíne Русский Русиньскый Kinyarwanda संस्कृतम् Саха тыла Sardu Sicilianu Scots سنڌي Davvisámegiella Sängö Srpskohrvatski / српскохрватски සිංහල Simple English Slovenčina Slovenščina Gagana Samoa ChiShona Soomaaliga Shqip Српски / srpski Sranantongo SiSwati Sesotho Seeltersk Basa Sunda Svenska Kiswahili Ślůnski தமிழ் ತುಳು తెలుగు Tetun Тоҷикӣ ไทย ትግርኛ Türkmençe Tagalog Lea faka-Tonga Tok Pisin Türkçe Xitsonga Татарча/tatarça ChiTumbuka Reo tahiti Тыва дыл Удмурт ئۇيغۇرچە / Uyghurche Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Vèneto Vepsän kel’ Tiếng Việt West-Vlams Volapük Walon Winaray Wolof 吴语 Хальмг IsiXhosa მარგალური ייִדיש Yorùbá Vahcuengh Zeêuws 中文 文言 Bân-lâm-gú 粵語 IsiZulu Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 22h29min de 7 de fevereiro de 2018. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Associa%C3%A7%C3%A3o_Internacional_dos_Trabalhadores
  Associação Internacional dos Trabalhadores – Wikipédia, a enciclopédia livre Associação Internacional dos Trabalhadores Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Anarquismo Correntes Anarquismo insurrecionário Anarquismo social História Ato de Exclusão Anarquista Batalha de Gênova Batalha de Seattle Biênio Vermelho Caso de Sacco e Vanzetti Comuna de Paris Congresso de ... Israel Itália Japão México Polônia Portugal Rússia Somália Suécia Turquia Ucrânia Vietnam Tópicos ... , cerca de 25 mil na Itália e mais de 10 mil na Alemanha (a maioria militante do Partido Social ... França , Itália e Espanha , sendo obrigados a agir em clandestinidade . Também foi notável a capacidade ... seguidores, a ela se agregaram seções na Itália , Holanda , Dinamarca e Portugal . O desenvolvimento da ... Polônia e da Itália . [ 39 ] Cada um deles apresentou informes, sobretudo de caráter organizacional CACHE

Associação Internacional dos Trabalhadores – Wikipédia, a enciclopédia livre Associação Internacional dos Trabalhadores Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Anarquismo Correntes Anarquismo insurrecionário Anarquismo social História Ato de Exclusão Anarquista Batalha de Gênova Batalha de Seattle Biênio Vermelho Caso de Sacco e Vanzetti Comuna de Paris Congresso de Amasterdã de 1907 Escola Moderna Greve Geral de 1917 Incidente Amakasu Incidente Kōtoku Insurreição anarquista de 1918 Exército Insurgente Makhnovista Internacional de Saint-Imier Internacional Negra Jornadas de Maio de 1937 Levante Zapatista Maio de 1968 Patagônia rebelde Primeira Internacional Provos Rebelião em Oaxaca Rebelião da Baixa Califórnia Revoada dos galinhas-verdes Revolta de Haymarket Revolta de Kronstadt Revolução Espanhola Revolução Mexicana Revolução Ucraniana Semana Trágica de 1909 Semana Trágica de 1919 Princípios Crítica da dominação: exploração capitalista e pré-capitalista , Estado , religião, educação e mídia , dominação de classe , imperialismo, dominações de gênero e de raça Defesa da autogestão: socialização da propriedade , autogoverno democrático , cultura autogestionária Estratégia: sujeitos revolucionários , estratégias de luta , revolução social e violência Estratégias de luta Antiorganizacionais: grupo de afinidade , insurgência , propaganda pelo ato Organizacionais: anarcossindicalismo , organização específica anarquista , municipalismo , sindicalismo revolucionário Transversais: cultura autogestionária Economia Coletivismo Comunismo Mutualismo Debates Antiorganizacionismo e organizacionismo Limites e possibilidades da cultura Mercado autogestionário ou planificação democrática Organização específica anarquista Política no local de moradia ou de trabalho Reformas e lutas de curto prazo Utilização da violência Por região África Argentina Áustria Brasil Canadá China Coreia Cuba Espanha Estados Unidos França Grécia Índia Inglaterra Irlanda Israel Itália Japão México Polônia Portugal Rússia Somália Suécia Turquia Ucrânia Vietnam Tópicos Ambientalismo Artes Capitalismo Direitos animais Educação Feminismo Individualismo Marxismo Nacionalismo Questões étnicas Religião Sindicalismo Violência Listas Biografias Anarquistas brasileiros Anarquistas portugueses Anarquistas em prisões Livros Comunidades Documentários Filmes de ficção Músicos Organizações Periódicos Relacionados Anticapitalismo Antimilitarismo Antiestadismo Autonomismo Pós-anarquismo Sindicalismo Socialismo libertário Portal • Categoria v • e Comunismo Conceitos Filosofia marxista Economia marxista Materialismo histórico Mais-valia Modo de produção Luta de classes Sociedade sem classes Internacionalismo proletário Autogestão Revolução mundial Ditadura do proletariado Aspectos História do comunismo Estado comunista Partido Comunista Revolução comunista Simbologia comunista Comunismo e religião Variantes Marxismo Leninismo Marxismo-leninismo Marxismo clássico Revisionismo Antirrevisionismo ( Stalinismo , Maoismo , Hoxhaísmo ) Trotskismo Titoísmo Luxemburguismo Castrismo Guevarismo Juche Brejnevismo Sandinismo Esquerda comunista Comunismo de conselhos Eurocomunismo Anarcocomunismo Comunismo cristão Comunismo primitivo Comunismo científico Internacionais Internacional Comunista Primeira Internacional Segunda Internacional Terceira Internacional Quarta Internacional Liga Comunista Personalidades Josef Stalin Gracchus Babeuf Karl Marx Friedrich Engels Piotr Kropotkin Rosa Luxemburgo Karl Liebknecht Antonio Gramsci Vladimir Lenine Leon Trotsky José Estaline Mao Tsé-Tung Deng Xiaoping Ho Chi Minh Josip Broz Tito Fidel Castro Che Guevara Álvaro Cunhal Amílcar Cabral Luís Carlos Prestes Tópicos relacionados Anticapitalismo Anticomunismo Guerra Fria Comunitarismo Ditadura do proletariado Economia planificada Esquerda política Nova Esquerda Socialismo ( economia ) Terminologia soviética Simbologia comunista ( Foice e martelo • Trabalhadores do mundo, uni-vos! ) Comunismo no Brasil Portal Comunismo v • e Parte da série sobre política Partido político Espectro político extrema-esquerda / esquerda radical · esquerda · centro-esquerda · centro · centro-direita · direita · extrema-direita/direita radical Plataforma eleitoral extremismo · reformismo · sincretismo · conservadorismo · reacionarismo · fundamentalismo Sistema partidário partido dominante · multi-partidário · antipartidário · unipartidário · bipartidário · coligação Correntes Partido Comunista · Partido Humanista · Partido Pirata · Partido Trabalhista · Partidos Verdes Listas Ideologias · Partidos por país · Geoesquema da ONU Portal da Política v • e Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT) , também conhecida como Primeira Internacional ou simplesmente Internacional , foi uma organização internacional fundada em setembro de 1864. Foi a primeira organização operária a superar fronteiras nacionais, [ 1 ] reunindo membros de todos os países da Europa e também dos Estados Unidos . A organização abrigou, em seu seio, trabalhadores das mais diversas correntes ideológicas de esquerda : de comunistas marxistas até anarquistas bakuninistas e proudhonianos , além de sindicalistas , reformistas , blanquistas , owenistas , lassalianos , republicanos e democratas radicais e cooperativistas . [ 1 ] [ 2 ] Ao longo de sua existência, a Internacional ajudou o desenvolvimento do movimento operário europeu, apoiando greves , sindicatos e sociedades de resistência, [ 3 ] além de ter declarado oposição à Guerra Franco-Prussiana [ 4 ] e ter prestado apoio à Comuna de Paris , da qual muitos de seus membros participaram. [ 1 ] A organização também declarou apoio à União na Guerra de Secessão [ 5 ] [ 6 ] e ao movimento feniano na Irlanda . [ 7 ] A Internacional realizou, entre 1866 e 1872 , cinco congressos gerais, onde foram discutidas questões de interesse da classe trabalhadora como as condições de trabalho do proletariado da época, as relações de trabalho , a função e importância dos sindicatos, a coletivização da terra e dos meios de produção , entre outras. Nesses congressos, foram aprovadas diversas resoluções, como a promoção da solidariedade e colaboração entre os operários de toda a Europa em suas lutas, a promoção do trabalho cooperativo , a redução da jornada de trabalho para oito horas e melhores condições de trabalho, sobretudo para mulheres e crianças. [ 1 ] É estimado que em seu período de maior afirmação, entre 1870 e 1872, o número de adesões à Internacional tenha superado os 150 mil membros. [ 8 ] A Internacional originalmente funcionava sobre uma base federativa , na qual era concedida grande autonomia às federações e seções locais. [ 9 ] A organização era dirigida por um Conselho Geral, que tinha Karl Marx como um de seus dirigentes. [ 10 ] O Conselho Geral era composto por membros de diversos países [ 11 ] e constituía um órgão de síntese política das diversas tendências internas da organização, [ 12 ] e além do tratamento de assuntos internos, como questões financeiras e correspondência, funcionava como uma agência internacional entre os diferentes grupos nacionais e locais da associação, para manter os operários de um país constantemente informados dos movimentos da sua classe em todos os outros países, também intervindo em eventuais conflitos internos. [ 11 ] O Conselho Geral também discutia questões a serem abordadas nos congressos gerais e se ocupava da elaboração dos documentos da Internacional. [ 13 ] A organização dividiu-se em 1872, após a realização do congresso de Haia , que estabeleceu a conquista do poder político como uma meta a ser alcançada pelo movimento operário [ 14 ] e conferiu poderes mais amplos ao Conselho Geral, [ 15 ] que expulsou Bakunin e seus seguidores da organização, [ 16 ] que então formaram a Internacional de Saint-Imier , que reuniu além dos anarquistas, todos os demais opositores da linha política do Conselho Geral. [ 17 ] Após a cisão, o Conselho Geral foi transferido para Nova Iorque e a organização foi dissolvida em 1876 , em uma conferência de delegados na Filadélfia , enquanto a Internacional de Saint-Imier realizou seu último congresso em 1877 , em Verviers . Índice 1 Estrutura da organização 2 Número de membros 3 Enquadramento econômico dos associados 4 História 4.1 Origens 4.2 Fundação 4.3 Primeiras adesões 4.4 Congresso de Genebra de 1866 4.5 Greves e expansão 4.6 Congresso de Lausanne de 1867 4.7 Congresso de Bruxelas de 1868 4.8 Congresso da Basileia de 1869 4.8.1 Divergências entre Marx e Bakunin 4.9 Desenvolvimento da organização na Europa e oposição à Guerra-Franco Prussiana 4.10 A Internacional e a Comuna de Paris 4.11 Cisão e crise 4.11.1 Congresso de Haia de 1872 4.11.2 A Internacional centralista 4.11.3 A Internacional autonomista 5 Legado 6 Ver também 7 Referências 8 Ligações externas Estrutura da organização [ editar | editar código-fonte ] A Associação Internacional dos Trabalhadores era dirigida por um Conselho Geral, formado a partir de um comitê provisório estabelecido na fundação da organização. O Conselho Geral era composto por operários e intelectuais de diversos países e teve como um de seus principais membros Karl Marx , [ 18 ] que redigiu os estatutos gerais da organização. O Conselho Geral era sediado em Londres e constituía o órgão de síntese política da organização e do qual se emanavam as linhas diretivas da organização. De outubro de 1864 a agosto de 1872 , o Conselho Geral se reuniu, com grande regularidade, por 385 vezes. nessas reuniões eram discutidas questões como as condições de trabalho dos operários, os efeitos da introdução da maquinaria , as greves que deveriam ser apoiadas, o papel e a importância dos sindicatos e a questão de como construir a 'sociedade do futuro'. Segundo os estatutos da Internacional, o Conselho Geral funcionaria como uma agência internacional entre os diferentes grupos nacionais e locais da AIT, de tal modo que os operários de um país estejam constantemente informados dos movimentos da sua classe em todos os outros países. seria o responsável pela realização anual de um congresso geral de trabalhadores composto por delegados dos ramos da AIT, em que seriam discutidas as aspirações comuns da classe operária e se tomariam as medidas requeridas para o funcionamento bem sucedido das resoluções de cada congresso e, que 'uma vez que o sucesso do movimento dos operários em cada país não poderá ser assegurado a não ser pelo poder da união e da combinação', os membros da AIT empregariam esforços para combinar as sociedades de operários desconexas dos seus respectivos países em corpos nacionais, representados por órgãos nacionais centrais. [ 11 ] O Conselho Geral também foi o organismo que se ocupou da elaboração dos documentos da Internacional. Circulares, cartas e resoluções foram os meios frequentemente empregados, enquanto manifestos, mensagens e apelos foram documentos exepcionais, utilizados em circustâncias particulares. [ 13 ] A Internacional, em cada país, era formada por pelo menos um ramo ou federação, que por sua vez, era composta por diversas seções independentes entre si. A organização funcionava originalmente sobre uma base federativa na qual era concedida grande autonomia às federações, ramos e seções locais. [ 9 ] Os ramos ou federações deveriam aglutinar as diversas seções da Internacional ao redor de seus respectivos países, a fim de garantir melhor organização e unidade. porém, tal regra, de acordo com os estatutos da associação, dependeria 'das leis peculiares de cada país e que, à parte os obstáculos legais, nenhuma sociedade local independente será impedida de se corresponder directamente com o Conselho Geral'. [ 11 ] Cada seção tinha o direito de nomear o seu próprio secretário correspondente com o Conselho Geral e cada ramo da organização seria responsável pela idoneidade dos membros que admite. [ 11 ] Entretanto, no caso de disputas e conflitos internos, o Conselho Geral poderia intervir. [ 11 ] Alguns países, como a Suíça , possuíam mais de uma federação, por conta de conflitos internos. No caso da Suíça, havia a Federação Romanda, ligada ao Conselho Geral, e a Federação do Jura , ligada a Mikhail Bakunin e seus seguidores, opositores do Conselho Geral. [ 19 ] Na realização do Congresso de Haia em 1872, foi aprovada uma resolução que conferia poderes mais amplos ao Conselho Geral, que a partir daquele momento, tinha a tarefa de garantir em cada país a 'rígida observação dos princípios, estatutos e regras da Internacional', e a ele se atribuía 'o direito de suspender ramos, seções, conselhos ou comitês federais e federações da Internacional'. [ 15 ] Tal resolução, que resultou na expulsão dos anarquistas da Internacional, assim como a mudança do Conselho Geral de Londres para Nova Iorque, foram os principais motivos para a cisão da Internacional. Número de membros [ editar | editar código-fonte ] Ficha de filiação à Associação Internacional dos Trabalhadores. Tanto no curso de sua existência como nas décadas sucessivas, a Internacional foi representada como uma organização vasta e financeiramente poderosa. O número de seus membros sempre foi superestimado: o promotor público que, em junho de 1870 , processou alguns dos dirigentes franceses da Internacional, declarou que a organização possuía mais de 800 mil membros na Europa. [ 20 ] um ano mais tarde, após a derrota da Comuna de Paris , o jornal The Times afirmou que esse número era de 2,5 milhões. ao passo que seu principal estudioso à época, Oscar Testut, chegou mesmo a especular que em torno de 5 milhões de membros faziam parte da associação. [ 21 ] Uma estimativa, ainda que apenas aproximada, da consistência efetiva da Internacional foi sempre uma questão complexa, tanto para seus dirigentes como para seus estudiosos, pois apenas uma parte mínima das organizações integradas à Internacional (como os sindicatos ingleses e partidos alemães) possuía um registro exato dos próprios inscritos, além de a maior parte dos trabalhadores ter ingressado na AIT não por meio de inscrições individuais mas sobretudo mediante adesões de associações coletivas (como por exemplo, as sociedades de resistência), tornando quase impossível uma contagem precisa de seus membros, além do fato de que em diversos países a Internacional foi ilegal por alguns anos, e a clandestinidade dos membros não permite avaliar acuradamente seu número. [ 22 ] Porém com bases em pesquisas realizadas, historiadores especulam que durante o seu período de maior afirmação (entre 1871 e 1872 ), o número máximo de adesões tenha superado 150 mil, mas especificamente 50 mil na Inglaterra , mais de 30 mil na França e na Bélgica , 6 mil na Suíça , cerca de 30 mil na Espanha , cerca de 25 mil na Itália e mais de 10 mil na Alemanha (a maioria militante do Partido Social-Democrata dos Trabalhadores da Alemanha ), mais alguns milhares dispersos em outros países europeus e cerca de 4 mil nos Estados Unidos . [ 8 ] Contudo, analisando o contexto da época e levando em consideração a existência de pouquíssimas organizações efetivas da classe trabalhadora, essas cifras podem ser avaliadas como extremamente relevantes. Além disso, é importante levar em conta que excetuando-se a Inglaterra , Suíça , Bélgica e Estados Unidos , a Internacional era considerada uma organização ilegal na maior parte da Europa, inclusive em países onde teve uma presença consistente, como na França , Itália e Espanha , sendo obrigados a agir em clandestinidade . Também foi notável a capacidade agregadora da organização: depois de apenas dois anos de vida, havia conseguido federar centenas de sociedades operárias, [ 23 ] e a partir de 1868 , graças à propaganda de Mikhail Bakunin e seus seguidores, a ela se agregaram seções na Itália , Holanda , Dinamarca e Portugal . O desenvolvimento da Internacional foi muito irregular. enquanto crescia em alguns países, em outros mantinha-se estável ou regredia sob repressão . [ 24 ] Em relação à totalidade dos trabalhadores da época, porém, os membros da Internacional foram uma parcela reduzida da classe operária. Em Paris , por exemplo, o número de membros jamais ultrapassou 10 mil, e em grandes cidades como Roma , Viena e Berlim seu número foi ainda mais exíguo. A qualificação dos operários que aderiram à Internacional constitui outra prova evidente de seus limites: ela deveria ser a organização dos operários assalariados, mas apenas um número muito exíguo destes tornou-se membro. O principal influxo veio do setor da construção, na Inglaterra , da indústria têxtil , na Bélgica , e de vários tipos de artesãos , na França e Suíça . [ 23 ] Enquadramento econômico dos associados [ editar | editar código-fonte ] Na Inglaterra , com a exceção dos operários siderúrgicos , a força da Internacional entre os trabalhadores da indústria sempre foi limitada, [ 25 ] e estes jamais se tornaram a maioria da associação, mesmo após a expansão da organização nos países da Europa meridional . Outra grande limitação da Internacional foi a de não ter conseguido abarcar os trabalhadores não qualificados, [ 26 ] embora esforços nessas direções tenham sido realizados desde a preparação para o primeiro congresso da organização. Além disso, a Internacional permaneceu sempre uma organização formada exclusivamente por trabalhadores ocupados, e os desempregados jamais fizeram parte dela, e seus dirigentes, salvo algumas exceções, eram, em maioria, artesãos ou intelectuais . [ 27 ] A situação financeira da Internacional era cronicamente instável. [ 28 ] [ 27 ] A taxa de inscrição individual era de um xelim , enquanto cada um dos sindicatos devia contribuir, como sujeito coletivo, com três pence por membro. Em muitos países, no entanto, os filiados individuais foram sempre poucos e, na Inglaterra , as contribuições devidas pelos sindicatos foram, constantemente, tão incertas e limitadas que o Conselho Geral acabou por liberar estes últimos para contribuírem com o que podiam. As somas recolhidas pela organização jamais superaram poucas de libras esterlinas anuais, [ 29 ] que mal bastavam para pagar o salário de quatro xelins por semana do secretário geral e o aluguel da sede. História [ editar | editar código-fonte ] Origens [ editar | editar código-fonte ] Em 1862 , dois anos antes da fundação da Associação Internacional dos Trabalhadores, ocorria na Inglaterra a Exposição Internacional de Londres . Na ocasião, foi enviada uma delegação custeada pelo governo da França , composta por duzentos operários franceses, para estudar a exposição e redigir relatórios técnicos. [ 1 ] [ 30 ] Em uma grande festa ocorrida no dia 5 de agosto de 1862, oferecida pelos representantes dos sindicatos ingleses para os trabalhadores franceses, os ingleses leram um manifesto em que expressavam o desejo de uma aproximação entre os operários das diferentes nações, que os franceses responderam propondo que fossem estabelecidos comitês operários para a troca de correspondência sobre as questões internacionais que afetavam a indústria. [ 30 ] Já em julho de 1863 , na ocasião da insurreição polonesa contra o Império Russo , os operários ingleses organizaram um comício no St. James's Hall em solidariedade ao povo da Polônia e convidaram os parisienses para enviarem seus delegados. [ 30 ] Na ocasião foram discutidos temas que julgavam de fundamental importância para o movimento operário [ 31 ] O texto preparatório do encontro, escrito pelo dirigente sindical e futuro presidente da Internacional George Odger , mais tarde publicado no biebdomadário inglês The Bee-Hive com o título Address of English to French Workmen ( Mensagem dos trabalhadores ingleses aos trabalhadores franceses ), declarava: “ A fraternidade entre os povos é altamente necessária para a causa do trabalho, pois constatamos que sempre que tentamos melhorar nossa condição social por meio da redução das horas de trabalho, ou pelo aumento dos salários, nossos empregadores ameaçam trazer franceses, alemães, belgas e outros para realizarem nosso trabalho por salário mais baixos. E lamentamos dizer que isso tem ocorrido, embora não em razão de um desejo de nos prejudicar da parte de nossos irmãos do continente, mas pela falta de uma comunicação regular e sistemática entre as classes trabalhadoras de todos os países. Nosso objetivo é elevar os salários dos operários pior remunerados, e não permitir que nossos empregadores nos joguem uns contra os outros e nos empurrem, assim, para a condição mais baixa possível, adequada a sua busca avarenta pelo lucro. ” Foi proposta, então, a criação de um fórum internacional de discussão no qual pudessem, ser examinados, os principais problemas relacionados aos trabalhadores sob uma ideologia inicialmente marcada por lemas gerais de caráter ético - humanitário , tais como a fraternidade entre os povos e a paz mundial . [ 31 ] Dessa ideia, surgiria, no ano seguinte, a Associação Internacional dos Trabalhadores. Fundação [ editar | editar código-fonte ] Reunião da fundação da Associação Internacional dos Trabalhadores em 28 de Setembro de 1864 . A Associação Internacional dos Trabalhadores foi fundada no dia 28 de setembro de 1864 , em uma reunião no salão do St. Martin's Hall, em Londres . Na ocasião, encontravam-se, ali, cerca de 2 mil trabalhadores, [ 31 ] além de delegados de organizações operárias inglesas, francesas, italianas, alemãs, suíças e polonesas. A proposta de criação de uma associação internacional de trabalhadores veio dos delegados franceses Henri Tolain , Joseph Étienne Perrachon e Charles Limousin, que foi calorosamente aplaudida por todos os presentes no St. Martin's Hall, [ 30 ] sendo aprovada por unanimidade. Foi estabelecido um comitê provisório formado por 27 trabalhadores ingleses, 9 franceses, 9 alemães, 6 italianos, 2 suíços e 2 poloneses. [ 32 ] O comitê recebeu a ordem de preparar um projeto de estatutos e de convocar um congresso operário para 1865. [ 30 ] O comitê provisório logo se constituiu no órgão dirigente da associação, o Conselho Geral. [ 10 ] e o congresso que originalmente seria marcado para 1865 foi realizado somente em 1866, na cidade de Genebra , pois o Conselho Geral reconheceu que a convocação de um congresso ainda não se fazia possível, sendo marcada para 1865 apenas uma conferência em Londres para discutir questões organizacionais da associação. [ 30 ] Karl Marx . Entre os membros do comitê eleito estavam o judeu italiano Luigi Wolff , o francês Victor Le Lubez, os ingleses William Randal Cremer e John Weston, e o alemão Karl Marx , [ 30 ] que embora não tivesse se pronunciado durante a reunião no St. Martin's Hall, [ 33 ] viria a ter um papel fundamental na organização. [ 18 ] Marx foi incumbido de redigir a mensagem inaugural da AIT e seus estatutos gerais por ser o único membro do comitê capaz de se exprimir em francês, alemão e inglês. [ 34 ] Os estatutos escritos por Marx foram ratificados pelo então comitê provisório por unanimidade em 1 de novembro de 1864 [ 10 ] e depois aprovados no congresso de Genebra, dois anos depois. [ 35 ] As organizações operárias que fundaram a Internacional eram muito distintas entre si. O centro motor foi o sindicalismo inglês, e seus dirigentes eram em maioria reformistas, interessavam-se sobretudo por questões de caráter econômico, lutando pela melhoria de condições dos trabalhadores mas sem colocar o capitalismo em discussão. Viam a Internacional como um instrumento favorável a seu objetivo, impedindo a importação de mão de obra estrangeira durante as greves. Outro ramo significativo da organização, inicialmente dominante na França e na Bélgica foi o dos proudhonistas. Seguidores de Pierre-Joseph Proudhon , eram defensores de um sistema cooperativo sobre uma base federalista, não acreditavam na ação política das classes operárias e acreditavam ser possível modificar o capitalismo mediante o acesso igualitário ao credito. Havia também os comunistas, representados por Karl Marx , ativos principalmente na Alemanha , em algumas cidades suíças e em Londres , os comunistas se opunham ao sistema de produção capitalista, reivindicando a necessidade da ação política para sua derrubada. Também havia na AIT à época de sua fundação componentes sem qualquer tradição socialista e inspirados por concepções vagamente democráticas, como alguns grupos de exilados de países do Leste Europeu e os italianos seguidores de Giuseppe Mazzini . Completando o quadro da organização, havia vários grupos de trabalhadores franceses, belgas e suíços que aderiram à Internacional trazendo consigo as mais diversas teorias, muitas vezes confusas e baseadas no socialismo utópico de Saint-Simon e Robert Owen , além dos lassalianos da Associação Geral dos Trabalhadores Alemães, partido que ostentava nítida posição antissindical e concebia a ação política exclusivamente nos estreitos limites nacionais. [ 2 ] Construir uma base geral e saber efetuar a síntese política de uma organização tão ampla e heterogênea, não obstante sua forma federativa, apresentou-se uma tarefa árdua. Em relação a isso, foi inegável o papel de Karl Marx ao conciliar os interesses de todos esses grupos heterogêneos, [ 30 ] [ 36 ] garantindo que fosse uma organização firmemente classista e que ambicionava ser de massas e não sectária. [ 37 ] Na redação dos estatutos gerais da AIT, Marx valorizou as melhores ideias dos vários componentes da organização, ao mesmo tempo que eliminou inclinações corporativas e acentos sectários, [ 37 ] tornando-a um órgão de síntese política de todas as tendências presentes nos diversos contextos nacionais. [ 38 ] Primeiras adesões [ editar | editar código-fonte ] No curso de seu primeiro ano em atividade, o Conselho Geral realizou uma intensa atividade de divulgação dos princípios da associação, o que ajudou a ampliar seu horizonte para além de questões puramente econômicas, como demonstra a presença da Internacional entre as organizações que participaram da Reform League , um movimento pela reforma eleitoral surgido em fevereiro de 1865. [ 39 ] A Inglaterra foi o primeiro país em que foram apresentados pedidos de adesão à Internacional. [ 12 ] Em fevereiro de 1865, se filiaram à organização 4 mil membros da Sociedade Sindical dos Pedreiros ( Operative Society of Bricklayers ) e pouco depois, seguiram-se grupos de trabalhadores da construção civil e sapateiros . [ 12 ] Na França , a presença da Internacional começou a tomar forma em janeiro de 1865, com a fundação de sua primeira seção em Paris . [ 39 ] Logo foram fundadas outras seções em Lion e Caen . [ 39 ] Porém, a força da organização em seus primeiros anos na França foi limitada, e muitas outras organizações operárias francesas tiveram uma consistência numérica superior. [ 39 ] Apesar das limitações, os franceses, em grande parte seguidores das ideias mutualistas de Proudhon , consolidaram-se como um dos grupos mais consistentes da Internacional durante a primeira conferência da organização, realizada entre 25 e 29 de setembro de 1865 em Londres , [ 39 ] que contou com a presença de 30 delegados provenientes da Inglaterra, da França, da Suíça e da Bélgica , além de alguns representantes da Polônia e da Itália . [ 39 ] Cada um deles apresentou informes, sobretudo de caráter organizacional, sobre os primeiros movimentos da Internacional em seus respectivos países. Durante essa conferência foi ainda agendado o primeiro Congresso Geral, que teria lugar no ano seguinte. [ 39 ] No período entre essas duas reuniões, a Internacional continuou a expandir-se na Europa , construindo seus primeiros núcleos importantes na Bélgica e na Suíça romanda . [ 39 ] As chamadas leis prussianas de associação ( Kombinationsgesetze ), que impediam os grupos políticos alemães de estabelecer relações estruturais com organizações de outros países, não permitiam que fossem abertas seções da Internacional na Confederação Alemã . [ 39 ] A Associação Geral dos Trabalhadores Alemães , primeiro partido operário da história, fundado em 1863 por Ferdinand Lassalle , que à época contava com 5 mil membros e era liderada por Johann Baptist von Schweitzer , [ 39 ] desinteressou-se pela Internacional nos primeiros anos de sua existência e seguia uma linha de diálogo com Otto von Bismarck , reunindo-se diversas vezes com o líder alemão para explorar possibilidades de cooperação, tendo em vista que tanto os líderes da Associação Geral dos Trabalhadores Alemães quanto Otto von Bismarck compartilhavam de posições contrárias ao liberalismo . Schweitzer chegou mesmo a publicar artigos avaliando positivamente as políticas de Bismarck. [ 39 ] Essa mesma postura de diálogo foi compartilhada por Wilhelm Liebknecht , apesar de sua grande proximidade política com Marx. [ 39 ] Johann Philipp Becker , um dos principais líderes da Internacional na Suíça, tentou contornar essas dificuldades por meio da criação do Grupo de Seções de Língua Alemã, baseado em Genebra e que por um bom tempo foi o único organizador dos núcleos da Internacional na Confederação Alemã. [ 39 ] A obtenção de resultados positivos para a organização foi altamente favorecida pela difusão de jornais que simpatizavam com as ideias da Internacional ou que eram verdadeiros órgãos do Conselho Geral, que contribuíram para o desenvolvimento da consciência de classe e para a rápida circulação de notícias relativas às atividades da Internacional. [ 39 ] Dentre os periódicos surgidos nos primeiros anos da existência da organização, destacam-se os biebdomadários publicados em Londres The Bee-Hive e The Commonwealth . o hebdomadário de língua francesa Le Courrier International , também publicado em Londres. o La Tribune du Peuple , órgão oficial da Internacional na Bélgica. o Journal de l'Association Internationale des Travailleurs , órgão da seção na Suíça romanda. o Le Courrier Français , hebdomadário proudhoniano publicado em Paris. e o Der Vorbote , publicado em Genebra, dirigido por Becker. [ 40 ] A atividade do Conselho Geral em Londres foi decisiva para o reforço da Internacional: em 1866, com seu apoio aos grevistas dos Alfaiates Unificados de Londres ( London Amalgamated Tailors ), a organização contribuiu, pela primeira vez ativamente, para uma luta operária. [ 39 ] Em seguida à vitória desses trabalhadores, cinco pequenas sociedades de alfaiates, com cerca de quinhentos trabalhadores cada, decidiram-se filiar-se à Internacional. [ 39 ] O resultado positivo de outras disputas atraiu diversos sindicatos menores, tanto que, quando de seu primeiro congresso, as organizações sindicais filiadas eram já dezessete, para um total de mais de 25 mil membros. [ 39 ] A Internacional foi a primeira associação a ser bem-sucedida na tarefa de alistar organizações sindicais em suas fileiras. [ 41 ] Congresso de Genebra de 1866 [ editar | editar código-fonte ] Entre 3 e 8 de setembro de 1866, a cidade de Genebra sediou o primeiro congresso da Internacional, no qual estiveram presentes 60 delegados, provenientes da Inglaterra, França, Alemanha e Suíça. [ 42 ] Naquele momento, a associação pôde fazer um balanço favorável, tendo em apenas dois anos depois de sua fundação acolhido mais de uma centena de sindicatos e organizações políticas. [ 42 ] Os participantes desse congresso se dividiram substancialmente em dois blocos: o primeiro era composto pelos delegados ingleses, alemães e pela maior parte dos suíços e seguia as diretivas do Comitê Central redigidas por Marx, ausente em Genebra. do segundo faziam parte os franceses e uma parte dos suíços, sendo mutualistas seguidores das ideias de Proudhon e liderados por Henri Tolain . Este último grupo via na concessão de crédito gratuito uma medida determinante para transformar a sociedade e rejeitava qualquer interferência do Estado em matéria de relações de trabalho, pois acreditava que isso reforçaria o sistema vigente ao criar mais atritos entre patrões e operários. [ 42 ] Baseando-se nas resoluções preparadas por Marx, os dirigentes do Comitê Central presentes no congresso conseguiram suplantar o grupo numericamente forte dos mutualistas, obtendo resultados favoráveis à intervenção do Estado nas relações de trabalho, com reivindicações reformistas como a redução legal da jornada de trabalho para oito horas. [ 42 ] No congresso de Genebra, apesar da oposição dos mutualistas, dos lassalianos e de alguns seguidores de Robert Owen , também foi reconhecida a função fundamental dos sindicatos , [ 42 ] por constituírem eficientes centros de organização e luta da classe trabalhadora, além de 'agentes organizados para a superação do sistema de trabalho assalariado e domínio do capital'. [ 43 ] Greves e expansão [ editar | editar código-fonte ] A partir do fim de 1866, as greves se intensificaram em muitos países europeus. Embora alguns governos da época atribuíssem a responsabilidade das greves à propaganda da Internacional, a maior parte dos operários que delas participavam nem sequer sabia de existência da Internacional, sendo os protestos motivados pelas precárias condições de trabalho e de vida a que estavam submetidos. [ 44 ] Essas mobilizações representaram o primeiro momento de confluência e coordenação com a Internacional, que as apoiou com proclamações e apelos de solidariedade, organizou coletas de dinheiro em favor dos grevistas e promoveu encontros para bloquear as tentativas dos patrões de enfraquecer a resistência dos trabalhadores. [ 44 ] Foi em decorrência do papel concreto desempenhado nesse período de greves e lutas do movimento operário que os trabalhadores começaram a reconhecer a Internacional como lugar de defesa de seus interesses comuns e a solicitar sua filiação. [ 45 ] A primeira grande luta vencida com seu apoio foi a dos bronzistas de Paris , cuja greve durou de fevereiro a março de 1867. [ 44 ] Também obtiveram resultado vitorioso as greves dos ferreiros de Marchienne , em fevereiro de 1867. dos mineradores da Provence , de abril de 1867 a fevereiro de 1868. dos carvoeiros de Charleroi e dos pedreiros de Genebra , ambas na primavera de 1868. [ 44 ] Em cada um desses acontecimentos, houve coleta de dinheiro em apoio aos grevistas da parte dos trabalhadores de outros países, que também se comprometiam a não aceitar qualquer trabalho como substitutos de grevistas, [ 44 ] forçando assim os patrões a buscar um compromisso e a aceitar muitas das reivindicações dos operários. Logo após o sucesso dessas lutas, centenas de novos trabalhadores aderiram à Internacional nas cidades onde haviam ocorrido as greves. [ 44 ] Apesar das dificuldades derivadas da heterogeneidade dos países, línguas e culturas políticas, a Internacional conseguiu reunir e coordenar muitas organizações e lutas nascidas espontaneamente, indicando a necessidade da solidariedade de classe e da cooperação internacional, superando o caráter parcial dos objetivos e das estratégias do movimento operário. [ 44 ] A partir de 1867, reforçada pelo sucesso na obtenção de resultados positivos para o movimento operário, pelo aumento no número de militantes e por uma eficiente estrutura organizacional, a Internacional avançou em toda a Europa , sobretudo na França, onde a greve dos bronzistas parisienses teve grande impacto, chegando a atingir mil associados em Paris e superando os quinhentos em Lion e Viena , além da abertura de sete novas seções, uma das quais na Argélia , embora contando apenas com operários franceses. [ 44 ] As adesões multiplicaram-se também na Bélgica , em decorrência das greves, e na Suíça , onde ligas operárias, cooperativas e sociedades políticas aderiram com entusiasmo à Internacional. [ 44 ] Apesar do crescimento da organização em toda a Europa, a Inglaterra continuou a ser o país onde a Internacional conquistara maior presença. [ 44 ] No decorrer de 1867, a filiação de outra dezena de organizações elevou o número de seus membros para 50 mil, cifra impressionante para a época, quando o total de trabalhadores ingleses sindicalizados era cerca de 800 mil. [ 46 ] Essa cifra também corresponde ao mais elevado número de inscritos já atingido pela Internacional em termos absolutos, ainda que não em proporção à totalidade da população, em um único país. [ 44 ] Todavia, os anos posteriores da organização na Inglaterra foram marcados por alguma estagnação, pois a Internacional não conseguiu atrair os operários da indústria e os trabalhadores não especializados, à exceção dos escavadores, que aderiram à organização logo após a greve de 1866. [ 47 ] Contribuiu também para a estagnação da Internacional na Inglaterra o processo de institucionalização do movimento operário resultante do Reform Act , na sequência da batalha travada pela Reform League , a qual alargou o direito ao voto a mais de um milhão de trabalhadores ingleses. [ 47 ] Desse momento em diante, os governantes do país privilegiaram um caminho reformista , enquanto os trabalhadores ingleses começaram a sentir-se parte integrante da sociedade e passaram suas forças do conflito social para a mudança pacífica. [ 48 ] Nos outros países europeus, porém, a situação era totalmente distinta. Na Confederação Alemã, a contratação coletiva era quase inexistente. na Bélgica, as greves eram violentamente reprimidas pelo governo. na Suíça, as greves não eram também toleradas. e na França, embora a greve tivesse sido declarada legal em 1864, as primeiras organizações sindicais operavam sob severas restrições. [ 47 ] Congresso de Lausanne de 1867 [ editar | editar código-fonte ] O segundo congresso da Internacional foi realizado em Lausanne , entre 2 e 8 de setembro de 1867, recebendo 64 delegados provenientes da Inglaterra , França , Suíça , Alemanha , Bélgica e Itália . [ 49 ] Entre eles, houve uma presença significativa dos mutualistas, que impuseram à agenda do congresso temas tipicamente proudhonianos, como a discussão sobre o movimento cooperativo e o uso alternativo do crédito. [ 49 ] Entre outras questões discutidas, estava uma relativa à guerra e ao militarismo . [ 49 ] No curso dos debates, o delegado de Bruxelas , César de Paepe , um dos mais ativos militantes e teóricos da Internacional, formulou pela primeira vez a ideia segundo a qual as guerras são inevitáveis num regime de produção capitalista , ao afirmar que 'enquanto houver os princípios de nacionalidade e patriotismo continuará a haver guerra. enquanto houver distinção de classes continuará a haver guerra. A guerra não é apenas produto da ambição de um monarca. [...] a verdadeira causa da guerra são os interesses de alguns capitalistas. a guerra é o resultado da falta de equilíbrio no mundo econômico e no mundo político. Se o Congresso de Genebra acredita que se possa alcançar paz no atual contexto social, é ilógico'. [ 50 ] Também houve uma discussão sobre a emancipação das mulheres , [ 51 ] e o congresso votou a favor de um relatório declarando que 'os esforços das nações devem visar à propriedade estatal dos meios de transporte e de circulação', [ 52 ] primeira declaração coletivista aprovada em um congresso da Internacional. Todavia, a oposição dos mutualistas à socialização da propriedade obteve a maioria dos votos e a discussão aprofundada sobre o tema foi adiada para o congresso seguinte. [ 49 ] Congresso de Bruxelas de 1868 [ editar | editar código-fonte ] Na Internacional, desde a sua fundação, as ideias de Proudhon haviam sido hegemônicas na França e em outras regiões de língua francesa, como a Suíça romanda , a Valônia e a cidade de Bruxelas . [ 53 ] Os mutualistas, liderados por Henri Tolain e Ernest Édouard Fribourg , conseguiram deixar uma marca na reunião de fundação da organização, em 1864, na conferência de Londres de 1865, e nos congressos de Genebra e Lausanne. [ 53 ] Os mutualistas compunham a ala mais moderada da Internacional e defendiam que a emancipação econômica dos trabalhadores seria alcançada por meio da fundação de cooperativas de produção, financiadas por um banco popular central, além de serem contrários à intervenção do Estado em qualquer questão e atribuíam um caráter negativo à prática de greves como um método de luta, [ 53 ] em antagonismo às diretrizes e teses do Conselho Geral. Marx desempenhou vários esforços para reduzir a influência das ideias de Proudhon no interior da Internacional. e suas ideias foram fundamentais para o amadurecimento teórico dos dirigentes da organização, além de ter tido a capacidade política de afirmá-las, vencendo confrontos internos. [ 54 ] Com respeito à cooperação, por exemplo, Marx já havia declarado, em 1866, nas suas intruções para os delegados do Conselho Central provisório, que 'para converter a produção social num sistema amplo e harmonioso de trabalho livre e cooperativo são necessárias mudanças sociais gerais, mudanças das condições gerais da sociedade', [ 55 ] que não poderiam 'ser realizadas a não ser pela transferência das forças organizadas da sociedade dos capitalistas e proprietários fundiários aos próprios produtores', [ 55 ] e além disso, recomendava aos trabalhadores que se empenhassem na 'produção cooperativa, em vez de lojas cooperativas', pois essas últimas 'atingem apenas a superfície do atual sistema econômico, ao passo que a primeira ataca seus alicerces'. [ 55 ] Além da oposição de Marx às ideias proudhonistas, muitos operários também eram contrários a tais ideias. [ 54 ] As lutas proletárias da época indicavam aos trabalhadores que a greve era a resposta imediata e necessária não só para melhorar as condições existentes, mas também para reforçar a consciência de classe que diversas tendências do movimento operário consideravam indispensável para construir a 'sociedade do futuro', [ 54 ] o que acabou convencendo os próprios mutualistas de que era não era possível separar a questão social e econômica da questão política, o que ia encontro às ideias de Proudhon. [ 56 ] O congresso de Bruxelas , realizado entre 6 e 13 de setembro de 1868, que contou com 99 delegados provenientes da França, da Inglaterra, da Suíça, da Alemanha, da Espanha e da Bélgica [ 54 ] consolidou o enfraquecimento dos setores mutualistas na Internacional. Foram aprovadas nesse congresso resoluções sobre a socialização dos meios de produção , inclusive da propriedade fundiária, além da estatização das minas , transportes , canais , estradas e telégrafos , [ 57 ] e de algumas considerações em relação ao meio ambiente , que declaravam que 'o abandono das florestas a indivíduos privados causa a destruição das matas necessárias à conservação das fontes e das boas qualidades do solo, assim como da saúde e da vida da população' [ 57 ] e que 'o congresso acredita que as florestas devem permanecer como propriedade da sociedade'. [ 57 ] A aprovação dessas resoluções representou uma importante vitória para o Conselho Geral, e a primeira manifestação de princípios propriamente socialistas no programa político de uma vasta organização do movimento operário. [ 58 ] Ainda no congresso de Bruxelas foi novamente discutida a questão da guerra. Foi aprovada uma resolução que dizia que 'os trabalhadores são os únicos que tem um interesse evidente e lógico na abolição definitiva de qualquer guerra, tanto econômica quanto política, tanto individual como nacional, porque são eles, no fim das contas, que devem sempre pagar com seu sangue e seu trabalho o acerto de contras entre os beligerantes, não importando se estão do lado dos vencedores ou no dos vencidos', [ 59 ] e que os operários, portanto, considerar toda guerra 'como uma guerra civil'. [ 59 ] Além disso, foi sugerido por César de Paepe o uso da greve geral como instrumento contra a guerra. [ 60 ] Congresso da Basileia de 1869 [ editar | editar código-fonte ] Delegados do congresso da Basileia . Se o congresso de Bruxelas marcou um notável enfraquecimento das ideias mutualistas no interior da Internacional, o congresso da Basileia consumou esse processo, erradicando o mutualismo proudhoniano até mesmo da França , país onde até então tais ideias eram praticamente hegemônicas. [ 61 ] O congresso foi realizado entre 5 e 12 de setembro do ano de 1869, e contou com a presença de 78 delegados, provenientes da Suíça , Alemanha (entre eles Wilhelm Liebknecht , do Partido Social Democrata dos Trabalhadores Alemães ), Inglaterra , França, Espanha , Itália , Áustria e Bélgica , além de um representante do Sindicato Nacional dos Trabalho dos Estados Unidos . [ 61 ] As resoluções sobre a propriedade fundiária, aprovadas em Bruxelas no ano anterior, foram confirmadas numa nova votação, aprovada por 54 delegados com apenas 4 contrários e 13 abstenções. o novo texto, no qual é declarado que 'a sociedade tem o direito de abolir a propriedade individual do solo e de dá-lo à comunidade' [ 62 ] foi acolhido também pelos delegados franceses, dos quais onze deles votaram à favor da proposta, entre eles, Louis Eugène Varlin , que mais tarde se tornaria um dos protagonistas da Comuna de Paris . [ 63 ] Dez se abstiveram e quatro votaram contra, entre eles, Henri Tolain . [ 63 ] Depois do congresso da Basileia, o mutualismo deixou de exercer influência nos setores franceses da Internacional. [ 63 ] O congresso da Basileia também contou com a presença do delegado Mikhail Bakunin , que viria a exercer grande influência no interior da Internacional. [ 64 ] Em setembro de 1868, ele havia fundado em Genebra a Aliança da Democracia Socialista , organização que, em dezembro daquele ano, apresentou um pedido de adesão à Internacional, inicialmente rejeitado, sob o argumento de que a Aliança da Democracia Socialista também era uma organização internacional por si mesma, e apenas organizações nacionais eram permitidas enquanto membros na Internacional. A Aliança foi dissolvida e os vários grupos que a formavam uniram-se à Internacional separadamente. [ 65 ] Bakunin conquistou rapidamente notável influência em várias seções suíças, espanholas, francesas, e depois da Comuna de Paris, italianos. [ 64 ] e já na Basileia, conseguiu influir sobre o êxito do congresso, como demonstra o voto sobre o direito de herança, [ 66 ] primeiro caso em que os delegados rejeitaram uma proposta do Conselho Geral. Divergências entre Marx e Bakunin [ editar | editar código-fonte ] Mikhail Bakunin . Desde o congresso de Basileia e com a crescente influência de Bakunin no interior da Internacional, tornaram-se comuns divergências entre seus partidários e os de Karl Marx e até mesmo conflitos pessoais entre as duas personalidades, o que se agravou após a realização do congresso de Haia, que levou a organização à sua cisão e crise em 1872. [ 67 ] Com frequência, Marx preferiu ridicularizar e caluniar as posições de Bakunin, enquanto o anarquista russo comumente se valia de insultos e acusações pessoais. [ 67 ] [ 68 ] Apesar das convergências quanto à necessidade de abolir as classes e o poder político do Estado na sociedade socialista, os dois lados divergiam radicalmente sobre as questões cruciais do caminho a se tomar e das forças sociais requeridas para efetuar a transformação. [ 69 ] Sobre esses temas fundamentais, Marx e Bakunin tinham concepções radicalmente distintas. Enquanto para Marx o sujeito revolucionário por excelência era uma classe particular, o proletariado fabril, Bakunin voltava-se à masse em geral, à 'grande ralé popular, quase impoluta pela civilização burguesa, que carrega em seu interior e em suas aspirações, em todas as necessidades e misérias de sua vida coletiva, todas as sementes do socialismo do futuro'. [ 70 ] Além disso, Marx acreditava que a transformação social precisava ser acompanhada de determinadas condições históricas, de uma organização eficiente e de um longo processo para chegar à formação da consciência de classe entre as massas, [ 71 ] enquanto Bakunin acreditava que 'a grande ralé popular' era dotada de 'um instinto tão invencível quanto justo, por si só suficiente para inaugurar e fazer triunfar a revolução social'. [ 70 ] O dissenso entre Marx e Bakunin se manifestou também na identificação dos instrumentos mais adequados para a realização do socialismo. Bakunin acreditava na ação direta e passou uma parte significativa da sua vida militante criando sociedades secretas , ou organizações compostas por um grupo restrito de pessoas, sobretudo intelectuais, um 'Estado-maior revolucionário, composto de indivíduos dedicados, enérgicos, inteligentes, e acima de tudo, amigos sinceros do povo', [ 72 ] que preparariam a insurreição e fariam a revolução. [ 73 ] Marx acreditava que a revolução se daria com a conquista do poder político do proletariado, estando convencido de que as sociedades secretas 'contrastam com o desenvolvimento do movimento operário', [ 74 ] porquanto, 'em vez de educar os operários, submetem-nos a leis autoritárias e místicas, que obstaculizam sua autonomia e conduzem sua consciência numa direção equivocada'. [ 74 ] Bakunin opôs-se a toda ação política da classe operária que não visasse diretamente à revolução, inclusive a mobilização por reformas sociais e a participação em eleições, enquanto Marx não desprezava a luta por reformas e objetivos parciais, embora com a convicção de que estes deveriam servir para reforçar a classe operária na luta para derrubar o modo de produção capitalista, e não para integrá-la ao sistema. [ 75 ] Bakunin acreditava que a Internacional deveria pôr na base de seu programa 'a organização da solidariedade internacional para a luta econômica do trabalho e contra o capital', [ 76 ] de forma a conduzir o proletariado 'para fora da política do Estado e do mundo burguês' [ 77 ] e rejeitava veementemente o conceito marxista de ditadura do proletariado , argumentando que qualquer revolução deveria ser liderada diretamente pelo povo, enquanto qualquer 'elite esclarecida' só deveria exercer influência discreta, 'jamais impondo-se na forma de uma ditadura a outrem, e nunca se aproveitando de qualquer direitos oficiais, em termos de benefício ou significância'. [ 78 ] Bakunin defendia que o Estado deveria ser imediatamente abolido porque todas as formas de governo eventualmente levariam à opressão. [ 79 ] “ Eles [os marxistas] defendem que nada além de uma ditadura - a ditadura deles, é claro - pode satisfazer o desejo das pessoas, enquanto nossa resposta para isso é: nenhuma ditadura pode ter qualquer outro objetivo para além de sua autoperpetuação, ela pode apenas levar à escravidão o povo que tolerá-la. a liberdade só pode ser criada através da liberdade, isto é, por uma rebelião universal das pessoas e da organização livre das multidões de trabalhadores de baixo para cima. ” Marx via a ideia de 'abolir o Estado por decreto' como ingênua, por não acabar com as condições sociais que fazem do Estado uma necessidade e realidade, além de julgar Bakunin incapaz de distinguir o poder burguês do poder proletário. [ 81 ] No artigo 'A indiferença em matéria política' , publicado em dezembro de 1873 no jornal italiano Almanacco Repubblicano , para contrastar a hegemonia do anarquismo no movimento operário da Itália, Marx afirmara polemicamente: “ Se a luta política da classe operária assume formas violentas, se os operários substituem pela sua ditadura revolucionária a ditadura da classe burguesa, então, segundo Bakunin, eles cometem o terrível delito de leso princípio. pois para satisfazer suas miseráveis necessidades cotidianas, para quebrar a resistência da classe burguesa, em vez de abaixar as armas e abolir o Estado, eles lhe dão uma forma revolucionária e transitória. ” Apesar de os conflitos entre os partidários e personalidades de Marx e Bakunin terem polarizado a Internacional em dois grupos distintos, [ 1 ] é incorreto afirmar que a futura crise da organização tenha se dado apenas por esse motivo. [ 83 ] Mudanças no contexto histórico da época também levaram a organização ao seu declínio. [ 83 ] O crescimento e a transformação das organizações do movimento operário, o fortalecimento dos Estados-nação , causado pela unificação nacional da Itália e da Alemanha , a expansão da Internacional em países como a Espanha e a Itália, com condições econômicas e sociais muito diferentes daquelas da Inglaterra e da França, onde a organização havia nascido, a definitiva virada moderada do sindicalismo inglês e a repressão que se seguiu à queda da Comuna de Paris acabaram tornando a configuração original da Internacional inapropriada para aquele contexto, [ 83 ] ajudando a acelerar a crise da organização. Desenvolvimento da organização na Europa e oposição à Guerra-Franco Prussiana [ editar | editar código-fonte ] O período entre o fim dos anos 1860 e o início dos anos 1870 foram marcados por vários conflitos sociais. Nesse ínterim, muitos dos trabalhadores que tomaram parte nos protestos resolveram dirigir-se à Internacional, cuja fama difundia-se cada vez mais entre o movimento operário, solicitando a ela a intervenção em favor de sua luta. [ 64 ] Apesar de seus recursos limitados, o Conselho Geral jamais deixou de responder às instância que o procuraram, manifestando-se por meio da redação de apeles de solidariedade endereçados a todas as suas seções europeias e organizando coletas de fundos. Em março de 1869, por exemplo, o Conselho Geral interveio em resposta aos 800 tecelões e tingidores da Basileia que haviam recorrido à Internacional solicitando apoio a sua greve, e, apesar de não ter conseguido enviar mais do que 4 libras esterlinas , graças a uma circular, conseguiu recolher mais 300 libras entre os diversos grupos de operários em muitos países. [ 64 ] A Internacional ainda teve papel significativo na luta dos operários da indústria mecânica de Newcastle pela redução da jornada de trabalho para nove horas, onde foi determinante a mediação política de dois emissários da organização, James Cohen e Johann Eccarius , que conseguiram debelar a tentativa dos patrões de substituir os grevistas ingleses por trabalhadores de outros países europeus. Desde o sucesso dessa luta, que se tornou um caso de dimensões nacionais, os patrões desistiram de recrutar trabalhadores do outro lado do canal da Mancha para substituir grevistas, prática recorrente até então. [ 84 ] Em 1869, a Internacional obteve significativa expansão em toda a Europa. A Inglaterra, no entanto, foi uma exceção. O congresso dos sindicatos ingleses, reunidos em Birmingham em agosto, enviou uma recomendação a todas as suas organizações afiliadas para que aderissem à Internacional. porém, o apelo não foi atendido e o número de adesões permaneceu mais ou menos igual àquele atingido em 1867. [ 85 ] Também os dirigentes sindicais ingleses, moderados e pouco propensos a questões teóricas, [ 86 ] mostraram um interesse limitado nos confrontos da organização. Em todos os países europeus em que a Internacional obteve alguma força, seus militantes deram vida a organizações independentes daquelas já existentes. De acordo com sua grandeza, estas assumiram a força de seções locais e/ou de federações nacionais. [ 85 ] Na Inglaterra, ao contrário, a Internacional teve uma configuração distinta: era constituída de sindicato, que, naturalmente, jamais desmantelaram suas estruturas, e além disso, o Conselho Geral, com sede em Londres , desempenhava a dupla função de centro da organização e de liderança para a Inglaterra. [ 85 ] De qualquer modo, as filiações sindicais na Inglaterra mantiveram cerca de 50 mil trabalhadores em sua órbita de influência, de modo que, no fim da década de 1860, a Internacional encontrava-se reforçada em toda a Europa. [ 85 ] Devido à repressão imperial, o ano de 1868 na França ficou caracterizado por uma forte crise da Internacional, que, com a única exceção de Rouen , teve todas as suas seções extintas. [ 85 ] Em contrapartida, o ano seguinte foi o de reorganização da associação no país. Após o congresso da Basileia, Tolain deixou de representar a figura de ponta da organização e surgiram novos dirigentes, entre eles, Eugène Varlin, que abandonara suas antigas convicções mutualistas. [ 85 ] O ano de 1870 foi o momento de expansão máxima da Internacional na França. Estima-se que em Paris a organização tivesse em suas fileiras cerca de 10 mil membros, muitos dos quais aderiram à Internacional por meio de sociedades cooperativas, câmaras sindicais e sociedades de resistência. na cidade de Lion , onde em setembro de 1870, após uma sublevação, uma comuna havia sido proclamada e violentamente reprimida, as estimativas seriam de 3 mil trabalhadores, o mesmo número de Rouen. ao passo que em Marselha eram mais de 4 mil. [ 87 ] A partir de 1870, testemunhando a popularidade da organização entre os operários, blanquistas começaram a aderir à associação. [ 87 ] Também houve um pedido de adesão por parte do grupo Proletários Positivistas de Paris, [ 88 ] que foi negado, porquanto a Internacional não aceitava a filiação de grupos que se definiam por sua tendência política. [ 89 ] Na Bélgica , o período que se seguiu ao congresso de 1868, realizado em sua capital, distinguiu-se pela ascensão do sindicalismo , o êxito vitorioso das greves e a adesão à Internacional de várias sociedades operárias. [ 87 ] O número máximo de inscritos atingiu seu máximo no começo dos anos 1870, quando chegou a cerca de 30 mil. [ 90 ] Logotipo da Federação do Jura . O progresso da Internacional manifestou-se também na Suíça durante esse período. Em 1870, o número total de seus militantes chegou a 6 mil. [ 19 ] Na cidade de Genebra , existiam 34 seções para um total de 2 mil filiados. enquanto na região do Jura eram cerca de 800. [ 19 ] Porém, não tardou até que as teorias de Bakunin começassem a exercer influência e dividissem a organização em dois grupos. [ 19 ] Ambos os grupos se confrontaram no Congresso da Federação Romanda, realizado e abril de 1870, propriamente para deliberar sobre a decisão de acolher no interior da federação a Aliança da Democracia Socialista. [ 91 ] A impossibilidade de conciliar a disputa entre os dois grupos determinou a realização de dois congressos paralelos, e somente após a intervenção do Conselho Geral conseguiu-se uma trégua. [ 19 ] O grupo que se alinhava às posições de Londres, levemente minoritário, conservou o nome de Federação Romanda, e teve como destaque Nikolai Utin , fundador da primeira seção russa da Internacional, [ 92 ] na cidade de Genebra, e também Johann Philipp Becker , que apesar de ter colaborado com Bakunin de meados de 1868 até fevereiro de 1870, conseguiu evitar que na Suíça a organização caísse inteiramente sob sua influência. [ 19 ] O outro grupo, ligado a Bakunin, assumiu o nome de Federação do Jura , [ 19 ] e sua consolidação apresentou uma etapa importante na construção de uma corrente anarquista e coletivista no interior da Internacional. Sua figura de maior destaque foi James Guillaume , que viria a ser um dos principais opositores do Conselho Geral após 1871. [ 19 ] Giuseppe Fanelli , no centro e ao fundo, e o grupo fundador da Primeira Internacional em Madrid , em outubro de 1868. Logotipo da Internacional usado pela Federação Espanhola. Nesse período, as ideias de Bakunin começaram a difundir-se em vários países, sobretudo no sul da Europa . O país em que obtiveram o consenso mais rapidamente foi a Espanha . [ 19 ] Na Península Ibérica , com efeito, a Internacional nasceu graças à iniciativa do anarquista napolitano Giuseppe Fanelli , que, entre outubro de 1868 e meados de 1869, a convite de Bakunin, viajou a Barcelona e Madrid para fundar seções da Internacional e grupos da Aliança da Democracia Socialista, na qual o italiano também militava. [ 19 ] A viagem obteve resultados positivos, porém também geraram confusão, pois Fanelli, de fato, difundiu tanto os documentos da Internacional quanto os princípios da Aliança da Democracia Socialista, o que fez com que os operários fundassem a Internacional com os princípios da Aliança da Democracia Socialista. [ 93 ] Apesar disso, a propaganda de Fanelli mostrou-se útil, uma vez que favoreceu a formação de importantes dirigentes para associação, como Anselmo Lorenzo . além disso, as ideias da Internacional encontraram na Espanha um movimento operário em formação, disposto a organizar-se e a lutar. [ 93 ] Já no tempo do congresso da Basileia, de fato, o delegado Rafael Farga i Pellicer pôde referir-se à existência de cerca de uma dezena de seções espanholas. [ 93 ] Na Alemanha , as coisas tomaram um rumo totalmente diverso. Apesar de o movimento operário daquele país já contar com duas organizações políticas (a Associação Geral dos Trabalhadores Aleamães, de orientação lassiana, e o Partido Social Democrata dos Trabalhadores da Alemanha, de orientação marxista ), seu entusiasmo pela Internacional foi mínimo, assim como foram escassos os pedidos de adesão. [ 93 ] Pelo temor de possíveis perseguições da parte do governo, durante os três primeiros anos de vida da Internacional os militantes alemães quase ignoraram a existência da organização. [ 93 ] A partir de 1868, paralelamente à fama e aos sucessos que a Internacional começou a obter em outros países europeus, esse cenário se alterou, e os dois partidos alemães, em concorrência recíproca, ambicionaram representar a ala nacional. [ 93 ] Na disputa com os lassalianos, Liebknecht tentou usar a proximidade de sua organização com as posições de Marx, mas a adesão do Partido Social Democrata dos Trabalhadores da Alemanha à Internacional, foi, na verdade, mais formal do que real. [ 93 ] Dos cerca de 10 mil membros que estavam registrados nesse partido apenas um ano após sua fundação, aqueles que se filiaram à Internacional foram apenas algumas centenas. [ 94 ] Além de aspectos legais, o forte nacionalismo dos alemães, que aumentou ainda mais na década de 1870, aliado a maior preocupação com questões internas, também pesaram para a baixa aceitação da Internacional na Alemanha. [ 95 ] Em 1869, se deu a fundação de novas seções da Internacional e o crescimento da organização na Holanda e na Itália , além da criação de seções nos Estados Unidos , onde a iniciativa foi dada por alguns imigrantes europeus. [ 96 ] Todavia, a organização nos Estados Unidos foi comprometida, desde seu nascimento, por duas limitações que jamais foram superadas: ela não conseguiu aplacar o caráter nacionalista dos vários grupos que a ela aderiram, e tampouco atrair operários nativos. [ 96 ] Nesse cenário de dimensão universal, ainda que marcado por evidentes contradições e pelo seu desigual desenvolvimento nos diversos países, a Internacional se preparava para a realização de seu quinto congresso, em setembro de 1870, a princípio, previsto para ser sediado em Paris . porém a repressão exercida pelo governo francês fez com que o Conselho Geral cogitasse transferi-lo para a cidade de Mainz . [ 96 ] Todavia, a Guerra Franco-Prussiana , deflagrada a 19 de julho de 1870, forçou a suspensão do congresso. [ 96 ] O estouro de uma guerra no centro da Europa impôs à Internacional definir uma prioridade absoluta: ajudar o movimento operário a exprimir uma posição independente e distante da retórica nacionalista da época. [ 96 ] Na Primeira Mensagem do Conselho Geral sobre a Guerra Franco-Prussiana , Marx proclama aos operários franceses para derrubarem Luís Bonaparte e o império por ele instaurado, ao mesmo tempo que pede aos trabalhadores alemães que impeçam que a derrota de Bonaparte se convertesse num ataque ao povo francês: [ 4 ] “ Em contraste com a velha sociedade, com suas misérias econômicas e seu delírio político, uma nova sociedade está desabrochando, uma sociedade cuja regra internacional será a paz, porque em cada nação governará o mesmo princípio - o trabalho! A pioneira dessa nova sociedade é a Associação Internacional dos Trabalhadores. ” Esse texto, impresso em Genebra com tiragem de 30 mil cópias (15 mil para a Alemanha e 15 mil para a França) [ 97 ] foi a primeira grande declaração de política exterior da Internacional. [ 97 ] Um dos que manifestaram entusiasticamente seu apoio a esse documento foi John Stuart Mill : 'não há uma única palavra fora do lugar e não poderia ter sido escrito de modo mais sucinto'. [ 98 ] Os líderes do Partido Social Democrata dos Trabalhadores da Alemanha, Wilhelm Liebknecht e August Bebel , foram os únicos membros do parlamento na Confederação Alemã que votaram contra o orçamento de guerra, [ 97 ] e também várias seções da Internacional na França difundiram mensagens de amizade e solidariedade aos trabalhadores alemães. [ 97 ] A Internacional e a Comuna de Paris [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Comuna de Paris Communards erguem suas barricadas para defender a cidade. A derrota francesa na Batalha de Sedan , em setembro de 1870 , levou a queda do imperador Napoleão III e a formação de um governo republicano que passou a ser presidido por Adolphe Thiers , em janeiro de 1871 . Uma eleição foi convocada para a Assembleia Nacional , e a maioria dos deputados eleitos em fevereiro do mesmo ano era conservadora e ligada aos proprietários rurais. [ 99 ] Porém, em Paris, diferentemente do resto da França, o descontentamento popular era mais intenso, o que permitiu que as forças republicanas e progressistas vencessem por ampla maioria na capital francesa. [ 100 ] Ao mesmo tempo, os exércitos prussianos, que se encontravam em território francês, impuseram um cerco a Paris. A população da capital havia organizado diversas manifestações contra a derrota do exército frente aos prussianos e também por melhorias nas condições de vida e trabalho a que estava submetida. A Guarda Nacional Francesa também estava verificando um ascenso de insatisfações em seu seio, chegando a formar, a partir de comitês locais de destacamento, uma estrutura federativa que culminou, após algumas assembleias, na formação do Comitê Central da Guarda Nacional. [ 99 ] Thiers, que havia assinado um armistício com o chanceler prussiano Otto von Bismarck em 26 de fevereiro, decidiu transferir a sede do governo para Versalhes , pretendendo retomar a capital que havia fugido de seu controle [ 99 ] [ 101 ] e desarmar a população. [ 100 ] A ação intensificou a insatisfação popular, que somada à incapacidade dos exércitos franceses de defender a capital, levou a população mais pobre de Paris a assumir o governo da cidade de forma autônoma, proclamando a Comuna de Paris , após uma revolta que atingiu também a Guarda Nacional, que se insurgiu em 18 de março de 1871, ficando ao lado da população. [ 101 ] A Comuna de Paris foi o primeiro governo operário da história [ 101 ] e mais tarde viria a ser considerada como um dos eventos políticos mais importantes do movimento operário do século XIX . [ 100 ] Foram proclamadas, também, comunas em Lion , Marselha , Toulouse e algumas outras cidades que, entretanto, existiram por pouco tempo. [ 102 ] Apesar da defesa convicta e da participação de diversos membros da Internacional na Comuna de Paris, [ 101 ] a organização não impulsionou os parisienses à insurreição e nem exerceram uma influência decisiva sobre a Comuna [ 103 ] e a liderança da Comuna de Paris esteve nas mãos da ala radical-jacobina. [ 104 ] Logo após a proclamação da comuna, foram convocadas eleições municipais para 26 de março, na qual foram eleitos 85 representantes, dos quais 15 moderados e 4 radicais que renunciaram imediatamente e não participaram do Conselho da Comuna. [ 104 ] Dos 66 restantes, 11 eram revolucionários sem clara orientação política. 14 provinham do Comitê Central da Guarda Nacional. 15 eram radicais-republicanos e socialistas . 9, blanquistas . e 17 eram membros da Internacional. [ 105 ] Entre estes, estavam Édouard Vaillant , Benoît Malon , Auguste Serraillier , Jean-Louis Pindy , Albert Theisz , Charles Longuet , Louis Eugène Varlin e Leó Frankel . A Comuna de Paris foi reprimida com violência pelo exército de Versalhes. Durante a denominada 'semana sangrenta' (de 21 a 28 de maio), cerca de 10 mil communards foram mortos em combate ou sumariamente justiçados. Os prisioneiros capturados superam 43 mil, e destes, 13 500 foram condenados à prisão, a trabalhos forçados ou à pena de morte, ou então deportados para Nova Caledônia , enquanto cerca de 7 mil presos conseguiram fugir e exilar-se na Inglaterra , na Bélgica ou na Suíça . [ 106 ] A imprensa conservadora e liberal europeia acusou os communards de numerosos crimes e atribuiu toda a responsabilidade dos acontecimentos à Internacional. Thiers pôs a organização na ilegalidade e solicitou ao primeiro-ministro inglês William Ewart Gladstone a adoção do mesmo procedimento, enquanto na Suíça pressões semelhantes foram dirigidas ao governo pelo papa Pio IX . Medidas contra a Internacional foram tomadas também no Império Austro-Húngaro , na Bélgica , Dinamarca , Alemanha e na Itália . [ 106 ] A crítica à Comuna de Paris também foi feita por setores mais moderados do movimento operário. Em seguida dos acontecimentos na França, os dirigentes sindicais reformistas Benjamin Lucraft e George Odger, intimidados pela campanha de imprensa criada contra os operários parisienses, desligaram-se da Internacional. [ 107 ] Todavia, nenhum sindicato desfiliou-se da organização após o apoio da Internacional à comuna. [ 107 ] Apesar dos eventos dramáticos de Paris e da dura repressão posta em ação pelos governos da Europa, a força da Internacional aumentou após os acontecimentos da Comuna de Paris. A organização passou a representar uma ameaça à ordem constituída pelas classes capitalistas e pela burguesia , enquanto para os operários, representou uma esperança em um mundo sem exploração e desigualdades econômicas . [ 108 ] A insurreição parisiense deu força ao movimento operário, impulsionando-o a assumir posições mais radicais e a intensificar a militância. [ 109 ] O crescimento da Internacional se manifestou por toda a parte. O número dos participantes das reuniões do Conselho Geral foi duplicado, e os jornais ligados à organização aumentaram tanto em número como em exemplares vendidos, [ 109 ] além de ter prosseguido com sua expansão em nível local, crescendo na Bélgica e Espanha, países onde já antes da Comuna de Paris haviam alcançado um nível de participação considerável, e teve sua fundação formal na Itália, além da abertura de novas seções em Portugal e na Dinamarca , onde conseguiu rapidamente unificar a grande parte das recém-criadas organizações sindicais de Copenhague e da Jutlândia , além da criação de seções de trabalhadores irlandeses na Inglaterra, assim como a nomeação do dirigente operário Joseph Patrick McDonnell como secretário correspondente da Irlanda junto ao Conselho Geral, e pedidos de adesão de operários ingleses de Calcutá , de grupos de trabalhadores de Victoria , na Austrália , de Christchurch , na Nova Zelândia e até de alguns artesãos argentinos de Buenos Aires . [ 109 ] Cisão e crise [ editar | editar código-fonte ] Durante o cenário conturbado gerado pela repressão à Internacional e ao movimento operário, que não permitia a convocação de um novo congresso, o Conselho Geral decidiu promover uma conferência em Londres, que realizou-se de 17 a 23 de setembro de 1871 com a presença de 19 delegados vindos da Inglaterra, da Bélgica, da Suíça e da Espanha, além de exilados franceses. [ 109 ] Apesar dos esforços para torná-la a mais representativa possível, tratou-se, de fato, de uma reunião ampliada do Conselho Geral. [ 109 ] Desde sua convocação, Marx anunciara que 'nas presentes circunstâncias, a questão da organização era a mais importante'. [ 110 ] Ele expressou essa decisão durante a primeira sessão dos trabalhos: O Conselho Geral convocou uma conferência para discutir com os delegados de vários países as medidas a serem tomadas contra os perigos que ameaçam a Associação em muitos países, e para avançar em direção a uma nova organização, que corresponda às necessidades da situação. Em segundo lugar, para elaborar uma respostas aos governos que trabalham ininterruptamente para destruir a Associação com todos os meios que dispõem. E por fim, para resolver de uma vez por todas o conflito suíço. — Karl Marx [ 111 ] As prioridades da Conferência de Londres foram a reorganização da Internacional, sua defesa da ofensiva repressiva e obstaculizar a crescente influência de Bakunin na organização. [ 109 ] Para realizar tais objetivos, Marx empenhou todos os seus esforços, sendo um dos mais ativos delegados da conferência, tomando a palavra por 102 vezes, refutando as propostas que não correspondiam a seus planos e persuadindo indecisos. [ 112 ] A decisão de maior relevância tomada durante a conferência, e pela qual ela seria depois lembrada, foi a aprovação da Resolução IX, proposta por Vaillant e apoiada por Marx, que propunha a transformação da AIT em um partido internacional centralizado e disciplinado, sob a liderança do Conselho Geral. [ 110 ] Os partidários de Marx e Vaillant acreditavam que tal resolução viria a construir um consenso mais amplo para as mudanças tidas como necessárias em uma nova fase da luta de classes , em que 'o movimento econômico e a ação política do proletariado estariam indissoluvelmente unidos'. [ 113 ] já os anarquistas partidários de Bakunin, se oporam à resolução, tomando-a como autoritária, nascendo daí uma oposição formal ao Conselho Geral, após a convocação de um congresso para 12 de novembro em Sonvilier pelos militantes da Federação do Jura . Nesse congresso, James Guillaume e outros participantes acusaram o conselho geral de ter introduzido na organização 'o princípio de autoridade' e de haver alterado a estrutura originária, transformando-a 'numa organização hierárquica, dirigida e governada por um comitê'. [ 114 ] Os suíços declararam-se 'contra qualquer autoridade diretora, ainda que tal autoridade fosse eleita e aprovada pelos trabalhadores', e destacaram que na Internacional deveria ser conservado o 'princípio de autonomia das seções', também através do redimensionamento do Conselho Geral num 'simples escritório de correspondência e estatística'. [ 114 ] Por fim, convocaram um congresso a ser realizado o mais breve possível. [ 109 ] Oposições às decisões do Conselho Geral surgiram também em outros países, que foram recebidas como uma forte ingerência na autonomia política local, e portanto, como uma imposição inaceitável. [ 115 ] A Federação Belga, que durante a conferência havia tentado construir uma mediação entre as partes, começou a adotar uma posição bastante crítica em relação a Londres. em seguida, também os holandeses assumiram uma posição de distanciamento crítico. [ 115 ] Ainda mais duras foram as reação na Europa meridional, onde a oposição rapidamente obteve notáveis consensos. A maior parte dos membros ibéricos da Internacional voltou-se contra as resoluções do Conselho Geral e adotou as ideias de Bakunin, [ 115 ] bem como na Itália, onde se assumiu a posição mais radical contra o Conselho Geral: não participariam do próximo congresso da Internacional e estariam presentes apenas em Neuchâtel , na Suíça, onde iriam propor a realização de um 'congresso geral antiautoritário'. [ 116 ] Na América, embora por razões diferentes, a organização também viu explodir um sério conflito interno. No decorrer de 1871, a Internacional havia crescido em várias cidades dos Estados Unidos , alcançando um total de cerca de 2 700 militantes, divididos em 50 seções. [ 117 ] No ano seguinte, seu contingente aumentou ainda mais, ainda que o número total (provavelmente cerca de 4 mil) constituísse uma parte minúscula ta classe trabalhadora americana, que à época ultrapassava 2 milhões, pois a organização não conseguiu atrair os trabalhadores nascidos nos Estados Unidos. [ 118 ] A seus limites originários somaram os danos provocados pelos conflitos internos. Em dezembro de 1871, de fato, os membros americanos da Internacional se dividiram em dois grupos, ambos com base em Nova Iorque , onde se encontrava grande parte dos militantes, e cada um destes grupos reivindicava ser o representante legítimo da Internacional nos Estados Unidos. [ 118 ] O primeiro grupo, inicialmente mais numeroso e conhecido pelo nome de Spring Street Council, propunha uma aliança entre os setores liberais da sociedade americana e contava com o apoio de Johann Eccarius , secretário correspondente junto ao Conselho Geral. o segundo, cuja sede era localizada no Tenth Ward Hotel, defendia o caráter operário da Associação e tinha como expoente mais significativo Friedrich Adolph Sorge . [ 118 ] Em março de 1872, o Conselho Geral tentou uma reconciliação entre as partes e sugeriu a realização de um congresso unitário para o mês de julho, mas a tentativa fracassou e em maio, a cisão tornou-se oficial. [ 118 ] O grupo do Tenth Ward Hotel realizou seu congresso entre 6 e 8 de julho de 1872, no qual foi fundada a Federação Americana, que contava com 950 filiados em 22 seções (12 alemãs, 4 francesas, 1 irlandesa, 1 para trabalhadores escandinavos e apenas 3 de língua inglesa), [ 118 ] enquanto o Spring Street Council contava com a maior parte dos outros militantes residentes em Nova Iorque. Porém, em maio de 1872, alguns de seus membros aderiram à convenção do Partido por Direitos Iguais ( Equal Rights Party ), [ 118 ] que lançou a candidatura de Victoria Woodhull para a presidência dos Estados Unidos. A ausência de uma plataforma de classe no programa do partido, que continha apenas promessas genéricas de regulação das condições laborais e criação de postos de trabalho para os desempregados, convenceu diversas seções a abandoná-lo, ficando apenas com 1.500 militantes. [ 118 ] Em julho, quando foi fundada em seu congresso a Confederação Americana, não havia restado mais do que 13 seções com menos de 500 militantes, sobretudo artesãos e intelectuais, que acabaram unindo-se a outras federações que na Europa contestavam a linha do Conselho Geral. [ 118 ] Apoiando as decisões do Conselho Geral, estavam a maior parte dos membros ingleses da associação, os franceses (sobretudo blanquistas), alemães e as recém-criadas seções na Dinamarca, Irlanda, em Portugal e no Leste Europeu , na Hungria e Boêmia . [ 119 ] A oposição ao Conselho Geral foi de diversos tipos e tornou a direção da organização problemática. Além da grande influência das ideias de Bakunin em alguns países e da capacidade política de Guillaume de congregar vários opositores, a resolução da conferência de Londres foi tida por muitos como uma forte imposição, pois a grande autonomia das várias realidades das quais se compunha a Internacional era considerado um dos mais importantes princípios da associação, não só pelo grupo ligado às ideias de Bakunin, mas por grande parte das federações e seções locais, e longe do efeito benéfico que Marx imaginara, as decisões tomadas na conferência de Londres em vez de resolver os conflitos internos somente agravaram significativamente a crise da organização, porquanto foi conduzida de modo rígido, sem avaliar adequadamente os contextos internos da Internacional e também sem êxito ao tentar impedir o fortalecimento da ala bakuninista. [ 120 ] Porém, apesar dos numerosos conflitos internos, 1872 foi o ano em que a organização teve seu momento de maior expansão na Itália, na Dinamarca, em Portugal e na Holanda, embora tenha sido desmantelada na França, na Alemanhã e no Império Austro-Húngaro , e grande parte dos militantes da associação ignoravam a gravidade dos conflitos que se davam no seio da Internacional. [ 121 ] Congresso de Haia de 1872 [ editar | editar código-fonte ] Friedrich Engels e Karl Marx no Congresso de Haia em 1872 . Após três anos sem realizar nenhum congresso devido à Guerra Franco-Prussiana , aos acontecimentos da Comuna de Paris e à dura repressão que se seguiu a ela, a Internacional volta a reunir-se entre 2 e 7 de setembro de 1872, no V Congresso Geral, realizado em Haia . Participaram, do congresso, 65 delegados representando 14 países, sendo a maioria compostas de franceses e alemães, com respectivamente 18 e 15 delegados, além de 7 delegados belgas, 5 ingleses, 5 espanhóis, 4 suíços, 4 holandeses e 2 austríacos, enquanto as seções da Dinamarca, Irlanda, Hungria, Polônia e Austrália contaram cada uma com apenas um delegado. [ 122 ] O componente autonomista, de oposição ao Conselho Geral, foi representado por 25 desses delegados, todos provenientes da Bélgica, Espanha e Holanda, metade dos suíços e alguns da Inglaterra, França e Estados Unidos. [ 122 ] Foi também o único congresso em que Karl Marx e Friedrich Engels estiveram presentes, dirigindo-o na ocasião. [ 123 ] Todas as sessões do congresso foram marcadas por irredutível antagonismo entre as duas posições contrapostas. Os debates foram mais pobres do que aqueles dos dois congressos precedentes, dominados a tal ponto pelos conflitos que os três primeiros dias de trabalhos foram consumidos na resolução de problemas relativos à verificação das credenciais dos presentes. [ 122 ] A representatividade dos delegados foi absolutamente parcial, não espelhando as verdadeiras relações de força no interior da organização. [ 122 ] Na Alemanha, por exemplo, não existiam propriamente seções da Internacional, enquanto, na França, elas eram clandestinas, o que tornava discutível a verificação dos mandatos de seus delegados, enquanto outros participantes eram delegados do Conselho Geral e não representavam nenhuma seção. [ 14 ] A mais relevante e controversa resolução tomada no Congresso de Haia foi a inclusão do artigo 7a [ 11 ] nos Estatutos Gerais da Internacional, que colocava a conquista do poder político como uma meta a ser alcançada pelos membros da Associação, juntamente com a indicação de que o partido operário era um instrumento essencial para alcançá-la. [ 14 ] Outra decisão polêmica foi a de conferir poderes mais amplos ao Conselho Geral, que foi aprovada com 32 votos a favor, 6 contra e 12 abstenções, tornando a situação intolerável para os opositores do Conselho Geral. A partir daquele momento, o Conselho Geral tinha a tarefa de garantir em cada país a 'rígida observação dos princípios, estatutos e regras da Internacional', e a ele se atribuía 'o direito de suspender ramos, seções, conselhos ou comitês federais e federações da Internacional até o próximo congresso'. [ 15 ] Após aprovada tal resolução, pela primeira vez na história da organização, por 47 votos a favor e 9 abstenções, foi aprovada a decisão do Conselho Geral de expulsar uma organização: a seção do Spring Street Council de Nova Iorque, motivada pelo princípio de que a Internacional era 'baseada na abolição das classes e não podia admitir nenhuma seção burguesa'. [ 124 ] Em seguida, também foram aprovadas as expulsões de Bakunin (25 votos a favor, 6 contra, 7 abstenções) e James Guillame (25 votos a favor, 9 contra, 8 abstenções), que foram propostas por uma comissão de inquérito que descreveu a Aliança da Democracia Socialista como 'uma organização secreta, com estatutos completamente opostos aos da Internacional'. [ 16 ] Por outro lado, rejeitou-se a proposta de expulsão de Adhémar Schwitzguébel , um dos fundadores e membros mais ativos da Federação do Jura, [ 125 ] sobre o qual recaíram as mesmas acusações formuladas contra Bakunin e Guillaume. Na sessão matutina de 6 de setembro, consumou-se o último ato da Internacional antes da cisão definitiva, com Engels propondo que a sede do Conselho Geral fosse transferida para Nova Iorque para o ano de 1873 e que ele fosse formado por membros do Conselho Federal Americano, [ 126 ] defendendo a proposta ao argumentar que 'em Londres os conflitos entre os grupos haviam atingido um tal nível que o Conselho Geral tinha de ser transferido para outro lugar' [ 127 ] e que Nova Iorque era a melhor escolha em tempos de repressão. Outro fator importante para a mudança foi a posição de Marx, que preferia ver a Internacional inativa ao vê-la nas mãos de seus adversários políticos. [ 83 ] Os blanquistas opuseram-se violentamente contra a decisão, argumentando que 'A Internacional deveria ser a organização insurrecional do proletariado' e que 'quando um partido se une para a luta sua ação é maior na medida em que seu comitê de liderança é ativo, bem armado e poderoso', [ 128 ] além de terem sentido-se traídos ao ver o Conselho Geral ser transferido 'para o outro lado do Atlântico enquanto o corpo armado estava lutando na Europa'. [ 129 ] Partindo do pressuposto de que 'a Internacional tivera um papel pioneiro na luta econômica', os blanquistas desejavam que ela desempenhasse 'um papel similar com respeito à luta política' e sua transformação num 'partido operário revolucionário internacional'. [ 130 ] Percebendo que não seria mais possível exercer influência sobre o Conselho Geral, os blanquistas abandonaram o congresso e, pouco tempo depois, a Internacional. [ 83 ] Além dos blanquistas, muitos membros, mesmo alinhados ao Conselho Geral, votaram contra a mudança para Nova Iorque, por entender que isso equivalia ao fim da Internacional como estrutura operacional. [ 83 ] A decisão foi aprovada por apenas três votos (26 a favor, 23 contra), [ 83 ] dando início a cisão definitiva da Internacional, que viria a dividir-se em duas organizações, uma centralista, composta pelos membros favoráveis a uma organização dirigida politicamente pelo Conselho Geral, e outra autonomista, que reconhecia às seções a absoluta autonomia de decisão. [ 131 ] A Internacional centralista [ editar | editar código-fonte ] Friedrich Sorge foi secretário geral da Internacional centralista e um dos mais importantes membros da Federação Americana. Poucas forças na Europa se aliaram com a Federação Americana em apoio ao novo Conselho Geral sediado em Nova Iorque . [ 131 ] Entre elas, estavam a Federação Romanda e algumas seções de língua alemã na Suíça , o Partido Social Democrata dos Trabalhadores da Alemanha , as recentemente criadas seções austríacas e as federações de Portugal e da Dinamarca . [ 131 ] Na Espanha , Itália e Holanda , no entanto, poucos se aliaram ao novo Conselho Geral. na Irlanda a organização não se firmara, na França em 1873 não existia nenhuma seção da Internacional e na Inglaterra , o Conselho Federal Inglês dividiu-se em dois grupos, hostis entre si, que reivindicavam representar a Internacional na Grã-Bretanha , [ 131 ] mas que rapidamente entraram em declínio. [ 132 ] O congresso geral dos centralistas foi realizado em 1873 em Genebra , mesma cidade que havia sediado o primeiro encontra da Internacional. Participaram do congresso trinta delegados, entre os quais, pela primeira vez, duas mulheres. [ 132 ] Porém, quinze desses delegados eram de Genebra e a representação de representantes de outros países reduziu-se a um alemão, um belga e um austríaco. [ 132 ] Nos Estados Unidos , não obstante os esforços efetuados por Friedrich Sorge para manter a Internacional, a Federação Americana estava muito próxima do colapso, devido a sua alarmante situação financeira e ao declínio de seus filiados para menos de mil. [ 132 ] Também a qualidade de seus documentos oficiais era precária, contendo frequentes erros de ortografia, pois faltavam dirigentes capazes de escrever adequadamente em inglês e francês. [ 132 ] Reduzida a ocupar-se exclusivamente de questões relativas aos Estados Unidos, a Federação Americana não conseguiu, apesar dos seus esforços, mobilizar os trabalhadores nativos, que alternaram sentimentos de hostilidade e indiferença em relação à organização. [ 133 ] O fim da Internacional centralista deu-se em 15 de julho de de 1876, quando 10 delegados representando 635 membros [ 134 ] reuniram-se na Filadélfia pronunciando-se pela dissolução do Conselho Geral. [ 32 ] A Internacional autonomista [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Internacional de Saint-Imier James Guillaume foi um dos fundadores da Internacional autonomista e um dos líderes da oposição à linha política do Conselho Geral. Se a organização centralista operou em apenas alguns poucos países e não deu nenhuma contribuição significativa ao desenvolvimento do movimento operário e de discussões teóricas, a Internacional autonomista, ao contrário, continuou a ser por alguns anos uma realidade concreta e decisivamente mais ativa. [ 135 ] No congresso de Saint-Imier , no qual tomaram parte além dos suíços também os italianos, espanhóis e franceses, foi estabelecido que 'ninguém tem o direito de privar as federações e seções autônomas do incontestável direito de determinar a si mesmas e seguir a linha de conduta política que elas creem ser a melhor'. [ 17 ] Essa declaração reuniu numa frente ampla todos os opositores de Marx, que propuseram um 'pacto de amizade, solidariedade e defesa mútua' entre todas as federações que defendiam a autonomia federalista no seio da Internacional. [ 17 ] Nos meses sucessivos, a organização recebeu numerosas adesões. [ 135 ] O baluarte dos autonomistas continuou sendo a Espanha , que nem com as perseguições promovidas por Práxedes Mateo Sagasta deixou de desenvolver-se. o congresso federal, realizado em Córdoba , entre dezembro de 1872 e janeiro de 1873, mostrou uma organização em plena expansão, formada por mais de cinquenta federações, compostas de mais de trezentas seções, que reuniam um total de mais de 25 mil membros. [ 136 ] Além da Espanha, a partir do fim de 1872, a Internacional autonomista expandiu-se em novos países. Em dezembro, a Federação Belga, reunida em Bruxelas , depois de haver declarado nulas as resoluções adotas em Haia, recusou-se a reconhecer o Conselho Geral de Nova Iorque e subscreveu o pacto de Haia. [ 137 ] Em janeiro de 1873, aderiram à organização seções inglesas lideradas por Johann Eccarius , seguidos, no mês seguinte, da Federação Holandesa. [ 138 ] Também mantiveram contatos na França , Áustria e nos Estados Unidos . [ 139 ] Além dos autonomistas formarem a maioria de uma Internacional renovada, a organização formou também um conglomerado das mais diversas doutrinas idelógicas: dela faziam parte tanto os anarquistas suíços e italianos quanto os belgas liderados por César de Paepe , que defendia um socialismo no qual o Estado popular ( Volksstaat ) deveria ter maiores poderes e competências, a começar pela gestão de todos os serviços públicos. [ 139 ] Ainda havia os ingleses, favoráveis não só à participação em eleições como também à aliança com as forças burguesas mais progressistas , e até mesmo lassalianos provenientes da Associação Geral dos Trabalhadores Alemães. [ 139 ] Os autonomistas realizaram seu primeiro congresso (por eles definido como sexto, pois consideravam-se os legítimos continuadores da Internacional [ 140 ] ) em Genebra . [ 140 ] O congresso reuniu 32 delegados, provenientes da Bélgica , Espanha , França , Itália , Inglaterra , Holanda e Suíça , e ocorreu de 1 a 6 de setembro de 1873, uma semana antes do congresso dos centralistas, e declararam que sua reunião abria 'uma nova era na Internacional'. [ 141 ] Por unanimidade, aboliram o Conselho Geral e pela primeira vez numa reunião da Internacional houve um debate sobre a sociedade anarquista. [ 142 ] Além disso, foi proposta a ideia de greve geral para a realização da revolução social, lançando um dos princípios básicos do anarcossindicalismo . [ 143 ] O congresso seguinte foi realizado em Bruxelas , de 7 a 13 de setembro de 1874 e contou com a participação de 16 delegados, entre os quais um inglês (Eccarius), um espanhol e o restante, belgas. Entre os 14 delegados belgas, dois possuíam o mandato de uma seção francesa ( Paris ) e de uma italiana ( Palermo ), enquanto dois eram alemães, à época residentes na Bélgica. [ 140 ] Estes últimos eram lassalianos, e um deles, Karl Frohme, representante da Associação Geral dos Trabalhadores Alemães. [ 140 ] Apesar das divergências entre todas as tendências presentes na nova Internacional, Guillaume motivou a presença de todas as tendências socialistas no seio da organização, referindo-se às novas regras aprovadas pelo congresso de Genebra de 1873, segundo as quais os trabalhadores de cada país podiam escolher livremente o modo que julgavam o mais justo para obter sua própria emancipação. [ 144 ] O debate realizado nesse congresso concentrou-se na escolha entre anarquia e Estado popular, e seu principal protagonista foi De Paepe, que em uma das suas intevenções, afirmou que 'na Espanha , numa parte da Itália e no Jura havia partidários da anarquia. enquanto na Alemanha , na Holanda , na Inglaterra e na América havia partidários do Estado operário, e a Bélgica flutuava entre as duas tendências'. [ 145 ] Tampouco nesse caso foi tomada qualquer decisão coletiva, e no fim do congresso sancionou-se por unanimidade que 'cabia a cada federação e partido democrático socialista de cada país determinar a linha de conduta política que pensava ser mais adequada'. [ 146 ] No curso do oitavo congresso, realizado em Berna de 26 a 30 de outubro de 1876, a discussão prossegiu na mesma linha da reunião precedente. Dela participaram 28 delegados, dos quais 19 suíços (17 da Federação do Jura ), 4 da federação italiana, 2 da espanhola e 2 da francesa, além de De Paepe, como representante da Bélgica e da Holanda. [ 147 ] A reunião concluiu-se acolhendo uma proposta da federação belga, que convocava para o ano seguinte um congresso socialista universal, ao qual seriam chamadas 'todas as frações dos partidos e tendências socialistas da Europa '. [ 148 ] O último congresso da Internacional autonomista ocorreu um pouco antes da realização do Congresso Socialista Universal, e foi realizado em Verviers , de 6 a 8 de setembro de 1877. Dele participaram 22 delegados: 13 da Bélgica, 2 da Espanha, 2 da Itália, 2 da França e 2 da Alemanha, além de Guillaume, representante da Federação do Jura, aos quais se juntaram três enviados de grupos socialistas, presentes à reunião com função meramente consultiva. Um deles era o russo Piotr Kropotkin , um dos pais do anarcocomunismo . Desse encontro, participaram somente militantes de tendência anarquista, e entre eles, alguns que pouco tempo depois passariam ao socialismo, como o italiano Andrea Costa . [ 149 ] O congresso foi considerado um fracasso por não ter conseguido o amplo apoio das classes trabalhadoras, [ 150 ] visto a radicalização do movimento anarquista por influência do populismo e do niilismo russos, [ 151 ] [ 152 ] inclusive mostrando simpatia e solidariedade aos atentados cometidos em São Petersburgo pelos niilistas e com a insurreição italiana ocorrida em Benevento . [ 150 ] Assim, a Internacional autonomista havia exaurido seu ciclo, e seu fim significou também o ocaso das relações entre anarquistas e socialistas, que, a partir daquele momento, viram seus caminhos definitivamente separados, [ 149 ] o que ficou evidente na realização do Congresso Socialista Universal em Gent , entre 9 e 16 de setembro, aonde a grande maioria dos presentes subscreveu um pacto no qual se declarava que 'a emancipação social é inseperável da emancipação política, devendo o proletariado utilizar todos os meios políticos voltados à emancipação social' [ 153 ] e preconizando 'a necessidade da ação política como um poderoso meio de agitação, propaganda, educação popular e associação'. [ 153 ] Legado [ editar | editar código-fonte ] Ver artigos principais: Internacional Negra , Segunda Internacional , Terceira Internacional , Quarta Internacional e Associação Internacional dos Trabalhadores (anarcossindicalista) Para o historiador francês Jacques Droz , a fundação da Primeira Internacional é um marco na história das lutas sociais contemporâneas, pelo fato de ser a primeira vez em que a classe trabalhadora propõe-se à conquista do poder político. [ 154 ] O historiador inglês Eric Hobsbawm afirma que a Primeira Internacional ajudou sistematicamente a formação de um maciço movimento industrial e sindical, marcando definitivamente o movimento operário a partir de meados da década de 1860 e que desde então os 'movimentos da massa trabalhadora haveriam de ser organizados, independentes, políticos e socialistas'. [ 3 ] Para o historiador russo Yuri Mikhailovich Steklov , a Primeira Internacional reuniu as três principais tendências do movimento operário contemporâneo: os comunistas, representados por Karl Marx . os anarquistas, representados por Mikhail Bakunin . e os moderados, representados pelos sindicalistas ingleses. [ 155 ] Devido à confluência de diversas correntes ideológicas em seu seio, geralmente é atribuído à Primeira Internacional um caráter de classe, e não apenas um caráter político e ideológico atribuído às Internacionais fundadas posteriormente. [ 1 ] No período que se seguiu ao colapso da Primeira Internacional, o movimento operário cresceu de maneira praticamente independente em cada país, mantendo apenas uma ligação tênue. Entre 1876 e 1889, não houve qualquer vínculo estável. Posteriormente, havia conferências internacionais de trabalhadores, convocadas ad hoc por diferentes entidades: 1877, em Gent . 1881, em Chur . 1883 e 1886, em Paris . 1888, em Londres . Após o fim da Internacional de St. Imier, os anarquistas tentaram fundar uma nova Internacional em 1881 que ficou conhecida como ' Internacional Negra ' e que, por um tempo, teve expressão considerável nos Estados Unidos . [ 156 ] A Segunda Internacional foi formada em 1889 por iniciativa de Friedrich Engels na ocasião do Congresso Internacional de Paris, realizado em 14 de julho de 1889, em que participaram delegações de vinte países e que decidiu promover a realização de congressos internacionais periodicamente. [ 157 ] Alguns anarquistas que estiveram presentes ao congresso, defenderam a concentração da luta dos trabalhadores essencialmente no terreno econômico, rejeitando a divisão política, mas eles foram excluídos do congresso, em razão das claras divergências táticas. [ 158 ] A Segunda Internacional, de modo geral, organizou em seu seio partidos socialistas democráticos e reformistas , e esteve ativa até 1916. Uma cisão da extrema-esquerda na organização acabou por originar a Terceira Internacional . [ 10 ] A Terceira Internacional, também conhecida com Internacional Comunista ou Comintern, foi a internacional criada por Lênin e pelo Partido Comunista da União Soviética em março de 1919 para reunir os partidos comunistas de todo o mundo. [ 10 ] Tinha, como propósito, conforme seus primeiros estatutos, 'lutar pela superação do capitalismo, o estabelecimento da ditadura do proletariado e da República Internacional dos Sovietes, a completa abolição das classes e a realização do socialismo, como uma transição para a sociedade comunista, com a completa abolição do Estado e para isso se utilizando de todos os meios disponíveis, inclusive armados, para derrubar a burguesia internacional'. [ 159 ] A Comintern teve sete congressos mundiais, o primeiro deles em março de 1919. Enquanto Lênin viveu, os congressos eram anuais e foram realizados cinco deles, de 1919 a 1923. Após a morte de Lênin, este princípio da anualidade foi abandonado por Stálin , que desconfiava do Comintern e desejava transformá-lo em um mero instrumento da política externa soviética. Assim, sob o comando de Stálin, o Comintern teria apenas dois congressos: o sexto, em 1928, e o sétimo e último, em 1935, antes de ser dissolvido em 1943. [ 10 ] Trótski , após sua expulsão da União Soviética , acaba por fundar na França em 1937 a Quarta Internacional , com o objetivo declarado de ajudar a classe trabalhadora a alcançar o socialismo, considerando que a Comintern estava 'perdida para o stalinismo ' e incapaz de levar a classe trabalhadora internacional ao poder político. [ 160 ] Em dezembro de 1922, é fundada uma nova Associação Internacional dos Trabalhadores , de orientação anarcossindicalista , reivindicando o legado das seções antiautoritárias da Primeira Internacional. Baseada nos princípios do sindicalismo revolucionário , a associação pretende 'dar às organizações econômicas sindicais uma base nacional e industrial' para que possam lutar pelos interesses políticos e econômicos da classe trabalhadora, e onde isto já se verifique, 'fortalecer as que estejam decididas a lutar pela destruição do capitalismo e do Estado'. [ 161 ] Em seu auge, a organização chegou a representar milhões de trabalhadores mundialmente. Seus sindicatos membros tiveram um papel central em importantes conflitos sociais das décadas de 1920 e 1930. Entretanto, a organização formou-se quando diversos países entravam em períodos de extrema repressão, e vários dos maiores sindicatos que integravam a organização foram desarticulados durante esse período. [ 162 ] Entretanto, a Associação Internacional dos Trabalhadores anarcossindicalista permanece ativa até os dias de hoje e conta com representação em Portugal e no Brasil . Ver também [ editar | editar código-fonte ] Anarquismo Comunismo Socialismo Livre associação Movimento operário Comuna de Paris Segunda Internacional Terceira Internacional (Comintern) Quarta Internacional Internacional Negra Internacional Socialista Referências ↑ a b c d e f g «Associação Internacional dos Trabalhadores» . Mundo Educação ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 21–22 ↑ a b Hobsbawm, Eric (1977). A Era do Capital . [S.l.]: Paz e Terra. pp. 124–129 ↑ a b c William Cremer e outros. The General Council of the First International, volume IV (em inglês). ano 323-329. [S.l.]: Progress Publishers ↑ William Cremer e outros. The General Council of the First International, volume I (em inglês). ano 51-54. [S.l.]: Progress Publishers ↑ William Cremer e outros. The General Council of the First International, volume III (em inglês). ano 319-321. [S.l.]: Progress Publishers ↑ William Cremer e outros. The General Council of the First International, volume II (em inglês). ano 175-177. [S.l.]: Progress Publishers ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 25–26 ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 28 ↑ a b c d e f «MIA: Dicionário Político: As Internacionais» . Marxists.org ↑ a b c d e f g «Estatutos Gerais da Associação Internacional dos Trabalhadores» . Marxists.org ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 29 ↑ a b Haupt, Georges (1978). L'Internazionale socialista dalla Comune a Lenin (em italiano). [S.l.]: Einaudi. p. 78 ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 66–67 ↑ a b c Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 374 ↑ a b Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 377 ↑ a b c Lehning, Arthur (1975). Michel Bakounine et les Conflits dans L'Internationale (em francês). [S.l.]: Champ Libre. p. 52 ↑ a b Padover, Saul K (1971). The Karl Marx Library, Volume 3 . On the First International (em inglês). [S.l.]: McGraw-Hill Book Company. p. 14 ↑ a b c d e f g h i j Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 46 ↑ Testut, Oscar (1870). L'Association internationale des travailleurs (em francês). [S.l.]: Aimé Vingtrinier. p. 310 ↑ Testut, Oscar (1871). Le livre blue de l'Internationale (em francês). [S.l.]: Lachaud ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 86 ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 26–27 ↑ Julius Braunthal (1966). History of the International (em inglês). [S.l.]: Nelson. p. 116 ↑ COLLINS, Henry, e ABRAMSKY, Chimen (1965). Karl Marx and the British Labour Movement (em inglês). [S.l.]: MacMillan. p. 60 !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) ↑ COLLINS, Henry, e ABRAMSKY, Chimen (1965). Karl Marx and the British Labour Movement (em inglês). [S.l.]: MacMillan. p. 289 !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 27–28 ↑ Julius Braunthal (1966). History of the International (em inglês). [S.l.]: Nelson. p. 107 ↑ Julius Braunthal (1966). History of the International (em inglês). [S.l.]: Nelson. p. 108 ↑ a b c d e f g h «A Internacional dos Trabalhadores - De sua fundação até o Congresso da Basileia» . Anarkismo.net ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 19–20 ↑ a b «A Primeira Internacional» . Fundação de Estudos Políticos, Econômicos e Sociais Dinarco Reis ↑ «Carta de Marx à Engels, 4 de novembro de 1864» (em inglês). Marxists.org ↑ «Entre Marx e Bakunin: Caminhos e descaminhos da AIT» . Academia.edu ↑ «Entre Marx e Bakunin: Caminhos e descaminhos da AIT» . Academia.edu ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 23–24 ↑ a b Bravo, Gian Mario (1979). Marx e la Prima Internazionale (em italiano). [S.l.]: Laterza. p. 18-19 ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 22–23 ↑ a b c d e f g h i j k l m n o p q Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. pp. 30–31 ↑ Del Bo, Giuseppe (1958). La Première Internationale, volume I . Periodiqués 1864-1877 (em francês). [S.l.]: Armand Colin ↑ COLLINS, Henry, ABRAMSKY, Chimen (1965). Karl Marx and the British Labour Movemente (em inglês). [S.l.]: MacMillan. p. 65 !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) ↑ a b c d e Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 31-32 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 106 ↑ a b c d e f g h i j k Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 34-35 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 9 ↑ Collins, Henry (1965). The International and the British Labour Movement (em inglês). [S.l.]: MacMillan. p. 34 ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 36 ↑ COLLINS, Henry, ABRAMSKY, Chimen (1965). Karl Marx and the British Labour Movement (em inglês). [S.l.]: MacMillan. p. 36 !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) ↑ a b c d Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 37-38 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 253 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 135-136 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 191 ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 38 ↑ a b c d Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 39 ↑ a b c Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 105 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 14 ↑ a b c Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 112 ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 41 ↑ a b Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 402-403 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 262 ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 41 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 74 ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 42 ↑ a b c d Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 43 ↑ Carr, Edward Hallett (1961). Mikhail Bakunin (em inglês). [S.l.]: Vintage. p. 392 ↑ William Cremer e outros (1966). The General Council of the First International, volume III (em inglês). [S.l.]: Progress Publishers. p. 322-324 ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 71 ↑ «Anarquistas e Marxistas» . Marxists.org ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 73 ↑ a b Dolgoff, Sam (1971). Bakunin on Anarchy (em inglês). [S.l.]: Alfred A. Knopf. p. 294-295 ↑ Marx, Karl (2012). Crítica do Programa de Gotha . [S.l.]: Boitempo. p. 112-113 ↑ Bakunin, Mikhail (1976). Michael Bakunin: Selected Writings (em inglês). [S.l.]: Wiley. p. 155 ↑ Bakunin, Mikhail (1971). Michael Bakunin: Selected Writngs (em inglês). [S.l.]: Alfred A. Knopf. p. 155 ↑ a b Karl Marx and Frederick Engels (1986). Marx and Engels Collected Works, volume XXII (em inglês). [S.l.]: Lawrence & Wishart. p. 621 ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 75 ↑ Dolgoff, Sam (1971). Bakunin on Anarchy (em inglês). [S.l.]: Alfred A. Knopf. p. 303 ↑ Dolgoff, Sam (1971). Bakunin on Anarchy (em inglês). [S.l.]: Alfred A. Knopf. p. 303 ↑ «Was Bakunin a secret authoritarian?» . Struggle.ws . Consultado em 8 de setembro de 2009 ↑ Woodcock, George (2002). História das Ideias e Movimentos Anarquistas . Volume I - A Ideia. [S.l.]: L&PM Pocket. p. 158 ↑ «Anarchist Theory FAQ Version 5.2» . Gmu.edu ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 76 ↑ Karl Marx and Frederick Engels (1988). Marx and Engels Collected Works, volume XXIII (em inglês). [S.l.]: Lawrence & Wishart. p. 393 ↑ a b c d e f g Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 68-69 ↑ Baunthal, Julius (1966). History of the International (em inglês). [S.l.]: Nelson. p. 173 ↑ a b c d e f Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 44 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume I (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 19 ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 45 ↑ William Cremer e outros (1966). The General Council of the First International, volume III (em inglês). [S.l.]: Progress Publishers. p. 218 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 238 ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 88 ↑ Freymond, Jacques (295). Études et documents sur la Première Internationale en Suisse (em francês). [S.l.]: Droz. p. 295 ↑ McLellan, Woodford (1979). Revolutionary Exiles (em inglês). [S.l.]: Frank Cass. p. 83-107 ↑ a b c d e f g Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 47 ↑ Morgan, Roger (1965). The German Social Democrats and the First International . 1864-1872 (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. p. 180 ↑ Morgan, Roger (1965). The German Social Democrats and the First International . 1864-1872 (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. p. 10 ↑ a b c d e Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 48 ↑ a b c d Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 49 ↑ Mill, John Stuart (1991). The Collected Works of John Stuart Mill, vol. XXXII (em inglês). [S.l.]: University of Toronto Press. p. 244 ↑ a b c «Comuna de Paris, 1871: Assalto aos céus» . História do Mundo ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 49-50 ↑ a b c d «A Comuna de Paris» . Mundo Educação ↑ «MIA: Dicionário Político: Comuna de Paris» . Marxists.org ↑ Haupt, Georges (1986). Aspect of International Socialism 1871-1914 (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. p. 41 ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 51 ↑ Rougerie, Jacques (1971). Paris libre, 1871 (em francês). [S.l.]: Seuil. p. 49-50 ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 52-53 ↑ a b COLLINS, Henry, ABRAMSKY, Chimen (1965). Karl Marx and the British Labour Movement (em inglês). [S.l.]: MacMillan. p. 222 !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores ( link ) ↑ Haupt, Georges (1978). L'Internazionale socialista dalla Comune a Lenin (em italiano). [S.l.]: Einaudi. p. 28 ↑ a b c d e f g Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 54-55 ↑ a b William Cremer e outros. (1967). The General Council of the Firts International, volume IV (em inglês). [S.l.]: Progress Publishers. p. 259 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 152 ↑ Molnár, Miklós (1963). Le Déclin de la Première Internationale (em francês). [S.l.]: Droz. p. 127 ↑ William Cremer e outros. (1967). The General Council of the Firts International, volume IV (em inglês). [S.l.]: Progress Publishers. p. 440-450 ↑ a b Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 264-265 ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 59 ↑ Bravo, Gian Mario (1978). La Prima Internazionale (em italiano). [S.l.]: Riuniti. p. 787 ↑ Bernstein, Samuel (1965). The First International in America (em inglês). [S.l.]: Augustus M. Kelley. p. 65 ↑ a b c d e f g h Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 59-60 ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 61 ↑ Molnár, Miklós (1963). Le Déclin de la Première Internationale (em francês). [S.l.]: Droz. p. 144 ↑ Haupt, Georges (1978). L'Internazionale socialista dalla Comune a Lenin (em italiano). [S.l.]: Einaudi. p. 88 ↑ a b c d Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 62-63 ↑ «MIA: Dicionário Político: Congresso de Haia» . Marxists.org ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 376 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 378 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 355 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 356 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 340 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 142 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume II (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 144 ↑ a b c d Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 77 ↑ a b c d e Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 78 ↑ Bernstein, Samuel (1965). The First International (em inglês). [S.l.]: Augustus M. Kelley. p. 211 ↑ Bernstein, Samuel (1965). The First International (em inglês). [S.l.]: Augustus M. Kelley. p. 283 ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 79 ↑ Netllau, Max (1969). La Première Internationale en Espagne (em francês). [S.l.]: D. Reidel. p. 163-164 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume III (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 163-164 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume III (em francês). [S.l.]: Institut de Hautes Études Internationales. p. 163-164 ↑ a b c Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 80 ↑ a b c d Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 81 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume IV (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 5 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume IV (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 54-58 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume IV (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 59-63 e 75-77 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume IV (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 646 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume IV (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 347 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume IV (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 350 ↑ Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 82 ↑ Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume IV (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 498 ↑ a b Musto, Marcello (2014). Trabalhadores, uni-vos! . Antologia Política da Primeira Internacional. [S.l.]: Boitempo. p. 83 ↑ a b Termes, Josep (1977). Anarquismo y sindicalismo en España . La Primera Internacional (1864-1881) (em espanhol). [S.l.]: Crítica. p. 277 ↑ Lida, Clara E. (2010). La Primera Internacional en España, entre la organización pública y la clandestinidad (1868-1889) (em espanhol). [S.l.]: Crítica. p. 49 ↑ Termes, Josep (1977). Anarquismo y sindicalismo en España . La Primera Internacional (1864-1881) (em espanhol). [S.l.]: Crítica. p. 70-71. Se creía que la revolución social estaba próxima, que el camino para llegar a ella era la ilegalidad, y que las masas tenían que dejar de hacerse falsas ilusiones sobre los medios leales evolutivos ↑ a b Freymond, Jacques (org.) (1962). La Primière Internationale, volume IV (em francês). [S.l.]: D. Institut de Hautes Études Internationales. p. 591-593 ↑ Droz, Jacques (1977). Historia del socialismo (em espanhol). [S.l.]: Laia ↑ Steklov, Yuri Mikhailovich (1928). «History of The First International by G. M. Stekloff. Chapter Fourteen. Conclusion» . Marxists.org (em inglês) ↑ 'International Working People's Association,' in Candace Falk with Barry Pateman and Jessica M. Moran (eds.), Emma Goldman: A Documentary History of the American Years: Volume 1: Made for America, 1890-1901. Berkeley, CA: University of California Press, 2003. pp. 571-572. ↑ Rubio, José Luis. Las internacionales obreras en América . Rústica, 1971. p. 42. ↑ George Woodcock. Anarchism: A History of Libertarian Ideas and Movements (1962). p. 263-264 ↑ «Terceiro Congresso da Internacional Comunista» (em inglês). Marxists.org ↑ Trótski, Leon (1938). «The Transitional Program» . Marxists.org (em inglês) . Consultado em 26 de janeiro de 2011 ↑ Estatutos da IWA-AIT . ↑ Vadim Damier (2009), Anarcho-syndicalism in the 20th Century Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] O Commons possui imagens e outras mídias sobre Associação Internacional dos Trabalhadores A Primeira Internacional na história do movimento operário europeu (em português ) Wikisource - A Internacional: Documentos e Recordações de James Guillaume (em francês ) Marxists.org - Estatutos Gerais da Internacional (em português ) Marxists.org - A História da Primeira Internacional (em inglês ) Marxists.org - Documentos, instruções, cartas, resoluções e discursos da Primeira Internacional (em inglês ) v • e Internacionais partidárias Ativas Acordo Internacional dos Trabalhadores e dos Povos Aliança Progressista Aliança Internacional de Partidos Libertários Associação Internacional dos Trabalhadores Comitê Internacional da Quarta Internacional Comitê por uma Internacional dos Trabalhadores Conferência Permanente de Partidos Políticos da América Latina Congresso Bolivariano dos Povos Congresso Latino-Americano e Caribenho pela Independência de Porto Rico Coordenação Socialista Latino-Americana Encontro Internacional de Partidos Comunistas e Operários Foro de São Paulo Global Verde África América Ásia e Oceania Europa Internacional de Federações Anarquistas Internacional de Partidos Pirata Internacional Democrata Centrista América Europa Internacional Humanista Internacional Liberal África América Latina Ásia Europa Sudeste Europeu Mundo Árabe Internacional Revolucionária da Juventude Internacional Socialista Irmandade Muçulmana Liga Monárquica Internacional Quarta Internacional (pós-reunificação) Quinta Internacional Seminário Comunista Internacional União Internacional Democrata América Latina África Ásia–Pacífico Caribe Europa UDE ACRE PPE ala jovem Extintas Primeira Internacional Segunda Internacional Terceira Internacional Quarta Internacional Internacional Situacionista Internacional Negra Centro Marxista Revolucionário Internacional Internacional Fascista Movimento Revolucionário Internacionalista Internacional Operária e Socialista Internacional de Saint-Imier União de Partidos Socialistas para a Ação Internacional Internacional Comunista Operária Aliança dos Democratas Temas afins Partido político europeu Partido político Portal do Anarquismo Portal do Comunismo Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Associação_Internacional_dos_Trabalhadores&oldid=50898222 ' Categorias : Primeira Internacional Associações internacionais Comunismo História do socialismo História do anarquismo Movimentos sociais Categorias ocultas: !CS1 inglês-fontes em língua (en) !CS1 italiano-fontes em língua (it) !CS1 francês-fontes em língua (fr) !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores !CS1 espanhol-fontes em língua (es) !Artigos destacados Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas العربية Asturianu Български Català Čeština Cymraeg Dansk Deutsch Zazaki Ελληνικά English Esperanto Español Euskara فارسی Suomi Français Galego עברית Hrvatski Magyar Bahasa Indonesia Italiano 日本語 Қазақша 한국어 Lietuvių Mirandés Nederlands Norsk nynorsk Norsk Polski Русский Srpskohrvatski / српскохрватски Slovenčina Slovenščina Shqip Српски / srpski Svenska தமிழ் Türkçe Українська Tiếng Việt 中文 粵語 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 10h41min de 1 de janeiro de 2018. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://desciclopedia.org/wiki/Categoria%3AItalianos_por_ocupa%C3%A7%C3%A3o
  Categoria:Italianos por ocupação - Desciclopédia Ajuda Categoria:Italianos por ocupação Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo. Ir para: navegação , pesquisa Subcategorias Esta categoria possui as seguintes 38 subcategorias, de um total de 38. A ► Apresentadoras de televisão da Itália ‎ (4 P) ► Arquitetos da Itália ‎ (1 P) ► Astrônomos da Itália ‎ (1 P) ► Atores da Itália ‎ (1 C, ... Itália ‎ (4 P) ► Arquitetos da Itália ‎ (1 P) ► Astrônomos da Itália ‎ (1 P) ► Atores da Itália ‎ (1 C, 2 P) ► Atrizes da Itália ‎ (2 C, 14 P) C ► Cantoras da Itália ‎ (6 P) ► Cantores da Itália ‎ (4 P) ► Cientistas da Itália ‎ (1 P) ► Cineastas da Itália ‎ (1 C, 3 P) ► Compositores da Itália ‎ (7 P) ► Criminosos da Itália ‎ (1 P) D ► Desenhistas da Itália ‎ (1 P) E ► Economistas da Itália ‎ (1 P) ► Empresários da Itália ‎ (2 P) ► Enfermeiras da Itália ‎ (1 P) ► Escritores da Itália ‎ (5 P CACHE

Categoria:Italianos por ocupação - Desciclopédia Ajuda Categoria:Italianos por ocupação Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo. Ir para: navegação , pesquisa Subcategorias Esta categoria possui as seguintes 38 subcategorias, de um total de 38. A ► Apresentadoras de televisão da Itália ‎ (4 P) ► Arquitetos da Itália ‎ (1 P) ► Astrônomos da Itália ‎ (1 P) ► Atores da Itália ‎ (1 C, 2 P) ► Atrizes da Itália ‎ (2 C, 14 P) C ► Cantoras da Itália ‎ (6 P) ► Cantores da Itália ‎ (4 P) ► Cientistas da Itália ‎ (1 P) ► Cineastas da Itália ‎ (1 C, 3 P) ► Compositores da Itália ‎ (7 P) ► Criminosos da Itália ‎ (1 P) D ► Desenhistas da Itália ‎ (1 P) E ► Economistas da Itália ‎ (1 P) ► Empresários da Itália ‎ (2 P) ► Enfermeiras da Itália ‎ (1 P) ► Escritores da Itália ‎ (5 P) ► Escultores da Itália ‎ (1 C, 4 P) ► Esgrimistas femininas de florete da Itália ‎ (1 P) ► Estilistas da Itália ‎ (1 P) F ► Filósofos da Itália ‎ (6 P) ► Futebolistas da Itália ‎ (1 C, 14 P) ► Físicos da Itália ‎ (3 P) M ► Matemáticos da Itália ‎ (6 P) ► Modelos da Itália ‎ (3 C, 11 P) ► Modelos pornográficas da Itália ‎ (5 P) ► Modelos pornográficos da Itália ‎ (1 P) ► Motociclistas da Itália ‎ (1 C) ► Músicos da Itália ‎ (1 C, 3 P) N ► Navegadores da Itália ‎ (3 P) P ► Pilotos da Itália ‎ (3 C, 1 P) ► Pintores da Itália ‎ (4 C, 6 P) ► Poetas da Itália ‎ (4 P) ► Políticos da Itália ‎ (2 C, 6 P) ► Primeiros-ministros da Itália ‎ (2 P) ► Professores da Itália ‎ (1 P) R ► Reis de Roma ‎ (3 P) T ► Teólogos da Itália ‎ (1 P) V ► Vocalistas da Itália ‎ (2 P) Disponível em ' http://desciclopedia.org/index.php?title=Categoria:Italianos_por_ocupação&oldid=2979473 ' Categorias : Itália Pessoas por nacionalidade e ocupação Menu de navegação Ferramentas pessoais Crie uma conta Entrar Ver e modificar namespaces Categoria Discussão Variantes Visualizações Ler Editar Ver histórico Mais Pesquisar Navegação Página principal Babel Página aleatória Colaboração Criar artigo Ajuda Página de testes Mudanças recentes Portal comunitário Ferro-velho Votações Direito a voto Melhores artigos Melhores imagens Usuário do mês Calouro Eliminação de páginas + votações (F)Utilidades Boteco A.A. (ajuda) Mesa de truco Regras Chat Blog Novidades Redes sociais Twitter Correlatos Desnotícias Descionário Deslivros Despoesias Descifras Desentrevistas Descitações Deslistas Desreceitas Desconversas Fatos UnCommons UnMeta Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Páginas especiais Versão para impressão Link permanente Informações da página Esta página foi modificada pela última vez à(s) 15h10min de 11 de setembro de 2013. Conteúdo disponível sob Attribution-Noncommercial-Share Alike 2.5 . NENHUM artigo da Desciclopédia representa a verdade. TODOS servem apenas como sátira ou humor. Política de privacidade Sobre Exoneração de responsabilidade



https://pt.wikipedia.org/wiki/Roma
  Roma – Wikipédia, a enciclopédia livre Roma Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Coordenadas : 41° 54' N 12° 30' E Nota: Para outros significados, veja Roma (desambiguação) . Roma Bandeira Roma Localização de Roma na Itália Coordenadas 41° 54' N 12° 30' E País Itália Região Lácio Província Roma Administração - Prefeito Virginia Raggi Área - Total 1 285 km² Altitude ... (desambiguação) . Roma Bandeira Roma Localização de Roma na Itália Coordenadas 41° 54' N 12° 30' E País Itália Região Lácio Província Roma Administração - Prefeito Virginia Raggi Área - Total 1 285 km ... uma comuna especial (chamada ' Roma Capitale ') da Itália . É a capital do país, da província ... , Roma se tornou a capital do Reino da Itália e em 1946 da República Italiana . Após a Idade Média ... a atração turística mais popular na Itália. [ 11 ] A cidade tem uma das melhores 'marcas' da Europa, tanto CACHE

Roma – Wikipédia, a enciclopédia livre Roma Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Coordenadas : 41° 54' N 12° 30' E Nota: Para outros significados, veja Roma (desambiguação) . Roma Bandeira Roma Localização de Roma na Itália Coordenadas 41° 54' N 12° 30' E País Itália Região Lácio Província Roma Administração - Prefeito Virginia Raggi Área - Total 1 285 km² Altitude 37 m População - Total 2 874 969 (2 017) • Densidade 1 981 hab./km² Código Postal 00100 (genérico), da 00121 a 00199 Código ISTAT 058091 Prefixo telefônico 06 Fiscal H501 Orago padroeiro São Pedro e São Paulo Sítio www.comune.roma.it Roma (em italiano : Roma [ˈroːma] ( ouvir ) ) é uma cidade e uma comuna especial (chamada ' Roma Capitale ') da Itália . É a capital do país, da província homônima e também da região do Lácio . Com 2,8 milhões de habitantes em 1285,3 km² de área, também é a maior cidade italiana e a quarta cidade mais populosa da União Europeia . A área urbana de Roma se estende além dos limites administrativos da cidade com uma população de cerca de 3,8 milhões. [ 1 ] Entre 3,2 e 4,2 milhões de pessoas vivem na área metropolitana da capital italiana. [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ] [ 6 ] A cidade está localizada na porção centro-ocidental da península itálica , cortada pelo rio Tibre , dentro do Lácio. Roma é a única cidade no mundo que tem em seu interior um país inteiro, o enclave do Vaticano . Roma é uma das cidades mais importantes da história da humanidade , exercendo uma influência sem igual no desenvolvimento da história e da cultura dos europeus durante milênios e na construção da Civilização Ocidental . Sua história abrange mais de 2500 anos , desde a sua fundação lendária em 753 a.C. Roma é uma das mais antigas cidades continuamente ocupadas na Europa e é conhecida como 'A Cidade Eterna', uma ideia expressa por poetas escritores da Roma Antiga . No mundo antigo , foi sucessivamente a capital do Reino de Roma , da República Romana e do Império Romano e é considerada um dos berços da civilização ocidental . Desde o século I, a cidade é a sede do papado e no século VIII a cidade tornou-se a capital dos Estados Pontifícios , que duraram até 1870. Em 1871, Roma se tornou a capital do Reino da Itália e em 1946 da República Italiana . Após a Idade Média , Roma foi governada pelos papas Alexandre VI e Leão X , que transformaram a cidade em um dos principais centros do Renascimento italiano , juntamente com Florença . [ 7 ] A versão atual da Basílica de São Pedro foi construída e a Capela Sistina foi pintada por Michelangelo . Artistas famosos e arquitetos, como Bramante , Bernini e Rafael , residiu por algum tempo em Roma, contribuindo para a sua arquitetura renascentista e barroca. Roma é considerada uma cidade global . [ 8 ] [ 9 ] [ 10 ] Em 2007, Roma foi a 11ª cidade mais visitada do mundo, a terceira mais visitada da União Europeia e a atração turística mais popular na Itália. [ 11 ] A cidade tem uma das melhores 'marcas' da Europa, tanto em reputação quanto em patrimônio. [ 12 ] O seu centro histórico é classificado pela UNESCO como Patrimônio Mundial . [ 13 ] Monumentos e museus tais como os Museus Vaticanos e o Coliseu estão entre os destinos turísticos mais visitados do mundo, sendo que ambos os locais recebem milhões de turistas por ano. Roma também sediou os Jogos Olímpicos de Verão de 1960 . Índice 1 Etimologia 2 História 2.1 Fundação 2.1.1 Lenda da fundação de Roma 2.2 Reino, república e império 2.3 Idade Média, período moderno e contemporâneo 3 Geografia 3.1 Clima 4 Demografia 4.1 Composição étnica 4.2 Religião 5 Governo e política 5.1 Relações internacionais 6 Subdivisões 7 Economia 7.1 Turismo 8 Infraestrutura 8.1 Transportes 9 Cultura 9.1 Arquitetura e planejamento urbano 9.2 Esportes 10 Notas 11 Referências 12 Ligações externas Etimologia De acordo com o mito fundador da cidade dos próprios romanos antigos , [ 14 ] acredita-se que a longa tradição da origem do nome 'Roma' venha do fundador e do primeiro rei da cidade, Rômulo . [ 15 ] No entanto, é uma possibilidade que o nome Rômulo tenha sido derivado da própria Roma. Já no século IV, havia teorias alternativas propostas sobre a origem do nome da cidade. Várias hipóteses foram lançadas com foco em raízes linguísticas incertas: [ 16 ] De Rumon ou Rumen , nome arcaico do rio Tibre , que por sua vez tem a mesma raiz do verbo grego ῥέω ( rhèo ) e do verbo latino ruo , que significam 'fluxo'. [ 17 ] Da palavra etrusca ruma , cuja raiz é *rum- 'tetina', com possível referência à loba que adotou e amamentou os gêmeos Rômulo e Remo , ou à forma dos montes Palatino e Aventino . Da palavra grega ῥώμη ( rhōmē ), que significa 'força'. [ 18 ] História Ver artigo principal: História de Roma Afiliações históricas Reino de Roma c. 753 a.C.–509 a.C. República Romana 509 a.C.–27 a.C. Império Romano 27 a.C.–285 Império Romano do Ocidente 285–476 Reino de Odoacro 476–493 Reino Ostrogótico 493–553 Império Romano do Oriente 553–754 Estados Pontifícios 754–1870 Reino da Itália 1870–1946 República Italiana 1946–presente Vaticano 1929-presente Fundação Ver artigo principal: Fundação de Roma Há evidências arqueológicas da ocupação humana da área de Roma há aproximadamente 14.000 anos, mas a camada densa de detritos muito mais jovens obscurece os sítios paleolíticos e neolíticos . [ 19 ] Evidências de ferramentas de pedra, cerâmica e armas de pedra atestam cerca de 10.000 anos de presença humana. Várias escavações apoiam a visão de que Roma cresceu a partir de assentamentos pastorais no monte Palatino , construído acima da área que viria a se tornar o Fórum Romano . Entre o final da era do bronze e o início da era do ferro , cada colina entre o mar e o Capitólio era coberta por uma vila (no Capitólio, uma aldeia é atestada desde o final do século XIV a.C. ). [ 20 ] No entanto, nenhuma delas ainda tinha uma característica urbana. [ 20 ] Atualmente, existe um amplo consenso de que a cidade nasceu gradualmente através da agregação (' sinecismo ') de várias aldeias ao redor do maior, localizadas acima do Palatino. [ 20 ] Esta agregação, que sinaliza a passagem de uma situação proto-urbana para uma situação urbana, foi permitida pelo aumento da produtividade agrícola acima do nível de subsistência, o que permitiu o estabelecimento de atividades secundárias e terciárias: por sua vez, isso impulsionou o desenvolvimento do comércio com a colônias gregas do sul da Itália (principalmente Ísquia e Cumas ). [ 20 ] Todos esses acontecimentos, que de acordo com as escavações arqueológicas ocorreram mais ou menos em meados do século VIII a.C. , podem ser considerados como o 'nascimento' da cidade. [ 20 ] Apesar das recentes escavações na colina do Palatino, a visão de que Roma foi fundada propositalmente em meados do século VIII a.C. , como a lenda sugere (a data da tradição de Rômulo ), continua a ser uma hipótese marginal. [ 21 ] Lenda da fundação de Roma Loba Capitolina amamenta os gêmeos Rômulo e Remo As histórias tradicionais transmitidas pelos próprios antigos romanos explicam a história mais antiga de sua cidade em termos de lendas e mitos. O mais familiar desses mitos, e talvez o mais famoso de todos os mitos romanos, é a história de Rômulo e Remo , os gêmeos que foram amamentados por uma loba . [ 14 ] Eles decidiram construir uma cidade, mas depois de uma discussão, Rômulo matou seu irmão e a cidade tomou seu nome. De acordo com os análogos romanos, isso aconteceu em 21 de abril de 753 a.C. [ 22 ] Esta lenda tinha que ser reconciliada com uma tradição dupla, estabelecida anteriormente, que o refugiado de Troia , Eneias , escapou para a Itália e criou a linhagem dos romanos através de seu filho Iulo , o homônimo da dinastia júlio-claudiana . [ 23 ] Reino, república e império Maquete da Roma Antiga durante o reinado de Constantino (306-337) Ver artigos principais: Roma Antiga , Reino de Roma , República Romana , Império Romano e Queda do Império Romano do Ocidente No começo foi governada por reis mas, novamente de acordo com a tradição, tornou-se uma República em 509 a.C. . [ 24 ] A cidade cresceu e, no final da República, Roma era a capital de um vasto império em volta do Mar Mediterrâneo . No seu auge, durante o século II , a cidade chegou a ter cerca de 45 000 prédios de apartamentos, e uma população de 1 600 000 habitantes. Seus aquedutos transportavam mais de um milhão de metros cúbicos de água, mais água do que chega à Roma moderna. Com o fortalecimento do cristianismo do rei, no século III d.C. , o Bispo de Roma (que mais tarde passaria a ser chamado de Papa ) tornou-se a maior autoridade religiosa na Europa Ocidental . A partir de meados do século III , com o começo das migrações dos povos bárbaros para o interior das fronteiras do império, [ 24 ] e que eventualmente invadiriam por várias vezes a cidade, registrou-se um fluxo de habitantes da cidade para o campo. quando o império entrou em colapso (476), [ 25 ] pouco mais de 50 mil habitantes ainda moravam na cidade. Idade Média, período moderno e contemporâneo Ver artigos principais: Estados Pontifícios e Risorgimento Soldados italianos tomam Roma em 1870 A cidade de Roma estaria em mãos bárbaras (e apoiada economicamente e politicamente pelo Império Bizantino ) por pelo menos mais quatro séculos até que, em 756, Pepino III , o Breve , derrotou os Lombardos , devolvendo a Roma sua autonomia. Roma passaria a ser capital dos Estados Pontifícios até 1870, onde o Papa era a autoridade máxima do Estado. Numa série de acontecimentos sem precedentes em toda a península itálica , Roma tornou-se a capital da nova Itália unificada de Giuseppe Garibaldi , em 1871. Em 11 de fevereiro de 1929, Benito Mussolini estabeleceu, numa série de acordos com o Papado, o Estado independente do Vaticano , cedendo um pedaço de 0,44 km² no seio da cidade a este novo país. Durante a Segunda Guerra Mundial , Roma sofreu pesados bombardeamentos e foi também o palco de várias batalhas, embora tenha sofrido menos danos que outras cidades controladas pelo Eixo (como Berlim ou Varsóvia ). foi capturada pelos Aliados em 4 de junho de 1944, tornando-se a primeira capital de uma potência central do Eixo a cair. Nos anos que se seguiram à guerra, a cidade foi palco de crescimento acelerado. Com cerca de 240 mil habitantes à época da unificação do país, a cidade cresceu para 692 mil em 1921 e 1,6 milhão em 1962. [ carece de fontes ? ] Geografia Imagem de satélite de Roma Panorama de Roma a partir da Basílica de São Pedro . O núcleo do sistema urbano desenvolve-se ao longo do rio Tibre , em pequenos relevos no meio dos quais se encontra a ilha Tiberina . Tanto à esquerda como à direita do rio encontram-se relevos de pouca expressão, restos do antigo aparelho vulcânico designado de Vulcão Lacial , como os montes Tiburtinos e os montes Prenestrinos. Em termos de altitude, a zona varia entre os 13 m ao nível médio do mar da Praça do Povo e os 120 m do monte Mario . [ 26 ] Roma é atravessada ainda por outro rio, o Aniene , que conflui no Tibre ainda em território urbano. As margens do Aniene estão protegidas sob estatuto de parque natural . A comuna de Roma tem limites com as comunas de Albano Laziale , Anguillara Sabazia , Ardea , Campagnano di Roma , Castel Gandolfo , Castel San Pietro Romano , Ciampino , Colonna , Fiumicino , Fonte Nuova , Formello , Frascati , Gallicano nel Lazio , Grottaferrata , Guidonia Montecelio , Marino , Mentana , Monte Porzio Catone , Monte Compatri , Monterotondo , Palestrina , Poli , Pomezia , Riano , Sacrofano , San Gregorio da Sassola , Tivoli , Trevignano Romano , Zagarolo . Clima Roma é caracterizada por seu clima mediterrânico ( Classificação climática de Köppen : Csa ), com invernos suaves e úmidos e verões quentes e secos. Sua temperatura média anual está em cerca de 20 °C durante o dia e 10 °C durante a noite. Em janeiro, o mês mais frio, a temperatura média é de 12 °C durante o dia e de 3 °C à noite. Nos meses mais quentes, julho e agosto, a temperatura média é de 30 °C durante o dia e 18 °C à noite. [ 27 ] A temperatura média anual é de cerca de 15 °C. Dezembro, janeiro e fevereiro são os meses mais frios, com temperaturas médias em torno de 12,5 °C durante o dia e de 3,6 ºC à noite. As temperaturas variam geralmente entre 10 e 15 °C durante o dia e entre 3 e 5 °C à noite, mas com períodos mais frios ou mais quentes que ocorrem com frequência. A queda de neve é ocasional - ocorre em quase todos os invernos, geralmente sem acumulação. Grandes nevascas são raras, sendo a última registrada em 2012. [ 28 ] A umidade relativa média é de 75%, variando de 72% em julho para 77% em novembro. As temperaturas do mar variam de um mínimo de 13 °C em fevereiro e março para uma alta de 24 °C, em agosto. [ 28 ] Fotografia panorâmica de Roma a partir da Basílica de São Pedro , no Vaticano . Demografia Variação demográfica do município entre 1861 e 2011 [ 29 ] Fonte : Istituto Nazionale di Statistica (ISTAT) - Elaboração gráfica da Wikipedia Na época do imperador Augusto , Roma era a maior cidade do mundo: com uma população de cerca de um milhão de pessoas (aproximadamente do tamanho de Londres no início do século XIX, quando Londres era a maior cidade do mundo). [ 30 ] [ 31 ] [ 32 ] Após a queda do Império Romano do Ocidente , a população da cidade caiu drasticamente para menos de 50 mil pessoas e continuou a estagnar ou encolher até o Renascimento . [ 33 ] Quando o Reino da Itália , anexou Roma em 1870, a cidade tinha uma população de cerca de 200 mil habitantes, que aumentou rapidamente para 600 mil pessoas às vésperas da Primeira Guerra Mundial . O regime fascista de Mussolini tentou bloquear um aumento demográfico excessivo da cidade, mas não conseguiu evitar que ela atingisse um milhão de pessoas por 1930. Após a Segunda Guerra Mundial , o crescimento continuou, ajudado por um boom econômico do pós-guerra . O bom desempenho da construção civil também criou um grande número de bairros durante os anos 1950 e 1960. [ 34 ] Em meados de 2010, havia 2 754 440 moradores na cidade propriamente dita, enquanto que cerca de 4,2 milhões de pessoas viviam na Grande Roma (que pode ser aproximadamente identificada com sua província administrativa , com uma densidade populacional de cerca de 800 hab/km², que se estende por mais de 5 000 km ²). Os menores (jovens com abaixo dos 18 anos de idade) totalizaram 17% da população em relação aos aposentados, que representam 20,76% dos habitantes da cidade. Isso se compara com a média italiana de 18,06% (menores de idade) e 19,94% (aposentados). A idade média de um residente romano é de 43 anos, em comparação com a média italiana de 42. Nos cinco anos entre 2002 e 2007, a população de Roma cresceu 6,54%, enquanto a da Itália como um todo cresceu 3,56%. A taxa de natalidade atual de Roma é de 9,10 nascimentos por 1.000 habitantes, em comparação com a média italiana de 9,45 nascimentos. [ 35 ] [ 29 ] Composição étnica Fotografia aérea da cidade De acordo com as últimas estatísticas realizadas pelo ISTAT, Cerca de 9,5% da população romana é composta por não-italianos. Cerca de metade da população imigrante é constituída por pessoas de várias outras origens europeias (principalmente romenos , poloneses , ucranianos e albaneses ), totalizando 131 118 habitantes, ou 4,7% da população. Os 4,8% restantes são imigrantes não-europeus, principalmente filipinos (26 933), bangladechianos (12 154), peruanos (10 530) e chineses (10 283). [ 36 ] O rione Esquilino , fora da Estação Ferroviária Termini , evoluiu para um bairro em grande parte ocupado por imigrantes e que agora é considerado o Chinatown de Roma, mas na verdade imigrantes de mais de cem países diferentes lotam suas ruas movimentadas e praças. A agitada área comercial de Esquilino possui dezenas de restaurantes com todos os tipos de cozinha internacional. Existem inúmeras lojas de roupas por atacado: dos 1 300 ou mais estabelecimentos comerciais que operam no distrito, 800 são de propriedade chinesa, cerca de 300 são geridos por imigrantes de outros países ao redor do mundo e cerca de 200 são de propriedade de italianos . [ 37 ] Panorama da cidade a partir da Via San Lucio . Religião Ver também: Vaticano Basílica de São João de Latrão Grande Sinagoga de Roma . Assim como o resto da Itália , a população da cidade de Roma é predominantemente católica romana . A capital italiana tem sido um importante centro de peregrinação religiosa e, durante séculos, a base da religião romana com o pontífice máximo ( pontifex maximus ) e, mais tarde, como sede do Vaticano e do papa . Antes da chegada dos cristãos em Roma, a religião romana ( religio romana ) era a principal religião da cidade na antiguidade clássica . Os primeiros deuses consideradas sagrados pelos romanos foram Júpiter , o mais importante, e Marte , o deus da guerra e pai dos gêmeos fundadores de Roma, Rômulo e Remo , segundo a tradição. Outros deuses e deusas, como Vesta e Minerva eram homenageados. Roma também era a base de vários cultos misteriosos, como o mitraísmo . Mais tarde, depois de São Pedro e São Paulo serem martirizados na cidade e dos primeiros cristãos começarem a chegar, Roma se tornou cristã e a Antiga Basílica de São Pedro foi construída em 313 d.C. Apesar de algumas interrupções (como o Papado de Avinhão ), Roma foi durante séculos a sede da Igreja Católica Romana e do Bispo de Roma , também conhecido como Papa. [ 38 ] Apesar de Roma ser a casa do Vaticano e da Basílica de São Pedro , a catedral da cidade é a Basílica de São João de Latrão , localizada ao sudeste do centro. Há cerca de 900 igrejas em Roma no total, além da própria catedral e outras, como a Basílica de Santa Maria Maior , a Basílica de São Paulo Extramuros , a Basílica de São Clemente , a Basílica de San Carlo alle Quattro Fontane e a Igreja de Jesus . Há também as antigas catacumbas romanas , no subsolo da cidade. Várias instituições de educação religiosa muito importantes também estão em Roma, como a Pontifícia Universidade Lateranense , o Instituto Pontifício Bíblico , a Pontifícia Universidade Gregoriana e o Pontifício Instituto Oriental . Nos últimos anos, houve um crescimento significativo na comunidade muçulmana de Roma, principalmente devido à imigração de pessoas vindas de países do Norte da África e do Oriente Médio para a cidade. Como consequência deste aumento dos praticantes locais da fé islâmica, o comune promoveu a construção da maior mesquita da Europa, que foi projetado pelo arquiteto Paolo Portoghesi e inaugurada em 21 de junho de 1995. Desde o fim da República Romana , Roma é também o centro de uma importante comunidade judaica , que já foi sediada em Trastevere e mais tarde no Gueto Romano . Lá também se encontra a maior sinagoga de Roma, o Tempio Maggiore . [ 39 ] Praça São Pedro no Vaticano . Governo e política Palazzo Senatorio , sede da prefeitura da cidade Palácio Quirinal , sede do Presidente da Itália . Roma constitui uma speciale comune , com o nome ' Roma Capitale ' e é a maior em termos de área e de população entre as 8 101 comunas da Itália. É governada por um prefeito ( sindaco ), atualmente Francesco Paolo Tronca e um conselho municipal . A sede da comuna é o Palazzo Senatorio no Monte Capitolino , a sede histórica do governo da cidade. A administração local em Roma é comumente referido como ' Campidoglio ', o nome italiano da colina. [ 40 ] Roma é a principal cidade da província de mesmo nome, que inclui a área metropolitana da cidade e se estende ao norte até Civitavecchia . A Província de Roma é o nona maior da Itália por área. Em seus 2 066 km², suas dimensões são comparáveis ​​à região da Ligúria . Além disso, a cidade também é a capital da região do Lácio . Roma é a capital nacional da Itália e é a sede do governo italiano. As residências oficiais do Presidente da República Italiana e do Primeiro-Ministro , as sedes de ambas as casas do Parlamento Italiano e do Tribunal Constitucional Italiano estão localizadas no centro histórico da cidade. Os ministérios estão espalhados por toda a cidade, como o Ministério das Relações Exteriores, que está localizado no Palazzo della Farnesina , perto do Estádio Olímpico . Relações internacionais Roma possui uma única cidade-irmã , e 17 cidades parceiras. Cidade-irmã Paris , França (em francês : Seule Paris est digne de Rome. seule Rome est digne de Paris . em italiano : Solo Parigi è degna di Roma. solo Roma è degna di Parigi . trad. 'Somente Paris é digna de Roma. somente Roma é digna de Paris'). [ 41 ] Cidades parceiras Achacachi , Bolívia . Argel , Argélia Pequim , China Belgrado , Sérvia Brasília , Brasil Cairo , Egito Cincinnati , Estados Unidos Kiev , Ucrânia Londres , Reino Unido Marbella , Espanha Montreal , Canadá ' Nova Iorque , Estados Unidos Plovdiv , Bulgária Seul , Coreia do Sul Sydney , Austrália Tongeren , Bélgica Tóquio , Japão Subdivisões Ver artigo principal: Subdivisões de Roma Subdivisões de Roma A subdivisão administrativa de Roma consiste na divisão do território da comuna de Roma em 19 sub-comunas, designados municípios (anteriormente designados como 'circunscrições'), numerados de 1 a 20. O 14º município foi dissolvido, enquanto, mediante votação popular, Fiumicino adquiriu o estatuto de comuna autónoma. Município I - inclui as regiões do centro histórico de Roma ( riones ) tradicionais (vide abaixo). Município II - inclui os bairros (' quartieri '): Flamínio , Parioli , Pinciano e Salario o Trieste . Município III - inclui: parte do rione Castro Pretório , o bairro Nomentano e parte do Tiburtino . Município IV - inclui os bairros: Monte Sacro , Monte Sacro Alto , Val Melaina , Castel Giubileo , Marcigliana , Casal Boccone e Tor S. Giovanni . Município V - inclui os bairros: Pietralata , Ponte Mammolo , S. Basilio , Settecamini , Tor Cervara , Tor Sapienza e Acqua Vergine e parte do Tiburtino e Collatino . Município VI - inclui parte dos bairros: Tiburtino , Prenestino-Labicano , Tuscolano e Collatino . Município VII - inclui os bairros: Prenestino , Centocelle , Alessandrino e La Rustica e parte do Tuscolano , Collatino , Don Bosco , Tor Cervara , Tor Sapienza e Torre Spaccata . Município VIII - inclui os bairros: Lunghezza , S. Vittorino , Torre Angela e Borghesiana , e parte do Don Bosco , Acqua Vergine , Torre Spaccata , Torre Maura , Torre Nova , Torre Gaia e Ponte di Nona . Município IX - inclui parte dos bairros: Prenestino-Labicano , Tuscolano e Appio Latino . Município X - inclui os bairros: Ápio Cláudio e Capannelle e parte do Tuscolano , Don Bosco , Appio Pignatelli , Torre Maura , Torre Nova e Torre Gaia . Município XI - inclui parte dos bairros: Ápio Latino , Ostiense , Ardeatino , Appio Pignatelli , Torricola e Cecchignola . Município XII - inclui os bairros: Giuliano-Dalmata , EUR , Fonte Ostiense , Vallerano , Castel di Decima e Torrino e parte da Ostiense , Castel di Leva e Cecchignola . Município XIII - inclui os bairros: Ostia Ponente , Ostia Levante e Castel Fusano e parte de Tor de'Cenci e Mezzocamino . Município XV - inclui parte dos bairros: Portuense , Gianicolense , Magliana Vecchia , Ponte Galeria e Pisana . Município XVI - inclui parte dos bairros: Portuense , Gianicolense , Maccarese , Pisana e Castel di Guido . Município XVII - inclui os rioni : Prati e Borgo e parte dos bairros Trionfale e Della Vittoria . Município XVIII - inclui parte dos bairros: Aurelio , Trionfale , Primavalle , Castel di Guido e Casalotti . Município XIX - inclui parte dos bairros: Aurelio , Trionfale , Primavalle e Della Vittoria . Município XX - inclui os bairros: Tor di Quinto , La Giustiniana , La Storta e Cesano e parte de Della Vittoria e Tomba di Nerone . O Centro Histórico de Roma (em italiano : Centro Storico ), inteiramente contido no Município I, está subdividido em 22 riones tradicionais: Rione I - Monti Rione II - Trevi Rione III - Colonna Rione IV - Campo Marzio Rione V - Ponte Rione VI - Parione Rione VII - Regola Rione VIII - Sant'Eustachio Rione IX - Pigna Rione X - Campitelli Rione XI - Sant'Angelo Rione XII - Ripa Rione XIII - Trastevere Rione XIV - Borgo Rione XV - Esquilino Rione XVI - Ludovisi Rione XVII - Sallustiano Rione XVIII - Castro Pretório Rione XIX - Celio Rione XX - Testaccio Rione XXI - San Saba Rione XXII - Prati Economia Obelisco do bairro planejado EUR Sede da FAO em Roma Loja da Versace em Roma Por ser a capital italiana, Roma hospeda todas as principais instituições do país, como a Presidência da República , o governo (e seu único Ministeri ), o Parlamento , os principais tribunais judiciais e os representantes diplomáticos de todos os países para os Estados da Itália e do Vaticano (curiosamente, Roma também abriga, na parte italiana do seu território, a Embaixada da Itália para a Cidade do Vaticano, um caso único de uma embaixada dentro dos limites de seu próprio país). Muitas instituições internacionais estão localizados em Roma, principalmente as culturais e científicas, como o Instituto Norte-Americano, a Escola Britânica, a Academia Francesa, os Institutos Escandinavos, o Instituto Arqueológico Alemão, além de agências especializadas da Organização das Nações Unidas (ONU), como a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Roma, também abriga as principais organizações políticas e culturais internacionais e mundiais, como o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), o Programa Alimentar Mundial (PAM) , o Colégio de Defesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e o Centro Internacional para o Estudo da Preservação e Restauração dos Bens Culturais (ICCROM). Roma é atualmente uma cidade global beta + cidade (depois que perdeu a classificação alfa em 2008), junto com Berlim , Estocolmo , Atenas , Praga , Montreal e Vancouver . [ 8 ] Com uma pontuação de 2,56, Roma também foi classificada em 2010 no 28º lugar no Índice de Cidades Globais (dois lugares superiores em relação a sua posição de 2008), sendo a cidade mais com a mais alta classificação na Itália ( Milão vem em segundo lugar, na 42ª posição). [ 10 ] Além disso, Roma foi classificada como a 15ª cidade do mundo por importância global, principalmente por sua experiência cultural. [ 42 ] Com um PIB de 94,3 bilhões de euros (ou 121,5 bilhões de dólares) em 2005, [ 43 ] a cidade produziu 6,7% do PIB italiano (mais do que qualquer outra cidade no país) e sua taxa de desemprego baixou de 11,1% para 6,5% entre 2001 e 2005, tornando-se uma das taxas mais baixas de todas as capitais da União Europeia . [ 43 ] Roma cresce 4,4% ao ano e continua a crescer a uma taxa mais elevada em comparação com qualquer outra cidade no resto do país. [ 43 ] Isto significa que se Roma fosse um país, seria a 52ª nação mais rica do mundo pelo PIB , próximo ao tamanho da economia do Egito . Roma também tinha um PIB per capita em 2003 de 29.153 euros (ou 37 412 dólares, o segundo lugar na Itália, depois de Milão) e é mais do que 134,1% superior a média de PIB per capita da UE. [ 44 ] Roma, como um todo, tem os maiores arrecadações totais na Itália , atingindo 47 076 890 463 euros em 2008, [ 45 ] no entanto, em termos de rendimento médio dos trabalhadores, a cidade está em nono lugar na Itália, com 24.509 euros. [ 45 ] A área de Roma tinha um PIB no valor de 167,8 bilhões dólares e um PIB per capita de 38.765 euros. [ 46 ] Embora a economia romana seja caracterizada pela ausência de indústria pesada e seja amplamente dominada pelo setor de serviços , empresas de alta tecnologia (como informática , aeroespacial , defesa , telecomunicações ), centros de pesquisa e desenvolvimento , construção civil , atividades comerciais (especialmente o setor bancário ) e o desenvolvimento de uma enorme indústria de turismo são áreas muito dinâmicas e extremamente importantes para a economia da cidade. O Aeroporto Internacional de Roma , Fiumicino, é o maior da Itália e a cidade abriga a sede da grande maioria das grandes empresas italianas, bem como a sede de três das 100 maiores empresas do mundo: Enel , Eni e Telecom Italia . [ 47 ] Turismo Turistas na Fontana di Trevi Arco de Constantino com o Coliseu ao fundo. Praça da República . Roma, atualmente, é um dos destinos turísticos mais importantes do mundo, devido à imensidão incalculável de seus tesouros arqueológicos e artísticos, bem como por suas tradições únicas, a beleza de suas vistas panorâmicas e a majestade de seus magníficos parques. Entre os recursos turísticos mais importantes da cidade estão os seus muitos museus, como os Museus Capitolinos , os Museus Vaticanos e a Galleria Borghese e outros dedicados à arte moderna e contemporânea , além de aquedutos , fontes, igrejas, palácios, edifícios históricos, monumentos e as ruínas do Fórum Romano e da catacumba romana . Roma é a terceira cidade mais visitada da União Europeia , depois de Londres e Paris e recebe uma média de 7 a 10 milhões de turistas por ano, número que, por vezes, dobra em anos sagrados. O Coliseu (com 4 milhões de turistas) e os Museus Vaticanos (com 4,2 milhões de turistas) são o 39º e 37º lugares mais visitados do mundo, respectivamente. [ 48 ] A cidade é um grande centro arqueológico e um dos principais centros mundiais de pesquisa arqueológica . Existem inúmeros institutos culturais e de pesquisa localizadas na cidade, como a Academia Americana em Roma [ 49 ] e o Instituto Sueco em Roma. [ 50 ] A cidade possui vários sítios arqueológicos , como o Fórum Romano , o Mercado de Trajano , o Fórum de Trajano , [ 51 ] o Coliseu e o Panteão . O Coliseu, sem dúvida um dos sítios arqueológicos mais emblemáticos de Roma e é considerado como uma das maravilhas do mundo . [ 52 ] [ 53 ] A capital italiana contém uma coleção vasta e impressionante de arte, esculturas, fontes, mosaicos, afrescos e pinturas de vários períodos históricos diferentes. A cidade tornou-se pela primeira vez um grande centro artístico durante a Roma Antiga , com formas de arte romana importantes como arquitetura, pintura, escultura e trabalho em mosaico. [ 54 ] Roma tornou-se mais tarde um grande centro de arte do Renascimento , uma vez que os papas investiram grandes somas de dinheiro na construção de grandiosas basílicas , palácios, praças e edifícios públicos em geral. Roma tornou-se um dos principais centros europeus de arte renascentista , perdendo apenas para Florença e capaz de se comparar a outras grandes cidades e centros culturais, como Paris e Veneza . A cidade foi muito afetado pelo estilo barroco e Roma se tornou o lar de numerosos artistas e arquitetos, como Bernini , Caravaggio , Carracci , Borromini e Cortona , entre outros. [ 55 ] No final do século XVIII e início do século XIX, a cidade foi um dos centros do Grand Tour , [ 56 ] quando ingleses jovens e ricos, além de outros aristocratas europeus, visitaram a cidade para conhecer a antiga cultura, arte, filosofia e arquitetura romana. Roma foi a casa de um grande número de artistas neoclássicos e rococó , como Pannini e Bernardo Bellotto . Hoje, a cidade é um importante centro artístico, com vários institutos de arte e museus. [ 57 ] Roma também é amplamente reconhecida como uma das capitais mundiais da moda . Apesar de não ser tão importante como Milão , Roma é o quarto centro de moda mais importante do mundo, de acordo com o Global Language Monitor de 2009, após Milão, Nova York e Paris , acima de Londres . [ 58 ] As principais casas de moda de luxo e redes de joalherias , como Bulgari , Fendi , Laura Biagiotti e Brioni , estão sediadas ou foram fundadas na cidade. Além disso, outras marcas grandes, como Chanel , Prada , Dolce & Gabbana , Armani e Versace tem boutiques de luxo na cidade, principalmente ao longo da famosa Via Condotti . [ 59 ] Infraestrutura Transportes Esta seção não cita fontes confiáveis e independentes , o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2014) . Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé . Conteúdo sem fontes poderá ser removido . — Encontre fontes: Google ( notícias , livros e acadêmico ) Vista da Autoestrada A90. Roma é circundada por uma auto-estrada circular de cerca de 60 km de perímetro , designada de Grande Raccordo Anulare (grande cordão circular), que intersecta todas as estradas consulares que datam da Roma Antiga , como a Via Salária , a Nomentana , a Flamínia , Cássia , Aurélia , Portuense , Ápia , Tuscolana , etc. — todas elas partindo do Capitólio e ligando Roma a todo o antigo Império. O ponto de partida, o quilómetro 0 físico, designava-se o miliarium , a coluna outrora dourada e colocada no Fórum , agora de mármore e colocada acima da Cordonata , a escadaria do Capitólio. No transporte aéreo , Roma é servida por três aeroportos : Leonardo da Vinci , civil, situado entre Roma e Fiumicino . Giovan Battista Pastine , ao longo da Via Ápia e da vila de Ciampino , civil low-cost e militar, e o aeroporto da Urbe , a 6 km do centro, ao longo da Via Salária, que atualmente se encontra fechado à aviação civil. Existiu um quarto aeroporto na parte oriental da cidade, entre a Via Prenestina e a Via Casilina , abandonado já há alguns anos, e atualmente em reconstrução para se tornar num dos maiores parques da cidade. Aeroporto Internacional de Roma Porto de Civitavecchia. Estação Sant'Agnese-Annibaliano do Metrô de Roma O coração da cidade é servido por uma rede de metropolitanos , a Metropolitana di Roma . A construção do primeiro ramo teve lugar na década de 1930 e estava planeada para ligar rapidamente a estação de comboios ( Termini ) com a então recente área nos subúrbios a sul, a E42, onde se planeava dar lugar à Exposição Universal de 1942 , que nunca chegou a ser realizada por causa da Segunda Guerra Mundial . A área foi então parcialmente redesenhada e renomeada para EUR durante a década de 1950 para servir como um quarteirão moderno dedicado a escritórios. A linha seria finalmente inaugurada em 1955 e é atualmente parte da Linha B. A linha A foi inaugurada em 1980 entre as estações de Ottaviano e Anagnina , e mais tarde expandida em etapas (1999-2000) até Battistini . Durante a década de 1990 foi inaugurada uma extensão à Linha B de Termini a Rebibbia e encontra-se em construção uma ramificação da mesma. Os achados arqueológicos da Cidade Eterna atrasam, naturalmente, os trabalhos e escavações. A rede subterrânea, relativamente reduzida, é geralmente bastante prática, embora se torne muito congestionada nas horas de ponta e durante eventos, especialmente a Linha A. Em 2005 a total extensão era de 38 km. As duas linhas existentes intersectam-se na Estação Termini , a principal estação de comboios em Roma, que é também a maior estação em toda a Europa , em baixo da qual (e em redor) existe um centro comercial conhecido como o Forum Termini com mais de 100 lojas de variados sectores. Outras estações: Tiburtina , a segunda maior, atualmente em remodelação e expansão para se tornar o principal entroncamente de comboios de alta velocidade na cidade, Ostiense , Trastevere , Tuscolana , San Pietro , Casilina e Torricola . Note-se, no entanto, que o metrô de Roma é uma parte de uma extensa rede de transportes onde se incluem redes de eléctricos , várias linhas urbanas e suburbanas dentro e em redor da cidade, mais uma linha expressa para o Aeroporto de Fiumicino. Enquanto que as linhas regionais da Trenitalia disponibilizam um serviço suburbano em mais de 20 estações espalhadas pela cidade, linhas como a Roma-Lido (com início na estação Ostiense ), a Roma-Pantano (estação Termini ) e Roma-Nord (estação Flaminio ) disponibilizam um serviço metropolitano . Roma dispõe também de um flexível sistema de autocarros . O bilhete único, de duração de 75 minutos (em 2005), permite aos utentes viajar por toda a cidade utilizando qualquer companhia e qualquer meio de transporte. Entretanto, devido ao congestionamento crónico verificado durante as décadas de 1970 e 1980, o centro histórico de Roma condiciona o tráfego numa zona designada de ZTL, Zona de Tráfego Limitada : apenas se pode circular com a viatura dentro da ZTL em horários específicos. em 2005, o horário restritivo ia das 6 às 18 horas. O tráfego intenso verificado durante a vida nocturna em algumas zonas da cidade levou também à criação de novas ZTLs durante a noite nos distritos de Trastevere e San Lorenzo e a título experimental no centro da cidade. Encontra-se em fase de planeamento a possibilidade de levar esta medida ao distrito de Testácio . Durante os últimos anos procedeu-se à conversão dos parques de estacionamento ao longo das ruas em áreas espaçosa para parques pagos, enquanto proliferaram os parques subterrâneos. no entanto, encontrar estacionamento em Roma continua um problema, como vai sendo típico nas grandes cidades. Cultura O Coliseu de Roma tornou-se um dos símbolos da cidade por atestar a magnificência da arte e cultura da Roma Antiga . Roma perdeu o império, mas não a majestade. [ nota 1 ] Com a sua imensa bagagem cultural, é um dos grandes polos de atração turística internacional. Mas não somente do passado vive a Cidade Eterna . É, ainda, um grande centro de referência que se estende da moda à culinária . Assim, não somente pelo fato de ter constituído um grande império se orgulha o romano de sua cidade, assim como não somente para se embevecer com a Roma Antiga afluem para lá cidadãos de todo o mundo (como se, ainda hoje, todos os caminhos para lá convergissem), mas também pela dinâmica programação de eventos. [ nota 2 ] Em certos períodos do ano, são realizados grandes festivais que atraem milhares de pessoas, principalmente jovens. Destacam-se: Festival da Europa de Roma , [ nota 3 ] Festival Romics , [ nota 4 ] Festival de Jazz de Roma , [ nota 5 ] Verões Romanos , [ nota 6 ] Festival de Literatura , [ nota 7 ] Noites Brancas , [ nota 8 ] Devido à sua história milenar , são associados vários símbolos a Roma: o Coliseu , a Lupa Capitolina , os símbolos do cristianismo , e o famoso acrónimo S.P.Q.R. , utilizado durante a expansão imperial para designar as terras como sendo d' O Senado e (d) o Povo Romano . As cores da cidade são o dourado e vermelho , representando, respectivamente, o cristianismo e o Império Romano . Feriados municipais: 21 de Abril , a fundação (aniversário) da cidade, e 29 de Junho , festa dos padroeiros da cidade. Também devido à sua longa história, e dada a sua importância, Roma sempre teve uma população diversa, caracterizada pelos diversos fluxos migratórios. Assim, costuma-se dizer que um verdadeiro romano é aquele cuja família viveu em Roma pelo menos durante sete gerações. Arquitetura e planejamento urbano Centro Histórico de Roma, Propriedades da Santa Sé e Basílica de São Paulo Extramuros * Património Mundial da UNESCO País Itália Critérios i, ii, iii, iv, vi Referência 91 Histórico de inscrição Inscrição 1980 (4ª sessão ) * Nome como inscrito na lista do Património Mundial. Roma está repleta de remanescências do seu passado milenar. No decurso da sua História de mais de dois mil anos, Roma acumulou inúmeros e notáveis tesouros de arte e um património arqueológico sem igual no resto do mundo . Esta característica desta cidade pode ser separada em duas componentes histórica e culturalmente distintas: A Roma Antiga ou também denominada Clássica. [ 24 ] A Roma Papal . [ 60 ] Foi esta abundância de vestígios históricos que permitiu aos analistas reconstruir a história, costumes e algumas preocupações dos habitantes e governantes de Roma. Durante o período régio , nomeadamente no século VI a.C. , período de grande prosperidade para a cidade sob influência etrusca , realizaram-se importantes obras públicas : o Templo de Júpiter no Capitólio , [ 61 ] o santuário arcaico da área de San Omobono , e a construção da Cloaca Massima (um dos primeiros sistemas de esgotos alguma vez construídos) [ 62 ] que iria permitir a bonificação da área do Fórum Romano e a sua primeira pavimentação . Durante a Invasão Gálica ( 390 a.C. ) é construída uma grande cinta muralhada , algumas partes da qual conservam-se ainda em alguns troços, conhecida erroneamente como Muralha Serviana . [ 63 ] A cidade seria rapidamente reconstruída, e foi à tamanha rapidez que os históricos romanos atribuíram o aspecto urbanístico desorganizado da cidade. com efeito, tal deveu-se possivelmente ao seu contínuo crescimento, não previsto nem planeado previamente, com edifícios e estradas simplesmente adaptados à geografia do terreno. Na idade Republicana , assiste-se à fundação de vários edifícios públicos e templos, sobretudo na área do Fórum Romano, cujas referências aparecem nas suas fases sucessivas. Criam-se as primeiras estradas consulares e as suas pontes sobre o rio Tibre , bem como os primeiros aquedutos . Seria apenas a partir do século II a.C. que se assistiria às primeiras transformações monumentais, inseridas num plano urbanístico coerente (por exemplo, os templos republicanos da área sacra do Largo di Torre Argentina , construídos separadamente e unificados através de um grande pórtico . Nasceram tipos arquitectónicos como a basílica civil e o Arco do Triunfo . Pela primeira vez foi aplicada a técnica edificadora do cementizio , um material característico das construções da Roma Antiga , que dotou a arquitectura romana com um desenvolvimento particular e original, e que iniciou a importação de mármore e sua utilização como ornamento nos edifícios. O primeiro templo inteiramente em mármore foi o templo redondo do Fórum Boário . Os autores destas obras, que entretanto ganharam prestígio, iniciaram projetos urbanístico cada vez mais ambiciosos, a partir dos grandes pórticos da zona do Circo Flamínio ao Tabulário de Sula , que se estende do Fórum Romano ao Capitólio, bem como o restauro ao templo capitolino. Pompeu deixa-nos o seu legado na cidade com a construção de um grande Teatro . Júlio César cria também uma nova praça com o seu nome, o Fórum de César , ao mesmo tempo que se dá o restauro da Cúria , sede do senado romano . Vista noturna da Ponte de Santo Ângelo sobre o Rio Tibre , com a Basílica de São Pedro ao fundo ao crepúsculo, vistas da ponte Umberto I . No entanto, o maior desenvolvimento urbanístico deu-se na época Imperial . Com Augusto , a cidade é dividida em 14 regiões . Completam-se as intervenções de César e iniciam-se novos grandes projetos urbanísticos ao lado da praça do Fórum Romano, como a construção da Basílica Júlia e a remodelação da basílica Emília . Augusto, com a ajuda indispensável de Agripa , seu amigo e conselheiro, ocupar-se-ia da sistematização do Campo de Marte , que já vinha sido enriquecida de edifícios públicos e monumentos. Na zona periférica da cidade, é construído o seu mausoléu , e é erigido um grande relógio solar que usa um obelisco como gnômon e o Altar da Paz ( Ara Pacis ). Na área do Circo Flamínio surge o Teatro dedicado a Marcelo e, mais lentamente, o Templo de Apolo Sosiano . O processo de monumentalização da cidade prosseguiu com os sucessores de Augusto. Em 64 d.C. , durante o reinado de Nero , um grande incêndio quase destrói a cidade inteira. Para favorecer uma reconstrução ordenada e corrigir as condições que favoreceram o alastrar do incêndio foi criado um novo plano regulamentar, colocado em prática apenas parcialmente. Nero construirá, assim, a sua Casa Dourada e ocupará os espaços compreendidos entre os montes Célio , Esquilino e Palatino com uma enorme villa . Após a morte de Nero, os imperadores Flavianos restituíram para uso público parte dos espaços ocupados para a sua residência, construindo as Termas de Tito na colina de Ópio e o Coliseu . Ainda durante esta dinastia, são erigidos o Arco de Tito , o Templo da Paz , o Fórum de Nerva e o Palácio imperial no Palatino (' Casa Flávia ' e ' Casa Augustana ' e o Estádio Palatino ), além do estádio de Domiciano , a atual Praça Navona , e o Odeão de Domiciano . Monumento a Vítor Emanuel II da Itália Com Trajano completa-se a série de fóruns imperiais com a grande praça do Fórum de Trajano e a célebre coluna e o complexo contíguo de mercados . Além disso, surgem as termas na colina Ópio. Deve-se a Adriano a construção do Panteão com o seu aspecto atual e a construção de um mausoléu, transformado entretanto no atual Castelo de Santo Ângelo , embora a actividade edificadora diminuísse. Assiste-se ainda à construção do Templo de Adriano , inserido num palácio papal posterior que hoje serve de sede da Borsa di Roma , [ 64 ] o Templo de Antonino e Faustina , no Fórum Romano e a coluna Antonina , dedicada a Marco Aurélio . Durante a dinastia dos Severos são alçados o Arco de Septímio Severo e as termas de Caracala . No decurso do século III , em que os imperadores passavam pouco tempo na cidade, a actividade edificadora quase pára por completo. É, no entanto, neste período que é erigida a Muralha Aureliana , atribuída ao imperador Aureliano , a partir de 272: alguns séculos depois teme-se novamente pela segurança da cidade. As muralhas seriam sucessivamente reforçadas até adquirirem o aspecto monumental atual. Com a Tetrarquia , retoma-se a actividade edificadora com a construção das termas de Diocleciano , da Basílica de Constantino e da grande vila de Magêncio , na Via Ápia , e do Arco de Constantino . A partir de Constantino I dá-se início à construção das primeiras grandes igrejas cristãs : as basílicas de São João de Latrão e de Santa Cruz de Jerusalém , e as basílicas cemiteriais nas tumbas dos mártires contíguas ao mausoléu da família imperial e, ainda durante os anos sucessivos, Santa Maria Maior e São Paulo Fora de Muros . Nos finais do século continuou-se, todavia, a restaurar os edifícios públicos e templos pagãos . O poder temporal do Papado iria interferir, posteriormente, no território citadino e nas igrejas. São também incontáveis os vestígios arquitectónicos na periferia da cidade. Panorama das ruínas do Fórum Romano . Esportes Stadio dei Marmi . No que diz respeito ao desporto e infrastruturas, Roma dispõe do Estádio Olímpico , do Estádio Flaminio e da Lottomatica , um complexo desportivo da década de 1950 . No futebol , Roma é a cidade do Associazione Sportiva Roma (AS Roma), a Società Sportiva Lazio (SS Lazio), ambos na Serie A , a primeira divisão do campeonato italiano, e ainda a Associazione Sportiva Cisco Roma e a equipa feminina S.S. Lazio Calcio . No ciclismo , esta cidade já foi meta de prova no Giro d'Italia , em 1989 (27 de Maio), 7ª etapa, vencida pelo suíço Urs Freuler , e em 2000 (13 de Maio), na prova de contra-relógio , vencida pelo checo Jan Hruška . O Giro del Lazio é uma corrida de ciclismo de um dia, considerada clássica do ciclismo italiano, que é disputada nos arredores de Roma no início de agosto . [ 65 ] Roma ainda se faz representar em provas de basquete ( Virtus Pallacanestro Roma ), andebol ( S.S. Lazio ), polo aquático ( A.S. Roma e S.S. Lazio ), voleibol ( Virtus Roma , Linea Medica Siram Roma ) e râguebi ( Rugby Roma e S.S. Lazio ). A cidade já foi anfitriã dos Jogos Olímpicos de 1960 e foi candidata ao Jogos Olímpicos de 2016 , porém retirou a candidatura. [ 66 ] Panorama do Estádio Olímpico de Roma Notas ↑ Atenção: Este tópico refere-se à Roma contemporânea. Para outras informações tome por base o artigo principal: História de Roma ↑ Na agenda virtual. «ROMA CULTURA» . , podem ser localizados os diversos eventos da cidade de Roma: teatro, música, dança, cinema, instituições, etc. ↑ Encontro anual de arte moderna e teatro , música e dança , com artistas de toda a Europa> ↑ Festival de banda desenhada com exibições, curtas-metragens de designers e editoras . ↑ Festival de música jazz realizado desde 1876, com artistas italianos e internacionais. ↑ Vários eventos desde música a teatro, encontros de literatura e cinema . ↑ Leituras de trabalhos de escritores contemporâneos famosos, acompanhados de música, no recinto da Basilica di Massenzio . ↑ Acontece em setembro com uma série de eventos, como concertos , actuações com entrada livre, exposições livres de igrejas, monumentos ao público, museus e lojas, alguns durante a noite. Programação . Referências ↑ Demographia: World Urban Areas , Março de 2013 ↑ European Spatial Planning Observation Network , Study on Urban Functions (Project 1.4.3) , Final Report, Chapter 3, (ESPON, 2007) ↑ Eurostat , Total population in Urban Audit cities, Larger Urban Zone , accessed on 2009-06-23. Data for 2009 unless otherwise noted. ↑ United Nations Department of Economic and Social Affairs, World Urbanization Prospects (2009 revision) , (United Nations, 2010), Table A.12. Data for 2007. ↑ Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico , Competitive Cities in the Global Economy , OECD Territorial Reviews, (OECD Publishing, 2006), Table 1.1 ↑ Thomas Brinkoff, Principal Agglomerations of the World , accessed on 2009-03-12. Data for 1 April 2011. ↑ «Rome, city, Italy» . Columbia Encyclopedia 6th ed. 2009 ↑ a b «GaWC – The World According to GaWC 2010» . Lboro.ac.uk. 14 de setembro de 2011 . Consultado em 11 de fevereiro de 2012 ↑ «The Global City Competitiveness Index» (PDF) . Managementthinking.eiu.com. 12 de março de 2012 . Consultado em 9 de maio de 2012 ↑ a b «2012 Global Cities Index and Emerging Cities Outlook» (PDF) . Consultado em 9 de maio de 2012 ↑ Bremner, Caroline (12 de dezembro de 2008). «Euromonitor International's Top City Destinations Ranking» . Euromonitor International . Consultado em 2 de março de 2010 ↑ «European city brands» . City Mayors. 28 de agosto de 2008 . Consultado em 14 de junho de 2010 ↑ «Historic Centre of Rome, the Properties of the Holy See in that City Enjoying Extraterritorial Rights and San Paolo Fuori le Mura» . UNESCO World Heritage Center . Consultado em 8 de junho de 2008 ↑ a b Livy (1797). The history of Rome . [S.l.]: Printed for A.Strahan ↑ «Romulus and Remus» . Brittanica.com. 25 de novembro de 2014 . Consultado em 9 de março de 2015 ↑ Claudio Rendina, Roma Ieri, Oggi, Domani , Newton Compton, Roma, 2007, pg. 17 ↑ Hipótese originária do gramático romano Mário Sérvio Honorato . ↑ Hipótese originária de Plutarco ↑ Heiken, G., Funiciello, R. and De Rita, D. (2005), The Seven Hills of Rome: A Geological Tour of the Eternal City. Princeton University Press. ↑ a b c d e Coarelli (1984) p. 9 ↑ Wilford, John Nobel (12 de junho de 2007). «More Clues in the Legend (or Is It Fact?) of Romulus» . New York Times . Consultado em 11 de agosto de 2008 ↑ Hermann & Hilgemann(1964), p.73 ↑ Livy (26 de maio de 2005). The Early History of Rome . [S.l.]: Penguin Books Ltd. ISBN 978-0-14-196307-5 ↑ a b c «História de Roma Antiga e o Império Romano» . suapesquisa.com . Consultado em 29 de Dezembro de 2008 ↑ «Roma Antiga (Monarquia, República e Império)» . InfoEscola . Consultado em 29 de Dezembro de 2008 ↑ «Rome, Italy» (em inglês). PlanetWare . Consultado em 29 de Dezembro de 2008 ↑ «World Map of Köppen−Geiger Climate Classification» ↑ a b «Storia della neve a Roma» . Consultado em 16 de fevereiro de 2012 ↑ a b « Istituto Nazionale di Statistica » 🔗 (em italiano). Statistiche I.Stat ↑ N.Morley, Metropolis and Hinterland (Cambridge, 1996) 33–9 ↑ Duiker, 2001. page 149. ↑ Abstrat of The population of ancient Rome. by Glenn R. Storey. HighBeam Research. Written 1997-12-1. Acessado em 22 de abril de 2007. ↑ P. Llewellyn, Rome in the Dark Ages (London 1993), p. 97. ↑ The Population of Rome by Whitney J. Oates. Originally published in Classical Philology . Vol. 29, No. 2 (April 1934), pp 101–116. Acessado em 22 de abril de 2007. ↑ «Statistiche demografiche ISTAT» . Demo.istat.it . Consultado em 3 de fevereiro de 2010 ↑ «Statistiche demografiche ISTAT» . Demo.istat.it . Consultado em 30 de janeiro de 2011 ↑ Rome Post – what's happening in Rome [ligação inativa] ↑ DURANT, Will , O Livro de Ouro dos Heróis da História, cap.16 - ISBN 85-00-01081-9 ↑ Coarelli , p. 308. ↑ «Roma diventa Capitale» (em Italian) . Consultado em 6 de março de 2012 !CS1 manut: Língua não reconhecida ( link ) ↑ «International relations: Special partners» . Portal of the City of Paris . Consultado em 9 de novembro de 2008 ↑ «The 2008 Global Cities Index» . Foreignpolicy.com. 15 de outubro de 2008 . Consultado em 3 de fevereiro de 2010 ↑ a b c «Rapporto Censis 2006» . Censis.it . Consultado em 3 de fevereiro de 2010 ↑ Observatoribarcelona.org [ligação inativa] ↑ a b «La classifica dei redditi nei comuni capoluogo di provincia» . Il Sole 24 ORE . Consultado em 14 de junho de 2010 ↑ «Global city GDP 2011» . Brookings Institution ↑ DeCarlo, Scott (30 de março de 2006). «The World's 2000 Largest Public Companies» . Forbes . Consultado em 16 de janeiro de 2007 [ligação inativa] ↑ ITVnews.tv [ligação inativa] ↑ «AIRC-HC Program in Archaeology, Classics, and Mediterranean Culture» . Romanculture.org . Consultado em 3 de fevereiro de 2010 ↑ «Isvroma.it» . Isvroma.it . Consultado em 3 de fevereiro de 2010 . Cópia arquivada em 8 de julho de 2008 ↑ James E. Packer (janeiro–fevereiro de 1998). «Trajan's Glorious Forum» . Archaeological Institute of America. Archaeology . 51 (1) . Consultado em 2 de outubro de 2010 ↑ I H Evans (reviser), Brewer's Dictionary of Phrase and Fable (Centenary edition Fourth impression (corrected). London: Cassell, 1975), page 1163 ↑ Francis Trevelyan Miller , Woodrow Wilson , William Howard Taft , Theodore Roosevelt . America, the Land We Love (1915), page 201 Google Books Search ↑ Toynbee, J. M. C. (dezembro de 1971). «Roman Art». The Classical Review . 21 (3): 439–442. JSTOR 708631 . doi : 10.1017/S0009840X00221331 ↑ «Baroque Art of Rome (ROME 211)» . Trincoll.edu . Consultado em 3 de fevereiro de 2010 [ligação inativa] ↑ Matt Rosenberg. «Grand Tour of Europe: The Travels of 17th & 18th Century Twenty-Somethings» . About.com . Consultado em 3 de fevereiro de 2010 ↑ «The Franca Camiz Memorial Field Seminar in Art History» . Trinity College, Hartford Connecticlt . Consultado em 3 de fevereiro de 2010 . Cópia arquivada em 30 de maio de 2008 ↑ «The Global Language Monitor » Fashion» . Languagemonitor.com. 20 de julho de 2009 . Consultado em 17 de outubro de 2009 ↑ «Fendi» . fendi.com . Consultado em 17 de outubro de 2009 ↑ «Roma Papal - Nasce um império temido» . jesusvoltara.com . Consultado em 5 de Janeiro de 2009 ↑ Isabel Prieto González. «TEMPLO DE JUPITER OPTIMUS MAXIMUS, EN EL CAPITOLIO» (em espanhol) . Consultado em 5 de Janeiro de 2009 ↑ «Cloaca Massima» (em italiano). Comune di Roma . Consultado em 5 de Janeiro de 2009 ↑ «A Ascensão de Roma» . Portal Arqueologia . Consultado em 5 de Janeiro de 2009 ↑ «History tour - Borsa di Roma» (em italiano). Borsa Italiana ↑ «Roma Maxima:Italian classic Giro del Lazio reborn» . VeloNews. 28 de fevereiro de 2013 . Consultado em 27 de junho de 2014 ↑ « ' Rome To Become Italy's 2016 Olympic Bid Candidate ' » (em inglês). GamesBids.com. 3 de Outubro de 2006 . Consultado em 12 de Outubro de 2008 Ligações externas Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema: Definições no Wikcionário Livros e manuais no Wikilivros Citações no Wikiquote Imagens e media no Commons Categoria no Commons Guia turístico no Wikivoyage Commons Commons Wikiquote Wikilivros Wikcionário Wikivoyage Página oficial da prefeitura de Roma (em italiano ) Portal oficial de turismo de Roma (em inglês ) Roma v • e Roma Antiga História Fundação Cronologia Reino de Roma Liga Latina República Romana Conquista romana da Itália Ditadura de Fábio Máximo Crise da República Romana Primeiro Triunvirato Segundo Triunvirato Principado Império Romano Dominato Grande incêndio de Roma Ano dos quatro imperadores Dinastia nerva-antonina Ano dos cinco imperadores Crise do terceiro século Ano dos seis imperadores Império das Gálias Império de Palmira Tetrarquia Império Romano do Ocidente Migrações bárbaras Queda do Império Romano do Ocidente Reis bárbaros Império Bizantino História militar Organização Exército Legiões Legionário Guarda pretoriana Duque da guerra Mestre dos soldados Mestre da cavalaria Tropas auxiliares romanas Limes Guerras Batalhas Liga Latina Guerras romano-latinas Guerras Samnitas Guerras Púnicas Guerras Servis Guerras romano-judaicas Guerra Social Segunda Guerra Civil Terceira Guerra Civil Última Guerra Civil da República Campanha de Perúsia Guerra Pírrica Revolta siciliana Conquista da Península Ibérica Guerras Cantábricas Guerras Mitridáticas Campanha de Pompeu contra os piratas Guerras da Gália Invasões da Britânia por Júlio César Conquista romana da Britânia Guerras de Jugurta Governo Instituições SPQR Senado Assembleias Imperador Legado Duque Vigário Lictor Mestre dos soldados Mestre da cavalaria Imperator Príncipe do senado Pontífice máximo Augusto César Tetrarca Províncias Optimates Populares Liberatores Prefeito do pretório Governantes Reis Cônsules republicanos Imperadores Imperatrizes Usurpadores Locais Cúria Romana Fórum Capitais Roma Mediolano Ravena Augusta dos Tréveros Constantinopla Nicomédia Sirmio Magistratura Ordinária Cursus honorum Tribuno Questor Edil Pretor Cônsul Censor Promagistrado Governador Extraordinária Ditador Triunvirato Decenvirato Direito Lei das Doze Tábuas Senatus consultum Código de Teodósio Corpus Juris Civilis Cidadania romana Imperium Lei Licínia Sêxtia Édito de Caracala Édito de Constantino Lex Hortensia Édito de Milão Lei Canuleia Ius gentium · Leges Barbarorum Peregrino Cultura Arte Arquitetura Escultura Pintura Literatura Música Calendário romano Moeda Convenção romana de nomes Gastronomia Vestuário Calendário juliano Romanização Saudação romana Festivais Legado romano Religião Mitologia Culto imperial Pontífice máximo Rei das coisas sagradas Flâmine Flâmine dial Vestal Sociedade Adoção Clientes Economia Escravos Patrícios Plebeus Revolta do Monte Sagrado Línguas Latim Latim antigo Latim clássico Latim vulgar Línguas românicas Literatura latina Engenharia Estradas Cloaca Máxima Catacumbas Termas Teatros Vila Templos Aquedutos Obeliscos Muralha de Adriano Muralha de Antonino v • e Cidades globais Cidades globais alfa Londres • Nova Iorque • Hong Kong • Paris • Singapura • Tóquio • Sydney • Milão • Xangai • Pequim • Madrid • Moscou • Seul • Toronto • Bruxelas • Buenos Aires • Mumbai • Kuala Lumpur • Chicago • Varsóvia • São Paulo • Zurique • Amesterdão • Cidade do México • Jacarta • Dublin • Banguecoque • Taipei • Istambul • Roma • Lisboa • Frankfurt am Main • Estocolmo • Praga • Viena • Budapeste • Atenas • Caracas • Los Angeles • Auckland • Santiago Cidades globais beta Washington DC • Melbourne • Joanesburgo • Atlanta • Barcelona • São Francisco • Manila • Bogotá • Tel Aviv • Nova Deli • Dubai • Bucareste • Oslo • Berlim • Helsínquia • Genebra • Copenhage • Riade • Hamburgo • Cairo • Luxemburgo • Bangalore • Dallas • Cidade do Kuwait • Boston • Munique • Jeddah • Miami • Lima • Kiev • Houston • Guangzhou • Beirute • Karachi • Dusseldorf • Sófia • Montevidéu • Nicósia • Rio de Janeiro • Cidade de Ho Chi Minh Cidades globais gama Montreal • Nairóbi • Bratislava • Cidade do Panamá • Chennai • Brisbane • Casablanca • Denver • Quito • Stuttgart • Vancouver • Zagreb • Manama • Cidade da Guatemala • Cidade do Cabo • San José • Minneapolis • Santo Domingo • Seattle • Ljubliana • Shenzhen • Perth • Calcutá • Guadalajara • Antuérpia • Filadélfia • Roterdão • Amã • Portland • Lagos • Detroit • Manchester • Wellington • Riga • Guayaquil • Edimburgo • Porto • San Salvador • São Petersburgo • Tallinn • Port Louis • San Diego • Islamabad • Birmingham • Doha • Calgary • Almaty • Colombo * Fonte: Inventory of World Cities — The World According to GaWC 2008 v d e Capitais da Europa Capitais de territórios não- soberanos , nações constituintes ou Estados com reconhecimento limitado ou nulo são mostrados em itálico Central Oriental Meridional Ocidental Setentrional Belgrado , Sérvia Berlim , Alemanha Bratislava , Eslováquia Budapeste , Hungria Liubliana , Eslovénia Praga , República Checa Sarajevo , Bósnia e Herzegovina Vaduz , Liechtenstein Varsóvia , Polónia Viena , Áustria Zagreb , Croácia Astana , Cazaquistão 1 Bacu , Azerbaijão 1 Bucareste , Roménia Erevã , Arménia 2 Kiev , Ucrânia Minsk , Bielorrússia Moscovo , Rússia 1 Stepanakert , República de Arcaque 3 Sukhumi , Abecásia 3 Quichinau , Moldávia Tbilisi , Geórgia 1 Tiraspol , Transdniéstria 3 Tskhinvali , Ossétia do Sul 3 Ancara , Turquia 1 Atenas , Grécia Escópia , República da Macedónia Nicósia , Chipre e Chipre do Norte 2, 3 Podgorica , Montenegro Pristina , Kosovo 3 Roma , Itália San Marino , San Marino Sófia , Bulgária Tirana , Albânia Valeta , Malta Vaticano , Vaticano Amesterdão , Países Baixos Andorra-a-Velha , Andorra Berna , Suíça Bruxelas , Bélgica 6 Douglas , Ilha de Man 4 Dublin , Irlanda Gibraltar , Gibraltar 4 Haia , Países Baixos Lisboa , Portugal Londres , Reino Unido Luxemburgo , Luxemburgo Madrid , Espanha Mónaco , Mónaco Paris , França Saint Helier , Jersey 4 Saint Peter Port , Guernsey 4 Copenhaga , Dinamarca Estocolmo , Suécia Helsínquia , Finlândia Longyearbyen , Svalbard Mariehamn , Ilhas Åland Oslo , Noruega Reiquejavique , Islândia Riga , Letónia Tallinn , Estónia Tórshavn , Ilhas Féroe Vilnius , Lituânia 1 Nação transcontinental . 2 Inteiramente no Sudoeste da Ásia , mas com ligações sócio-política com a Europa. 3 países parcialmente reconhecidos . 4 Dependências da Coroa do Reino Unido ou Território ultramarino do Reino Unido . 5 Parte da Espanha . 6 Também a sede da União Europeia , veja Localização de instituições da União Europeia e Bruxelas e a União Europeia . v • e Capitais dos Estados-membros da União Europeia Amesterdão · Atenas · Berlim · Bratislava · Bruxelas · Bucareste · Budapeste · Copenhaga · Dublin · Estocolmo · Helsínquia · Lisboa · Liubliana · Londres · Luxemburgo · Madrid · Nicósia · Paris · Praga · Riga · Roma · Sófia · Tallinn · Valeta · Varsóvia · Viena · Vilnius v d e Cidades-sede dos Jogos Olímpicos de Verão 1896 : Atenas 1900 : Paris 1904 : St. Louis 1908 : Londres 1912 : Estocolmo 1916 : Cancelada 1 1920 : Antuérpia 1924 : Paris 1928 : Amsterdã 1932 : Los Angeles 1936 : Berlim 1940 : Cancelada 2 1944 : Cancelada 2 1948 : Londres 1952 : Helsinki 1956 : Melbourne 1960 : Roma 1964 : Tóquio 1968 : Cidade do México 1972 : Munique 1976 : Montreal 1980 : Moscou 1984 : Los Angeles 1988 : Seul 1992 : Barcelona 1996 : Atlanta 2000 : Sydney 2004 : Atenas 2008 : Pequim 2012 : Londres 2016 : Rio de Janeiro 2020 : Tóquio 2024 : Paris 2028 : Los Angeles 1 Cancelada pela Primeira Guerra Mundial . 2 Canceladas pela Segunda Guerra Mundial v • e Cidades candidatas a sede dos Jogos Olímpicos de Verão de 2020 Vencedora Tóquio Candidatas Madrid ( projeto ) Istambul Postulantes Doha Baku ( projeto ) Canceladas Roma ( projeto ) v • e Cidades-sede da Eurovisão Festival Eurovisão da Canção Lugano 1956 • Frankfurt 1957 • Hilversum 1958 • Cannes 1959 • Londres 1960 • Cannes 1961 • Luxemburgo 1962 • Londres 1963 • Copenhaga 1964 • Nápoles 1965 • Luxemburgo 1966 • Viena 1967 • Londres 1968 • Madrid 1969 • Amesterdão 1970 • Dublin 1971 • Edimburgo 1972 • Luxemburgo 1973 • Brighton 1974 • Estocolmo 1975 • Haia 1976 • Londres 1977 • Paris 1978 • Jerusalém 1979 • Haia 1980 • Dublin 1981 • Harrogate 1982 • Munique 1983 • Luxemburgo 1984 • Gotemburgo 1985 • Bergen 1986 • Bruxelas 1987 • Dublin 1988 • Lausana 1989 • Zagreb 1990 • Roma 1991 • Malmö 1992 • Millstreet 1993 • Dublin 1994 • Dublin 1995 • Oslo 1996 • Dublin 1997 • Birmingham 1998 • Jerusalém 1999 • Estocolmo 2000 • Copenhaga 2001 • Tallinn 2002 • Riga 2003 • Istambul 2004 • Kiev 2005 • Atenas 2006 • Helsínquia 2007 • Belgrado 2008 • Moscovo 2009 • Bærum 2010 • Düsseldorf 2011 • Baku 2012 • Malmö 2013 • Copenhaga 2014 • Viena 2015 • Estocolmo 2016 • Kiev 2017 • Lisboa 2018 • Festival Eurovisão da Canção Júnior Copenhaga 2003 • Lillehammer 2004 • Hasselt 2005 • Bucareste 2006 • Roterdão 2007 • Limassol 2008 • Kiev 2009 • Minsk 2010 • Ierevan 2011 • Amesterdão 2012 • Kiev 2013 • Marsa 2014 • Sófia 2015 • Valetta 2016 • Tbilisi 2017 Festival Eurovisão da Dança Londres 2007 • Glasgow 2008 • Baku 2009 Festival Eurovisão de Jovens Dançarinos Régio da Emília 1985 • Schwetzingen 1987 • Paris 1989 • Helsínquia 1991 • Estocolmo 1993 • Lausana 1995 • Gdańsk 1997 • Lyon 1999 • Londres 2001 • Amesterdão 2003 • Varsóvia 2005 • Oslo 2011 • Gdańsk 2013 • Plzeň 2015 • Praga 2017 Festival Eurovisão de Jovens Músicos Manchester 1982 • Genebra 1984 • Copenhaga 1986 • Amesterdão 1988 • Viena 1990 • Bruxelas 1992 • Varsóvia 1994 • Lisboa 1996 • Viena 1998 • Bergen 2000 • Berlim 2002 • Lucerna 2004 • Viena 2006 • Viena 2008 • Viena 2010 • Viena 2012 • Colónia 2014 • Colónia 2016 Coro do Ano da Eurovisão Riga 2017 • v • e Locais importantes do cristianismo Oriente Médio Antioquia · Belém · Betsaida · Cafarnaum · Caná · Éfeso · Esmirna · Jerusalém · Decápole · Mar da Galileia · Mar Vermelho · Nazaré · Rio Jordão · Tarso · Tiro Ocidente Patmos · Vaticano · Fátima · Aparecida · Lourdes · Monte Atos Templos Basílica da Natividade · Santo Sepulcro · Cenáculo Montes Monte Carmelo · Monte das Oliveiras · Monte da Quarentena · Monte Sinai v • e Patrimônio Mundial na Itália Arte Rupestre do Val Camonica • Centro Histórico de Roma , Propriedades da Santa Sé e Basílica de São Paulo Extramuros • Igreja e Convento Dominicano de Santa Maria delle Grazie com 'A Última Ceia' de Leonardo da Vinci • Centro Histórico de Florença • Piazza del Duomo, Pisa • Veneza e sua Lagoa • Centro Histórico de San Gimignano • Sassi di Matera • Cidade de Vicenza e Villas de Palladio no Véneto • Centro Histórico de Siena • Centro Histórico de Nápoles • Crespi d'Adda • Ferrara, Cidade do Renascimento, e o seu Delta do Pó • Castel del Monte • Centro Histórico da Cidade de Pienza • Trulli de Alberobello • Monumentos Paleocristãos de Ravena • Catedral , Torre Civica e Piazza Grande , Módena • Costa Amalfitana • Jardim Botânico de Pádua • Palácio barroco de Caserta e jardins, Aqueduto de Vanvitelli e Complexo arquitectónico de San Leucio • Portovenere, Cinque Terre e as Ilhas (Palmaria, Tino e Tinetto) • Residências da Casa de Saboia • Su Nuraxi de Barumini • Villa Romana del Casale • Zona Arqueológica de Agrigento • Zonas Arqueológicas de Pompeia , Herculano e Torre Annunziata • Centro Histórico de Urbino • Parque Nacional do Cilento e do Vale de Diano • Zona Arqueológica e Basílica Patriarcal de Aquileia • Vila Adriana • Assis, Basílica de São Francisco e outros Sítios Franciscanos • Ilhas Eólias • Cidade de Verona • Villa d'Este • Cidades do Barroco Tardio do Val di Noto • Sacri Monti do Piemonte e da Lombardia • Necrópoles Etruscas de Cerveteri e Tarquinia • Vale de Orcia • Siracusa e a Necrópole Rochosa de Pantalica • Génova: Le Strade Nuove e o sistema dos Palazzi dei Rolli • Mântua e Sabbioneta • Caminho-de-ferro Récio na Paisagem da Albula e da Bernina • Dolomitas • Lombardos na Itália. Locais do poder (568-774) • Sítios palafíticos pré-históricos em redor dos Alpes • Monte Etna • Vilas e Jardins dos Médici na Toscana • Paisagem vinícola do Piemonte: Langhe-Roero e Monferrato • Palermo árabe-normanda e as Catedrais de Cefalù e Monreale • Obras venezianas de defesa dos séculos XV a XVII: Stato da Terra – Stato da Mar ocidental Portal da Itália Portal da Roma Antiga Portal da geografia Portal da Itália v • e Província de Roma Capital Roma Comunas Affile • Agosta • Albano Laziale •‎ Allumiere • Anguillara Sabazia • Anticoli Corrado • Anzio • Arcinazzo Romano • Ardea • Arícia • Arsoli • Artena • Bellegra • Bracciano • Camerata Nuova • Campagnano di Roma • Canale Monterano • Canterano • Capena • Capranica Prenestina • Carpineto Romano • Casape • Castel Gandolfo • Castel Madama • Castel San Pietro Romano • Castelnuovo di Porto • Cave • Cerreto Laziale • Cervara di Roma • Cerveteri • Ciampino • Ciciliano • Cineto Romano • Civitavecchia‎ • Civitella San Paolo • Colleferro • Colonna • Fiano Romano • Filacciano • Fiumicino • Fonte Nuova • Formello • Frascati‎ • Gallicano nel Lazio • Gavignano • Genazzano • Genzano di Roma‎ • Gerano • Gorga • Grottaferrata • Guidonia Montecelio • Jenne • Labico • Ladispoli • Lanúvio • Lariano • Licenza • Magliano Romano • Mandela • Manziana • Marano Equo • Marcellina • Marino • Mazzano Romano • Mentana • Monte Compatri • Monte Porzio Catone • Monteflavio • Montelanico • Montelibretti • Monterotondo • Montorio Romano • Moricone • Morlupo • Nazzano • Nemi • Nerola • Nettuno‎ • Olevano Romano • Palestrina • Palombara Sabina • Percile • Pisoniano • Poli • Pomezia • Ponzano Romano • Riano • Rignano Flaminio • Riofreddo • Rocca Canterano • Rocca di Cave • Rocca di Papa • Rocca Priora • Rocca Santo Stefano • Roccagiovine • Roiate • Roma‎ • Roviano • Sacrofano • Sambuci • San Cesareo • San Gregorio da Sassola • San Polo dei Cavalieri • San Vito Romano • Sant'Angelo Romano • Santa Marinella • Sant'Oreste • Saracinesco • Segni • Subiaco • Tivoli‎ • Tolfa • Torrita Tiberina • Trevignano Romano • Vallepietra • Vallinfreda • Valmontone • Velletri‎ • Vicovaro • Vivaro Romano • Zagarolo • Lista de comunas na província de Roma Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Roma&oldid=51213561 ' Categorias : Roma Patrimônio Mundial da UNESCO na Itália Categorias ocultas: !CS1 inglês-fontes em língua (en) !CS1 italiano-fontes em língua (it) !Artigos com ligações inativas !CS1 manut: Língua não reconhecida !Artigos com citações quebradas !CS1 espanhol-fontes em língua (es) !Páginas que usam hiperligações mágicas ISBN !Artigos com ligações precisando de desambiguação !Páginas com erro de uso da predefinição Fmtn !Imagem local diferente da no Wikidata !Infobox com geocoordenadas !Artigos que carecem de notas de rodapé desde Março de 2010 !Artigos que carecem de fontes desde fevereiro de 2014 !Artigos que carecem de fontes maiores que 60000 bytes !Navecaixas órfãs Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Ver código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikiquote Wikivoyage Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Аҧсшәа Acèh Адыгабзэ Afrikaans Alemannisch አማርኛ Aragonés Ænglisc العربية ܐܪܡܝܐ مصرى Asturianu Авар Aymar aru Azərbaycanca تۆرکجه Башҡортса Boarisch Žemaitėška Bikol Central Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български भोजपुरी Bislama Bamanankan বাংলা བོད་ཡིག Brezhoneg Bosanski Буряад Català Chavacano de Zamboanga Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄ Нохчийн Cebuano Chamoru Tsetsêhestâhese کوردی Corsu Qırımtatarca Čeština Kaszëbsczi Словѣньскъ / ⰔⰎⰑⰂⰡⰐⰠⰔⰍⰟ Чӑвашла Cymraeg Dansk Deutsch Zazaki Dolnoserbski डोटेली Eʋegbe Ελληνικά Emiliàn e rumagnòl English Esperanto Español Eesti Euskara Estremeñu فارسی Fulfulde Suomi Võro Føroyskt Français Arpetan Nordfriisk Furlan Frysk Gaeilge Gagauz 贛語 Gàidhlig Galego Avañe'ẽ गोंयची कोंकणी / Gõychi Konknni 𐌲𐌿𐍄𐌹𐍃𐌺 Gaelg Hausa 客家語/Hak-kâ-ngî Hawaiʻi עברית हिन्दी Fiji Hindi Hrvatski Hornjoserbsce Kreyòl ayisyen Magyar Հայերեն Interlingua Bahasa Indonesia Interlingue Ilokano Ido Íslenska Italiano 日本語 Patois La .lojban. Basa Jawa ქართული Qaraqalpaqsha Taqbaylit Kabɩyɛ Kongo Қазақша Kalaallisut ភាសាខ្មែរ ಕನ್ನಡ 한국어 Къарачай-малкъар Ripoarisch Kurdî Коми Kernowek Кыргызча Latina Ladino Lëtzebuergesch Лезги Luganda Limburgs Ligure Lumbaart Lingála لۊری شومالی Lietuvių Latviešu मैथिली Мокшень Malagasy Олык марий Māori Македонски മലയാളം Монгол मराठी Bahasa Melayu Malti Mirandés မြန်မာဘာသာ Эрзянь Dorerin Naoero Nāhuatl Napulitano Plattdüütsch Nedersaksies नेपाली नेपाल भाषा Nederlands Norsk nynorsk Norsk Novial Nouormand Chi-Chewa Occitan Livvinkarjala ଓଡ଼ିଆ Ирон ਪੰਜਾਬੀ Papiamentu Picard Deitsch Pälzisch Norfuk / Pitkern Polski Piemontèis پنجابی Ποντιακά Runa Simi Rumantsch Kirundi Română Armãneashti Tarandíne Русский Русиньскый Kinyarwanda संस्कृतम् Саха тыла Sardu Sicilianu Scots Davvisámegiella Sängö Srpskohrvatski / српскохрватски සිංහල Simple English Slovenčina Slovenščina Gagana Samoa ChiShona Soomaaliga Shqip Српски / srpski Sranantongo Sesotho Seeltersk Basa Sunda Svenska Kiswahili Ślůnski தமிழ் తెలుగు Tetun Тоҷикӣ ไทย Türkmençe Tagalog Tok Pisin Türkçe Татарча/tatarça Twi Reo tahiti Удмурт ئۇيغۇرچە / Uyghurche Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Tshivenda Vèneto Vepsän kel’ Tiếng Việt West-Vlams Volapük Walon Winaray Wolof 吴语 მარგალური ייִדיש Yorùbá Zeêuws 中文 文言 Bân-lâm-gú 粵語 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 21h10min de 6 de fevereiro de 2018. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/It%C3%A1lia_%28prov%C3%ADncia_romana%29
  Itália (província romana) – Wikipédia, a enciclopédia livre Itália (província romana) Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes , o que compromete sua credibilidade (desde Novembro de 2012) . Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé . Conteúdo sem fontes poderá ser removido ... Itália (província romana) – Wikipédia, a enciclopédia livre Itália (província romana) Origem ... com a Itália em destaque. Os romanos usavam o termo Itália (em latim Italia ), durante o período ... a Calábria . Durante a república e parte do império, a Itália não era considerada propriamente uma ... exemplo, aos generais romanos era proibido entrar na Itália acompanhados de seus exércitos - foi ... significado geográfico preciso da designação Itália variou com o tempo. Segundo Estrabão CACHE

Itália (província romana) – Wikipédia, a enciclopédia livre Itália (província romana) Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes , o que compromete sua credibilidade (desde Novembro de 2012) . Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé . Conteúdo sem fontes poderá ser removido . — Encontre fontes: Google ( notícias , livros e acadêmico ) Mapa do Império Romano em 117 com a Itália em destaque. Os romanos usavam o termo Itália (em latim Italia ), durante o período histórico da República , para referir-se ao território da península Itálica , do rio Rubicão até a Calábria . Durante a república e parte do império, a Itália não era considerada propriamente uma província romana , e sim o território da cidade de Roma , detendo, portanto, um status especial: por exemplo, aos generais romanos era proibido entrar na Itália acompanhados de seus exércitos - foi a travessia do Rubicão por Júlio César , juntamente com suas tropas, que marcou o início da guerra civil . O significado geográfico preciso da designação Itália variou com o tempo. Segundo Estrabão ( Geografia , v 1), de início o nome indicava o território entre o estreito de Messina e uma linha traçada entre o golfo de Salerno e o golfo de Taranto . posteriormente, o conceito geográfico de Itália foi ampliado de modo a incluir a península Itálica em sua totalidade, bem como a cidade ístria de Pola (a atual Pula , na Croácia ). Finalmente, quando Júlio César outorgou a cidadania romana aos habitantes da Gália Transpadana (i.e., a porção da Gália Cisalpina além o Pó ), a Itália passou a estender-se até os Alpes . Com o término da Guerra Social (91–88 a.C.) , Roma absorveu os aliados itálicos, com plenos direitos, na sociedade romana, atribuindo a todos os povos itálicos a cidadania romana. Índice 1 Regiões augustas 2 A Itália e a reorganização do Império Romano 3 A Itália e o fim do Império do Ocidente 4 Eventos posteriores Regiões augustas [ editar | editar código-fonte ] Etapas da conquista romana da Itália No início do período do império, a Itália era um conjunto de territórios com diferentes estatutos. Algumas cidades, chamadas municípios , gozavam de certa independência de Roma, enquanto que outras, as colônias , haviam sido fundadas pelos próprios romanos. Em cerca de 7 d.C. , Augusto dividiu a Itália em onze regiões, conforme relata Plínio, o Velho ( Naturalis Historia , iii 46): I Região Lácio e Campânia II Região Apúlia e Calábria III Região Lucânia e Brúcio IV Região Sâmnio V Região Piceno VI Região Úmbria e Campo Gálico VII Região Etrúria VIII Região Emília IX Região Ligúria X Região Venécia e Ístria XI Região Transpadana Esta 'província' italiana foi beneficiada por Augusto e seus sucessores com a construção, dentre outras estruturas públicas, de uma extensa rede de estradas . A economia italiana floresceu, com um crescimento considerável da agricultura , da manufatura e das exportações para outras províncias. A população italiana aumentou, como demonstram os três censos de cidadãos do sexo masculino na Itália determinados por Augusto: 4 063 000 em 28 a.C. , 4 233 000 em 8 a.C. e 4 937 000 em 14 d.C. . Incluídas as mulheres e crianças, a população total da Itália no século I d.C. era de cerca de 10 milhões de pessoas. Quando a cidadania romana foi estendida a todo o império, a Itália entrou numa trajetória de declínio, em favor de províncias mais ricas. Ademais, sofreu com os ataques bárbaros do fim do século III ( Crise do terceiro século ). A Itália e a reorganização do Império Romano [ editar | editar código-fonte ] Diocleciano redividiu administrativamente o império em quatro prefeituras pretorianas . A prefeitura pretoriana da Itália , governada pelo augusto do Ocidente, era por sua vez subdividida em duas dioceses , cada uma repartida em territórios menores : A Itália Suburbicária ( Italia suburbicaria - 'sob o governo da cidade [de Roma]'): Apúlia e Calábria Campânia Córsega ( Corsica ) Lucânia e Brúcio Piceno Suburbicário ( Picenum Suburbicarium ) Sâmnio Sardenha ( Sardinia ) Sicília Túscia e Úmbria Valéria Suburbicária A Itália Anonária ( Italia annonaria ), cuja capital era Mediolano (moderna Milão ): Alpes Cócios ( Alpes Cottiae ) Flamínia E Piceno Anonário ( Flaminia et Picenum Annonarium ) Ligúria e Emília ( Liguria et Aemilia ) Récia I ( Raetia ) Récia II Venécia e Ístria ( Venetia et Istria ) As antigas províncias dos Alpes Peninos e Alpes Marítimos passaram a integrar a Diocese das Gálias . A Itália e o fim do Império do Ocidente [ editar | editar código-fonte ] Quando a ameaça bárbara se tornou mais aguda, os imperadores viram-se forçados a mudar a capital de Roma para o norte da Itália e, por vezes, para outras províncias, o que acelerou o declínio da península . Em 330, Constantino I mudou a capital do império para Constantinopla , juntamente com a corte , a administração econômica e as estruturas militares. Após a morte de Teodósio I (395), a Itália foi deixada a cargo do Império Romano do Ocidente . Com as invasões bárbaras , mudou-se a capital do império de Mediolano (a atual Milão ) para Ravena em 402. Alarico I , rei dos visigodos , saqueou Roma em 410 (o primeiro saque da cidade em sete séculos) enquanto o norte da Itália foi atacado pelos hunos . Com os imperadores sob o controle de seus generais bárbaros, o governo imperial encontrava dificuldades para impor-se na Itália. Em 476, com a deposição de Rômulo Augusto e o fim do Império Romano do Ocidente , a Itália permaneceu unida sob o governo de Odoacro , rei dos hérulos . Eventos posteriores [ editar | editar código-fonte ] Ver artigo principal: Risorgimento Em 488, o rei ostrogodo Teodorico, o Grande (r. 493–526) venceu Odoacro em Aquileia e conquistou a região. Em 534, o imperador bizantino Justiniano I (r. 527–565) travou uma guerra de mais de duas décadas com os ostrogodos ( Guerra Gótica ) até por fim vencê-los. Em 568, os lombardos , comandados por Alboíno invadiram a península Itálica vindos da Panônia e o domínio sobre a península foi disputado com o Império Bizantino . Em 756, sugiram os Estados Pontifícios , disputando o domínio territorial com os lombardos e com os bizantinos. A fragmentação territorial da península Itálica perdurou até a proclamação do Reino de Itália em 1861. v • e Províncias romanas circa 117 Acaia África Proconsular Alpes Cócios Alpes Marítimos Alpes Peninos Arábia Pétrea Arménia Ásia Assíria Bética Bitínia e Ponto Britânia Capadócia Chipre Cilícia Córsega e Sardenha Creta e Cirenaica Dácia Dalmácia Egito Epiro Galácia Gália Aquitânia Gália Bélgica Gália Lugdunense Gália Narbonense Germânia Inferior Germânia Superior Lusitânia Itália Judeia Lícia e Panfília Macedónia Mauritânia Cesariense Mauritânia Tingitana Mésia Inferior Mésia Superior Mesopotâmia Nórica Panônia Inferior Panônia Superior Récia Sicília Síria Sofena Tarraconense Trácia Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Itália_(província_romana)&oldid=46870064 ' Categoria : Itália (província romana) Categoria oculta: !Artigos que carecem de fontes desde novembro de 2012 Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas العربية Беларуская Български Català Cymraeg Dansk Deutsch English Esperanto Español Euskara Suomi Français Hrvatski Magyar Հայերեն Bahasa Indonesia Italiano 日本語 ქართული Lietuvių मराठी Nederlands Norsk Occitan Polski Română Русский Scots Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenščina Српски / srpski Svenska ไทย Türkçe Українська اردو 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 20h44min de 3 de outubro de 2016. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://lourdes-150-aparicoes.blogspot.com/
  Lourdes e suas aparições skip to main | skip to sidebar INICIO LOURDES WEBCAM (Nova) WEBCAM (Clássica) VIDEOS 360º FOTOS FÁTIMA Ladainha Na.Sra. de Lourdes Novena Na.Sra. de Lourdes Novena Sta.Bernadete Milagres Fátima O quê pedir? Semana Santa Santa Bernadette Todas as aparições UMA A UMA LUZES DE ESPERANÇA Costumes do Natal Imagens intactas nas catástrofes MUSICA NATAL NOSSA SENHORA INTACTA NAS ... Carini, de San Remo (Itália). Peritonite tuberculose, tuberculose pleural, pulmonar e óssea com artrite coronária. 31 anos em 15-08-1948. Milão (Itália) 02-06-1960. 52. Srta. Jeanne Frétel, de Rennes ... . Tarbes-Lourdes 28-06-1961. 54. Sr. Evasio Ganora, de Casale (Itália). Doença de Hodgkin. 37 anos em 02-06-1950. Casale (Itália) 31-05-1955. 55. Srta. Edeltraud Fulda, (Sra. Haidinger), de Viena ... . 61. Srta. Elisa Aloi, (Sra. Varacalli), de Patti (Itália). Tuberculose osteoarticular com fístulas CACHE

Lourdes e suas aparições skip to main | skip to sidebar INICIO LOURDES WEBCAM (Nova) WEBCAM (Clássica) VIDEOS 360º FOTOS FÁTIMA Ladainha Na.Sra. de Lourdes Novena Na.Sra. de Lourdes Novena Sta.Bernadete Milagres Fátima O quê pedir? Semana Santa Santa Bernadette Todas as aparições UMA A UMA LUZES DE ESPERANÇA Costumes do Natal Imagens intactas nas catástrofes MUSICA NATAL NOSSA SENHORA INTACTA NAS CATÁSTROFES POLIFONICO PIEDADE VIDEOS VIDA 360º LA SALETTE O SEGREDO completo em PORTUGUÊS El SECRETO completo en ESPAÑOL Le Secret complet en FRANÇAIS - FRANCÊS Secret full text INGLÊS - ENGLISH UCRANIANO Ля Салет Tratado da Verdadeira Devoção Beata Isabel Canori Mora Beata Taigi EXORCISMO e exorcistas Beato Palau O.C.D. O Anticristo A Santa Palestina Santa FAUSTINA Fátima, pág. 1 Fátima, pág. 2 Fátima, pág. 3 Nossa Senhora do Bom Sucesso HOLZHAUSER Completo FOTOS DO BLOG UCRANIANO Фатімське послання VIDEOS CIÊNCIA CONFIRMA Corpos incorruptos VIDEOS S.Sudário (videos) S.Sudário (posts) Guadalupe ANJOS Criação Pirâmides Astronomia Bíblia Jesus Cristo Evangelho de Judas Mar Morto Torre de Babel São Pedro São Paulo ORAÇÕES Nossa Senhora Milagres Corpus Christi São Bernardo São Fernando CANTICOS VIDEOS LUZ DE CRISTO Pe. Leonel Franca S.J. VIDEOS VALORES INEGOCIÁVEIS Atualizações em seu email RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Santa Bernadette conta as aparições de Lourdes As aparições de Lourdes segundo as palavras da própria Santa Bernadette Carregando... Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem de São Luis Maria Grignion de Montfort Comentários de Plinio Corrêa de Oliveira Introdução Finalidade do “Tratado da Verdadeira Devoção” Maria Santíssima é insuficientemente conhecida Excelências das faculdades da alma de Nossa Senhora Outras qualidades de Maria Santíssima Devoção a Nossa Senhora: característica da santidade Maria Santíssima é a Onipotência Suplicante Necessidade da devoção à Santíssima Virgem Papel de Nossa Senhora na Encarnação O poder da oração de Nossa Senhora e a nossa vida espiritual A cooperação de Nossa Senhora com Deus Filho Devoção a Nossa Senhora e apostolado A intimidade entre Nosso Senhor e Nossa Senhora aplicada à nossa vida espiritual A confiança total em Nossa Senhora A cooperação de Nossa Senhora com o Espírito Santo Deus quer servir-se de Maria na santificação das almas Necessidade da devoção a Nossa Senhora para a nossa salvação Aplicações para o apostolado Maria no mistério da Igreja. Primeira consequência: Maria é a rainha dos corações Segunda consequência: Maria é necessária aos homens para chegarem ao seu último fim Os apóstolos dos últimos tempos e o demônio Maria, a mais terrível inimiga de Lúcifer Os Santos dos Últimos Tempos Os Apóstolos dos Últimos Tempos Verdades fundamentais da devoção à Santíssima Virgem A pretexto de não ofender a Nosso Senhor, destroem a devoção a Nossa Senhorar Apresentar Nossa Senhora de um modo terno, forte e persuasivo Características da escravidão a Nossa Senhora Seremos escravos, ou de Deus ou do demônio Por que ser escravo de Maria, que é escrava de Deus? A Mediação Universal de Nossa Senhora na obra de São Luís Grignion Fatos que mostram a necessidade de protegermos de nosso fundo de maldade A consciência da própria maldade, condição indispensável para a santificação Escolha da verdadeira devoção à Santíssima Virgem Os falsos devotos e as falsas devoções à Santíssima Virgem A perfeita devoção à Santíssima Virgem ou a perfeita consagração a Jesus Cristo Motivos que nos recomendam esta devoção A devoção a Nossa Senhora aumenta nossas virtudes, unindo-nos sempre mais a Nosso Senhor A graça de possuir uma grande intimidade com Nossa Senhora A escravidão a Nossa Senhora dá valor incalculável às nossas boas obras Figura bíblica desta perfeita devoção: Rebeca e Jacó “Filho, dá-me o teu coração” São Pio X: Lourdes é promessa da vitória iminente sobre os ímpios “É preciso acrescentar que Pio IX não muito antes [das aparições] havia declarado ser de fé católica a Conceição Imaculada de Maria que, na cidade de Lourdes, começaram maravilhosas manifestações da Virgem, e foi, como se sabe, a origem dessas igrejas elevadas em honra da Imaculada Mãe de Deus, obra de alta magnificência e de imensos trabalhos, onde prodígios quotidianos, devidos à sua intercessão, fornecem esplêndidos argumentos para prostrar na confusão a incredulidade moderna. “Tantos e tão insignes benefícios concedidos por Deus pelas piedosas solicitações de Maria, durante os cinqüenta anos transcorridos, não deveriam nos fazer esperar a salvação num tempo ainda mais curto do que nós acreditávamos? Da mesma maneira, há como uma lei da Providência divina, a experiência ensina-nos isto, segundo a qual entre os extremos derradeiros do mal e a liberação jamais há muita distância. “O tempo de sua vinda está próximo. Pois o Senhor terá piedade de Jacob, e em Israel terá seu eleito” (Is. XIV, 1). “É pois com inteira confiança que nós mesmos podemos esperar que dentro em breve exclamemos : “O Senhor quebrou o cetro dos ímpios. A terra está em paz e silêncio, ela se regozija e ela exulta” (Is. XIV, 5 e 7).” Carta encíclica Ad diem illum, de 2 de fevereiro de 1904: Acta Pii X, vol. 1, p.149. Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Nova) (Vista e 7, sem interruções, opção tela inteira) . CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas, em caso de problemas) . Pio XII: a malícia dos adversários permitiu que a aparição de Lourdes brilhasse com mais evidência “Não é de admirar que os nossos predecessores se hajam comprazido em multiplicar os seus favores para com esse santuário. Desde 1860, Pio IX, de santa memória, regozijava-se de que os obstáculos suscitados contra Lourdes pela malícia dos homens houvessem permitido ‘manifestar com mais força e mais evidência a clareza do fato’ (Carta de 4 de setembro de 1869, Ep. lat. an.1869, n. 388, f. 695.). “E, forte dessa segurança, ele cumula de benefícios espirituais a Igreja recém-educada, e faz coroar a estátua de nossa Senhora de Lourdes.” Carta Encíclica “Le Pelèrinage de Lourdes”, 2 de julho de 1957. Pio XI: Lourdes confirmou a proclamação do dogma da Imaculada Conceição “O que em Roma, pelo seu magistério infalível, o sumo pontífice definia, a Virgem Imaculada Mãe de Deus, a bendita entre as mulheres, quis, ao que parece, confïrmá-lo por sua boca, quando pouco depois se manifestou por uma célebre aparição na gruta de Massabielle”. “Certamente, a palavra infalível do pontífice romano, intérprete autêntico da verdade revelada, não necessitava de nenhuma confirmação celeste para se impor à fé dos fiéis. Mas com que emoção e com que gratidão o povo cristão e seus pastores não recolheram dos lábios de Bernardete essa resposta vinda do céu: 'Eu sou a Imaculada Conceição'! Decreto De Tuto para a canonização de santa Bernardete, 2 de julho de 1933: AAS 25(1933), p. 377. Bento XVI em Lourdes: “Numerosas são as pessoas que o testemunharam: o encontro com o rosto luminoso de Bernadete impressionava os corações e os olhares. Tanto durante as aparições como quando ela as narrava, o seu rosto tornava-se completamente radioso. Bernadete já estava habitada pela luz de Massabielle. “No entanto, a vida quotidiana da família Soubirous era tecida de miséria e tristeza, de doença e incompreensão, de rejeição e pobreza. Embora não faltando amor e afecto nas relações familiares, era difícil viver no “cachot” (no “cárcere”). “Contudo, as sombras da terra não impediram de brilhar a luz do céu: «A luz brilha nas trevas...» (Jo 1, 5).” (Fonte: homilia na procissão das velas, 13.9.08) Santa Catarina Labouré: Nossa Senhora de Lourdes é a mesma da Medalha Milagrosa Quando Santa Catarina Labouré soube, em Paris, das aparições de Nossa Senhora em Lourdes, exclamou: “É a mesma!”. A santa lamentou várias vezes que não se tivesse construído na Rue du Bac o santuário dedicado à Medalha Milagrosa, pedido pela Mãe de Deus: “Se os superiores tivessem querido, a Santa Virgem teria escolhido nossa capela” para operar os milagres de Lourdes, disse em outra ocasião. Para Santa Catarina, Nossa Senhora escolheu Lourdes para suprir a falta de interesse das autoridades religiosas de Paris pelo pedido de Nossa Senhora. Fonte: Pe. René Laurentin, “Vie de Catherine Labouré”, Desclée de Brouwer, Paris, 1980, p. 147-148. TODAS AS APARIÇÕES DE LOURDES TODAS AS APARIÇÕES DE LOURDES 1ª aparição. Nossa Senhora aparece na Gruta 2ª aparição. Santa Bernadette quer tirar a dúvida. 3ª aparição. Nossa Senhora fala pela primeira vez. 4ª aparição. Início da 'quinzena'. 5ª aparição. Nossa Senhora dá uma oração especial para Santa Bernadette. 6ª aparição: Nossa Senhora pede rezar pelos pecadores. 7ª aparição: Nossa Senhora dá três segredos. 8ª aparição: “Penitência, penitência, penitência!” 9ª aparição: Nossa Senhora manda se lavar na fonte e comer grama. 10ª aparição: Santa Bernadette manda os presentes imitarem seus atos de piedade. 11ª aparição: os presentes voltam a imitar os atos de piedade da santa. 12ª aparição: única assistida por um sacerdote. 13ª aparição: Nossa Senhora pede uma capela e a procissão. 14ª aparição: pároco zomba dos pedidos. 15ª aparição: última da 'quinzena'. 16ª aparição. 'Eu sou a Imaculada Conceição'. 17ª aparição. O “milagre do círio”. 18ª e última aparição. MAIS SOBRE LOURDES Plinio Corrêa de Oliveira: Lourdes sinaliza que os dias da impiedade estão contados “Em Lourdes, como estrondosa confirmação do dogma, [Nossa Senhora] fez o que nunca antes se vira: instalou no mundo o milagre, por assim dizer, em série e a título permanente. [...] “Dir-se-ia que a humanidade inteira sofre violência, que está sendo posta em uma forma que não convém à sua natureza, e que todas as suas fibras sadias se contorcem e resistem. “Há um anseio imenso por outra coisa, que ainda não se sabe qual é. Mas, enfim ― fato talvez novo desde que começou, no século XV, o declínio da Civilização Cristã ― o mundo inteiro geme nas trevas e na dor, precisamente como o filho pródigo quando chegou ao último da vergonha e da miséria, longe do lar paterno. “No próprio momento em que a iniqüidade parece triunfar, há algo de frustrado em sua aparente vitória [...]. “Nossa Senhora tem alcançado para nós os mais estupendos milagres. Esta piedade se terá extinguido? Têm fim as misericórdias de uma Mãe, e da melhor das mães? “Quem ousaria afirmá-lo? Se alguém duvidasse, Lourdes servir-lhe-ia de admirável lição de confiança. Nossa Senhora há de nos socorrer. [...] “Na realidade Ela já começou a nos socorrer. [...] Os dias do domínio da impiedade estão contados. A definição do dogma da Imaculada Conceição marcou o início de uma sucessão de fatos que conduzirá ao Reinado de Maria”. (Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, “Primeiro marco do ressurgimento contra-revolucionário”, “Catolicismo”, nº 86, fevereiro de 1958). Os 69 milagres reconhecidos pela Igreja 69 milagres de Lourdes foram proclamados oficialmente pela Igreja. Mais de 7.000 curas foram qualificadas de inexplicáveis pela ciência. Os bispos decidirão se as reconhecem canonicamente como milagre. Eis a lista dos 69. Em 1º lugar o nome e local de residência do miraculado. 2º) a doença curada. 3º) idade do doente e data da cura. 4º) diocese e data do reconhecimento do milagre. 1. Sra. Catherine Latapie, apelidada Chouat, de Loubajac (França). Paralisia havia 18 meses. Por volta de 38 anos, no dia 01-03-1858. Tarbes, 18-01-1862. 2. Sr. Louis Bouriette, de Lourdes (França). Perda da vista havia 20 anos. 54 anos em março de 1858. Tarbes, 18-01-1862. 3. Sra. Blaisette Cazenave, (nascida Soupène), de Lourdes (França). Oftalmia crônica havia 3 anos. Por volta de 50 anos, março de 1858. Tarbes, 18-01-1862. 4. Sr. Henri Busquet, de Nay (França). Adenite com úlcera havia 15 meses. Por volta de 15 anos, em 28-04-1858. Tarbes, 18-01-1862. 5. Sr. Justin Bouhort, de Lourdes (França). Atraso de desenvolvimento e consumição física. 2 anos em 06-07-1858. Tarbes, 18-01-1862. 6. Sra. Madeleine Rizan, de Nay (França). Hemiplegia do lado esquerdo havia 24 anos. 58 anos aproximadamente em 17-10-1858. Tarbes, 18-01-1862. 7. Srta. Marie Moreau, de Tartas (França). Perda da vista com lesões inflamatórias havia 10 meses. 17 anos aproximadamente em 09-11-1858. Tarbes, 18-01-1862. 8. Sr. Pierre de Rudder, de Jabbeke (Bélgica). Fratura exposta da perna esquerda com seudo-artrose. 52 anos em 07-04-1875. Bruges (Bélgica) 25-07-1908. 9. Srta. Joachime Dehant, de Gesves (Bélgica). Ulcera da perna direita com gangrena muito desenvolvida. 29 anos em 13-09-1878. Namur (Bélgica) 25-04-1908. 10. Srta. Elisa Seisson, de Rognonas (França). Hipertrofia do coração com edemas nos membros inferiores. 27 anos em 29-08-1882. Aix-en-Provence 02-07-1912. 11. Irmã Eugenia, (Marie Mabille), de Bernay (França). Abscesso com fístulas, flebite. 28 anos em 21-08-1883. Evreux 30-08-1908. 12. Irmã Julienne, (Aline Bruyère), de La Roque (França). Tuberculose pulmonar. 25 anos em 01-09-1889. Tulle 07-03-1912. 13. Irmã Joséphine-Marie, (Anne Jourdain), de Goincourt (França). Tuberculose pulmonar. 36 anos em 21-08-1890. Beauvais 10-10-1908. 14. Srta. Amélie Chagnon, (Religiosa do Sagrado Coração em 25-09-1894), de Poitiers (França). Osteoartrite tuberculosa no joelho e no pé. 17 anos em 21-08-1891. Tournai (Bélgica) 08-09-1910. 15. Srta. Clémentine Trouvé, (Irmã Agnès-Marie), de Rouille (França). Osteoperiostite do pé direito com flebite. 14 anos em 21-08-1891. Paris 06-06-1908. 16. Srta. Marie Lebranchu, (Sra. Wuiplier), de Paris (França). Tuberculose pulmonar. 35 anos em 20-08-1892. Paris 06-06-1908. 17. Srta. Marie Lemarchand, (Sra. Authier), de Caen (França). Tuberculose pulmonar com úlceras no rosto e na perna. 18 anos em 21-08-1892. Paris 06-06-1908. 18. Srta. Elise Lesage, de Bucquoy (França). Osteoartrite tuberculosa do joelho. 18 anos em 21-08-1892. Arras 04-02-1908. 19. Irmã Maria da Apresentação, (Sylvanie Delporte), de Lille (França). Gastrenterite crônica tuberculosa. 46 anos em 29-08-1892. Cambrai 15-08-1908. 20. Padre Cirette, de Beaumontel (França). Esclerose espinal. 46 anos em 31-08-1893. Evreux 11-02-1907. 21. Srta. Aurélie Huprelle, de Saint-Martin-le-Noeud (França). Tuberculose pulmonar aguda. 26 anos em 21-08-1895. Beauvais 01-05-1908. 22. Srta. Esther Brachmann, de Paris (França). Peritonite tuberculosa. 15 anos em 21-08-1896. Paris 06-06-1908. 23. Srta. Jeanne Tulasne, de Tours (França). Mal de Pott lombar. 20 anos em 08-09-1897. Tours 27-10-1907. 24. Srta. Clémentine Malot, de Gaudechart (França). Tuberculose pulmonar. 25 anos em 21-08-1898. Beauvais 01-11-1908. 25. Sra. Rose François, (nascida Labreuvoies), de Paris (França). Fleimão com fístulas no braço direito e enorme edema. 36 anos em 20-08-1899. Paris 06-06-1908. 26. Padre Salvador, de Rouelle (França). Peritonite tuberculosa. 38 anos em 25-06-1900. Rennes 01-07-1908. 27. Irmã Maximilien, (Religiosa da Esperança) de Marselha (França). Quisto no fígado e flebite na perna esquerda. 43 anos em 20-05-1901. Marselha 05-02-1908. 28. Srta. Marie Savoye, de Cateau-Cambresis (França). Doença mitral reumática descompensada. 24 anos em 20-09-1901. Cambrai 15-08-1908. 29. Sra. Johanna Bézenac, (nascida Dubos), de Saint-Laurent-des-Bâtons (França). Caquexia de origem desconhecida e impetigo. 28 anos em 08-08-1904. Périgueux 02-07-1908. 30. Irmã Saint-Hilaire, (Lucie Jupin), de Peyreleau (França) Tumor abdominal. 39 anos em 20-08-1904. Rodez 10-05-1908. 31. Irmã Sainte-Béatrix, (Rosalie Vildier), d’Evreux (França). Laringobronquite tuberculosa. 42 anos em 31-08-1904. Evreux 25-03-1908. 32. Srta. Marie-Thérèse Noblet, d’Avenay (França). Mal de Pott. 15 anos em 31-08-1905. Reims 11-02-1908. 33. Srta. Cécile Douville de Franssu, de Tournai (Bélgica). Peritonite tuberculosa. 19 anos em 21-09-1905. Versailles 08-12-1909. 34. Srta. Antonia Moulin, de Vienne (França). Fistula no fêmur direito e artrite no joelho. 30 anos em 10-08-1907. Grenoble 06-11-1910. 35. Srta. Marie Borel, de Mende (França). Seis fístulas nas regiões lombar e abdominal. 27 anos em 21/22-08-1907. Mende 04-06-1911. 36. Srta. Virginie Haudebourg, de Lons-le-Saulnier Cistite tuberculosa e nefrite. 22 anos em 17-05-1908. Saint-Claude 25-11-1912. (França). 37. Sra. Marie Biré, (nascida Lucas), de Sainte-Gemme-la-Plaine (França). Cegueira de origem cerebral e atrofia papilar bilateral. 41 anos em 05-08-1908. Luçon 30-07-1910. 38. Srta. Aimée Allope, de Vern (França). Numerosos abscessos tuberculosos, quatro dos quais com fístula. 37 anos em 28-05-1909. Angers 05-08-1910. 39. Srta. Juliette Orion, de Saint-Hilaire-de- Voust (França). Tuberculose pulmonar e da laringe. 24 anos em 22-07-1910. Luçon 18-10-1913. 40. Sra. Marie Fabre, de Montredon (França). Enterite, dispepsia e prolapso uterino. 32 anos em 26-09-1911. Cahors 08-09-1912. 41. Srta. Henriette Bressolles, de Nice (França). Mal de Pott, paraplégica. 28 anos aproximadamente em 03-07-1924. Nice 04-06-1957. 42. Srta. Brosse Lydia, de Saint-Raphaël (França). Fistulas tuberculosas múltiplas. 41 anos em 11-10-1930. Coutances 05-08-1958. 43. Irmã Marie-Marguerite, (Françoise Capitaine), de Rennes (França). Abscesso do rim esquerdo com edema e crises cardíacas. 64 anos em 22-01-1937. Rennes 20-05-1946. 44. Srta. Louise Jamain, (Sra. Maître), de Paris (França). Tuberculose pulmonar, intestinal e peritoneal. 22 anos em 01-04-1937. Paris 14-12-1951. 45. Sr. Francis Pascal, de Beaucaire (França). Cegueira e paralise dos membros inferiores. 3 anos 10 mois em 31-08-1938. Aix-en-Provence 31-05-1949. 46. Srta. Gabrielle Clauzel, d’Oran (Algérie). Espondite reumatica. 49 anos em 15-08-1943. Oran (Algeria) 18-03-1948. 47. Srta. Yvonne Fournier, de Limoges (França). Síndrome de Leriche. 22 anos em 19-08-1945. Paris 14-11-1959. 48. Sra. Rose Martin, (nascida Perona), de Nice (França). Câncer no colo do útero. 46 anos em 03-07-1947. Nice 17-03-1958. 49. Sra. Jeanne Gestas, (nascida Pelin), de Bègles (França). Perturbações dispépticas com acidentes pós-operatórios. 50 anos em 22-08-1947. Bordeaux 13-07-1952. 50. Srta. Marie-Thérèse Canin, de Marseille (França). Mal de Pott e peritonite tuberculosa. 37 anos em 09-10-1947. Marselha 06-06-1952. 51. Srta. Maddalena Carini, de San Remo (Itália). Peritonite tuberculose, tuberculose pleural, pulmonar e óssea com artrite coronária. 31 anos em 15-08-1948. Milão (Itália) 02-06-1960. 52. Srta. Jeanne Frétel, de Rennes (França). Péritonite tuberculosa. 34 anos em 08-10-1948. Rennes 20-11-1950. 53. Srta. Théa Angele, (Irmã Maria-Mercedes), de Tettnang (Alemanha). Esclerose em placas havia seis anos. 20 anos em 20-05-1950. Tarbes-Lourdes 28-06-1961. 54. Sr. Evasio Ganora, de Casale (Itália). Doença de Hodgkin. 37 anos em 02-06-1950. Casale (Itália) 31-05-1955. 55. Srta. Edeltraud Fulda, (Sra. Haidinger), de Viena (Áustria). Doença de Addison. 34 anos em 12-08-1950. Viena (Áustria) 18-05-1955. 56. Sr. Paul Pellegrin, de Toulon (França). Fístula pós-operatória de um abscesso do fígado. 52 anos em 03-10-1950. Fréjus-Toulon 08-12-1953. 57. Irmão Léo Schwager, de Friburgo (Suíça). Esclerose em placas havia cinco anos. 28 anos em 30-04-1952. Genebra (Lausanne) Friburgo (Suíça). 18-12-1960. 58. Sra. Alice Couteault, (nascida Gourdon), de Bouille-Loretz (França). Esclerose em placas havia três anos. 34 anos em 15-05-1952. Poitiers 16-07-1956. 59. Srta. Marie Bigot, de La Richardais (França). Cegueira, surdez e hemiplegia. 31 anos em 08-10-1953 e 32 anos em 10-10-1954. Rennes 15-08-1956. 60. Sra. Ginette Nouvel, (nascida Fabre), de Carmaux (França). Doença de Budd-Chiari. 26 anos em 21-09-1954. Albi 31-05-1963. 61. Srta. Elisa Aloi, (Sra. Varacalli), de Patti (Itália). Tuberculose osteoarticular com fístulas múltiplas. 27 anos em 05-06-1958. Messina (Itália) 26-05-1965. 62. Srta. Juliette Tamburini, de Marselha (França). Osteoperiostite femoral com fístula havia 10 anos. 22 anos em 17-07-1959. Marselha 11-05-1965. 63. Sr. Vittorio Micheli, de Scurelle (Itália). Sarcoma do quadril. 23 anos em 01-06-1963. Trento 26-05-1976. 64. Sr. Serge Perrin, de Lion d’Angers (França). Hemiplegia direita com lesões oculares, perturbações circulatórias. 41 anos em 01-05-1970. Angers 17-06-1978. 65. Srta. Delizia Cirolli, (Sra. Costa), de Paternò (Itália). Sarcoma de Ewing no joelho esquerdo. 12 anos em 24-12-1976. Catania (Itália) 28-06-1989. 66. Sr. Jean-Pierre Bély, de La Couronne (França). Esclerose em placas. 51 anos em 09-10-1987. Angoulême 9-02-1999. 67. Srta. Anna Santaniello, Salerno (Itália) Descompensação cardíaca resultante de reumatismo articular agudo. 41 anos em 19-08-1952. Salerno (Itália) 21-09-2005 . 68. Soror Luigina Traverso, Casale Monferrato (Itália). Paralisia da perna esquerda. 31 anos em 23-07-1965. Casale Monferrato (Itália) 11-10-2012. 69. Sra. Danila Castelli, Pavia (Itália). Hipertensao arterial grave com tumores. 43 anos em 04-05-1989. Pavia (Itália) 20-06-2013 São Pio X: Lourdes excede em glória todo outro santuário mariano “A glória única do santuário de Lourdes reside no fato de nele serem os povos atraídos de toda parte, por Maria, à adoração de Cristo Jesus no augusto sacramento. de sorte que aquele santuário, ao mesmo tempo centro de culto mariano e trono do mistério eucarístico, excede em glória, ao que parece, todos os outros no orbe católico”. Breve de 25 de abril de 1911: Arch. Brev. Ap., Pius X, an.1911, Div. Lib. IX, pars I, f. 337. Pio XII: Lourdes e a medalha milagrosa: duas devoções contra-revolucionárias “Devia, no entanto, o século XIX, após a tormenta revolucionária, ser por muitos títulos o século das predileções marianas. Para só citarmos um fato, quem é que não conhece hoje em dia a 'medalha milagrosa'? “Revelada, no próprio coração da capital francesa, a uma humilde filha de São Vicente de Paulo que tivemos a alegria de inscrever no catálogo dos santos, essa medalha cunhada com a efígie de 'Maria concebida sem pecado' espalhou por todos os lugares os seus prodígios espirituais e materiais. “E, alguns anos mais tarde, de 11 de fevereiro a 16 de julho de 1858, à bem-aventurada virgem Maria aprazia, por um favor novo, manifestar-se na terra dos Pirineus a uma menina piedosa e pura, saída de uma família cristã, trabalhadora na sua pobreza. “Ela vem a Bernardete, dizíamos nós outrora, fá-la a sua confidente, a colaboradora, o instrumento da sua ternura maternal e da misericordiosa onipotência de seu Filho, para restaurar o mundo em Cristo por uma nova e incomparável efusão da redenção”. Carta Encíclica “Le Pelèrinage de Lourdes”, 2 de julho de 1957. EXORCISMO e exorcistas Nossa Senhora destrói o pacto que o monge Teófilo tinha assinado com o demônio O EXORCISMO: exorcistas explicam e aconselham Seleção de vídeos Mons. Andrea Gemma, bispo emérito de Isernia-Venafro, fala sobre o exorcismo (em italiano) Mons. Andrea Gemma: ficai longe como do fogo do espiritismo, jogos supersticiosos, ocultismo e outras práticas modernos de Satanás (em italiano) Exorcista Padre Gabriele faz revelações surpreendentes sobre as Aparições de Fátima (legendado em português) Sobre o exorcismo hoje, fala Mons. Rubens Miraglia Zani, pároco de Nossa Senhora do Líbano, Baurú-SP O Pe. Duarte Sousa Lara, exorcista da diocese de Lamego (Portugal) explica o que é o exorcismo e responde perguntas a respeito O Pe. Gabriele Amorth, exorcista da diocese de Roma, explica quem é o diabo e como age (em italiano). Vídeo em duas partes O Pe. Gabriele Amorth, presidente emérito da Associação Internacional dos Exorcistas: Satanás é uma pessoa que reina no inferno e quer destruir a obra de Deus e perder os homens (em italiano) Pe. Gabriele Amorth: poucos santos tiveram que lutar tanto 'corpo a corpo' contra o diabo como o Padre Pio(em italiano) Pe. Gabriele Amorth: como age Lúcifer no mundo (em italiano e espanhol) Pe. Amorth, exorcista de Roma: como rezar contra o demônio (dublado em espanhol) Pe. Amorth, mostra como se faz o exorcismo. Esse só pode ser feito pelo sacerdote autorizado pelo bispo usando o Ritual Romano «O demônio gosta de possuir os homens que ocupam cargos políticos» O Pe. Francesco Bamonte, exorcista, exemplifica como age o demônio com suas vítimas (em italiano) Santa Faustina viu o inferno e deixou escrito o que observou (em italiano) Visão do inferno segundo São João Bosco (legendado em português) O Inferno, segundo a Beata Josefa Menéndez (legendado em português) Assine gratuitamente RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: TUDO SOBRE O SANTO SUDÁRIO Tudo sobre o SANTO SUDÁRIO Santo Sudário: as primeiras surpresas e constatações Inscrição em aramaico no Santo Sudário seria anterior ao ano 70 d.C. Probabilidade de o Santo Sudário ser falso: uma em 225 bilhões! Para matemático, chance de o Santo Sudário não ser verdadeiro é de uma em 200 bilhões “Tudo coincide perfeitamente com os Evangelhos” Santo Sudário: inexplicável imagem tridimensional― Inviabilizada a conjetura de falsificação Engenheiro em nanotecnologia: o Santo Sudário é um testemunho mudo da Ressurreição O enigma que desconcerta a ciência Cientista incrédulo estudou 37 anos o Santo Sudário e hoje tem certeza: é autêntico! O cientista descrente que se rendeu à evidência: não há nada como o Santo Sudário! Professor faz Crucificado seguindo os dados do Santo Sudário A autopsia do Santo Sudário concorda com os Evangelhos Santo Sudário: a imagem completa de um homem cruelmente crucificado (1) Santo Sudário: a imagem completa de um homem cruelmente crucificado (2) “É sangue de um homem torturado e assassinado”, diz estudo atômico do Santo Sudário Cientistas desmontam artifício para “provar” que o Santo Sudário não é autêntico No resgate do Santo Sudário, um milagre em meio às chamas Fotos tridimensionais aumentam certeza de que o Santo Sudário envolveu a Nosso Senhor O Santo Sudário em três dimensões Para ciência de ponta é impossível reproduzir o Santo Sudário A ciência impotente para explicar a imagem do Santo Sudário Santo Sudário: as ciências diante do humanamente inexplicável O Santo Sudário à luz da ciência histórica e das críticas adversas Os templários veneravam o Santo Sudário e por isso foram difamados, diz historiadora do Arquivo Secreto Vaticano Médico espanhol: não acredita no Santo Sudário quem não quer mudar de vida A Santa túnica de Argenteuil comparada por um cientista com o Santo Sudário O Santo Sudário comparado com o Véu da Verônica O Santo Sudário e o Véu da Verônica: falam os cientistas Concordâncias científicas entre o Santo Sudário de Turim e o de Oviedo Santo Sudário de Turim e o Sudário de Oviedo “envolveram a mesma pessoa”, concluiu inquérito As chagas impressas no Santo Sudário de Turim Identificam a ferida da lançada no Santo Sudário de Turim e no Sudário de Oviedo Descobertas da botânica no Santo Sudário Unguentos e polens no Santo Sudário falam de um enterro próprio a um rei Flores no Santo Sudário só poderiam ter sido colhidas em Jerusalém na época da Crucifixão Mais modernos testes concluem que o Santo Sudário é do tempo de Jesus Cristo Cientistas querem teste sério de carbono 14 Sobre o contestado teste do carbono 14 Novos livros confirmam a impropriedade dos testes de Carbono 14 O Homem do Sudário, exposição em cidades brasileiras quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas) . Como ir a Lourdes? veja como ir Postado por Luis Dufaur às 19:34 2 comentários Share | Marcadores: Natal quarta-feira, 13 de dezembro de 2017 Clique e veja a origem e desenvolvimento dos costumes católicos típicos do Natal Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs COSTUMES DO NATAL Árvore de Natal, árvore de Cristo! A primeira Árvore de Natal surgiu pelas santas machadadas de São Bonifácio Árvore de Natal: uma tradição requintada por Santos e reis católicos O Pinheiro natalino, tradição católica medieval A origem das maravilhosas bolas de Natal São Francisco de Assis iniciou o costume de fazer presépios vivos no Natal O Presépio católico e a graça de Natalx A saudade dos presépios cheios de unção católica Como nasceu o Panettone: sorriso da alma católica medieval A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panettones de Natal La “bûche de Noël” na França O “Bolo dos Reis” Origens e significados da Missa do Galo O mundo maravilhoso das feiras de Natal, lampejo do Céu A Coroa do Advento, símbolo do próximo nascimento de Jesus Primeiro Papai Noel em São Luís do Maranhão quase foi morto com trabucos Quem foram os Reis Magos? Reis Magos e pastores: santa harmonia social aos pés do Menino-Deus 25 de dezembro é bem o dia em que Jesus nasceu Assim nasceu a canção 'Noite Feliz' Dado essencial: houve o fenômeno astronômico denominado “estrela de Belém” Astrônomo defende com computador a existência da estrela de Belém Lógica e ternura aliadas na comemoração do Natal “Os 12 dias de Natal”: canção-catecismo dos católicos perseguidos A impregnação das alegrias de Natal O Anjo apontando para o lugar onde Jesus nasceu reaparece em Belém Mais sobre a ‘Missa do Galo’ VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas) . Como ir a Lourdes? veja como ir Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Share | Marcadores: Natal quarta-feira, 6 de dezembro de 2017 Nossa Senhora quer curar sobretudo as almas Imaculada Conceição na Basílica do Rosário em Lourdes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Nossa Senhora está infinitamente abaixo de Deus. E tudo quanto está abaixo de Nossa Senhora está incomensuravelmente abaixo d’Ela. É o que a perenidade das curas de Lourdes nos diz. Há uma certa interpretação da religião um pouco dada a pedir favores materiais, etc., etc., que desdenha os favores espirituais e que se impressiona muito com as curas materiais de Lourdes. Eles não compreendem que os favores materiais que Deus dá são de fato favores. E favores que a gente deve pedir. Mas que só são verdadeiramente favores, na medida em que levam a nossa alma a desejar os favores espirituais. As graças para a alma. É por aí que verdadeiramente Deus atrai as almas para Ele, porque todos os favores tem este objetivo. Não se pense que a cura de Lourdes é só porque Nossa Senhora tem pena do homem que é capenga. Curar as almas é o mais importante Ela tem pena do coxo, é claro. Ela tem gosto em corrigir a capenguiçe do coxo, é claro. Mas Ela muito mais do que isto quer fazer para ele um bem para a alma. E serve-se de um milagre físico, para fazer bem para a alma dele e dos outros que veem isto. E o bem que no caso está em vista é uma grande fé na verdade de que Ela é medianeira todas as graças. Quando é o caso de curar, Ela cura com amor materno, gosta muito de curar. Mas Ela cura para que? Para fazer sentir às pessoas a bondade dEla. E para lhes estimular o desejo de se curarem dos males, das doenças da alma. Para adquirirem os bens da alma. é para isso que Ela faz. E é assim que a coisa deve ser vista. Nossa Senhora atrai as pessoas a Lourdes sobretudo para curar as almas Realmente considerando também a cura do corpo, mas visando sobretudo a cura da alma. Essas são considerações para fazer, por exemplo, na novena de Nossa Senhora de Lourdes ou durante alguma oração a Ela pedindo uma graça que precisamos para nós ou para os outros. (Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, 4 de fevereiro de 1965. Sem revisão do autor) VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas) . Como ir a Lourdes? veja como ir Postado por Luis Dufaur às 05:30 2 comentários Share | segunda-feira, 27 de novembro de 2017 Há 187 anos Nossa Senhora deu a Medalha Milagrosa Santa Catarina Labouré aos pés de Nossa Senhora Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Santa Catarina Labouré, no dia 21 de abril de 1830, transpôs os umbrais do noviciado das Filhas da Caridade, na Rue du Bac, em Paris. Ela chegou, sem sabé-lo, conduzida pela mão de São Vicente de Paula. Primeira aparição: Nossa Senhora mostra que o mundo caminha para um desastre Na noite anterior ao dia da festa de São Vicente, 19 de julho, Catarina ouviu uma voz que a acordava. Assim contou ela: “Enfim, às onze e meia da noite, ouvi que me chamavam pelo nome: ‘Minha irmã! Minha irmã!’ Acordando, corro a cortina e vejo um menino de quatro a cinco anos vestido de branco que me diz: ‘Vinde à Capela. a Santíssima Virgem vos espera’. “Vesti-me depressa e me dirigi para o lado do menino que permanecera de pé. Eu o segui, sempre à minha esquerda. “Por todos os lugares onde passávamos, as luzes estavam acesas, o que me espantava muito. “Porém, muito mais surpresa fiquei quando entrei na Capela: a porta se abriu mal o menino a tocou com a ponta do dedo. E minha surpresa foi ainda mais completa quando vi todas as velas e castiçais acesos, o que me recordava a missa de meia-noite .... “Por fim, chegou a hora. O menino mo preveniu: ‘Eis a Santíssima Virgem: ei-La’. “Eu ouvi como um frufru de vestido de seda, que vinha do lado da tribuna, perto do quadro de São José, e que pousava sobre os degraus do altar, do lado do Evangelho, sobre uma cadeira igual à de Sant'Ana ... “Nesse momento, olhando para a Santíssima Virgem, dei um salto para junto dEla, pondo-me de joelhos sobre os degraus do altar e com as mãos apoiadas sobre os joelhos da Santíssima Virgem... Altar da apariçao e poltrona onde Nossa Senhora sentou “Ali se passou o momento mais doce de minha vida. Ser-me-ia impossível exprimir tudo o que senti. Ela disse: .... ‘Minha filha, o bom Deus quer encarregar-vos de uma missão. Tereis muito que sofrer, mas superareis estes sofrimentos pensando que o fareis para a glória do bom Deus ... Sereis contraditada, mas tereis a graça. não temais … Sereis inspirada em vossas orações... “Os tempos são muito maus, calamidades virão precipitar-se sobre a França. O trono será derrubado. O mundo inteiro será transtornado por males de toda ordem. (Ao dizer isto, a Santíssima Virgem tinha um ar muito penalizado). Corpo incorrupto de Santa Catarina Labouré “Mas vinde ao pé deste altar: aí as graças serão derramadas... sobre todas as pessoas, grandes pequenas, particularmente sobre aquelas que as pedirem... “O perigo será grande, entretanto não temais, o bom Deus e São Vicente protegerão a comunidade’”. “Minha filha, eu gosto de derramar graças sobre a comunidade em particular. Eu a aprecio muito. Sofro porque há grandes abusos na regularidade. As Regras não são observadas. Há grande relaxamento nas duas comunidades. “Dizei-o àquele que está encarregado de uma maneira particular da comunidade. Ele deve fazer tudo o que lhe for possível para repor a regra em vigor. Dizei-lhe, de minha parte, que vigie sobre as más leituras, as perdas de tempo e as visitas... Corpo de Santa Catarina Labouré na Capela da rue du Bac, Paris “Conhecereis minha visita e a proteção de Deus e de São Vicente sobre as duas comunidades. Mas não se dará o mesmo com outras congregações. “Haverá vítimas (ao dizer isto, a Santíssima Virgem tinha lágrimas nos olhos). Para o Clero de Paris haverá vítimas: Monsenhor, o Arcebispo (a esta palavra, lágrimas de novo). “Minha filha, a Cruz será desprezada e derrubada por terra. O sangue correrá. Abrir-se-á de novo o lado de Nosso Senhor. As ruas estarão cheias de sangue. “Monsenhor, o Arcebispo será despojado de suas vestes (aqui Santíssima Virgem não podia mais falar o sofrimento estava estampado em sua face). Minha filha – me dizia ela – o mundo todo estará na tristeza. A estas palavras, pensei quando isto se daria. Eu compreendi muito bem: quarenta anos”. Rue du Bac, Capela das Aparições Quatro meses depois da primeira aparição, aconteceu a segunda. Santa Catarina narrou-a assim: “No dia 27 de novembro de 1830.... vi a Santíssima Virgem, de estatura média, estava de pé, trajando um vestido de seda branco-aurora feito à maneira que se chama à la Vierge, afogado, mangas lisas, com um véu branco que Lhe cobria a cabeça e descia de cada lado até em baixo. Sob o véu, vi os cabelos lisos repartidos ao meio e por cima uma renda de mais ou menos três centímetros de altura, sem franzido, isto é, apoiada ligeiramente sobre os cabelos. “O rosto bastante descoberto, os pés apoiados sobre meia esfera, tendo nas mãos uma esfera de ouro, que representava o Globo. Ela tinha as mãos elevadas à altura do estômago de uma maneira muito natural, e os olhos elevados para o Céu... Aqui seu rosto era magnificamente belo. Eu não saberia descrevê-lo... “E depois, de repente, percebi nesses dedos anéis revestidos de pedras, umas mais belas que as outras, umas maiores e outras menores, que lançavam raios cada qual mais belo que os outros. “Partiam das pedras maiores os mais belos raios, sempre alargando para baixo, o que enchia toda a parte de baixo. Eu não via mais os seus pés... “Nesse momento em que estava a contemplá-La, a Santíssima Virgem baixou os olhos, fitando-me. Uma Voz se fez ouvir, dizendo-me estas palavras: “A esfera que vedes representa o mundo inteiro, particularmente a França... e cada pessoa em particular... “Aqui eu não sei exprimir o que senti e o que vi, a beleza e o fulgor, os raios tão belos... “’É o símbolo das graças que derramo sobre as pessoas que mas pedem’, fazendo-me compreender quanto é agradável rezar à Santíssima Virgem e quanto Ela é generosa para com as pessoas que a Ela rezam, quantas graças concede às pessoas que Lhas rogam, que alegria Ela sente concedendo-as... “Nesse momento formou-se um quadro em torno da Santíssima Virgem, um pouco oval, onde havia no alto estas palavras: ‘Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós’, escritas em letras de ouro ... Então, uma voz se fez ouvir, que me disse: ‘Fazei, fazei cunhar uma medalha com este modelo. Todas as pessoas que a usarem receberão grandes graças, trazendo-a ao pescoço. As graças serão abundantes para as pessoas que a usarem com confiança...’ “Nesse instante, o quadro me pareceu se voltar, onde vi o reverso da medalha. Preocupada em saber o que era preciso pôr do lado reverso da medalha, após muitas orações, um dia, na meditação, pareceu-me ouvir uma voz que me dizia: ‘O M e os dois Corações dizem o suficiente’”. Medalha Milagrosa: primeiros prodígios Não foi fácil fazer a Medalha. Santa Catarina sofreu muitas resistências e oposições. “Nossa Senhora quer..., Nossa Senhora está descontente..., é preciso cunhar a medalha”, insistia ela. Por fim, em 1832 foram encomendadas as primeiras 20.000 medalhas. No mesmo ano começaram a fazer milagres durante uma epidemia de cólera havida na França, em 1832. Promessas e perspectivas Santa Catarina Labouré partiu para o Céu em 31 de dezembro de 1876. Naquela data a Medalha Milagrosa já girava pelo mundo todo, com um extraordinário cortejo de milagres e graças para os que a portavam com devoção. Capela das aparições. Rue du Bac, Paris As aparições da Medalha Milagrosa, as de La Salette, Lourdes e Fátima, abriram uma esplêndida perspectiva marial para o futuro, malgrado as ameaças em meio às quais presentemente nos encontramos. “Para além da tristeza e das punições supremamente prováveis para as quais caminhamos, temos diante de nós os clarões sacrais da aurora do Reino de Maria: ‘Por fim o meu Imaculado Coração triunfará’. É uma perspectiva grandiosa de universal vitória do Coração régio e maternal da Santíssima Virgem. É uma promessa apaziguadora, atraente e sobretudo majestosa e empolgante” (Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, “Catolicismo”, maio de 1967). VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas) . Como ir a Lourdes? veja como ir Postado por Luis Dufaur às 05:30 2 comentários Share | Marcadores: Medalha Milagrosa , Nossa Senhora , Rue du Bac , Santa Catarina Labouré quarta-feira, 22 de novembro de 2017 Nosso Senhor quer que o santuário dos milagres não seja dEle mas de Nossa Senhora Basílica de Paray-le-Monial, cidade onde apareceu o Sagrado Coração de Jesus Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs As aparições de Lourdes se inserem numa série de manifestações de Nossa Senhora no século XIX, que são merecidamente as mais célebres das aparições. Essas aparições de Nossa Senhora no século XIX, culminam em Fátima e na afirmação do Reinado de Maria. A aparição de Lourdes está num pontilhado de aparições que nas noites extremas de nossos dias, são como que uma clarinada do Reino de Maria. Uns pontos alvos, anunciando que o Reino de Maria virá. Em cada uma das aparições de Lourdes está presente a ideia da Mediação Universal das graças e do Reinado de Maria. Isso em Lourdes se pode dizer especialmente por uma causa evidente. Nosso Senhor poderia ter dado a fecundidade estupenda de milagres que há em Lourdes a um santuário dEle que é o Rei do Céu e da Terra. Para dar um exemplo: o santuário magnífico consagrando ao Sagrado Coração de Jesus em Paray-le-Monial, onde Nosso Senhor se apareceu a Santa Margarida Maria Alacoque. Ele poderia perfeitamente fazer com que esses milagres se dessem lá. Poderia faze-lo em todos os santuários consagrados a Ele. Mas Ele não quis. Ele quis que a maior fonte de milagres que houve na História da Igreja e do do mundo, fosse num santuário consagrado a Nossa Senhora. Em Fátima, Nossa Senhora coroou uma série de gloriosas aparições que passaram por Lourdes. Por que? Quer dizer que Ele quis que aquelas curas todas só fossem obtidas sob a égide de Nossa Senhora, depois de uma aparição dEla, como graça dEla, e pedindo a Ela. Quer dizer, todas essas curas estupendas Ele quis que passassem pelas mãos dEla. Quis que passassem para que? Evidentemente para documentar a verdade de fé da Mediação Universal de Nossa Senhora. Para que? Para os homens compreenderem bem até que ponto Ela pode tudo. As piores doenças, os maiores males, os sofrimentos mais horrorosos Ela cura. Nossa Senhora toma as leis mais inflexíveis da natureza e as elimina. Nossa Senhora vence tudo mostrando um domínio sobre a natureza, como mais não se pode imaginar. Nosso Senhor faz isto tudo por meio dEla. Por que? Para mostrar que todas as graças vêm por meio dEla. E a passagem de todas as graças pelas mãos dEla para serem distribuídas, nos ensina que Ela é a Rainha do Céu e da Terra. E por causa disso, Nossa Senhora nos repassa todas as graças. Uma cançãozinha religiosa que se cantava no tempo em que havia um resto de piedade, dizia: Lourdes: na saída da Gruta “Salve oh Mãe!. “Salve oh Virgem Santíssima! “Do universo portento e primor. “mais esplêndida glória que a Tua, “só tem Deus, do universo Senhor”. (Porfírio de Aguiar). A canção é verdadeiramente piedosa a sua conclusão é: mais esplêndida glória que a Tua só tem Deus do universo Senhor. Quer dizer, Ela tem mais glória do que tudo que está abaixo de Deus. Nossa Senhora está infinitamente abaixo de Deus. E tudo quanto está abaixo de Nossa Senhora está incomensuravelmente abaixo dEla. É o que a perenidade das curas de Lourdes nos diz. VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas) . Como ir a Lourdes? veja como ir Postado por Luis Dufaur às 10:28 0 comentários Share | Marcadores: Mediação Universal , milagres , Sagrado Coração de Jesus quinta-feira, 16 de novembro de 2017 A Rainha conserta tudo. Estamos pedindo o conserto com fervor? A súplica de Nossa Senhora pode tudo junto Àquele que é Todopoderoso. Por isso, Ela é verdadeiramente Rainha. Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Nossa Senhora de Lourdes é Rainha e, portanto, Medianeira de todas as Graças. Porque para Ela ser verdadeiramente Rainha, é preciso que Ela possa junto a Deus tudo quanto Ela quer. É por esta forma que Ela governa o mundo. Nossa Senhora tem uma natureza humana como a nossa. Então Ela, pela sua própria natureza, não tem mais poder sobre os astros ou sobre os homens, do que nós temos. Por isso, para Ela ter o reinado de todo o universo, Ela ser a Rainha de todos os anjos, de todos os santos, de todos os homens, de todo o mundo material e dominadora terribilíssima e completa do demônio, Ela precisa ter a graça de Deus. E Ela é Rainha porque é exatamente ponto de convergência de todas as graças de Deus. A onipotência de Nossa Senhora tem sido muitas vezes chamada, e muito adequadamente, de onipotência suplicante. Porque é por meio da súplica que Ela pode tudo. Ela consegue tudo o que pede a Ele E podendo tudo junto d’Aquele que é Todo-poderoso, Ela é plenamente Rainha. Também por isso, o Reinado de Nossa Senhora é o reinado das súplicas que Ela faz, pelo valor das orações que Ela oferece a Deus. Isso se liga intimamente com o fato de Ela ser o canal de todas as graças. Ela é a Rainha de tudo, porque todas as graças passam por Ela. Todas as graças que são dadas aos homens, são dadas pelas mãos d’Ela Todos os pedidos que os homens fazem são apresentados por meio dEla. E se todos os santos e anjos do Céu pedissem algo que não fosse por meio dEla não obteriam. Ela sozinha, pedindo sem nenhum deles, obtém. De tal maneira o foco da predileção Divina se concentrou inteiro n’Ela. E depois, parte d’Ela de novo para toda a criação. Porque Ela é medianeira de todas as graças, Ela é onipotente. E para os que precisam ver para crer – e estamos tantos nessa categoria! – em Lourdes, Nossa Senhora nos dá a prova que entra pelos olhos. Se Ela pode tudo, Ela é mesmo a Rainha do universo. Lá estão os milhares de milagres que não cessam, lá vai o cego que vê, o paralítico que caminha, o arteriosclerótico que puxa o carrinho de um outro doente, a criancinha dada por morta pelos médicos que brinca, o ateu que reza, o neurótico equilibrado, o casal recomposto em boa paz, a moça que achou um bom marido católico, o soldado que consertou a ferida inconsertável, o desesperado que recuperou a esperança... Estamos todos nós contando alguma aflição que nos devorava o coração ... Todos provando que Ela pode tudo pela oração dEla. Quem pode tudo isso e muito mais, pode tudo mesmo. Ela é mesmo a Rainha de todo o universo. É só Ela dar um ‘chega’ no caos que percorre o mundo, que o Reinado dEla se instaurará na Terra. Basta nós pedirmos com fervor. Mas, estamos pedindo mesmo, com o fervor proporcionado que tão grande graça requer? VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas) . Postado por Luis Dufaur às 05:30 2 comentários Share | quarta-feira, 8 de novembro de 2017 Carta de Santa Bernadette Soubirous a Sua Santidade o Beato Pio IX, Papa Carta da Santa ... a um Papa santo Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs A seguinte carta foi escrita por Santa Bernadette no convento Saint Gildard de Nevers, em 17 de dezembro de 1876. A santa já sofria o mal que a levaria deste mundo dois anos e quatro meses depois. O Beato Pio IX também faleceu no muito depois: em 7 de fevereiro de 1878. Ele deixou a Terra em meio a grandes sofrimentos provocados pelos inimigos da Igreja que invadiram e usurparam os Estados Pontifícios, dos quais o Papa é rei. Naquela data brilharam pelo seu heroísmo os zuavos pontifícios (tropa de elite de voluntários que defendiam o Papa), muitos dos quais morreram em combate defendendo o reino do Papa. A eles se refere Santa Bernadette quando diz “há já alguns anos que eu me constituí pequeno zuavo ”. Seu coração estava junto com aqueles bravos soldados que davam sua vida pela Igreja no campo de batalha. Para os inimigos da Igreja Santa Bernadette tem essa frase de conteúdo profético que faz pensar em La Salette e Fátima: Nossa Senhora “se dignará colocar ainda mais uma vez Seu pé sobre a cabeça da serpente maldita, e dar assim um termo às cruéis provações da Santa Igreja e às dores de seu augusto e Bem-Amado Pontífice”. Eis a carta: Leia mais ... texto e multimidia Postado por Luis Dufaur às 05:30 4 comentários Share | Marcadores: Beato Pio IX , Saint-Gildard , Santa Bernadette quinta-feira, 2 de novembro de 2017 Uma Gruta de Lourdes nos jardins do Vaticano Reprodução da Gruta de Lourdes nos jardins do Vaticano Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Nos jardins do Vaticano existe uma reprodução da Gruta de Lourdes. Ela foi ali instalada mediante uma doação do bispo de Tarbes – diocese onde está Lourdes –, D. Francisco Xavier Schoepfer, ao Papa S.S. Leão XIII. As duas personalidades religiosas estão retratadas em medalhões na fachada da Gruta, que foi desenhada pelo arquiteto dos Sagrados Palácios Apostólicos, Costantino Schneider. Em 1° de junho de 1902 a gruta foi visitada pela primeira vez pelo Papa, na presença de numerosos Cardeais, Bispos e do público. A construção foi financiada por uma coleta especial promovida pelos Missionários da Imaculada em todo o mundo católico. Leia mais ... texto e multimidia Postado por Luis Dufaur às 09:22 2 comentários Share | Marcadores: São Pio X , Vaticano quarta-feira, 25 de outubro de 2017 Lourdes derrota todas as blasfêmias e sacrilégios Lourdes vence todas as blasfêmias e sacrilégios Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Em 1854, pela Bula Ineffabilis , o grande Papa Pio IX, hoje venerado nos altares como Beato, definia o dogma a Imaculada Conceição de Nossa Senhora. Em 1858, de 11 de fevereiro a 16 de julho, Nossa Senhora aparecia dezoito vezes, em Lourdes, a uma filha do povo, Bernadette Soubirous, declarando ser a Imaculada Conceição. A partir dessa ocasião, tiveram início os milagres. E a grande maravilha de Lourdes começou a brilhar aos olhos de todo o mundo, até nossos dias. O milagre confirmando o dogma, eis em resumo a relação entre o acontecimento de 1854 e o de 1858. O que, entretanto, é menos conhecido pelo grande público é a relação desses dois grandes fatos com os problemas dos meados do século XIX, tão diversos dos de hoje, mas ao mesmo tempo tão e tão parecidos com eles. Leia mais ... texto e multimidia Postado por Luis Dufaur às 05:30 0 comentários Share | Marcadores: Imaculada Conceição terça-feira, 10 de outubro de 2017 A solução está em Aparecida e não em Brasília Nossa Senhora Aparecida Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs No Terceiro Centenário de Nossa Senhora Aparecida Existem devoções nacionais a Nossa Senhora, como é o caso de Aparecida, da mesma maneira que há grandes invocações que têm uma realeza entre as invocações de Nossa Senhora, como é o caso de Nossa Senhora do Rosário. Quase não existe um país da Terra que não tenha uma grande devoção a Nossa Senhora e de que Ela não seja, debaixo de algum título, a Padroeira. Também existem as invocações a Nossa Senhora das regiões e das cidades, como é, por exemplo, Nossa Senhora da Penha, em São Paulo. E, às vezes, ainda há imagens de Nossa Senhora particularmente invocadas numa paróquia, numa parte de uma cidade, etc. Há até famílias que têm uma devoção especial por alguma imagem de Nossa Senhora por alguma relação especial dEla com aquela família. Leia mais ... texto e multimidia Postado por Luis Dufaur às 05:30 1 comentários Share | Marcadores: Brasil , centenário , Nossa Senhora Aparecida quarta-feira, 4 de outubro de 2017 A grande Santa Bernadette: a mais baixinha do convento Santa Bernadette postulante em pé dando a mão à Mãe Superiora sentada Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs Santa Bernadette não só era muito baixa, mas era a mais baixinha das freiras do convento de Saint-Gildard. Chegava a gracejar com a irmã Josefa Caldairou para animá-la, fazendo-lhe notar que ela era mais alta um centímetro que Bernadette. A baixa estatura de ambas fazia com que elas devessem sempre ir à frente nos cortejos. Mas acontecia que muitas pessoas queriam conhecer Bernadette. E como muitas delas tinham feito uma ideia adocicada e subjetiva da santidade, ficavam surpresas ao verem uma grande santa que não batia com certas imagens comumente divulgadas. Foi o caso de Antoinette Dalias, uma noviça de 18 anos que entrou em Saint Gildard em 16 de maio de 1867, proveniente da cidade de Gers. Ela tomou o nome religioso de irmã Bernarda e foi grande amiga de Santa Bernadette. Leia mais ... texto e multimidia Postado por Luis Dufaur às 05:30 4 comentários Share | Marcadores: Santa Bernadette quarta-feira, 27 de setembro de 2017 O Triunfo da Imaculada Conceição em Lourdes A Imaculada Conceição, catedral de Segovia, Espanha Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs São Luiz Maria Grignon de Montfort diz que Deus reuniu todas as águas e as chamou mar. E que reuniu todas as graças do Céu num só coração e as chamou Maria! Desde toda a eternidade a Santíssima Trindade pensou em Maria, e desde toda a eternidade A predestinou. São Tomás pergunta se Deus poderia fazer coisas maiores, mais perfeitas que todas as que fez, e responde afirmativamente. Mas excetua três coisas: Jesus Cristo, a Virgem Maria e a bem-aventurança dos eleitos. Deus, nestas três coisas — diz Santo Agostinho ( De Civitate Dei) — esgotou sua ciência, seu poder, suas riquezas e sua bondade. O primeiro privilégio cronologicamente falando de Maria é a Imaculada Conceição Nem sempre se viu com clareza este altíssimo privilégio da Santíssima Virgem. Houve até quem a negou, e foram altos teólogos!. Na nossa época de crise e perda da fé, até eclesiásticos e religiosas “no vento” também contestam essa prerrogativa da Mãe de Deus. Para afastar qualquer dúvida, Nossa Senhora apareceu em Lourdes. Leia mais ... texto e multimidia Postado por Luis Dufaur às 18:47 2 comentários Share | Marcadores: Imaculada Conceição Postagens mais antigas Página inicial Assinar: Postagens (Atom) COSTUMES DO NATAL Árvore de Natal, árvore de Cristo! A primeira Árvore de Natal surgiu pelas santas machadadas de São Bonifácio Árvore de Natal: uma tradição requintada por Santos e reis católicos O Pinheiro natalino, tradição católica medieval A origem das maravilhosas bolas de Natal São Francisco de Assis iniciou o costume de fazer presépios vivos no Natal O Presépio católico e a graça de Natalx A saudade dos presépios cheios de unção católica Como nasceu o Panettone: sorriso da alma católica medieval A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panettones de Natal La “bûche de Noël” na França O “Bolo dos Reis” Origens e significados da Missa do Galo O mundo maravilhoso das feiras de Natal, lampejo do Céu A Coroa do Advento, símbolo do próximo nascimento de Jesus Primeiro Papai Noel em São Luís do Maranhão quase foi morto com trabucos Quem foram os Reis Magos? Reis Magos e pastores: santa harmonia social aos pés do Menino-Deus 25 de dezembro é bem o dia em que Jesus nasceu Assim nasceu a canção 'Noite Feliz' Dado essencial: houve o fenômeno astronômico denominado “estrela de Belém” Astrônomo defende com computador a existência da estrela de Belém Lógica e ternura aliadas na comemoração do Natal “Os 12 dias de Natal”: canção-catecismo dos católicos perseguidos A impregnação das alegrias de Natal O Anjo apontando para o lugar onde Jesus nasceu reaparece em Belém Mais sobre a ‘Missa do Galo’ TODAS AS APARIÇÕES UMA POR UMA TODAS AS APARIÇÕES DE LOURDES 1ª aparição. Nossa Senhora aparece na Gruta 2ª aparição. Santa Bernadette quer tirar a dúvida. 3ª aparição. Nossa Senhora fala pela primeira vez. 4ª aparição. Início da 'quinzena'. 5ª aparição. Nossa Senhora dá uma oração especial para Santa Bernadette. 6ª aparição: Nossa Senhora pede rezar pelos pecadores. 7ª aparição: Nossa Senhora dá três segredos. 8ª aparição: “Penitência, penitência, penitência!” 9ª aparição: Nossa Senhora manda se lavar na fonte e comer grama. 10ª aparição: Santa Bernadette manda os presentes imitarem seus atos de piedade. 11ª aparição: os presentes voltam a imitar os atos de piedade da santa. 12ª aparição: única assistida por um sacerdote. 13ª aparição: Nossa Senhora pede uma capela e a procissão. 14ª aparição: pároco zomba dos pedidos. 15ª aparição: última da 'quinzena'. 16ª aparição. 'Eu sou a Imaculada Conceição'. 17ª aparição. O “milagre do círio”. 18ª e última aparição. MAIS SOBRE LOURDES Os milagres de Lourdes O milagre de Jeanne Fretel Pesquisar este blog Em destaque Ato de Consagração a nossa Senhora de Lourdes Santa Bernadette imitava todos os gestos de Nossa Senhora. Vitral da Basílica da Imaculada Conceição, de Lourdes Luis Dufaur Escri... Outras formas de visualizar o blog: O corpo incorrupto da Santa Seguidores de Lourdes NOVENA DE LOURDES NOVENA de Na. Sra. de Lourdes Primeiro dia Segundo dia Terceiro dia Quarto dia Quinto dia Sexto dia Sétimo dia Oitavo dia Nono e último dia Lourdes: recitação do terço Recitação do terço na Gruta de Lourdes (italiano) Mistérios Dolorosos. Clique na foto para acompanhar Lourdes em seu email RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Imagens intactas nas catástrofes Imagens intactas nas catástrofes Milagre em Petrópolis? Frágil imagem de Nossa Senhora das Graças resistiu à enxurrada devastadora Brasil: duas imagens de Nossa Senhora ficam intocadas por voraz incêndio Imagem de Nossa Senhora Aparecida sai intacta das cinzas O furacão Harvey e uma série de tornados devastam o Texas, mas nada podem contra Nossa Senhora Imagens católicas milagrosamente poupadas pelas tempestades nos EUA Imagens de Nossa Senhora de Lourdes, da Luz e do Sagrado Coração de Jesus admiravelmente salvas nas Filipinas Imagens de Nossa Senhora jogadas no rio Mekong pelos comunistas e recuperadas milagrosamente no Camboja Nossa Senhora de Lourdes intocada por incêndio numa base militar Mais imagens de Nossa Senhora saem indenes de calamidades. Um aviso e um conforto Milagres de Nossa Senhora e do Santíssimo Sacramento no terremoto do Equador em 2016 Imagem de Nossa Senhora de Lourdes jogada no rio pelos comunistas reaparece maravilhosamente no Camboja Miraculosa imagem de Nosso Senhor Crucificado sai ilesa de terremoto no Peru Rosário salva pescadores portugueses Escudo do Coração de Jesus salva soldado espanhol atingido pelos talibãs no Afeganistão Nepal: católicos salvos do terremoto por estarem na igreja Em meio à tragédia, a cruz incólume de Joplin simboliza o triunfo vindouro da Fé “Cara e coroa” religioso do terremoto da Itália, 2016 Cheia excepcional volta a inundar a Gruta de Lourdes. Nossa Senhora não estará implorando algo de nós? do Brasil? Enchente não atinge imagem da Gruta, águas descem e começa a recuperação O fogo calcinou tudo, mas o Sagrado Coração de Jesus ficou em pé Por que Deus salva imagens, mas permite que a obra dos homens em volta seja arrasada? O fogo devora, o teto desaba, e Cristo reina sobre os elementos descontrolados! Portentos silenciados durante o maior tsunami conhecido pelos homens! Em Núrsia: bombeiros tiram das ruínas imagem íntegra de São Bento Califórnia: muitas imagens católicas ilesas nos incêndios florestais Para comprar o melhor sobre Lourdes e Santa Bernadette: CLIQUE NA IMAGEM Livraria Petrus: os melhores livros católicos à venda na Internet Como ir a Lourdes: mapa, viagem, hotel, etc. Mapa para chegar a Lourdes Ver mapa maior DICAS E EXPERIENCIAS VIAGEM, ESTRADAS, MORADIA, ETC. SANTA FAUSTINA Santa Faustina Apóstol da Misericórdia na véspera do dia da Justiça Apóstolo da Divina Misericórdia para um mundo cujos pecados clamam por punição Incompreendida e vilipendiada por religiosos e conhecidos Concordâncias entre o Segredo de La Salette, Fátima e a devoção à Divina Misericórdia Os sacrifícios das almas justas aplacam a cólera de Deus Sobre o futuro da Polônia, o flagelo da Rússia e sua conversão A falsa misericórdia: estrada de concessões e pactos com o mundo que levam ao inferno A era futura, ou ‘Reino de Maria’, virá pela Divina Misericórdia Mais lidos da semana Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que viram os médicos forenses nas exumações Rosto de Santa Bernadette em Nevers Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, w... Uma Gruta de Lourdes nos jardins do Vaticano Reprodução da Gruta de Lourdes nos jardins do Vaticano Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional,... Há 187 anos Nossa Senhora deu a Medalha Milagrosa Santa Catarina Labouré aos pés de Nossa Senhora Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio... Lourdes: nem todos veem mas todos sentem. O que é? Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs E... A Rainha conserta tudo. Estamos pedindo o conserto com fervor? A súplica de Nossa Senhora pode tudo junto Àquele que é Todopoderoso. Por isso, Ela é verdadeiramente Rainha. Luis Dufaur Escritor... Mãe: amor, afeto, bondade e misericórdia Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Nossa Senhora em Lourdes leva as almas para o céu pela aceitação da dor e até da derrota Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... 9ª aparição: Nossa Senhora manda se lavar na fonte e comer grama 9ª aparição — quinta-feira, 25 de fevereiro A afluência de público atingiu aproximadamente 350 pessoas. Bernadette obedecia em êxtase às ... Imagem de Nossa Senhora de Lourdes jogada no rio pelos comunistas e recuperada no Camboja Nossa Senhora do Mekong: imagem de Nossa Senhora de Lourdes recuperada milagrosamente do rio Mekong no Camboja. Luis Dufaur Escrit... Como foi a Assunção de Nossa Senhora. Uma piedosa reconstituição Assunção de Nossa Senhora. Beato Angelico (1395 – 1455), Google Cultural Institute Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencist... Sinos da Basílica de Lourdes Todos os sinos da Basílica Ave-Maria de Lourdes INSCREVA-SE RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: BEATA ANA MARIA TAIGI Beata Ana Maria Taigi Contemplativa da luta entre a Luz e as Trevas A contemplativa da luta entre a Luz e as Trevas Visões da Beata Ana Maria Taigi concordam com La Salette Mensagens e intercessão pelos Papas Intercede pelos Papas e Deus lhe revela conspirações e molezas na condução do Papado A Revolução anticristã fora e dentro da Igreja Beato Pio IX é objeto predileto de seus sacrifícios e orações A enigmática morte de um Papa Triste estado do clero e do povo atrai um castigo corretivo Altos elogios aos bons nobres e severas repreensões aos maus Napoleão, flagelo enviado por Deus. Seu lugar na eternidade Visões de eventos futuros Castigos especiais aos católicos fingidamente observantes Visão de conjunto dos grandes eventos futuros (nosso presente?) Conselhos finais para o grande dia da “definitiva”, o grande dia de Deus O milagre da conversão do emir islâmico de Lourdes Em 778, Carlos Magno, o invencível Imperador cristão, com seus francos cercou a fortaleza de Lourdes e tentou conquistá-la pela fome. Ela estava nas mãos de Mirad, um emir muçulmano. O rochedo era virtualmente inconquistável, salvo pela fome. Quando a cidadela ia cair aconteceu um estranho prodígio: uma águia trouxe um peixe fresco no bico. O astuto emir enviou o peixe a Carlos Magno para fazer crer que a fortaleza tinha viveres para resistir por muito tempo... O santo bispo de Puy percebeu a cilada do demônio. E decidiu subir ele próprio ao rochedo para falar com o indômito e desafiante líder do Islã... CLIQUE AQUI PARA VER A HISTÓRIA COMPLETA Links Contos e lendas da Era Medieval A Ponte do Diabo de Thueyts Há 2 horas GPS do Agronegócio Aquecimento global!!!??? Há 11 horas Nobility and Analogous Traditional Elites Here We Go Again Há 3 dias Catedrais Medievais O ódio ao gótico é ódio à Igreja Católica Há 4 dias Ciência confirma a Igreja Os nomes do Zodíaco: indício da união inicial dos homens e de sua posterior dispersão? Há 6 dias Orações e milagres medievais O que falavam a mula e o boi há dois mil anos – Conto de Natal Há uma semana Blog da Família A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Há uma semana Heróis medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas As Cruzadas Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Pesadelo chinês Feliz Natal e bom Ano Novo 2018! Há 2 semanas Devotos de la Santísima Virgen de El Buen Suceso Há 2 semanas Jóias e símbolos medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Gloria de la Edad Media Feliz Navidad y próspero Año Nuevo 2018! Há 2 semanas Idade Média Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas O que está acontecendo na América Latina? Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas A cidade medieval Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Verde: a cor nova do comunismo Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Idade Média * Glória da Idade Média Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Valores inegociáveis Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Luz de Cristo x trevas da irracionalidade Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Flagelo russo Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas A Aparição de La Salette e suas Profecias Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Luzes de Esperança Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Castelos medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Radar da mídia “Pray for Barcelona!” Há 4 meses Ação Jovem Pela Terra de Santa Cruz Heroísmo e Honra é o que a Juventude tanto sente falta Há 6 meses Associação dos Fundadores Audiência para debater Ideologia de Gênero na Câmara Municipal de Campinas é interrompida e remarcada Há um ano Sou conservador sim, e daí? Ideologia de Gênero na prática: saia para homens Há 2 anos Frases e pesamentos de Plinio Corrêa de Oliveira, O Cruzado do Século XX Caridade, combatividade e argúcia Há 2 anos Carregando... Carregando... Arquivo do blog ▼ 2017 (41) ▼ Dezembro (3) Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Clique e veja a origem e desenvolvimento dos costu... Nossa Senhora quer curar sobretudo as almas ► Novembro (5) ► Outubro (3) ► Setembro (3) ► Agosto (5) ► Julho (2) ► Junho (4) ► Maio (3) ► Abril (2) ► Março (5) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (2) ► 2016 (43) ► Dezembro (2) ► Novembro (5) ► Outubro (2) ► Setembro (3) ► Agosto (4) ► Julho (7) ► Junho (4) ► Maio (4) ► Abril (1) ► Março (6) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (2) ► 2015 (47) ► Dezembro (4) ► Novembro (4) ► Outubro (4) ► Setembro (3) ► Agosto (3) ► Julho (3) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (4) ► Fevereiro (13) ► Janeiro (3) ► 2014 (38) ► Dezembro (2) ► Novembro (2) ► Outubro (3) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (3) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (1) ► Fevereiro (12) ► Janeiro (4) ► 2013 (50) ► Dezembro (3) ► Novembro (4) ► Outubro (5) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (3) ► Junho (5) ► Maio (1) ► Abril (2) ► Março (4) ► Fevereiro (9) ► Janeiro (9) ► 2012 (33) ► Dezembro (2) ► Novembro (4) ► Outubro (7) ► Setembro (6) ► Agosto (2) ► Julho (1) ► Junho (2) ► Maio (1) ► Abril (2) ► Março (5) ► Janeiro (1) ► 2011 (29) ► Novembro (2) ► Outubro (1) ► Setembro (2) ► Agosto (5) ► Julho (4) ► Junho (4) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (6) ► Fevereiro (1) ► 2010 (5) ► Outubro (1) ► Setembro (2) ► Agosto (1) ► Janeiro (1) ► 2009 (1) ► Agosto (1) ► 2008 (6) ► Dezembro (1) ► Setembro (1) ► Julho (2) ► Abril (2) ► 2007 (2) ► Fevereiro (2) Marcadores Adoração (1) água milagrosa (5) Akita (5) anticristianismo (1) aparição (5) Assunção (4) Beato Pio IX (12) Belém (1) bilocação (2) bomba (1) Brasil (3) Bureau Médico (12) cachot (1) Camboja (1) Cardeal Dias (5) Carmo (1) catolicismo (1) centenário (1) Céu (1) Chile (1) cientistas (1) CMIL (2) Corpos incorruptos (2) Corpus Christi (1) cristianismo (1) Cristofobia (1) dogma (4) dor (1) Dormição (1) enchentes (3) Equador (1) Espanha (1) Estado Islâmico (4) EUA (1) Europa (2) exorcismo (1) família (4) Fátima (17) fiéis defuntos (1) França (5) graças (1) gruta (4) Guerra Mundial (2) Hanói (1) Idade Média (1) Igreja (3) Igreja Católica (4) Imaculada Conceição (14) inferno (1) Inglaterra (1) invasões (1) Islã (6) Israel (1) Itália (1) Japão (5) Jesus Cristo (7) jubiléu (1) La Salette (5) Las Lajas (1) Lourdes (6) mãe (1) Marne (2) mártires (1) Massabielle (2) Medalha Milagrosa (4) Mediação Universal (3) medicina (1) milagres (54) Natal (5) Nevers (16) Nossa Senhora (18) Nossa Senhora Aparecida (2) Nossa Senhora das Graças (3) Nosso Senhor (4) Novena (1) oração (5) Padre Pio (2) Papa (4) Paquistão (1) Pe. Amorth (3) perseguição religiosa (4) piscina (1) Purgatório (1) Reino de Maria (1) Reis Magos (1) reitor do santuário (1) romeiros (1) Rosário (1) Rue du Bac (2) Rússia (2) Sagrada Família (1) Sagrado Coração (1) Sagrado Coração de Jesus (2) Saint-Gildard (9) Santa Bernadette (39) Santa Bernadette Soubirous (1) Santa Catarina Labouré (3) Santa Teresinha (4) santificação (1) Santíssimo Sacramento (2) Santo Domingos Savio (1) Santo Sudário (1) São João Bosco (1) São Luis Grignion de Montfort (1) São Luiz de Paraitinga (1) São Pio X (2) satanismo (1) Semana Santa (3) serie (16) símbolos cristãos (1) Sínodo (1) Síria (1) sofrimento (1) Soubirous (3) Terço (2) terrorismo (2) Tratado (1) Vaticano (1) Via Sacra (2) Vietnam (1) Mais lidos em todos os tempos Em Nevers: o corpo incorrupto de Santa Bernadette Soubirous Nevers: placa explica o estado do corpo de Santa Bernadete Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internaci... Como ir a Lourdes: dicas e experiências Como ir a Lourdes: dicas e experiências Luis Dufaur Com relativa frequência recebemos o pedido de alguma indicação de como ir a Lo... A verdadeira fisionomia de Santa Bernadette Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Como mandar vir água de Lourdes Fiéis colhem água ao pé do Santuário de Lourdes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio... O mais recente milagre (69º) reconhecido em Lourdes Daniela Castelli em sua casa A beneficiada pelo 69º milagre de Lourdes canonicamente reconhecido é a italiana Daniela Castelli. Ela n... Breve resumo da vida de Santa Bernadette Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs B... Oração à Nossa Senhora de Lourdes “Santíssima Virgem de Lourdes, que a ninguém desamparas nem desprezas, olhai-me com olhos de piedade. “Alcançai-me de teu Filho o perdã... O verdadeiro feitio moral de Santa Bernadette Santa Bernadette Luis Dufaur Sobre a vida Santa Bernadette Soubirous, Virgem, a quem Nossa Senhora apareceu, em Lourdes, o c... A “água milagrosa” de Lourdes: significado e efeitos sobrenaturais A fonte de Lourdes, dentro da Gruta Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, w... Carta de Santa Bernadette Soubirous a Sua Santidade o Beato Pio IX, Papa Carta da Santa ... a um Papa santo Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO,... Santa Maria de Jesus Crucificado O.C.D. A santa palestina Antiguo color verde agua:#d9ead3 SANTA MARIA DE JESUS CRUCIFICADO OCD Santa Maria de Jesus Crucificado O.C.D., recebe avisos concordantes com La Salette Sinais místicos extraordinários O dom de profecia Visões sobre a França Visões sobre o mundo Visões sobre a Igreja e o clero Visões sobre o Concílio Vaticano I e o Beato Papa Pio IX Sobre as guerras futuras e a restauração da França Não está longe a restauração da Síria cristã hoje martirizada Nossa Senhora do BOM SUCESSO Antiguo color, celeste clarito:#cfe2f3 Nossa Senhora do BOM SUCESSO Profecias de Nossa Senhora do Bom Sucesso Origem da milagrosa imagem As revelações Profecias e esperanças para nossos dias Nossa Senhora do Bom Sucesso profetiza sobre os séculos XIX e XX Profecias que se estão cumprindo ou por se cumprir: a Revolução Crise da fé, crise na Igreja Oração a Nossa Senhora do Bom Sucesso O corpo incorrupto da Madre Mariana de Jesús Torres O.I.C. (1564-1635) Assine gratuitamente RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email:



http://lourdes-150-aparicoes.blogspot.com/2017/12/santo-natal-e-feliz-ano-novo-2018.html
  Lourdes e suas aparições: Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! skip to main | skip to sidebar INICIO LOURDES WEBCAM (Nova) WEBCAM (Clássica) VIDEOS 360º FOTOS FÁTIMA Ladainha Na.Sra. de Lourdes Novena Na.Sra. de Lourdes Novena Sta.Bernadete Milagres Fátima O quê pedir? Semana Santa Santa Bernadette Todas as aparições UMA A UMA LUZES DE ESPERANÇA Costumes do Natal Imagens intactas nas catástrofes MUSICA ... 06-06-1952. 51. Srta. Maddalena Carini, de San Remo (Itália). Peritonite tuberculose, tuberculose pleural, pulmonar e óssea com artrite coronária. 31 anos em 15-08-1948. Milão (Itália) 02-06-1960. 52 ... (Itália). Doença de Hodgkin. 37 anos em 02-06-1950. Casale (Itália) 31-05-1955. 55. Srta. Edeltraud ... anos em 21-09-1954. Albi 31-05-1963. 61. Srta. Elisa Aloi, (Sra. Varacalli), de Patti (Itália). Tuberculose osteoarticular com fístulas múltiplas. 27 anos em 05-06-1958. Messina (Itália) 26-05-1965. 62 CACHE

Lourdes e suas aparições: Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! skip to main | skip to sidebar INICIO LOURDES WEBCAM (Nova) WEBCAM (Clássica) VIDEOS 360º FOTOS FÁTIMA Ladainha Na.Sra. de Lourdes Novena Na.Sra. de Lourdes Novena Sta.Bernadete Milagres Fátima O quê pedir? Semana Santa Santa Bernadette Todas as aparições UMA A UMA LUZES DE ESPERANÇA Costumes do Natal Imagens intactas nas catástrofes MUSICA NATAL NOSSA SENHORA INTACTA NAS CATÁSTROFES POLIFONICO PIEDADE VIDEOS VIDA 360º LA SALETTE O SEGREDO completo em PORTUGUÊS El SECRETO completo en ESPAÑOL Le Secret complet en FRANÇAIS - FRANCÊS Secret full text INGLÊS - ENGLISH UCRANIANO Ля Салет Tratado da Verdadeira Devoção Beata Isabel Canori Mora Beata Taigi EXORCISMO e exorcistas Beato Palau O.C.D. O Anticristo A Santa Palestina Santa FAUSTINA Fátima, pág. 1 Fátima, pág. 2 Fátima, pág. 3 Nossa Senhora do Bom Sucesso HOLZHAUSER Completo FOTOS DO BLOG UCRANIANO Фатімське послання VIDEOS CIÊNCIA CONFIRMA Corpos incorruptos VIDEOS S.Sudário (videos) S.Sudário (posts) Guadalupe ANJOS Criação Pirâmides Astronomia Bíblia Jesus Cristo Evangelho de Judas Mar Morto Torre de Babel São Pedro São Paulo ORAÇÕES Nossa Senhora Milagres Corpus Christi São Bernardo São Fernando CANTICOS VIDEOS LUZ DE CRISTO Pe. Leonel Franca S.J. VIDEOS VALORES INEGOCIÁVEIS Atualizações em seu email RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Santa Bernadette conta as aparições de Lourdes As aparições de Lourdes segundo as palavras da própria Santa Bernadette Carregando... Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem de São Luis Maria Grignion de Montfort Comentários de Plinio Corrêa de Oliveira Introdução Finalidade do “Tratado da Verdadeira Devoção” Maria Santíssima é insuficientemente conhecida Excelências das faculdades da alma de Nossa Senhora Outras qualidades de Maria Santíssima Devoção a Nossa Senhora: característica da santidade Maria Santíssima é a Onipotência Suplicante Necessidade da devoção à Santíssima Virgem Papel de Nossa Senhora na Encarnação O poder da oração de Nossa Senhora e a nossa vida espiritual A cooperação de Nossa Senhora com Deus Filho Devoção a Nossa Senhora e apostolado A intimidade entre Nosso Senhor e Nossa Senhora aplicada à nossa vida espiritual A confiança total em Nossa Senhora A cooperação de Nossa Senhora com o Espírito Santo Deus quer servir-se de Maria na santificação das almas Necessidade da devoção a Nossa Senhora para a nossa salvação Aplicações para o apostolado Maria no mistério da Igreja. Primeira consequência: Maria é a rainha dos corações Segunda consequência: Maria é necessária aos homens para chegarem ao seu último fim Os apóstolos dos últimos tempos e o demônio Maria, a mais terrível inimiga de Lúcifer Os Santos dos Últimos Tempos Os Apóstolos dos Últimos Tempos Verdades fundamentais da devoção à Santíssima Virgem A pretexto de não ofender a Nosso Senhor, destroem a devoção a Nossa Senhorar Apresentar Nossa Senhora de um modo terno, forte e persuasivo Características da escravidão a Nossa Senhora Seremos escravos, ou de Deus ou do demônio Por que ser escravo de Maria, que é escrava de Deus? A Mediação Universal de Nossa Senhora na obra de São Luís Grignion Fatos que mostram a necessidade de protegermos de nosso fundo de maldade A consciência da própria maldade, condição indispensável para a santificação Escolha da verdadeira devoção à Santíssima Virgem Os falsos devotos e as falsas devoções à Santíssima Virgem A perfeita devoção à Santíssima Virgem ou a perfeita consagração a Jesus Cristo Motivos que nos recomendam esta devoção A devoção a Nossa Senhora aumenta nossas virtudes, unindo-nos sempre mais a Nosso Senhor A graça de possuir uma grande intimidade com Nossa Senhora A escravidão a Nossa Senhora dá valor incalculável às nossas boas obras Figura bíblica desta perfeita devoção: Rebeca e Jacó “Filho, dá-me o teu coração” São Pio X: Lourdes é promessa da vitória iminente sobre os ímpios “É preciso acrescentar que Pio IX não muito antes [das aparições] havia declarado ser de fé católica a Conceição Imaculada de Maria que, na cidade de Lourdes, começaram maravilhosas manifestações da Virgem, e foi, como se sabe, a origem dessas igrejas elevadas em honra da Imaculada Mãe de Deus, obra de alta magnificência e de imensos trabalhos, onde prodígios quotidianos, devidos à sua intercessão, fornecem esplêndidos argumentos para prostrar na confusão a incredulidade moderna. “Tantos e tão insignes benefícios concedidos por Deus pelas piedosas solicitações de Maria, durante os cinqüenta anos transcorridos, não deveriam nos fazer esperar a salvação num tempo ainda mais curto do que nós acreditávamos? Da mesma maneira, há como uma lei da Providência divina, a experiência ensina-nos isto, segundo a qual entre os extremos derradeiros do mal e a liberação jamais há muita distância. “O tempo de sua vinda está próximo. Pois o Senhor terá piedade de Jacob, e em Israel terá seu eleito” (Is. XIV, 1). “É pois com inteira confiança que nós mesmos podemos esperar que dentro em breve exclamemos : “O Senhor quebrou o cetro dos ímpios. A terra está em paz e silêncio, ela se regozija e ela exulta” (Is. XIV, 5 e 7).” Carta encíclica Ad diem illum, de 2 de fevereiro de 1904: Acta Pii X, vol. 1, p.149. Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Nova) (Vista e 7, sem interruções, opção tela inteira) . CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas, em caso de problemas) . Pio XII: a malícia dos adversários permitiu que a aparição de Lourdes brilhasse com mais evidência “Não é de admirar que os nossos predecessores se hajam comprazido em multiplicar os seus favores para com esse santuário. Desde 1860, Pio IX, de santa memória, regozijava-se de que os obstáculos suscitados contra Lourdes pela malícia dos homens houvessem permitido ‘manifestar com mais força e mais evidência a clareza do fato’ (Carta de 4 de setembro de 1869, Ep. lat. an.1869, n. 388, f. 695.). “E, forte dessa segurança, ele cumula de benefícios espirituais a Igreja recém-educada, e faz coroar a estátua de nossa Senhora de Lourdes.” Carta Encíclica “Le Pelèrinage de Lourdes”, 2 de julho de 1957. Pio XI: Lourdes confirmou a proclamação do dogma da Imaculada Conceição “O que em Roma, pelo seu magistério infalível, o sumo pontífice definia, a Virgem Imaculada Mãe de Deus, a bendita entre as mulheres, quis, ao que parece, confïrmá-lo por sua boca, quando pouco depois se manifestou por uma célebre aparição na gruta de Massabielle”. “Certamente, a palavra infalível do pontífice romano, intérprete autêntico da verdade revelada, não necessitava de nenhuma confirmação celeste para se impor à fé dos fiéis. Mas com que emoção e com que gratidão o povo cristão e seus pastores não recolheram dos lábios de Bernardete essa resposta vinda do céu: 'Eu sou a Imaculada Conceição'! Decreto De Tuto para a canonização de santa Bernardete, 2 de julho de 1933: AAS 25(1933), p. 377. Bento XVI em Lourdes: “Numerosas são as pessoas que o testemunharam: o encontro com o rosto luminoso de Bernadete impressionava os corações e os olhares. Tanto durante as aparições como quando ela as narrava, o seu rosto tornava-se completamente radioso. Bernadete já estava habitada pela luz de Massabielle. “No entanto, a vida quotidiana da família Soubirous era tecida de miséria e tristeza, de doença e incompreensão, de rejeição e pobreza. Embora não faltando amor e afecto nas relações familiares, era difícil viver no “cachot” (no “cárcere”). “Contudo, as sombras da terra não impediram de brilhar a luz do céu: «A luz brilha nas trevas...» (Jo 1, 5).” (Fonte: homilia na procissão das velas, 13.9.08) Santa Catarina Labouré: Nossa Senhora de Lourdes é a mesma da Medalha Milagrosa Quando Santa Catarina Labouré soube, em Paris, das aparições de Nossa Senhora em Lourdes, exclamou: “É a mesma!”. A santa lamentou várias vezes que não se tivesse construído na Rue du Bac o santuário dedicado à Medalha Milagrosa, pedido pela Mãe de Deus: “Se os superiores tivessem querido, a Santa Virgem teria escolhido nossa capela” para operar os milagres de Lourdes, disse em outra ocasião. Para Santa Catarina, Nossa Senhora escolheu Lourdes para suprir a falta de interesse das autoridades religiosas de Paris pelo pedido de Nossa Senhora. Fonte: Pe. René Laurentin, “Vie de Catherine Labouré”, Desclée de Brouwer, Paris, 1980, p. 147-148. TODAS AS APARIÇÕES DE LOURDES TODAS AS APARIÇÕES DE LOURDES 1ª aparição. Nossa Senhora aparece na Gruta 2ª aparição. Santa Bernadette quer tirar a dúvida. 3ª aparição. Nossa Senhora fala pela primeira vez. 4ª aparição. Início da 'quinzena'. 5ª aparição. Nossa Senhora dá uma oração especial para Santa Bernadette. 6ª aparição: Nossa Senhora pede rezar pelos pecadores. 7ª aparição: Nossa Senhora dá três segredos. 8ª aparição: “Penitência, penitência, penitência!” 9ª aparição: Nossa Senhora manda se lavar na fonte e comer grama. 10ª aparição: Santa Bernadette manda os presentes imitarem seus atos de piedade. 11ª aparição: os presentes voltam a imitar os atos de piedade da santa. 12ª aparição: única assistida por um sacerdote. 13ª aparição: Nossa Senhora pede uma capela e a procissão. 14ª aparição: pároco zomba dos pedidos. 15ª aparição: última da 'quinzena'. 16ª aparição. 'Eu sou a Imaculada Conceição'. 17ª aparição. O “milagre do círio”. 18ª e última aparição. MAIS SOBRE LOURDES Plinio Corrêa de Oliveira: Lourdes sinaliza que os dias da impiedade estão contados “Em Lourdes, como estrondosa confirmação do dogma, [Nossa Senhora] fez o que nunca antes se vira: instalou no mundo o milagre, por assim dizer, em série e a título permanente. [...] “Dir-se-ia que a humanidade inteira sofre violência, que está sendo posta em uma forma que não convém à sua natureza, e que todas as suas fibras sadias se contorcem e resistem. “Há um anseio imenso por outra coisa, que ainda não se sabe qual é. Mas, enfim ― fato talvez novo desde que começou, no século XV, o declínio da Civilização Cristã ― o mundo inteiro geme nas trevas e na dor, precisamente como o filho pródigo quando chegou ao último da vergonha e da miséria, longe do lar paterno. “No próprio momento em que a iniqüidade parece triunfar, há algo de frustrado em sua aparente vitória [...]. “Nossa Senhora tem alcançado para nós os mais estupendos milagres. Esta piedade se terá extinguido? Têm fim as misericórdias de uma Mãe, e da melhor das mães? “Quem ousaria afirmá-lo? Se alguém duvidasse, Lourdes servir-lhe-ia de admirável lição de confiança. Nossa Senhora há de nos socorrer. [...] “Na realidade Ela já começou a nos socorrer. [...] Os dias do domínio da impiedade estão contados. A definição do dogma da Imaculada Conceição marcou o início de uma sucessão de fatos que conduzirá ao Reinado de Maria”. (Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, “Primeiro marco do ressurgimento contra-revolucionário”, “Catolicismo”, nº 86, fevereiro de 1958). Os 69 milagres reconhecidos pela Igreja 69 milagres de Lourdes foram proclamados oficialmente pela Igreja. Mais de 7.000 curas foram qualificadas de inexplicáveis pela ciência. Os bispos decidirão se as reconhecem canonicamente como milagre. Eis a lista dos 69. Em 1º lugar o nome e local de residência do miraculado. 2º) a doença curada. 3º) idade do doente e data da cura. 4º) diocese e data do reconhecimento do milagre. 1. Sra. Catherine Latapie, apelidada Chouat, de Loubajac (França). Paralisia havia 18 meses. Por volta de 38 anos, no dia 01-03-1858. Tarbes, 18-01-1862. 2. Sr. Louis Bouriette, de Lourdes (França). Perda da vista havia 20 anos. 54 anos em março de 1858. Tarbes, 18-01-1862. 3. Sra. Blaisette Cazenave, (nascida Soupène), de Lourdes (França). Oftalmia crônica havia 3 anos. Por volta de 50 anos, março de 1858. Tarbes, 18-01-1862. 4. Sr. Henri Busquet, de Nay (França). Adenite com úlcera havia 15 meses. Por volta de 15 anos, em 28-04-1858. Tarbes, 18-01-1862. 5. Sr. Justin Bouhort, de Lourdes (França). Atraso de desenvolvimento e consumição física. 2 anos em 06-07-1858. Tarbes, 18-01-1862. 6. Sra. Madeleine Rizan, de Nay (França). Hemiplegia do lado esquerdo havia 24 anos. 58 anos aproximadamente em 17-10-1858. Tarbes, 18-01-1862. 7. Srta. Marie Moreau, de Tartas (França). Perda da vista com lesões inflamatórias havia 10 meses. 17 anos aproximadamente em 09-11-1858. Tarbes, 18-01-1862. 8. Sr. Pierre de Rudder, de Jabbeke (Bélgica). Fratura exposta da perna esquerda com seudo-artrose. 52 anos em 07-04-1875. Bruges (Bélgica) 25-07-1908. 9. Srta. Joachime Dehant, de Gesves (Bélgica). Ulcera da perna direita com gangrena muito desenvolvida. 29 anos em 13-09-1878. Namur (Bélgica) 25-04-1908. 10. Srta. Elisa Seisson, de Rognonas (França). Hipertrofia do coração com edemas nos membros inferiores. 27 anos em 29-08-1882. Aix-en-Provence 02-07-1912. 11. Irmã Eugenia, (Marie Mabille), de Bernay (França). Abscesso com fístulas, flebite. 28 anos em 21-08-1883. Evreux 30-08-1908. 12. Irmã Julienne, (Aline Bruyère), de La Roque (França). Tuberculose pulmonar. 25 anos em 01-09-1889. Tulle 07-03-1912. 13. Irmã Joséphine-Marie, (Anne Jourdain), de Goincourt (França). Tuberculose pulmonar. 36 anos em 21-08-1890. Beauvais 10-10-1908. 14. Srta. Amélie Chagnon, (Religiosa do Sagrado Coração em 25-09-1894), de Poitiers (França). Osteoartrite tuberculosa no joelho e no pé. 17 anos em 21-08-1891. Tournai (Bélgica) 08-09-1910. 15. Srta. Clémentine Trouvé, (Irmã Agnès-Marie), de Rouille (França). Osteoperiostite do pé direito com flebite. 14 anos em 21-08-1891. Paris 06-06-1908. 16. Srta. Marie Lebranchu, (Sra. Wuiplier), de Paris (França). Tuberculose pulmonar. 35 anos em 20-08-1892. Paris 06-06-1908. 17. Srta. Marie Lemarchand, (Sra. Authier), de Caen (França). Tuberculose pulmonar com úlceras no rosto e na perna. 18 anos em 21-08-1892. Paris 06-06-1908. 18. Srta. Elise Lesage, de Bucquoy (França). Osteoartrite tuberculosa do joelho. 18 anos em 21-08-1892. Arras 04-02-1908. 19. Irmã Maria da Apresentação, (Sylvanie Delporte), de Lille (França). Gastrenterite crônica tuberculosa. 46 anos em 29-08-1892. Cambrai 15-08-1908. 20. Padre Cirette, de Beaumontel (França). Esclerose espinal. 46 anos em 31-08-1893. Evreux 11-02-1907. 21. Srta. Aurélie Huprelle, de Saint-Martin-le-Noeud (França). Tuberculose pulmonar aguda. 26 anos em 21-08-1895. Beauvais 01-05-1908. 22. Srta. Esther Brachmann, de Paris (França). Peritonite tuberculosa. 15 anos em 21-08-1896. Paris 06-06-1908. 23. Srta. Jeanne Tulasne, de Tours (França). Mal de Pott lombar. 20 anos em 08-09-1897. Tours 27-10-1907. 24. Srta. Clémentine Malot, de Gaudechart (França). Tuberculose pulmonar. 25 anos em 21-08-1898. Beauvais 01-11-1908. 25. Sra. Rose François, (nascida Labreuvoies), de Paris (França). Fleimão com fístulas no braço direito e enorme edema. 36 anos em 20-08-1899. Paris 06-06-1908. 26. Padre Salvador, de Rouelle (França). Peritonite tuberculosa. 38 anos em 25-06-1900. Rennes 01-07-1908. 27. Irmã Maximilien, (Religiosa da Esperança) de Marselha (França). Quisto no fígado e flebite na perna esquerda. 43 anos em 20-05-1901. Marselha 05-02-1908. 28. Srta. Marie Savoye, de Cateau-Cambresis (França). Doença mitral reumática descompensada. 24 anos em 20-09-1901. Cambrai 15-08-1908. 29. Sra. Johanna Bézenac, (nascida Dubos), de Saint-Laurent-des-Bâtons (França). Caquexia de origem desconhecida e impetigo. 28 anos em 08-08-1904. Périgueux 02-07-1908. 30. Irmã Saint-Hilaire, (Lucie Jupin), de Peyreleau (França) Tumor abdominal. 39 anos em 20-08-1904. Rodez 10-05-1908. 31. Irmã Sainte-Béatrix, (Rosalie Vildier), d’Evreux (França). Laringobronquite tuberculosa. 42 anos em 31-08-1904. Evreux 25-03-1908. 32. Srta. Marie-Thérèse Noblet, d’Avenay (França). Mal de Pott. 15 anos em 31-08-1905. Reims 11-02-1908. 33. Srta. Cécile Douville de Franssu, de Tournai (Bélgica). Peritonite tuberculosa. 19 anos em 21-09-1905. Versailles 08-12-1909. 34. Srta. Antonia Moulin, de Vienne (França). Fistula no fêmur direito e artrite no joelho. 30 anos em 10-08-1907. Grenoble 06-11-1910. 35. Srta. Marie Borel, de Mende (França). Seis fístulas nas regiões lombar e abdominal. 27 anos em 21/22-08-1907. Mende 04-06-1911. 36. Srta. Virginie Haudebourg, de Lons-le-Saulnier Cistite tuberculosa e nefrite. 22 anos em 17-05-1908. Saint-Claude 25-11-1912. (França). 37. Sra. Marie Biré, (nascida Lucas), de Sainte-Gemme-la-Plaine (França). Cegueira de origem cerebral e atrofia papilar bilateral. 41 anos em 05-08-1908. Luçon 30-07-1910. 38. Srta. Aimée Allope, de Vern (França). Numerosos abscessos tuberculosos, quatro dos quais com fístula. 37 anos em 28-05-1909. Angers 05-08-1910. 39. Srta. Juliette Orion, de Saint-Hilaire-de- Voust (França). Tuberculose pulmonar e da laringe. 24 anos em 22-07-1910. Luçon 18-10-1913. 40. Sra. Marie Fabre, de Montredon (França). Enterite, dispepsia e prolapso uterino. 32 anos em 26-09-1911. Cahors 08-09-1912. 41. Srta. Henriette Bressolles, de Nice (França). Mal de Pott, paraplégica. 28 anos aproximadamente em 03-07-1924. Nice 04-06-1957. 42. Srta. Brosse Lydia, de Saint-Raphaël (França). Fistulas tuberculosas múltiplas. 41 anos em 11-10-1930. Coutances 05-08-1958. 43. Irmã Marie-Marguerite, (Françoise Capitaine), de Rennes (França). Abscesso do rim esquerdo com edema e crises cardíacas. 64 anos em 22-01-1937. Rennes 20-05-1946. 44. Srta. Louise Jamain, (Sra. Maître), de Paris (França). Tuberculose pulmonar, intestinal e peritoneal. 22 anos em 01-04-1937. Paris 14-12-1951. 45. Sr. Francis Pascal, de Beaucaire (França). Cegueira e paralise dos membros inferiores. 3 anos 10 mois em 31-08-1938. Aix-en-Provence 31-05-1949. 46. Srta. Gabrielle Clauzel, d’Oran (Algérie). Espondite reumatica. 49 anos em 15-08-1943. Oran (Algeria) 18-03-1948. 47. Srta. Yvonne Fournier, de Limoges (França). Síndrome de Leriche. 22 anos em 19-08-1945. Paris 14-11-1959. 48. Sra. Rose Martin, (nascida Perona), de Nice (França). Câncer no colo do útero. 46 anos em 03-07-1947. Nice 17-03-1958. 49. Sra. Jeanne Gestas, (nascida Pelin), de Bègles (França). Perturbações dispépticas com acidentes pós-operatórios. 50 anos em 22-08-1947. Bordeaux 13-07-1952. 50. Srta. Marie-Thérèse Canin, de Marseille (França). Mal de Pott e peritonite tuberculosa. 37 anos em 09-10-1947. Marselha 06-06-1952. 51. Srta. Maddalena Carini, de San Remo (Itália). Peritonite tuberculose, tuberculose pleural, pulmonar e óssea com artrite coronária. 31 anos em 15-08-1948. Milão (Itália) 02-06-1960. 52. Srta. Jeanne Frétel, de Rennes (França). Péritonite tuberculosa. 34 anos em 08-10-1948. Rennes 20-11-1950. 53. Srta. Théa Angele, (Irmã Maria-Mercedes), de Tettnang (Alemanha). Esclerose em placas havia seis anos. 20 anos em 20-05-1950. Tarbes-Lourdes 28-06-1961. 54. Sr. Evasio Ganora, de Casale (Itália). Doença de Hodgkin. 37 anos em 02-06-1950. Casale (Itália) 31-05-1955. 55. Srta. Edeltraud Fulda, (Sra. Haidinger), de Viena (Áustria). Doença de Addison. 34 anos em 12-08-1950. Viena (Áustria) 18-05-1955. 56. Sr. Paul Pellegrin, de Toulon (França). Fístula pós-operatória de um abscesso do fígado. 52 anos em 03-10-1950. Fréjus-Toulon 08-12-1953. 57. Irmão Léo Schwager, de Friburgo (Suíça). Esclerose em placas havia cinco anos. 28 anos em 30-04-1952. Genebra (Lausanne) Friburgo (Suíça). 18-12-1960. 58. Sra. Alice Couteault, (nascida Gourdon), de Bouille-Loretz (França). Esclerose em placas havia três anos. 34 anos em 15-05-1952. Poitiers 16-07-1956. 59. Srta. Marie Bigot, de La Richardais (França). Cegueira, surdez e hemiplegia. 31 anos em 08-10-1953 e 32 anos em 10-10-1954. Rennes 15-08-1956. 60. Sra. Ginette Nouvel, (nascida Fabre), de Carmaux (França). Doença de Budd-Chiari. 26 anos em 21-09-1954. Albi 31-05-1963. 61. Srta. Elisa Aloi, (Sra. Varacalli), de Patti (Itália). Tuberculose osteoarticular com fístulas múltiplas. 27 anos em 05-06-1958. Messina (Itália) 26-05-1965. 62. Srta. Juliette Tamburini, de Marselha (França). Osteoperiostite femoral com fístula havia 10 anos. 22 anos em 17-07-1959. Marselha 11-05-1965. 63. Sr. Vittorio Micheli, de Scurelle (Itália). Sarcoma do quadril. 23 anos em 01-06-1963. Trento 26-05-1976. 64. Sr. Serge Perrin, de Lion d’Angers (França). Hemiplegia direita com lesões oculares, perturbações circulatórias. 41 anos em 01-05-1970. Angers 17-06-1978. 65. Srta. Delizia Cirolli, (Sra. Costa), de Paternò (Itália). Sarcoma de Ewing no joelho esquerdo. 12 anos em 24-12-1976. Catania (Itália) 28-06-1989. 66. Sr. Jean-Pierre Bély, de La Couronne (França). Esclerose em placas. 51 anos em 09-10-1987. Angoulême 9-02-1999. 67. Srta. Anna Santaniello, Salerno (Itália) Descompensação cardíaca resultante de reumatismo articular agudo. 41 anos em 19-08-1952. Salerno (Itália) 21-09-2005 . 68. Soror Luigina Traverso, Casale Monferrato (Itália). Paralisia da perna esquerda. 31 anos em 23-07-1965. Casale Monferrato (Itália) 11-10-2012. 69. Sra. Danila Castelli, Pavia (Itália). Hipertensao arterial grave com tumores. 43 anos em 04-05-1989. Pavia (Itália) 20-06-2013 São Pio X: Lourdes excede em glória todo outro santuário mariano “A glória única do santuário de Lourdes reside no fato de nele serem os povos atraídos de toda parte, por Maria, à adoração de Cristo Jesus no augusto sacramento. de sorte que aquele santuário, ao mesmo tempo centro de culto mariano e trono do mistério eucarístico, excede em glória, ao que parece, todos os outros no orbe católico”. Breve de 25 de abril de 1911: Arch. Brev. Ap., Pius X, an.1911, Div. Lib. IX, pars I, f. 337. Pio XII: Lourdes e a medalha milagrosa: duas devoções contra-revolucionárias “Devia, no entanto, o século XIX, após a tormenta revolucionária, ser por muitos títulos o século das predileções marianas. Para só citarmos um fato, quem é que não conhece hoje em dia a 'medalha milagrosa'? “Revelada, no próprio coração da capital francesa, a uma humilde filha de São Vicente de Paulo que tivemos a alegria de inscrever no catálogo dos santos, essa medalha cunhada com a efígie de 'Maria concebida sem pecado' espalhou por todos os lugares os seus prodígios espirituais e materiais. “E, alguns anos mais tarde, de 11 de fevereiro a 16 de julho de 1858, à bem-aventurada virgem Maria aprazia, por um favor novo, manifestar-se na terra dos Pirineus a uma menina piedosa e pura, saída de uma família cristã, trabalhadora na sua pobreza. “Ela vem a Bernardete, dizíamos nós outrora, fá-la a sua confidente, a colaboradora, o instrumento da sua ternura maternal e da misericordiosa onipotência de seu Filho, para restaurar o mundo em Cristo por uma nova e incomparável efusão da redenção”. Carta Encíclica “Le Pelèrinage de Lourdes”, 2 de julho de 1957. EXORCISMO e exorcistas Nossa Senhora destrói o pacto que o monge Teófilo tinha assinado com o demônio O EXORCISMO: exorcistas explicam e aconselham Seleção de vídeos Mons. Andrea Gemma, bispo emérito de Isernia-Venafro, fala sobre o exorcismo (em italiano) Mons. Andrea Gemma: ficai longe como do fogo do espiritismo, jogos supersticiosos, ocultismo e outras práticas modernos de Satanás (em italiano) Exorcista Padre Gabriele faz revelações surpreendentes sobre as Aparições de Fátima (legendado em português) Sobre o exorcismo hoje, fala Mons. Rubens Miraglia Zani, pároco de Nossa Senhora do Líbano, Baurú-SP O Pe. Duarte Sousa Lara, exorcista da diocese de Lamego (Portugal) explica o que é o exorcismo e responde perguntas a respeito O Pe. Gabriele Amorth, exorcista da diocese de Roma, explica quem é o diabo e como age (em italiano). Vídeo em duas partes O Pe. Gabriele Amorth, presidente emérito da Associação Internacional dos Exorcistas: Satanás é uma pessoa que reina no inferno e quer destruir a obra de Deus e perder os homens (em italiano) Pe. Gabriele Amorth: poucos santos tiveram que lutar tanto 'corpo a corpo' contra o diabo como o Padre Pio(em italiano) Pe. Gabriele Amorth: como age Lúcifer no mundo (em italiano e espanhol) Pe. Amorth, exorcista de Roma: como rezar contra o demônio (dublado em espanhol) Pe. Amorth, mostra como se faz o exorcismo. Esse só pode ser feito pelo sacerdote autorizado pelo bispo usando o Ritual Romano «O demônio gosta de possuir os homens que ocupam cargos políticos» O Pe. Francesco Bamonte, exorcista, exemplifica como age o demônio com suas vítimas (em italiano) Santa Faustina viu o inferno e deixou escrito o que observou (em italiano) Visão do inferno segundo São João Bosco (legendado em português) O Inferno, segundo a Beata Josefa Menéndez (legendado em português) Assine gratuitamente RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: TUDO SOBRE O SANTO SUDÁRIO Tudo sobre o SANTO SUDÁRIO Santo Sudário: as primeiras surpresas e constatações Inscrição em aramaico no Santo Sudário seria anterior ao ano 70 d.C. Probabilidade de o Santo Sudário ser falso: uma em 225 bilhões! Para matemático, chance de o Santo Sudário não ser verdadeiro é de uma em 200 bilhões “Tudo coincide perfeitamente com os Evangelhos” Santo Sudário: inexplicável imagem tridimensional― Inviabilizada a conjetura de falsificação Engenheiro em nanotecnologia: o Santo Sudário é um testemunho mudo da Ressurreição O enigma que desconcerta a ciência Cientista incrédulo estudou 37 anos o Santo Sudário e hoje tem certeza: é autêntico! O cientista descrente que se rendeu à evidência: não há nada como o Santo Sudário! Professor faz Crucificado seguindo os dados do Santo Sudário A autopsia do Santo Sudário concorda com os Evangelhos Santo Sudário: a imagem completa de um homem cruelmente crucificado (1) Santo Sudário: a imagem completa de um homem cruelmente crucificado (2) “É sangue de um homem torturado e assassinado”, diz estudo atômico do Santo Sudário Cientistas desmontam artifício para “provar” que o Santo Sudário não é autêntico No resgate do Santo Sudário, um milagre em meio às chamas Fotos tridimensionais aumentam certeza de que o Santo Sudário envolveu a Nosso Senhor O Santo Sudário em três dimensões Para ciência de ponta é impossível reproduzir o Santo Sudário A ciência impotente para explicar a imagem do Santo Sudário Santo Sudário: as ciências diante do humanamente inexplicável O Santo Sudário à luz da ciência histórica e das críticas adversas Os templários veneravam o Santo Sudário e por isso foram difamados, diz historiadora do Arquivo Secreto Vaticano Médico espanhol: não acredita no Santo Sudário quem não quer mudar de vida A Santa túnica de Argenteuil comparada por um cientista com o Santo Sudário O Santo Sudário comparado com o Véu da Verônica O Santo Sudário e o Véu da Verônica: falam os cientistas Concordâncias científicas entre o Santo Sudário de Turim e o de Oviedo Santo Sudário de Turim e o Sudário de Oviedo “envolveram a mesma pessoa”, concluiu inquérito As chagas impressas no Santo Sudário de Turim Identificam a ferida da lançada no Santo Sudário de Turim e no Sudário de Oviedo Descobertas da botânica no Santo Sudário Unguentos e polens no Santo Sudário falam de um enterro próprio a um rei Flores no Santo Sudário só poderiam ter sido colhidas em Jerusalém na época da Crucifixão Mais modernos testes concluem que o Santo Sudário é do tempo de Jesus Cristo Cientistas querem teste sério de carbono 14 Sobre o contestado teste do carbono 14 Novos livros confirmam a impropriedade dos testes de Carbono 14 O Homem do Sudário, exposição em cidades brasileiras quarta-feira, 20 de dezembro de 2017 Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs VEJA O QUE ACONTECE EM LOURDES NA PÁGINA ESPECIAL DE VÍDEOS -- CLIQUE AQUI Acompanhe online o que está acontecendo agora na própria gruta de Lourdes pela Webcam do santuário. CLIQUE AQUI: WEBCAM (Clássica) (todos os sistemas) . Como ir a Lourdes? veja como ir Postado por Luis Dufaur às 19:34 Share | Marcadores: Natal 2 comentários: Maria Brilhante 21 de dezembro de 2017 09:24 Obrigado por tudo Responder Excluir Maria Zélia Ferreira da Silva 3 de janeiro de 2018 10:50 Um Feliz Ano Novo a todos os irmãos da França muita paz e saúde para todos. Responder Excluir Adicionar comentário Carregar mais... Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa. Postagem mais antiga Página inicial Assinar: Postar comentários (Atom) TODAS AS APARIÇÕES UMA POR UMA TODAS AS APARIÇÕES DE LOURDES 1ª aparição. Nossa Senhora aparece na Gruta 2ª aparição. Santa Bernadette quer tirar a dúvida. 3ª aparição. Nossa Senhora fala pela primeira vez. 4ª aparição. Início da 'quinzena'. 5ª aparição. Nossa Senhora dá uma oração especial para Santa Bernadette. 6ª aparição: Nossa Senhora pede rezar pelos pecadores. 7ª aparição: Nossa Senhora dá três segredos. 8ª aparição: “Penitência, penitência, penitência!” 9ª aparição: Nossa Senhora manda se lavar na fonte e comer grama. 10ª aparição: Santa Bernadette manda os presentes imitarem seus atos de piedade. 11ª aparição: os presentes voltam a imitar os atos de piedade da santa. 12ª aparição: única assistida por um sacerdote. 13ª aparição: Nossa Senhora pede uma capela e a procissão. 14ª aparição: pároco zomba dos pedidos. 15ª aparição: última da 'quinzena'. 16ª aparição. 'Eu sou a Imaculada Conceição'. 17ª aparição. O “milagre do círio”. 18ª e última aparição. MAIS SOBRE LOURDES Os milagres de Lourdes O milagre de Jeanne Fretel Pesquisar este blog Em destaque Ato de Consagração a nossa Senhora de Lourdes Santa Bernadette imitava todos os gestos de Nossa Senhora. Vitral da Basílica da Imaculada Conceição, de Lourdes Luis Dufaur Escri... Outras formas de visualizar o blog: O corpo incorrupto da Santa Seguidores de Lourdes NOVENA DE LOURDES NOVENA de Na. Sra. de Lourdes Primeiro dia Segundo dia Terceiro dia Quarto dia Quinto dia Sexto dia Sétimo dia Oitavo dia Nono e último dia Lourdes: recitação do terço Recitação do terço na Gruta de Lourdes (italiano) Mistérios Dolorosos. Clique na foto para acompanhar Lourdes em seu email RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Imagens intactas nas catástrofes Imagens intactas nas catástrofes Milagre em Petrópolis? Frágil imagem de Nossa Senhora das Graças resistiu à enxurrada devastadora Brasil: duas imagens de Nossa Senhora ficam intocadas por voraz incêndio Imagem de Nossa Senhora Aparecida sai intacta das cinzas O furacão Harvey e uma série de tornados devastam o Texas, mas nada podem contra Nossa Senhora Imagens católicas milagrosamente poupadas pelas tempestades nos EUA Imagens de Nossa Senhora de Lourdes, da Luz e do Sagrado Coração de Jesus admiravelmente salvas nas Filipinas Imagens de Nossa Senhora jogadas no rio Mekong pelos comunistas e recuperadas milagrosamente no Camboja Nossa Senhora de Lourdes intocada por incêndio numa base militar Mais imagens de Nossa Senhora saem indenes de calamidades. Um aviso e um conforto Milagres de Nossa Senhora e do Santíssimo Sacramento no terremoto do Equador em 2016 Imagem de Nossa Senhora de Lourdes jogada no rio pelos comunistas reaparece maravilhosamente no Camboja Miraculosa imagem de Nosso Senhor Crucificado sai ilesa de terremoto no Peru Rosário salva pescadores portugueses Escudo do Coração de Jesus salva soldado espanhol atingido pelos talibãs no Afeganistão Nepal: católicos salvos do terremoto por estarem na igreja Em meio à tragédia, a cruz incólume de Joplin simboliza o triunfo vindouro da Fé “Cara e coroa” religioso do terremoto da Itália, 2016 Cheia excepcional volta a inundar a Gruta de Lourdes. Nossa Senhora não estará implorando algo de nós? do Brasil? Enchente não atinge imagem da Gruta, águas descem e começa a recuperação O fogo calcinou tudo, mas o Sagrado Coração de Jesus ficou em pé Por que Deus salva imagens, mas permite que a obra dos homens em volta seja arrasada? O fogo devora, o teto desaba, e Cristo reina sobre os elementos descontrolados! Portentos silenciados durante o maior tsunami conhecido pelos homens! Em Núrsia: bombeiros tiram das ruínas imagem íntegra de São Bento Califórnia: muitas imagens católicas ilesas nos incêndios florestais Para comprar o melhor sobre Lourdes e Santa Bernadette: CLIQUE NA IMAGEM Livraria Petrus: os melhores livros católicos à venda na Internet Como ir a Lourdes: mapa, viagem, hotel, etc. Mapa para chegar a Lourdes Ver mapa maior DICAS E EXPERIENCIAS VIAGEM, ESTRADAS, MORADIA, ETC. SANTA FAUSTINA Santa Faustina Apóstol da Misericórdia na véspera do dia da Justiça Apóstolo da Divina Misericórdia para um mundo cujos pecados clamam por punição Incompreendida e vilipendiada por religiosos e conhecidos Concordâncias entre o Segredo de La Salette, Fátima e a devoção à Divina Misericórdia Os sacrifícios das almas justas aplacam a cólera de Deus Sobre o futuro da Polônia, o flagelo da Rússia e sua conversão A falsa misericórdia: estrada de concessões e pactos com o mundo que levam ao inferno A era futura, ou ‘Reino de Maria’, virá pela Divina Misericórdia Mais lidos da semana Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que viram os médicos forenses nas exumações Rosto de Santa Bernadette em Nevers Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, w... Uma Gruta de Lourdes nos jardins do Vaticano Reprodução da Gruta de Lourdes nos jardins do Vaticano Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional,... Há 187 anos Nossa Senhora deu a Medalha Milagrosa Santa Catarina Labouré aos pés de Nossa Senhora Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio... A Rainha conserta tudo. Estamos pedindo o conserto com fervor? A súplica de Nossa Senhora pode tudo junto Àquele que é Todopoderoso. Por isso, Ela é verdadeiramente Rainha. Luis Dufaur Escritor... Lourdes: nem todos veem mas todos sentem. O que é? Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs E... Mãe: amor, afeto, bondade e misericórdia Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Imagem de Nossa Senhora de Lourdes jogada no rio pelos comunistas e recuperada no Camboja Nossa Senhora do Mekong: imagem de Nossa Senhora de Lourdes recuperada milagrosamente do rio Mekong no Camboja. Luis Dufaur Escrit... Nossa Senhora em Lourdes leva as almas para o céu pela aceitação da dor e até da derrota Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Como ir a Lourdes: dicas e experiências Como ir a Lourdes: dicas e experiências Luis Dufaur Com relativa frequência recebemos o pedido de alguma indicação de como ir a Lo... Como foi a Assunção de Nossa Senhora. Uma piedosa reconstituição Assunção de Nossa Senhora. Beato Angelico (1395 – 1455), Google Cultural Institute Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencist... Sinos da Basílica de Lourdes Todos os sinos da Basílica Ave-Maria de Lourdes INSCREVA-SE RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: BEATA ANA MARIA TAIGI Beata Ana Maria Taigi Contemplativa da luta entre a Luz e as Trevas A contemplativa da luta entre a Luz e as Trevas Visões da Beata Ana Maria Taigi concordam com La Salette Mensagens e intercessão pelos Papas Intercede pelos Papas e Deus lhe revela conspirações e molezas na condução do Papado A Revolução anticristã fora e dentro da Igreja Beato Pio IX é objeto predileto de seus sacrifícios e orações A enigmática morte de um Papa Triste estado do clero e do povo atrai um castigo corretivo Altos elogios aos bons nobres e severas repreensões aos maus Napoleão, flagelo enviado por Deus. Seu lugar na eternidade Visões de eventos futuros Castigos especiais aos católicos fingidamente observantes Visão de conjunto dos grandes eventos futuros (nosso presente?) Conselhos finais para o grande dia da “definitiva”, o grande dia de Deus O milagre da conversão do emir islâmico de Lourdes Em 778, Carlos Magno, o invencível Imperador cristão, com seus francos cercou a fortaleza de Lourdes e tentou conquistá-la pela fome. Ela estava nas mãos de Mirad, um emir muçulmano. O rochedo era virtualmente inconquistável, salvo pela fome. Quando a cidadela ia cair aconteceu um estranho prodígio: uma águia trouxe um peixe fresco no bico. O astuto emir enviou o peixe a Carlos Magno para fazer crer que a fortaleza tinha viveres para resistir por muito tempo... O santo bispo de Puy percebeu a cilada do demônio. E decidiu subir ele próprio ao rochedo para falar com o indômito e desafiante líder do Islã... CLIQUE AQUI PARA VER A HISTÓRIA COMPLETA Links A Aparição de La Salette e suas Profecias Como reconheceremos o enviado de Deus para nos salvar? Há 12 horas Nobility and Analogous Traditional Elites January 9 – St. Adrian of Canterbury Há 13 horas GPS do Agronegócio E ainda há gente culpando os produtores rurais! Há um dia Contos e lendas da Era Medieval A Ponte do Diabo de Thueyts Há um dia Catedrais Medievais O ódio ao gótico é ódio à Igreja Católica Há 5 dias Ciência confirma a Igreja Os nomes do Zodíaco: indício da união inicial dos homens e de sua posterior dispersão? Há uma semana Orações e milagres medievais O que falavam a mula e o boi há dois mil anos – Conto de Natal Há uma semana Blog da Família A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panetones e bolos de Natal Há uma semana Heróis medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas As Cruzadas Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Pesadelo chinês Feliz Natal e bom Ano Novo 2018! Há 2 semanas Devotos de la Santísima Virgen de El Buen Suceso Há 2 semanas Jóias e símbolos medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Gloria de la Edad Media Feliz Navidad y próspero Año Nuevo 2018! Há 2 semanas Idade Média Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas O que está acontecendo na América Latina? Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas A cidade medieval Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Verde: a cor nova do comunismo Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Idade Média * Glória da Idade Média Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Valores inegociáveis Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Luz de Cristo x trevas da irracionalidade Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Flagelo russo Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Luzes de Esperança Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Castelos medievais Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Há 2 semanas Radar da mídia “Pray for Barcelona!” Há 4 meses Ação Jovem Pela Terra de Santa Cruz Heroísmo e Honra é o que a Juventude tanto sente falta Há 6 meses Associação dos Fundadores Audiência para debater Ideologia de Gênero na Câmara Municipal de Campinas é interrompida e remarcada Há um ano Sou conservador sim, e daí? Ideologia de Gênero na prática: saia para homens Há 2 anos Frases e pesamentos de Plinio Corrêa de Oliveira, O Cruzado do Século XX Caridade, combatividade e argúcia Há 2 anos Carregando... Carregando... Arquivo do blog ▼ 2017 (41) ▼ Dezembro (3) Santo Natal e Feliz Ano Novo 2018! Clique e veja a origem e desenvolvimento dos costu... Nossa Senhora quer curar sobretudo as almas ► Novembro (5) ► Outubro (3) ► Setembro (3) ► Agosto (5) ► Julho (2) ► Junho (4) ► Maio (3) ► Abril (2) ► Março (5) ► Fevereiro (4) ► Janeiro (2) ► 2016 (43) ► Dezembro (2) ► Novembro (5) ► Outubro (2) ► Setembro (3) ► Agosto (4) ► Julho (7) ► Junho (4) ► Maio (4) ► Abril (1) ► Março (6) ► Fevereiro (3) ► Janeiro (2) ► 2015 (47) ► Dezembro (4) ► Novembro (4) ► Outubro (4) ► Setembro (3) ► Agosto (3) ► Julho (3) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (4) ► Fevereiro (13) ► Janeiro (3) ► 2014 (38) ► Dezembro (2) ► Novembro (2) ► Outubro (3) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (3) ► Junho (2) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (1) ► Fevereiro (12) ► Janeiro (4) ► 2013 (50) ► Dezembro (3) ► Novembro (4) ► Outubro (5) ► Setembro (3) ► Agosto (2) ► Julho (3) ► Junho (5) ► Maio (1) ► Abril (2) ► Março (4) ► Fevereiro (9) ► Janeiro (9) ► 2012 (33) ► Dezembro (2) ► Novembro (4) ► Outubro (7) ► Setembro (6) ► Agosto (2) ► Julho (1) ► Junho (2) ► Maio (1) ► Abril (2) ► Março (5) ► Janeiro (1) ► 2011 (29) ► Novembro (2) ► Outubro (1) ► Setembro (2) ► Agosto (5) ► Julho (4) ► Junho (4) ► Maio (2) ► Abril (2) ► Março (6) ► Fevereiro (1) ► 2010 (5) ► Outubro (1) ► Setembro (2) ► Agosto (1) ► Janeiro (1) ► 2009 (1) ► Agosto (1) ► 2008 (6) ► Dezembro (1) ► Setembro (1) ► Julho (2) ► Abril (2) ► 2007 (2) ► Fevereiro (2) Marcadores Adoração (1) água milagrosa (5) Akita (5) anticristianismo (1) aparição (5) Assunção (4) Beato Pio IX (12) Belém (1) bilocação (2) bomba (1) Brasil (3) Bureau Médico (12) cachot (1) Camboja (1) Cardeal Dias (5) Carmo (1) catolicismo (1) centenário (1) Céu (1) Chile (1) cientistas (1) CMIL (2) Corpos incorruptos (2) Corpus Christi (1) cristianismo (1) Cristofobia (1) dogma (4) dor (1) Dormição (1) enchentes (3) Equador (1) Espanha (1) Estado Islâmico (4) EUA (1) Europa (2) exorcismo (1) família (4) Fátima (17) fiéis defuntos (1) França (5) graças (1) gruta (4) Guerra Mundial (2) Hanói (1) Idade Média (1) Igreja (3) Igreja Católica (4) Imaculada Conceição (14) inferno (1) Inglaterra (1) invasões (1) Islã (6) Israel (1) Itália (1) Japão (5) Jesus Cristo (7) jubiléu (1) La Salette (5) Las Lajas (1) Lourdes (6) mãe (1) Marne (2) mártires (1) Massabielle (2) Medalha Milagrosa (4) Mediação Universal (3) medicina (1) milagres (54) Natal (5) Nevers (16) Nossa Senhora (18) Nossa Senhora Aparecida (2) Nossa Senhora das Graças (3) Nosso Senhor (4) Novena (1) oração (5) Padre Pio (2) Papa (4) Paquistão (1) Pe. Amorth (3) perseguição religiosa (4) piscina (1) Purgatório (1) Reino de Maria (1) Reis Magos (1) reitor do santuário (1) romeiros (1) Rosário (1) Rue du Bac (2) Rússia (2) Sagrada Família (1) Sagrado Coração (1) Sagrado Coração de Jesus (2) Saint-Gildard (9) Santa Bernadette (39) Santa Bernadette Soubirous (1) Santa Catarina Labouré (3) Santa Teresinha (4) santificação (1) Santíssimo Sacramento (2) Santo Domingos Savio (1) Santo Sudário (1) São João Bosco (1) São Luis Grignion de Montfort (1) São Luiz de Paraitinga (1) São Pio X (2) satanismo (1) Semana Santa (3) serie (16) símbolos cristãos (1) Sínodo (1) Síria (1) sofrimento (1) Soubirous (3) Terço (2) terrorismo (2) Tratado (1) Vaticano (1) Via Sacra (2) Vietnam (1) Mais lidos em todos os tempos Em Nevers: o corpo incorrupto de Santa Bernadette Soubirous Nevers: placa explica o estado do corpo de Santa Bernadete Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internaci... Como ir a Lourdes: dicas e experiências Como ir a Lourdes: dicas e experiências Luis Dufaur Com relativa frequência recebemos o pedido de alguma indicação de como ir a Lo... A verdadeira fisionomia de Santa Bernadette Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs ... Como mandar vir água de Lourdes Fiéis colhem água ao pé do Santuário de Lourdes Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio... O mais recente milagre (69º) reconhecido em Lourdes Daniela Castelli em sua casa A beneficiada pelo 69º milagre de Lourdes canonicamente reconhecido é a italiana Daniela Castelli. Ela n... Breve resumo da vida de Santa Bernadette Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs B... Oração à Nossa Senhora de Lourdes “Santíssima Virgem de Lourdes, que a ninguém desamparas nem desprezas, olhai-me com olhos de piedade. “Alcançai-me de teu Filho o perdã... O verdadeiro feitio moral de Santa Bernadette Santa Bernadette Luis Dufaur Sobre a vida Santa Bernadette Soubirous, Virgem, a quem Nossa Senhora apareceu, em Lourdes, o c... A “água milagrosa” de Lourdes: significado e efeitos sobrenaturais A fonte de Lourdes, dentro da Gruta Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, w... Carta de Santa Bernadette Soubirous a Sua Santidade o Beato Pio IX, Papa Carta da Santa ... a um Papa santo Luis Dufaur Escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO,... Assine gratuitamente RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM SEU E-MAIL Digite seu email: Costumes católicas do Natal COSTUMES DO NATAL Árvore de Natal, árvore de Cristo! A primeira Árvore de Natal surgiu pelas santas machadadas de São Bonifácio Árvore de Natal: uma tradição requintada por Santos e reis católicos O Pinheiro natalino, tradição católica medieval A origem das maravilhosas bolas de Natal São Francisco de Assis iniciou o costume de fazer presépios vivos no Natal O Presépio católico e a graça de Natalx A saudade dos presépios cheios de unção católica Como nasceu o Panettone: sorriso da alma católica medieval A multiforme inspiração do Espírito Santo nos panettones de Natal La “bûche de Noël” na França O “Bolo dos Reis” Origens e significados da Missa do Galo O mundo maravilhoso das feiras de Natal, lampejo do Céu A Coroa do Advento, símbolo do próximo nascimento de Jesus Primeiro Papai Noel em São Luís do Maranhão quase foi morto com trabucos Quem foram os Reis Magos? Reis Magos e pastores: santa harmonia social aos pés do Menino-Deus 25 de dezembro é bem o dia em que Jesus nasceu Assim nasceu a canção 'Noite Feliz' Dado essencial: houve o fenômeno astronômico denominado “estrela de Belém” Astrônomo defende com computador a existência da estrela de Belém Lógica e ternura aliadas na comemoração do Natal “Os 12 dias de Natal”: canção-catecismo dos católicos perseguidos A impregnação das alegrias de Natal O Anjo apontando para o lugar onde Jesus nasceu reaparece em Belém Mais sobre a ‘Missa do Galo’ Nossa Senhora do BOM SUCESSO Antiguo color, celeste clarito:#cfe2f3 Nossa Senhora do BOM SUCESSO Profecias de Nossa Senhora do Bom Sucesso Origem da milagrosa imagem As revelações Profecias e esperanças para nossos dias Nossa Senhora do Bom Sucesso profetiza sobre os séculos XIX e XX Profecias que se estão cumprindo ou por se cumprir: a Revolução Crise da fé, crise na Igreja Oração a Nossa Senhora do Bom Sucesso O corpo incorrupto da Madre Mariana de Jesús Torres O.I.C. (1564-1635) Santa Maria de Jesus Crucificado O.C.D. A santa palestina Antiguo color verde agua:#d9ead3 SANTA MARIA DE JESUS CRUCIFICADO OCD Santa Maria de Jesus Crucificado O.C.D., recebe avisos concordantes com La Salette Sinais místicos extraordinários O dom de profecia Visões sobre a França Visões sobre o mundo Visões sobre a Igreja e o clero Visões sobre o Concílio Vaticano I e o Beato Papa Pio IX Sobre as guerras futuras e a restauração da França Não está longe a restauração da Síria cristã hoje martirizada



http://artmilheiros.blogspot.com.br/search/label/IT%C3%81LIA
  artmilheiros: ITÁLIA skip to main | skip to sidebar artmilheiros ARTE POSTAL/POESIA VISUAL MAIL ART/VISUAL POETRY II BIENAL DE ARTE DE MILHEIRÓS - MAIA Mostrar mensagens com a etiqueta ITÁLIA . Mostrar todas as mensagens Mostrar mensagens com a etiqueta ITÁLIA . Mostrar todas as mensagens domingo, 2 de agosto de 2009 GIANCARLO COSTANZO, ITÁLIA omaggio a man ray Giancarlo Costanzo _ Via Ravenna, 28 ... artmilheiros: ITÁLIA skip to main | skip to sidebar artmilheiros ARTE POSTAL/POESIA VISUAL MAIL ART/VISUAL POETRY II BIENAL DE ARTE DE MILHEIRÓS - MAIA Mostrar mensagens com a etiqueta ITÁLIA . Mostrar todas as mensagens Mostrar mensagens com a etiqueta ITÁLIA . Mostrar todas as mensagens domingo, 2 de agosto de 2009 GIANCARLO COSTANZO, ITÁLIA omaggio a man ray Giancarlo Costanzo _ Via Ravenna, 28 _ 65122 Pescara _ Itália gio.costanzo@tiscalinet.it www.myspace.com/giocostanzo http CACHE

artmilheiros: ITÁLIA skip to main | skip to sidebar artmilheiros ARTE POSTAL/POESIA VISUAL MAIL ART/VISUAL POETRY II BIENAL DE ARTE DE MILHEIRÓS - MAIA Mostrar mensagens com a etiqueta ITÁLIA . Mostrar todas as mensagens Mostrar mensagens com a etiqueta ITÁLIA . Mostrar todas as mensagens domingo, 2 de agosto de 2009 GIANCARLO COSTANZO, ITÁLIA omaggio a man ray Giancarlo Costanzo _ Via Ravenna, 28 _ 65122 Pescara _ Itália gio.costanzo@tiscalinet.it www.myspace.com/giocostanzo http://www.arteanticaecontemporanea.com/ Publicada por contactos à(s) 11:19 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA quarta-feira, 22 de julho de 2009 CLAUDIO GRANDINETTI, ITÁLIA KAMIKAZE Claudio Grandinetti _ Via Popilia Palazzo Manna 1 _ 87100 Cosenza _ Itália claudiograndinetti@tiscali.it www.guzzardi.it/claudiograndinetti.htm Publicada por contactos à(s) 14:47 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA SERSE LUIGETTI, ITÁLIA constellation paper signals space men object poem Serse Luigetti _ Via Ulisse Rocchi, 3 _ 06100 Perugia _ Itália Publicada por contactos à(s) 14:31 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA SILVANO PERTONE, ITÁLIA Silvano Pertoni _ V. le Villini Rollino 108/1 _ 16154 Sesiri Ponenie _ Génova _ Itália guazzini.valentina@tiscali.it Publicada por contactos à(s) 14:21 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA sábado, 18 de julho de 2009 DOMENICO SEVERINO, ITÁLIA Domenico Severino _ Via Crapolla 2A n.41 _ 80045 Pompei (NA) _ Itália severino.domenico@libero.it Publicada por contactos à(s) 14:25 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA terça-feira, 14 de julho de 2009 COTELLESSA GIULIANO, ITÁLIA Cotellessa Giuliano _ Via Potenza nº 26 _ 65122 Pescara _ Itália Publicada por contactos à(s) 15:43 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA sexta-feira, 10 de julho de 2009 GIOVANNI BONANNO, ITÁLIA Giovanni Bonanno _ Studio * Parco Verde _ Via S. Calenda, 105/D _ 84126 Salerno _ Itália bongiani@libero.it Publicada por contactos à(s) 16:18 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA domingo, 28 de junho de 2009 MARRALI CALOGERO, ITÁLIA art free Marrali Calogero _ Via Nicola Fabrizi nº 114 _ 10145 Torino _ Itália calogeromarrali2@virgilio.it www.myspace.com/lilloarte Publicada por contactos à(s) 11:17 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA quinta-feira, 21 de maio de 2009 PAOLA BALDASSINI, ITÁLIA 'BON VOYAGE' Paola Baldassini _ Via F. Dall'Ongaro 9 _ 20133 Milano _ Itália emilio.paola@libero.it Publicada por contactos à(s) 14:13 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA quarta-feira, 6 de maio de 2009 GUIDO CAPUANO, ITÁLIA Publicada por contactos à(s) 16:03 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA CARLO MARIA GIUDICI, ITÁLIA Carlo Maria Giudici _ Via Timavo, 11 _ 23900 Lecco LC _ Itália info@carlomariagiudici.it http://www.carlomariagiudici.it/ Publicada por contactos à(s) 15:50 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA terça-feira, 28 de abril de 2009 TIZIANA BARACCHI, ITÁLIA Tiziana Baracchi _ Via Cavallotti, 83-B _ 30171 VENEZIA-MESTRE _ Itália Publicada por contactos à(s) 14:43 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA quinta-feira, 26 de março de 2009 VITTORE BARONI, ITÁLIA Vittore Baroni _ Via C. Battisti 339 _ 55049 Viareggio _ ITÁLIA vittorebaroni@alice.it Publicada por contactos à(s) 17:04 Sem comentários: Etiquetas: ITÁLIA Mensagens antigas Página inicial Subscrever: Mensagens (Atom) www.jf-milheiros.pt Acerca de mim contactos agbcmail@gmail.com Ver o meu perfil completo A minha Lista de blogues caixotinho1 - arte postal BRAIN CELL 826 Há 5 anos Arquivo do blogue ▼ 2010 (1) ▼ Março (1) CATÁLOGO ► 2009 (130) ► Agosto (18) ► Julho (19) ► Junho (19) ► Maio (18) ► Abril (28) ► Março (26) ► Fevereiro (2) PAÍSES ALEMANHA ARGENTINA AUSTRÁLIA AUSTRIA BÉLGICA BRASIL CANADÁ CHILE DINAMARCA ESPANHA FINLÂNDIA FRANÇA GRÉCIA HOLANDA HUNGRIA INGLATERRA IRLANDA ITÁLIA JAPÃO NORUEGA POLÓNIA PORTUGAL ROMÉNIA RUSSIA SINGAPURA SUIÇA TURQUIA UCRÂNIA URUGUAI USA VENEZUELA Seguidores



http://ibooked.com.br/hotels/italy/sicily
  Hotéis em Sicília - iBooked.com.br As minhas reservas Atendimento ao cliente +44 20 3026 5047 Contate-nos por e-mail Leia as FAQ Mudar o idioma Português English English English Deutsch Français Español Español Italiano Nederlands Português Svenska Dansk Čeština Magyar Polski Ελληνικά 日本語 简体中文 한국어 Русский Русский עברית Türkçe عربي Українська EUR Mudar a moeda EUR Euro Hotéis Férias Principais cidades ... países Estados Unidos da América Chile Argentina Portugal Israel Itália Brasil Peru Uruguai Partilhe a sua experiência Adicionar um Comentário Adicionar uma Foto Hotéis › Destinos › Hotéis em Itália ... Viale Mazzini, 12, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 127 Therasia Resort Vulcano 5 stars Localita Vulcanello, Vulcano (Isola), Itália, 98050 Vulcano (Isola) Excepcional EUR 288 Grand Hotel Atlantis Bay Taormina 5 stars Via Nazionale 161, Taormina, Itália, 98030 Taormina Muito bom EUR CACHE

Hotéis em Sicília - iBooked.com.br As minhas reservas Atendimento ao cliente +44 20 3026 5047 Contate-nos por e-mail Leia as FAQ Mudar o idioma Português English English English Deutsch Français Español Español Italiano Nederlands Português Svenska Dansk Čeština Magyar Polski Ελληνικά 日本語 简体中文 한국어 Русский Русский עברית Türkçe عربي Українська EUR Mudar a moeda EUR Euro Hotéis Férias Principais cidades Anaheim Cancún Buenos Aires Rota Orlando Guía de Isora Punta Cana Miami Nova Iorque San Carlos de Bariloche São José Paris Machu Picchu Las Vegas Londres El Barco de Ávila Santiago Principais países Estados Unidos da América Chile Argentina Portugal Israel Itália Brasil Peru Uruguai Partilhe a sua experiência Adicionar um Comentário Adicionar uma Foto Hotéis › Destinos › Hotéis em Itália › Hotéis em Sicília Hoteis em Sicília Pesquisar hotéis em Sicília As reservas apenas podem ser feitas por um período máximo de 30 dias. Por favor, indique as datas alternativas e tente novamente. Por favor, insira as datas. Destino: Data de entrada: Data de saída: Cancelar OK PESQUISAR Visão geral de Sicília Mostrar todas as cidades Índice alfabético de cidades A Acireale ‪(48)‬ Aci Castello ‪(18)‬ Agrigento ‪(156)‬ Alcamo ‪(14)‬ Aci Trezza ‪(19)‬ Altavilla Milicia ‪(11)‬ Aeolian Islands ‪(6)‬ Augusta ‪(9)‬ Alcamo Marina ‪(13)‬ Avola ‪(56)‬ Agnone Bagni ‪(9)‬ Acquacalda ‪(5)‬ Aragona ‪(4)‬ Arenella ‪(14)‬ B Belpasso ‪(8)‬ Brucoli ‪(6)‬ Buseto Palizzolo ‪(10)‬ Butera ‪(5)‬ Brolo ‪(4)‬ Balestrate ‪(47)‬ Bagheria ‪(18)‬ Belvedere (Sicily) ‪(3)‬ Borgo Bonsignore ‪(13)‬ Buonfornello ‪(3)‬ Birgi Vecchi ‪(5)‬ Ballata ‪(3)‬ Barcellona-Pozzo di Gotto ‪(9)‬ Biancavilla ‪(3)‬ C Catânia ‪(353)‬ Calatabiano ‪(13)‬ Caltagirone ‪(22)‬ Castel di Tusa ‪(6)‬ Castellammare del Golfo ‪(138)‬ Collesano ‪(3)‬ Cinisi ‪(21)‬ Castelvetrano ‪(13)‬ Cefalù ‪(184)‬ Castelbuono (Sicily) ‪(10)‬ Campofelice Di Roccella ‪(34)‬ Canneto (Lipari) ‪(12)‬ Capo dʼOrlando ‪(30)‬ Castelmola ‪(9)‬ Castiglione De Sicilia ‪(16)‬ Carini ‪(4)‬ Comiso ‪(14)‬ Custonaci ‪(34)‬ Caltanissetta ‪(13)‬ Calatafimi ‪(9)‬ Castelluzzo ‪(25)‬ Casteldaccia ‪(9)‬ Caltabellotta ‪(6)‬ Corleone ‪(3)‬ Campobello di Mazara ‪(4)‬ Carlentini ‪(3)‬ Cammarata ‪(4)‬ Cannizzara ‪(5)‬ Cassibile ‪(3)‬ Cava dʼAliga ‪(14)‬ Casale Modica ‪(4)‬ Capaci ‪(3)‬ Canicattì ‪(3)‬ Chiaramonte Gulfi ‪(8)‬ Contrada Sauci Grande ‪(3)‬ Capri Leone ‪(3)‬ Carrozziere ‪(4)‬ D Donnafugata ‪(2)‬ Donnalucata (Sicily) ‪(26)‬ E Erice ‪(42)‬ Enna ‪(16)‬ Eraclea Minoa ‪(1)‬ F Furnari ‪(10)‬ Francavilla di Sicilia ‪(9)‬ Favignana ‪(65)‬ Floridia ‪(10)‬ Fondachello ‪(8)‬ Fiumefreddo di Sicilia ‪(10)‬ Furci Siculo ‪(7)‬ Falcone ‪(4)‬ Favara ‪(10)‬ Filicudi Island ‪(6)‬ Fontane Bianche ‪(36)‬ Fulgatore ‪(3)‬ Frigintini ‪(3)‬ Ficarra, Sicily ‪(4)‬ Fanusa ‪(6)‬ Forza dʼAgro ‪(3)‬ G Giarre ‪(13)‬ Giardini Naxos ‪(123)‬ Gioiosa Marea ‪(32)‬ Gratteri ‪(2)‬ Gaggi ‪(8)‬ Grammichele ‪(2)‬ Gangi ‪(4)‬ Guarrato ‪(2)‬ Gela ‪(12)‬ Galati Mamertino ‪(1)‬ Granitola, Sicily ‪(3)‬ Graniti ‪(2)‬ Giarratana ‪(1)‬ Ginostra ‪(1)‬ Gravina di Catania ‪(1)‬ I Isola di Ustica ‪(24)‬ Isola delle Femmine ‪(6)‬ Ispica ‪(18)‬ K Kamarina ‪(1)‬ Kamma ‪(2)‬ L Leni ‪(4)‬ Letoianni ‪(38)‬ Licata ‪(25)‬ Lipari (Isola Lipari) ‪(100)‬ Linguaglossa ‪(13)‬ Lentini ‪(3)‬ Levanzo ‪(3)‬ Lascari ‪(10)‬ Luogo Grande ‪(5)‬ Lingua, Sicily ‪(3)‬ Licodia Eubea ‪(3)‬ M Messina ‪(60)‬ Marsala ‪(116)‬ Misterbianco ‪(4)‬ Marinella di Selinunte ‪(27)‬ Mazara del Vallo ‪(37)‬ Milazzo ‪(49)‬ Monreale ‪(15)‬ Motta Camastra ‪(7)‬ Milo ‪(9)‬ Menfi ‪(20)‬ Modica ‪(67)‬ Marina di Ragusa ‪(58)‬ Malfa (Salina) ‪(16)‬ Mondello ‪(24)‬ Motta SantʼAnastasia ‪(5)‬ Mazzeo ‪(3)‬ Mascali ‪(29)‬ Mascalucia ‪(8)‬ Marina di Modica ‪(15)‬ Marausa ‪(8)‬ Marina di Melilli ‪(4)‬ Monforte San Giorgio Marina ‪(3)‬ Macari, Sicily ‪(8)‬ Maragani ‪(4)‬ Marettimo, Sicily ‪(9)‬ Marzamemi ‪(10)‬ Montallegro ‪(3)‬ Mandra Capreria ‪(3)‬ N Noto ‪(128)‬ Nicolosi ‪(29)‬ Niscemi ‪(3)‬ Nizza di Sicilia ‪(4)‬ Nuova Gibellina ‪(2)‬ Nunziata ‪(2)‬ Nissoria ‪(1)‬ Novara di Sicilia ‪(1)‬ Nicosia ‪(1)‬ Naso ‪(1)‬ O Oliveri, Sicily ‪(4)‬ Ognina ‪(2)‬ P Panarea ‪(20)‬ Piazza Armerina ‪(37)‬ Pedara ‪(5)‬ Petrosino ‪(3)‬ Paceco ‪(20)‬ Porto Empedocle ‪(18)‬ Pantelleria Island ‪(45)‬ Palermo ‪(459)‬ Pozzallo ‪(25)‬ Piana Degli Albanesi ‪(3)‬ Petralia Soprana ‪(7)‬ Portopalo Di Capo Passero ‪(35)‬ Patti ‪(25)‬ Polizzi Generosa ‪(6)‬ Palazzolo Acreide ‪(4)‬ Partinico ‪(4)‬ Petralia Sottana ‪(4)‬ Piedimonte Etneo ‪(18)‬ Piraino ‪(9)‬ Ponte Madonna ‪(4)‬ Punta Braccetto ‪(7)‬ Palma di Montechiaro ‪(3)‬ Puntalazzo ‪(3)‬ Pergusa ‪(5)‬ Piano Conte ‪(3)‬ Pizzolungo ‪(4)‬ Pollina ‪(5)‬ Punta Secca ‪(7)‬ Pachino ‪(4)‬ Presa ‪(3)‬ Plemmirio ‪(10)‬ R Ragusa ‪(99)‬ Realmonte ‪(19)‬ Roccalumera ‪(4)‬ Riposto ‪(27)‬ Rometta ‪(3)‬ Ragalna ‪(8)‬ Ribera ‪(8)‬ Randazzo ‪(8)‬ Rilievo ‪(9)‬ Resuttano ‪(2)‬ Racalmuto ‪(2)‬ Reitani ‪(4)‬ Rigolizia, Sicily ‪(1)‬ Ramacca ‪(2)‬ Rosolini ‪(1)‬ Reitano (Messina) ‪(2)‬ Raccuia ‪(1)‬ Regalbuto ‪(1)‬ S Santo Stefano di Camastra ‪(6)‬ San Giovanni La Punta ‪(7)‬ San Vito Lo Capo ‪(160)‬ Santa Croce Camerina ‪(10)‬ SantʼAlessio Siculo ‪(17)‬ San Leone ‪(27)‬ Sciacca ‪(64)‬ SantʼAgata di Militello ‪(8)‬ Scicli ‪(36)‬ Scoglitti ‪(13)‬ Stromboli ‪(20)‬ Syracuse ‪(310)‬ Sferracavallo ‪(8)‬ Sicília ‪(5)‬ Santa Flavia ‪(28)‬ Santa Teresa Di Riva ‪(9)‬ Scopello (Sicily) ‪(43)‬ SantʼAlfio ‪(6)‬ Santa Venerina ‪(11)‬ Santa Marina Salina ‪(25)‬ Santa Maria di Licodia ‪(3)‬ Santa Tecla ‪(3)‬ Santa Domenica Vittoria ‪(4)‬ Scauri ‪(3)‬ Solarino ‪(5)‬ San Corrado di Fuori ‪(3)‬ Sicília ‪(12)‬ Santa Maria del Focallo ‪(9)‬ Sampieri ‪(7)‬ San Marco d'Alunzio, Sicily ‪(3)‬ San Gregorio di Catania, Sicily ‪(3)‬ Savoca ‪(3)‬ San Gregorio di Catania ‪(4)‬ San Leonardello ‪(3)‬ Serradifalco ‪(3)‬ San Giorgio, Sicily ‪(11)‬ T Trabia ‪(7)‬ Trappeto ‪(23)‬ Trapani ‪(247)‬ Terme Vigliatore ‪(9)‬ Termini Imerese ‪(8)‬ Terrasini ‪(10)‬ Taormina ‪(222)‬ Terrauzza ‪(3)‬ Trecastagni ‪(17)‬ Trappitello ‪(8)‬ Torre Nubia ‪(3)‬ Tracino ‪(4)‬ Torrenova, Sicily ‪(3)‬ Terrasini Favarotta ‪(18)‬ V Viagrande ‪(7)‬ Valderice ‪(27)‬ Villafranca Tirrena ‪(3)‬ Vittoria ‪(9)‬ Vulcano (Isola) ‪(28)‬ Villaggio Peruzzo ‪(1)‬ Villaggio Mosè ‪(10)‬ Valverde (Sicily) ‪(2)‬ Villasmundo ‪(1)‬ Villa Bosco ‪(1)‬ Villaggio Pirandello ‪(1)‬ Villa Targia ‪(2)‬ Vallelunga Pratameno ‪(1)‬ Venetico ‪(2)‬ Ventimiglia di Sicilia ‪(1)‬ Valguarnera Caropepe ‪(1)‬ X Xitta ‪(4)‬ Z Zafferana Etnea ‪(18)‬ Zimmardo ‪(2)‬ Zingarello ‪(1)‬ Cidades Populares em Sicília Acireale Agrigento Avola Balestrate Campofelice Di Roccella Capo dʼOrlando Castellammare del Golfo Castelluzzo Catânia Cefalù Custonaci Donnalucata (Sicily) Erice Favignana Fontane Bianche Giardini Naxos Gioiosa Marea Letoianni Licata Lipari (Isola Lipari) Marina di Ragusa Marinella di Selinunte Marsala Mascali Mazara del Vallo Messina Milazzo Modica Nicolosi Noto Palermo Pantelleria Island Patti Piazza Armerina Portopalo Di Capo Passero Pozzallo Ragusa Riposto San Leone San Vito Lo Capo Santa Flavia Santa Marina Salina Sciacca Scicli Scopello (Sicily) Syracuse Taormina Trapani Valderice Vulcano (Isola) Hotéis Cidade Classificação De Grand Hotel Ortigia Syracuse 5 stars Viale Mazzini, 12, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 127 Therasia Resort Vulcano 5 stars Localita Vulcanello, Vulcano (Isola), Itália, 98050 Vulcano (Isola) Excepcional EUR 288 Grand Hotel Atlantis Bay Taormina 5 stars Via Nazionale 161, Taormina, Itália, 98030 Taormina Muito bom EUR 342 Grand Hotel Mazzaro Sea Palace Taormina 5 stars Via Nazionale 147, Taormina, Itália, 98030 Taormina Excelente EUR 535 Baglio Oneto Resort And Wines Marsala 5 stars Contrada Baronazzo Amafi, 8, Marsala, Itália, 91025 Marsala Excepcional EUR 251 Belmond Villa Sant'Andrea Taormina 5 stars Via Nazionale 137, Taormina, Itália, 98030 Taormina Excelente EUR 545 Grand Hotel Villa Igiea Mgallery By Sofitel Palermo 5 stars Salita Belmonte 43, Palermo, Itália, 90142 Palermo Excelente EUR 268 Des Etrangers Hotel & Spa Syracuse 5 stars Passeggio Adorno 10/12, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 124 Romano Palace Luxury Catânia 5 stars Viale Kennedy 28, Catânia, Itália, 95121 Catânia Muito bom EUR 128 Giardino Di Costanza Mazara del Vallo 5 stars Via Salemi 100, Km 7, Mazara del Vallo, Itália, 91026 Mazara del Vallo Excepcional EUR 133 San Domenico Palace Taormina 5 stars Piazza San Domenico 5, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 816 Belmond Grand Hotel Timeo Taormina 5 stars Via Teatro Greco 59, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 865 Relais Santa Anastasia Castelbuono 5 stars Contrada Santa Anastasia, Castelbuono (Sicily), Itália, 90013 Castelbuono (Sicily) Excelente EUR 185 Grand Hotel San Pietro 5 stars Via Pirandello, 50, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 355 La Plage Resort Taormina 5 stars Via Nazionale 107/A, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 341 Eremo Della Giubiliana Ragusa 5 stars S.P. Per Marina Di Ragusa, Km. 7.5, Ragusa, Itália, 97100 Ragusa Muito bom EUR 164 Verdura Resort Sciacca 5 stars S.S. 115 Km 131, Sciacca, Itália, 92019 Sciacca Excelente EUR 513 Grand Hotel Minareto Syracuse 5 stars Via Del Faro Massolivieri 26A, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 244 Donnafugata Golf Resort & Spa Ragusa 5 stars Contrada Piombo, Ragusa, Itália, 97100 Ragusa Excepcional EUR 327 Metropole Maison D'Hotes Taormina 5 stars Corso Umberto 154, Taormina, Itália, 98039 Taormina Exclusivo EUR 330 Villa Athena Agrigento 5 stars Via Passeggiata Archeologica 33, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Excepcional EUR 372 Grand Wagner Palermo 5 stars Via R. Wagner, 2, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 153 Ashbee Taormina 5 stars Viale San Pancrazio 46, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 530 El Jebel Taormina 5 stars Salita Ciampoli 9, Taormina, Itália Taormina Excepcional EUR 307 Grand Hotel Palace Marsala 5 stars Via Lungomare Mediterraneo, 57, Marsala, Itália, 91025 Marsala Excelente EUR 148 Nh Collection Taormina 5 stars Via Circonvallazione 11, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 327 Sikelia Luxury Retreat Pantelleria Island 5 stars Via Monastero Snc, Pantelleria Island, Itália, 91017 Pantelleria Island EUR 483 Best Western Ai Cavalieri Hotel Palermo 4 stars Via Sant'Oliva 8, Palermo, Itália, 90141 Palermo Excelente EUR 69 Principe Di Villafranca Palermo 4 stars Via Giuseppina Turrisi Colonna 4, Palermo, Itália, 90141 Palermo Excelente EUR 125 Villa Angela Taormina 4 stars Via Leonardo Da Vinci, Sn, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 205 Hotel Federico II - Central Palace Palermo 4 stars Via Principe Di Granatelli 60, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 128 Katane Palace Catânia 4 stars Via Finocchiaro Aprile 110, Catânia, Itália, 95129 Catânia Excelente EUR 93 Liberty Catânia 4 stars Via San Vito 40, Catânia, Itália, 95124 Catânia Excepcional EUR 196 Il Principe Hotel Catânia 4 stars Via Alessi 20/26, Catânia, Itália, 95124 Catânia Excepcional EUR 108 Hotel Villa Ducale Taormina 4 stars Via Leonardo Da Vinci 60, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 367 Astoria Palace Palermo 4 stars Via Montepellegrino 62, Palermo, Itália, 90142 Palermo Muito bom EUR 55 Politeama Palace Palermo 4 stars Piazza Ruggero Settimo 15, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excepcional EUR 76 Ucciardhome Palermo 4 stars Via Enrico Albanese 34/36, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 112 Villa Meligunis Lipari 4 stars Via Marte 7, Lipari (Isola Lipari), Itália, 98055 Lipari (Isola Lipari) Excelente EUR 90 Locanda Don Serafino Ragusa 4 stars Via XI Febbraio 15, Ragusa, Itália, 97100 Ragusa Muito bom EUR 200 San Paolo Palace Palermo 4 stars Via Messina Marine 91, Palermo, Itália, 90123 Palermo Muito bom EUR 62 Dioscuri Bay Palace Agrigento 4 stars Lungomare Falcone E Borsellino 1, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Muito bom EUR 323 Nh Caltagirone Villa San Mauro 4 stars Portosalvo 14, Caltagirone, Itália, 95041 Caltagirone Bom EUR 86 Cit Hotel Dea Palermo 4 stars Viale Regione Siciliana, 2620, Palermo, Itália, 90145 Palermo Muito bom EUR 60 Grand Hotel Et Des Palmes Palermo 4 stars Via Roma 398, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 117 Grotta Azzurra Isola di Ustica 4 stars 90010 Contrada San Ferlicchio, Isola di Ustica, Itália, 90010 Isola di Ustica Ranking Orizzonte Acireale 4 stars Via Cristoforo Colombo 2, Acireale, Itália, 95024 Acireale Excelente EUR 94 La Playa Blanca Santo Stefano di Camastra 4 stars Via Nino Martoglio Snc, Santo Stefano di Camastra, Itália, 98077 Santo Stefano di Camastra Muito bom EUR 79 Massimo Plaza Hotel Palermo 4 stars Via Maqueda 437, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excelente EUR 130 Hotel Principe Di Fitalia Fanusa 4 stars Traversa Tonnara Di Terrauzza 38, Fanusa, Itália, 96100 Fanusa Excepcional EUR 151 Centrale Alcamo 4 stars Via G. Amendola, 24, Alcamo, Itália, 91011 Alcamo Excepcional EUR 60 Villaggio Cala Mancina San Vito Lo Capo 4 stars Sicily, Trapani-Marsala, San Vito Lo Capo, Itália, 91010 San Vito Lo Capo EUR 163 Palazzo Failla Modica 4 stars Via Blandini 5, Modica, Itália, 97010 Modica Excepcional EUR 90 Jolly Aretusa Palace Syracuse 4 stars Corso Gelone 45, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Muito bom EUR 61 Etna Hotel Giarre 4 stars Via Continella 10, Giarre, Itália, 95014 Giarre Excelente EUR 73 Hotel Capo San Vito San Vito Lo Capo 4 stars Via San Vito 1, San Vito Lo Capo, Itália, 91010 San Vito Lo Capo Muito bom EUR 260 Una Hotel One Syracuse 4 stars Via Diodoro Siculo 4, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 82 Relais Villa Favorita Noto 4 stars Sp34, Contrada Falconara, Noto, Itália, 96017 Noto Muito bom EUR 134 Baglio Basile Petrosino 4 stars Ss 115 Km 43,200 C.Da Triglia Scaletta, Petrosino, Itália, 91020 Petrosino Muito bom EUR 205 Hotel Royal Catânia 4 stars Via A. Di Sangiuliano, 337, Catânia, Itália, 95124 Catânia Excelente EUR 104 Nettuno Catânia 4 stars Viale Ruggero Di Lauria 121, Catânia, Itália, 95126 Catânia Muito bom EUR 99 Alberi Del Paradiso Cefalù 4 stars Via Dei Mulini 18/20, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excelente EUR 325 Colleverde Park Hotel Agrigento 4 stars Via Panoramica Dei Templi, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Excelente EUR 92 Grand Hotel Villa Politi Syracuse 4 stars Via Maria Politi Laudien 2, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 78 Una Hotel Palace Catânia 4 stars Via Etnea, 218, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excepcional EUR 159 Ibis Styles Palermo 4 stars Via Francesco Crispi 230, Palermo, Itália, 90139 Palermo Muito bom EUR 78 Four Points By Sheraton Catania Hotel & Conference Center 4 stars Via Antonello Da Messina, 45, Catânia, Itália, 95021 Catânia Muito bom EUR 95 Royal Palace Messina 4 stars Via Tommaso Cannizzaro 3, Messina, Itália, 98123 Messina Muito bom EUR 69 Nh Parco Degli Aragonesi Catânia 4 stars Viale Kennedy, Catânia, Itália, 95121 Catânia Muito bom EUR 112 Eurostars Centrale Palace Palermo 4 stars Via Vittorio Emanuele 327, Palermo, Itália, 90134 Palermo Excelente EUR 102 Eurostars Monte Tauro Taormina 4 stars Via Madonna Delle Grazie 3, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 232 Villa Diodoro Taormina 4 stars Via Bagnoli Croci 75, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 193 Caparena & Wellness Club Taormina 4 stars Via Nazionale 189, Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 166 Santa Caterina Hotel Acireale 4 stars Via Santa Caterina 42/B, Acireale, Itália, 95024 Acireale Excelente EUR 90 Plaza Opera Palermo 4 stars Via Nicolo Gallo 2, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excepcional EUR 128 Mercure Palermo Centro 4 stars Via Mariano Stabile 112, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 91 Mercure Catania Excelsior 4 stars Piazza Giovanni Verga 39, Catânia, Itália, 95129 Catânia Muito bom EUR 141 Cristal Palace Palermo 4 stars Via Roma 477/A, Palermo, Itália, 90139 Palermo Muito bom EUR 66 Villa Carlotta Taormina 4 stars Via Pirandello 81, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 536 Crystal Trapani 4 stars Piazza Umberto I, Trapani, Itália, 91100 Trapani Muito bom EUR 91 Grand Hotel Mose Agrigento 4 stars Viale Leonardo Sciascia, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Muito bom EUR 67 Excelsior Palace Taormina 4 stars Via Toselli 8, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 129 Hellenia Yachting Giardini Naxos 4 stars Via Jannuzzo, 41, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Muito bom EUR 117 Hilton Giardini Naxos 4 stars Viale Jannuzzo 47, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Excelente EUR 158 Costazzurra Agrigento 4 stars Via Delle Viole 2, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Excelente EUR 125 Le Calette Cefalù 4 stars Via Vincenzo Cavallaro 12, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Muito bom EUR 555 Bay Palace Taormina 4 stars Via Nazionale, 248, Taormina, Itália, 98030 Taormina Bom EUR 114 Fiesta Garden Beach Campofelice Di Roccella 4 stars Viale Imera Ss 113 Km 204.3, Campofelice Di Roccella, Itália, 90010 Campofelice Di Roccella Excelente EUR 236 Fiesta Sicilia Resort Campofelice Di Roccella 4 stars Viale Imera Ss 113 Km 204.3, Campofelice Di Roccella, Itália, 90010 Campofelice Di Roccella Excelente EUR 189 Caesar Palace Giardini Naxos 4 stars Via Consolare Valeria, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Excelente EUR 95 Poggio Del Sole Resort Ragusa 4 stars S.P. 25 - Ragusa / Marina, Km 5,7 - 97100, Ragusa, Itália, 97100 Ragusa Excelente EUR 84 Blu Hotel Kaos Agrigento 4 stars Via Giovanni Gentile 11, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Muito bom EUR 157 Villa Esperia Taormina 4 stars Via Nazionale 244, Taormina, Itália, 98030 Taormina Bom EUR 87 Atahotel Capotaormina 4 stars Via Nazionale 105, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 242 Atahotel Naxos Beach Giardini Naxos 4 stars Via Recanati 26, Giardini Naxos, Itália, 98030 Giardini Naxos Excelente EUR 212 Aktea Lipari 4 stars Via Falcone E Borsellino, Lipari (Isola Lipari), Itália, 98055 Lipari (Isola Lipari) Excelente EUR 280 Nh Palermo 4 stars Foro Italico, Palermo, Itália, 90133 Palermo Muito bom EUR 96 Novecento Scicli 4 stars Via Dupre 11, Scicli, Itália, 97018 Scicli Exclusivo EUR 107 Grand Hotel Miramare Taormina 4 stars Via Guardiola Vecchia 27, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 220 Grand Hotel Sofia Noto 4 stars Via Confalonieri S/N, Noto, Itália, 96017 Noto Excelente EUR 101 Ambasciatori Palermo 4 stars Via Roma 111, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excepcional EUR 73 Crystal Sea Taormina 4 stars Statale Jonica 114 Km 39, Taormina, Itália, 98030 Taormina Excelente EUR 268 Serenusa Village Licata 4 stars S.S 115 Km 240, Licata, Itália, 92027 Licata Excelente EUR 302 Acacia Resort Parco Dei Leoni Campofelice Di Roccella 4 stars Litorale Himera, Campofelice Di Roccella, Itália, 90010 Campofelice Di Roccella Excelente EUR 195 San Vincenzo Letoianni 4 stars Via Michelangelo Garufi 34B, Letoianni, Itália, 98037 Letoianni Excelente EUR 111 Hotel Villa Sonia Castelmola 4 stars Via Porta Mola 9, Castelmola, Itália, 98030 Castelmola Excelente EUR 235 Arathena Rocks Giardini Naxos 4 stars Via Calcide Eubea 55, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Excelente EUR 122 Algila Ortigia Charme Hotel Syracuse 4 stars Via Vittorio Veneto 93, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 268 Panoramic Hotel Taormina 4 stars Via Nazionale 196/B, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 261 Hotel Carasco Lipari 4 stars Porto Delle Genti, Lipari (Isola Lipari), Itália, 98055 Lipari (Isola Lipari) Bom EUR 125 Mercure Palermo Excelsior 4 stars Via Marchese Ugo 3, Palermo, Itália, 90144 Palermo Excelente EUR 123 Masseria Degli Ulivi Noto 4 stars C Da Porcari S N C 96017 Noto Marina Italy, Noto, Itália, 96017 Noto Excelente EUR 102 Mondello Palace Palermo 4 stars Viale Principe Di Scalea, Palermo, Itália, 90151 Palermo Bom EUR 119 Baia Taormina 4 stars Via Nazionale Km 39, Taormina, Itália, 98030 Taormina Excelente EUR 272 Delfino Beach Marsala 4 stars Via Lungomare Mediterraneo 672, Marsala, Itália, 91025 Marsala Muito bom EUR 98 Porta Felice Palermo 4 stars Via Butera, 45, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excepcional EUR 86 Hotel Villa Sirina Taormina 4 stars Via Crocifisso 30, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 163 Hotel Sirius Taormina 4 stars Via Guardiola Vecchia, 34, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 213 Antico Hotel Roma 1880 Syracuse 4 stars Via Roma 66, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 189 Garibaldi Palermo 4 stars Via Emerico Amari, 146, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excepcional EUR 86 Hotel Caiammari Syracuse 4 stars Via Daniele Impellizzeri, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Muito bom EUR 112 Nh Catania Centro 4 stars Piazza Trento, 13, Catânia, Itália, 95129 Catânia Excelente EUR 96 Garden Vulcano 4 stars Via Porto Ponente, Vulcano (Isola), Itália, 98050 Vulcano (Isola) Excepcional EUR 170 Hotel Palazzo Sitano Palermo 4 stars Via Vittorio Emanuele 114, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excepcional EUR 104 Kore Agrigento 4 stars Viale Leonardo Sciascia, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Excelente EUR 67 Nike Giardini Naxos 4 stars Via Calcide Eubea 27, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Muito bom EUR 119 Della Valle Agrigento 4 stars Via Demetra, 3, In Luogo Di Via Ugo La Malfa, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Muito bom EUR 82 Kallikoros Country Resort & Spa Noto 4 stars Contrada Renna, Strada Provinciale N°8, Noto, Itália, 96017 Noto Excelente EUR 102 Florio Park Cinisi 4 stars C.Da Magaggiari, Cinisi, Itália, 90045 Cinisi Bom EUR 126 Ipanema Taormina 4 stars Via Nazionale 242, Taormina, Itália, 98030 Taormina Bom EUR 105 Domina Coral Bay And Resort Sicilia Zagarella Santa Flavia 4 stars Via Nazionale, 77, Santa Flavia, Itália, 90017 Santa Flavia Excelente EUR 88 Villa Zina Park Hotel Trapani 4 stars Contrada Baglio Messina, (Via Viterbo 20, Custonaci), Trapani, Itália, 91015 Trapani Muito bom EUR 132 Romano House Catânia 4 stars Via Giovanni Di Prima 20, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excepcional EUR 74 Royal Maniace Syracuse 4 stars Lungomare Di Ortigia 13, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 63 Grand Hotel Baia Verde Catânia 4 stars Via A. Musco 8 / 10, Catânia, Itália, 95020 Catânia Excelente EUR 122 Palazzo Santa Caterina Taormina 4 stars Via Bagnoli Croce , Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 154 Quintocanto Hotel & Spa Palermo 4 stars Corso Vittorio Emanuele 310, Palermo, Itália, 90314 Palermo Excelente EUR 178 Falconara Charming House & Resort Butera 4 stars Strada Statale 115, Km 243, Butera, Itália, 93011 Butera EUR 534 Artemisia Palace Palermo 4 stars Via Roma 499, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 196 Villa Riis Taormina 4 stars Via Pietro Rizzo 13, Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 201 366 Borgo Pantano Syracuse 4 stars Traversa Fontana Mortella, 13, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 244 Cefalu Sea Palace 4 stars Lungomare G.Giardina, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excelente EUR 175 Mediterranee Hotel Taormina 4 stars Via Circonvallazione 61, Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 143 Villa Belvedere Taormina 4 stars Via Bagnoli Croce, 79, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 320 Voi Arenella Resort Syracuse 4 stars Strada Ognina 47, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Muito bom EUR 370 Costa Verde Cefalù 4 stars Contrada San Nicola, Cefalù, Itália Cefalù Muito bom EUR 201 Bougainville Lipari 4 stars Via Balestrieri, Snc - 98055 Lipari, Lipari (Isola Lipari), Itália Lipari (Isola Lipari) Excelente EUR 139 Baglio Della Luna Agrigento 4 stars Via Serafino Amabile Guastella 1C - C.Da Maddalusa (Valle Dei Templi), Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Bom EUR 126 Assinos Palace Hotel Giardini Naxos 4 stars Via Consolare Valeria 33, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Ranking EUR 87 Splendid Hotel La Torre Palermo 4 stars Piano Gallo 11, Palermo, Itália, 90151 Palermo Bom EUR 103 Taormina Park Hotel 4 stars Via Bagnoli Croci 92, Taormina, Itália, 98039 Taormina Ranking EUR 130 Case Di Latomie Castelvetrano 4 stars S.S. 115 Direzione Selinunte, Castelvetrano, Itália, 91022 Castelvetrano Excelente EUR 78 Allegroitalia Siracusa Golf Monasteri Syracuse 4 stars Traversa Monasteri Di Sotto 3, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 157 Hotel Village Suvaki Pantelleria Island 4 stars C.Da Cimillia - Punta Fram, Pantelleria Island, Itália, 91017 Pantelleria Island Muito bom EUR 173 Modica Palace Hotel 4 stars Via Vanella 106, Modica, Itália Modica Excepcional EUR 86 Hotel Antares Letoianni 4 stars Via Germano Chincherini, Letoianni, Itália Letoianni Ranking EUR 146 Galatea Sea Palace Aci Trezza 4 stars Via Livorno 146, Aci Trezza, Itália, 95021 Aci Trezza Excelente EUR 130 Astro Suite Hotel Cefalù 4 stars Via Lungomare G. Giardina, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excepcional EUR 131 Mea Lipari 4 stars Via Falcone E Borsellino, Lipari (Isola Lipari), Itália, 98055 Lipari (Isola Lipari) Excepcional EUR 130 Catania International Airport Hotel 4 stars Via San Giuseppe La Rena 94, Catânia, Itália, 95121 Catânia Excelente EUR 89 Residence La Gancia Trapani 4 stars Piazza Mercato Del Pesce, Snc, Trapani, Itália, 91100 Trapani Excepcional EUR 138 Villa Paradiso Taormina 4 stars Via Roma 2, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 165 Cutimare Lipari 4 stars Via Mazzini - 98050 Acquacalda, Lipari - Messina, Lipari (Isola Lipari), Itália, 98050 Lipari (Isola Lipari) EUR 106 Ariston Taormina 4 stars Via Bagnoli Croci, 168, Taormina, Itália, NULL Taormina Excelente EUR 150 Hotel Villa Schuler Taormina 4 stars Piazzetta Bastione / Via Roma, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 306 Eolian Milazzo Hotel 4 stars Via Salita Cappuccini 21/25, Milazzo, Itália, 98057 Milazzo Excepcional EUR 95 Hotel Cavalieri Syracuse 4 stars V. Malta 42, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 161 Artemis Hotel Cefalù 4 stars Via Roma, 101, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excepcional EUR 146 Palazzo Brunaccini Palermo 4 stars Piazzetta Lucrezia Brunaccini, 9, Palermo, Itália Palermo Excepcional EUR 138 De Stefano Palace Ragusa 4 stars Via Cav. F. De Stefano, 15, Ragusa, Itália, 97100 Ragusa Excepcional EUR 116 4 Spa Resort Hotel Catânia 4 stars Via Nazionale Ss 114 Km 91/Vii, Catânia, Itália Catânia Excelente EUR 106 Borromeo Resort Taormina 4 stars Via Nazionale 183, Taormina, Itália, 98039 Taormina EUR 92 Catania Hills Residence 4 stars Via Adige 21, Catânia, Itália Catânia Exclusivo EUR 69 La Salina Borgo Di Mare Lingua 4 stars Via Pantano Snc, Lingua, Sicily, Itália Lingua, Sicily EUR 190 Grand Hotel Piazza Borsa Palermo 4 stars Via Dei Cartari 18, Palermo, Itália Palermo Excelente EUR 167 Cassisi Hotel Milazzo 4 stars Via Cassisi 5, Milazzo, Itália, 98057 Milazzo Excelente EUR 86 Hotel Signum Malfa 4 stars Via Scalo 15, Malfa (Salina), Itália, 98050 Malfa (Salina) Excelente EUR 349 Acacia Marina Palace Marina di Ragusa 4 stars Via Delle Sirene 35, Marina di Ragusa, Itália, 00000 Marina di Ragusa Bom EUR 168 Villaggio Cala Mancina San Vito Lo Capo 4 stars Via Calamancina 12, San Vito Lo Capo, Itália, 91010 San Vito Lo Capo Excelente EUR 212 Taormina Palace Hotel 4 stars Viale San Pancrazio 56, Taormina, Itália Taormina Muito bom EUR 111 San Giorgio Palace Hotel Ragusa 4 stars Via Avv. G.Ottaviano, Ragusa, Itália, 97100 Ragusa Excelente EUR 115 Plaza Hotel Catânia 4 stars Viale Ruggero Di Lauria 43, Catânia, Itália Catânia Excelente EUR 98 Main Palace Hotel Roccalumera 4 stars Via Cristoforo Colombo , Roccalumera, Itália Roccalumera Excepcional EUR 410 Tonnara Di Bonagia Valderice 4 stars Piazza Tonnara, Valderice, Itália, 91019 Valderice Muito bom EUR 323 Magaggiari Hotel Resort Cinisi 4 stars Via Peppino Impastato, Snc, Cinisi, Itália, 90045 Cinisi Muito bom EUR 95 Hotel Livingston Syracuse 4 stars Via Nizza 17, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 161 Domus Mariae Benessere Syracuse 4 stars Via Vittorio Veneto 89, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 114 Charme Hotel Henry'S House Syracuse 4 stars Via Castello Maniace, 68, 96100 Siracusa Sr, Italy, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 344 Feudo Bauly Palazzolo Acreide 4 stars C.Da Bauly , Palazzolo Acreide, Itália, 96017 Palazzolo Acreide EUR 106 La Foresteria Planetaestate Menfi 4 stars Contrada Passo Di Gurra, Menfi, Itália, 92013 Menfi Muito bom EUR 227 Hotel Exclusive Agrigento 4 stars Via Acrone15, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Excepcional EUR 118 Hotel Le Palme Marina di Melilli 4 stars 17, Via Litoranea Priolese , Marina di Melilli, Itália Marina di Melilli Masseria Della Volpe Casale Modica 4 stars Contrada Casale, Casale Modica, Itália Casale Modica EUR 232 Hotel La Plumeria Cefalù 4 stars Corso Ruggero 185, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excepcional EUR 244 Hotel Costa Verde Cefalù 4 stars Via Del Commercio, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù EUR 126 Sant Alphio Garden And Spa Giardini Naxos 4 stars Viale Apollo Archegata, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos EUR 113 Marettimo Residence 4 stars Via Telegrafo 3, Marettimo, Sicily, Itália, 91010 Marettimo, Sicily Excelente EUR 117 Donna Carmela Riposto 4 stars Contrada Grotte, 7, Riposto, Itália Riposto Best Western Hotel Mediterraneo Catânia 3 stars Via Dottor Consoli 27, Catânia, Itália, I-95124 Catânia Excepcional EUR 67 Hotel Solemar SantʼAlessio Siculo 3 stars Via Lungomare 94, SantʼAlessio Siculo, Itália, 98030 SantʼAlessio Siculo Excelente EUR 90 Elite Palermo 3 stars Via Mariano Stabile 136, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 67 Hotel Del Centro Palermo 3 stars Via Roma 72, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excelente EUR 93 Hotel Elimo Erice 3 stars Via Vittorio Emanuele, 75, Erice, Itália, 91016 Erice Excelente EUR 87 Astro Cefalù 3 stars Via Roma 105, 90015 Cefalu, Cefalu, Italy, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Bom Bel Soggiorno Taormina 3 stars Via Pirandello 60, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 153 Hotel Bel 3 Palermo 3 stars Via Ruffo Di Calabria 20, Palermo, Itália, 90137 Palermo Excelente EUR 58 Hotel Posta Palermo 3 stars Via Antonio Gagini 77, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excelente EUR 74 La Ville Catânia 3 stars Via Claudio Monteverdi 15, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excelente EUR 65 Punta Nord Est Castellammare del Golfo 3 stars Viale Leonardo Da Vinci 67, Castellammare del Golfo, Itália, 91014 Castellammare del Golfo Excepcional EUR 110 Kalura Cefalù 3 stars Via Vincenzo Cavallaro 13, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excelente EUR 118 Hotel Carmine Marsala 3 stars Piazza Carmine, 16, Marsala, Itália, 91025 Marsala Excepcional EUR 98 Catania Centro Rooms 3 stars Viale Regina Margherita 2/D, Catânia, Itália Catânia Muito bom EUR 40 Hotel Cincotta Panarea 3 stars Via San Pietro, Panarea, Itália, 98050 Panarea Muito bom EUR 154 Manganelli Palace Catânia 3 stars Via Recalcaccia 2, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excelente EUR 81 Villa Bianca Resort Taormina 3 stars Piazzale Della Funivia, Taormina, Itália, 98039 Taormina Bom EUR 95 Continental Taormina 3 stars Via Dionisio Primo 2A, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 216 Hotel Delle Palme Letoianni 3 stars Via Dei Vespri 33, Letoianni, Itália, 98037 Letoianni Excepcional EUR 96 Jonic Hotel Mazzaro Taormina 3 stars Via Nazionale 224, Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 90 Le Magnolie Hotel Modica 3 stars Via Campailla 25, Modica, Itália, 97015 Modica Excelente EUR 82 Villa Gaia Hotel Cefalù 3 stars Via M. V. Pintorno 101, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excepcional EUR 104 Alla Giudecca Syracuse 3 stars Via Alagona 52, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Muito bom EUR 107 Vittorio Veneto Ragusa 3 stars Corso Vittorio Veneto 93, Ragusa, Itália, 97100 Ragusa Muito bom EUR 84 Hotel Joli Palermo 3 stars Via Michele Amari 11, Palermo, Itália, 90139 Palermo Muito bom EUR 94 B&B Globetrotter Catânia 3 stars Vicolo Della Lanterna 14, Catânia, Itália, 95121 Catânia Excelente EUR 75 Hotel Tourist Cefalù 3 stars Lungomare G. Giardina, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Muito bom EUR 126 Villa Michelangelo Nicolosi 3 stars Via Oasi San Bernardo 8, Nicolosi, Itália, 95030 Nicolosi Bom EUR 63 Moderno Erice 3 stars Via Vittorio Emanuele 63, Erice, Itália, 91016 Erice Bom EUR 66 Villa Linda Giardini Naxos 3 stars Via Recanati 2, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Muito bom EUR 86 Villa Belvedere Cefalù 3 stars Via Dei Mulini 43, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Bom EUR 82 Orleans Palermo 3 stars Via Monfenera 106, Palermo, Itália, 90128 Palermo Bom EUR 64 Hotel Tonic Palermo 3 stars Via Mariano Stabile 126, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 78 Isabella Taormina 3 stars Corso Umberto 58, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 113 La Riva Giardini Naxos 3 stars Via Lungomare Tysandros 52, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Bom EUR 257 Vello D'Oro Taormina 3 stars Via Fazzello 2, Taormina, Itália, 98039 Taormina Bom EUR 96 Le Dune Catânia 3 stars Viale Kennedy 10 B, Catânia, Itália, 35121 Catânia Ranking EUR 94 Hotel Baglio Santacroce Valderice 3 stars Strada Statale 187 Km. 12,300, Valderice, Itália Valderice Muito bom EUR 81 Erice Hotel 3 stars Via Madonna Di Fatima 191, Erice, Itália Erice Bom EUR 65 Calipso Taormina 3 stars Via Giovanni Xxiii 6, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 107 Rigel Hotel Catânia 3 stars Viale Liberta 63, Catânia, Itália, 95129 Catânia Excepcional EUR 63 Citta Del Mare Hotel Village Terrasini 3 stars S.S. 113 Km 301.100, Terrasini, Itália Terrasini Bom EUR 114 Europa Palermo 3 stars Via Agrigento 3, Palermo, Itália Palermo Excelente EUR 51 B&B Belveliero Trapani 3 stars Via San Cristoforo 1, Trapani, Itália, 91100 Trapani EUR 93 Ares Hotel San Giovanni La Punta 3 stars Via Carducci 30, San Giovanni La Punta, Itália, 95037 San Giovanni La Punta Muito bom EUR 48 Tysandros Giardini Naxos 3 stars Via Lungomare Tysandros 22, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Excelente EUR 86 Hotel Isola Bella Taormina 3 stars Via Nazionale, 196, Taormina, Itália, 98039iit Taormina Muito bom EUR 83 Alexander Giardini Naxos 3 stars Via Nixa, Giardini Naxos, Itália Giardini Naxos Excepcional EUR 73 Villaggio Albergo Internazionale La Plaja Catânia 3 stars Viale Kennedy 47, Catânia, Itália, 95121 Catânia Ranking EUR 56 Villa Gaia Ragusa 3 stars Contrada Gisira Pagana Sn, Modica Sicily, It, Ragusa, Itália, 97015 Ragusa Hotel Baia Delle Sirene Taormina 3 stars Via Androne 39, , Taormina, Itália, 98039 Taormina Cerri Hotel Castellammare del Golfo 3 stars Via Mascagni 2, Castellammare del Golfo, Itália, 91014 Castellammare del Golfo Excelente EUR 114 Hotel Agathae Catânia 3 stars Via Etnea 229, Catânia, Itália, 95124 Catânia Excelente EUR 66 Agri Hotel Da Marianna Santa Domenica Vittoria 3 stars S.S. 116 Al Km. 7700, , Santa Domenica Vittoria, Itália, 98030 Santa Domenica Vittoria Excepcional EUR 96 Hotel Valentino Catânia 3 stars Piazza Spirito Santo 39, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excelente EUR 61 La Giara Nicolosi 3 stars Viale Della Regione 12 A, Nicolosi, Itália, 95030 Nicolosi Excelente EUR 48 Baia Azzurra Taormina 3 stars Via Nazionale 240, Taormina, Itália Taormina Excelente EUR 151 Isoco Guest House Taormina 3 stars Salita Branco 2, Taormina, Itália, 98039 Taormina Ranking EUR 136 Zash Country Boutique Hotel Giarre 3 stars Via Strada Provinciale Sp2 N 60, Giarre, Itália, 95018 Giarre EUR 221 Medimare Residence Club Patti 3 stars Via Messina, 67, Patti, Itália Patti Muito bom EUR 65 Hotel Aliai Sciacca 3 stars Via Gaie Di Garaffe 60, Sciacca, Itália Sciacca Excelente EUR 55 La Filadelfia Lipari 3 stars Via Madre Fiorenza Profilio - 98055 Lipari, Lipari (Isola Lipari), Itália, 98055 Lipari (Isola Lipari) Bom EUR 130 Sofia Catânia 3 stars Via Etnea 196, Catânia, Itália, 95131 Catânia Muito bom EUR 60 Atlantis Palace Hotel Mascali 3 stars Via Spiaggia, 257, Mascali, Itália Mascali Muito bom EUR 84 Miramare Catânia 3 stars Litoranea Kennedy 42, Catânia, Itália Catânia Bom EUR 67 Residence Villa Mare Taormina Letoianni 3 stars Via Fiumara 9, Letoianni, Itália, 98037 Letoianni Excepcional EUR 65 History Hotel Valderice 3 stars Via Salemi 5, Valderice, Itália Valderice Excelente EUR 57 Villa Felicia Noto 3 stars Contrada Falconara, Noto, Itália Noto Excepcional EUR 134 Del Corso Taormina 3 stars Corso Umberto 238, Taormina, Itália Taormina Excelente EUR 124 President Hotel Splendid Taormina 3 stars Via Dietro Cappuccini 10, Taormina, Itália Taormina Bom EUR 71 Hotel Catania Town 3 stars Via S.M Di Betlem 18, Catânia, Itália Catânia Excelente EUR 68 Hotel Gresi Catânia 3 stars Sicily, Catania And Greater Area, Catânia, Itália, 95100 Catânia Excelente EUR 53 Hotel Bristol Enna 3 stars P.Zza Ghisleri 13, Enna, Itália Enna Muito bom EUR 67 Hotel Villa Dorata Ragalna 3 stars Contrada Serra La Nave Versante Etna Sud, Ragalna, Itália Ragalna Excepcional EUR 86 Villa Cerniglia Cefalù 3 stars Lungomare G.Giardina, Cefalù, Itália Cefalù EUR 126 Alma Hotel Palermo 3 stars Via Mariano Stabile, 136, 90139 Palermo, Italy, Palermo, Itália Palermo EUR 100 Hotel Mamma Santina Santa Marina Salina 3 stars Via Sanita 40, Santa Marina Salina, Itália Santa Marina Salina EUR 154 Domus Hotel Catânia 3 stars Via Etnea 270, Catânia, Itália Catânia Excelente EUR 59 Aquarooms Palermo 3 stars Via Ruggiero Mastrangelo 8, Palermo, Itália Palermo EUR 97 B&B Paladini Di Sicilia Agrigento 3 stars Sicily, Agrigento, Itália Agrigento EUR 68 Valtur Favignana 3 stars Localita Punta Fanfalo, Favignana, Itália, 91023 Favignana EUR 149 L'Approdo Delle Sirene B&B Syracuse 3 stars Riva Garibaldi 15, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 90 Fontane Bianche Beach Club 3 stars Via Mazzaro 1/2/4, Fontane Bianche, Itália, 96100 Fontane Bianche Bom Hotel Taodomus Taormina 3 stars Corso Umberto I 224, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 188 Hotel San Martino Syracuse 3 stars Via Nazionale 58, Syracuse, Itália Syracuse EUR 68 Hotel Delle Cave Favignana 3 stars Str. Vic. Della Madonna S.N. Contrada Torretta, Favignana, Itália, 91023 Favignana Excepcional EUR 184 Giuggiulena Syracuse 3 stars Via Pitagora Da Reggio 35, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 279 Mendolia Beach Hotel Taormina 3 stars Via Nazionale 198, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excepcional EUR 140 Hotel Gutkowski Syracuse 3 stars Lungomare Vittorini 18, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 72 San Max Hotel Catânia 3 stars Via Etnea 329, Catânia, Itália, 95100 Catânia Excepcional EUR 63 Villa Diana Agrigento 3 stars S.S. 122 N. 14 (Km 5.4), Agrigento, Itália, 92100 Agrigento Soberbo EUR 167 Catania Bedda Bed And Breakfast 3 stars Via Etnea 502, Catânia, Itália Catânia EUR 86 Art & Jazz Hotel Catânia 3 stars Sicily, Catania And Greater Area, Catânia, Itália Catânia EUR 90 Mediterraneo Cefalù 3 stars Via A. Gramsci 2, Cefalù, Itália Cefalù Muito bom EUR 93 Riva Del Sole Cefalù 3 stars Viale Lungomare G Giardina 25, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excelente EUR 102 B&B Nostos Syracuse 3 stars Corso Umberto I 66, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excepcional EUR 85 B&B Vinci Noto 3 stars Via Cavour 115, Noto, Itália, 96017 Noto Soberbo EUR 86 Hotel Serena Palermo 3 stars Via Mariano Stabile 139, Palermo, Itália, 90139 Palermo Il Cantone Del Faro Taormina 3 stars Via Sirina , 5, , Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 98 Hotel Tesoriero Panarea 3 stars Via San Pietro, Panarea, Itália, 98050 Panarea Soberbo EUR 85 Casa Cristina Syracuse 3 stars Via Chindemi 8, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 51 Petit Hotel Milazzo 3 stars Via Dei Mille, 37, Milazzo, Itália, 98057 Milazzo Excelente EUR 74 Belmonte Hotel Favara 3 stars Via Sottotenente Saieva 4, Favara, Itália, 92026 Favara Excepcional EUR 80 Hostel Agata Palermo 3 stars Via Roma 188, Palermo, Itália, 90133 Palermo EUR 55 Villa Mon Repos Taormina 3 stars Via Luigi Pirandello 72, Taormina, Itália, 98139 Taormina EUR 200 Rifugio Sapienza Nicolosi 3 stars Piazzale Rifugio Sapienza, Nicolosi, Itália, 95030 Nicolosi Excepcional EUR 82 Hospitality Hotel Palermo 3 stars Via Salvatore Morso, 41, Palermo, Itália Palermo EUR 57 Abraxia B&B Comiso 3 stars Piazza San Biagio 15 , Comiso, Itália, 97013 Comiso EUR 54 Portorosa Residence Furnari 3 stars Via Prestipaolo Complesso Portorosa, Furnari, Itália, 98054 Furnari EUR 49 Hotel Sicilia Enna 3 stars Piazza Napoleone Colajanni 7, Enna, Itália, 94100 Enna Excelente EUR 55 Heart Of Sicily Mistretta 3 stars Via Santa Caterina 63 , Mistretta, Itália, 98073 Mistretta Villa Mora Hotel Giardini Naxos 2 stars Lungomare Naxos 47, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Excelente EUR 82 Hotel Condor Taormina 2 stars Via Dietro Cappuccini 25, Taormina, Itália, 98039 Taormina Excelente EUR 91 Gardenia Palermo 2 stars Via Mariano Stabile 136, Palermo, Itália, 90139 Palermo EUR 66 Villa Mater Catânia 2 stars Via Vittorio Bottego 10, Catânia, Itália, 95125 Catânia Muito bom EUR 78 Hotel Victoria Taormina 2 stars Corso Umberto 81, Taormina, Itália Taormina Excepcional EUR 100 Soleado Taormina 2 stars Via Dietro Cappuccini 41/A, Taormina, Itália Taormina Excelente EUR 146 Hotel Rubens Catânia 2 stars Via Etnea, 196, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excepcional EUR 138 Biscari Catânia 2 stars Via Anzalone 7, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excelente EUR 73 Hotel Columbia Palermo 2 stars Via Del Celso 31, Palermo, Itália, 90143 Palermo Excelente EUR 28 Taormina Garden Hotel 2 stars Via Nazionale 155, Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 67 Hotel Alessandra Palermo 2 stars Via Divisi, 99, Palermo, Itália, 90133 Palermo Muito bom EUR 59 Hotel Moderno Palermo 2 stars Via Roma 276, Palermo, Itália, 90133 Palermo Muito bom EUR 75 Villa Greta Taormina 2 stars Via Leonardo Da Vinci 46, Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 90 Residence Circe Taormina 2 stars Corso Umberto 78, Taormina, Itália Taormina Excepcional EUR 86 Hotel Centrale Europa Catânia 2 stars Via Vittorio Emanuele Ii° N° 167, Catânia, Itália, 95124 Catânia Bom EUR 55 La Casa Dei Limoni Palermo 2 stars Piazza Giulio Cesare 9, Palermo, Itália, 90127 Palermo Ranking EUR 40 Al-Tair San Vito Lo Capo 2 stars Duca Degli Abruzzi 83, San Vito Lo Capo, Itália, 91010 San Vito Lo Capo Bom EUR 137 Hotel Italia Palermo 2 stars Via Roma 62, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excelente EUR 43 Costa Azzurra Giardini Naxos 2 stars Lungomare Naxos 35, Giardini Naxos, Itália, 98035 Giardini Naxos Muito bom EUR 88 Come In Sicily - Naxos Bay Giardini Naxos 2 stars Sicily, Messina-Taormina Area, Giardini Naxos, Itália Giardini Naxos EUR 92 Tre Metri Sopra Il Cielo Caltagirone 2 stars Via Bongiovanni 72, Caltagirone, Itália, 95041 Caltagirone Excepcional EUR 61 Hotel Villa San Giovanni Erice 2 stars Viale Nunzio Nasi 12, Erice, Itália, 91016 Erice Bom EUR 39 A'To Casa Palermo 2 stars Sicily, Palermo And Greater Area, Palermo, Itália, 90141 Palermo Soberbo EUR 44 Hotel Aosta Trapani 2 stars Via Duca D'Aosta 53 - Casa Santa, Trapani, Itália, 91100 Trapani Excelente EUR 64 Villa Astoria Taormina 1 stars Via Luigi Pirandello 38, Taormina, Itália, 98039 Taormina Soberbo EUR 92 Hotel Trieste Catânia 1 stars Via Leonardi 24 Catania , Catânia, Itália, 09131 Catânia Excepcional EUR 48 Hotel Concordia Palermo 1 stars Via Roma 72, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excelente EUR 41 Agriturismo Villa Luca SantʼAgata di Militello 0 stars C/Da Muti 1, SantʼAgata di Militello, Itália, 98076 SantʼAgata di Militello Excelente EUR 75 Villa Dei Papiri Syracuse 0 stars Traversa Cozzo Pantano, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Excelente EUR 138 Il Quadrifoglio Trapani 0 stars Via Nettuno 26, Trapani, Itália, 91100 Trapani EUR 77 B&B Maxim Palermo 0 stars Via Mariano Stabile 136/A, Palermo, Itália, 90139 Palermo Excelente EUR 110 Nonna Elena Trapani 0 stars Via XX Settembre 8 Sicily, Trapani, Itália, 91100 Trapani EUR 60 Bb 22 Charming Rooms & Apartments Palermo 0 stars Largo Cavalieri Di Malta 22, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excepcional EUR 146 Agrirelais Baglio Di Pianetto Santa Cristina Gela 0 stars Via Francia - Contrada Pianetto, Santa Cristina Gela (Sicily), Itália, 90030 Santa Cristina Gela (Sicily) Soberbo EUR 100 Masseria Susafa Vallelunga Pratameno 0 stars Contrada Susafa - Uscita Tremonzelli, Vallelunga Pratameno, Itália, 90028 Vallelunga Pratameno Excepcional EUR 69 Agriturismo Vecchia Masseria Charme&Relax San Michele di Ganzaria 0 stars C/Da Cutuminello Km 68 S.S. 117 Bis, San Michele di Ganzaria, Itália, 95041 San Michele di Ganzaria Excepcional EUR 77 Wine Resort Villagrande Milo 0 stars Via Del Bosco 25, Milo, Itália Milo Excepcional Modica Old Town Rooms 0 stars Via Santa 15, Piazza Matteotti, Modica, Itália Modica Soberbo EUR 45 City-In Hostel B&B Catânia 0 stars Via Grimaldi 2, Catânia, Itália, 95121 Catânia Soberbo EUR 29 Suite Inn Catânia 0 stars Via Vittorio Emanuele II 108, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excepcional EUR 79 Villa Moschella Taormina 0 stars Via Nazionale 240, Taormina, Itália Taormina Excelente EUR 87 Bed And Breakfast Palermo Centro 0 stars Piazza Giulio Cesare 44, Palermo, Itália, 90127 Palermo EUR 47 Villa Rica Patti 0 stars Contrada Mortizzi 23, Patti, Itália, 98066 Patti Excepcional EUR 89 Vanity Spa Balestrate 0 stars Via Roma 65, Balestrate, Itália, 90041 Balestrate EUR 80 Hotel Bellini Catânia 0 stars Via Landolina 41, Catânia, Itália, 95131 Catânia Muito bom Villa Santa Barbara Cefalù 0 stars Via B6 Numero 2, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù EUR 165 Hotel Orientale Palermo 0 stars Via Maqueda, 26, Palermo, Itália, 90134 Palermo Excelente Il Tanaceto Castiglione De Sicilia 0 stars Contrada Nemmi Snc, Castiglione De Sicilia, Itália Castiglione De Sicilia Ferrini Home Catânia 0 stars Via Monte Sant'Agata 5, Catânia, Itália, 95125 Catânia Excepcional EUR 106 Central Gallery Rooms Trapani 0 stars Via Garibaldi 59 , Trapani, Itália Trapani EUR 80 La Villa Rossa Santa Marina Salina 0 stars Via Torrente Barone, Santa Marina Salina, Itália, 98050 Santa Marina Salina EUR 155 Agora Hostel Catânia 0 stars Piazza Curro 1, Catânia, Itália, 95121 Catânia Muito bom EUR 35 B&B Teatro Massimo Palermo 0 stars Via Orologio 31, Palermo, Itália, 90133 Palermo Excepcional EUR 40 Etna Suite Rooms Catânia 0 stars Sicily, Catania And Greater Area, Catânia, Itália Catânia Excepcional EUR 66 Aga Residence By Aga Hotel Catânia 0 stars Sicily, Catania And Greater Area, Catânia, Itália Catânia EUR 44 3Under Agrigento 0 stars Sicily, Agrigento, Itália Agrigento Panoramic Apartments Taormina 0 stars Via Gaetano Martino 10, Taormina, Itália Taormina EUR 229 Antadia B&B Palermo 0 stars Sicily, Palermo And Greater Area, Palermo, Itália, 90123 Palermo Soberbo EUR 35 Villa Pizzo Monaco San Vito Lo Capo 0 stars Via Del Secco 28 , San Vito Lo Capo, Itália San Vito Lo Capo Pedra Residence Stromboli 0 stars Via Nunziante Snc, Stromboli, Itália, 98050 Stromboli EUR 159 Lirma B&B Cefalù 0 stars Via Prestisimone 20, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Soberbo EUR 100 Khalisah Palermo 0 stars Via Scopari 33, Palermo, Itália, 90100 Palermo Excepcional EUR 146 Taormina City Center Apartments 0 stars Via Tommaso Fazzello 6 C, Taormina, Itália, 98039 Taormina EUR 128 Hotel Dell'Orologio Ragusa 0 stars Different Locations In Ragusa Ibla (Check-In At: Via Ioppolo 12), Ragusa, Itália, 97100 Ragusa Soberbo EUR 122 Porta Terra Cefalù 0 stars Via Giacomo Matteotti, 1, Cefalù, Itália Cefalù EUR 86 Al Vicoletto Taormina 0 stars Via Vico Tauro, 6, Taormina, Itália, 98039 Taormina EUR 110 Mare In Sicilia Donnalucata Donnalucata 0 stars Via Latina 18, Donnalucata (Sicily), Itália, 97018 Donnalucata (Sicily) Bom EUR 108 Villa Paradiso Racalmuto 0 stars Contrada Garamoli, Racalmuto, Itália, 92020 Racalmuto EUR 43 Casale Villa Raino Gangi 0 stars Contrada Raino, Gangi, Itália Gangi Excelente EUR 63 Extra B&B Palermo 0 stars Via Emerico Amari 162, Palermo, Itália Palermo EUR 64 La Lampara Trapani 0 stars Via Barlotta25, Trapani, Itália, 91100 Trapani EUR 110 Villaggio Togo Togo Vulcano 0 stars Via Porto Ponente , Vulcano (Isola), Itália Vulcano (Isola) EUR 27 Residence Magara Cefalù 0 stars Via Delle Ninfe, Cefalù, Itália, 90015 Cefalù Excepcional EUR 103 Residence Letoianni 0 stars Contrada Sillemi Alta Letojanni, , Letoianni, Itália, 98037 Letoianni Sirignano Wine Resort 0 stars Contrada Sirignano Snc, Sirignano, Sicily, Itália, 90046 Sirignano, Sicily EUR 71 Casa Dante Palermo 0 stars Via Malaspina 46 , Palermo, Itália Palermo Vesta-Apartments Catânia 0 stars Via Vittorio Emanuele Ii, 90, Catânia, Itália, 95131 Catânia Excelente EUR 52 B&B Villa Pirandello Agrigento 0 stars Via Francesco Crispi 34, Agrigento, Itália, 92100 Agrigento EUR 59 Agriturismo Tarantola Alcamo 0 stars Contrada Tarantola, Alcamo, Itália, 90011 Alcamo EUR 94 Villa Valguarnera Bagheria 0 stars Via Gramsci 27, Bagheria, Itália, 90011 Bagheria EUR 157 Baia Di Arcile Brucoli 0 stars Giardini Di Baia Di Arcile Snc, Brucoli, Itália, 96011 Brucoli EUR 193 Crociferi B&B Catânia 0 stars Via Crociferi 81, Catânia, Itália, 95124 Catânia Excepcional EUR 83 Casa Nipitella Catânia 0 stars Via Al Carmine 7, Catânia, Itália, 95131 Catânia Soberbo EUR 44 Almarina Catânia 0 stars Via Gisira, 6, Catânia, Itália, 95100 Catânia Villa Cuba Fontane Bianche 0 stars Via Mare Ionio 12, Fontane Bianche, Itália, 96100 Fontane Bianche Rapanui Mare Lingua 0 stars Piazza Belvedere, Lingua, Sicily, Itália, 98050 Lingua, Sicily Seven Rooms Villadorata Noto 0 stars Via Cavour 53, Noto, Itália, 96017 Noto Muito bom EUR 270 Numero 24 Noto 0 stars Via Vicere Speciale, 24, Noto, Itália, 96017 Noto Borgo Alveria San Corrado di Fuori 0 stars Contrada Noto Antica - Strada Provinciale 64, San Corrado di Fuori, Itália, 96017 San Corrado di Fuori EUR 346 Monte Monaco San Vito Lo Capo 0 stars Sicily, Trapani-Marsala, San Vito Lo Capo, Itália, 91010 San Vito Lo Capo EUR 75 Aurora Bed And Breakfast Santo Stefano di Camastra 0 stars Via Cristoforo Florena 30, Santo Stefano di Camastra, Itália, 98077 Santo Stefano di Camastra EUR 32 B&B Porta Di Mare Sciacca 0 stars Vicolo I Porta Di Mare 10-12, Sciacca, Itália, 92019 Sciacca Soberbo EUR 28 La Via Della Giudecca Syracuse 0 stars Vicolo III Alla Giudecca 4, Syracuse, Itália, 96100 Syracuse Soberbo EUR 95 Porta Marina Syracuse 0 stars Via Santa Maria Dei Miracoli, 3 , Syracuse, Itália, 96100 Syracuse EUR 116 Taormina Mare 0 stars Via Castelluccio 4, Taormina, Itália, 98039 Taormina Muito bom EUR 232 La Malandrina Taormina 0 stars Via I Dionisio 2E, Taormina, Itália, 98039 Taormina EUR 216 Monaci Delle Terre Nere Zafferana Etnea 0 stars Via Pietralunga / Via Monaci , Zafferana Etnea, Itália, 95019 Zafferana Etnea Soberbo EUR 428 Casa Faro Favignana 0 stars Via Com. Mustazzello 6, Favignana, Itália, 91023 Favignana EUR 405 Casa Silvia Fiumefreddo di Sicilia 0 stars Via Rosa Balistreri, 4, Fiumefreddo di Sicilia, Itália, 95013 Fiumefreddo di Sicilia Riofavara Wine Relais Ispica 0 stars Contrada Favara, Ispica, Itália, 97014 Ispica Kamikos Siculiana 0 stars Via Renna 1, Siculiana, Itália, 92010 Siculiana EUR 78 Villa Lighea Scopello 0 stars Contrada Mazzo Di Sciacca 13, Scopello (Sicily), Itália, 91014 Scopello (Sicily) EUR 188 Villa Lo Zingaro Scopello 0 stars Contrada Scardina, Scopello (Sicily), Itália, 91014 Scopello (Sicily) Catarin Castelluzzo 0 stars Via Don Bartolo 16, Castelluzzo, Itália, 91010 Castelluzzo EUR 74 Holiday Home Lolita'S Balestrate 0 stars Via Duca D'Aosta N. 114, Balestrate, Itália, 90041 Balestrate EUR 108 Bazia Camping Furnari 0 stars Contrada Bazia, Furnari, Itália, 98054 Furnari Duca Di Castelmonte Xitta 0 stars Via Salvatore Motisi 5, Xitta, Itália, 91020 Xitta Ranking EUR 122 Villa Al Poggio Contrada Giubiliana 0 stars S/P Ragusa Marina Di Ragusa Km 5,700, Contrada Giubiliana, Itália, 97100 Contrada Giubiliana Madilia Pantelleria Island 0 stars Via Kania, Pantelleria Island, Itália, 91017 Pantelleria Island EUR 67 A Mo Casa Comiso 0 stars Via G.Iacono N° 31, Comiso, Itália, 97013 Comiso EUR 51 Villa Aretusa Noto 0 stars Via G.Martino, 23, Contrada Falconara, Noto, Itália, 96017 Noto Santa Nicola Borgetto 0 stars Contrada San Nicolo Snc (Via Guido Mancuso 25), 90042 , Borgetto, Itália, 90042 Borgetto Holiday Home Kiokis House Maragani 0 stars , Maragani, Itália, 92019 Maragani Tenuta San Michele Santa Venerina 0 stars Via Zafferana 13, Santa Venerina, Itália, 95010 Santa Venerina Wine Relais Feudi Del Pisciotto Niscemi 0 stars Contrada Pisciotto, Niscemi, Itália, 93015 Niscemi Excepcional Regiões de Itália Hotéis em Italian Riviera Hotéis em Chianti and surroundings Hotéis em Amalfi Coast and Gulf of Naples Hotéis em Elba Hotéis em Ilha Capri Hotéis em Riviera dei Fiori Hotéis em Riviera delle Palme Hotéis em Portofino (Area) Hotéis em Cinque Terre Hotéis em Apulia Coast Hotéis em Lake Garda (Area) Hotéis em Toscana Hotéis em Trentino-Alto Ádige Hotéis em Dolomites Hotéis em Salento Hotéis em Gargano Hotéis em Ligúria Hotéis em Trapani Hotéis em Sardenha Hotéis em Calábria Hotéis em Campania Hotéis em Emília-Romanha Hotéis em Friuli Venezia Giulia Hotéis em Lazio Hotéis em Lombardia Hotéis em Marche Hotéis em Piemonte Hotéis em Puglia Hotéis em Úmbria Hotéis em Vale de Aosta Hotéis em Vêneto Hotéis em Abruzzo Hotéis em Ilha Ischia Hotéis em Pontine Hotéis em Pantelleria Hotéis em Basilicata Hotéis em Ilhas Eólias Hotéis em Vulcano Hotéis em Salina Hotéis em Lipari Hotéis em Molise Hotéis em Ilhas Égadi Hotéis em Ilha Tremiti Hotéis em Ilha de Giglio Hotéis em Sardinia South Hotéis em Italian Alps Hotéis em Lake Como Hotéis em Lake Maggiore Hotéis em Val di Chiana Hotéis em Via Lattea Hotéis em Castelli Romani Hotéis em Caserta Area Hotéis em Courmayeur Ski Hotéis em Venezia Area Hotéis em Apuana Coast Hotéis em Etschtal Hotéis em Vicenza Area Hotéis em Treviso Area Hotéis em Noto Valley Hotéis em Ritten Hotéis em Cortina d'Ampezzo Hotéis em Val Badia Hotéis em Livigno Ski Area Hotéis em Riviera Romagnola Hotéis em Nature park Tre Cime - Drei Zinnen Hotéis em Murgia Hotéis em Etruscan Coast Hotéis em Conero Hotéis em Argentario Hotéis em Brenner Hotéis em Sardinia North Hotéis em Bari Province Hotéis em Solda all'Ortles Hotéis em Abetone Ski Hotéis em Lake Idro Hotéis em Franciacorta Hotéis em Sant’Antioco Island Hotéis em Maddalena Archipelago Hotéis em Brenta Riviera Hotéis em Tuscia Hotéis em Val di Merse Hotéis em Firenze Area Hotéis em Ciociaria Hotéis em Vallagarina Hotéis em Lucca Hotéis em Bologna Province Hotéis em Limone Piemonte Hotéis em Arabba Marmolada Hotéis em Cortona Countryside Hotéis em Reggio Emilia Hotéis em Sorrento Coast Hotéis em Abruzzo Ski Hotéis em Val di Non Hotéis em Irpinia Hotéis em Val d'Orcia Hotéis em Siena Area Hotéis em Valle dei Templi Hotéis em Aspromonte Hotéis em Valchiavenna Hotéis em Corvara in Badia Hotéis em Alpe di Siusi Hotéis em Mondole Ski Hotéis em Tonale Hotéis em Alto Adige Wine Route Hotéis em Province of Livorno Hotéis em Provincia di Mantova Hotéis em Reschenpass Hotéis em Savona Area Hotéis em Mugello Hotéis em Italy Center Hotéis em Crete Senesi Hotéis em Agrigento Area Hotéis em Trentino Mountains Hotéis em Provincia di Vercelli Hotéis em Bergamo Province Hotéis em Venice Hotéis em Trentino Ski West Hotéis em Provincia di Varese Hotéis em Dolomiti Superski Hotéis em Hochpustertal Valley Hotéis em Iblei Hotéis em Sinis Peninsula Hotéis em Padova Area Hotéis em Forli-Cesena Area Hotéis em Pila Hotéis em Majella Hotéis em Lake Iseo Hotéis em Bondone Mountain Hotéis em Monterosa Ski Hotéis em Val Rendena Hotéis em Bolzano and surroundings Hotéis em Syracuse Area Hotéis em Lake Orta Hotéis em Tuscany Coast Hotéis em Valtenesi del Garda Hotéis em Sannio Hotéis em Monferrato Hotéis em Valli Giudicarie Hotéis em Lake Bolsena Hotéis em Chiese Valley Hotéis em Grosseto Area Hotéis em Valle di Casies Hotéis em Lunigiana Hotéis em Provincia di Lecco Hotéis em Carnia Hotéis em Emerald Coast Hotéis em Provincia di Brescia Hotéis em Rovigo Area Hotéis em Pisa Coast Hotéis em Vinschgau Hotéis em Valpolicella Hotéis em Mont Blanc - Italy Hotéis em Fasano Area Hotéis em Rimini Area Hotéis em Val di Susa Hotéis em Ega Valley Hotéis em Sellaronda Hotéis em Marche Coast Hotéis em Euganean Hills Hotéis em Valle d'Itria Hotéis em Altopiano di Folgaria Hotéis em Costa Rei Hotéis em Val Passiria Hotéis em Lago di Caldonazzo Hotéis em Val di Fassa Hotéis em Gran Sasso Hotéis em Altopiano della Paganella Hotéis em Garda Lake - Lombardia Hotéis em Civetta Hotéis em Provincia di Cremona Hotéis em Etna Hotéis em Po Delta Hotéis em Cervinia Hotéis em Gressoney Hotéis em Lazio Coast Hotéis em Garda Veneto Hotéis em Pustertal Hotéis em The Mercadante Forest Hotéis em Pollino National Park Hotéis em Merano and Sorroundings Hotéis em Gallura Hotéis em Costa Paradiso Hotéis em Val D'Elsa Hotéis em Pisa Area Hotéis em Pollino Hotéis em Brunico Hotéis em Cilento Hotéis em Lake Bracciano Hotéis em San Teodoro Coast Hotéis em Imperia Area Hotéis em Foreste Casentinesi, Monte Falterona, Campigna National Park Hotéis em Costa Verde Hotéis em Ravenna Area Hotéis em Pistoia Area Hotéis em Cadore Hotéis em Texel Group National Park Hotéis em Costa d'Argento Hotéis em Taormina Bay Hotéis em Monti della Laga Hotéis em Taormina Hotéis em Valdarno Hotéis em Riviera Ovest Hotéis em Ferrara Area Hotéis em Modena Area Hotéis em Trentino Hotéis em Valle Isarco Hotéis em Parma Hotéis em Valsesia Monterosa Hotéis em Oltradige - Bassa Atesina Hotéis em Lidi di Comacchio Hotéis em National Park of Abruzzo Hotéis em Livinallongo del Col di Lana Hotéis em Italy South Hotéis em Val di Fiemme Hotéis em Champoluc Hotéis em Sciliar Hotéis em Alto Garda e Ledro Hotéis em Foresta Umbra Hotéis em Langhe Hotéis em Barbagia Hotéis em Milano Hotéis em Alta Valtellina Hotéis em Sorrentine Peninsula Hotéis em Rimini Coast Hotéis em Brescia Area Hotéis em Genova Area Hotéis em San Martino di Castrozza Hotéis em Ogliastra Hotéis em Trentino Ski East Hotéis em Verona Area Hotéis em Provincia di Biella Hotéis em Garfagnana Hotéis em Maremma Coast Hotéis em Valle Aurina Hotéis em Val Senales Hotéis em Monti Sibillini Hotéis em Ortisei Hotéis em Versilia Hotéis em South Tyrol Hotéis em Val Gardena Hotéis em Lake Trasimeno Hotéis em Cimone Hotéis em Tuscan Archipelago Hotéis em Provincia di Pavia Hotéis em Sugana Valley Hotéis em Monti Nebrodi Hotéis em Val d'Ayas Hotéis em Sestriere Hotéis em South Veneto Coast Hotéis em Ravenna Beaches Hotéis em Gulf of Orosei Hotéis em Parco Paneveggio Pale di San Martino Hotéis em Porto Cesareo Beaches Hotéis em Plan de Corones Hotéis em Belluno Area Hotéis em Lake Lugano Hotéis em Val di Sole Hotéis em Valcamonica Hotéis em Valtellina Hotéis em Area Nord Hotéis em Massa Carrara Area Hotéis em Dolomiti Ski Hotéis em Primiero Hotéis em Abruzzo Coast Hotéis em Arezzo Area Hotéis em Piacenza Area Hotéis em Madonie Regional Natural Park Hotéis em Amalfi Coast Hotéis em Provincia di Lodi Hotéis em Massa Carrara Coast Hotéis em Riviera Est Hotéis em Majella National Park Hotéis em Lake Caldaro Hotéis em Lake Vico Hotéis em Alta Badia Hotéis em Folgarida Hotéis em Chianti Hotéis em North Adriatic Coast Hotéis em Cavalese Hotéis em Mendel Pass Hotéis em Sila National Park Hotéis em Val di Chiana Aretina Hotéis em Prato Area Hotéis em La Spezia Area Hotéis em Provincia di Como Hotéis em Sulcis Iglesiente Hotéis em Zingaro Nature Reserve Hotéis em Stelvio National Park Hotéis em Adamello Ski Hotéis em Valle di Ledro Hotéis em Madonna di Campiglio Hotéis em Burgraviato Hotéis em Skirama Dolomiti Adamello Brenta Hotéis em Prosecco area Hotéis em Oltrepo Pavese Hotéis em Trieste Area Hotéis em Pordenone Area Hotéis em Gorizia Area Hotéis em Tarvisiano Area Hotéis em Udine Area Sobre nós Atendimento ao cliente FAQ Termos & Condições Política de Privacidade Adicionar hotel Afiliados Widget do tempo Visite todos os sites de Booked: EN - Sicily hotels DE - Hotels Sizilien FR - Hôtels Sicile ES - Sicilia hoteles IT - Hotel Sicilia NL - Sicilië hotels SV - Hotell Sicilien DA - Sicilien hoteller HU - Szálláshelyek itt: Szicília PL - Hotele Sycylia EL - Σικελία ξενοδοχεία JA - シチリア州ホテル ZH - 西西里大区酒店 KO - 시칠리 호텔 HE - מלונות בסיציליה TR - Sicilya otelleri AR - فنادق في صقلية UK - Готелі Сицилії © 2007-2018 ibooked.com.br.



http://www.maisfutebol.iol.pt/internacional/italia/estadios
  Jogos futebol internacional em directo | Maisfutebol.iol.pt - Jogos online em directo | Futebol Internacional MENU MAISFUTEBOL Facebook Twitter YouTube Instagram RSS mftotal Facebook Twitter YouTube Instagram RSS INÍCIO NOTÍCIAS ÚLTIMAS Mais lidas agora Liga NOS II Liga Internacional Liga dos Campeões Liga Europa Made in Seleção Opinião Transferências Jornal do Incrível Futsal Futebol Feminino Desporto ... France INGLATERRA Premier League Championship FA Cup League Cup ITÁLIA Serie A Coppa Italia LIGA NOS ... ) Championship Championship (estatísticas) FA Cup League Cup Clubes Estádios ITÁLIA Notícias Serie A Serie ... ITÁLIA - Serie A LIGA MAISFUTEBOL MAISFUTEBOL de A a Z NEWSLETTER CLASSIFICAÇÃO: 55 53 53 46 36 30 30 29 ... Estatísticas Clubes Estádios ITÁLIA Notícias Resultados e Classificações Estatísticas Clubes Estádios ... Bedfont Sports 8 ago Coppa Italia Empoli Siracusa 6 ago ITÁLIA Estádios Stadio San Paolo Napoli CACHE

Jogos futebol internacional em directo | Maisfutebol.iol.pt - Jogos online em directo | Futebol Internacional MENU MAISFUTEBOL Facebook Twitter YouTube Instagram RSS mftotal Facebook Twitter YouTube Instagram RSS INÍCIO NOTÍCIAS ÚLTIMAS Mais lidas agora Liga NOS II Liga Internacional Liga dos Campeões Liga Europa Made in Seleção Opinião Transferências Jornal do Incrível Futsal Futebol Feminino Desporto Motorizado Outras modalidades Andebol Atletismo Basquetebol Ciclismo Hoquei em Patins Desporto Motorizado Ténis Voleibol De A a Z JOGOS HOJE JOGOS AO VIVO REVISTA VÍDEOS TODOS OS VÍDEOS Informação Programa MAISFUTEBOL Golos e resumos da Liga Programas TVI FC Porto Benfica Sporting Liga NOS FOTOS PROGRAMA MAISFUTEBOL RESULTADOS E CLASSIFICAÇÕES PORTUGAL Liga NOS Liga de Honra Campeonato de Portugal Taça de Portugal Taça da Liga UEFA Liga dos Campeões Liga Europa ALEMANHA Bundesliga DFB Pokal BRASIL - Serie A ESPANHA Primeira Divisão Segunda Divisão Copa Del Rei FRANÇA Ligue 1 Coupe de France INGLATERRA Premier League Championship FA Cup League Cup ITÁLIA Serie A Coppa Italia LIGA NOS Notícias Resultados e classificação Clubes Estatísticas Marcadores Jogadores Estádios Ranking MF 1º FC Porto 2º Benfica 3º Sporting 4º Sp. Braga 5º Rio Ave 6º Boavista 7º Desp. Chaves 8º Vitória Guimarães 9º Marítimo 10º Tondela 11º Portimonense 12º Paços Ferreira 13º Belenenses 14º Estoril 15º Feirense 16º Desportivo Aves 17º Moreirense 18º Vitória Setúbal INTERNACIONAL Todas as notícias ALEMANHA Notícias Bundesliga Bundesliga (estatísticas) DFB Pokal Clubes Estádios BRASIL Notícias Serie A Serie A (estatísticas) Clubes Estádios ESPANHA Notícias Primera división Primera división (estatísticas) Segunda división Segunda división (estatísticas) Clubes Estádios FRANÇA Notícias Ligue 1 Ligue 1 (estatísticas) Clubes Estádios INGLATERRA Notícias Premier League Premier League (estatísticas) Championship Championship (estatísticas) FA Cup League Cup Clubes Estádios ITÁLIA Notícias Serie A Serie A (estatísticas) Coppa Italia Clubes Estádios JOGADORES ESTATÍSTICAS PORTUGAL Liga NOS Liga de Honra Campeonato de Portugal UEFA Liga dos Campeões Liga Europa ALEMANHA - Bundesliga BRASIL - Serie A ESPANHA Primera división Segunda división FRANÇA - Ligue 1 INGLATERRA Premier League Championship ITÁLIA - Serie A LIGA MAISFUTEBOL MAISFUTEBOL de A a Z NEWSLETTER CLASSIFICAÇÃO: 55 53 53 46 36 30 30 29 29 25 24 21 21 21 20 20 19 18 LIVE Atalhos: Últimas JOGOS AO VIVO VÍDEOS: golos e resumos Liga NOS Resultados e classificações LIGA FANTASY INTERNACIONAL ALEMANHA Notícias Resultados e Classificações Estatísticas Clubes Estádios BRASIL Notícias Resultados e Classificações Estatísticas Clubes Estádios ESPANHA Notícias Resultados e Classificações Estatísticas Clubes Estádios FRANÇA Notícias Resultados e Classificações Estatísticas Clubes Estádios INGLATERRA Notícias Resultados e Classificações Estatísticas Clubes Estádios ITÁLIA Notícias Resultados e Classificações Estatísticas Clubes Estádios OUTROS PAÍSES ESTATÍSTICAS Total de golos 654 2.73 G/J Melhor Ataque 61 GM Melhor Defesa 15 GS ESTATÍSTICAS DA Serie A ÚLTIMOS JOGOS Bundesliga Werder Bremen 3 Wolfsburgo 1 Primera División Deportivo Corunha 0 Bétis 1 Ligue 1 Lyon 0 Rennes 2 Serie A Roma 5 Benevento 2 PRÓXIMOS JOGOS Bundesliga Hertha BSC Mainz 05 16 fev Serie A América Mineiro Sport Recife 14 abr Segunda División Valladolid Huesca 16 fev Coupe de France Plessis Robinson 92 Porto Portugais Amiens 11 nov FA Cup Haywards Heath Town Bedfont Sports 8 ago Coppa Italia Empoli Siracusa 6 ago ITÁLIA Estádios Stadio San Paolo Napoli, Itália Nápoles Juventus Stadium Torino, Itália Juventus Stadio Giuseppe Meazza Milano, Itália Inter Stadio Olimpico Roma, Itália Roma Stadio Olimpico Roma, Itália Lazio Stadio Comunale Luigi Ferraris Genova, Itália Sampdoria Stadio Giuseppe Meazza Milano, Itália Milan Stadio Atleti Azzurri d'Italia Bergamo, Itália Atalanta Stadio Olimpico di Torino Torino, Itália Torino Stadio Communale Friuli Udine, Itália Udinese Stadio Artemio Franchi Firenze, Itália Fiorentina Stadio Comunale Luigi Ferraris Genova, Itália Genoa Stadio Renato Dall'Ara Bologna, Itália Bolonha Stadio Is Arenas Quartu Sant'Elena, Itália Cagliari Stadio Città del Tricolore Reggio Emilia, Itália Sassuolo Stadio Marc'Antonio Bentegodi Verona, Itália Chievo Stadio Ezio Scida Crotone, Itália Crotone Stadio Paolo Mazza Ferrara, Itália Real SPAL Stadio Marc'Antonio Bentegodi Verona, Itália Hellas Verona Stadio Ciro Vigorito Benevento, Itália Benevento ESTATÍSTICAS Total de golos 654 2.73 G/J Melhor Ataque 61 GM Melhor Defesa 15 GS ESTATÍSTICAS DA Serie A ÚLTIMOS JOGOS Bundesliga Werder Bremen 3 Wolfsburgo 1 Primera División Deportivo Corunha 0 Bétis 1 Ligue 1 Lyon 0 Rennes 2 Serie A Roma 5 Benevento 2 PRÓXIMOS JOGOS Bundesliga Hertha BSC Mainz 05 16 fev Serie A América Mineiro Sport Recife 14 abr Segunda División Valladolid Huesca 16 fev Coupe de France Plessis Robinson 92 Porto Portugais Amiens 11 nov FA Cup Haywards Heath Town Bedfont Sports 8 ago Coppa Italia Empoli Siracusa 6 ago PUB APP MAISFUTEBOL O MAISFUTEBOL na palma da sua mão! Não falhe um golo, uma transferência ou uma notícia com a nossa aplicação GRATUITA para smartphone! MAISFUTEBOL COPYRIGHT © 2017 IOL.PT - Di



https://pt.wikipedia.org/wiki/Fran%C3%A7a-It%C3%A1lia_em_futebol
  França-Itália em futebol – Wikipédia, a enciclopédia livre França-Itália em futebol Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Histórico dos resultados dos confrontos de futebol entre França e Itália : Os confrontos França-Itália Data Cidade Jogo Resultado Competição 15 de maio de 1910 Milão Itália Itália - França 6-2 jogo amigável 9 de abril de 1911 Saint-Ouen França França ... França-Itália em futebol – Wikipédia, a enciclopédia livre França-Itália em futebol Origem ... futebol entre França e Itália : Os confrontos França-Itália Data Cidade Jogo Resultado Competição 15 de maio de 1910 Milão Itália Itália - França 6-2 jogo amigável 9 de abril de 1911 Saint-Ouen França França - Itália 2-2 jogo amigável 17 de março de 1912 Turim Itália Itália - França 3-4 jogo amigável 12 de janeiro de 1913 Saint-Ouen França França - Itália 1-0 jogo amigável 29 de março de 1914 CACHE

França-Itália em futebol – Wikipédia, a enciclopédia livre França-Itália em futebol Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Histórico dos resultados dos confrontos de futebol entre França e Itália : Os confrontos França-Itália Data Cidade Jogo Resultado Competição 15 de maio de 1910 Milão Itália Itália - França 6-2 jogo amigável 9 de abril de 1911 Saint-Ouen França França - Itália 2-2 jogo amigável 17 de março de 1912 Turim Itália Itália - França 3-4 jogo amigável 12 de janeiro de 1913 Saint-Ouen França França - Itália 1-0 jogo amigável 29 de março de 1914 Turim Itália Itália - França 2-0 jogo amigável 18 de janeiro de 1920 Milão Itália Itália - França 9-4 jogo amigável 20 de fevereiro de 1921 Marselha França França - Itália 1-2 jogo amigável 22 de março de 1925 Turim Itália Itália - França 7-0 jogo amigável 24 de abril de 1927 Colombes França França - Itália 3-3 jogo amigável 25 de janeiro de 1931 Bologna Itália Itália - França 5-0 jogo amigável 10 de abril de 1932 Colombes França França - Itália 1-2 jogo amigável 17 de fevereiro de 1935 Roma Itália Itália - França 2-1 jogo amigável 5 de dezembro de 1937 Paris França França - Itália 0-0 jogo amigável 12 de junho de 1938 Colombes França França - Itália 1-3 Copa do Mundo de 1938 4 de dezembro de 1938 Nápoles Itália Itália - França 1-0 jogo amigável 4 de abril de 1948 Colombes França França - Itália 1-3 jogo amigável 3 de junho de 1951 Génova Itália Itália - França 4-1 jogo amigável 11 de abril de 1954 Colombes França França - Itália 1-3 jogo amigável 5 de maio de 1956 Bologna Itália Itália - França 2-0 jogo amigável 9 de novembro de 1958 Colombes França França - Itália 2-2 jogo amigável 5 de maio de 1962 Florença Itália Itália - França 2-1 jogo amigável 19 de março de 1966 Paris França França - Itália 0-0 jogo amigável 8 de fevereiro de 1978 Nápoles Itália Itália - França 2-2 jogo amigável 2 de junho de 1978 Mar del Plata Argentina Itália - França 2-1 Copa do Mundo de 1978 23 de fevereiro de 1982 Paris França França - Itália 2-0 jogo amigável 17 de junho de 1986 Cidade do México México França - Itália 2-0 Copa do Mundo de 1986 16 de fevereiro de 1994 Nápoles Itália Itália - França 0-1 jogo amigável 11 de junho de 1997 Paris França França - Itália 2-2 Torneio da França (amigável) 3 de julho de 1998 Saint-Denis França França - Itália 0-0 (4-3 pen) Copa do Mundo de 1998 2 de julho de 2000 Roterdão Países Baixos Itália - França 1-2 a.p. Euro 2000 9 de julho de 2006 Berlim Alemanha Itália - França 1-1 (5-3 pen) Copa do Mundo de 2006 6 de setembro de 2006 Paris França França - Itália 3-1 Qualificações para o Euro 2008 8 de setembro de 2007 Milão Itália Itália - França 0-0 Qualificações para o Euro 2008 17 de junho de 2008 Zurique Suíça França - Itália 0-2 Euro 2008 Estatísticas [ editar | editar código-fonte ] Até 9 de janeiro de 2010 Casa Fora Total França - Itália Total Fora Casa 15 19 34 Jogos 34 15 19 4 3 7 Vitórias 17 5 12 6 4 10 Empates 10 6 4 5 12 17 Derrotas 7 4 3 21 21 42 Golos marcados 74 23 51 23 51 74 Golos sofridos 42 21 21 Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] Estatísticas na FIFA (em inglês ) v • e Seleção Francesa de futebol por adversário Atuais África do Sul • Albânia • Argélia • Alemanha • Andorra • Arábia Saudita • Argentina • Armênia • Austrália • Áustria • Azerbaijão • Bélgica • Bósnia e Herzegovina • Brasil • Bulgária • Camarões • Canadá • Chile • China • Chipre • Colômbia • Coreia do Sul • Costa Rica • Croácia • Costa do Marfim • Dinamarca • Egito • Equador • Escócia • Eslováquia • Eslovênia • Espanha • Estados Unidos • Finlândia • Geórgia • Grécia • Hungria • Ilhas Faroé • Inglaterra • Irã • Irlanda • Irlanda do Norte • Islândia • Israel • Itália • Japão • Kuwait • Lituânia • Luxemburgo • Malta • Marrocos • México • Nigéria • Noruega • Nova Zelândia • País de Gales • Países Baixos • Paraguai • Peru • Polónia • Portugal • República Tcheca • Romênia • Rússia • Senegal • Sérvia • Suécia • Suíça • Togo • Tunísia • Turquia • Ucrânia • Uruguai Extintos Alemanha Oriental • Iugoslávia • Tchecoslováquia • União Soviética v • e Seleção Italiana de Futebol por adversário Atuais Alemanha • Angola • Argentina • Austrália • Bélgica • Brasil • Bulgária • Camarões • Chile • Coreia do Norte • Coreia do Sul • Dinamarca • Egito • Espanha • Estados Unidos • França • Grécia • Gana • Haiti • Holanda • Hungria • Inglaterra • Irlanda • Japão • Marrocos • México • Montenegro • Nigéria • Noruega • Paraguai • Polónia • Portugal • República Checa • Roménia • Rússia • Suécia • Suíça • Turquia • Ucrânia • Uruguai Extintos RFA • RDA • Checoslováquia • Jugoslávia • Sérvia e Montenegro Portal do futebol Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=França-Itália_em_futebol&oldid=45783968 ' Categorias : Seleção Francesa de Futebol por adversário Seleção italiana de futebol por adversário Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Nederlands Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 04h39min de 3 de junho de 2016. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria%3AIt%C3%A1lia_no_Festival_Eurovis%C3%A3o_da_Can%C3%A7%C3%A3o
  Categoria:Itália no Festival Eurovisão da Canção – Wikipédia, a enciclopédia livre Ajuda Categoria:Itália no Festival Eurovisão da Canção Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta categoria contém artigos sobre participações italianas no Festival Eurovisão da Canção . Páginas na categoria 'Itália no Festival Eurovisão da Canção' Esta categoria contém as seguintes ... Canção . Páginas na categoria 'Itália no Festival Eurovisão da Canção' Esta categoria contém as seguintes 76 páginas (de um total de 76). Itália no Festival Eurovisão da Canção A Addio, addio Al di là ... G Gente di mare I giorni dell'arcobaleno I Insieme: 1992 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1956 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1957 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1958 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1959 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1960 Itália no Festival CACHE

Categoria:Itália no Festival Eurovisão da Canção – Wikipédia, a enciclopédia livre Ajuda Categoria:Itália no Festival Eurovisão da Canção Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta categoria contém artigos sobre participações italianas no Festival Eurovisão da Canção . Páginas na categoria 'Itália no Festival Eurovisão da Canção' Esta categoria contém as seguintes 76 páginas (de um total de 76). Itália no Festival Eurovisão da Canção A Addio, addio Al di là Amami se vuoi L'amore è un attimo Aprite le finestre Avrei voluto C Chi sarà Comme è ddoce 'o mare Corde della mia chitarra D Dio, come ti amo Due grosse lacrime bianche E Era (canção) F Fiumi di parole G Gente di mare I giorni dell'arcobaleno I Insieme: 1992 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1956 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1957 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1958 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1959 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1960 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1961 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1962 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1963 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1964 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1965 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1966 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1967 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1968 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1969 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1970 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1971 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1972 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1973 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1974 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1975 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1976 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1977 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1978 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1979 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1980 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1983 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1984 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1985 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1987 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1988 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1989 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1990 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1991 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1992 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1993 Itália no Festival Eurovisão da Canção 1997 L Libera (canção) M Magic Oh Magic Marianne (canção) N Non andare più lontano Non ho l'età Non so che darei O Occhi di ragazza Occidentali's Karma P Per Lucia Piove (Ciao, ciao bambina) Q Questo amore (canção) R Raggio di luna Rapsodia Ricchi e Poveri Romantica S Se piangi, se ridi Sì Sole d'Europa T I treni di Tozeur U Uno per tutte V Vivo (Ti scrivo) Volare (canção) W We'll live it all again (lo rivivrei) Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Categoria:Itália_no_Festival_Eurovisão_da_Canção&oldid=35265855 ' Categorias : Países no Festival Eurovisão da Canção Música da Itália Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Categoria Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Noutros idiomas Azərbaycanca Deutsch English Español فارسی Français Հայերեն 한국어 Nederlands Norsk nynorsk Русский Türkçe Українська Tiếng Việt Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 00h54min de 4 de abril de 2013. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/N%C3%A1poles
  Nápoles – Wikipédia, a enciclopédia livre Nápoles Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Nota: 'Napoli' redireciona para este artigo. Para o clube, veja Società Sportiva Calcio Napoli . Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes , mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2012) . Por favor, insira mais referências ... Localização de Nápoles na Itália Coordenadas 40° 50' N 14° 15' E País Itália Região Campânia ... Histórico de Nápoles * Património Mundial da UNESCO Via Toledo País Itália Tipo Cultural Critérios ii, iv ... UNESCO. Nápoles (em italiano : Napoli . em napolitano : Napule ) é uma comuna do sul de Itália , da ... , Avellino e Salerno ). Nápoles é a terceira cidade mais populosa da Itália após Roma e Milão e tem ... Reino de Itália em 1861. Nessa cidade, nasceram os papas : Bonifácio V , Urbano VI , Bonifácio IX CACHE

Nápoles – Wikipédia, a enciclopédia livre Nápoles Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Nota: 'Napoli' redireciona para este artigo. Para o clube, veja Società Sportiva Calcio Napoli . Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes , mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2012) . Por favor, insira mais referências no texto . Material sem fontes poderá ser removido . — Encontre fontes: Google ( notícias , livros e acadêmico ) Coordenadas : 40° 50' N 14° 15' E Nápoles Bandeira Brasão de armas Nápoles Localização de Nápoles na Itália Coordenadas 40° 50' N 14° 15' E País Itália Região Campânia Província Nápoles Área - Total 117 km² Altitude 17 m População - Total 993 386 • Densidade 8 490 hab./km² Código Postal 80100 Código ISTAT 063049 Comunas limítrofes Arzano , Casandrino , Casavatore , Casoria , Cercola , Marano di Napoli , Melito di Napoli , Mugnano di Napoli , Portici , Pozzuoli , Quarto , San Giorgio a Cremano , San Sebastiano al Vesuvio , Volla Prefixo telefônico 081 Fiscal F839 Orago padroeiro São Januário de Benevento ( San Gennaro ) Sítio http://www.comune.napoli.it Centro Histórico de Nápoles * Património Mundial da UNESCO Via Toledo País Itália Tipo Cultural Critérios ii, iv Referência 726 Região ** Europa e América do Norte Histórico de inscrição Inscrição 1995 (19ª sessão ) * Nome como inscrito na lista do Património Mundial. ** Região, segundo a classificação pela UNESCO. Nápoles (em italiano : Napoli . em napolitano : Napule ) é uma comuna do sul de Itália , da região da Campânia , província de Nápoles , com cerca de 1 000 000 habitantes (cens. 2001) e com cerca de 4 400 000 habitantes na região metropolitana (que compreende áreas na província de Caserta , Avellino e Salerno ). Nápoles é a terceira cidade mais populosa da Itália após Roma e Milão e tem a segunda ou terceira maior (dependendo dos dados) região metropolitana do país. Estende-se por uma área de 117 km² , de densidade populacional 849 hab./km². [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] É conhecida mundialmente pela sua história, sua música, seus encantos naturais e por ser a terra natal da pizza . O centro histórico de Nápoles é Património Mundial da UNESCO Índice 1 História 2 Rede urbana e população 3 Demografia 4 Geografia 4.1 Clima 5 Arquitetura e pontos turísticos 6 Referências 7 Ligações externas História [ editar | editar código-fonte ] Nápoles foi construída a poucos metros de uma outra cidade já existente, Partênope , que passou a ser chamada de Paleópolis ('cidade velha'). Foi conquistada pelos romanos em 327 a.C. durante a Segunda Guerra Samnita . No século VI d.C. , passou para domínio bizantino e, no século VIII , constituiu-se em ducado independente . Em 1139 , passou a pertencer ao Reino da Sicília . A universidade foi fundada em 5 de Junho de 1224. Passou a ser, no final do século XVIII , a capital do reino. Em 1282 , passou para a coroa de Aragão , sendo denominado reino de Nápoles . No século XIX , passou a ser independente, sendo anexada ao Reino da Sardenha em 1860 e ao Reino de Itália em 1861. Nessa cidade, nasceram os papas : Bonifácio V , Urbano VI , Bonifácio IX , Paulo IV , Inocêncio XII . Rede urbana e população [ editar | editar código-fonte ] Capital da província homónima e da região Campânia, é a terceira municipalidade da Itália por número de habitantes (dados do ISTAT ). o último recenseamento (2006) encontra uma população de 975 139 habitantes, mais do que um sexto da população regional inteira e aproximadamente um terço da população de sua província. Atualmente a municipalidade de Nápoles é 18° da Europa por população. A cidade em si é estendida muito além da superfície comunal, embora uma definição de seus limites não possa ser univocal. Os dados do UN de 2005 atribuem ao inteiro aglomerado da cidade uma população de aproximadamente 2 200 000 habitantes, mas vai lembado que são dados de várias fontes que variam de acordo com o método de cálculo usado (para l' aglomerado da cidade mas também sobretudo para a definição dos limites da área metropolitana). A Região Metropolitana , Área Metropolitana de Nápoles segundo a estima do OCSE alcançaria aproximadamente 3.100.000 habitantes, atrás de Milão e de Roma. Em outras fontes aparece ser a segunda área metropolitana da Itália por população após Milão, somente para citar algumas: o U.S. Census Bureau and Times Atlas of the World estima uma população de aproximadamente 3 milhão habitantes, enquanto os dados de Eurostat contam aproximadamente 4 milhões e as fontes SVIMEZ atribuem preferivelmente 4.392.835 distribuídos em un' área de 2.252 km², fazendo da segunda área metropolitana italiana por população. A área metropolitana resulta ser, em todo caso, uma das mais populosas e densamente povoadas da União Europeia (em 2007 resultava ser a oitava em Europa e 86° ao mundo). Os urbanistas chamam o inteiro território urbanizado de 'a grande Napoli'. o crescimento da cidade conseguiu de facto integrar municípios da província de Salerno e de Caserta . [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] A costa metropolitana é estendida ininterruptaamente desde Capo Miseno a Castellammare di Stabia. Demografia [ editar | editar código-fonte ] Variação demográfica do município entre 1861 e 2011 [ 4 ] Fonte : Istituto Nazionale di Statistica (ISTAT) - Elaboração gráfica da Wikipedia Geografia [ editar | editar código-fonte ] Localiza-se no golfo de Nápoles , no mar Tirreno . É um porto importante e o principal centro industrial e comercial do sul do país. É, também, um centro turístico pois nos seus subúrbios localizam-se vários locais de interesse: o vulcão do monte Vesúvio , as ruínas de Pompeia e de Herculano e as ilhas de Capri e de Ísquia . O seu centro histórico foi declarado património mundial pela UNESCO . Clima [ editar | editar código-fonte ] Nápoles tem um clima tipicamente mediterrânico , com invernos moderados e chuvosos e verões quentes e secos, porém sempre refrescados pela brisa marítima que raramente falta no seu golfo. O sol esplende mediamente por 250 dias por ano [ 5 ] . A classificação climática das comunas italianas insere a cidade na zona climática C . A particular conformação morfológica do território leva a que a cidade apresente diferentes microclimas , com a possibilidade de encontrar variações atmosféricas significativas movimentando-se apenas de poucos quilómetros. Nápoles com o Vesúvio ao fundo Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Anual Máximas médias °C 12 12 15 17 22 26 29 29 26 21 16 13 20 Mínimas médias °C 4 5 6 8 12 16 18 18 16 12 8 5 11 Chuvamm. 90 80 70 70 50 30 20 30 70 130 120 110 940 Fonte: Weatherbase Arquitetura e pontos turísticos [ editar | editar código-fonte ] Castelo do Ovo Castel Nuovo Fontanário do Gigante Palácio Real Piazza Dante Piazza del Plebiscito Reggia di Capodimonte Teatro San Carlo Villa Pignatelli Museu Arqueológico Nacional Referências ↑ a b «Statistiche demografiche ISTAT» (em italiano). Dato istat ↑ a b «Popolazione residente al 31 dicembre 2010» (em italiano). Dato istat ↑ a b « Istituto Nazionale di Statistica » 🔗 (em italiano). Statistiche I.Stat ↑ a b « Istituto Nazionale di Statistica » 🔗 (em italiano). Statistiche I.Stat ↑ http://www.portanapoli.com/Ita/body_meteo.html (em italiano ) Segundo o site www.portanapoli.com Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema: Citações no Wikiquote Imagens e media no Commons Categoria no Commons Guia turístico no Wikivoyage Commons Commons Wikiquote Wikivoyage Site oficial da comuna de Nápoles Este artigo sobre Geografia da Itália é um esboço . Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o . Portal da geografia Portal da Itália v • e Província de Nápoles Capital Nápoles Comunas Acerra‎ • Afrágola‎ • Agerola‎ • Anacapri‎ • Arzano‎ • Bacoli‎ • Barano d'Ischia‎ • Boscoreale‎ • Boscotrecase‎ • Brusciano‎ • Caivano‎ • Calvizzano‎ • Camposano‎ • Capri‎ • Carbonara di Nola‎ • Cardito‎ • Casalnuovo di Napoli‎ • Casamarciano‎ • Casamicciola Terme‎ • Casandrino‎ • Casavatore‎ • Casola di Napoli‎ • Casoria‎ • Castellammare di Stabia‎ • Castello di Cisterna‎ • Cercola‎ • Cicciano‎ • Cimitile‎ • Comiziano‎ • Crispano‎ • Ercolano‎ • Forio‎ • Frattamaggiore‎ • Frattaminore‎ • Giugliano in Campania‎ • Gragnano‎ • Grumo Nevano‎ • Ísquia‎ • Lacco Ameno‎ • Lettere‎ • Liveri‎ • Marano di Napoli‎ • Mariglianella‎ • Marigliano‎ • Massa di Somma‎ • Massa Lubrense‎ • Melito di Napoli‎ • Meta‎ • Monte di Procida‎ • Mugnano di Napoli‎ • Nápoles‎‎ • Nola‎ • Ottaviano‎ • Palma Campania‎ • Piano di Sorrento‎ • Pimonte‎ • Poggiomarino‎ • Pollena Trocchia‎ • Pomigliano d'Arco‎ • Pompeia‎ • Portici‎‎ • Pozzuoli‎ • Prócida‎ • Qualiano‎ • Quarto‎ • Roccarainola‎ • San Gennaro Vesuviano‎ • San Giorgio a Cremano‎ • San Giuseppe Vesuviano‎ • San Paolo Bel Sito‎ • San Sebastiano al Vesuvio‎ • San Vitaliano‎ • Santa Maria la Carità‎ • Sant'Agnello‎ • Sant'Anastasia‎ • Sant'Antimo‎ • Sant'Antonio Abate‎ • Saviano‎ • Scisciano‎ • Serrara Fontana‎ • Somma Vesuviana‎ • Sorrento‎ • Striano‎ • Terzigno‎ • Torre Annunziata‎ • Torre del Greco‎ • Trecase‎ • Tufino‎ • Vico Equense‎ • Villaricca‎ • Visciano‎ • Volla‎ • Lista de comunas na província de Nápoles v • e Patrimônio Mundial na Itália Arte Rupestre do Val Camonica • Centro Histórico de Roma , Propriedades da Santa Sé e Basílica de São Paulo Extramuros • Igreja e Convento Dominicano de Santa Maria delle Grazie com 'A Última Ceia' de Leonardo da Vinci • Centro Histórico de Florença • Piazza del Duomo, Pisa • Veneza e sua Lagoa • Centro Histórico de San Gimignano • Sassi di Matera • Cidade de Vicenza e Villas de Palladio no Véneto • Centro Histórico de Siena • Centro Histórico de Nápoles • Crespi d'Adda • Ferrara, Cidade do Renascimento, e o seu Delta do Pó • Castel del Monte • Centro Histórico da Cidade de Pienza • Trulli de Alberobello • Monumentos Paleocristãos de Ravena • Catedral , Torre Civica e Piazza Grande , Módena • Costa Amalfitana • Jardim Botânico de Pádua • Palácio barroco de Caserta e jardins, Aqueduto de Vanvitelli e Complexo arquitectónico de San Leucio • Portovenere, Cinque Terre e as Ilhas (Palmaria, Tino e Tinetto) • Residências da Casa de Saboia • Su Nuraxi de Barumini • Villa Romana del Casale • Zona Arqueológica de Agrigento • Zonas Arqueológicas de Pompeia , Herculano e Torre Annunziata • Centro Histórico de Urbino • Parque Nacional do Cilento e do Vale de Diano • Zona Arqueológica e Basílica Patriarcal de Aquileia • Vila Adriana • Assis, Basílica de São Francisco e outros Sítios Franciscanos • Ilhas Eólias • Cidade de Verona • Villa d'Este • Cidades do Barroco Tardio do Val di Noto • Sacri Monti do Piemonte e da Lombardia • Necrópoles Etruscas de Cerveteri e Tarquinia • Vale de Orcia • Siracusa e a Necrópole Rochosa de Pantalica • Génova: Le Strade Nuove e o sistema dos Palazzi dei Rolli • Mântua e Sabbioneta • Caminho-de-ferro Récio na Paisagem da Albula e da Bernina • Dolomitas • Lombardos na Itália. Locais do poder (568-774) • Sítios palafíticos pré-históricos em redor dos Alpes • Monte Etna • Vilas e Jardins dos Médici na Toscana • Paisagem vinícola do Piemonte: Langhe-Roero e Monferrato • Palermo árabe-normanda e as Catedrais de Cefalù e Monreale • Obras venezianas de defesa dos séculos XV a XVII: Stato da Terra – Stato da Mar ocidental Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Nápoles&oldid=50932832 ' Categorias : Nápoles Patrimônio Mundial da UNESCO na Itália Categorias ocultas: !CS1 italiano-fontes em língua (it) !Artigos que carecem de notas de rodapé desde janeiro de 2012 !Artigos de geografia (Europa) que carecem de notas de rodapé !Imagem local diferente da no Wikidata !Infobox com geocoordenadas !Esboços maiores que 10000 bytes !Esboços sobre geografia da Itália Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Wikiquote Wikivoyage Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Afrikaans Alemannisch አማርኛ Aragonés العربية مصرى Asturianu Aymar aru Azərbaycanca تۆرکجه Žemaitėška Беларуская Беларуская (тарашкевіца)‎ Български বাংলা Brezhoneg Bosanski Català Нохчийн Cebuano کوردی Čeština Чӑвашла Cymraeg Dansk Deutsch Ελληνικά Emiliàn e rumagnòl English Esperanto Español Eesti Euskara Estremeñu فارسی Suomi Français Nordfriisk Furlan Frysk Gaeilge Gàidhlig Galego Hausa 客家語/Hak-kâ-ngî עברית हिन्दी Hrvatski Hornjoserbsce Magyar Հայերեն Interlingua Bahasa Indonesia Interlingue Ido Íslenska Italiano 日本語 Basa Jawa ქართული Qaraqalpaqsha Қазақша 한국어 Коми Кыргызча Latina Ladino Lëtzebuergesch Лезги Ligure Lumbaart Lingála Lietuvių Latviešu Олык марий Македонски മലയാളം मराठी Bahasa Melayu مازِرونی Napulitano नेपाल भाषा Nederlands Norsk nynorsk Norsk Occitan Ирон Kapampangan Papiamentu Picard Deitsch Polski Piemontèis پنجابی Runa Simi Rumantsch Română Tarandíne Русский संस्कृतम् Sardu Sicilianu Scots Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenčina Slovenščina Shqip Српски / srpski Svenska Kiswahili Ślůnski தமிழ் Тоҷикӣ ไทย Tagalog Türkçe Татарча/tatarça Twi Удмурт ئۇيغۇرچە / Uyghurche Українська اردو Oʻzbekcha/ўзбекча Vèneto Vepsän kel’ Tiếng Việt West-Vlams Volapük Winaray ייִדיש Yorùbá 中文 文言 Bân-lâm-gú 粵語 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 01h12min de 5 de janeiro de 2018. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



https://pt.wikipedia.org/wiki/Giro_d%E2%80%99Italia
  Giro d'Italia – Wikipédia, a enciclopédia livre Giro d'Italia Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de Giro d’Italia ) Ir para: navegação , pesquisa Passo do Stelvio , uma das montanha do Giro. Volta a Itália Local name Giro d'Italia Região Itália Data Inicio de Maio Tipo Corrida por Etapas (Grande Volta) História Primeira edição 1909 Edições 100 (em 2017 ) Primeiro Vencedor Luigi ... montanha do Giro. Volta a Itália Local name Giro d'Italia Região Itália Data Inicio de Maio Tipo Corrida ... ) Website oficial UCI World Tour O Giro d'Italia (em português Volta à Itália ou Volta da Itália ) é ... semanas e é realizada na Itália durante o mês de maio, podendo avançar até o início de junho. O Giro ... Giro d'Italia Giro Ano Vencedor Nacionalidade Equipe 1 1909 Luigi Ganna Itália 2 1910 Carlo Galetti Itália 3 1911 Carlo Galetti Itália 4 1912 Carlo Galetti , Giovanni Micheletto , Eberardo Pavesi Itália CACHE

Giro d'Italia – Wikipédia, a enciclopédia livre Giro d'Italia Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de Giro d’Italia ) Ir para: navegação , pesquisa Passo do Stelvio , uma das montanha do Giro. Volta a Itália Local name Giro d'Italia Região Itália Data Inicio de Maio Tipo Corrida por Etapas (Grande Volta) História Primeira edição 1909 Edições 100 (em 2017 ) Primeiro Vencedor Luigi Ganna Último vencedor Tom Dumoulin Mais Vitórias Alfredo Binda Fausto Coppi Eddy Merckx (5 vezes) Website oficial UCI World Tour O Giro d'Italia (em português Volta à Itália ou Volta da Itália ) é uma corrida de longa distância para ciclistas profissionais. A corrida tem a duração de três semanas e é realizada na Itália durante o mês de maio, podendo avançar até o início de junho. O Giro d'Italia é considerado a segunda mais importante competição por etapas do ciclismo mundial, atrás apenas do Tour de France . O Giro , Tour de France [ 1 ] e a Vuelta a España compõem as três grandes voltas ciclísticas. A corrida desenvolve-se em etapas por trechos de planície , favoráveis aos sprinters , e em etapas mais duras em trechos de montanha , que junto com as duas etapas cronometradas decidem a volta. Índice 1 História 2 Camisetas 3 Recordes 4 Lista dos vencedores 5 Referências 6 Ver também 7 Ligações externas História [ editar | editar código-fonte ] O Giro foi inspirado no Tour de France . A ideia era para aumentar a circulação do jornal italiano La Gazzetta dello Sport . A primeira edição do giro remonta a 1909 e o seu início foi na cidade de Milão . Foram percorridos um total de 2.448 km, em oito etapas, terminando na mesma capital lombarda com vitória do ciclista italiano Luigi Ganna . A partir de 1909 a competição acontece todos os anos, tendo sido interrompida nos anos da primeira e segunda guerras mundiais, no mês de maio, por três semanas, num percurso mudado a cada ano através da península italiana e por vez em países limítrofes. Camisetas [ editar | editar código-fonte ] A maglia rosa , o símbolo da liderança O líder da classificação geral veste a maglia rosa (camiseta/camisola rosa), cuja cor é devida à cor de impressão do jornal ( Gazzetta dello Sport ) que organizava e é o principal patrocinador da prova. [ 2 ] O líder da classificação geral jovem veste a maglia bianca (camiseta branca) O melhor escalador veste a maglia verde (camiseta/camisola verde), enquanto que o primeiro na classificação por pontos veste a maglia ciclamino (camiseta de cor púrpura). A maglia azzurra (camiseta azul) é vestida pelo líder do intergiro, gran combinata um tipo de classificação especial desta prova. O último colocado da classificação geral usa a maglia nera (camiseta negra). Maglia rosa (classificação geral) Maglia rossa (classificação por pontos) Maglia azzurra (montanha) Maglia bianca (liderança jovem) Em edições antigas foram utilizadas: Maglia nera , (reservado ao último colocado da classificação geral) Maglia azzurra (intergiro, gran combinata) Recordes [ editar | editar código-fonte ] O recorde de vitórias é compartilhado por três ciclistas, dos quais cada um venceu cinco vezes. São eles os italianos Alfredo Binda e Fausto Coppi e o belga Eddy Merckx . O italiano Felice Gimondi é o recordista com nove pódios, sendo três vitórias, dois segundos lugares e quatro terceiros lugares. Lista dos vencedores [ editar | editar código-fonte ] Vencedores do Giro d'Italia Giro Ano Vencedor Nacionalidade Equipe 1 1909 Luigi Ganna Itália 2 1910 Carlo Galetti Itália 3 1911 Carlo Galetti Itália 4 1912 Carlo Galetti , Giovanni Micheletto , Eberardo Pavesi Itália Team Atala 5 1913 Carlo Oriani Itália 6 1914 Alfonso Calzolari Itália 1915 a 1918: corrida suspensa devido à Primeira Guerra Mundial 7 1919 Costante Girardengo Itália 8 1920 Gaetano Belloni Itália 9 1921 Giovanni Brunero Itália 10 1922 Giovanni Brunero Itália 11 1923 Costante Girardengo Itália 12 1924 Giuseppe Enrici Itália 13 1925 Alfredo Binda Itália 14 1926 Giovanni Brunero Itália 15 1927 Alfredo Binda Itália 16 1928 Alfredo Binda Itália 17 1929 Alfredo Binda Itália 18 1930 Luigi Marchisio Itália 19 1931 Francesco Camusso Itália 20 1932 Antonio Pesenti Itália 21 1933 Alfredo Binda Itália 22 1934 Learco Guerra Itália 23 1935 Vasco Bergamaschi Itália 24 1936 Gino Bartali Itália 25 1937 Gino Bartali Itália 26 1938 Giovanni Valetti Itália 27 1939 Giovanni Valetti Itália 28 1940 Fausto Coppi Itália 1941 a 1945: corrida suspensa devido à Segunda Guerra Mundial 29 1946 Gino Bartali Itália 30 1947 Fausto Coppi Itália 31 1948 Fiorenzo Magni Itália 32 1949 Fausto Coppi Itália 33 1950 Hugo Koblet Suíça 34 1951 Fiorenzo Magni Itália 35 1952 Fausto Coppi Itália 36 1953 Fausto Coppi Itália 37 1954 Carlo Clerici Itália 38 1955 Fiorenzo Magni Itália Nivea-Fuchs 39 1956 Charly Gaul Luxemburgo Faema-Guerra 40 1957 Gastone Nencini Itália Chlorodont 41 1958 Ercole Baldini Itália Legnano 42 1959 Charly Gaul Luxemburgo Emi G. S. 43 1960 Jacques Anquetil França Fynsec 44 1961 Arnaldo Pambianco Itália Fides 45 1962 Franco Balmamion Itália Carpano 46 1963 Franco Balmamion Itália Carpano 47 1964 Jacques Anquetil França St. Raphael 48 1965 Vittorio Adorni Itália Salvarani 49 1966 Gianni Motta Itália Molteni 50 1967 Felice Gimondi Itália Salvarani 51 1968 Eddy Merckx Bélgica Faema 52 1969 Felice Gimondi Itália Faema 53 1970 Eddy Merckx Bélgica Faema 54 1971 Gösta Pettersson [ 3 ] Suécia 55 1972 Eddy Merckx Bélgica 56 1973 Eddy Merckx Bélgica 57 1974 Eddy Merckx Bélgica 58 1975 Fausto Bertoglio Itália 59 1976 Felice Gimondi Itália 60 1977 Michel Pollentier Bélgica 61 1978 Johan De Muynck [ 4 ] Bélgica 62 1979 Giuseppe Saronni Itália 63 1980 Bernard Hinault França 64 1981 Giovanni Battaglin Itália 65 1982 Bernard Hinault França 66 1983 Giuseppe Saronni Itália 67 1984 Francesco Moser Itália 68 1985 Bernard Hinault França 69 1986 Roberto Visentini Itália 70 1987 Stephen Roche Irlanda 71 1988 Andrew Hampsten Estados Unidos 7-11/Motorola 72 1989 Laurent Fignon França 73 1990 Gianni Bugno Itália 74 1991 Franco Chioccioli Itália 75 1992 Miguel Induráin Espanha 76 1993 Miguel Induráin Espanha 77 1994 Eugeni Berzin Rússia 78 1995 Tony Rominger Suíça Mapei-GB 79 1996 Pavel Tonkov Rússia Mapei-GB 80 1997 Ivan Gotti Itália Saeco 81 1998 Marco Pantani Itália Mercatone Uno 82 1999 Ivan Gotti Itália Polti 83 2000 Stefano Garzelli Itália Mercatone Uno 84 2001 Gilberto Simoni Itália Lampre-Daikin 85 2002 Paolo Savoldelli Itália Index-Alexia 86 2003 Gilberto Simoni Itália Saeco 87 2004 Damiano Cunego Itália Saeco 88 2005 Paolo Savoldelli Itália Discovery Channel 89 2006 Ivan Basso Itália Team CSC 90 2007 Danilo Di Luca Itália Slipstream-Chipotle 91 2008 Alberto Contador Espanha Astana 92 2009 Denis Menchov Rússia Rabobank 93 2010 Ivan Basso Itália Garmin-Transitions 94 2011 Michele Scarponi Itália Lampre-ISD 95 2012 Ryder Hesjedal Canadá Garmin-Barracuda 96 2013 Vincenzo Nibali Itália Astana 97 2014 Nairo Quintana Colômbia Movistar Team 98 2015 Alberto Contador Espanha Tinkoff-Saxo 99 2016 Vincenzo Nibali Itália Astana 100 2017 Tom Dumoulin Holanda Team Sunweb Referências ↑ «History,Giro d'Italia» (em inglês). CyclingFever . Consultado em 11 de maio de 2012 ↑ «Giro d'Italia classifications demystified» (em inglês). Cyclingnews. 13 de maio de 2008 . Consultado em 11 de maio de 2012 ↑ Gösta Pettersson (Gösta Artur Roland). «Giro 1971» (em francês). memoire-du-cyclisme . Consultado em 11 de maio de 2012 ↑ «Johan De Muynck» (em francês). de Wielersite . Consultado em 11 de maio de 2012 Ver também [ editar | editar código-fonte ] Tour de France Vuelta a España UCI ProTour Ligações externas [ editar | editar código-fonte ] Página oficial do Giro D'Italia, em Italiano, Inglês, Francês, Espanhol e Alemão Cobertura diária do Giro d'Italia (em inglês ) v • e Giro d'Italia 1909 • 1910 • 1911 • 1912 • 1913 • 1914 • 1919 • 1920 • 1921 • 1922 • 1923 • 1924 • 1925 • 1926 • 1927 • 1928 • 1929 • 1930 • 1931 • 1932 • 1933 • 1934 • 1935 • 1936 • 1937 • 1938 • 1939 • 1940 • 1946 • 1947 • 1948 • 1949 • 1950 • 1951 • 1952 • 1953 • 1954 • 1955 • 1956 • 1957 • 1958 • 1959 • 1960 • 1961 • 1962 • 1963 • 1964 • 1965 • 1966 • 1967 • 1968 • 1969 • 1970 • 1971 • 1972 • 1973 • 1974 • 1975 • 1976 • 1977 • 1978 • 1979 • 1980 • 1981 • 1982 • 1983 • 1984 • 1985 • 1986 • 1987 • 1988 • 1989 • 1990 • 1991 • 1992 • 1993 • 1994 • 1995 • 1996 • 1997 • 1998 • 1999 • 2000 • 2001 • 2002 • 2003 • 2004 • 2005 • 2006 • 2007 • 2008 • 2009 • 2010 • 2011 • 2012 • 2013 • 2014 • 2015 • 2016 • 2017 • 2018 v • e UCI World Tour Provas Tour Down Under Paris-Nice Tirreno-Adriático Milão-Sanremo Volta à Catalunha E3 Harelbeke Gent-Wevelgem Ronde van Vlaanderen/Volta à Flandres Vuelta Ciclista al Pais Vasco Paris - Roubaix Amstel Gold Race La Flèche Wallonne Liège-Bastogne-Liège Tour de Romandie Giro d'Italia Critérium du Dauphiné Tour de Suisse Tour de France Clasica Ciclista San Sebastian Tour de Pologne Eneco Tour Vuelta a España Vattenfall Cyclassics GP Ouest France GP de Québec GP de Montréal Mundial de Contrarrelógio Giro di Lombardia Extintas Tour of Beijing v • e Ciclismo Bicicleta • Ciclista • Ciclovia • História do ciclismo • Paraciclismo • União Ciclística Internacional‎ Modalidades Aquático • Biketrial • BMX • Ciclocross • Contrarrelógio • Cross-country • Downhill • Estrada • Freeride • Pista • Singletrack • TT Trial • Ultraciclismo Modelos de Bicicletas Elétrica • Marcha única • Monociclo • Mountain bike • Reclinada • Speed • Tandem Peças e Componentes Alforje • Caixa de direção • Camisa • Canote • Capacete • Caramanhola • Ciclocomputador • Cubo coaster brake • Cubo freecoaster • Freehub • Freios • Mesa • Movimento central • Pedal • Pedivela • Quadro • Reboque • Roda • Selim Principais Competições Recorde da hora • Mundial de Pista • Copa América • Jogos Olímpicos • Giro d'Italia • Jogos Pan-Americanos • Tour de France • UCI World Tour • Vuelta a España Maiores Ciclistas Alberto Contador • Alfredo Binda • Bernard Hinault • Eddy Merckx • Fausto Coppi • Felice Gimondi • Gino Bartali • Jacques Anquetil • Miguel Indurain • Tony Rominger Portal do ciclismo Portal do desporto Portal da Itália Obtida de ' https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Giro_d%27Italia&oldid=50720947 ' Categoria : Giro d'Italia Categorias ocultas: !CS1 inglês-fontes em língua (en) !CS1 francês-fontes em língua (fr) Menu de navegação Ferramentas pessoais Não autenticado Discussão Contribuições Criar uma conta Entrar Domínios Artigo Discussão Variantes Vistas Ler Editar Editar código-fonte Ver histórico Mais Busca Navegação Página principal Conteúdo destacado Eventos atuais Esplanada Página aleatória Portais Informar um erro Loja da Wikipédia Colaboração Boas-vindas Ajuda Página de testes Portal comunitário Mudanças recentes Manutenção Criar página Páginas novas Contato Donativos Imprimir/exportar Criar um livro Descarregar como PDF Versão para impressão Noutros projetos Wikimedia Commons Ferramentas Páginas afluentes Alterações relacionadas Carregar ficheiro Páginas especiais Hiperligação permanente Informações da página Elemento Wikidata Citar esta página Noutros idiomas Alemannisch Aragonés العربية Azərbaycanca Беларуская Български Brezhoneg Bosanski Català Čeština Cymraeg Dansk Deutsch Ελληνικά English Esperanto Español Eesti Euskara فارسی Suomi Føroyskt Français Galego עברית Hrvatski Magyar Bahasa Indonesia Italiano 日本語 Қазақша 한국어 Lëtzebuergesch Limburgs Lietuvių Latviešu Македонски Plattdüütsch Nederlands Norsk nynorsk Norsk Polski Piemontèis Română Русский Sicilianu Scots Srpskohrvatski / српскохрватски Simple English Slovenčina Slovenščina Српски / srpski Svenska ไทย Türkçe Татарча/tatarça Українська Vèneto Tiếng Việt West-Vlams 中文 Editar hiperligações Esta página foi editada pela última vez à(s) 17h57min de 10 de dezembro de 2017. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) . pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso . Política de privacidade Sobre a Wikipédia Avisos gerais Programadores Declaração sobre cookies Versão móvel



http://bni.com.br/italiaegreciapr.htm
  GLOBALTUR Agente CVC Credenciado As melhores viagens começam com as melhores escolhas... GLOBALTUR, a sua melhor escolha. GLOBALTUR - Rua Senador Souza Naves, 2245 - Lago Igapó - Londrina - Paraná - Fone: (43) 3343-2000 Página Inicial Passagens Aéreas Reserva de Hotel Aluguel de carro Cruzeiros Marítimos Fretamento de ônibus Atendimento à Eventos Previsão do Tempo Horário Mundial Dicas Importantes ... Importantes Faça seu Cadastro Fale Conosco PROGRAMAS INTERNACIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS ITÁLIA E GRÉCIA CAPITAIS DA ITÁLIA Itália GRÉCIA E SUL DA ITÁLIA Itália e Grécia SICILIA E SUL DA ITÁLIA Itália ITÁLIA Itália ITÁLIA E SUIÇA Itália e Suiça ROMA E PARIS Itália e França ROMA E SICILIA Itália ROMA, SUL DA ITÁLIA E GRÉCIA Itália e Grécia ITÁLIA E ÁUSTRIA Itália e Áustria ITÁLIA DE NORTE A SUL Itália, Monte Carlo e França ITÁLIA E GRÉCIA França, Monte Carlo, Itália e Grécia ROMA, SICILIA E GRÉCIA Itália e CACHE

GLOBALTUR Agente CVC Credenciado As melhores viagens começam com as melhores escolhas... GLOBALTUR, a sua melhor escolha. GLOBALTUR - Rua Senador Souza Naves, 2245 - Lago Igapó - Londrina - Paraná - Fone: (43) 3343-2000 Página Inicial Passagens Aéreas Reserva de Hotel Aluguel de carro Cruzeiros Marítimos Fretamento de ônibus Atendimento à Eventos Previsão do Tempo Horário Mundial Dicas Importantes Faça seu Cadastro Fale Conosco PROGRAMAS INTERNACIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS ITÁLIA E GRÉCIA CAPITAIS DA ITÁLIA Itália GRÉCIA E SUL DA ITÁLIA Itália e Grécia SICILIA E SUL DA ITÁLIA Itália ITÁLIA Itália ITÁLIA E SUIÇA Itália e Suiça ROMA E PARIS Itália e França ROMA E SICILIA Itália ROMA, SUL DA ITÁLIA E GRÉCIA Itália e Grécia ITÁLIA E ÁUSTRIA Itália e Áustria ITÁLIA DE NORTE A SUL Itália, Monte Carlo e França ITÁLIA E GRÉCIA França, Monte Carlo, Itália e Grécia ROMA, SICILIA E GRÉCIA Itália e Grécia Para consulta sobre outros programas preencha e envie o formulário abaixo. Nome Endereço Cidade Estado AC AL AP AM BA DF CE ES GO MA MS MT MG PA PB PE PI PR RJ RN RS RO RR SC SP SE TO E-mail Fone (Res): Fone (Com): Fone (Cel): Digite sua mensagem: Programas Internacionais Programas Nacionais Amazônia Brasil Fácil Nordeste Brasil Central Minas Gerais Sul do Brasil Pantanal - Bonito - Chapada



http://construbusca.com.br/italiaegreciapr.htm
  GLOBALTUR Agente CVC Credenciado As melhores viagens começam com as melhores escolhas... GLOBALTUR, a sua melhor escolha. GLOBALTUR - Rua Senador Souza Naves, 2245 - Lago Igapó - Londrina - Paraná - Fone: (43) 3343-2000 Página Inicial Passagens Aéreas Reserva de Hotel Aluguel de carro Cruzeiros Marítimos Fretamento de ônibus Atendimento à Eventos Previsão do Tempo Horário Mundial Dicas Importantes ... Importantes Faça seu Cadastro Fale Conosco PROGRAMAS INTERNACIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS ITÁLIA E GRÉCIA CAPITAIS DA ITÁLIA Itália GRÉCIA E SUL DA ITÁLIA Itália e Grécia SICILIA E SUL DA ITÁLIA Itália ITÁLIA Itália ITÁLIA E SUIÇA Itália e Suiça ROMA E PARIS Itália e França ROMA E SICILIA Itália ROMA, SUL DA ITÁLIA E GRÉCIA Itália e Grécia ITÁLIA E ÁUSTRIA Itália e Áustria ITÁLIA DE NORTE A SUL Itália, Monte Carlo e França ITÁLIA E GRÉCIA França, Monte Carlo, Itália e Grécia ROMA, SICILIA E GRÉCIA Itália e CACHE

GLOBALTUR Agente CVC Credenciado As melhores viagens começam com as melhores escolhas... GLOBALTUR, a sua melhor escolha. GLOBALTUR - Rua Senador Souza Naves, 2245 - Lago Igapó - Londrina - Paraná - Fone: (43) 3343-2000 Página Inicial Passagens Aéreas Reserva de Hotel Aluguel de carro Cruzeiros Marítimos Fretamento de ônibus Atendimento à Eventos Previsão do Tempo Horário Mundial Dicas Importantes Faça seu Cadastro Fale Conosco PROGRAMAS INTERNACIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS ITÁLIA E GRÉCIA CAPITAIS DA ITÁLIA Itália GRÉCIA E SUL DA ITÁLIA Itália e Grécia SICILIA E SUL DA ITÁLIA Itália ITÁLIA Itália ITÁLIA E SUIÇA Itália e Suiça ROMA E PARIS Itália e França ROMA E SICILIA Itália ROMA, SUL DA ITÁLIA E GRÉCIA Itália e Grécia ITÁLIA E ÁUSTRIA Itália e Áustria ITÁLIA DE NORTE A SUL Itália, Monte Carlo e França ITÁLIA E GRÉCIA França, Monte Carlo, Itália e Grécia ROMA, SICILIA E GRÉCIA Itália e Grécia Para consulta sobre outros programas preencha e envie o formulário abaixo. Nome Endereço Cidade Estado AC AL AP AM BA DF CE ES GO MA MS MT MG PA PB PE PI PR RJ RN RS RO RR SC SP SE TO E-mail Fone (Res): Fone (Com): Fone (Cel): Digite sua mensagem: Programas Internacionais Programas Nacionais Amazônia Brasil Fácil Nordeste Brasil Central Minas Gerais Sul do Brasil Pantanal - Bonito - Chapada



https://pt.wikipedia.org/wiki/Tarot
  Tarot – Wikipédia, a enciclopédia livre Tarot Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes , mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde agosto de 2013) . Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto . Material sem fontes poderá ser removido . — Encontre fontes: ... — na região da Floresta Negra no sul da Alemanha , Suíça , Áustria , Hungria e no norte da Itália ... XVI no norte da Itália, e foram criadas para um jogo de mesmo nome, que era jogado pelos nobres e ... em Milão , Ferrara ou Bolonha , [ 7 ] no norte da Itália , onde cartas de trunfo foram adicionadas ... , infelizmente — e três documentos, todos da corte de Ferrara , na Itália. Não é possível datar os ... , um ano de jubileu na Itália, que presenciou muitas festividades e um grande movimento de peregrinos CACHE

Tarot – Wikipédia, a enciclopédia livre Tarot Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação , pesquisa Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes , mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde agosto de 2013) . Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto . Material sem fontes poderá ser removido . — Encontre fontes: Google ( notícias , livros e acadêmico ) Nota: Para outros significados, veja Tarot (desambiguação) . Tarô de Visconti Sforza Uma versão artística-contemporânea das cartas de Tarô O Tarot ou Tarô ( português brasileiro ) é um jogo de cartas jogado na França e em outros países francófonos, composto por um baralho de 78 cartas. A Federação Francesa de Tarot publicou as regras oficiais do jogo. [ 1 ] Jogos da mesma família com diferentes nomes são também jogados em outros países da Europa central — na região da Floresta Negra no sul da Alemanha , Suíça , Áustria , Hungria e no norte da Itália . Desde o século XVIII as cartas passaram a ser usadas para a previsão do futuro e desde fins do século XIX elas integram o cerne do esoterismo moderno juntamente com a Cabala , a astrologia e a alquimia medieval . Índice 1 Introdução 2 Etimologia 3 História 3.1 Os primeiros baralhos: séc. XIV–XV 3.2 Baralhos posteriores: séc. XVI–XX 4 Classificação dos tarôs 4.1 Características estritas dos baralhos ditos “de Marselha” 4.2 Tarôs no século XX 5 O jogo de tarô 6 O tarô esotérico 6.1 História 6.2 Estrutura 6.2.1 Arcanos maiores 6.2.2 Arcanos menores 6.2.2.1 Naipe de ouros 6.2.2.2 Naipe de Paus 6.2.2.3 Naipe de Copas 6.2.2.4 Naipe de Espadas 6.3 Método 7 Referências 8 Bibliografia 9 Ligações externas Introdução [ editar | editar código-fonte ] As cartas de tarô surgiram entre os séculos XV e XVI no norte da Itália, e foram criadas para um jogo de mesmo nome, que era jogado pelos nobres e pelos senhores das casas mais tradicionais da Europa continental. O tarô (também conhecido como tarot , tarocchi , tarock e outros nomes semelhantes) é caracteristicamente um conjunto de setenta e oito cartas composto por vinte e um trunfos , um Curinga e quatro conjuntos de naipes com quatorze cartas cada — dez cartas numeradas e quatro figuras (uma a mais por naipe que o baralho lusófono). As cartas de tarô são muito usadas na Europa em jogos de cartas , como o Tarocchini italiano e o Tarô francês . Nos países lusófonos, onde esse jogo é bastante desconhecido, as cartas de tarô são usadas principalmente para uso divinatórios , para o qual os trunfos e o curinga são conhecidos como arcanos maiores e as cinquenta e seis cartas de naipe são arcanos menores . Os significados divinatórios são derivados principalmente da Cabala — vertente mística do judaísmo — e da alquimia medieval . Atualmente, o Tarot obtém expressão nas mais diversas áreas, sendo um instrumento de estudo e uso até pela Psicologia . Carl Gustav Jung , renomado psicólogo do século XX, falou em Arquétipo (imagens arcaicas), imagens da memória coletiva ancestral que estão dentro de nossos inconscientes e que podem ser ativadas por determinado Símbolo , que revigora e traz à tona toda a carga emocional que a imagem possui em si e que nos toca profundamente. As cartas do Tarot são vistas então como ilustrações sobre os anseios da alma humana, uma espécie de história em quadrinhos sobre os nossos dramas. [ 2 ] Etimologia [ editar | editar código-fonte ] A palavra tarô na língua portuguesa (ou em outras línguas: tarot, tarock, tarok, tarocco, tarocchi etc.) não possui uma tradução específica — ninguém sabe ao certo sua real etimologia . Acredita-se que ele possa vir da palavra árabe turuq , que significa 'quatro caminhos', [ 3 ] ou talvez do árabe tarach , [ 4 ] que significa 'rejeito'. Segundo a etimologia francesa, tarot é um empréstimo do italiano tarocco , derivado de tara , [ 5 ] 'perda de valor que sofre uma mercadoria. dedução, ação de deduzir'. O tarô tradicional possui 78 cartas. quando usado para fins divinatórios , cada qual é denominada de arcano , palavra que significa 'mistérios ou segredos a serem desvendados' e foi incorporada pelos ocultistas do século XIX. História [ editar | editar código-fonte ] Os jogos de cartas entraram na Europa no final do século XIV , com os mamelucos da Pérsia , [ 6 ] cujos jogos tinham naipes muito semelhantes aos naipes latinos italianos e espanhóis: espadas, bastões, copas e ouros (moedas). Embora haja um número significativo de hipóteses para a origem do tarô, as evidências atualmente mostram que os primeiros baralhos foram criados entre 1410 e 1430 em Milão , Ferrara ou Bolonha , [ 7 ] no norte da Itália , onde cartas de trunfo foram adicionadas aos já existentes baralhos de naipe. Esses novos baralhos foram chamados de carte da trionfi , cartas de triunfo, e as cartas adicionais simplesmente de trionfi , termo que originou a palavra 'trunfo' em português. A primeira evidência literária da existência das carte da trionfi foi um registro escrito nos autos da corte de Ferrara, em 1442. As mais antigas cartas de tarô existentes são de quinze baralhos incompletos pintados em meados do século XV para a família governante de Milão, os Visconti Sforza . Não há documentos que atestem o uso divinatório do tarô anteriores ao século XVIII , embora se saiba que o uso de cartas semelhantes para tal uso era evidente por volta de 1540. Um livro intitulado Os Oráculos de Francesco Marcolino da Forli apresenta um método divinatório simples usando o naipe de ouros de um baralho comum. [ 8 ] Manuscritos de 1735 ( O Quadrado dos Setes [ 9 ] ) e 1750 ( Cartomancia Pratesi ) documentam o significado rudimentar divinatório das cartas de tarô, bem como um sistema de tirada de cartas. Em 1765, Giacomo Casanova escreveu em seu diário que sua criada russa frequentemente usava um baralho de jogar para ler a sorte. [ 10 ] Os primeiros baralhos: séc. XIV–XV [ editar | editar código-fonte ] As cartas de jogar apareceram na Europa cristã por volta de 1367, data da primeira evidência documentada de sua existência — a proibição de seu uso, em Berna , na Suíça . Antes disso, as cartas foram usadas por muitas décadas no Al-Andalus islâmico . As primeiras fontes europeias descrevem um baralho com normalmente cinquenta e duas cartas, como o baralho moderno sem curingas. [ 11 ] O tarô de setenta e oito cartas resultou da adição de vinte e um trunfos numerados mais um sem número (o curinga) à variante de cinquenta e seis cartas (quatorze cartas cada naipe). [ 11 ] A expansão do uso dos jogos de cartas na Europa pode ser estimada por volta de 1377, [ 12 ] a partir de quando as cartas de tarô parecem ter-se desenvolvido por volta de quarenta anos depois, e são mencionadas no que sobreviveu do texto de Marziano da Tortona . Estima-se que o texto tenha sido escrito entre 1418 e 1425, uma vez que o pintor Michelino da Besozzo retornou a Milão em 1418 e o autor faleceu em 1425. Da Tortona descreve um baralho semelhante em muitos aspectos às cartas usadas em jogos de tarô, embora o que ele descreve seja mais um precursor do tarô que o que se pode conceber das atuais cartas de tarô. Por exemplo, seu baralho tem apenas dezesseis trunfos, com motivos destoantes aos dos atuais baralhos (lá são deuses gregos ), e os quatro naipes são quatro espécies de pássaros, e não os naipes italianos comuns. O que faz do baralho de Tortona mais semelhante ao tarô que os outros baralhos descritos na época é obviamente a presença de cartas de trunfo no conjunto. Cerca de vinte e cinco anos depois, Jacopo Antonio Marcello , um contemporâneo de Da Tortona, denominou-os de ludus triumphorum , ou 'jogo dos triunfos'. [ 13 ] Le Bateleur (' O Mago ') do Tarô de Marselha Os documentos seguintes que parecem confirmar a existência de objetos semelhantes a cartas de tarô são dois baralhos milaneses (o Brera-Brambilla e o Tarô Cary-Yale) — fragmentários, infelizmente — e três documentos, todos da corte de Ferrara , na Itália. Não é possível datar os conjuntos de cartas, mas estima-se que tenham sido manufaturados por volta de 1440. De acordo com o historiador italiano Giordano Berti , o Tarot foi inventado quase certamente antes do ano 1440, na corte do Duque de Milão Filippo Maria Visconti. Esta crença decorre do fato que, dentro do baralho desenhado por Marziano da Tortona, lá são muitos personagens também presentes no Tarô do século XV. [ 14 ] No entanto, existem três três documentos de Ferrara datam de 1.º de janeiro de 1441 a julho de 1442, com o termo trionfi registrado pela primeira vez em fevereiro de 1442. O documento de janeiro de 1441, que usa o termo trionfi , não é considerado confiável. contudo, o fato de o mesmo pintor, Jacomo Sagramoro , ter sido comissionado pelo mesmo patrão, Leonello d'Este — como no documento de fevereiro de 1442 — indica que é ao menos plausível um exemplo do mesmo tipo. Depois de 1442 há uns sete anos sem quaisquer exemplos de material semelhante. O jogo parece ter ganhado importância no ano de 1450, um ano de jubileu na Itália, que presenciou muitas festividades e um grande movimento de peregrinos. Os motivos especiais das cartas de trunfo, adicionados às cartas de naipe, parecem ter sido ideologicamente determinados. Especula-se que elas tragam um sistema específico que leva mensagens de diferentes conteúdos. Os exemplares mais antigos mostram ideias filosóficas , sociais , poéticas , astronômicas e heráldicas , bem como um grupo de antigos heróis romanos , gregos e babilônicos — como no caso do Tarô Sola-Busca (1491). [ 15 ] o sentido geral deste grupo, porém, está ligado a alquimia medieval. [ 16 ] Ainda no poema do Matteo Maria Boiardo Capitoli del giuoco dei Tarocchi (entre 1461 e 1494) os 22 trunfos são figuras históricas, literárias, mitológicas ou bíblicas. Neste caso, os quatro símbolos são diferentes dos tradicionais. são os Olhos, Chicotes, Setas e Potes, para significar amor, inveja, esperança e medo. [ 17 ] O tarô mais antigo que se tem notícia, descrito no livreto de Martiano, foi confeccionado para mostrar o sistema de divindades gregas, um tema que estava em moda na Itália. Sua produção pode muito bem ter acompanhado uma celebração triunfal do comissário Filippo Maria Visconti , duque de Milão, significando que o propósito do baralho era expressar e consolidar o poder político em Milão (como era comum para outros artesãos da época). Os quatro naipes traziam quatro pássaros, motivos que frequentemente apareciam na heráldica dos Visconti, e ordem específica dos deuses conotava que o baralho pretendia trazer uma os Visconti se identificavam como descendentes de Júpiter e Vênus (vistos não como deuses mas como heróis deificados). Os primeiros baralhos conhecidos parecem ter trazido o número padrão de dez cartas de naipe numeradas, mas com apenas reis como figuras, e dezesseis trunfos. O padrão posterior (de quatro naipes com quatorze mais vinte e duas) levou tempo para se estabelecer. baralhos trionfi com setenta cartas só começaram a ser documentados em 1457. Nenhuma evidência corrobora com o formato final de setenta e oito cartas existente antes do poema dos tarocchi Boiardo e Sola Busca. As mais antigas cartas de tarô existentes são de três conjuntos dos meados do século XV, todos feitos para membros da família Visconti. O primeiro baralho é conhecido como Tarô Cary-Yale (ou Tarô Visconti-Modrone), que foi criado entre 1442 e 1447 por um pintor anônimo para Fillipo Maria Visconti. As cartas (apenas sessenta e seis), estão hoje na Biblioteca da Universidade de Yale, em New Haven. Mas o mais famoso desses baralhos antigos foi pintado em meados do século XV para celebrar o governo de Milão por Francesco Sforza e sua esposa Bianca Maria Visconti, filha do duque Fillipo Maria. Provavelmente, essas cartas foram pintadas por Bonifacio Bembo , mas algumas das cartas foram pintadas por miniaturistas de outra escola. Das cartas originais, trinta e cinco estão na Morgan Library & Museum , vinte e seis na Accademia Carrara , treze estão na Casa Colleoni e duas, 'O Diabo' e 'A Torre', estão perdidas, ou possivelmente omitidas. Este baralho 'Visconti-Sforza' , que foi bastante reproduzido, combina os quatro naipes de ouros, espadas, copas e paus e as cartas da corte rei, rainha, cavaleiro e valete com cartas de trunfo que refletem a iconografia da época num grau significativo. Por muito tempo, as cartas de tarô permaneceram um privilégio das classes altas e, embora alguns sermões do século XIV advertissem para o mal existente nas cartas, a maioria dos governos civis geralmente não condenava as cartas de tarô nos seus primórdios. De fato, em algumas jurisdições, as cartas de tarô eram especialmente isentas das leis que proibiam os jogos de cartas. Baralhos posteriores: séc. XVI–XX [ editar | editar código-fonte ] Como os tarôs antigos eram pintados à mão, estima-se que o número de baralhos produzidos era um tanto pequeno, e foi apenas depois da invenção da imprensa que a produção em massa de cartas se tornou possível. Durante a fase de produção artesanal das cartas, desenvolveram-se muitas variedades regionais com diferentes sistemas de naipes e também na ordem dos trunfos. Com a expansão do